4D Internet Commands

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4D Internet Commands"

Transcrição

1 4D Internet Commands 4D Internet Commands IC Downloaded Mail IC File Transfer IC IMAP Review Mail IC Internet IC POP3 Review Mail IC Send Mail IC TCP/IP IC UDP IC Utilities Appendixes Novidades Lista alfabética dos comandos

2 4D Internet Commands Prefácio Instalação e requerimentos de software Glossário e terminologia Formato dos parâmetros

3 Prefácio Os comandos Internet de 4D ("4D Internet Commands") oferecem aos usuários de 4D um robusto conjunto de ferramentas de comunicação que permitem trabalhar em todo tipo de rede, local, nacional ou mundial. A máxima expressão desta explosão de conexão se conhece coloquialmente como "Internet". Nos últimos anos foi produzido um enorme crescimento no número de pessoas e empresas com acesso a Internet. Como o volume de pessoas com acesso a Internet aumenta cada dia há maior necessidade de estar "na rede". O conjunto de comandos oferecidos por 4D Internet Commands da aos desenvolvedores de banco de dados 4D acessa a muitos elementos chave de Internet. Os comandos SMTP contém ferramentas para automatizar o envio de correio eletrônico de um banco de dados a uma lista ilimitada de destinatários. Do mesmo modo, os comandos POP3 e IMAP permitem recuperar o de um número ilimitado de caixas de correio para o armazenamento em um banco de dados, redirecionar, dar uma resposta automática ou realizar uma pesquisa remota. Os comandos FTP permitem ao usuário transferir arquivos a/desde sistemas remotos ou obter listados de diretórios de arquivos nos volumes FTP. Os comandos TCP e UDP oferecem aos desenvolvedores ferramentas de baixo nível que lhes permitem executar múltiplas tarefas relacionadas com Internet. O protocolo SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é o principal protocolo de transferência de usado em Internet. 4D Internet Commands permite aos usuários criar e enviar rapidamente através de um servidor SMTP. A criação e o envio de pode ser realizado com somente um comando. Se suas necessidades de entrega de são mais complexas, cada aspecto do cabeçalho, corpo e arquivos adjuntos da mensagem pode ser controlado. Como o Internet pode ser direcionado as redes "privadas" tais como CompuServe, America Online, eworld, etc. pode chegar a praticamente qualquer pessoa com uma conta de . O conjunto de comandos SMTP permite por exemplo: o envio automatizado de estatísticas e de relatórios desde seu banco de dados a criação de um banco de dados de reenvio automático de a gestão de uma lista de (mailing list) a sincronização de banco de dados remotas Junto com seus comandos SMTP, 4D Internet commands também contém comandos que se conectam aos servidores de POP3 (Post Office Protocol, versão 3) ou IMAP (Internet Message Access Protocol) para a recuperação de mensagens eletrônicos e de arquivos adjuntos codificados. Dado que o conjunto de comandos SMTP, POP3 e IMAP cumprem com as normas MIME, múltiplos mensagens e arquivos adjuntos podem ser baixados e guardados facilmente. Os comandos também permitem aos usuários codificar os arquivos adjuntos de diferentes maneiras tais como: Binhex, Base64, AppleSingle, AppleDouble... Os comandos FTP (File Transfer Protocol) oferecem um mecanismo muito fácil de usar para se comunicar com um servidor FTP para enviar/receber arquivos de texto ou binários. Os comandos FTP permitem obter a lista de diretórios de arquivos, facilitando o desenvolvimento de interfaces de navegação para volumes remotos. Os comandos FTP podem ser utilizados facilmente em aplicações de pesquisa de documentos sem necessidade de "montar" os volumes remotos na máquina cliente. O protocolo TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol) é o protocolo principal utilizado para enviar e receber dados através de Internet. 4D Internet Commands contém vários comandos para enviar e receber pacotes TCP. Os comandos TCP oferecem aos desenvolvedores as ferramentas necessárias para construir e controlar suas comunicações em Internet. Além disso, o comando TCP_Open permite a conexão a um servidor em modo seguro utilizando o protocolo SSL (Secured Socket Layer). Alguns exemplos são: Criar sua própria interface telnet Executar instruções em máquinas remotas Recuperar os documentos na World Wide Web Realizar pesquisas nos numerosos bancos de dados em linha Gerenciar sincronizações de bancos de dados com servidores remotos Seguimento de pacotes Federal Express e UPS Conectar-se a um servidor web por https. Nota: Para maior flexibilidade, os comandos Internet de 4D permitem passar diretamente uma referência de conexão POP3, IMAP ou FTP aos comandos de baixo nível TCP e vice-versa. Para obter mais informação, consulte a seção Low Level Routines, Overview. O protocolo UDP (User Datagram Protocol) é um protocolo desconectado que permite o envio e a recepção de dados de modo mais rápido e mais simples que TCP, mas com menor confiança, como não permite a verificação da entrega, comprovação de erros ou a recuperação de dados entregados de forma incorreta.

4 Instalação e requerimentos de software Instalação O plug-in 4D Internet Commands se integra em 4D da mesma forma que os outros plug-ins. 4D Internet Commands está disponível quando instala um produto 4D como o plug-in se instala automaticamente na pasta PlugIns de sua aplicação. Para maior informação sobre a instalação e configuração de plug-ins, consulte a Guia de instalação da linha de produtos 4D. Requerimentos de software 4D Internet Commands requer a mesma configuração do sistema necessária para 4D. Para obter mais informação, consulte a Guia de instalação 4D. Versão 64 bits 4D Internet Commands versão 64 bits deve ser utilizado com 4D Server 64 bits: Windows: 4D Server 64 bits disponível a partir da versão 12.1 OS X: 4D Server 64 bits para OS X disponível a partir da versão 14 R3 Acesso à rede Para poder utilizar os comandos Internet de 4D, deve ter acesso a uma rede que suporte o protocolo TCP/IP. SSL/TLS 4D Internet Commands lhe permite utilizar o protocolo seguro SSL com os comandos de envio de mensagens e de conexão aos servidores de mensagens. Não é necessária uma configuração especial para utilizar este protocolo em 4DIC. Nota: A implementação do SSL/TLS em 4DIC 12.1 utiliza o "método implícito". Servidor de nomes de domínio Para muitos dos comandos Internet de 4D, é necessário ter acesso a um servidor de nomes de domínios (Domain name server ou DNS). Para maior informação, consulte seu administrador de rede. Servidor de SMTP Para enviar utilizando os comandos SMTP, é necessário que o remitente tenha acesso a um servidor de SMTP, o qual enviará a mensagem a um servidor de POP3. Servidor de POP3 Para utilizar os comandos POP3, deve ter uma conta em um servidor de POP3. Servidor de IMAP Para utilizar os comandos IMAP, deve ter uma conta em um servidor de IMAP.

5 Glossário e terminologia Esta seção define muitas das referências realizadas ao longo do manual. As definições são simples e estão dirigidas principalmente a aqueles não familiarizados com as referencias. A seção Terminologia sobre "Formatos dos parâmetros" oferece informação adicional sobre os parâmetros de 4D Internet Commands. NIC: "Network Information Center". Internet é em sua maioria uma entidade não regulada. Não existe uma autoridade central ou de controle sobre seu uso ou crescimento. No entanto, é necessário que um organismo único regule as atribuições de nomes de domínio e de direções IP. El NIC é o grupo responsável de tais tarefas administrativas. RFC: "Request for Comments." A maioria dos comandos Internet de 4D são baseados em estandartes definidos para controlar as comunicações em Internet. As metodologia, descrições e protocolos estandarte utilizados em Internet se definem nos documentos conhecidos como RFCs.Apêndice D, Informações adicionais... contém referencias a alguns sítios web com links a muitos de os documentos RFC. Ainda que 4D Internet Commands simplifica a programação dos acessos a Internet, pode ser útil consultar alguns destes documentos, especialmente se deseja utilizar as rotinas de comunicação TCP de baixo nível. Direções TCP/IP, nomes de servidor e nomes de domínio: uma direção IP é uma referencia a uma máquina específica em algum lugar do mundo. A direção IP tem o formato de uma cadeia que contém quatro valores numéricos separados por pontos (ou seja, " "). Cada parte numérica da direção pode conter um valor entre zero e 255. Aplicando algumas funções matemáticas a uma direção IP, seu valor pode ser ajustado a um número equivalente de tipo Inteiro longo, chamado ip_longint neste manual. Para que um sitio (empresa, universidade, etc.) possa conectar-se a Internet, deve ter algumas garantias para assegurar que suas direções IP não entrem em conflito com outras máquinas na rede. As empresas (e muitas vezes os particulares) registram seu lugar com o NIC para obter um nome de domínio. Os nomes de domínios facilitam a identificação e leitura de direções de Internet. Os nomes de domínios são traduzidos pelo Domain Name System (DNS) a direções numéricas (números IP) utilizadas pela rede. Este sistema permite um formato mais fácil de ler como "www.4d.com" ou "ftp.4d.com". Nome de domínio = "4D.com" Host Name (Nome de servidor) = Direção IP = ip_longint "www.4d.com" = " " = A correspondência entre um nome de host e sua direção IP é guardada em uma base de dados chamada DNS (Domain Name System). Estes servidores se comunicam entre si para trocar os dados novos ou modificados nas listas de nomes de domínios de todo o mundo. O painel de controle TCP/IP oferece um meio para "dirigir" seu computador a um DNS, que será encarregado de traduzir as referencias de nomes de domínio que utilize. É importante entender que todos os servidores de nomes de domínio tem uma direção IP correspondente. No entanto, nem todas as direções IP tem um servidor de nomes de domínios correspondente. Também, uma direção eletrônica tal como não faz referência ao computador específico pessoa ou direção IP desta pessoa. A direção eletrônica dirige a distribuição de à máquina com a direção IP obtida ao converter o domínio "4D.com". O é entregado ao servidor POP3 que é executado nessa máquina, que depois reteria o para seu usuário chamado "jsmith". Nome de domínio: o nome de domínio é uma estrutura de direção utilizada para a identificação e localização de ordenados em Internet. Os nomes de domínios facilitam lembrar as direções de Internet, que possam ser traduzidas pelo Domain Name System (DNS) em direções numéricas (números IP) utilizados pela rede. Um nome de domínio é hierárquico e com frequência transmite informação sobre o tipo de entidade que utiliza o nome de domínio. Um nome de domínio é simplesmente uma etiqueta que representa um domínio, que é um subconjunto do espaço de nomes de domínios total. Os nomes de domínio no mesmo nível da hierarquia devem ser únicos, por exemplo, só pode ter um com nível superior da hierarquia e somente um 4D.com no seguinte nível da hierarquia. Se o nome de sua organização é "NomeEmpresa", poderia registrar o nome de domínio "NomeEmpresa.com" e sua direção de poderia ser Seus clientes também podem acessar ao web site de sua organização, visitando "www.nomeempresa.com" com seu navegador web. Sistema de nomes de domínio (DNS): é um banco de dados distribuído que armazena informação que se utiliza para traduzir nomes de domínios, fáceis de lembrar e utilizar, em números IP, necessários para localizar os ordenados em Internet. Os usuários de todo o mundo conservam sua parte deste banco de dados e os dados em cada porção do banco de dados estão a disposição de todos as máquinas e usuários de Internet. O DNS consta de computadores, arquivos de dados, software e pessoas que trabalham juntas. Codificação: a codificação converte um arquivo em um formato interpretado para todo tipo de sistema operativo (ASCII estandarte). A forma mais comum de codificação é a codificação binária hexadecimal (BinHex). A codificação BinHex é a opção de codificação por padrão para os arquivos adjuntos que são adicionados as mensagens. Enquanto a codificação cria um novo arquivo que é maior que o original, converte a parte dados (data fork) e a parte de recursos (resource fork) de um arquivo em um documento de tipo texto que pode ser enviado como um arquivo adjunto. 4D Internet Commands suporta os métodos de codificação mais comuns, incluindo Binhex, Base64, AppleSingle, AppleDouble, UUEncode e MacBinary. Cifrado: o cifrado se utiliza para codificar intencionalmente o conteúdo das mensagens. As mensagens são cifradas mediante um programa externo de cifrado PGP, com o único propósito de aumentar a privacidade das mensagens. O texto cifrado deve ser decifrado antes de que possa ser lido. 4D Internet Commands NÃO oferece nenhum meio para cifrar texto. Compressão: se utiliza como meio para reduzir o espaço do disco ocupado por um arquivo. Para comprimir um arquivo, pode utilizar uma aplicação tal como StuffIt Deluxe Compact Pro ou WinZip. Estes arquivos devem ser descomprimidos usando a aplicação para devolver o arquivo a seu formato original. As aplicações de compressão agregam geralmente um sufixo ao nome original do arquivo. A continuação se apresentam alguns sufixos comuns e suas respectivas aplicações.

6 NomeArquivo.SIT - aplicação Stuffit NomeArquivo.CPT - aplicação Compact Pro NomeArquivo.DD - aplicação Disk Doubler NomeArquivo.ZIP - aplicação Winzip NomeArquivo.SEA - Self Extracting Archive. Estes arquivos são as aplicações Macintosh auto descomprimir quando o usuário faz duplo clique neles, porque o código de descompressão é incluído. Devido a adição deste código, os arquivos auto extraídos são geralmente maiores que os criados como NomeArquivo.SIT ou NomeArquivo.CPT. No entanto, como o usuário não necessita ter a aplicação de compressão, esta opção pode ser vantajoso para o usuário final. É importante lembrar que uma vez comprimido, um arquivo ainda tem que ser codificado antes da transmissão para assegurar que o arquivo seja transferido adequadamente de uma máquina a outra em seu caminho até seu destino final.

7 Formato dos parâmetros As descrições a continuação oferecem detalhes sobre o significado e o formato dos parâmetros mais utilizados neste manual. nomeservidor Cadeia Nome do servidor (Ex: "www.nomedaempresa.com") ou Endereço IP (Ej: " ") ip_inteirolongo Inteiro longo Referencia de um endereço IP em forma de inteiro longo endereço Texto Ex: listaendereços Texto Ex: or vialocal Texto - Documento Mac: "My Hard Drive:4DDB:SalesDB:Report" Win: "C:\MyDrive\4DDB\SalesDB\Report.txt" - Diretório Mac: "My Hard Drive:CoolStuff:" (Note o ":" final) Win: "C:\MyDrive\CoolStuff\" viaservidor Text - Documento "/usr/jsmith/reports/salesreport.txt" - Diretório "/usr/jsmith/reports/"(note trailing "/") tcp_id Inteiro longo Referencia de uma sessão TCP aberta smtp_id Inteiro longo Referencia de uma nova mensagem pop3_id Inteiro longo Referencia de uma sessão POP3 aberta imap_id Inteiro longo Referencia de uma conexão IMAP aberta ftp_id Inteiro longo Referencia de uma sessão FTP aberta udp_id Inteiro longo Referencia de uma sessão UDP Resultado Inteiro Código de erro hostname O parâmetro nomeservidor é o nome ou o endereço IP do servidor local (HostName), por exemplo "dns.4d.com" ou " ". Os nomes de servidores se convertem por meio de um sistema de nomes de domínio. Os nomes de domínios por padrão (primários) e secundários normalmente se definem no painel de controle do driver TCP/IP instalado. Todo comando de Internet 4D necessita um nomeservidor como parâmetro aceitando seu nome ("www.4d.com") ou seu endereço IP (" "). O formato "nome" sempre é preferível, já que protege a aplicação de efeitos nocivos devidos as mudanças de hardware em lugares remotos. ip_inteiro longo Os nomes dos servidores podem se resolver via os métodos descritos anteriormente aplicados a um endereço IP. As fórmulas matemáticas podem então se aplicar aos endereços IP para converter eles em inteiros longos únicos. Os comandos NET_NameToAddr e NET_AddrToName automatizam esta conversão. Este valor inteiro longo é designado como ip_inteirolongo nesta documentação. Este valor só é utilizado em circunstâncias especiais pelos desenvolvedores que estabelecem comunicação TCP direta. Alguns desenvolvedores também preferem armazenar o valor inteiro longo de um nome de domínio para conservar o espaço em disco comparado com sua cadeia equivalente. No entanto, por razões de compatibilidade com IPV6, 4D não aconselha aos desenvolvedores utilizar esta funcionalidade. mailaddress O parâmetro endereço é uma especificação completa de no formato Neste documento, endereço se refere a um só endereço de correio eletrônico. Todo parâmetro 4D Internet Commands que possa tomar mais de um endereço especificará endereço . Se um parâmetro tem endereço como seu único tipo, pode tomar um e só um endereço de correio eletrônico. O formato de endereço deve ser uma referencia completa que contenha tanto o nome de usuário e como o nome de domínio: "Felix Unger" (Oscar Madison)

8 addresslist O parâmetro listaendereços contém um ou mais endereços eletrônicos no formato de endereço , separadas por vírgula ou um retorno de carro. A delimitação por retorno de carro é útil para oferecer aos usuários uma área de texto que permita introduzir ou colar vários endereços. Os seguintes três exemplos geram um valor $listaendereços válido: For($i;1;Size of array(aaddresses)) $AddressList:=$AddressList+aAddresses{$i}+Char(13) End for vialocal O parâmetro vialocal indica a localização de um arquivo ou de um diretório no ordenador do usuário (Mac ou Windows). Em um Macintosh, os elementos ao interior das pastas estão separados pelos caracteres "dois pontos" (:). Por exemplo, o arquivo "Meu relatório" na pasta "Relatórios" no disco duro "Meu disco duro" será como via de acesso "Meu disco duro:relatórios:meu relatório". Uma especificação de diretório em um Macintosh deve terminar com um caractere "dois pontos". Por exemplo, se quer colocar um novo relatório na pasta indicada anteriormente, deve passar a cadeia "Meu disco duro:relatórios:". A decisão de fazer referencia a um nome de arquivo ou de diretório está relacionada com o contexto do comando. Em Windows, o princípio utilizado é idêntico, a exceção de que uma barra oblíqua inversa "\" se utiliza no lugar de "dois pontos". Nota: Com o protocolo FTP, os nomes dos arquivos manipulados pelos comandos Internet de 4D tem um tamanho limitado. Para maior informação consulte a seção (ver Transferência de arquivos, Apresentação ). viaservidor A viaservidor é a localização de um arquivo ou de um diretório em um ordenador que funciona sob o sistema operativo Unix. No entorno Unix, os diretórios estão separados por barras oblíquas ("/"). Por exemplo, o arquivo "relatório.txt" no diretório "relatórios" do diretório "4D" será designado por "/4D/relatórios/relatório.txt". A via de acesso de um diretório deve terminar com um caractere "/". Note que uma via de acesso completa começa por uma barra oblíqua "/" que representa a raiz do volume. Nota: com o protocolo FTP, os comandos Internet de 4D trabalham com arquivos cujos nomes tem um tamanho limitado. Para mais informação, consulte a seção Transferência de arquivos, Apresentação ). smtp_id, pop3_id, imap_id, ftp_id, tcp_id Ao longo de cada seção de 4D Internet Commands, se faz referencia a um número "ID" na maioria dos comandos. Cada conjunto de funções de comunicação estabelecerão sua própria "sessão", representada por um número inteiro longo "ID". Os comandos posteriores relacionados com a sessão aberta usarão este valor para dirigir seus efeitos pelo canal adequado. Os números "ID" obtidos em cada seção (SMTP, POP3, IMAP, FTP, TCP, UDP), não podem passar como valores as diferentes seções. No entanto, para maior flexibilidade, 4D Internet Commands lhe permite passar uma referencia de conexão POP3, IMAP ou FTP diretamente a comandos TCP de baixo nível e vice-versa. Para obter mais informação, consulte a seção Low Level Routines, Overview. Referencia de sessão Aberta por Fechada por tcp_id TCP_Open or TCP_Listen TCP_Close smtp_id SMTP_New SMTP_Clear pop3_id POP3_Login POP3_Logout or POP3_VerifyID imap_id IMAP_Login IMAP_Logout or IMAP_VerifyID ftp_id FTP_Login FTP_Logout or FTP_VerifyID udp_id UDP_New UDP_Delete Resultado Todos os comandos de Internet 4D (com exceção de IT_ErrorText e IT_Version) devolvem um valor inteiro como resultado da função. Este inteiro contém todo número de erro que o comando deva transmitir de novo ao banco de dados 4D. Se um comando se executa corretamente, se devolve um zero. Caso contrário, se devolve um código de erro. Para obter mais informação sobre os códigos de erro de 4D Internet Commands, consulte Apêndice C, Códigos de erro de 4D Internet Commands.

9 IC Downloaded Mail Downloading de , apresentação MSG_Charset MSG_Delete MSG_Extract MSG_FindHeader MSG_GetBody MSG_GetHeaders MSG_GetMessage MSG_GetPrefs MSG_HasAttach MSG_MessageSize MSG_SetPrefs

10 Downloading de , apresentação Os comandos com prefixo "MSG_" permitem ao usuário manipular as mensagens de que tenham sido guardados como arquivos locais utilizando os comandos POP3_Download ou IMAP_Download descritos na seção anterior. 4D Internet Commands é totalmente compatível com MIME, pode extrair os arquivos adjuntos. Para obter mais informação sobre as normas MIME, consulte os documentos RFC1521, RFC1522 e RFC2045. Uma vez descarregados as mensagens a arquivos locais, os comandos desta seção oferecem uma variedade de funções para manipular os documentos. Estes comandos podem obter informação sobre as partes da mensagem, por separar o cabeçalho do corpo da mensagem, detectar e extrair os arquivos adjuntos, assim como também eliminar os documentos existentes.

11 MSG_Charset MSG_Charset ( decodcabe ; conjcorpos ) -> Resultado decodcabe Inteiro -1 = Utilizar o parâmetro atual, 0 = Não faz nada, 1 = Converter no conjunto de caracteres Mac OS se ISO ou ISO-2022-JP, decodificar os caracteres estendidos conjcorpos Inteiro -1 = Utilizar o parâmetro atual, 0 = Não faz nada, 1 = Converter no conjunto de caracteres Mac OS se ISO ou ISO-2022-JP O comando MSG_Charset automatiza o tratamento dos caracteres estendidos nas mensagens durante o processo com os comandos MSG. Se este comando não é chamado ou os parâmetros estão em 0, 4D Internet Commands versão ou a superior funcionará da mesmo forma que a versão 6.5.x. MSG_Charset permite, em primeiro lugar, definir se os cabeçalhos com caracteres estendidos devem ser decodificados e em segundo lugar, se deve ser convertido o conjunto de caracteres utilizado no corpo da mensagem e nos cabeçalhos. Este comando é especialmente útil para o tratamento de caracteres estendidos incluídos nos cabeçalhos tais como o "Assunto" ou direções de (por exemplo, para decodificar uma direção como =?ISO ?Q?Test=E9?= > ). O parâmetro decodcabe define o tratamento a aplicar aos campos de cabeçalho durante a execução do comando MSG_FindHeader. O valor por padrão é 0. -1: Usar a configuração atual; 0: Não fazer nada; 1: Os cabeçalhos são decodificados se é necessário. Se o cabeçalho é decodificado e se o conjunto de caracteres especificado é ISO ou ISO-2022-JP, os cabeçalhos se convertem utilizando código ASCII Mac OS ou Shift-JIS, respectivamente. O parâmetro conjcorpos define o tratamento a aplicar ao corpo da mensagem durante a execução do comando MSG_GetBody. O valor por padrão é 0. -1: Usar a configuração atual; 0: Não fazer nada; 1: Se o conjunto de caracteres especificado no campo "Body-Content-Type" é ISO ou ISO-2022-JP, o texto do corpo da mensagem se converte utilizando ASCII Mac OS ou Shift-JIS, respectivamente. Nota de compatibilidade (versão 6.8.1): se o comando MSG_Charset não é utilizado e o comando POP3_Charset foi utilizado, os comandos MSG_FindHeader e MSG_GetBody terão em conta os parâmetros de POP3_Charset. Caso se utilize MSG_Charset, serão ignorados os parâmetros de POP3_Charset. Exemplo 1 Utilizando uma versão 6.5.x de 4D Internet Commands: $Err:=MSG_FindHeader($msgfile;"From";$from) $from:=iso to Mac($from) $Err:=MSG_FindHeader($msgfile;"To";$to) $to:=iso to Mac($to) $Err:=MSG_FindHeader($msgfile;"Cc";$cc) $cc:=iso to Mac($cc) $Err:=MSG_FindHeader($msgfile;"Subject";$subject) $subject:=iso to Mac($subject) $Err:=MSG_MessageSize($msgfile;$HdrSize;$BdySize;$msgSize) $Err:=MSG_GetBody($msgfile;0;$BdySize;$BodyContent) $BodyContent:=ISO to Mac($BodyContent) Exemplo 2 Utilizando uma versão ou superior de 4D Internet Commands: $Err:=MSG_Charset(1;1) $Err:=MSG_FindHeader($msgfile;"From";$from) $Err:=MSG_FindHeader($msgfile;"To";$to) $Err:=MSG_FindHeader($msgfile;"Cc";$cc)

12 $Err:=MSG_FindHeader($msgfile;"Subject";$subject) $Err:=MSG_MessageSize($msgfile;$HdrSize;$BdySize;$msgSize) $Err:=MSG_GetBody($msgfile;0;$BdySize;$BodyContent).

13 MSG_Delete MSG_Delete ( nomearquivo ; pasta ) -> Resultado nomearquivo Texto Nome ou via de acesso de arquivo pasta Inteiro 0 = Pasta Messages, 1 = Pasta Attachment O comando MSG_Delete apaga um arquivo local. O parâmetro nomearquivo indica o nome ou a rota de acesso completa do arquivo a apagar. Se houver apenas um nome de arquivo, o parâmetro pasta é levado em conta baseado em: pasta = 0: o arquivo reside na pasta message definida por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs. pasta = 1: o arquivo reside na pasta attachment definida por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs Em ambos casos, se pasta não é definida por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs, a pasta utilizada será a que contém o arquivo de estrutura da base (com 4D autônomo) ou a pasta da aplicação 4D Client (com 4D Server). Nota de compatibilidade (versão 6.8.1): se o comando MSG_SetPrefs não se utiliza, se utilizam os parâmetros msgfolder e attachfolder do comando POP3_SetPrefs; se for utilizado MSG_SetPrefs, os parâmetros do comando POP3_SetPrefs são ignorados. Atenção: este comando deve ser utilizado com precaução porque será apagado TODO arquivo que passe.

14 MSG_Extract MSG_Extract ( nomearquivo ; decode ; pastaattach ; listaadj ) -> Resultado nomearquivo Texto Nome do arquivo (o caminho padrão é a pasta de mensagem) decode Inteiro 0 = Não decodificar, 1 = Decodificar caso seja possível pastaattach Texto Via da pasta (via por padrão na pasta attachment) listaadj Array cadeia Nome de arquivos adjuntos (sem via de acesso) O comando MSG_Extract extrai todos os arquivos adjuntos e os coloca na pasta de arquivos adjuntos. nomearquivo é o nome ou a rota de acesso completa do arquivo do qual extrair os arquivos adjuntos. Se só se dá um nome de arquivo, a rota de acesso por padrão será a da pasta definida por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs (ver a nota de compatibilidade). Se nenhuma pasta foi especificada, a rota por padrão será a da pasta que contém a estrutura do banco de dados (com 4D monousuário) ou a da pasta 4D Client (com 4D Server). O parâmetro decode especifica se deve tentar decodificar o arquivo adjunto. Um valor de zero indica que não se deve tentar decodificar o arquivo adjunto. Um valor de 1 tratará de decodificar o arquivo se foi codificado em uma das seguintes formas: BinHex, AppleSingle, AppleDouble, ou Base64. pastaattach indica a rota de acesso aonde guardar o arquivo adjunto. Se passada uma cadeia vazia, o arquivo será guardado na pasta de arquivos adjuntos especificada por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs (ver a nota de compatibilidade). Se não é especificada a pasta, o arquivo adjunto se guarda na mesma pasta que a estrutura de banco de dados. Nota de compatibilidade (versão 6.8.1): se o comando MSG_SetPrefs não se utiliza, se leva em conta os parâmetros pastamsg e rotadocsadj do comando POP3_SetPrefs; se é utilizado MSG_SetPrefs, os parâmetros pastamsg e rotadocsadj do comando POP3_SetPrefs são ignorados. listaadj é um array alfanumérico/texto que se devolve com os nomes dos arquivos de cada arquivo adjunto. Só o nome do documento será devolvido em cada elemento do array, sem a rota de acesso.

15 MSG_FindHeader MSG_FindHeader ( nomearquivo ; etiqcabe ; valorcabe ) -> Resultado nomearquivo Texto Nome do arquivo etiqcabe cadeia Etiqueta do cabeçalho("de:", "Para:", "Assunto:", etc.) valorcabe Texto Valor Dado o nomearquivo de um documento de mensagem recuperado no disco pelo comando POP3_Download ou IMAP_Download, o comando MSG_FindHeader buscará a seção de cabeçalho de etiqcabe e devolver o valor assinalado ao campo em valorcabe. nomearquivo é o nome ou rota de acesso completo do arquivo do qual extrair a informação do cabeçalho. Se somente é dado um nome de arquivo, a rota de acesso por padrão será a da pasta definida por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs (ver nota de compatibilidade). Se nenhuma pasta foi especificada por POP3_SetPrefs, a rota por padrão será a da pasta que contém a estrutura do banco de dados (com 4D monousuário) ou a pasta de 4D Client (com 4D Server). Nota de compatibilidade (versão 6.8.1): se o comando MSG_SetPrefs não se utiliza, o parâmetro pastamsg definido pelo comando POP3_SetPrefs se terá em conta. Se o comando MSG_SetPrefs se utiliza, o parâmetro definido pelo comando POP3_SetPrefs se ignora. etiqcabe é uma cadeia que contém o nome da etiqueta de cabeçalho. etiqcabe pode fazer referencia a todo cabeçalho definido, especificado pelo usuário ou estendido, tal como "De:", "Para:", "X-MeuCabeçalho", etc. valorcabe é uma variável de texto onde o comando devolverá o valor assinalado ao campo de cabeçalho especificado. Dado que o parâmetro valorcabe pode incluir caracteres estendidos, pode automatizar sua gestão com o comando POP3_Charset ou MSG_Charset. Nota de compatibilidade (versão 6.8.1): se o comando MSG_Charset não se utiliza, o parâmetro conjcorpos definido pelo comando POP3_Charset se utilizará. Se é utilizado o comando MSG_Charset, o parâmetro definido pelo comando POP3_Charset é ignorado.

16 MSG_GetBody MSG_GetBody ( nomearquivo ; offset ; longitude ; textocorpo ) -> Resultado nomearquivo Texto Nome de Arquivo offset Inteiro longo Inicio do offset no corpo da mensagem (0= inicio do corpo) longitude Inteiro longo Número de caracteres textocorpo Texto Texto de corpo (elimina os retornos de linha se Prefs ON) Resultado Inteiro longo Código de erro O comando MSG_GetBody devolve só o texto da mensagem. Não inclui o texto dos arquivos adjuntos e apaga todos os cabeçalhos MIME. nomearquivo é o nome ou rota de acesso completo do arquivo do qual extrair o corpo da mensagem. Se só passa um nome de arquivo, a rota de acesso por padrão será a da pasta definida por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs (ver notas de compatibilidade). Se nenhuma pasta é especificada por POP3_SetPrefs, a rota por padrão será a da pasta que contém a estrutura da base de dados (com 4D monousuário) ou a pasta de 4D Client (com 4D Server). O parâmetro offset permite definir, no corpo, a posição do caracter a partir do qual começar a recuperação. O parâmetro longitude é o número de caracteres a devolver. O parâmetro textocorpo recebe o texto do corpo da mensagem. Este parâmetro pode incluir caracteres estendidos, pode automatizar sua gestão com o comando POP3_Charset ou MSG_Charset (ver notas de compatibilidade). Este parâmetro tem em conta o valor do parâmetro retornolinha definido por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs (ver notas de compatibilidade). Notas de compatibilidade (versão 6.8.1): Se o comando MSG_SetPrefs não se utiliza, será levado em conta os parâmetros pastamsg e retornolinha definidos pelo comando POP3_SetPrefs. Se é utilizado MSG_SetPrefs, os parâmetros definidos pelo comando POP3_SetPrefs são ignorados. Se o comando MSG_Charset não se utiliza, se leva em conta o parâmetro bodycharset definido pelo comando POP3_Charset; se utiliza o comando MSG_Charset, se ignora o parâmetro bodycharset definido pelo comando POP3_Charset.

17 MSG_GetHeaders MSG_GetHeaders ( nomearquivo ; offset ; longitude ; textocabe ) -> Resultado nomearquivo Texto Nome de arquivo offset Inteiro longo Inicio do offset na seção de cabeçalhos(0= inicio do cabeçalho) longitude Inteiro longo Número de caracteres textocabe Texto Texto do cabeçalho (elimina os retornos de linha se Prefs estão ativadas) O comando MSG_GetHeaders devolve o texto bruto da seção de cabeçalho da mensagem. O cabeçalho de uma mensagem POP3 se define como o texto do princípio da mensagem até a primeira ocorrência de duas sequências consecutivas de retorno de carro/retorno linha. nomearquivo é o nome ou a rota de acesso completa do arquivo do qual extrair o cabeçalho. Se só é dado um nome de arquivo, a rota de acesso por padrão será a da pasta definida por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs (ver a nota de compatibilidade). Se nenhuma pasta foi especificada, a rota por padrão será a da pasta que contém a estrutura do banco de dados (com 4D monousuário) ou a da pasta 4D Client (com 4D Server). O parâmetro offset permite definir, no corpo, a posição do caractere a partir do qual começar a recuperação. O parâmetro longitude é o número de caracteres a devolver. A longitude da seção de cabeçalho pode ser determinada com MSG_MessageSize. O parâmetro textocabe recebe o texto do cabeçalho. Este parâmetro leva em conta o valor do parâmetro retornolinha definido por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs. Nota de compatibilidade (versão 6.8.1): se o comando MSG_SetPrefs, não se utiliza, o parâmetro pastamsg definido pelo comando POP3_SetPrefs se levará em conta; Se é utilizado o comando MSG_SetPrefs, o parâmetro definido pelo comando POP3_SetPrefs é ignorado.

18 MSG_GetMessage MSG_GetMessage ( nomearquivo ; offset ; longitude ; textobruto ) -> Resultado nomearquivo Texto Nome de arquivo offset Inteiro longo Inicio do offset no arquivo da mensagem (0= inicio do arquivo) longitude Inteiro longo Número de caracteres textobruto Texto Texto bruto (ignora as Prefs) O comando MSG_GetMessage devolve o texto sem formato da mensagem independentemente dos dados adjuntos. Não elimina os cabeçalhos MIME. nomearquivo é o nome ou a rota de acesso completa do arquivo do qual extrair o corpo da mensagem. Se só passa um nome de arquivo, a rota de acesso por padrão será a da pasta definida por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs (ver Nota de compatibilidade). Se não é especificada nenhuma pasta, a rota por padrão será a pasta que contém a estrutura da base. Nota de compatibilidade (versão 6.8.1): se não é utilizado o comando MSG_SetPrefs, é levado em conta o parâmetro pastamsg definida pelo comando POP3_SetPrefs; se é utilizado MSG_SetPrefs, o parâmetro definido pelo comando POP3_SetPrefs é ignorado. O parâmetro offset permite definir, na mensagem fonte, a posição do caractere a partir da qual começar a recuperação. O parâmetro longitude é o número de caracteres a devolver. O parâmetro textobruto recebe todo o texto da mensagem. São ignorados os parâmetros das preferências para a eliminação dos retornos de linha e os possíveis documentos adjuntos no corpo da mensagem não são eliminados.

19 MSG_GetPrefs MSG_GetPrefs ( retornolinha ; pastamsg ; pastadocsadj ) -> Resultado retornolinha Inteiro 0 = Não retirar os retornos de linha, 1 = Retirar os retornos de linha pastamsg Texto Rota de acesso a pasta de mensagens ("" = sem mudanças) pastadocsadj Texto Rota de acesso à pasta dos documentos adjuntos ("" sem modificação) O comando MSG_GetPrefs permite conhecer as preferências atuais para os comandos MSG. As preferências se devolvem nas variáveis listadas nos parâmetros. O parâmetro retornolinha devolve o parâmetro atual da opção de eliminação dos retornos de linha. O parâmetro pastamsg devolve a rota de acesso local da pasta na qual se registram por padrão as mensagens recuperadas. O parâmetro pastadocsadj devolve a rota de acesso local da pasta na qual são guardados por padrão os documentos adjuntos extraídos das mensagens.

20 MSG_HasAttach MSG_HasAttach ( nomearquivo ; numdocsadj ) -> Resultado nomearquivo Texto Nome de arquivo numdocsadj Inteiro Número de documentos adjuntos Se o arquivo tem documentos adjuntos, o comando MSG_HasAttach devolve no parâmetro numdocsadj o número de documentos adjuntos a mensagem. Um documento adjunto é uma peça adjunta que não está no texto MIME. Se a mensagem não têm documentos adjuntos, devolve 0. nomearquivo é o nome do arquivo ou a rota completa do arquivo no qual verificar a presença dos documentos adjuntos. Se passa só um nome de arquivo, a rota de acesso por padrão será a do arquivo definido por POP3_SetPrefs o MSG_SetPrefs (ver Nota de compatibilidade). Se não foi especificado uma pasta, a rota por padrão da pasta contém a estrutura da base (com 4D monousuário) ou da pasta de 4D Client (com 4D Server). Nota de compatibilidade (versão 6.8.1): se o comando MSG_SetPrefs não é utilizado, é levado em conta o parâmetro pastamsg definido pelo comando POP3_SetPrefs; se é utilizado o comando MSG_SetPrefs, é ignorado o parâmetro definido por POP3_SetPrefs. O parâmetro numdocsadj devolve o número de documentos adjuntos para nomearquivo.

21 MSG_MessageSize MSG_MessageSize ( nomearquivo ; tamcabe ; tamcorpo ; tammsg ) -> Resultado nomearquivo Texto Nome de arquivo tamcabe Inteiro longo Tamanho da seção de cabeçalho (elimina os retornos de linha se Prefs ON) tamcorpo Inteiro longo Tamanho do corpo (ignora as Prefs) tammsg Inteiro longo Tamanho da mensagem ou do arquivo (ignora as Prefs) O comando MSG_MessageSize reenvia informação sobre o tamanho das diferentes partes da mensagem dado por nomearquivo. nomearquivo contém o nome e/ou a rota de acesso de uma mensagem descarregado localmente pelo comando POP3_Download. nomearquivo é o nome ou a rota de acesso completa do arquivo do qual extrair a informação da mensagem. Se passa somente um nome de arquivo, a rota de acesso por padrão será a da pasta definida por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs (ver nota de compatibilidade). Se nenhuma pasta foi especificada por POP3_SetPrefs, a rota por padrão será a da pasta que contém o arquivo de estrutura do banco de dados (com 4D autônomo) ou da pasta de 4D Client (com 4D Server). tamcabe devolve o tamanho da seção do cabeçalho. tamcorpo devolve o tamanho do corpo do texto. Estes dois parâmetros levam em consideração o valor do parâmetro retornolinha definido por POP3_SetPrefs ou MSG_SetPrefs. Nota de compatibilidade (versão 6.8.1): se o comando MSG_SetPrefs não é utilizado, é levado em conta os parâmetros pastamsg e retornolinha definidos pelo comando POP3_SetPrefs. Se o comando MSG_SetPrefs é utilizado, os parâmetros definidos pelo comando POP3_SetPrefs são ignorados. O parâmetro tammsg devolve o tamanho global da mensagem.

22 MSG_SetPrefs MSG_SetPrefs ( retornolinha ; pastamsg ; pastadocsadj ) -> Resultado retornolinha Inteiro 0 = Não eliminar os retornos de linha, 1 = Retirar os retornos de linha, -1 = Não mudar pastamsg Texto Rota de acesso à pasta de mensagens ( = não mudar) pastadocsadj Texto Rota de acesso à pasta de documentos adjuntos ( = não mudar) O comando MSG_SetPrefs define as preferências para todos os comandos MSG. retornolinha permite precisar como tratar os caracteres de retorno de linha nas mensagens descarregados. A maioria de mensagens de Internet combina caracteres retorno de carro e retorno de linha para indicar o final de uma linha. As aplicações Macintosh requerem um retorno de carro como caráter de fim de linha. Esta opção permite aos usuários retirar os caracteres retorno de linha do texto das mensagens. Um valor de zero deixará a mensagem "tal qual". Um valor de um retira os caracteres retorno de linha das mensagens recuperados. Um valor de -1 deixará esta preferência tal como estava definida. Por padrão, esta opção está em 1 e os retornos de linha são eliminados automaticamente nas mensagens. pastamsg é um valor de texto que indica a via de acesso local da pasta na qual as mensagens recuperadas são salvadas por padrão. Nota de compatibilidade (versão 6.8.1): se o comando MSG_SetPrefs não é utilizado, os parâmetros retornolinha e pastamsg do comando POP3_SetPrefs serão levados em conta se este comando foi utilizado previamente. Se o comando MSG_SetPrefs é utilizado, os parâmetros POP3_SetPrefs são ignorados. pastadocsadj é um valor de texto que contém a via de acesso local da pasta na qual são guardados os arquivos adjuntos quando o comando MSG_Extract extrai os documentos adjuntos do corpo da mensagem. Nota de compatibilidade (versão 6.8.1): este parâmetro também é encontrado em POP3_SetPrefs; portanto, pode ser modificado utilizando qualquer destes dois comandos. Lhe recomendamos que utilize o comando MSG_SetPrefs. O parâmetro do comando POP3_SetPrefs, é conservado por razões de compatibilidade, não será utilizado em futuras versões do plug-in (este parâmetro é opcional). Esta recomendação se aplica também ao comando POP3_GetPrefs.

23 IC File Transfer Transferência de arquivos, Apresentação FTP_Append FTP_ChangeDir FTP_Delete FTP_GetDirList FTP_GetFileInfo FTP_GetPassive FTP_GetType FTP_Login FTP_Logout FTP_MacBinary FTP_MakeDir FTP_PrintDir FTP_Progress FTP_Receive FTP_RemoveDir FTP_Rename FTP_Send FTP_SetPassive FTP_SetType FTP_System FTP_VerifyID

24 Transferência de arquivos, Apresentação O protocolo FTP (File Transfer Protocol) é o principal meio de transmissão de documentos e aplicações de um computador a outro. Os "sites" FTP são computadores em todo o mundo que executam um software FTP servidor. O protocolo FTP oferece um meio de intercâmbio de arquivos entre diferentes sistemas. As aplicações clientes em diferentes plataformas podem acessar a um servidor FTP para subir ou descarregar arquivos de texto ou binários. As rotinas de FTP dentro de 4D Internet Commands oferecem aos desenvolvedores as ferramentas para criar clientes FTP dentro de seus bancos de dados 4D. Notas: Durante a especificação das vias de acesso nos comandos FTP, sempre deve ser definido a localização dos arquivos nos sites FTP como um diretório Unix, inclusive se o servidor FTP é um Macintosh executando um software servidor FTP. Qualquer que seja a plataforma, o software do servidor FTP converterá internamente sua via de acesso Unix ao formato requerido para enviar seus documentos aos clientes conectados. Para uma maior flexibilidade, 4D Internet commands permite passar diretamente uma referencia de conexão POP3, IMAP ou FTP diretamente aos comandos TCP de baixo nível e vice-versa. Para maior informação, consulte a seção Os comandos FTP de 4D Internet Commands work with files whose names have a limited length. The following table provides the maximum number of characters based on the OS: Windows OS X 32 bits bits

25 FTP_Append FTP_Append ( ftp_id ; vialocal ; viaservidor ; progresso ) -> Resultado ftp_id Inteiro longo Referencia de uma conexão FTP vialocal Texto Via de acesso local do documento a ser enviado viaservidor Texto Via de acesso servidor para o destino do documento progresso Inteiro 1 = Mostrar progresso, 0 = Ocultar progresso O comando FTP_Append realiza a mesma ação que FTP_Send com a diferença de que adiciona os dados enviados ao final do arquivo existente identificado por viaservidor. A principal função deste comando é adicionar os dados ao final dos arquivos texto pré-existente.

26 FTP_ChangeDir FTP_ChangeDir ( ftp_id ; viaservidor ) -> Resultado ftp_id Inteiro longo Referencia de uma conexão FTP viaservidor Texto Via de acesso a um diretório Unix no servidor FTP O comando FTP_ChangeDir permite designar o diretório de trabalho atual (Current Working Directory ou CWD) no servidor FTP. Nota: Também é possível modificar o diretório de trabalho atual com ajuda dos comandos FTP_GetDirList e FTP_GetFileInfo. No entanto, o comando FTP_ChangeDir é mais rápido e necessita menos parâmetros. ftp_id é o identificador da sessão FTP estabelecida com FTP_Login. O parâmetro viaservidor contém uma via de acesso ao formato Unix referenciando um diretório FTP existente e acessível. Se o diretório FTP especificado é inválido (inexistente ou com direitos de acesso insuficientes), FTP_ChangeDir devolve um erro e não modifica o repertório de trabalho atual. Exemplo O seguinte exemplo designa a raiz do servidor FTP como diretório de trabalho atual: $err:=ftp_changedir(ftp_id;"/")

27 FTP_Delete FTP_Delete ( ftp_id ; viaservidor ) -> Resultado ftp_id Inteiro longo Referencia de uma conexão FTP viaservidor Texto Via de acesso do documento no servidor FTP Dada uma via de acesso a um arquivo no formato de um viaservidor, o comando FTP_Delete apagará o arquivo especificado do servidor FTP remoto. É devolvido um erro se não tem os privilégios de acesso suficientes para realizar esta ação. ftp_id é a referencia inteiro longo da sessão FTP estabelecida com FTP_Login. viaservidor designa a via de acesso ao formato Unix do documento a apagar. Pode passar neste parâmetro uma via de acesso completa ou um simples nome de arquivo. É utilizada a forma abreviada, o arquivo especificado deve estar no diretório de trabalho atual (CWD). Nota: Pode mudar o diretório de trabalho atual (CWD) com o comando FTP_ChangeDir. Também pode conhecer em qualquer momento o diretório de trabalho atual com a ajuda do comando FTP_PrintDir.

28 FTP_GetDirList FTP_GetDirList ( ftp_id ; viaservidor ; nomes ; tams ; tipos ; datasmod ; horasmod ) -> Resultado ftp_id Inteiro Referencia de uma conexão FTP longo viaservidor Texto Via de acesso a um diretório Unix no servidor FTP Diretório de trabalho atual (CWD) nomes Array Lista de nomes cadeia tams Array Lista de tamanhos inteiro longo tipos Array inteiro Lista de tipos 0 = arquivo normal, 1 = diretório, 2 = arquivo especial de tipo bloqueio, 3 = arquivo especial de tipo caráter, 4 = link simbólico, 5 = arquivo especial FIFO, 6 = porta de acesso da familia de direções AF_UNIX datasmod Array Lista das datas de modificação data horasmod Array Lista de horas de modificação inteiro longo O comando FTP_GetDirList devolve a lista dos objetos em um diretório da sessão FTP identificada por ftp_id. A informação sobre os nomes, tamanhos, tipos, datas e horas de modificação dos elementos do diretório se devolve em arrays. Uma conexão ao site FTP deve ter sido aberta por FTP_Login e seguir sendo válida (FTP_VerifyID). O comando FTP_GetDirList substitui ao diretório de trabalho atual (CWD) definido no parâmetro viaservidor. ftp_id é a referencia inteiro longo da sessão FTP estabelecida com FTP_Login. diretorio é um valor de texto no formato de uma viaservidor que faz referência a um diretório FTP. Uma variável ou campo 4D deve ser passado neste parâmetro como o diretório de trabalho atual resultante será devolvido depois da execução do comando. Normalmente, o valor devolvido a este parâmetro será o mesmo que o valor que é passado. No entanto, podem ter casos (como as restrições de acesso) aonde a mudança de diretório não se realiza corretamente. Neste caso, o parâmetro diretório terá a viaservidor ao diretório atual da sessão. Se passada uma cadeia vazia neste parâmetro, os arrays são levados com as listas dos arquivos do diretório atual e a via de acesso do diretório atual do servidor (CWD) é devolvido no parâmetro viaservidor. nomes é um array de tipo alfanumérico ou texto que recebe o nome de cada objeto no diretorio especificado. tams é um array de tipo inteiro longo que recebe o tamanho dos objetos do diretorio. tipos é um array de tipo inteiro que recebe os valores de tipo de cada objeto do diretório. Estes são os valores possíveis e os tipos correspondentes: Tipo Arquivo 0 arquivo ordinário 1 diretório 2 arquivo especial de tipo bloqueio 3 arquivo especial de tipo caráter 4 link simbólico (além dos arquivos ou pastas) 5 arquivo especial FIFO 6 porta de acesso da família AF_UNIX Nota: No caso de um link simbólico (tipo = 4), o servidor FTP devolve uma via particular (Nome de alias + símbolo + via de acesso ao arquivo ou pasta fonte). Se tenta utilizar esta via para acessar ao arquivo ou pasta fonte, é devolvido um erro. Deve extrair a rota de acesso do arquivo ou da pasta de origem da cadeia devolvida por FTP_GetDirList que começa justo depois do caráter simbólico. Caso contrário, os comandos tais como FTP_GetFileInfo devolverão o erro como o arquivo ou pasta não é encontrado. datasmod é um array de tipo data que recebe a data da última modificação de cada objeto do diretorio. horasmod é um array de tipo inteiro longo que recebe a hora da última modificação de cada objeto no diretorio. Lembrete: em 4D, o tipo de array inteiro longo se utiliza para manipular os dados de tipo hora (cada elemento do array representa um número de segundos). Utilize o comando Time string para converter estes valores ao formato HH:MM:SS.

29 FTP_GetFileInfo FTP_GetFileInfo ( ftp_id ; viaservidor ; tamanho ; datasmod ; horasmod ) -> Resultado ftp_id Inteiro longo Referencia de uma conexão FTP viaservidor Texto Via de acesso do documento no servidor FTP tamanho Inteiro longo Tamanho do documento datasmod Data Data de modificação horasmod Hora Hora de modificação O comando FTP_GetFileInfo devolve a informação sobre a última modificação do arquivo designado por viaservidor. ftp_id é o identificador da sessão FTP estabelecida com FTP_Login. viaservidor contém a via de acesso ao documento do qual queira obter informação. Nota: O comando FTP_GetFileInfo pode modificar o diretório de trabalho atual (CWD) se viaservidor é uma via de acesso completa que indica um diretório diferente do diretório de trabalho atual. Neste caso, o diretório definido pelo parâmetro viaservidor se converte no diretório de trabalho atual. tamanho devolve o tamanho do arquivo identificado por viaservidor. datasmod e horasmod devolvem a data e a hora da última modificação do arquivo.

30 FTP_GetPassive FTP_GetPassive ( ftp_id ; modopassivo ) -> Resultado ftp_id Inteiro longo Referencia de uma conexão FTP modopassivo Inteiro Modo de transferência de dados atual 0 = modo ativo, 1 = modo passivo O comando FTP_GetPassive devolve o modo de transferência no canal de transferência de dados. Para maior informação sobre os modos de transferência FTP, consulte a descrição do comando FTP_SetPassive. ftp_id é o identificador da sessão de FTP estabelecida com FTP_Login. modopassivo devolve o modo de transferência atual no canal de transferência de dados: se modopassivo vale 0, o servidor FTP funciona em modo ativo. se modopassivo vale 1, o servidor FTP funciona em modo passivo (modo por padrão).

31 FTP_GetType FTP_GetType ( ftp_id ; ftp_mode ) -> Resultado ftp_id Inteiro longo Referencia de uma conexão FTP ftp_mode cadeia "A" = Ascii; "I" = Image; "L 8" = Logical 8-bit O comando FTP_GetType devolve informação sobre o modo de transferência FTP atual. O modo de transferência pode ser ligado utilizando o comando FTP_SetType. ftp_id é o identificador da sessão FTP estabelecida com FTP_Login. O parâmetro ftp_mode devolve um código que indica o modo de transferência FTP atual.

32 FTP_Login FTP_Login ( nomeservidor ; nomeusuario ; senha ; ftp_id ; textoboasvindas ) -> Resultado nomeservidor cadeia Nome ou direção IP do servidor FTP nomeusuario cadeia Nome do usuário senha cadeia Senha ftp_id Inteiro longo Referencia desta nova sessão FTP textoboasvindas Texto Texto de boas vindas FTP O comando FTP_Login estabelece uma conexão com o servidor FTP em nomeservidor e se conecta ao sistema utilizando o nome de usuário e senha subministrados nomeusuario e senha. nomeservidor é o nome ou a direção IP do servidor remoto. nomeusuario é o nome de uma conta de usuário reconhecida pelo servidor FTP. Muitos servidores FTP suportam o acesso de convidados com um nome de usuário "anônimo". Se conectado de forma anônima, se acostuma dar sua direção de como senha. senha é a senha para o usuário no servidor FTP. ftp_id é o valor inteiro longo que identifica a sessão aberta. Este valor será utilizado pelos seguintes comandos FTP. Este parâmetro deve ser passado como uma variável ou campo 4D com a finalidade de aceitar os resultados devolvidos. textoboasvindas é um parâmetro opcional que contém o texto devolvido quando o usuário se conecta ao sistema. Muitos sites FTP tem uma mensagem de boas vindas que aparece ao momento de inicio de sessão. Se especificado, este parâmetro deve ser passado como uma variável ou campo 4D para aceitar os resultados devolvidos. Exemplo $OK:=False Case of :(FTP_Progress(-1;-1;"Janela de progresso";"recepção do arquivo solicitado ";"*")#0) :(FTP_Send(vFTP_ID;"Meu disco duro:documents ƒ:relatório de vendas de julho";"/pub/reports";1)#0) :(FTP_Logout(vFTP_ID)#0) Else $OK:=True `Todos os comandos executados sem erro End case Nota: Para maior informação sobre este uso particular da estrutura Case of, consulte Apêndice A, Dicas de programação.

33 FTP_Logout FTP_Logout ( ftp_id ) -> Resultado ftp_id Inteiro longo Referencia de uma conexão FTP 0 = sessão fechada corretamente Dada uma referência a uma sessão FTP aberta, o comando FTP_Logout desconecta ao usuário do servidor FTP e libera a memória utilizada pela sessão. Este comando devolverá o valor 0 (zero) no parâmetro ftp_id se o fechamento da sessão é bem sucedido. ftp_id é o identificador da sessão FTP estabelecida com FTP_Login. Exemplo If(FTP_Login("ftp.4d.com";"anonymous";v ID;vFTP_ID;vFTP_Msg)=1) $error:=ftp_send(vftp_id;"meu disco duro:documents:relatório de vendas";"/pub/reports";1) $error:=ftp_logout(vftp_id) End if

34 FTP_MacBinary FTP_MacBinary ( ftp_id ; modomacbinary ) -> Resultado ftp_id Inteiro longo Referencia de uma conexão FTP modomacbinary Inteiro -1 = Obter o parâmetro atual, 1 = Ativar, 0 = Desativar Parâmetro atual (se passado -1) O comando FTP_MacBinary ativa/desativa o modo MacBinary para as transferências FTP utilizando FTP_Send e FTP_Receive na sessão FTP atual identificada por ftp_id. O protocolo MacBinary é usado com frequência por clientes e servidores FTP Macintosh para facilitar a transferência de dados ou de arquivos binários que contém ao mesmo tempo partes de dados (data forks) e parte de recursos (resource fork). Nota para usuários Windows: É possível usar o protocolo MacBinary para as transferências FTP em um ambiente Windows no entanto cabe assinalar que com frequência não tem sentido decodificar um arquivo MacBinary em um computador PC. Os computadores com processadores Intel não podem armazenar arquivos com data forks e resource forks. Como este formato é estranho à plataforma Windows, os arquivos Mac OS que contém uma parte de recursos (resource fork) passam o risco de ser danificados se guardados em um formato não codificado. ftp_id é a referencia inteiro longo da sessão FTP estabelecida com FTP_Login. O parâmetro modomacbinary indica se deve ser ativada ou não o modo de transferência MacBinary. Este valor deve ser passado como uma variável para que o comando possa devolver o estado das transferências MacBinary depois da tentativa de mudança. 1 ativa o modo de transferência MacBinary e zero desativa. -1 devolve em modomacbinary o parâmetro atual do modo de transferência MacBinary (1 ou 0). Atenção: Não todos os servidores FTP suportam o protocolo MacBinary, neste caso o erro é devolvido em cada chamada ao comando FTP_MacBinary, qualquer que seja o valor do parâmetro modomacbinary. Os comportamentos descritos previamente não são mais aplicados. Exemplo Este exemplo ativa o protocolo MacBinary antes da recepção de um arquivo FTP. Se o arquivo se recebe corretamente com o MacBinary ativado, se decodifica em seu formato original e se apaga o documento MacBinary. vusemacbin:=-1 $error:=ftp_macbinary(vftp_id;vusemacbin) If($error=10053) MacBinaryIsSupported:=False `O servidor ftp não suporta o protocolo MacBinary Else MacBinaryIsSupported:=True End if vlocalfile:="" If(MacBinaryIsSupported) vusemacbin:=1 $error:=ftp_macbinary(vftp_id;vusemacbin) `Ativação de MacBinary para o download End if $error:=ftp_receive(vftp_id;"myapplication";vlocalfile;cbshowtherm) If($error=0) & (vusemacbin=1) `Se recebe OK e o arquivo está em formato MacBinary vdecodepath:="" If(IT_Decode(vLocalFile;vDecodePath;8)=0) `Decodificación MacBinary DELETE DOCUMENT(vLocalFile) `Se é decodificada a fonte com sucesso, é apagado o arquivo fonte. End if End if

35 FTP_MakeDir FTP_MakeDir ( ftp_id ; viaservidor ) -> Resultado ftp_id Inteiro longo Referencia de uma conexão FTP viaservidor Texto Via de acesso a um diretório Unix no servidor FTP O comando FTP_MakeDir cria um novo diretório definido pelo parâmetro viaservidor. Se devolve um erro se não tem os direitos necessários para realizar esta operação. ftp_id é a referencia (inteiro longo) da sessão FTP estabelecida com FTP_Login. viaservidor designa a via de acesso em formato Unix do diretório FTP a ser criado. Este parâmetro pode conter uma via de acesso completa ou um simples nome de pasta. Se é utilizado a forma abreviada, o diretório é criado no diretório de trabalho atual CWD. O nome do diretório viaservidor não deve ter espaços vazios. Nota: Pode modificar o diretório de trabalho atual (CWD) utilizando o comando FTP_ChangeDir. Também pode conhecer em qualquer momento o diretório de trabalho atual com ajuda do comando FTP_PrintDir.

36 FTP_PrintDir FTP_PrintDir ( ftp_id ; viaservidor ) -> Resultado ftp_id Inteiro longo Referencia de uma conexão FTP viaservidor Texto Via de acesso Unix a um diretório do servidor FTP O comando FTP_PrintDir devolve o diretório de trabalho atual (CWD) no servidor FTP. Nota: Esta informação também pode ser obtida com a ajuda de FTP_GetDirList passando uma cadeia vazia no parâmetro viaservidor. No entanto, o comando FTP_PrintDir é mais rápido e necessita menos parâmetros. ftp_id é o identificador da sessão FTP estabelecida com FTP_Login. O parâmetro viaservidor devolve a via do diretório de trabalho atual (CWD). Exemplo Este exemplo devolve o diretório de trabalho atual na variável $Cwd. $err:=ftp_printdir(ftp_id;$cwd)

37 FTP_Progress FTP_Progress ( esquerda ; superior ; titulojanela ; textotermo ; cancelar ) -> Resultado esquerda Inteiro Coordenada esquerda da janela superior Inteiro Coordenada superior da janela titulojanela cadeia Título da janela do termômetro textotermo cadeia Texto sobre o termômetro cancelar cadeia Texto do botão Cancelar Nota versão 64 bits OS X Este comando não é suportado com a versão 64 bits de 4D Internet Commands para OS X. Quando é chamado a partir desta plataforma, devolve o erro (função não implementada). O comando FTP_Progress define coordenadas da janela e o texto da caixa de diálogo do indicador de progresso FTP. O indicador de progresso é mostrado ao chamar a FTP_Send, FTP_Append ou FTP_Receive. O comando FTP_Progress não mostra a janela de progresso em si, só define as características de visualização. Os comandos FTP_Send, FTP_Append e FTP_Receive permitem mostrar ou ocultar a janela de progresso. A janela de progresso é fechada automaticamente ao terminar uma transferência de arquivos. Se por alguma razão o tamanho do arquivo que é enviado ou recebido não pode ser determinado, o termômetro será mostrado como um indicador de progresso sem fim e o tamanho do arquivo aparecerá como "desconhecido". esquerda indica a posição do lado esquerdo da janela do termômetro. Se esquerda vale -1, a janela se centra horizontalmente na tela. O parâmetro superior indica a posição do lado superior da janela do termômetro de progresso. Se passado -1 neste parâmetro, a janela se centra verticalmente na tela. O parâmetro titulojanela é o título da janela de progresso do termômetro. No seguinte exemplo, o título da janela é "Recepção de arquivo FTP". Se titulojanela é uma cadeia vazia, janela não terá título. O parâmetro textotermo contém o texto que será mostrado acima do termômetro de progresso. Se textotermo é "*", o texto do estado de transferência, enviado pelo servidor, é mostrado (valor padrão). Este texto varia em função das diferentes etapas do processo de transferência. cancelar é o texto do botão Cancelar. Se passar uma cadeia vazia, o botão Cancelar se oculta. Se passar "*", o texto será o texto por padrão, ou seja "Cancelar". Exemplo $error:=ftp_progress(-1;-1;"getting '/pub/cgminiviewer.hqx'";"*";"*") Case of :(FTP_Receive(vFTP_ID;"/pub/CGMiniViewer.hqx";"HardDrive:Docsƒ:4D";1)#0) :(FTP_Logout(vFTP_ID)#0) Else $OK:=True `Todos os comandos se executam sem erro End case Nota: Para maior informação sobre este uso particular da estrutura Case of, consulte Apêndice A, Dicas de programação.

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação A camada de aplicação fornece os serviços "reais" de rede para os usuários. Os níveis abaixo da aplicação fornecem

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Principais protocolos da Internet. Alexandre Gonçalves Xavier

Principais protocolos da Internet. Alexandre Gonçalves Xavier Principais protocolos da Internet Servidor x Serviço O que é um serviço em uma rede? Servidores Cliente x Servidor Rede Serviços Visualização de Páginas É um serviço baseado em hipertextos que permite

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Universidade Federal do Piauí UESPI Centro de Tecnologia e Urbanismo CTU Ciências da Computação Redes de Computadores 1 Prof. José BRINGEL Filho bringeluespi@gmail.com h?p://bringel.webnode.com/ Capitulo

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web

Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web Apresentação dos protocolos da camada de aplicação do modelo OSI. DNS É mais fácil de lembrar de um nome de host do

Leia mais

Permite o acesso remoto a um computador;

Permite o acesso remoto a um computador; Telnet Permite o acesso remoto a um computador; Modelo: Cliente/Servidor; O cliente faz um login em um servidor que esteja conectado à rede (ou à Internet); O usuário manipula o servidor como se ele estivesse

Leia mais

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP Camadas do Modelo TCP TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES Pilha de Protocolos TCP/IP 1 A estrutura da Internet foi desenvolvida sobre a arquitetura Camadas do Modelo TCP Pilha de Protocolos TCP/IP TCP/IP

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Protocolos de Rede FALANDO A MESMA LÍNGUA Um protocolo pode ser comparado a um idioma, onde uma máquina precisa entender o idioma de outra máquina

Leia mais

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP Programação TCP/IP Protocolos TCP e UDP Tecnologia em Redes de Computadores Unicesp Campus I Prof. Roberto Leal Visão Geral da Camada de Transporte 2 1 Protocolo TCP Transmission Control Protocol Protocolo

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Transferência de arquivos (FTP)

Transferência de arquivos (FTP) Transferência de arquivos (FTP) Protocolo de transferência de arquivos (File Transfer Protocol) Descrito na RFC 959 Usa o TCP, a porta 21 (conexão de controle) e a porta 20 (conexão de dados) Em uma mesma

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

O Protocolo SMTP. Configuração de servidor SMTP

O Protocolo SMTP. Configuração de servidor SMTP O Protocolo SMTP (Simple Mail Transfer Protocol, que se pode traduzir por Protocolo Simples de Transferência de Correio) é o protocolo standard que permite transferir o correio de um servidor a outro em

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Web Designer APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Web Designer APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) Web Designer APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1 FTP... 3 FTP e HTTP... 4 Exercícios... 6 2 Aula 1 FTP FTP significa File Transfer Protocol, traduzindo Protocolo

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Transporte 03/06/2013

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Transporte 03/06/2013 Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Modelo de Referência OSI 1 Segundo Tanenbaum, a camada de transporte não é simplesmente outra

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interafir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade II Estudar, em detalhes, as camadas: Aplicação Apresentação Sessão Redes

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Introdução ao protocolo TCP/IP Camada de aplicação Camada de transporte Camada de rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É o protocolo mais usado da atualidade 1 :

Leia mais

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com SERVIÇOS DE REDES DE COMPUTADORES Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com Modelo TCP/IP É o protocolo mais usado da atualidade

Leia mais

Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede

Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE APLICAÇÃO Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Correio Eletrônico Outlook Express. Prof. Rafael www.facebook.com/rafampsilva rafampsilva@yahoo.com.br

Correio Eletrônico Outlook Express. Prof. Rafael www.facebook.com/rafampsilva rafampsilva@yahoo.com.br Correio Eletrônico Outlook Express Prof. Rafael www.facebook.com/rafampsilva rafampsilva@yahoo.com.br O Microsoft Outlook é o principal cliente de mensagens e colaboração para ajudá-lo a obter os melhores

Leia mais

Internet - A rede Mundial

Internet - A rede Mundial Internet - A rede Mundial Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br O que é? Qual a sua história? Como funciona? Como está organizada? Quais os serviços? Como acessar? Quais os cuidados? Qual

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Servidor de E-mails e Protocolo SMTP Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Definições Servidor de Mensagens Um servidor de

Leia mais

Redes - Internet. Sumário 26-09-2008. Aula 3,4 e 5 9º C 2008 09 24. } Estrutura baseada em camadas. } Endereços IP. } DNS -Domain Name System

Redes - Internet. Sumário 26-09-2008. Aula 3,4 e 5 9º C 2008 09 24. } Estrutura baseada em camadas. } Endereços IP. } DNS -Domain Name System Redes - Internet 9º C 2008 09 24 Sumário } Estrutura baseada em camadas } Endereços IP } DNS -Domain Name System } Serviços, os Servidores e os Clientes } Informação Distribuída } Principais Serviços da

Leia mais

Instruções de operação Guia de segurança

Instruções de operação Guia de segurança Instruções de operação Guia de segurança Para um uso seguro e correto, certifique-se de ler as Informações de segurança em 'Leia isto primeiro' antes de usar o equipamento. CONTEÚDO 1. Instruções iniciais

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 Acessando endereços simultaneamente Parte 2 Um recurso interessante e extremamente útil é o de abrir várias janelas ao mesmo tempo. Em cada janela você poderá acessar um endereço diferente na

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Universidade Federal do Rio Grande do Norte Redes de Computadores - Camada de Aplicação Curso de Engenharia de Software Prof. Marcos Cesar Madruga/Thiago P. da Silva Material basedado em [Kurose&Ross 2009]

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede Entregar um relatório contendo introdução, desenvolvimento e conclusão. A seção desenvolvimento pode conter

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Camada de Aplicação. Prof. Eduardo

Camada de Aplicação. Prof. Eduardo Camada de Aplicação RC Prof. Eduardo Introdução Você sabe que existem vários tipos de programas na Internet? - Talvez você já tenha notado que existem vários programas diferentes para cada um desses tipos.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Prof. BRUNO GUILHEN Vídeo Aula VESTCON MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. A CONEXÃO USUÁRIO PROVEDOR EMPRESA DE TELECOM On-Line A conexão pode ser

Leia mais

FTP - Protocolo. O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores.

FTP - Protocolo. O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores. FTP FTP - Protocolo O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores. A partir do FTP usuários podem receber ou enviar arquivos de ou para outros computadores

Leia mais

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center. Versão 5.4.2

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center. Versão 5.4.2 Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.4.2 2006-2014 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. A menos que seja expressamente concedido por escrito, nenhuma licença é

Leia mais

Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação

Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação Universidade do Sul de Santa Catarina Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação 1 Camada de Transporte Os serviços de transporte incluem os seguintes serviços básicos: Segmentação de dados de aplicações

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

PTA Versão 4.0.6 21/11/2012 Manual do Usuário ÍNDICE

PTA Versão 4.0.6 21/11/2012 Manual do Usuário ÍNDICE ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 Finalidade do Aplicativo... 2 Notas sobre a versão... 2 INSTALAÇÃO DO APLICATIVO... 3 Privilégios necessários para executar o instalador... 3 VISÃO GERAL DO PTA... 4 Quando utilizar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança 3 SERVIÇOS IP 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança Os serviços IP's são suscetíveis a uma variedade de possíveis ataques, desde ataques passivos (como espionagem) até ataques ativos (como a impossibilidade

Leia mais

Enviando e recebendo mensagens através dos protocolos SMTP e POP3

Enviando e recebendo mensagens através dos protocolos SMTP e POP3 Universidade Católica de Salvador Departamento de Engenharia e Informática Disciplina: Teleprocessamento e Redes Enviando e recebendo mensagens através dos protocolos SMTP e POP3 João Gilberto Magalhães

Leia mais

SIMPLE MAIL TRANSFER PROTOCOL (SMTP)

SIMPLE MAIL TRANSFER PROTOCOL (SMTP) UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR 23/04/2001 TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF.: MARCO ANTÔNIO CÂMARA SIMPLE MAIL TRANSFER PROTOCOL (SMTP) CARLOS EDUARDO TEIXEIRA CARVALHO APRESENTAÇÃO O objetivo principal

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Obs: Não há necessidade de entregar a lista Questões do livro base (Kurose) Questões Problemas

Leia mais

Paragon NTFS para Mac OS X

Paragon NTFS para Mac OS X PARAGON Software GmbH Heinrich-von-Stephan-Str. 5c 79100 Freiburg, Germany Tel. +49 (0) 761 59018201 Fax +49 (0) 761 59018130 Internet www.paragon-software.com E-mail sales@paragon-software.com Paragon

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte TCP/IP 2 Introdução à Camada de Transporte As responsabilidades principais da camada de

Leia mais

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.0.2 PDF-SERVER5-A-Rev2_PT Copyright 2013 Avigilon. Todos os direitos reservados. A informação apresentada está sujeita a alteração sem aviso

Leia mais

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.2 PDF-SERVER5-B-Rev1_PT 2006 2014 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. A menos que expressamente concedida por escrito, nenhuma

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

User Manual Version 3.6 Manual do Usuário Versão 2.0.0.0

User Manual Version 3.6 Manual do Usuário Versão 2.0.0.0 User Manual Version 3.6 Manual do Usuário Versão 2.0.0.0 User Manual Manual do Usuário I EasyLock Manual do Usuário Sumário 1. Introdução... 1 2. Requisitos do Sistema... 2 3. Instalação... 3 3.1. Configurar

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Redes de Computadores I Nível de Aplicação ( & ) Prof. Helcio Wagner da Silva. p.1/27

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. O processo de Navegação na Internet A CONEXÃO USUÁRIO

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Capítulo 1 PROTOCOLOS FUNDAMENTAIS DA INTERNET

Capítulo 1 PROTOCOLOS FUNDAMENTAIS DA INTERNET Capítulo 1 PROTOCOLOS FUNDAMENTAIS DA INTERNET protocolos TCP/IP são um conjunto de standards que permitem que computadores de todas marcas e feitios comuniquem entre si Algumas datas históricas: 1968

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Guia do usuário UWTC-REC3. Receptor sem fio para Ethernet. Compre online em omega.com

Guia do usuário UWTC-REC3. Receptor sem fio para Ethernet. Compre online em omega.com INÍCIO RÁPIDO Guia do usuário Compre online em omega.com e-mail: info@omega.com Para obter os manuais de produtos mais recentes: www.omegamanual.info UWTC-REC3 Receptor sem fio para Ethernet O receptor

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Protocolos de Internet (família TCP/IP e WWW) Primeiro Técnico. Prof. Cesar

Protocolos de Internet (família TCP/IP e WWW) Primeiro Técnico. Prof. Cesar Primeiro Técnico Protocolos de Internet (família TCP/IP e WWW) Prof. Cesar 1 TCP - Transmission Control Protocol Esse protocolo tem como principal objetivo realizar a comunicação entre aplicações de dois

Leia mais