IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil"

Transcrição

1 Mudanças Climáticas e Desmatamento: uma análise do discurso dos jornais Folha de São Paulo e O Globo no contexto da divulgação do relatório final do IPCC em 2007 Luciana Miranda Costa (UFPA) Jornalista. Professora Doutora da FACOM/ UFPA e Pesquisadora do CNPq Lara Thaís de Souza Lages (UFPA) Graduanda do curso de Comunicação Social da UFPA e bolsista do PARD/UFPA Resumo Tema recorrente na mídia nas últimas duas décadas, as mudanças climáticas vêm sendo debatidas por diversos segmentos sociais. Pretende-se, com base na análise de matérias veiculadas pela Folha de São Paulo e pelo Jornal O Globo, no contexto de divulgação do último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), mostrar a utilização das fontes provenientes dos campos político, científico e ambiental, através da temática do desmatamento, na construção do discurso jornalístico. Busca-se ainda, comparar o que foi divulgado por esses dois veículos. Alguns conceitos do método de análise de discurso foram escolhidos para o estudo desse conjunto de textos veiculados entre 20 de abril e 18 de maio de 2007 por dois dos jornais de maior circulação no Brasil: Folha de São Paulo e O Globo. Palavras-chave: Desmatamento, Mudanças Climáticas, IPCC, Folha de São Paulo, O Globo. 1

2 Apresentação Assunto muito debatido nacional e internacionalmente, as mudanças climáticas tornaram-se tema recorrente na mídia, principalmente no contexto de divulgação dos relatórios do Intergovernmental Panel on Climate Change ou Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, sigla em inglês), órgão das Nações Unidas. O objetivo deste artigo, através de um recorte específico, é analisar como a temática do desmatamento, no contexto mais amplo das mudanças climáticas, foi tratada pelos jornais Folha de São Paulo e O Globo, tendo como base as fontes provenientes dos campos político, científico e ambiental utilizadas pelo campo jornalístico para construir seu discurso. O corpus de análise foram as matérias divulgadas no período compreendido entre os dias 20 de abril e 18 de maio de A escolha está vinculada a um fato decisivo para a temática: a divulgação do último relatório do IPCC, que data de quatro de maio. Foram analisadas as matérias veiculadas duas semanas antes e duas semanas depois do anúncio deste terceiro relatório divulgado em Bancoc, Tailândia. A base teórica encontra-se, principalmente, na obra de Pierre Bourdieu e Michel Foucault. De Foucault, foi utilizado o conceito de discurso. De Bourdieu, o conceito de campo. Para Foucault (1995), discurso refere-se ao conjunto de regras e práticas que constroem uma versão da realidade num momento histórico específico. Deste modo, os discursos são dispersões, cabendo à análise de discurso descrevê-las. Bourdieu define o conceito de campo como um sistema específico de relações objetivas que podem ser de aliança e/ou de cooperação, entre posições diferenciadas, socialmente definidas e instituídas, independente da existência física dos agentes que as ocupam (COSTA, 2006a). O Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas IPCC O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), constituído em 1988, foi um órgão criado pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) para fornecer informações científicas, técnicas e socioeconômicas. O IPCC produz três relatórios, divulgados periodicamente, baseados na revisão de pesquisas de 2500 cientistas de todo o mundo. 2

3 O primeiro relatório do ano de 2007 foi divulgado em dois de fevereiro. O documento afirma que os seres humanos são os responsáveis pelo aquecimento global 1. O segundo relatório foi divulgado dia seis de abril e abordou os impactos das mudanças climáticas, com um capítulo dedicado apenas à América Latina, com detalhes sobre o Brasil. Segundo informações divulgadas no site da organização não-governamental (Ong) WWF (World Wildlife Fund) 2, neste segundo relatório, o IPCC demonstra claramente que os impactos das mudanças do clima estão batendo à nossa porta neste momento e só tendem a piorar. O terceiro Relatório de 2007 foi divulgado no dia quatro de maio, em Bangcoc, na Tailândia. O texto mostra que é possível deter o aquecimento global se o processo de redução das emissões for iniciado antes de Breve histórico sobre os jornais A Folha de São Paulo foi fundada em 1921, ainda chamada de Folha da Noite". Em julho de 1925 foi criada a Folha da Manhã, edição matutina da "Folha da Noite". A "Folha da Tarde" foi fundada 24 anos depois. É, pois, com a união desses três títulos que, em 1960, nasce o jornal. Em 1989, a Folha de São Paulo passa a publicar, semanalmente, a coluna daquele que seria tido como o representante dos leitores: o ombudsman, palavra sueca que significa representante do cidadão. É este profissional que faz a análise do jornal do ponto de vista do leitor. A Folha foi pioneira nesse tipo de serviço na América Latina. Trata-se do jornal de maior tiragem e circulação no país 3 desde Possui, atualmente, quatro edições distintas: Nacional, Regional (distribuída no interior paulista), Brasília e São Paulo. O Globo é um jornal diário, fundado em 29 de julho de 1925 pelo jornalista Irineu Marinho, proprietário do jornal A noite, cuja intenção era expandir o público leitor da empresa. O Globo acabou sendo o carro-chefe do grupo. Com a morte de Irineu, o jornal foi herdado por seu filho, Roberto Marinho, que criou um conglomerado de empresas de mídia, incluindo a TV Globo, a 1 Acesso em: 25 de fev O aquecimento global é o aumento da temperatura terrestre (não só numa zona específica, mas em todo o planeta) e tem preocupado a comunidade científica cada vez mais. Acredita-se que seja devido ao uso de combustíveis fósseis e outros processos em nível industrial, que levam à acumulação na atmosfera de gases propícios ao Efeito Estufa, tais como o Dióxido de Carbono, o Metano, o Óxido de Azoto e os CFCs. Disponível em: Acesso em 13/04/ Acesso em: 25 de fev A circulação do jornal Folha de São Paulo é de aos domingos e nos dias úteis. Dados retirados da Folha Online no site Acesso em: 28/02/2008 3

4 Rádio Globo, a Editora Globo e demais veículos, nas chamadas Organizações Globo. O jornal tem sede no Rio de Janeiro e está entre os três maiores jornais de circulação no país 4. A seguir, para melhor familiarizar o leitor com o conteúdo dos textos, as matérias da Folha de São Paulo e de O Globo serão descritas com as respectivas fontes, datas de publicação e breve análise sobre suas especificidades discursivas. I - O corpus de Análise As matérias de Folha de S. Paulo e de O Globo foram selecionadas a partir da ferramenta de busca disponível em seus sites na Internet 5. A palavra-chave utilizada foi desmatamento. Nesta primeira parte serão apresentados alguns dados relevantes para se verificar como a temática ambiental aparece em cada veículo. Partindo das matérias da Folha de São Paulo, no período de 20 de abril a 18 de maio, foram divulgadas 21 (vinte e uma) matérias que citam o desmatamento. Dessas, oito abordam assuntos relativos ao IPCC. Já em O Globo, foram 25 (vinte e cinco) matérias no total, sendo seis relativas ao IPCC. É importante observar que o número de matérias é bem semelhante, o que mostra uma certa aproximação no padrão na divulgação feita por esses dois veículos de grande circulação. Com relação às matérias relativas ao IPCC, das oito divulgadas pela Folha, sete são assinadas, sendo quatro do enviado especial da Folha a Bangcoc, duas do jornalista da Folha, Eduardo Geraque, e um artigo de opinião de Márcio Santilli. Neste quesito, percebe-se a preocupação da Folha em manter um enviado especial, o jornalista e editor do caderno Ciência, Cláudio Ângelo, em Bangcoc, lugar da divulgação do último relatório do IPCC. Das matérias selecionadas no jornal O Globo, relativas ao IPCC, cinco não foram assinadas e uma foi assinada pela jornalista Marina Wentzel, enviada especial da BBC Brasil a Bangcoc. Em O Globo, percebemos uma incidência maior de matérias provenientes de agências de notícias, sendo que do total de 25 matérias, 14 são de agências. As agências que mais aparecem são Reuters e Agência Brasil. Das seis matérias relativas ao IPCC, apenas uma é da redação do jornal. 4 A circulação do jornal O Globo é aos domingos e tem uma média de exemplares por semana. Dados retirados do Infoglobo no site Acesso em: 28 fev

5 As Reportagens da Folha de São Paulo 1) A matéria da Folha de São Paulo intitulada Maggi verde defende floresta nos EUA (FSP On-Line, 26/04/07, Opinião) já é irônica pelo título. O texto mostra uma mudança de discurso do governador do Mato Grosso, Blairo Maggi, um dos maiores sojistas do seu Estado. Ele diz estar adotando uma posição de defesa do meio ambiente depois da divulgação dos dois relatórios do IPCC. Mudança essa, que o jornalista considera inusitada. Bourdieu já observara que, (1989, p. 55), (...) os homens políticos (...) são (...) sempre suspeitos de produzirem interpretações interessadas, enviesadas e, por isso mesmo, desacreditadas. É inusitado, mas até o governador de Mato Grosso, o mega-sojicultor Blairo Borges Maggi (Partido Republicano), diz ter mudado seu ponto de vista sobre a questão ambiental após o último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática) (FSP On-Line, 26/04/07, Opinião). O governador concedeu entrevista à Folha em tom irônico, segundo o jornalista. No novo discurso, o governador defende que os proprietários devem ganhar dinheiro para manter a floresta em pé. Além disso, diz não ver mais a necessidade de ampliar terras para a pecuária. Trata-se de uma posição inesperada diante da atitude oposta que o governador adotou durante sua vida política. O próprio governador demonstra ironia ao tratar de sua mudança, quando se autodenomina "diabo da floresta". O novo discurso do "diabo da floresta", como ele mesmo se chamou em tom irônico em entrevista à Folha, será apresentando amanhã em Nova York, em evento de uma ONG que procura estreitar as relações entre brasileiros e a ONU (FSP On-Line, 26/04/07, Opinião). A outra voz que o jornalista revela para tentar fazer um relativo contraponto à fala do governador é a do ambientalista Sergio Guimarães, da organização não-governamental IVC (na matéria, denominada de Instituto Centro de Vida. A sigla significa Instituto Vitae Civilis), sediada em Cuiabá. Sérgio considera a atitude de Maggi interessante, mas demonstra certa desconfiança até poder ver medidas concretas. Diz ainda que é preciso reconhecer que a gestão ambiental melhorou no estado. Apesar de ser bem-vindo, o novo discurso verde de Maggi ainda precisa ser demonstrado na prática, segundo o ambientalista Sérgio Guimarães, do IVC (Instituto Centro de Vida), ONG sediada em Cuiabá (FSP On-Line, 26/04/07, Opinião). 5

6 2) A matéria intitulada Calor faz 18% da Amazônia virar savana (FSP On-Line, 28/04/2007, Ciência) traz informações sobre o cruzamento feito pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, com sede em S.José dos Campos-SP) de modelos de computador do IPCC com alguns feitos no Brasil, alertando para o risco da Amazônia virar savana. São mencionados três pesquisadores do Inpe, autores do estudo. O texto também faz referência a outros pesquisadores, que na matéria são denominados pioneiros. Cita ainda dois pesquisadores cujas instituições não são mencionadas, com estudos no Estado do Pará. Os resultados são tratados como certos e incontestáveis (... já sabem o tamanho do estrago... ): Pesquisadores do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) já sabem o tamanho do estrago que o aquecimento global vai fazer na Amazônia neste século (FSP On-Line, 28/04/2007, Ciência). 3) Desmate evitado entra na conta do IPCC (FSP On-Line, 03/05/07, Ciência) aponta que, pela primeira vez, o IPCC vai considerar a conservação de florestas e o desmatamento evitado como medidas de mitigação. Apresenta dois entrevistados: Thelma Krug, Secretária de Mudanças Climáticas do Ministério do Meio Ambiente e membro do Conselho do IPCC, e Roberto Schaeffer, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Nota-se, como se observa no trecho abaixo, que nas matérias há a preocupação de ouvir pelo menos um pesquisador brasileiro. Com autoridade de quem participa do processo de Kyoto desde o início, Roberto Schaeffer, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), diz que a posição do governo vem suavizando sobre esse tema (FSP On-Line, 03/05/07, Ciência). 4) Salvar planeta custa 2% do PIB mundial (FSP On-Line, 04/05/07, Ciência) menciona Mohan Munasinghe, vice-presidente do IPCC, e Suzana Kahn Ribeiro, professora da UFRJ e autora do capítulo sobre transportes do relatório. Ambos abordam o custo necessário para conter o aumento de temperatura do planeta e, ainda, que a redução do desmatamento é uma das soluções para o problema do aquecimento. Um dos intertítulos, Síndrome de Fidel, trata da preocupação com os biocombustíveis e seus possíveis danos ambientais, questionando as declarações de Fidel Castro contrárias aos biocombustíveis: Primeiro, existe uma controvérsia em torno da chamada "síndrome de Fidel Castro", ou seja, a limitação da agricultura energética devido a uma competição com a agricultura para alimentos (FSP On-Line, 04/05/07, Ciência). 6

7 5) Em uma das reportagens analisadas, intitulada IPCC mostra caminho para curar o clima (FSP On-Line, 05/05/07, Ciência), os entrevistados são muitos. São citadas as falas de Gavin Edwards, Coordenador de Clima e Energia da Ong Greenpeace; Rajendra Pachauri, presidente do IPCC; Ogunlade Davidson, Co-Coordenador do Grupo de trabalho 3 do IPCC; Bert Metz, também do IPCC; Branca Bastos Americano, do Ministério da Ciência e Tecnologia, Membro da delegação brasileira na reunião do IPCC em Bangcoc; Marina Silva, Ministra do Meio Ambiente; e Sérgio Rezende, Ministro da Ciência e Tecnologia. A matéria também fala do gasto do PIB (Produto Interno Bruto) necessário para conter o aquecimento. A fala do ambientalista Gavin Edwards ganha destaque no texto: "agora os líderes mundiais já têm a ciência do aquecimento global [a primeira parte do AR4 6 ], conhecem seus impactos [a segunda parte] e sabem como atacar a questão". A frase é explicitada para mostrar o aval do grupo, geralmente mais polêmico em relação à temática ambiental, no que diz respeito ao conteúdo do relatório. Os três membros estrangeiros ligados diretamente ao IPCC são as fontes a que o jornalista recorre para dar mais confiabilidade ao que escreve. A matéria cita um membro da delegação brasileira (do Ministério da C&T), mostrando a opinião de especialistas brasileiros. Mostra ainda, as divergentes opiniões dos Ministros Marina Silva e Sérgio Rezende quanto à energia nuclear, explicitando a disputa no campo político: No Brasil, a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, disse que quer terminar o plano nacional de enfrentamento da crise do clima em 90 dias. "Já há várias ações em curso. Não vamos começar do zero." Já o ministro Sérgio Rezende (Ciência e Tecnologia) destacou a menção que o IPCC fez à energia nuclear como potencial "limpo". "A resistência a ela vem de alguns ambientalistas pouco esclarecidos" (FSP On-Line, 05/05/07, Ciência). 6) A matéria Crise do clima precede guinada cultural (FSP On-Line, 06/05/07, Ciência) mostra a importância dada pelo IPCC a fatores culturais nas políticas de redução do aquecimento. Os entrevistados são Rajendra Pachauri, presidente do IPCC, e Ogunlade Davidson, engenheiro coordenador do Grupo de Trabalho 3 do IPCC e professor da Universidade de Serra Leoa, na África. A declaração de Rajendra Pachauri deixa clara a crítica 6 Fourth Assessment Report (Quarto Relatório de avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas do IPCC). 7

8 feita aos EUA, país que adota políticas que vão de encontro à diminuição de emissão de gás carbônico na atmosfera: Seria ingênuo acreditar que tecnologias recém-desenvolvidas em laboratórios são parte da solução", disse Rajendra Pachauri, numa crítica velada aos EUA - que alegam que seus investimentos em pesquisas tecnológicas são a melhor arma contra o aquecimento (FSP On-Line, 06/05/07, Ciência). "Tecnologias precisam fazer parte de um pacote de políticas públicas", disse [Rajendra Pachauri] (FSP On-Line, 06/05/07, Ciência). 7 e 8) Os textos Investir no planeta (FSP On-Line, 07/05/07, Opinião) e Clima e florestas: é hora de avançar (FSP On-Line, 16/05/07, Opinião) são artigos de opinião. O primeiro comenta o relatório do IPCC e enfatiza o combate ao desmatamento como solução para os problemas do clima. Não está assinado. O segundo, assinado por Márcio Santilli, coordenador da campanha Y Ikatu Xingu do Instituto Socioambiental, ONG da qual é sócio-fundador, dá ênfase à redução compensada do desmatamento e às negociações sobre o desmatamento evitado, mas traz também uma avaliação crítica em relação ao governo, como pode ser visto nas citações abaixo: O governo brasileiro avançou e formulou uma proposta, mas pretendendo que a compensação se dê por meio de doações para um fundo, e não pela emissão de certificados de redução de emissões válidos no mercado de carbono (FSP On-Line, 16/05/07, Opinião). A vantagem para o clima está em facilitar o cumprimento das metas e sua ampliação (FSP On-Line, 16/05/07, Opinião). As Reportagens de O Globo 1) Etanol Brasileiro é opção melhor, diz esboço do IPCC (O Globo On-Line, 02/05/07, Ciência). A matéria trata sobre a potencialidade e riscos do etanol produzido no Brasil para o meio ambiente. Cita a também possibilidade de o cultivo da cana-de-açúcar causar desmatamento no pantanal, trazendo fontes de opiniões contrárias, uma que sugere esse desmatamento (ONG Global Nature Fund) e uma que se opõe (WWF): 8

9 Em um estudo divulgado no começo deste ano, a organização nãogovernamental alemã Global Nature Fund sugere que o cultivo de cana-deaçúcar para a produção de Etanol está causando desmatamento na região do Pantanal. Mas segundo Singer, da WWF, o etanol brasileiro não é a principal causa do desflorestamento. Ele aponta a indústria pecuária como razão do problema e defende a produção sustentável do biocombustível (O Globo On- Line, 02/05/07, Ciência). O entrevistado acima foi Stephan Singer, chefe da unidade de políticas energéticas da ONG WWF, o que reforça uma tendência observada nas matérias de O Globo em prol dos biocombustíveis. 2) A matéria Pressão para que países ricos assumam culpa pelo aquecimento global (O Globo On-Line, 03/05/07, Ciência) fala do esforço feito por Brasil, Índia e China para que fosse acrescentado um parágrafo no texto do relatório, no qual a responsabilidade pelo aquecimento recaísse sobre as nações desenvolvidas. Há um tom irônico do jornalista quando diz que a China vai se tornar o maior poluidor até o fim do ano e que, mesmo assim, exige essa responsabilidade dos países ricos. Os entrevistados são o Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, e Luiz Pinguelli Rosa, Secretário Executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas. Os três países querem ver incluído no texto final um parágrafo no qual se diz que 'se os países com alta taxa de emissão per capita de gases-estufa não reduzirem suas emissões significativamente, será difícil fazer progressos substanciais no combate ao aquecimento global'. Os países com Alta taxa per capita são as nações desenvolvidas. Embora vá se tornar o maior poluidor do mundo até o fim deste ano, a China tem baixa emissão per capita, já que este índice está associado também ao nível de consumo (O Globo On-Line, 03/05/07, Ciência). 3) Bangcoc: IPCC define medidas contra aquecimento (O Globo On-Line, 03/05/07, Ciência) resume o que está contido no relatório, citando, principalmente, os cortes de emissões de carbono e a utilização de energia limpa. Menciona também o Greenpeace, uma ONG ambientalista. No entanto, a ênfase maior é dada ao conhecimento científico vindo de países ricos, onde a pesquisa é mais consolidada, comprovando mais uma vez as palavras de Foucault (1995) quanto ao lugar de fala do indivíduo e seu status correspondente. 9

10 Os cientistas do IPCC, a maioria deles vinda de países industrializados, consideram que o projeto das torres pode ser importante em duas décadas (...) (O Globo On-Line, 03/05/07, Ciência). 4) O Texto Brasil levaria vantagem para limitar emissões (O Globo On-Line, 04/05/07, Ciência) fala que o limite de emissões de gás carbônico deve ser mais fácil para o Brasil, já que sua matriz energética é a hidrelétrica. O problema maior está no desmatamento. Os entrevistados são a especialista Branca Americano, do Ministério da Ciência e Tecnologia, a diretora do Grupo de Trabalho do IPCC, Thelma Krug, e Gavin Edwards, especialista nas questões de energia e mudança climática da ONG Greenpeace. Segundo Americano, o Brasil está muito bem na foto se comparado com os outros emergentes, porque o país não depende de combustíveis fósseis como o carvão, que emitem mais gás carbônico. Já a diretora do grupo de trabalho do IPCC, a brasileira Thelma Krug, observa que a maior parte das emissões de carbono no Brasil é causada pelo desmatamento de florestas (O Globo On-Line, 04/05/07, Ciência). 5) A matéria Transporte público é questão ambiental para o IPCC, (O Globo On-Line, 08/05/07, Ciência) fala dos problemas ambientais causados pelo setor de transportes. Os entrevistados são dois pesquisadores já citados em matérias mencionadas aqui, tanto as da Folha como do próprio O Globo. São eles: professora Suzana Kahn, pesquisadora da UFRJ que participou da redação do relatório do IPCC; professor Roberto Schaeffer, também autor do relatório, e o professor Emílio La Rovere. O jornalista ressaltou a diferença de opiniões de cientistas brasileiros que participaram da produção do relatório do IPCC: Ainda não há consenso, porém, sobre a melhor forma de combater o desmatamento. O assuntou deu origem a divergências entre o professor Roberto Schaeffer e o professor Emílio La Rovere, o terceiro brasileiro envolvido na produção do relatório do IPCC. Enquanto Schaeffer defende o estabelecimento de metas para a redução do desmatamento, La Rovere argumenta que a prática deve ser extinta (O Globo On-Line, 08/05/07, Ciência). 6) Finalmente, em Floresta dá mais lucro preservada (O Globo On-Line, 11/05/07, Ciência) são colocadas informações sobre o estudo de um grupo que diz que a redução de queimadas 10

11 é uma das formas mais baratas de combater o aquecimento. Traz Carlos Nobre, do Inpe, como entrevistado. Ressalta-se que o Inpe é uma das instituições que mais aparecem nas matérias dos dois jornais. Reduzir a queima das florestas tropicais é uma das formas mais baratas de combater o aquecimento global, principalmente para o Brasil, dono dos maiores estoques florestais da Terra (O Globo On-Line, 11/05/07, Ciência). II. A representatividade dos campos no discurso jornalístico Bourdieu (1989) coloca que os agentes (...) para fazerem reconhecer sua visão como objetiva, dispõem de forças que dependem da sua posição nos campos respectivos. E mesmo Foucault já trazia à luz essa reflexão: Qual é o status dos indivíduos que têm e apenas eles o direito regulamentar ou tradicional, juridicamente definido ou espontaneamente aceito, de proferir semelhante discurso? (FOUCAULT, 1995, p. 57). Prossegue o autor: (...) as diversas modalidades de enunciação, em lugar de remeterem à síntese ou à função unificante de um sujeito, manifestam sua dispersão: nos diversos status, nos diversos lugares, nas diversas posições que pode ocupar ou receber quando exerce um discurso, na descontinuidade dos planos de onde fala. (FOUCAULT, 1995, p.61). Como bem nos diz Bourdieu (1989), as estratégias empregadas pelos diversos agentes na luta simbólica pelo monopólio da imposição das suas verdades são justamente a manifestação das relações de força entre os campos em que estão inseridos. O campo ambiental vem se fortalecendo desde a década de 60 com a criação de leis de proteção ambiental e o aumento das discussões sobre o tema ao longo dos anos, mas foi durante as duas últimas décadas que sua base institucional foi consolidada (COSTA, 2006, p.88-89). O campo científico, socialmente legitimado, tem sua gênese no nascimento da ciência moderna, no século XVI. O método racional é aplicado nas pesquisas voltadas à compreensão dos fenômenos naturais. A partir do século XVIII, passa-se também a utilizar o método para entender fenômenos sociais. Com a evolução da ciência, isso vem a ser questionado. Atualmente, a certeza que domina a construção da ciência é a incerteza (DESAULNIERS, 2002, p. 4). 11

12 O campo político é o lugar em que se organiza a competição em torno do controle do aparelho do Estado (DABÈNE, 2002). Segundo Bourdieu (1989, p. 164) é o lugar em que se geram, na concorrência entre os agentes que nele se acham envolvidos, produtos políticos, problemas, programas, análises, comentários, conceitos, acontecimentos, etc. As fontes de cada campo A seguir, tem-se a lista dos entrevistados de cada jornal: Entrevistados da Folha de São Paulo Função Orgunlade Davidson Co-coordenador do Grupo de trabalho 3 2 do IPCC Rajendra Pachauri Presidente do IPCC 2 Blairo Borges Maggi Governador de Mato Grosso e megasojicultor 1 Bert Metz Coordenador do IPCC 1 Branca Bastos Membro da delegação brasileira na 1 Americano reunião do IPCC em Bancoc Carlos Nobre Pesquisador do Inpe 1 Gavin Edwards Coordenador de uma ONG (Greenpeace), 1 Luís Salazar Pesquisador do Inpe. 1 Marcos Oyama Pesquisador do Inpe 1 Marina Silva, Ministra do Meio Ambiente 1 Mohan Munasinghe,. Vice-presidente do IPCC 1 Orgunlade Davidson Co-coordenador do Grupo de trabalho 3 2 do IPCC Rajendra Pachauri Presidente do IPCC 2 Roberto Schaeffer UFRJ (Universidade Federal do Rio de 1 Janeiro) Sérgio Guimarães Ambientalista da ONG IVC (Instituto 1 Centro de Vida) Sérgio Rezende Ministro da Ciência e Tecnologia 1 Suzana Kahn Ribeiro Professora da Coppe (Coordenação dos 1 Programas de Pós-Graduação em Engenharia) da UFRJ e autora do capítulo sobre transportes do relatório do IPCC Freqüência nas matérias Tem-se mais abaixo, uma classificação dos entrevistados do jornal de acordo com seu campo de origem. Considerou-se do campo ambiental, as fontes representativas de organizações não-governamentais de defesa ambiental; do campo cientifico, os pesquisadores ou professores, ligados ou não ao IPCC; e do campo político, entrevistados ligados aos ministérios ou ocupantes de cargos públicos: 12

13 Campos (presentes nas matérias da FSP conforme Representantes as fontes entrevistadas) Campo Ambiental 2 Campo Científico 9 Campo Político 5 Como se observa nos quadros acima, a prioridade do jornal Folha de São Paulo foi dar espaço para as fontes do campo científico. O campo político aparece em seguida, apenas com representantes do governo federal, ou seja, apenas com o discurso oficial. O campo ambiental está representado por duas ONGs, uma de caráter internacional (Greenpeace) e outra nacional. Os entrevistados do jornal O Globo são os seguintes: Entrevistados de O Globo Luiz Pinguelli Rosa Função Coordenador do Programa de Planejamento energético da COPPE/UFRJ e Secretário Executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Freqüência nas matérias 2 Branca Americano Ministério da Ciência e Tecnologia 1 Celso Amorim Ministro das Relações Exteriores 1 Emílio La Rovere Professor e também autor do 1 relatório do IPCC Gavin Edwards Especialista nas questões de energia e mudança climática da ONG Greenpeace 1 Roberto Schaeffer Stephan Singer Suzana Kahn Thelma Krug Professor da COPPE, também autor do relatório. Chefe da unidade de políticas energéticas da ONG WWF Professora e pesquisadora da COPPE que participou da redação do relatório do IPCC Diretora do Grupo de Trabalho do IPCC Campos Representantes (presentes nas matérias de O Globo conforme as fontes entrevistadas) Campo Ambiental 3 Campo Científico 8 Campo Político 2 A prioridade é também para o campo científico, possuidor de maior número de representantes, assim como visto na Folha. O campo ambiental vem em seguida com 3 representantes, sendo dois entrevistados da ONG Greenpeace e um da WWF, ambas internacionais. O campo 13

14 político aparece apenas com dois representantes, estes ligados aos ministérios de Ciência e Tecnologia e das Relações Exteriores. Conclusão No meio da explosão atual de informações sobre mudanças climáticas, a estratégia do jornalista (e da empresa jornalística, em última análise) para fazer-se crer pelo seu leitor e, antes disso, fazer-se ler, é trazer discursos para configurar o seu, discursos estes que estejam num lugar institucional, como chamaria Foucault, privilegiado. Daí o aparecimento de pesquisadores de instituições conhecidas e respeitadas para validar o que se afirma, principalmente em se tratando de um assunto ainda desconhecido para maioria das pessoas e de domínio, até a Rio-92 (TRIGUEIRO, 2005), quase que exclusivo de cientistas e de alguns ambientalistas. O campo científico, em se tratando de suas fontes, foi o fórum privilegiado escolhido pelo campo jornalístico. O discurso do campo científico percebido nas reportagens é posto como a autoridade maior, muitas vezes embasando as afirmações feitas por representantes dos outros dois campos aqui citados. Ou seja, pode-se inferir que houve um aprofundamento maior nos textos, em termos de conteúdo, com explicações do próprio fenômeno (Aquecimento Global), causas e conseqüências (p.ex.desmatamento), em virtude das principais fontes ouvidas, do campo científico. Elas não se limitaram apenas à descrição do factual e suas vozes e opiniões foram incorporadas ao corpo das matérias jornalísticas. Porém, observa-se que nos textos selecionados que trataram sobre o desmatamento na região amazônica, pesquisadores locais praticamente não foram ouvidos, mantendo-se um enfoque ainda externo à realidade local. Falou-se de desmatamento na Amazônia sem se consultar seus principais atores, inclusive do campo científico. O campo ambiental, através da representação das ONGs nos textos, tem sua importância reconhecida, mas é representado, em sua maioria, por entidades internacionais. As organizações nacionais são preteridas. Já o campo político aparece com um discurso de defesa do desenvolvimento sustentável, com propostas de ações integradas socialmente, porém, as fontes ouvidas são somente as de âmbito federal, com exceção do Governador do Mato Grosso. Pode-se também concluir que as estratégias que esses dois veículos adotam para legitimar seus discursos são comuns: vozes de especialistas, de pessoas de lugares de fala privilegiados, fontes diretamente ligadas ao campo científico e ao campo político. O jornal 14

15 Folha de São Paulo apostou mais em matérias feitas por seus próprios jornalistas, enquanto O Globo preferiu as das Agências de Notícias. O uso de citações também foi um ponto recorrente nas matérias, principalmente citações diretas com uso de aspas na Folha e travessão em O Globo, valorizando as fontes ouvidas. Como já ressaltava Baktin (1995, p. 149), toda transmissão, particularmente sob forma escrita, tem seu fim específico. A forma como o discurso de cada entrevistado foi colocado no texto, as palavras que o jornalista recortou para compor a trama textual, tudo isso fez parte do jogo de poder e de disputa dos campos que se entrelaçaram através do discurso jornalístico, com destaque, nos dois casos estudados, para o campo científico. Referências Bibliográficas: ARAÚJO, I. A reconversão do olhar: prática discursiva e produção dos sentidos na intervenção social. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, BAKHTIN, M. Marxismo e filosófica da linguagem. São Paulo: Hucitec, BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa: Diefel, COSTA, L. M. Comunicação e Meio Ambiente: A análise das campanhas de prevenção a incêndios florestais na Amazônia. Belém: NAEA, 2006a.. O esverdeamento da imprensa. Estudos em Jornalismo e Mídia. Revista Acadêmica Semestral. Programa de Pós-Graduação em Jornalismo e Mídia da Universidade Federal de Santa Catarina.V.III. 2º Semestre de 2006b. DESAULNIERS, J. B. R. Campo científico, formação de competências e demandas sociais. Revista Virtual Textos & Contextos, nº 1, ano 1, nov Disponível em: DABÈNE, O. Pierre Bourdieu: sociólogo e cidadão engajado. Disponível em: Acesso em: 20 fev FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 4.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, TRIGUEIRO, A. Meio Ambiente na Idade Mídia. In: Meio Ambiente no Século 21. André Trigueiro (Coord.). Campinas, SP: Armazém do Ipê (Autores Associados), 4ª ed., 2005, p WIKIPÉDIA. Jornal O Globo. Disponível em: Acesso em: 30 jul

16 WWF Brasil. Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). Disponível em: al_de_mudancas_climaticas/index.cfm. Acesso: 14 jul

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT NEGOCIAÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA CRUCIAL NOS PRÓXIMOS DIAS EM

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

Propostas de Posição (MMA)

Propostas de Posição (MMA) Rio de Janeiro, 15 de Outubro de 2009 Aos membros do Fórum, Conforme estava previsto, foi realizada no dia 13 de outubro do corrente ano reunião do Presidente da República para tratar da posição da posição

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO APOIO À CONTINUIDADE DE ESTUDOS Área: Ciências da Natureza Tema: Dossiê Aquecimento Global CONSIDERAÇÕES INICIAIS Certamente os alunos já tiveram a oportunidade de estudar este tema em outras séries e

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

PORTUGUÊS MÉDIO. TEXTO PARA AS QUESTÕES DE 01 a 03. QUESTÃO 01

PORTUGUÊS MÉDIO. TEXTO PARA AS QUESTÕES DE 01 a 03. QUESTÃO 01 PORTUGUÊS MÉDIO TEXTO PARA AS QUESTÕES DE 01 a 03. QUESTÃO 01 Assinale a alternativa em que a frase sobre a imagem abaixo obedece às normas de concordância e regência. a) Esse grupo de amigos resolveram

Leia mais

Estudo Economia das Mudanças Climáticas no Brasil. Workshop Internacional sobre os Relatórios Stern FAPESP São Paulo 03/11/2008

Estudo Economia das Mudanças Climáticas no Brasil. Workshop Internacional sobre os Relatórios Stern FAPESP São Paulo 03/11/2008 Estudo Economia das Mudanças Climáticas no Brasil Workshop Internacional sobre os Relatórios Stern FAPESP São Paulo 03/11/2008 Características do Estudo Horizonte de Tempo : 2100 Espacialização: Escala

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Via Láctea Estamos aqui Sistema Solar Terra Estamos aqui Planeta Terra Estamos

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

6º Congresso Brasileiro sobre Eficiência Energética

6º Congresso Brasileiro sobre Eficiência Energética Campinas, 13 de Março de 2009. (Número 547) Todas as edições do NIPEenergia estão disponíveis na íntegra no site do NIPE: www.nipeunicamp.org.br! EVENTOS 8º Simpósio Nacional de Controle de Erosão 29 de

Leia mais

01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio.

01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio. 01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio. Sobre essa questão, leia atentamente as afirmativas abaixo: I. Em 11 de setembro de 2001, os EUA sofreram um violento

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS João Paulo Nardin Tavares INTRODUÇÃO Já podemos sentir o aquecimento global No último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, órgão

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz:

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz: Sumário dos resultados-chave do Quarto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, Grupo de Trabalho III de Mitigação de Mudanças Climáticas Bangkok, Maio de 2007 Não é

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Eduardo Viola - Professor

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Al Gore e IPCC ganham Prêmio Nobel da Paz

Al Gore e IPCC ganham Prêmio Nobel da Paz Al Gore e IPCC ganham Prêmio Nobel da Paz Resen AnSegurançaCar Análise Desenvolvimento Luciana Mendes Barbosa 23 de outubro de 2007 Al Gore e IPCC ganham Prêmio Nobel da Paz Análise Desenvolvimento Luciana

Leia mais

Mudanças Climáticas: Um (Grande) Desafio Para A Ética!

Mudanças Climáticas: Um (Grande) Desafio Para A Ética! Mudanças Climáticas: Um (Grande) Desafio Para A Ética! Mariana Marques * A comunidade científica concorda, por consenso esmagador, que as mudanças climáticas são reais. Os gases do efeito estufa aumentaram

Leia mais

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS Direito e Mudanças Climáticas Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: o que o Direito tem a ver com isso? Mudanças Climáticas Alterações

Leia mais

COMUNICAÇÃO COORDENADA UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO E A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO EIXO RIO/SÃO PAULO: O CASO CÂNCER

COMUNICAÇÃO COORDENADA UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO E A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO EIXO RIO/SÃO PAULO: O CASO CÂNCER II ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SOCIEDADE BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SBPJor FACULDADE DE COMUNICAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA 26 E 27 DE NOVEMBRO DE 2004 SALVADOR

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC,

Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC, Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC, A Secretaria Executiva do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC) realizou, em 12 de março de 2013, reunião de discussão e apresentação

Leia mais

IV Fórum da Terra. " Mudança Climática o Desafio do Século XXI

IV Fórum da Terra.  Mudança Climática o Desafio do Século XXI IV Fórum da Terra " Mudança Climática o Desafio do Século XXI Mariana Luz CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais Rio de Janeiro, 25 de Outubro de 2011 Economia verde como desafio global Economia

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 1. Tema As relações interpessoais na atualidade. 2. Delimitação do tema As relações humanas e a socialização. 3. Problema Qual a importância das relações interpessoais

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

O BRASILEIRO E AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

O BRASILEIRO E AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O BRASILEIRO E AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Novembro/2009 2 O brasileiro e as mudanças climáticas O DataSenado realizou pesquisa de opinião pública de abrangência nacional

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

OPINIÃO Aquecimento Global: evidências e preocupações

OPINIÃO Aquecimento Global: evidências e preocupações OPINIÃO Aquecimento Global: evidências e preocupações Maurício Serra Pode-se dizer que a relação entre o homem e a natureza é historicamente uma relação de conflitos na medida em que o homem tem contribuído

Leia mais

Rede Clima Sub rede Energias Renováveis 2009 a 2013

Rede Clima Sub rede Energias Renováveis 2009 a 2013 Rede Clima Sub rede Energias Renováveis 2009 a 2013 COORDENADORES LUIZ PINGUELLI ROSA (lpr@adc.coppe.ufrj.br) MARCOS AURÉLIO VASCONCELOS DE FREITAS (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) NSTITUIÇÃO COORDENADORA

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL Carmem Lucia Castro da Cruz Introdução Nick Dallas, no livro Como tornar sua empresa ecologicamente responsável, discorre de

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO A economia verde Às vésperas da Conferência de Copenhague, a maior discussão global sustentabilidade desde o Protocolo de Kyoto, empresas e governos de todo o mundo têm uma certeza: quem não se adaptar

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC

Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC RESENHA Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC Por Ana Maria Heuminski de Avila Universidade Estadual de Campinas Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura - CEPAGRI CIDADE

Leia mais

Rio de Janeiro a caminho de um desenvolvimento sustentável

Rio de Janeiro a caminho de um desenvolvimento sustentável GERÊNCIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS SMAC Rio de janeiro, 2 de Junho 2014 Cidades Resilientes Rio de Janeiro a caminho de um desenvolvimento sustentável A Prefeitura do Rio de Janeiro realizou no dia 02 de

Leia mais

Linha do Tempo da Responsabilidade Social

Linha do Tempo da Responsabilidade Social Linha do Tempo da Responsabilidade Social Elaboração: Annabella de Fátima Prates Coordenação: Marisa Seoane Rio Resende Fundada a OIT Organização Internacional do Trabalho. Formula padrões de trabalho

Leia mais

Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas

Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas Emília Hamada Pesquisador, Embrapa Meio Ambiente, Jaguariúna - SP A mudança climática global começou a ser discutida

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

Europeus querem contribuição maior de países emergentes

Europeus querem contribuição maior de países emergentes Europeus querem contribuição maior de países emergentes Por Daniela Chiaretti De São Paulo A fala recorrente do espanhol Miguel Arias Cañete, 65, abre a caixa de Pandora das negociações climáticas. O principal

Leia mais

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 A relevância e credibilidade dos resultados da pesquisa UPP: O que pensam os policiais foram, sem dúvida, pontos de partida

Leia mais

ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA

ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CIENAM CENTRO INTERDISCIPLINAR DE ENERGIA E AMBIENTE www.cienam.ufba.br ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA Qual o custo para reduzir 1 % da concentração

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA ESCRITA

A EVOLUÇÃO DA ESCRITA A EVOLUÇÃO DA ESCRITA Percebemos a partir da observação das imagens exibidas no vídeo A EVOLUÇÃO DA ESCRITA que o homem sempre buscou muitas formas de transmitir pensamentos. O texto é uma das formas mais

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

A mudança do clima na perspectiva do Brasil: negociações e ações futuras

A mudança do clima na perspectiva do Brasil: negociações e ações futuras Sérgio B. Serra*¹ A mudança do clima na perspectiva do Brasil: negociações e ações futuras Governantes e sociedade civil, no mundo inteiro, debruçam-se sobre os resultados dados à luz do último relatório

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa Luiz Pinguelli Rosa O BRASIL NO CONTEXTO DA AMÉRICA LATINA E A QUESTÃO DA ESQUERDA NO GOVERNO Superar a identificação da esquerda estritamente com o socialismo de tipo soviético O QUADRO POLÍTICO NACIONAL,

Leia mais

SENADO FEDERAL SECRETARIA DE PESQUISA E OPINIÃO PÚBLICA. As ONGs na Mídia. O perfil do Terceiro Setor na Imprensa. Estudo elaborado pela SEPOP/SECS

SENADO FEDERAL SECRETARIA DE PESQUISA E OPINIÃO PÚBLICA. As ONGs na Mídia. O perfil do Terceiro Setor na Imprensa. Estudo elaborado pela SEPOP/SECS As ONGs na Mídia O perfil do Terceiro Setor na Imprensa Estudo elaborado pela SEPOP/SECS Brasília, novembro de 2006 1 Apresentação Uma marca forte, com alta credibilidade, boa visibilidade, nítido perfil

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

[R]evolução energética:

[R]evolução energética: Ricardo Baitelo* [R]evolução energética: perspectivas para uma energia global sustentável As fortes suspeitas de que o ser humano é o agente responsável pela crise do aquecimento global foram categoricamente

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

S.O.S TERRA. Associated Press

S.O.S TERRA. Associated Press S.O.S TERRA O mundo atravessa uma fase crítica com relação ao clima e aos desafios energéticos. Se a Terra falasse, com certeza pediria socorro! Mas os desastres naturais já falam por ela e dizem muito

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO GANDHI DE COMUNICAÇÃO 2015 ATENÇÃO: INSCRIÇÕES PRORROGADAS!!!! Até 18 de setembro de 2015.

REGULAMENTO PRÊMIO GANDHI DE COMUNICAÇÃO 2015 ATENÇÃO: INSCRIÇÕES PRORROGADAS!!!! Até 18 de setembro de 2015. REGULAMENTO PRÊMIO GANDHI DE COMUNICAÇÃO 2015 ATENÇÃO: INSCRIÇÕES PRORROGADAS!!!! Até 18 de setembro de 2015. Justificativa O Prêmio Gandhi de Comunicação é uma iniciativa da Agência da Boa Notícia, Organização

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

TRABALHO DECENTE COM BAIXAS EMISSÕES DE CARBONO

TRABALHO DECENTE COM BAIXAS EMISSÕES DE CARBONO O PROGRAMA EMPREGOS VERDES DA OIT: TRABALHO DECENTE COM BAIXAS EMISSÕES DE CARBONO Brasília, 07 de dezembro de 2010 Assuntos abordados A Iniciativa Empregos Verdes e as definições do conceito A crise econômica

Leia mais

Descrição e regras e dinâmica do jogo Unidos para produzir um lugar saudável - PDTSP TEIAS

Descrição e regras e dinâmica do jogo Unidos para produzir um lugar saudável - PDTSP TEIAS Descrição e regras e dinâmica do jogo Unidos para produzir um lugar saudável - PDTSP TEIAS Peças do jogo O jogo Unidos para produzir um lugar saudável PDTSP TEIAS Escola Manguinhos Versão inicial é composto

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing.

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing. Comunicação social Comunicação social A Comunicação Social é um campo de conhecimento académico que estuda a comunicação humana e as questões que envolvem a interação entre os sujeitos em sociedade. Os

Leia mais

InfoBIO. Apoio. Nessa Edição. Conteúdo: Fabiana Vasconcelos. Design e diagramação: Talyta Nogueira

InfoBIO. Apoio. Nessa Edição. Conteúdo: Fabiana Vasconcelos. Design e diagramação: Talyta Nogueira Abr. 2014 InfoBIO InfoBIO Nessa Edição Conteúdo: Fabiana Vasconcelos Design e diagramação: Talyta Nogueira Site e Contato: http://fatea.br/fatea/biologia/ biologia@fatea.br Apoio Índice 3 Dia Mundial do

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

NIPE Solar A Energia Solar Térmica de Baixa Temperatura no Brasil: tecnologias, ações e estratégias de disseminação de uso

NIPE Solar A Energia Solar Térmica de Baixa Temperatura no Brasil: tecnologias, ações e estratégias de disseminação de uso Campinas, 06 de Novembro de 2009. (Número 627) Todas as edições do NIPEenergia estão disponíveis na íntegra no site do NIPE: www.nipeunicamp.org.br! NIPE Solar A Energia Solar Térmica de Baixa Temperatura

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES Valéria Pastura 1, Antônio Carlos de A. Mól 1,2,3, Ana Paula Legey 1,2,3, e Celso Marcelo F. Lapa 1,2,3 Instituto

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011 BRICS Monitor Especial RIO+20 Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul Novembro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisas BRICS BRICS

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 O Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) é um banco estatal 3, fundado em 1952, que opera sob a supervisão do ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

Audiência PAINEL 1 DESTAQUES DO CASE

Audiência PAINEL 1 DESTAQUES DO CASE Audiência Os dados eram muito expressivos e demonstravam a força dos jornais, principalmente em suas cidades sede, mesmo quando comparado a outros meios tidos pelo senso comum do mercado como mais fortes.

Leia mais