Criado o Parque Estadual Costa do Sol

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Criado o Parque Estadual Costa do Sol"

Transcrição

1 Impresso Especial LGS SÃ JÃ CRREIS Informativo do Comitê de Bacia Hidrográfica Lagos São João (CBHLSJ) DEVLUÇÃ GRNTID CRREIS no 1 n o 2 Março/bril 2011 Distribuição gratuita v. Getúlio Vargas, Salas 304/305/306 Centro raruama/rj CEP Criado o Parque Estadual Costa do Sol que abrange seis municípios: Saquarema, raruama, rraial do Cabo, Cabo Frio, Búzios e São Pedro da ldeia Foto: Ernesto Galiotto Páginas 4 e 5 FUNBS: o Fundo de Boas Práticas Socioambientais em Microbacias Página 7 governador Sérgio Cabral e o secretário do ambiente Carlos Minc no dia da criação do PECS s ações do Comitê de Bacia Lagos São João que melhoraram o meio ambiente página 3

2 Editorial No no Internacional das Florestas revisamos nosso Código Florestal no Internacional das Florestas foi lançado na NU como uma forma de celebrar o papel vital que as florestas exercem sobre nossas vidas. ssembleia Geral da NU declarou 2011 o no Internacional das Florestas, com o tema Florestas para o Povo, para chamar a atenção do mundo sobre a importância da preservação das florestas para a vida do planeta. estratégia é conscientizar sobre o manejo sustentável, conservação e desenvolvimento de todos os tipos de florestas. Durante todo o ano a atenção global estará voltada para o reconhecimento da importância das florestas, desde a mitigação da mudança do clima até o fornecimento de madeira, medicamentos e meios de subsistência das populações. Segundo o diretor do Fórum das Nações Unidas sobre Florestas, Jan Mclpine, a saúde física, econômica e espiritual de todos está ligada aos ecossistemas florestais. Em 2011, vamos celebrar essa relação interdependente entre as florestas e as pessoas, declarou. Dados oficiais da NU demonstram que as florestas genda cobrem cerca de 31% da área terrestre, aproximadamente 4 bilhões de hectares. Estima- -se que 13 milhões de hectares de florestas são perdidos anualmente, devido ao desmatamento. o menos 1,6 bilhões de pessoas dependem de florestas para a subsistência, também são lar para milhões de pessoas, na maioria comunidades indígenas. São responsáveis pela sobrevivência de 80% da biodiversidade da Terra. Para alguns analistas, o desmatamento e a degradação das florestas causam um prejuízo global de 2,5 a 4,5 trilhões de dólares por ano para a economia mais do que todas as perdas da recente crise financeira. NG Conservação Internacional (CI) lançou uma pesquisa que lista as 10 florestas mais ameaçadas no mundo, todas com uma perda de 90% ou mais de sua cobertura vegetal. Cada floresta abriga pelo menos espécies que só existem em nível local e têm espécies sob o risco de extinção. Mata tlântica aparece como a quinta vegetação mais ameaçada do mundo, uma vez que restam apenas 8% da cobertura original. s florestas estão sendo destruídas a uma taxa alarmante para dar lugar a pastagens, plantações, mineração e expansão de áreas urbanas. Com isso, estamos destruindo nossa própria capacidade de sobreviver, alertou na ocasião livier Langrand, diretor de política internacional da CI. No Brasil, estamos às vésperas da votação no Congresso Nacional do relatório do deputado ldo Rebelo (PCdoB) propondo mudanças no Código Florestal. Segundo Luciano Evaristo, diretor de Proteção mbiental do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio mbiente e dos Recursos Naturais Renováveis), em recente entrevista à gência Brasil, a notícia provocou uma corrida ao desmatamento na mazônia. Motivados pela falsa expectativa de anistia para quem desmatou ilegalmente, proprietários têm avançado sobre a floresta, causando enormes prejuízos ambientais. provado em julho do ano passado por uma comissão na Câmara, o relatório prevê uma série de flexibilizações na lei florestal, inclusive a redução de áreas de preservação permanente e a possibilidade de isenção da reserva legal, o que está sendo questionado pelos ambientalistas. Vamos acompanhar de perto essa questão que nos atinge diretamente. Exposição comemora 25 anos da Fundação SS Mata tlântica Exposição Interativa Sua Mata, Sua Casa comemora os 25 anos da Fundação SS Mata tlântica. exposição itinerante, gratuita e aberta ao público, começou seu roteiro pelas 12 capitais do Brasil. Durante um ano, a expo ficará localizada num shopping das cidades por onde passa, com objetivo de mobilizar a sociedade local e mostrar que a floresta está diretamente relacionada ao nosso dia a dia. exposição Sua Mata, Sua Casa estreou no Norte Shopping, em Fortaleza (CE), em fevereiro, permaneceu no Maceió Shopping, em lagoas, em março, e em abril chegou a Salvador. Em maio, a expo chegará a São Paulo, onde fica no Shopping Metrô Tatuapé, indo em junho para o Shopping Conjunto Nacional Brasília, no Distrito Federal, chegando ao Rio de Janeiro (RJ), em julho, a Belo Horizonte (MG), em agosto e a Vitória (ES), em setembro. No Paraná, a expo será no Shopping Palladium Curitiba, em outubro e, em Florianópolis (SC), no Floripa Shopping, em novembro. Em Porto legre (RGS), a expo chegará em dezembro e, em janeiro de 2012, a expo será montada no Shopping Tacaruna, em Recife (PE). culminância do projeto será na Rio+20, em junho de 2012 no Rio de Janeiro. Expediente Comitê das Bacias Hidrográficas das Lagoas de raruama, Saquarema e dos Rios São João e Una (CBHLSJ) Decreto de Criação n , de 8 de dezembro de 2004; instalado em 25 de fevereiro de 2005 Mandato Presidente: Marcello Xavier (Zelão) Prefeito de Silva Jardim Vice-presidente: Carlos Gontijo Superintendente da Concessionária Águas de Juturnaíba Secretário executivo: Jaime zulay Engenheiro da Companhia Estadual de Águas de Esgoto (CEDE) Membros do CBHLSJ Representantes do Poder Público (18 membros): Prefeituras Municipais de raruama, rmação de Búzios, rraial do Cabo, Cabo Frio, Cachoeiras de Macacu, Casimiro de breu, Iguaba Grande, Maricá, Rio Bonito, São Pedro da ldeia, Saquarema e Silva Jardim, Departamento de Recursos Minerais (DRM-RJ), Fundação Nacional de Saúde (FUNS), Empresa de ssistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Rio de Janeiro (EMTER-RJ), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBI), Instituto Estadual do mbiente (INE) e Instituto Nacional de Colonização e Reforma grária (INCR). Representantes dos usuários (18 membros): Concessionária Águas de Juturnaíba, Concessionária Prolagos, Companhia Estadual de Água e Esgotos (CEDE), Secretaria de bastecimento de Água e Esgoto (SE) de Casimiro de breu, ssociação Livre dos quicultores das Águas do São João (L), Clube Náutico de raruama (CN), Esmeraldas Mineração, Reflorestamento e Recuperação mbiental de Áreas Degradadas Ltda, ssociação das Empresas Produtoras de reia de Silva Jardim (PREI), ssociação dos Pescadores rtesanais e migos da Praia da Pitória (PPP) de São Pedro da ldeia, RRX Mineração e Serviços Ltda, ssociação de Pescadores de Iguaba Grande, ssociação dos Trabalhadores Rurais de Sebastião Lan Gleba II, ssociação Unidos Venceremos dos Produtores do ssentamento Cambucaes (UVPC), Colônia de Pescadores Z-6 (São Pedro da ldeia), Colônia de Pescadores Z-24 (Saquarema), Federação da Indústria do Rio de Janeiro (FIRJN/Leste Fluminense), Sociedade Industrial de Granitos (SIGIL) e Sindicato Rural de Silva Jardim. Representantes da sociedade civil organizada - NGs (15 membros): ssociação Mico Leão Dourado, Universidade Veiga de lmeida (UV) Campus Cabo Frio, rganização mbiental para o Desenvolvimento Sustentável (DS), ssociação das Mulheres Empreendedoras contecendo em Saquarema (MES), ssociação de rquitetos e Engenheiros da Região dos Lagos (SERL), Centro de Logística e poio à Natureza (CLEN), ssociação de Defesa da Lagoa de raruama (Viva Lagoa), Grupo de Educação para o Meio mbiente (GEM), Instituto de Pesquisas e Educação para o Desenvolvimento Sustentável (IPEDS), Lions Clube de Casimiro de breu, Movimento mbiental Pingo d Água, Conselho Regional de Biologia (CRBio), Universidade Estácio de Sá / Campus Cabo Frio, Conselho Regional de Engenharia e rquitetura (CRE-RJ) - Coordenadoria Regional Leste, ssociação do Meio mbiente da Região da Lagoa de raruama (MRL). ssessoria de Comunicação: Consórcio Intermunicipal Lagos São João (CILSJ) Entidade delegatária das funções de competência da gência de Água do Comitê de Bacia Hidrográfica Lagos São João, de acordo com a Resolução do Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CERHI-RJ) nº 47, de 26 de maio de 2010 Presidente: ndré Luiz Mônica e Silva - Prefeito de raruama Vice-presidente: na Paula Medina - Concessionária Prolagos Secretário executivo: Mário Flávio Moreira Equipe técnica: Coordenadores de programa: gnes vellan, rtur ndrade, Denise Pena e Natalia Ribeiro; Gestora de projeto: line Santos; ssistente dministrativo: Bianca Carvalho; Estagiária: Mabel dos Santos Membros do Conselho de ssociados do CILSJ Poder Público: Secretaria Estadual do mbiente/instituto Estadual do mbiente, Prefeituras dos Municípios de raruama, rmação de Búzios, rraial do Cabo, Cabo Frio, Casimiro de breu, Cachoeiras de Macacu, Iguaba Grande, Maricá, Rio Bonito, São Pedro da ldeia, Saquarema e Silva Jardim. Empresas privadas: GM Empreendimentos Hoteleiros, riente Construção Civil, Concessionária Rodovia dos Lagos, Concessionária Águas de Juturnaíba, Concessionária Prolagos, Construtora Mil/Villa Rio, Dois rcos Transporte e Tratamento de Resíduos Sólidos Ltda. e Tosana gropecuária S/. Plenária das rganizações Não Governamentais: União das Entidades de Pesca e quicultura do Estado do Rio de Janeiro (UEP-RJ), Colônia de Pescadores Z-6, rganização mbiental para o Desenvolvimento Sustentável (DS), Grupo de Educação para o Meio mbiente (GEM), ssociação de Moradores de Barra de São João, Centro de Estudo e Referência de Uso Sustentável (CEREUS), ldeia Velha mbiental (V) e RPPN Bom Retiro. v. Getúlio Vargas, Salas 304/305/306 Centro raruama/rj CEP Telefones: (22) / (22) / Voz das Águas Informativo do Comitê de Bacia Hidrográfica Lagos São João Telefone: (22) Edição: Tupy Comunicações Jornalista Responsável: Dulce Tupy (registro 18940) Projeto Gráfico: Súbito Design Edição de rte: Lia Caldas Fotógrafo: Edimilson Soares Colaboradoras: lessandra Calazans e Tiragem: exemplares Gráfica Esquema CMUNICÇÕES Saiba Mais Grandes ações marcam a história da Bacia Hidrográfica Lagos São João maior corpo hídrico da Bacia Lagos São João é a Lagoa de raruama. Maior lagoa costeira hipersalina do mundo, com duas vezes a salinidade do mar e riquíssima em biodiversidade, a Lagoa de raruama sempre foi produtora de sal e abundante em pesca. Mas o crescimento desordenado das cidades nas margens da lagoa, principalmente depois da construção da Ponte Rio-Niterói, nos anos 70, sem que as cidades no entorno da lagoa tivessem infraestrutura necessária para absorver a explosão demográfica, acabou poluindo as águas antes cristalinas. Em 1999, o surgimento do Consórcio Intermunicipal Lagos São João (CILSJ), composto pelas prefeituras locais, empresas e organizações não governamentais (NGs) marcou uma nova fase na Bacia Hidrográfica Lagos São João, em especial na Lagoa de raruama. Várias ações foram empreendidas visando à revitalização da lagoa, entre elas a paralisação da extração de conchas, principalmente em rraial do Cabo, onde se situa a Companhia Nacional de Álcalis, tendo início também o processo de desassoreamento do Canal do Itajuru, em Cabo Frio. partir de ampla negociação, em 2003, foram repactuados os contratos entre as prefeituras e as empresas concessionárias dos serviços privatizados de abastecimento de água e esgoto, Prolagos e Águas de Juturnaíba, antecipando obras de saneamento previstas para acontecer somente em Na ocasião, criou-se um sistema de coleta e tratamento de esgoto alternativo, em tempo seco, sem as redes separadoras de água e esgoto, com base nos baixos índices pluviométricos da região. Foram construídas várias Estações de Tratamento de Esgoto e ampliada a rede de abastecimento de água, em praticamente todos os municípios da bacia. Paralelamente a essa sequência de obras, o Canal do Itajuru, que liga a Lagoa de raruama ao mar e que era um gargalo impedindo a livre circulação das águas, foi desassoreado e construída uma nova ponte na RJ 106, cujo Dulce Tupy Mário Flávio, secretário executivo do CILSJ, as coordenadoras de programas Denise Pena e Natália Ribeiro, Jaime zulay, secretário executivo do Comitê de Bacia e o coordenador de programa rtur ndrade Divulgação / Prolagos nova ponte sobre o Canal do Itajuru, em Cabo Frio, teve o vão ampliado de 30 para 300 metros de largura, beneficiando pescadores, moradores, turistas e principalmente o ecossistema vão passou de 30 para 300 metros de comprimento. monitoramento constante da lagoa e um vasto programa de educação ambiental contribuíram também para a recuperação da bacia, particularmente da Lagoa de raruama que, aos poucos, voltou a ser considerada própria para o banho, beneficiando toda a população, moradores e visitantes, trazendo de volta o turismo sustentável, torneios esportivos diversos, atividades de lazer e pesca. Mas os investimentos não pararam e tornaram-se mais abrangentes. Hoje, uma parceria do CILSJ, delegatária do Comitê de Consórcio iniciou o processo de revitalização da Lagoa de raruama Bacia Hidrográfica Lagos São João (CBHLSJ), com o Instituto Estadual do mbiente (INE) e as concessionárias de água e esgoto viabiliza programas permanentes de monitoramento das Lagoas de raruama, Saquarema e Rio São João. Também está em andamento um programa de saneamento das lagoas costeiras e outro programa de desassoreamento, em fase de implantação nas lagoas de raruama e Saquarema. Por outro lado, está em fase de regulamentação o programa de gestão de resíduos sólidos, em parceria com o INE/Secretaria Estadual do mbiente, que visa a Estação de Tratamento de Esgoto de Búzios só foi possível se concretizar devido à antecipação das obras de saneamento na região, mediada pelo Consórcio Intemunicipal Lagos São João e pelo Comitê de Bacia implantação de um terro Sanitário Regional, para atender inicialmente três municípios: Saquarema, raruama e Silva Jardim. lém dessas, várias iniciativas estão sendo tomadas no sentido do desenvolvimento sustentável na bacia, entre elas o balizamento do Canal do Itajuru, para torná-lo navegável de Cabo Frio a São Pedro da ldeia, assim como estudos dos sedimentos da Boca da Barra, em Cabo Frio, para uma possível engorda das praias, demonstrando atitude sistemática do CILSJ, pela preservação do meio ambiente. Leia na próxima edição tudo sobre os três Subcomitês da Bacia Hidrográfica Lagos São João: raruama, São João e Saquarema 2 Voz das Águas Março / bril 2011 Março / bril 2011 Voz das Águas 3

3 Preservação Parque Estadual da Costa do Sol torna-se finalmente uma realidade governador Sérgio Cabral assinou em Búzios a criação do Parque Estadual da Costa do Sol com 27 áreas de preservação integral em 6 municípios Região dos Lagos ganhou seu primeiro parque estadual durante solenidade no município de Búzios, onde o governador Sérgio Cabral assinou o Decreto n , de 18 de abril de 2011, que cria o Parque Estadual da Costa do Sol (PECS), sonho de muitos ambientalistas. Com aproximadamente 10 mil hectares e 27 áreas de proteção ambiental situadas em 6 municípios, o parque abrange áreas descontínuas de Saquarema, raruama, rraial do Cabo, São Pedro da ldeia e rmação dos Búzios, incluindo restingas, brejos, mangues, lagoas, lagunas, dunas, cordões arenosos, costões rochosos, florestas, praias e 15 ilhas costeiras. o lado do secretário estadual do mbiente, Carlos Minc e de Marilene Ramos, presidente do Instituto Estadual do mbiente (INE), o governador falou que o parque é uma reivindicação dos prefeitos, empresas e NGs da região e que a unidade será a primeira no país a funcionar em sistema de cogestão com os municípios. lém disso, o PECS é também pioneiro no Brasil por ser constituído de áreas descontínuas, como já ocorre no Canadá e nos Estados Unidos. Parque Estadual da Costa do Sol foi uma proposta do Consórcio Intermunicipal Lagos São João (CILSJ), a partir de um grupo de trabalho formado por representantes das prefeituras, empresas e sociedade civil, disse Sérgio Cabral. s características únicas da região fizeram com que prevalecesse a ideia de um parque segmentado, adotado em outros países. Estamos investindo pesado na área ambiental, ampliando as áreas protegidas declarou o governador. No mapa, a localização das 27 áreas de preservação ambiental situadas em 6 municípios no entorno da Lagoa de raruama Um misto de ansiedade, alegria e encantamento rondava os presentes no Salão de Convenções do Hotel tlântico em Búzios. vacionado, o governador até fez graça: Desde que o último Cabral esteve aqui, em 1500, não se fazia tanto pelo meio ambiente em nosso Estado... Já o secretário estadual do mbiente, Carlos Minc, lembrou que os prefeitos não cederam às pressões contrárias, garantindo um legado que ficará para sempre, para as futuras gerações. Minc destacou ainda a política ambiental no Rio Ernesto Galiotto encontro da Lagoa de raruama com o mar em Cabo Frio, onde o Dormitório das Garças foi uma das áreas incluídas no PECS de Janeiro, que não breca o desenvolvimento, agrega valores, atrai investimentos, cria os chamados empregos verdes e respeita as leis ambientais. Em seguida, citou como grande articulador do PECS, o subsecretário executivo do ambiente Luiz Firmino, ex-secretário executivo do CILSJ que batalhou durante anos pela criação do parque. presidente do INE, Marilene Ramos, também falou do papel relevante do CILSJ na construção deste grande projeto e disse que a região não suporta Fotos: Dulce Tupy governador Sérgio Cabral assina o decreto de criação do PECS ao lado dos prefeitos Mirinho Braga, de Búzios, ndré Mônica, de raruama, e do secretário do ambiente Carlos Minc ndré Ilha, diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas, Denise Rambaldi, vice-presidente do INE e Luiz Firmino, subsecretário estadual do ambiente, ambientalistas históricos que sempre lutaram pelo PECS salão de convenções do hotel em Búzios lotado por moradores, lideranças comunitárias, ambientalistas e técnicos mais as agressões aos recursos naturais deste atrativo turístico que é um verdadeiro pedacinho do paraíso. E o deputado Paulo Melo, presidente da ssembleia Legislativa, falou como filho da terra; nascido em Saquarema, um dos municípios contemplados no parque, Melo revelou sua satisfação com esta nova fase que vive a região, combinando preservação ambiental e desenvolvimento econômico sustentável. PECS vai aumentar o ICMS Verde dos municípios maioria dos prefeitos dos municípios que compõem o PECS compareceu ao ato de criação do parque, tendo como porta voz o prefeito anfitrião, Mirinho Braga, de Búzios, que falou por todos. criação do parque vai aumentar os repasses do ICMS Verde para os municípios, pois um dos critérios para o aumento dos repasses é justamente a existência de unidades de conservação. previsão é de que, em 2 anos, os municípios recebam 4,5 milhões de ICMS Verde, além dos recursos estimados em 10 milhões do Fundo da Mata tlântica, para a construção de subsedes, centro de pesquisa e de visitantes. parque tem entre seus principais objetivos a preservação de ecossistemas, alguns entre os mais ameaçados do estado. Mais da metade da área se situa na Área de Proteção mbiental (P) da Massambaba, que abrange Saquarema, raruama e rraial do Cabo, onde várias espécies vivem sob risco de extinção, entre eles o passarinho formigueiro do litoral, o popular concon, a borboleta da praia e o lagarto da areia, este praticamente extinto na região. Nesta área, encontram-se também sítios arqueológicos com vestígios de sambaquis, onde viviam caçadores e coletores pré- -históricos. utras evidências arqueológicas ainda mais antigas são os estromatólitos, rochas formadas por um tapete calcário, produzido por microorganismos em mares rasos e lagoas, encontrados na Lagoa Vermelha, em Saquarema. fenômeno é raro e seu estudo é essencial para a história evolutiva do planeta. Prefeito de raruama ndré Mônica é reeleito presidente do CILSJ ntes da cerimônia de criação do Parque Estadual Costa do Sol, o prefeito de raruama, ndré Mônica, foi reeleito presidente do Consórcio Intermunicipal Lagos São João, tendo como vice a engenheira na Paula Medina, da Prolagos, e como secretário executivo, também reeleito, o biólogo Mário Flávio Moreira, para um mandato de dois anos. ndré Mônica é um veterano no CILSJ, que foi fundado em 1999, em raruama, ndré Mônica e Mário Flávio quando ele era vereador. Mário Flávio é um dos fundadores do Consórcio, tendo acumulado o cargo de secretário executivo do CILSJ e do Comitê de Bacia durante vários anos. Tendo substituído o arquiteto Luiz Firmino Pereira na secretaria do Consórcio, hoje, é um dos mais credenciados técnicos do CILSJ que é a entidade delegatária do Comitê de Bacia Hidrográfica Lagos São João. Já a engenheira na Paula Medina, eleita vice, é uma das diretoras da empresa concessionária dos serviços de água e esgoto Prolagos, que atua em vários municípios da bacia. Dra. Paula é também coordenadora da Câmara Técnica de Saneamento do Comitê de Bacia Hidrográfica Lagos São João, uma das mais atuantes na bacia. 4 Voz das Águas Março / bril 2011 Março / bril 2011 Voz das Águas 5

4 Registro Dia Mundial da Água é comemorado nos municípios dia 22 de março foi comemorado em vários municípios que integram o Comitê de Bacia Lagos São João. Educação ambiental foi a chave para transmitir com sucesso a mensagem sobre a necessidade de preservação deste recurso finito e vital para o planeta que é a água. Segundo o relatório tlas Brasil de bastecimento Urbano de Água, da gência Nacional de Água (N), a água potável vai começar a faltar em breve, no ano de É imprescindível, então, que um novo pensamento com base no consumo consciente seja adotado por toda a população. Em raruama, técnicos da concessionária de água e esgoto Águas de Juturnaíba receberam alunos do município na Estação de Tratamento Wetland e explicaram o processo de captação, tratamento e distribuição de água no município, durante a semana que foi muito educativa, com encerramento no Teatro Municipal, com exibição de vídeos e músicas sobre o tema. Em Silva Jardim, o tema escolhido pela Secretaria de Meio mbiente foi Cidade Verde: Conservando suas Águas. utoridades municipais prestigiaram as comemorações, entre elas o prefeito do município, Marcello Zelão, presidente do Comitê de Bacia Hidrográfica Lagos São João. vice-presidente do CBHLSJ, Carlos Gontijo, superintendente da concessionária Águas de Juturnaíba, também esteve presente e a engenheira agrônoma Natalia Ribeiro, coordenadora de projetos do Consórcio Intermunicipal Lagos São João, fez uma apresentação sobre a 1ª Expedição ao Rio São João. Em São Pedro da ldeia, várias atividades educativas foram feitas no Horto-Escola, entre elas a apresentação da peça Era uma vez...vozes do São João, produzida pela NG Gema. concessionária de água e esgoto Prolagos ofereceu uma oficina de contação de histórias com o tema Conhecendo a nossa Bacia Hidrográfica. Também em parceria com a Prolagos, rraial do Cabo promoveu palestras para comemorar o Dia da Água, no Cinema Municipal, com foco na mudança de padrões de consumo, no dia a dia. Cabo Frio promoveu um abraço simbólico na Cachoeira da Siriaca, área que precisa ser utilizada de forma sustentável. Em Casimiro de breu, o dia foi voltado para a visitação de alunos às sedes da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e ao Serviço utônomo de Água e Esgoto (SE), para conhecerem o processo de análise, monitoramento e tratamento da água. Houve ainda atividades em Cachoeiras de Macacu, Maricá e Rio Bonito que promoveu um replantio de mudas. superintendente da Águas de Juturnaíba e vice-presidente do Comitê de Bacia, Carlos Gontijo, o prefeito de Silva Jardim e presidente do Comitê, Marcello Zelão, o ambientalista e dono da RPPN Fazenda União, Ruy Brandão, os secretários municipais de meio ambiente, Ezequiel Moraes e de educação Fernando ugusto, também vice-prefeito da cidade onde se comemorou com grandes festividades o Dia Mundial da Água Fotos: Edimilson Soares s beachrocks de Jaconé em Maricá Será criado Geoparque no Rio de Janeiro Geólogos, técnicos e representantes de várias instituições, professores e gestores de 12 municípios reuniram-se na Fazenda Campos Novos, sede da Secretaria de gricultura de Cabo Frio, para participar da criação do Geoparque Costões e Lagunas do Rio de Janeiro. Coordenado pela geóloga Kátia Mansur, do DRM-RJ, o projeto do geoparque vem ganhando apoio de várias personalidades nacionais e internacionais, como o professsor Ildeu Moreira, do Ministério de Ciência e Tecnologia, e do tataraneto do naturalista Charles Darwin, Randal Keynes, que se dispôs a assinar uma carta de apoio ao Geoparque e ao tombamento da Fazenda Campos Novos, onde Darwin pernoitou em 1832, durante sua histórica viagem ao Rio de Janeiro. Kátia Mansur informou que a Petrobras se comprometeu com a realização de um filme sobre o Geoparque, no projeto que a estatal desenvolve com a universidade suíça ETH Zurich. Esta foi a segunda reunião visando a criação do Geoparque. Na ocasião, a professora Renata Schmitt, da UFRJ, fez uma palestra sobre a relevância internacional das rochas da região que vai de Maricá a Campos. professora Maria da Glória lves, da UENF, apresentou o patrimônio geológico e histórico de Campos dos Goytacazes; a arquiteta na Maria, de rraial do Cabo, falou do seu município e foram apresentadas ainda ações na Lagoa Salgada, em São João da Barra. biólogo Mário Flávio Moreira, secretário executivo do Consórcio Intermunicipal Lagos São João, participou da reunião. s próximas reuniões estão sendo agendadas nos municípios que irão compor o futuro Geoparque. Mapa das Mudanças Climáticas s impactos das mudanças climáticas nos municípios fluminenses já podem ser medidos, através do Mapa de Vulnerabilidade da População do Estado do Rio de Janeiro aos Impactos das Mudanças Climáticas nas Áreas Social, Saúde e mbiental, que sintetiza aspectos ambientais, sociais e de saúde humana sensíveis à variabilidade climática, associados a cenários futuros de mudança global do clima. Na pesquisa, encomendada pela Secretaria Estadual do mbiente e elaborada pela Fiocruz, foram considerados os dados climáticos de e os projetados para o período mapa será de grande valia para o processo de construção da nálise de Vulnerabilidade da Bacia Lagos São João, que está sendo realizada pelo Consórcio/Comitê em parceria com o WWF-Brasil, Superintendência de Clima e Mercado de Carbono - SE e Diretoria de Gestão das Águas e do Território - DIGT/INE. s municípios também deverão incorporar o mapa aos planos diretores de suas cidades, para que possam se adaptar aos impactos da mudança do clima. mapa pode ser acessado no site da SE: Microbacia Como funciona o Fundo de Boas Práticas Socioambientais em Microbacias Bacia do Rio São João é responsável pelo abastecimento de água de 75% da população residente na Região dos Lagos, em especial nos municípios da zona costeira. Para proteger esse manancial, o Comitê de Bacia Hidrográfica Lagos São João criou um incentivo aos que conservam direta ou indiretamente os recursos naturais, especificamente os recursos hídricos: o Fundo de Boas Prática Socioambientais em Microbacias (FUNBS). Visando melhorar as condições ambientais do território, da comunidade e das propriedades rurais, o FUNBS surgiu no âmbito do Programa de Gestão mbiental Participativa em Microbacias, contido no Plano de Bacia do Comitê Lagos São João e é constituído por recursos da cobrança pelo uso da água, tendo como objetivo despertar o comprometimento dos produtores rurais, gestores e demais atores sociais com as políticas de conservação ambiental e sustentabilidade. Câmara Técnica Permanente de Microbacias, a CTPEM, é responsável pela gestão do FUNBS e pelas decisões sobre a aplicação dos recursos nas microbacias. ntes do FUNBS, estava em andamento o projeto de educação ambiental Comunidades em ção nas Microbacias, produzindo diagnósticos participativos e planos de ação ambientais construídos coletivamente, apontando a necessidade de conservação e recuperação do meio ambiente. Criado em 2007 e regulamentado em 2009, o FUN- s ações não poderiam ser feitas sem as parcerias BS definiu como primeira microbacia a ser contemplada a do Córrego Cambucaes, no município de Silva Jardim, localizada à montante do Reservatório de Juturnaíba. linhado com o Programa Estadual de Microbacias/ Rio Rural, o FUNBS utiliza alguns de seus critérios de seleção de microbacias, tais como, água para abastecimento humano, organização comunitária e concentração de agricultores familiares, além de caracterizar as propriedades rurais de acordo com os sistemas de produção, manejo do solo e da água, saneamento ambiental e outros indicadores. Incentivo pelos serviços ambientais Em Cambucaes, o Plano Executivo da Microbacia, construído coletivamente pela comunidade, com mediação dos técnicos, aprovou 1 projeto comunitário e 6 individuais. ssim, os recursos do FUNBS foram aplicados na instalação de fossas sépticas biodigestoras e caixas de gordura, a partir do modelo proposto pela Embrapa, além da adequação de sistemas de captação de água. s projetos individuais adotaram práticas de manejo da paisagem e boas práticas agrícolas, como o enriquecimento de sistemas agroflorestais e substituição de áreas degradadas e de pastagens, com o plantio de espécies frutí- À esquerda, a engenheira agrônoma Natalia Ribeiro e a sanitarista Denise Pena, coordenadoras de programa do CILSJ, em conversa com os moradores de Cambucaes, em Silva Jardim feras (jabuticaba, citros, banana, café e açaí), nativas (jussara, pupunha, aroeira, ingá e quaresmeira) e anuais (milho, feijão e mandioca), entre outras medidas como o manejo do gado leiteiro e controle da erosão. Todo o trabalho não poderia ser feito sem parcerias estabelecidas com a Concessionária Águas de Juturnaíba, na implantação de um sistema provisório de tratamento de esgoto, com o WWF-Brasil e a Coordenadoria de ssistência Técnica Integral (CTI-SP), na realização de Curso de dequação de Estradas Vicinais, com apoio da ssociação Mico Leão Dourado, Prefeitura de Silva Jardim e empresas locais, entre outras. Comitê de Bacia Lagos São João estabeleceu também parceria com a FUNS, que acompanha as atividades de rquivo CILSJ campo e apoia a adequação dos sistemas sanitários e a elaboração de projetos. lém disso, o Programa Rio Rural iniciou suas atividades na Baixada Litorânea contemplando 7 municípios da bacia, sendo um parceiro estratégico para o Comitê. E, para divulgar as boas práticas, foi criado o programa de rádio Nossas Águas, Nosso Chão, da Câmara Técnica de Educação mbiental do Comitê de Bacia Lagos São João, no ar desde 2008, na Rádio Litoral M. Em outubro de 2009, o FUN- BS ganhou o primeiro lugar no Prêmio de Boas Práticas na Região do Conleste, da Petrobras e NU-Habitat, que monitoram os impactos do Comperj. Com uma metodologia que pode ser aplicada em outras áreas e regiões, o FUNBS contemplou no ano passado a Microbacia do Rio Roncador em Saquarema, na Serra do Matogrosso, em parceria com a Emater-RJ e Prefeitura Municipal. metodologia também foi adotada pela ssociação Mico Leão Dourado, no Projeto Juturnaíba Viva, patrocinado pelo Programa Petrobras mbiental, nas microbacias do Cambucaes e Imbaú. Para o Comitê essa ação é o começo de um processo necessário de retorno dos recursos arrecadados com a cobrança da água, para investimentos na própria bacia, fortalecendo pequenos produtores, aliados estratégicos na conservação do ambiente e das águas. s pequenos e médios agricultores precisam ser incentivados financeira e tecnicamente para que possam manejar suas terras de forma ecologicamente correta, sem perder a capacidade de produção e geração de renda. 6 Voz das Águas Março / bril 2011 Março / bril 2011 Voz das Águas 7

5 Notas WWF visita a Bacia Lagos São João Um grupo de técnicos da WWF visitou, em Cabo Frio, a Elevatória Excelsior, na Praia das Palmeiras, e as obras da dragagem do Canal do Itajuru. encontro trouxe Glauco Kimura, ngelo Lima, Samuel Barreto, Carlos Scaramuzza e Damian Fleming, este diretamente de Londres, para verificar técnicas de tratamento de esgoto praticados pelas empresas Prolagos e Águas de Juturnaíba. Foram recebidos pelos engenheiros da Prolagos, José Luiz e Paula Medina, além do coordenador da Câmara Técnica de Monitoramento e presidente da ng Viva Lagoa, rnaldo Villa Nova, do secretário executivo do Consórcio Intermunicipal Lagos São João (CILSJ), Mário Flávio Moreira, e outros. Em raruama, o grupo visitou a Estação de Tratamento Wetland, que inovou o tratamento de esgoto com uma técnica que o lado, a jornalista filipina Mica, radicada no Reino Unido, que visitou a Bacia Lagos São João, em março. Embaixo, o grupo do WWF que esteve na Região dos Lagos em fevereiro utiliza plantas que promovem a limpeza da água sem a utilização de produtos químicos. Lá foram recebidos pelo superintendente da Águas de Juturnaíba, Carlos Gontijo e pelos engenheiros Marcelo Luvisotto e Felipe Victorino, responsável pela Wetland, além das coordenadoras de programas do CILSJ Natalia Ribeiro e Denise Pena. Em abril, veio a coordenadora de comunicação da WWF, a jornalista filipina Mica Ruiz, que foi recebida pelos membros do Consórcio (CILSJ), que a levaram a conhecer de perto o programa FUNBS, de compensação ambiental, na microbacia de Cambucaes, em Silva Jardim e a Wetland, em raruama. companhada pelo jornalista da WWF-Brasil Gadelha Neto, Mica ficou surpreendida com tanto trabalho realizado numa bacia tão pequena como a Bacia Hidrográfica Lagos São João. Edimilson Soares Câmara Técnica Pesca Estudos biológicos na Lagoa de raruama e Lagoa de Saquarema estão sendo feitos, para definição do período de defeso específico e sugestões para o ordenamento pesqueiro. Realizados pela empresa Eco Design, em parceria com as Colônias de Pescadores de São Pedro da ldeia, Saquarema e rraial do Cabo e com as ssociações de Pescadores da Praia da Baleia, Pitória, Iguaba Grande, Praia do Siqueira e raruama, os estudos financiados com recursos da cobrança do uso de água, destinados pelo Comitê de Bacia Lagos São João, são feitos a partir de coletas bimestrais, em cada lagoa. Em janeiro realizou-se a primeira coleta de ictiofauna (peixes e crustáceos) na Lagoa de raruama, seguida de um levantamento de dados abióticos (temperatura, salinidade s peixes deveriam alcançar a fase adulta antes de serem pescados nas Lagoas de Saquarema e raruama Plenária das NGs reunião da Plenária de Entidades Não Governamentais da Região dos Lagos (Plenária das NGs), realizada em março, na sede do Consórcio Intermunicipal Lagos São João, demonstrou grande preocupação com os resíduos sólidos, com os lixões a céu aberto, com o descarte do lixo em córregos e em Áreas de Preservação mbiental e com a necessidade se implantar nos municípios a coleta seletiva. Foi debatida também a UP de São Pedro da ldeia e a construção de um shopping nas margens da Lagoa de raruama, na Praia das Palmeiras, em Cabo Frio, que vem sendo combatido pela ssociação dos Moradores e migos de Cabo Frio (MCF). Presidida pelo médico veterinário e ambientalista rnaldo Villa Nova, a Plenária das NGs discutiu ainda as obras que estão sendo feitas pelas concessionárias Águas de Juturnaíba e Prolagos, depois da revisão quinquenal dos contratos, a dragagem da Lagoa de raruama que está em fase de licenciamento e a implantação de monitoramento em toda a Bacia Hidrográfica Lagos São João, com recursos do Comitê. Foi revelada a preocupação com a queda da salinidade da Lagoa de raruama, devido ao vazamento da Lagoa de Jacarepiá, em Saquarema, para a Lagoa de raruama, entre outros fatores, assim como o projeto de renaturalização do Rio São João. Foram informadas e oxigênio). Durante a coleta observou-se a predominância de exemplares juvenis e grande abundância de peixes e camarão. Para estimar a produção, a empresa está realizando uma estatística pesqueira em pontos estratégicos, em cinco municípios, entre eles Iguaba Grande, onde o estudo está sendo elaborado com parceira da Prefeitura, através de coletores específicos. Em Saquarema, pela primeira vez foi feito o monitoramento biológico. Segundo Francisco Guimarães Neto, diretor da empresa Eco Design, a coleta na Lagoa de Saquarema teve início em fevereiro, quando foi identificada grande quantidade de exemplares jovens de peixes e camarão, ficando o pescado com tamanho comercial em menor abundância. Lagoa de Saquarema é um berçário natural e seria de grande importância uma paralisação da pesca, a nível emergencial, para que o camarão e os peixes pudessem crescer e atingir o tamanho da primeira maturação sexual, alcançando assim o tamanho comercial. Caso contrário, com o pescado sendo capturado antes do tempo, poderá ocorrer um desequilíbrio na fauna, alerta Francisco. À esquerda, rnaldo Villa Nova conduzindo a reunião das NGs na sede do Consórcio Intermunicipal Lagos São João rquivo CILSJ irregularidades do Resort Breezes e a possibilidade de angariar recursos de multa da Petrobras para serem aplicados na pa da Massambaba. No final, foi feita uma apresentação da cartilha Gênero e Água, criada pelo cartunista Ziraldo e editada pela GW (Gender and Water lliance) em parceria com o Ministério do Meio mbiente, uma poderosa ferramenta de educação ambiental. 8 Voz das Águas Março / bril 2011

Programa de Educação Ambiental

Programa de Educação Ambiental Programa de Educação Ambiental Programa Saber Faz Bem Sensibilizar professores e alunos de escolas municipais, estaduais e particulares, e moradores bairros periféricos sobre a necessidade da preservação

Leia mais

PROJETOS CBH-LAGOS SÃO JOÃO Ações de saneamento básico

PROJETOS CBH-LAGOS SÃO JOÃO Ações de saneamento básico Resolução CBHLSJ Valor Aprovado (va) Valor repassado (vr) Valor Executado (ve) Projeto/Atividades/Ações Situação 24/2009 279.425,60 279.425,60 279.425,60 Elaboração dos Planos Municipais de saneamento

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

ÁGUA E TURISMO Estado do Rio de Janeiro

ÁGUA E TURISMO Estado do Rio de Janeiro ÁGUA E TURISMO ÁGUA E TURISMO Estado do Rio de Janeiro O turismo vinculado aos recursos hídricos tem crescido de modo exponencial no Estado do Rio de Janeiro Divisões regionais Arraial do Cabo Apesar do

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Movimento Movimento Nacional de Proteção à de Proteção à Vida Vida MMA / PNEA MMA / IBAMA /Est. RJ / Prefeituras RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Agosto/2000 a Agosto/2001 APRESENTAÇÃO O Projeto de Educação

Leia mais

Última reunião do CBH Lagos São João aprova mudanças no Regimento Interno e cria o novo Subcomitê do Una Página 3

Última reunião do CBH Lagos São João aprova mudanças no Regimento Interno e cria o novo Subcomitê do Una Página 3 Impresso Especial LGS SÃ JÃ 9912274607 CRREIS Jornal do Comitê da Bacia Hidrográfica Lagos São João (CBHLSJ) www.vozdasguas.com www.lagossaojoao.org.br DEVLUÇÃ GRNTID CRREIS no 2 n o 12 Novembro/Dezembro

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

FORTALECIMENTO DOS MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO CORREDOR DA SERRA DO MAR

FORTALECIMENTO DOS MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO CORREDOR DA SERRA DO MAR FORTALECIMENTO DOS MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO CORREDOR DA SERRA DO MAR PROJETO DE APOIO AO RECONHECIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DO MOSAICO MICO-LEÃO-DOURADO 6º RELATÓRIO TÉCNICO Projeto CPFY 10/001

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DO CAR E CNARH

RELATÓRIO MENSAL DO CAR E CNARH RELATÓRIO MENSAL DO CAR E CNARH OBJETO DO PROJETO: CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR) E CADASTRO NACIONAL DE USUÁRIOS DE RECURSOS HÍDRICOS (CNARH) DA REGIÃO HIDROGRÁFICA LAGOS SÃO JOÃO. RESPONSÁVEL TÉCNICA:BRUNA

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Pernambuco Na indústria, mais demanda por trabalho Texto publicado em 28 de Dezembro

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

sobre cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade

sobre cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade a sobre s a d de dúvi eps e ar suas p e o r i d T o cip ntaçã par ti impla cê pode vo nte como ositivame p cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade

Leia mais

2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013.

2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013. 2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013. Missão: Garantir que a SUSTENTABILIDADE seja construída com Democracia Participativa, Valorização da Diversidade Cultural e Preservação da Biodiversidade.

Leia mais

Relatório Síntese a ser enviado à IV Conferência Regional de Meio Ambiente do Rio de Janeiro CEMARJ

Relatório Síntese a ser enviado à IV Conferência Regional de Meio Ambiente do Rio de Janeiro CEMARJ Relatório Síntese a ser enviado à IV Conferência Regional de Meio Ambiente do Rio de Janeiro CEMARJ Pré Conferência (Assinale com X que tipo de pré-conferência foi realizada): ( ) MUNICIPAL ( X ) REGIONAL

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

TÍTULO: PRINCÍPIOS E GESTÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL GUARULHOS: SANEAMENTO AMBIENTAL E QUALIDADE DE VIDA

TÍTULO: PRINCÍPIOS E GESTÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL GUARULHOS: SANEAMENTO AMBIENTAL E QUALIDADE DE VIDA TÍTULO: PRINCÍPIOS E GESTÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL GUARULHOS: SANEAMENTO AMBIENTAL E QUALIDADE DE VIDA Autora: Erotides Lacerda Choueri Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Vânia Maria Nunes

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina Apoio financeiro e técnico no setor água O CAF apoia os esforços que os países da região realizam para garantir que toda a população

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

Meio Ambiente Como iniciar a gestão ambiental no Município?

Meio Ambiente Como iniciar a gestão ambiental no Município? Meio Ambiente Meio Ambiente Como iniciar a gestão ambiental no Município? Tendo vontade política Buscando apoio da CNM, das Federações, e Associações Regionais Criando as Leis Capacitando os técnicos Sistema

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO PARA FORMAÇÃO DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO R E L A T Ó R I O E N C O N T R O R E G I O N A L

PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO PARA FORMAÇÃO DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO R E L A T Ó R I O E N C O N T R O R E G I O N A L PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO PARA FORMAÇÃO DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO R E L A T Ó R I O E N C O N T R O R E G I O N A L Apresentação Objetivo: Informações sobre a legislação dos Recursos Hídricos, sobre

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Atuando com responsabilidade para colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Compromisso com um futuro melhor. Com o nosso trabalho, somos parte da solução para uma agricultura mais sustentável.

Leia mais

DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE

DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE Letícia Mônica Garcia 1 ; Lindce Ariani Herrera 1 ; Danilo Spessato de Souza

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Vista Aérea do Rio de Janeiro

Vista Aérea do Rio de Janeiro ECOTURISMO E ESTRATÉGIAS COLABORATIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE DOS PARQUES NATURAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Marcos Cohen, D.Sc. Departamento de Administração - IAG Rio de Janeiro 30 de Outubro de 2012

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES

AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES ESTÁGIO DESEJÁVEL AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 3 O Conselho está inativo Pouca participação e articulação

Leia mais

Implantação do Observatório Ambiental da Macrorregião Ambiental N ọ 5 do Estado do Rio de Janeiro (Observatório Ambiental da MRA-5)

Implantação do Observatório Ambiental da Macrorregião Ambiental N ọ 5 do Estado do Rio de Janeiro (Observatório Ambiental da MRA-5) Implantação do Observatório Ambiental da Macrorregião Ambiental N ọ 5 do Estado do Rio de Janeiro (Observatório Ambiental da MRA-5) Pedro Henrique Oliveira Rocha Palavras-chave: Observatório Ambiental.

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente SÍNTESE JUINA Aperfeiçoar mecanismos controle ambiental Meio Ambiente Instalação de viveiros de distribuição de mudas para o reflorestamento e matas ciliares Ampliar aceso aos programas de crédito de Capacitar

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja entre os melhores Municípios do Rio Grande do Sul,

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições Autora: Vânia Maria Nunes dos Santos Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Erotides Lacerda Choueri

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho Nacional de Turismo Fóruns Estaduais Câmaras Temáticas Secretaria

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

Educação em Saúde Ambiental

Educação em Saúde Ambiental Educação em Saúde Ambiental ONIVALDO FERREIRA COUTINHO Departamento de Saúde Ambiental - Desam Coordenação de Educação em Saúde Ambiental - Coesa Constatações deste IV Seminário Engenharia de Saúde Pública:...aumento

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 3º Encontro Planejando intervenções Polo 6 P.E. Serra do Mar Núcleo Caraguatatuba Algo que pode provocar ou, também, inspirar...

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 07 de outubro de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 07 de outubro de 2015. Clipping de notícias Recife, 07 de outubro de 2015. Recife, 7 de outubro de 2015. CISTERNAS DE PLACAS FAMILIAR ProRural injeta 26 milhões na economia do Estado Recife,7 de outubro de 2015. 07/10/2015

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS 1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS O Programa de Preservação e Recuperação de Ecossistemas visa o aumento da biodiversidade e a recuperação da paisagem. É composto por um conjunto

Leia mais

Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos. Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA)

Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos. Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA) Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA) Ações: Agenda Água na Escola (SEA); Cartilha de atividades de sensibilização, pesquisa

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

PSA 2009. I Seminário Paulista sobre pagamento por serviços ambientais. JORGE KHOURY Deputado Federal. 3 de novembro de 2009 Auditório Augusto Ruschi

PSA 2009. I Seminário Paulista sobre pagamento por serviços ambientais. JORGE KHOURY Deputado Federal. 3 de novembro de 2009 Auditório Augusto Ruschi PSA 2009 I Seminário Paulista sobre pagamento por serviços ambientais JORGE KHOURY Deputado Federal 3 de novembro de 2009 Auditório Augusto Ruschi 1 PSA 2009 PROJETO DE LEI NACIONAL SOBRE SERVIÇOS AMBIENTAIS

Leia mais

O programa brasileiro de unidades de conservação

O programa brasileiro de unidades de conservação O programa brasileiro de unidades de conservação MARINA SILVA Ministério do Meio Ambiente, Esplanada dos Ministérios, Brasília, Distrito Federal, Brasil. e-mail: marina.silva@mma.gov.br INTRODUÇÃO A Convenção

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO DEZEMBRO/2014 Rodrigo Hermeto Corrêa Dolabella Consultor Legislativo da Área

Leia mais

LOCAL: UNOESC - VIDEIRA DATA: 26.02.2014

LOCAL: UNOESC - VIDEIRA DATA: 26.02.2014 LOCAL: UNOESC - VIDEIRA DATA: 26.02.2014 Pauta: - SBT na região da BH e Projeto Meio Ambiente; - Fechamento do Projeto FEHIDRO 2013; - Aprovação e criação de câmaras técnicas. LOCAL: SDR - CAÇADOR DATA:

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

1. Introdução... 03. 2. Objetivo do Plano de Ação... 06. 3. Objetivo do Mosaico... 06. 4. Missão do Mosaico... 06. 5. Visão do Mosaico...

1. Introdução... 03. 2. Objetivo do Plano de Ação... 06. 3. Objetivo do Mosaico... 06. 4. Missão do Mosaico... 06. 5. Visão do Mosaico... 1 ÍNDICE 1. Introdução... 03 2. Objetivo do Plano de Ação... 06 3. Objetivo do Mosaico... 06 4. Missão do Mosaico... 06 5. Visão do Mosaico... 06 6. Linhas de Ação... 06 6.1. Secretaria Executiva e Conselho

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

O jornalismo ambiental e suas estratégias de divulgação: estudo de caso do projeto Reflorestando as Nascentes

O jornalismo ambiental e suas estratégias de divulgação: estudo de caso do projeto Reflorestando as Nascentes O jornalismo ambiental e suas estratégias de divulgação: estudo de caso do projeto Reflorestando as Nascentes Denise Fernandes Britto Prefeitura Municipal de Jaboticabal Objetivo Identificar as principais

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Conhecer para cuidar foi o lema da 1ª Expedição ao Rio São João

Conhecer para cuidar foi o lema da 1ª Expedição ao Rio São João Informativo do Comitê João (CBHLSJ) www.vozdasaguas.com www.lagossaojoao.org.br Araruama - RJ Ano 1 n o 1 Janeiro / Fevereiro 2011 Distribuição gratuita Conhecer para cuidar foi o lema da 1ª Expedição

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 15 de setembro de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 15 de setembro de 2015. Clipping de notícias Recife, 15 de setembro de 2015. Recife, 15 de setembro de 2015. Recife,15 de setembro de 2015. Recife,15 de setembro de 2015. Recife, 15 de setembro de 2015. 14/09/2015 ProRURAL DEBATE

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais