LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F."

Transcrição

1 INFORMÁTICA GERAL

2 LEGISLAÇÃO Questão 01: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) De acordo com a Organização Político Administrativa do Estado, o servidor público que, no exercício de sua função, estabelecer cultos religiosos ou mantiver relação de dependência com seus representantes, bem como aliar-se a seus representantes, salvo em caso de colaboração de interesse público, nos termos e limites da lei, estará ferindo a Constituição Federal, assim como o fará caso se recuse a dar fé a documentos públicos ou crie distinção entre brasileiros ou preferências entre si. ( ) É competência exclusiva da União legislar sobre as diretrizes e as bases da educação nacional. O servidor público tem a obrigação de zelar pelo fiel cumprimento das leis, conservar o patrimônio público, cuidar da proteção e da garantia das pessoas portadoras de deficiência, proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação e à ciência; combater as causas da pobreza e os fatores de marginalização, promovendo a integração social dos setores desfavorecidos. ( ) Os Institutos Federais, enquanto instituição de Educação Básica e Superior podem manter programas de Ensino Fundamental com os municípios por meio de cooperação técnica, como, por exemplo, para oferta de PROEJA-FIC, de formação continuada, dentre outros. ( ) Ao ingressar no serviço público federal, o servidor passa a fazer parte da organização da administração pública ficando, assim, obrigado a observar em todos os seus atos, inclusive quando não estiver em horário de trabalho ou exercício da função, os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. A alternativa que apresenta a sequência correta é: a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F. Questão 02: São deveres dos docentes: I. participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino quando convocados pelas autoridades competentes. II. elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo critérios e condições que julgar mais apropriados para a qualidade do ensino a ser ministrado. III. zelar pela aprendizagem dos alunos e estabelecer estratégias de recuperação, inclusive paralela, para os alunos de menor rendimento. IV. ministrar os dias letivos e as horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional. V. colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade sempre que a(s) disciplina(s) que ministra estiver(em) relacionada(s). As afirmativas corretas são APENAS: a) III e IV. b) I, II e V. c) I, II e III. d) II, IV e V. e) II, III e V. 2

3 Questão 03: Marque a alternativa INCORRETA. a) Ao ensinar, os docentes do IF Farroupilha deverão observar, rigorosamente, dentre outros: os princípios da igualdade de condições para a permanência na escola; a gestão democrática do ensino público, na forma da lei; e a garantia de padrão de qualidade. b) É dever do Estado com a educação garantir a educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade, assegurada, inclusive, sua oferta gratuita para todos os que a ela não tiveram acesso na idade própria, além de atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino. Nesse sentido, para cumprir esse dever do Estado, os docentes do IF Farroupilha deverão atuar na educação básica em oferta regular e na Educação de Jovens e Adultos desde que integrada à educação profissional. c) O Estado tem o dever de atendimento ao educando, em todas as etapas da educação básica, por meio de programas suplementares de material didático escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde. d) De acordo com a Constituição Federal (Art. 207) as universidades obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Os Institutos Federais (IFs) por serem instituição de Educação Básica e Superior, mas criados prioritariamente para o Ensino Profissional Técnico em nível médio e para a formação de professores por meio das licenciaturas, podem desenvolver, além do ensino, a pesquisa e a extensão, mas não lhes é exigida essa indissociabilidade prevista para as universidades, uma vez que os IFs não tem a obrigação de se tornar referência em pesquisa e extensão. e) O Instituto Federal Farroupilha, enquanto autarquia tem autonomia de organização didático pedagógica. No entanto, essa autonomia é limitada, pois deverá observar, por exemplo, o plano nacional de educação e demonstrar claramente como sua organização possibilita a melhoria da qualidade de ensino, como garante a formação para o trabalho e como conduz o educando à promoção humanística, científica e tecnológica. Assim, o próprio princípio constitucional que prevê o respeito ao pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas deve ser interpretado de forma restritiva, caso coloque em risco esses objetivos. Questão 04: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) O servidor público docente que não zelar pelo preenchimento do Diário de Classe poderá responder administrativa, civil e criminalmente, por exemplo, por ação, ao não preencher correta e diariamente o Diário de Classe ou por omissão, caso deixe de realizar a chamada a fim de verificar a frequência dos alunos. ( ) Os docentes do IF Farroupilha em regime de dedicação exclusiva com quarenta horas semanais, terão sua jornada de trabalho fixada conforme a necessidade das atribuições pertinentes à docência. Assim, o docente poderá, por exemplo, trabalhar quatro horas no turno matutino e quatro horas no período noturno. Caso o servidor venha a ocupar cargo em comissão ou função de confiança, como Coordenação de Curso, por exemplo, submeter-se-á a regime de integral dedicação ao serviço, podendo ser convocado sempre que houver interesse da Administração. ( ) O servidor público deverá observar, durante o estágio probatório, no desempenho do cargo: assiduidade; disciplina; capacidade de iniciativa; produtividade; responsabilidade. Após decorrido o prazo de dezoito meses, relativo ao estágio probatório, o servidor se torna efetivo e a observação dessas orientações deixa de ser objeto de avaliação para sua progressão e carreira, passando a ser compromisso do servidor público para com a instituição. ( ) É dever de todo servidor público e de qualquer outro cidadão, ao tomar conhecimento do fato, denunciar o colega que receber passagens e diárias destinadas a indenizar as parcelas de despesas extraordinárias com pousada, alimentação e locomoção urbana, não destinadas única e exclusivamente em interesse da administração pública, ou que não restituir os valores, na íntegra ou parcialmente, no prazo de 5 (cinco) dias, quando recebê-los e não se afastar da sede ou retornar antes do prazo previsto. 3

4 ( ) O servidor estudante poderá solicitar horário especial quando comprovar a incompatibilidade entre o horário escolar e o da repartição, desde que não haja prejuízo do exercício do cargo e que sejam compensados os horários de trabalho sem ultrapassar a duração semanal do mesmo. Assim, por exemplo, o servidor poderá concentrar sua jornada de trabalho em três turnos diários para poder realizar seus estudos no tempo restante. A alternativa que apresenta a sequência correta é: a) F - F - F - F - V. b) V - V - F - V - F. c) V - V - V - V - F. d) F - F - V - F - V. e) V - F - V - F - V. Questão 05: Sobre os Institutos Federais, assinale a afirmativa INCORRETA. a) O órgão superior da administração dos IFs é o Colégio de Dirigentes, instância executiva e administrativa de cada Instituto Federal. b) Os Institutos Federais (IFs) podem ofertar educação profissional e tecnológica, em todos os seus níveis e modalidades, desde o ensino fundamental até o doutorado, nos termos limites da legislação vigente desde que com foco na atuação profissional dos educandos. c) A Lei /2008, ao afirmar que o ensino nos IFs deve ser voltado à investigação empírica, faz concluir que o ensino deve considerar a pesquisa aplicada como princípio educativo. d) Os IFs têm a finalidade de promover a integração e a verticalização da educação básica à educação profissional e à educação superior, otimizando a infraestrutura física, os quadros de pessoal e os recursos de gestão. e) Na prática docente, os servidores dos IFs, ao realizar a pesquisa, o ensino e a extensão, devem estimular a produção cultural, o empreendedorismo, o cooperativismo e o desenvolvimento científico e tecnológico. Questão 06: Avalie as proposições a seguir: I. ao servidor docente é permitido, desde que em interesse da docência, ausentar-se do serviço durante o expediente, sem prévia autorização do chefe imediato, e retirar, sem prévia anuência da autoridade competente, qualquer documento ou objeto da repartição, podendo comunicar à autoridade competente e ou à chefia imediata posteriormente. II. antes de dar fé a documentos públicos, o servidor deve analisar o pedido e decidir podendo opor resistência injustificada ao andamento de documento e processo ou execução de serviço no caso de suspeita de erro no documento e/ou processo em andamento. III. trata-se de liberdade de expressão promover manifestação de apreço ou desapreço no recinto da repartição desde que o servidor não venha a valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem, em detrimento da dignidade da função pública. IV. é proibido ao servidor público participar de gerência ou administração de sociedade privada, personificada ou não personificada; exercer o comércio, exceto na qualidade de acionista, cotista ou comanditário; e/ou atuar, como procurador ou intermediário, junto a repartições públicas, salvo quando se tratar de benefícios previdenciários ou assistenciais de parentes até o segundo grau, e de cônjuge ou companheiro. V. o servidor público que utilizar pessoal ou recursos materiais da repartição em serviços ou atividades particulares; que proceder de forma desidiosa; que cometer a outro servidor atribuições estranhas ao cargo que ocupa, exceto em situações de emergência e transitórias; ou exercer quaisquer atividades que sejam incompatíveis com o exercício do cargo ou função e com o horário de trabalho poderá responder a Processo Administrativo Disciplinar. VI. a autoridade que tiver ciência de irregularidade no serviço público é obrigada a promover a sua apuração imediata, mediante sindicância ou processo administrativo disciplinar, assegurada ao acusado ampla defesa. As afirmativas corretas são APENAS: a) III e IV. b) I, II e III. c) I, II e V. d) I, III e VI. e) IV, V e VI. 4

5 Questão 07: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) Ao se atender ao princípio administrativo da publicidade, os servidores devem divulgar amplamente os atos, os programas, as obras e os serviços realizados no setor público. Nesse sentido, é importante que o servidor destaque seu nome, símbolos e/ou imagens que possam destacá-lo em seu trabalho, a fim de que, promovendo-se, promova junto consigo a instituição pública que representa. ( ) A Associação Sindical é livre. No entanto, o direito de greve é limitado por lei. ( ) A Constituição Federal (CF) prevê a acumulação remunerada de cargos públicos quando houver compatibilidade de horários para o exercício de dois cargos de professor ou de um cargo de professor com outro cargo técnico ou científico. Sendo assim, o docente efetivo do Instituto Federal Farroupilha em regime de dedicação exclusiva poderá atuar como docente em outra instituição ou ainda como docente e técnico no mesmo instituto. ( ) Caso algum servidor docente do Instituto Federal Farroupilha venha a causar dano moral a um aluno, colega ou qualquer outro membro da comunidade acadêmica interna ou externa, quem responderá pelos danos é a instituição pública. No entanto, o servidor poderá responder por meio do direito de regresso nos casos de dolo ou culpa. A alternativa que apresenta a sequência correta é: a) V - V - V - F. b) F - V - F - V. c) F - F - F - V. d) V - F - V - F. e) F - V - V - V. Questão 08: Sobre a Educação Profissional no Brasil, analise as afirmações a seguir: I. o Instituto Federal Farroupilha atua, em vários câmpus, com cursos voltados para o atendimento da população rural. Sendo assim, essa instituição pode promover adaptações de conteúdos curriculares e metodologias apropriadas às reais necessidades e aos interesses dos alunos da zona rural, inclusive modificando a organização escolar própria, incluindo adequação do calendário escolar às fases do ciclo agrícola e às condições climáticas para adequação à natureza do trabalho na zona rural. II. os alunos de PROEJA são considerados alunos com atraso escolar e, por isso, a instituição de ensino pode realizar a avaliação do rendimento escolar com vistas à aceleração de estudos. III. é obrigação dos docentes promover a recuperação de estudos, de preferência paralelos ao período letivo, para os casos de baixo rendimento escolar, conforme os regimentos institucionais vigentes. IV. é exigida a frequência mínima de setenta e cinco por cento (75%) do total de horas letivas para a aprovação. Assim, por exemplo, num curso cuja matrícula é por disciplina, o aluno deve ter frequência mínima de 75% da carga horária da disciplina, mas, num curso cuja matrícula é seriada, o aluno deve ter frequência mínima de 75% da carga horária da série, podendo, assim, faltar mais que 25% em uma determinada disciplina da série sem ser reprovado por falta, caso esse percentual não ultrapasse 25% do total do período letivo. V. o ensino da História do Brasil levará em conta as contribuições das diferentes culturas e etnias para a formação do povo brasileiro, especialmente das matrizes indígena, africana e europeia. Esses conteúdos inclusive são transversais e não devem se resumir à oferta na disciplina de História. VI. todos os alunos deverão cursar, obrigatoriamente, no mínimo duas línguas estrangeiras modernas a serem previstas na matriz curricular dos cursos. VII. os currículos do ensino médio devem incluir os princípios da proteção e da defesa civil e a educação ambiental de forma integrada aos conteúdos obrigatórios. É correto afirmar que: a) apenas VI é falsa. b) apenas VI é verdadeira. c) V e VI são falsas. d) I, III e VII são falsas. 5 e) II, IV, VI e VII são verdadeiras.

6 Questão 09: Marque a alternativa INCORRETA. a) O Instituto Federal Farroupilha poderá reclassificar os alunos, inclusive quando se tratar de transferências entre estabelecimentos situados no País e no exterior, tendo como base as normas curriculares gerais. b) O Instituto Federal Farroupilha tem autonomia para organizar o calendário escolar adequando-o às peculiaridades locais, inclusive climáticas e econômicas, possibilitando, assim, que os câmpus tenham calendários acadêmicos diferentes entre si, embora pertencentes ao mesmo Instituto. c) A educação básica poderá organizar-se em séries anuais, períodos semestrais, ciclos, alternância regular de períodos de estudos, grupos não-seriados, com base na idade, na competência e em outros critérios, ou por forma diversa de organização, sempre que o interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar. d) A verificação do rendimento observará como critérios a avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos, e dos resultados ao longo do período sobre os de eventuais provas finais. Assim, por exemplo, embora o aluno tenha reprovado por nota em uma ou duas disciplinas, o conselho de classe final poderá progredi-lo para a etapa seguinte independente da concordância do(s) docente(s) responsável(is) por esta(s) disciplina(s). e) A carga horária mínima anual, no ensino médio, será de oitocentas horas, distribuídas por um mínimo de duzentos dias de efetivo trabalho escolar, incluindo o tempo reservado aos exames finais, quando houver. Questão 10: Marque a alternativa INCORRETA. a) A Educação Profissional e Tecnológica abrange cursos de formação inicial e continuada ou qualificação profissional; de educação profissional técnica de nível médio; e de educação profissional tecnológica de graduação e de pós-graduação. Assim, pode-se afirmar que os Institutos Federais estão aptos a atuar, diretamente ou por meio de parcerias e convênios, em todos os níveis, formas e modalidades de ensino. b) Na Educação Profissional Técnica de Nível Médio, os docentes deverão considerar o trabalho como princípio educativo, a pesquisa como princípio pedagógico e buscar a formação integral do estudante. c) A Educação Profissional Técnica de Nível Médio é desenvolvida nas formas articulada e subsequente ao Ensino Médio. A articulada, por sua vez, é desenvolvida nas seguintes formas: integrada, concomitante, concomitante na forma, uma vez que é desenvolvida simultaneamente em distintas instituições educacionais, mas integrada no conteúdo. A forma concomitante poderá ainda ser por concomitância interna, na qual os alunos fazem o Ensino Médio separado do Ensino Técnico, mas com matrícula na mesma instituição, ou por concomitância externa, quando o aluno está matriculado em duas instituições, podendo fazer, inclusive, o Ensino Médio no Instituto Federal e o Ensino Técnico em outra instituição profissionalizante. d) A Educação de Jovens e Adultos deverá articular-se, preferencialmente, com a educação profissional. Nesse caso, os docentes devem usar metodologias de ensino e avaliação diferenciadas e apropriadas, consideradas as características do alunado, seus interesses, condições de vida e de trabalho. e) Os cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio integrados têm as cargas horárias totais de, no mínimo, 3.000, ou horas, conforme o número de horas, para as respectivas habilitações profissionais indicadas no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos, seja de 800, ou horas. Os cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio, na forma articulada integrada com o Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos, têm a carga horária mínima total de horas. 6

7 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Questão 11: Relacione a segunda coluna com a primeira e marque a alternativa correta. 1. teste de caixa-preta ou black-box test 2. teste de caixa-branca ou white-box test 3. teste de integração 4. teste operacional 5. teste de carga ( ) garante que um ou mais componentes combinados (ou unidades) funcionem corretamente. ( ) o objetivo é testar o código. Às vezes, existem partes do código que nunca foram testadas. ( ) garante que a aplicação pode rodar mais tempo sem falhar. ( ) verifica se a aplicação suporta a quantidade de usuários simultâneos requeridos. a) ( ) testa todas as entradas e saídas desejadas. Não se está preocupado com o código. b) c) d) e) Questão 12: Em algoritmos, na declaração de uma variável do tipo caractere, sabendo que este tipo possui 255 bytes (posições), como é possível limitar o tamanho desta variável para menos posições, a fim de evitar o desperdício de memória: a) Escrevendo a quantidade de bytes antes do nome da variável. b) Colocando colchetes depois do nome com o tamanho dos bytes que a variável irá receber. c) Colocando a quantidade de bytes entre aspas. d) Escrevendo entre parênteses a quantidade de bytes. e) Criando uma função para esta necessidade. Questão 13: Marque V (Verdadeiro) ou F (Falso): ( ) Algoritmo é uma sequência finita e bem definida de passos que, quando executados, realizam uma tarefa específica ou resolvem um problema. ( ) Palavras reservadas, podem ser declaradas para serem utilizadas no código fonte do programa. ( ) Soma, multiplicação, subtração e divisão, são operadores lógicos. ( ) Um tipo de dado booleano só pode assumir dois valores (verdadeiro ou falso). ( ) Um looping (laço) é infinito até que seja satisfeita sua condição de parada. a) F - F - F - F - V. b) V - F - V - F - V. c) F - V - F - V - F. d) V - F - F - V - V. e) V - V - F - F - F. 7

8 Questão 14: Marque V (Verdadeiro) ou F (Falso): ( ) uma estrutura de repetição é usada quando se deseja que um trecho de código seja repetido várias vezes. ( ) uma estrutura de repetição pode ser fixa ou depender de uma condição. ( ) numa estrutura fixa de repetição NÃO é necessária nenhuma forma de controle das repetições. ( ) nas estruturas de número fixo de repetições mais simples, normalmente usa-se uma variável do tipo INTEIRO para a contagem das repetições. ( ) estruturas de repetição não devem ser utilizadas no código do programa para evitar uso excessivo de memória. a) F - V - V - F - F. b) V - F - V - V - V. c) F - F - V - V - F. d) V - V - V - F - F. e) V - V - F - V - F. Questão 15: Em algoritmos, uma estrutura condicional é a estrutura que permite a tomada de decisão. As palavras reservadas para esta estrutura são: a) SOMA, SUBTRAÇÃO, SENÃO, FIM SE. b) SE SENÃO, DIVISÃO, MULTIPLICAÇÃO. c) SE ENTÃO, SENÃO, FIM SE. d) FIM SE, ENTÃO SE, GO TO. e) GO TO, SENÃO, FIM SE. Questão 16: Em algoritmos, são alguns tipos de dados primitivos: a) INTEIRO, REAL, LÓGICO, CARACTERE. b) IRREAL, VAR, LÓGICO, INTEIRO. c) REAL, IRREAL, NUMÉRICO, CARACTERE. d) NUMÉRICO, VAR, LÓGICO, SIMPLES. e) DOUBLE, FLOAT, INTEIRO, CARACTERE. Questão 17: Em algoritmos, como na maioria das linguagens, os comentários têm a função de: a) documentar o código, para facilitar o entendimento futuro ou de terceiros. b) servir somente para poluir o código. c) dificultar o entendimento do código com textos espalhados pelo código fonte. d) serem interpretados/considerados no processo de compilação. e) serem utilizados para a declaração de variáveis. 8

9 Questão 18: Relacione a segunda coluna com a primeira e marque a alternativa correta. 1. Redes Locais 2. Redes Metropolitanas 3. Redes Geograficamente Distribuídas ( ) exemplo conhecido deste tipo de rede é a rede de televisão a cabo, disponível em muitas cidades. ( ) redes contidas em um único edifício ou campus universitário com até alguns quilômetros de extensão. ( ) abrange uma área correspondente a um país ou continente. ( ) tem tamanho restrito com seu tempo de transmissão limitado. a) b) c) d) e) Questão 19: Marque V (Verdadeiro) ou F (Falso). ( ) As constantes e variáveis devem ser declaradas no início do algoritmo. ( ) Num algoritmo cada comando deve terminar com ; (ponto-e-vírgula). ( ) O algoritmo como um todo é um bloco de instruções, então ele precisa ser delimitado pelos comandos início e fim. ( ) Algoritmos são escritos em texto puro, não existindo uma sintaxe pré-definida nem palavras reservadas. ( ) Não é necessário delimitar o início e fim do código do algoritmo. a) V - V - F - F - F. b) F - V - V - F - F. c) V - F - V - V - V. d) V - V - V - F - F. e) F - F - V - V - V. Questão 20: Relacione a segunda coluna com a primeira e marque a alternativa correta. 1. Diagrama de Casos de Uso 2. Diagrama de Sequência 3. Diagrama de Pacotes 4. Diagrama de Interação 5. Diagrama de Atividades ( ) ilustra como os objetos interagem por meio de mensagens. ( ) enfatiza os objetivos e perspectivas do usuário e descrevem como os atores externos interagem com o sistema de software. ( ) mostra uma sequência de ações, muitas das quais podem ser em paralelo. ( ) ilustra a arquitetura lógica de um sistema as camadas, subsistemas, etc. ( ) ilustra as interações de atores e as operações iniciadas por eles. a) b) c) d) e)

10 Questão 21: São formas de descrição de algoritmos: a) variáveis e constantes literais. b) constantes numéricas, expressões aritméticas, declaração de variáveis. c) fluxograma, constantes literais, declaração de variáveis. d) Linguagem natural, Expressões aritméticas, Constantes numéricas. e) pseudo-código, fluxograma, linguagem natural. Questão 22: Marque V ou F e escolha a alternativa correta. ( ) O modelo de referência OSI (Open Systems Interconnection) possui 8 camadas. ( ) O modelo de referência TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol) possui as camadas de Aplicação, Transporte, Inter-redes e Host/Rede. ( ) O protocolo TCP é um protocolo orientado a conexão não-confiável. ( ) Os protocolos TCP e UDP são usados na camada de transporte no modelo TCP/IP. a) V - V - F - F. b) V - V - V - F. c) F - F - V - V. d) V - V - F - V. e) F - V - F - V. Questão 23: Baseada no modelo entidade-relacionamento, marque a alternativa correta. a) A entidade Treino receberá a chave estrangeira da entidade Atleta no modelo lógico. b) A entidade Atleta possui dois atributos, sendo que a instância do codatleta é opcional, ou seja, poderá ser preenchida ou não. c) A entidade Atleta, ao ser convertida para o modelo lógico, deverá receber a chave estrangeira da entidade Treino. d) Cada atleta poderá ter, no máximo, um treino cadastrado no sistema. e) Um treino não pode ser exclusivo de um atleta, pois muitos atletas terão treinos idênticos. 10

11 Questão 24: Tratando-se de operadores lógicos, qual é o resultado da conjunção da coluna A e B: A B A e B a) F - V - V - V. b) F - F - V - V. c) V - F - F - V. d) V - F - V - V. e) F - F - F - V. F F V V F V F V Questão 25: O valor da variável s após a execução do algoritmo abaixo será: algoritmo "valor_s" var t,i,s:inteiro m:vetor [1..3,1..4] de inteiro inicio s <-0 para t <-1 ate 3 faca para i <-1 ate 4 faca m[t,i] <- (t*4) + i + 1 se m[t,i] mod 3=1 entao s <- s + m[t,i] fimse fimpara fimpara escreva(s) fimalgoritmo a) 40. b) 45. c) 46. d) 48. e)

12 Questão 26: O valor da variável X após a execução do algoritmo abaixo será: algoritmo "valor_x" var X:inteiro V:vetor [1..5] de inteiro inicio V[1] <- 2 V[2] <- 4 V[3] <- 1 V[4] <- 3 V[5] <- 5 X <-V[1] + V[4] X <-V[V[2]] - X X <-V[2] + V[V[3]] X <- X - V[V[V[5]]] Escreva (X) fimalgoritmo a) -1 b) 0 c) 1 d) 3 e) 5 Questão 27: Marque a alternativa correta sobre o modelo de referência TCP/IP. a) o protocolo DNS faz parte da camada de Transporte. b) o protocolo da camada inter-redes é o IP (Internet Protocol). c) a camada de aplicação contém o protocolo SATNET. d) o protocolo de correio eletrônico (SMTP) está localizado na camada física. e) o protocolo HTTP está localizado nas camadas de Sessão e Transporte. 12

13 Questão 28: Assinale a alternativa correta: a) o PMBOK (Project Management Body of Knowledge) é um guia de orientação para os profissionais sobre o conhecimento em gerenciamento de projetos e trata-se de uma bibliografia de referência, cujo propósito é identificar e descrever conceitos e práticas de gerenciamento, padronizando a terminologia e os processos utilizados. b) o PMI (Project Management Interface) especifica um conjunto de procedimentos que visam padronizar a teoria associada à gerência de projetos. c) uma notação útil para a a documentação de projeto é a Linguagem Ubíqua de Modelagem (UML Unified Modeling Language). d) no RUP (Rational Unified Process) o projeto é composto somente por 3 fases: concepção, elaboração e construção. e) o Scrum é um framework iterativo e não-incremental para gerenciamento de projetos ágeis. Questão 29: Marque a alternativa correta sobre as fases do processo de software. a) Análise de respostas, projeto de campo, codificação, testes e revalidação. b) Análise de requisitos, projeto, implementação ou codificação, testes e manutenção. c) Análise e avaliação de requisitos, projeto, codificação, testes e manutenção de requisitos e riscos. d) Análise e manutenção de requisitos, projetos de requisitos, implementação, testes de risco e manutenção de riscos. e) Análise e desenvolvimento de requisitos, projeto de campo, codificação, validação de riscos, testes e revalidação da manutenção. Questão 30: Marque a alternativa correta referente ao modelo entidade-relacionamento. a) A tabela intermediária, resultante da conversão do relacionamento (n:m) no modelo lógico, terá como chave primária, o atributo CodProj. b) Um empregado poderá trabalhar em, no máximo, muitos projetos, mas em um projeto, pode trabalhar somente um empregado. c) Um empregado poderá ter diversas funções em um mesmo projeto, sendo que a chave primária composta da tabela intermediária é formada pelos atributos CodProj e CodEmp. d) A tabela intermediária, resultante da conversão do relacionamento (n:m) no modelo lógico, terá como chave primária composta os atributos CodProj e CodEmp. e) A entidade Projeto recebe a chave estrangeira CodEmp da tabela Empregado, na modelagem lógica. 13

14 Questão 31: A linguagem JavaScript foi criada pela Netscape em parceria com a Sun Microsystems, com a finalidade de fornecer um meio de adicionar interatividade a uma página web. JavaScript é uma linguagem desenvolvida para rodar no lado do cliente, isto é, a interpretação e o funcionamento da linguagem dependem de funcionalidades hospedadas no navegador do usuário. Qual o resultado apresentado na caixa de alerta (alert box) após a execução do código JavaScript abaixo? <html> <head> <script type="text/javascript" > var msg=""; for (var i=0; i<=20;i++) { if (i%3 ==2) { if (i== 20){ msg+=i; break; } msg += i + ","; }; }; msg = msg + "," + 20; alert(msg); </script> </head> <body> </body> </html> a) 5,8,11,14,17 b) 5,8,11,14,17,20 c) 2,5,8,11,14,17,20 d) 5,8,11,14,17,20,20 e) 2,5,8,11,14,17,20,20 Questão 32: Qual alternativa abaixo NÃO é uma palavra reservada da linguagem Java? a) if b) then c) break d) while e) case 14

15 Questão 33: Sobre a linguagem Java é correto afirmar: a) a linguagem possui um tipo booleano denominado boolean, usado principalmente para as expressões de controle de suas sentenças de controle (como if e while, por exemplo). b) o método sqrt da classe Math não é estático (static). c) atributos private da superclasse estão acessíveis diretamente para a subclasse. d) ela proporciona suporte à herança múltipla. e) métodos abstratos podem ser declarados em classes não abstratas. Questão 34: Sobre variáveis compostas heterogêneas (registros) é INCORRETO afirmar: a) seus elementos são de tamanhos potencialmente diferentes e residem em posições de memória adjacentes. b) na linguagem C# são suportados por meio do tipo de dados struct. c) a diferença fundamental entre um registro e uma matriz é que elementos de registros, ou campos, não são referenciados por índices. Em vez disso, os campos são nomeados com identificadores, e referências para os campos são feitas usando esses identificadores. d) na linguagem Java são suportados por meio do tipo de dados struct. e) em Python e Ruby, registros podem ser implementados como dispersões, as quais elas próprias podem ser elementos de matrizes. Questão 35: Qual o resultado apresentado no browser após a execução do código PHP abaixo? <?php $palavra = 'abcdefg'; $saida = 'X'; for( $i =1; $i < 4; ++$i) $saida = $saida. substr($palavra,$i,0-$i); echo ($saida);?> a) Xbcde b) Xabcdde c) Xdcdefcde d) Xbcdefcded e) Xabc 15

16 Questão 36: Considerando a linguagem PHP, marque a opção correta quanto à execução da sentença: a) $c = $a % $b; resulta no valor 0 para $c, considerando as variáveis $a e $b inicializadas com 2 e 7, respectivamente. b) $x %= $y; resulta no valor 4, para $x, considerando as variáveis $x e $y, inicializadas com os valores 10 e 3, respectivamente. c) $soma = (int) $y + $x; resulta no valor 5.2 para a variável $soma, considerando as variáveis $y e $x inicializadas com os valores 3.1 e 2.2, respectivamente. d) $w = (int)($x / $y); resulta no valor 0.5 para $w, considerando as variáveis $x e $y inicializadas com os valores 1 e 2, respectivamente. e) $resultado = 8 * $num % 2; resulta no valor 8 para $resultado, considerando a variável $num inicializada com o valor 7. Questão 37: Qual o resultado apresentado no browser após a execução do código PHP abaixo? <?php $i=3; $odd=0; $even=0; switch ($i) { case 1: case 3: $odd+=1; case 2: case 4: $even+=1; case 2.5: $even+=1; default: $odd+=1; $even+=1; } echo 'odd: '. $odd. ' even: '. $even ;?> a) no browser nenhum resultado é apresentado, o que é apresentado é uma mensagem de erro. b) odd: 1 even: 0 c) odd: 2 even: 1 d) odd: 0 even: 0 e) odd: 2 even: 3 16

17 Questão 38: Marque a opção incorreta: a) na linguagem Perl, todos os nomes de variáveis escalares começam com cifrão ($) e todos os nomes de vetores começam com um arroba b) na linguagem JavaScript é possível criar somente um tipo de caixa de diálogo: a caixa de alerta (alert box). c) um dos recursos mais interessantes da linguagem Python é que ela pode ser facilmente estendida por qualquer usuário. Os módulos que suportam as extensões podem ser escritos em qualquer linguagem compilada. Extensões podem adicionar funções, variáveis e tipos de objetos. Essas extensões são implementadas como adições ao interpretador Python. d) na linguagem Ruby, não há necessidade de declarar variáveis, pois a tipagem dinâmica é usada. e) o operador ^ é o operador utilizado para a exponenciação na linguagem Lua. Questão 39: Preencha as lacunas: é uma representação gráfica de algoritmos onde formas geométricas diferentes implicam ações. O também é uma forma de representação e é rica em detalhes, por assemelhar-se bastante à forma em que os algoritmos são escritos. a) Fluxograma; pseudo-código. b) Pseudo-código; dado literal. c) Fluxograma; dado lógico. d) Linguagem de programação; pseudo-código. e) Pseudo-código; fluxograma. Questão 40: Marque V (Verdadeiro) ou F (Falso) e escolha a alternativa correta: ( ) o ciclo de vida clássico requer uma abordagem sistemática, sequencial ao desenvolvimento do software, que se inicia no nível do sistema e avança ao longo da análise, projeto, codificação, teste e manutenção. ( ) a prototipação é um processo que capacita o desenvolvedor a criar um modelo de software que será implementado. Somente quando estiver totalmente pronto, ou seja, depois de todos os refinamentos e passar por todas as fases, é que o software será apresentado ao cliente para avaliação. ( ) o modelo espiral apresenta um novo elemento, seu diferencial em relação aos outros paradigmas, chamado análise de riscos. a) V - F - F. b) F - F - V. c) V - V - V. d) V - F - V. e) F - F - F. 17

18 18 Concurso Público Docente - INFORMÁTICA GERAL

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F.

LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F. LIBRAS LEGISLAÇÃO Questão 01: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) De acordo com a Organização Político Administrativa do Estado, o servidor público que, no exercício de

Leia mais

INFORMÁTICA/ENGENHARIA DE SOFTWARE E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INFORMÁTICA/ENGENHARIA DE SOFTWARE E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO INFORMÁTICA/ENGENHARIA DE SOFTWARE E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LEGISLAÇÃO Questão 01: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) De acordo com a Organização Político Administrativa

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F.

LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F. FINANÇAS E ECONOMIA LEGISLAÇÃO Questão 01: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) De acordo com a Organização Político Administrativa do Estado, o servidor público que, no

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica Fixa normas preliminares visando à adaptação da legislação educacional do Sistema Estadual de Ensino às disposições da Lei

Leia mais

LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino

LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino Disciplina a organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Mococa e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

Art. 3º Os detentores de cargo de Educador Infantil atuarão exclusivamente na educação infantil.

Art. 3º Os detentores de cargo de Educador Infantil atuarão exclusivamente na educação infantil. LEI Nº 3464/2008 de 20.03.08 DÁ NOVA DENOMINAÇÃO AO CARGO DE MONITOR, INCLUI SEUS OCUPANTES NO PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL DE FRANCISCO BELTRÃO, NA ÁREA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014 Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação Resolução COMEV Nº. 01/2014 Fixa normas relativas à Organização e Funcionamento do Ciclo Inicial de Aprendizagem do Ensino Fundamental na

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES (11.788, DE 25/09/2008) Definição Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização para ajuste de jornada de trabalho

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

PROJETO DE LEI. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

PROJETO DE LEI. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Dispõe sobre a regulamentação e o funcionamento do Sistema de Organização Modular de Ensino SOME, no âmbito da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, e dá outras Providências. Lei: A

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO Art. 1º O Sistema de Avaliação tem por objetivo acompanhar o processo de ensinoaprendizagem, visando ao desenvolvimento

Leia mais

Disciplina Estrutura e Funcionamento da. Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido

Disciplina Estrutura e Funcionamento da. Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido Disciplina Estrutura e Funcionamento da Educação básicab Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido Ementa da Disciplina Os caminhos da educação brasileira. A estrutura e organização do ensino no

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS O Conselho Acadêmico Superior (CAS), no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto da Universidade Positivo (UP), dispõe sobre as normas acadêmicas dos cursos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn INSTITUI O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO E ESTABELECE NORMAS PARA A CONCESSÃO DE HORÁRIO PARA SERVIDORES ESTUDANTES, AFASTAMENTO PARA ESTUDOS E PROMOÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. As Práticas de Campo do Curso de Enfermagem parte integrante

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE DOS CENTROS SEÇÃO II DOS DEPARTAMENTOS Art. 10. Os Departamentos que desenvolverão atividades de ensino, NAS MODALIDADES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA, em nível de graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 183, de 19 de novembro de 2013. Estabelece diretrizes operacionais para a. Art. 2º A avaliação do processo ensinoaprendizagem

RESOLUÇÃO Nº 183, de 19 de novembro de 2013. Estabelece diretrizes operacionais para a. Art. 2º A avaliação do processo ensinoaprendizagem RESOLUÇÃO Nº 183, de 19 de novembro de 2013. Estabelece diretrizes operacionais para a avaliação do processo ensino-aprendizagem nos estabelecimentos de ensino de Educação Básica e Profissional Técnica

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a oferta de cursos de pósgraduação lato sensu

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Prefessor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS EDUCAÇÃO INFANTIL Maternal I ao jardim II Faixa etária:

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA EDITAL DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÕES EM COMPUTAÇÃO MACK COMPUTING CERTIFICATION MCC 2º SEMESTRE DE 2014 O Diretor da Faculdade de Computação e Informática (FCI), no uso de suas atribuições estatutárias

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos cursos e idade mínima para ingresso nos cursos de EJA; idade mínima

Leia mais

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996.

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996. RESOLUÇÃO N 008, DE 17 DE ABRIL DE 1996, DO DIRETOR DA FMTM. Fixa diretrizes e normas para os Cursos da Central de Idiomas Modernos - CIM. O DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

PORTARIA Nº 1015/GAB, DE 21 DE JULHO DE 2008.

PORTARIA Nº 1015/GAB, DE 21 DE JULHO DE 2008. PORTARIA Nº 1015/GAB, DE 21 DE JULHO DE 2008. O DIRETOR GERAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais, resolve: Art. 1º - Aprovar as Normas Acadêmicas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013

RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013 RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013 O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições regulamentares e, considerando

Leia mais

APROVAR as normas para concessão de afastamento para pós-graduação aos servidores do IF-SC. CAPÍTULO I DOS TIPOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

APROVAR as normas para concessão de afastamento para pós-graduação aos servidores do IF-SC. CAPÍTULO I DOS TIPOS DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO N o 019/2012/CDP Florianópolis, 03 de maio de 2012. A PRESIDENTE DO DO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Regimento Geral do IF-SC e pelo

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR Art. 1º O presente Regimento trata do Estágio Curricular dos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS MANUAL DO BOLSISTA Núcleo de Atenção Solidária NAS Sumário 1 - Bolsa de Estudo... 2 2 - Tipos de Bolsas de Estudo... 2 - ProUni... 2 Eventuais Programas de Bolsas de Estudo:... 2 - Vestibular Social....

Leia mais

Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará.

Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará. RESOLUÇÃO N.º 361/2000 Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará. O Conselho de Educação do Ceará (CEC), no uso de suas atribuições e tendo em vista a necessidade de regulamentar

Leia mais

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE 2015

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE 2015 Faculdade de Tecnologia da Zona Leste REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE 2015 São Paulo - 2015 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 4 3. OBJETIVOS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO...

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará

Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará O REITOR DA, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral, obedecidas a legislação

Leia mais

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

EMENTA DO CURSO. Tópicos:

EMENTA DO CURSO. Tópicos: EMENTA DO CURSO O Curso Preparatório para a Certificação Oracle Certified Professional, Java SE 6 Programmer (Java Básico) será dividido em 2 módulos e deverá ter os seguintes objetivos e conter os seguintes

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO

SEGURANÇA DO TRABALHO SEGURANÇA DO TRABALHO LEGISLAÇÃO Questão 01: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) De acordo com a Organização Político Administrativa do Estado, o servidor público que,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso 1 Centro Universitário de Araraquara UNIARA Departamento de Ciências da Administração e Tecnologia Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso Capítulo I Das disposições

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 302/05 "DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO PROVISÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

ANO 2014 2º SEMESTRE

ANO 2014 2º SEMESTRE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS EDITAL Nº 095/2014, de 25/04/2014 PROCESSO SELETIVO E MATRÍCULA DOS CANDIDATOS APROVADOS NO PROGRAMA

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

Guia de Orientação ao Aluno

Guia de Orientação ao Aluno Guia de Orientação ao Aluno Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Pelotas Centro de Desenvolvimento Tecnológico Março de 2012 1. Palavras iniciais Este Guia de Orientação serve para orientar

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL/ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO

EDUCAÇÃO ESPECIAL/ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO EDUCAÇÃO ESPECIAL/ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO LEGISLAÇÃO Questão 01: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) De acordo com a Organização Político Administrativa

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.074, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.074, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.074, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010 Dispõe sobre os Planos Acadêmicos, Regimes e Horário de

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art.1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é componente curricular obrigatório dos cursos

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais