O Estágio na Licenciatura em Matemática na Voz das Professoras FAFIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Estágio na Licenciatura em Matemática na Voz das Professoras FAFIA"

Transcrição

1 O Estágio na Licenciatura em Matemática na Voz das Professoras FAFIA Renato Fundão Vieira 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Resumo: No trabalho de pesquisa de doutorado, procuramos estabelecer um texto que tenha condições de registrar as experiências na Prática de Ensino e ou Estágio Supervisionado em Matemática das professoras da FAFIA - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Alegre - desde a criação do curso de Licenciatura em Matemática (1973). Para tanto, contamos e partimos da fundamental colaboração de professoras que atuaram e ou estão atuando na Prática de Ensino da Matemática e ou Estágio Supervisionado nesta Instituição de Ensino Superior. A história oral será, neste contexto, o rumo a ser tomado para ter acesso às narrativas dessas experiências e entender como aquelas professoras atuaram na Prática de Ensino e ou Estágio Supervisionado. Essas narrativas poderão apresentar tanto os aspectos ligados à Prática de Ensino na FAFIA e nas Escolas campo de estágio, bem como as práticas de formação, as práticas de ensinar e aprender na escola básica. O termo memória receberá especial atenção neste estudo porque é por meio dela que as colaboradoras tecerão suas narrações. Aqui memória é concebida como um conjunto de experiências, impressões, imagens e lembranças reeditadas pela linguagem. Não pode ser considerada rígida e definitiva, pois está em constante elaboração. Por um lado ela poderá estar fixa em algumas experiências oficialmente creditadas, mas, por outro em experiências que se esquivam do que é considerado oficial. Palavras-chave: Prática de Ensino. Estágio Supervisionado. Formação do Professor de Matemática. Memória. Tema O rumo temático desta pesquisa - Prática de Ensino e ou Estágio Supervisionado em Matemática - foi escolhido, levando em conta minha própria experiência profissional. No que diz respeito a isso, a escolha do se justifica por estar trabalhando com as disciplinas de Estágio Curricular Supervisionado no Curso de Licenciatura Plena em Matemática e por isso, preocupo-me muito com as questões que permeiam as dificuldades para atuar e orientar este componente curricular. Assim, pareceu claro e possível o viés da pesquisa e outros condicionantes: a história oral que possibilitou o acesso às experiências das professoras da FAFIA, que atuaram e / ou atuam na Prática de Ensino/no Estágio Supervisionado de Matemática. O fato de estar atuando no Curso de Licenciatura em Matemática, trabalhando com Estágio Supervisionado, culminou a meu ver, um estudo pertinente na área de história oral em educação (matemática). Sobre isso Thompson (1992, p. 238) afirma que 1 Universidade Federal do Espírito Santo, orientadora: Lígia Arantes Sad.

2 É importante também que se escolha um assunto que seja relevante para as questões históricas mais amplas, bem como que seja um tema suficientemente definido e localizado. O resultado disso não será bom se os informantes potenciais estiverem por demais espalhados, para que se possa identificá-los de maneira relativamente rápida. A compreensão histórica sobre as práticas de ensino presentes na formação inicial dos professores de matemática da FAFIA pode trazer aspectos e elementos importantes ligados às práticas e experiências pedagógicas vinculadas ao processo de implantação do Curso de Matemática e de seu percurso, desde 1973 aos dias atuais e poderá responder à seguinte questão: Como ocorreu o processo de desenvolvimento da disciplina Prática de Ensino/Estágio Supervisionado na Licenciatura de Matemática durante aproximadamente quarenta anos do funcionamento da FAFIA e quais as suas implicações para as práticas desenvolvidas, a partir da versão dada pelas professoras que as vivenciaram? Direcionados por esse questionamento, o objetivo geral é: elaborar uma análise sobre a Prática de Ensino / Estágio Supervisionado da Licenciatura em Matemática da FAFIA, tendo como fontes de partida a documentação pertinente e, primordialmente, os depoimentos orais de professoras que estiveram ou ainda estão envolvidas na condução destas disciplinas, seja como docentes, discentes, coordenadores na/da Prática de Ensino/Estágio Supervisionado. Nos desdobramentos procedimentais para alcançar este objetivo, que tem o intuito de presentificar uma interpretação de parte do vivido, os objetivos específicos são: Investigar os aspectos constitutivos da formação inicial dos (as) alunos (as) do Curso de Licenciatura em Matemática ocorrido na FAFIA; Analisar as experiências pedagógicas das professoras e transformações em torno da Prática de Ensino / Estágio Supervisionado da Licenciatura em Matemática e suas implicações na formação inicial do professor; Elaborar uma compreensão histórica sobre as práticas de ensino presentes na formação inicial dos professores de matemática da FAFIA. Os Procedimentos Durante a fase inicial de discussão do Projeto de Pesquisa, ao refletir sobre os diversos sujeitos envolvidos na temática escolhida e diante das possibilidades de abordagens qualitativas, destacou-se a história oral, mediante a qual podemos tomar conhecimento de

3 vivências e saberes, pois já existia uma boa expectativa nos contatos iniciados junto às professoras da FAFIA. O que as narrativas advindas da história oral têm trazido, diz respeito, prementemente, às subjetividades de olhares de seus narradores e ao tempo em que viveram ou vivem. São narrativas tecidas pela memória e aí estão presentes os fatos históricos, além de sonhos, desejos, ilusões e os esquecimentos. A esse respeito nos posiciona Sônia Maria de Freitas ao editar o prefácio à edição brasileira da obra Voz do Passado, de Paul Thompson (1992), quando afirma A história oral possibilita novas versões da história ao dar voz a múltiplos e diferentes narradores. Esse tipo de projeto propicia sobretudo fazer da história uma atividade democrática, a cargo das próprias comunidades, já que permite construir a história a partir das próprias palavras daqueles que vivenciaram e participaram de um determinado período, mediante suas referências e também seu imaginário. O método de história oral possibilita o registro de reminiscências das memórias individuais; enfim, reinterpretação do passado, pois, segundo Walter Benjamim, qualquer um de nós é uma personagem histórica (p ). No caso deste trabalho, a maior parte dos sujeitos da pesquisa considerada tiveram ou ainda teriam ligação com a formação de professores e/ou a comunidade escolar. A escola aglutina sujeitos alunos e professores de histórias variadas, num espaço potencializador de diversidades. Neste espaço está o amontoado de ideias, de práticas e de referenciais teóricos, que vão construindo um lugar de interações. Essas interações é que vão dando significado à formação do professor. São elas que produzem novas histórias, um re contar, um re olhar, uma re formação do professor, tomando o prefixo re não como uma repetição, mas como transformações que podem ser até bem distintas. Concretamente falando, aí poderá estar o sustentáculo para novas metodologias de ensino, bem como a construção de outros parâmetros curriculares e de direções reflexivas para buscar aglutinação intrínseca entre teoria e prática nos estágios. A Educação Matemática neste intento necessita estar arraigada aos recursos no caso a História Oral que venham dar respostas às demandas que se apresentam. Como nos aponta Garnica (2005, p. 6): Para a Educação Matemática ela trará como já tem trazido para outras áreas contribuições significativas para compreender, de modo geral, o campo no qual se negociam os significados entre Matemática, ensino e aprendizagem. (...)Assim, defendemos a História Oral como uma contribuição significativa para a Educação Matemática, podendo ser entendida como uma abordagem qualitativa de pesquisa dentre as muitas que têm caracterizado o cenário da produção brasileira e internacional. A Educação Matemática, no tocante a formação inicial do professor de matemática, tem na História Oral a oportunidade de algumas reflexões que irão enriquecer o entendimento em

4 torno das idas e vindas cotidianas do estágio e das trilhas que os estagiários e professores percorrem para se entenderem nesse espaço e processo. Falando desse modo, parece ser consenso que o professor do Estágio não pode se transformar num simples leitor de relatórios, e, o aluno estagiário não pode se transformar num simples fazedor de relatórios formais muitas vezes normalizados a espera de serem preenchidos que só engessam a dinâmica que o estágio requer. É preciso, portanto, incitar e aguçar o contar e o re contar do que os professores e alunos viram e entenderam, tanto na oportunidade que têm na Academia como no contato e na interação com o ambiente escolar e da sala de aula. É o exercício de ir e vir, entender e ser entendido, ouvir e falar, trazer e levar o âmago das atividades em exercício da docência. Para ajudar na tarefa de ouvir professoras a partir dessas considerações apresentadas, o recurso que utilizei e está a minha disposição é o gravador. Assim, me instrumentei para escutar, perguntar, dialogar, respeitar opiniões, ponto de vista, transcrever e analisar o transcrito. Deixar o mais claro possível o que queriam dizer, algo mais acessível à leitura. Nessa busca de significado para o dito, procurei articular o que diziam diante dos meus questionamentos, numa inclusão para manter um diálogo. Na transcrição procurei retirar o excesso de gírias e ou expressões que não agradaram aos depoentes. Neste sentido nos aponta Meihy (2005, p ) quando diz que [...] procura-se trazer ao leitor o mundo das sensações provocadas pelo contato, e como é evidente, isso não ocorreria reproduzindo-se o que foi dito palavra por palavra [...]. O fazer do novo texto permite que se pense a entrevista como algo ficcional e, sem constrangimento, se aceita esta condição de uma cientificidade que seria mais postiça. Com isso valoriza-se a narrativa enquanto um elemento comunicativo prenhe de sugestões. Uma história oral a partir de seis professoras que conheci na própria FAFIA, uma na qualidade de diretora, outra como coordenadora de Estágio e a terceira, ainda atuando no Estágio, como professora. A quarta professora já aposentada, cheguei até ela por informações junto às outras três. As outras duas professoras, também aposentadas, tive conhecimento por meio de informações vindas das docentes que mencionei anteriormente. As entrevistas o que já nos leva a responder a terceira pergunta - de história oral foram precedidas dos seguintes procedimentos que nomeamos de A a H: A) Escolha das professoras São as professoras que atuaram e ou atuam nas disciplinas ligadas à Prática de Ensino e ao Estágio Supervisionado.

5 B) Escolha das Entrevistadas As entrevistadas foram escolhidas segundo critérios tais como, proximidade, relação professor-aluno, período que atuou na/no Prática de Ensino e ou Estágio Supervisionado, entre outros. C) Entrevistadas Seis professoras de Estágio da FAFIA. D) Conversa informal Nesta conversa o projeto de pesquisa foi apresentado em linhas gerais para os colaboradores. E) Entrevista - Não seguiu um roteiro pré-estabelecido, antes foi feita a partir de questões apresentadas pelas entrevistadas. F) Transcrição - Refere-se a passagem literal do oral para o escrito. G) Textualização - Momento que o pesquisador dá forma ao texto, a fim de possibilitar uma narrativa que favoreça a leitura. H) Conferência - Espaço que o pesquisador possibilita ao entrevistado uma leitura do que resultou da entrevista e seu aval aos entendimentos. Fundamentos Teóricos A formação de professores vem se mostrando como área complexa, entendendo neste contexto que as ações docentes acabam invadindo outros ambientes que não são os propriamente ditos escolares. O contexto escolar acaba em outra via recebendo um leque de demandas que tangencia a atuação do professor, aumentando assim a complexidade em torno da formação. Nesta via de mão dupla, o Sistema de Ensino, as políticas educacionais, a produção de saberes advinda da prática docente, os ditames sociais e por fim, os desafios colocados pelo mundo contemporâneo, proporcionam uma rede de situações que acabam impactando no processo de formação do professor. Na visão de mudança social a partir da educação, a formação de professores pode ser o principal sustentáculo deste processo, pelo fato que são os professores os que têm as características que podem ajudar para que essa mudança aconteça a partir do contexto de sala de aula. É preciso aprender pelo escutar das vozes desses professores, sua história e o que viveram e entendem desse processo. Para Thompson (1992, p. 22) A história oral não é necessariamente um instrumento de mudança; isso depende do espírito com que seja utilizada. Não obstante, a história oral pode certamente ser um meio de transformar tanto o conteúdo quanto a finalidade da história. Pode ser utilizada para alterar o enfoque da própria história e revelar novos campos de investigação; pode derrubar barreiras que existiam entre professores e

6 alunos, entre gerações, entre instituições educacionais e o mundo exterior, e na produção da história seja em livros, museus, rádio ou cinema pode devolver às pessoas que fizeram e vivenciaram a história um lugar fundamental, mediante suas próprias palavras. Urge na formação dos professores trazer à tona aqueles que vivenciaram e vivenciam a própria formação. Dar um lugar fundamental aos formadores e deixar que suas vozes ecoem a fim de contribuírem na formação dos seus pares. Nesse sentido, uma das oportunidades neste contexto é trazer para mesa de reflexão a parte da prática educacional presente na formação dos professores de matemática que veio se modificando até o Estágio Curricular Supervisionado (nomenclatura que surgiu a partir do Parecer CNE/CP9/2001e definido como obrigatório pela Lei nº 11788/2008). Ainda neste preâmbulo, pode entrar na discussão o PIBID Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - como uma atividade opcional ao estudante de licenciatura, podendo ser considerado como um estágio não obrigatório, na perspectiva de Silva (2013, p. 82). Na história educacional, o Estágio Curricular Supervisionado vem se constituindo como ponto crucial na formação inicial do professor, como ambiente de cenas diversas, que carrega consigo histórias que esboçam as práticas escolares. Essas histórias vão se tecendo sob os próprios olhos e ritmo que orientam o cidadão ator e observador, como nos diz Aróstegui (2006, p. 240). O mesmo autor comenta que essas histórias já não permanecem em silêncio para mais tarde serem resgatadas no documento, mas encontram possibilidades de se mostrarem a cada instante, registradas imediatamente e reconhecidas através da internet. Pimenta (2010, p. 15) eleva essa complexidade da formação do professor para o campo da fragmentação entre a teoria e a prática, entre a realização do estágio e as disciplinas envolvidas no campo chamado teórico. Ora, o estágio é o momento da prática na teoria e a teoria na prática. Um fato que se torna crucial neste contexto, diz respeito à ação do estagiário quando em contato com as teorias e os discursos da academia parece que a teoria só está presente na academia. Isso acaba desenvolvendo um jeito voltado para a chamada intelectualidade, o que muitas vezes leva o estagiário a uma indiferença com as práticas da escola campo, colocando em xeque o fundamento básico do Estágio. Pimenta e Lima (2012, p. 40) afirmam ser essa uma atitude que leva ao estranhamento e aos extremos, ao ponto das escolas e seus profissionais serem taxados de tradicionais. Essa metodologia de estágio gerou ruídos e afastamento entre Universidade e a Escola Campo.

7 Discussões calorosas continuam a acontecer quando o foco é o estágio supervisionado na docência, mas as metodologias parecem não mudarem ou mudaram muito lentamente, pois estão bastante arraigadas às legislações vigentes e a sua observância. Nas licenciaturas, ao longo das novas edições destas legislações, se percebe um aumento de horas de estágio. E as frases se propagam: temos tantas horas de teoria e tantas horas de prática na escola campo de estágio; a carga horária teórica será dada na faculdade e a carga horária prática será na escola do estado e ou do município; o papel aceita tudo. Contudo, uma nova ordem nos Estágios Curriculares das licenciaturas se faz necessária, a fim de proporcionar mudança nos olhares sobre a construção da identidade dos docentes em formação. Isso é possível, como nos relatam Pimenta e Lima (2012, p. 62): A identidade do professor é construída ao longo de sua trajetória como profissional do magistério. No entanto, é no processo de sua formação que são consolidadas as opções e intenções da profissão que o curso se propõe a legitimar. Desse modo, o espaço representativo para essas discussões é a escola. No seu cotidiano estão os elementos da docência e os possíveis questionamentos que são os sustentáculos para a aquisição de novos saberes. Todas as ligações colocadas em prática para fazer o movimento do cotidiano aproveitando esses momentos para construir falas, ideias, memórias e narrações dos sujeitos envolvidos, o que trará significados aos mecanismos de construção de saberes. Nessa perspectiva o Estágio nas licenciaturas passa a ser um lugar de oportunidades para os elementos que fundamentam a formação docente. O tema Prática de Ensino/Estágio Supervisionado na formação inicial do professor de matemática vem sendo abordado por diversos autores. Fiorentini et al (2002, p. 144) destaca que A maioria das pesquisas das décadas de 70 e 80 tinha como preocupação propor e avaliar, com pré e pós-testes ou com questionários e fichas, o desempenho dos estagiários em modelos alternativos de Prática de Ensino e Estágio Supervisionado, os quais observavam: técnicas e habilidades de ensino (Taglieber, 1978; Tavares, 1982); emprego de métodos ativos (Ferreira, 1980); e aulas de reforço (Cerqueira, 1988). O objetivo desses autores, que escreveram num momento em que a racionalidade técnica estava muito presente nas questões educacionais, era mostrar como ocorriam essas técnicas e habilidades de ensino, muito arraigado aos métodos. Mas, aqui segundo Fiorentini (2002, p. 144) que num desses estudos, o mais antigo do ano de já se reivindicava a ampliação do tempo de estágio e maior integração entre as disciplinas pedagógicas e específicas.

8 No balanço das pesquisas sobre a Formação de professores que ensinam Matemática, realizadas no período de 1978 a 2002, Fiorentini et al (2002, p ) afirma que Um tema recorrente, ao longo dos 25 anos, foi diagnosticar como acontece a Prática de Ensino e Estágio Supervisionado, sobretudo o papel que desempenha junto às licenciaturas (Araújo, 1979; Lourenço, 1989; Brasil, 1998; Cunha, 1999) (...). A constituição e a re-significação dos saberes docentes e escolares, durante a Prática de Ensino e o Estágio, tendo como eixo de formação a pesquisa e/ou a reflexão sistemática sobre a prática, foi tema de dois estudos (Freitas, M. T., 2000; Castro, 2002). Metodologicamente, esses estudos valeram-se de observações etnográficas, registros de campo, entrevistas e relatórios para descrever e interpretar o processo de vir a ser professor. Enquanto Freitas (2002) compôs narrativas das histórias de formação dos licenciandos para analisar o processo de passagem de aluno a professor, evidenciando que esta se realiza sob tensão, mobilizando, problematizando e re-significando imagens, saberes e modelos de ação docente internalizados ao longo da vida. As leituras que construiremos terão como ponto inicial as narrativas das professoras. Delas procuraremos observar singularidades, regularidades e relações. Concentraremos então nossa análise nos elementos que marcam a memória coletiva desse grupo de professoras da FAFIA, nos elementos que se aproximam. Seguimos buscando traços de memórias coletivas das práticas de ensino por vermos que neles temos algo a aprender. Parafraseando Gagnebin (1999, p. 83) - quando fala do narrador sucateiro - é como apanhar tudo aquilo que foi deixado de lado, algo que a história oficial não sabia o que fazer. Estamos num tempo onde os seres humanos fotografam tudo, distribuem essas imagens, escrevem blogs, participam ativamente das redes sociais, ou seja, todos na tendência desesperada de não passarem despercebidos. Querem lembranças dos outros, não querem ficar no esquecimento. Assim, registram suas experiências, preocupados mais consigo mesmo, do que com a geração futura. Não podemos resumir tudo isso simplesmente a uma questão individual, mas ela perpassa uma sintonia coletiva, que exige o amontoado de lembranças individuais. Não é fácil analisar o tempo presente, o nosso mundo da era digital, pois estamos no tempo da substituição do sucateiro pelo empreendedor, que ganhou destaque a partir da nova relação de trabalho. Como não temos lastro temporal para enredar uma análise segura da problemática que se apresenta, e como não queremos distanciamento das práticas docente analisadas por outros, nos resta um caminho: ir ao encontro de quem quer narrar, compartilhar suas ideias, procurando quem tem uma história para contar, buscando ver o que tem em seu bojo de coletivo, numa dinâmica em que o narrador e o historiador

9 transmitam o que a tradição, oficial ou dominante, justamente não recorda. A transmissão do inenarrável, numa fidelidade ao passado e aos mortos, nos diz Gagnebin (1999, p. 88). Bruner (1988) ao fazer uma distinção entre cognição narrativa e cognição paradigmática instigou a reflexão de alguns autores na distinção de duas formas de análise nas investigações narrativas. Nesta linha de Bruner comunga Polkinghorne (1995) quando afirma que as duas contêm princípios gerais da investigação narrativa, mas com enfoques diferentes: - A análise paradigmática que amparam em dados consistentes de narrativas, mas as análises produzem categorias paradigmáticas; -A análise narrativa trabalha com elementos combinados e enredados, buscando descrições de eventos, acontecimentos, ações. Ela produz conhecimento de situações particulares. Para Bolívar (2002, p.18), a análise paradigmática pode enfatizar a construção ou descoberta de objetos que dão identidade categórica aos dados coletados, como também para identificar os relacionamentos entre categorias. Parafraseando Bolívar (2002, p.13), o enredar de narrativas tem como base a linguagem local e as experiências individuais. Para ele, é comum a utilização de citações da entrevista, com finalidade ilustrativa, para apoiar o que se tem em análise qualitativa. Comungamos com Polkinghorne (1995) e Bolívar (2002, p.10) quando ambos entendem que a preocupação da análise narrativa se prende em colecionar casos individuais sem a intenção de generalizar cada um sobre uma categoria e sim em efetuar analogias, onde os sujeitos podem ter elementos similares a outros. Uma qualidade fundamental para Clandinin e Connelly (1995, p. 38) é o estoriar e reestoriar permitindo o crescimento pessoal. Deste modo, a investigação narrativa deve ser um método fundamental de crescimento pessoal. As narrativas das professoras vão na direção de uma informação de primeira ordem visando conhecer o processo educativo, uma via para que o professorado reflita sobre sua vida profissional, e digam com suas próprias palavras, como vivem seu trabalho e a partir disso mudar o que não gostam na sua atuação. O registro das experiências vividas pelas professoras de Prática de Ensino e/ou Estágio Supervisionado em Matemática, através da compreensão de suas atividades didáticas e pedagógicas e práticas de ensino presentes na atuação docente poderá nos possibilitar uma

10 história contemporânea preocupada com a educação e o ensino da matemática. Uma história com fundamentos em movimento, marcante quanto à prática de/no ensino, embora sabedora das situações que atenuam a dicotomia entre teoria e prática. Nisso está a marca desde trabalho, pois permitirá aos leitores a reconstrução de significativos elementos das trajetórias dessas professoras, de suas concepções e práticas de ensino, que serão constatadas nesta fonte, dispensando outros intermediários. Referências ALEGRE. Lei Municipal nº 667/67, de 31 de janeiro de Altera a Lei Municipal nº 658/67 e dá outras providências. O Alegrense. Alegre, 31 de jan Decreto nº 603/71, de 20 de setembro de Nomeio o diretor, em comissão, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Alegre. O Alegrense. Alegre, 20 de set Decreto nº 604/71, de 20 de setembro de Constitui comissão para organizar, instalar e fazer funcionar a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Alegre. O Alegrense. Alegre, 20 de set Lei Municipal nº 1.037/71, de 16 de setembro de Altera dispositivos da Lei Municipal nº 667, de 31/01/1967, que criou a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Alegre e dá outras providências. O Alegrense. Alegre, 20 de set ARÓSTEGUI, J. A pesquisa histórica: teoria e método. Tradução: Andréa Dore. Bauru, SP: Edusc, BOLÍVAR, A. De nobis ipsis silemus? : Epistemología de la investigación biográficonarrativa en educación. Revista Electrónica de Investigación Educativa, 2002, v.4, n.1. Disponível em <http://redie.uabc.uabc.mx/vol4no1/contenido-bolivar.html.>. Acesso em: 11 abr BOLÍVAR, A.; DOMINGO, J.; FERNÁNDEZ, M. La investigación biográficonarrativa en educación. Madrid: La Muralla, BRASIL. Parecer nº 9/2001, de 08 de maio de Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível Superior, curso de licenciatura, de graduação Plena. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php? option=com_content&view=article&id=12636&itemid=86>. Acesso em: 06 mai BRUNER, J. Realidad mental, mundos posibles. Barcelona: Gedisa, 1988.

11 CONNELLY, F. M.; CLANDININ, D. J. Relatos de experiencia e investigación narrativa. In: LARROSA, J. et al. Déjame que te cuente: ensayos sobre narrativa y educación. Barcelona: Editorial Laertes, p FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE ALEGRE. Livro de atas. Alegre: Departamento de Educação, Linha de tempo da Fafia. Alegre: FAFIA, Informações Gerais. Alegre: FAFIA, Disponível em: < http./www.fafia.edu.br > Acesso em: 20 de mar FIORENTINI, D; OLIVEIRA, A.T.C.C. O lugar da matemática na licenciatura em matemática: que matemáticas e que práticas formativas? BOLEMA, Rio Claro(SP), v.27, n.47, p.928, FIORENTINI, D., et al. Formação de Professores que Ensinam Matemática: um balanço de 25 anos da pesquisa brasileira. Educação em Revista, Belo Horizonte, 2002, n. 36, p , GAGNEBIN, J. M. Memória, História, Testemunho. In: Bresciani, S. Naxara, M (Orgs.). Memória e (res) sentimento: Indagações sobre uma questão sensível. Campinas (SP): Unicamp, GARNICA, A. V. M. A História Oral como recurso para a pesquisa em Educação Matemática: um estudo do caso brasileiro. In: CIBEM, 5., 2005, Porto Portugal. Comunicação científica, Porto Portugal: MEIHY, J. C. S. B. Manual de História Oral. 5. ed. São Paulo: Loyola, PIMENTA, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, PIMENTA, S. G; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. 6. ed. São Paulo: Cortez, (Coleção docência em formação, Série saberes pedagógicos). POLKINGHORNE, D.E. Narrative confi guration in qualitative analysis. In: HATCH J.A.; WISNIEWSKI, E.R. Life history and narrative. London: Falmer, 1995.

12 SILVA, R. L. F. O Programa de Bolsas de Iniciação a Docência e o fortalecimento da relação universidade: Escola pública na formação docente. In: GURIDI, V. M.; PIOKER- HARA, F. C. Experiências de ensino nos estágios obrigatórios. Campinas SP: Alínea, THOMPSON, P. A voz do passado. 3. ed. Oxford/New York: Oxford University Press, 1992.

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA PIBID PARA O ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA PIBID PARA O ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA PIBID PARA O ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Zenith Vila Nova de Oliveira UFT/ Campus de Tocantinópolis Bolsista/Pibid/Curso de Pedagogia zenithvn@hotmail.com Maria Divina Fernandes

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II Obrigatória: Sim Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 90 Número de Créditos: 03 Eletiva: Não Pré-requisito: Profa:

Leia mais

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG Andréa Augusta de Morais Ramos 1 /UFCG-CDSA - andreaedu.15@gmail.com Fabiano Custódio de Oliveira 2 /UFCG-CDSA

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A DISTÂNCIA: O CASO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV DA UFPB VIRTUAL

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A DISTÂNCIA: O CASO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV DA UFPB VIRTUAL O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A DISTÂNCIA: O CASO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV DA UFPB VIRTUAL GT 06 Formação de professores de matemática: práticas, saberes e desenvolvimento

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Regências. Alunos do Ensino Médio. Campina Grande, REALIZE Editora, 2012 1 CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM RELAÇÃO ÀS AULAS DE BIOLOGIA MINISTRADAS PELOS ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE ITAPIPOCA- FACEDI Carmen Virgínie Sampaio

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB Edital Pibid n 061 /2013 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

EXPERIÊNCIAS E PRÁTICAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA: MEIO AMBIENTE E LIXO URBANO

EXPERIÊNCIAS E PRÁTICAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA: MEIO AMBIENTE E LIXO URBANO EXPERIÊNCIAS E PRÁTICAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA: MEIO AMBIENTE E LIXO URBANO Angela Maria de Lima da SILVA 1 Universidade Federal de Campina Grande- Cajazeiras angelacidinha@hotmail.com

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O PIBID COMO ESPAÇO DE TRABALHO COLETIVO. Palavras-chave: Licenciatura, Educação Física, Escola, Trabalho Coletivo.

A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O PIBID COMO ESPAÇO DE TRABALHO COLETIVO. Palavras-chave: Licenciatura, Educação Física, Escola, Trabalho Coletivo. A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O PIBID COMO ESPAÇO DE TRABALHO COLETIVO Bruna de Paula,CRUVINEL(FEF); Jehnny Kellen Vargas Batista, QUEIROZ (FEF); Lorrayne Bruna de CARVALHO (FEF); Karine Danielly L. M.

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

RESUMO. 1. O primeiro movimento da problematização dessa experiência de formação

RESUMO. 1. O primeiro movimento da problematização dessa experiência de formação LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA EM REGIME MODULAR: uma reflexão sobre a formação de professores no período de 1990 a 2005 em Campo Grande MS. Ana Maria de Almeida 1 GD7 - Formação de Professores que Ensinam

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) NA VISÃO DA ESCOLA PARTICIPANTE

AS CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) NA VISÃO DA ESCOLA PARTICIPANTE AS CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) NA VISÃO DA ESCOLA PARTICIPANTE ABREU, M. Francilina (Bolsista do PIBID- Pedagogia) Universidade Estadual Vale do Acaraú.

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

HISTÓRIA ORAL: UMA METODOLOGIA DE PESQUISA PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

HISTÓRIA ORAL: UMA METODOLOGIA DE PESQUISA PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA HISTÓRIA ORAL: UMA METODOLOGIA DE PESQUISA PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Déa Nunes Fernandes 1 Universidade Estadual Paulista - UNESP Campus de Rio Claro deanf13@hotmail.com Luzia Aparecida de Souza 2 Universidade

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar as contribuições do PIBID Pedagogia do Campus Avançado de Patu CAP/UERN para a formação docente.

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DO PARFOR/UFRB

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DO PARFOR/UFRB PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE 1 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Programa de Bolsa Institucional de Ensino e Aprendizagem Submodalidade Ensino Licenciatura em Matemática (Turno Noturno) MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB 1 Breve histórico Carlos Charalambe Panagiotidis 1 Em 4 de março de 2002, o Diário Oficial da União

Leia mais

BIOGRAMAS PARA O TRATAMENTO DE DADOS BIOGRÁFICOS: INSTRUMENTANDO A DEVOLUTIVA E MAXIMIZANDO A CREDIBILIDADE

BIOGRAMAS PARA O TRATAMENTO DE DADOS BIOGRÁFICOS: INSTRUMENTANDO A DEVOLUTIVA E MAXIMIZANDO A CREDIBILIDADE 1 BIOGRAMAS PARA O TRATAMENTO DE DADOS BIOGRÁFICOS: INSTRUMENTANDO A DEVOLUTIVA E MAXIMIZANDO A CREDIBILIDADE Teorias e Metodologias de ensino Maria Auxiliadora Ávila dos Santos Sá Universidade de Taubaté

Leia mais

Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF

Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF Alta Floresta/2011 Sumário DA FINALIDADE E DA COORDENAÇÃO 03 DOS OBJETIVOS 04 DO CURRÍCULO E DA CARGA HORÁRIA

Leia mais

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital SALERNO, Daniela Prado 1 VIEIRA, Vania Maria de Oliveira

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO: qual é o movimento do acadêmico?

PROJETO DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO: qual é o movimento do acadêmico? PROJETO DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO: qual é o movimento do acadêmico? Área Temática: Educação Denise Puglia Zanon 1 Kelly Cristina Ducatti-Silva 2 Palavras-chave: Formação de Professores, Docência,

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS Resumo Diante do conhecimento de condições propiciadas no período de formação inicial de professores, faz-se

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

OBJETIVOS. PALAVRAS CHAVE: Formação de professores, Ensino de Física, História e Filosofia da Ciência.

OBJETIVOS. PALAVRAS CHAVE: Formação de professores, Ensino de Física, História e Filosofia da Ciência. IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN CONSIDERAÇÕES SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E AS

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Professora Maria Renata Alonso Mota Professora Suzane da Rocha Vieira IE/NEPE/FURG

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Professora Maria Renata Alonso Mota Professora Suzane da Rocha Vieira IE/NEPE/FURG CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Professora Maria Renata Alonso Mota Professora Suzane da Rocha Vieira IE/NEPE/FURG Esta apresentação foi organizada com o intuito de oferecer subsídios para a construção

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO EM LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NO ESTADO DO MARANHÃO Mauro Guterres Barbosa Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Resumo SANTOS, Gisele Mugnol - FACINTER 1 gisele@facinter.br ROSENAU, Luciana dos Santos - FACINTER

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS Comissão Própria de Avaliação Porto Alegre, março de 2005. 1 Diretora Vera Lucia Dias Duarte Coordenador do Curso Dr. Dakir Lourenço Duarte

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio João Victor Maceno Lacerda 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Neste

Leia mais

PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I OBJETIVOS

PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I OBJETIVOS UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE CAMPUS PETROLINA PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I Código da Disciplina: Obrigatória: Sim Eletiva: Não Carga Horária Semestral: 90 Número de Créditos: 03 Pré-requisito:

Leia mais

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal Klêffiton Soares da Cruz Universidade Federal do Rio Grande do Norte kleffitonsoares@yahoo.com

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

As tecnologias digitais da informação e comunicação na formação inicial de professores: uma análise dos cursos de Pedagogia da UNESP

As tecnologias digitais da informação e comunicação na formação inicial de professores: uma análise dos cursos de Pedagogia da UNESP As tecnologias digitais da informação e comunicação na formação inicial de professores: uma análise dos cursos de Pedagogia da UNESP Prof a. Dr a. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

Tendências contemporâneas nas pesquisas em educação matemática e científica. sobre linguagens e práticas culturais

Tendências contemporâneas nas pesquisas em educação matemática e científica. sobre linguagens e práticas culturais Tendências contemporâneas nas pesquisas em educação matemática e científica sobre linguagens e práticas culturais Cláudia Regina Flores Suzani Cassiani (organizadoras) Tendências contemporâneas nas pesquisas

Leia mais

A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 HOLZSCHUH, Aline Simone 2 ; CANCIAN, Viviane Ache 3 1 Trabalho de Pesquisa _UFSM 2 Curso de Especialização em Gestão Educacional (UFSM),

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção.

Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção. Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção. André Ricardo Magalhães* andrerm@gmail.com Geciara Carvalho* geciara@gmail.com Ivanise Gomes

Leia mais

iniciais: relato de uma experiência de parceria

iniciais: relato de uma experiência de parceria A formação do professor de ciências para as séries iniciais: relato de uma experiência de parceria Profa. Dra. Maria Candida Muller Professora dos cursos de Pedagogia e Análise de Sistemas Centro Universitário

Leia mais

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA Dirce Pacheco e Zan O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA DIRCE PACHECO E ZAN * este texto, apresento algumas reflexões sobre o estágio em cursos de licenciatura, em especial, no direcionado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA: UM OLHAR SOBRE SUAS PRÁTICAS DOCENTES

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais