A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM INTERNACIONAL DO BRASIL NO MODERNISMO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM INTERNACIONAL DO BRASIL NO MODERNISMO 1"

Transcrição

1 1 A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM INTERNACIONAL DO BRASIL NO MODERNISMO 1 Cristiano A. Diniz Guerra Silvestre 2 Orientador: Israel Roberto Barnabé (Núcleo de Relações Internacionais) Co-Orientador: Lucas Miranda Pinheiro (Núcleo de Relações Internacionais) 1. INTRODUÇÃO Só a Antropofagia nos une. Socialmente. Economicamente. Filosoficamente. (ANDRADE, Oswald. Manifesto Antropófago) (...) O impulso lírico clama dentro de nós como turba enfuriada, Seria engraçadíssimo que esta dissesse: Alto lá! Cada qual berre por sua vez; e quem tiver o argumento mais forte, guarde-o para o fim! A turba é confusão aparente. Quem souber afastar-se idealmente dela, verá o impotente desenvolver-se dessa alma coletiva, falando a retórica exata das reivindicações. Minhas reivindicações? Liberdade. Uso dela; não abuso. (...)(ANDRADE, Mário. Prefácio Interessantíssimo) Este trabalho, durante o ano de sua produção, teve por objetivo compreender, entre outros pontos, os impactos do evento modernista na política externa brasileira. De antemão, é necessário um enorme exercício de abstração para encontrarmos a relevância de um evento consagrado na Semana de Arte Moderna de 1922 para as decisões que Vargas haveria de tomar anos depois, de 1930 a O objeto de reflexão deste trabalho perpassa por um conjunto gradativo de transformações até que seja montada a lógica da construção da imagem internacional do Brasil a partir do Modernismo. Em outras palavras, nosso objeto é um marco cronológico: o período pós-primeira Guerra, o período de 1922 a 1930 e o período de 1930 a 1945, todos com suas explicações. O período que antecede 1922 tem sua importância com o pós Primeira Grande Guerra e toda a efervescência que lançou ao mundo. A queda de regimes, o absurdo e a destruição, as agremiações sociais, o colapso e o soerguimento de modelos foram o 1 Este artigo é oriundo de bolsa do Programa Especial de Inclusão à Iniciação Científica (PIIC), financiada pelo COPES, Coordenação de Pesquisa, da Universidade Federal de Sergipe; tendo sido a pesquisa, posteriormente, vinculada ao Grupo de Internacionalização e Desenvolvimento (GID 2 Cristiano Armando Diniz Guerra Silvestre. Graduando em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Sergipe, 3º Período. Bolsista PIBIC atuante no Grupo de Política Internacional e Processos de Integração (http://dgp.cnpq.br/buscaoperacional/detalhegrupo.jsp?grupo= oy5fq07). (http://lattes.cnpq.br/ ,

2 2 terreno fértil de todas as vanguardas artísticas que brotaram nesse período. Validas de argumentações inovadoras, apresentaram propostas de ruptura e manifestaram sua insatisfação com o estado das coisas, lançando ao mundo a necessidade de revisar, entre tudo, os valores cristalizados pelos regimes políticos ora vigentes. A herança destas vanguardas é inflar em São Paulo a coragem de um evento que propôs trazer a mesma revisão ao nosso cenário nacional, a Semana de Arte Moderna de Neste trabalho, começando observando os resultados da referida guerra, tratamos das principais vanguardas e suas premissas para chegarmos aos princípios defendidos na fatídica semana de 1922, nos manifestos produzidos e nas repercussões ideológicas resultantes. Do período de 1922 a 1930, o Brasil se transforma. Como reflexo do que acontecia no mundo, a estrutura política aqui vigente começa a ser contestada. Fatores diversos agem de modo a minar as forças do regime oligárquico. O tenentismo e seus atos de insatisfação, o surgimento da industrialização, a maquinizição, a urbanização, as exigências populares pelo direito ao trabalho e a própria mudança do homem rural para proletário mudam as demandas das camadas da sociedade. Acrescentando ainda o enfraquecimento do café como principal produto, a oposição recém instaurada de grupos oligárquicos dissidentes e a formação de novos grupos interessados em participar do poder. Este período é testemunha da ágil transformação do social, do político e do econômico; da realidade do Brasil em conformidade com o mundo. O período de 1930 a 1945 assiste a Vargas e ao gigantesco evento que atingiu a todos os continentes: a Segunda Grande Guerra. Nesse período, nos será interessante observar a mudança da atuação de Vargas quando comparada aos governos anteriores. O Brasil, pela sua primeira vez, negociará de forma que suas decisões poderiam alterar o próprio decorrer da Guerra. Temos não só uma valorização do Brasil como agente, mas uma mudança razoável de seu autoentendimento para tanto. Nessa parte do trabalho, já nas nossas considerações finais, refletiremos sobre os impactos da proposta modernista na esfera máxima do posicionamento nacional: a política externa. É absurdo pensar em elementos da Antropofagia de Oswald nas decisões políticas de Vargas e na importância dada ao nacional? É absurdo pensar nas denúncias de Tarsila, de Menotti e de Vitor Brecheret, expoentes da Semana de 22, nas políticas internas de Vargas? Observar a

3 3 contribuição deste movimento à política externa brasileira varguista é a contribuição deste trabalho à ciência das Relações Internacionais. 2. PREÂMBULOS MODERNISTAS: AS VANGUARDAS E CONTRIBUIÇÕES As ideias tomam conta, reagem, queimam gente nas praças públicas. (ANDRADE, Oswald. Manifesto Antropófago) O término da Primeira Guerra Mundial não anunciou para o mundo os resultados que se pretendiam: abaixo do lema da guerra que se pretendia "pôr fim a todas as guerras", se instaurou caos e destruição no mundo. Nações arrasadas, perdedoras e vitoriosas, se preocupavam agora no ardiloso exercício de restaurar suas economias e reorganizar suas pretensões políticas. Entretanto, por todos os lugares varridos pela guerra, homens e mulheres contestavam, não só a situação humana a qual se encontravam, mas também se os governos que possuíam trariam bons resultados ou se o estado de calamidade tornar-se-ia permanente. A desordem instalada agora se transformava em inconformidade. Governos foram depostos, o mapa mundial reorganizava-se, a geopolítica do mundo também. Nesse entremeio do que tentava permanecer e do que poderia mudar, surgem movimentos artísticos decididos a minar as estruturas que fracassaram na guerra e, cada um a sua visão, propor mudanças significativas no tratamento da temática social. Pelo seu caráter de propostas pensadas a frente do que se tinha propriamente dito, estas escolas foram chamadas de Vanguardas. As Vanguardas sugiram em cidades onde quantidades significativas de ideias radicais foram reunidas e apresentadas em manifesto. Estes manifestos espalharam-se pelo mundo. Coube a este projeto estudar as principais vanguardas e suas respectivas propostas, em especial as que surtiram efeito aqui no Brasil. Foram quatro as vanguardas adotadas na pesquisa. O Futurismo, fundado em 1909 na Itália, por Marinetti, tinha como predileção básica a liberdade da arte. Essa concepção fundamental rompia com o academicismo vigente na Europa e, puxando para termos sociais, significava não necessariamente manter a configuração política estática, desvalorizando o tradicionalismo e o moralismo. A mudança, a liberdade, é uma característica irrepreensível. A principal contribuição desta Vanguarda é o desprezo ao

4 4 passado e o culto à originalidade que influenciaram importantes artistas nacionais, como Anita Malfatti e Oswald de Andrade, sendo este o principal nome do Modernismo do Brasil. O Dadaísmo, vanguarda nascida em Zurique, em meados de 1916, foi a mais radical de todas. Segundo Tzan, principal nome da escola, Dadá não significava nada. A ironia, pregada como principal instrumento, era o principal veículo dos dadaístas se confrontarem com as instituições, insurgir-se contra a tristeza e as convulsões sociais oriundas da guerra. A principal contribuição dadá ao Brasil foi a importância do escândalo: da ideia que, quanto mais chocante e impactante for apresentada, mais rápida pode ser assimilada e interpretada com naturalidade. O Expressionismo foi outra vanguarda, nascida na Alemanha, na década de 20. Sua principal prerrogativa era a arte como expressão do interior, do sentimento e não uma cópia. Dessa forma, a escola expressionista preocupouse em expressar o homem, rompendo com a linearidade da forma e com a objetividade do conteúdo. O que o Expressionismo trouxe ao Brasil, foi a importância do homem expressar-se por ele mesmo, observando seu papel dentro da sociedade. E não menos importante, o Surrealismo, também nascido na França, no final da década de 20. O surrealismo, estética do campo ilógico, irracional, impulsivamente criativo, fez coro sobre o homem reencontrar sua importância como elemento participativo, contrapondo-se ao discurso mecânico pregado pela industrialização, urbanização e automação dos meios produtivos. Em termos sociais, o Surrealismo, consideravelmente distante das Vanguardas inicias, é dos últimos sopros identitários da importância do homem. 3. A SEMANA DE ARTE MODERNA DE 1922 E A FASE HERÓICA Nossa época anuncia a volta ao sentido puro. (ANDRADE, Oswald. Manifesto Pau-Brasil) As Vanguardas espalharam-se pelo mundo ocidental ganhando releituras onde encontrasse indignação social ou rachaduras nos modelos políticos. Aqui no Brasil, o movimento irrompe ainda na década de 10, com a atuação de vários artistas, especialmente em São Paulo. Paulatinamente aproximados, tanto pela convergência de suas insatisfações, quanto a fim de uma renovação cultural do Brasil, o grupo articulou-se em prol de uma campanha única: a Semana de Arte Moderna de A semana, feita

5 5 em três dias no Theatro Municipal de São Paulo, escandalizou a opinião pública bitolada ao comodismo e a estaticidade ainda provenientes do Parnasianismo, corrente artística predominante. Mais do que inconformados com o cenário artístico, observavam as mudanças que tomavam conta do Brasil e, a passo delas, preencheram sua arte de exigências e denúncias. Altamente criticados, antes e depois da Semana, a proposta brasileira foi solidificando-se ao apresentar seus Manifestos, entre eles o Pau-Brasil e o Antropófago, basilares do Modernismo, e as obras de seus participantes: desde Oswald e Mário de Andrade, Tarsila do Amaral, até Víctor Brecheret, Villa-Lobos e Di Cavalcanti. A Semana, não somente por ser uma mostra da nova postura intelectual brasileira, mostrou os preceitos do que viria a se tornar o centro de importância das artes nacionais: exportar nossa arte, reinventar o nacionalismo, a variedade étnica, as camadas sociais, a multiculturalidade, a ignorância do povo brasileiro enquanto elemento de sua própria identidade e a antropofagia: absorver, transformar e produzir. Ou como disse Mário da Silva Brito: A denúncia do lastimável estado desse período histórico causa e efeito a um só tempo de fenômenos sociais decisivos vem a constituir, aos olhos de hoje, toda uma série de depoimentos veementes, testemunhos e retratos da hora conturbada que passava. (BRITO, 1997, pág. 11) 4. A TRANSFORMAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO E ECONÔMICO Não só os temas de caráter social impulsionaram a revisão modernista; todas as principais esferas de importância do Brasil, desde que, em tempos de mudança, interessavam. Ou seja, a Economia, como uma delas, foi de extrema importância. Até então, o Brasil, rural e agrário, apoiava-se no café como seu principal produto de pauta de exportação. O fim da Grande Guerra trouxe duas mudanças significativas: a indústria de substituição, que acabou absorvendo capitais do café, e a queda da compra internacional do mesmo, como reflexo do encolhimento do comércio internacional. Já não sendo fatores isolados, acrescenta-se ainda a fatídica queda da Bolsa de Valores de Nova Iorque em 1929, que pôs em cheque a produção cafeeira e impulsionou definitivamente a indústria como base da produção nacional.

6 6 Este processo, não tão simples, traz em seu entorno outros processos: a urbanização, o crescimento e a metropolização de cidades brasileiras devido, principalmente, à mudança do agricultor para operário e série de lutas por direitos sociais e trabalhistas que passam a serem demandados. O Modernismo denunciará os contrates, do homem do campo contra o homem da cidade, dos tipos e condições do trabalho, das realidades sociais, do êxodo, da migração, emigração e imigração, do desemprego, da exploração, da favelização, da exploração e da luta entre classes. Ainda falando em classes, os modernistas dissecarão as camadas sociais brasileiras, desde o burguês culto ao trabalhador analfabeto, do negro, do branco, do índio, dos estrangeiros, dos mestiços, dos rótulos e dos estereótipos. A realidade passa a ser a matéria prima do nacionalismo. Seguindo essa linha de insatisfação, entramos na discussão política do Brasil nesse período, em que, sob a égide das Oligarquias dominantes, sustentadas pelo café e por um governo de coalizão pendular entre São Paulo e Minas Gerais, se veem desafiadas por Oligarquias de outros estados e por grupos em ascendência, como por exemplo, os empresários. É junto a estes grupos de oposição que as camadas insatisfeitas, como proletariado e tenentes, juntam forças e pouco a pouco minam o poder estabelecido. Sucumbindo-se a República oligárquica, o grupo que a derrubou é o mesmo grupo que então apoia Vargas. Este período de transformação, diferente do período inicial, é considerado como a segunda fase do Modernismo, também chamada fase de 30. Com extrema ciência de seu papel, produz obras como Fogo Morto e Capitães de Areia, de Lins do Rego e Jorge Amado, na literatura e Operários, de Tarsila, na pintura. É mister observar que as propostas de 1922 nunca se apagaram e, pelo contrário, encontram-se convictas de sua função político-social neste período. Nas palavras de Lucia Helena: E a modernização de nossa sociedade, se assim podemos dizer, começaria por volta dos anos 20, nas transformações do mundo rural e oligárquico em contato com as novas de aplicação industrial e monetária do capital. Essa nova sensibilidade é veloz, baseada no choque e na fragmentação dos laços culturais herdados e será muito mais nítida nos centros cosmopolitas, embora se irradie para outras áreas. Ainda que fossem incipientes essas transformações no panorama brasileiro da época, elas não só existem na prática econômico-política das alianças oligárquicas, como também começam a ser anunciadas pela produção literária do período, na tematização dos novos pactos entre o campo e a cidade, a indicar a

7 7 progressiva ruptura dos alicerces de nossa primeira República. Estavam no ar os ventos de uma mudança econômica, politica e social. (HELENA, 1986, pag. 12) Todas essas discussões superficialmente aqui abordadas, mas exaustivamente trabalhadas na pesquisa, servem de ponte entre os dois principais pontos que ligam este trabalho: a proposta do Modernismo Brasileiro e Vargas em sua Política Externa. Em linhas evolutivas facilmente comparáveis, observamos como ideias contidas nos manifestos de 1922 podem apresentar-se amadurecidas nas decisões de Vargas entre 1930 a 45. Vargas é extremamente nacionalista, como pregou o Modernismo, é deveras populista, visto exigências do mesmo, é deliberativo, flexível e competente nos assuntos internacionais do Brasil, como sugerido pelos modernistas em se tratando de ser, antes de tudo, antropofágico. Um último ponto a ser discutido é a arte enquanto elemento inspirador de liberdade, de releitura e importância nacional. O Modernismo tem respaldo na abordagem do povo, de suas peculiaridades, de entender a importância popular na criação de um real nacionalismo. O sucesso do Modernismo esteve em compreender homens e mulheres para que esses compreendessem o que significa nação. Trata-se de um projeto em que não foram construídos heróis, mas o valor deles, espalhado nos méritos do povo. Ou seja, com todas as possibilidades que existem dentro do país, de riqueza a pobreza, de uma região a outra, o Modernismo conseguiu encaixar todos nesse plano de nação. Foi um trabalho ousado, especialmente por não delegar todos os créditos às classes dominantes, fazendoas repartir, sob críticas e críticas, com as camadas menos favorecidas. No final de contas, o Modernismo não hierarquizou ninguém em importância, mas atribuiu a todos, indiferente de qualquer característica, uma função no corpo nacional. É nesta esquematização brilhante que o Modernismo reascendeu a vela do Nacionalismo. 5. A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM INTERNACIONAL DO BRASIL A transformação permanente do tabu em totem. (ANDRADE, Oswald. Manifesto Antropófago) O Modernismo rompe com este estado de coisas. As nossas deficiências, supostas ou reais, são reinterpretadas como superioridades. (CAMPOS e DOLHNIKOFF, pág. 168, 2011)

8 8 Fica, para nós, por trás de todo esse estudo teórico, conceitual e comparativo, a pergunta: qual a efetiva importância do Modernismo neste processo? O primeiro e fulcral ponto a ser observado é que, apesar de todas as suas resoluções, o Modernismo é um movimento artístico, uma vanguarda, uma estética. Tal afirmação acarreta nas seguintes ponderações: arte é prioritariamente a expressão de alguma coisa, com conteúdo e forma trabalhados especificamente por um objetivo; arte é um mecanismo de comunicação; arte afirma ao mesmo passo que nega coisas. O Modernismo nesta estruturação teve, entre várias importâncias, três essenciais: a primeira, definir o perfil da cultura estritamente brasileira ainda que em contato e em troca com perspectivas estrangeiras, neste primeiro sentido, o Modernismo reinventa o papel do nacional; a segunda, arte ao alcance do povo, feita de povo, que denuncie a variedade, a problemática, a heterogeneidade e a diversidade que compõem os aspecto social e cultural do Brasil, neste segundo ponto, a repulsa à academicidade e a proposta de arte enquanto elemento cristalizado da realidade; a terceira, a capacidade de criticar, de não concordar, de revoltar-se com a ordem vigente, se possível até sugerindo novos modelos para abarcar as diferentes perspectivas sociais. Com estas considerações, podemos resumir o efeito do Modernismo como identitário, ou seja, sua linha mestre foi reconstruir a imagem brasileira e a sua percepção enquanto elemento do povo. Não é absurdo pensar que tudo era interessante ao Modernismo. Não só a própria história do Brasil e não só a multiculturalidade que nos compõe: interessava, sobremaneira ao Modernismo, a transformação. Transformar avante é modernizar. Sentindo a transformação pulsando nas diversas esferas do país, os artistas sabiam não exatamente como, mas sabiam que a realidade chegaria a outro patamar. O advento do moderno, da urbanização, do homem que se transforma com a cidade, que se transforma com o modelo produtivo, que passa a contestar a conjuntura política, que passa a exigir direitos, a exigir participação, a exigir vez e voz. Os radicais manifestos do início do Modernismo são o prenúncio da Era Vargas. Nas palavras de Neide Rezende: Censura-se em especial a falta de visão social e política dos rapazes de 22, o que de fato eles não tinham se se pensar no corpo coerente de ideias, em consciência de classe e do país. Mas se se pensar que a recusa radical de uma linguagem pressupõe a recusa do poder que a viabiliza, à medida que naquela se traduz o modo de percepção e representação da realidade, e, em última análise, a

9 9 interpretação do mundo, então, mesmo formando ao lado de Prados, Penteados e Washington Luíses, mesmo não investindo contra o poder imediato os modernistas da Semana estavam iniciando uma revolução profunda que iria inclusive se radicalizar sob o aspecto ideológico, nos anos seguintes. (REZENDE, 1986, págs. 42 e 43) Tomada esta consciência, ou melhor, este processo conscientizador a qual se propuseram os modernistas, enxergamos no passar dos anos a maturação da ideia de nacional, de nosso, de Brasil. Aliás, a reinvenção do nacional é o aporte para um governo totalitário e para uma política externa que defenda avidamente os interesses do Brasil. O final deste projeto foi observar as relações internacionais varguistas. Poderíamos até falar de uma política antropófaga, mas com uma série de ressalvas quanto ao uso do termo. Como nunca antes na história de nossa Política Exterior, o Brasil se pôs numa posição de negociador, global player, sendo elemento estratégico de elevado grau de importância na Segunda Grande Guerra. O Brasil pôde barganhar. Talvez por uma série de situações favoráveis externas, mas também por uma reflexão profunda quanto a sua posição geopolítica, o Brasil, em Vargas, foi extremamente oportunista por perceber no seu potencial um trunfo para catalisar notoriedade e reestruturar a política econômica e social do governo. Grande parte das denúncias modernistas entraram nessas decisões: o nacionalismo exacerbado, direitos trabalhistas, rearranjo dos grupos dominantes e de seus meios de manutenção, a diversidade social, entre outros fatores. A contribuição do Modernismo enquanto objeto a ser estudado dentro das Relações Internacionais é a de se recontar uma mesma linha temática através de outro meio. Tão consideralvemente importante é a construção de uma linha lógica de sustentação da ligação entre o Modernismo e a Política Externa Varguista neste trabalho, é a contribuição da metodologia empregada. Não tradicionalmente a que observa causas e efeitos, mas sim uma metodologia comparativa de linhas de evolução de diversos eventos, encontrando pontos de culminância em causas e consequências entre todas elas. Em outros termos, a metodologia empregada assume um papel significativo no modo de estudar conteúdos já conhecidos: é o de reinterpretá-lo a luz de outros eventos concomitantes, e de outra esfera do conhecimento, a fim de enxergar o mesmo processo histórico ou resultado prático, por uma forma não usual. Qual o benefício desse tipo de esforço é um pergunta deveras pertinente. A resposta também: o conhecimento histórico

10 10 possui diversas nuances, debatê-lo sob outras vertentes acarreta na construção de argumentos novos e tão significativos quanto todos os velhos já conhecidos. Podemos explorar a ciência de modos surpreendentes, puxando de outras áreas, novidades em prol de antigos debates. É construirmos pontes entre as ciências, conteúdos, pontos, tão cristalizados em suas respectivas esferas. No caso deste trabalho em específico, a herança enriquecedora das Artes e das Letras para o estudo da Política Externa Brasileira nas Relações Internacionais. Recontar uma história de outro jeito é contar uma nova história. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE, Oswald de. Obras completas: VI: Do pau-brasil à antropofagia e às utopias. Manifestos, teses de concurso e ensaios. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/ MEC, BRITO, M. da S. História do Modernismo brasileiro: antecedentes da Semana de Arte Moderna. 6 ed. Nova Friburgo RJ: Imagem Virtual, 1997 CAMPOS, F. e DOLHNIKOFF, M. Manual do Candidato História do Brasil. 1. ed. Brasília: FUNAG, 2001 CASTRO, S. Teoria e política do modernismo brasileiro. Petrópolis RJ: Vozes, 1979 CERVO, A. L. e BUENO, C. A Política Externa Brasileira ed. São Paulo: Ática, 1986 CERVO, A. L. e BUENO, C. História da política exterior do Brasil. 3 ed. Brasília: Editora UNB, 2008 FIGUEIREDO, E. (organizadora) Conceitos de Literatura e Cultura.2 ed. Niterói: EdUFF, 2010 FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. 34 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007 HELENA, L. Modernismo brasileiro e vanguarda. 3 ed. São Paulo: Ática, 1986 JÙNIOR, C. P. História econômica do Brasil. 51 ed. São Paulo: Brasiliense, 2008 LAFER, C. A identidade Internacional do Brasil e a política externa brasileira. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 2009 MARTINS, W. A Literatura brasileira: o modernismo ( ) 2 ed. São Paulo: Cultrix, 1967

11 11 MOREIRA, L. F. V., QUINTEROS, M. C. e SILVA, A. L. R. As Relações Internacionais da América Latina. Petrópolis: Vozes, 2010 (Coleção Relações Internacionais) REZENDE, N. A Semana de Arte Moderna. 3 ed. São Paulo: Ática, 1986 TELES, G. M. Vanguarda européia e modernismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1972.

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012)

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) MODERNISMO História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) O século XX inicia-se no Brasil com muitos fatos que vão moldando a nova fisionomia do país. - progresso técnico - novas fábricas surgidas

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

Unidade I Tecnologia Corpo, movimento e linguagem na era da informação.

Unidade I Tecnologia Corpo, movimento e linguagem na era da informação. A A Unidade I Tecnologia Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 2 A A Aula 1.2 Conteúdo: Semana de Arte Moderna. 3 A A Habilidade: Reconhecer, diferenciar e saber utilizar diversas técnicas

Leia mais

Semana de Arte Moderna

Semana de Arte Moderna Semana de Arte Moderna 8º Ano 4º Bimestre 2015 Professor Juventino Introdução Ano foi marcado de 1922 por grandes mudanças na política e na cultura. Transformações no mundo. 1º centenário da independência.

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

futurismo Filippo Marinetti Oswald de Andrade Anita Malfatti

futurismo Filippo Marinetti Oswald de Andrade Anita Malfatti FUTURISMO O futurismo é um movimento artístico e literário, que surgiu oficialmente em 20 de fevereiro de 1909 com a publicação do Manifesto Futurista, pelo poeta italiano Filippo Marinetti, no jornal

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Surrealismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes

Surrealismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes Surrealismo Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes O surrealismo foi o movimento artístico moderno da representação do irracional e do subconsciente. Suas origens devem ser buscadas

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Período: 77.1 79.2 OBJETIVOS: Levar o aluno a conhecer e sistematizar o processo das técnicas e das formas, das técnicas e das principais concepções poéticas e ideológicas dos movimentos de vanguarda européia

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Boletim periódico da da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim destina-se a promover discussões sobre temas de conjuntura e não

Leia mais

Financiou sua reconstrução com empréstimos norte americanos.

Financiou sua reconstrução com empréstimos norte americanos. No início dos anos 20, a Europa foi sacudida por uma onda de greves e por um crescente desemprego, provocado pela queda da produção agrícola e industrial. Financiou sua reconstrução com empréstimos norte

Leia mais

Manoel Reinaldo Silva Rego 1

Manoel Reinaldo Silva Rego 1 161 CAMPOS, Pedro Henrique Pedreira. Estranhas Catedrais: as empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar, 1964-1988. Rio de Janeiro: EDUFF, 2014. 444 p. PASSAGEM DESBOTADA NA MEMÓRIA A RELAÇÃO

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Samira Santana de Almeida 1. Apresentação RELATÓRIO O presente

Leia mais

ARTES 9 ANO PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL

ARTES 9 ANO PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL ARTES 9 ANO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª GABRIELA DACIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula

Leia mais

A função organizadora das Leis Trabalhistas para o Capitalismo Brasileiro (1930-1945) th_goethe@hotmail.com; joaoacpinto@yahoo.com.

A função organizadora das Leis Trabalhistas para o Capitalismo Brasileiro (1930-1945) th_goethe@hotmail.com; joaoacpinto@yahoo.com. A função organizadora das Leis Trabalhistas para o Capitalismo Brasileiro (1930-1945) Thiago Oliveira MARTINS 1 ; João Alberto da Costa PINTO Faculdade de História UFG th_goethe@hotmail.com; joaoacpinto@yahoo.com.br

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 ANEXO II ATA DA 10ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA MULHER REALIZADA NOS DIAS 04 E 05 DE SETEMBRO

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Arte Moderna Expressionismo A busca por expressar os problemas da sociedade da época e os sentimentos e emoções do homem no inicio do século xx Foi uma reação ao impressionismo, já que o movimento preocupou-se

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922

A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922 A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922 1822 1922 100 anos da Independência do Brasil ANTECEDENTES DA SEMANA DE ARTE MODERNA 1912 CHEGADA DE OSWALD DE ANDRADE DA EUROPA Oswald de Andrade retorna de

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS

Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS CONTEXTO HISTÓRICO As vanguardas européias foram manifestações artístico-literárias surgidas na Europa,

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fernando José de Almeida Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Casamento não significa felicidade automática e garantida. Isso só acontece

Leia mais

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY Os seis passos para a modernidade Chegada da Família Real Portuguesa (1808); Missão Artística Francesa; Academia Imperial

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Mensagem do senhor presidente da República para a 3ª Fispal Latino e ao 28º Congresso Hemisférico das Câmaras do Comércio e Indústrias Latinas:

Mensagem do senhor presidente da República para a 3ª Fispal Latino e ao 28º Congresso Hemisférico das Câmaras do Comércio e Indústrias Latinas: Íntegras da mensagem do Presidente Lula e do discurso da ministra Marta Suplicy no encerramento do XXVIII Congresso Hemisférico de Câmaras de Comércio e Indústrias Latinas Miami 02/06/2007. Antes de tudo,

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

Dia_Logos. café teatral

Dia_Logos. café teatral café Café Teatral Para esta seção do Caderno de Registro Macu, a coordenadora do Café Teatral, Marcia Azevedo fala sobre as motivações filosóficas que marcam esses encontros. Partindo da etimologia da

Leia mais

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rosiney de Jesus Ferreira 1 Universidade Federal de Juiz de Fora profneyufjf@hotmail.com

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO Internacionalização de empresas brasileiras: em busca da competitividade Luis Afonso Lima Pedro Augusto Godeguez da Silva Revista Brasileira do Comércio Exterior Outubro/Dezembro 2011 MOTIVAÇÕES PARA A

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. Membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. Membros do Governo A educação para o empreendedorismo começa a despontar hoje como um vector fundamental para o surgimento nos jovens de uma cultura pró activa. Numa sociedade cada vez mais competitiva em que as oportunidades

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Edital para Bolsas de Altos Estudos de 2014

Edital para Bolsas de Altos Estudos de 2014 Programa de Estudos sobre a Época e a Cultura do Barroco da Fondazione 1563 para a Arte e a Cultura Edital para Bolsas de Altos Estudos de 2014 A abre um concurso para 5 Bolsas de altos estudos sobre a

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL

RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL Joelma Cellin Escola Estadual de Ensino Fundamental Eliseu Lofego, Cachoeiro de Itapemirim-ES 1 INTRODUÇÃO Após um período

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges Page 1 of 6 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Educador: João Nascimento Borges Filho Pequena

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

TIPOS DE REUNIÕES. Mariangela de Paiva Oliveira. mariangela@fonte.org.br. As pessoas se encontram em diferentes âmbitos:

TIPOS DE REUNIÕES. Mariangela de Paiva Oliveira. mariangela@fonte.org.br. As pessoas se encontram em diferentes âmbitos: TIPOS DE REUNIÕES Mariangela de Paiva Oliveira mariangela@fonte.org.br As pessoas se encontram em diferentes âmbitos: no âmbito do pensar: quando acontece uma troca de idéias, opiniões ou informações;

Leia mais

ARTE BRASILEIRA PÓS SEMANA DE 1922

ARTE BRASILEIRA PÓS SEMANA DE 1922 ARTE BRASILEIRA PÓS SEMANA DE 1922 A Semana de Arte Moderna de 1922 foi um momento de ruptura que dividiu a arte brasileira entre academicismo e modernismo. Não foi, porém, uma unanimidade nacional e gerou

Leia mais

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Palavras-Chave: Arte, Educação e cultura. Carline Schröder Arend 1 Amarildo Luiz

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Série. MAT Disciplina: Arte Professor: FERNANDA CARDOSO ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO

Série. MAT Disciplina: Arte Professor: FERNANDA CARDOSO ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Hugo de Carvalho Ramos Ano Letivo - 2015 Série ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO - Todas essas atividades, tanto as perguntas como respostas deverão ser COPIADAS E RESPONDIDAS

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS

IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS A P R E S E N T A Ç Ã O 6 IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS A presente publicação consolida uma série de informações sobre os balanços sociais de empresas que atuam no Brasil

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Movimentos da Arte Moderna. Surrealismo. III Trimestre: turmas 181, 182 e 183

Movimentos da Arte Moderna. Surrealismo. III Trimestre: turmas 181, 182 e 183 Movimentos da Arte Moderna Surrealismo III Trimestre: turmas 181, 182 e 183 Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes O surrealismo foi o movimento da arte moderna que representou o irracional

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS.

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Daiane Ferreira Ferreira* Resumo Este trabalho trata de atividades

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais