Elementos Fundamentais para o Design de Dashboards no âmbito dos Sistemas do Conhecimento e da Gestão Estratégica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elementos Fundamentais para o Design de Dashboards no âmbito dos Sistemas do Conhecimento e da Gestão Estratégica"

Transcrição

1 Elementos Fundamentais para o Design de Dashboards no âmbito dos Sistemas do Conhecimento e da Gestão Estratégica Fundamentals of Dashboard Design in the context of Knowledge Systems and Strategic Management Garcia Motta, Rafael; Especialista; Universidad de Buenos Aires Sell, Denilson; Dr.; Instituto Stela Todesco, José Leomar; Dr.; Universidade Federal de Santa Catarina Resumo O presente trabalho propõe uma reflexão sobre as necessidades projetuais e comunicacionais dos dashboards no âmbito dos sistemas do conhecimento e da gestão estratégica. São discutidos os elementos que conformam a experiência de usuário dessas ferramentas, assim como uma série de conceitos relevantes para a compreensão dos processos e finalidades das mesmas. Tal proposta visa a constituição de conhecimento analítico-projetual sobre o tema, com vistas ao estabelecimento de diretrizes práticas para o design de dashboards no contexto em questão. Palavras Chave: Design; Dashboards; Sistemas do Conhecimento. Abstract This paper proposes a reflection on the communication and design needs of dashboards in the context of knowledge systems and strategic management. We discuss the elements that foster the user experience of these tools, as well as relevant concepts to understanding how dashboards are applied in the decision making process. This proposal aims to establish analytic-projetual knowledge on the topic and practical guidelines for the design of dashboards. Keywords: design; dashboards; knowledge systems. IMPORTANTE: na parte inferior desta primeira página deve ser deixado um espaço de pelo menos 7,0 cm de altura, medido da borda inferior, no qual serão acrescentadas, pelos editores, informações para referência bibliográfica

2 Introdução Partindo do pressuposto de que a utilização de dashboards de alta performance possibilita a potencialização de processos de visualização e análise de informação (FEW, 2006) constituindo e mediando processos de geração e aplicação de conhecimento no âmbito de determinado negócio ou atividade, é proposta uma leitura crítica de tais ferramentas, de suas funcionalidades e dos processos aos quais elas se destinam, com o intuito de identificar e/ou clarificar suas reais necessidades projetuais e comunicacionais no âmbito dos sistemas de conhecimento. Tal recorrido se dá desde um enfoque comunicacional, estruturalmente vinculado à uma série de conceitos multidisciplinares e abordagens projetuais complementares. Nesse contexto, utilizamos o esquema ontológico do design (BONSIEPE, 1993) como ponto de partida para o mapeamento e a discussão dos elementos constitutivos da experiência de usuário de dashboards enquanto ferramentas de visualização e exploração da informação em plataformas e sistemas de conhecimento. Os Dashboards e suas especificidades Dentro do universo de Business Intelligence, os dashboards são ferramentas para a visualização de informação vinculada ao monitoramento de indicadores de performance e situação geralmente em situações analíticas e estratégicas, através de uma interface que pode ser acessada a partir de um dado sistema. Essa interface deve ser projetada para oferecer um panorama das informações necessárias para a realização de tarefas dentro de um determinado contexto de negócio ou atividade, assim como possibilitar variadas formas de interação com essa informação. Visualização e exploração da informação efetivam-se por meio de recursos gráficos otimizados, capazes de facilitar o acompanhamento e a percepção imediata de situações que requeiram atenção ou interferência. Formalmente, um dashboard consiste em uma interface de acesso à um conjunto de recursos gráficos configuráveis para visualização de informação. Funcionalmente, trata-se de um painel de controle e acesso ao conjunto de informações e indicadores relevantes para determinado negócio ou atividade. A utilização de recursos gráficos diferentes tipos de gráficos, tabelas, mapas e gauges, entre outros habilita a ferramenta a comunicar grandes quantidades de dados de forma sintética, de forma que o design de tais elementos e da lógica de interação e navegação entre eles representa um fator determinante para sua eficácia. De acordo com FEW (2006), esses recursos gráficos devem ser concisos, claros e intuitivos, de maneira que possam transmitir informação da melhor maneira possível e sem ocupar muito espaço. FEW (2006) também ressalta a necessidade de organizarmos, consolidarmos e delimitarmos a interface de um dashboard à uma única tela, permitindo o pronto acesso à uma visão geral das informações e indicadores desejados. O autor recomenda a ausência de barras de rolagem e sustenta que a navegação de uma tela à outra configura a utilização de múltiplos dashboards. Essa recomendação vai ao encontro das considerações de DARKEN (1995) sobre as dificuldades de navegação e orientação de usuários em ambientes virtuais complexos, e se justifica na proposta funcional da ferramenta. A transformação de dados e indicadores quantitativos e qualitativos em formas visuais abstratas altamente sintéticas para que possam oferecer uma visão global sobre determinado assunto e para que sejam acompanhados de maneira prática e efetiva perderia completamente o sentido se elementos importantes ficassem fora do campo de visão do usuário. Nesse sentido, a proposta funcional de um dashboard é oferecer formas de acesso visual otimizado a um conjunto de informações importantes de maneira que o usuário possa absorver a informação necessária para suas atividades de forma rápida e sem esforço. Sua principais características estruturais a limitação da interface à uma única tela e a natureza gráfica de seus recursos para visualização da informação constituem o grande diferencial da

3 ferramenta no que diz respeito à disponibilização da informação em circunstâncias de tomada de decisão. Na prática, esse formato possibilita a identificação de tendências e padrões, a criação de relações, geração de insights, e o monitoramento de metas e situações de risco, de forma que o potencial comunicacional e estratégico de um dashboard está estruturalmente condicionado pelo design de sua interface. Com base em FEW (2006) e READ et al. (2003) elencamos uma série de características e funcionalidades que merecem ser observadas com atenção em etapas de projeto e implementação de dashboards e dos recursos que os constituem: oferecer formas de visualização que transpareçam as prioridades, metas e os níveis de desempenho desejados pela organização, atividade ou negócio; estabelecer lógicas e capacidades exploratórias da ferramenta (drill-down) estruturadas de maneira a oferecer um pronto acesso aos aspectos relevantes de cada nível de exploração; oferecer opções de alerta para oportunidades e riscos integrada com demais sistemas de comunicação organizacionais; permitir a integração com fontes de dados externas; possibilitar a integração e a compatibilidade com tecnologias open source; possibilitar formas de customização coerentes com as necessidades organizacionais; oferecer formatos variados de documentação e circulação da informação proveniente da ferramenta. O Diagrama Ontológico do Design BONSIEPE (1993) propõe um diagrama ontológico do design composto por três domínios usuário, tarefa a ser executada e ferramenta necessária para tal e um espaço no qual se estrutura a interação entre elas: a interface. Para o autor, a interface deve revelar o caráter instrumental dos objetos e o conteúdo comunicativo da informação, transformando objetos em produtos e a simples existência física em disponibilidade (BONSIEPE, 1993). Figura 1: Diagrama Ontológico do design A aplicação das idéias de Bonsiepe ao contexto do objeto de estudo sugere um condicionamento de suas possibilidades comunicacionais pela qualidade da interface, que vai condicionar as possibilidades de ação efetiva instrumental ou comunicativa (BONSIEPE, 1997: 147). Aqui, o conceito de qualidade está diretamente relacionada à compreensão do ambiente por parte do usuário e às possibilidades de navegação e interação efetivas no espaço

4 informacional. A interface é nesse sentido o fator constitutivo e determinante da ferramenta (BONSIEPE, 1993). As dimensões comunicacionais de um dashboard Podemos pensar o design de dashboards a partir de um enfoque comunicacional da interface. Em um contexto onde os dashboards são abordados como elementos integrantes de plataformas e sistemas do conhecimento, propomos uma leitura pautada no entendimento de duas importantes dimensões comunicacionais dessas ferramentas: a) uma dimensão responsável pela compreensão do ambiente e de suas relações estruturais e hierárquicas com o sistema desde o qual é acessado plataforma, portal, entre outros e com os recursos que o integram widgets, botões, sistemas de busca, etc. Em suma, uma dimensão navegacional da ferramenta; b) uma dimensão correspondente à finalidade da ferramenta que de uma maneira geral consiste em permitir a visualização, o monitoramento e em alguns casos, a exploração da informação disponível sobre determinado tema. Trata-se de uma dimensão mais complexa, pautada pela variedade formal e funcional dos recursos de visualização existentes, das particularidades de cada área de atuação, e do constante desenvolvimento tecnológico, que nem sempre é acompanhado de maneira adequada pela pesquisa e por reflexões críticas sobre seus aspectos projetuais-comunicacionais. Podemos chamá-la dimensão funcional. comunicacionais de um dashboard Figura 2: Dimensões Essas duas dimensões compartilham os mesmos elementos e estão estruturalmente fundidas, de modo que a divisão proposta se dá apenas no plano conceitual. Trata-se de uma separação de caráter ilustrativo, com o objetivo de sentar bases para uma abordagem comunicacional no design de dashboards. De acordo com esse enfoque, o design de tais ferramentas deve ser pensado a partir da interface e de suas dimensões comunicacionais, as quais entendemos como determinantes para o sucesso na interação com a ferramenta, e para as quais estão direcionados os conceitos que aqui se discutem. O conceito de Wayfinding em ambientes virtuais Ao abordar a problemática da orientação espacial no espaço urbano, LYNCH (1960) utiliza o termo wayfinding para caracterizar os processos e recursos principalmente visuais utilizados como suporte «navegacional» nos deslocamentos humanos dentro das cidades. O

5 autor sugere que elementos urbanos significativos como avenidas, bairros, referências naturais ou arquitetônicas importantes, pontos turísticos e limites ou barreiras físicas, como o mar ou uma estrada de ferro oferecem a possibilidade de divisão da cidade em partes menores, mais compreensíveis e lógicas. DARKEN (1995) propõe a utilização de uma leitura análoga em ambientes virtuais complexos baseada em correspondências entre as lógicas de orientação espacial em ambientes urbanos e virtuais. De acordo com o autor, os processos de Wayfinding principalmente em ambientes virtuais requerem uma compreensão do ambiente como um todo. De um modo geral, temos dificuldades para captar a estrutura topológica de um ambiente quando este abarca mais do que pode ser visualizado desde um único ponto de vista. Para tanto, DARKEN (1995) estabelece algumas diretrizes puntuais para o design de ambientes virtuais complexos que podem ser assim resumidas: dividir o ambiente em partes menores e identificáveis, preservando o senso de localização; organizar essas partes menores seguindo um princípio organizacional simples, de forma a mostrar claramente todos os elementos de organização e o princípio organizacional; sempre mostrar a posição do usuário no ambiente; prover indicações direcionais claras e frequentes. No contexto prático dos dashboards, tais diretrizes servem como critérios projetuais para a criação e estruturação de plataformas e sistemas do conhecimento. A criação de múltiplos dashboards, categorizados e organizados mediante algum princípio lógico de acordo com áreas temáticas, por exemplo, e de uma lógica de navegação clara e objetiva entre eles traduz-se em uma solução eficaz para questões de ordem funcional e estrutural. Panorama, Vista e Affordance Para FRASCARA (2006), a questão central no design de interfaces eletrônicas diz respeito à necessidade de uma visão contextualizadora na relação usuário-ferramenta, um sentido de onde estou? dentro do universo de navegação. O usuário deve ser capaz de perceber, de maneira fácil e clara, sua localização e suas possibilidades de ação nesse ambiente. O autor vincula essa necessidade com os conceitos de panorama, vista (APPLETON, 1975) e affordance (GIBSON, 1979). Os conceitos de panorama e vista integram a prospect-refuge theory de APPLETON (1975), teoria cujas premissas sugerem condicionamentos biológicos e históricos relacionados com a percepção e compreensão do ambiente circundante. De acordo com APPLETON, a visualização global de uma paisagem sem obstáculos visuais (prospect) desde um ponto de vista seguro, de onde o observador possa ver sem ser visto (refuge) é propicia para a análise de condições de sobrevivência em determinado ambiente, trazendo uma sensação de conforto e segurança. Panorama e vista configuram duas circunstâncias distintas de visualização da paisagem (prospect); a primeira, completa, sem interrupções nem limitações; a segunda, restringida por margens, limites verticais ou horizontais. Para TUFTE (1990), esses conceitos representam componentes críticos do design da informação, uma vez que permitem compreender a importância de se oferecer ao usuário a liberdade de comparação, avaliação e escolha que derivam de uma visão geral, global de um ambiente. A teoria das Affordances (GIBSON, 1979) pressupõe que percebemos o mundo não apenas em termos de formas e relações espaciais, mas também em termos de possibilidades de ação. O autor usa o termo affordance para referir-se às possibilidades de ação percebíveis em um determinado ambiente, sugerindo que a percepção dessas possibilidades condiciona e direciona as ações dos indivíduos. De acordo com essa teoria, a eficácia comunicacional dos

6 elementos que constituem um ambiente nesse caso, virtual depende de quão explícitas são as indicações visuais de possibilidades de ação. No âmbito do design de dashboards, o conceito de affordance adquire grande relevância em função da variedade de componentes e formas de visualização que funcionam de maneira análoga. Ao buscar uma redução da complexidade através da compressão e da abstração de dados para visualização e exploração interativa de informação, essas ferramentas dependem de altos níveis de consistência e clareza na apresentação visual de seus canais de interação. KRIPPENDORF (1995) ressalta que a forma pode induzir o usuário ao erro, sugerindo possibilidades que não existem (erros de comissão) ou dificultando e em alguns casos, escondendo possibilidades existentes (erros de omissão). Nesse contexto, o design dos elementos de interação de uma interface deve ser pensado sob vários enfoques perceptivos (cognitivamente, fisiologicamente, culturalmente, etc.) A relação proposta por Frascara aponta para a necessidade de pensarmos e projetarmos interfaces que permitam ao usuário uma visão global e um entendimento claro de sua localização e de suas possibilidades de ação no ambiente virtual em que se encontra. No contexto dos dashboards, onde podemos lidar com volumes de informação extremos e com estruturas de navegação multidimensionais, resulta importante o projeto de interfaces comprometidas com formas de interação intuitiva. O sucesso da interação e o alcance de objetivos está condicionado à capacidade de compreensão da organização hierárquica do conteúdo e das ferramentas de navegação e interação disponíveis por parte do usuário. O conceito de Modularização A modularização constitui um principio-chave na estruturação e no controle de sistemas complexos. A aplicação desse principio se dá através da identificação de elementos funcionais similares e sua consequente transformação em sistemas relativamente independentes (BALDWIN e CLARK, 2000). A idéia de modularização efetiva repousa no ocultamento da complexidade interna e no estabelecimento de lógicas de interação entre módulos claras e consistentes. Neste ponto enfatizamos a importância do conceito de consistência para a ideia de modularização no design de sistemas complexos, onde a eficácia funcional passa pela capacidade de compreensão global das hierarquias e comportamentos. No que diz respeito ao aspecto comunicacional, a modularização interfere na redução da complexidade do sistema para quem o utiliza. No que diz respeito ao aspecto estrutural, a modularização promove a descentralização da arquitetura, o que se traduz em flexibilidade de alternativas, facilidade e praticidade para eventuais modificações, ampliações ou inovações no sistema. A idéia de Customização O conjunto de informações que vai constituir um dashboard deve estar especificamente configurado às necessidades e dentro do possível, às preferências de um determinado usuário, grupo e/ou objetivo. Um dashboard deve ser projetado e configurado para comunicar (FEW, 2006), logo devemos levar em conta as especificidades, dificuldades e necessidades dos destinatários desses processos comunicacionais. A partir dessa idéia de customização, FEW (2006) propõe uma classificação tipológica-funcional para dashboards de acordo com a esfera de atuação organizacional em que é utilizado: estratégica, analítica e operacional. a) Dashboards para Atividades Estratégicas: devem ser capazes de oferecer um panorama geral das informações relevantes, permitindo o monitoramento da saúde da organização e de possíveis oportunidades de negócio. b) Dashboards para Atividades Analíticas: devem ser pensados e projetados para oferecer informação mais contextualizada, permitindo cruzamentos e comparações e

7 disponibilizando históricos detalhados. Deve possibilitar várias formas de interação com os dados, afim de viabilizar análises de comportamentos e causas. Em suma, deve ser capaz de sugerir soluções e conectar o analista com os dados que lhe darão possíveis respostas. c) Dashboards para Atividades Operacionais: devem permitir resposta imediata. Devem ser claros, objetivos e capazes de chamar e reter a atenção do usuário rapidamente. Especialmente nesse âmbito resulta importante a integração com outras tecnologias de informação e comunicação, afim de permitir um maior alcance da ferramenta e garantir melhorar a eficácia dos processos. Para cada contexto de atuação organizacional, recomenda-se o mapeamento das variáveis de maior importância, afim de direcionar e adequar a criação e a utilização das ferramentas aos requerimentos funcionais propostos. Neste ponto é importante salientar a diferença entre a customização funcional da customização estética. A primeira deve estar pensada, necessariamente, desde os primeiros levantamentos de requisitos técnicos e projetuais. Está diretamente relacionada com a estruturação da dimensão funcional da interface e das necessidades específicas de cada área e tipo de atividade. Já a importância dos recursos de customização estética reside nas possibilidades de incremento e fragilização do potencial comunicacional da interface em suas duas dimensões. A disponibilização de opções de customização estética deve estar pensada em conjunto com as estratégias de modularização da ferramenta, uma vez que dessa relação depende a consistência previamente mencionada. Variáveis gráficas de representação Em sua teoria das variáveis gráficas, BERTIN (1970) define os elementos básicos da informação gráfica, suas relações mútuas e suas possibilidades de aplicação no campo da representação cartográfica. O autor sugere uma classificação das formas de representação da informação baseada em 7 tipos de variáveis gráficas: posição, forma, tamanho, contraste, textura, cor e direção. MIJKSENAAR (1997) propõe uma releitura dessa teoria desde o ponto de vista do design gráfico e/ou design da informação, onde divide as variáveis gráficas de Bertin em três grupos: variáveis hierárquicas, variáveis diferenciadoras e elementos de suporte. De acordo com Mijksenaar, variações de hierarquia se expressam com maior eficácia através de variações de tamanho e intensidade, enquanto que variações de diferenciação tipológica são melhor expressadas através da utilização de cores e formas diferentes. O terceiro grupo desempenha um papel de suporte, utilizando variações dos outros dois grupos para enfatizar e organizar elementos de uma interface gráfica.

8 Figura 3: Variáveis Gráficas (BERTIN, 1970; MIJKSENAAR, 1997) Essa classificação oferece critérios bastante claros na definição e na organização dos elementos gráficos que compõem uma interface, constituindo um elemento de apoio interessante no projeto de recursos gráficos para dashboards. Cabe ressaltar a importância de se conhecer ou ao menos estimar o universo de elementos que configuram o escopo de projeto e suas relações intrínsecas, a fim de otimizar a definição e a organização das variáveis gráficas que os representarão. A utilização de cores no Design da Informação TUFTE (1990) elenca quatro formas fundamentais de utilização das cores no design da informação: a) como categoria (categorizar, classificar, identificar, tipificar); b) como medida (quantificar, representar medidas, volumes, intensidades); c) como representação (representar a realidade, imitar); d) A cor como decoração (decorar, vivificar, embelezar). No design de dashboards, o entendimento global das possibilidades de utilização das cores adquire alto grau de relevância no estabelecimento de relações e definição de funções nas diferentes dimensões comunicacionais da ferramenta. As cores atuam em vários níveis distintos, desempenhando papéis distintos, e muitas vezes demandam cuidados especiais com a administração de conflitos. A maioria dos recursos gráficos para visualização da informação depende funcionalmente da utilização de cores, seja esse recurso um gráfico, uma tabela, um gauge, um ticker de notícias ou um mapa. A dimensão navegacional de um dashboard ou de um painel do conhecimento demanda outras preocupações no que diz respeito ao emprego de cores. Existe a possibilidade de utilizarmos cores como elemento de identificação e diferenciação de ambientes, temas ou categorias. Essa prática resulta bastante efetiva como recurso auxiliar de navegação, mas deve ser pensada em conjunto com o emprego de cores nos gráficos para evitar a geração de informações visuais conflitantes. Recomenda-se a utilização bastante ponderada das cores, e apenas em elementos acessórios. Outra possibilidade bastante comum é a escolha de cores neutras para a estruturação dos recursos de navegação e do ambiente como um todo. Elementos navegacionais SHNEIDERMAN (1996) propõe uma classificação baseada na relação entre ações de visualização da informação e os tipos ou formas de organização dos dados disponíveis. O autor elenca sete ações de visualização (Visão Geral, Zoom, Filtro, Detalhamento, Relação, Histórico e Extração) e sete tipos de dados (Lineares ou Unidimensionais, Bidimensionais, Tridimensionais, Temporais, Multidimensionais, Dados em Árvore e Dados em Rede), entre os quais estabelece relações qualitativas. São as ações de visualização que vão apesentar relevância para o estudo aqui proposto, visto que constituem um método complementar de classificação e análise para o design de recursos gráficos para visualização e exploração da informação. a) Visão geral: ação de visualização que oferece uma visão geral de todo o conjunto de dados. É comum que seja a forma de visualização padrão ou inicial da maioria dos recursos gráficos; b) Zoom: ação de visualização on the fly que oferece foco sobre questões de interesse;

9 c) Filtragem: elimina itens desinteressantes oferecendo uma nova perspectiva sobre a informação. d) Detalhamento sob demanda: ação de seleção de um item ou grupo ou de solicitação de novas perspectivas de acordo com as necessidades do usuário. e) Relação: ação que possibilita uma visão das relações entre itens. Oferece formas de comparação e contextualização. f) Histórico/Rastro: mantém um histórico ativo de ações como forma de apoio navegacional. g) Extração: ação que permite a extração de sub-conjuntos e parâmetros, assim como a exportação de informação para uso externo ao ambiente. A abordagem de Shneiderman está voltada para a exploração funcional de ambientes informacionais complexos, e tem como objetivo auxiliar uma integração suave entre as possibilidades tecnológicas e a realização das tarefas. A classificação proposta constitui uma espécie de roteiro básico para a acomodação de funcionalidades de visualização nos recursos gráficos de um dashboard, servindo como um ponto de partida projetual válido na concepção de novos recursos e na otimização dos já existentes. É importante ressaltar que cada recurso possui suas próprias especificidades, exigindo avaliações puntuais de quais ações de visualização são importantes, quais não, e que alternativas podem ser propostas para melhoria de cada um dos recursos. Conclusões e reflexões De acordo com FEW (2006), é bastante comum que necessidades e enfoques mercadológicos acabem por estabelecer lógicas de espetacularização e entretenimento no projeto de interfaces de sistemas e aplicativos desse tipo. A utilização de estratégias voltadas para a evocação de respostas emocionais dos usuários (RAMS, 1989) pode subverter os processos aos quais a ferramenta se destina situação que adquire caráter crítico em uma ferramenta baseada na visualização e exploração da informação através de recursos gráficos. A naturalização desse fenômeno pode ser em parte atribuída à dificuldade de afirmação do design como campo disciplinar autônomo, o que determina que a dimensão comunicacional da práxis projetual esteja submetida à regulação de outras disciplinas. Nesse contexto, os fatores comerciais, econômicos e políticos que impulsionam o desenvolvimento de sistemas de informação e do conhecimento acabam por determinar necessidades e prioridades projetuais distorcidas, contribuindo para a sedimentação de uma prática débil e da proliferação de ferramentas incapazes de atingir de maneira plena seu potencial. Na visão de SHEDROFF (1999), grande parte do que hoje chamamos tecnologia da informação é, na verdade, mera tecnologia de dados, uma vez que tais tecnologias não estariam realmente comprometidas e configuradas para a comunicação eficaz da informação. Essa leitura é ainda mais grave se falamos de sistemas que visam a geração de conhecimento. Tecnologias e sistemas que deveriam representar soluções para a sobrecarga informacional acabam constituindo problemas de sobrecarga tecnológica (SHEDROFF, 1999). BONSIEPE (2000) parte do continuum «dados informação conhecimento sabedoria» que, segundo o autor, se faz presente nos discursos das tecnologias, sistemas e design da informação para abordar o papel do design na produção de compreensão. Qualquer peça de comunicação visual informativa seja ela um quadro de horários, uma infografia, um mapa ou um gráfico de barras consiste em um conjunto de dados brutos, transformados em informação através de um processo de estruturação sistemática intencional e organizada o design da informação. Sem uma intervenção projetual comprometida com os processos comunicacionais, a geração de conhecimento não ocorre. O processo de

10 compreensão depende da mediação de uma interface. De outra forma, o conhecimento permanece abstrato e dificilmente será acessado ou experimentado. A idéia desse trabalho reside no aprimoramento dos processos comunicacionais aos quais se dedicam os dashboards no contexto das plataformas e sistemas do conhecimento. Dado que a transmissão de um novo conhecimento configura um nível de comunicação fundado em um alto nível de participação do receptor e depende do nível de conhecimento prévio relevante do mesmo, devemos direcionar as abordagens e métodos projetuais para a criação de experiências interativas mais significativas e na redução da complexidade e do nível de conhecimento prévio exigido para a utilização dessas ferramentas. Esse é o grande desafio do design no âmbito dos sistemas do conhecimento e da gestão estratégica. A proposta de comunicação oferecida pelos dashboards parece cada vez mais presente no cotidiano informacional, permeando grande variedade de meios e constituindo uma solução eficaz para a sobrecarga informacional, a navegação em ambientes virtuais complexos, a visualização da informação e para a geração de conhecimento nas mais variadas áreas. Esse cenário demanda reflexões cada vez mais críticas sobre a relação entre design e tecnologia. A função do design da informação é oferecer condições de acesso visual e compreensão de situações comunicacionais complexas ou, como sugere TUFTE (2006), a revelação do complexo, sua simplificação. A atual condição tecnológica, a crescente demanda e interesse pelo design da informação como disciplina prática e campo teórico, e as tendencias de integração e convergência que se manifestam em torno aos sistemas tecnologias de informação e conhecimento sugerem um panorama urgente e fértil de pesquisa em design com enfoques mais críticos e direcionados à busca de soluções para um desenvolvimento sustentável da chamada sociedade do conhecimento com o conhecimento sendo realmente utilizado em prol da sociedade. Referências APPLETON, Jay. The Experience of Landscape. London: John Wiley & Sons, BALDWIN, Carliss Y. e CLARK, Kim B. Design Rules: Volume 1. The Power of Modularity. Cambridge, MA: MIT Press, BERTIN, Jacques. La graphique. Communications, 15:1, p , BONSIEPE, Gui. Del objeto a la interfase: mutaciones del diseño. Buenos Aires: Ediciones Infinito, Design as Tool for Cognitive Metabolism: From Knowledge Production to Knowledge Presentation. Artigo preparado para o International Symposium on the Dimensions of Industrial Design Research, Ricerca+Design, Disponível em:[http://www.guibonsiepe.com/pdffiles/descogn.pdf]. Acesso em: 10 fev DARKEN, Rudolph P. Wayfinding in Large-Scale Virtual Worlds. In: Conference Companion on Human Factors in Computing Systems. ACM SIGCHI '95. Denver, Colorado, U.S.A.; p [doi: / ] FEW, Stephen. Information Dashboard Design. The Effective Visual Communication of Data. Sebastopol, CA: O Reilly, FRASCARA, Jorge. El Diseño de Comunicación. Buenos Aires: Infinito, GIBSON, James J. The Ecological Approach to Visual Perception. Boston: Houghton Mifflin, KAHN, Paul; LENK, Krzysztof; KACZMAREK, Piotr. Applications of isometric projection for visualizing web sites. Information Design Journal. 30: 3, p , KRIPPENDORF, Klaus. On the Essential Contexts of Artifacts. In: The Idea of Design: A Design Issues Reader. Eds. Victor Margolin e Richard Buchanan. Cambridge: MIT Press,

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Design da Informação. Aula 01 - Introdução, desafios da Gestão. da Informação, análise de dados e o pensamento analítico Infografia

Design da Informação. Aula 01 - Introdução, desafios da Gestão. da Informação, análise de dados e o pensamento analítico Infografia Design da Informação Aula 01 - Introdução, desafios da Gestão da Informação, análise de dados e o pensamento analítico Infografia Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO

ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO CAPÍTULO 02 ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Simplificação Administrativa Planejamento da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Administrativa Elaboração do Plano de Trabalho Mapeamento Mapeamento

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Design Thinking O que é?

Design Thinking O que é? DESIGN THINKING O que é? É o conjunto de métodos e processos para abordar problemas, relacionados à aquisição de informações, análise de conhecimento e propostas de soluções. Como uma abordagem, é considerada

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do TC 50 - Qualidade do Sistema Único de Saúde - QUALISUS,

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

Plusoft Rua Nebraska, 443, 5º Andar, Brooklin São Paulo (SP) F.: 55 11 5091-2777 www.plusoft.com.br - @Plusoft -

Plusoft Rua Nebraska, 443, 5º Andar, Brooklin São Paulo (SP) F.: 55 11 5091-2777 www.plusoft.com.br - @Plusoft - Potencializando resultados com o SOCIAL CRM A CONSTRUÇÃO DE RELACIONAMENTOS SÓLIDOS NA MÍDIA SOCIAL A mídia social revolucionou os meios e o modelo de comunicação. Entre muitas transformações, as redes

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

ESTRUTURA E FORMA DO PROJETO DE PESQUISA E DA DISSERTAÇÃO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO

ESTRUTURA E FORMA DO PROJETO DE PESQUISA E DA DISSERTAÇÃO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO ESTRUTURA E FORMA DO PROJETO DE PESQUISA E DA DISSERTAÇÃO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO Elaboração: Prof. Nério Amboni Prof. Leonardo Secchi Profª. Simone Ghisi Feuerschütte Florianópolis/SC

Leia mais

www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com

www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com Quem somos 3 Remuneração e Desempenho 4 Desenvolvimento de Pessoas 5 Engajamento Funcional 6 Desenvolvimento Organizacional 7 Desenvolvimento do RH 8 Treinamento

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos)

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Ministério da Fazenda Responsável: Adinilson Martins da Silva Técnico

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Thomas Hub Guia do Utilizador

Thomas Hub Guia do Utilizador Thomas Hub Guia do Utilizador O seu novo e melhorado sistema de apoio à decisão sobre pessoas Descubra a forma simples e rápida de diagnosticar e desenvolver o Capital Humano Acompanhe-nos 1 Guia do Utilizador

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST.

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Um software deve ser projetado para simplificar tarefas e criar experiências positivas para

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

Plusoft Rua Nebraska, 443, 5º Andar, Brooklin São Paulo (SP) F.: 55 11 5091-2777 www.plusoft.com.br - @Plusoft -

Plusoft Rua Nebraska, 443, 5º Andar, Brooklin São Paulo (SP) F.: 55 11 5091-2777 www.plusoft.com.br - @Plusoft - Potencializando resultados com o SOCIAL CRM O NOVO MOMENTO DO RELACIONAMENTO COM CLIENTE A mídia social revolucionou os meios e o modelo de comunicação. Entre muitas transformações, as redes sociais são

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU Jessé de Souza da Silva, José Arnaldo de Oliveira Almeida, Gabriel Pereira da Silva Gerenciamento de Configuração de Software Uma Abordagem Conceitual João Pessoa 2015 FACULDADE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SUMÁRIO 1 Introdução...5 2 Sistema de monitoramento climático Ressonare...7 2.1 A rede de monitoramento...8 2.2 A coleta, o armazenamento e o acesso aos

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Estrutura de Relacionamento:

Estrutura de Relacionamento: 1 Índice Por que ter Guia de Relacionamento e Suporte?... 3 Qual a Estrutura de Relacionamento com o Cliente?... 3 Agente de Atendimento (CAT):... 3 Gerente de Contas (GC):... 3 Gerente de Serviço (GS):...

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Índice. Business Intelligence Pentaho

Índice. Business Intelligence Pentaho Manual de Sistema Índice Introdução:... 3 Conceito:... 3 1 - Acessando o Sistema... 4 1.1 - Tela inicial... 5 2 - Analisando um Cubo... 6 2.1 Acessando o Cubo... 6 2.2 - Montando Uma Visão... 7 3 - Navegando

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais