LIGAÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS TUBULARES PLANAS: ABORDAGEM TEÓRICA (1) CONNECTIONS OF HOLLOW STEEL PLANE FRAMES STRUCTURES: THEORETICAL APPROACH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIGAÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS TUBULARES PLANAS: ABORDAGEM TEÓRICA (1) CONNECTIONS OF HOLLOW STEEL PLANE FRAMES STRUCTURES: THEORETICAL APPROACH"

Transcrição

1 LIGAÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS TUBULARES PLANAS: ABORDAGEM TEÓRICA () CONNECTIONS OF HOLLOW STEEL PLANE FRAMES STRUCTURES: THEORETICAL APPROACH Ana Laura Essado de Fiueiredo e Santos () João Alberto Veneas Requena (3) Arlene Maria Sarmanho Freitas (4) Resumo Este trabalho aresenta alumas análises de liações em barras tubulares de estruturas metálicas lanas. A finalidade deste estudo é o entendimento do comortamento destas liações, ossibilitando assim, a disseminação desta conceção estrutural ainda ouco exlorada no Brasil. O dimensionamento das liações seue o Método dos Estados Limites, no qual as resistências de cálculo são verificadas. As barras envolvidas nestas liações também sofrem a influência de esforços adicionais rovocados or excentricidades. O estudo foi realizado através de um levantamento biblioráfico de normas nacionais e internacionais. Uma abordaem teórica é aresentada comarando o comortamento da liação dentro dos limites roostos or esecificações com a distribuição de tensões nas liações. São estudadas as liações soldadas entre barras tubulares de treliça do tio K com barras afastadas. As barras que comõem as liações, aqui aresentadas, ossuem seções transversais tubulares circulares soldadas entre si. É aresentado um exemlo onde o rau de seurança da liação é avaliado or meio de soluções analíticas, roostas or normas internacionais e or modelaem numérica através do Método dos Elementos Finitos utilizando o rorama ANSYS. Palavras-chave: Sistemas tubulares, Estruturas metálicas tubulares, Liações () - Contribuição Técnica a ser aresentada no II Conresso Internacional da Construção Metálica II CICOM - novembro, São Paulo, SP, Brasil. () - Aluna de Mestrado do De. de Estruturas - FEC - UNICAMP - Caminas, SP, Brasil. (3) - Prof. Assistente Doutor do De. de Estruturas - FEC - UNICAMP - Caminas, SP, Brasil. (4) - Prof. Adjunto do Deartamento de Enenharia Civil - UFOP - Ouro Preto, MG, Brasil.

2 Abstract: This aer resents some analyses of connections of tubular frames of the steel lane structures. The urose of this study is the areement of the behaviour of these connections, makin ossible, the sreadin of these structural concetions that are still less exlored in Brazil. The connection desinin takes into account the Limits States Method, in which the factored strenths are verified. The involved frames in these connections also subject the influence from additional efforts caused by eccentricities. The study was carry out in a lare bibliorahical research of national and international codes. A theoretical aroach showin the behaviour of the stress distributions in the connections is resented. The a K connections amon tubular frames of truss are studied. The frames that comose the connections, which are resented in this article, have circular hollow sections. A Numerical examle is shown in order to evaluate the connection safety rane by analytical solutions suested by international codes and numerical models throuh Finite Elements Method usin ANSYS roram. Key-words: Hollow Systems, Hollow structure section, Connections. - INTRODUÇÃO O conhecimento do comortamento das liações em estruturas metálicas reresenta um imortante ael no dimensionamento, uma vez que os esforços atuantes nas liações rovocam tensões no tubo que devem ser conhecidas ara que seja ossível obter rojetos otimizados. Em treliças lanas ou esaciais o objetivo básico da liação na extremidade de uma barra é desenvolver a resistência à tração ou à comressão necessária sem enfraquecer a barra a qual é liada. Em estruturas tubulares as liações odem ser executadas or meio de chaas de liação ou arranjos que usam a união direta das barras secundárias na arede da seção tubular da barra rincial, conforme (Araújo et al. ). Para estas liações diretas entre barras, emrea-se uma terminoloia associada ao tio de encontro entre as barras, esecialmente ara o caso de treliças. Utilizam-se letras do alfabeto ara desinar a disosição entre as barras, tais como, liação K ara o encontro entre banzos e duas diaonais, T ara o encontro entre o banzo e um montante, N ara o encontro entre o banzo, montante e diaonal, KT ara o encontro de cinco barras e assim or diante. A conceção destas liações ode ser seundo três ossibilidades básicas de disosição das diaonais: normal, afastadas ou sobreostas, fiura. Normal Afastada Sobreosta

3 Fiura Disosição de diaonais em liações Seundo (McGuire 968) a flexão na arede ode ser maior sob condições ilustradas na fiura (a). Se, através da rática usual, os eixos centrais de todas as barras de liação se encontrarem em um onto, não haverá flexão rimária em nenhum deles. O esquema de forças da fiura (b) mostra, que a transferência da comonente N de um braço ara o outro resultará em um amassamento local na arede do banzo. Contudo, caso um comonente atue ara dentro e o outro ara fora do tubo, a flexão descrita anteriormente, oderá roduzir uma flexão lonitudinal acentuada. (a) (b) Fiura - Efeitos das diaonais na liação K. A maioria das soluções tem sido fundamentada emiricamente, alumas são resolvidas em função das dimensões dos tubos, ara evitar situações em que o amassamento ossa rovocar o colaso da liação. Neste trabalho, será realizado uma avaliação da formulação utilizada ara a verificação quanto à lastificação da arede do banzo em liações de treliça do tio K, com barras tubulares circulares afastadas. Este fenômeno ocorre através do esforço de comressão atuante em uma das diaonais que emurra a face do banzo, enquanto a diaonal tracionada uxa rovocando a flexão da face do tubo, fiura 3. Fiura 3 Colaso da liação K afastada or lastificação da face do banzo. - LIGAÇÕES SOLDADAS DO TIPO K Geralmente os nós da treliça são considerados rotulados, e as barras são dimensionadas ara suortar somente forças axiais, contudo a riidez roveniente das barras secundárias introduz momentos fletores ao lono do banzo, fazendo com que este deva ser dimensionado ara resistir aos esforços axiais e momento fletor. A maioria das treliças comosta or barras tubulares ossui uma barra comrimida e outra tracionada soldada no banzo. Este arranjo é conhecido como liação do tio K.

4 As liações soldadas tio K dividem-se em duas cateorias, as que causam uma excentricidade ositiva e as que causam uma excentricidade neativa dos eixos das barras, excentricidade esta rovocada ela alocação das barras secundárias na barra. O valor da excentricidade é ositivo quando os eixos das barras secundárias intercetam a barra rincial abaixo do seu centro de ravidade. A excentricidade é neativa quando a interseção localiza-se acima do centro de ravidade da barra rincial. Para o caso de liações do tio K, com barras afastadas, a excentricidade erada é ositiva, conforme fiura 4. θ θ +e Fiura 4 - Arranjos da liação K afastada. A distância x e a excentricidade e entre as barras estão relacionadas da seuinte forma: sen( θ ) + θ d d d x = e + senθ sen θ sen θ senθ () d d sen sen d e θ θ + + x sen sen θ θ sen( θ +θ ) () Sendo x = quando houver afastamento das barras, d e d i os diâmetros do banzo e das diaonais resectivamente. A excentricidade deverá reseitar o seuinte limite: e,55 d,5 (3).- Procedimento de Cálculo ara Liações K Afastadas O critério de dimensionamento mais utilizado ara este caso é o método do estado limite referente ao colaso da liação or lastificação da face do banzo, fiura 3. Desta forma, as seções serão verificadas seundo este critério. Onde esta verificação será confrontada com um modelo via método dos elementos finitos, utilizando o rorama ANSYS. Tanto o (Eurocode 3 99), o (AISC - Hollow Structural Sections 997) como (Packer & Henderson 997) aresentam um rocedimento de cálculo esecífico ara cada tio de seções existentes, retanulares, quadradas e circulares. Para o modelo utilizado neste trabalho serão alicados os coeficientes de minoração das resistências roostos ela (NBR ). A seuir, serão mostradas as equações utilizadas aenas ara as seções circulares. O rocedimento de dimensionamento mostrado a seuir determina a resistência da liação K afastada, com barras de seções circulares carreadas axialmente, como mostra a fiura 5. t t N d d N M θ θ M t e N

5 Fiura 5 - Liação K com afastamento e banzo com seção tubular. Nos rocedimentos de dimensionamento aresentado or (Packer & Henderson 997) e (Rautarrukki 998) a liação deverá, rimeiramente, reseitar os arâmetros de conexão descritos abaixo: d, i, d di 5 t i (4) (5) d 5 (6) t onde t e t i são as esessuras do banzo e das diaonais resectivamente. Para o afastamento: t + t (7) Verificação quanto a lastificação do banzo: f y t N. Rk = (,8+, β) k k sen θ (8) sen θ N =. Rk N. Rk sen θ (9) Onde: d γ = t () m di i= β = m d () sendo m o valor corresondente ao número de barras secundárias. Se o banzo for tracionado: k =, () Se o banzo for comrimido: k =,,3 n + n, (3) onde: n N ( ) M. Sd. Sd = + (4) A f y W f y e,,,4 γ k = γ + (5),33 t + e

6 3- EXEMPLO NUMÉRICO Para um melhor entendimento do comortamento deste tio de liação, analisou-se um exemlo numérico de uma de liação tubular K afastada de seção circular, alicando-se seis situações de carreamento e verificando-se a liação quanto à resistência a lastificação da face do banzo através de rocedimentos roostos or esecificações existentes. Os resultados fornecidos or estas esecificações foram confrontados com as resostas de uma modelaem tridimensional utilizando o rorama ANSYS 5.6 como ferramenta comutacional. 3.- Solução Analítica As características físicas e eométricas da liação são: Tubo VMB 35cor: fy = 35 MPa Banzo: 9, x,3 mm Diaonais: 68,3 x 5, mm θ = 5 o θ = 5 o = 5 mm N N θ θ +e N Fiura 6 Liação K adotada. As solicitações de cálculo foram divididas em seis casos de carreamento conforme aresentados na tabela I. Tabela I: Casos de carreamentos alicados. Casos Força Axial N Força Axial N Força Axial N (kn) (kn) (kn) 764, , , , , , Como as diaonais são simétricas, as avaliações a serem realizadas tomarão como base a resistência obtida ara a diaonal, de acordo com a equação 8, obtém-se o valor da resistência nominal.

7 Entretanto, como as solicitações são valores de cálculo, será alicado o coeficiente de minoração da resistência, determinando-se assim a resistência de cálculo: f y t N. Rk = (,8+, β) k k N. Rd = φ N. Rk (6) senθ sendo φ=,9. Os resultados obtidos ara os seis casos de carreamentos de acordo com as esecificações roostas or (Packer & Henderson 997) estão disostos na tabela II: Tabela II: Porcentaem de aroveitamento da liação Casos Solicitações N Resistência φ. N,Rk Aroveitamento (kn) (kn) (%) 4 75,3 55, , 63, ,55 7, ,63 8, ,34 89, ,69 99,3 3.- Modelaem Numérica O modelo idealizado é comosto or três tubos metálicos de seção circular, com as mesmas características adotadas ara a solução analítica, conforme fiura 7. Considerando o modelo como uma estrutura tridimensional, utilizou-se o elemento SOLID45 do rorama comutacional ANSYS, onde os tubos foram considerados com a sua esessura real. Para reduzir memória e temo de rocessamento, or se tratar de uma eometria simétrica toda liação foi erada ela sua metade, ou seja, lonitudinalmente os tubos foram erados com meia circunferência. Ao analisar a distribuição de tensões, utilizam-se condições de contorno comatíveis nas suerfícies de simetria. σ Dia. σ Dia. σ Banzo Fiura 7 Esquema da vinculação e carreamento do modelo adotado. As solicitações de cálculo foram divididas em seis casos de carreamento e alicadas no modelo sob forma de tensões, conforme valores aresentados na tabela III. Tabela III: Casos de tensões alicadas. Casos σ Banzo (N/mm ) σ Dia. (N/mm ) σ Dia. (N/mm )

8 3,5 5,5 5,5,56 7,45 7,45 3 3,7 89,39 89,39 4 4,58 8,33 8,33 5 5,9 7,7 7,7 6 6,59 46, 46, A fiura 8 mostra o desenvolvimento das tensões rinciais em toda a extensão da liação, obtidos no modelo simulado no ANSYS. Analisando a fiura, observa-se que os valores máximos de tensão ocorreram na reião de encontro das diaonais, estando desta forma em concordância com o estado limite crítico que overna este tio de liação, ou seja, o colaso or lastificação da arede do banzo. No que se refere aos casos envolvidos neste estudo, é aresentado aenas a distribuição de tensão ara um dos casos, ois esta distribuição difere aenas na intensidade das tensões. O caso 5 foi escolhido ara ser mostrado elo fato de ter aresentado um aroveitamento melhor da caacidade resistente da liação. Fiura 8 Distribuição das tensões rinciais no modelo ara o caso 5. Os valores críticos das tensões são equivalentes aos esforços solicitantes da liação fornecidos ela modelaem numérica do ANSYS. Esses valores foram comarados com as resistências de cálculo das liações, visto que ara o roblema analisado a resistência nominal trata-se do rório escoamento do aço, ara os seis carreamentos. Tabela IV: Porcentaem de aroveitamento da liação Casos σ máx (N/mm ) φ. f y (N/mm ) Aroveitamento (%)

9 94,8 35 6,85 9, , , , , ,9 5 93, , 6 37,88 35, Análise dos Resultados Avaliou-se como resultado as tensões rinciais obtidas, que or sua vez foram comaradas com a tensão de escoamento do aço utilizada na solução analítica, assumindo-se tal tensão como a resistência de cálculo do modelo. Portanto, ara a análise dos resultados obtidos neste estudo analisou-se os valores dos aroveitamentos da solução analítica e da modelaem numérica, através da tabela V e da fiura 9. Tabela V: Resultados dos aroveitamentos obtidos neste estudo Casos Solução Analítica Modelaem Numérica (%) (%) 55,9 6,85 63,9 69,66 3 7, 77,47 4 8,8 85,9 5 89,77 93, 6 99,3,9 Aroveitamento da Liação (%) Solução Analítica Modelaem Numérica Número de Casos

10 Fiura 9 Gráfico comarativo dos aroveitamentos Pode-se observar através do ráfico da fiura 9 que ara carreamentos menores a solução analítica aresenta resultados mais conservadores ara a resistência da liação quando comarado com a modelaem numérica. Em virtude do aumento da intensidade dos carreamentos, o rau de aroveitamento da liação fornecido ela solução analítica aroxima-se da resosta fornecida ela modelaem numérica. Ao asso que ara a solicitação máxima ermitida, o rau de aroveitamento foi raticamente equivalente. 5- CONSIDERAÇÕES FINAIS Este estudo avaliou as esecificações existentes, utilizadas ara o cálculo de liações de treliça do tio K com barras afastadas, visando o entendimento destas liações ara ossibilitar a execução de rojetos otimizados. A roosta de verificação do comortamento lobal da liação foi viabilizada através de uma análise comarativa entre uma solução analítica e uma modelaem numérica via ANSYS que ossibilitou uma análise satisfatória do estudo roosto. A avaliação do rau de seurança fornecido elas esecificações existentes, reresentadas elas soluções analíticas confrontadas com uma modelaem numérica ôde confirmar uma boa reresentação das equações no âmbito da sua marem de seurança, reresentada neste trabalho elo rau de aroveitamento da liação. Sobretudo, foi ossível arantir um bom aroveitamento da caacidade resistente da liação como se ode observar na marem de seurança atinida ela solução analítica, cujo seu comortamento rocedeu-se coerentemente com a tensão de escoamento, reresentada ela modelaem numérica. No entanto, ode-se asseurar que o rau de seurança fornecido ela solução analítica é atendido desde que não esteja com um rau de aroveitamento elevado, como é observado no sexto caso. Em virtude do enfoque deste estudo não ser o alcance do colaso da liação, este estáio não foi atinido, tal fato justifica a escolha da intensidade de carreamento alicada no sexto caso que teve como solicitação de cálculo um valor róximo da resistência máxima ermitida elas esecificações. Novos estudos referentes às liações K (afastadas, normais e sobreostas) estão sendo realizados com o intuito de comletar esta análise. 5- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS American Institute of Steel Construction AISC, 997, Hollow Structural Sections, Connections Manual. ANSYS Users Manual, Auust, 995, Volume I - Procedures, Volume II - Commands, Volume III - Elements e Volume IV - Theory. Ansys Revision 5.. ARAÚJO, A.H.M., REQUENA, J.A.V., MINCHILLO, D.G.V., THOMAZ, S.A.M.,, Projeto, Fabricação e Montaem de Estruturas Metálicas Tubulares com Seção Circular, Revista Construção Metálica ABCEM, n.53, Mar/Abr. Pás: 9-35.

11 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT, 986, Projeto e execução de estruturas de aço de edifícios, NBR 88, Rio de Janeiro. Euroean Committee for Standardisation, 99, Eurocode 3: Desin of steel structures: ENV : General rules and rules for buildins. MCGUIRE, W., 968, Steel Structures. London: Prentice-Hall International, Inc.. PACKER, J.A. & HENDERSON, J.E., nd. Edition, 997, Hollow structural section connections and trusses: a desin uide, Canadian Institute of Steel Construction, Toronto. RAUTARUUKKI OYJ, H.V., 998, Desin Handbook for Rautaruukki Structural Hollow Sections. Hämeenlinna.

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Engenharia Civil Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Gisele S. Novo Possato Engenheira, M.Sc., Doutoranda, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO CAPÍTULO 3 - RETFCAÇÃO A maioria dos circuitos eletrônicos recisa de uma tensão cc ara oder trabalhar adequadamente Como a tensão da linha é alternada, a rimeira coisa a ser feita em qualquer equiamento

Leia mais

26/05/2010. Ricardo Hallal Fakury Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) João Alberto Venegas Requena Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

26/05/2010. Ricardo Hallal Fakury Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) João Alberto Venegas Requena Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) 26/05/2010 1. BREVE HISTÓRICO 2. ESCOPO 3. TAMANHO E FORMATO 4. DIMENSIONAMENTO DE BARRAS TRACIONADAS 5. DIMENSIONAMENTO DE BARRAS COMPRIMIDAS 6. ANÁLISE ESTRUTURAL DE TRELIÇAS 7. LIGAÇÕES METÁLICAS 8.

Leia mais

ROTINA COMPUTACIONAL PARA A PREVISÃO DA CAPACIDADE DE CARGA EM ESTACAS

ROTINA COMPUTACIONAL PARA A PREVISÃO DA CAPACIDADE DE CARGA EM ESTACAS 38 ROTINA COMPUTACIONA PARA A PREVISÃO DA CAPACIDADE DE CARGA EM ESTACAS Comutational routine to rovision of the caacity of load in iles. Tobias Ribeiro Ferreira 1, Rodrigo Gustavo Delalibera 2, Wellington

Leia mais

João Alberto Venegas Requena Ana Laura Essado de Figueiredo e Santos

João Alberto Venegas Requena Ana Laura Essado de Figueiredo e Santos João Alberto Venegas Requena Ana Laura Essado de Figueiredo e Santos COLEÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA V&M DO BRASIL DIMENSIONAMENTO DE LIGAÇÕES EM BARRAS 1TUBULARES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PLANAS 1 Edição Campinas

Leia mais

A FUTURA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS DE AÇO E CONCRETO COM PERFIS TUBULARES

A FUTURA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS DE AÇO E CONCRETO COM PERFIS TUBULARES CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro 21 A FUTURA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS DE AÇO E CONCRETO

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE LIGAÇÕES TUBULARES T

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE LIGAÇÕES TUBULARES T ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE LIGAÇÕES TUBULARES T Nunes, G. V. a, Freitas, A. M.S. a, Araujo, A. H. M c Requena, J. A. V c. and Lima, L.R.O d a PROPEC, Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS LIGAÇÕES K NO DIMENSIONAMENTO DAS ESTRUTURAS DE AÇO TUBULARES CIRCULARES TRELIÇADAS

INFLUÊNCIA DAS LIGAÇÕES K NO DIMENSIONAMENTO DAS ESTRUTURAS DE AÇO TUBULARES CIRCULARES TRELIÇADAS INFLUÊNCIA DAS LIGAÇÕES K NO DIMENSIONAMENTO DAS ESTRUTURAS DE AÇO TUBULARES CIRCULARES TRELIÇADAS Bárbara Daniela Giorgini Sepúlveda, M.Sc. João Alberto Venegas Requena, Ph.D. barbgiorgini@yahoo.com.br

Leia mais

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem)

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem) Para melhor aroveitamento das informações roduzidas or diferentes sensores, alguns métodos de rocessamento de imagens têm sido roostos. Estes métodos combinam imagens de diferentes características esectrais

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DOS MATERIAIS QUE CONSTITUEM ESTRUTURAS SANDWICH COM NÚCLEO DE ESPUMA METÁLICA

CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DOS MATERIAIS QUE CONSTITUEM ESTRUTURAS SANDWICH COM NÚCLEO DE ESPUMA METÁLICA Revista Iberoamericana de Ingeniería Mecánica. Vol. 7, N.º,. 5-7, 0 CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DOS MATERIAIS QUE CONSTITUEM ESTRUTURAS SANDWICH COM NÚCLEO DE ESPUMA METÁLICA HELDER MATA, RENATO NATAL JORGE,

Leia mais

1. Introdução 2. OMCC e a Pesquisa Perfil-Opinião

1. Introdução 2. OMCC e a Pesquisa Perfil-Opinião Perfil Socioeconômico e Cultural dos Visitantes dos Museus Fluminenses e Paulistas: Uma Análise Comarativa. Camila Pereira Koehler (ENCE); José Matias de Lima (ENCE); Leandro Lins Marino (Fundação Cesgranrio)

Leia mais

ESTUDO EM TÚNEL DE VENTO DA COBERTURA DO ESTÁDIO DO GAMA - BRASÍLIA

ESTUDO EM TÚNEL DE VENTO DA COBERTURA DO ESTÁDIO DO GAMA - BRASÍLIA ESTUDO EM TÚNEL DE VENTO DA COBERTURA DO ESTÁDIO DO GAMA - BRASÍLIA Acir Mércio Loredo-Souza, Mario Gustavo Klaus Oliveira, Gustavo Javier Zani Núñez, Daniel de Souza Machado, Elvis Antônio Careggiani,

Leia mais

AUTOMAÇÃO DO PROJETO DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS CONSTITUÍDAS DE BARRAS TUBULARES (1)

AUTOMAÇÃO DO PROJETO DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS CONSTITUÍDAS DE BARRAS TUBULARES (1) AUTOMAÇÃO DO PROJETO DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS CONSTITUÍDAS DE BARRAS TUBULARES (1) AUTOMATION OF THE DESIGN OF STEEL PLANE TRUSSES CONSTITUTED OF CIRCULAR HOLLOW SECTIONS MEMBERS João Alberto Venegas

Leia mais

Estudo do Comportamento de Estruturas Grampeadas Utilizando Modelos Reduzidos Conceitos Teóricos para Garantia da Similitude Modelo - Protótipo

Estudo do Comportamento de Estruturas Grampeadas Utilizando Modelos Reduzidos Conceitos Teóricos para Garantia da Similitude Modelo - Protótipo Estudo do omortamento de Estruturas Grameadas Utilizando Modelos Reduzidos onceitos Teóricos a Garantia da Similitude Modelo - Protótio Eduardo Dell Avanzi Detamento de onstrução ivil, Universidade Federal

Leia mais

Fluxo de Potência em Redes de Distribuição Radiais

Fluxo de Potência em Redes de Distribuição Radiais COE/UFRJ rograma de Engenharia Elétrica COE 751 Análise de Redes Elétricas Fluxo de otência em Redes de Distribuição Radiais 1.1 Formulação do roblema Os métodos convencionais de cálculo de fluxo de otência

Leia mais

ANÁLISE TEÓRICA-EXPERIMENTAL DE LIGAÇÕES TIPO T, K E KT COM PERFIS METÁLICOS TUBULARES.

ANÁLISE TEÓRICA-EXPERIMENTAL DE LIGAÇÕES TIPO T, K E KT COM PERFIS METÁLICOS TUBULARES. UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL ANÁLISE TEÓRICA-EXPERIMENTAL DE LIGAÇÕES TIPO T, K E KT COM PERFIS METÁLICOS

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES Sylio Luiz Andreozzi 1 Fláia Aarecida Vieira de Araújo 2 Introdução As uniersidades úblicas brasileiras determinam

Leia mais

X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L

X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L Engenheiro Civil Graduado pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Mestrando em Engenharia de Estruturas

Leia mais

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso MARCELO RIBEIRO DA LUZ MARCOS KUFNER Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho aresentado ara a discilina de Laboratório de Estatística II do curso de graduação em Estatística da Universidade

Leia mais

ES-013. Exemplo de um Projeto Completo de um Edifício de Concreto Armado

ES-013. Exemplo de um Projeto Completo de um Edifício de Concreto Armado ES-013 Eemlo de um Projeto Comleto de um Edifício de Concreto Armado São Paulo agosto - 001 Lajes de Concreto Armado.1 Lajes Maciças de Concreto Armado.1.1 Introdução Lajes são elementos estruturais bidimensionais

Leia mais

ROGÉRIO S. COSTA, RODRIGO S. TEIXEIRA, DARIZON A. DE ANDRADE, AUGUSTO A. FLEURY

ROGÉRIO S. COSTA, RODRIGO S. TEIXEIRA, DARIZON A. DE ANDRADE, AUGUSTO A. FLEURY MOTOR A RELUTÂNCIA CHAVEADO MONOFÁSICO ROGÉRIO S COSTA, RODRIGO S TEIXEIRA, DARIZON A DE ANDRADE, AUGUSTO A FLEURY Laboratório de Acionamentos Elétricos, Deartamento de Engenharia Elétrica, Universidade

Leia mais

O COMPORTAMENTO DE UM SISTEMA DE ATERRAMENTO DE UMA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA FRENTE À SITUAÇÃO DE FALTA DE ALTA IMPEDÂNCIA

O COMPORTAMENTO DE UM SISTEMA DE ATERRAMENTO DE UMA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA FRENTE À SITUAÇÃO DE FALTA DE ALTA IMPEDÂNCIA O COMPORTAMENTO DE UM SISTEMA DE ATERRAMENTO DE UMA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA FRENTE À SITUAÇÃO DE FALTA DE ALTA IMPEDÂNCIA MARCOS A. R. GAMITO, MÁRIO OLESKOVICZ Escola de Engenharia de São Carlos, USP Av.

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO A 0) Considere as seguintes roosições referentes a um gás erfeito. I. Na transformação isotérmica, o roduto. é roorcional à temeratura do gás. II. Na

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE PROJETO ESTRUTURAL DE COBERTURAS EM AÇO

AUTOMAÇÃO DE PROJETO ESTRUTURAL DE COBERTURAS EM AÇO AUTOMAÇÃO DE PROJETO ESTRUTURAL DE COBERTURAS EM AÇO Tiago L. D. Forti Gustavo C. Longhin forti@simworx.com.br longhin@simworx.com.br SimWorx Eng. Pesq. Desenv., R. Hermínio Humberto Bertani, 597, 13092-340,

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE PISTÃOFONES. ANALISE COMPARATIVA ENTRE O MÉTODO DE APLICAÇÃO DE TENSÃO E O MÉTODO DE COMPARAÇÃO

CALIBRAÇÃO DE PISTÃOFONES. ANALISE COMPARATIVA ENTRE O MÉTODO DE APLICAÇÃO DE TENSÃO E O MÉTODO DE COMPARAÇÃO CALIBRAÇÃO DE PISTÃOFONES. ANALISE COMPARATIVA ENTRE O MÉTODO DE APLICAÇÃO DE TENSÃO E O MÉTODO DE COMPARAÇÃO REFERÊNCIA PACK: 43.58.VB Antunes, Sónia Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. Brasil,101

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL

UNIVERSIDADE DE ÉVORA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL UNIVERSIDDE DE ÉVOR DEPRTMENTO DE ENGENHRI RURL HIDRÁULIC GERL PONTMENTOS DS ULS TEÓRICS ENGENHRI GRÍCOL ENGENHRI BIOFÍSIC ENGENHRI GEOLÓGIC Maria Madalena V. Moreira Vasconcelos Évora, 004 Caítulo 1 FORÇS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SIMULADOR DE MOVIMENTOS VERTICAIS COM ATUAÇÃO PNEUMÁTICA

DESENVOLVIMENTO DE UM SIMULADOR DE MOVIMENTOS VERTICAIS COM ATUAÇÃO PNEUMÁTICA DEM - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM SIMULADOR DE MOVIMENTOS VERTICAIS COM ATUAÇÃO PNEUMÁTICA Allan Nogueira de Albuquerque 1, Marco Antonio Meggiolaro 2. 1 Aluno de Graduação

Leia mais

Análise Elasto-Plástica de Estruturas Reticuladas

Análise Elasto-Plástica de Estruturas Reticuladas R.. Natal Jorge nálise Elasto-Plástica de Estruturas Reticuladas eartamento de Engenharia ecânica e Gestão Industrial Faculdade de Engenharia Universidade do Porto (/) nálise Elasto-Plástica de Estruturas

Leia mais

ESTUDO DE LIGAÇÕES PINADAS COM CHAPA DE TOPO PARA APLICAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS TUBULARES MULTIPLANARES

ESTUDO DE LIGAÇÕES PINADAS COM CHAPA DE TOPO PARA APLICAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS TUBULARES MULTIPLANARES CATHERINE SOUTO COSTA COELHO DA SILVA ESTUDO DE LIGAÇÕES PINADAS COM CHAPA DE TOPO PARA APLICAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS TUBULARES MULTIPLANARES CAMPINAS 2014 i ii UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

Uma análise aplicada de decisão com opção de venda utilizando cadeias de Markov

Uma análise aplicada de decisão com opção de venda utilizando cadeias de Markov UMA ANÁLISE APLICADA DE DECISÃO COM OPÇÃO DE VENDA UTILIZANDO CADEIAS DE MARKOV JOSÉ CÉSAR CRUZ JÚNIOR; RICARDO MENDONÇA FONSECA; LUIZ FERNANDO OHARA KAMOGAWA; ESALQ/USP PIRACICABA - SP - BRASIL cesarcruzjr@hotmail.com

Leia mais

VIBRAÇÕES EM PISOS DE ESTRUTURAS DE AÇO DEVIDO À ATIVIDADE HUMANA

VIBRAÇÕES EM PISOS DE ESTRUTURAS DE AÇO DEVIDO À ATIVIDADE HUMANA VIBRAÇÕES EM PISOS DE ESTRUTURAS DE AÇO DEVIDO À ATIVIDADE HUMANA Mateus Zimmer Dietrich Felipe Barbosa Teixeira Profa. Dra. Adenilcia Fernanda Grobério Calenzani Prof. Dr. Walnório Graça Ferreira mateuszimmerdietrich@mail.com

Leia mais

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA)

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA) Modelo uzzy de tomada de decisão ara avaliação de rojetos de Resonsabilidade Socioambiental (RSA) Katia Cristina Garcia Laboratório Interdiscilinar de Meio Ambiente - COPPE/URJ Centro de Tecnologia, Bloco

Leia mais

XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Fase Final (6 de novembro de 2010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental)

XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Fase Final (6 de novembro de 2010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) V OLMPÍD PULST D MTMÁTC Prova da Fase Final (6 de novembro de Nível α (6 o e 7 o anos do nsino Fundamental wwwommatbr Folha de Perguntas nstruções: duração da rova é de hmin O temo mínimo de ermanência

Leia mais

Elasticidade - Demanda e Preço

Elasticidade - Demanda e Preço José Lásaro Cotta Elasticidade - Demanda e Preço Monografia aresentada ao Curso de Esecialização em Matemática Para Professores, elaborado elo Deartamento de Matemática da Universidade Federal de Minas

Leia mais

Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista

Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista Caítulo 7 O Modelo de Crescimento Harrod-Domar e seus desdobramentos. 7.1 Introdução. A abordagem ós-keynesiana ara o crescimento e distribuição de renda tem sua origem com as contribuições seminais de

Leia mais

3. HIDROSTÁTICA. 3.1. Lei Hidrostática de Pressões. df p = (3.1) da. pda

3. HIDROSTÁTICA. 3.1. Lei Hidrostática de Pressões. df p = (3.1) da. pda 3. HIDROSTÁTIC 3.1. Lei Hidrostática de Pressões There are no shear stresses in fluids at rest; hence only normal ressure forces are resent. Therefore the ressure at any oint in a fluid at rest is the

Leia mais

CAPITULO VI. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n

CAPITULO VI. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n CAPITULO VI LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n. Generalidades O conceito geral de função e outros associados foram já estudados quando se tratou da teoria dos conjuntos. Foi igualmente estudado com

Leia mais

ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE PLACAS DE BASE DE COLUNAS METÁLICAS TUBULARES

ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE PLACAS DE BASE DE COLUNAS METÁLICAS TUBULARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL MESTRADO EM CONSTRUÇÕES METÁLICAS ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE PLACAS DE BASE DE COLUNAS METÁLICAS TUBULARES GISELE

Leia mais

Cálculo de uma viga de ponte rolante pré-fabricada protendida

Cálculo de uma viga de ponte rolante pré-fabricada protendida UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SETOR DE ESTRUTURAS Cálculo de uma viga de onte rolante ré-fabricada rotendida CIV 457 Concreto Protendido Trabalho Final Professor Gustavo

Leia mais

Alocação de Bancos de Capacitores e Reguladores de Tensão em Redes de Distribuição

Alocação de Bancos de Capacitores e Reguladores de Tensão em Redes de Distribuição 1 Alocação de Bancos de Caacitores e Reguladores de Tensão em Redes de Distribuição N. Kagan, Ph.D. C. C. B. de Olieira, Ph.D. A. Méffe, M.Sc. Abstract This aer resents methods for the allocation of acitor

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE PROJETO E FABRICAÇÃO DE LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE PROJETO E FABRICAÇÃO DE LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL CONSIDERAÇÕES SOBRE PROJETO E FABRICAÇÃO DE LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS NATALIA

Leia mais

Resoluções dos exercícios do capítulo 4. Livro professor Brunetti

Resoluções dos exercícios do capítulo 4. Livro professor Brunetti Resoluções dos exercícios do caítulo 4 Liro rofessor Brunetti 4. Determinar a elocidade do jato do líquido no orifício do tanque de grandes dimensões da figura. Considerar fluido ideal Resolução do 4.

Leia mais

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Eacta ISSN: 1678-548 eacta@uninove.r Universidade Nove de Julho Brasil Magela Barosa, Geraldo Processo de doramento de chaas metálicas Eacta, vol. 7, núm. 1, enero-marzo, 009,. 109-10 Universidade Nove

Leia mais

3) Da figura temos: 4) a altura total (h ) do vértice da cúpula até o piso é dada por: 5) Mas f > h e, portanto:

3) Da figura temos: 4) a altura total (h ) do vértice da cúpula até o piso é dada por: 5) Mas f > h e, portanto: Lista de Exercícios de Física II Eselhos Eséricos Pro: Tadeu Turma: Ano do Ensino Médio Data: 08/06/009 ) (ITA) Um objeto linear de altura h está assentado erendicularmente no eixo rincial de um eselho

Leia mais

ESTUDO DE LIGAÇÕES PINADAS COM CHAPA DE TOPO PARA APLICAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS TUBULARES PLANAS

ESTUDO DE LIGAÇÕES PINADAS COM CHAPA DE TOPO PARA APLICAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS TUBULARES PLANAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO ESTUDO DE LIGAÇÕES PINADAS COM CHAPA DE TOPO PARA APLICAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS TUBULARES PLANAS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE ESTADUAL AULISTA UNES - Camus de Bauru/S FACULDADE DE ENGENHARIA Deartamento de Engenharia Civil Discilina: 2139 - CONCRETO ROTENDIDO NOTAS DE AULA CONCRETO ROTENDIDO rof. Dr. AULO SÉRGIO

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O MÉTODO DAS TENSÕES ADMISSÍVEIS E O MÉTODO DOS ESTADOS LIMITES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS DE PERFIS TUBULARES

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O MÉTODO DAS TENSÕES ADMISSÍVEIS E O MÉTODO DOS ESTADOS LIMITES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS TRELIÇADAS DE PERFIS TUBULARES Proceedings of the XXVI Iberian Latin-American Congress on Computational Methods in Engineering CILAMCE 2005 Brazilian Assoc. for Comp. Mechanics (ABMEC) & Latin American Assoc. of Comp. Methods in Engineering

Leia mais

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão 7631 2º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Introdução O desemenho de aviões e de motores atmosféricos deende da combinação de temeratura, ressão e densidade do ar circundandante. O movimento

Leia mais

Estudo de correlação entre ensaios penetrométricos estáticos e dinâmicos

Estudo de correlação entre ensaios penetrométricos estáticos e dinâmicos Estudo de correlação entre ensaios enetrométricos estáticos e dinâmicos Jeselay Hemetério Cordeiro dos Reis Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Brasil, E-mail: jeselay@hotmail.com Pedro Paulo Michelan

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA 8º CONGRESSO IEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, a de Outubro de 7 DESENOLIMENTO DO CONCEITO DE MOTOR SORE-EXPANDIDO análise teórica, numérica e exerimental Martins, J J.G *, Ribeiro, S *, * Deartamento

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Deto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 O. Unit. de Quantidade de Movimento CENTRIFUGAÇÃO Esta oeração unitária tem or objetivo searar

Leia mais

APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DA QUALIDADE: MONITORAMENTO DE GARRAFEIRAS PLÁSTICAS NUMA EMPRESA DO ESTADO DA PARAÍBA

APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DA QUALIDADE: MONITORAMENTO DE GARRAFEIRAS PLÁSTICAS NUMA EMPRESA DO ESTADO DA PARAÍBA APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DA QUALIDADE: MONITORAMENTO DE GARRAFEIRAS PLÁSTICAS NUMA EMPRESA DO ESTADO DA PARAÍBA Marcio Botelho da Fonseca Lima (UFPB) tismalu@uol.com.br ROBERTA DE

Leia mais

Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal para escoamento supersônico e hipersônico de ar sobre cones

Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal para escoamento supersônico e hipersônico de ar sobre cones Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal ara escoamento suersônico e hiersônico de ar sobre cones Guilherme Bertoldo Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) 85601-970, Francisco

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA SIMULAÇÃO DE SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Agis Esártaco

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA MODELAMENTO DE INDUTORES PASSIVOS EM TECNOLOGIA CMOS

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA MODELAMENTO DE INDUTORES PASSIVOS EM TECNOLOGIA CMOS COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA MODELAMENTO DE INDUTORES PASSIVOS EM TECNOLOGIA CMOS Angélica dos Anjos, João Navarro S. Jr. e Luiz Carlos Moreira Laboratório de Sistemas Integráveis Deartamento de Engenharia

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TERÇAS DE AÇO CONVENCIONAIS EM VIGAS, EM TRELIÇAS PLANAS E EM TRELIÇAS MULTIPLANARES

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TERÇAS DE AÇO CONVENCIONAIS EM VIGAS, EM TRELIÇAS PLANAS E EM TRELIÇAS MULTIPLANARES ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TERÇAS DE AÇO CONVENCIONAIS EM VIGAS, EM TRELIÇAS PLANAS E EM TRELIÇAS MULTIPLANARES Rodrigo Cuberos Vieira Prof. Dr. João Alberto Venegas Requena rocv@hotmail.com requena@fec.unicamp.br

Leia mais

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009 INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA Reginaldo J. Santos Deartamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais htt://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005 última atualização em 10 de abril de

Leia mais

Sistemas de Ar Comprimido

Sistemas de Ar Comprimido Meta Aresentar a utilização adequada dos sistemas de ar comrimido como fator contribuinte à eficiência energética. Objetivos Entender a história do uso do ar comrimido; Identificar algumas instalações

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

PROJETO MECATRÔNICO DE MANIPULADORES PARA TRANSFERÊNCIA DE CARGA EM OPERAÇÕES OFFSHORE

PROJETO MECATRÔNICO DE MANIPULADORES PARA TRANSFERÊNCIA DE CARGA EM OPERAÇÕES OFFSHORE VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Camina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Camina Grande Paraíba Brazil PROJETO

Leia mais

13. MEDIÇÃO DE VAZÃO. 1. Introdução. 2. Aferição e Padrões

13. MEDIÇÃO DE VAZÃO. 1. Introdução. 2. Aferição e Padrões 3. MEDIÇÃO DE VZÃO. Introdução Vazão é uma das grandezas mais utilizadas na indústria. s alicações são inúmeras, indo desde de medição de vazão de água em estações de tratamento e residências, até medição

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UMA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UM PONTO DE MUDANÇA E SUA UTILIZAÇÃO NA IDENTIFICAÇÃO DE MUDANÇAS NA TAXA DE CRIMINALIDADE EM BELO HORIZONTE

AVALIAÇÃO DE UMA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UM PONTO DE MUDANÇA E SUA UTILIZAÇÃO NA IDENTIFICAÇÃO DE MUDANÇAS NA TAXA DE CRIMINALIDADE EM BELO HORIZONTE versão imressa ISSN -7438 / versão online ISSN 678-542 AVALIAÇÃO DE UMA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UM PONTO DE MUDANÇA E SUA UTILIZAÇÃO NA IDENTIFICAÇÃO DE MUDANÇAS NA TAXA DE CRIMINALIDADE EM BELO HORIZONTE

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

Física B Semiextensivo V. 1

Física B Semiextensivo V. 1 Física Semiextensivo V. Exercícios 0) D luz é uma onda eletromagnética, ois se roaga em todos os meios, inclusive no vácuo. 0) x V. t x 3. 0 8. 3.. 0 7 x 9,6. 0 5 m 03) C I. Falsa. É transarente. II. Falsa.

Leia mais

Simulação do Processo de Hidroconformação de Tubos

Simulação do Processo de Hidroconformação de Tubos Simulação do Processo de Hidroconformação de Tubos Roberto Bortolussi Faculdade de Engenharia Industrial - Deartamento de Mecânica Av. Humberto de Alencar Castelo Branco, 3972 - São Bernardo do Camo -

Leia mais

A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008

A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008 A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008 EM 2001,, UM GRUPO DE TRABALHO, FORMADO POR PESQUISADORES DE UNIVERSIDADES BRASILEIRAS E POR PROFISSIONAIS RECONHECIDOS, SOB

Leia mais

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9 Ésófatorar... Serámesmo? Neste equeno artigo resolveremos o roblema 2 da USAMO (USA Mathematical Olymiad) 2005: Problema. Prove que o sistema x 6 + x + x y + y = 147 157 x + x y + y 2 + y + z 9 = 157 147

Leia mais

Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER

Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER Revisão e Dicas de Projeto Conceitual Modelo ER Modelo definido or Peter Chen em 1976 modelo sofreu diversas extensões e notações ao longo do temo Padrão ara modelagem conceitual de BD modelo simles oucos

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

Detecção Remota. Miguel Baio, João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura

Detecção Remota. Miguel Baio, João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Detecção Remota Miguel Baio, João Matos Deartamento de Engenharia Civil e Arquitectura (Versão 2.0) 11 de Abril de 2007 Motivação Detecção remota como forma de aquisição sistemática de informação geográfica,

Leia mais

Geometria Plana. Exercı cios Objetivos. (a) 2. (b) 1. (c) 2. Dado: 11 3, 32

Geometria Plana. Exercı cios Objetivos. (a) 2. (b) 1. (c) 2. Dado: 11 3, 32 Exercı cios Objetivos 1. (009/1) Paulo e Marta esta o brincando de jogar dardos. O alvo e um disco circular de centro O. Paulo joga um dardo, que atinge o alvo num onto, que vamos denotar or P; em seguida,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOLUÇÕES DE COBERTURAS METÁLICAS DE GRANDES VÃOS EM PERFIS TUBULARES. Fernando Louchard Araujo Bica Pedreira

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOLUÇÕES DE COBERTURAS METÁLICAS DE GRANDES VÃOS EM PERFIS TUBULARES. Fernando Louchard Araujo Bica Pedreira ANÁLISE COMPARATIVA DE SOLUÇÕES DE COBERTURAS METÁLICAS DE GRANDES VÃOS EM PERFIS TUBULARES Fernando Louchard Araujo Bica Pedreira PROJETO DE GRADUAÇÃO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO CURSO DE ENGENHARIA

Leia mais

Apoio à Decisão em Problemas de Programação Inteira e Inteira-mista Multiobjectivo: Contribuições Metodológicas

Apoio à Decisão em Problemas de Programação Inteira e Inteira-mista Multiobjectivo: Contribuições Metodológicas FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Aoio à Decisão em Problemas de Programação Inteira e Inteira-mista Multiobjectivo: Contribuições Metodológicas Maria João Teixeira Gomes Alves Dissertação

Leia mais

3)Seno de alguns arcos importantes

3)Seno de alguns arcos importantes Aula 4-A -Funções trigonométricas no ciclo trigonométrico ) Função seno (definição) )Gráfico da função seno )Seno de alguns arcos imortantes 4) Equações e inequações 5) Resolução de exercícios ) Função

Leia mais

DIMENSIONAMENTO AUTOMATIZADO DE LIGAÇÕES VIGA-PILAR

DIMENSIONAMENTO AUTOMATIZADO DE LIGAÇÕES VIGA-PILAR Tema: Ligações Projeto e Elementos de fixação DIMENSIONAMENTO AUTOMATIZADO DE LIGAÇÕES VIGA-PILAR Gustavo Henrique Ferreira Cavalcante¹ José Denis Gomes Lima da Silva² Luciano Barbosa dos Santos³ Resumo

Leia mais

Engenharia Civil. Comportamento de sistemas de armazenagem industrial do tipo Drive-in. Abstract. Resumo

Engenharia Civil. Comportamento de sistemas de armazenagem industrial do tipo Drive-in. Abstract. Resumo Arlene Maria Sarmanho Freitas et al. Engenharia Civil Comportamento de sistemas de armazenagem industrial do tipo Drive-in Arlene Maria Sarmanho Freitas D. Sc., Professora, Departamento de Engenharia Civil,

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory. [In Press, Corrected Proof]

Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory. [In Press, Corrected Proof] B T P S Brazilian Transortation Planning Society Journal of Transort Literature Vol. x, n. x,. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory [In Press, Corrected Proof] JTL RELIT www.transort-literature.org ISSN

Leia mais

Resistência. dos Materiais II

Resistência. dos Materiais II Resistência Prof. MSc Eng Halley Dias dos Materiais II Material elaborado pelo Prof. MSc Eng Halley Dias Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Aplicado ao Curso Técnico de

Leia mais

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti Segunda aula de mecânica dos fluidos básica Estática dos Fluidos caítulo 2 do livro do rofessor Franco Brunetti NO DESENVOLVIMENTO DESTA SEGUNDA AULA NÃO IREI ME REPORTAR DIRETAMENTE AO LIVRO MENCIONADO

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:28. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:28. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, rofessor titular de física teórica, Doutor em Física ela Universidade Ludwig Maximilian de Munique, Alemanha Universidade Federal da

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 125-158, Jan. 2014 Research Directory

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 125-158, Jan. 2014 Research Directory B T P S Brazilian Transortation Planning Society Journal of Transort Literature Vol. 8, n. 1,. 125-158, Jan. 2014 Research Directory JTL RELIT www.transort-literature.org ISSN 2238-1031 Sistema de aoio

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS A aresentação dos resultados advém dos factos observados durante a colheita de dados e do tratamento estatístico. O tratamento dos dados é efectuado através

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPEIO NÁUTICA INFANTE D. HENIQUE DEPATAMENTO DE ENGENHAIA MAÍTIMA INSTUMENTAÇÃO E CONTOLO APONTAMENTOS SOBE CONTOLADOES ANALÓGICOS Elementos coligidos or: Prof. Luís Filie Batista E.N.I.D.H. /3

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO ENSAIOS DE STUTTGART RERODUÇÃO EM LABORATÓRIO Andrea Corrêa Rocha (1); Maria das Graças Duarte Oliveira (1); aulo Sérgio Oliveira Resende (1); Alberto Vilela Chaer (2) (1) Acadêmicos de Engenharia Civil,

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DE LIGAÇÕES T EM PERFIS TUBULARES DE AÇO COM CONSIDERAÇÃO DAS TENSÕES RESIDUAIS

ANÁLISE NUMÉRICA DE LIGAÇÕES T EM PERFIS TUBULARES DE AÇO COM CONSIDERAÇÃO DAS TENSÕES RESIDUAIS www.asaee.org.br ANÁLISE NUMÉRICA DE LIGAÇÕES T EM PERFIS TUBULARES DE AÇO COM CONSIDERAÇÃO DAS TENSÕES RESIDUAIS NUMERICAL ANALYSIS OF HOLLOW SECTION T JOINTS WITH RESIDUAL STRESSES Arlene Maria Sarmanho

Leia mais

Protocolo Internacional Harmonizado para ensaios de proficiência de laboratórios analíticos (químicos)

Protocolo Internacional Harmonizado para ensaios de proficiência de laboratórios analíticos (químicos) Protocolo Internacional Harmonizado ara ensaios de roficiência de laboratórios analíticos (químicos) (Relatório Técnico IUPAC) Resumo: As organizações internacionais de normalização AOAC International,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA CURSO: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO PARALELA E DISTRIBUÍDA PROFESSOR: JONES OLIVEIRA ALUNO: JONAS FRANCISCO

Leia mais

RELATÓRIO DE CONSULTORIA

RELATÓRIO DE CONSULTORIA Recomendação ao Sr. Silva RELATÓRIO DE CONSULTORIA CONSTITUIÇÃO DO ÍNDICE PSI0 ALTRI SGPS, S.A. BCP Banco Comercial Português, S.A. BES Banco Esírito Santo, S.A. BPI Banco Português de Investimento, S.A.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS FACET WILHELM DOS SANTOS PAES

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS FACET WILHELM DOS SANTOS PAES UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS FACET WILHELM DOS SANTOS PAES CRIPTOGRAFIA EM BLOCOS: UM ENFOQUE EM SUA APLICAÇÃO NO ENSINO DE MATRIZES DISSERTAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇAO ESTRUTURAL DE PEÇAS DE TUBULAÇÃO TIPO Y, CONFORME O CÓDIGO ASME, SECTION VIII, DIVISION 2

AVALIAÇAO ESTRUTURAL DE PEÇAS DE TUBULAÇÃO TIPO Y, CONFORME O CÓDIGO ASME, SECTION VIII, DIVISION 2 V CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA V NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 25 a 28 de agosto de 2008 Salvador Bahia - Brasil August 25 28, 2008 - Salvador Bahia Brazil AVALIAÇAO ESTRUTURAL

Leia mais

ANÁLISE DE LIGAÇÕES DE PERFIS TUBULARES EM AÇO DO TIPO K E KT

ANÁLISE DE LIGAÇÕES DE PERFIS TUBULARES EM AÇO DO TIPO K E KT UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL ANÁLISE DE LIGAÇÕES DE PERFIS TUBULARES EM AÇO DO TIPO K E KT FABIANO OLIVEIRA

Leia mais

COMPORTAMENTO DINÂMICO DE SISTEMAS ELEVATÓRIOS

COMPORTAMENTO DINÂMICO DE SISTEMAS ELEVATÓRIOS COMORTAMENTO DINÂMICO DE SISTEMAS ELEVATÓRIOS JOÃO VITOR GONÇALVES MARTINS rojecto submetido ara satisfação arcial dos requisitos do grau de MESTRE EM ENGENHARIA CIVIL ESECIALIZAÇÃO EM HIDRÁULICA Orientador:

Leia mais

EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp. Tópico P2.7: Teoria de Jogos 3. EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp

EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp. Tópico P2.7: Teoria de Jogos 3. EA072 Prof. Fernando J. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp Teoria de Jogos ntrodução... Exemlo de jogos... 5. Pilha de alitos... 5. Jogo de sinuca (bilhar inglês ou snooker)... 5.3 Duelo... 6.4 Lançamento de novos rodutos no mercado... 6.5 Dilema do risioneiro...

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Camus de Ilha Solteira PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Análise da Relação entre o Faturamento do Consumo de Energia Elétrica e Demanda de Potência Ativa e Reativa Utilizando Hierbolóides

Leia mais

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3

Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 Análise numérica de fundações diretas de aerogeradores Carlos A. Menegazzo Araujo, Dr. 1, André Puel, Msc 2, Anderson Candemil 3 1 MENEGAZZO Projeto e Consultoria Ltda / carlos.menegazzo@gmail.com 2 IFSC

Leia mais