Equação de Corrida. I inclinação da corrida em percentual (%)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Equação de Corrida. I inclinação da corrida em percentual (%)"

Transcrição

1 Equação de Corrida VO 2 = (0,2 x V) + (0,9 x V x I) + VO 2rep VO 2 consumo de oxigênio em mililitros por quilo por minuto (ml.kg -1.min -1 ) V velocidade da caminhada em metros por minuto (m.min -1 ) I inclinação da corrida em percentual (%) Apropriada para velocidades acima de 134 m.min -1 ou para velocidades acima de 80 m.min -1 se o indivíduo estiver realmente correndo. ACSM's Guidelines for Exercise Testing and Prescription, ACSM s Guidelines for Exercise Testing and Prescription, 7th Ed. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2006

2 Equação de Corrida VO 2 = (0,2 x V) + (0,9 x V x I) + VO 2rep Exemplo da Zona Superior: VO 2 80% = 37,9 ml.kg.min VO2 rep = 3,5 ml.kg.min V É o que queremos saber! I 1,5 % (utilizado para a grande maioria das esteiras) ACSM's Guidelines for Exercise Testing and Prescription, ACSM s Guidelines for Exercise Testing and Prescription, 7th Ed. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2006

3 Exemplo da Zona Superior: VO 2 80% = 37,9 ml.kg.min VO2 rep = 3,5 ml.kg.min I 1,5 % Dividir por 100 0,015 V É o que queremos saber! VO 2 = (0,2 x V) + (0,9 x V x I) + VO 2 rep 37,9 ml.kg.min = (0,2 x V) + (0,9 x V x 0,015) + 3,5 ml.kg.min 37,9 3,5 = 34,4 34,4 = (0,2 x V) + (0,9 x V x 0,015) 34,4 = (0,2 x V) + (0,0135 x V) Somar Subtrair um pelo outro! 34,4 = 0,2135 x V 161,12 = V Velocidade = 161,12 m/min VO 2 = (0,2 x V) + (0,9 x V x I) + VO 2rep Para converter m/min para Km/h = (V. m/min x 60) 1000 Assim: V. Km/h = (161,12 x 60) 1000 = 9667,2 V. Km/h = 9667, V. Km/h = 9,66 Velocidade a 80% = 9,66 Km/h ACSM s Guidelines for Exercise Testing and Prescription, 7th Ed. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2006

4 ACSM s Guidelines for Exercise Testing and Prescription, 7th Ed. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2006 Equação de Caminhada VO 2 = (0,1 x V) + (1,8 x V x I) + 3,5 VO 2 consumo de oxigênio em mililitros por quilo por minuto (ml.kg -1.min -1 ) V velocidade da caminhada em metros por minuto (m.min -1 ) I inclinação da caminhada em percentual (%) Apropriada para velocidades entre m.min -1 ACSM's Guidelines for Exercise Testing and Prescription, 2009.

5 ACSM s Guidelines for Exercise Testing and Prescription, 7th Ed. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2006 Equação para Cicloergômetro de membros inferiores VO 2 = 7,0 + (1,8 x Ritmo de Trabalho)/ Peso VO 2 consumo de oxigênio em mililitros por quilo por minuto (ml.kg -1.min -1 ) W potência da bicicleta em quilograma.metro (kgm.min -1 ) M massa corporal em quilograma (kg) Apropriada para potências entre 300 a 1200 kgm.min -1 Fator de conversão de Potência 1 W 6,12 kgm.min -1 ACSM's Guidelines for Exercise Testing and Prescription, 2009.

6 Exemplo da Zona Superior: VO 2 80% = 37,9 ml.kg.min Ritmo de Trabalho É o que queremos saber! Peso: 85 kg VO 2 = 7,0 + (1,8 x Ritmo de Trabalho)/ Peso VO 2 = 7,0 + (1,8 x Ritmo de Trabalho) / Peso 37,9 ml.kg.min = 7,0 + (1,8 x Ritmo de Trabalho) / 85 SUBTRAIR 30,9 = (1,8 x Ritmo de Trabalho) / 85 MULTIPLICAR 2626,5 = 1,8 x Ritmo de Trabalho 1459 = Ritmo de Trabalho Ritmo de Trabalho = 1459 Kg.m/min Para converter Kg.m/min divide-se por 6, W a 80%!!! ACSM s Guidelines for Exercise Testing and Prescription, 7th Ed. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2006

7 125 homens aparentemente saudáveis (idade: 17 a 38 anos) 88 (70%) dos 125 sujeitos exibiram valores de VO 2 de repouso menor do que 3.5 ml.kg 1.min 1 Adaptado de CUNHA (2014) Cunha et al. Appl. Physiol. Nutr. Metab. 2013; 38:

8 ACSM s Guidelines For Exercise Testing and Prescription American College of Sports Medicine position stand American College of Sports Medicine position stand. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness in healthy adults. Med Sci Sports Exerc Apr;22(2): American College of Sports Medicine Position Stand. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness, and flexibility in healthy adults. Med Sci Sports Exerc Jun;30(6): Adaptado de CUNHA (2014)

9 ACSM s Guidelines For Exercise Testing and Prescription

10 EQUAÇÕES METABÓLICAS (ACSM, 2006) FCR = (FC máx FC repouso ) % + FC repouso 1:1 VO 2 R = (VO 2máx 3,5) % + 3,5 CÁLCULOS METABÓLICOS DO ACSM (equações de caminhada, corrida e potência)

11 Acredita-se que exista uma relação linear entre FC e VO 2 Robergs e Roberts. Princípios Fundamentais de Fisiologia do Exercício. 1ª Ed

12 Cunha et al. J Sci Med Sport. 2011; 14(1):46-57.

13 As recomendações do ACSM se baseiam em: Estudos que investigaram as relações entre os %FCR e %VO 2 R durante teste incremental máximo e que adotaram (...) Metodologia inadequada para medida do VO 2 de repouso ou utilizaram o valor de referência de 3.5 ml.kg -1.min -1 ; Protocolos pouco precisos para a avaliação do VO 2máx ; Contexto real de treinamento não investigado (...) Existe relação de 1:1 entre os %FCR e %VO 2 R durante sessões contínuas de treinamento com diferentes intensidades e durações? Até que ponto as equações metabólicas do ACSM reproduzem o Dispêndio Energético alvo durante sessões de exercício? Cunha et al. J Sci Med Sport. 2011; 14(1):46-57.

14

15 HR (Bpm) Average oxygen consumption (A) and heart rate (B) during continuous, intervals and fractionated sessions. p < 0,05 - intervals versus fractionated; p < 0,01 - fractionated versus continuous; # p < 0,05 - intervals versus continuous. ACSM 61st Annual Meeting, 5th World Congress on Exercise is Medicine and World Congress on the Role of Inflammation in Exercise, Health and Disease HEART RATE AND OXYGEN CONSUMPTION RESPONSES DURING CONTINUOUS, INTERVAL AND FRACTIONATED ISOCALORIC AEROBIC EXERCISE SESSIONS Sandro Conceição de Souza, Gabriel Dias Rodrigues, Thiago Rodrigues Gonçalves, Pedro Paulo da Silva Soares. Federal Fluminense University # A B VO 2 (ml.kg -1.min -1) caloric expenditure (kcal) Intervals Continuous Fractionated

16 Medicine & Science in Sports & Exercise, 2011

17 Classificação da intensidade do exercício com base em atividades contínuas de 20 a 60 minutos de duração ACSM's guidelines for exercise testing and prescription. 9th ed.: Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins; 2013.

18 Escala de Borg

19 PSE General (CR-10) PSE peripheral (CR-10) PERCEIVED EXERTION DURING ISOCALORIC CONTINUOUS AND INTERVAL TRAINING AEROBIC EXERCISE SESSIONS Sandro Conceição de Souza, Gabriel Dias Rodrigues, Thiago Rodrigues Gonçalves, Pedro Paulo da Silva Soares. () Fluminense Federal University and () Salgado de Oliveira University. Respostas de Percepção Subjetiva de Esforço (PSE) Continuous 60% VO 2 R Interval 80% VO 2 R Interval 50% VO2R 12.5 Continuous 60% VO 2 R Intervals 80% VO 2 R Intervals 50% VO 2 R 10.0 B Start 25% 50% 75% 100% Fraction of Time Session 0.0 Start 25% 50% 75% 100% Fraction of Time Session

A intensidade e duração do exercício determinam o dispêndio calórico total durante uma sessão de treinamento, e estão inversamente relacionadas.

A intensidade e duração do exercício determinam o dispêndio calórico total durante uma sessão de treinamento, e estão inversamente relacionadas. Mst.. Sandro de Souza A intensidade e duração do exercício determinam o dispêndio calórico total durante uma sessão de treinamento, e estão inversamente relacionadas. Para a aptidão cardiorrespiratória,

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Curso de Educação Física Disciplina: Fisiologia do Exercício. Ms. Sandro de Souza

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Curso de Educação Física Disciplina: Fisiologia do Exercício. Ms. Sandro de Souza UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Curso de Educação Física Disciplina: Fisiologia do Exercício Ms. Sandro de Souza Discutir alguns aspectos associados à medida do VO2máx. Conhecer os mecanismos envolvidos

Leia mais

TESTE DE ESFORÇO E CÁLCULOS DE AUXILIO PARA O PLANEJAMENTO E PRESCRIÇÀO DE EXERCICIOS FÍSICOS. Capacidade cardiorrespiratória

TESTE DE ESFORÇO E CÁLCULOS DE AUXILIO PARA O PLANEJAMENTO E PRESCRIÇÀO DE EXERCICIOS FÍSICOS. Capacidade cardiorrespiratória TESTE DE ESFORÇO E CÁLCULOS DE AUXILIO PARA O PLANEJAMENTO E PRESCRIÇÀO DE EXERCICIOS FÍSICOS Luiz Antônio Domingues Filho O treinamento aeróbio é um dos mais importantes componentes de um programa de

Leia mais

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo Bioquímica da Atividade Motora Calorimetria Medida do Gasto Energético No Exercício Físico Objetivo da aula Medida do gasto energético no exercício

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica COMPARAÇÃO DAS RESPOSTAS CARDIOPULMONARES DE MULHERES SUBMETIDAS A EXERCÍCIO DE RESISTÊNCIA DE FORÇA E AERÓBIO

19 Congresso de Iniciação Científica COMPARAÇÃO DAS RESPOSTAS CARDIOPULMONARES DE MULHERES SUBMETIDAS A EXERCÍCIO DE RESISTÊNCIA DE FORÇA E AERÓBIO 19 Congresso de Iniciação Científica COMPARAÇÃO DAS RESPOSTAS CARDIOPULMONARES DE MULHERES SUBMETIDAS A EXERCÍCIO DE RESISTÊNCIA DE FORÇA E AERÓBIO Autor(es) TIAGO VIEIRA ARBEX Orientador(es) MARCELO DE

Leia mais

Universidade Salgado de Oliveira Disciplina: Fisiologia do Exercício. Prof. Mst. Sandro de Souza

Universidade Salgado de Oliveira Disciplina: Fisiologia do Exercício. Prof. Mst. Sandro de Souza Universidade Salgado de Oliveira Disciplina: Fisiologia do Exercício Métodos de Predição do VO2máx Prof. Mst. Sandro de Souza Objetivos Discutir alguns aspectos associados à medida do VO2máx. Conhecer

Leia mais

METABOLISMO E FONTES ENERGÉTICAS NO EXERCÍCIO

METABOLISMO E FONTES ENERGÉTICAS NO EXERCÍCIO METABOLISMO E FONTES ENERGÉTICAS NO EXERCÍCIO PARTE 2 Dra. Flávia Cristina Goulart CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Marília flaviagoulart@marilia.unesp.br Déficit de Oxigênio

Leia mais

MÉTODOS de Treinamento

MÉTODOS de Treinamento Metodologia do TREINAMENTO FÍSICO AULA 7 MÉTODOS de Treinamento MÉTODOS de Treinamento Métodos CONTÍNUOS Métodos INTERVALADOS Métodos FRACIONADOS Métodos em CIRCUITO Métodos ADAPTATIVOS São as DIFERENTES

Leia mais

Avaliação do VO²máx. Avaliação do VO²máx

Avaliação do VO²máx. Avaliação do VO²máx Teste de Esforço Cardiorrespiratório Avaliação do Consumo Máximo de O² Avaliação Cardiorrespiratória Ergômetros Ergo = trabalho Metro = medida Sendo assim, um ergômetro é basicamente um instrumento que

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE TREINAMENTO CONTRA RESITÊNCIA SOBRE A FORÇA

EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE TREINAMENTO CONTRA RESITÊNCIA SOBRE A FORÇA EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE TREINAMENTO CONTRA RESITÊNCIA SOBRE A FORÇA FERNANDO CÉSAR REZENDE PINTO 1, FRANCISCO ZACARON WERNECK 2, EMERSON FILIPINO COELHO 2 1- Pós-graduando Latu Sensu em Treinamento

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

CONSUMO DE OXIGÊNIO, FREQUÊNCIA CARDÍACA E DISPÊNDIO ENERGÉTICO EM COREOGRAFIAS DE JUMP

CONSUMO DE OXIGÊNIO, FREQUÊNCIA CARDÍACA E DISPÊNDIO ENERGÉTICO EM COREOGRAFIAS DE JUMP DOI: 0.405/reveducfis.vi.75 CONSUMO DE OXIGÊNIO, FREQUÊNCIA CARDÍACA E DISPÊNDIO ENERGÉTICO EM COREOGRAFIAS DE JUMP OXYGEN CONSUMPTION, HEART RATE AND ENERGY EXPENDITURE IN JUMP CHOREOGRAPHIES Carolina

Leia mais

25/05/2017. Avaliação da aptidão aeróbia. Avaliação da potência aeróbia. Medida direta do consumo máximo de oxigênio Ergoespirometria (Padrão-ouro)

25/05/2017. Avaliação da aptidão aeróbia. Avaliação da potência aeróbia. Medida direta do consumo máximo de oxigênio Ergoespirometria (Padrão-ouro) Escola de Educação Física e Esporte da USP Disciplina EFB 0303 - Medidas e Avaliação da Atividade Motora Avaliação da potência aeróbia Avaliação da aptidão aeróbia Conceito: Capacidade máxima de se exercitar

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica COMPARAÇÃO DO GASTO ENERGÉTICO DA CAMINHADA E DA CORRIDA NA MESMA DISTANCIA

18º Congresso de Iniciação Científica COMPARAÇÃO DO GASTO ENERGÉTICO DA CAMINHADA E DA CORRIDA NA MESMA DISTANCIA 18º Congresso de Iniciação Científica COMPARAÇÃO DO GASTO ENERGÉTICO DA CAMINHADA E DA CORRIDA NA MESMA DISTANCIA Autor(es) MARCIO ANTONIO GONSALVES SINDORF Orientador(es) MARCELO DE CASTRO CÉSAR Apoio

Leia mais

Avaliação do VO²máx. Teste de Esforço Cardiorrespiratório. Avaliação da Função Cardíaca; Avaliação do Consumo Máximo de O²;

Avaliação do VO²máx. Teste de Esforço Cardiorrespiratório. Avaliação da Função Cardíaca; Avaliação do Consumo Máximo de O²; Teste de Esforço Cardiorrespiratório Avaliação da Função Cardíaca; Avaliação do Consumo Máximo de O²; Avaliação Cardiorrespiratória 1 Teste de Esforço Cardiorrespiratório Avaliação do Consumo Máximo de

Leia mais

Testes Metabólicos. Avaliação do componente Cardiorrespiratório

Testes Metabólicos. Avaliação do componente Cardiorrespiratório Testes Metabólicos Avaliação do componente Cardiorrespiratório É a habilidade do organismo humano em suprir aerobicamente o trabalho muscular associado à capacidade dos tecidos em utilizar o oxigênio na

Leia mais

Programas de Treinamento com Pesos

Programas de Treinamento com Pesos Objetivos do Treinamento com Pesos Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

Prof. Ms. Gerson Leite

Prof. Ms. Gerson Leite UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO LICENC. EM EDUCAÇÃO FÍSICA FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Balanço energético, dispêndio de energia no repouso e no exercício. Balanço energético, dispêndio de energia no repouso e no

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica COMPORTAMENTO DA FREQUENCIA CARDÍACA, PERCEPÇÃO SUBJETIVA DO ESFORÇO, E O GASTO CALÓRICO DURANTE UMA SESSÃO DE CIRCUITO COM PESOS 234 Marco Antonio Simi 1 RESUMO Este trabalho tem como objetivo observar

Leia mais

GASTO ENERGÉTICO DA AULA DE STEP

GASTO ENERGÉTICO DA AULA DE STEP GASTO ENERGÉTICO DA AULA DE STEP RESUMO Viviane Ribeiro de Ávila Vianna 1 Vinícius de Oliveira Damasceno 2 Jeferson Macedo Vianna 3 Jorge Roberto Perrout Lima 4 Jeferson da Silva Novaes 5 Estélio Henrique

Leia mais

Resumo. Abstract. Key-words: Cardio-vascular; Heart Rate; Indoor Cycle. Palavras-Chave: Cárdio-vascular; Frequência cardíaca; Indoor Cycle

Resumo. Abstract. Key-words: Cardio-vascular; Heart Rate; Indoor Cycle. Palavras-Chave: Cárdio-vascular; Frequência cardíaca; Indoor Cycle Proposta de uma equação de regressão para estimar o pico da frequencia cardíaca ou a frequencia cardíaca máxima de esforço em indoor cycling Leandro Abreu Pereira Rui Manuel Garganta Faculdade de Desporto,

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet AVALIAÇÃO DO VO2 MAX O cálculo do Vo2max possibilita aos atletas, qualquer que seja o seu nível ou idade, a obtenção de melhores resultados

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO COMO FERRAMENTA NO MONITORAMENTO DA INTENSIDADE DE ESFORÇO EM AULAS DE CICLISMO INDOOR 149 Carlos Alberto Basso 1 Homero Gustavo Ferrari 1 RESUMO O Ciclismo Indoor (CI) é

Leia mais

BE066 - Fisiologia do Exercício. Consumo Máximo de Oxigênio

BE066 - Fisiologia do Exercício. Consumo Máximo de Oxigênio BE066 - Fisiologia do Exercício Consumo Máximo de Oxigênio Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos Conceituar Consumo Máximo de Oxigênio Descrever os Fatores que influenciam o VO2max Meios para determinação

Leia mais

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR Curso: Licenciatura em Desporto Ciclo: 1º Ramo: Ano: 2º Designação: Atividades de Academia I Créditos: 5 Departamento: Ciências e Tecnologias Tipo: Área científica: Ciências

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 REVISÃO DA LITERATURA 5

ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 REVISÃO DA LITERATURA 5 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1.1. APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA 1 1.2. OBJECTIVOS E PERTINÊNCIA DO ESTUDO 2 REVISÃO DA LITERATURA 5 2.1. METABOLISMO ENERGÉTICO 5 2.1.1. CONCEITO DE ENERGIA 5 2.1.2. VIAS ENERGÉTICAS

Leia mais

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Teste Submáximo de Astrand em

Leia mais

TRABALHO AERÓBICO: PERDA DE PESO E QUALIDADE DE VIDA

TRABALHO AERÓBICO: PERDA DE PESO E QUALIDADE DE VIDA TRABALHO AERÓBICO: PERDA DE PESO E QUALIDADE DE VIDA Elizangela Coutinho Lourdes Vargas Prof. Alberto Dantas Resumo A preocupação com a saúde e principalmente com a obesidade tem levado as pessoas à procura

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE NO DESPORTO FITNESS I

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE NO DESPORTO FITNESS I INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE NO DESPORTO FITNESS I PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR 2009/2010 1 UNIDADE CURRICULAR Fitness

Leia mais

COMPARAÇÃO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA MÁXIMA (FCM) CALCULADA POR 21 EQUAÇÕES E FCM OBTIDA EM NATAÇÃO ESTILO LIVRE

COMPARAÇÃO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA MÁXIMA (FCM) CALCULADA POR 21 EQUAÇÕES E FCM OBTIDA EM NATAÇÃO ESTILO LIVRE 1 COMPARAÇÃO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA MÁXIMA (FCM) CALCULADA POR 21 EQUAÇÕES E FCM OBTIDA EM NATAÇÃO ESTILO LIVRE SILVANA LOPES NOGUEIRA 1 ; WALLISON DAVID RODRIGUES XAVIER 1 ; PRISCILA FIGUEIREDO 1 ; JOÃO

Leia mais

Mais em forma, mais veloz, mais forte, mais alongado: Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor

Mais em forma, mais veloz, mais forte, mais alongado: Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor Mais em forma, mais veloz, mais forte, mais alongado: Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor O Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor é um programa de treinamento em 3 fases que orienta progressivamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CAVALO ATLETA EM TESTES A CAMPO

AVALIAÇÃO DO CAVALO ATLETA EM TESTES A CAMPO AVALIAÇÃO DO CAVALO ATLETA EM TESTES A CAMPO Professor Guilherme de Camargo Ferraz guilherme.de.ferraz@terra.com.br INTRODUÇÃO Mercado Nacional de Eqüinos: Inter-relações Complexo Agronegócio Cavalo Esporte

Leia mais

ESTIMATIVA DO EQUIVALENTE METABÓLICO (MET) DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS BASEADA NA CALORIMETRIA INDIRETA

ESTIMATIVA DO EQUIVALENTE METABÓLICO (MET) DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS BASEADA NA CALORIMETRIA INDIRETA ESTIMATIVA DO EQUIVALENTE METABÓLICO (MET) DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS BASEADA NA CALORIMETRIA INDIRETA ciências do exercício E DO ESPORTE ESTIMATION OF METABOLIC EQUIVALENT (MET) OF AN EXERCISE

Leia mais

II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste. Dr. Maurício Milani

II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste. Dr. Maurício Milani Teste ergométrico II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste Dr. Maurício Milani 15/08/2009 Teste ergométrico Método para avaliar a resposta cardiovascular ao esforço físico

Leia mais

Consumo Máximo de Oxigênio

Consumo Máximo de Oxigênio Consumo Máximo de Oxigênio Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD BE066 Consumo Máximo de Oxigênio VO2max BE066 Sistema Portátil K4b 2 BE066 VO2max Definição: É a razão máxima de O2 que uma pessoa pode absorver,

Leia mais

ESTUDO DAS RESPOSTAS CARDIOVASCULARES DURANTE AULAS DE BODY PUMP

ESTUDO DAS RESPOSTAS CARDIOVASCULARES DURANTE AULAS DE BODY PUMP ESTUDO DAS RESPOSTAS CARDIOVASCULARES DURANTE AULAS DE BODY PUMP ANDRÉ LUIZ QUAGLIOZ COSTA UNIVERSIDAD CATOLICA NUESTRA SEÑORA DE LA ASUNCIÓN, ASSUNÇÃO, PARAGUAI PROFANDRE@GLOBO.COM Introdução. A Ciência

Leia mais

Motricidade ISSN: X Desafio Singular - Unipessoal, Lda Portugal

Motricidade ISSN: X Desafio Singular - Unipessoal, Lda Portugal Motricidade ISSN: 1646-107X motricidade.hmf@gmail.com Desafio Singular - Unipessoal, Lda Portugal Mendes, R.; Silva, P.M.; Reis, V.M. Prescrição de exercício para a saúde: Caracterização do dispêndio energético

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica MÉTODO INDIRETO DE DETERMINAÇÃO DA INTENSIDADE DE EXERCÍCIO DE CORRIDA POR EQUIVALENTE METABÓLICO: UM ESTUDO PILOTO 290 Nuno Manuel Frade de Sousa 1, Monica Ferrão Machado Couto 1 Danilo Rodrigues Bertucci

Leia mais

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios??

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? RISCOS BENEFÍCIOS RISCO DE MORTE POR DOENÇAS 100 % CARDIOVASCULARES 80 Diminuição de 34% 66% 60 40 20 0 AGITA São Paulo Sedentário Pouco Ativo Ativo Muito

Leia mais

Prof. Claudio Pavanelli

Prof. Claudio Pavanelli Exercício e Altitude Prof. Claudio Pavanelli CEMAFE Universidade Federal de São Paulo - EPM Fisiologia das Altitudes Elevadas La Paz 3.600 m 490 mmhg Mar São Paulo 760 m Rio de Janeiro 0 m 760 mmhg Fisiologia

Leia mais

14-11-2013. Adaptado de Serway & Jewett Marília Peres 2013. Marília Peres

14-11-2013. Adaptado de Serway & Jewett Marília Peres 2013. Marília Peres Adaptado de Serway & Jewett Marília Peres 2013 2 1 Se a aceleração de um objecto é zero, podemos dizer que equilíbrio. di er q e este se encontra em eq ilíbrio Matematicamente, é equivalente a dizer que

Leia mais

TÍTULO: EFEITO DA REDUÇÃO DA FREQUÊNCIA SEMANAL NO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA POTÊNCIA

TÍTULO: EFEITO DA REDUÇÃO DA FREQUÊNCIA SEMANAL NO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA POTÊNCIA TÍTULO: EFEITO DA REDUÇÃO DA FREQUÊNCIA SEMANAL NO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA POTÊNCIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

1.2. Grandezas Fundamentais e Sistemas de Unidades

1.2. Grandezas Fundamentais e Sistemas de Unidades CAPÍTULO 1 Grandezas, Unidades e Dimensões 1.1. Medidas Uma grandeza física é uma propriedade de um corpo, ou particularidade de um fenómeno, susceptível de ser medida, i.e. à qual se pode atribuir um

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

Introdução. avalon 04/02/2016. José Pereira De Mattos Filho

Introdução. avalon 04/02/2016. José Pereira De Mattos Filho Introdução Avalon 2.0.1-06/02/2016 Interpretação dos Percentis Avalon 2.0.1-06/02/2016 Anamnese ANAMNESE Histórico de Atividades Físicas Praticou tênis durante 15 anos, mas está parado há 4 anos. Atividades

Leia mais

Artigo protocolado em 05 ago. 2013 e aprovado em 10 out. 2013

Artigo protocolado em 05 ago. 2013 e aprovado em 10 out. 2013 Diferença no perfil antropométrico, dos estados de humor e do nível de atividade física de residentes na área rural e urbana de uma cidade do interior de Minas Gerais Helena Pinto de Paiva Gʹ, Ademir

Leia mais

Prescrição de exercícios para pacientes com diabetes tipo 2 - síntese das recomendações internacionais: resenha

Prescrição de exercícios para pacientes com diabetes tipo 2 - síntese das recomendações internacionais: resenha Prescrição de exercícios para pacientes com diabetes tipo 2 - síntese das recomendações internacionais: resenha Romeu Mendes, 1,2 Nelson Sousa, 2 António Almeida, 2 Paulo Subtil, 3 Fernando Guedes-Marques,

Leia mais

EFEITO DE OITO SEMANAS DE TREINAMENTO FUNCIONAL SOBRE A APTIDÃO FÍSICA DE IDOSOS

EFEITO DE OITO SEMANAS DE TREINAMENTO FUNCIONAL SOBRE A APTIDÃO FÍSICA DE IDOSOS EFEITO DE OITO SEMANAS DE TREINAMENTO FUNCIONAL SOBRE A APTIDÃO FÍSICA DE IDOSOS Effect of eight weeks of functional training on physical fitness of elderly João Paulo Farias 1 ; Thiago Scatambuli 2 ;

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica PERFIL DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA DE PRATICANTES DE MINI-TRAMPOLIM ATRAVÉS DO TESTE DE AHLQUIST 314 Josiele Maraci Nickel Claudino 1,3 RESUMO Introdução: A prática de exercícios físicos é um excelente

Leia mais

Dr.ª SANDRA MARCELA MAHECHA MATSUDO Departamento de Reabilitação da Escola Paulista de Medicina EPM/Unifesf

Dr.ª SANDRA MARCELA MAHECHA MATSUDO Departamento de Reabilitação da Escola Paulista de Medicina EPM/Unifesf A EXPERIÊNCIA DE MULHERES IDOSAS EM PROGRAMAS DE EXERCÍCIOS COM PESOS NÃO DETERMINA A PERFORMANCE NO TESTE 1-RM NEM A RESPOSTA DA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO VAGNER RASO Mestrando pelo Departamento

Leia mais

Adaptações. Estruturais. Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR

Adaptações. Estruturais. Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR Adaptações EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Márcio Oliveira de Souza Estruturais Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO NA FREQUÊNCIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR FORÇA MUSCULAR 13/06/2017. Disciplina Medidas e Avaliação da Atividade Motora 2017 AGILIDADE POTÊNCIA MUSCULAR

AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR FORÇA MUSCULAR 13/06/2017. Disciplina Medidas e Avaliação da Atividade Motora 2017 AGILIDADE POTÊNCIA MUSCULAR FORÇA MUSCULAR AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR AGILIDADE POTÊNCIA MUSCULAR RESISTÊNCIA CARDIORESPIRATÓRIA Disciplina Medidas e Avaliação da Atividade Motora 2017 FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULARES COMPOSIÇÃO CORPORAL

Leia mais

ANDRÉ LUÍS DO AMARAL VELLOSO MARCONATO EFEITO DO TREINAMENTO EM MINI- TRAMPOLIM NA RESISTÊNCIA DE FORÇA E NA APTIDÃO AERÓBIA EM MULHERES TREINADAS

ANDRÉ LUÍS DO AMARAL VELLOSO MARCONATO EFEITO DO TREINAMENTO EM MINI- TRAMPOLIM NA RESISTÊNCIA DE FORÇA E NA APTIDÃO AERÓBIA EM MULHERES TREINADAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - RIO CLARO BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANDRÉ LUÍS DO AMARAL VELLOSO MARCONATO EFEITO DO TREINAMENTO EM MINI- TRAMPOLIM

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha Resumo- O processo de envelhecimento humano causa modificações morfológicas

Leia mais

Objetivo da participação:

Objetivo da participação: Objetivo da participação: Contribuir para facilitar o entendimento da prescrição da intensidade do exercício em pacientes pós IAM em programas de reabilitação. BENEFÍCIOS: Isquemia miocárdica 1- Melhora

Leia mais

Gabarito dos exercícios de estimativa da taxa metabólica basal e de gasto energético em atividade física para a disciplina de Nutrição Normal

Gabarito dos exercícios de estimativa da taxa metabólica basal e de gasto energético em atividade física para a disciplina de Nutrição Normal 1 Gabarito dos exercícios de estimativa da taxa metabólica basal e de gasto energético em atividade física para a disciplina de Nutrição Normal 1) GET (gasto energético total); NAF (nível de atividade

Leia mais

Glasiele Stival Costa 1, Jeferson Luiz Carvalho 2, Fabiano Macedo Salgueirosa 3 RESUMO

Glasiele Stival Costa 1, Jeferson Luiz Carvalho 2, Fabiano Macedo Salgueirosa 3 RESUMO EFEITO DE UMA SESSÃO DE TREINAMENTO INTERVALADO DE ALTA INTENSIDADE (HIIT) EM PARÂMETROS HEMODINÂMICOS EM HOMENS DE 20 A 30 ANOS DE IDADE NORMOTENSOS E MODERADAMENTE ATIVOS. Glasiele Stival Costa 1, Jeferson

Leia mais

Revista Digital - Buenos Aires - Año 11 - N Diciembre de 2006

Revista Digital - Buenos Aires - Año 11 - N Diciembre de 2006 Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Análise do comportamento da freqüência cardíaca durante testes de esforço máximo em diferentes ergômetros

Leia mais

Aspectos Metodológicos da Preparação dos Corredores de Longa Distância

Aspectos Metodológicos da Preparação dos Corredores de Longa Distância Prof. Ricardo Antonio D Angelo -Mestrando em Ciências da Motricidade, UNESP, Rio Claro, 2006 -Treinador Nacional de Fundo, 2004 -Treinador IAAF Nível II, 1999 -Especialização em Atletismo, USP, 1983 -Coordenador

Leia mais

ARTIGO DE REVISÃO. Fabiane Inês Graef e Luiz Fernando Martins Kruel

ARTIGO DE REVISÃO. Fabiane Inês Graef e Luiz Fernando Martins Kruel ARTIGO DE REVISÃO Freqüência cardíaca e percepção subjetiva do esforço no meio aquático: diferenças em relação ao meio terrestre e aplicações na prescrição do exercício uma revisão * Fabiane Inês Graef

Leia mais

Respostas Fisiológicas do sistema cardiovascular durante a Atividade Física

Respostas Fisiológicas do sistema cardiovascular durante a Atividade Física Respostas Fisiológicas do sistema cardiovascular durante a Atividade Física 1 1) ATP: Adenosina trifosfato É um composto que armazena e libera energia para todos os processos celulares, inclusive para

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso Desporto Ano letivo 2015/2016 Unidade Curricular Avaliação e Prescrição do Exercício Físico ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 2º Semestre 1º sem Horas de trabalho globais Docente (s) Carolina Júlia Félix

Leia mais

Teste de Caminhada de 6 minutos

Teste de Caminhada de 6 minutos Nome: Idade: Altura: F.C. máx prev, = Teste de Caminhada de 6 minutos Sexo: Peso: F.C. sub. máx prev.= Opção de teste: ( ) esteira ( ) terreno plano Glicemia: Teste Ergométrico Data: Tempo (min) Repouso

Leia mais

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior Data: Avaliador: Avaliado: 07/03/2013 Flávio Modelo Bem Vindo ao AVAESPORTE! Esporte Sistemas Incubadora de Empresas UFV (31)3892-5117 31-9332-3136 contato@esportesistemas.com.br www.esportesistemas.com.br

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA GLICEMIA PLASMÁTICA COM TREINAMENTO DE FORÇA CIRCUITADO E REPOUSO EM INDIVÍDUOS JOVENS

ANÁLISE COMPARATIVA DA GLICEMIA PLASMÁTICA COM TREINAMENTO DE FORÇA CIRCUITADO E REPOUSO EM INDIVÍDUOS JOVENS ANÁLISE COMPARATIVA DA GLICEMIA PLASMÁTICA COM TREINAMENTO DE FORÇA CIRCUITADO E REPOUSO EM INDIVÍDUOS JOVENS Yasmim Q. Santos¹ Lucas Rocha Costa² Raphael Martins Cunha³ Paulo José Dias Costa Jaime 4 PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

O efeito do exercício em mini-trampolim de solo sobre medidas de resistência muscular localizada (RML), capacidade aeróbia (VO 2 ) e flexibilidade

O efeito do exercício em mini-trampolim de solo sobre medidas de resistência muscular localizada (RML), capacidade aeróbia (VO 2 ) e flexibilidade Artigo Original 1 Pacientes portadores de osteoartrite de joelho e o tratamento de cinesioterapia e crioterapia O efeito do exercício em mini-trampolim de solo sobre medidas de resistência muscular localizada

Leia mais

16 Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

16 Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício 16 Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício GASTO CALÓRICO NAS AULAS DE BODY PUMP E POWER JUMP Ana Paula Faccin 1, Ricardo Rodrigo Rech 1, Daiane Toigo Trentin 1, Eduardo Ramos da Silva

Leia mais

Treinamento Físico nas Cardiopatias

Treinamento Físico nas Cardiopatias OBJETIVO Treinamento Físico nas Cardiopatias Gustavo Gonçalves Cardozo Oferecer ferramentas para compreensão de um programa de atividade física para cardiopatas. Professor de Reabilitação Cardíaca do Curso

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica ANÁLISE COMPARATIVA DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO E DA PRESCRIÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO AERÓBIO: ERGOESPIROMETRIA VERSUS TESTE ERGOMÉTRICO CONVENCIONAL COMPARATIVE ANALYSIS OF MAXIMUM CONSUME OF

Leia mais

NÍVEL DE CONDICIONAMENTO AERÓBIO VO ² MÁXIMO EM PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA.

NÍVEL DE CONDICIONAMENTO AERÓBIO VO ² MÁXIMO EM PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA. NÍVEL DE CONDICIONAMENTO AERÓBIO VO ² MÁXIMO EM PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA. CLÉCIO SANTANA MACHADO¹ LAÍS BRANDÃO CARVALHO SILVA¹ MICHELINI TAVARES A. DE AGUIAR¹ CASSIO HARTMANN² (1) INSTITUTO BATISTA

Leia mais

RESPOSTAS CARDIOVASCULARES DURANTE STEP TRAINING EM JOVENS UNIVERSITÁRIAS

RESPOSTAS CARDIOVASCULARES DURANTE STEP TRAINING EM JOVENS UNIVERSITÁRIAS RESPOSTAS CARDIOVASCULARES DURANTE STEP TRAINING EM JOVENS UNIVERSITÁRIAS CARDIOVASCULAR RESPONSES DURING BENCH STEPPING IN THE YOUNG UNIVERSITY WOMEN Iula Lamounier Lucca Heloisa Thomaz Rabelo ** Carlos

Leia mais

Parâmetros Cardiovasculares e Gasto Energético Indireto no Pilates

Parâmetros Cardiovasculares e Gasto Energético Indireto no Pilates Artigo original Parâmetros Cardiovasculares e Gasto Energético Indireto no Pilates Cardiovascular parameters and energy expenditure in indirect pilates Maria Luiza da Silva¹ Tiago Marques de Rezende¹ Lucas

Leia mais

VI Congresso Internacional de Corrida- 2015

VI Congresso Internacional de Corrida- 2015 VI Congresso Internacional de Corrida- 2015 Treino de resistência e níveis de performance Gonçalo Vilhena de Mendonça 2015 Estrutura geral 1. Treino de resistência cardiorrespiratória (CR) na corrida.

Leia mais

Para fazer atividade física com segurança e reduzir o risco de lesões e outros eventos adversos, as pessoas devem:

Para fazer atividade física com segurança e reduzir o risco de lesões e outros eventos adversos, as pessoas devem: Atividade Física Saudável Tiago Lazzaretti Felipe Hardt Pessoas sedentárias que gostariam de melhorar, gradualmente, seu nível de atividade física não encontram riscos significantes.(1) Todo adulto saudável

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica COMPORTAMENTO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO EM DIFERENTES METODOLOGIAS DE SESSÃO DE JUMP 89 Carina Almeida Miguel 1, Cristine Lima Alberton 2 Caroline Pieta Dias 3, Carlos Leandro Tiggemann

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES MOTORAS AQUÁTICAS

PROGRAMA DE ATIVIDADES MOTORAS AQUÁTICAS AVALIAÇÃO DA SAÚDE, ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO E PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE PARTICIPANTES EM UM PROGRAMA DE ATIVIDADES MOTORAS AQUÁTICAS COELHO, Vitor Antonio Cerignoni; BARION, Roberto Antonio de Campos; BORBA,

Leia mais

Movimentação Física e Prática de Esportes: Eu quero mas não consigo e se consigo, quero mais

Movimentação Física e Prática de Esportes: Eu quero mas não consigo e se consigo, quero mais Movimentação Física e Prática de Esportes: Eu quero mas não consigo e se consigo, quero mais Páblius Staduto Braga da Silva Medicina do Exercício e do Esporte Hospital Nove de Julho Coordenador Médico

Leia mais

TÍTULO: ALTERAÇÕES MORFOFUNCIONAIS DECORRENTE DE DOIS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA

TÍTULO: ALTERAÇÕES MORFOFUNCIONAIS DECORRENTE DE DOIS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA TÍTULO: ALTERAÇÕES MORFOFUNCIONAIS DECORRENTE DE DOIS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE METROPOLITANA

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ORDEM DOS EXERCÍCIOS SOBRE O DESEMPENHO, GANHOS DE FORÇA E VOLUME MUSCULAR

INFLUÊNCIA DA ORDEM DOS EXERCÍCIOS SOBRE O DESEMPENHO, GANHOS DE FORÇA E VOLUME MUSCULAR INFLUÊNCIA DA ORDEM DOS EXERCÍCIOS SOBRE O DESEMPENHO, GANHOS DE FORÇA E VOLUME MUSCULAR Roberto Simão 1, Belmiro Freitas de Salles 1 RESUMO Os diversos posicionamentos do American College of Sports Medicine

Leia mais

v = velocidade média, m/s; a = aceleração média do corpo, m/s 2 ;

v = velocidade média, m/s; a = aceleração média do corpo, m/s 2 ; 1. Cinemática Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias - Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 0304 Mecânica Aplicada Prof. Ricardo Ferreira

Leia mais

RESPOSTA DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM REPOUSO E DURANTE TESTE INCREMENTAL MÁXIMO, REALIZADO EM MEIO TERRESTRE OU AQUÁTICO

RESPOSTA DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM REPOUSO E DURANTE TESTE INCREMENTAL MÁXIMO, REALIZADO EM MEIO TERRESTRE OU AQUÁTICO DOI: 10.4025/reveducfis.v20i4.6335 RESPOSTA DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM REPOUSO E DURANTE TESTE INCREMENTAL MÁXIMO, REALIZADO EM MEIO TERRESTRE OU AQUÁTICO HEART RATE RESPONSE AT REST AND DURING MAXIMAL

Leia mais

O Holter 24 horas, ou Eletrocardiografia Dinâmica, é um exame que tem. por objetivo verificar o funcionamento do coração do paciente por 24 horas,

O Holter 24 horas, ou Eletrocardiografia Dinâmica, é um exame que tem. por objetivo verificar o funcionamento do coração do paciente por 24 horas, Dados do Paciente CESA Nome: Dalmares Maria Felix Idade: 4 Sexo: F Altura:,68 Peso: 7 Fumante: O que é o Holter 4 Horas? O Holter 4 horas, ou Eletrocardiografia Dinâmica, é um exame que tem por objetivo

Leia mais

Metabolismo do Exercício -1ª parte

Metabolismo do Exercício -1ª parte Metabolismo do Exercício -1ª parte INTRODUÇÃO Nenhum outro estresse a que o corpo é normalmente exposto, sequer se aproxima dos estresses extremos decorrente do exercício vigoroso. INTRODUÇÃO De fato,

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica 139 CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA DE MULHERES JOVENS COM DIFERENTES NÍVEIS DE ATIVIDADE FÍSICA Eduardo Caldas Costa 1,2, Francisco Carlos Costa 1,2, Georges Willeneuwe de Sousa Oliveira 1,5, Ranulfo Fiel

Leia mais

Apostila de atletismo. Técnicas de Revezamentos. O bastão. Passagem do Bastão. Revezamento 4 x 100 REVEZAMENTO

Apostila de atletismo. Técnicas de Revezamentos. O bastão. Passagem do Bastão. Revezamento 4 x 100 REVEZAMENTO REVEZAMENTO Apostila de atletismo Prof. Pablo Teixeira Salomão, Ms. CREF 008134 G / MG pablomestrado@yahoo.com.br Técnicas de Revezamentos Várias foram as provas de revezamento; Atualmente são realizadas

Leia mais

Eric Macias De São Pedro. Dissertação apresentada à Escola Superior de Educação de Bragança para obtenção de grau de Mestre em Exercício e Saúde

Eric Macias De São Pedro. Dissertação apresentada à Escola Superior de Educação de Bragança para obtenção de grau de Mestre em Exercício e Saúde Validação da Frequência Cardíaca Líquida na estimativa do gasto energético e na prescrição da intensidade do exercício em cicloergómetro, em jovens adultos masculinos. Eric Macias De São Pedro Dissertação

Leia mais

DISPÊNDIO ENERGÉTICO DO ÁRBITRO E DO ÁRBITRO ASSISTENTE DE FUTEBOL

DISPÊNDIO ENERGÉTICO DO ÁRBITRO E DO ÁRBITRO ASSISTENTE DE FUTEBOL DISPÊNDIO ENERGÉTICO DO ÁRBITRO E DO ÁRBITRO ASSISTENTE DE FUTEBOL ENERGETIC EXPENDITURE OF THE REFEREE AND THE ASSISTANT SOCCER REFEREE Alberto Inácio da Silva * Ciro Romelio Rodriguez-Añez ** RESUMO

Leia mais

GASTO ENERGÉTICO EM MULHERES SUBMETIDAS A DIFERENTES METODOLOGIAS DE TREINAMENTO RESISTIDO

GASTO ENERGÉTICO EM MULHERES SUBMETIDAS A DIFERENTES METODOLOGIAS DE TREINAMENTO RESISTIDO ARTIGO GASTO ENERGÉTICO EM MULHERES SUBMETIDAS A DIFERENTES METODOLOGIAS DE TREINAMENTO RESISTIDO Reinaldo de Souza Vieira 1 Bárbara Braga Fernandes 1 Paulo Roberto Amorim 1 João Carlos Bouzas Marins 1

Leia mais

Revista Ciência Online / Volume 3 3º Trimestre Página 394 a 400

Revista Ciência Online / Volume 3 3º Trimestre Página 394 a 400 Revista Ciência Online / 2009 394 Volume 3 3º Trimestre Página 394 a 400 HÁBITOS ALIMENTARES E PRÁTICA DE ATIVIDADES FÍSICAS DOS ADOLESCENTES DA ESCOLA MUNICIPAL SILVEIRA SAMPÁIO RJ. Michelle Fonseca de

Leia mais

HIIT: 8 motivos para você praticá lo sempre!

HIIT: 8 motivos para você praticá lo sempre! HIIT: 8 motivos para você praticá lo sempre! Artigo publicado originalmente em: http://emagrecendo.info/q48/hiit/ HIIT é a abreviação de High Intensity Interval Training, termo inglês para Treino Intervalado

Leia mais

Motricidade ISSN: X Desafio Singular - Unipessoal, Lda Portugal

Motricidade ISSN: X Desafio Singular - Unipessoal, Lda Portugal Motricidade ISSN: 1646-107X motricidade.hmf@gmail.com Desafio Singular - Unipessoal, Lda Portugal Silva Novaes, Jefferson da; Freitas de Salles, Belmiro; Silva Novaes, Giovanni da; Monteiro, Maria Dolores;

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTENSIDADE DE ESFORÇO DA LUTA DE CARATÊ POR MEIO DA MONITORIZAÇÃO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA

AVALIAÇÃO DA INTENSIDADE DE ESFORÇO DA LUTA DE CARATÊ POR MEIO DA MONITORIZAÇÃO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA AVALIAÇÃO DA INTENSIDADE DE ESFORÇO DA LUTA DE CARATÊ POR MEIO DA MONITORIZAÇÃO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA Dr. MARCELO DE CASTRO CÉSAR E-mail: maccesar@unimep.br Dr. ÍDICO LUIZ PELLEGRINOTTI EDUARDO SILVESTRE

Leia mais

Mário A. Rodrigues-Ferreira 1,2,3

Mário A. Rodrigues-Ferreira 1,2,3 DIFERENÇAS NA RESPOSTA CARDIORRESPIRATÓRIA ENTRE RAPAZES PRÉ-PÚBERES NADADORES E NÃO ATLETAS DURANTE A REALIZAÇÃO DE UM TESTE INCREMENTAL MÁXIMO EM PASSADEIRA Mário A. Rodrigues-Ferreira 1,2,3 1 Instituto

Leia mais

Cassio Nobre - Personal trainner e Consultori

Cassio Nobre - Personal trainner e Consultori Cassio Nobre - Personal trainner e Consultori cassiosantan@hotmail.com Dados da Avaliação Nome: Ricardo Chagas Rodrigues Idade: 62 Anos Data: 31/01/2017-11:52 Email: ricrodrigues@uol.com.br Etnia: Branco

Leia mais

Comportamento de variáveis fisiológicas durante a aula de hidroginástica com mulheres

Comportamento de variáveis fisiológicas durante a aula de hidroginástica com mulheres ARTIGO ORIGINAL Comportamento de variáveis fisiológicas durante a aula de hidroginástica com mulheres Behavior of physiological variables during a water gymnastics class in women Mabel Micheline Olkoski

Leia mais

Limiar Anaeróbio. Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD. Wasserman & McIlroy Am. M. Cardiol, 14: , 1964

Limiar Anaeróbio. Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD. Wasserman & McIlroy Am. M. Cardiol, 14: , 1964 Limiar Anaeróbio Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Wasserman & McIlroy Am. M. Cardiol, 14:844-852, 1964 Introdução do termo Limiar de Metabolismo Anaeróbio Definido como a taxa de trabalho ou VO2 a partir

Leia mais