ESTUDO DE VIABILIDADE DO MOTOR AERONÁUTICO FLEX. Eng. Eduardo A. de Campos Comercial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE VIABILIDADE DO MOTOR AERONÁUTICO FLEX. Eng. Eduardo A. de Campos Comercial"

Transcrição

1

2 ESTUDO DE VIABILIDADE DO MOTOR AERONÁUTICO FLEX Eng. Eduardo A. de Campos Comercial São José dos Campos, 10 de junho de 2010

3 A Empresa A Magneti Marelli é um grupo internacional líder no desenvolvimento e manufatura de sistemas e componentes de alto conteúdo tecnológico para veículos automotores. Com 77 unidades produtivas, 11 centros de P&D, 26 centros de aplicação em 18 países, e aproximandamente empregados a Magneti Marelli é uma sistemista global de primeiro nível. POWERTRAIN MOTORSPORT ILUMINAÇÃO AUTOMOTIVA SISTEMAS DE SUSPENSÃO AFTERMARKET SISTEMAS ELETRÔNICOS SISTEMAS DE EXAUSTÃO PLASTICOS COMPONENTES E MODULOS São José dos Campos, 10 de junho de

4 Magneti Marelli - Presença Internacional Sales 5.0 billion Employees 27,962 R&D (of sales) 4.5 % Investments (of sales) 4.3 % Production sites 46 R&D Centers 9 Application Centers 27 Act Argentina Brazil China Czech Republic France Germany Italy Japan Malaysia Mexico Poland Russia South Africa Spain Turkey USA Production plant R&D Center Application Center São José dos Campos, 10 de junho de

5 Principais Clientes São José dos Campos, 10 de junho de

6 Powertrain Principais produtos e tecnologias OTTO CYCLE ENGINE CONTROL ECUs Injectors Throttle bodies Intake manifolds Fuel rails Multifuel systems GDI pumps DIESEL ENGINE CONTROL ECUs Low pressure parts Mechatronic throttle bodies Intake manifolds with variable swirl control TRANSMISSIONS Freechoice AMT ECUs Hydraulic power units DTC São José dos Campos, 10 de junho de

7 Sistemas de Suspensão Principais produtos e tecnologias SUSPENSION SYSTEMS :: Front Modules and Components :: Rear Modules and Components SHOCK ABSORBERS :: Struts :: Shocks Monotube and Bitube :: Gas springs DYNAMIC SYSTEMS :: Shock Absorbers :: Electronic Control Units (ECU) :: Damping Control Systems São José dos Campos, 10 de junho de

8 Sistemas de Exaustão Principais produtos e tecnologias MANUFACTURED MANIFOLDS :: Tubular :: Die-pressed :: Tourniquet :: Stuffed :: Stamped :: Spinformed CATALYTIC CONVERTERS DIESEL PARTICULATE FILTERS (DPF) :: Tourniquet :: Stuffed :: Die-pressed :: Rolled :: Die-pressed MUFFLERS COMPLETE EXHAUST LINES :: Hot-Ends :: Cold-Ends São José dos Campos, 10 de junho de

9 Sistemas Eletrônicos Principais produtos e tecnologias Painéis Quadros de Instrumentos de Instrumentos Tecnologia em displays Left G09 G12 light Pedal SDM headlamp Engine E1 Right M co ooling E headlamp Washer pumps fan G02 E4 G06 Engine G01 TCM Selespee Active control G05or Sun Rear sensors ECM G08 of l ed Smotot/ roll roo G pum antitheft washer mp sensors/ Sunshade G21 BCM EPS Front roo lig Sunshade ght of interio r mirror ECC G29 P K switches ITM light tube G22 ABS Head Rear senso bag ro or, oof Head lightbag suspension sensor ABS sensor mp) Fuel tank RDU (xenon lam RCM Radio ARC PAM X G41 Sub amplifier b-woofer Rear left cense G42 ear Rear window Rear washer right Trank latch Lic Re lamp CHMS plat SL heater/ light tube wiper lamp Rear parking sensors Computadores de Bordo & Network Arquitetura Eletrônica R Front seat D F & Network Computador de bordo/ Gateway Módulos de controle X02 X04 X09 Antenna cables X16 X11 X17 S T YRS Front DLC seat EPB L U1 X15 - FDU BDU X05 X08 X12 X06 X07 X01 X03 X11 X18 X10 X19 Sistemas Multimidia & ADAS Multimidia & Navegação HMI Technology Low-cost Radio-Nav Sistemas ADAS refresh Telemática Conectividade Telemática (OE & AM) e-call Navegadores Infomobility Tier 2 Módulos de portas Monitoramento de pressão dos pneus ECU para controle de iluminação ECU para controle de suspensão São José dos Campos, 10 de junho de

10 Iluminação Principais produtos e tenologias Faróis :: Halogen lamps :: Xenon lamps :: Mono-Xenon :: Bi-Xenon :: Vertical aim control systems :: Adaptive Front light Systems (AFS) :: LED Lanternas :: Devices in secondary reflection and hidden sources (SLIT and SHELL) :: Exotic rear lamp appearance (WEB) :: Advance calculated l surface (ACS) :: LED :: Neon :: Adaptive Rearlamps Systems São José dos Campos, 10 de junho de

11 Motorsport Principais produtos e tecnologias :: Engine/Vehicle control units :: DST - Telemetry system :: Data loggers :: Analog Inputs Acquisition Module :: SW tools :: Dashboard and display :: Alternators :: Voltage regulators :: Inductive revolution sensors :: Accelerometers :: Ignition coils :: Fuel injectors :: Fuel pumps :: Fuel pressure regulators :: Hydraulic gearbox control system :: Semi automatic gearbox control São José dos Campos, 10 de junho de

12 Módulos e Componentes Plásticos Principais produtos e tecnologias - Para Choque frontal - Para Choque traseiro EXTERIORES INTERIORES - Painéis - Console Central SISTEMAS DE COMBUSTÍVEL - Tanques - Bocal de enchimento - FSU Fuel Supply Units São José dos Campos, 10 de junho de

13 Powertrain Mercosul Eng. Eduardo A. de Campos Comercial São José dos Campos, 10 de junho de 2010

14 Presença no Mercosul 2009 Turnover (Ml ) Employees R&D R&D (Turnover %) Capex ( % w/o R&D cap.) Plant R&D Center ,0 5,5 9 5 Act Brazil Betim / Contagem Lavras Mauá/Santo André/SBC São Paulo Hortolândia Amparo Cordoba Suspension/Lighting Shock Absorber Shock Absorber Liner, Sintervzer Suspension Aftermarket Powertrain Electronic System Exhaust System Exhaust/Aftermarket Argentina Plants R&D Center São José dos Campos, 10 de junho de

15 Powertrain - Presença no mercado 2009 Powertrain 43% Marelli 5% Outros 19% Delphi 33% Bosch São José dos Campos, 10 de junho de

16 Amortecedores Presença no mercado 2009 Amortecedores 8% Outros 22% Monroe 70% Magneti Marelli São José dos Campos, 10 de junho de

17 Sistemas de Suspensão Presença no mercado 2009 Sistemas de Suspensão 4% ABC 23% Magneti Marelli 20% Benteler 13% S.M 7% Delphi 16% K.M.A.B. 17% GM São José dos Campos, 10 de junho de

18 Sistemas de Exaustão Presença no mercado 2009 Sistemas de Exaustão 7% Faurencia 1% Outros 9% Tenneco 39% Magneti Marelli 44% Arvin São José dos Campos, 10 de junho de

19 Sistemas Eletrônicos Presença no mercado 2009 Sistemas Eletrônicos 44% Magneti Marelli 6% Outros 6% Visteon 44% VDO São José dos Campos, 10 de junho de

20 Iluminação Presença no mercado 2009 Iluminação 30% AL 5% outros 25% Valeo 40% Arteb São José dos Campos, 10 de junho de

21 Principais Clientes 2009 Amortecedores Sistemas de Suspensão Powertrain Sistemas de Exaustão Sistemas Eletrôncos Iluminação São José dos Campos, 10 de junho de

22 Sede de Hortolândia Faturamento por Cliente 9% 1% 1% 2% OES 1% Others 7% Localização : Área Total : Hortolandia SP M² AM 2% 4% EXP 57% Área coberta : M² 15% Faturamento : Mi Mi São José dos Campos, 10 de junho de

23 MM Powertrain Mecosul - Technologies Coletores de ar Fundição Injeção de Plásticos Usinagem Montagem Corpos de borboleta Fundição Ui Usinagem Montagem Mecânico DBW Galerias de Combustível Alumínio Semi-liquido Plástico Fundição Injeção de Plásticos Montagem Reguladores de pressão Montagem São José dos Campos, 10 de junho de

24 MM Powertrain Mecosul - Technologies Injetores de Combustível Pico Std Pico Gas Pico Eco Usinagem Montagem ECU s Montagem SMD EOL Run Mode Actuator Pack Reservatório De óleo Power Pack Fundição Usinagem Montagem São José dos Campos, 10 de junho de

25 MM Powertrain Mercosul Estrutura P&D Projetos WW Network (Italy, France, USA and China) Equipamentos: - WS SUN -WS IBM -Catia -PROE -UGNX2 Atividades: - Gerenciamento Projetos - Design em 3D and 2D - Desenvolvimento Materiais - Simulação Matemática ECU Desenvolvimento HW & SW WW Network Codificação de SW HIL Tool Emulação de µp Simuladores Laboratórios Desenvolvimento Banco Vibração DBW Banco Torque/ângulo Flow box Metrologia Câmara Térmica Laboratório Químico Análise de combustíveis Analise de Micropartículas Análise de materiais Análise de Bad Fuels São José dos Campos, 10 de junho de

26 MM Powertrain Mercosul Estrutura P&D Laboratórios durabilidade Durabilidade c/ álcool Life Time Bench Durabilidade vibração-temperatura Construção Protótipos CNC 4 eixos CNC 3-eixos Centro de usinagem Desenvolvimento Motores (Mercosul, Mexico, Eu, USA, China) Dinamometros Dinamic Dyno Preparação de motores Laboratório Veículos Emissões Câmara Climática Banco alta velocidade Pista de testes São José dos Campos, 10 de junho de

27 MM Powertrain Mercosul Crescimento P&D PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO ENGENHEIROS INVESTMENTOS (Mi US$) YTD TOTAL São José dos Campos, 10 de junho de

28 MM Powertrain Mercosul Principais dados de Qualidade QUALIDADE ZERO km - CLIENTE 25 COMPONENTES FÍSICOS TARGET 2009 = 15 ppm PPM COMPONENTES LÓGICOS TARGET 2009 = 10 ppm PPM São José dos Campos, 10 de junho de

29 MM Powertrain Mercosul Principais dados de Qualidade PERFORMANCE NO CAMPO Injetores 12M = 0,3 R/1000 Corpos de Borboleta 12M = 0,3 R/1000 ECU 12M = 0,4 R/1000 São José dos Campos, 10 de junho de

30 MM Powertrain Mercosul Principais dados de Qualidade SISTEMAS DA QUALIDADE 2010 ISO TS ISO ISO IEC STANDARDS DOS CLIENTES OHSAS QSB FIAT/GM Q1 FORD VDA 6.3 VW 2005 ASES RENAULT OHSAS = Occupation Health and Safety Assessment Series São José dos Campos, 10 de junho de

31 Magneti Marelli Software Flexfuel System - SFS Eng. Eduardo A. de Campos Comercial São José dos Campos, 10 de junho de 2010

32 A oportunidade Uma demanda surgiu no mercado: Em 1997 o álcool custava em torno de 1/5 do preço da gasolina. Surge o rabo de galo. A Magneti Marelli vislumbrou uma oportunidade de negócio: Um veículo que pudesse usar os dois combustíveis misturados. Um sistema que não agregasse custo ao veículo. Necessidade por combustíveis mais limpos São José dos Campos, 10 de junho de

33 O Brasil saiu na frente A produção de cana, iniciou-se no século XVI. O uso do etanol como aditivo, misturado à gasolina, tem uma longa história: 1931: a mistura de 5% de álcool tornou-se compulsória Durante a 2a. guerra, a região Nordeste usou uma mistura de 40% e também forneceu etanol para a região Sudeste. 1941: 44 usinas produziam 70 Milhões l / ano 1975: Criação do PROÁLCOOL O Brasil é o maior produtor mundial de cana de açúcar (33.9%), açúcar (18.5%) e etanol (36.4%). Sendo também o maior exportador de açúcar e etanol. O etanol no Brasil representa mais de 50% do combustível utilizado por veículos leves. São José dos Campos, 10 de junho de

34 O que o Proálcool deixou A experiência na produção e distribuição do álcool combustível em larga escala. Uma rede de distribuição estruturada e dimensionada para o suprimento do álcool combustível. A cultura do uso do álcool como combustível pelo usuário. Uma indústria automobilística com tecnologia de materiais resistentes ao álcool combustível São José dos Campos, 10 de junho de

35 Etanol: alternativa energética para o Brasil Ciclo do carbono 1 ton de cana absorve 2.6 ton CO 2 ENERGIA 1 kcal gasta gera 8 kcal de combustível o o % álcool - 40% açúcar o C 200 o Fotossíntese Produção de cana (Mton) Etanol C 2 H 5 OH São José dos Campos, 10 de junho de

36 Porque o flex? Alternativa estratégica: Diversificação das fontes de energia nacional; Fontes renováveis; Promover o desenvolvimento técnico; Reduzir as emissões locais (HC,CO,NOX) e Globais (CO2); Gerar novas fronteiras de trabalho Dar ao usuário a opção de escolher o combustível mais conveniente São José dos Campos, 10 de junho de

37 Os veículo Flex começaram com Magneti Marelli 1 lançamento em 24 de março de Apresentação em Shangai 2004 São José dos Campos, 10 de junho de

38 Combustíveis Alternativos Estratégia Mercosul - BIOCOMBUSTÍVEIS Motores Otto SFS- Flex 2003 TetraFuel 2006 Prêmio s Bibendum Paris 2006 PACE Award Detroit 2006/2008 ACE LA 2007 São José dos Campos, 10 de junho de

39 Combustíveis Alternativos Estratégia Mercosul - BIOCOMBUSTÍVEIS Flex Desenvolvimento Petróleo + CNG Motores Diesel Biodiesel Desenvolvimento Petróleo + Ester São José dos Campos, 10 de junho de

40 Evolução do Sistema SFS ECU Software Flexfuel Sensor Potente software com cálculo automático dos créditos de emissões de CO2 Injetor Pico Penta Injector Câmara de Combustão New Chamber W/ Higher CR Partida a frio Partida a frio eletrônica baseada na temperatura do motor (h2o). São José dos Campos, 10 de junho de

41 Motor aeronáutico Flex: Considerações básicas São José dos Campos, 10 de junho de

42 Projeto: Bio-combustíveis na aviação No setor de transporte automotivo, Brasil foi capaz de apontar para o resto do mundo uma nova abordagem ecológica para o design de motores A Magneti Marelli, líder no desenvolvimento e fornecimento de sistemas Flex para o setor automotivo e o IAE decidiram iniciar uma parceria para estudar a viabilidade de desenvolvimento de um motor aeronáutico Flex, pelos seguintes motivos: Para uma vez mais, colocar o Brasil numa posição de destaque para o desenvovimento de um motor específico. Permitir o abastecimento de pequenos aviões com motor a pistão, fora dos grandes centros urbanos, com um combustível ecológico. Para fornecer a possibilidade através da ECU da função EDR (Engine Data Record) São José dos Campos, 10 de junho de

43 Projeto: Bio-combustíveis na aviação O processo de desenvolvimento foi dividido nas seguintes etapas: Projeto e construção de uma prova de conceito controlada eletronicamente, de um Sisitema PFI Port Fuel Injection- em substituição ao atual carburador para a preparação da mistura. Instalação do motor aeronáutico no banco de testes do CTA para a obtenção do base-line com carburador, para a confirmação da performance quando comparada com o Sistema de injeção eletrônica, utilizando AVGas. Alteração no software de base da ECU - Electronic Control Unit para promover a transição instantânea AVGas para 100% Etanol e vice-versa. versa São José dos Campos, 10 de junho de

44 Projeto: Bio-combustíveis na aviação Acompanhamento e verificação da robustez dos protótipos do Sistema de injeção eletrônica, durante os ensaios no banco de testes. Instalação do motor aeronáutico Flex em um pequeno avião para verificação da performance do Sistema em altitude (<9000 feet). Eventual extensão do Sistema Full Flex baseado em uma recente patente Magneti Marelli, onde a detecção do combustível é independente da presença do sensor λ. Definição do perímetro de redundância dos componentes do Sistema de injeção. Homologação de todos os componentes do Sistema. São José dos Campos, 10 de junho de

45 Projeto: Bio-combustíveis na aviação É importante salientar, que devido às normas de segurança exigidas pela aviação, foi decidido pelos envolvidos no programa que somente após a completa conclusão de uma fase, será iniciada a fase seguinte. São José dos Campos, 10 de junho de

46 Projeto: Bio-combustíveis na aviação Tipo 4 tempos por centelha Nr de cilindos 2+2 Boxer Nr de válvulas p/ cilindro 2 Comando de válvulas Eixo c/ varetas Ignição Diâmetro mm Curso mm Taxa de compresão 7.2 : 1 Potência nominal 180 RPM Máx rpm Adequação Sistema ao Sistema carburado de injeção eletrônica Principio do tubo venturi Ganho limitado pela mecânica dos fluidos ECU São José dos Campos, 10 de junho de

47 Projeto: Bio-combustíveis na aviação Lay-out do motor aeronáutico Flex, com a localização dos injetores imediatamente acima do do duto de admissão. Esta solução permite o uso dos injetores M. Marelli IWP 069, já otimizados para o uso com Etanol. São José dos Campos, 10 de junho de

48 Projeto: Bio-combustíveis na aviação Lay-out do protótipo do Sistema de injeção eletrônica Galeria, injetores e regulador de pressão lado esquerdo. São José dos Campos, 10 de junho de

49 Projeto: Bio-combustíveis na aviação Banco de testes do motor São José dos Campos, 10 de junho de

50 Projeto: Bio-combustíveis na aviação Power curve versus engine speed Brake Horsepower [hp p] Engine Speed [rpm] Propeller load Power AVGAS Propeller load Power ETHANOL WOT Power AVGAS WOT Power ETHANOL Potência do motor: Etanol x AVGas São José dos Campos, 10 de junho de

51 Projeto: Bio-combustíveis na aviação Specific fuel consmption versus engine speed Consumprt tion [g/kw/hou ur] Engine Speed [rpm] Propeller load Cons. AVGAS Propeller load Cons. ETHANOL WOT Cons. AVGAS WOT Cons. ETHANOL Consumo específico: Etanol x AVGas São José dos Campos, 10 de junho de

52 Projeto: Bio-combustíveis na aviação Dados preliminares do Sistema de injeção eletrônica com AVGas em banco de testes São José dos Campos, 10 de junho de

53 Projeto: Bio-combustíveis na aviação Escapamento do lado esquerdo do motor, com Sistema de injeção eletrônica. Até o momento, o motor em banco de testes mostrou a grande robustez dos componentes do sistema de injeção eletrônica, quando abastecido com AVGas. Os trabalhos estão em andamento, para a compilação dos dados experimentais necessários para a obtenção do mapeamento do motor para Etanol Assim que o Sistema de reconhecimento dos combustíveis e as provas de durabilidade dos componentes estiverem concluídas com sucesso, a etapa de testes em altitude será iniciada. São José dos Campos, 10 de junho de

54 Obrigado São José dos Campos, 10 de junho de

Redução de CO2 como base estratégica no desenvolvimento de novos produtos. Eduardo Campos Comercial Magneti Marelli Powertrain

Redução de CO2 como base estratégica no desenvolvimento de novos produtos. Eduardo Campos Comercial Magneti Marelli Powertrain Redução de CO2 como base estratégica no desenvolvimento de novos produtos Eduardo Campos Comercial Magneti Marelli Powertrain A empresa A Magneti Marelli é um grupo internacional líder no desenvolvimento

Leia mais

Estudo de Caso - Tecnologias

Estudo de Caso - Tecnologias Magneti Marelli Sistemas Automotivos Ricardo Takahira Novos Negócios Divisão Eletrônica 6º seminário de transporte urbano de carga Casos de Sucesso e Roda de Opiniões Estudo de Caso - Tecnologias Divisões

Leia mais

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos MARÇO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 SUMÁRIO 1. Introdução...3 2. Histórico...3

Leia mais

NI AUTOMOTIVE DAY 2012 AUTOMAÇÃO DE TESTES FUNCIONAIS

NI AUTOMOTIVE DAY 2012 AUTOMAÇÃO DE TESTES FUNCIONAIS Automação de testes em painel de instrumentos automotivos NI AUTOMOTIVE DAY 2012 AUTOMAÇÃO DE TESTES FUNCIONAIS Grupo Magneti Marelli A Magneti Marelli é um grupo internacional líder no desenvolvimento

Leia mais

Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico

Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico Antes que a unidade eletrônica de controle (Electronic Control Unit ECU) atue de forma precisa no motor, a ECU deve estimar com a maior de precisão possível

Leia mais

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd.

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Seminário Internacional de Energia da AUGM Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Universidade Federal de Santa Maria Grupo de Pesquisa em Motores, Combustíveis e Emissões Necessidade de energia Iluminação

Leia mais

Aplicação Flexível para Dinamômetros de Motor

Aplicação Flexível para Dinamômetros de Motor www.maua.br Aplicação Flexível para Dinamômetros de Motor Hugo Bernardes Gonçalves hugo@maua.br www.maua.br Formação Certified Developer Engenheiro da Computação Mestre em Controle e Automação de Processos:

Leia mais

Gestão do Conhecimento na Magneti Marelli Cofap: Uma iniciativa inovadora

Gestão do Conhecimento na Magneti Marelli Cofap: Uma iniciativa inovadora Gestão do Conhecimento na Magneti Marelli Cofap: Uma iniciativa inovadora Agenda A Magneti Marelli Estrutura P&D Know-How Management Porque Gestão do Conhecimento? O Projeto Saber Situação Atual O que

Leia mais

Tecnologia nos Ônibus Mercedes-Benz

Tecnologia nos Ônibus Mercedes-Benz Tecnologia nos Ônibus Mercedes-Benz Brandão VEM Marketing de Produto Ônibus, Junho, 2011 Fábrica Principais atividades na planta de S. Bernardo do Campo Componentes de terceiros Montagem completa Banco

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

Conheça o Sistema Flex da Peugeot, interessante - por HUGOMELO

Conheça o Sistema Flex da Peugeot, interessante - por HUGOMELO Conheça o Sistema Flex da Peugeot, interessante - por HUGOMELO Conheça as características e os procedimentos para manutenção e diagnóstico do sistema de injeção eletrônica dos motores 1.4 e 1.6 bicombustíveis

Leia mais

SAE - Simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística

SAE - Simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística SAE - Simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística 13 de abril de 2009 1 O Papel da Tecnologia para o Futuro da GM Jaime Ardila Presidente, GM do Brasil & Operações Mercosul 2 O Papel da Tecnologia

Leia mais

Inovações das Tecnologias Diesel

Inovações das Tecnologias Diesel Inovações das Tecnologias Diesel Seminário Frotas e Fretes Verdes Dezembro 2013 Marco Rangel Cummins América do Sul 2 Inovações Tecnológicas Diesel e as Mudanças Climáticas Globais Qual o ambiente regulamentador

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

Março, 2011 - Informação à Imprensa Mecânica Online lança Coleção AutoMecânica

Março, 2011 - Informação à Imprensa Mecânica Online lança Coleção AutoMecânica Março, 2011 - Informação à Imprensa Mecânica Online lança Coleção AutoMecânica Entenda como o automóvel funciona passando por sua evolução, motor, injeção eletrônica, sistemas auxiliares, segurança, transmissão,

Leia mais

12º 12 SEMINÁRIO DE MECANIZ

12º 12 SEMINÁRIO DE MECANIZ MOTORES A ETANOL 12º SEMINÁRIO DE MECANIZAÇÃO MARÇO, 2010 POR RAZÕES, ATÉ DE CERTO MODO, DIFICEIS DE AVALIAR, O SETOR CANAVIEIRO, SALVO HONROSAS EXCEÇÕES, NÃO SE INTERESSOU PELO TEMA.( (*) INSISTIMOS,

Leia mais

16485 P0101 massa ou volume Circuito Air Flow - Faixa / Performance A. 16486 P0102 massa ou volume Circuito Fluxo de Ar - A entrada de Baixo

16485 P0101 massa ou volume Circuito Air Flow - Faixa / Performance A. 16486 P0102 massa ou volume Circuito Fluxo de Ar - A entrada de Baixo Códigos VG / OBDII DTC (VG) DTC TEXT VRI (SE) 16485 P0101 massa ou volume Circuito ir Flow - Faixa / Performance 16486 P0102 massa ou volume Circuito Fluxo de r - entrada de Baixo 16487 P0103 massa ou

Leia mais

Parâmetros de performance dos motores:

Parâmetros de performance dos motores: Parâmetros de performance dos motores: Os parâmetros práticos de interesse de performance dos motores de combustão interna são: Potência, P Torque,T Consumo específico de combustível. Os dois primeiros

Leia mais

A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados

A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados Uma parceria IVECO, FPT, BOSCH e RAIZEN Fabio Nicora IVECO - Innovation T&B LATAM (IVECO) 21 de Novembro 2013 VISÃO DO FUTURO ABORDAGEM

Leia mais

Motores de Combustão Interna MCI

Motores de Combustão Interna MCI Motores de Combustão Interna MCI Aula 3 - Estudo da Combustão Componentes Básicos dos MCI Combustão Combustão ou queima é uma reação química exotérmica entre um substância (combustível) e um gás (comburente),

Leia mais

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis.

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. GNV Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. REUNIÃO DE ESPECIALISTAS SOBRE TRANSPORTE URBANO SUSTENTÁVEL MODERNIZAR E TORNAR ECOLÓGICA A FROTA DE TÁXIS NAS CIDADES LATINO AMERICANAS

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

USO DE ÓLEO VEGETAL in natura COMO COMBUSTÍVEL PARA MOTORES DIESEL

USO DE ÓLEO VEGETAL in natura COMO COMBUSTÍVEL PARA MOTORES DIESEL USO DE ÓLEO VEGETAL in natura COMO COMBUSTÍVEL PARA MOTORES DIESEL SITUAÇÃO CRÍTICA DA QUALIDADE DO AR ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAUDE TEOR DE ENXOFRE CONTIDO NO DIESEL Emissão de partículas finas (fumaça)

Leia mais

Métodos Experimentais em Energia e Ambiente

Métodos Experimentais em Energia e Ambiente Métodos Experimentais em Energia e Ambiente Medições para o controle de Motores de Combustão Interna João Miguel Guerra Toscano Bravo Lisboa, 27 de Outubro de 2004 Introdução Tipos de motores Gestão Electrónica

Leia mais

Qualidade dos Combustíveis:

Qualidade dos Combustíveis: Qualidade dos Combustíveis: Desafios para a manutenção da qualidade Oswaldo Luiz de Mello Bonfanti Coordenador Nacional do Sistema de Garantia da Qualidade Gestor de Assistência Técnica Ribeirão Preto,

Leia mais

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO Responsável pelo Projeto Luiz Augusto de Noronha Mendes FPT Industrial RESUMO Este trabalho apresenta um estudo sobre o

Leia mais

nova geração de motores a gasolina Guia de produtos

nova geração de motores a gasolina Guia de produtos nova geração de motores a gasolina Guia de produtos VOLVO PENTA MOTORES MARÍTIMOS A GASOLINA O futuro está aqui. A Volvo Penta, líder absoluta em inovações náuticas, estabelece o novo padrão em tecnologia

Leia mais

Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex

Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex Tadeu Amaral, Fábio Moreira, Fernando Yoshino, Heitor Cavalhieri, Roberta Cruz Centro

Leia mais

Fuelbox F100. Injeção eletrônica programável

Fuelbox F100. Injeção eletrônica programável Fuelbox F100 Injeção eletrônica programável Descrição A Fuelbox F100 é uma unidade de gerenciamento eletrônico de motores com até 12 cilindros, indicada para veículos de alto desempenho, veículos de competição,

Leia mais

Utilização de Aço Inoxidável em Veiculos Pesados e a Tendência Futura Jose Eduardo Lepore Jr

Utilização de Aço Inoxidável em Veiculos Pesados e a Tendência Futura Jose Eduardo Lepore Jr Utilização de Aço Inoxidável em Veiculos Pesados e a Tendência Futura Jose Eduardo Lepore Jr Outubro 2013 A worldwide leader Introdução Legislação: Motor do Desenvolvimento Evolução das Tecnologias Uso

Leia mais

MOTORES FLEX. Tadeu Cavalcante Cordeiro de Melo, M.Sc. Aluno de doutorado do PEM - COPPE. novembro de 2011 palestra para a UFRJ

MOTORES FLEX. Tadeu Cavalcante Cordeiro de Melo, M.Sc. Aluno de doutorado do PEM - COPPE. novembro de 2011 palestra para a UFRJ MOTORES FLEX Tadeu Cavalcante Cordeiro de Melo, M.Sc. Aluno de doutorado do PEM - COPPE novembro de 2011 palestra para a UFRJ FLEX FUEL BRASILEIRO Etanol hidratado (H100), gasolina (E18-E25) ou qualquer

Leia mais

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL Página 1 FIAT CHRYSLER AUTOMOBILES 13/08/2015 DESCRIÇÃO DO SISTEMA GNV COMPONENTES DO SISTEMA GNV 1. Cilindro GNV 2. Suporte do Cilindro de GNV 3. Linha de Alta Pressão: Tubo

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA

MANUAL DO USUÁRIO SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA MANUAL DO USUÁRIO SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA MANUAL DE INSTRUÇÕES SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA O EQUIPAMENTO Com a entrada da Injeção Eletrônica de Combustível

Leia mais

Motores alternativos de combustão interna. Parte 1

Motores alternativos de combustão interna. Parte 1 Motores alternativos de combustão interna Parte 1 Introdução Sistemas de potência utilizando gás: Turbinas a gás Motores alternativos (ICE, ICO) Ciclos a gás modelam estes sist. Embora não trabalhem realmente

Leia mais

Desafios e benefícios no uso de plásticos de engenharia para substituir peças de metal

Desafios e benefícios no uso de plásticos de engenharia para substituir peças de metal Desafios e benefícios no uso de plásticos de engenharia para substituir peças de metal Fábio Moreira Gerente de Engenharia de Desenvolvimento de Produto da Mahle AUTOMOTIVE DAY BRASIL, 6 de outubro de

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE UM MOTOR CICLO OTTO ALIMENTADO COM ETANOL DE 75 INPM E COM TAXA DE COMPRESSÃO AUMENTADA

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE UM MOTOR CICLO OTTO ALIMENTADO COM ETANOL DE 75 INPM E COM TAXA DE COMPRESSÃO AUMENTADA ANÁLISE DE DESEMPENHO DE UM MOTOR CICLO OTTO ALIMENTADO COM ETANOL... 203 ANÁLISE DE DESEMPENHO DE UM MOTOR CICLO OTTO ALIMENTADO COM ETANOL DE 75 INPM E COM TAXA DE COMPRESSÃO AUMENTADA Armando José Dal

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 Conj. 1 Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 Porto Alegre

Leia mais

Perguntas mais Frequentes

Perguntas mais Frequentes Perguntas mais Frequentes 1. O que significa PROCONVE fases P7 e L6? PROCONVE é o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores, criado pelo conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA.

Leia mais

9o. Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias Motores de combustão interna para os veículos elétricos híbridos

9o. Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias Motores de combustão interna para os veículos elétricos híbridos Motores de combustão interna para os veículos elétricos híbridos Waldyr Luiz Ribeiro Gallo DE FEM - UNICAMP São Paulo, 12 de setembro de 2013 Sumário 1. Por que não veículos elétricos? 2. O papel do veículos

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

PROCONVE P7. Seminário sobre Emissões de Veículos a Diesel. As Tecnologias Necessárias. Ações para Atendimento aos Novos Limites do Proconve Fase 7

PROCONVE P7. Seminário sobre Emissões de Veículos a Diesel. As Tecnologias Necessárias. Ações para Atendimento aos Novos Limites do Proconve Fase 7 Seminário sobre Emissões de Veículos a Diesel Ações para Atendimento aos Novos Limites do Proconve Fase 7 As Tecnologias Necessárias Luso Martorano Ventura São Paulo, 27 de outubro de 2009 Conteúdo Evolução

Leia mais

Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente

Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Desenvolvimento de uma Bomba Elétrica de Combustível Flex com foco na Eficiência Responsáveis pelo Projeto (Erwin Franieck, Celso Favero, Lazaro Melo, Rafael

Leia mais

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras PROCONVE (PROGRAMA DE CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES) As Fases Passadas e Futuras Henry Joseph Jr Comissão de Energia e Meio Ambiente ANFAVEA Seminário sobre Emissões de Veículos Diesel

Leia mais

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br CE CERTIFICADO EMPILHADEIRAS A transmissão 2-3 T possui estrutura avançada tipo flutuante, a única na China. Estruturas flutuantes são projetadas para reduzir a transmissão das vibrações ao chassis em

Leia mais

Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime)

Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime) Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime) Número de válvulas por cilindro Eixo de Comando de válvulas

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ALIMENTOS SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos 1. TÍTULO ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS Preparar profissionais para identificar os ângulos

Leia mais

[DM] Ficha Técnica [DM] MOTOR Tipo. Lambda II 3.3L DOHC Número de cilindros. 6 em V Cabeçote e Bloco. Alumínio Nº de válvulas

[DM] Ficha Técnica [DM] MOTOR Tipo. Lambda II 3.3L DOHC Número de cilindros. 6 em V Cabeçote e Bloco. Alumínio Nº de válvulas Ficha Técnica Relações de transmissão Relação final Tração Dados de Homologação - Engenharia Revisão: 25/09/2012 MOTOR Lambda II 3.3L DOHC Número de cilindros 6 em V Cabeçote e Bloco Alumínio Nº de válvulas

Leia mais

Motores para geração de energia

Motores para geração de energia Motores para geração de energia SCANIA MOTORES PARA GERAÇÃO DE ENERGIA Motores para gerar energia e excelentes resultados. As demandas por segurança, confiabilidade e eficiência na geração de energia crescem

Leia mais

Evolução dos Motores Diesel - FATEC

Evolução dos Motores Diesel - FATEC < 1 > BEM VINDOS Instrutor: Anderson Chiganças Marques < 2 > Vídeo Institucional < 3 > Evolução dos Motores Diesel (PROCONVE P7 EURO V) Tecnologia SCR Selective Catalytic Reduction (Redução Catalítica

Leia mais

Inovação Colaborativa Ricardo Abreu 29.10.2015 MAHLE

Inovação Colaborativa Ricardo Abreu 29.10.2015 MAHLE Ricardo Abreu 29.10.2015 Resultados de Inovação 131 Novas Ideias 23 Projetos 4 Novos Produtos 55 Espontâneas 65 Campanhas 11 Externas Ideação Seleção de Ideias Projetos de P&D Desenvolvimento Lançamento

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

MOBPROG. Manual rápido de utilização

MOBPROG. Manual rápido de utilização MOBPROG Manual rápido de utilização Tempo de injeção e tempo morto.(r) Linha superior: medição do tempo de injeção lido da centralina do carro. Linha inferior: indicação do tempo morto do bico injetor

Leia mais

TM 527 - INJEÇÃO VW INJEÇÃO ELETRÔNICA. 1 Menu Principal

TM 527 - INJEÇÃO VW INJEÇÃO ELETRÔNICA. 1 Menu Principal INJEÇÃO ELETRÔNICA TM 527 - INJEÇÃO VW VW - Marelli 4LV Linha Gol 1.0 EGAS, Gol 1.0 16V EGAS VW - Motronic 5.9.2v3 Linha Golf/Bora 2.0/Beetle 2.0 VW - Motronic ME7.5.10 Golf 1.6 EGAS 1 Menu Principal Opcao:

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Ciclo de motor de combustão interna, que se completa em duas revoluções(rotação) da árvore de manivelas.

Ciclo de motor de combustão interna, que se completa em duas revoluções(rotação) da árvore de manivelas. 1 3.0 Descrição do Funcionamento dos Motores O conjunto de processo sofrido pelo fluido ativo que se repete periodicamente é chamado de ciclo. Este ciclo pode acontecer em 2 ou 4 tempos. Figura 3: Nomenclatura

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

Inovação aberta na Engenharia de Powertrain da FIAT

Inovação aberta na Engenharia de Powertrain da FIAT Inovação aberta na Engenharia de Powertrain da FIAT Saulo Soares saulo.soares@fiat.com.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA Centro de Competência em Manufatura CCM Fiat Chrysler VIII WORKSHOP DE

Leia mais

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo EVOLUÇÃO DA MECANIZAÇÃO 1 TREM DE FORÇA SISTEMA MECÂNICO Diferencial Motor Câmbio Embreagem FUNCIONAMENTO DO MOTOR Motor

Leia mais

GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT

GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT GPL Euro 5 da Fiat Segurança Economia Tecnologia Ecologia A Gama Fiat GPL Bi-Fuel 1 GPL Euro 5 da Fiat A nova oferta GPL Euro 5 da Fiat

Leia mais

Especificações Técnicas Autologic LAND ROVER

Especificações Técnicas Autologic LAND ROVER Especificações Técnicas Autologic LAND ROVER 1. DESCRIÇÃO DO PRODUTO LANDROVER Autologic é um equipamento portátil, leve com um ecrã a cores de 12.1, programado para funcionar com ecrã táctil. O funcionamento

Leia mais

INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO DO COMBUSTÍVEL EM MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO DO COMBUSTÍVEL EM MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO DO COMBUSTÍVEL EM MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Aluna: Paula Calderón Nunes Orientador: Sérgio Braga Introdução A tecnologia FLEX-FUEL (ou FLEX), nasceu de pesquisas realizadas

Leia mais

Kit de 5ª geração. Andrea Tagliavini Landirenzo

Kit de 5ª geração. Andrea Tagliavini Landirenzo Kit de 5ª geração Andrea Tagliavini Landirenzo Conteúdo Sobre o grupo Landirenzo Porque 5ª geração Novas tecnologias no GNV Linha de 5ª geração Landirenzo Sistema dual Diesel-Gás Ações pro 5ª geração Sobre

Leia mais

440 L - bancos na posição convencional 1269 L - bancos totalmente rebatidos Lugares 5 MOTOR 2WD MT GL 2WD CVT GLX 4WD CVT GLX 4WD CVT GLS

440 L - bancos na posição convencional 1269 L - bancos totalmente rebatidos Lugares 5 MOTOR 2WD MT GL 2WD CVT GLX 4WD CVT GLX 4WD CVT GLS DIMENSÕES 2WD MT GL 2WD CVT GLX 4WD CVT GLX 4WD CVT GLS Comprimento (mm) 4300 Largura (mm) 1765 Altura (mm) 1590 1585 1585 1605 Entre-eixos (mm) 2600 Bitola Dianteira (mm) 1535 Traseira (mm) 1505 Altura

Leia mais

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 Fibra de Carbono um negócio com fortes barreiras à entrada Precursor Custos de Operação Tecnologia

Leia mais

Códigos diagnósticos do problema de Volkswagen

Códigos diagnósticos do problema de Volkswagen Códigos diagnósticos do problema de Volkswagen DTCs DTCs é atribuído dois códigos. O primeiro código é um código numérico atribuído pela fábrica. O segundo código é consultado como a um P-código e segue

Leia mais

Sistema de Gerenciamento do Motor EA111 1.6 GOLF 1.6 2009

Sistema de Gerenciamento do Motor EA111 1.6 GOLF 1.6 2009 Sistema de Gerenciamento do Motor EA111 1.6 GOLF 1.6 2009 Golf 1.6-2009 Apresentador Professor SCOPINO Técnico e Administrador da Auto Mecânica Scopino. Professor do Universo do Mecânico (UMEC). Consultor

Leia mais

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH A necessidade de se reduzir o consumo de combustível dos automóveis, bem como de se manter a emissão de poluentes pelos gases de escape dentro de limites, colocou

Leia mais

PROCONVE: PROGRAMA DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES

PROCONVE: PROGRAMA DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES PROCONVE: PROGRAMA DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES Em um momento em que os cenários de crescimento trazem projeções otimistas para a maior parte dos segmentos da economia brasileira,

Leia mais

Curso para técnicos em GNV. Sistema de injeção gás

Curso para técnicos em GNV. Sistema de injeção gás Curso para técnicos em GNV Sistema de injeção gás Conteúdo do treinamento Tópicos 1. Gás Natural Veicular...03 2. História da empresa e grupo...07 3. Motor a combustão ciclo Otto...12 4. Mistura ideal...14

Leia mais

PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG

PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG SL 733 GRANDE POTÊNCIA, ALTO DESEMPENHO A carregadeira sobre rodas Hyundai Shandong entrega máxima potência todo o tempo, representando um ganho substancial

Leia mais

História e evolução do Automóvel

História e evolução do Automóvel I Mostra de Carros Antigos SENAI Santo Amaro Mecânica Online Apresentação Tarcisio Dias História e evolução do Automóvel 125 anos de inovação Novembro - 2011 História e evolução do Automóvel Tarcisio Dias

Leia mais

RenaULT master chassi cabine

RenaULT master chassi cabine RENAULT master chassi cabine renault master chassi cabine encara tudo.» capacidade de carga: 1.759 kg O baú e a caçamba são adaptações, não fazem parte do produto nem são opcionais. Procure o implementador

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares. c) A denominação desta categoria será Dianteira Original.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares. c) A denominação desta categoria será Dianteira Original. 2- CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO 2.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas,

Leia mais

RenaULT master chassi cabine

RenaULT master chassi cabine RENAULT master chassi cabine Perfeito para atividades que Precisam de caçamba, baú e outras adaptações. renault master chassi cabine encara tudo.» capacidade de carga: 1.759 kg motor COM mais desempenho

Leia mais

4. Dados técnicos. BMW 116i, BMW 118i.

4. Dados técnicos. BMW 116i, BMW 118i. Página 16 4. Dados técnicos. BMW 116i, BMW 118i. BMW 116i BMW 118i Carroceria Nº de portas / assentos 5/5 5/5 Compr/largura/altura (sem carga) 1) mm 4.324/1.765/1.421 4.324/1.765/1.421 Distância entre

Leia mais

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL GARFO (Comprimento X Largura x Bitola) (mm) HDF50-7S (TIPO EIXO - TIPO GANCHO) - 1.350 X 150 X 60-1.500 X 150 X 60-1.800 X 150 X 60-2.000 X 150 X 60-2.400 X 150 X 60 HDF70-7S (TIPO EIXO) - 1,350 X 180

Leia mais

Programa Especial Injeção Eletrônica 2

Programa Especial Injeção Eletrônica 2 Programa Especial Injeção Eletrônica 2 21/10/2008 às 20h00 Apresentação: Augusto Passadore Introdução A monoinjeção de combustível IAW-G6/G7 é um sistema de injeção intermitente de combustível tipo single

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS UTILIZANDO SONDA LAMBDA

SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS UTILIZANDO SONDA LAMBDA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E PROCESSOS INDUSTRIAIS Fundamentos de Instrumentação para Controle de Processos ARTIGO SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS UTILIZANDO SONDA LAMBDA Ederson Luis Posselt,

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES GMG - DEFINIÇÃO O Grupo Motogerador consiste de um ou mais motores alternativos de combustão

Leia mais

Grupo de Pesquisa dem Reciclagem Eficiência Energética e Simulação de Procecessos Faculdade de Zootecnia e Engenhari a de Alimentos Univerdade de São

Grupo de Pesquisa dem Reciclagem Eficiência Energética e Simulação de Procecessos Faculdade de Zootecnia e Engenhari a de Alimentos Univerdade de São PROJETO SOLHYCO: SISTEMA DE COGERAÇÃO COM ENERGIA SOLAR CONCENTRADA E BIOCOMBUSTÍVEIS Grupo de Pesquisa dem Reciclagem Eficiência Energética e Simulação de Procecessos Faculdade de Zootecnia e Engenhari

Leia mais

Nota: As informações apresentadas estão corretas no momento da publicação, e estão sujeitas a alteração sem aviso prévio.

Nota: As informações apresentadas estão corretas no momento da publicação, e estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. JEEP GRAND CHEROKEE ESPECIFICAÇÕES Todas as dimensões estão em milímetros (polegadas), salvo indicação contrária. Todas as dimensões são medidas com os pneus e rodas que equipam o veículo de série. Nota:

Leia mais

A Indústria de Autopeças Brasileira. Elaboração: Assessoria de Economia

A Indústria de Autopeças Brasileira. Elaboração: Assessoria de Economia A Indústria de Autopeças Brasileira Elaboração: Assessoria de Economia São Paulo, maio de 2012 Números da indústria de autopeças Associadas Parque industrial Qualidade 494 empresas 749 unidades industriais

Leia mais

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis 1 2 Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis Portaria nº 3-A/2007 de 2 de Janeiro Promoção da utilização de biocombustíveis nos transportes foi objecto do Decreto - Lei nº 62/2006 Decreto - Lei nº

Leia mais

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Brasília, 28 de Outubro de 2015 O que é a APROVE DIESEL Associados: Apoio Institucional: Contexto econômico e tecnológico brasileiro atual difere muito

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PROCEDIMENTO PARA ENSAIO E BANCADA EM MOTOR DIESEL NO LABORATÓRIO DE MÁQUINAS TÉRMICAS SISTEMAS TÉRMICOS E COMBUSTÃO

DESENVOLVIMENTO DE UM PROCEDIMENTO PARA ENSAIO E BANCADA EM MOTOR DIESEL NO LABORATÓRIO DE MÁQUINAS TÉRMICAS SISTEMAS TÉRMICOS E COMBUSTÃO DESENVOLVIMENTO DE UM PROCEDIMENTO PARA ENSAIO E BANCADA EM MOTOR DIESEL NO LABORATÓRIO DE MÁQUINAS TÉRMICAS SISTEMAS TÉRMICOS E COMBUSTÃO Carolina S. Michels Pasqualli 1 ; Daniela O. Marques 2 ; Ramón

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

$#+!# %", #0$ $ Alessandro Otto Pereira Izalis Simão Marcelo Siqueira Bueno Silvio Gemaque. Em 2007 o sistema transportou 10.424.

$#+!# %, #0$ $ Alessandro Otto Pereira Izalis Simão Marcelo Siqueira Bueno Silvio Gemaque. Em 2007 o sistema transportou 10.424. "#$ Alessandro Otto Pereira Izalis Simão Marcelo Siqueira Bueno Silvio Gemaque "%&'()% O litoral paulista possui sete ligações marítimas: Santos/Guarujá Guarujá/Bertioga São Sebastião/Ilhabela Iguape/Juréia

Leia mais

Prêmio AEA 2012 - Projetos de Meio Ambiente NOVA BRONZINA COM COBERTURA POLIMÉRICA PARA REDUÇÃO DE ATRITO E EMISSÃO DE CO 2

Prêmio AEA 2012 - Projetos de Meio Ambiente NOVA BRONZINA COM COBERTURA POLIMÉRICA PARA REDUÇÃO DE ATRITO E EMISSÃO DE CO 2 Prêmio AEA 2012 - Projetos de Meio Ambiente NOVA BRONZINA COM COBERTURA POLIMÉRICA PARA REDUÇÃO DE ATRITO E EMISSÃO DE CO 2 Matheus dos Santos Ferreira, Mário Sérgio da Silva Praça, Samantha Uehara, Sandra

Leia mais

Acumuladores hidráulicos na tecnologia híbrida.

Acumuladores hidráulicos na tecnologia híbrida. Acumuladores hidráulicos na tecnologia híbrida. HYDAC Matriz na Alemanha Seu parceiro competente para acumuladores hidráulicos inovadores e sistemas híbridos. Todos os requerimentos para eficientes soluções

Leia mais

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Combustíveis Alternativos e a Redução das Emissões de Poluentes 12ª Transpo-Sul Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Tecnologias, Combustíveis mais limpos e Redução das

Leia mais

Acionamento elétrico 4X4 Acionamento elétrico do sistema de tração 4x4 e reduzida com luz indicadora do sistema acionado (nas versões 4x4).

Acionamento elétrico 4X4 Acionamento elétrico do sistema de tração 4x4 e reduzida com luz indicadora do sistema acionado (nas versões 4x4). S10 Colina Disponível nas versões cabine simples ou dupla e equipada com o motor 2.8L Turbo Diesel Eletrônico MWM, a camionete Chevrolet S10 Colina tem freios ABS nas quatro rodas, acionamento elétrico

Leia mais

MÁQUINAS-FERRAMENTA. Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás

MÁQUINAS-FERRAMENTA. Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás MÁQUINAS-FERRAMENTA Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás Indústrias Romi: Infraestrutura, tecnologia e know-how para a produção de máquinas de grande porte Os setores de geração de

Leia mais

Porquê o Diesel. Hoje, os veículos a diesel consomem em média menos 30% de combustível e produzem 25% menos emissões de CO 2

Porquê o Diesel. Hoje, os veículos a diesel consomem em média menos 30% de combustível e produzem 25% menos emissões de CO 2 Porquê o Diesel Porquê o Diesel O engenheiro alemão Rudolf Diesel (1858-1913) patenteou o seu projecto para um motor de combustão interna mais eficiente, em 1892. De início os motores diesel foram usados

Leia mais

SISTEMA FLEX START. Marcos Melo Araújo: Fabio Ferreira, Patrícia Napolitano, Fernando Lepsch, Álvaro Vasconcelos, Túlio Coletto. Robert Bosch Ltda.

SISTEMA FLEX START. Marcos Melo Araújo: Fabio Ferreira, Patrícia Napolitano, Fernando Lepsch, Álvaro Vasconcelos, Túlio Coletto. Robert Bosch Ltda. SISTEMA FLEX START Marcos Melo Araújo: Fabio Ferreira, Patrícia Napolitano, Fernando Lepsch, Álvaro Vasconcelos, Túlio Coletto Robert Bosch Ltda. RESUMO Por cerca de 30 anos, desde a introdução dos antigos

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais