GUIA DA COOPERAÇÃO UNIVERSITÁRIA FRANCO-BRASILEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DA COOPERAÇÃO UNIVERSITÁRIA FRANCO-BRASILEIRA"

Transcrição

1 GUIA DA COOPERAÇÃO UNIVERSITÁRIA FRANCO-BRASILEIRA ATUALIZAÇÃO 2009 Diretor de publicação Thierry Valentin Redator Vincent Brignol Tradutora Rosemary Costhek Abílio Revisão Final Neusa Watanabe Também participaram Carla Ferro, Jean-Claude Reith, Christophe de Beauvais, Jean-Pierre Courtiat, Eduardo Abramovici Copyright CampusFrance / CenDoTeC 2009

2 SUMÁRIO Introdução 07 CenDoTeC 08 CampusFrance 09 > Apresentação geral 09 > CampusFrance no Brasil 09 O ensino superior francês 11 > Panorama 11 O sistema LMD: licence, master, doutorado 12 > Universidades 13 > Grandes Ecoles 14 Escolas de engenharia 14 Outras grandes écoles 14 Escolas de comércio 14 Doutorado 15 > Quadro comparativo França Brasil 15 A pesquisa na França 16 > Unidades Mistas de Pesquisa UMR 16 > Financiamento da pesquisa na França 18 Alocações de pesquisa 18 Agência Nacional de Pesquisa ANR 18 Programa-Quadro Europeu de Pesquisa e Desenvolvimento PCRD 19 > Polos de Pesquisa e de Ensino Superior PRES 20 > Polos de competitividade (ver o capítulo sobre inovação) 21 > Avaliação das universidades francesas: o sistema AERES 21 Ligações entre universidade e empresa: pesquisa aplicada e inovação tecnológica na França 22 > Alocações CIFRE Convenções Industriais de Formação pela Pesquisa 22 > Lei da inovação de 1999 criação de incubadoras de empresas 22

3 > Mecanismos de financiamento da Pesquisa e Desenvolvimento 22 > Polos de competitividade 23 > Programa-Quadro Europeu de Competitividade e Inovação CIP 25 Instrumentos da cooperação universitária franco-brasileira 27 > Mecanismos bilaterais França-Brasil 27 Acordos interuniversitários 27 Duplo diploma 28 Cotutela de tese 28 Capes-Cofecub 29 Colégio Doutoral Franco-Brasileiro 30 Brafitec 32 Brafagri 33 Ciências humanas e sociais 33 > Instrumentos da cooperação europeia 34 Erasmus Mundus 34 Programa Alfa 35 > Programas de mobilidade franceses 36 Bolsas Eiffel 36 Algumas outras bolsas francesas 38 PREFALC Programa Regional França América Latina Caribe 38 Programa ARCUS Ação Regional de Cooperação Universitária e Científica 39 Levantamento dos programas de mobilidade: CampusBourse 39 Programas da cooperação regional francesa na América Latina para a pesquisa 44 AmSud Pasteur 44 STIC AmSud e MATH AmSud 44

4

5 Introdução Este guia da cooperação universitária franco-brasileira, redigido em agosto de 2009, destina-se principalmente às instituições de ensino superior dos dois países; também poderá ser útil a instituições públicas, centros de pesquisa, estudantes, empresas que tiverem interesse em desenvolver ou incentivar parcerias universitárias franco-brasileiras. É realizado pelo CampusFrance, agência pública francesa de promoção dos estudos na França, e pelo CenDoTeC Centro Franco-Brasileiro de Documentação Técnica e Científica. Procura apresentar de modo sintético e prático, fundamentando-se em dados de referência e em indicadores: - os sistemas de ensino superior e de pesquisa nos dois países, inserindo-se nos contextos europeu e latino-americano; - os programas de mobilidade universitária entre a França e o Brasil. Esperamos que este guia seja um instrumento de dinamização das cooperações universitárias franco-brasileiras. Nesse sentido, o CampusFrance, o CenDoTeC e os Serviços de Cooperação e de Ação Cultural da Embaixada da França no Brasil colocam-se à disposição das instituições interessadas, a fim de complementarem as informações aqui expostas e de apoiarem a concretização das intenções de cooperação.

6 CenDoTeC O Centro Franco-Brasileiro de Documentação Técnica e Científica CenDoTeC, localizado em São Paulo, tem duplo estatuto: estabelecimento com autonomia financeira ligado ao Ministério das Relações Exteriores MAE, de Ministère des Affaires Etrangères francês e associação brasileira sem fins lucrativos. Seus recursos provêm essencialmente do MAE. Sua função central é atuar como plataforma de documentação e de informação a serviço da cooperação acadêmica e científica entre a França e o Brasil. Essa missão geral especifica-se em vários eixos: Informação direcionada para brasileiros e franceses sobre as atualidades universitárias e da pesquisa do outro país, visando ao desenvolvimento e ao aprofundamento da cooperação bilateral e multilateral (particularmente no contexto Europa América Latina ). As principais ferramentas dessa difusão de informações são o Bulletin Electronique, destinado aos franceses, e o França Flash, para os brasileiros; ambos são enviados por , com uma apresentação particularmente eficiente. O BE é enviado a cerca de 20 mil destinatários e o FF, a 45 mil. Promoção dos estudos na França, de modo geral e num contexto de parceria franco-brasileira, pela gestão do espaço CampusFrance Brasil. Centro de recursos documentais sobre a ciência e a tecnologia na França, agora oferecidos de modo preferencial no site Internet. Acompanhamento das associações de ligação entre brasileiros e franceses principalmente da Comunidade França-Brasil, que já somava 9 mil membros em julho de 2009, bem como dos estagiários e diplomados de estabelecimentos superiores franceses.

7 CampusFrance Apresentação geral Criada em 1998, a agência CampusFrance (na época EduFrance ) dedica-se à mobilidade internacional, universitária e científica. É uma estrutura pública sob tutela dos Ministérios das Relações Exteriores e Europeias, da Educação Nacional e do Ensino Superior e da Pesquisa. Representantes dos estabelecimentos franceses também participam de seu conselho administrativo. CampusFrance tem como objetivo promover mundialmente as formações superiores francesas e oferecer aos estudantes estrangeiros um percurso de êxito no acesso aos estudos superiores na França, desde a primeira informação no país de origem até a estadia na França e o retorno ao seu país. Já implantou mais de 100 espaços em 75 países. Em cerca de 30 deles, entre os quais o Brasil, foi implementado um dispositivo de candidatura on line que proporciona aos estudantes um processo uniformizado, ao mesmo tempo em que possibilita um melhor acompanhamento dos dossiês pela agência. CampusFrance no Brasil O espaço CampusFrance Brasil localiza-se no CenDoTeC, em São Paulo; um posto opera no Consulado Geral da França no Rio de Janeiro. As missões do espaço são: Promoção dos estudos na França No território brasileiro, a agência CampusFrance organiza ações de promoção junto aos estudantes: conferências, salões, missões de estabelecimentos franceses etc, em parceria com as universidades brasileiras, os Serviços de Cooperação e de Ação Cultural SCAC da Embaixada da França e as Alianças Francesas. Orientação dos estudantes brasileiros e acompanhamento dos dossiês de candidatura Desde 2007, o trabalho de orientação dos estudantes é feito principalmente através do site Internet O espaço CampusFrance Brasil responde às solicitações dos estudantes unicamente por e telefone. O site é o principal recurso para os estudantes, uma verdadeira mina que agrupa todas as informações sobre os estudos na França, com notadamente um motor de busca preciso sobre as áreas universitárias e um outro sobre as oportunidades de bolsas. O processo de candidatura para um estudante brasileiro junto a um ou vários estabelecimentos franceses também pode ser feito on line, por meio de um único dossiê CampusFrance. Em seguida o espaço CampusFrance Brasil faz o acompanhamento dos dossiês de candidatura até a aceitação em uma formação solicitada e a obtenção dos vistos pelos estudantes. Promoção de parcerias universitárias A agência realiza também, em ligação com os SCACs, um trabalho de aproximação dos estabelecimentos de ensino superior franceses e brasileiros. O objetivo é favorecer o desenvolvimento dos acordos interuniversitários franco-brasileiros e sua eficiência, bem como divulgar para os parceiros as ferramentas da cooperação: financiamentos, bolsas, dispositivos de cooperação etc.

8

9 Panorama No ano letivo de a França tinha 2,2 milhões de estudantes, divididos da seguinte maneira: > 1,3 milhão na universidade 724 mil em licence, 470 mil em master e 72 mil em doutorado, > em cursos de engenharia (fora da universidade), > em Institutos Universitários de Tecnologia IUT, de Institut Universitaire de Technologie, dois anos de estudos técnicos, > 238 mil em Seções de Técnico Superior (Sections de Technicien Supérieur), dois anos de estudos técnicos, > 79 mil em Classes Preparatórias para as Grandes Ecoles CPGE, de Classes Préparatoires aux Grandes Ecoles, dois anos de preparação para os concursos de ingresso nas grandes écoles (engenharia, comércio, administração e outras). Sobre um total de estabelecimentos de ensino superior, públicos ou privados, há na França: > 83 universidades e estabelecimentos semelhantes, > 224 escolas de engenharia, > 220 escolas de comércio, de gestão e de contabilidade, > 3 mil outros estabelecimentos, principalmente lycées [liceus] com Seções de Técnico Superior ou CPGEs. GUIA DA COOPERAÇÃO UNIVERSITÁRIA FRANCO-BRASILEIRA

10 O sistema LMD: licence, master, doutorado Os diplomas do ensino superior francês estão estruturados em torno de uma arquitetura europeia conjunta. Esse sistema toma como referência os anos ou semestres de estudos validados desde o ingresso no ensino superior e sua correspondência em créditos, denominados ECTS European Credits Transfer System. A definição dos créditos baseia-se nos seguintes parâmetros: carga de trabalho do estudante, número de horas de curso e objetivos de formação. A unidade de tempo para a formação superior é o semestre. Para cada semestre são atribuídos 30 créditos. O princípio de reconhecimento mútuo dos créditos no espaço dos países que aderiram ao processo de Bolonha (mais de 40) permite as transferências de formação e a mobilidade dos estudantes. A licence (primeiro diploma) é obtida após seis semestres de estudos superiores completos (tempo integral). Corresponde a 180 créditos ECTS. O master (segundo diploma) é obtido no final de quatro semestres após a licence, ou seja, 10 semestres no total. Corresponde a 300 créditos ECTS. Há dois tipos de master: > Master profissional, destinado a validar as qualificações profissionais. Quase sempre um estudante que obtém um master profissional ingressa no mundo do trabalho, mas pode também prosseguir os estudos no doutorado. > Master pesquisa, destinado a validar qualificações acadêmicas e científicas (no sentido lato). Um master pesquisa geralmente é seguido de um doutorado. 12

11 Universidades As 83 universidades francesas, desde a tradicional Sorbonne, fundada em Paris em 1257, até os campi mais modernos, são públicas e multidisciplinares. Oferecem cursos em ciências (matemática, física, química, biologia), tecnologia (informática, engenharia, eletrotécnica, materiais), letras, línguas, artes, ciências humanas, direito, economia, gestão, saúde, esportes etc. Representam a via acadêmica clássica. As universidades estão espalhadas por todo o território francês. Embora algumas sejam mais renomadas que outras em certas disciplinas, frequentemente por motivo de antiguidade, todas oferecem o mesmo nível de excelência. Indo além da via acadêmica pura, a universidade conseguiu adaptar-se às exigências de seu meio econômico, desenvolvendo formações e segmentos tecnológicos e profissionais: > Institutos Universitários de Tecnologia IUT, que oferecem cursos tecnológicos de dois anos; > licences profissionais, obtidas acrescentando-se um ano a um primeiro ciclo de dois anos; > masters profissionais, que em certas especialidades são similares aos diplomas de engenharia obtidos em grandes écoles; > Institutos de Administração de Empresas IAE, de Institut d Administration des Entreprises, que propõem cursos de gestão; > Institutos de Estudos Políticos IEP, de Institut d Etudes Politiques, centros de referência em ciências políticas e economia; > alguns centros universitários propõem, além disso, cursos de jornalismo e comunicações. A pesquisa é um componente estrutural das universidades. 300 escolas doutorais, envolvendo 62 mil professores-pesquisadores, proporcionam formação para a pesquisa, em estreita ligação com mais de laboratórios. As escolas doutorais sempre se caracterizaram pela abertura internacional e esse estado de espírito é cada vez mais acentuado. Assim, hoje aproximadamente 1 em cada 3 doutorados é obtido por um estudante estrangeiro. Por fim, as universidades são o local exclusivo de cursos específicos: os de medicina, odontologia, farmácia, que requerem 5 a 11 anos de estudos. O governo está implementando desde 2007 uma lei sobre Liberdades e Responsabilidades das Universidades LRU, Loi de Libertés et Responsabilités des Universités. Assim, com as 18 primeiras universidades tornando-se autônomas no início de 2009, em 2010 haverá um total de 51 autônomas. A lei prevê a passagem para a autonomia das 83 universidades francesas até GUIA DA COOPERAÇÃO UNIVERSITÁRIA FRANCO-BRASILEIRA

12 Grandes Ecoles Criadas paralelamente ao sistema universitário no início do século XIX, as grandes écoles constituem uma especificidade francesa. Dispensam a 100 mil estudantes um ensino profissionalizado de alto nível. Escolas de engenharia São 240 escolas, abrangendo todos os ramos dessa área. O diploma em engenharia é um diploma nacional, correspondente ao grau de master (5 anos completos de estudos superiores); portanto, permite a inscrição em doutorado. Dependendo da escola, esse diploma pode ser generalista ou mais especializado (química, biologia, agronomia, informática, mecânica, aviônica, artes e ofícios etc). Para ingressar numa école d ingénieurs o estudante presta um concurso, para o qual se prepara ou numa Classe Preparatória para as Grandes Ecoles (2 anos) ou pelo início de um curso universitário. O período na école é de três anos: o último ano de licence e depois o master em dois anos. O último semestre é constituído de um estágio em empresa (ou, mais raramente, em laboratório, para estudantes que pretendem fazer depois um doutorado), o que representa uma importante imersão no futuro trabalho como engenheiro. Outras grandes écoles Há também grandes écoles nos ramos da administração pública, da defesa, bem como do ensino superior e da pesquisa nas Escolas Normais Superiores ENS, de Ecole Normale Supérieure. Existem 4 ENS, em Paris, Cachan e Lyon (ciências e letras). Elas formam docentes e pesquisadores de alto nível, tanto nas disciplinas literárias como nas científicas. Para estudantes estrangeiros, a seleção é feita mediante dossiê e concurso de nível licence. Para estudantes europeus há um concurso específico ENS-Europe. Os Institutos de Estudos Políticos IEP são renomadas instituições públicas, assim como a Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais EHESS, de Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales. A formação em arquitetura também passa por uma grande école específica. Há 20 escolas de arquitetura (mais 2 escolas de engenharia habilitadas para outorgar o diploma). Seguem o sistema LMD: primeiro diploma (licence) após 3 anos, master após 5 anos. Também para as formações artísticas há escolas públicas: as Escolas Superiores de Artes (Ecoles Supérieures d Arts) e as Escolas Superiores de Artes Aplicadas (Ecoles Supérieures d Arts Appliqués). Por fim, complementando a oferta de formação na França, há escolas especializadas, sobre temáticas específicas: moda, jornalismo, gastronomia, turismo etc. Escolas de comércio Todas as grandes écoles de comércio e de gestão cerca de 220 são reconhecidas pelo Estado e podem gozar também de outras formas de reconhecimento oficial: - visto concedido pelo Ministério da Educação Nacional; 14

13 - inscrição no Capítulo das Grandes Ecoles (Chapitre des Grandes Ecoles), outorgada pela Conferência das Grandes Ecoles (Conférence des Grandes Ecoles). As escolas de comércio e de gestão, muito numerosas e de níveis diversos, propõem segmentos e métodos pedagógicos adaptados à evolução do meio econômico e às novas práticas administrativas, frequentemente articulados em torno de estágios e de intercâmbios internacionais. Em sua grande maioria, são escolas privadas; as anuidades geralmente variam entre 3 mil e 10 mil euros. Os selos CGE, EQUIS, AACSB e AMBA das Escolas de Comércio e de Gestão, garantias de adequação aos padrões internacionais, são atribuídos às escolas ou aos diplomas outorgados; certificam o reconhecimento internacional. Doutorado Em 2008 havia na França cerca de 70 mil doutorandos e mais de 200 mil pesquisadores, dos quais cerca de 50% no setor público. São defendidas anualmente por volta de 10 mil teses. O doutorado é feito em uma equipe ou Unidade de Pesquisa UR, de Unité de Recherche ligada a uma escola doutoral ED, de Ecole Doctorale, sob supervisão e responsabilidade de um orientador de tese. Em 2007 havia na França 295 escolas doutorais. Situadas majoritariamente nas universidades, reúnem equipes de pesquisa em torno de temáticas científicas. Organizam e coordenam os doutorados e asseguram a execução de projetos científicos coerentes. Quadro comparativo França Brasil O quadro comparativo abaixo é simplesmente ilustrativo: é importante destacar que ele não representa uma correspondência exata. Acima de tudo, dificilmente se pode considerar que haja equivalência exata entre um diploma de graduação e uma licence ; isso porque, mesmo que o número de horas seja similar, a graduação Doutorado (3 anos; curso e tese) Mestrado (stricto sensu, de 500 a horas) Especialização (lato sensu, de 500 a horas) Graduação: Bacharelado ou Licenciatura 4 a 5 anos, de a horas Vestibular ou ENEM Brasil Master Professionnel 120 créditos horas Licence: 180 créditos 3 anos, horas Baccalauréat França Doctorat (3 anos; thèse) Master Recherche 120 créditos horas GUIA DA COOPERAÇÃO UNIVERSITÁRIA FRANCO-BRASILEIRA

14 é feita num total de 4 a 5 anos em vez dos 3 anos da licence, uma vez que a carga horária semanal é diferente. Assim, um estudante brasileiro frequentemente terá uma experiência um pouco maior (estágio de longa duração, principalmente). Além disso, o conteúdo da licence é mais generalista que o da graduação, diploma já direcionado para uma profissão. A pesquisa na França A pesquisa científica é uma prioridade francesa; a ela foram destinados 25 bilhões de euros em 2008, e o objetivo é elevar esse valor a 3% do PIB em Unidades Mistas de Pesquisa UMR A maioria dos laboratórios franceses é constituída de equipes provenientes e que compartilham recursos de laboratórios de universidades e de institutos nacionais de pesquisa. Essas estruturas são as chamadas UMRs Unités Mixtes de Recherche. Os principais organismos de pesquisa são: CNRS Centre National de la Recherche Scientifique [Centro Nacional de Pesquisa Científica], principal centro de pesquisa francês, com 11 mil pesquisadores em todas as disciplinas científicas. INSERM Institut National de la Santé et de la Recherche Médicale [Instituto Nacional de Saúde e de Pesquisa Médica], com 6 mil pesquisadores. INRIA Institut National de Recherche en Informatique et Automatique [Instituto Nacional de Pesquisa em Informática e Automação]. CNES Centre National d Etudes Spatiales [Centro Nacional de Estudos Espaciais]. CEA Commissariat à l Energie Atomique [Comissariado de Energia Atômica]. CIRAD Centre de Coopération Internationale en Recherche Agronomique pour le Développement [Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento]. IRD Institut de Recherche pour le Développement [Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento]. IFP Institut Français du Pétrole [Instituto Francês do Petróleo]. IFREMER Institut Français d Etude de la Mer [Instituto Francês de Estudo do Mar]. Institut Pasteur pesquisa em ciências biomédicas (fundação privada sem fins lucrativos). ANRS Agence Nationale de Recherche sur le Sida et les Hépatites Virales [Agência Nacional de Pesquisa sobre a Aids e as Hepatites Virais]. CEMAGREF Centre National du Machinisme Agricole, du Génie Rural, des Eaux et des Forêts [Centro Nacional de Maquinismo Agrícola, Engenharia Rural, Águas e Florestas]. INRA Institut National de la Recherche Agronomique [Instituto Nacional de Pesquisa Agronômica]. O CIRAD e o IRD têm implantação física no Brasil, com cerca de 50 pesquisadores franceses trabalhando aqui e vários estudantes fazendo estágio ou doutorado. Reciprocamente, cerca de 20 pesquisadores brasileiros estão desenvolvendo projetos no CIRAD na França. Cada um desses organismos possui um representante em Brasília, assim como o INRA, representado pelo CIRAD. 16

15

16 O CNRS possui no Brasil dois Laboratórios Internacionais Associados: um com a Fiocruz, no Rio de janeiro, e o outro com a Universidade Estadual de Santa Cruz, na Bahia. Também possui, no Rio de Janeiro, uma Unidade Mista Internacional com o Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA, na área da matemática. O CNRS, o INSERM, o INRIA e o Institut Pasteur colaboram com instituições brasileiras de pesquisa graças a acordos que possibilitam a realização de projetos conjuntos e intercâmbios de pesquisadores, principalmente doutorandos. Para mais informações, consultar os sites web, contatar o CenDoTeC ou o Serviço de Cooperação e de Ação Cultural da Embaixada da França no Brasil. Financiamento da pesquisa na França Alocações de pesquisa Os doutorandos franceses podem receber uma alocação de pesquisa (equivalente a um contrato de trabalho) no valor bruto de 1.663,22 euros, ou de 2.000,00 euros se, além de suas pesquisas, realizarem atividades de ensino, de consultoria ou outras. Um estudante estrangeiro (brasileiro, por exemplo) pode receber essa alocação se fizer um doutorado diretamente junto a uma escola doutoral francesa. Para isso é preciso ser titular de um master validado num país do espaço europeu. Agência Nacional de Pesquisa ANR A ANR Agence Nationale de la Recherche é um estabelecimento público de caráter administrativo, criado em janeiro de 2007; trata-se de uma agência de financiamento de projetos de pesquisa. Tem como principais objetivos aumentar o número de projetos de pesquisa na França e facilitar as interações entre laboratórios públicos e laboratórios de empresas. Seus aportes financeiros complementam os financiamentos recorrentes das universidades e dos organismos de pesquisa; são concedidos, para um período de 4 anos, a projetos selecionados por meio de chamadas de propostas temáticas (procedimento novo na França). Em 2008 ela dispunha de uma capacidade de engajamento de 955 milhões de euros. Foram lançadas 50 chamadas de projetos (12 delas com abrangência internacional), que resultaram na submissão de 6 mil dossiês. O projeto padrão financiado pela ANR dura 37 meses, reúne 3 parceiros e recebe 483 mil euros. A Agência implementou com várias similares estrangeiras acordos transnacionais de cooperação específicos. Com o Brasil, em 2008 foi assinado com a FINEP Financiadora de Estudos e Projetos, ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia um acordo sobre telecomunicações, biocombustíveis e nanotecnologias. Naquele ano, de 64,1 milhões de euros destinados aos projetos transnacionais, 1,8 milhões de euros tinham a ver com o Brasil. Em 18

17 2009 foi assinado um novo acordo, agora com a FACEPE e a FAPESP (fundações de amparo à pesquisa dos estados de Pernambuco e de São Paulo, respectivamente) e tendo como tema as mudanças climáticas. Programa-Quadro Europeu de Pesquisa e Desenvolvimento PCRD A pesquisa francesa integra-se no contexto europeu. O PCRD Programme Cadre Européen de Recherche et Développement é o principal instrumento de financiamento da pesquisa em escala europeia. Tem vigência de 7 anos ( ) e dispõe de uma verba total de mais de 50 bilhões de euros. Cinco programas específicos, todos de 7 anos, compõem o 7.º PCRD: Programa Coopération [Cooperação]: Representa 2/3 do orçamento total do PCRD. Favorece a pesquisa colaborativa na Europa e em outros países parceiros. Programa Idées [Idéias]: É coordenado pelo Conselho Europeu de Pesquisa ECR, que dispõe de uma verba total de 7,5 bilhões de euros. A abordagem do ECR permite que os pesquisadores identifiquem novas oportunidades e direções para a pesquisa, deixando de lado prioridades políticas. As bolsas do ECR são distribuídas por meio de concursos abertos a projetos em duas categorias: jovens pesquisadores e pesquisadores já estabelecidos. A nacionalidade das pessoas não importa, desde que trabalhem na Europa; o único critério de seleção é a excelência. Programa Personnes [Pessoas] Ações Marie Curie: Essas ações têm como objetivos estimular vocações para a profissão de pesquisador, incentivar os pesquisadores europeus a permanecerem na Europa e atrair para a Europa pesquisadores do mundo todo. Seu orçamento total é de 4,7 bilhões de euros. O componente internacional é aberto a pesquisadores não europeus que tenham, no mínimo, um doutorado ou 4 anos de atividade em pesquisa. Programa Capacités [Qualificações] Com orçamento total de 4,1 bilhões de euros, abrange as áreas de: infraestruturas de pesquisa; pesquisa em benefício das PME; regiões do conhecimento; potencial de pesquisa; a ciência na sociedade; e atividades específicas de cooperação internacional. Programa Recherche nucléaire [pesquisa nuclear]: a pesquisa nuclear é o quinto eixo do PCRD.

18 Polos de Pesquisa e de Ensino Superior PRES A constituição dos PRES Pôles de Recherche et d Enseignement Supérieur (lei de programa para a pesquisa, de 18 de abril de 2006) atende à necessidade de pôr fim à fragmentação territorial do mapa universitário e de pesquisa. Os PRES são ferramentas de mutualização das atividades e dos recursos dos estabelecimentos de ensino superior e de pesquisa, públicos ou privados, num determinado território. Podem coordenar as escolas doutorais, mutualizar as atividades transversais dentro de estruturas em comum, reforçar as parcerias e as atividades de valorização, em ligação com as empresas. Por fim, permitem que os estabelecimentos de ensino superior e de pesquisa adquiram dimensões que reforcem sua visibilidade e sua atratividade em nível internacional. Existem atualmente 10 PRES e mais 2 estão sendo criados.

19 Polos de competitividade (ver o capítulo sobre inovação) Avaliação das universidades francesas: o sistema AERES A lei de programa para a pesquisa, de 2006, confiou à Agência de Avaliação da Pesquisa e do Ensino Superior AERES, de Agence d Evaluation de la Recherche et de l Enseignement Supérieur uma missão global de avaliação do ensino superior e da pesquisa. Ela está encarregada de avaliar: > os estabelecimentos e organismos de ensino superior e de pesquisa, as fundações de cooperação científica e a Agência Nacional da Pesquisa ANR; > as atividades de pesquisa conduzidas por esses estabelecimentos e organismos; > as formações e diplomas dos estabelecimentos de ensino superior. Para isso, a Agência faz relatórios de avaliação, acompanhados de notas (A+, A, B, C) atribuídas às unidades de pesquisa e às formações. Esses resultados destinam-se a disponibilizar um auxílio às entidades avaliadas, a fim de melhorar-lhes a governança, a pesquisa, a produção e a oferta de formação. Fornecerão ao Estado uma ferramenta objetiva para suas decisões estratégicas. Por fim, oferecerão a toda a comunidade universitária informações úteis para as opções de percurso em matéria de formação e de pesquisa. Os estabelecimentos, as atividades de pesquisa e as formações são avaliados a cada 4 anos. O conselho da AERES é composto de 25 membros (franceses, europeus e internacionais). Os peritos que realizam as avaliações são escolhidos pela AERES de acordo com a adequação de seu perfil às características da entidade avaliada. O procedimento de avaliação baseia-se simultaneamente na análise de relatórios e de indicadores e na autoavaliação. Assim, procura favorecer principalmente a reflexão dentro das estruturas avaliadas. A Agência valoriza também: > a integração de cada estabelecimento com sua região (estruturas territoriais, estabelecimentos de ensino e de pesquisa, empresas, PRES, polos de competitividade); > a abertura para a Europa e o mundo: coordenação no espaço europeu, cooperações intercontinentais. Em 2009, realizou cerca de avaliações (62 estabelecimentos, 700 unidades de pesquisa, 371 masters, 341 licences e 74 escolas doutorais). Todos seus relatórios de avaliação são publicados na internet. GUIA DA COOPERAÇÃO UNIVERSITÁRIA FRANCO-BRASILEIRA

20 Ligações entre universidade e empresa: pesquisa aplicada e inovação tecnológica na França Alocações CIFRE Convenções Industriais de Formação pela Pesquisa As alocações CIFRE Conventions Industrielles de Formation par la Recherche foram criadas em 1981; oferecem uma remuneração semelhante à das alocações de pesquisa. Destinam-se a doutorados feitos em empresas, mas sob orientação de um laboratório de pesquisa. O tema do doutorado é desenvolvido segundo um acordo entre esses dois parceiros. O Estado subvenciona uma parte dos custos. Em 85% dos casos, os doutores permanecem na empresa que os recebeu como pesquisadores P&D e os parceiros (empresa e laboratório) mantêm essa ligação. Lei da inovação de 1999 criação de incubadoras de empresas As incubadoras de empresas foram criadas atendendo à lei da inovação de Sua função é favorecer a criação de empresas inovadoras, pela valorização dos resultados da pesquisa pública ou em cooperação com laboratórios públicos. Ao longo de um processo de 9 a 24 meses, os portadores de projetos desenvolvem simultaneamente os aspectos tecnológico e financeiro da criação de empresa. O financiamento das incubadoras provém do Ministério da Pesquisa e da Indústria (50%), das regiões (25%) e de outros financiadores, às vezes locais (25%). Elas abrigam durante 3 anos as empresas nascentes. Foi constatado que 70% dos projetos resultam em criação de empresa, e que 90% das empresas que passaram por uma incubadora são perenes (mais de 5 anos de existência). Mecanismos de financiamento da Pesquisa e Desenvolvimento O OSEO é um organismo público resultante da fusão da antiga ANVAR com dois outros organismos. Tem como objetivos: financiar a pesquisa e desenvolvimento P&D, por meio de programas de subvenção e de financiamentos reembolsáveis sem juros; financiar as PME como um banco; atuar como uma seguradora financeira. 22

NOTÍCIAS DA FRANÇA Dezembro de 2007

NOTÍCIAS DA FRANÇA Dezembro de 2007 NOTÍCIAS DA FRANÇA Dezembro de 2007 Bolsas de estudos com inscrições abertas BOLSA EIFFEL Bolsa de excelência oferecida pelo Ministério das Relações Exteriores da França com valor mensal de aproximadamente

Leia mais

Programa STIC AmSud/CAPES

Programa STIC AmSud/CAPES Programa STIC AmSud/CAPES PROGRAMA DE COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO FRANÇA - AMÉRICA DO SUL Edital CGCI n. 002/2008 1. Do programa 1.1 O Programa é uma iniciativa da

Leia mais

Estatutos da Aliança Francesa

Estatutos da Aliança Francesa Estatutos da Aliança francesa Estatutos da Aliança Francesa Preâmbulo A Aliança francesa é um movimento internacional criado em 1883, apolítico e não confessional, que se deu por missão ensinar a língua

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Notícias da França Especial Bolsas. Fevereiro 2010. Bolsas Master Ile-de-France 2010

Notícias da França Especial Bolsas. Fevereiro 2010. Bolsas Master Ile-de-France 2010 Notícias da França Especial Bolsas Fevereiro 2010 Bolsas Master Ile-de-France 2010 Estão abertas as inscrições para as bolsas Master Ile-de-France 2010 As bolsas consistem em uma ajuda anual de 10.500

Leia mais

Guia Prático da Cooperação Universitária Franco-Brasileira

Guia Prático da Cooperação Universitária Franco-Brasileira Guia Prático da Cooperação Universitária Franco-Brasileira Sumário CenDoTec... p4 EduFrance no Brasil... p5 O sistema francês de ensino superior LMD...p6,7,8,9 Tabela comparativa dos sistemas de ensino

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 Instituto de Ciências Sociais Universidade do Minho 1. Missão Gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Sociais e áreas afins, assente na liberdade de pensamento,

Leia mais

Estudar Ciência, Engenharia e Management na França

Estudar Ciência, Engenharia e Management na França Estudar Ciência, Engenharia e Management na França 0 PORQUE A MOBILIDADE INTERNACIONAL? Desenvolver a abertura internacional Em primeiro uma atitude: ela se concretisa por uma disposição e uma capacidade

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

FAPERJ CNPQ. EDITAL MCT/CNPq Nº066/2010 Objetivo:

FAPERJ CNPQ. EDITAL MCT/CNPq Nº066/2010 Objetivo: FAPERJ EDITAL FAPERJ Nº22/2010-PROGRAMA APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO REGIONAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-2010 Apoiar o desenvolvimento científico e tecnológico no Estado do Rio de

Leia mais

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras Ideias Criativas em Práticas Inovadoras O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal é promovido anualmente, desde 1996, pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com o Ministério

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

51 Fórum Nacional de Reitores

51 Fórum Nacional de Reitores Câmara de Apoio Técnico de Internacionalização Presidência: Julio Cezar Durigan Reitor - UNESP 51 Fórum Nacional de Reitores Temas: - Integração às atividades em curso - Reconhecimento de Créditos no Intercâmbio

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES 1. Programa CAPES/MES-Cuba PRAZO DE INSCRIÇÃO: 30 de março de 2010 OBJETIVOS: O Programa CAPES/MES-Cuba visa apoiar

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia A Coppe Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia nasceu disposta a ser um sopro de renovação na

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Universidade de Lisboa

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Universidade de Lisboa Programa de Licenciaturas Internacionais / (23 Dezembro de 2011) 1. Introdução 2. Objectivos 3. Organização e procedimentos 4. Regime de Titulação do Programa de Licenciaturas Internacionais /UL 5. Regime

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO OUI- IOHE MISSÃO OUI DE UNIVERSIDADES CANADENSES NO BRASIL 28 de novembro a 2 de dezembro de 2011 Programa preliminar A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO À luz dos excelentes

Leia mais

www.pucrs.br/pos *AVALIAÇÃO CAPES POR QUE A PUCRS?

www.pucrs.br/pos *AVALIAÇÃO CAPES POR QUE A PUCRS? A Pós-Graduação da PUCRS é a porta de entrada para um novo momento da sua vida profissional e acadêmica. Você pode ampliar habilidades, fomentar ideias e adquirir conhecimento com experiências inovadoras

Leia mais

PARTICIPE DA COMUNIDADE FRANÇA ALUMNI! BEM-VINDOS! SUMÁRIO

PARTICIPE DA COMUNIDADE FRANÇA ALUMNI! BEM-VINDOS! SUMÁRIO BEM-VINDOS! PARTICIPE DA COMUNIDADE FRANÇA ALUMNI! Há mais de 50 anos, Campus France, a Agência francesa para a promoção do ensino superior, o acolhimento e a mobilidade internacional, dedica-se a acompanhar

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

CHAMADAS E EDITAIS PROGRAMA DE BOLSAS EIFFEL 2016 CHAMADAS E EDITAIS ENSINO SUPERIOR NOTÍCIAS EVENTOS CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

CHAMADAS E EDITAIS PROGRAMA DE BOLSAS EIFFEL 2016 CHAMADAS E EDITAIS ENSINO SUPERIOR NOTÍCIAS EVENTOS CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Outubro de 2015 Versão Web Share Forward CHAMADAS E EDITAIS ENSINO SUPERIOR NOTÍCIAS EVENTOS CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CHAMADAS E EDITAIS PROGRAMA DE BOLSAS EIFFEL 2016 O Programa de Bolsas Eiffel é desenvolvido

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

O ENSINO DE ENGENHARIA NA EUROPA 1

O ENSINO DE ENGENHARIA NA EUROPA 1 O ENSINO DE ENGENHARIA NA EUROPA 1 Paulo César da Costa Pinheiro Departamento de Engenharia Mecânica da UFMG Av. Antônio Carlos 6627 31270-901 Belo Horizonte, MG DIPLOMAS OBTIDOS NAS ESCOLA DE ENGENHARIA

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

A internacionalização no cenário acadêmico europeu

A internacionalização no cenário acadêmico europeu Seminário de internacionalização da Universidade de São Paulo (USP) : Ambiente acadêmico internacional em uma universidade de classe mundial A internacionalização no cenário acadêmico europeu - Uma visão

Leia mais

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013)

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Presidente: SENADOR CRISTOVAM BUARQUE Vice-Presidente: SENADOR HÉLIO JOSÉ Relator: SENADOR OMAR AZIZ Proposta de Plano de Trabalho Avaliação de

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Escola de Administração UFRGS. Porto Alegre - RS

Escola de Administração UFRGS. Porto Alegre - RS Escola de Administração UFRGS Porto Alegre - RS 1 A Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS está localizada na cidade de Porto Alegre, com cerca de 1.5 milhões de habitantes. Localização 1 A

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Regulamento Erasmus 2011/2012

Regulamento Erasmus 2011/2012 1. Preâmbulo O Programa Erasmus tem como objetivo geral apoiar a criação de um Espaço Europeu de Ensino Superior e reforçar o contributo do ensino superior para, entre outros, o processo de inovação a

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

EDITAL AREX. 1. Instituições Parceiras e Vagas oferecidas com bolsa BRAFITEC

EDITAL AREX. 1. Instituições Parceiras e Vagas oferecidas com bolsa BRAFITEC EDITAL AREX INTERCÂMBIO CURSOS DE ENGENHARIA NA FRANÇA Estão abertas as inscrições para seleção de estudantes de Engenharia (são elegíveis todos os cursos de Engenharia da UNESP que tenham homólogos nas

Leia mais

Duplo-Diploma na Área das Engenharias

Duplo-Diploma na Área das Engenharias Duplo-Diploma na Área das Engenharias Prof. Dr. Ricardo M. Naveiro Coordenador de Relações Internacionais Escola Politécnica da UFRJ Memórias do passado Sumário Cenário econômico mundial Histórico dos

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

Programa CAPES/BRAFITEC. Brasil/França Ingénieur Technologie. Edital CGCI n. 022/2007

Programa CAPES/BRAFITEC. Brasil/França Ingénieur Technologie. Edital CGCI n. 022/2007 Programa CAPES/ Brasil/França Ingénieur Technologie Edital CGCI n. 022/2007 1 Do programa O Programa (Brasil/França Ingénieur Technologie) é uma iniciativa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação

Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação Cadastro de denominações consolidadas para Cursos de Graduação (bacharelado e licenciatura) do Ministério da Educação Justificativa Desde a edição da nova LDB (Lei nº 9.394/1996), promulgada em decorrência

Leia mais

Reorganização da oferta formativa da. Escola de Ciências e Tecnologia. da Universidade de Évora. Paulo Quaresma 1. Escola de Ciências e Tecnologia

Reorganização da oferta formativa da. Escola de Ciências e Tecnologia. da Universidade de Évora. Paulo Quaresma 1. Escola de Ciências e Tecnologia Reorganização da oferta formativa da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora Paulo Quaresma 1 Escola de Ciências e Tecnologia Universidade de Évora pq@uevora.pt Resumo Este artigo descreve

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

PROGRAMA 2016 «CÁTEDRAS FRANCO-BRASILEIRAS NO ESTADO DE SAO PAULO»

PROGRAMA 2016 «CÁTEDRAS FRANCO-BRASILEIRAS NO ESTADO DE SAO PAULO» PROGRAMA 2016 «CÁTEDRAS FRANCO-BRASILEIRAS NO ESTADO DE SAO PAULO» A Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e a Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

Comprometidos com o Futuro da Educação

Comprometidos com o Futuro da Educação Comprometidos com o Futuro da Educação Comprometidos com o Futuro da Educação Educação Assim se Constroem as Grandes Nações A educação é vital para criar uma cultura baseada na excelência. A demanda por

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteiras. Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública CAPES nº 01/2011

Programa Ciência sem Fronteiras. Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública CAPES nº 01/2011 Programa Ciência sem Fronteiras Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública CAPES nº 01/2011 A CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, vinculada ao Ministério da Educação,

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

EDITAL Nº 02/2014 PIBID/COPEFOR/ PROGRAD/UFPR SELEÇÃO DE SUPERVISORES DO PIBID

EDITAL Nº 02/2014 PIBID/COPEFOR/ PROGRAD/UFPR SELEÇÃO DE SUPERVISORES DO PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRO-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/UFPR EDITAL Nº 02/2014 PIBID/COPEFOR/

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

O que é HORIZONTE 2020?

O que é HORIZONTE 2020? O que é HORIZONTE 2020? Maior Programa Mundial para financiamento da Pesquisa e Inovação 80 bilhões (2014-2020) Responder a crise econômica através de investimentos em empregos, crescimento e inovação

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

EDITAIS AGOSTO 2015 QUEM PODE PROPOR

EDITAIS AGOSTO 2015 QUEM PODE PROPOR DATA LIMITE DE ENVIO OBJETO EDITAL 016/2015 Concurso Ideias Inovadoras 2015 QUEM PODE PROPOR ÓRGÃO FINANCIADOR LINK DO EDITAL 20/8/2015 A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB, no âmbito

Leia mais

CURSOS DE PROGRESSÃO LINEAR (C P L)

CURSOS DE PROGRESSÃO LINEAR (C P L) CURSOS DE PROGRESSÃO LINEAR (C P L) (VESTIBULAR EM DUAS FASES) São aqueles tradicionalmente oferecidos pela UFBA, acrescidos de 26 novas opções de curso, das quais 18 no noturno, nas modalidades Licenciatura,

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA PROJETOS FRANCO-BRASILEIROS DE COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA TRILATERAL EM BENEFÍCIO DO HAITI E DO CONTINENTE AFRICANO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA PROJETOS FRANCO-BRASILEIROS DE COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA TRILATERAL EM BENEFÍCIO DO HAITI E DO CONTINENTE AFRICANO EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA PROJETOS FRANCO-BRASILEIROS DE COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA TRILATERAL EM BENEFÍCIO DO HAITI E DO CONTINENTE AFRICANO I. CONTEXTO Em junho de 2010, realizou-se, no Palácio do Itamaraty,

Leia mais

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Não é todo estudante que entende bem a organização do sistema educacional brasileiro e seus níveis de ensino. Nem todos sabem, por exemplo, a diferença

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EACEA 32/2014 : Projetos de cooperação europeia Execução das ações do subprograma «Cultura»: projetos de cooperação

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CARTA SÃO PAULO 2006 1 CARTA SÃO PAULO 2006 Visão para inovação, competitividade e renda. Reunidos na cidade de São Paulo-SP, no dia 25 de agosto de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu

1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu - 1-1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu Os dados da pós-graduação brasileira indicam que todas as áreas do conhecimento apresentaram crescimento expressivo ao longo dos anos, com algumas oscilações,

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos CAPES/FIPSE Edital Nº 8/2010 CAPES A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais