RELAÇÕES DE TRABALHO PARA BRASILEIROS E ESTRANGEIROS EM ATENÇÃO À LEGISLAÇÃO BRASILEIRA O QUE FAZER? COMO PREVENIR?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÕES DE TRABALHO PARA BRASILEIROS E ESTRANGEIROS EM ATENÇÃO À LEGISLAÇÃO BRASILEIRA O QUE FAZER? COMO PREVENIR?"

Transcrição

1 RELAÇÕES DE TRABALHO PARA BRASILEIROS E ESTRANGEIROS EM ATENÇÃO À LEGISLAÇÃO BRASILEIRA O QUE FAZER? COMO PREVENIR? Iniciaremos por definir o que deve entender-se por contrato internacional de trabalho. Enfrentaremos com um certo vagar esta questão, por ser de bastante relevância. Qualifica-se de internacional, o contrato de trabalho que possui um ou mais elementos estrangeiros (elementos de estraneidade), tais como: a nacionalidade das partes, seu domicílio, o local de celebração do contrato ou de sua execução, a moeda na qual é fixada, a remuneração do empregado e outros mais. A existência do elemento de estraneidade faz com que o contrato internacional de trabalho possua ligação com mais de um ordenamento jurídico nacional, todos igualmente aptos, em um primeiro momento, a disciplinar as relações jurídicas dele decorrentes. Surge, assim, a grande questão da determinação de qual desses ordenamentos jurídicos deverá ser utilizado na regulação desta relação contratual. A solução desses conflitos de leis (decorrentes da possibilidade de aplicação simultânea de leis oriundas de diferentes ordenamentos jurídicos nacionais), que significa a escolha do país cujo ordenamento jurídico incidirá sobre a relação, com exclusão de todos os demais, consiste no objeto do ramo do direito denominado Direito Internacional Privado. Através de suas normas, cada país por seu direito interno - elege um determinado elemento da relação (elemento de conexão) e estabelece que o ordenamento jurídico com o qual este elemento possua contato mais íntimo regerá toda a relação. Em atenção com os melhores doutrinadores, trazemos à baila jurista Wilson Souza Campos Batalha e Silvia Mariana L. Batalha de Rodrigues Netto, onde entendem que o Direito Internacional Privado: é o ramo do Direito interno que indica a norma legal aplicável às hipóteses em que a situação ou a relação jurídica apresenta elemento de ligação com mais de um ordenamento jurídico. Suas normas provêm da legislação interna, dos tratados normativos e convenções internacionais após o processo de internação e integração do

2 Direito Interno, bem como dos usos e costumes internacionais aceitos pelos órgãos do Estado. [1] Adentrando ao tema, podemos destacar que para os trabalhadores em situação análoga (contratados no Brasil para trabalhar noutro país), serão aplicadas as normas de Direito Internacional Privado, primeiro porque haverá nesta relação um conflito espacial de leis e, segundo, porque são estas as situações onde a legislação brasileira contempla a competência da nossa jurisdição para pronunciar-se sobre a matéria. Assim, o Juiz brasileiro, ao se deparar com um fato interjurisdicional, deve consultar a legislação brasileira atinente. [2] Esta ley regira todo lo relativo a La validez, derechos y obligaciones de lãs partes, sea que El contrato de trabajo se haya celebrado em el pais ou fuera de el, en cuanto se ejecute em su território, cualquiera sea La nacionalidade de lãs partes. La ley extranjera podra ser aplicada aun de oficio por los jueces, em la medida que resulte mas favorable al trabajador. No nosso caso, que é o Direito Internacional Privado do Trabalho, devemos observar o Código de Bustamante (Decreto n /29), a Lei de Introdução ao Código Civil (Decreto-lei n /42), o Decreto n. 691/69 e a Lei n.7.064/82, além de jurisprudência a tratados firmados pelo Brasil. Estas, para nós, são as fontes de Direito Internacional Privado do Trabalho. [3] O Código de Bustamante, vigente no Brasil desde a edição do Decreto n /29, possui regras de Direito Internacional Privado. Seu objetivo é disciplinar a solução dos conflitos de leis entre os países que o adotaram. Em seu art. 3 o classifica as normas jurídicas nas seguintes categorias: I - As que se applicam as pessoas em virtude do seu domicilio ou da sua nacionalidade e as seguem, ainda que se mudem para outro paiz- denominadas pessoaes ou de ordem publica interna; [1] O Direito Internacional Privado na Organizaçãoo dos Estados Americanos, p. 6 in MELLO, Christiane Bernardes de Carvalho, Direito Internacional Privado e Relaçãoo Jurídica de Trabalho: aspectos da legislação brasileira, São Paulo, Ltr, 2005, p. 30 [2] Jose Maria Rivas, comentando sobre o direito argentino, afirma que a LCT (Ley de Contrato de Trabalho) deu solução jurídica às questões ate então problemáticas sobre a lei aplicável ao trabalho prestado no exterior. [3] MELLO, Christiane Bernardes de Carvalho, Direito Internacional Privado e Relação Jurídica de Trabalho: aspectos da legislação brasileira, São Paulo, Ltr, 2005, p. 32.

3 II- As que obrigam por igual a todos os que residem no território, sejam ou não nacionaes denominadas territoriaes locaes ou de ordem publica internacional; III As que se applicam somente mediante a expressão, a interprestacao ou a presunção da vontade das partes ou de alguma dellas, - denominadas voluntarias, suppletorias ou de ordem privada. sic) O Decreto n , que é posterior à Lei 3.071/16, consagrou o princípio da territorialidade e, por esse motivo, a regra que antes valia em relação ao brasileiro que fosse trabalhar no exterior, passou por uma mudança. A partir daquele Decreto, a lei do lugar da prestação do serviço seria a aplicável para os brasileiros que fossem laborar no exterior. Em relação ao estrangeiro que viesse aqui laborar, foi mantida a mesma regra, pois antes já era aplicada a lei brasileira e o principio da territorialidade só veio a confirmar o que já se encontrava estabelecido. Maria Helena Diniz assim se pronuncia sobre o critério da especialidade da norma: Uma norma é especial se possuir em sua definição legal todos os elementos típicos da norma geral e mais alguns de natureza objetiva ou subjetiva, denominados especializantes. A norma especial acresce um elemento próprio à descrição legal do tipo previsto na forma geral, tendo prevalência sobre esta, afastando-se assim o bis in idem, pois o comportamento só se enquadrara na norma especial, embora também esteja previsto no geral (RJTJSP, 29h30min). O tipo geral está contido no tipo especial. A norma geral só não se aplica ante a maior relevância jurídica dos elementos contidos na norma especial, que a tornam mais suscetível de atendibilidade do que norma genérica. O Decreto-lei n 4.657/72 revogou a Lei n /16 e hoje figura como a nossa Lei de Introdução do Código Civil. Este texto legal, em seu art.9 o, dispõe que para qualificar e reger as obrigações, aplicar-se-á a lei do país em que se constituem. Como se vê, a Lei de Introdução do Código Civil previu, como elemento de conexão para o ato jurídico, a lei do local da celebração do contrato. Assim, por exemplo, nos termos do artigo 9o, da Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro (Decreto-Lei n.º 4.657/42), para qualificar e reger as obrigações aplicar-se-á a lei do país em que se constituírem. Isto significa que as obrigações que contenham elementos relacionados a ordenamentos jurídicos diversos serão disciplinadas pela lei do local em que o contrato for celebrado, qualquer que seja o local de sua execução ou a nacionalidade dos contratantes. Dessa forma, no que diz respeito às obrigações, pode-se dizer que o elemento de conexão é o local de celebração do contrato.

4 Este não é, porém, o único critério (elemento de conexão) existente; vários outros podem ser apontados, de forma que, dependendo da natureza da relação e do ordenamento sob cuja ótica a mesma será observada (já que as normas de Direito Internacional Privado sendo determinadas pelo direito interno de cada país não apresentam solução uniforme para as mesmas questões), a relação poderá ser regida, por exemplo, pela lei do local de celebração ou de execução do contrato, pela lei da nacionalidade ou domicílio das partes, pela lei escolhida pelos contratantes, entre outros. Como vimos, a Lei de Introdução ao Código Civil dispõe que os contratos serão regidos pela lei do local de sua celebração. Assim, poder-se-ia dizer que também o contrato internacional de trabalho seria regido pela lei vigente no local de sua celebração. Da mesma forma, a doutrina é unânime em afirmar que não tem aplicação sobre os contratos de trabalho o artigo 9o, da Lei de Introdução ao Código Civil, segundo o qual o contrato rege-se pela lei vigente no local de sua celebração. Isto porque, na maior parte das vezes, o local da celebração do contrato de trabalho é irrelevante para sua execução, sendo determinado, muitas vezes, por mero acaso, por circunstâncias eventuais que nada influem em sua execução. Ademais, não se deve olvidar que o artigo 17, do mesmo diploma legal, afasta de maneira expressa a eficácia da legislação alienígena quando esta contrariar a ordem pública interna. Ora, como é sabido, o Direito do Trabalho é composto essencialmente por normas de ordem pública, de modo que toda legislação estrangeira que contrariar dispositivo da legislação trabalhista nacional também estará, por via reflexa, violando a própria ordem pública, não podendo, assim, ser aplicada em nosso território.[4] Com esse argumento, pretende-se afastar a incidência da lei do local de celebração do contrato de trabalho, aplicando-se lhe, assim, a lei vigente no local de sua execução, isto é, no local da efetiva prestação de serviços, pelo seu caráter cogente, de ordem pública[5]. Este parece ser o critério adotado pela maior parte das legislações, sendo premiado, ainda, pelo Código Bustamante, em seu art. 198 (diploma legal que foi integrado ao [4] Essa objeção é procedente nos casos em que a legislação estrangeira é menos favorável ao empregado do que a lei brasileira; mas, e se a lei alienígena for mais benéfica ao trabalhador? Neste caso, não nos parece que ela contraria a ordem pública, não podendo afastar-se sua aplicação ao caso concreto, ao menos não com base nesse fundamento, a não ser que se entenda que a ordem pública resta violada sempre que a norma estrangeira dispõe de modo diverso (mesmo se for para beneficiar o empregado) da legislação nacional, o que não nos parece acertado. Este problema, porém, não apresenta maior relevância caso se adote o princípio da norma mais favorável, que será analisado adiante. [5] No entanto, existe decisão do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo dando aplicação à lei do local da contratação (10 a Turma, Ac. n , , Rel. Juiz Plínio Bolívar de Almeida in site do TST na Internet).

5 ordenamento jurídico nacional através do Decreto n.º , de 13 de agosto de 1929). Assim, podemos concluir que o contrato internacional de trabalho será regido, tanto em seus aspectos internos quanto externos, pela lei do local em que se der a prestação de serviços. Esta é a regra geral; cumpre ver, agora, se ela é absoluta ou se comporta exceções (e, nesse caso, quais seriam elas). É do que passamos a tratar. Vimos que a regra geral manda que se aplique ao contrato internacional de trabalho a lei do local de sua execução, isto é, do local de prestação de serviços, como dispõe a Súmula n.º 207, do Tribunal Superior do Trabalho. In verbis Nº CONFLITOS DE LEIS TRABALHISTAS NO ESPAÇO. PRINCÍPIO DA LEX LOCI EXECUTIONIS A relação jurídica trabalhista é regida pelas leis vigentes no país da prestação de serviço e não por aquelas do local da contratação. (Res. 13/1985, DJ ) Há situações, porém, em que a aplicação da lei territorial se apresenta insuficiente, não se justificando, seja em virtude de uma especial característica da relação, seja por algum caractere específico das partes ou ainda por algum outro fator. Nesses casos, admite-se que não seja aplicada a lei territorial, utilizando-se legislação diversa, melhor relacionada ao contrato. Cumpre-nos, pois, apreciar algumas dessas exceções. Isto porque, sendo a execução do contrato em outro país apenas transitória, a relação continua ligada à legislação sob cuja égide o trabalho se dá de maneira habitual, não possuindo contato com a legislação alienígena, não se justificando, assim, sua aplicação. Pinho Pedreira[6] entende que a aplicação da teoria da irradiação é excepcionada, em nosso direito, pelo Decreto-Lei n.º 691/69, que disciplina a contratação de técnicos estrangeiros para a execução de serviços provisórios em território nacional e manda aplicar-lhes a lei brasileira. Entendemos, porém, que o referido diploma legal cuida de hipótese diversa da ora versada, já que dispõe sobre o contrato dos técnicos estrangeiros que são contratados especialmente para vir prestar serviços em nosso país, ao passo que a teoria da irradiação se aplica à hipótese da transferência provisória do empregado para o [6] Ob. cit., p. 74.

6 exterior, não incidindo quando ele é contratado, desde logo, para prestar serviços em outro país e lá permanece como nos parece ser o caso disciplinado pelo Decreto-Lei n.º 691/69. Não se trata, pois, de exceção à aplicação da teoria da irradiação, mas uma reafirmação da supremacia da lei do local de execução do contrato. Outra questão que se impõe é a que diz respeito a saber até que ponto uma transferência é temporária e a partir de quando ela passa a ser considerada definitiva. Não existe uma regra que defina, a priori, este problema, devendo proceder-se a uma análise casuística da questão, de acordo com as peculiaridades de cada caso. Existem, porém, alguns parâmetros que podem ser utilizados pelo intérprete, como, por exemplo, o parágrafo único, do artigo 1o, da Lei n.º 7.064/82, que exclui de sua aplicação os empregados transferidos em caráter transitório, assim consideradas as transferências por período não superior a 90 dias. Outro critério que nos parece interessante seria a aplicação analógica do 2o, do artigo 443, da Consolidação das Leis do Trabalho, que trata da contratação por prazo determinado, levando em consideração a natureza da atividade desempenhada pelo trabalhador transferido. Se, porém, a transferência for definitiva[7], deve ser aplicada a lei do novo local de execução do contrato, lei ora considerada em sentido estrito, uma vez que, por força do princípio da condição mais benéfica, devem ser mantidas as estipulações contratuais mais favoráveis ao empregado[8]. Já as normas convencionais, face ao seu caráter eminentemente territorial e limitado temporalmente, não podem ser aplicadas extraterritorialmente, conforme ensinamento de Michel Despax: Mas uma situação de détachement não tem vocação para a perenidade: é preciso, então, excluir a aplicação da convenção coletiva originária quando o assalariado que foi mandado para um estabelecimento da mesma empresa permanece duradouramente no estrangeiro nos locais de trabalho e pode, nestas condições, ser considerado, segundo a terminologia consagrada, como trabalhador expatriado. [9] [7] Neste caso, entende o Magistrado Maurício Godinho Delgado não ter lugar o jus variandi do empregador, ou seja, toda transferência ao estrangeiro deveria ser acordada bilateralmente entre empregado e empregador, não podendo ao contrário do que se dá quando a transferência é dentro do território nacional ser imposta unilateralmente pelo último: não há, pois, viabilidade de exercício de jus variandi empresarial no que tange a remoções externas. (Alterações Contratuais Trabalhistas, LTr, São Paulo, 2000, p. 108). [8] Nesse sentido, vide o pensamento do Ministro Süssekind, Conflitos cit., p. 44. [9] Negóciations, conventions et accords collectifs, Dalloz, Paris, 1989, p. 427 apud Pinho Pedreira, ob. cit., p. 81. Nesse diapasão, ainda, o pensamento de Goldschimidt, citado por Süssekind (Conflitos cit., p. 46), este que admite sua extraterritorialidade de forma reflexa, isto é, quando a cláusula convencional tiver sido incorporada ao contrato individual de trabalho (reflexa porque, como ele próprio aponta, o contrato é que estaria sido aplicado, não a convenção). Pensamos, porém, não ser esta a regra geral, já que o entendimento dominante em nosso direito é pela não-incorporação das normas convencionais aos contratos individuais de trabalho, como se verifica, por exemplo, do seguinte julgado: Exegese em

7 Porem, há que ser pautada toda análise com convergência com artigo 444 do Pergaminho Laboral. Art As relações contratuais de trabalho podem ser objeto de livre estipulação das partes interessadas em tudo quanto não contravenha às disposições de proteção ao trabalho, às convenções coletivas que lhes sejam aplicáveis e às decisões das autoridades competentes. Pelo amor ao debate, apenas para maior conforto, registra-se que o Brasil apesar de signatário do diploma Convenção Internacional Sobre Direito Aplicável aos Contratos Internacionais, assinada na Cidade do México em 1994, não o ratificou no âmbito interno. No tocante às exceções, devemos destacar que durante a prestação de serviços no exterior não serão devidas, em relação aos empregados transferidos, as contribuições referentes à: Salário-Educação, Serviço Social da Indústria, Serviço Social do Comércio, Serviço Nacional da Aprendizagem Comercial, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial e Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) Desta forma, toda e qualquer movimentação de trabalhadores, seja o encaminhamento ou o recebimento destes, prescinde de criteriosa análise de toda legislação direta e indireta aos países envolvidos na operação. Igualmente, seja estruturado contrato de trabalho com porte internacional e não utilização de contratos padrões. Por derradeiro, seja analisada a longevidade desta movimentação, fator determinante para feliz prevenção. sentido contrário, ou seja, de que a lei aludida prevê a incorporação definitiva das normas estabelecidas em instrumento coletivo, resultaria na revogação do art. 613 da CLT, o que contraria o espírito dos acordos e das convenções coletivas, visto que a finalidade deles é estabelecer vantagens temporárias. (Subseção II Especializada em Dissídios Individuais, ROAR /2000.8, , Rel. Min. Ronaldo Leal in site do TST na Internet). No mesmo sentido, ainda, o Enunciado n.º 277, do Tribunal Superior do Trabalho. Assim, não havendo incorporação, não há que se falar na aplicação extraterritorial da norma coletiva.

8 Dr. Renato Gouvêa dos Reis é especialista em Direito do Trabalho, com Pós-Graduação Latu Senso, MBA em Direito da Economia e da Empresa. Atuante em Direito Material e Processo do Trabalho, Direito Coletivo do Trabalho, Direito Empresarial, aspectos relacionados à Recuperação Judicial e Governança Corporativa. Assessoria e Consultoria Jurídica de empresas de médio e grande porte. Artigos publicados em jornais de grande circulação e sites jurídicos. Participação em diversos cursos, Simpósios e congressos de aperfeiçoamento profissional.

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO.

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO. CURSO INTENSIVO I DE TRABALHO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Otavio Calvet Data: 01.04.10 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Tema INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO. Atualizado

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

REGÊNCIA NORMATIVA DA REMOÇÃO DE EMPREGADOS BRASILEIROS PARA O EXTERIOR

REGÊNCIA NORMATIVA DA REMOÇÃO DE EMPREGADOS BRASILEIROS PARA O EXTERIOR 197 REGÊNCIA NORMATIVA DA REMOÇÃO DE EMPREGADOS BRASILEIROS PARA O EXTERIOR I - INTRODUÇÃO Mauricio Godinho Delgado* O Direito do Trabalho caracteriza-se por diversos princípios especiais, que demarcam

Leia mais

O CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO

O CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO O CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO Thiago Leão Nepomuceno (*)1 Normalmente, todo final de ano ao se aproximar traz consigo um aumento na demanda de algumas empresas, fazendo com que a necessidade

Leia mais

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho.

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho. 1. CONTRATO POR PRAZO INDETERMINADO O Contrato por prazo indeterminado é firmado quando o empregado for contratado para trabalhar em atividades normais da empresa, sem tempo de duração (Princípio da Continuidade

Leia mais

Trata-se de agravo de instrumento interposto contra despacho que negou seguimento a recurso de revista.

Trata-se de agravo de instrumento interposto contra despacho que negou seguimento a recurso de revista. A C Ó R D Ã O 8ª Turma DCBM/phb AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. PAGAMENTO ESPONTÂNEO. TRABALHO EM ALTURA. Em razão de provável caracterização de ofensa ao art.

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ADICIONAL NOTURNO - PROCEDIMENTOS 1. INTRODUÇÃO O adicional noturno é devido ao empregado que trabalha a noite no período biológico em que a pessoa deve dormir. É no período noturno que o organismo humano

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Férias, 13º Salário, Média e Horas Extras Pagar sobre Salário ou Remuneração

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Férias, 13º Salário, Média e Horas Extras Pagar sobre Salário ou Remuneração Férias, 13º Salário, Média e Horas Extras Pagar sobre Salário ou Remuneração 18/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452,

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO DO TRABALHO1

PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO DO TRABALHO1 Professora: Silvaney Isabel Gomes de Oliveira Disponível em www.tstanavanda.wikispaces.com PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO DO TRABALHO1 1. DEFINIÇÃO DE PRINCÍPIOS: Sérgio Pinto Martins afirma que princípios

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997 Dispõe sobre a fiscalização do trabalho nas empresas de prestação de serviços a terceiros e empresas de trabalho temporário. O MINISTRO DE ESTADO DE

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função:

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS 1. Princípios do Direito do Trabalho 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: a) Função informativa/inspiradora: informam

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA RELAÇÃO DE EMPREGO A partir do momento em que o trabalho começou a existir, surgiram também as relações de emprego. Sob o ponto de vista do direito, a relação de emprego é um regramento jurídico que envolve

Leia mais

O PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE DOS DIREITOS TRABALHISTAS

O PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE DOS DIREITOS TRABALHISTAS O PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE DOS DIREITOS TRABALHISTAS SAMIRA MARQUES HENRIQUES 1 RESUMO: O presente trabalho tem a pretensão de contribuir para a discussão a cerca do Princípio específico do Direito

Leia mais

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada Fls. PROCESSO: 837554 NATUREZA: CONSULTA CONSULENTE: ITAMAR ANTÔNIO DINIZ (Diretor do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Três Pontas/MG) PROCEDÊNCIA: INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES

Leia mais

A NOVA SISTEMÁTICA DO SEGURADO ESPECIAL, APÓS O ADVENTO DA LEI N. 11.718/2008

A NOVA SISTEMÁTICA DO SEGURADO ESPECIAL, APÓS O ADVENTO DA LEI N. 11.718/2008 A NOVA SISTEMÁTICA DO SEGURADO ESPECIAL, APÓS O ADVENTO DA LEI N. 11.718/2008 O presente artigo tem o desiderato de analisar as alterações trazidas com o advento da Lei n. 11.718/08, dentre as quais destacam-se

Leia mais

ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE

ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE Weliton José da Silva Balduino 1 Rafaella Gil Almeida 2 INTRODUÇÃO Historicamente, a mulher sempre desempenhou atividades, seja, no lar, nas atividades agrícolas familiares

Leia mais

V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de

V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de EMENTA RECURSO ORDINÁRIO, provenientes da CURITIBA - PR, sendo Recorrentes ADVOGADO ASSOCIADO - VÍNCULO DE EMPREGO - NÃO CONFIGURADO - Comprovado que a parte autora firmou "contrato de associação com advogado"

Leia mais

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02 60 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A INCORPORAÇÃO DA GRATIFICAÇÃO E A JURISPRUDÊNCIA DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST)

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A INCORPORAÇÃO DA GRATIFICAÇÃO E A JURISPRUDÊNCIA DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST) TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A INCORPORAÇÃO DA GRATIFICAÇÃO E A JURISPRUDÊNCIA DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST) Alain Alpin MacGregor Advogado Em nosso ordenamento positivo, não existe lei

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

ASSUNTO: Informações quanto à concessão de benefícios aos trabalhadores contratados nos moldes da Lei nº 8.745/93.

ASSUNTO: Informações quanto à concessão de benefícios aos trabalhadores contratados nos moldes da Lei nº 8.745/93. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas Nota

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452, de 1º

Leia mais

Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores

Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores 1 Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores Renato Rua de Almeida (*) O Direito do Trabalho distinguiu-se do Direito Civil, porque, enquanto o Direito Civil regulou de forma igual e recíproca os

Leia mais

A CONVENÇÃO DE MONTREAL DE 1999 E O TRANSPORTE AÉREO INTERNACIONAL NO BRASIL

A CONVENÇÃO DE MONTREAL DE 1999 E O TRANSPORTE AÉREO INTERNACIONAL NO BRASIL A CONVENÇÃO DE MONTREAL DE 1999 E O TRANSPORTE AÉREO INTERNACIONAL NO BRASIL José Gabriel Assis de Almeida* Resumo: Este artigo examina as recentes modificações no regime jurídico do transporte aéreo internacional

Leia mais

Remuneração de expatriados aspectos tributários e previdenciários. Wagner Balera Professor titular e coordenador da Pós-graduação da PUC/SP

Remuneração de expatriados aspectos tributários e previdenciários. Wagner Balera Professor titular e coordenador da Pós-graduação da PUC/SP Remuneração de expatriados aspectos tributários e previdenciários Wagner Balera Professor titular e coordenador da Pós-graduação da PUC/SP Carência Estrutura da Norma a) Critério Material Hipótese Conseqüente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 39 DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Introdução A dinâmica das relações de caráter econômico ou não no contexto mundial determinou a criação de

Leia mais

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas Conheça as regras especiais do contrato de trabalho do professor O professor no exercício do magistério em estabelecimento particular de ensino mereceu tratamento especial

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA ADVOGADO : LUIZ ANTÔNIO MUNIZ MACHADO E OUTRO(S) EMENTA DIREITO SINDICAL. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL. ART. 8º, IV, DA CF/88. COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. PUBLICAÇÃO

Leia mais

Nº 4139/2014 PGR - RJMB

Nº 4139/2014 PGR - RJMB Nº 4139/2014 PGR - RJMB Físico Relator: Ministro Celso de Mello Recorrente: Ministério Público do Trabalho Recorrida: S. A. O Estado de São Paulo RECURSO EXTRAORDINÁRIO. COMPETÊNCIA DA JUS- TIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

Tutela do Trabalho dos Bancários

Tutela do Trabalho dos Bancários Tutela do Trabalho dos Bancários Éder Crestanello de Oliveira 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo As relações de trabalho surgiu e ganhou projeções por volta da I Guerra Mundial na Alemanha nazista, através

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO ACÓRDÃO 9ª TURMA Recorrentes: Recorridos: Relator: Provido o recurso da reclamada, para determinar a observância da jornada básica de 08 horas. Parcial provimento ao recurso do autor, para determinar a

Leia mais

DIREITOS TRABALHISTAS EM EMPRESAS TRANSNACIONAIS: CONFLITO NA APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS NOS CONTRATOS INTERNACIONAIS DE TRABALHO

DIREITOS TRABALHISTAS EM EMPRESAS TRANSNACIONAIS: CONFLITO NA APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS NOS CONTRATOS INTERNACIONAIS DE TRABALHO DIREITOS TRABALHISTAS EM EMPRESAS TRANSNACIONAIS: CONFLITO NA APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS NOS CONTRATOS INTERNACIONAIS DE TRABALHO José Rodrigues Colonheis 1 Maria José Queiroz Lemos 2 RESUMO: Visa o presente

Leia mais

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual Novo Código Comercial Livro III Das obrigações dos empresários Cibele Frandulic Shimono Guilherme Setoguti J. Pereira Luiz Rafael de Vargas Maluf Rafael Villac Vicente de Carvalho 22 de novembro de 2011

Leia mais

Direito do Trabalho no Tempo

Direito do Trabalho no Tempo Direito do Trabalho no Tempo Mario Paiva DIREITO DO TRABALHO NO TEMPO Art. 2. A lei só dispõe para o futuro, não tem efeitos retroativos Código Civil Francês de 1804 A norma jurídica tem eficácia limitada

Leia mais

O consulente juntou o Parecer jurídico nº 064/ASSEJUR/2013 à consulta.

O consulente juntou o Parecer jurídico nº 064/ASSEJUR/2013 à consulta. PROCESSO Nº : 9.441-2/2013 INTERESSADO : CÂMARA MUNICIPAL DE TANGARÁ DA SERRA ASSUNTO : CONSULTA RELATOR : CONSELHEIRO SUBSTITUTO LUIZ HENRIQUE LIMA PARECER Nº : 036/2013 Excelentíssimo Senhor Conselheiro:

Leia mais

PEDIDO DE UNIFORMIZAÇÃO N. º 200338007154235

PEDIDO DE UNIFORMIZAÇÃO N. º 200338007154235 PEDIDO DE UNIFORMIZAÇÃO N. º RELATORA : JUÍZA FEDERAL LILIANE RORIZ REQUERENTE: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURIDADE SOCIAL - INSS PROC. : PATRICIA DE ALMEIDA SILVA REQUERIDO : GIL JOSÉ FURTADO ADV. : ANDRÉ

Leia mais

OAB EXAME IX 2012.3 FEVEREIRO/2013 2.ª ETAPA COMENTÁRIOS

OAB EXAME IX 2012.3 FEVEREIRO/2013 2.ª ETAPA COMENTÁRIOS PEÇA PROCESSUAL: OAB EXAME IX 2012.3 FEVEREIRO/2013 2.ª ETAPA COMENTÁRIOS OAB 2ª ETAPA PRÁTICA TRABALHISTA Caros amigos e alunos do Pro Labore, Primeiramente, gostaria de externar a minha satisfação quanto

Leia mais

FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA 18/08/2012

FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA 18/08/2012 FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO 1 PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA FONTE: Expressão vem do latim (fons, fontis, nascente). Significado: tudo aquilo que origina,

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

CONSULENTE: Efrain Lemos de Abreu (Prefeito Municipal de Baependi)

CONSULENTE: Efrain Lemos de Abreu (Prefeito Municipal de Baependi) PROCESSO N.: 837374 NATUREZA: Consulta CONSULENTE: Efrain Lemos de Abreu (Prefeito Municipal de Baependi) PROCEDÊNCIA: Município de Baependi RETORNO DE VISTA Trata-se de consulta formulada pelo Prefeito

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Justiça do Trabalho - 2ª Região

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Justiça do Trabalho - 2ª Região PROCESSO TRT/SP Nº 0002803-60.2014.5.02.0041-3ª TURMA RECURSO ORDINÁRIO RECORRENTES: 1. ANA FAUSTA DOS SANTOS RODRIGUES 2. CENTRO SALESIANO DE DESENVOLVIMENTO E PROFISSIONAL RECORRIDAS: AS MESMAS ORIGEM:

Leia mais

Devidamente intimados, os réus compareceram à audiência e apresentaram respostas.

Devidamente intimados, os réus compareceram à audiência e apresentaram respostas. 20ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA DF Proc. No. 01920-51.2009.5.10.0020 SENTENÇA I- RELATÓRIO: Vistos etc. SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DOS ESTADOS DOS PARANÁ E SANTA CATARINA impetrou ajuizou ação

Leia mais

DA REMUNERAÇÃO DO APRENDIZ

DA REMUNERAÇÃO DO APRENDIZ DA REMUNERAÇÃO DO APRENDIZ Inteligência da expressão condição mais favorável, inscrita no 2º do artigo 428 da CLT, e reproduzida no artigo 17 do Decreto nº 5.598/2005. O Decreto nº 5.598/2005, que regulamenta

Leia mais

TURMA RECURSAL. 1 Juizados Especiais Federais Seção Judiciária do Paraná. I Relatório

TURMA RECURSAL. 1 Juizados Especiais Federais Seção Judiciária do Paraná. I Relatório 1 Autos n.º 2003.70.09.003006-3 Recorrente: Luiz Carlos Bucholdz Recorrido: Instituto Nacional do Seguro Social INSS Origem: Juizado Especial Federal de Ponta Grossa - SJPR Relator: Juiz Federal Marcos

Leia mais

Controvérsias sobre o fato gerador do IPI

Controvérsias sobre o fato gerador do IPI Controvérsias sobre o fato gerador do IPI Kiyoshi Harada* Não há unanimidade na doutrina e na jurisprudência quanto ao fato gerador do IPI. Muitos doutrinadores sustentam que o produto industrializado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO Decima Turma Publicacao: 24/07/2015 Ass. Digital em 16/07/2015 por PAULO MAURICIO RIBEIRO PIRES Relator: PMRP Revisor: DAD PODER JUDICIÁRIO RECORRENTE: RECORRIDA: MARIANA PAULINO BRANDÃO TEIXEIRA SEI CONSULTORIA

Leia mais

O DIREITO DE ARREPENDIMENTO NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA POR PARTE DO COMPRADOR.

O DIREITO DE ARREPENDIMENTO NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA POR PARTE DO COMPRADOR. O DIREITO DE ARREPENDIMENTO NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA POR PARTE DO COMPRADOR. BRUNO MATTOS E SILVA O DIREITO DE ARREPENDIMENTO NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA POR PARTE DO COMPRADOR. BRUNO MATTOS E SILVA

Leia mais

OPERADOR DE TELEMARKETING INTELIGÊNCIA DA SÚMULA 29 DESTE TRIBUNAL REGIONAL

OPERADOR DE TELEMARKETING INTELIGÊNCIA DA SÚMULA 29 DESTE TRIBUNAL REGIONAL Acórdão 9ª Turma OPERADOR DE TELEMARKETING INTELIGÊNCIA DA SÚMULA 29 DESTE TRIBUNAL REGIONAL Reconheço o pedido do autor como operador de telemarketing, afastando o argumento da CONTAX de que o autor era

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR

RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR Flávio Tartuce Doutor em Direito Civil e graduado pela Faculdade de Direito da USP. Mestre em Direito Civil Comparado pela PUC/SP. Professor do programa de mestrado

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Lei n.º 74/98, de 11 de novembro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 2/2005, de 24 de janeiro 1 2, Lei n.º 26/2006, de 30 de junho, Lei n.º 42/2007,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 712.998 - RJ (2004/0180932-3) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR : MARIANA RODRIGUES KELLY E SOUSA E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINO

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

Acordo de Previdência Social entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Helênica

Acordo de Previdência Social entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Helênica Acordo de Previdência Social entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Helênica Desejosos de regular as relações dos dois países em matéria de previdência social, Resolveram

Leia mais

Súmula Vinculante nº 4 e suas repercussões no adicional de insalubridade

Súmula Vinculante nº 4 e suas repercussões no adicional de insalubridade Súmula Vinculante nº 4 e suas repercussões no adicional de insalubridade Elaborado em 08.2008. Priscila Alencar de Souza Vieira Advogada, Pós-graduanda em Direito do Trabalho pela PUC-SP. O art. 192 da

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde 1 Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Publicado em Revista de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro /Cont. de/ RJRJ, Rio de Janeiro, n.80, p. 95-99, jul./set.

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS LIVRE ACESSO AOS INSTRUMENTOS COLETIVOS DE TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS LIVRE ACESSO AOS INSTRUMENTOS COLETIVOS DE TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS Orientador Empresarial LIVRE ACESSO AOS INSTRUMENTOS COLETIVOS DE TRABALHO Nos dias atuais, todo cidadão tem acesso aos instrumentos coletivos

Leia mais

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE???

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? Esta é uma antiga discussão que, até a presente data, perdura em hostes trabalhistas. Existe o ius postulandi na Justiça do Trabalho? A Carta

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

Ricardo Resende Direito do Trabalho Aula 22

Ricardo Resende Direito do Trabalho Aula 22 Ricardo Resende Direito do Trabalho Aula 22 Exercícios estilo Cespe 2ª parte gabarito comentado Tema 6 26 É correto dizer que o contrato de trabalho é um contrato sinalagmático, consensual, intuitu personae,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

O Adicional de Periculosidade

O Adicional de Periculosidade 1 O Adicional de Periculosidade 1 - O Adicional de Periculosidade 1.1 Introdução 1.2 Conceito 1.3 Legislação 1.3.1 - A questão das substancias radioativas e radiação ionizante 1.4 - Da caracterização 1.5

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Luciana de Oliveira Leal Halbritter Juíza de Direito do TJ RJ Mestre em Justiça e Cidadania pela UGF Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos Gerais;

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO

A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO José Carlos Batista - Auditor Fiscal do Trabalho da SRTE-ES RESUMO: a mulher teve e tem uma grande participação na construção do direito do

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 Regulamenta o inciso IX do art. 114 da Constituição Federal, para dispor sobre competências da Justiça do Trabalho referentes

Leia mais

Novas Súmulas do TST e os Reflexos para o SFN. Estêvão Mallet

Novas Súmulas do TST e os Reflexos para o SFN. Estêvão Mallet Novas Súmulas do TST e os Reflexos para o SFN Estêvão Mallet CLT: 922 artigos. Súmulas TST: 444 OJs SDI I: 420 OJs SDI II: 158 OJs SDC: 38 (OJs TP/OE e OJs SDI Transitórias) Total: 1060 Texto atual I O

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º /XII/4.ª

PROJETO DE LEI N.º /XII/4.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º /XII/4.ª PROCEDE À TERCEIRA ALTERAÇÃO À LEI.º 53-E/2006, DE 29 DE DEZEMBRO, REFORÇANDO A PROIBIÇÃO DE CRIAÇÃO DE TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS POR SERVIÇOS GERAIS E DE

Leia mais

https://www.cnj.jus.br/pjecnj/painel/painel_usuario/documentohtml... ACÓRDÃO

https://www.cnj.jus.br/pjecnj/painel/painel_usuario/documentohtml... ACÓRDÃO 1 de 8 23/04/2014 14:41 E M E N TA P R O C E D I M E N TO S D E C O N TR O L E A D M I N I S T R ATI V O. T R I B U N A L D E J U S T I Ç A D O E S TA D O D A B A H I A. CUMULAÇÃO DE DIÁRIAS COM INDENIZAÇÃO

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DAS REPERCUSSÕES DECORRENTES DO USO DE TELEFONE CELULAR POR EMPREGADO

BREVES CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DAS REPERCUSSÕES DECORRENTES DO USO DE TELEFONE CELULAR POR EMPREGADO SOARES, Flaviana Rampazzo. Breves considerações a respeito das repercussões decorrentes do uso de telefone celular por empregado. Jus Navigandi, Teresina, ano 14, n. 2337, 24 nov. 2009. Disponível em:

Leia mais

2 A DISTINÇÃO ENTRE SERVIÇO PÚBLICO EM SENTIDO ESTRITO E ATIVIDADE ECONÔMICA DESEMPENHADA PELO ESTADO

2 A DISTINÇÃO ENTRE SERVIÇO PÚBLICO EM SENTIDO ESTRITO E ATIVIDADE ECONÔMICA DESEMPENHADA PELO ESTADO 19 A DISPENSA DE EMPREGADOS EM EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA PRESTADORAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS OU EXPLORADORAS DE ATIVIDADES ECONÔMICAS EM REGIME DE MONOPÓLIO Adib Pereira Netto Salim*

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

Material de Apoio Profs. Simone Belfort e Ana Paula Alvares

Material de Apoio Profs. Simone Belfort e Ana Paula Alvares Material sobre o artigo 651 CLT - COMPETÊNCIA TRT 1ª Região - Analista Judiciária 2003 (FEC) 16. Relativamente à competência territorial (Ratione Loci) está INCORRETO dizer que: A) a ação trabalhista,

Leia mais

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA Fernando Facury Scaff Professor de Direito Financeiro da USP. Doutor e Livre Docente pela mesma Universidade. Sócio de Silveira, Athias, Soriano de Melo,

Leia mais

É devido o IPI na importação?

É devido o IPI na importação? É devido o IPI na importação? Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Introdução. 2 O exame do fato gerador do IPI. 3 Interpretação do fato gerador do IPI a partir da matriz constitucional do imposto 1 Introdução Grassa

Leia mais

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho 1 Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, doutor em direito pela Faculdade de Direito

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO D.E. Publicado em 11/09/2008 EMENTA Previdenciário. Tempo Especial. Vigia. Uso de arma de fogo. Requisito. A atividade de vigia/vigilante somente tem caráter especial quando o segurado efetivamente portava

Leia mais

RECURSOS HUMANOS MÓDULO PRÁTICA TRABALHISTA I

RECURSOS HUMANOS MÓDULO PRÁTICA TRABALHISTA I MÓDULO I ÍNDICE OBJETIVO METODOLOGIA BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA CURRICULUM RESUNIDO DO PROFESSOR CAPÍTULO 1 DIREITO DO TRABALHO Conceitos, Fontes e Convenções...4 Jornada de Trabalho...8 CAPÍTULO 2 REMUNERAÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA EMENTA DIREITO ADMINISTRATIVO. RECURSO ESPECIAL. MILITAR. "AJUDA-DE-CUSTO". MUDANÇA TEMPORÁRIA DE SEDE. POSSIBILIDADE. "INDENIZAÇÃO DE TRANSPORTE". MUDANÇA DE DOMICÍLIO.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União DESPACHO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União DESPACHO DESPACHO Processo n. 99923.000358/2013-11 Referência: Pedido de acesso à informação em que requer-se contrato entre o Banco do Brasil e os Correios, referente ao Banco Postal Senhor Ministro de Estado

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 5.443, DE 2005 Acrescenta parágrafo segundo ao art. 442 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452,

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito dos Tratados Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Conclusão e assinatura: Viena Áustria, 23 de agosto de 1978

Leia mais

www.brunoklippel.com.br QUESTÕES COMENTADAS DE DIREITO DO TRABALHO PARTE 1 PRINCÍPIOS.

www.brunoklippel.com.br QUESTÕES COMENTADAS DE DIREITO DO TRABALHO PARTE 1 PRINCÍPIOS. www.brunoklippel.com.br QUESTÕES COMENTADAS DE DIREITO DO TRABALHO PARTE 1 PRINCÍPIOS. 1. MEUS CURSOS NO ESTRATÉGIA CONCURSOS: Estão disponíveis no site do Estratégia Concursos (www.estrategiaconcursos.com.br),

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A JURISDIÇÃO, LEI APLICÁVEL E RECONHECIMENTO DE DECISÕES EM MATÉRIA DE ADOÇÃO (Concluída em 15 de novembro de 1965) (Conforme o seu artigo 23, esta Convenção teve vigência limitada até

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS PPR / 2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS PPR / 2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS PPR / 2011 CLARO S/A, com sede em Porto Alegre, na Rua Gilberto Laste, nº 52, no Estado do Rio Grande do Sul, inscrita no CNPJ sob o n. 40.432.544/0101-00,

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

Toque 14 - FGV - Fiscal de Rendas/ MS - 2006 (2ª parte)

Toque 14 - FGV - Fiscal de Rendas/ MS - 2006 (2ª parte) Olá, pessoal! Neste Toque continuaremos a análise da prova aplicada pela FGV em 21/05/2006, que selecionou candidatos ao cargo de Fiscal de Rendas para a Secretaria de Receita e Controle do Estado do Mato

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO DEFENSOR PÚBLICO FEDERAL DE SEGUNDA CATEGORIA. Questão Grupo III PADRÃO DE RESPOSTA

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO DEFENSOR PÚBLICO FEDERAL DE SEGUNDA CATEGORIA. Questão Grupo III PADRÃO DE RESPOSTA Questão Grupo III Espera-se que o candidato responda à questão conforme o que se segue. A garantia provisória de emprego (ou estabilidade temporária) está garantida, no presente caso, pelo disposto no

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

ANÁLISE DA NECESSIDADE DE PUBLICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DAS SOCIEDADES LIMITADAS DE GRANDE PORTE

ANÁLISE DA NECESSIDADE DE PUBLICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DAS SOCIEDADES LIMITADAS DE GRANDE PORTE Departamento de Direito ANÁLISE DA NECESSIDADE DE PUBLICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DAS SOCIEDADES LIMITADAS DE GRANDE PORTE Alunos: Christopher de Moraes Araruna Zibordi Orientador: Teresa C. G.

Leia mais