PESQUISA ARQUITETURA INSTITUCIONAL DE APOIO ÀS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL. Relatório Final Eixo Cooperação Internacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA ARQUITETURA INSTITUCIONAL DE APOIO ÀS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL. Relatório Final Eixo Cooperação Internacional"

Transcrição

1 PESQUISA ARQUITETURA INSTITUCIONAL DE APOIO ÀS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL Relatório Final Eixo Cooperação Internacional São Paulo, fevereiro de 2013

2 Créditos Realização: Articulação D3- Diálogos, Direitos e Democracia CEAPG- Centro de Estudos em Administração Pública e Governo da EAESP FGV Coordenação Geral da Pesquisa: Patricia Maria E. Mendonça Coordenação Eixo Cooperação Internacional: Luiza Reis Teixeira Pesquisadores Responsáveis: Catarina Ianni Segato Luiza Reis Teixeia Natália Navarro Santos Mario Aquino Alves Sofia Reinach Patricia Maria E. Mendonça Colaboradores: Adriana Wilner Felipe Guerra Acosta Fernando Burgos Frederico Silva Tonus Pedro Fadanelli Apoio para realização: Aliança Interage (Instituto C&A, Instituto Arcor, Fundação Avina) Fundação W. K. Kellogg

3 Sumário

4 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1 Relevância do Brasil para a cooperação Internacional...15 Quadro 2 Tipos de Cooperação Pública Internacional para o Desenvolvimento...20 Gráfico 1 - Investimentos em AOD do DAC da OCDE...21 Gráfico 2 Diferença entre riqueza e AOD dos países do DAC da OCDE...21 Gráfico 3 - Volume de cooperação técnica destinada ao Brasil (Milhões de US$)...23 Gráfico 4 - Total do volume de cooperação técnica destinada ao Brasil (Milhões de US$)...24 Gráfico 5 - Total do volume de cooperação técnica entre Espanha e Brasil (Milhões de US$)...27 Gráfico 6 - Total do volume de cooperação técnica entre Reino Unido e Brasil (Milhões de US$)...29 Gráfico 7 Diferença entre recebimento e doações no Brasil entre 2005 e Gráfico 8 Perfil das doações brasileiras entre 2005 e Quadro 3 Acordos do Brasil com Organismos Internacionais...34 Quadro 4 - Origem dos recursos dos programas da Cooperação Técnica Multilateral..35 Gráfico 9 Recursos por Fonte de Financiamento da Cooperação Técnica Multilateral Fonte externa (Período )...36 Gráfico 10 Recursos por Fonte de Financiamento da Cooperação Técnica Multilateral Contrapartida (Período )...37

5 Gráfico 11 Diferença entre Fontes externas e Contrapartidas da Cooperação Técnica Multilateral Contrapartida (Período )...37 Gráfico 12 Quantidade de Projetos por Parceiro Externo - Cooperação Técnica Multilateral (Período )...38 Gráfico 13 Quantidade de Projetos por Setor - Cooperação Técnica Multilateral (Período )...39 Gráfico 14 Recursos investidos no campo social brasileiro pelas organizações internacionais no período (Período )...48 Gráfico 15 Recursos investidos pela Ashoka Brasil (Período )...51 Gráfico 16 Recursos investidos pela Development and Peace (Período ) 51 Gráfico 17 Recursos investidos pela Action Aid (Período )...51 Gráfico 18 Recursos investidos pela Brazil Foundation (Período )...52 Gráfico 19 Recursos investidos pela Fundação Kellogg (Período )...52 Gráfico 20 Recursos investidos pela KNH (Período )...53 Gráfico 21 Recursos investidos pela CESE (Período )...53 Figura 1 Representação simples da arquitetura de doação...67 Figura 2 Tipos de relação Estado/Sociedade Civil na cooperação...68 Figura 3 Fluxos da Indústria da Ajuda...69 Figura 4 Nova arquitetura do financiamento para a Cooperação Internacional...70

6 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Principais Países Doadores de Cooperação Técnica Bilateral ( ) 23 Tabela 2 - Principais Setores da Cooperação Técnica Recebida Bilateral ( ) 23 Tabela 3 Projetos da Agência de Cooperação Espanhola...26 Tabela 4 Alocação aproximada de fundos para o Brasil da Embaixada Britânica...28 Tabela 5 - Cooperação brasileira para o desenvolvimento internacional (Em milhões US$ valores correntes aproximados)...31 Tabela 6 - Assistência humanitária internacional, detalhamento dos recursos Tabela 7 - Maiores receptores da AHI do Brasil Tabela 8 - Contribuições para organizações internacionais e bancos regionais (Em milhões de R$ em valores correntes aproximados)...39 Tabela 9 Variação do investimento internacional por quantidade de organizações...49 Tabela 10 Faixa de participação das fontes de financiamento no orçamento das associadas da ABONG, em

7 1. INTRODUÇÃO O objetivo do eixo Cooperação Internacional foi identificar tendências acerca dos fluxos de financiamentos advindos de organizações e da cooperação internacional, e, em especial, sua relação com as Organizações da Sociedade Civil de Defesa dos Direitos (OSCsDD). Desde o ano de 2008, quando eclodiu a crise financeira internacional, organizações da sociedade civil passaram a se questionar sobre a eventual queda de investimentos internacionais no Brasil. Foi com essa motivação, que, em 2009, o Instituto Fonte realizou a pesquisa intitulada Efeitos da Crise Econômica 2008/2009 sobre as Agências de Cooperação Internacional que Atuam no Brasil. A essa altura, algumas dúvidas inquietantes faziam-se presentes entre OSCs no Brasil, tais como: haverá menos dinheiro? As empresas deixarão de investir? As ONGs terão que disputar por mais recursos? As práticas de avaliação e de planejamento estratégico terão mais espaço neste contexto? ONGs vão desaparecer? Terão mais sentido? (SILVA, 2009, p. 4) Os resultados da pesquisa do Instituto Fonte apontaram para um cenário ainda incerto no que se refere aos investimentos de organizações internacionais para OSC s no Brasil. O conjunto de entrevistas a 40 organizações de cooperação internacional, selecionadas com base em 4 critérios 1, revelou que os efeitos da crise econômica sobre a cooperação internacional começavam a ser sentidos nos primeiros meses de 2009, e deveriam se intensificar pelo resto do ano, com uma tendência de repercutirem, fortemente, em Contudo, vale destacar que os entrevistados apresentaram dificuldade em distinguir entre o que seriam efeitos de uma crise anterior da cooperação internacional no Brasil, e o que seriam efeitos diretos da crise econômica atual. Parte dessa dificuldade pode ter ocorrido pelo fato da pesquisa ter sido realizada logo em seguida aos principais acontecimentos relacionados à crise, em 2008, sem que houvesse tempo das organizações entrevistadas absorverem seus impactos e elaborarem suas conclusões. 1 Critérios de seleção das organizações de cooperação internacional: a) Não são originárias nas sociedades brasileiras ou latino-americanas; b) A maior parte de seus recursos financeiros e técnicos provêm do exterior, preferencialmente de múltiplas fontes; c) Apóiam ONGs, Governos e Movimentos Sociais no Brasil com recursos técnicos, políticos e financeiros; d) São reconhecidas no Brasil como organizações internacionais de cooperação. (SILVA, 2009, p. 9)

8 Acredita-se que, há algum tempo, está em curso uma mudança gradativa de prioridades das organizações internacionais para cooperação em relação às áreas geográficas mundiais preferenciais. Com isso, há um movimento expressivo de retirada da atuação de parte destas organizações do Brasil, processo denominado, por alguns entrevistados, como crise da cooperação internacional. Assim, as mudanças de prioridades e restrições orçamentárias para o Brasil podem ter sido aceleradas, intensificadas ou legitimadas frente à crise financeira. Contudo, a presente pesquisa, ampliou um pouco mais os resultados da pesquisa anterior sobre a crise, realizada pelo Instituto Fonte, em 2009, uma vez que pretendeu apresentar a evolução do montante de recursos investidos pela cooperação internacional no Brasil. Para tanto, fez-se necessário levantar dados quantitativos do volume de investimentos de organizações de cooperação internacional no Brasil, a fim de verificar se, de fato, há a uma tendência de queda do investimento no Brasil. Contudo, não foi possível encontrar uma fonte de dados que disponibilizasse tais informações. Cabe, aqui, uma observação sobre a lacuna que há no que se refere à disponibilidade de dados sobre investimentos da cooperação internacional em OSC s no Brasil. Essa lacuna já era sinalizada em 1997, em trabalho sob a coordenação da professora Maria Filomena Gregori, do CEBRAP e da UNICAMP, intitulado Os Caminhos da Institucionalização: Cooperação Internacional, Estado e Filantropia. A professora Leilah Landin, da UFRJ, ao falar sobre fontes de recursos para instituições filantrópicas, faz uma consideração sobre a fragmentação e escassez de dados gerais e confiáveis sobre quantidades e origens desses recursos. Para a professora, haveria um desinteresse, ou mesmo despreparo, por parte do sistema de produção de informações estatísticas na coleta e divulgação de dados deste tipo de organização. Ou seja, em 15 anos, parece não ter havido uma mudança significativa na produção de dados estatísticos sobre organizações de cooperação internacional no Brasil. Portanto, essa pesquisa representa um esforço de busca de dados em diferentes fontes, tais como o IPEA, a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), o Banco Central, a ABONG, o Foundation Center, Instituto Fonte, entre outros. A partir dos diferentes

9 dados, que nem sempre estavam publicados e disponibilizados, pretendeu-se apresentar o fluxo em operação da cooperação internacional no Brasil. Contudo, antes mesmo de partir para a apresentação dos dados sobre investimento, para fins de pesquisa, fez-se necessário definir o que são organizações de cooperação internacional para o desenvolvimento. Silva (2009) considera essa definição uma tarefa difícil, devido à diversidade dessas organizações e das diferenças entre elas. Para análise do eixo da cooperação internacional, dividimos, então, as organizações em três grupos: 1. Cooperação Internacional Pública - Oficial 2 para o Desenvolvimento esse grupo envolve a cooperação entre países, bilateral, assim como, a realizada por órgãos de cooperação internacional, multilateral. Nesse grupo, ainda incluímos a cooperação técnica, por meio de internacionalização de políticas públicas; 2. Cooperação realizada por empresas privadas, por meio de ONGs e fundações empresariais; 3. Cooperação Filantrópica - Solidária 3, realizada por ONGs, cooperação ecumênica e fundações independentes COOPERAÇÃO INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO A indefinição sobre a conceitualização da expressão cooperação internacional precisa ser desmitificada para a compreensão do fenômeno nos dias atuais. De acordo com Sánchez (2002), cooperação internacional teria como finalidade assegurar a paz e promover desenvolvimento e justiça, com vistas a uma ordem social, econômica e política legítima. As ações resultantes da cooperação internacional englobam a participação de diferentes atores no processo decisório e de execução, tais como governos, organizações da sociedade civil de países distintos, assim como 2 Ao longo da pesquisa nos deparamos com o uso dos dois termos: Cooperação Oficial Internacional e Cooperação Pública Internacional. Portanto, adotamos o uso dos dois termos para nos referir ao mesmo fenômeno, ao longo do relatório. Ao longo da pesquisa nos deparamos com o uso dos dois termos: Cooperação Solidária Internacional e Cooperação Filantrópica Internacional. Portanto, adotamos o uso dos dois termos para nos referir ao mesmo fenômeno, ao longo do relatório.

10 agências e organismos internacionais. Ora, a cooperação estaria condicionada à introdução de mudanças políticas, econômicas e sociais. Eventos como guerras, transições políticas e crises econômicas fomentam as discussões e decisões acerca das questões de preocupação e interesse mundial. A incidência de problemas semelhantes em contextos distintos estimulou a criação e manutenção de uma ampla rede de organizações com atuação nacional e internacional, de natureza pública, privada e público-privado, relacionadas a temas diversos como: fomento dos direitos humanos, a consolidação da democracia, combate à pobreza e à fome, luta por acesso universal a serviços básicos, desenvolvimento econômico, entre outros. Se, efetivamente, nos deparamos com transformações nas concepções de enfrentamento a questões políticas, econômicas e sociais (com enfoque para o desenvolvimento), assim como, mudanças contínuas nos cenários nacional e internacional, não nos escapa uma análise que restabeleça, também, constantemente, o exame da cooperação internacional a partir de cálculos variados. Em outras palavras, não podemos analisar a cooperação internacional de maneira imutável e estável, como uma ordem de grandeza única cujos cálculos anteriores não refletem o cenário atual. Nesse sentido, torna-se imperativo pensar sobre as novas formas de articulação entre as esferas governamental, da sociedade civil e dos organismos internacionais, agora sob o denominador comum do desenvolvimento. As conferências internacionais da ONU abriram espaço para a integração de um debate, deliberação e proposições de medidas de cooperação em áreas específicas, tidas como prioritárias. Nesse sentido, as Nações Unidas definem, conjuntamente, uma agenda global de promoção e preservação dos direitos fundamentais. A agenda constitui um conjunto de metas que tomam como princípio fundamental o fato de que as questões socioeconômicas na atualidade não têm fronteiras, ou seja, escapam do controle de um único Estado. Cabe considerar, ainda, o novo formato institucional de participação, negociação e deliberação dessas ações que integra diversas esferas de resolução de problemas: governo local, nacional, regional e mundial. E por fim, a interação do estatal com o não-estatal, a partir da participação de agentes diversos da

11 sociedade civil. De acordo com Herz e Hoffmann (2004), basicamente, dois atores institucionais têm atuado no campo da cooperação internacional. São eles: organizações intergovernamentais (OIGs) e as organizações não governamentais (ONGs). Tal atuação se desenvolve em arenas distintas que configuram uma nova governança global. Esse cenário é regulamentado por normas, regras, leis - de aceitação - entre os Estados-nação que o compõem. Em 2002, a Conferência Internacional sobre o Financiamento do Desenvolvimento reuniu 51 presidentes e primeiros-ministros, ministros das finanças e dos negócios estrangeiros, dirigentes de organizações internacionais e instituições financeiras, bem como líderes da comunidade empresarial e da sociedade civil. Teve, como objetivos primeiros, enfrentar os desafios do financiamento da cooperação internacional e da redução da pobreza. A Conferência resultou na aprovação do Consenso de Monterrey, que afirma a determinação da comunidade internacional de erradicar a pobreza, alcançar o crescimento econômico sustentável e promover o desenvolvimento sustentável no contexto de um sistema econômico mundial equitativo e que favoreça a plena inclusão. Tais resoluções impactaram, também, na lógica de cooperação entre os países, organizações internacionais e organizações da sociedade civil. De modo a garantir resultados eficazes e coerentes às metas estabelecidas, novos padrões mais rigorosos foram desenvolvidos. Estados e organizações da sociedade civil atendem, hoje, a uma série de critérios que determinam o caráter dessas parcerias. Diagnósticos, elaboração de projetos e mecanismos de avaliação tornaram-se condições elementares para o financiamento de projetos. Ao mesmo tempo, em uma Assembleia Geral da ONU, em 2000, foram definidas as Metas do Milênio, como os princípios norteadores que arquitetaram a cooperação internacional. As Metas competem: 1) acabar com a fome e a miséria; 2) atingir o ensino básico universal; 3) igualdade entre sexos e valorização da mulher; 4) reduzir a mortalidade infantil; 5) melhorar a saúde materna; 6) combater a HIV/AIDS, a malária e outras doenças; 7) garantir a sustentabilidade ambiental; 8) estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento.

12 As mudanças ocorridas na configuração determinada pelas Metas do Milênio são resultado de jogos e incentivos em outros tabuleiros, como acordos e compromissos assumidos na comunidade internacional para o desenvolvimento por meio da defesa de direitos (CAMARÁ et. al, 2009). Tais pactos concretizam diretrizes internacionais que defendem uma harmonização entre os países financiadores, assim como uma adequação das políticas internacionais às políticas públicas nacionais que visam compreender a pluralidade de problemas e sua complexidade. Consolidam, também, um conjunto de condicionantes ex ante e ex post para o recebimento dos recursos, tanto para os países, quanto para as Organizações beneficiadas. As condicionantes vão desde medidas adotadas pelos governos locais, até requisitos normativos aos projetos concorrentes. Um estudo realizado pelo Centro de Estudos sobre África e Desenvolvimento (CESA) 4 apresenta uma síntese que agrega relatórios de organizações internacionais como o CAD da OCDE, o Banco Mundial, o PNUD, o FIDA, a OIT, a CNUCED, assim como textos de organizações estatais de países com forte presença na cooperação internacional, como a Noruega, a Holanda ou o Reino Unido. O conteúdo comum das estratégias nacionais definido com base nos referenciais da Cooperação Internacional para o Desenvolvimento admite como princípios orientadores: a) aumento das oportunidades dos pobres através do crescimento econômico direcionado para os mais vulneráveis; b) melhoria das capacidades dos pobres para aproveitarem essas oportunidades através de um maior acesso a ativos humanos, físicos e financeiros; c) aumento da voz dos pobres, ou seja, que o imperativo ético do empoderamento dos pobres seja claramente assumido; d) redução da vulnerabilidade dos mais pobres pela construção de redes de segurança social; e) ligação forte entre a boa governação e as políticas de desenvolvimento concebidas pelos países receptores com os MDG (Millennium Development Goals) adaptados aos países como referencia; f) condicionamento ex-post ou seja o financiamento da CID fica dependente da execução das medidas que os próprios países aprovaram nos PRSP (Poverty Reduction Strategic Papers). (SANGREMAN, 2009, p. 12 e 13). 4

13 Segundo Sangreman (2009), as mudanças ocorridas e os princípios orientadores adotados implicavam em uma retomada do papel do Estado como autor das prioridades e de responsabilidades que assume face à comunidade internacional. Acrescentamos à análise que o papel assumido pelo Estado implica, também, no desenvolvimento de mais canais de participação dos cidadãos, de políticas públicas de acesso a serviços básicos e de crescimento econômico que gere oportunidades de desenvolvimento equitativo, para que possam gozar de suas liberdades A COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO BRASIL Nos últimos anos, o Brasil vem assumindo um papel de destaque no cenário da cooperação internacional. A melhoria dos indicadores de desenvolvimento socioeconômico o aproxima, cada vez mais, da condição de país potência. O país tem registrado evoluções significativas em termos de redução de pobreza e de desigualdade de renda nos últimos anos. Desde 2007, o Brasil é considerado um País de alto desenvolvimento humano, com base no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), segundo o Relatório do Desenvolvimento Humano 2007/08, do PNUD. Em 2011, o país ocupou a 84ª posição no ranking (IDH de 0,718). De acordo com os dados usados no relatório, o rendimento anual dos brasileiros foi de US$ , e a expectativa de vida, de 73,5 anos. A escolaridade foi de 7,2 anos de estudo, e a expectativa de vida escolar, 13,8 anos. Outro indicador de desigualdade que melhorou foi o coeficiente de GINI, que, entre 2001 e 2006, teve forte redução, chegando a uma queda de mais de 6% no período. Em 2012, a taxa do país é de 0,519. Neste coeficiente, quanto mais próximo de 1 for a nota do país, maior é sua desigualdade. Ao falar nas melhorias sociais vividas pelo Brasil, o documento da Aliança ICCO, sobre desafios e oportunidades para a atuação no Brasil, de setembro de 2009, destaca três fatores como motivadores destas melhorias: fatores demográficos, por meio do crescimento constante da População Economicamente Ativa, e da maior participação das mulheres no mercado de trabalho; fatores econômicos, proporcionados pela retomada do crescimento econômico, a partir de 2004; e fatores políticos, uma vez

14 que há a consolidação da democracia, assim como uma maior participação da sociedade civil, associada ao fortalecimento do Estado e das políticas públicas por ele desenvolvidas. No que se refere à cooperação internacional, hoje, o Brasil se caracteriza como ator que tanto recebe, como promove cooperação internacional oficial ou governamental, segundo dados do relatório de pesquisa do Instituto de Estudos Sócioeconômicos (INESC), intitulado Presente e Futuro: Tendências na Cooperação Internacional Brasileira e o Papel das Agências Ecumênicas, publicado em Nessa pesquisa, verificou-se que o fluxo de cooperação governamental oferecida pelo Brasil corresponde a 0,02% do PIB. Já a Assistência Oficial ao Desenvolvimento (AOD) dos países do Comitê de Assistência ao Desenvolvimento da OCDE (DAC- OCDE) apresentou um decréscimo ao longo de cinquenta anos: em 1961, representava 0,5 do PIB per capita destes países, enquanto que, em 2008, esse percentual era de 0,3%. O relatório do INESC (2012) aponta para o mesmo fato, já destacado pelo Instituto Fonte, em 2009, de que há uma avaliação que o país não precisa mais de apoio externo, visto que já dispõe de recursos suficientes para enfrentar sozinho seus problemas. Entretanto, como se trata de um amplo espectro de organizações, e, portanto, opiniões e posicionamentos diversos, há também uma percepção oposta, que compreende a permanência no Brasil como estratégica, no sentido de buscar influenciar a governança global e contribuir para manter um equilíbrio multipolar das relações de poder. São apresentados, então, alguns argumentos que justificam a permanência da cooperação internacional no Brasil e, em especial, da cooperação ecumênica: Entende-se que a cooperação recebida deve permanecer por quatro grandes motivos, a saber: (1) para combater as relações de poder que perpetuam a desigualdade e a miséria no país, evitando-se, assim, exportar este modelo para outras regiões do planeta; (2) para fortalecer movimentos e organizações sociais de defesa de direitos ameaçados pelas relações hegemônicas de poder; (3) para influenciar a agenda global de tomada de decisões no sentido da defesa de direitos e de justiça social; e (4) para identificar experiências bemsucedidas resultantes da cooperação no Brasil que possuem potencial de ser

15 replicadas e levá-las para outros países (inovação, tecnologias sociais, boa governança, entre outras). (INESC, 2011, p. 13). A investigação do INESC (2012) também apresenta a constatação da escassez de informações disponíveis sobre a cooperação brasileira, especialmente a oferecida. Eles entendem que estudos adicionais se fazem necessários para um melhor entendimento da amplitude e do sentido desta cooperação, assim como sobre os impactos causados não apenas na América do Sul, mas também em outras regiões do planeta. Portanto, concluise que, frente à escassez de dados e de reflexões mais estruturados sobre o tema, a pesquisa apresenta um ensaio que busca aportar elementos ao debate e levantar algumas hipóteses. De modo geral, é possível afirmar que, até os anos 80, a cooperação internacional não governamental tendeu a enfocar, no Brasil, o combate à pobreza, à injustiça da estrutura social, a luta pelos direitos civis e políticos e o fortalecimento das organizações da sociedade civil. Do ponto de vista do olhar sobre o país, privilegiava o mundo rural. Em termos geográficos, a maior prioridade era a região Nordeste, historicamente menos desenvolvida e com maiores índices de pobreza e, em menor medida, a região Norte (INESC, 2012). Ao fazer um balanço da cooperação internacional no Brasil, o documento da Aliança ICCO (2009) considera que há uma mudança significativa, desde a década de 80. Isso se deve ao fato do Brasil não ser mais um país pobre, embora tenha um significativo contingente de sua população vivendo na pobreza, o que o faz um país extremamente desigual. O documento destaca alguns pontos que devem ser considerados ao se pensar a relevância do Brasil para a cooperação internacional, tanto bilateral como não governamental, descritos no Quadro 1, a seguir:

16 PONTOS RELEVANTES PARA PENSAR A COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO BRASIL Não é um país pobre, mas continua com níveis inaceitáveis de pobreza e de desigualdades; Avançou muito na integração continental, em especial no âmbito da América do Sul, exercendo, hoje, significativa liderança na região; Avançou muito na projeção internacional e contribuição aos debates e articulações globais sobre temas como direitos humanos, democracia, participação e desenvolvimento sustentável, tendo um enorme potencial para oferecer soluções aos problemas relacionados ao desenvolvimento; Do ponto de vista geopolítico, é crescentemente considerado um global player em negociações políticas e comerciais, exercendo, ainda, liderança nas atuais negociações sobre as mudanças climáticas, por deter a maior área de floresta contínua do planeta e por ser o 4º maior emissor de gases do efeito estufa; Tem crescido como fornecedor de ajuda internacional, em especial para a África e América Latina; Vem se consolidando como um verdadeiro laboratório de experiências sociais e políticas que tem inspirado novos paradigmas para todo o planeta; O movimento ecumênico e o diálogo inter-religioso existentes no país são um campo muito importante de inovação e de exercício de uma ética de respeito às diferenças e de promoção da paz, da democracia e da justiça, sendo uma referência internacional para a contribuição das igrejas ao desenvolvimento; Registra-se o crescimento de um movimento empresarial pela responsabilidade social e ambiental, o que abre novas possibilidades e alianças para um novo tipo de desenvolvimento, servindo de referência para setores empresariais de outros países e regiões; Está em melhores condições do que muitos países para se adaptar, de forma criativa, aos desafios das mudanças climáticas e demonstrar ao mundo que outro tipo de desenvolvimento socioeconômico é possível; Exerce crescente influência sobre os países em desenvolvimento. Quadro 1 Relevância do Brasil para a cooperação Internacional Fonte: elaboração própria, baseado no Documento da Aliança ICCO (2009) PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O relatório está dividido em três partes, de acordo com os tipos de cooperação descritos anteriormente, com a apresentação de dados quantitativos e qualitativos, a partir de dados secundários coletados em pesquisas publicadas por diferentes institutos de pesquisa e organizações da sociedade civil (OSC s), assim como a partir de dados primários, coletados por meio de entrevistas semi-estruturadas com representantes de Embaixadas, agências de desenvolvimento, ONGs e fundações internacionais. A pesquisa desenvolveu uma análise qualitativa dos dados coletados, a fim compreender os fenômenos investigados com um alto grau de complexidade. A revisão bibliográfica envolveu o levantamento de pesquisas publicadas sobre o tema da cooperação internacional. A partir da seleção dos 16 documentos, descritos na lista abaixo, foram feitas análises e apresentação de dados ao longo desse relatório.

17 Pretendeu-se, assim, destacar os dados já publicados e as conclusões alcançadas sobre a cooperação internacional. Também foi possível, através da análise dos documentos, estabelecer comparações com os dados coletados na pesquisa. 1. ABONG: Panorama das Associadas, GOUVEIA, Taciana; DANILIAUSKAS, Marcelo Better Aid, Managing Aid: Practices Of DAC Member Countries. OECD, Brasil, um país doador, LE MONDE DIPLOMATIQUE BRASIL: Desafios e Oportunidades da Aliança ICCO , ALIANÇA ICCO Caminhos da institucionalização: cooperação internacional, Estado e filantropia, LANDIM, Leilah Conjuntura dos investimentos das organizações internacionais, INSTITUTO FONTE Cooperação brasileira para o desenvolvimento internacional, Ipea/ABC De Receptor a Doador: Os desafios da cooperação para o desenvolvimento na política externa brasileira sob a ótica da relação estado/sociedade civil, MESQUITA, Rui Cordeiro Democratizing Foreign Aid: Online Philanthropy and International Development Assistance, DESAI, Raj M; KHARAS, Homi Diretrizes para o desenvolvimento da cooperação técnica internacional multilateral e bilateral, Agência Brasileira de Cooperação Efeitos da crise econômica 2008/2009 sobre as Agências de Cooperação Internacional que atuam no Brasil. SILVA, Rogério Renato; VARGAS, Ana Carolina Comin Mito y Realidad de La Ayuda Externa America Latina al 2009: Una evaluación independiente de La cooperación internacional al desarrollo, ALOP Presente e futuro: tendências na Cooperação Internacional brasileira e o papel das Agências Ecumênicas. INESC

18 14. Shifting Ground: Implications of international cooperation for civil society organizations in Latin America, with specific reference to the UK s Department for International Development (DFID) Defending dignity, CARE Sustentabilidade das ONGs no Brasil: acesso a recursos privados, ABONG Trends and Issues in Development Aid, KHARAS, Homi No que se refere aos procedimentos metodológicos empíricos, adotamos a estratégia de realizar a coleta de dados de diferentes formas. Vale lembrar que a pesquisa enfrentou a dificuldade de não haver dados sistematizados sobre o tema disponíveis em um único instituto de dados estatísticos. Portanto, buscou-se contato com alguns órgãos da administração pública, a que enviamos algumas solicitações de dados. Ao IPEA, foram solicitadas informações sobre a cooperação oficial enviada pelo Brasil, dado esse não obtido até o fechamento deste relatório. À Agencia Brasileira de Cooperação (ABC), foram solicitados dados sobre a cooperação técnica multilateral e bilateral recebidas pelo Brasil. Esses dados foram recebidos em tabelas, o que nos permitiu realizar alguns gráficos e análises sobre o assunto, na primeira parte deste relatório. Outro órgão ao qual solicitamos dados foi o Banco Central, por meio do e-sic - Sistema Eletrônico do Serviço de Informação ao Cidadão, órgão recentemente criado pelo poder executivo federal. Foram solicitados dados sobre a movimentação financeira realizada por organizações estrangeiras no Brasil nos últimos 10 anos. Até o fechamento desse relatório, não havíamos recebido resposta ao protocolo de atendimento 5. Solicitamos, também, ao Ministério da Justiça, dados referentes às organizações estrangeiras autorizadas a atuar no Brasil. Recebemos, então, uma lista com os dados de contato de 116 organizações 6. Ao Instituto Fonte e a ABONG, também foram solicitados dados. O primeiro forneceu uma lista de contatos de organizações 5 Vale ressaltar que o protocolo de atendimento foi registrado no dia 31 de outubro de Veja a lista de contatos das Organizações Estrangeiras no Brasil fornecida pelo Ministério da Justiça no Anexo A.

19 internacionais atuantes no Brasil 7, e a segunda, dados sobre pesquisa de 2007 acerca do perfil das associadas. Outro procedimento de coleta de dados foi a realização de quatro entrevistas com um roteiro 8 semiestruturado a três organizações para a Cooperação Internacional Filatrópica-Solidária, a saber, a Care Brazil, Oxfam, Fundação Rosa Luxemburgo e uma organização da cooperação Pública-Oficial, a Agência Espanhola de Cooperação. O objetivo, nessas entrevistas, era entender a atuação das mesmas no país e as perspectivas de investimentos futuros. Também foram realizadas entrevistas sem roteiros estruturados, com pesquisadores do tema, como o professor Carlos Milani, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), e a pesquisadora Ana Carolina Comin Vargas, do Instituto Fonte. O objetivo destas entrevistas era entender melhor a configuração do campo de atuação da cooperação internacional no Brasil, e também, algumas vezes, buscar algumas informações mais específicas. A coleta de dados envolveu, também, buscas por relatórios de atividades nos sites institucionais de diversas organizações internacionais atuantes no Brasil. Essa busca teve como base uma lista inicial de 27 organizações 9, obtida a partir de um estudo exploratório preliminar do campo das organizações internacionais. Essa lista foi construída com base no conhecimento prévio dos pesquisadores, que sistematizaram dados sobre as organizações internacionais atuantes no Brasil. O objetivo da pesquisa aos sites dessas organizações era mostrar a evolução do montante de investimentos financeiros no Brasil ao longo dos últimos anos, e conseguir levantar dados de 5 organizações internacionais no campo da cooperação solidária. Em seguida, foram realizados contatos telefônicos com base, primeiramente, na lista fornecida pelo Instituto Fonte com contatos de 107 organizações, incluindo a cooperação pública-oficial, além de organizações da cooperação filantrópica-solidária. O Ministério da Justiça também forneceu uma lista com contatos de 116 organizações Veja a lista de contatos das Organizações Estrangeiras no Brasil fornecida pelo Instituto Fonte no Anexo B. 8 Veja o roteiro de entrevista aplicado no Apêndice A. 9 Veja a lista de organizações no Apêndice B.

20 estrangeiras no Brasil. Contudo, não se conseguiu contatar muitas organizações a partir das duas listas. Além do contato telefônico realizado, foram enviados s 10, contendo quatro perguntas referentes a recursos investidos, perspectivas e áreas de atuação, para as organizações em que não constava o contato telefônico, ou o único contato fosse fora do país. Os s também foram enviados em inglês para as organizações de fora do país. Foram obtidas, por , na maioria após um primeiro contato telefônico, informações sobre 5 organizações apenas. A partir desses dados, realizamos análises e inferências, descritas a seguir. 2. COOPERAÇÃO INTERNACIONAL PÚBLICA-OFICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO Segundo o documento da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), de 2004, intitulado, Diretrizes para o desenvolvimento da cooperação técnica Internacional multilateral e bilateral, a Cooperação Internacional Pública para o Desenvolvimento pode ser dividida em três tipos: a Cooperação Técnica Bilateral, a Cooperação Técnica Multilateral, a Cooperação Técnica Internacional (CTI). O Quadro 2 estabelece as distinções entre os tipos de cooperação. TIPO CARACTERÍSTICAS OBS Cooperação Técnica Bilateral Cooperação Técnica Internacional Cooperação com agências internacionais de desenvolvimento, que são órgãos de governos estrangeiros que atuam no Brasil de forma vinculada às Embaixadas de seus países, Intervenção razão temporária pela qual não destinada possuem a personalidade promover mudanças jurídica qualitativas própria no e/ou País. estruturais em um dado contexto socioeconômico, seja para sanar e/ou minimizar problemas específicos identificados naquele âmbito, seja para explorar oportunidades e novos Cooperação paradigmas de com desenvolvimento. organismos A materialização dessas mudanças dá-se por 10 Ver questionário enviado por no Apêndice C. Agências de cooperação internacional que tem acordos com o Brasil: Agência Alemã de Cooperação Técnica (GTZ), Agência Canadense para o Desenvolvimento Internacional (CIDA), Agência Espanhola para a Cooperação Internacional (AECI), Institut Français de Recherche Scientifique pour le Development en Cooperation (IRD) e o Centre de Coopération Internationale en Recherche Organizações Agronomique pour aptas le a estabelecer Development CTI: públicas (CIRAD), (União, Direção Estados, Geral de Municípios), Cooperação do setor para o produtivo Desenvolvimento (Associações, (DGCS), Federações, Japan Conselhos International e instituições Cooperation com Agency perfil (JICA), assemelhado), Department for e International da sociedade Development civil (organizações (DFID). não-governamentais e demais instituições sem fim lucrativo)

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO DIFERENCIANDO OS TRÊS SETORES Primeiro Setor A origem e a destinação dos recursos são públicos. Segundo Setor Corresponde ao capital privado, sendo a aplicação

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

Bye Bye Brasil. Olá Brasil? Cenários Articulação D3 Pesquisa de conjuntura

Bye Bye Brasil. Olá Brasil? Cenários Articulação D3 Pesquisa de conjuntura Bye Bye Brasil ou Olá Brasil? Cenários Articulação D3 Pesquisa de conjuntura Cenário Anunciado das agências internacionais - 3R Redução investimento Estrutura Equipe Reorientação Estratégia Prioridades

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

15/10/2012. Oficina de Mobilização de Recursos. Apresentação. Estrutura de um Projeto. Programação. Conteúdos

15/10/2012. Oficina de Mobilização de Recursos. Apresentação. Estrutura de um Projeto. Programação. Conteúdos Apresentação Oficina de Mobilização de Recursos 1. Nome 2. Instituição 3. Você conhece os ODM? 4. Já trabalhou com projetos? 5. Expectativas com a Oficina? odm@fiepr.org.br Programação Estrutura de um

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil:

Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil: FUNDO POSITHiVO Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil: Resposta Brasileira à epidemia de AIDS: Conjunção de esforços- Resposta Governamental & Sociedade Brasileira. Êxito

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o

Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o tema de cooperação brasileira para o desenvolvimento.

Leia mais

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais -

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - 1. Conceituação a) condição de pessoa como requisito único para ser titular de direitos humanos. b) dignidade humana. 2. Histórico Declaração americana

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Investimento Social Privado: Instrumento de uma sociedade democrática e capitalista

Investimento Social Privado: Instrumento de uma sociedade democrática e capitalista Investimento Social Privado: Instrumento de uma sociedade democrática e capitalista Marcos Kisil PUC 5/11/2015 As parcerias entre Estado, Mercado e Sociedade Civil QUAL O PAPEL DO ESTADO? QUAL O PAPEL

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL 4ª Edição QUANDO O BRASIL SE JUNTA, TODO MUNDO GANHA. Secretaria-Geral da Presidência da República Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Movimento Nacional

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO II FORO MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO II FORO MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO II FORO MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL ÍNDICE 1. ANTECEDENTES... 2 2. ORGANIZADORES... 2 3. OBJETIVOS DO FÓRUM... 4 4. PARTICIPANTES... 5 5. PROGRAMA E CONTEÚDOS...

Leia mais

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04)

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Urbanização na região Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Contexto Regional A concentração da população da América Latina e do Caribe em áreas

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

Previdência e Fortalecimento do Mercado de Capitais: Experiência Internacional

Previdência e Fortalecimento do Mercado de Capitais: Experiência Internacional Previdência e Fortalecimento do Mercado de Capitais: Experiência Internacional São Paulo, 8 de dezembro 2003 Vinicius Carvalho Pinheiro - vinicius.pinheiro@oecd.org Especialista em Previdência Privada

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

Mercado em Foco: Chile

Mercado em Foco: Chile Mercado em Foco: Chile EXPOMIN, 2014 Breve estudo com informações sobre as perspectivas de negócios da economia do Chile. Apresentamos também uma análise do comércio exterior de máquinas e equipamentos

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL I. CONTEXTO RETIFICADO Nos anos 90 e início dos 2000, diversas cidades brasileiras e latino-americanas lançaram-se em ações internacionais, prática

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

EDITAL ONU MULHERES 2011

EDITAL ONU MULHERES 2011 EDITAL ONU MULHERES 2011 O Escritório Sub-Regional da ONU Mulheres para Brasil e países do Cone Sul (Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai) convida organizações da sociedade civil a apresentarem projetos

Leia mais

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago QUINTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 17 a 19 de abril de 2009 CA-V/DP-1/09 Port of Spain, Trinidad e Tobago 19 abril 2009 Original: inglês Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor

Leia mais

PESQUISA ARQUITETURA INSTITUCIONAL DE APOIO ÀS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL. Relatório Final Eixo Fundos Públicos

PESQUISA ARQUITETURA INSTITUCIONAL DE APOIO ÀS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL. Relatório Final Eixo Fundos Públicos PESQUISA ARQUITETURA INSTITUCIONAL DE APOIO ÀS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO BRASIL Relatório Final Eixo Fundos Públicos São Paulo, fevereiro de 2013 Créditos Realização: Articulação D3- Diálogos,

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti*

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti* Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013 Por Roberto Vertamatti* Brasil recua novamente para a 15ª posição por não melhorar índices de saúde, educação e renda e piorar em relação a pobreza e desigualdade

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

9, 16 e 23 de outubro. www.mackenzievoluntario.com.br. No Mackenzie, o bem faz bem há 140 anos 1

9, 16 e 23 de outubro. www.mackenzievoluntario.com.br. No Mackenzie, o bem faz bem há 140 anos 1 9, 16 e 23 de outubro www.mackenzievoluntario.com.br No Mackenzie, o bem faz bem há 140 anos 1 O Projeto O Mackenzie Voluntário é um projeto de voluntariado que visa à prática da cidadania por meio do

Leia mais

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015 Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S Escola de Governo 22/09/2015 Gerações dos Direitos Humanos 1ª Dimensão Direitos Civis e Políticos

Leia mais

PROJETO MARCO REGULATÓRIO

PROJETO MARCO REGULATÓRIO PROJETO MARCO REGULATÓRIO RESUMO Apoio BRASÍLIA, ABRIL DE 2011 Projeto Marco Regulatório Antecedentes A (FGEB) desde a sua fundação em 1989 vem desenvolvendo seus trabalhos sob o foco do Desenvolvimento

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

A Cooperação UE no Estado de São Paulo

A Cooperação UE no Estado de São Paulo A Cooperação UE no Estado de São Paulo Informações gerais: Superficië (km²): 248.209,426 População (IBGE 2012): 41.901.219 Produto Interno Bruto - PIB (2008) em R$ milhões: 1.003.016 Indice de Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO FACES DO BRASIL/ AGÊNCIAS DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL E NACIONAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ÉTICO E SOLIDÁRIO DO BRASIL

PROJETO DE COOPERAÇÃO FACES DO BRASIL/ AGÊNCIAS DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL E NACIONAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ÉTICO E SOLIDÁRIO DO BRASIL PROJETO DE COOPERAÇÃO FACES DO BRASIL/ AGÊNCIAS DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL E NACIONAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ÉTICO E SOLIDÁRIO DO BRASIL Brasil, outubro de 2004 1 ÍNDICE JUSTIFICATIVA... 3 OBJETIVO...

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20 Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável CONFERÊNCIA RIO+20 20 e 22 de junho de 2012 20º aniversário da Conferência das Nações

Leia mais

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando Neiva Liboreiro 14 de dezembro de 2006 Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Bases para a ação CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS 38.1. O mandato da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente

Leia mais

WORLD GIVING INDEX 2014

WORLD GIVING INDEX 2014 WORLD GIVING INDEX 2014 QUEM SOMOS Fundado em 1999, organização pioneira no apoio técnico ao investidor social no Brasil e na América Latina, e tem como missão promover e estruturar o sistema de investimento

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis O que é? Um mecanismo (ou processo) pelo qual a população

Leia mais

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO Os Presidentes dos Estados Partes do MERCOSUL e dos Estados Associados, reunidos na

Leia mais

EDITAL UNIFEM. Podem ser apresentados projetos de organizações da sociedade civil que cumpram os seguintes requisitos mínimos:

EDITAL UNIFEM. Podem ser apresentados projetos de organizações da sociedade civil que cumpram os seguintes requisitos mínimos: EDITAL UNIFEM 2010 O Escritório Sub-Regional do Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher para Brasil e países do Cone Sul (Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai) convida organizações

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

AMCHAM e a Internacionalização de empresas

AMCHAM e a Internacionalização de empresas Defensores da livre iniciativa Representatividade multisetorial e nacional Amplo e diferenciado conteúdo Estabelecer a competitividade de longo prazo Fortalecimento dos canais de influência AMCHAM e a

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

Sr. Diretor Executivo do Habitat das Nações Unidas, Joan Clos, Sr. Presidente de Cidades e Governos Locais Unidos, Kadir Topbas,

Sr. Diretor Executivo do Habitat das Nações Unidas, Joan Clos, Sr. Presidente de Cidades e Governos Locais Unidos, Kadir Topbas, Discurso do Sr. Sebastião Almeida Prefeito de Guarulhos Brasil Nova Iorque 23 de abril de 2012 Senhor Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, Sr. Diretor Executivo do Habitat das Nações Unidas,

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

XX Congresso Panamericano da Criança e do Adolescente

XX Congresso Panamericano da Criança e do Adolescente CD/doc. 18/08 Resolução CD/RES.07 (83-R/08) 5 de dezembro, 2008. PROJETO DE TEMÁRIO XX Congresso Panamericano da Criança e do Adolescente A realizar-se em Lima, Peru, setembro de 2009. Indice I. Introdução

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

Programa: Programa Interagencial para a Promoção da Igualdade de Gênero e Raça

Programa: Programa Interagencial para a Promoção da Igualdade de Gênero e Raça TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA ACOMPANHAR O SEMINÁRIO - REFERÊNCIAS CURRICULARES PARA A LEI 10.639/03, REGISTRAR E SISTEMATIZAR AS CONTRIBUIÇÕES E PROPOSIÇÕES LEVANTADAS DURANTE

Leia mais

Cooperação Sul-Sul em População: Boas práticas da parceria entre o Governo do Brasil e o UNFPA 2 0 0 2-2 0 0 6 2 0 07-2 0 1 1

Cooperação Sul-Sul em População: Boas práticas da parceria entre o Governo do Brasil e o UNFPA 2 0 0 2-2 0 0 6 2 0 07-2 0 1 1 Cooperação Sul-Sul em População: Boas práticas da parceria entre o Governo do Brasil e o UNFPA Fundo de População das Nações Unidas 2 0 0 2-2 0 0 6 2 0 07-2 0 1 1 Ministério das Relações Exteriores Agência

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS 4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS A Petrobras foi criada em 3 de outubro de 1953, pela Lei 2.004, assinada pelo então presidente Getúlio Vargas, em meio a um ambiente de descrédito em relação

Leia mais

Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 2010 a Outubro de 2014

Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 2010 a Outubro de 2014 Refúgio no Brasil Uma Análise Estatística Janeiro de 21 a Outubro de 214 O Brasil é signatário dos principais tratados internacionais de direitos humanos e é parte da Convenção das Nações Unidas de 1951

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais