UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE ARTES - CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO ESTILISMO IANA COELHO VILELA SOUZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE ARTES - CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO ESTILISMO IANA COELHO VILELA SOUZA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE ARTES - CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO ESTILISMO IANA COELHO VILELA SOUZA MÍDIAS SOCIAIS: O USO DO BLOG COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA MARCAS DE MODA FLORIANÓPOLIS, SC 2010

2 IANA COELHO VILELA SOUZA MÍDIAS SOCIAIS: O USO DO BLOG COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA MARCAS DE MODA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Bacharelado em Moda Habilitação Estilismo do Centro de Artes da UDESC, como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Moda. Orientador: Eduardo Trauer FLORIANÓPOLIS, SC 2010

3 IANA COELHO VILELA SOUZA MÍDIAS SOCIAIS: O USO DO BLOG COMO VANTAGEM COMPETITIVA PARA MARCAS DE MODA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Bacharelado em Moda Habilitação Estilismo do Centro de Artes da UDESC, como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Moda. Banca Examinadora: Orientador: Professor Mestre Eduardo Trauer UDESC Membro: Professora Especialista Balbinete Silveira UDESC Membro: Professora Doutora Monique Vandresen UDESC Florianópolis, 10/12/2010

4 Dedico este trabalho a toda minha família, amigos e mentores que me incentivaram e acreditaram na minha capacidade, mesmo quando demonstrei não acreditar.

5 RESUMO SOUZA, Iana Coelho Vilela. Mídias sociais: o uso do blog como vantagem competitiva para marcas de moda f. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Moda Habilitação em Estilismo. Universidade do Estado de Santa Catarina. Este Trabalho de Conclusão de Curso pretende avaliar, através da realização de uma revisão bibliográfica, a viabilidade, vantagens e riscos da utilização do blog corporativo pelas empresas do ramo da moda. Para isso, durante o estudo foram revistos o desenvolvimento das teorias do marketing e da história da moda, buscando compreender e fundamentar as possibilidades de tomadas de decisão para as empresas no contexto transformado pelas mídias sociais. A Internet proporcionou formas de comunicação inovadoras, que permitem a colaboração em massa entre as pessoas e a livre expressão. Neste sentindo, as empresas despertam para a necessidade de marcar presença neste ambiente que agrega um grande número de membros com o objetivo de socializar-se. Dentro da diversidade de ferramentas disponíveis para esta interação, optou-se por voltar o estudo mais especificamente para o blog, objetivando identificar as vantagens para as marcas de moda em utilizá-lo de maneira estratégica para aproximação com o cliente e fortalecimento da marca. Palavras-chave: Blog. Blog corporativo. Marketing. Mídias sociais. Moda.

6 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Diferentes enfoques do marketing Quadro 2: O futuro do marketing... 47

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Variáveis controláveis e incontroláveis do marketing Figura 2: Os 4 Cs do Marketing Figura 3: O modelo dos 3Is Figura 4: Vitrine da semana Figura 5: Look Farm no Rio etc Figura 6: Ação Meu Catálogo Verão Figura 7: Comentário Figura 8: Espaço para comentários, ferramentas de avaliação e compartilhamento Figura 9: Resposta ao comentário Figura 10: Link do site para o blog... 78

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO MARKETING ABORDAGEM HISTÓRICA EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MARKETING MARKETING HOLÍSTICO Marketing de Relacionamento Marketing Integrado Marketing Interno Marketing Socialmente Responsável SISTEMA DE MARKETING Macroambiente Microambiente Composto de Marketing Comunicação Integrada MODA ORIGEM DA MODA MODA COMO LINGUAGEM TOMADA HISTÓRICA PRÊT-À-PORTER O MERCADO DA MODA O consumidor O mercado nacional Ciclo de vida do produto de moda MARKETING PARA MODA Estratégias de marca Valor da marca MUDANÇAS NO AMBIENTE DE MARKETING MARKETING ERA DA PARTICIPAÇÃO O MODELO DOS 3IS MÍDIAS SOCIAIS O QUE É MÍDIA SOCIAL Categorias MOTIVAÇÕES PESSOAIS BLOG O QUE É BLOG BLOG CORPORATIVO Tipos de blogs de negócios Aplicação dos blogs nas empresas Cuidados BLOG E MODA... 67

9 6.3.1 Blogs corporativos de moda CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BLOGS ANALISADOS GLOSSÁRIO... 88

10 10 1 INTRODUÇÃO A Internet vem proporcionando formas de comunicação inovadoras, que permitem um espaço de voz ativa a todos, antes reservado às mídias de massa. A Web se tornou o meio onde as pessoas compartilham suas ideias, desejos e opiniões, logo, possibilitou a colaboração em massa entre elas. Neste sentindo, as mídias sociais surgem como ferramentas online que agregam um grande número de membros, onde estes colocam em prática o desejo de socializar-se. Mídia social pode ser entendida como o uso da Internet para comunicação entre pessoas. Através das ferramentas que este meio eletrônico dispõe, é possível aos usuários não só se manterem informados, como expressar opiniões, produzir e compartilhar conteúdos. As mídias sociais estão mudando a forma como as pessoas vivem e fazem negócios, atentas a isso, as empresas podem aproveitar as novas oportunidades de interação. A Internet disponibiliza diversas ferramentas que tornam a comunicação entre a empresa e seus consumidores dinâmica e viável, e o blog corporativo se encaixa como uma das mais úteis para isso. Dentre tantos tipos de websites que possibilitam a ação em comunidade com outros usuários estão os blogs, atualizados com posts, que podem incluir textos, artigos, links, fotografias ou vídeos. A fácil utilização desta ferramenta de publicação justifica a produção de conteúdos muito variados, destinados a públicos específicos. As empresas estão despertando para as possibilidades do uso do blog corporativo como uma ferramenta que pode proporcionar um canal de comunicação mais direto com os clientes, onde elas podem ganhar visibilidade chamando a atenção para seus produtos e serviços. Por esses motivos, entre tantas ferramentas de mídias sociais, o blog foi escolhido como nosso objeto de estudo. A interação que é possibilitada, permitindo que as pessoas que acessam o blog deixem seus comentários sobre o que foi escrito, criando um diálogo aberto, é uma das questões que diferenciam o blog dos demais meios de comunicação. As empresas dispostas a interagir com seus consumidores encontram um canal aberto para um feedback que pode gerar resultados positivos. Essa mesma ferramenta, contudo, também dá liberdade ao público para manifestar insatisfações, logo, as empresas devem estar preparadas para lidar com os riscos desta abertura de diálogo.

11 11 A ideia deste estudo parte da constatação do aumento constante da blogosfera e da observação do seu crescente uso na área da moda, o que nos leva a perceber a consolidação dos blogs como uma forma de comunicação entre empresas e consumidores. A moda não tem ficado pra trás e vem encontrando meios diversos de marcar sua presença no mundo virtual de forma proveitosa. É este mundo de possibilidades que este estudo se interessa em explorar. Dentre tantas possibilidades, é preciso entender como os blogs, na sua capacidade de comunicação, podem ser utilizados pelas marcas de moda para obtenção de vantagens competitivas. Este Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) se propõe a avaliar, através de uma pesquisa de caráter bibliográfico, o uso do blog como vantagem competitiva para uma marca de moda e como estas marcas podem e o estão usando. Sendo assim, apresenta-se como problema de pesquisa: De que maneira os blogs podem oferecer uma vantagem competitiva para uma marca de moda? Dentro do âmbito desta pesquisa bibliográfica, através da qual situaremos este trabalho dentro da grande área de pesquisa que ele faz parte, buscamos nos conceitos do marketing o embasamento necessário para falar de estratégias de posicionamento de uma marca. Mais tarde, será possível, após nos situarmos no contexto histórico do nascimento da moda, entrelaçar os dois assuntos e discorrer sobre como as estratégias de marca funcionam para a moda. Com a pretensão de observar de que maneira através da interação do cliente com a marca uma empresa pode reconhecer novas estratégias de atuação no mercado e perceber as modificações no perfil do seu consumidor, escolhemos três blogs de marcas de moda brasileiras para serem analisados e servirem de exemplo. A análise destes nos mostrará ainda que um blog não se mantém sozinho, e sim conectado ao site da própria marca, a outros sites e outros blogs de assuntos relacionados. Como um Trabalho de Conclusão de Curso de graduação, este estudo tem o objetivo de divulgar dados obtidos e analisados e registrados em caráter permanente, proporcionando a outros pesquisadores, fontes de pesquisas fiéis, capazes de nortear futuros trabalhos de pesquisa e facilitando sua recuperação nos diversos sistemas de informação utilizados 1. 1 Fonte: <http://www.bu.udesc.br/download/manual_versao_set_2008_prov.pdf>. Acesso em: 8 nov

12 12 Por se tratar de um assunto em evolução, e, portanto, em constante mudança, este trabalho se justifica por registrar um momento da transformação que as mídias sociais estão causando nos negócios, e também por servir posteriormente de material de consulta para os estudos que possivelmente virão analisar este mesmo cenário no futuro. Para realizar o que este trabalho propõe, está organizado de modo que num primeiro momento introduzimos o assunto, dito isto, iniciamos o segundo capítulo abordando a história do marketing, seus conceitos básicos e sua evolução, formando assim uma base para tratarmos mais adiante da orientação do marketing atual. Como o problema de pesquisa envolve marcas de moda, no terceiro capítulo a contextualizamos, apresentamos seu surgimento, como nasceram as griffes de moda, o significado de marca e qual o valor dela para o consumidor. Também seu significado, seu mercado e o comportamento do consumidor dentro dele. Neste mesmo capítulo começamos a relacionar moda e marketing, e suas estratégias de marca. No quarto capítulo abordamos as mudanças mais recentes no ambiente de marketing, o conceito de Marketing 3.0 e como se dá a construção de uma marca forte nesse ambiente. Então no próximo capítulo é o momento de apresentarmos o conceito de mídias sociais, suas ferramentas em suas categorias e as possíveis motivações que levam as pessoas a participar de cada uma delas. No sexto e último capítulo, já embasados pelos dados obtidos nas pesquisas anteriores, voltamos à atenção para o nosso objeto de estudo, o blog, vemos então como ele pode ajudar na criação de valor de uma marca de moda. E, através de observações construídas a partir da análise de três blogs brasileiros desta área, chegamos ao nosso desfecho e considerações finais. Por último estão relacionadas todas as referências que tornaram este estudo possível, desde livros a sites, bem como os blogs outrora mencionados. Para melhor compreensão do assunto abordado, este trabalho dispõe ainda de um glossário, uma relação dos termos mais restritos à área, seguidos de suas respectivas definições.

13 13 2 MARKETING Para o desenvolvimento deste trabalho faz-se necessário apresentar a origem do marketing e como seus conceitos evoluíram conforme as mudanças das variáveis ambientais e as exigências sociais do mercado, formando a base para uma orientação de marketing mais atual, a qual abordaremos mais adiante, que é onde as estratégias que envolvem o uso do blog vão se encaixar. 2.1 ABORDAGEM HISTÓRICA O marketing, segundo Las Casas (2008), é uma atividade de comercialização que teve a sua base no conceito de troca. O marketing ocorre quando duas partes decidem satisfazer seus desejos e necessidades através da troca. Nela é oferecido algo pelo produto desejado, como outro produto ou uma moeda. São necessárias cinco condições para que exista um real potencial de troca: que pelo menos duas partes estejam envolvidas; que as duas partes tenham algo que possa ter valor para as outras partes; que as partes tenham capacidade de comunicação e entrega; que tenham liberdade de aceitar ou rejeitar a oferta e que acreditem ser apropriado realizar a negociação. Para Kotler e Keller (2006), uma vez que se chega a condições aceitáveis para as partes envolvidas e é fechado um acordo, dizemos que ocorreu uma transação, que nada mais é do que a troca de valores entre duas ou mais partes. No mercado podem ocorrer trocas que não obedeçam às condições mencionadas acima, porém, o marketing trata apenas das trocas ideais, que obedecem todas as cinco condições citadas. O processo de troca, ou de comercialização, passou por etapas, conforme aconteciam variações no ambiente. Como descreve Las Casas (2008), nessas variações a forma de comercializar foi afetada, por exemplo, em momentos de falta de produto no mercado a produção foi mais valorizada, enquanto que em momentos de excesso de ofertas a atividade de vendas é que teve mais valor. Essas etapas são as eras da comercialização, e são elas: era da produção, era da venda e era do marketing. Sendo que a era da produção pode ser dividida em duas: era da produção e era do produto. Na era da produção, passada a fase de subsistência nos anos de 1600 em que as pessoas de cada família se incumbiam de produzir para o seu próprio sustento, garantindo assim a sobrevivência da família, veio a fase de fazer por encomenda (COBRA, 1992,

14 14 p.30). Na forma de comercialização sob encomenda os produtos eram vendidos antes de serem produzidos, o que ilustra a importância dada à produção. Em seqüência, nos anos de 1800 a 1849, foi a vez da fase da produção especulativa. Como os fabricantes ficavam esperando por encomendas, lhes restava um tempo ocioso, que então foi aproveitado para imaginar o que os consumidores poderiam comprar e arriscavam produzir para depois vender. Com a Revolução Industrial 2 e o incremento da produtividade com suas máquinas e equipamentos capazes de produzir em escala crescente de forma seriada e padronizada, os fabricantes passaram à produção massificada. A fase da produção em massa para atender à demanda de mercado teve início no ano de 1850 até o início do século 20 quando então tem início a era do produto. (COBRA, 1992, p.30). Os fabricantes passaram a ter a ideia de que um bom produto, de qualidade, seria o suficiente para vender. Logo, a preocupação era desenvolver e oferecer o melhor produto possível, com o melhor desempenho. Os fabricantes que se orientavam desta forma estavam praticando o que Theodore Levitt (1960 apud Cobra, 1992) chamou de miopia de marketing, e, tiveram que aprender que, na regra do mercado, qualidade e preço acessível não são suficientes para vender se não atenderem às necessidades dos consumidores. As empresas que antes concentravam esforços em desenvolver métodos eficazes de produção em massa agora tinham uma oferta de produtos que excedia a demanda, aumentando conseqüentemente o estoque. Foi o início então da era da venda, onde, ainda sem pensar nas necessidades dos consumidores, a ordem era vender a qualquer custo. Las Casas (2008) defende que o marketing teve origem justamente no departamento de vendas, que passou a ter atividades agregadas como propaganda e pesquisa. É a preocupação com a colocação dos excedentes de produção decorrentes da Revolução Industrial que acelerou a busca da adoção dos conceitos de marketing para identificar mercados e a forma de atingilos. (COBRA, 1992, p.29). Cobra (1992) completa que, as empresas que ainda tem sua orientação voltada para as vendas vêem o marketing como uma atividade suplementar do departamento de vendas, e só 2 A Revolução industrial começa na Inglaterra, em meados do século XVIII. Caracteriza-se pela passagem da manufatura à indústria mecânica. A introdução de máquinas fabris multiplica o rendimento do trabalho e aumenta a produção global. Fonte: <http://www.historiadomundo.com.br/idade-moderna/revolucaoindustrial.htm página acessada em 15/11/2010> Acesso em: 15 nov

15 15 com o tempo descobrem que vendas, na verdade, é uma função do marketing. Quando a administração é orientada para o marketing, muito diferente da orientada por vendas, o foco está nas necessidades dos consumidores e o lucro vem como conseqüência da satisfação do consumidor. Quando o foco é vendas, objetiva-se satisfazer as necessidades do vendedor; em marketing objetiva-se satisfazer as necessidades do consumidor. (LEVITT apud COBRA, 1992, p.33). A era do marketing tem início nos anos 50, com o acirramento da concorrência entre as empresas, as atividades de comercialização tiveram seu sentido invertido. Agora, ao invés de procurar meios de vender produtos a qualquer custo, os produtos passaram a ser produzidos de acordo com as necessidades dos consumidores, depois de uma pesquisa de mercado. Passou-se a estudar o comportamento do consumidor como nova área de conhecimento e desenvolveram-se sistemas de informações a fim de acompanhar as mudanças no mercado. (LAS CASAS, 2008, p.12). É nos anos 50, junto com o surgimento da preocupação com o consumidor, com o atendimento de suas necessidades, que surge o conceito de marketing. 2.2 EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MARKETING De acordo com Cobra (1986, p.34), marketing é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou transacionar. Porém, muitas pessoas entendem marketing como sinônimo de propaganda, ou mesmo como pesquisa de mercado, promoção de vendas ou simplesmente vendas. A American Marketing Association (AMA) em 1960 definiu marketing como o desempenho das atividades do negócio que dirigem o fluxo de bens e serviços do produtor para o consumidor ou usuário (MAGALHÃES; SAMPAIO, 2007, p.3). Esta foi uma das primeiras definições a surgir, porém, não contemplava muitas atividades que cabem ao marketing. Quase todas as teorias, até então, tratavam de empresas com fins lucrativos, no entanto, organizações sem fins lucrativos e governamentais também enfrentam problemas de marketing. Por exemplo, as faculdades precisam atrair alunos, os museus atrair visitantes e as igrejas atrair fiéis, e todos buscam patrocínio. Pessoas também precisam do marketing, políticos buscam votos e médicos procuram pacientes (KOTLER, 1999).

16 16 Neste sentido, a própria AMA reformulou a definição de marketing em 1985, ficando desta forma: Marketing é o processo de planejamento e execução da concepção, preço, promoção e distribuição de ideias, bens e serviços, organizações e eventos para criar trocas que venham a satisfazer objetivos individuais e organizacionais. (BOONE; KURTZ, 1998 apud LAS CASAS, 2008, p.9). As definições evoluíram de acordo com o enfoque que teve o marketing em cada momento. Com o passar do tempo o foco do marketing esteve numa abordagem gerencial usada para solução de problemas, que envolve a análise, pesquisa, planejamento e controle. Em 2005, uma nova definição da AMA para o marketing reflete o novo enfoque: Marketing é uma função organizacional e um conjunto de processos para criar, comunicar e entregar valor aos consumidores, bem como gerir as relações com eles, a fim de beneficiar a organização e seus constituintes. (MAGALHÃES; SAMPAIO, 2007, p.3). O enfoque para as definições de marketing tem variado conforme as mudanças das variáveis ambientais e das exigências sociais do mercado. O conceito de marketing que era focado na satisfação de desejos e necessidades dos consumidores foi ampliado para que se aplicasse também a áreas como a política e o turismo. Podemos observar pelo Quadro 1 como essas tendências foram aplicadas nas novas definições, e como estas evoluem incorporando aspectos como efeitos sociais, aplicação do marketing em atividades de serviços, venda de ideias etc. (LAS CASAS, 2008, p.9). O marketing, portanto, trata da identificação e da satisfação das necessidades humanas e sociais. De forma resumida e simples, Kotler (2006) definiu que o marketing supre necessidades lucrativamente. O marketing tem a capacidade de identificar uma necessidade particular ou social e transformar em uma oportunidade de negócio lucrativa. Em meio às diferentes definições de marketing encontramos aquelas com perspectiva social e com perspectiva gerencial. O foco de uma definição social é mostrar o papel do marketing na sociedade. Como definiu Cobra (1992), o marketing tem o papel de identificar necessidades não satisfeitas, colocando à disposição no mercado produtos ou serviços que proporcionem satisfação aos consumidores, gerem resultados às empresas e ajudem na melhoria da qualidade de vida do consumidor e da sociedade.

17 17 Quadro 1: Diferentes enfoques do marketing. Fonte: Las Casas, Já numa definição gerencial, o marketing pode ser muitas vezes definido como a arte de vender produtos. Porém, a função maior do marketing não é vender. Pode-se considerar que sempre haverá a necessidade de vender. Mas o objetivo do marketing é tornar supérfluo o esforço de venda. O objetivo do marketing é conhecer e entender o cliente tão bem que o produto ou o serviço seja adequado a ele e se venda sozinho. Idealmente, o marketing deveria resultar em um cliente disposto a comprar. A única coisa necessária então seria tornar o produto ou serviço disponível (DRUCKER, 1973 apud KOTLER; KELLER, 2006, p.4).

18 18 Frederick Webster (apud MAGALHÃES; SAMPAIO, 2007, p.1) afirmou que marketing é a função gerencial responsável por certificar-se de que cada aspecto do negócio está focado em entregar um valor superior para os clientes em um mercado competitivo. Significa dizer que todos os setores de uma organização devem estar envolvidos para atender as necessidades do cliente, agregando valor aos produtos e oferecendo aos fornecedores uma vantagem competitiva. O que não é uma tarefa simples, quando freqüentemente os clientes querem coisas diferentes ou não sabem bem expressar o que querem. Garantir sua satisfação exige comprometimento. Mesmo sendo visto como uma atividade gerencial, a aplicação do marketing é responsabilidade de todo o negócio. O marketing precisa tanto de um comprometimento organizacional muito forte quanto de um compromisso individual quando se trata de atingir a satisfação do cliente. (MAGALHÃES; SAMPAIO, 2007, p.2). À medida que as empresas buscam a excelência de marketing, tomam conhecimento de que a responsabilidade em entregar valor ao cliente não é exclusiva daquele departamento. Assim, estimulam a interação entre diferentes departamentos na execução de processos essenciais como, por exemplo, desenvolvimento de novos produtos. 2.3 MARKETING HOLÍSTICO As mudanças ocorrem com maior freqüência nas variáveis ambientais e mais exatamente nas variáveis tecnológicas, de grande importância para este estudo. Na última década, com o marketing digital 3, as empresas têm novas possibilidades que podem mudar a forma como sempre fizeram marketing. Kotler e Keller (2006) ressaltam que os profissionais de marketing no século XXI, pensando em como competir nesse novo ambiente, percebem a necessidade de orientar o marketing de uma forma mais completa e coesa do que a tradicional. Deste modo, as empresas evoluíram para uma orientação de marketing holístico. Kotler e Keller (2006, p.15) entendem marketing holístico como uma abordagem do marketing que tenciona reconhecer e harmonizar o escopo e as complexidades das atividades de marketing. Pode-se entender que o marketing não deve ser analisado de forma 3 Marketing digital são ações de comunicação que as empresas podem se utilizar por meio da Internet e da telefonia celular e outros meios digitais para divulgar e comercializar seus produtos, conquistar novos clientes e melhorar a sua rede de relacionamentos. Fonte: <http://pt.wikipedia.org/wiki/marketing_digital>. Acesso em: 15 nov

19 19 fragmentada, e sim, visto por uma perspectiva abrangente e integrada, tomando todas as partes como importantes e interligadas. Entendendo o marketing por esta perspectiva geral, teremos quatro temas amplos que o marketing holístico visa integrar: Marketing integrado Marketing de relacionamento Marketing interno Marketing socialmente responsável Marketing de Relacionamento Em meio a novas ideias e pensamentos a respeito do marketing, ganha importância nos anos de 1980 e 1990 o marketing de relacionamento. Sampaio e Magalhães citam em sua obra uma definição da escola de negócios de Henley, da Grã-Bretanha, que, apesar de resumida, demonstra a importância desta atividade para o negócio: Marketing é o processo de vender produtos que não retornam para pessoas que retornam (MAGALHÃES; SAMPAIO, 2007, p.3). Para tanto não basta cuidar apenas do relacionamento com os clientes, o marketing de relacionamento envolve cultivar o tipo certo de relacionamento, mutuamente satisfatório, com todas as pessoas ou organizações que podem, direta ou indiretamente, afetar o andamento da empresa. Isso inclui, portanto, clientes, fornecedores, distribuidores, funcionários e membros do setor financeiro, como investidores e acionistas. O resultado do marketing de relacionamento bem aplicado é a construção de uma rede de marketing. Uma rede de marketing consiste na empresa e naqueles que a apóiam, com quem ela cultivou relacionamentos profundos e duradouros (KOTLER; KELLER, 2006, p.16) Marketing Integrado O marketing integrado visa tomar qualquer decisão levando em consideração outras ações que estão sendo planejadas e executadas, como um sistema interligado. São atividades do marketing: gestão da oferta (bem, serviço ou ideia), do valor, da disponibilidade e da comunicação. Praticar marketing significa, portanto, decidir taticamente sobre essas quatro

20 20 áreas de ação, conhecidas como composto de marketing ou variáveis controláveis. Detalharemos o composto de marketing mais adiante. Para que a atividade de marketing seja efetiva, esses elementos controláveis devem ser planejados de forma integrada, fornecendo a estrutura e as ferramentas necessárias para que seus gestores possam cumprir suas funções e tarefas, criar, comunicar e entregar valor aos consumidores. Em outras palavras, o marketing deve ser capaz de levar o produto certo para o público certo, com o preço certo, para o lugar certo, na hora certa e contando com promoção ou comunicação corretas (MAGALHÃES; SAMPAIO, 2007, p.2) Marketing Interno O marketing interno é a aplicação das atividades de marketing dentro da empresa, o que é tão importante quanto as atividades de marketing dirigidas para fora da empresa. Sua função é contratar, treinar e motivar funcionários, que, uma vez motivados, se dediquem em tratar da melhor forma os clientes da empresa. O profissional de marketing ao agir internamente deve garantir que todas as funções do marketing funcionem juntas, com o mesmo propósito. Isso inclui o departamento de vendas, de propaganda, atendimento ao cliente, desenvolvimento de produto e pesquisa de mercado. O que por muitas vezes acontece é alguns departamentos tomarem como direção o custo da produção ao invés de pensarem como o cliente, dificultando o sucesso das atividades dos outros setores. O marketing interno, portanto, deve difundir por toda empresa a responsabilidade que cada setor tem com o consumidor Marketing Socialmente Responsável As atividades que as empresas e organizações desempenham têm conseqüências que atingem a sociedade como um todo. Se preocupar com o papel social já é uma questão de sobrevivência. Os clientes cada vez mais se importam com sinais de boa cidadania corporativa, transformando a responsabilidade social em vantagem competitiva. Segundo Kotler e Keller (2006), o marketing holístico incorpora o marketing socialmente responsável. A preocupação com o contexto ético, ambiental, legal e social das atividades e dos programas de marketing da empresa requer que os profissionais da área

21 21 cuidem para desempenhar seu papel tendo em vista o bem-estar da sociedade. Esse ambiente reflete numa orientação de marketing extremamente ligada ao fator social, chamada pelos autores citados acima por orientação de marketing societal. Na prática, incluir considerações éticas e sociais às atividades de marketing não é simples, significa equilibrar critérios freqüentemente conflitantes como lucros para a empresa, satisfação do consumidor e interesse público. Algumas empresas têm conseguido o equilíbrio aplicando o chamado marketing de causas. Quando uma empresa faz uma parceria com uma causa ela busca uma oportunidade de promover sua imagem, melhorar sua reputação perante o consumidor, que valoriza uma empresa que tenha um real compromisso com a sociedade. O marketing de causas, a promoção de questões sociais, seja por meio de patrocínios, acordos de licenciamento ou propaganda, é apenas uma forma de iniciativa social corporativa. Kotler e Keller (2006) citam ainda outras formas diferentes de iniciativas como praticar filantropia corporativa, oferecendo dinheiro, bens ou tempo para ajudar organizações sem fins lucrativos, grupos ou indivíduos, ou ainda praticar negócios socialmente responsáveis, adaptando e conduzindo atividades que tenham a preocupação de proteger o ambiente, os seres humanos e os animais. 2.4 SISTEMA DE MARKETING A compreensão do marketing como um sistema exige uma visão integrada das funções do marketing e de todos os fatores que podem influenciar suas estratégias. Esses fatores compõem o meio ambiente de uma organização, e se subdividem em macro e microambiente. Segundo Cobra (1992), a empresa é como uma unidade celular, à medida que cresce, amplia suas relações com o seu ambiente. Uma ação de marketing em qualquer tipo de organização tem de ser planejada sempre levando em consideração o ambiente de atuação Macroambiente O macroambiente é formado pela ação das seguintes forças: demográficas e econômicas, tecnológicas e ecológicas, sociais e culturais e políticas e legais. Uma variação de população e/ou de economia pode afetar os negócios de uma empresa positiva ou negativamente. Da mesma forma, o desenvolvimento de uma nova tecnologia pode ser positivo para uma empresa, impulsionando suas vendas, enquanto para outra empresa a mesma tecnologia pode agir de forma negativa, tornando seu produto obsoleto.

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Introdução ao Marketing. História do Conceito

Introdução ao Marketing. História do Conceito História do Conceito O termo marketing, de acordo com Cobra (1988, p. 34) é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

1 Visão Sistêmica das Organizações

1 Visão Sistêmica das Organizações Aula 10 Teoria Geral de Sistemas 27/09/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ENFOQUE SISTÊMICO NAS ORGANIZAÇÕES 1 Visão Sistêmica das Organizações

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

Uma nova visão do marketing pessoal: o marketing pessoal estratégico.

Uma nova visão do marketing pessoal: o marketing pessoal estratégico. Uma nova visão do marketing pessoal: o marketing pessoal estratégico. Posiciono o marketing pessoal num espaço de tempo e que eu denomino de as três eras do mesmo. A 1ª era, num tempo não muito distante,

Leia mais

Professor: Tiago Tripodi

Professor: Tiago Tripodi Professor: Tiago Tripodi Quando temos uma situação em que acontece o processo de troca, envolvendo desejo e necessidade de se obter um bem ou serviço, neste momento se realiza uma ação de marketing As

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer ESTRATÉGIA DIGITAL Prof. Luli Radfahrer - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina Blois, Marlene Montezi e-mail: mmblois@univir.br Niskier, Celso e-mail: cniskier@unicarioca.edu.br

Leia mais

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente?

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? Revista da ESPM -101 Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? FÁTIMA MOTTA Graduada em Administração de Empresas (FMU) e Comunicação (ECA/USP) Pós -Graduada em Administração de Empresas (PUC/SP)

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO O requisito mínimo para se definir uma inovação é a introdução de novos elementos/instrumentos nos processos produtivos, de gestão ou comerciais, que favoreçam a melhor participação

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

- Propaganda. Desenvolver um programa integrado de Marketing que proporcione valor superior. - Conceber produtos, serviços e marcas

- Propaganda. Desenvolver um programa integrado de Marketing que proporcione valor superior. - Conceber produtos, serviços e marcas Introdução e Noções de Mercados Compreendendo o processo de Marketing ADMINISTRAÇÃO - Produtos - Serviços - Mercados - Processos MARKETING COMUNICAÇÃO - Propaganda Marketing é uma filosofia de negócio

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1

Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1 Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1 Ediane Barbosa Oliveira 2 ECOS/UCPel Resumo: O trabalho busca um estudo sobre uma ferramenta estratégica do ciberespaço no meio da comunicação

Leia mais

Pesquisa de Marketing

Pesquisa de Marketing Pesquisa de Marketing CONCEITOS INICIAIS Prof. Daciane de Oliveira Silva Fonte: MALHORTA, Naresh K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. MATTAR, Fauze Najib.

Leia mais

Desenvolvimento do Mix de Marketing

Desenvolvimento do Mix de Marketing Desenvolvimento do Mix de Marketing Mix de Marketing O composto de marketing é conhecido no escopo mercadológico como os 4Ps denominados por Jeronme Mc Carthy como: product, price, place e promotion. Na

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Logística e Distribuição

Logística e Distribuição Logística e Distribuição 02 Disciplina: LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Plano de curso PLANO DE CURSO Objetivos Proporcionar aos alunos os conhecimentos básicos sobre logística e distribuição como elemento essencial

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. "Uma arma verdadeiramente competitiva"

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Uma arma verdadeiramente competitiva Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos "Uma arma verdadeiramente competitiva" Pequeno Histórico No período do pós-guerra até a década de 70, num mercado em franca expansão, as empresas se voltaram

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

O lançamento aconteceu em 8 de março de 2004, Dia Internacional da Mulher.

O lançamento aconteceu em 8 de março de 2004, Dia Internacional da Mulher. Sinopse As últimas décadas marcaram o avanço do papel da mulher na economia. Cada vez mais mulheres são responsáveis pela administração de seus lares e é crescente sua participação no mercado de trabalho,

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO CONVERSA DE ELEVADOR Sendo um empreendedor social, você sabe como é importante ser capaz de descrever sua organização, definindo o que diferencia seu trabalho e detalhando o

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nesta aula, o aluno conhecerá os estágios iniciais do ciclo de vida do produto (CVP), que são de introdução

Leia mais

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período: Encontro 02 Disciplina: Planejamento Estratégico de Marketing Unidade I: Introdução ao Planejamento Estratégico Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 4º. ADM Marketing: Revisão dos

Leia mais

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR RESUMO Este artigo defende a idéia de que na nova economia as empresas precisam incorporar a experiência do cliente a seus

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Módulo 1. Introdução à Disciplina

Módulo 1. Introdução à Disciplina Módulo 1. Introdução à Disciplina Você conhece o Marketing ele está à sua volta em todos os locais. Você vê os resultados do Marketing na grande quantidade de produtos disponíveis no shopping center, nos

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz;

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz; E-mail marketing, muitas vezes considerada uma forma de marketing pessoal, é uma das mais valiosas ferramentas de web marketing, uma das mais visadas e mais focada pelos marqueteiros. Vamos nos concentrar

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE VENDAS PARA MELHORAR O DESEMPENHO DA EQUIPE DE VENDAS CATEGORIA:

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

Breve Apresentação do Negócio

Breve Apresentação do Negócio CELEIRO-DIETA Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Celeiro Dieta N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos 25 Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010 Facturação

Leia mais