Digital Smart Technology for Amateur Radio. Tecnologia Digital Dinâmica para o Radioamadorimo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Digital Smart Technology for Amateur Radio. Tecnologia Digital Dinâmica para o Radioamadorimo"

Transcrição

1 Digital Smart Technology for Amateur Radio Tecnologia Digital Dinâmica para o Radioamadorimo

2 O D STAR O D STAR éum protocolo de streaming digital desenvolvido pela Japan Amateur Radio League JARL que suporta Dados Digitais Ethernet a 128 kbps (DD) e Voz Digital a 4.8 kbps (DV). DV usa 3.6 kbps para voz, 1.2 kbps para sincronização e 0.9 kbps para uso geral. O codec de voz (vocoder) utilizado para voz digital (DV) éo algoritmo AMBE desenvolvido pela mesma empresa (DVSI) que é proprietário do algoritmo de voz P25 (Japão Amateur Radio League, Inc., 2005)

3 O D STAR D STAR éuma nova modalidade para radioamadores de transmissão digital onde permite a comunicação de Voz e Dados. Quais são as inovações aos radioamadores: Conectar com repetidoras na rede mundial de D STAR; Chamar um colega pelo indicativo, mesmo sem saber por qual repetidora ele esta (o sistema ira chamá lo na ultima repetidora que ele utilizou); Acessar salas de diferentes assuntos, idiomas, culturas e região, essas salas são conhecidas aqui no D STAR como REFLETOR; GPS > transmissão da posição geográfica através de GPS conectado ao radio, no D STAR édprs).

4 O D STAR Em 1999, uma pesquisas foi iniciada para encontrar uma nova forma de levar a tecnologia digital ao serviço de radioamador. O processo foi financiado pelo governo japonês e administrado pela JARL Japan Amateur Radio League Em 2001,o sistema D Star foi publicado como o resultado da pesquisa e a Icom iniciou a produção de uma nova tecnologia digital, oferecendo o hardware necessário para criar essa tecnologia. Em 2003 a Icom nomeou Matt Yellen, KB7TSE (now K7DN) para liderar o desenvolvimento da modalidade D STAR nos Estados Unidos Em 2004 a Icom anunciou a placa opcional D STAR (UT 118) para o IC 2200H; Icom ID 1 (1.2GHz ) foi lançado no final de 2004, foi o primeiro rádio D STAR com a funcionalidade Digital Data (DD); No fim de 2009 já haviam cerca de radioamadores registrados e utilizando o sistema D STAR Mais de 600 repetidores, com aproximadamente 550 gateways;

5 O D STAR no Japão

6 D STAR repeaters no mundo

7 D STAR repeaters no Brasil Reflector 018 ou REF018; 07 repetidoras com Gateways: 1 Brasília DF; 3 São Paulo SP; 4 Americana SP; 1 Caruaru PE; 2 Belo Horizonte MG; Rio Grande do Sul (TBA); São Pedro (TBA); Rio de Janeiro (TBA);

8 As principais funcionalidades do D STAR O que se pode fazer com um rádio D STAR? Comunicação de Voz a 4.8 kbps (DV) e Dados a 128 kbps (DD). Épossívelenviardata em uma transmisssão de voz? Sim, é possível. No modo DV é possível simultaneamente, enviar até 950 bps de dados, entre estes Indicativos, mensagens curtas ou dados de GPS com uma transmissão de voz Épossívelfazerum contato com outros países? Sim, é possível. O gateway Internet permite transmitir sua chamada para um repetidor D STAR remoto através da Internet. O indicativo de chamada do repetidor D STAR e endereço IP devem ser registrados para o servidor gateway. Algumas restrições podem ser aplicadas com base em regulamentos específicos de cada país. É possivel usar um repetidor D STAR sem que este esteja conectado a internet? Sim, é possível usar um repetidor D STAR como um simples repetidor, assim como contatos no modo Simplex É possível receber uma chamada de uma estação específica? Sim. A função Squelch abre o squelch somente quando um determinado indicativo é chamado.

9 Topologia do Sistema D STAR

10 Topologia do Sistema D STAR

11 D STAR repeater

12 Opções D STAR

13 Controle da Rede D Star pelo usuário O usuáro D-Star pode informar à rede para onde ele quer ou gostaria de rotear o seu sinal (chamada) por meio de um conjunto de 4 indicativos que são enviados em cada transmissão D-Star (MY; UR; RPT1; RPT2). Um indicativo (para efeito do D-Star) pode ter até 6 caracteres (o que permite trabalhar com indicativos de 2 e 3 letras, mas não permite os especiais de 4 letras), além de mais 2 caracteres adicionais (I; U; L; E; ou /).

14 A Lei de Ohms do D Star 4 campos àpreencher UR Determina para quem você está apertando o PTT (fazendo a chamada). RPT 1 Está relacionado com a repetidora local e sua banda. RPT 2 Está relacionado com o Roteamento da Chamada - Local ou Distante. MY QueméVOCÊ.

15 Fazendo um Contato com qualquer estação local SEM Gateway na mesma banda exatamente como fazemos no sistema analógico PY2KPE B PY2KPE B Controladora 70 CM UR: CQCQCQ RPT1: PY2KPE B RPT2: MY: PY2EVR 70 CM UR: CQCQCQ RPT1: PY2KPE B RPT2: MY: PY2VR

16 Fazendo um Contato: Repetidora Local ( banda cruzada ) Chamada Geral Your Call: CQCQCQ RPT1: PY2KPE B RPT2: PY2KPE C My Call: PY2EVR Chamada Geral Chamando CQ Rodadas/Redes Locais Mais usual Estação Específica Your Call: PY2VR RPT1: PY2KPE B RPT2: PY2KPEC My Call: PY2EVR Chamada em Grupos 100 grupos (00 99) Estação Específica Abre se o squelch da outra estação qdo esta estiver usando callsign squelch Enviar Mensagem Emergência tem preferência na transmissão PY2KPE C atualmente não existe

17 Fazendo um Contato com qualquer estação local SEM Gateway em banda cruzada PY2KPE B PY2KPE C Controladora 70 CM UR: CQCQCQ RPT1: PY2KPE B RPT2: PY2KPE C MY: PY2EVR PY2KPE C atualmente não existe 2 M UR: CQCQCQ RPT1: PY2KPE C RPT2: PY2KPE B MY: PY2VR

18 Fazendo um Contato: Utilizando o Gateway Chamada Geral Your Call: CQCQCQ RPT1: PY2KPE B RPT2: PY2KPE G My Call: PY2EVR Estação Específica Your Call: PY4HC RPT1: PY2KPE B RPT2: PY2KPE G My Call: PY2EVR Chamada em Grupos 100 grupos (00 99) Chamada Geral Chamando CQ Seu prefixo é publicado na rede mundial D Star Certifique se de informar a repetidora de origem e sua porta (PY2KPE B) Estação Específica através do Gateway Não é necessário saber onde estará a outra estação Abre se o squelch da outra estação qdo esta estiver usando callsign squelch Enviar Mensagem Emergência tem preferência na transmissão

19 Fazendo um Contato: Utilizando o Gateway PY2KPE B Sao Paulo SP, BRASIL PY4RCR B BH MG, BRASIL PY2KPE C PY4RCR C Controladora PY2KPE G (Gateway) As Repeatidoras e Gateways devem ter um prefíxo Controladora PY4RCR G (Gateway) GPS 70 CM UR:PY4HC RPT1: PY2KPE B RPT2: PY2KPE G MY: PY2EVR Internet Internet ou ou Backbone Backbone 2 M UR: PY2EVR RPT1: PY4RCR C RPT2: PY4RCR G MY: PY4HC

20 Fazendo um Contato que pode ser um DX : Utilizando o Gateway Chamada Geral Your Call: CQCQCQ RPT1: PY2KPE B RPT2: PY2KPE G My Call: PY2EVR Chamada Geral Chamando CQ Seu prefixo é publicado na rede mundial D Star Certifique se de informar a repetidora de origem e sua porta (PY2KPE B) Estação Específica Your Call: W5OE RPT1: PY2KPE B RPT2: PY2KPE G My Call: PY2EVR Chamada em Grupos 100 grupos (00 99) Estação Específica através do Gateway Não é necessário saber onde estará a outra estação Abre se o squelch da outra estação qdo esta estiver usando callsign squelch Enviar Mensagem Emergência tem preferência na transmissão

21 Fazendo um contato que pode ser um DX : Utilizando o Gateway PY2KPE B MHz PY2KPE C Sao Paulo SP, BRASIL ND5N B MHz McAllen TX, USA Controladora PY2KPE G (Gateway) As Repeatidoras e Gateways devem ter um prefíxo Controladora ND5N G (Gateway) GPS 70 CM UR:W5OE RPT1: PY2KPE B RPT2: PY2KPE G MY: PY2EVR Internet Internet ou ou Backbone Backbone 2 M UR: PY2EVR RPT1: ND5N C RPT2: ND5N G MY: W5OE

22 Chamado Geral para uma Rpter (pode até ser DX ) : utilizando o Gateway (node routing) Chamada Geral Your Call: /PY2KPEB RPT1: IR0MA C RPT2: IR0MA G My Call: PY2EVR Chamada Geral Chamando CQ em uma determinada repetidora Seu prefixo é publicado na rede mundial D Star e sua conexão é roteada para um nó específico Certifique se de informar a repetidora de origem (PY2KPE B) Estação Específica Your Call: PY2AB RPT1: IR0MA C RPT2: IR0MA G My Call: PY2EVR Chamada em Grupos 100 grupos (00 99) Estação Específica através do Gateway Não é necessário saber onde estará a outra estação Abre se o squelch da outra estação qdo esta estiver usando callsign squelch Enviar Mensagem Emergência tem preferência na transmissão

23 Chamado Geral para uma Rpter: Utilizando o Gateway PY2KPE B Sao Paulo SP, BRASIL IR0MA B Roma LZ, ITÁLIA PY2KPE C IR0MA C Controladora PY2KPE G (Gateway) As Repeatidoras e Gateways devem ter um prefíxo Controladora IR0MA G (Gateway) GPS 70 CM UR:/IR0MA C RPT1: PY2KPE B RPT2: PY2KPE G MY: PY2VR Internet Internet ou ou Backbone Backbone 2 M UR: /PY2KPEB RPT1: IR0MA C RPT2: IR0MA G MY: PY2EVR

24 DV AP (Digital Voice Access Point DV Dongle

25 DV Dongle

26 DV Access Point (DV AP)

27 D STAR Analog Hot Spot

28 QSO em D STAR

29 BACK UP

30 É importante mencionar que os rádios DSTAR controlam o que está sendo ENVIADO. Está nas mãos da estação na outra ponta retornar-lhe o cámbio. Não espere entrar com um destino (ex. Repetidora) em UR e ouvir o que está acontecendo na repetidora distante do outro lado. (Interligação de Reflector a ser mencionado posteriormente - é uma exceção e então neste caso você ouvirá e acompanhará o que está acontecendo e sendo falado em uma conexão a longa distância quando duas ou mais repetidoras estiverem interligadas a um refletor). UR UR determina para onde irá sua transmissão. UR em conjunto com RPT2 determinam se a sua transmissão fica contida na sua repetidora local ou se será roteada para outras repetidoras.

31 UR=CQCQCQ RPT2= em branco UR=CQCQCQ diz ao gateway para NÃO rotear o seu chamado a qualquer repetidora ou estação em particular. RPT2= em branco evita ou impede que o seu chamado seja roteado para a internet. O que acontece aqui..fica aqui..

32 RPT1 Exemplo - Rpt1=PY2KPE^B Rpt 1 acaba tendo uma função muito mais voltada para um squelch codificado por tom, ativando somente uma repetidora. Em áreas onde exista uma sobreposição na cobertura de repetidoras, somente a Repetidora que estiver programada em Rpt 1 lhe retornará o cambio. Outras Repeatidoras D Star que eventualmente compartilhem a mesma frequência chavearão e enviarão o seu ID, mas somente a repetidora que você programou em RPT1 repetirá o seu chamado. No exemplo acima, ^ representa um espaço em branco. PY2KPE é o prefíxo da repetidora de SP, Capital, e 'B' significa a Banda de 70 cm. (B éo caracter da 8 o Position).

33 RPT2 Ex: R2=PY7DIG^G ou em branco (Em Branco) Chamadas Locais quando programa se UR=CQCQCQ ou quando dirigido para uma estação local. PY7DIG^G Gateway da estação de Caruarú, PE com o caracter 'G' na 8 th Position.

34 MY=PY2VR/IC92 MY=PY2VR/Edu O campo MY contém o indicativo que você registrou junto ao seu administrador D Star. O indicativo pode ser formado por até 8 caracteres, podendose adicionar até 4 caracteres depois da barra '/, que não é levada em conta pelo sistema. Os colegas colocam os seus nomes algumas vezes ou o modelo do rádio nesse espaço.

35 UR=/XX#YYYZ Chamada Roteada para um Gateway A barra invertida '/' na posição do primeiro caracter diz ao gateway da repetidora na qual você está chamando que esse contato ou chamada é destinada a uma outra repetidora. XX#YYY representa o indicativo da repetidora de destino Para Caruarú deverá ser PY7DIG O 8 o caracter, Z diz ao Gateway qual banda a ser utilisada na repetidora com a qual você quer se conectar. O Japão usa as letras 'A' para o primeiro repetidor instalado, 'B' para o segundo, e 'C' para o terceiro.

36 UR=/XX#YYYZ Chamada Roteada para um Gateway O 8 o Caracter no restante do mundo representa a Faixa ou Banda na outra ponta (outra repetidora). 'A' representa 23cm., 'B' representa 70cm., and 'C' representa 2M. Reflectores possuem salas' ao invés de bandas, arbitrariamente 'A', 'B', and 'C'. Veja página Diretório de Repetidoras.

37 UR=AA#BB Chamada Direcionada a um Indicativo Contatos ou chamadas podem também serem roteadas ou direcionadas para um Indicativo ou Estação Individual usando o Sistema de Gateway. Sempre quando um rádio D STAR transmite, o campo MY Callsign e sua Localização são divulgados através dos sistemas de Gateway instalados no mundo. Isto lhe permite realizar contatos com uma determinada estação, mesmo sem saber em qual repetidora esta estação estará lhe escutando e de onde lhe retornará o cambio. Esta forma de roteamento é ideal para encontrar colegas que viajam com frequência (PY2VR). Podem haver vários minutos de atraso de quando uma estação em roaming chavear por uma repetidora distante e o tempo que esta repetidora levará para atualizar o resto dos Gateways no mundo.

38 Atendendo uma Chamada Até o momento falou se apenas de como fazer uma chamada. Existe entretanto, uma habilidade para se responder a uma estação ou a uma chamada. A estação que realiza a chamada controla para onde a sua transmissão será roteada. Éde responsabilidade desta estação dizer, para quem o escuta, de que forma ela deverá responder à sua chamada. Quando você inicia uma chamada, mencione na frequência de onde você está chamando. Anunciando, por exemplo esta é PY2EVR chamando da Repetidora IR0MA banda ou porta B Bravo, Roma, Itália', ou esta é PY2EVER chamando do Reflector 5A, permitindo que os colegas que o escutam saibam como responder à sua chamada.

39 Respondendo a uma chamada Quando você escutar esta é PY2VR chamando pela repetidora ND5D porta C, MacAllen TX', você deverá usar a função ONE Touch (um toque) do seu rádio, ou então ir para uma memória já pre programada com os dados da repetidora de MacAllen Banda C, e apertar o PTT repondendo ao colega. Quando terminar o contato, certifique se de voltar para a posição CQCQCQ ou então você continuará a ser escutado em MacAllen TX, e pela sua repetidora local.

40 Fazendo um Contato: Repetidora Local Chamada Geral Your Call: CQCQCQ RPT1: PY2KPE B RPT2: My Call: PY2EVR Chamada Geral Chamando CQ Rodadas/Redes Locais Mais usual Estação Específica Your Call: PY2VR RPT1: PY2KPE B RPT2: My Call: PY2EVR Chamada em Grupos 100 grupos (00 99) Estação Específica Abre se o squelch da outra estação qdo esta estiver usando callsign squelch Enviar Mensagem Emergência tem preferência na transmissão

41 Lista de Repetidoras Brasileiras Frequência Indicativo Cidade e Local Informações Adicionais Fotos de Instalações Conectado a Gateway Status do Gateway Situação da RPT DSTAR VOZ PY2KCA C Americana, SP SIM (Clicar aqui) SIM (Clicar aqui) SIM (Clicar aqui) ATIVA DSTAR VOZ PY2KPP C São Paulo, SP NÃO NÃO SIM (Clicar aqui) ATIVA DSTAR VOZ PY7DIG C Caruaru, PE NÃO NÃO SIM (Clicar aqui) ATIVA DSTAR VOZ PT2MTD C Brasília, DF NÃO NÃO SIM (Clicar aqui) ATIVA DSTAR VOZ PY4RHC C Belo Horizonte, MG NÃO NÃO SIM (Clicar aqui) ATIVA DSTAR VOZ PY4RCR C Belo Horizonte, MG NÃO NÃO SIM (Clicar aqui) ATIVA

42 Lista de Repetidoras Brasileiras Frequência Indicativo Cidade e Local Informações Adicionais Fotos de Instalações Conectado a Gateway Status do Gateway Situação da RPT DSTAR VOZ PY2KRJ C São Paulo, SP Serra da Cantareira Mata Fria NÃO NÃO SIM (Clicar aqui) ATIVA ANALOGICA PY2KPE São Paulo, SP Serra da Cantareira Caieiras SIM (Clicar aqui) SIM (Clicar aqui) NÃO ATIVA DSTAR VOZ PY2KPE B São Paulo, SP Serra da Cantareira Caieiras SIM (Clicar aqui) SIM (Clicar aqui) SIM (Clicar aqui) ATIVA DSTAR VOZ PY2KRJ A São Paulo, SP Serra da Cantareira Mata Fria NÃO NÃO SIM (Clicar aqui) ATIVA DSTAR DADOS PY2KRJ A São Paulo, SP Serra da Cantareira Mata Fria NÃO NÃO SIM (Clicar aqui) ATIVA

43 DSync Gateway Status Reporting System 541 Generation 2 D-STAR Gateway Systems - Sat Aug 20-12:45:48 CDT 2011

44

45 D-STAR - Applicações D-STAR Calculadora A Calculadora D-STAR ajuda o usuário com a informação a ser programada em seus rádios. Ela lhe permite escolher a repetidora de origem, o sistema de destino e a função que você deseja usar. Ela responde com a informação dos campos MyCall, RPT1, RPT2, e URCall. D-RATS D-RATS tem sido chamado de o Canivete Suiço do D-STAR. D-RATS usa a porta de baixa velocidade (disponível em todos os rádios D-STAR) para enviar e receber dados de outros sistemas na rede. D-RATS possui a habilidade de enviar textos de livre escrita ou textos pré-definidos, da mesma forma que tem a habilidade de receber as informações de geoposicionamento do tipo APRS/DPRS.

46 D-STAR Users DSTARUsers.org é a página principal do D-STAR. Ela fornece a lista das últimas estações reportadas na rede (Last Heard list) e também a base de dados de todas as repetidoras D-STAR. StarGate D-STAR Compatible Repeater µsmartdigi D-Gate D-Star Gateway D*Chat D-PRS Interface D-STAR Decoder Software D-STAR TV D-StarComms D-Starlet DStarMonitor DStarQuery D-TERM Chat Software for D-STAR jfindu D-STAR Locators WY1U D-Star Query

47 Algumas Repetidoras D Star no Brasil PY2KRJ MHz PY2KPE MHz PY2KPP MHz PT2MTD MHz PY4RHC MHz e MHZ

48 Gateway Status & Control DPlus Dashboard Aplicativo DPlus Ver 2.2g de Robin Cutshaw (AA4RC), instalado no Gateway D Star que permite a flexibilidade de roteamento de chamadas e de conexões. Exemplos: PY2KPE PY2KPP PY2KRJ

49 Estrutura do Gateway O desenho abaixo mostra um pouco a complexidade de conexão da rede formada pelo sistema de Gateway do D Star. Os Parâmetros e Endereçamentos precisam ser configurados CORRETAMENTE, do contrário, existirão problemas.

50 HotSpot Kit We ve received (correction: ARE WAITING FOR) a shipment of D Star Hotspot cards, manufactured here in the States by Mark Philipps (NI2O/G7LTT). The board is named the Not Quite So Mini Hot Spot (NQSMHS) is a beautiful piece of work. All thru hole technology (no surface mount), it comes in either Kit form, or fully assembled for $80 or $110 respectively. We purchased four KITS, so that we could see how difficult it is to assemble and get working for the group. This would be an excellent alternative to the DVAP that is sold by AA4RC, but only IF you already have a radio which might be compatible (Kenwood TM 271, most current generation Yaesu and Icom units). It requires a computer to run the hotspot software (but so does the DVAP). We will assemble a few of these boards and give you a report on our progress and assuming it s successful, we will document the results so that it can be replicated by all. Component density is not very high, so construction should be relatively straightforward. Anticipated build time is about 60 minutes with minimal tools and no special test equipment. We will document the unpacking, build, calibration and interfacing process once we start construction. Following is the component placement diagram for your inspection

51 Nossos Agradecimentos: ÀLABRE SP pela iniciativa e por colocar a disposição da nossa comunidade sua infraestrutura para que possamos divulgar temas de interesse do Radioamadorismo brasileiro. Aos nossos colegas de outros países e associações, cujos trabalhos serviram de base, de estudo, inclusive com traduções feitas de seus artigos em seus idiomas de origem para o português: VK3ANZ Susan Mackay The Newbie s Guide to Using D Star e D Star Overview K7VE John D.Rays D Star for the Technically Curious e D Star Talk IK0YYY Lucca Ferrara D Star Piccola Introduzione Encontro LABRE 20Ago2011 PY2VR Eduardo Freitas PY2EVR Everton dos Santos

Acesso à internet sem fios - Estando na área de cobertura de um repetidor D-Star, poderá conectar-se à internet e serviço de mensagens multimídia.

Acesso à internet sem fios - Estando na área de cobertura de um repetidor D-Star, poderá conectar-se à internet e serviço de mensagens multimídia. D-Star 1 - Introdução ao Sistema D-Star O D-Star é um novo sistema de rádio que oferece comunicação de voz digital e de dados de forma eficiente e inovadora aos radioamadores. Ele liga repetidoras com

Leia mais

Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE Estudo de Caso de Operadora: Migrando de um Sistema Analógico para o TETRA

Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE Estudo de Caso de Operadora: Migrando de um Sistema Analógico para o TETRA TETRA ASSOCIATION Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE Estudo de Caso de Operadora: Migrando de um Sistema Analógico para o TETRA Objetivo Compartilhar a experiência da LIG-MÓBILE, operadora brasileira de serviços

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Hamtronix INTERFACE ECHOLINK Manual de Instalação e Operação Hardware Revisão C

Hamtronix INTERFACE ECHOLINK Manual de Instalação e Operação Hardware Revisão C INTERFACE ECHOLINK Manual de Instalação e Operação Hardware Revisão C Conteúdo Índice...01 Suporte Técnico...01 Termo de Garantia...01 Descrição do Produto...01 Instalação da Interface...02 LED Indicador...03

Leia mais

TETRA + CRITICAL COMMUNICATIONS ASSOCIATION. Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE. Estudo de Caso: TETRA para uma Operadora Privada

TETRA + CRITICAL COMMUNICATIONS ASSOCIATION. Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE. Estudo de Caso: TETRA para uma Operadora Privada TETRA + CRITICAL COMMUNICATIONS ASSOCIATION Paulo Daher Filho, LIG-MÓBILE Estudo de Caso: TETRA para uma Operadora Privada Julho-2012 Objetivo Apresentar a experiência da operadora privada LIG-MÓBILE,

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA!

NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA! NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA TUTORIAL NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA NECESSIDADES TÉCNICAS - INTERCONEXÃO TELEFÔNICA AVISO LEGAL: As informações contidas neste documento

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

WinGate - Passo a passo

WinGate - Passo a passo WinGate - Passo a passo Configurando os Computadores de sua rede Nesta etapa, mostraremos como preparar os computadores de sua rede para a instalação do WinGate. 1ª Parte É necessário que os computadores

Leia mais

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos 1 de 7 8/8/2007 18:42 PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos APOSTILA DO EXAME SOBRE TÉCNICA E ÉTICA OPERACIONAL Assinale X entre os parênteses que indicar a única alternativa correta,

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

DV-RPTR. DVRPTR: Modem e Software Control Center. Tudo em um: Hotspot, Link, Gateway, Repeater com muitas funções úteis

DV-RPTR. DVRPTR: Modem e Software Control Center. Tudo em um: Hotspot, Link, Gateway, Repeater com muitas funções úteis DV-RPTR DVRPTR: Modem e Software Control Center Tudo em um: Hotspot, Link, Gateway, Repeater com muitas funções úteis DV Development Group www.dvrptr.de Version 1.0 Tradução Português CT1JIB Author english

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Hardware multicast Ethernet multicast IP multicast Endereçamento e mapeamento para Ethernet multicast

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

SERVIDOR HOTSPOT PARA HOTÉIS/POUSADAS - SMARTWEB MANUAL DE OPERAÇÕES

SERVIDOR HOTSPOT PARA HOTÉIS/POUSADAS - SMARTWEB MANUAL DE OPERAÇÕES SERVIDOR HOTSPOT PARA HOTÉIS/POUSADAS - SMARTWEB MANUAL DE OPERAÇÕES O SMARTWEB é um servidor baseado na plataforma Mikrotik que permite o gerenciamento e controle de acessos à internet. Libera acesso

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação TRBOnet MDC Console Manual de Operação Versão 1.8 ÍNDICE NEOCOM Ltd 1. VISÃO GERAL DA CONSOLE...3 2. TELA DE RÁDIO...4 2.1 COMANDOS AVANÇADOS...5 2.2 BARRA DE FERRAMENTAS...5 3. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS...6

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais

CONFIGURAÇÃO KIT PROVEDOR DE INTERNET SEM FIO

CONFIGURAÇÃO KIT PROVEDOR DE INTERNET SEM FIO CONFIGURAÇÃO KIT PROVEDOR DE INTERNET SEM FIO IMPORTANTE: Não instale o KIT no mastro sem antes conhecer bem o SOFTWARE (firmware) de gerenciamento. Configure a placa AP e faça todos os testes possíveis,

Leia mais

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede

Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 3 Visão Geral de Equipamentos de Rede 2 Repetidor

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

INTERFACE ECHOLINK. Manual de Instalação e Operação. Hardware Revisão D

INTERFACE ECHOLINK. Manual de Instalação e Operação. Hardware Revisão D INTERFACE ECHOLINK Manual de Instalação e Operação Hardware Revisão D CONTEÚDO Índice... 01 Suporte Técnico... 01 Termo de Garantia... 01 Descrição do Produto... 01 Instalação da Interface... 02 LED Indicador...

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

A. Modos de operação. Introdução. 1.1 - Repetidor Wireless N. Configurações mínimas. 1.2 - Repetidor Wireless N + cabo RJ-45. A embalagem contém

A. Modos de operação. Introdução. 1.1 - Repetidor Wireless N. Configurações mínimas. 1.2 - Repetidor Wireless N + cabo RJ-45. A embalagem contém Introdução O Repetidor Wi-Fi N - 300 Mbps com 2 portas de rede (1 porta LAN + 1 porta WAN/LAN) Comtac modelo WN9254 foi desenvolvido para usuários que buscam ampliar a cobertura de uma rede Wireless existente

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft CPE Soft Manual 125/400mW 2.4GHz CPE Soft Campinas - SP 2010 Indice 1.1 Acessando as configurações. 2 1.2 Opções de configuração... 3 1.3 Wireless... 4 1.4 TCP/IP 5 1.5 Firewall 6 7 1.6 Sistema 8 1.7 Assistente...

Leia mais

Guia de instalação básica do Sabre Red Workspace

Guia de instalação básica do Sabre Red Workspace Guia de instalação básica do Sabre Red Workspace Referência Rápida A N T E S D E C O M E Ç A R Este documento descreve uma instalação básica do The Sabre Red Workspace para usuários que: Podem baixar arquivos

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Introdução. Configurações mínimas. A embalagem contém

Introdução. Configurações mínimas. A embalagem contém Introdução Obrigado por adquirir o Repetidor / Roteador Wi-Fi N High Power - 150 Mbps (1T1R) Comtac. Utilizado principalmente para aumentar a cobertura da rede Wi-Fi em locais distantes do roteador principal.

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

TRBOnet Standard. Manual de Operação

TRBOnet Standard. Manual de Operação TRBOnet Standard Manual de Operação Versão 1.8 NEOCOM Ltd ÍNDICE 1. TELA DE RÁDIO 3 1.1 COMANDOS AVANÇADOS 4 1.2 BARRA DE FERRAMENTAS 5 2. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS 6 2.1 MAPLIB 6 2.2 GOOGLE EARTH 7 2.3

Leia mais

Sistema de Validação E-A-Rfit 3M. Guia de instalação Versão 4.1 (Atualização) Líder no Progresso da Conservação Auditiva

Sistema de Validação E-A-Rfit 3M. Guia de instalação Versão 4.1 (Atualização) Líder no Progresso da Conservação Auditiva Sistema de Validação E-A-Rfit 3M Guia de instalação Versão 4.1 (Atualização) Líder no Progresso da Conservação Auditiva Importante! Leia antes Este guia de upgrade destina-se ao uso por parte de usuários

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Unidade 2. Largura de Banda e Throughput

Unidade 2. Largura de Banda e Throughput Unidade 2 Largura de Banda e Throughput 48 Conceitos Fundamentais Largura de Banda = Velocidade Largura de Banda vs. Througput 49 Largura de Banda É a quantidade de informações que flui através da conexão

Leia mais

mobile PhoneTools Guia do Usuário

mobile PhoneTools Guia do Usuário mobile PhoneTools Guia do Usuário Conteúdo Requisitos...2 Antes da instalação...3 Instalar mobile PhoneTools...4 Instalação e configuração do telefone celular...5 Registro on-line...7 Desinstalar mobile

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Click the + sign to add new server details. Clique no sinal de "+" para adicionar novos detalhes do servidor. Enter a friendly name for your BI Server

Click the + sign to add new server details. Clique no sinal de + para adicionar novos detalhes do servidor. Enter a friendly name for your BI Server Click the + sign to add new server details Clique no sinal de "+" para adicionar novos detalhes do servidor Enter a friendly name for your BI Server Digite um nome amigável para o seu BI Server Enter the

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos... 2 Antes da instalação Motorola Phone Tools... 3 Instalar Motorola Phone Tools... 4 Instalação e configuração do dispositivo móvel... 5

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Configuração Linksys SPA 2102 Versão 1.4 Guia de instalação do Linksys SPA 2102 O Linksys SPA 2102 possui: 01 Entrada de alimentação DC 5V (100-240V~) 01 Porta Ethernet (LAN) conector RJ 45 01

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Geral: Manual de Utilização do Software de Teste Gradual Windows

Geral: Manual de Utilização do Software de Teste Gradual Windows Manual de Utilização do Software de Teste Gradual Windows Geral: Este aplicativo é utilizado para testar os Microterminais Gradual Tecnologia Ltda. Para tanto deve ter as Dll s necessárias para controlar

Leia mais

Protocolos de roteamento RIP e OSPF

Protocolos de roteamento RIP e OSPF Roberto Néia Amaral et al. 75 Roberto Néia Amaral (Mestre) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti do Paraná Ciro de Barros Barbosa (Doutor) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti

Leia mais

preencher, clicar em SUBMIT e fazer o download do Echolink. que

preencher, clicar em SUBMIT e fazer o download do Echolink. que CONFIGURANDO PY2RNR-REINALDO REINALDO-TUPÃ O ECHOLINK SP http://www.echolink.org/register_data.jsp 1-NO LINK ABAIXO FAZER O DOWNLOAD DO ECHOLINK: Quando o com campo o seu clicar Callsign endereço no com

Leia mais

KIT PROVEDOR COMPACT - MONTAGEM CONFIGURAÇÃO BÁSICA

KIT PROVEDOR COMPACT - MONTAGEM CONFIGURAÇÃO BÁSICA KIT PROVEDOR COMPACT - MONTAGEM CONFIGURAÇÃO BÁSICA 1 Parabéns, você acaba de adquirir o equipamento mais avançado e de melhor relação custo/ benefício do mercado para compartilhamento de Internet via

Leia mais

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica?

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica? 1. O que significa PLC - PowerLine Communications? 2. Quais são as características técnicas do PLC? 3. Quais são as vantagens da Tecnologia PLC? 4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Visão do Sistema em Relação aos Clientes dentro do seu estabelecimento:

Visão do Sistema em Relação aos Clientes dentro do seu estabelecimento: * Fotos de Equipamentos Midia Wireless acompanhado com 2 placas de PVC (400 x 300mm) para divulgação dentro do estabelecimento. A rede wireless do equipamento suporta 6 conexões simultaneas que podem ser

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR P25 Fase 1 Requisitos Gerais Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na

Leia mais

Obs: É necessário utilizar um computador com sistema operacional Windows 7.

Obs: É necessário utilizar um computador com sistema operacional Windows 7. Instalando os Pré-Requisitos Os arquivos dos 'Pré-Requisitos' estão localizados na pasta Pré-Requisitos do CD HyTracks que você recebeu. Os arquivos também podem ser encontrados no servidor. (www.hytracks.com.br/pre-requisitos.zip).

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Controle Central IQ v2.0 da Rain Bird

Controle Central IQ v2.0 da Rain Bird Controle Central IQ v2.0 da Rain Bird Exatamente o que você deseja. Somente o que você precisa. O Controle Central IQ v2.0 da Rain Bird se adapta às diversas necessidades de irrigação. No gerenciamento

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR GERENCIA DE REDES DE COMPUTADORES 4º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Alunos: Erik de Oliveira, Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

Guia do Usuário Moovit. Android Versão 3.7.0.97

Guia do Usuário Moovit. Android Versão 3.7.0.97 Guia do Usuário Moovit Android Versão 3.7.0.97 Tela principal (tela do mapa) Itens do mapa: Esse aqui é você (o seu avatar). Este ícone laranja mostra sua posição atual. Importante: Em caso de erro na

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Seu manual do usuário YAMAHA UX16 http://pt.yourpdfguides.com/dref/512336

Seu manual do usuário YAMAHA UX16 http://pt.yourpdfguides.com/dref/512336 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Manual do Usuário HERE Drive

Manual do Usuário HERE Drive Manual do Usuário HERE Drive Edição 1.0 PT-BR HERE Drive O HERE Drive orienta você até onde deseja ir com direções detalhadas e orientadas por voz. Você: encontra seu caminho em seu país ou região de origem

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador)

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Multiprocessamento Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Conjunto de processadores, cada qual com sua memória local Processadores se comunicam por troca de mensagens, via rede de

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Exigências de Sistema. Significado de cada LED. Conteúdo da embalagem. Instalação e Configurações

Exigências de Sistema. Significado de cada LED. Conteúdo da embalagem. Instalação e Configurações Exigências de Sistema 1. Processador Pentium 200MHZ ou mais 2. Windows 98SE, Windows Me, Windows 2000, Windows XP, Windows Vista e Windows 7. 3. 64MB de RAM ou mais. 4. 25MB de espaço livre no disco Significado

Leia mais

Programa de Testes por Computador. Guia do Administrador de Testes

Programa de Testes por Computador. Guia do Administrador de Testes Programa de Testes por Computador Guia do Administrador de Testes 1. Introdução Por meio da tecnologia Ordinate de processamento de voz, o Programa Versant detestes por Computador PTC (em inglês, CDT,

Leia mais

Fesp - Tópicos Avançados II - Switching

Fesp - Tópicos Avançados II - Switching SWITCHING Quando o ethernet foi originalmente desenhado, os computadores eram lentos e as redes eram pequenas. Portanto, uma rede rodando a 10 mbps era mais que suficiente para qualquer aplicação. Atualmente,

Leia mais

Manual do Usuário Microsoft Apps

Manual do Usuário Microsoft Apps Manual do Usuário Microsoft Apps Edição 1 2 Sobre os aplicativos da Microsoft Sobre os aplicativos da Microsoft Os aplicativos da Microsoft oferecem aplicativos para negócios para o seu telefone Nokia

Leia mais

Como recuperar e mudar o endereço IP de Um ou Mais Servidores Cisco ICM NT do RateMux C6920

Como recuperar e mudar o endereço IP de Um ou Mais Servidores Cisco ICM NT do RateMux C6920 Como recuperar e mudar o endereço IP de Um ou Mais Servidores Cisco ICM NT do RateMux C6920 Índice Introdução Antes de Começar Convenções Pré-requisitos Componentes Utilizados Como se conectar ao RateMux

Leia mais

Visualizando um vídeo através do Servidor de Streaming

Visualizando um vídeo através do Servidor de Streaming Visualizando um vídeo através do Servidor de Streaming Função do Servidor de Streaming Quando existem muitos usuários acessando remotamente uma câmera para realizar a visualização ao vivo ou fazer gerenciamento,

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO.

SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. 1 Marcelo Herbert de Lima Chefe do Núcleo de Controle da Produção DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. 2 1 Roteiro A Secretaria

Leia mais

Manual de Instalação Flex

Manual de Instalação Flex Manual de Instalação Flex Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5 4.1.1. Instalação do sistema...

Leia mais