Professora Diana Silva Grupo de Educação Especial Ano letivo 2010/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professora Diana Silva Grupo de Educação Especial Ano letivo 2010/2011"

Transcrição

1 Professora Diana Silva Grupo de Educação Especial Ano letivo 2010/2011 Este documento serve para partilhar alguns aspectos importantes que tive a oportunidade de reter da formação de Portuguesa. Esta foi desenvolvida no âmbito do Curso Livre de Portuguesa - Nível I, facultado pela Escola Superior de Educação e teve a duração de 50 horas. Foi ministrada pela formadora Professora Lurdes Gonçalves, docente residente na ESEC. Uma vez que a encerra em si mesma uma componente muito prática, apresentarei aqui algumas das suas características, assim como as de quem a utiliza. Uma vez que seria impossível colocar todos os conteúdos aprendidos, irei restringir este trabalho a uma disponibilização do alfabeto gestual português, assim como a apresentação de dois trabalhos práticos levados a cabo na formação.

2 Portuguesa Síntese do Curso Livre desenvolvido pela ESEC Clarificação de conceitos A Portuguesa (LGP) está associada às pessoas que possuem deficiência auditiva. No entanto, ainda se ocorre no erro de as tipificar como surdas-mudas. Esta denominação é antiga, mas vulgarmente atribuída à pessoa com surdez. No entanto, o fato de uma pessoa ser surda não significa que ela seja muda. A mudez é uma outra deficiência, sem conexão direta com a surdez. Na verdade, os surdos que também são mudos, representam uma pequena minoria. Um surdo poderá falar, através do desenvolvimento de exercícios fonoaudiológicos, aos quais são designados de surdos oralizados. A formadora deste curso representa, perfeitamente, esta situação. Nasceu surda, no entanto, desenvolveu um conjunto de exercícios, no seu caso, a maioria por tentativa/erro e, actualmente, consegue expressarnunca ter falado, sem que seja mudo, mas apenas por falta de exercício. se também pela fala. Também é possível um surdo A deficiência auditiva ou surdez é a incapacidade parcial ou total de audição. Pode ocorrer durante a formação do feto ou causada posteriormente por doenças. A Mudez ou Afonia é uma deficiência que indica incapacidade (total ou parcial) de produzir fala. As suas principais causas são físicas, geralmente relacionadas com a garganta, cordas vocais, língua, boca, pulmões, ou outros. Características e curiosidades de uma pessoa surda A maioria das pessoas com surdez possui uma ou mais das características apresentadas: Desconfiança; Insegurança; Teimosia; Determinação. A sua determinação leva à superação de obstáculos e ideias não lhes faltam. Pormenores tão simples, poderiam facilitar imenso as suas vidas. Vejam os seguintes vídeos: Professora Diana Silva 2

3 Portuguesa Síntese do Curso Livre desenvolvido pela ESEC Atitudes assertivas Se a pessoa com esta limitação está inserida num grupo de ouvintes, tem tendência a olhar fixamente para as suas bocas, com o intuito de tentar perceber sobre o que falam. Caso não o consiga fazer, tende a imaginar que estão a falar sobre si. Neste sentido, o melhor é alargarmos a roda do grupo, permitindo que a pessoa com surdez consiga visualizar os olhos e boca do restante grupo. Não podemos esquecer que a chave para uma boa comunicação com uma pessoa surda é o contato visual. Se desejar chamar a atenção de uma pessoa surda, não deverá fazer gestos bruscos ou gritar o seu nome. Em vez disso, procure dar um leve toque no ombro ou no braço dela, fazer um sinal com a mão para outra pessoa chamar a atenção dela. Dependendo da situação e do conhecimento que se tenha da pessoa poderá bater com algum objeto no chão (sente a vibração) ou poderá ligar/desligar a luz. Muitos surdos desenvolvem a aptidão de ler nos lábios, no entanto, os ouvintes cada vez mais se interessam pela sua cultura e forma de comunicação. Neste sentido, procuram aprender. Portuguesa A LGP é a língua gestual através da qual grande parte da comunidade surda, em Portugal, comunica entre si. Tal como o seu nome indica, é processada através de por movimentos das mãos, do corpo e por expressões faciais e a sua captação é visual. Ainda é muito usual referirem-se a esta forma de comunicação como linguagem gestual, no entanto, a LGP possui características que a tornam uma língua tão complexa como a Língua Portuguesa. Resumidamente podemos referir que a LGP: Tem um vocabulário e gramática próprios; É composta, maioritariamente por símbolos arbitrários; É um sistema linguístico; É partilhada por uma comunidade de pessoas que a utilizam como sua forma de expressão mais natural; Possui propriedades como a criatividade e a recursividade; É um sistema em constante renovação e evolução: apresenta o fenómeno da dinâmica linguística. Para acrescentar, como qualquer língua oral, a LGP possui variantes dentro do seu próprio órgão (idioma), alterando, relativamente, de região para região e dependendo do grau de instrução e das profissões dos surdos em cada uma das regiões. Professora Diana Silva 3

4 Portuguesa Síntese do Curso Livre desenvolvido pela ESEC Praticar Deixo aqui alguns recursos para aprender/recordar a LGP. Aprender não custa e conseguir comunicar com as mãos, torna-nos nos ouvintes mais completos! Alfabeto Recursos para aprender palavras Nesta ligação ficam com uma ideia do que nos é solicitado: Músicas e poemas em LGP Desafios em LGP Professora Diana Silva 4

5 Portuguesa Síntese do Curso Livre desenvolvido pela ESEC Trabalho prático 1 das mãos (Ver anexo 1) Este trabalho visou demonstrar como a configuração das mãos, inerentes à comunicação através da LGP, estão presentes no nosso dia-a-dia. Trabalho prático 2 Alfabeto Gestual (Ver anexo 2) Este trabalho teve como objetivo construir um alfabeto e atribuir a cada letra uma palavra aprendida em LGP. A escolha das palavras teve como ponto de partida a didáctica da Língua Portuguesa no 1º Ano de Escolaridade. O objectivo é que este alfabeto gestual sirva como complemento à aquisição dos fonemas, ao mesmo tempo que permitirá o desenvolvimento da. Professora Diana Silva 5

6 Anexo 1 Escola Superior de Educação de Coimbra Curso Livre de Portuguesa - Nível I Professora Lurdes Gonçalves Ano Lectivo 2010/2011 Elaborado por:

7 Uma mão Mão aberta i Garra aberta Um gestual Bico de águia Punaise aberta Indicar Concha

8 Duas mãos Mão aberta g Garra aberta Um gestual Garra fechada Pinça fechada Indicar Concha

9 Anexo 2 c Alfabeto Gestual Curso Livre de Portuguesa - Nível I Escola Superior de Educação de Coimbra Professora Lurdes Gonçalves Ano Lectivo 2010/2011

10 Este trabalho foi realizado no âmbito do. A escolha das palavras teve como ponto de partida a didáctica da Língua Portuguesa no 1º Ano de Escolaridade. O objectivo é que este alfabeto gestual sirva como complemento à aquisição dos fonemas, ao mesmo tempo que permitirá o desenvolvimento da. As imagens foram capturadas do Dicionário de Portuguesa, de Ana Baltazar (edição de 2010) e do motor de busca Google.

11 ÁGUA (2 X)

12 BOLA

13 CÃO (2 X)

14 DEDO

15 ELEFANTE

16 FRIO (3 X)

17 GATO

18 HIPOPÓTAMO (2 X)

19 ILHA

20 JAVALI

21 LEÃO

22 MOTA

23 NOITE

24 OUTONO (3 X)

25 PAI

26 QUATRO

27 REI

28 SAPATO (2 X)

29 TELEFONE

30 UVA (2 X)

31 VESTIDO

32 XAILE

33 ZERO

Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (1º ciclo)

Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (1º ciclo) Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira (1º ciclo) Departamento de Línguas Estrangeiras Ano Letivo 2015/2016 1 Considerações Gerais 1. Pretende-se que a

Leia mais

Identificar e saber utilizar os diferentes tipos de linguagem; Saber as diferentes funções da linguagem e o seu contexto;

Identificar e saber utilizar os diferentes tipos de linguagem; Saber as diferentes funções da linguagem e o seu contexto; LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO MÓDULO 3 A LINGUAGEM Objectivos específicos Explicar o conceito de linguagem; Identificar e saber utilizar os diferentes tipos de linguagem; Distinguir linguagem oral de linguagem

Leia mais

Acerte no discurso e dê o seu recado

Acerte no discurso e dê o seu recado Acerte no discurso e dê o seu recado Escolher as palavras certas e falar com clareza. Aprender a escutar e entender o que as outras pessoas dizem. Estar atento aos gestos, aos movimentos e às expressões

Leia mais

Orientações gerais. Apresentação

Orientações gerais. Apresentação Apresentação O professor no Ensino Fundamental anos iniciais é um profissional polivalente e portanto seu campo de atuação é amplo. Seu dever é aproximar o aluno das quatro áreas do conhecimento: Linguagem

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA Avenida Loja Maçônica Renovadora 68, nº 100 - Aeroporto - Barretos - São Paulo Telefone: (17) 3321-3060 www.facisb.edu.br CURSO DE MEDICINA Atividades

Leia mais

CADERNO DE INTERVENÇÃO EM DISFONIA INFANTIL. Diz a Vozinha. Lia Cancela Ilustrado por: Soraia Sòl

CADERNO DE INTERVENÇÃO EM DISFONIA INFANTIL. Diz a Vozinha. Lia Cancela Ilustrado por: Soraia Sòl CADERNO DE INTERVENÇÃO EM DISFONIA INFANTIL Diz a Vozinha Lia Cancela Ilustrado por: Soraia Sòl Índice 1 - Consciencialização de comportamentos de saúde vocal Oh vozinha quem é o terapeuta da fala? Oh

Leia mais

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos Organizadoras: Francisca Izabel Pereira Maciel Mônica Correia Baptista Sara Mourão Monteiro Estrutura da exposição 1. O contexto

Leia mais

Símbolo Acessível em Libras

Símbolo Acessível em Libras Símbolo Acessível em Libras O símbolo Acessível em Libras foi criado pelo Centro de Comunicação (Cedecom) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), órgão responsável pela produção e divulgação de

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS (LE II) COMPONENTE ESCRITA

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS (LE II) COMPONENTE ESCRITA INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS (LE II) COMPONENTE ESCRITA PROVA 16 2016 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)» INTRODUÇÃO O presente documento visa

Leia mais

ESPANHOL Cont. Ano Letivo 2015/2016 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade

ESPANHOL Cont. Ano Letivo 2015/2016 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2015/2016 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL Cont. 11º Ano de Escolaridade Prova 368 2016 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

Conhecendo o Aluno com Deficiência Física

Conhecendo o Aluno com Deficiência Física I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM DEFICIÊNCIA FÍSICA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno com deficiência física da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

JOGOS COM FOTOGRAFIAS FOTO NOME DESCRIÇÃO

JOGOS COM FOTOGRAFIAS FOTO NOME DESCRIÇÃO MATERIAL DE INTERVENÇÃO JOGOS COM FOTOGRAFIAS FOTO NOME DESCRIÇÃO Fotografias de Sequências Um conjunto de cartões fotográficos que representam atividades de forma sequencial ajudando a desenvolver a perceção

Leia mais

PLANO DE ENSINO LIBRAS

PLANO DE ENSINO LIBRAS PLANO DE ENSINO LIBRAS 1. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: Módulo optativo de Libras PÚBLICO-ALVO: Discentes da FPS PRÉ-REQUISITOS: Não há pré-requisito CARGA HORÁRIA: 40h FREQUENCIA DAS AULAS: 13:30h às 16:45h

Leia mais

Nome: Sexo: ( )F ( )M. 1. Você cursou ou cursa Inglês em uma escola de idiomas ou com professor particular? Sim ( ) Não ( )

Nome: Sexo: ( )F ( )M. 1. Você cursou ou cursa Inglês em uma escola de idiomas ou com professor particular? Sim ( ) Não ( ) 1º Questionário para coleta de dados Nome: Sexo: ( )F ( )M 1. Você cursou ou cursa Inglês em uma escola de idiomas ou com professor particular? Sim ( ) Não ( ) 2. Por quanto tempo? Menos de 1 ano ( ) Entre

Leia mais

Planificação Semanal. Local de estágio: EB nº31 do Lumiar. Professora Cooperante: Cecília Mergulhão. Turma: 3º ano C

Planificação Semanal. Local de estágio: EB nº31 do Lumiar. Professora Cooperante: Cecília Mergulhão. Turma: 3º ano C Planificação Semanal Local de estágio: EB nº31 Lumiar Professora Cooperante: Cecília Mergulhão Turma: 3º ano C Coordenara de Estágio: Mestre Maria de Fátima Santos Discente: Maria de Fátima Ferreira Planificação

Leia mais

b) Oralidade: - Apresentações orais dos textos produzidos observando: Entonação postura clareza

b) Oralidade: - Apresentações orais dos textos produzidos observando: Entonação postura clareza COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Desde 1955 ampliando horizontes Site: grpcesar.seed.pr.gov.br /e-mail:gprcesar@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO DOCENTE/2013 ENSINO FUNDAMENTAL

Leia mais

A prova é constituída por duas partes, prova escrita e prova oral, a ter lugar em datas distintas.

A prova é constituída por duas partes, prova escrita e prova oral, a ter lugar em datas distintas. 2015/2016 ANO DE ESCOLARIDADE: 9º ANO DURAÇÃO DA PROVA ESCRITA: 90 minutos TOLERÂNCIA: 00 minutos DURAÇÃO DA PROVA ORAL: ± 15 MINUTOS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 3.º CICLO - 1.ª e 2.ª

Leia mais

Novas tecnologias ao serviço de uma pedagogia por competências. Ana Isabel Gonçalves Eliseu Alves Manuela Mendes Sónia Botelho

Novas tecnologias ao serviço de uma pedagogia por competências. Ana Isabel Gonçalves Eliseu Alves Manuela Mendes Sónia Botelho Novas tecnologias ao serviço de uma pedagogia por competências Ana Isabel Gonçalves Eliseu Alves Manuela Mendes Sónia Botelho 1 Tecnologia e sociedade de informação A velocidade das mudanças tecnológicas

Leia mais

ANO LETIVO 2012/2013 AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DO PRÉ-ESCOLAR

ANO LETIVO 2012/2013 AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2012/2013 AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DO PRÉ-ESCOLAR 1º PERÍODO Lamego, 14 de janeiro de 2013 INTRODUÇÃO Para uma eficaz monitorização das competências esperadas para cada criança, no final

Leia mais

Conteúdos: Língua, Linguagens e códigos Linguagem verbal e não verbal

Conteúdos: Língua, Linguagens e códigos Linguagem verbal e não verbal Conteúdos: Língua, Linguagens e códigos Linguagem verbal e não verbal Habilidades: Reconhecer a leitura de textos verbais e não verbais como possibilidade de acesso a diferentes informações Valorizar a

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO. Joselaine S. de Castro

ALFABETIZAÇÃO. Joselaine S. de Castro ALFABETIZAÇÃO Joselaine S. de Castro Pressuposto n Preciso conhecer/compreender o fenômeno para poder intervir eficazmente nele. LINGUAGEM Quatro habilidades: Ouvir Falar Ler Escrever n Recebemos: Ouvir

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico

Novo Programa de Português do Ensino Básico Etapa 3 Agora que já conheces algumas características relacionadas com uma apresentação oral para persuadir alguém a ler um determinado livro, está na altura de preparares a tua própria apresentação. O

Leia mais

ESPANHOL Abril de 2015. Prova 15 2015

ESPANHOL Abril de 2015. Prova 15 2015 INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO ESPANHOL Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Apresentações Orais - Dicas para melhorar -

Apresentações Orais - Dicas para melhorar - Apresentações Orais - Dicas para melhorar - Prof. Armando Albertazzi Gonçalves Júnior Outubro de 2013 O Discurso do Rei (George VI) 2 Tópicos da Apresentação Comunicação verbal e não verbal Recursos audiovisuais

Leia mais

1º Ciclo. Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória (a):

1º Ciclo. Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória (a): 1º Ciclo Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória (a): Áreas não disciplinares (b): Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas Físico-motoras Área de projeto

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS - PROVA ESCRITA e ORAL 2016 Prova 16 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 5 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Linguagem Verbal Escrita e Linguagem Escrita Plano de trabalho Nomes próprios Introdução Por que trabalhar com os nomes próprios? As crianças

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO PAOLA RATOLA DE AZEVEDO. Plano de aula

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO PAOLA RATOLA DE AZEVEDO. Plano de aula UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO PAOLA RATOLA DE AZEVEDO Plano de aula Setembro 2012 PAOLA RATOLA DE AZEVEDO Plano de aula Plano de aula apresentado à Faculdade de Educação da Universidade

Leia mais

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de simulação de exame nacional do ensino secundário da disciplina de Matemática A, a realizar no 2º período. O presente documento

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE A PROVA ESCRITA

INFORMAÇÃO SOBRE A PROVA ESCRITA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês (Prova Escrita + Prova Oral) 2016 Prova 06 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

AULA 3 DIREITO EMPRESARIAL

AULA 3 DIREITO EMPRESARIAL AULA 3 DIREITO EMPRESARIAL CAPACIDADE DA PESSOA FÍSICA Capacidade de direito ou capacidade jurídica É a aptidão que a pessoa física possui de exercer direitos e contrair obrigações. O ser humano possui

Leia mais

COMUNICAÇÃO VISUAl NOMES VISUAIS MEU SINAL. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.

COMUNICAÇÃO VISUAl NOMES VISUAIS MEU SINAL. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com. COMUNICAÇÃO VISUAl NOMES VISUAIS MEU SINAL h e l o i r e u m e u m i n h a 9 MEU SINAL s u e l i 10 e l a *Ilustração: IESDE Brasil S.A. 11 MEU SINAL j e f f e r s o n 12 e l e *Ilustração: IESDE Brasil

Leia mais

DANÇA INCLUSIVA: SABERES DOCENTES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA.

DANÇA INCLUSIVA: SABERES DOCENTES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. IV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO: EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE E AÇÃO PEDAGÓGICA Submissão de resumo EIXO TEMÁTICO 6. Processos do ensino e da aprendizagem. CATEGORIA Pôster DANÇA INCLUSIVA: SABERES DOCENTES

Leia mais

REALIZAÇÃO DO TRABALHO

REALIZAÇÃO DO TRABALHO PROJETO DE LEITURA Não basta ter uma biblioteca para a formação de uma comunidade leitora. É preciso, sobretudo, um plano de ação que se preocupe com as práticas de incentivo à leitura. Nós criamos estratégias

Leia mais

Mário Pedro Lisboa, 10 de Outubro de 1998

Mário Pedro Lisboa, 10 de Outubro de 1998 Mário Pedro Lisboa, 10 de Outubro de 1998 O Atletismo jogado O tipo de trabalho proposto destina-se a crianças dos 9 aos 11 anos de ambos os sexos, as sessões de trabalho tem a duração aproximada de 2h

Leia mais

Escola Básica 2,3 Pêro de Alenquer Ano letivo 2015/16 Disciplina: Educação Física, prova escrita e prática Ano de escolaridade: 9º ano

Escola Básica 2,3 Pêro de Alenquer Ano letivo 2015/16 Disciplina: Educação Física, prova escrita e prática Ano de escolaridade: 9º ano Informação DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA º Ciclo do Ensino Básico Escola Básica, Pêro de Alenquer Ano letivo 0/6 Código:6 Disciplina: Educação Física, prova escrita e prática Ano de escolaridade:

Leia mais

Programação de 5º ano 2011 12

Programação de 5º ano 2011 12 Programação de 5º ano 2011 12 Esta programação está organizada com base nos conteúdos a desenvolver ao longo do 5º ano de escolaridade. E é através das situações educativas descritas que se torna possível

Leia mais

Apresentação. Tem um aluno surdo em minha turma! E agora? Camila Francisco Módulo1 Vídeo 1

Apresentação. Tem um aluno surdo em minha turma! E agora? Camila Francisco Módulo1 Vídeo 1 Universidade do Vale do Itajaí Campus Itajaí Tem um aluno surdo em minha turma! E agora? Camila Francisco Módulo1 Vídeo 1 Apresentação Camila Francisco Bacharel em Letras Libras - UFSC Tradutora e intérprete

Leia mais

Regulamento do Concurso de DESENHO

Regulamento do Concurso de DESENHO Évora 2005 Regulamento do Concurso de DESENHO ENQUADRAMENTO O concurso AS PROFISSÕES DA MINHA COMUNIDADE é um concurso integrado no evento a decorrer de 13 a 15 de Abril de 2005, em Évora, organizado pelo

Leia mais

Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua

Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE FORMADORES/AS Projecto Preâmbulo Considerando que o Regime Jurídico de Formação Contínua de Professores/as (RJFCP), aprovado

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA A NÍVEL DE ESCOLA DE INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (PROVA 24)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA A NÍVEL DE ESCOLA DE INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (PROVA 24) MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA A NÍVEL DE ESCOLA DE INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (PROVA 24) 2011 9º Ano de Escolaridade 1. INTRODUÇÃO O exame desta disciplina

Leia mais

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO Tema: Geometria Tópico: Orientação Espacial Posição e localização Mapas, plantas e maquetas Propósito principal de ensino: Desenvolver nos alunos o sentido

Leia mais

Planificação Longo Prazo

Planificação Longo Prazo DEPARTAMENTO 1.º ciclo LETIVO 2016/2017 APOIO AO ESTUDO -Conhecer-se a si mesmo; -A importância do ambiente de estudo; -Conhecer as regras da escola setembro/ outubro -Sentido estético dos trabalhos -Identificar

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2016 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Projeto de Lecionação da Expressão e Educação Físico Motora no 1º Ciclo do Ensino Básico

Projeto de Lecionação da Expressão e Educação Físico Motora no 1º Ciclo do Ensino Básico Universidade Técnica de Lisboa - Faculdade de Motricidade Humana Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário Núcleo de Estágio de Educação Física Agrupamento de Escolas de Alfornelos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2014/2015 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

ATIVIDADES FÍSICAS PARA DEFICIENTES AUDITIVOS: sugestões

ATIVIDADES FÍSICAS PARA DEFICIENTES AUDITIVOS: sugestões Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira ATIVIDADES FÍSICAS PARA DEFICIENTES AUDITIVOS: sugestões Características do Desenvolvimento do Deficiente

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo com PE da Nazaré

Escola Básica do 1º Ciclo com PE da Nazaré Escola Básica do 1º Ciclo com PE da Nazaré A responsável: Mersília Alves Índice Introdução... 3 Caraterização Geral da Turma... 5 Competências Gerais... 6 Objetivos... 7 Propostas gerais de Atividades/Estratégias...

Leia mais

Matemática A COTAÇÕES GRUPO I GRUPO II. Teste Intermédio. Versão 2. Duração do Teste: 90 minutos 29.11.2013. 12.º Ano de Escolaridade. 5...

Matemática A COTAÇÕES GRUPO I GRUPO II. Teste Intermédio. Versão 2. Duração do Teste: 90 minutos 29.11.2013. 12.º Ano de Escolaridade. 5... Teste Intermédio Matemática A Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 29..203 2.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março????????????? COTAÇÕES GRUPO I.... 0 pontos 2.... 0 pontos 3....

Leia mais

Informação sobre a Prova de Exame de Equivalência à Frequência

Informação sobre a Prova de Exame de Equivalência à Frequência Informação sobre a Prova de Exame de Equivalência à Frequência Prova de Francês LEII 3º Ciclo do Ensino Básico Duração da Prova: 90 minutos (escrita); 15 minutos (oral) 1.Objeto de avaliação A prova a

Leia mais

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário INFORMAÇÃO EXAME DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 2016 12º ANO DE ESCOLARIDADE (DECRETO-LEI N.º 139/ 2012, DE 5 DE JULHO) Prova 163 Escrita e Prática

Leia mais

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia Helena Vieira Cruz INTRODUÇÃO Os ganhos decorrentes das experiências vividas pelas crianças em creches e pré-escolas dependem diretamente

Leia mais

Programa de Aprendizagem de Tradução e Interpretação das Línguas Chinesa e Portuguesa Conteúdos Programáticos II Edição

Programa de Aprendizagem de Tradução e Interpretação das Línguas Chinesa e Portuguesa Conteúdos Programáticos II Edição Programa de Aprendizagem de Tradução e Interpretação das Línguas Chinesa e Portuguesa Programáticos II Edição (Primeira Parte) Aprendizagem teórico-técnica (interpretação) Direcção Geral de Interpretação

Leia mais

AÇÃO: REVISITANDO OS GÊNEROS NARRATIVOS A PARTIR DE PRÁTICAS TEATRAIS

AÇÃO: REVISITANDO OS GÊNEROS NARRATIVOS A PARTIR DE PRÁTICAS TEATRAIS (TURMAS DE 1º E 3º anos/ Duração: 04 aulas) CONTEÚDO: GÊNERO PORTFÓLIO DE REGISTRO DE APRENDIZAGEM Depreender o gênero portfólio de registros de aprendizagem, incluindo seus aspectos funcionais, composicionais

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Recursos Humanos 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

ACÇÕES DE FORMAÇÃO COM ACREDITAÇÃO VÁLIDA COM DATA LIMITE PARA INÍCIO DE 2010-06-12 A 2012-11-26

ACÇÕES DE FORMAÇÃO COM ACREDITAÇÃO VÁLIDA COM DATA LIMITE PARA INÍCIO DE 2010-06-12 A 2012-11-26 ACÇÕES DE FORMAÇÃO COM ACREDITAÇÃO VÁLIDA COM DATA LIMITE PARA INÍCIO DE 2010-06-12 A 2012-11-26 Nome: MODELAÇÃO, GEOMETRIA E ÁLGEBRA - METODOLOGIAS E RECURSOS Registo: CCPFC/ACC-61534/09 Destinado a:

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS: O CARTEIRO CHEGOU

GÊNEROS TEXTUAIS: O CARTEIRO CHEGOU PRODUÇÃO b DE TEXTOS E GÊNEROS TEXTUAIS: O CARTEIRO CHEGOU Profª. Ms. Rafaela C. Beleboni Coordenação Pedagógica da Formação Continuada NAME http://ww2.itau.com.br/itaucrianca/index.htm ROTEIRO DAS AULAS

Leia mais

UNIVERSIDAD MILITAR NUEVA GRANADA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PROGRAMA PORTUGUÊS CONTEÚDO E CALENDÁRIO NÍVEL 4- SEGUNDO SEMESTRE DE 2014

UNIVERSIDAD MILITAR NUEVA GRANADA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PROGRAMA PORTUGUÊS CONTEÚDO E CALENDÁRIO NÍVEL 4- SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 UNIVERSIDAD MILITAR NUEVA GRANADA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PROGRAMA PORTUGUÊS CONTEÚDO E CALENDÁRIO NÍVEL 4- SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 No português 4 trabalham-se os vários níveis da linguagem, desde o bem

Leia mais

Guião de Estratégia, Planeamento e Instrumentos Para a Recolha de Dados

Guião de Estratégia, Planeamento e Instrumentos Para a Recolha de Dados Guião de Estratégia, Planeamento e Instrumentos Para a Recolha de Dados De um modo geral, a comunicação permanente e as boas relações com todos os intervenientes serão cruciais. Nesse sentido, deve-se

Leia mais

nós na sala de aula - módulo: inglês 1º ao 3º ano - unidade 3

nós na sala de aula - módulo: inglês 1º ao 3º ano - unidade 3 Com o objetivo de praticar o vocabulário sobre as relações familiares e de permitir que os alunos usem sua criatividade, vamos propor que eles montem uma Family Tree do seu avatar (criado da unidade 1).

Leia mais

Chamada para Multiplicadores Eurodesk Portugal

Chamada para Multiplicadores Eurodesk Portugal Braga, 01 de Julho de 2016 Chamada para Multiplicadores Eurodesk Portugal Eurodesk, o que é? A Agência Erasmus + Juventude em Ação cumpre, para além da sua missão cumprir as responsabilidades delegadas

Leia mais

Planificação INGLÊS 6ºAno Ano letivo 2015-16 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS. - Leitura de textos

Planificação INGLÊS 6ºAno Ano letivo 2015-16 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS. - Leitura de textos Planificação INGLÊS 6ºAno Ano letivo 2015-16 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDOS Teste diagnóstico Atividades recuperação Unidade starter: revisão de identificação pessoal, alfabeto, países

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopa sdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghj klçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc

qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopa sdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghj klçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopa sdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghj Actividades de Emergência klçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc da Consciência Fonológica vbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmq

Leia mais

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 24-A/2012, de 6 de dezembro, bem como o Despacho n.º 15971/2012, de 14 de dezembro..

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 24-A/2012, de 6 de dezembro, bem como o Despacho n.º 15971/2012, de 14 de dezembro.. PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Físico-Química 9º Ano de Escolaridade Prova 11 / 1ª Fase Duração da Prova: 90 minutos. Informações da prova INTRODUÇÃO

Leia mais

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. A) Competências COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. A) Competências COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Informação - Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de: Prova 21 1ª Fase 2013 9º Ano

Leia mais

A TABELA PERÍÓDICA EM LIBRAS COMO INSTRUMENTO DE ACESSIBILIDADE PARA O ESTUDANTE SURDO NO APRENDIZADO DA QUÍMICA. Introdução

A TABELA PERÍÓDICA EM LIBRAS COMO INSTRUMENTO DE ACESSIBILIDADE PARA O ESTUDANTE SURDO NO APRENDIZADO DA QUÍMICA. Introdução A TABELA PERÍÓDICA EM LIBRAS COMO INSTRUMENTO DE ACESSIBILIDADE PARA O ESTUDANTE SURDO NO APRENDIZADO DA QUÍMICA *Deivisson Santos da Silva, Elias de Melo, Joferlândia Grigório Siqueira, Marcos Rogério

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO De acordo com o estipulado no Decreto-Lei nº139/2012 de 5 de julho e do Despacho Normativo nº14/2011, estabelecem-se os seguintes Critérios Gerais de Avaliação, que passarão

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Plano de Ensino 2014

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Plano de Ensino 2014 FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Plano de Ensino 2014 Professor: Carlos de Almeida Departamento: Ciências Complementares Disciplina: LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA Série: 1. ª Turmas: A e B Turno: [ D

Leia mais

A Herança de Paulo Freire

A Herança de Paulo Freire A Herança de Paulo Freire Cinco Princípios-Chave que definem a visão Freiriana de Educação Musical. Eles são: Primeiro Princípio 1. Educação Musical é um Diálogo Alunos e professores apresentam um problema

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS ALEGRETE PIBID

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS ALEGRETE PIBID PROPOSTA DIDÁTICA 1. Dados de Identificação 1.1 Nome do bolsista: Bianca Bitencourt da Silva 1.2 Público alvo: 8º e 9º anos 1.3 Duração: 2,5 horas 1.4 Conteúdo desenvolvido: Operações com números inteiros

Leia mais

A PESSOA COM SURDEZ PROFESSOR ESP. GERALDO VENCESLAU DE LIMA JUNIOR - UFCG

A PESSOA COM SURDEZ PROFESSOR ESP. GERALDO VENCESLAU DE LIMA JUNIOR - UFCG A PESSOA COM SURDEZ PROFESSOR ESP. GERALDO VENCESLAU DE LIMA JUNIOR - UFCG CONCEITO PESSOA COM DEFICIÊNCIA São pessoas que nasceram com algum tipo de deficiência, podendo ser: auditiva, visual, física

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016 INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO LOURENÇO VALONGO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador

Leia mais

Prêmio Viva Leitura. Categoria Escola Pública. Projeto: Leitura como fonte de conhecimento e prazer

Prêmio Viva Leitura. Categoria Escola Pública. Projeto: Leitura como fonte de conhecimento e prazer COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE LAGOA ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PR 281 KM 20 - LAGOA FONE: 41-3674-1053 e-mail : colegioestadualdelagoa@gmail.com Prêmio Viva Leitura Categoria Escola Pública Projeto: Leitura

Leia mais

Ano 2014. É educando. Não: Endereço:... Série 2014:... Identificação do

Ano 2014. É educando. Não: Endereço:... Série 2014:... Identificação do Formulário de Solicitação de d Bolsa de Estudos Ano 2014 É educando (a) matriculado (a) no Colégio Passionista São Paulo da Cruz? Sim: Não: Código Educando (a): Identificação do (a) Educando (a) Data de

Leia mais

FLL1024 - Língua de Sinais Brasileira EAD Departamento de Linguística da FFLCH Universidade de São Paulo - USP

FLL1024 - Língua de Sinais Brasileira EAD Departamento de Linguística da FFLCH Universidade de São Paulo - USP FLL1024 - Língua de Sinais Brasileira EAD Departamento de Linguística da FFLCH Universidade de São Paulo - USP Créditos Aula: 4 Créditos Trabalho: 2 Carga Horária Total: 120 h (Práticas como Componentes

Leia mais

DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC

DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC DEFICIÊNCIA AUDITIVA Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC CONTEUDO - Conceitos; - Filosofias de Comunicação; - Atendimentos Educacionais especializados; - Surdez e L2; - Legislação. OBJETIVOS

Leia mais

Projecto AS LETRAS E OS CINCO SENTIDOS

Projecto AS LETRAS E OS CINCO SENTIDOS Projecto AS LETRAS E OS CINCO SENTIDOS FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Consciência Fonológica Método Distema Segundo Teles (2005) é preciso percebermos que a linguagem é formada por frases, as frases por palavras,

Leia mais

DSATAR. Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional. Norma orientadora nº06/2009

DSATAR. Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional. Norma orientadora nº06/2009 DSATAR Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional Norma orientadora nº06/2009 Assunto: Reconhecimento de formadores para apoio às sessões de formação prática do Curso de Operador de Máquinas

Leia mais

O Processo de Comunicação

O Processo de Comunicação O Processo de Comunicação Sendo o homem um ser social, relaciona-se de modo interdependente com os indivíduos do grupo em que vive. A convivência realiza-se pela comunicação, que pode ser gestual, oral

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DE GINÁSTICA RÍTMICA

REGULAMENTO ESPECIFICO DE GINÁSTICA RÍTMICA REGULAMENTO ESPECIFICO DE GINÁSTICA RÍTMICA (CÓDIGO DE PONTUAÇÃO) 2002-2003 Programa individual: CORDA ARCO BOLA Programa conjuntos: CORDA ARCO BOLA MOVIMENTOS LIVRES INTRODUÇÃO A sistematização dos Desportos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA Este documento contempla as linhas gerais de orientação, para uniformização

Leia mais

A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS

A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS COM HABILITAÇÃO SUPERIOR Em Fevereiro de 2008, o GPEARI do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior publicou o segundo relatório sobre a procura de emprego

Leia mais

Concurso de Livro de Contos Infantis Histórias da Ajudaris: Pequenos Gestos Grandes Corações. Regulamento. Artigo 1º Apresentação

Concurso de Livro de Contos Infantis Histórias da Ajudaris: Pequenos Gestos Grandes Corações. Regulamento. Artigo 1º Apresentação Concurso de Livro de Contos Infantis Histórias da Ajudaris: Pequenos Gestos Grandes Corações Regulamento Artigo 1º Apresentação A Ajudaris, a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) e o Plano Nacional de Leitura

Leia mais

Este documento deve ser dado a conhecer aos alunos para que fiquem devidamente informados sobre o exame que irão realizar.

Este documento deve ser dado a conhecer aos alunos para que fiquem devidamente informados sobre o exame que irão realizar. Exame de equivalência à frequência de Francês - 16 015 3.º Ciclo do Ensino Básico Informação Exame de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características do exame

Leia mais

O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A ALUNOS PORTADORES DE NECESSIDADES VISUAIS E AUDITIVAS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A ALUNOS PORTADORES DE NECESSIDADES VISUAIS E AUDITIVAS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ISSN 2316-7785 O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A ALUNOS PORTADORES DE NECESSIDADES VISUAIS E AUDITIVAS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Alexandre da Silva Universidade Regional Integrado

Leia mais

AEC - ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

AEC - ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR «Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei n.º 22/2008, de 13 de Maio) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9943, válido até 31/12/2014» AEC - ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO

Leia mais

GRELHA DE ANÁLISE DA ENTREVISTA EFETUADA À FUNCIONÁRIA B. A entrevistada tem 52 anos e é casada. 9º ano.

GRELHA DE ANÁLISE DA ENTREVISTA EFETUADA À FUNCIONÁRIA B. A entrevistada tem 52 anos e é casada. 9º ano. GRELHA DE ANÁLISE DA ENTREVISTA EFETUADA À FUNCIONÁRIA B CATEGORIAS DE ANÁLISE SÍNTESE EXCERTOS DAS ENTREVISTAS Caracterização sociodemográfica Idade Sexo Estado civil Grau de escolaridade / habilitações

Leia mais

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades Externato Cantinho Escolar Plano Anual de Atividades Ano letivo 2015 / 2016 Pré-escolar e 1º Ciclo Ação Local Objetivos Atividades Materiais Recursos Humanos Receção dos Fomentar a integração da criança

Leia mais

AGRUPAMENTO GONÇALO MENDES DA MAIA, E.B. 2/3 DA MAIA Escola de Acolhimento e o Assistente Comenius 2011/2012 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

AGRUPAMENTO GONÇALO MENDES DA MAIA, E.B. 2/3 DA MAIA Escola de Acolhimento e o Assistente Comenius 2011/2012 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS AGRUPAMENTO GONÇALO MENDES DA MAIA, E.B. 2/3 DA MAIA Escola de Acolhimento e o Assistente Comenius 2011/2012 I. Descrição das atividades realizadas RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Após a chegada

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à disciplina de: Aplicações Informáticas B. 1. Introdução. Ensino Secundário. Ano letivo de 2011/12

Informação-Prova de Equivalência à disciplina de: Aplicações Informáticas B. 1. Introdução. Ensino Secundário. Ano letivo de 2011/12 Informação-Prova de Equivalência à disciplina de: Aplicações Informáticas B Ensino Secundário Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

Guia de Referência Mobile. SIGEduc Mobile. Elaborado por: SIG Software e Consultoria em Tecnologia da Informação

Guia de Referência Mobile. SIGEduc Mobile. Elaborado por: SIG Software e Consultoria em Tecnologia da Informação Guia de Referência Mobile SIGEduc Mobile Elaborado por: SIG Software e Consultoria em Tecnologia da Informação www.sigsoftware.com.br 1. Introdução O SIGEduc Mobile é uma ferramenta para auxiliar o professor

Leia mais

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução Matriz da Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de: Prova 21 2016 9.º Ano de

Leia mais

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO Ministério do Meio Ambiente O Projeto de Elaboração do Plano de Desenvolvimento Territorial Sustentável Socioambientais Prioritários/Vale do

Leia mais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AOS PROFESSORES QUE TRABALHAM COM SURDOS. 1ª Parte Dados Pessoais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AOS PROFESSORES QUE TRABALHAM COM SURDOS. 1ª Parte Dados Pessoais O presente questionário surge no âmbito de um projecto de mestrado na área da Educação Especial e visa obter opiniões acerca da utilização das tecnologias da informação e comunicação enquanto meio de motivação

Leia mais

D e p a r t a m e n t o d e C i ê n c i a s E x p e r i m e n t a i s G r u p o 5 2 0 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2013/2014

D e p a r t a m e n t o d e C i ê n c i a s E x p e r i m e n t a i s G r u p o 5 2 0 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2013/2014 D e p a r t a m e n t o d e C i ê n c i a s E x p e r i m e n t a i s G r u p o 5 2 0 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2013/2014 Os critérios específicos presentes neste documento constituem uma base

Leia mais

Recursos-chave para Gestores de Projecto Guia 3 Pensamento Crítico Auto-estudo Para o Gestor de Projecto

Recursos-chave para Gestores de Projecto Guia 3 Pensamento Crítico Auto-estudo Para o Gestor de Projecto Guia 3 Pensamento Crítico Auto-estudo Para o Gestor de Projecto Objectivos de aprendizagem Depois de ter lido o material de consulta do Guia de Pensamento Crítico e ter concluído este guia de estudo,

Leia mais

A escrita antes de aprender a escrever, isto é, como as crianças se vão apropriando do sistema de linguagem escrita

A escrita antes de aprender a escrever, isto é, como as crianças se vão apropriando do sistema de linguagem escrita A escrita antes de aprender a escrever, isto é, como as crianças se vão apropriando do sistema de linguagem escrita Escrita pré-silábica Ainda não é determinada por critérios linguísticos. Do ponto de

Leia mais

Estrutura curricular da Licenciatura em Educação Básica 2015/2016

Estrutura curricular da Licenciatura em Educação Básica 2015/2016 Estrutura curricular da Licenciatura em Educação Básica 2015/2016 Sigla Obrigatórios Optativos Educação FEG 18 2 Português FAD 30 Matemática FAD 30 5 Estudo do Meio FAD 30 Expressão Físico-Motora FAD 6

Leia mais

O Envelhecimento em Portugal

O Envelhecimento em Portugal O Envelhecimento em Portugal Situação demográfica e sócio-económica recente das pessoas idosas I. Enquadramento geral As expressões sublinhadas encontram-se explicadas no final do texto Consideram-se pessoas

Leia mais

Checklist. Funções do Corpo

Checklist. Funções do Corpo Checklist Funções do Corpo Nota: Assinale com uma cruz (X), à frente de cada categoria, o valor que considera mais adequado à situação de acordo com os seguintes qualificadores: 0- Nenhuma deficiência;

Leia mais