PASSAPORTE PARA ANGOLA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PASSAPORTE PARA ANGOLA"

Transcrição

1 PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 27 de Maio 2011

2 PRINCÍPIOS DO SISTEMA FISCAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO 27 de Maio 2011

3 PRINCÍPIOS DO SISTEMA FISCAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO Sistema fiscal composto por um conjunto de impostos parciais ou cedulares Principais linhas orientadoras do sistema fiscal, garantias do contribuinte e princípio da legalidade constam da Constituição Princípios e regras gerais do sistema fiscal constam do Código Geral Tributário Não há tribunais especializados em questões fiscais Regime geral vs regimes tributários especiais

4 PRINCÍPIOS DO SISTEMA FISCAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO Princípios Constitucionais Dever de Contribuição «Todos têm o dever de contribuir para as despesas públicas e da sociedade, em função da sua capacidade económica e dos benefícios que aufiram, através de impostos e taxas, com base num sistema tributário justo e nos termos da lei» Princípio da Legalidade «Os impostos só podem ser criados por lei, que determina a sua incidência, taxas, benefícios fiscais e garantias dos contribuintes» Reserva Relativa «À Assembleia Nacional compete legislar, com reserva relativa de competência legislativa, salvo autorização concedida ao Executivo, sobre (..) a criação de impostos e sistema fiscal, bem como regime geral das taxas e demais contribuições financeiras a favor das entidades públicas»

5 PRINCÍPIOS DO SISTEMA FISCAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO Reforma Fiscal (em curso) Alterações ao Imposto sobre o Rendimento do Trabalho, Imposto Industrial, Imposto do Selo, Imposto de Consumo e Sisa Projectos legislativos transversais (Código Geral Tributário, Código de Processo Tributário e Código das Execuções Fiscais) Criação de um imposto de consumo de base alargada Alteração das regras de retenção na fonte

6 PRINCÍPIOS DO SISTEMA FISCAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO Dupla Tributação Internacional Inexistência de acordos para evitar a dupla tributação de rendimentos Trabalhos de preparação e negociação de acordo para evitar a dupla tributação entre Angola e Portugal

7 CONCEITO DE ESTABELECIMENTO ESTÁVEL 27 de Maio 2011

8 CONCEITO DE ESTABELECIMENTO ESTÁVEL Relevância do conceito de Estabelecimento Estável (EE) para efeitos de tributação: Tributação de base mundial para residentes vs Tributação na fonte para rendimentos gerados/obtidos por não residentes (sem EE) em Angola EE de entidades não residentes tributados pelo rendimento anual gerado no país

9 CONCEITO DE ESTABELECIMENTO ESTÁVEL Estabelecimento Estável Instalação fixa através da qual a empresa exerça toda ou parte da sua actividade Local de direcção Sucursal Escritório Mina, poço de petróleo ou gás, pedreira ou qualquer local de extracção de recursos naturais Fábrica Oficina

10 CONCEITO DE ESTABELECIMENTO ESTÁVEL Estabelecimento de construção ou de montagem ou de actividades de fiscalização aí exercidas, quando o estaleiro ou actividades tenham uma duração superior a 90 dias em qualquer período de 12 meses Fornecimento de serviços através de pessoal contratado desde que as actividades sejam desenvolvidas por um período superior a 90 dias, seguido ou interpolado, em qualquer período de 12 meses Agente dependente

11 CONCEITO DE ESTABELECIMENTO ESTÁVEL HIPÓTESE A PortCo Portugal Equipamento Angola Parceiro Local Stock Clientes

12 CONCEITO DE ESTABELECIMENTO ESTÁVEL HIPÓTESE B PortCo Portugal Trabalhadores Angola 50 dias/1 ano Clientes

13 CONCEITO DE ESTABELECIMENTO ESTÁVEL HIPÓTESE C PortCo Portugal Trabalhadores Angola 98 dias/1 ano Clientes

14 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO DE TRABALHADORES 27 de Maio 2011

15 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO DE TRABALHADORES Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não residente Dupla tributação dos rendimentos do trabalhador Sistema de Segurança Social

16 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO DE TRABALHADORES Risco de EE Uma sociedade de direito estrangeiro sem qualquer registo em Angola, terá um EE no país quando aí tiver pessoal prestando serviços por mais de 90 dias em qualquer período de 12 meses Consequências: Sujeição de tributação em sede de Imposto Industrial à taxa de 35% sobre os rendimentos imputáveis ao EE Sujeição à generalidade dos impostos angolanos Obrigação de efectuar retenções na fonte de imposto em conformidade com a lei

17 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO DE TRABALHADORES Tributação dos Rendimentos do Trabalhador em Angola Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho ( IRT ) Todos os indivíduos angolanos e estrangeiros que aufiram rendimentos por serviços prestados ao país estão sujeitos a IRT em Angola Estão sujeitos a tributação os ordenados, vencimentos, salários, honorários, avenças, gratificações, subsídios, prémios, comissões, participações, senhas de presença, emolumentos, participações em multas, custas e outras remunerações acessórias

18 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO DE TRABALHADORES Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho Rendimentos não sujeitos: Os subsídios de aleitamento, por morte, por acidentes de trabalho e doenças profissionais, de desemprego e de funeral, atribuídos em conformidade com a lei As pensões de reforma por velhice, invalidez ou sobrevivência e as gratificações de fim de carreira Os abonos para falhas, de subsídios diários, de férias, o 13.º mês, os subsídios de representação, viagens e deslocações até ao limite igual aos quantitativos estabelecidos para os funcionários do Estado

19 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO DE TRABALHADORES Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho Rendimentos não sujeitos [cont.]: Os abonos de família atribuídos em conformidade com a lei As contribuições para a segurança social Os subsídios de rendas de casa até ao limite de 50% do valor do contrato de arrendamento As indemnizações por despedimento Os salários e outras remunerações devidas aos assalariados eventuais agrícolas e aos serviços domésticos Os subsídios atribuídos por lei aos cidadãos nacionais portadores de deficiências motoras, sensoriais e mentais

20 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO DE TRABALHADORES Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho Taxas Trabalhadores dependentes Taxas progressivas (máximo 17%) Trabalhadores independentes Taxa de 15% sobre 70% da remuneração

21 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO DE TRABALHADORES Dupla Tributação Tributação do Trabalhador em Portugal Caso o trabalhador expatriado tenha residência fiscal em Portugal os rendimentos obtidos pelo trabalho prestado em Angola serão também objecto de tributação em sede de Imposto sobre o rendimento (IRS) em Portugal O IRS incide sobre a totalidade dos rendimentos auferidos por residentes fiscais (incluindo rendimentos obtidos fora de território português) Critério principal para determinação do estatuto de residente fiscal é a permanência em território português. É considerado residente em Portugal quem, no ano a que respeitam os rendimentos, haja permanecido mais de 183 dias seguidos ou interpolados em território português

22 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO DE TRABALHADORES Dupla Tributação Tributação do Trabalhador em Portugal Ausência de Acordo para Evitar a Dupla Tributação Mecanismo de eliminação da dupla tributação internacional: Titulares de rendimentos obtidos no estrangeiro têm direito a crédito de imposto por dupla tributação internacional O trabalhador poderá deduzir ao imposto a pagar em Portugal o imposto que foi pago em Angola mediante apresentação de: Documento comprovativo do montante recebido no estrangeiro e da sua natureza e, Documento comprovativo do pagamento do imposto emitido pelas autoridades fiscais angolanas

23 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO DE TRABALHADORES Segurança Social Contribuições para a Segurança Social em Angola Base de incidência As contribuições incidem sobre as remunerações devidas aos trabalhadores por conta de outrém, nomeadamente o vencimento base e as prestações e complementos remuneratórios Prestações e complementos remuneratórios: Retribuição por trabalho por turnos e nocturno com carácter regular Retribuição correspondente ao período de suspensão de trabalho Indemnização por despedimento sem causa Quantias acordadas em acordo de cessação de trabalho Participação nos lucros Subsidio por regime de disponibilidade

24 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO DE TRABALHADORES Contribuições para a Segurança Social em Angola Incidência subjectiva Entidades empregadoras e trabalhadores por conta de outrém, nacionais e estrangeiros residentes, incluindo os que desenvolvam actividades temporárias e intermitentes (trabalhadores eventuais ou sazonais) Exclusão de trabalhadores estrangeiros não residentes que provem estar enquadrados em regime de protecção social de outro país

25 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO DE TRABALHADORES Contribuições para a Segurança Social em Angola Trabalhador - 3% Entidade Empregadora - 8%

26 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO 27 de Maio 2011

27 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO Imposto Predial Urbano Sisa Imposto de Consumo Imposto do Selo

28 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO Imposto Predial Urbano Incidência objectiva Rendimentos dos prédios urbanos Conceito de prédios urbanos Edifícios ou construções com carácter de permanência Integram a esfera jurídica de uma pessoa singular ou colectiva Aptos a produzir rendimentos Afectos a fins que não sejam agricultura, silvicultura ou pecuária

29 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO Imposto Predial Urbano Taxas 25% / 0.5%

30 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO SISA Incidência objectiva Transmissões de propriedade ou de qualquer direito constituído a título oneroso sobre os bens imobiliários Promessas de compra e venda logo que verificada a tradição Arrendamentos de longo prazo Entradas em espécie para o capital social de sociedades e em alguns casos, aquisição de capital social em sociedades

31 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO SISA Incidência subjectiva Aqueles para quem foram transmitidos os bens Cada permutante em caso de contrato de troca O arrematante ou adjudicatário em caso de arrematações e adjudicações judiciais e administrativas

32 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO SISA Taxa 2%

33 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO Imposto de Consumo Incidência objectiva Produção e importação de mercadorias, seja qual for a sua origem Arrematação ou venda realizadas pelos serviços aduaneiros ou quaisquer outros serviços públicos Utilização dos bens ou matérias-primas fora do processo produtivo e que beneficiaram da desoneração do imposto Consumo de água e energia Serviços de telecomunicações Serviços de hotelaria e outras actividades a si conexas ou similares

34 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO Imposto de Consumo Incidência subjectiva Pessoas singulares ou colectivas que pratiquem operações de produção, fabrico ou transformação de bens Procedam à arrematação ou venda em hasta pública de bens Procedam a importação de bens Consumam água e energia Utilizem serviços de telecomunicações Utilizem serviços de hotelaria e outras actividades conexas ou similares

35 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO Imposto de Consumo Isenções Bens exportados, quando a exportação seja feita pelo próprio produtor Bens importados por representações diplomáticas e consulares Bens resultantes da aplicação de processos artesanais Matérias-primas e bens de equipamentos para a indústria nacional Animais destinados à procriação

36 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO Imposto de Consumo Taxa Taxa de 10% Taxas específicas para serviços e bens listados na lei (entre 2% a 30%)

37 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO Imposto do Selo Incidência objectiva Actos notariais, contratos, requerimentos, alvarás, licenças, operações bancárias, letras e notas promissórias, documentos de despacho aduaneiro, etc

38 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO Imposto do Selo Incidência subjectiva Varia consoante o acto/transacção Responsabilidade pela liquidação do imposto Notários Autoridades que lavrarem certidões Bancos Etc.

39 IMPOSTOS INDIRECTOS E IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO Imposto do Selo Taxa Variável em função do tipo de acto ou documento em causa Corresponde a um montante fixo, a uma percentagem ou a uma permilagem sobre o respectivo valor Imposto do Selo sobre recibos (taxa de 1%) emitidos pelo contribuinte como quitação de quaisquer quantias recebidas pelo fornecimento de bens, materiais equipamento, prestação de serviços, etc

40 CONTROLO FISCAL 27 de Maio 2011

41 CONTROLO FISCAL Nos termos da Lei Geral Tributária «o cumprimento das obrigações fiscais será fiscalizado, em geral, e dentro do limite da respectiva competência, por todas as autoridades, serviços públicos e pessoas colectivas de natureza pública e, em especial, pela Direcção Nacional de Impostos, directamente, ou através das suas representações provinciais ou municipais» A Direcção Nacional de Impostos pode requerer exames periciais

42 CONTROLO FISCAL Acção de Fiscalização exercida pelas Secções de Fiscalização das Repartições Fiscais A Administração Fiscal pode: Solicitar esclarecimentos aos contribuintes Examinar a contabilidade e documentação de suporte Emitir autos de liquidação adicional de impostos Aplicar penalidades por incumprimento de obrigações fiscais declarativas e de pagamento

43 CONTROLO FISCAL Fiscalização: Grandes contribuintes Dedutibilidade de custos Cumprimento de obrigações de retenção na fonte

44 CONTROLO FISCAL Outros órgãos Direcção Nacional de Inspecção e Investigação às actividades económicas Polícia Económica Direcção Nacional de Investigação Criminal ( DNIC )

45 OBRIGADA 27 de Maio 2011

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 27 de Maio 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 27 de Maio 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não residente Dupla tributação

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 27 de Maio 2011 27 de Maio 2011 Imposto Predial Urbano Sisa Imposto de Consumo Imposto do Selo Imposto Predial Urbano Incidência objectiva Rendimentos dos prédios

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 17 e 18 de Fevereiro 2011 Imposto Predial Urbano Sisa Imposto de Consumo Imposto do Selo Imposto Predial Urbano Incidência objectiva Rendimentos

Leia mais

FISCALIDADE DAS COOPERATIVAS

FISCALIDADE DAS COOPERATIVAS FISCALIDADE DAS COOPERATIVAS naguiar@ipb.pt Lisboa, 04-06-2015 Constituição da República Portuguesa Artigo 85º 1. O Estado estimula e apoia a criação e a actividade de cooperativas. 2. A lei definirá os

Leia mais

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos CAPITULO 6 Rendimentos e repartição dos rendimentos A actividade produtiva e a formação de rendimentos A repartição funcional dos rendimentos A repartição pessoal dos rendimentos A redistribuição dos rendimentos

Leia mais

O N O V O C Ó D I G O D O I M P O S T O S O B R E O R E N D I M E N T O D O T R A B A L H O

O N O V O C Ó D I G O D O I M P O S T O S O B R E O R E N D I M E N T O D O T R A B A L H O i N º 3 7 / 1 4 O N O V O C Ó D I G O D O I M P O S T O S O B R E O R E N D I M E N T O D O T R A B A L H O INTRODUÇÃO Em 22 de Outubro passado, no âmbito do projecto da Reforma Tributária angolana, foi

Leia mais

Constituição de Empresas e Fiscalidade em Cabo Verde. João Afonso Fialho

Constituição de Empresas e Fiscalidade em Cabo Verde. João Afonso Fialho Constituição de Empresas e Fiscalidade em Cabo Verde João Afonso Fialho Sociedades Comerciais O potencial investidor externo pode constituir uma sociedade optando por qualquer tipo de sociedade previsto

Leia mais

REGIÕES AUTÓNOMAS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO REGIÕES AUTÓNOMAS REPARTIÇÃO DO VOLUME ANUAL DE NEGÓCIOS

REGIÕES AUTÓNOMAS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO REGIÕES AUTÓNOMAS REPARTIÇÃO DO VOLUME ANUAL DE NEGÓCIOS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2015 03 R P MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS Volume global de negócios não isento REGIÕES AUTÓNOMAS 01 Nº DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Código Contributivo da Segurança Social

Código Contributivo da Segurança Social da Segurança Social Lei n.º 110/2009 de 16 de Setembro alterada pela Lei n.º 119/2009 de 30 de Dezembro e pela Proposta do Orçamento de Estado para 2011 Objectivos do código 1. Proceder à codificação e

Leia mais

RENDIMENTOS E RETENÇÕES A TAXAS LIBERATÓRIAS

RENDIMENTOS E RETENÇÕES A TAXAS LIBERATÓRIAS R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO (Art. 119.º, N.º 12, do CIRS) RENDIMENTOS E RETENÇÕES A TAXAS LIBERATÓRIAS MODELO 39 1 NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL NÚMERO DE

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola PART Angola: Indicadores de Relevo 1 Angola: Indicadores de Relevo Informação Global * Angola 2010 População 18,5M Capital Luanda (aprox. 6 M habitantes)

Leia mais

A revolução dos trabalhadores independentes

A revolução dos trabalhadores independentes Curso Intensivo sobre o Código Contributivo 2.ª edição A revolução dos trabalhadores independentes Gustavo Lopes Courinha 30 Novembro 2010 O Direito da Segurança Social - a vertente contributiva A importância

Leia mais

FORMULÁRIO CANDIDATURA PORTA 65 - JOVEM. Dados gerais. 15 Anexos Apresentados Nº. 1 do Art. 13º do DL 43/2010, de 30/Abril

FORMULÁRIO CANDIDATURA PORTA 65 - JOVEM. Dados gerais. 15 Anexos Apresentados Nº. 1 do Art. 13º do DL 43/2010, de 30/Abril FORMULÁRIO Dados gerais 1 Candidatura Nº. 2 Período 3 Tipo de agregado Isolado Jovem Casal Jovens em Coabitação 4 Matriz da habitação arrendada Distrito 5 Tipologia da habitação arrendada Concelho Freguesia

Leia mais

OE 2013 O QUE ESTÁ EM CAUSA PARA TRABALHADORES NO ATIVO E PARA APOSENTADOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA?

OE 2013 O QUE ESTÁ EM CAUSA PARA TRABALHADORES NO ATIVO E PARA APOSENTADOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA? OE 2013 O QUE ESTÁ EM CAUSA PARA TRABALHADORES NO ATIVO E PARA APOSENTADOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA? UMA BREVE SÍNTESE DAS PRINCIPAIS DISPOSIÇÕES DO CAPÍTULO III DA LEI Nº 66-B/2012, DE 31 DE DEZ. (ARTºS

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Taxas Contributivas

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Taxas Contributivas Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Taxas Contributivas TAXAS CONTRIBUTIVAS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM ENTIDADE EMPREGADORA TRABALHADOR GLOBAL - Trabalhadores

Leia mais

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA www.fbladvogados.com A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA As Principais Linhas de Orientação ÍNDICE 1. O PERT: Missão e Objectivos 2. O Sistema Fiscal Angolano 2.1. A Tributação dos Rendimentos 2.2. A Tributação

Leia mais

Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança

Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança www.pwc.com/pt Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Ana Duarte 18 de Fevereiro de 2011 Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social

Leia mais

Aspetos principais Julho 2016

Aspetos principais Julho 2016 Tarifa Social na Eletricidade Aspetos principais Julho 2016 1. Em que consiste a tarifa social no fornecimento de eletricidade? A tarifa social resulta da aplicação de um desconto na tarifa de acesso às

Leia mais

Concordata de 2004. Artigo 26

Concordata de 2004. Artigo 26 Concordata de 2004 Artigo 26 1. A Santa Sé, a Conferência Episcopal Portuguesa, as dioceses e demais jurisdições eclesiásticas, bem como outras pessoas jurídicas canónicas constituídas pelas competentes

Leia mais

Outras Alterações ao Código do Trabalho

Outras Alterações ao Código do Trabalho Outras Alterações ao Código do Trabalho CLÁUDIA DO CARMO SANTOS de de 2012 ÍNDICE CONTRATO DE TRABALHO DE MUITO CURTA DURAÇÃO COMISSÃO DE SERVIÇO TRABALHO SUPLEMENTAR OBRIGAÇÕES DE COMUNICAÇÃO À ACT RENOVAÇÃO

Leia mais

Isenção e redução do pagamento de contribuições Atualizado em: 30-03-2016

Isenção e redução do pagamento de contribuições Atualizado em: 30-03-2016 SEGURANÇA SOCIAL Isenção e redução do pagamento de contribuições Atualizado em: 30-03-2016 Esta informação destina-se a Empresa Isenção do pagamento de contribuições As entidades empregadoras podem beneficiar

Leia mais

Contrate a sua Maria com a segurança de saber que cumpre todas as obrigações impostas pela lei......mas sem complicações!

Contrate a sua Maria com a segurança de saber que cumpre todas as obrigações impostas pela lei......mas sem complicações! Contrate a sua Maria com a segurança de saber que cumpre todas as obrigações impostas pela lei......mas sem complicações! 1 Nota introdutória A legislação em vigor obriga os empregadores de trabalhadoras

Leia mais

Fundos de Compensação do Trabalho

Fundos de Compensação do Trabalho Fundos de Compensação do Trabalho Fundo de Compensação do Trabalho (FCT), do Mecanismo Equivalente (ME) e do Fundo de Garantia de Compensação do Trabalho (FGCT) A Lei 70/2013 de 30 de Agosto, regulamentada

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75% DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75% DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75% DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático 2035 Medida

Leia mais

Lei nº 110/2009 de 16 de Setembro

Lei nº 110/2009 de 16 de Setembro Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Lei nº 110/2009 de 16 de Setembro Álvaro, Falcão & Associados, SROC Janeiro de 2011 Entrada em vigor A presente Lei foi alterada

Leia mais

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS O Aviso n.º 13/2013, de 31 de Julho, do Banco Nacional de Angola, publicado a 06.08.2013, estabelece os novos e mais flexíveis procedimentos

Leia mais

Circular n.º 4 DGSS 16 dezembro 2014

Circular n.º 4 DGSS 16 dezembro 2014 Regulamento das comparticipações familiares devidas pela utilização dos serviços e equipamentos sociais, com acordo de cooperação Data de divulgação no site - 31 março 2015 Orientações gerais Comparticipações

Leia mais

U m o l h a r s o b r e... O S I S T E M A F I S C A L M O Ç A M B I C A N O

U m o l h a r s o b r e... O S I S T E M A F I S C A L M O Ç A M B I C A N O i U m o l h a r s o b r e... O S I S T E M A F I S C A L M O Ç A M B I C A N O Informação Geral TAX & BUSINESS A presente Informação Fiscal destina-se a ser distribuída entre Clientes e Colegas e a informação

Leia mais

Conferência IDEFF/OTOC 8 de Outubro de 2010. A relação entre a Contabilidade e a Fiscalidade problemas fiscais

Conferência IDEFF/OTOC 8 de Outubro de 2010. A relação entre a Contabilidade e a Fiscalidade problemas fiscais Conferência IDEFF/OTOC 8 de Outubro de 2010 A relação entre a Contabilidade e a Fiscalidade problemas fiscais Delimitação do tema Custos e proveitos contabilísticos que não são fiscalmente relevantes,

Leia mais

Guia Prático Redução de taxa contributiva Apoio à contratação a termo de trabalhadores mais velhos e públicos específicos

Guia Prático Redução de taxa contributiva Apoio à contratação a termo de trabalhadores mais velhos e públicos específicos GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA APOIO À CONTRATAÇÃO A TERMO DE TRABALHADORES MAIS VELHOS E PÚBLICOS ESPECÍFICOS INSTITUTO DA

Leia mais

GUIA PRÁTICO ENTIDADES CONTRATANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO ENTIDADES CONTRATANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO ENTIDADES CONTRATANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P TÍTULO Guia Prático Entidades Contratantes (2034 v1.05) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Departamento de Prestações

Leia mais

Medidas Específicas de Apoio ao Emprego

Medidas Específicas de Apoio ao Emprego Portaria nº 130/2009, de 30 de Janeiro, alterada pela Declaração de Rectificação n.º 13/2009, de 10 de Fevereiro Medidas: 1 Apoio ao emprego em micro e pequenas empresas 2 Apoio à contratação de jovens,

Leia mais

Alterações na Segurança Social em 2011

Alterações na Segurança Social em 2011 Alterações na Segurança Social em 2011 Com a entrada em vigor do novo Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social, as regras que regulam as obrigações declarativas e contributivas

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO. A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro.

GESTÃO FINANCEIRA NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO. A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro. GESTÃO FINANCEIRA A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO CCDRCentro 2011 Matriz da acção de formação O MODELO FINANCEIRO DAS FREGUESIAS

Leia mais

XXXII COLÓQUIO NACIONAL DA ATAM

XXXII COLÓQUIO NACIONAL DA ATAM XXXII COLÓQUIO NACIONAL DA ATAM A MOBILIDADE INTERNA E A MOBILIDADE ESPECIAL. A CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO POR MÚTUO ACORDO A SUA UTILIZAÇÃO NO CONTEXTO AUTÁRQUICO Lagoa, 30 de outubro de 2012 José

Leia mais

ÍNDICE. 1. Tabela Progressiva - a partir de Abril/2015... 2. 2. Exemplos Práticos... 3. 2.1. Declarante 1 Empregador pessoa física...

ÍNDICE. 1. Tabela Progressiva - a partir de Abril/2015... 2. 2. Exemplos Práticos... 3. 2.1. Declarante 1 Empregador pessoa física... ÍNDICE 1. Tabela Progressiva - a partir de Abril/2015.... 2 2. Exemplos Práticos... 3 2.1. Declarante 1 Empregador pessoa física... 3 2.2. Declarante 2 Rendimento pago ao exterior Fonte pagadora pessoa

Leia mais

ENTIDADE EMPREGADORA. Sem proteção na doença 27% Com proteção na doença 30% Praticantes desportivos profissionais com contrato de trabalho desportivo.

ENTIDADE EMPREGADORA. Sem proteção na doença 27% Com proteção na doença 30% Praticantes desportivos profissionais com contrato de trabalho desportivo. TRABALHADORES POR CONTA DE OUTRÉM ENTIDADE EMPREGADORA TRABALHADOR GLOBAL LEGISLAÇÃO ANTERIOR Regime Regra Trabalhadores em Geral 23,75% 11% 34,75% 34,75% Membros dos órgãos estatutários das pessoas coletivas

Leia mais

B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS

B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS ASSOCIADOS AOS IMPOSTOS MUNICIPAIS E APOIOS E INCENTIVOS FINANCEIROS À REABILITAÇÃO 38 39 B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS ASSOCIADOS AOS IMPOSTOS MUNICIPAIS E APOIOS E

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 17 e 18 de Fevereiro 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não

Leia mais

Código Contributivo Esclarecimentos

Código Contributivo Esclarecimentos Código Contributivo Esclarecimentos Atendendo ao elevado número de questões relacionadas com o Código Contributivo da Segurança Social, elencamos alguns esclarecimentos sobre as matérias que mais dúvidas

Leia mais

IMPOSTO SUCESSÓRIO PASSADO, PRESENTE E FUTURO ANTÓNIO NEVES

IMPOSTO SUCESSÓRIO PASSADO, PRESENTE E FUTURO ANTÓNIO NEVES IMPOSTO SUCESSÓRIO PASSADO, PRESENTE E FUTURO ANTÓNIO NEVES O ANTIGO IMPOSTO SOBRE AS SUCESSÕES E DOAÇÕES Incidência Principais exclusões e isenções Regra de conexão Taxas Transmissões a título gratuito

Leia mais

Informações importantes para os trabalhadores:

Informações importantes para os trabalhadores: Informações importantes para os trabalhadores: Trabalha numa residência em Genebra como empregada doméstica, enfermeiro(a), ama ou jardineiro(a)? O seu empregador tem a obrigação legal de declará-lo(a)

Leia mais

Trabalhador Independente - conteúdo final Sou cidadão Atualizado em: 30-10-2015

Trabalhador Independente - conteúdo final Sou cidadão Atualizado em: 30-10-2015 SEGURANÇA SOCIAL Trabalhador Independente - conteúdo final Sou cidadão Atualizado em: 30-10-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores Independentes O que é Pessoa singular que exerça

Leia mais

1 - Comunicação da admissão de trabalhadores

1 - Comunicação da admissão de trabalhadores Resumo das Principais Alterações ao Código Contributivo (Lei 110/2009 de 16/09, Lei 119/2009 de 30/09 e Dec. Regulamentar nº 1-A/2011 de 03/01) (Em vigor desde 01/01/2011) 1 - Comunicação da admissão de

Leia mais

de 2002, permanecem com a alíquota da Cofins reduzida a zero, em que pesem as alterações introduzidas pela Lei nº 10.865, de 2004.

de 2002, permanecem com a alíquota da Cofins reduzida a zero, em que pesem as alterações introduzidas pela Lei nº 10.865, de 2004. DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 4. Região Fiscal SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 1, DE 13 DE JANEIRO DE 2009 EMENTA: GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social.

Leia mais

FUNCHAL ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES CAE REV_3: 96091 ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES

FUNCHAL ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES CAE REV_3: 96091 ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES CAE REV_3: 96091

Leia mais

Regulamento específico das zonas de estacionamento controlado da Praia da Rocha

Regulamento específico das zonas de estacionamento controlado da Praia da Rocha Regulamento específico das zonas de estacionamento controlado da Praia da Rocha Artigo 1.º Lei Habilitante O presente regulamento é elaborado e aprovado ao abrigo da competência prevista no artigo 241

Leia mais

Consulado Geral de Portugal em Luanda Avenida de Portugal n.º 50 1º andar Tel.: 002442 333435 Fax: 002442 333656 Email: cgluanda@mne.

Consulado Geral de Portugal em Luanda Avenida de Portugal n.º 50 1º andar Tel.: 002442 333435 Fax: 002442 333656 Email: cgluanda@mne. VISTOS SCHENGEN Lista de documentos a apresentar pelos requerentes de visto em Angola (requisitos gerais +requisitos específicos em função do motivo da viagem) I. REQUISITOS GERAIS PARA TODOS OS REQUERENTES

Leia mais

INFORMAÇÃO FISCAL. IVA - Imposto sobre o valor acrescentado. Despesas em que o IVA é dedutível. Despesas em que o IVA não é dedutível

INFORMAÇÃO FISCAL. IVA - Imposto sobre o valor acrescentado. Despesas em que o IVA é dedutível. Despesas em que o IVA não é dedutível INFORMAÇÃO FISCAL IVA - Imposto sobre o valor acrescentado Características gerais do imposto: É um imposto geral sobre o consumo, já que incide sobre as transmissões de bens, prestações de serviços e importações.

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO

GUIA PRÁTICO SUPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO GUIA PRÁTICO SUPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Suplemento Especial de Pensão (7017-A v4.13) PROPRIEDADE

Leia mais

CIRCULAR. Gabinete Jurídico-Fiscal. Assunto: Segurança Social Processo Executivo da Segurança Social

CIRCULAR. Gabinete Jurídico-Fiscal. Assunto: Segurança Social Processo Executivo da Segurança Social CIRCULAR Gabinete Jurídico-Fiscal N/REFª: 30/2014 DATA: 05 de Maio de 2014 Assunto: Segurança Social Processo Executivo da Segurança Social Exmos. Senhores, Para conhecimento, junto se envia a Circular

Leia mais

Esprominho Fevereiro/2011 1

Esprominho Fevereiro/2011 1 Esprominho Fevereiro/2011 1 Enquadramento da actividade de Formador em termos de IRS, IVA e Segurança Social 1. Enquadramento em termos de IVA 1.1. Sujeição a IVA 1.2. Regimes Especiais do IVA 1.2.1. Regime

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 53/2011 de 14 de Outubro

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 53/2011 de 14 de Outubro ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 53/2011 de 14 de Outubro Procede à segunda alteração ao Código do Trabalho, aprovado em anexo à Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, estabelecendo um novo sistema de compensação

Leia mais

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] CAPÍ- IMTÂNCIAS EM EUROS GRU ARTI CAPÍ RECEITAS CORRENTES 01 IMTOS DIRECTOS 01 Sobre o Rendimento 01

Leia mais

3/2014 Lei n.º 3/2014 Regime do Cartão de Segurança Ocupacional na Construção Civil

3/2014 Lei n.º 3/2014 Regime do Cartão de Segurança Ocupacional na Construção Civil 3/2014 Lei n.º 3/2014 Regime do Cartão de Segurança Ocupacional na Construção Civil Assembleia Legislativa da Região Administrativa Especial de Macau REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Lei n.º 3/2014

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n.º /06 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira que expresso em termos de valores, para um período de tempo definido,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA, FORA DO CONTINGENTE, PARA O CONCELHO DE OVAR

CONCURSO PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA, FORA DO CONTINGENTE, PARA O CONCELHO DE OVAR CONCURSO PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA, FORA DO CONTINGENTE, PARA O CONCELHO DE OVAR Programa de Concurso Câmara Municipal de Ovar Novembro

Leia mais

GUIA PRÁTICO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pagamento de Contribuições Entidade Empregadora (2015 v4.05) PROPRIEDADE

Leia mais

Procedimento por Ajuste Directo SCM nº 03/2009 ANEXO I. Caderno de Encargos

Procedimento por Ajuste Directo SCM nº 03/2009 ANEXO I. Caderno de Encargos Procedimento por Ajuste Directo SCM nº 03/2009 ANEXO I Caderno de Encargos 1. Especificações: O presente procedimento tem por objecto o fornecimento de serviços de assessoria de imprensa, incluindo, necessariamente,

Leia mais

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS RECEITAS CORRENTES

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS RECEITAS CORRENTES MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] CAPÍ- IMTÂNCIAS EM EUROS GRU CAPÍ RECEITAS CORRENTES 01 IMTOS DIRECTOS 01 Sobre o Rendimento 01 Imposto

Leia mais

PRINCÍPIOS DA FISCALIDADE

PRINCÍPIOS DA FISCALIDADE PRINCÍPIOS DA FISCALIDADE 1. Objectivos Gerais O programa da presente disciplina tem por objectivo dar a conhecer aos alunos o conjunto de normas e princípios que regulam o nascimento, desenvolvimento

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II PROGRAMA. Turma de Dia. Luís Menezes Leitão

DIREITO DO TRABALHO II PROGRAMA. Turma de Dia. Luís Menezes Leitão DIREITO DO TRABALHO II PROGRAMA Turma de Dia Luís Menezes Leitão CAPÍTULO XV - ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS. 2. Evolução histórica da responsabilidade por acidentes de trabalho. 3. Pressupostos

Leia mais

Quem tem direito a receber o abono pré-natal?

Quem tem direito a receber o abono pré-natal? O que é o abono de família pré-natal? É um apoio em dinheiro, pago mensalmente, às mulheres grávidas que tenham atingido a 13ª semana de gravidez. Quem tem direito a receber o abono pré-natal? As grávidas

Leia mais

VII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÂMBITO. 000 - Operação desconhecida abaixo do limiar. 051 - Transferências internas entre bancos residentes

VII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÂMBITO. 000 - Operação desconhecida abaixo do limiar. 051 - Transferências internas entre bancos residentes Anexo à Instrução nº 7/99 VII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÂMBITO Alteração do código 000 para: 000 - Operação desconhecida abaixo do limiar Código a utilizar nos casos em que o banco residente, ao efectuar

Leia mais

Autoriza o Governo a estabelecer o novo regime do arrendamento rural

Autoriza o Governo a estabelecer o novo regime do arrendamento rural DECRETO N.º 334/X Autoriza o Governo a estabelecer o novo regime do arrendamento rural A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.18) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

LISTA DE TODOS OS SERVIÇOS PRESTADOS NO ESPAÇO DE CIDADÃO MEDIADOR DE CIDADANIA. ACP Automóvel Clube de Portugal

LISTA DE TODOS OS SERVIÇOS PRESTADOS NO ESPAÇO DE CIDADÃO MEDIADOR DE CIDADANIA. ACP Automóvel Clube de Portugal LISTA DE TODOS OS SERVIÇOS PRESTADOS NO ESPAÇO DE CIDADÃO MEDIADOR DE CIDADANIA ACP Automóvel Clube de Portugal - Pedido de 2ª via com alteração de dados do cartão de sócio ACP - Pedido de 2ª via do cartão

Leia mais

RECEITAS DOS MUNICÍPIOS. Participação no IRS Derrama IMI IMT

RECEITAS DOS MUNICÍPIOS. Participação no IRS Derrama IMI IMT RECEITAS DOS MUNICÍPIOS Participação no IRS Derrama IMI IMT 1. Introdução De acordo com a Lei n.º 73/2013, de 3 de Setembro (Lei das Finanças Locais), em vigor a partir de 1 de Janeiro de 2014, constituem

Leia mais

Calendário Fiscal 2016

Calendário Fiscal 2016 1224455645 45 46 456 4 45 345 8990 4322 344445 5666 2 2121 212 477 7 35 578997896 2345 345 45 6 65 3 24 6 76 7 1 168 1 5 95 64966 883 55 7 9 0 4564576 3 5345345 66345343 1223 576 7 8888 24 76868 123234

Leia mais

Subsídio Parental - conteúdo final Atualizado em: 12-04-2016

Subsídio Parental - conteúdo final Atualizado em: 12-04-2016 Subsídio Parental - conteúdo final Atualizado em: 12-04-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos Beneficiários do sistema previdencial abrangidos pelo regime de: trabalhadores por conta de outrem

Leia mais

http://www.webx.ubi.pt/~fantunes Contabilidade Financeira I Francisco Antunes

http://www.webx.ubi.pt/~fantunes Contabilidade Financeira I Francisco Antunes Aula 03 http://www.webx.ubi.pt/~fantunes Início Património Definições: Luís Fontela e Pinheiro Henriques: Entende-se por património todo o conjunto de valores que se destinam a determinado fim e estão

Leia mais

DECRETO N.º 72/XI. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Capítulo I Objecto e âmbito

DECRETO N.º 72/XI. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Capítulo I Objecto e âmbito DECRETO N.º 72/XI Proíbe qualquer discriminação no acesso e no exercício do trabalho independente e transpõe a Directiva n.º 2000/43/CE, do Conselho, de 29 de Junho, a Directiva n.º 2000/78/CE, do Conselho,

Leia mais

Regulamento do Estatuto do Funcionário Parlamentar Estudante

Regulamento do Estatuto do Funcionário Parlamentar Estudante Regulamento do Estatuto do Funcionário Parlamentar Estudante publicado no Diário da Assembleia da República, II Série E, n.º 32, de 18 de maio de 2012 com as alterações introduzidas pelo Despacho da Presidente

Leia mais

Visão Panorâmica das Principais Alterações ao CÓDIGO DO TRABALHO. Luis Castro. Julho-2012

Visão Panorâmica das Principais Alterações ao CÓDIGO DO TRABALHO. Luis Castro. Julho-2012 Visão Panorâmica das Principais Alterações ao CÓDIGO DO TRABALHO Luis Castro Julho-2012 Objectivos: - Melhorar a legislação laboral, quer através da sua atualização e sistematização, quer mediante a agilização

Leia mais

ABERTURA CONTA DEPÓSITOS À ORDEM PESSOAS SINGULARES/ EMPRESÁRIOS EM NOME INDIVIDUAL FICHA DE INFORMAÇÃO DE CLIENTE

ABERTURA CONTA DEPÓSITOS À ORDEM PESSOAS SINGULARES/ EMPRESÁRIOS EM NOME INDIVIDUAL FICHA DE INFORMAÇÃO DE CLIENTE Balcão Data / / N.º Conta DO Ficha Inicial Ficha de Alteração IDENTIFICAÇÃO DE PESSOA SINGULAR/ENI Nome Completo Data de Nascimento / / Número de Identificação Fiscal Bilhete de Identidade/Cartão cidadão

Leia mais

Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM PORTUGAL

Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM PORTUGAL Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO COM SEDE EM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO

Leia mais

LICENÇA PARENTAL INICIAL

LICENÇA PARENTAL INICIAL Direitos e Deveres da Parentalidade Lei n.º 59/2008, de 11 de Setembro Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas (art.º 33º do Código do Trabalho (vs. Da Lei n.º 7/2009, de 12/02) e art. 40º do

Leia mais

I Trabalhadores Independentes

I Trabalhadores Independentes I Trabalhadores Independentes II Entidades Contratantes I Trabalhadores Independentes 1. Quem é abrangido pelo regime de segurança social dos trabalhadores independentes Estão abrangidos por este regime:

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Ministério das Finanças 4604 DIÁRIO DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA NACIONAL. Ministério das Finanças 4604 DIÁRIO DA REPÚBLICA 4604 DIÁRIO DA REPÚBLICA Lei n.º 20/14: Aprova o Código das Execuções Fiscais. Revoga o Regime Simplificado de Execuções Fiscais aprovado pelo Decreto Legislativo Presidencial n.º 2/11, de 9 de Junho.

Leia mais

AGENDA TRIBUTÁRIA: DE 01 A 07 DE SETEMBRO DE 2016

AGENDA TRIBUTÁRIA: DE 01 A 07 DE SETEMBRO DE 2016 AGENDA TRIBUTÁRIA: DE 01 A 07 DE SETEMBRO DE 2016 Até: Quinta-feira, dia 1 Histórico: Transportador revendedor retalhista (TRR) Entrega das informações relativas às operações interestaduais com combustíveis

Leia mais

Anexo I. 1. Condições de Atribuição.

Anexo I. 1. Condições de Atribuição. Anexo I 1. Condições de Atribuição. Podem requerer a atribuição do subsídio ao arrendamento, os cidadãos que preencham, cumulativamente, os seguintes requisitos. 1.1 Ser cidadão nacional ou equiparado,

Leia mais

PPR Taxa Garantida 2% + O PPR Taxa Garantida 2%+ é um plano de poupança que assegura:

PPR Taxa Garantida 2% + O PPR Taxa Garantida 2%+ é um plano de poupança que assegura: Característi cas PPR Taxa Garantida 2% + O PPR Taxa Garantida 2%+ é um plano de poupança que assegura: Capital e rendimento mínimo garantido a uma taxa mínima garantida de 2% em cada ano durante o prazo

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 97/2016, 1º Suplemento, Série II de 2016-05-19, páginas 15806-(2) a 15806-(5)

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 97/2016, 1º Suplemento, Série II de 2016-05-19, páginas 15806-(2) a 15806-(5) Classificação: 060.01.01 Segurança: Pública Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma - Despacho n.º 6635-A/2016, de 19 de maio Estado: vigente Resumo: Despacho

Leia mais

Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS

Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece os procedimentos e documentos necessários à verificação das despesas elegíveis necessárias

Leia mais

DECRETO N.º 343/X. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 343/X. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 343/X Autoriza o Governo a aprovar o regime jurídico da reabilitação urbana e a proceder à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º 157/2006, de 8 de Agosto, que aprova o regime jurídico das obras

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Conta SuperJovem Clientes Particulares. O primeiro Titular tem de ter entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Modalidade Meios de Movimentação Moeda Depósito à Ordem. Esta

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças PARTE C. Segunda-feira, 14 de janeiro de 2013 Número 9

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças PARTE C. Segunda-feira, 14 de janeiro de 2013 Número 9 II SÉRIE Segunda-feira, 14 de janeiro de 2013 Número 9 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério das Finanças Gabinete do Ministro: Despacho n.º 796-B/2013: Despacho que aprova as tabelas de retenção na

Leia mais

PPR SÉNIOR - 2ª Série

PPR SÉNIOR - 2ª Série Plano Poupança Reforma TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se essencialmente a Clientes, com perfil conservador, com idade igual ou superior a 55 anos,

Leia mais

Salário e Remuneração

Salário e Remuneração 1 1 - Salário e Remuneração 1.1 Salário 1.2 Remuneração 1.3 Gorjetas 1.4 - Formas de pagamento 1.4.1 - Salário por tempo 1.4.2 - Salário por produção 1.4.3 - Salário por tarefa 1.5 - Dia do pagamento 1.6

Leia mais

www.orifl ame.pt MANUAL DO COMISSIONISTA 2011

www.orifl ame.pt MANUAL DO COMISSIONISTA 2011 www.orifl ame.pt MANUAL DO COMISSIONISTA 2011 ÍNDICE 1 INÍCIO DE ACTIVIDADE 1.1 Serviço de Finanças 1.2 Segurança Social 1.2.1 Inscrição 1.2.2 Enquadramento 1.2.3 Isenção 1.2.4 Contribuições (base de incidência,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO APOIO A IDOSOS

REGULAMENTO DO CONCURSO APOIO A IDOSOS REGULAMENTO DO CONCURSO APOIO A IDOSOS Artigo 1º Objecto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso Apoio a Idosos. Artigo 2º Beneficiários Podem candidatar-se a este concurso instituições

Leia mais

Trabalhador independente - Declaração do valor de actividade (Art. 152º) Este ano, em 2011, esta declaração do valor de actividade não será feita.

Trabalhador independente - Declaração do valor de actividade (Art. 152º) Este ano, em 2011, esta declaração do valor de actividade não será feita. Atendendo ao elevado número de questões relacionadas com o código contributivo da segurança social, elencamos alguns esclarecimentos sobre as matérias que mais dúvidas têm suscitado. Porém, a presente

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS E LEGISLAÇÃO CONEXA 233

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS E LEGISLAÇÃO CONEXA 233 Índice 5 ÍNDICE CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 11 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (Artigos selecionados) 12 LEI GERAL TRIBUTÁRIA 25 DECRETO-LEI N.º 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO (Aprova a lei geral

Leia mais

Modelo do Relatório Final de Apreciação do Programa de Bolsa a elaborar pelo Bolseiro

Modelo do Relatório Final de Apreciação do Programa de Bolsa a elaborar pelo Bolseiro Modelo do Relatório Final de Apreciação do Programa de Bolsa a elaborar pelo Bolseiro Ex.mo Senhor Vice-Reitor Reitoria da Universidade de Aveiro Campus Universitário de Santiago 3810-193 Aveiro.. (nome

Leia mais

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Dispensa de Pagamento de Contribuições 1º

Leia mais

Principais alterações

Principais alterações CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL DE SEGURANÇA SOCIAL Principais alterações A - TRABALHADORES POR CONTA DE OUTRÉM - DEPENDENTES B - TRABALHADORES POR CONTA PRÓPRIA INDEPENDENTES

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social ORDEM DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social ORDEM DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DE SEGURANÇA SOCIAL Módulo I V Regime Contra-ordenacional 17-01-2011 Fernando Silva 1 Definição de contra ordenação Constitui contra-ordenaçãotodo o facto ilícito e censurável,

Leia mais

Manual da Proteção na Parentalidade. Índice...1 SUBSÍDIO PARENTAL...3. 1. Subsídio Parental Inicial...3

Manual da Proteção na Parentalidade. Índice...1 SUBSÍDIO PARENTAL...3. 1. Subsídio Parental Inicial...3 Índice Índice...1 SUBSÍDIO PARENTAL...3 1. Subsídio Parental Inicial...3 2. Subsídio Parental Inicial Exclusivo da Mãe...4 3. Subsídio Parental Inicial Exclusivo do Pai...4 4. Subsídio Parental Inicial

Leia mais

ANEXO I A REGULAMENTO DE HORÁRIOS DE TRABALHO

ANEXO I A REGULAMENTO DE HORÁRIOS DE TRABALHO ANEXO I A REGULAMENTO DE HORÁRIOS DE TRABALHO Regulamento de horários de trabalho, nos termos e para os efeitos do disposto nas cláusulas 16ª e seguintes do Acordo de Empresa entre a Rádio e Televisão

Leia mais