Estudo de viabilidade econômica para exploração de petróleo e gás

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de viabilidade econômica para exploração de petróleo e gás"

Transcrição

1 Estudo de viabilidade econômica para exploração de petróleo e gás Márcio Alberto Oliveira da Silva (Faculdade do Espírito Santo) Me. Sharinna Venturim Zanuncio (Faculdade do Espírito Santo) Resumo: O escopo, bem detalhado de um projeto, é o primeiro passo para o sucesso da atividade a ser desenvolvida, logo, torna-se necessário uma macro visão de todo o processo. Apresenta-se uma breve descrição sucinta das principais fases e áreas de conhecimento do estudo de viabilidade econômica na área. A carência de material bibliográfico específico e o fato de detalhar um assunto que envolve aspectos estratégicos de projetos de exploração e produção (E&P), pouco compartilhados, tornou o trabalho complexo e delicado. Para compor este projeto foram pesquisadas inúmeras empresas ancoras no mercado nacional e internacional na área de exploração de petróleo e gás, assim como a experiência na área de trabalho em projetos de montagem e construção de redes de gás pela BR DISTRIBUIDORA S.A. Assim este trabalho tem o objetivo de contribuir para ampliar as informações sobre o gerenciamento de projetos de E&P, de forma a auxiliar novos gerentes, engenheiros de projetos e tantos outros profissionais da área em suas atividades rotineiras. Palavras-chave: Gerenciamento de Projetos; Exploração de Petróleo e Gás; Gasodutos Terrestres. 1. Introdução Hoje uma empresa que deseja entrar no ramo de exploração e produção de petróleo usualmente detém uma carteira de projetos, cada uma com características próprias, que representam oportunidades de investimento distintas, em diversos países. Para gerenciar seu banco de dados, a empresa precisa realizar uma comparação dos riscos e dos retornos destes projetos, para se planejar no tocante a demanda de investimentos no curto e médio prazos, bem como conhecer uma expectativa de retorno global. Uma forma de comparar distintos projetos de Exploração e Produção de Petróleo (E&P), cada um com suas características distintas, é a realização de uma avalia ção técnico-econômica. No que diz respeito ao estudo de viabilidade econômica, nada mais é que uma das formas das empresas avaliarem os riscos de um futuro investimento e a partir dos resultados obtidos tomar decisões para minimizar ou eliminar as perdas encontradas. Por meio desta avaliação, a empresa pode comparar seus projetos em uma mesma base e enfim gerenciar seu banco de dados com todas as informações necessárias de forma a minimizar os riscos envolvidos. O fator econômico da avaliação tem como objetivo principal estimar o valor do projeto para a empresa. Tal avaliação retorna expectativas de indicadores importantes para a gestão da empresa, como: investimento necessário, lucro, taxa interna de retorno, volume de produção, reservas adquiridas, dentre outros. 1

2 Ao se iniciar uma avaliação econômica de um projeto, a empresa busca obter uma série de dados técnicos que possam estimar algumas premissas como a chance de descoberta de petróleo (mais conhecida como fator de sucesso), volumes e reservas de petróleo, investimentos e custos operacionais para a produção de petróleo, entre outros. Trata-se de um trabalho em cadeia que envolve profissionais de diversas disciplinas (geólogos, geofísicos, engenheiros de perfuração, engenheiros de reservatório, engenheiros de produção, economistas, entre outros) sendo que cada um dependente do insumo provido pelo trabalho realizado na etapa anterior. Segundo Braña (2008), as etapas de um projeto de E&P, resumidamente são: 1. Análise do Bloco considerado na licitação. Recompilação de informações junto ao órgão regulador e licitador, mais as informações próprias; 2. Decisão de participação e sua estratégia. Formação de parcerias (determinação de %) e Bônus de assinatura ótimo. Processo licitatório e assinatura dos contratos correspondentes; 3. Prospecção. Diferentes estudos geológicos e geofísicos, em especial sísmicos; 4. Perfuração de poços exploratórios; 5. Avaliação e Delimitação. Declaração de Comerciabilidade; 6. Desenvolvimento do Bloco. Engenharias de Reservatório, de Produção e de Superfície. Produção dos hidrocarbonetos. Venda e Tributação do Petróleo; 7. Desinstalações. Devolução do Bloco. A Figura 1 exemplifica o fluxo de caixa para as diferentes etapas em um Projeto em E&P de Petróleo. 2

3 Figura 1 - Exemplo do fluxo de caixa em um projeto de E&P de petróleo. Fonte: Braña, Nesses parâmetros, objetivou-se com o presente trabalho apresentar e avaliar os principais Estudos de Viabilidades Econômicas realizadas pelas empresas atuantes no mercado de exploração do petróleo no mundo e no Brasil. Pois a unificação de conhecimento, que o presente trabalho permite, mostrar a capacidade educacional e acadêmica do curso ministrado (Engenharia de Petróleo e Gás), além de apresentar as habilidades potenciais do profissional que está sendo formado para o mercado de trabalho. Assim, permite a contribuição para o mundo acadêmico, uma vez que, a carência de material bibliográfico específico e o fato de detalhar um assunto que envolve aspectos estratégicos de projetos de E&P, pouco compartilhados, tornou o trabalho complexo e delicado, no entanto, apesar das dificuldades e limitações, um trabalho rico em informações. E para o alcance do objetivo, procurou-se construir este trabalho a partir do levantamento bibliográfico considerando os seguintes temas: História da Indústria do Petróleo no Brasil e no Mundo, Etapas em um processo Licitatório para exploração de petróleo e gás, planejamento do escopo, riscos e os custos neste mercado cada vez mais concorrido. Buscouse compreender o funcionamento da E&P para visualizarmos o quanto é importante o planejamento minucioso de cada etapa do projeto, para somente então identificar se haverá sucesso ou fracasso durante o processo de exploração. 3

4 2. Estudo de Viabilidade Econômica Segundo Pinheiro (2004), ao se iniciar uma avaliação econômica de um projeto, a empresa busca obter uma série de dados que possam balizar a estimativa de premissas como a chance de descoberta de petróleo (mais conhecida como fator de sucesso), volumes e reservas de petróleo, investimentos (Capex) e custos operacionais (Opex) para a produção de petróleo, entre outros. Todas essas informações servirão de insumo para a avaliação econômica que depende também das características financeiras do projeto como o custo de capital da empresa, a taxa de retorno esperada e o regime fiscal vigente no país (LUCHESSI, 2011). A Figura 2 mostra um exemplo de fluxo das diversas atividades e estudos necessários a uma completa avaliação técnico-econômica de um projeto exploratório, exemplificando todas as áreas por onde é necessário percorrer até a fase de perfuração do poço e escoamento do gás produzido. Uma vez definidas as premissas técnicas (fator de sucesso, volume potencial, custos para desenvolvimento, etc.) e econômicas (preço do petróleo e do gás, custo de capital, regras do regime fiscal aplicável) do projeto, é construído o cenário de sucesso deste projeto, ou seja, monta-se um fluxo de caixa baseado na hipótese de que a exploração será bem-sucedida e no potencial volume de petróleo que será descoberto e produzido. Com este fluxo de caixa, pode se calcular indicadores econômicos do projeto (LUCHESSI, 2011). A técnica de árvore de decisão, apresentada em detalhes por Margueron (2003), é uma forma de visualização gráfica da ponderação do risco de descoberta de petróleo em determinado projeto. 4

5 Figura 2 - Fases de toda a cadeia exploratória de petróleo e gás. Fonte: Suslick, De maneira simplificada, a Figura 3 apresenta uma típica árvore de decisão na avaliação econômica. Figura 3 - Árvore de Decisão, técnica e econômica. Fonte: Luchessi, Estimativas de custos São avaliações quantitativas dos prováveis custos dos recursos requeridos para realização das atividades ou também pode-se entender como sendo o desenvolvimento de uma 5

6 estimativa dos custos dos recursos necessários para terminar as atividades do projeto (PMBOK, 2004). Pinheiro (2004) descreve que as estimativas por analogia (ou estimativas top-down) usam os custos reais de projetos anteriores similares como base para a estimativa do custo do projeto corrente. São uma forma de avaliação do especialista. As estimativas por analogia são mais confiáveis quando as atividades anteriores são semelhantes e os grupos que estão preparando as estimativas possuem a experiência necessária. Já o modelo paramétrico utiliza características do projeto (parâmetros) em modelos matemáticos para prever os custos do projeto. Os modelos podem ser simples ou complexos. A identificação das atividades específicas do cronograma precisam ser realizadas para produzir as várias entregas do projeto e seus diversos subprodutos (PMBOK, 2004; PINHEIRO, 2004). Com a definição dessas atividades pode-se observar a estrutura analítica do projeto onde constam as etapas de todo o projeto na construção de um gasoduto terrestre, e a partir do estudo de viabilidade econômica para um projeto, estima-se os custos da seguinte forma, Quadro 1. Quadro 1 - Estimativas de Custo do Projeto do Gasoduto. EAP Nome do Recurso Tipo Unidade Prazo Custo/Uso Obtenção de LP Licenças Contrato R$ ,00 SMS Atendimento das condicionantes de Licença da LP Licenças Contrato R$ , dias Obtenção de LI Licenças Contrato R$ ,00 Atendimento as demandas de SMS prévias ao projeto Licenças Contrato R$ ,00 Construção de Canteiro Serviços Contrato R$ ,00 MO Contratação de Mão de Obra Serviços Contrato R$ ,00 22 dias Equipe de Mão de Obra Indireta Serviços Contrato R$ ,00 Máquinas e Equipamentos Serviços Contrato R$ ,00 Aquisição de Materiais Material Unidade R$ ,00 AQ Aquisição de Suprimentos Material Unidade 110 dias R$ ,00 Aquisição de Ferramentas Material Unidade R$ ,00 Escavação Serviços m² R$ ,00 TE Escoramento Serviços m² 110 dias R$ ,00 Reaterro Serviços m² R$ ,00 Transporte Serviços Contrato R$ ,00 CM Assentamento Serviços Contrato 83 dias R$ ,00 Soldagem Serviços Contrato R$ ,00 6

7 Ensaios e Testes Serviços Contrato R$ ,00 Transporte Serviços Contrato R$ ,00 CSS Assentamento Serviços Contrato R$ ,00 11 dias Soldagem Serviços Contrato R$ ,00 Ensaios e Testes Serviços Contrato R$ ,00 E.N Entrega do Gasoduto Serviços Contrato 1 dia R$ 5.000,00 Desmobilização Serviços Contrato R$ ,00 DE Limpeza Serviços Contrato R$ 5.000,00 1 dia Recuperação de Área Serviços Contrato R$ ,00 Destinação final de resíduos Serviços Contrato R$ ,00 Fonte: Elaboração própria, Tordo, O destaque para o campo Entrega de Serviços (EN), se dá devido ao prazo estipulado pelo Contratante (dono da obra) no Memorial Descritivo de Serviços (MDS). 2.2 Planejamento de gerenciamento de riscos Quando compararmos projetos com o fim da elaboração de um ranking, devemos atentar para comparações homogêneas. Observando o gráfico da Figura 4, concluímos que o projeto B é melhor que o A, pois tem maior retorno, dado o mesmo risco. Ao passo que C é melhor que D, pois tem mesmo retorno e um risco menor (LEÃO JUNIOR, 2007). Figura 4 - Avaliação dos Riscos em Projetos de E&P. Fonte: Leão Junior,

8 O gerenciamento de riscos do projeto inclui os processos que tratam da realização de identificação, análise, respostas, monitoramento e controle e planejamento do gerenciamento de riscos em um projeto; a maioria desses processos é atualizada durante todo o projeto. Os objetivos do gerenciamento de riscos do projeto são aumentar a probabilidade e o impacto dos eventos positivos (lucro) e diminuir a probabilidade e o impacto dos eventos adversos (perda) ao projeto (PMBOK, 2004). Mesmo após a realização de todos os estudos sísmicos cabíveis, apenas 25% dos poços pioneiros perfurados no mundo resultam em descoberta de petróleo. Desta forma, a avaliação econômica de um projeto exploratório deve refletir apropriadamente a existência deste risco (LUCHESSI, 2011). De acordo com SILVA (2003), os principais riscos envolvidos em projetos de E&P são listados a seguir: De jazida: incertezas geológicas e incertezas de fluxo (qualidade dos poços, do reservatório e do óleo); Técnicos e tecnológicos: poços, sistema de coleta, plataforma de produção, sistema de escoamento e riscos ambientais; Econômicos e financeiros: preço do petróleo, situação macroeconômica (como inflação e taxa de câmbio) e exposição financeira; Comerciais: mercado e estratégia de contratação (por exemplo, o tipo de contrato ou modalidade de licitação). É difícil imaginar um projeto sem nenhum risco. Por isso, a área de conhecimento de gerenciamento de riscos é muito importante e tem efeito em vários processos. 2.3 Orçamento dos custos As estimativas de custos globais são alocadas aos itens individuais de trabalho e agregam os custos estimados de atividades individuais ou pacotes de trabalho para estabelecer uma linha de base dos custos. As principais entradas no orçamento de custos de um projeto de exploração e produção de petróleo e gás são: Estrutura Analítica do Projeto (EAP); O estudo de Estimativas de Custos; e O Plano de Gerenciamento de Riscos. A principal saída no orçamento de custos de um projeto de exploração e produção de petróleo e gás é: Baseline de Custos - É o orçamento referencial que será utilizado para medir e monitorar o desempenho do custo do projeto. É desenvolvido através da totalização das estimativas de custo por período e usualmente é apresentado na forma da curva-s, conforme o exemplo na Figura 5, ou seja, é a relação de custo ao longo do projeto em função do prazo (tempo) que o mesmo é realizado. 8

9 Figura 5 - Exemplo de Baseline utilizado em projetos. Fonte: PMBOK, Regimes Fiscais Um fator que interfere diretamente no planejamento econômico de um projeto de exploração de petróleo e gás é o regime fiscal, ao qual a empresa exploradora estará vinculada. Alguns autores abordam a concepção do regime fiscal ideal, que atenda, ao mesmo tempo, aos interesses do Estado e do operador privado. Segundo Tordo (2007), esses interesses são: Interesses do Estado no regime fiscal: - Garantir estabilidade macroeconômica através de fluxos de caixa previsíveis e estáveis; - Permitir captura de maior participação da renda petrolífera em períodos de alto preço de petróleo; - Maximizar o valor presente da renda petrolífera antecipando para o presente, sempre que possível, as apropriações de receita; - Ser simples de administrar; - Ser competitivo com outros países, de forma a atrair investimentos estrangeiros. Interesses do investidor privado no regime fiscal: - Ter o menor número possível de tributos não sensíveis ao lucro; - Ser apto a repatriar lucros para os acionistas no seu país de origem; - Ser transparente, previsível, estável e baseado em padrões da indústria reconhecidos internacionalmente. Os regimes fiscais existentes são usualmente classificados dentro de categorias, conforme mostra a Figura 6. 9

10 Figura 6 - Classificação dos regimes fiscais petrolíferos. Fonte: Lucchesi, O regime fiscal estabelecido para a atividade de E&P no Brasil foi o de concessão, através do qual, a propriedade do subsolo e de seus recursos minerais é da União, passando a propriedade do petróleo produzido ao Concessionário (empresa petrolífera que recebeu a concessão da exploração e produção de petróleo da ANP) no momento da produção (LUCCHESI, 2011). O regime de Concessão confere às empresas petrolíferas o direito de exercer as atividades de exploração e produção em uma determinada área ofertada ou licitada pelo Estado, por um tempo determinado, sob seu próprio risco, sendo, em caso de êxito, o óleo e o gás extraídos de sua propriedade, bastando que paguem compensação financeira ao Estado (OLIVEIRA, 2010). Esta compensação financeira acontece principalmente na forma de pagamento de royalties e tributos, podendo também haver, em alguns casos, outras compensações como a apropriação dos lucros extraordinários. No Brasil os royalties são a forma mais comum de compensação financeira quando se trata de exploração e petróleo. Funcionam como uma remuneração à sociedade pela exploração desses recursos, que são escassos e não renováveis (GUTMAN, 2007). No regime vigente de concessão no Brasil, os royalties incidem diretamente sobre a receita bruta obtida com a venda do petróleo. Seu pagamento é realizado mensalmente pelo operador ao governo e seu cálculo ocorre conforme a fórmula abaixo (ANP, 2010; LUCHESSI, 2011): 10

11 Royalty = Alíquota x (VPP x PRP + VPGN x PRGN) Onde: Alíquota alíquota de royalty prevista em contrato; VPP volume produzido de petróleo no mês; PRP preço de referência do petróleo; VPGN - volume produzido de gás natural no mês; PRGN - preço de referência do gás natural; Os preços de referência são calculados pela ANP e divulgados ao mercado mensalmente. Interessante notar que não apenas o volume de petróleo e gás natural comercializado compõe o cálculo dos royalties, senão também o gás natural queimado na plataforma e o petróleo/gás natural utilizado como combustível nas operações. Exceção é feita para o gás natural que for queimado por razões de segurança ou reinjetado no campo para aumentar a produção de petróleo (ANP, 2010). 3. Considerações Finais Ao iniciar este trabalho relatou-se o quanto é essencial para uma corporação planejar seus passos para só então iniciar uma atividade. Empresas engajadas no ramo de exploração e produção de petróleo e gás dependem de informações técnicas e econômicas para dimensionar se o projeto pretendido é viável ou não. Procurou-se então, no presente trabalho apresentar como é vasta, complexa e extremamente imprescindível o estudo de campo para se adentrar neste segmento. O estudo de viabilidade técnico e econômico é o passo inicial e mais importante para que uma empresa que vislumbre investir neste nicho de mercado, não obtenha prejuízo. Ficou evidente a importância de captar informações como: valores de investimento, probabilidade de sucesso com reservatórios inexplorados (risco), qualidade do material, recursos para exploração, etc. O planejamento de todo o processo é de suma importância neste ramo. Os valores investidos são altos, os lucros podem ser altos, porém, os prejuízos podem ser maiores ainda. Diante de tais apontamentos, fica evidenciado que não basta querer estar, é preciso muito mais que isso, é necessário poder estar neste mercado tão vasto e tão exigente quanto o mercado de petróleo e gás, e para tal, planejar é necessário. Além disso, destaca-se que o estudo de viabilidade técnico e econômico não se encerra com o presente trabalho, mas que há ainda um vasto campo para ser abordado, pois percebe-se que o ramo petrolífero cresce a cada dia, e desafios quanto a sua estruturação, e principalmente viabilidade econômica se colocam presentes no dia a dia das organizações. 11

12 Referências ANP Agência Nacional do Petróleo. Regulamento técnico de dutos terrestres para Movimentação de petróleo, derivados e gás natural (RTDT) Braña, J. P. Processo de Tomada de Decisão em Projetos de Exploração e Produção de Petróleo: Uma abordagem Sistêmica com Aplicação da Teoria de Lógica Fuzzy Rio de Janeiro: UFRJ/COPPE, GUTMAN, J. Tributação e outras obrigações na indústria do petróleo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos Editora, LEÃO JÚNIOR, J. C. F. Seleção de carteira de projetos exploratórios em etapas: agrupamento, corte e ordenação. Rio de Janeiro: Faculdades Ibmec, LUCCHESI, R. D. Regimes Fiscais de Exploração e Produção de Petróleo no Brasil e no Mundo. Rio de Janeiro: UFRJ, COPPE, MARGUERON, M. V. L. Processo de Tomada de Decisão sob Incerteza em Investimentos Internacionais na Exploração & Produção de Petróleo: Uma Abordagem Multicritério, Tese de D. SC., COPEE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil OLIVEIRA, D. A. O novo marco regulatório das atividades de exploração e produção de petróleo e gás natural no Brasil: O caso pré-sal. Jus Navigandi: Teresina, ano 15, n. 2399, 25 jan PMBOK Guide A Guide to Project Management Body of Knowledge. Pennsylvania, USA, Project Management Institute, PINHEIRO, L. R. Um Roteiro Simplificado de Gerenciamento de Projetos Aplicado à Fase de Desenvolvimento da Produção de um Campo de Petróleo com Ênfase nos Processos Centrais de Planejamento da Implantação. Rio de Janeiro, SILVA, W. G. R. Metodologia de Gerenciamento de Projetos do Segmento de E&P da Petrobrás. III Seminário Internacional do PMI-SP, São Paulo, Agosto, SUSLICK, B. S. Regulação em Petróleo e Gás Natural. Campinas, SP. Ed. Komedi TORDO, S. Fiscal Systems for Hydrocarbons: design issues. World Bank, Working Paper. No. 123, World Bank

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

ÇÕES SOBRE MODELOS CONTRATUAIS PARA EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ

ÇÕES SOBRE MODELOS CONTRATUAIS PARA EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ CONSIDERAÇÕ ÇÕES SOBRE MODELOS CONTRATUAIS PARA EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ ÇÃO O DE PETRÓLEO E GÁS G S NATURAL Ivan Simões Filho Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás G s e Biocombustíveis - IBP Seminário

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Icaro Sanguine Ribeiro: icaro@petrobras.com.br Frank Tetsuya Komati: fkomati.tempo@petrobras.com.br

Icaro Sanguine Ribeiro: icaro@petrobras.com.br Frank Tetsuya Komati: fkomati.tempo@petrobras.com.br PCPE Planejamento e Controle de Projetos Exploratórios, uma ferramenta de apoio e comunicação para o PMO da Gerência de Exploração da Unidade Operacional da Petrobras no ES Icaro Sanguine Ribeiro: icaro@petrobras.com.br

Leia mais

13 de agosto de 2015. Apresentação de Resultados 2T15 e 6M15

13 de agosto de 2015. Apresentação de Resultados 2T15 e 6M15 13 de agosto de 2015 Apresentação de Resultados 2T15 e 6M15 Agenda Visão Geral Destaques Financeiros Atualização de Ativos DESTAQUES DO PERÍODO Manati produziu média de 5,7 MM m³ por dia no 2T15 e 6M15

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Participações Governamentais na Lei do Petróleo. José Gutman Analista Técnico, Controle das Participações Governamentais Agência Nacional do Petróleo

Participações Governamentais na Lei do Petróleo. José Gutman Analista Técnico, Controle das Participações Governamentais Agência Nacional do Petróleo Participações Governamentais na Lei do Petróleo José Gutman Analista Técnico, Controle das Participações Governamentais Agência Nacional do Petróleo Regime Fiscal Brasileiro Imposto Municipal IRPJ CSLL

Leia mais

Assunto: 13ª Rodada de Licitações de Blocos e de Campos Marginais - Aprimoramento da sistemática de Conteúdo Local.

Assunto: 13ª Rodada de Licitações de Blocos e de Campos Marginais - Aprimoramento da sistemática de Conteúdo Local. 483.000879/2015-00 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural NOTA TÉCNICA N

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais

Andrea Gallo Xavier Coordenadora do Grupo de Acompanhamento de Questões Ambientais da ANP

Andrea Gallo Xavier Coordenadora do Grupo de Acompanhamento de Questões Ambientais da ANP AÇÕES E PROJETOS DA ANP RELACIONADOS AO MEIO AMBIENTE NA ÁREA DE E&P Andrea Gallo Xavier Coordenadora do Grupo de Acompanhamento de Questões Ambientais da ANP ARCABOUÇO LEGAL Art. 8, inciso IX da Lei do

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 2012. Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira

Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 2012. Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 12 Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira 1 DESAFIO PROFISSIONAL Disciplinas: Ferramentas de Software para Gestão de Projetos. Gestão de

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos Análise Econômica 74 6 Análise Econômica 6.1. Fundamentos Os tradicionais métodos de análise econômico-financeira se baseiam em considerações sobre o Fluxo de Caixa Descontado (FCD). Para a análise econômica

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007

RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GAS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP, no uso de suas atribuições

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RESERVAS DE ÓLEO E GÁS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RESERVAS DE ÓLEO E GÁS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RESERVAS DE ÓLEO E GÁS Aluno: Julia Chueke Rochlin Orientador: Silvio Hamacher Introdução Reservas de óleo e gás são ativos estratégicos não somente para avaliação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Há vagas. Suplemento óleo e gás. Déficit de mão de obra

Há vagas. Suplemento óleo e gás. Déficit de mão de obra 124 Por Beatriz Dias Bueno Há vagas A falta de investimentos e de escolas especializadas na formação de profissionais do setor de petróleo e gás cobra seu preço e faz com que o mercado atual sofra com

Leia mais

GEOFÍSCA MÉTODOS SÍSMICOS MÉTODOS POTENCIAIS MÉTODOS GEOELÉTRICOS MÉTODOS GEOTÉRMICOS REFLEXÃO REFRAÇÃO GRAVIMETRIA MAGNETOMETRIA

GEOFÍSCA MÉTODOS SÍSMICOS MÉTODOS POTENCIAIS MÉTODOS GEOELÉTRICOS MÉTODOS GEOTÉRMICOS REFLEXÃO REFRAÇÃO GRAVIMETRIA MAGNETOMETRIA 28 de maio de 2013 GEOFÍSCA MÉTODOS SÍSMICOS REFLEXÃO REFRAÇÃO MÉTODOS POTENCIAIS GRAVIMETRIA MAGNETOMETRIA MÉTODOS GEOELÉTRICOS POLARIZAÇÃO INDUZIDA ELETRORRESISTIVIDADE POTENCIAL ESPONTÂNEO RADAR DE

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra Metodologia de Projetos André Gomes Coimbra Cronograma Aula 3 Trabalho (10 pts) Aula 5 Avaliação (5 pts) Aula 9 Exercício (10 pts) Aula 10 Apresentação do projeto REDES (25 pts) Aula 11 Avaliação (10 pts)

Leia mais

2 Aspectos gerais sobre projetos de E&P

2 Aspectos gerais sobre projetos de E&P 2 Aspectos gerais sobre projetos de E&P Este trabalho define um projeto de E&P como um projeto que visa explorar reservatórios subterrâneos e produzir descobertas de hidrocarbonetos. Independente do local

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu. Gerenciamento de Projetos Web Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/frufrek Possui Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados pela

Leia mais

II.7.6. PROJETO DE DESATIVAÇÃO. 1. Justificativa

II.7.6. PROJETO DE DESATIVAÇÃO. 1. Justificativa II.7.6. PROJETO DE DESATIVAÇÃO 1. Justificativa A desativação de um campo de produção de petróleo contempla uma série de procedimentos que devem ser adotados, com vista à proteção e à manutenção da qualidade

Leia mais

Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC ONSHORE. Workshop Tecnológico Sondas de Perfuração Onshore FIEBE Salvador/BA 31 de julho de 2012

Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC ONSHORE. Workshop Tecnológico Sondas de Perfuração Onshore FIEBE Salvador/BA 31 de julho de 2012 Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC ONSHORE Workshop Tecnológico Sondas de Perfuração Onshore FIEBE Salvador/BA 31 de julho de 2012 PLATEC - CONCEITUAL Plataformas Tecnológicas É uma base de conhecimentos

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

[SPG VOL.VI MANUAL DE ATIVIDADES - PROCEDIMENTOS DE PAGAMENTO AOS PROPRIETÁRIOS DE TERRA ]

[SPG VOL.VI MANUAL DE ATIVIDADES - PROCEDIMENTOS DE PAGAMENTO AOS PROPRIETÁRIOS DE TERRA ] 2009 [SPG VOL.VI MANUAL DE ATIVIDADES - PROCEDIMENTOS DE PAGAMENTO AOS PROPRIETÁRIOS DE TERRA ] Descrição das atividades, por etapas sistemáticas, que compõe a atividade de Pagamento aos Proprietários

Leia mais

3 Geo/Sensoriamento Remoto

3 Geo/Sensoriamento Remoto 3 Geo/Sensoriamento Remoto Neste item, serão apresentadas pesquisas desenvolvidas em programas da Coppe/UFRJ relacionadas à temática geo/sensoriamento remoto. Alguns resultados parciais desta linha temática

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 13 DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Gestão de Custos Gestão de Aquisições e Contratações Autor: Prof. Dr. Valter Castelhano

Leia mais

PLANO DECENAL - ANP. Mauro Barbosa de Araújo Superintendência de Definição de Blocos

PLANO DECENAL - ANP. Mauro Barbosa de Araújo Superintendência de Definição de Blocos PLANO DECENAL - ANP Planejamento das Atividades de Estudos Geológicos & Geofísicos nas Bacias Sedimentares Brasileiras Visando a Exploração de Petróleo e Gás Natural Mauro Barbosa de Araújo Superintendência

Leia mais

Breve Panorama do Gás Natural no Brasil

Breve Panorama do Gás Natural no Brasil Breve Panorama do Gás Natural no Brasil WAGNER MARQUES TAVARES Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos NOVEMBRO/2009 Wagner Marques Tavares Consultor Legislativo 2 SUMÁRIO

Leia mais

TC 045 Gerenciamento de Projetos

TC 045 Gerenciamento de Projetos TC 045 Gerenciamento de Projetos Escopo Tempo Figura: D. Randa (2012) NAYARA SOARES KLEIN nayaraklein@gmail.com ANO: 2013 Escopo: s.m. Finalidade; alvo; intento; propósito. Dicionário Aurélio Escopo do

Leia mais

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Finanças em Projetos de TI Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Gerenciamentode Custos PMBOK apresentaosseguintesconceitos: Gerenciamento de custos; Processos de Gerenciamento de custos: Estimar custos; Determinar

Leia mais

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Airton Eustaquio Braga Junior aebjr@terra.com.br MBA Gestão de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pos-Graduação IPOG Goiania, GO, 02 de Setembro

Leia mais

CONTROLE SOCIAL SOBRE OS ROYALTIES DO PETRÓLEO: QUEM SABE O QUE?

CONTROLE SOCIAL SOBRE OS ROYALTIES DO PETRÓLEO: QUEM SABE O QUE? CONTROLE SOCIAL SOBRE OS ROYALTIES DO PETRÓLEO: QUEM SABE O QUE? Gisele Chaves (UFES) giselechaves2@yahoo.com.br JORGE LUIZ DOS SANTOS JUNIOR (UFES) jjuniorsan@yahoo.com.br Lys Piovezan Tardin (UFES) lyspiovezan@gmail.com

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CLÁUSULA DE INVESTIMENTOS EM P&D I. Aspectos gerais 1. Introdução O objetivo da cláusula de Investimentos em P&D é a geração de novas tecnologias, novos

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Explorando as Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projeto Entendendo como Projetos Acontecem

Leia mais

IV EVENTO GUGP 2014. Gestão de Custos em Projetos Complexos

IV EVENTO GUGP 2014. Gestão de Custos em Projetos Complexos IV EVENTO GUGP 2014 Gestão de Custos em Projetos Complexos Eng. Rogério Dorneles Severo, PMP Agosto/2014 Rogério Dorneles Severo, PMP Profissional com mais de 20 anos de experiência em empreendimentos

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Comissão de Serviços de Infra-Estrutura Desafios para um país emergente Luis Eduardo Duque Dutra Chefe de Gabinete da Diretoria Geral Professor Adjunto EQ/UFRJ

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

Exigências de Conteúdo Local no Setor de Petróleo e Gás

Exigências de Conteúdo Local no Setor de Petróleo e Gás Exigências de Conteúdo Local no Setor de Petróleo e Gás São Paulo, 12/04/2013 Estrutura da Política de CL MME/CNPE Estratégias e Política de Conteúdo Local ANP Regulamentação Monitoramento Fiscalização

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Alinhadas com as Estratégias Empresariais: O caso Petrobras

Desenvolvimento de Competências Alinhadas com as Estratégias Empresariais: O caso Petrobras Desenvolvimento de Competências Alinhadas com as Estratégias Empresariais: O caso Petrobras Sumário A Petrobras Os Desafios O Alinhamento Estratégico - Gestão por Competências - A Concepção da Universidade

Leia mais

5 Descrição do modelo

5 Descrição do modelo 5 Descrição do modelo A análise de decisão de um projeto de E&P de uma companhia independente de upstream envolve a construção de um modelo matemático que auxilie na identificação das incertezas financeiras

Leia mais

Investimentos em Prospecção: Bacia do São Francisco

Investimentos em Prospecção: Bacia do São Francisco Investimentos em Prospecção: Bacia do São Francisco Haroldo Lima Diretor-Geral da ANP Comissão de Serviços de Infra-Estrutura Senado Federal 27 de março de 2008 Situação atual do O&G no Brasil (2007) Reservas

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

Contexto e estruturas organizacionais. Conceitos básicos. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Contexto e estruturas organizacionais. Conceitos básicos. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos básicos 186 O gerente do referido projeto tem como uma de suas atribuições determinar a legalidade dos procedimentos da organização. 94 Ao gerente de projeto é atribuída a função de especificar

Leia mais

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos 4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos Neste capitulo iremos apresentar a metodologia escolhida para a elaboração do estudo de caso que incorpora a análise quantitativa dos riscos financeiros.

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade I GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Objetivo Estimular o aluno no aprofundamento do conhecimento das técnicas de gestão profissional de projetos do PMI. Desenvolver em aula

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. WAGNER RABELLO JR CONCEITO DE PROJETO GERENCIAMENTO DE PROJETO

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. WAGNER RABELLO JR CONCEITO DE PROJETO GERENCIAMENTO DE PROJETO GESTÃO DE PROJETOS Prof. WAGNER RABELLO JR CONCEITO DE PROJETO GERENCIAMENTO DE PROJETO 1 POR QUE GERENCIAR PROJETOS? POR QUE ALGUNS PROJETOS FRACASSAM? PROJETOS RELACIONADOS PROGRAMAS PROJECT MANAGEMENT

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Revisão do Contrato de Concessão de Blocos Exploratório para Futuras Rodadas de Licitações

Revisão do Contrato de Concessão de Blocos Exploratório para Futuras Rodadas de Licitações Revisão do Contrato de Concessão de Blocos Exploratório para Futuras Rodadas de Licitações Audiência Pública Rio de Janeiro, 19 de abril de 2011 Revisão do Contrato Grupo de Trabalho Formação de Grupo

Leia mais

ANEXO V-A DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO V-A DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA CONCESSIONÁRIA ANEXO V-A DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA CONCESSIONÁRIA 1.1. Sem prejuízo da observância das demais regras constantes do EDITAL, o LICITANTE deverá apresentar, no PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Perspectivas sobre o Futuro do Pré-Sal

Perspectivas sobre o Futuro do Pré-Sal PRÉ-SAL PETRÓLEO S. A. - PPSA Perspectivas sobre o Futuro do Pré-Sal Oswaldo A. Pedrosa Jr. AmCham Brasil e Brazil-US Business Council Rio de Janeiro, RJ 28 de agosto de 2015 POTENCIAL PETROLÍFERO DO BRASIL

Leia mais

4 Referencial teórico

4 Referencial teórico 4 Referencial teórico Um projeto de investimento pode ter diferentes avaliações dependendo dos critérios utilizados na análise. Em geral, somente são considerados fatores tangíveis, aqueles que podem ser

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais

Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais Pós-graduação Gestão Empresarial Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais Prof. MSc José Alexandre Moreno prof.moreno@uol.com.br agosto/2009 Gerenciamento de Custos 5 Orçamento atividades do projeto

Leia mais

. 3. Indicadores de Execução do Plano de Negócios

. 3. Indicadores de Execução do Plano de Negócios APIMEC MPX 2011 Aviso Legal Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas da Companhia e de sua administração

Leia mais

Front End Loading FEL para análise de viabilidade de empreendimentos de capital

Front End Loading FEL para análise de viabilidade de empreendimentos de capital Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamento - Turma AUEG T07 Primeiro de junho de 2015 Front End Loading FEL para análise de viabilidade de empreendimentos de capital

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos 1.1 Introdução 31 1.2 O que é um projeto? 31 1.3 Ciclo de vida do projeto 33 1.4 O que é gerenciamento de projetos? 36 1.5 Relacionamento entre grupos

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre?

Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre? RESUMO DA SOLUÇÃO CA Clarity e Nova for PPM da Kalypso Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre? agility made possible Obtenha as ferramentas e informações necessárias

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia 1 Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Metodologias ágeis Princípios do Manifesto ágil 12 itens do manifesto

Leia mais

6 Análise dos resultados

6 Análise dos resultados 6 Análise dos resultados Os cálculos para análise econômica de um projeto E&P, devem considerar que os dados empregados são imprecisos e sem certeza da ocorrência dos resultados esperados, apesar de estarem

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

Estrutura da Indústria do

Estrutura da Indústria do Estrutura da Indústria do Petróleo e Gás Professora Elaine Ribeiro EMENTA Noções de exploração e produção de petróleo e gás natural. PETRÓLEO EXPLORAÇÃO Art. 6º - lei 9478 de 1997 XV - Pesquisa ou Exploração:

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes Gerência de Projetos e Fabiana Costa Guedes 1 Agenda O que é um Projeto O que é Gerenciamento de Projetos O Contexto da Gerência de Projetos PMI Project Management Institute Ciclo de Vida do Projeto Áreas

Leia mais

ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO

ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO QUADRO 1 Atividades a não serem realizadas por restrição

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS Professora: Valéria Vargens Email: valeriapitagoras@gmail.com Projetos Temporário Original Multifuncional Atividades Permanente Repetitivo Funcional Características distintivas:

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do Seminário de Desenvolvimento de Gestores de Programas e Projetos Fórum QPC O Gerenciamento de Projetos na abordagem do PMI - Project Management Institute Marco Antônio Kappel Ribeiro Presidente do PMI-RS

Leia mais

Cursos a Distância com Tutoria Turmas com mínimo de 60 participantes

Cursos a Distância com Tutoria Turmas com mínimo de 60 participantes Cursos a Distância com Tutoria Turmas com mínimo de 60 participantes Análise e melhoria de processos - MASP Servidores públicos federais interessados em conhecer a gestão da qualidade e utilizá-la na melhoria

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso.

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso. Curso sobre Gerenciamento de Projetos Apresentação O Gerenciamento de Projetos evoluiu nos últimos anos, ampliando sua área de atuação dentro das organizações. Nos mais variados campos da administração,

Leia mais