Comissão Nacional Justiça e Paz. Também hoje a voz do Senhor chama cada um a cuidar do outro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comissão Nacional Justiça e Paz. Também hoje a voz do Senhor chama cada um a cuidar do outro"

Transcrição

1 Comissão Nacional Justiça e Paz Também hoje a voz do Senhor chama cada um a cuidar do outro Reflexão para a Quaresma / Páscoa de 2012

2

3 Também hoje a voz do Senhor chama cada um a cuidar do outro 1. A justificada importância que a Igreja atribui ao tempo da Quaresma pode acabar por fazer com que deixemos para segundo plano o facto de que o objetivo desse tempo privilegiado é o da celebração da Páscoa do Senhor a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo. Para além dos documentos relativamente recentes que a Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP) tem publicado, tudo quanto poderá acrescentar nesta Semana Maior é precisamente uma reflexão mais especificamente focada no mistério pascal. Pretende fazê-lo sobretudo inspirada pela mensagem de Bento XVI para a Quaresma deste ano de O tema da mensagem pontifícia, se bem que de interesse universal, isto é, que se destina a toda Igreja, faculta elementos igualmente relevantes para os países que, como o nosso, atravessam tempos particularmente difíceis que afetam largos sectores da sociedade. 2. «A atenção aos outros, como estímulo ao amor e boas obras» é a ideia central que Bento XVI foi colher da Carta aos Hebreus (10, 24) 1. Se há critério que tem recolhido a convergência dos mais diversos quadrantes da vida política nacional é o que tem sido designado por «é preciso mudar de vida». É certo que cada um terá dessa frase o seu próprio entendimento, porventura contraditório com os dos outros. A CNJP participa desse movimento convergente e gostaria de explicitar o sentido em que entende essa mudança. 3. Antes do mais, a mudança de vida que os tempos reclamam não é apenas individual. Sendo, sem dúvida, também individual, a mudança tem de abranger grupos e instituições, comportamentos e critérios de ação tudo no sentido de remover as causas que conduziram à crise, evitar novas crises semelhantes, e renovar a solidariedade e a justiça social no seio da sociedade portuguesa. 4. Amplos sectores da população portuguesa debatem-se com problemas elementares de subsistência, suscitados pela crise e pelas drásticas políticas de austeridade introduzidas pelo Governo. É sabido que essas me- 1 Mensagem para a Quaresma de

4 didas não atingem todos da mesma maneira e que alguns indivíduos e grupos mantêm a vida folgada que tinham antes da crise, quando muito com modificações mínimas e insignificantes. Quer isto dizer que, se bem que a redistribuição do rendimento e da riqueza não seja, por si só, a «solução» para o problema, é, sem dúvida uma medida necessária. Sabemos como os governos se veem limitados para reforçar práticas redistributivas. Razões objetivas, subjetivas e ideológicas cerceiam fortemente políticas que reduzam a riqueza e os rendimentos mais avultados. Os debates havidos neste domínio, quer no país quer no âmbito das instituições europeias, têm sido suficientemente expressivos para que se não devam esperar, pelo menos no imediato, como é necessário, medidas de forte impacte redistributivo. 5. Neste contexto, ninguém está isento de trabalhar por medidas mais justas e eficazes, designadamente no sentido de uma decidida promoção do crescimento económico, dependente não só do Estado mas também da iniciativa privada, e de suscitar por parte dos órgãos próprios da União Europeia medidas compatíveis com as respetivas responsabilidades. Entretanto, há que apelar às consciências, para que, por via de comportamentos voluntários, individuais e de grupo, da sociedade civil, se faça aquilo que o Governo e a Assembleia da República se não dispõem a fazer. E que às demais tentações se não acrescente a que segreda que só valem donativos vultuosos que resultam da mobilização da sociedade integral. Entende a CNJP que em matéria de distribuição de recursos no nosso país, os critérios éticos exigem dos possidentes muito mais do que aquilo que legalmente lhes tem sido exigido. Ao dizê-lo, temos subjacente a noção de que o verdadeiro conceito de caridade pressupõe o cumprimento da justiça. Não é demais citar, uma vez mais, as palavras claras de Bento XVI: Não posso «dar» ao outro do que é meu, sem antes lhe ter dado aquilo que lhe compete por justiça. ( ) Por um lado, a caridade exige a justiça: o reconhecimento e o respeito dos legítimos direitos dos indivíduos e dos povos. ( ) Por outro, a caridade supera a justiça e completa-a com a lógica do dom e do perdão Sendo fundamental, em face do carácter urgente das carências, a redistribuição não se reduz à dimensão assistencial, sobretudo quando orientada pela justiça. Nas palavras de Paulo VI, aquele que está animado de verdadeira caridade é engenhoso em descobrir as causas da miséria, en- 2 Caritas in Veritate, 6. 2

5 contrar os meios de a combater e vencê-la resolutamente 3. Vemos, assim, que acorrer aos pobres apenas na perspetiva de cobrir as necessidades humanas básicas por via de apoios extraordinários, se bem que necessário, não satisfaz todas as exigências da caridade. Esta, quando verdadeira, procura descobrir as causas da miséria, encontrar os meios de a combater e vencer resolutamente. É frequente entre nós colocar-se a ajuda assistencial e o apoio conducente à autonomia do pobre como medidas alternativas. Recorrendo a uma imagem chinesa, discute-se entre dar o peixe ou a cana, em termos alternativos. A questão só deve pôr-se quando se tiver demonstrado que os recursos não permitem tomar ambas aquelas medidas cumulativamente: não se trata de dar o peixe ou a cana, mas o peixe e a cana. 7. A atenção aos outros, como estímulo ao amor e boas obras, não se circunscreve ao problema da pobreza. Outras formas de carência ou necessidade concorrem com a pobreza, quando não se sobrepõem a esta. As mortes de pessoas idosas, só conhecidas semanas, meses e anos mais tarde, são um exemplo eloquente do défice de «atenção» que marca a nossa sociedade como um todo. Défice que, como aqueles exemplos ilustram, é anterior à crise mundial e continuará depois de vencida a crise, se o país não aproveitar e valorizar o potencial de mudança que a crise tem em si. Numa sociedade envelhecida, com elevada taxa de desemprego, com famílias fragmentadas e atraídas por um estatuto social fortemente definido por «coisas», acrescem à pobreza muitas outras formas de carência, material e imaterial, que, no limite, podem consistir em situações onde faltam razões de esperança. Neste entendimento, deve recordar-se que a Páscoa de Jesus de Nazaré é a razão da nossa esperança, que é, afinal, o melhor que temos para partilhar com os outros. 8. Continua a ser válido e importante o conceito mais tradicional da prática do amor entendida como uma relação de pessoa a pessoa. Sem prejuízo deste modelo, havemos hoje de perceber que o amor também nos impele a contribuirmos para o bem comum. A este propósito, diz Bento XVI: Ama-se tanto mais eficazmente o próximo, quanto mais se trabalha em prol de um bem comum que dê resposta também às suas necessidades reais. Todo o cristão é chamado a esta caridade, conforme a sua vocação e segundo as possibilidades que tem de incidência na pólis. Este é o caminho institucional 3 Populorum Progressio, 75. 3

6 podemos mesmo dizer político da caridade, não menos qualificado e incisivo do que o é a caridade que vai diretamente ao encontro do próximo, fora das mediações institucionais da pólis. 4. Numa sociedade em que o individualismo esbateu o sentido do bem comum e conduz a reconhecer que o único bem que conta é o de cada pessoa, individualmente considerada, importa revalorizar o papel do bem comum como expressão da dimensão relacional do ser humano, tão inerente à natureza humana como a dimensão individual. 9. Promover o bem comum é a primeira função do Estado. 5 A situação do país tem vindo a deteriorar-se de modo acentuado e visível. Um indicador do retrocesso generalizado está na taxa de desemprego, atualmente com o valor médio de 14.8%, e de 35.4% (mais de um em cada três) no caso dos jovens. As políticas de austeridade cruenta que o Governo tem vindo a adotar, já não por imposição da troika, mas por convicção 6, têm vindo a agravar as consequências da crise sobre o estado da economia nacional, que a população mais afectada tem vindo a aceitar de modo invulgarmente pacífico. Por isso, é particularmente chocante que governos regionais, instituições e empresas que não estão legalmente obrigadas a cumprir as medidas estabelecidas pelo governo do país (Açores e Madeira, Banco de Portugal) ou se encontram em situação pretensamente original (TAP, CGD, etc.) fujam ou sejam autorizados a fugir aos sacrifícios impostos à generalidade do povo português. Acresce que algumas das instituições «isentas» da solidariedade nacional são das melhor remuneradas do país. Importa, pois, dizer clara e enfaticamente: a equidade na distribuição dos sacrifícios é, antes do mais, uma exigência ética, que se não dilui em meros critérios de legalidade. Outros já quiseram isentar considerações de ordem técnica de inevitáveis exigências morais, para justificar decisões tomadas para vantagem própria incompreensível no atual contexto nacional. 10. Para quem discorde da orientação política inspirada no acordo com a troika, o caminho que levaria a soluções mais humanas e justas encontra bloqueios temporários que se não podem remover no imediato: uma 4 Caritas in Veritate, 7 5 [O] bem comum é a razão de ser da autoridade política, Compêndio da Doutrina Social da Igreja, n Senhores da troika estamos a fazer isto por nós não por vós, disse o primeiro ministro Passos Coelho. 4

7 Europa destituída de lideranças fortes, solidárias e cultas, dócil às imposições de um duo hegemónico destituído de legitimidade democrática de âmbito europeu (e porventura ao arrepio da vontade dos povos); polos de poder financeiro desregulado, que se sobrepõem ao poder político dos governos; domínio de uma cultura económica que vê no controle do «défice» e da «dívida» o elixir instantâneo de todas as curas. Tais bloqueios não são removíveis no curto prazo, pelo que a atenção aos outros, como estímulo ao amor e boas obras proposta por Bento XVI terá de procurar boas obras que, para já, ocorram a problemas humanos e sociais que requerem atenção imediata. Não dispomos de um catálogo de ações adequadas. Limitamo-nos, por isso, a propor à consideração de quantos nos leiam duas ideias que se afiguram relevantes. 11. A atenção aos outros e a ponderação dos problemas que se nos deparam devem servir de critério para revermos o nosso estilo de vida. É sabido que o modelo económico e financeiro que desembocou na crise que atravessamos se caracterizou, além do mais, pelo «consumismo». Uma das consequências desse tipo de cultura foi a de «viver para além das posses», com recurso a operações de crédito fácil, estimuladas pelas instituições financeiras. Porém, um outro aspeto, não menos grave, foi o da generalização de um modelo de felicidade centrado em bens de consumo (coisas), os quais vieram progressivamente ocupando o lugar de dimensões verdadeiramente humanas da felicidade. Do mesmo passo, as sociedades ocidentais (e não só) viveram as últimas décadas sob uma forte exaltação do «individualismo», ou seja, sob um grave défice da «atenção aos outros». 12. Todos estaremos mais ou menos afetados por esse individualismo consumista, que agora se confronta com duas propostas sérias, particularmente para o tempo da Quaresma. A primeira consiste no abandono do consumismo e na busca de um modelo de felicidade que tenha autenticidade humana. A segunda está na chamada de «atenção aos outros» feita pelo Papa Bento XVI, querendo significar uma atitude de observar bem, estar atento, olhar conscienciosamente, dar-se conta de uma realidade, incluindo não só o bem material, mas também o bem espiritual dos outros. Se bem que distintas, são ideias estreitamente relacionadas entre si. V Domingo da Quaresma de Comissão Nacional Justiça e Paz 5

8 Quinta do Cabeço, Porta D Moscavide Tel: Fax: Site:

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Cáritas Diocesana dos AÇORES Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Diagnóstico: ESTADO DAS PARÓQUIAS -Como funcionam? - Que Pastoral Profética? - Que Pastoral Litúrgica? - Que Pastoral Social? - Virtudes

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 471/X

Projecto de Resolução n.º 471/X Projecto de Resolução n.º 471/X Recomenda ao Governo a adopção de medidas de excepção de apoio aos alunos do ensino superior com dificuldades económicas, face ao momento de recessão económica que o País

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE Discurso de SE o Sr. Presidente da Assembleia Nacional por ocasião da sessão inaugural da III edição do Curso de Liderança e Inovação na Gestão do Desenvolvimento,

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

Sobre o combate à pobreza

Sobre o combate à pobreza PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução nº 482/XI-1ª Sobre o combate à pobreza O Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza assinala-se em Portugal num preocupante quadro

Leia mais

Plano de Formação da CVX-P

Plano de Formação da CVX-P da CVX-P Apresentado à VIII Assembleia Nacional CVX-P Fátima, Outubro 2004 Introdução... 2 Etapa 0: Acolhimento... 3 Etapa 1: Iniciação... 5 Etapa 2: Identificação... 6 Etapa 3: Missão... 7 1 Introdução

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 05/06 PLANIFICAÇÃO ANUAL º CICLO EDUCAÇÃO MORAL RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC)- 6ºANO. Documento(s) Orientador(es): Programa de EMRC de 8 junho de 04;

Leia mais

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Introdução: Educar na fé, para a paz, a justiça e a caridade Este ano a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança

Leia mais

Ao Professor Klaus Schwab Presidente Executivo do Fórum Econômico Mundial

Ao Professor Klaus Schwab Presidente Executivo do Fórum Econômico Mundial Ao Professor Klaus Schwab Presidente Executivo do Fórum Econômico Mundial Sinto-me muito grato pelo seu amável convite para fazer um pronunciamento na reunião anual do Fórum Econômico Mundial, que, como

Leia mais

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses A conferência de imprensa realizada por Paulo Portas e pela

Leia mais

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT 12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT Estando a chegar ao fim o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF) e, consequentemente, as avaliações regulares

Leia mais

Núcleo Fé & Cultura PUC-SP. A encíclica. Caritas in veritate. de Bento XVI

Núcleo Fé & Cultura PUC-SP. A encíclica. Caritas in veritate. de Bento XVI Núcleo Fé & Cultura PUC-SP A encíclica Caritas in veritate de Bento XVI Núcleo Fé & Cultura PUC-SP O amor verdadeiro como princípio para a justiça social e o desenvolvimento integral Quando olhamos a nossa

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

18.º FÓRUM EUROPEU DE WACHAU, NA ÁUSTRIA. Intervenção do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro

18.º FÓRUM EUROPEU DE WACHAU, NA ÁUSTRIA. Intervenção do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro 18.º FÓRUM EUROPEU DE WACHAU, NA ÁUSTRIA Wachau, na Áustria, 15 de junho de 2013 Intervenção do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro Começo, naturalmente, por saudar todos os presentes,

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

ÉTICA NAS FINANÇAS uma questão de Justiça e Paz

ÉTICA NAS FINANÇAS uma questão de Justiça e Paz Reflexão para a Quaresma de 2013 ÉTICA NAS FINANÇAS uma questão de Justiça e Paz Documento conjunto da Comissão Nacional Justiça e Paz e das Comissões Diocesanas Justiça e Paz do Algarve, Aveiro, Beja,

Leia mais

DIACONIA I. Aula nº 4

DIACONIA I. Aula nº 4 DIACONIA I Prof. Dr. Nelson Célio de Mesquita Rocha Aula nº 4 A dimensão prática da Diaconia A prática diaconal é tão antiga quanto a Igreja. 1 Na comunidade dos apóstolos, o compartilhar dos bens fez

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano Unidade Letiva: 1 - As Origens Período: 1º 1. Questionar a origem, o destino e o sentido do universo e do ser humano. As origens na perspetiva científica L. Estabelecer um diálogo entre a cultura e a fé.

Leia mais

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Discurso do Secretário de Estado do Emprego Octávio Oliveira Dia Nacional do Mutualismo 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Muito boa tarde a todos! Pretendia começar por cumprimentar o Senhor Presidente

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas MISSAO PERMANENTE DE PORTUGAL JUNTO DAS NaфEs UNIDAS EM NOVA IORQUE Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal Jorge Sampaio Reunião de Alto Nîvel da Assembleia Geral das Nações Unidas Nova Iorque

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

1.º Período. Tema Conteúdos N.º Aulas previstas

1.º Período. Tema Conteúdos N.º Aulas previstas P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L 2015-16 DEPARTAMENTO CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS GRUPO DISCIPLINAR DE EMR 5º Ano 1.º Período Unidade Letiva 1: Viver juntos - A mudança, uma constante na vida O que é que

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Comunicação à 1ª secção

Comunicação à 1ª secção Comunicação à 1ª secção Denomina-se Ordem dos Advogados a associação pública representativa dos licenciados em Direito que, em conformidade com os preceitos deste Estatuto e demais disposições legais aplicáveis,

Leia mais

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões:

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões: DISCURSO DE S. EXA A PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA CONFERÊNCIA DE PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS DA UNIÃO EUROPEIA NICÓSIA, CHIPRE Sessão III: Coesão social em tempos de austeridade o que podem

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

Projeto de Lei n.º 818/XII/4ª

Projeto de Lei n.º 818/XII/4ª Projeto de Lei n.º 818/XII/4ª Determina a obrigatoriedade de as instituições de crédito disponibilizarem uma conta de depósito à ordem padronizada, designada de conta base, e proíbe a cobrança de comissões,

Leia mais

Mudança - PS,BE,PND,MPT, PTP e PAN

Mudança - PS,BE,PND,MPT, PTP e PAN Autárquicas 2013 Funchal Situação Política, financeira, económica e social O Concelho do Funchal vive uma situação dramática, a pior desde a implementação da democracia, da autonomia e do poder local democrático.

Leia mais

CARIDADE E SOLIDARIEDADE PAPEL DOS CRISTÃOS NUMA SOCIEDADE MAIS SOLIDÁRIA

CARIDADE E SOLIDARIEDADE PAPEL DOS CRISTÃOS NUMA SOCIEDADE MAIS SOLIDÁRIA CARIDADE E SOLIDARIEDADE PAPEL DOS CRISTÃOS NUMA SOCIEDADE MAIS SOLIDÁRIA 1. Um olhar sobre a história da Igreja «então vai e faz o mesmo» (Lc 10,29-37) a IGREJA como ESTALAGEM Quando tal não é suficiente,

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

É precisamente nestas alturas que temos de equacionar todos os meios possíveis para tornar viáveis, nomeadamente, os museus.

É precisamente nestas alturas que temos de equacionar todos os meios possíveis para tornar viáveis, nomeadamente, os museus. Museus Novos produtos para novos públicos António Ponte Paço dos Duques de Bragança PORTO, 2011-11-07 Ao iniciar esta apresentação quero agradecer o convite que nos foi endereçado para apresentar a situação

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL 1 POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL Senhora Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores Membros

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

Encontro das Instituições Particulares de Solidariedade Social Católica da Diocese,

Encontro das Instituições Particulares de Solidariedade Social Católica da Diocese, Encontro das Instituições Particulares de Solidariedade Social Católica da Diocese, Data: 21 de Janeiro de 2012 Agradeço o convite do Senhor Bispo da Diocese de Bragança-Miranda para participar na oração

Leia mais

Roteiro da Intervenção de João Bau (BE) na Sessão da Assembleia Municipal de Lisboa de 13 de Dezembro de 2011 (reunião de 10 de Janeiro de 2012)

Roteiro da Intervenção de João Bau (BE) na Sessão da Assembleia Municipal de Lisboa de 13 de Dezembro de 2011 (reunião de 10 de Janeiro de 2012) Roteiro da Intervenção de João Bau (BE) na Sessão da Assembleia Municipal de Lisboa de 13 de Dezembro de 2011 (reunião de 10 de Janeiro de 2012) Período da Ordem de Trabalhos destinado à Apreciação da

Leia mais

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015 Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo II Cimeira de Presidentes de Parlamentos Lisboa, 11 de maio de 2015 Senhora Presidente da Assembleia da República, Senhores Presidentes, Senhores Embaixadores,

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência o Secretário Regional da Saúde na apresentação do Programa de Governo 2015-2019 20,21 e 22 de Maio de 2015

Intervenção de Sua Excelência o Secretário Regional da Saúde na apresentação do Programa de Governo 2015-2019 20,21 e 22 de Maio de 2015 1 Intervenção de Sua Excelência o Secretário Regional da Saúde na apresentação do Programa de Governo 2015-2019 20,21 e 22 de Maio de 2015 (só faz fé a versão proferida) Excelentíssimo Senhor Presidente

Leia mais

A pessoa humana. Advento e Natal ESCOLA BÁSICA DO 2 E 3 CICLOS DE RATES

A pessoa humana. Advento e Natal ESCOLA BÁSICA DO 2 E 3 CICLOS DE RATES 1 A pessoa humana 2 Advento e Natal O que é a pessoa? Estrutura individual (unidade irrepetível) Estrutura pessoal (ser em relação com os outros) Dimensão física, racional e volitiva (ser livre) A dimensão

Leia mais

PLANO DIOCESANO DE PASTORAL 2015 2018 IGREJA DE AVEIRO, VIVE A ALEGRIA DA MISERICÓRDIA

PLANO DIOCESANO DE PASTORAL 2015 2018 IGREJA DE AVEIRO, VIVE A ALEGRIA DA MISERICÓRDIA IGREJA DE AVEIRO, VIVE A ALEGRIA DA MISERICÓRDIA O nosso Plano alicerça-se no símbolo do lava-pés (Jo 13, 11-17) O LAVA-PÉS Nele se inspira a espiritualidade de serviço que dá sen do a toda a ação pastoral

Leia mais

+ Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ

+ Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ AMAI-VOS Domingo passado, ao celebrar o tema da misericórdia, tive a oportunidade de estar com milhares de pessoas tanto na Catedral Metropolitana como no anúncio e instalação do Santuário da Misericórdia,

Leia mais

Conferência o OE para 2016 CIDEEFF Faculdade de Direito de Lisboa 25 de fevereiro de 2016

Conferência o OE para 2016 CIDEEFF Faculdade de Direito de Lisboa 25 de fevereiro de 2016 Conferência o OE para 2016 CIDEEFF Faculdade de Direito de Lisboa 25 de fevereiro de 2016 Nazaré da Costa Cabral Professora Associada da Faculdade de Direito de Lisboa Boa tarde, antes de mais nada, os

Leia mais

POBREZA: DEFINIÇÕES E FACTORES EXPLICATIVOS

POBREZA: DEFINIÇÕES E FACTORES EXPLICATIVOS POBREZA: DEFINIÇÕES E FACTORES EXPLICATIVOS 2013-03-16 1 Alfredo Bruto da Costa Pontos de reflexão: 1.Desde o século XII, a sociedade portuguesa revela uma preocupação activa pelos pobres (em termos culturais,

Leia mais

Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação. Lisboa, 8 de Julho de 2009

Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação. Lisboa, 8 de Julho de 2009 Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação Lisboa, 8 de Julho de 2009 Índice 1. Enquadramento 2. Proposta O Projecto Missão e Princípios Fases do Projecto O Nosso Desafio A Nossa Resposta O Conceito

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Evolução do Número de Beneficiários do RSI

Evolução do Número de Beneficiários do RSI Evolução do Número de Beneficiários do RSI Carlos Farinha Rodrigues De acordo com os dados do Instituto da Segurança Social (ISS), em Julho houve 269.941 pessoas a receber o Rendimento Social de Inserção,

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

União das Freguesias de Carregado e Cadafais. Loja Social do Carregado. Regulamento Interno. Preâmbulo

União das Freguesias de Carregado e Cadafais. Loja Social do Carregado. Regulamento Interno. Preâmbulo Preâmbulo A, no enquadramento legal do artigo 241º, da Constituição da República Portuguesa, e da Lei 75/2013, de 18 de Setembro, é um espaço dinamizado por um corpo de voluntários, com o apoio e promoção

Leia mais

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão.

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão. 2011- O contributo do QREN para a competitividade e a coesão da região centro Intervenção do senhor Reitor, Prof. Doutor Manuel Assunção Centro Cultural da Gafanha da Nazaré Rua Prior Guerra 14 de Dezembro

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

Lei do Voluntariado AND

Lei do Voluntariado AND Lei do Voluntariado AND Capítulo I Disposições Gerais Artigo 2º Voluntariado 1 Voluntariado é o conjunto de ações de interesse social e comunitário realizadas de forma desinteressada por pessoas, no âmbito

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA NOTA JUSTIFICATIVA Atenta às desigualdades sociais, subjacentes à problemática da pobreza, cada vez mais é necessária a intervenção da autarquia, no âmbito da acção

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PARA A CÁRITAS EM PORTUGAL 2013-2015

PLANO ESTRATÉGICO PARA A CÁRITAS EM PORTUGAL 2013-2015 Proposta: PLANO ESTRATÉGICO PARA A CÁRITAS EM PORTUGAL 2013-2015 INTRODUÇÃO O amor ao próximo, radicado no amor de Deus, é um dever, antes de mais, para cada um dos fiéis, mas é-o também para a comunidade

Leia mais

Mensagem do 1º de Dezembro. Por S.A.R. o Duque de Bragança

Mensagem do 1º de Dezembro. Por S.A.R. o Duque de Bragança Mensagem do 1º de Dezembro 2010 Por S.A.R. o Duque de Bragança 1 Na perspectiva histórica de um País com perto de 900 anos, o penoso caminhar numa crise comparável à vivida nos tempos da I República cujo

Leia mais

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais)

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) MOÇÃO/DELIBERAÇÃO (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) Uma cooperativa é uma associação autónoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da promoção da leitura. Objectivos centrais Apoiar iniciativas;

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A.

Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A. Processo: R-36/04 Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A. Assunto: Ordenamento do território servidões administrativas propriedade

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

Poucos dias depois que o Papa Bento XVI, através de uma carta, exortou a cúpula de

Poucos dias depois que o Papa Bento XVI, através de uma carta, exortou a cúpula de A CARIDADE NA VERDADE Papa Bento XVI A verdade resplandece a caridade Dom Joaquim Mol - Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte e Reitor da PUC MINAS Poucos dias depois que o Papa Bento XVI, através

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE Vicente de Paulo dizia: "Que coisa boa, sem igual, praticar a Caridade. Praticá-la é o mesmo que praticar todas as virtudes juntas. É como trabalhar junto com Jesus e cooperar com ele na salvação e no

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

Por isso antes de propriamente entrares na meditação dos textos, proponho um pequeno percurso para te ajudar a fazer silêncio interior

Por isso antes de propriamente entrares na meditação dos textos, proponho um pequeno percurso para te ajudar a fazer silêncio interior Para rezar na Semana Santa Estamos em plena Semana Santa. Ao longo destes dias somos convidados a reflectir no mistério da Paixão-Morte e Ressurreição de Jesus. A tradição popular quis recordar os últimos

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

A Pedagogia do cuidado

A Pedagogia do cuidado Roteiro de Oração na Vida Diária nº 23 A Pedagogia do cuidado Tempo forte na Igreja, inicia-se hoje nossa caminhada de preparação para a Páscoa, no rico tempo da quaresma. Como nos ciclos da natureza,

Leia mais

A Sra. ALMERINDA DE CARVALHO (PMDB-RJ) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, mais uma vez, a Igreja,

A Sra. ALMERINDA DE CARVALHO (PMDB-RJ) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, mais uma vez, a Igreja, A Sra. ALMERINDA DE CARVALHO (PMDB-RJ) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, mais uma vez, a Igreja, por intermédio da CNBB, com a Campanha da Fraternidade de

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto.

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. <Os Inovadores> <Escola Profissional Atlântico> NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Dezembro de 2011 1 A

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência 7 de maio de 2014 Senhores Coordenadores do Curso de Formação para

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DISCIPLINA: UNIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PLANIFICAÇÃO ANUAL - ANO LETIVO: 2015-2016 1 A PESSOA HUMANA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA

Leia mais

Sal da TERRA e luz do MUNDO

Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da terra e luz do mundo - jovens - 1 Apresentação pessoal e CMV Centro Missionário Providência Canto: vós sois o sal da terra e luz do mundo... MOTIVAÇÃO: Há pouco tempo

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais