Voz do Professor A prevenção e Preservação da Saúde Vocal do Docente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Voz do Professor A prevenção e Preservação da Saúde Vocal do Docente"

Transcrição

1 Voz do Professor A prevenção e Preservação da Saúde Vocal do Docente Profa. Flávia Viegas Profa. Assistente do Curso de Fonoaudiologia da UFF (área: voz) Fonoaudióloga especialista em Voz e Motricidade Orofacial pelo CFFa Mestre em Fonoaudiologia (área: voz)

2 VOZ Componente importante na comunicação interpessoal; Transmite palavras, mensagens e sentimentos; Relaciona-se ao sucesso das interações humanas (âmbito privado ou profissional).

3 Voz Influencia, sugere... Prende a atenção, envolve, cativa... Modifica a compreensão dos fatos... Na interpretação da mensagem, 7% são palavras; 38% qualidade da voz e 55% expressão corporal Pierre Viel

4 Como a VOZ é produzida? A voz humana já existe desde o nascimento e se manifesta através do choro, riso e grito. A voz é produzida a partir de um som básico gerado pelas pregas vocais. As pregas vocais fazem parte de um órgão localizado no pescoço, conhecido como LARINGE. Laringe e Pregas Vocais

5 PREGAS VOCAIS RESPIRAÇÃO FONAÇÃO

6 VOZ Sopro expiratório combustível Vibração das pregas vocais motor Som dirigido as cavidades de ressonância amplificadores Articulação desse som modelagem

7 Voz Produção de: Sons graves/ agudos Sons fortes/ fracos Ressonância

8 Então... o que é... Rouquidão? Soprosidade (ar na voz)? Disfonia?

9 O professor e a voz... Prepara-se intelectualmente, mas como utilizar a voz na sala?

10 O Professor e a Voz Um dos principais recursos de trabalho do professor é a COMUNICAÇÃO ORAL, principalmente através da sua VOZ. Porém: falta de treinamento vocal prévio e um conjunto de condições desfavoráveis do ensino tornam: professor profissional de risco para desenvolver um problema vocal

11 O Professor e a Voz Responsabilidade em: Transmitir conhecimentos Formar culturalmente os alunos Cumprir currículos escolares muitas vezes leva professor Deixar seus problemas de voz em segundo plano

12 A maioria dos professores Não tem consciência da importância da voz; Desconhece fatores de risco para a voz e como preservar a voz; Não procuram ORL; Utilizam medicamentos e substâncias caseiras; Não tiram licença apesar do prejuízo vocal

13 A maioria dos professores Busca ajuda somente quando os problemas vocais dificultam bastante ou impedem o exercício da profissão. * Admissional

14 Problemas de Voz em Professores Estudo do Laboratório de Saúde do Trabalhador da UnB: professores categoria com maior índice de afastamentos por causa da voz, sendo 6,4% caracterizados: acidente de trabalho. USP: 108 educadores de 8 creches 80% já notaram alt. Vocal, mas somente 26% procuraram tratamento. RJ: A cada 110 educadores afastados por disfonia, 7 deixam a função por acidente de trabalho.

15 Tempo de Serviço X Alteração Vocal Sintomas surgem nos primeiros anos de docência (5 anos) Aumentam e tornam-se mais frequentes com o passar dos anos (12 anos) A maioria dos professores apresentam alguma queixa de voz - (60 a 80%)

16 Carga Horária X Alteração Vocal 1º., 2º. e 3º. graus: entre 16 e 40 h Pré escola: geralmente 20h Exigências vocais diferenciadas A demanda vocal, por si só, não é determinante de um distúrbio vocal

17 Professor deve ter em mente: Conscientes ou não através da comunicação oral: influenciamos e Refletindo sobre esse impacto somos influenciados Ao pensar em nossos mestres, o que podemos lembrar? De que forma eles se comunicavam? A voz era agradável? Qual o impacto que nos causavam? notamos Pode aproximar ou distanciar o aluno do conteúdo escolar Como a voz do professor é importante em sala de aula

18 Professor necessita de: Voz que suporte intensa demanda vocal; Uso prolongado por várias horas do dia e em vários dias na semana, diversas semanas no ano. Demanda vocal varia: níveis de atuação educacional; características ambientais da sala de aula; forma como o professor leciona (aulas expositivas, dinâmicas de grupo, etc); período do ano letivo Distribuição da CH

19 Características apresentadas por diversos professores Falam muito; Gritam; Mantém intensidade forte; Tensão na região cervical; Postura laríngea e corporal inadequada; Padrão respiratório pred. costal superior; Ressonância inadequada; Falta de projeção vocal; Fazem esforço vocal; Fadiga vocal Rouquidão em algum grau

20 Fatores de risco para a voz do professor

21 Fatores de risco Falta de preparo vocal adequado; Condições insatisfatórias de trabalho (acústica inadequada, grande número de alunos, poeira, giz, etc); Uso excessivo da voz; Grande carga horária; Estresse.

22 Fatores de risco Ruídos do ambiente: resultado voz mais forte Limpeza da sala de aula; Quadro de giz/apagador ; Disposição da sala de aula (próximo ao pátio, etc); Salas com divisórias incompletas; Tamanho da classe;

23 Fatores de risco Disposição das carteiras (falta de espaço para circulação); Poeira, mofo, poluição favorecem irritação das vias aéreas superiores; Ar condicionado resseca mucosa do trato respiratório ao permanecer por várias horas;

24 Principais fatores orgânicos de risco Manifestações ORL (rinite, laringite, faringite, amigdalite, respiração oral, pólipos nasais, problemas auditivos, patologias laríngeas, etc.); Presença de RGE;

25 Principais fatores orgânicos de risco Fumo: Ele é altamente nocivo, pois a fumaça quente agride todo o sistema respiratório e principalmente as pregas vocais. Fumantes: 40% mais chances Câncer de laringe e pulmão

26 Álcool Causa irritação no aparelho fonador -desencadeia redução de respostas de defesa do organismo; Produz uma leve anestesia na faringe resultado: mais abusos vocais; Fermentadas (cerveja, champanhe e vinho) e destiladas (uísque, vodca, cachaça e conhaque). Destiladas irritação e agressão mais intensa nos tecidos piores para saúde vocal Álcool + tabaco = triplica risco de câncer

27 Drogas: Tem ação direta na laringe e na voz, além dos diversos outros efeitos nocivos. Alergias: Pessoas com alergias manifestadas nas vias respiratórias são mais propícias a desenvolverem problemas vocais.

28 Fatores de risco ABUSOS VOCAIS

29 HÁBITOS VOCAIS INADEQUADOS Pigarrear ou Tossir excessivamente: acaba ferindo as ppvv que aumentam a produção de muco para se protegerem contra o impacto; Realizar competição sonora: Aumenta-se a intensidade da voz. Salas de aula: altos níveis de ruído. Competição Sonora

30 Falar ou Cantar excessivamente em período pré-menstrual Há aumento seguido de redução do nível de estrogênio = inchaço em várias regiões do corpo e ppvv também podem sofrer inchaço, gerando VOZ MAIS GRAVE; Pílulas anticoncepcionais: também podem gerar o mesmo sintoma.

31 Falar demasiadamente Gera sobrecarga vocal; Ppvv = músculos pode haver fadiga; Profissionais da voz : Usam muito a voz portanto devem falar com a menor sobrecarga possível

32 Vestuário: Roupas ou adereços apertados, principalmente nas regiões do pescoço, tórax e cintura. Esportes: Falar ao fazer ex. físicos ou carregar peso.

33 Queixas: SINAIS DE ALTERAÇÃO NA VOZ DO PROFESSOR: Voz mais grave do que no início da profissão Pigarros constantes Tosse seca persistente Secura na garganta Dor ou desconforto na área do pescoço Sensação de cansaço ao falar Enfraquecimento ou perda da voz no final do dia

34 Queixas: SINAIS DE ALTERAÇÃO NA VOZ DO PROFESSOR: Voz mais rouca na sexta-feira e de melhor qualidade após o descanso no fim de semana Quebras na voz durante explanações corriqueiras Voz rouca por vários dias Diminuição na flexibilidade vocal (dificuldade em cantar ou em modular a voz) Diminuição da intensidade da voz, gerando esforço para conseguir falar um pouco mais forte ou gritar Obs: Número de sintomas pode ser indicativo da gravidade do desgaste vocal.

35 Voz do Professor Professor necessita de boa plasticidade vocal Habilidade de realizar diferentes ajustes motores no trato vocal para exercício da profissão Se a voz não estiver adaptada à exigência vocal desconforto Plasticidade: pode ser adquirida ou maximizada por meio de trabalho vocal bem orientado Voz bem trabalhada: suporta demanda vocal sem apresentar problemas

36 Orientações de Cuidados com a Voz

37 Orientações para auxiliar a voz do professor Identifique os ruídos ambientais para minimizá-los, modificá-los ou aprender a conviver com eles; Feche portas e janelas que estejam voltadas para pátios ou corredores barulhentos; Reduza a rotação dos ventiladores em dias mais frescos ou aumente o volume do microfone;

38 Orientações para auxiliar a voz do professor Procure controlar os ruídos de conversa de alunos sem gritar (grito não impõe respeito, só demonstra que o prof. perdeu a paciência impacto vocal); Mudança na disposição do mobiliário; Procure ouvir a sua própria voz com atenção (é forte ou fraca, agradável ou não, inspira gentileza ou agressão, está adequada ao ambiente ou não, etc.);

39 Orientações para auxiliar a voz do professor Não falar com a cabeça inclinada gera tensão cervical / dificulta projeção da voz; Gestos devem acompanhar o discurso Mesclar aulas expositivas com atividades em grupo Uso adequado do microfone

40 Orientações para auxiliar a voz do professor Hidratação do organismo: 2 litros /temp. ambiente/goles Corpo hidratado = ppvv hidratadas e com melhor flexibilidade e vibração; Ppvv ressecadas = maior probabilidade de desenvolver alterações orgânicas secundárias, pelo atrito de uma prega contra outra; Respirador oral: precisa de mais hidratação; Nível de hidratação: Quanto mais clara urina, mais hidratado corpo.

41 Orientações específicas Prof.de Química: cuidado ao manipular substâncias químicas fumaça química- irritação do trato vocal. Prof. de Biologia/ Anatomia: contato com formol. Prof. de Botânica: polén de peças mal acondicionadas. Prof. de Ed. Física: quadras abertas competição sonora; Academia falar ao fazer ex. físicos.

42 Orientações específicas Prof. de Educação Infantil: ruído : ambiente (crianças falando / gritando) e externo (recreio, proximidade pátio) evitar abusos vocais tentando sobrepor ao ruído. fazer ajustes vocais ao contar histórias. cantar cantigas e músicas variando a melodia e não a intensidade.

43 Principais alterações vocais e patologias laríngeas encontradas

44 Principais alterações vocais e patologias laríngeas Fadiga vocal: por uso inadequado e excessivo Síndrome da tensão músculo-esquelética: tensões concentradas nos ombros e pescoço (uso da m. extrínseca da laringe) esforço vocal Nódulos vocais: associação mau uso e abuso vocais, rouquidão em grau variável, quebras de sonoridade, etc.

45 Principais alterações vocais e patologias laríngeas Pólipos: combinação de fatores - produção de voz com esforço, fumo, contato com substâncias irritantes. Rouquidão constante e acentuada, quebras de sonoridade, fadiga vocal. Edema de Reinke: Associação: fumo a longo prazo e uso excessivo da voz. Voz grave (virilizada), abafada, pigarros constantes.

46 Principais alterações vocais e patologias laríngeas AEM: Pequenos desvios congênitos manifestações uso mais intenso da voz. Desde assimetrias laríngeas até cistos e sulcos vocais. Rouquidão, soprosidade e fadiga vocal em graus variáveis.

47 Atuação Fonoaudiológica na Voz do Professor

48 Atuação Fonoaudiológica Exame ORL imprescindível; Avaliação no consultório e se possível no ambiente escolar; Terapia individualizada e adaptada à realidade circunstancial; Terapia em grupo (oficinas vocais); Noções de fatores de risco para a voz; Aquecimento e desaquecimento vocal; Mudança de comportamento vocal.

49 Programa de Saúde Vocal Usando a respiração para a fala... coordenação fono-respiratória INSPIRAÇÃO/ ABERTURA DE COSTELA Sopro longo / curto S X S S S X X X

50 Programa de Saúde Vocal Conhecendo coloridos e sonoridades da fala... exploração dos diversos focos ressonantais Humming MÃO - CHÃO SÃO DÃO LÃO - VÃO CÃO - PÃO SABÃO PIÃO MAMÃO PAVÃO BOLÃO GATÃO

51 Programa de Saúde Vocal Ressonância Voz salmodiada: Números Meses do ano

52 Programa de Saúde Vocal Reconhecendo os sons na fala... ajustes articulatórios e realce das vogais Forma bucais Vogais A É I Ô I -A Ô - U - Ó I - Ê A I U I U I A I A Ô Ê - Ô Ê - Ô Ê - Ô Ê as vogais são a alma da fala, revelam sua voz...

53 Programa de Saúde Vocal Reconhecendo os sons na fala... Variação do tom agudo / médio / grave Vogal oral /nasal Variação da intensidade

54 Programa de Saúde Vocal BLOCAR A FALA O programa skype / que popularizou a tecnologia voip / voz sobre ip / deixou de cobrar ligações feitas para telefones fixos e celulares. // A novidade / só disponível para usuários dos EUA e Canadá/ vale até o final do ano.

55 Programa de Saúde Vocal Aquecimento e desaquecimento vocal - evitam lesões na mucosa (nódulos) - aporte sanguíneo para os tecidos laríngeos - preparam os músculos vocais - facilitam emissão da voz - flexibilizam os órgãos fono-articulatórios

56 Programa de Saúde Vocal Aquecimento vocal - Bocejar e alongar os braços 15 minutos de exercícios, no máximo - Emitir s z x j f v ( 2 vezes cada) - Vibrar a língua - tr... (5 vezes) - Vogais com variações para o agudo

57 Programa de Saúde Vocal Aquecimento vocal 15 minutos de exercícios, no máximo - Mastigar com a boca aberta emitindo sons nasais - Emitir os sons nasais mão chão são dão tão - Alongamento do trato vocal : Exercício do espaguete - sucção do sopro no ar simulando a sucção de um espaguete

58 Programa de Saúde Vocal Desaquecimento vocal Micro movimentos cervicais Alongamento do trato vocal: exercício do espaguete Vogais: agudo para grave Repouso vocal ATENÇÃO - Impulso abdominal nos exercícios - Tensões = zero - Articulação caprichada - Pode-se diminuir a quantidade de vezes

59 Preparar a voz do professor é: dar-lhe a possibilidade de saber seus potenciais e limites na emissão ajudá-lo a encontrar sua identidade profissional através da voz falada Oferecer-lhe segurança e confiança em sua comunicação oral permitindo melhor desempenho de ensino.

60 Campanhas CREFONO 1: Campanha de Voz Anual semana do dia 16 de abril 2010 VI Edição Orientações e palestras sobre voz Diversas cidades do Estado do RJ Postos de saúde, universidades, supermercados, shoppings, clínicas, igrejas, etc.

61 Objetivo: Conscientização de profissionais da voz e público em geral sobre saúde vocal e alterações vocais e laríngeas. Campanha da Voz /04/10 - UFF/NF

62 Muito obrigada pela atenção! Flávia Viegas - Tel

Orientações e Dicas para a Saúde Vocal do Docente

Orientações e Dicas para a Saúde Vocal do Docente Orientações e Dicas para a Saúde Vocal do Docente Prezado (a) Professor (a), A sua voz é um instrumento indispensável para o seu trabalho; por isso, atenção e cuidados especiais devem ser dados a ela.

Leia mais

A Voz Como Instrumento De Trabalho: Uma Abordagem Para Professores. Fga:Lara Cristina F. Castilho

A Voz Como Instrumento De Trabalho: Uma Abordagem Para Professores. Fga:Lara Cristina F. Castilho A Voz Como Instrumento De Trabalho: Uma Abordagem Para Professores Fga:Lara Cristina F. Castilho A voz é uma das extensões mais fortes da nossa personalidade, nosso sentido de inter-relação na comunicação

Leia mais

Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal

Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal Apresentação: Millena Vieira (Fonoaudióloga) Joel Pinheiro (Preparador Vocal) Bárbara Camilo (3ºano) Daniele Istile (2º ano) Orientação: Profª Drª Kelly

Leia mais

SAÚDE VOCAL PROFISSIONAIS DA VOZ

SAÚDE VOCAL PROFISSIONAIS DA VOZ SAÚDE VOCAL PROFISSIONAIS DA VOZ GABRIELA RODRIGUES, VANESSA PEDROSA VIEIRA E MARA BEHLAU 2011 O s profissionais da voz são todas as pessoas que utilizam a voz como seu principal instrumento de trabalho.

Leia mais

merece cuidados professor e o mundo da escola Estudo realizado para traçar perfil vocal dos professores em escolas privadas

merece cuidados professor e o mundo da escola Estudo realizado para traçar perfil vocal dos professores em escolas privadas professor e o mundo da escola 1 :: débora meurer brum fonoaudióloga 1 Especialista em Voz pelo Centro de Estudos da Voz (CEV SP), Especialista em Audição (IPA-RS) e Mestranda em Distúrbios da Comunicação

Leia mais

Dicas para Professores:

Dicas para Professores: O que fazer: > Falar em tons médios. > Hidratar bem o organismo (entre seis e oito copos de água por dia). > Evitar excessos alimentares antes de usar a voz profissionalmente > Evitar os choques térmicos.

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE VOCAL MANUAL DA VOZ

PROGRAMA DE SAÚDE VOCAL MANUAL DA VOZ PROGRAMA DE SAÚDE VOCAL MANUAL DA VOZ Rio de Janeiro Maio/2014 Professor, bem vindo ao Programa de Saúde Vocal Nós, fonoaudiólogas, a equipe de Valorização do servidor e toda a equipe educação somos parceiras

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento ROUQUIDÃO Prevenção e Tipos de Tratamento O que é Rouquidão? Quais são as causas da rouquidão? Como a rouquidão é avaliada? Quando devo procurar uma avaliação especializada? Como tratar as desordens vocais?

Leia mais

UsoProfissionaldaVoz: conhecerparamelhoratuar

UsoProfissionaldaVoz: conhecerparamelhoratuar UsoProfissionaldaVoz: conhecerparamelhoratuar Curso aos Docentes FECAP Fernanda M. A. Rodrigues Fonoaudióloga Especialista em Voz Consultora em Comunicação www.voicecare.com.br Outubro/2008 www.fecap.br

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

LAUDO MÉDICO PERICIAL.

LAUDO MÉDICO PERICIAL. 1 Preâmbulo. LAUDO MÉDICO PERICIAL. Aos vinte e um dias do mês de maio do ano de 2009, o Perito Dr. OSCAR LUIZ DE LIMA E CIRNE NETO, designado pelo MM Juiz de Direito da 5.ª Vara Cível da Comarca de São

Leia mais

EM DEFESA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE DO(A) PROFESSOR(A)

EM DEFESA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE DO(A) PROFESSOR(A) EM DEFESA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE DO(A) PROFESSOR(A) A luta sindical em defesa de melhor qualidade de vida para os trabalhadores tem como elemento estratégico as relações entre as condições de

Leia mais

Débora Abreu Aulas de Canto www.debora.mus.br (41) 35247665/88622074

Débora Abreu Aulas de Canto www.debora.mus.br (41) 35247665/88622074 O CANTOR E SEU INSTRUMENTO Um bom cantor é aquele que conhece bem sua voz, até aonde pode ir, e sabe controlá-la. Para isso, é de fundamental importância que se conheça o seu instrumento e como ele se

Leia mais

RESPOSTAS PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE DISFONIA INFANTIL

RESPOSTAS PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE DISFONIA INFANTIL RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE DISFONIA INFANTIL A voz é uma expressão que revela elementos de dimensão biológica, psicológica e sócio-educacional. Cada criança desenvolve formas de usá-la

Leia mais

Higiene Vocal Cuidando da voz

Higiene Vocal Cuidando da voz Higiene Vocal Cuidando da voz BEHLAU, Mara; PONTES, Paulo. Higiene Vocal: cuidando da voz. 4. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2009. Compilação: profa. Lúcia Teixeira PROJETO MÚSICA NAS ESCOLAS DO RS Polo

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O USO PROFISSIONAL DA VOZ DE PROFESSORES DO CURSO DE FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DA UFSM

UM ESTUDO SOBRE O USO PROFISSIONAL DA VOZ DE PROFESSORES DO CURSO DE FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DA UFSM UM ESTUDO SOBRE O USO PROFISSIONAL DA VOZ DE PROFESSORES DO CURSO DE FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DA UFSM Clarice Terezinha Tomazzetti - UFSM Cláudia Ribeiro Bellochio - UFSM RESUMO

Leia mais

RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ

RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ A voz humana é produzida na laringe, um tubo que fica no pescoço. Dentro desse tubo, temos duas dobras de músculos e mucosa, chamadas popularmente de

Leia mais

SAUDE VOCAL DO PROFESSOR

SAUDE VOCAL DO PROFESSOR SAUDE VOCAL DO PROFESSOR Heidi Mara De Mare Graduação: Fonoaudiologia PUC/SP Instituição: Secretaria de Educação e Cultura de São Bernardo do Campo UF: São Paulo Email: heididemare1963@hotmail.com SAÚDE

Leia mais

1) Como surgiu a idéia de realizar a Campanha da Voz e desde quando ela é realizada?

1) Como surgiu a idéia de realizar a Campanha da Voz e desde quando ela é realizada? 1) Como surgiu a idéia de realizar a Campanha da Voz e desde quando ela é realizada? R. A Campanha da Voz surgiu a partir da iniciativa de um médico Otorrinolaringologista de Porto Alegre, o Dr. Nédio

Leia mais

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO Superintendência de Saúde Segurança e Ambiente do Trabalho CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO - Saúde Vocal - Ginástica Compensatória - Saúde Auditiva SINTTEL-Rio CARTILHA

Leia mais

Manual do Bem-Estar Vocal

Manual do Bem-Estar Vocal Manual do Bem-Estar Vocal e i u a Programa Municipal de Saúde Vocal - SP Prefeito Fernando Haddad Secretária Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão Leda Maria Paulani Coordenadora de Gestão de Pessoas

Leia mais

RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ

RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ profissional A voz é a forma de comunicação mais utilizada pelo homem. Por isso, quando ela sofre alguma alteração ou quando não está de acordo com as

Leia mais

Palavras chave: voz, prevenção, criança

Palavras chave: voz, prevenção, criança AÇÕES DE PREVENÇÃO DE DISFONIA INFANTIL EM CENÁRIOS EDUCACIONAIS: ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE VOZ A PARTIR DE DESENHOS DE ALUNOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras chave: voz, prevenção, criança

Leia mais

Técnica Vocal - Rayre Mota. Respiração e Apoio

Técnica Vocal - Rayre Mota. Respiração e Apoio Técnica Vocal - Rayre Mota Respiração e Apoio A respiração e o apoio são bases para uma boa performance no canto e são essenciais na nossa vida. É necessário entender o funcionamento da respiração dentro

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

RESPOSTAS PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ

RESPOSTAS PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ A voz humana é produzida na laringe, um tubo que fica no pescoço. Dentro desse tubo, temos duas dobras de músculos e mucosa, chamadas popularmente de

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE OS PRINCIPAIS SINTOMAS VOCAIS MAIS FREQUENTES NA ATIVIDADE DOCENTE

DISCUSSÃO SOBRE OS PRINCIPAIS SINTOMAS VOCAIS MAIS FREQUENTES NA ATIVIDADE DOCENTE DISCUSSÃO SOBRE OS PRINCIPAIS SINTOMAS VOCAIS MAIS FREQUENTES NA ATIVIDADE DOCENTE Dirle Maria Silva de Andrade Mota (UFAL) dirle2007@yahoo.com.br RESUMO Este trabalho aborda um estudo bastante relevante

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Apresentação: ICMPES Central de Louvor www.centraldelouvor.org.br secretaria@centraldelouvor.org.br

Apresentação: ICMPES Central de Louvor www.centraldelouvor.org.br secretaria@centraldelouvor.org.br 2 Apresentação: Visando a unificação do louvor na obra a Central de Louvor do PES elaborou esta apostila com o objetivo de conscientizar o Grupo de Louvor sobre o uso da voz no canto, abordando de maneira

Leia mais

1. A adoção da auto avaliação como

1. A adoção da auto avaliação como Questionário de Auto avaliação da Saúde Vocal: * Aqui específico para professores, podendo ser adaptado para demais profissões que utilizem a voz. 1. A adoção da auto avaliação como parte integrante dos

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

CONCEITO ATUA TAMBÉM NA ÁREA DE SAÚDE COLETIVA,SAÚDE ESCOLAR/EDUCACIONAL E DISFAGIA. (Texto aprovado pelo Plenário do CFFa em março de 2004).

CONCEITO ATUA TAMBÉM NA ÁREA DE SAÚDE COLETIVA,SAÚDE ESCOLAR/EDUCACIONAL E DISFAGIA. (Texto aprovado pelo Plenário do CFFa em março de 2004). FONOAUDIOLOGIA CONCEITO "A FONOAUDIOLOGIA É A CIÊNCIA QUE TEM COMO OBJETO DE ESTUDO A COMUNICAÇÃO HUMANA, NO QUE SE REFERE AO SEU DESENVOLVIMENTO, APERFEIÇOAMENTO, DISTÚRBIOS E DIFERENÇAS, EM RELAÇÃO

Leia mais

TERAPÊUTICA DA FALA E A PESSOA COM DOENÇA DE PARKINSON

TERAPÊUTICA DA FALA E A PESSOA COM DOENÇA DE PARKINSON TERAPÊUTICA DA FALA E A PESSOA COM DOENÇA DE PARKINSON Por Drª Ana Paula Vital, Terapeuta da Fala, Mestre em Psicologia da Saúde Comunicação A comunicação é um aspecto essencial da natureza humana usada

Leia mais

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES Autores: Thays Vaiano, Mara Behlau, Ana Cláudia Guerrieri Palavras Chave: Dor, Voz, canto Introdução: Dor pode ser definida como "experiência sensitiva

Leia mais

AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico

AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico DEFINIÇÃO Comprometimento súbito da função cerebral causada por alterações histopatológicas em um ou mais vasos sanguíneos. É o rápido

Leia mais

Coral da terceira idade da ACM de Sorocaba

Coral da terceira idade da ACM de Sorocaba Coral da terceira idade da ACM de Sorocaba Hamilton de Oliveira Santos, Universidade de Sorocaba, tecladista13@gmail.com Resumo: O presente trabalho traz um relato de experiência de um projeto de extensão

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

VOZ: INSTRUMENTO OU ARMA? A saúde vocal do professor e seus principais problemas

VOZ: INSTRUMENTO OU ARMA? A saúde vocal do professor e seus principais problemas ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 VOZ: INSTRUMENTO OU ARMA? A saúde vocal do professor e seus principais problemas Resumo Rosyeri de Souza Cordeiro Curso de Especialização em

Leia mais

COMUNICADOR EFICAZ: A VOZ DO PROFESSOR E SAÚDE PREVENTIVA.

COMUNICADOR EFICAZ: A VOZ DO PROFESSOR E SAÚDE PREVENTIVA. COMUNICADOR EFICAZ: A VOZ DO PROFESSOR E SAÚDE PREVENTIVA. Alexandre Silva Santos 1 Daniela de Matos Almeida 2 Loenizia Gonçalves de Paula 3 Matheus Àlvares Ribeiro 4 Monica Pereira de Oliveira 5 RESUMO:

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante:

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante: Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Maria Izabel Azevedo Noronha Oficina 2 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO 29 de Novembro de 2008

Leia mais

Fabiana Zambon Mara Behlau. Bem-estar. vocal UMA NOVA PERSPECTIVA DE CUIDAR DA VOZ

Fabiana Zambon Mara Behlau. Bem-estar. vocal UMA NOVA PERSPECTIVA DE CUIDAR DA VOZ Fabiana Zambon Mara Behlau Bem-estar vocal UMA NOVA PERSPECTIVA DE CUIDAR DA VOZ 1 Fabiana Zambon Fonoaudióloga Especialista em Voz Fonoaudióloga responsável pelo programa de Saúde Vocal do SINPRO-SP Professora

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM MÚSICA MONOGRAFIA FINAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM MÚSICA MONOGRAFIA FINAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM MÚSICA MONOGRAFIA FINAL ALTERAÇÕES VOCAIS EM PROFESSORES DE MÚSICA COM MÚLTIPLAS FUNÇÕES: ORIENTAÇÕES PARA A SUA PREVENÇÃO MICHELI

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

Palavras-chave: criança de rua; distúrbios da comunicação; voz profissional.

Palavras-chave: criança de rua; distúrbios da comunicação; voz profissional. Distúrbios da comunicação e audição entre escolares com queixas vocais, com e sem história de situação de rua, em Aracaju, Brasil. Autor: Neuza Josina Sales, Ricardo Queiroz Gurgel. Instituição: Universidade

Leia mais

DISFONIA - Conceito: Tipos de disfonias.

DISFONIA - Conceito: Tipos de disfonias. DISFONIA - Conceito: É o principal sintoma de distúrbio da comunicação oral, no qual a voz produzida não consegue, apresenta dificuldades ou limitações em cumprir seu papel básico de transmissão da mensagem

Leia mais

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003)

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003) MESA REDONDA IV Cuidados da fonoaudiologia: Diagnóstico e tratamento do paciente disfágico pós-estubação ou traqueostomizado Fga Luciana Passuello do Vale Prodomo Disfagia Qualquer problema no processo

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO:

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: Ed Burke, Phd. Fisiologista do Esporte da Universidade do Colorado (USA). DEFINIÇÃO: Causas de fadiga muscular: - Desidratação: Transpiração, respiração, produção de urina. -

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO VOCAL DO PROFESSOR Por: Flávia Cristina Barros Neves de Alvarenga Orientador Prof. Ms. Mary Sue

Leia mais

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano A prática regular e moderada da actividade física pode trazer benefícios substanciais para a saúde da população, como seja reduzir para metade o risco de doenças coronárias, baixar o risco de desenvolver

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Departamento de Saúde do Sinttel-MG

Departamento de Saúde do Sinttel-MG 1. Apresentação 2- Manual Preventivo do Teleatendente - Departamento de Saúde do Sinttel-MG É cada vez maior o número de trabalhadores nos centros de atendimento (ou call centers) das mais diversas empresas.

Leia mais

Palavras-chave: Professores de Educação Física; alterações vocais;

Palavras-chave: Professores de Educação Física; alterações vocais; PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA: INCIDÊNCIA DE ALTERAÇÕES VOCAIS Roberta Moreno Sas, UFSCar/ Sao Carlos-SP robertasas@hotmail.com Sheila Glaucieli Fenske, UFSCar/ Sao Carlos-SP sheilafenske@yahoo.com.br

Leia mais

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca DOENÇAS RESPIRATÓRIAS Professora: Sabrina Cunha da Fonseca Os locais de trabalho têm oferecido, cada vez mais, ambientes poluídos por diversos elementos, gasosos e sólidos, presentes no ar como gases e

Leia mais

Exercícios de Relaxamento

Exercícios de Relaxamento Exercícios de Relaxamento Relaxamento: - Circular a cabeça para a Direita e para a esquerda - Circular a cabeça para os lados, para cima e para baixo - Fazer caretas procurando utilizar todos os músculos

Leia mais

o Ressonar e a Apneia de Sono

o Ressonar e a Apneia de Sono o Ressonar e a Apneia de Sono sintomas diagnóstico tratamento O ressonar apesar de ser comum, fonte de brincadeiras e aceite como normal na população em geral é de facto uma perturbação que não deve ser

Leia mais

JANE MARIA RODRIGUES LAWDER EFEITOS DO MAU USO E ABUSO VOCAL NOS PROFESSORES

JANE MARIA RODRIGUES LAWDER EFEITOS DO MAU USO E ABUSO VOCAL NOS PROFESSORES JANE MARIA RODRIGUES LAWDER EFEITOS DO MAU USO E ABUSO VOCAL NOS PROFESSORES Monografia apresentada ao CEFAC -Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica para a obtenção do certificado de Conclusão

Leia mais

Programa de Aperfeiçoamento de Docentes PAD. Cuidados com a Voz. Profª. Ingrid Gielow

Programa de Aperfeiçoamento de Docentes PAD. Cuidados com a Voz. Profª. Ingrid Gielow Programa de Aperfeiçoamento de Docentes PAD Cuidados com a Voz Profª. Ingrid Gielow 1 Sumário 1. Introdução... 3 2.Fisiologia da fonação... 3 3. Identificação de situações de risco, abuso e mal uso vocal...

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A avaliação perceptivo auditiva é uma avaliação clássica, que, apesar de ser subjetiva, continua soberana na rotina clínica fonoaudiológica. A respeito desse assunto, julgue os itens a seguir. 41 O tempo

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

O que o fonoaudiólogo pode realizar nas duas áreas novas: Disfagia e Fonoeducacional?

O que o fonoaudiólogo pode realizar nas duas áreas novas: Disfagia e Fonoeducacional? O que o fonoaudiólogo pode realizar nas duas áreas novas: Disfagia e Fonoeducacional? Apresentadoras: Julia Speranza Zabeu Ana Paula Corrêa Orientadora: Profa. Dra. Andrea Cintra Lopes O que é a fonoaudiologia?

Leia mais

QUALIDADE DO AR INTERIOR

QUALIDADE DO AR INTERIOR QUALIDADE DO AR INTERIOR POR DIA OS NOSSOS PULMÕES FILTRAM CERCA DE 13. 000 LITROS DE AR! A POLUIÇÃO EM AMBIENTES FECHADOS É UMA DAS PRINCIPAIS CAUSAS DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS A maior parte das nossas

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Quick Massage. Venha ser um membro filiado e compartilhar. seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com. Denis Fernando de Souza

Quick Massage. Venha ser um membro filiado e compartilhar. seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com. Denis Fernando de Souza Quick Massage Venha ser um membro filiado e compartilhar seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com Denis Fernando de Souza HISTÓRICO QUICK MASSAGE (MASSAGEM RÁPIDA) Algumas literaturas trazem

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

TEXTO PARA ACOMPANHAMENTO DA PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA - DVD MARIA MERCEDES MEIRA LOPES. Maringá

TEXTO PARA ACOMPANHAMENTO DA PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA - DVD MARIA MERCEDES MEIRA LOPES. Maringá SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ TEXTO PARA ACOMPANHAMENTO

Leia mais

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores do Ensino Privado no Estado

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

V JORNADAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS

V JORNADAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS V JORNADAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS As PME s na Europa As PME s são a espinha dorsal da economia portuguesa, sendo responsáveis por grande

Leia mais

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes.

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Tarefas que exijam elevada acuidade visual Visão desfocada e sensação de olhos a arder. Teclar de forma incorrecta

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Pró-Reitoria de Graduação Pró-Reitoria de Recursos Humanos. Projeto de Atualização Pedagógica - PAP

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Pró-Reitoria de Graduação Pró-Reitoria de Recursos Humanos. Projeto de Atualização Pedagógica - PAP Universidade Federal do Rio Grande do Norte Pró-Reitoria de Graduação Pró-Reitoria de Recursos Humanos Projeto de Atualização Pedagógica - PAP Bem Estar Vocal Profa. Dra. Lourdes Bernadete Rocha de Souza

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Recursos de Expressividade

Recursos de Expressividade Apresenta: Recursos de Expressividade Apresentadores: Janine S. Ramos (3º ano) Natalia C. Favoretto (3º ano) Guilherme T. Barros (4ºano) Data: 03/11/11 Horário: 18h30min Local: Anfiteatro 1 Comunicação

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA ONDAS DE CALOR 2009 RECOMENDAÇÕES PARA DESPORTISTAS Nº: 29/DA DATA: 04/08/09 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos de Saúde Divisão de Saúde Ambiental INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência

Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência www.comportamentoinfantil.com EPIDEMILOGIA 10-20% da população infanto-juvenil (AACAP 2002) Blumenau 61.600 matrículas (IBGE 2008) 6.160 estudantes???

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 14. Sistema nervoso

8ª série / 9º ano U. E. 14. Sistema nervoso 8ª série / 9º ano U. E. 14 Sistema nervoso O cérebro, a medula e os nervos são os principais órgãos que formam o sistema nervoso. As informações que chegam ao cérebro são respondidas com estímulos que

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico O seu médico recomendou uma cirurgia para tratar doença do refluxo gastroesofágico. Mas o que isso realmente significa? Seu diafragma é um músculo que separa o tórax de seu abdômen e o ajuda

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

Qualidade de vida. Aromaterapia para o Ambiente de Trabalho

Qualidade de vida. Aromaterapia para o Ambiente de Trabalho Qualidade de vida É o método usado para medir as condições da vida de um ser humano. Envolve o bem físico, mental, psicológico e emocional, além de relacionamentos sociais, como família e amigos e também

Leia mais

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes RUÍDO Trabalho Elaborado por: Bruno Pereira nº 13791 Engenharia Mecânica Fábio Oliveira nº 15434 Engenharia Química Filipe Ataíde nº 15909 Engenharia Química Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006

Leia mais

Profa. Dra. Adriana Gioda Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio agioda@puc-rio.br

Profa. Dra. Adriana Gioda Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio agioda@puc-rio.br Profa. Dra. Adriana Gioda Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio agioda@puc-rio.br } Os contaminantes do ar de ambientes de interiores podem causar danos a saúde dos ocupantes. } Em muitos ambientes

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais