TESTANDO ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TESTANDO ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS"

Transcrição

1 TESTANDO ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS Renan 1

2 Recife, Belo Horizonte, São Paulo e Porto Alegre 2

3 3

4 AGENDA 4

5 FALAREMOS SOBRE 1. O que são micro-serviços? 2. Vantagens e Desvantagens das arquiteturas de micro-serviços 3. Testando arquiteturas de micro-serviços 5

6 DEFINIÇÃO Micro-serviços são pequenos, autônomos serviços que trabalham em conjunto" 6

7 PEQUENOS Focados em fazer apenas uma coisa bem feita! 7

8 AUTÔNOMOS Podem ser modificados independente um dos outros. E podem ser implantados sem demandar mudanças em seus consumidores. 8

9 ESTOU FAZENDO CORRETAMENTE? É possível mudar um serviço e implantá-lo sem efeitos colaterais em outros serviços? 9

10 VANTAGENS DAS ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS 10

11 HETEROGENEIDADE TECNOLÓGICA A tecnologia correta para cada problema POSTS <<ruby>> FRIENDS <<golang>> PICTURES <<java>> <<Document Store>> <<graph DB>> <<Blob Store>> 11

12 RESILIÊNCIA Podemos construir sistemas capazes de lidar com falhas totais de serviços e apenas degradar apropriadamente as funcionalidades afetadas 12

13 ESCALAR PICTURES POSTS FRIENDS

14 FACILIDADE DE IMPLANTAÇÃO Implantações são mais rápidas e independentes. Os problemas podem ser isolados mais facilmente.

15 ALINHAMENTO ORGANIZACIONAL Conway's Law Times e repositórios de código menores! INVOICING SERVICE INVENTORY SERVICE

16 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE

17 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM

18 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM PROFILE MODULE

19 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM PROFILE MODULE

20 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM HTTPS PROFILE MODULE

21 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM New Point of Sale HTTPS PROFILE MODULE

22 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM New Point of Sale HTTPS HTTP PROFILE MODULE

23 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM New Point of Sale HTTPS HTTP PROFILE MODULE HTTPS Affiliate Store

24 NO 17

25 MICRO-SERVIÇOS NÃO SÃO PARA QUALQUER UM

26 MONOLÍTICOS PRIMEIRO 19

27 TESTES 20

28 TEST AUTOMATION CLOSER TO THE USER USER JOURNEY $$$ SLOWER / FEWER Connection of UI tests to a persona like flow through the system UI Testing on the level of the users - incl. browser, network, databases, external systems, INTEGRATION Tests of multiple integrated method UNIT CLOSER TO THE DEVELOPER Tests of single methods without dependencies $ FASTER / MORE 21

29 CÓDIGO Unit, Integration, end to end tests, smoke tests, etc.. PRODUÇÃO Consumidores 22

30 COMO ISSO SE APLICA AS ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS? 23

31 ANATOMIA DE UM MICRO-SERVIÇO 24

32 TESTES UNITÁRIOS EM MICRO-SERVIÇOS Domain - Devemos focar em testar o comportamento, observando mudanças de estado. Gateways, Resources and Persistence - Devemos focar em testar as interações e colaborações (Mocks, test doubles) 25

33 TESTES DE INTEGRAÇÃO - PERSISTENCE E GATEWAYS 26

34 TESTES DE COMPONENTE - IN PROCESS 27

35 TESTES DE COMPONENTE - OUT OF PROCESS 28

36 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? mountebank - over the wire test doubles 29

37 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? 30

38 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? teste 30

39 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? teste Configura os impostores 30

40 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? teste Configura os impostores 30

41 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? teste Configura os impostores 30

42 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? teste Configura os impostores HTTP SMTP TCP IMPOSTOR 30

43 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? SUA APLICAÇÃO teste Configura os impostores HTTP SMTP TCP IMPOSTOR 30

44 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? SUA APLICAÇÃO teste Configura os impostores HTTP SMTP TCP IMPOSTOR 30

45 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS 31

46 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR 31

47 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

48 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

49 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE TORNA INVÁLIDO!! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

50 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE TORNA INVÁLIDO!! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

51 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE BECOMES TORNA INVÁLIDO!! INVALID! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

52 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE BECOMES TORNA INVÁLIDO!! INVALID! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

53 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE BECOMES TORNA INVÁLIDO!! INVALID! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

54 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE BECOMES TORNA INVÁLIDO!! INVALID! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

55 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE BECOMES TORNA INVÁLIDO!! INVALID! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

56 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE BECOMES TORNA INVÁLIDO!! INVALID! SUPOSIÇÕES - Quão frequentemente você altera seus testes e stubs? SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

57 TESTES DE CONTRATO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 32

58 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) 33

59 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 33

60 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA CI PIPELINE DO SERVIÇO 33

61 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA CI PIPELINE DO SERVIÇO 33

62 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT 33

63 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33

64 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT

65 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

66 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

67 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

68 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

69 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

70 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

71 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

72 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

73 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT IMPLANTAÇÃO!

74 CONSUMER DRIVEN CONTRACTS - IMPLEMENTAÇÕES https://github.com/realestate-com-au/pact 34

75 TESTES PONTA A PONTA - CAIXA PRETA 35

76 TESTES PONTA A PONTA - CAIXA PRETA 35

77 TESTES PONTA A PONTA - CAIXA PRETA

78 TESTES PONTA A PONTA - CAIXA PRETA

79 TESTES PONTA A PONTA - CAIXA PRETA

80 TESTES PONTA A PONTA - CAIXA PRETA BOA SORTE!

81 TESTES DE PONTA A PONTA EM ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS Escreva o menor número de testes ponta a ponta possível! 36

82 TESTES DE PONTA A PONTA EM ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS Teste jornadas do usuário e não estórias 37

83 TESTES DE PONTA A PONTA EM ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS Certifique-se que seus testes ponta a ponta são independente de dados existentes 38

84 CI PIPELINE - FEEDBACK RÁPIDO VS CUSTO UNIT INTEGRATION COMPONENT CONTRACT JOURNEYS 39

85 FALAMOS SOBRE TODA A PIRÂMIDE - ACABAMOS? 40

86 FALAMOS SOBRE TODA A PIRÂMIDE - ACABAMOS? Não. 40

87 FALAMOS SOBRE TODA A PIRÂMIDE - ACABAMOS? Não. Testes após a implantação em produção! 40

88 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT 41

89 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT 41

90 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT SERVICE V1 41

91 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT SERVICE V1 41

92 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT SERVICE V1 SERVICE V2 41

93 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT SERVICE V1 SERVICE V2 41

94 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT SERVICE V1 SERVICE V2 41

95 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT SERVICE V1 SERVICE V2 41

96 CANARY RELEASE 42

97 CANARY RELEASE 42

98 CANARY RELEASE 42

99 CANARY RELEASE SERVICE V1 42

100 CANARY RELEASE SERVICE V1 42

101 CANARY RELEASE SERVICE V1 SERVICE V2 42

102 CANARY RELEASE SERVICE V1 SERVICE V2 42

103 CANARY RELEASE SERVICE V1 SERVICE V2 42

104 CANARY RELEASE SERVICE V1 SERVICE V2 42

105 CANARY RELEASE 85% SERVICE V1 15% SERVICE V2 42

106 TEMPO MÉDIO PARA SE RECUPERAR Não há dúvidas que os testes reduzem a quantidade de defeitos, mas é importante reconhecer que eles não os eliminam por completo! 43

107 TECH RADAR RECOMENDA ESSAS PRÁTICAS! 44

108 FALAMOS SOBRE microservices meantimetorecover canaryrelease bluegreendeploy CIPipelines testautomation testjourneys consumerdrivencontracts contracttests componenttests mountebank pact nosilverbullet technologyheterogeneity resilience scaling easeofdeployment organizationalalignment 45

109 MUITO OBRIGADO!

Requisitos Executáveis: O modelo FIT / FitNesse

Requisitos Executáveis: O modelo FIT / FitNesse Requisitos Executáveis: O modelo FIT / FitNesse Jorge Diz Globalcode 57 Encontro do SPIN-SP Slide 1 Instrutor Jorge Alberto Diz ( 95 Mestre em Eng. Elétrica (UNICAMP ( 89 Bach. em Ciência da Computação

Leia mais

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas

Leia mais

Introdução ao TDD. Dionatan Moura. #guma10anos Abril de 2014. about.me/dionatanmoura

Introdução ao TDD. Dionatan Moura. #guma10anos Abril de 2014. about.me/dionatanmoura Introdução ao TDD #guma10anos Abril de 2014 Dionatan Moura about.me/dionatanmoura Introdução ao TDD Extreme Programming TDD Refatoração xunit Baby Steps Clean Code Patterns para TDD Red Bar Test Green

Leia mais

ARQUITETANDO E EVOLUINDO. um erp para a nuvem

ARQUITETANDO E EVOLUINDO. um erp para a nuvem ARQUITETANDO E EVOLUINDO um erp para a nuvem @andremidea @mvlbarcelos @andremidea André Midea Dev focado em Ops na Bluesoft. www.andremidea.com @mvlbarcelos Marcus Barcelos Arquiteto de soluções. Objetivo

Leia mais

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Agenda 1. Introdução à Integração Contínua 2. Ferramentas 3. Solução de Integração Contínua em Furnas 4. Demonstração O que é a Integração

Leia mais

www.mpl.com.br C o n t a b i l i d a d e C o n t a s a P a g a r C o n t a s a R e c e b e r O r ç a m e n t o

www.mpl.com.br C o n t a b i l i d a d e C o n t a s a P a g a r C o n t a s a R e c e b e r O r ç a m e n t o A MPL Corporate Software, em parceria com a Oracle e a Amazon WebServices(AWS),lançouasolução ERPOracleInTheCloud,uma implantação SaaS (Software as a Service) do JD Edwards EnterpriseOne. A solução compreende

Leia mais

www.mpl.com.br ERPOracleInTheCloud.

www.mpl.com.br ERPOracleInTheCloud. A MPL Corporate Software, em parceria com a Oracle e a Amazon WebServices(AWS),lançouasolução ERPOracleInTheCloud,uma implantação SaaS (Software as a Service) do JD Edwards EnterpriseOne. A solução compreende

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP. Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³

DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP. Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³ DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³ 1 Aluna do Curso de Ciência da Computação, integrante do PET-Computação, Depto.

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Arch Linux: simplicidade, eficiência e eficácia juntos em uma distribuição

Arch Linux: simplicidade, eficiência e eficácia juntos em uma distribuição Quem sou eu Pós-graduando em Gerenciamento de Projetos Bacharel em Sistemas de Informação - 2008 Usuário Arch Linux - 2008 Usuário Linux 2004 - #434253 Web Design / Web Developer XHTML, CSS, PHP, MySql,

Leia mais

Programação Extrema. Luis Fernando Machado. Engenharia de Software

Programação Extrema. Luis Fernando Machado. Engenharia de Software Programação Extrema Luis Fernando Machado Engenharia de Software Desenvolvimento Ágil Programação Extrema, ou Extreme Programming (XP) é um modelo de desenvolvimento ágil. Desenvolvimento ágil foi criado

Leia mais

Alcançando o BAM em Tempo Real com OpenEdge, Sonic e Apama. Fábio Bissolotti Solution Engineer

Alcançando o BAM em Tempo Real com OpenEdge, Sonic e Apama. Fábio Bissolotti Solution Engineer Alcançando o BAM em Tempo Real com OpenEdge, Sonic e Apama Fábio Bissolotti Solution Engineer A Estória do Limpador de Pára-brisas 2 DEV-42: Achieving Real-time BAM with OpenEdge, Sonic and Apama Agenda

Leia mais

Migrando seu site para o Azure utilizando

Migrando seu site para o Azure utilizando Migrando seu site para o Azure utilizando Plataforma como serviço. DEV210 Migrando seu site para o Azure utilizando Plataforma como serviço. Quem é o palestrante? Vinícius Souza Evangelista Técnico @vbs_br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Seu manual do usuário TRENDNET TK-IP101 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3182191

Seu manual do usuário TRENDNET TK-IP101 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3182191 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para TRENDNET TK- IP101. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual

Leia mais

Capítulo 4. Programação em ASP

Capítulo 4. Programação em ASP Índice: CAPÍTULO 4. PROGRAMAÇÃO EM ASP...2 4.1 REGISTRAR...2 4.1.1 Códigos para configuração do objeto...2 4.1.2 Formulário para transferir dados da impressão digital...3 4.1.3 Código Javascript para registro

Leia mais

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos Teste de defeitos Teste de Software Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema Ian Sommerville 2000 Software Engineering, 6th edition. Chapter 20 Slide 1 Ian Sommerville 2000

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Visão Geral A Logica Adviser SAP A Logica Adviser SAP é formada por profissionais com ampla experiência no mercado SAP. Sua essência está baseada nos princípios da: Qualidade

Leia mais

Engenharia de Software Aplicações de Internet

Engenharia de Software Aplicações de Internet Engenharia de Software Aplicações de Internet Eduardo Santos eduardo.edusantos@gmail.com eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Histórico Por que existe a Internet? Por que existe

Leia mais

PRO201 - Integrando o Visual Studio 2005 Team Edition for Database Professional no Ciclo de Desenvolvimento de Software. Regis Gimenis - Microsoft

PRO201 - Integrando o Visual Studio 2005 Team Edition for Database Professional no Ciclo de Desenvolvimento de Software. Regis Gimenis - Microsoft PRO201 - Integrando o Visual Studio 2005 Team Edition for Database Professional no Ciclo de Desenvolvimento de Software Regis Gimenis - Microsoft 01. 02. 03. 04. 05. Introdução Visual Studio Team System

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Testes de Software. Andrew Diniz da Costa andrew@les.inf.puc-rio.br

Testes de Software. Andrew Diniz da Costa andrew@les.inf.puc-rio.br Testes de Software Andrew Diniz da Costa andrew@les.inf.puc-rio.br Agenda Conceitos gerais Principais Tipos de Teste Testes Unitários Testes Funcionais O que são testes de software? Atividades realizadas

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

Processos como elo entre a TI e estratégia

Processos como elo entre a TI e estratégia RIO DE JANEIRO SÃO PAULO BRASÍLIA BELO HORIZONTE Processos como elo entre a TI e estratégia Leandro Jesus Copyright ELO Group 2012 - Confidencial Quem é a ELO Group? Consultoria de Transformação 1. Desdobramento

Leia mais

ARQI. Arquitetura de Informação. Prototipação, layout e wireframe. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico

ARQI. Arquitetura de Informação. Prototipação, layout e wireframe. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico ARQI Arquitetura de Informação Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico Prototipação, layout e wireframe Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los.

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los. Ao longo de vários anos de trabalho com CRM e após a execução de dezenas de projetos, penso que conheci diversos tipos de empresas, culturas e apesar da grande maioria dos projetos darem certo, também

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Engenharia de Software. nelmarpg@yahoo.com.br

Processo de Desenvolvimento de Software. Engenharia de Software. nelmarpg@yahoo.com.br Processo de Desenvolvimento de Software nelmarpg@yahoo.com.br 1 Objetivos Contextualizar Análise e Projeto de software dentro de uma metodologia de desenvolvimento (um processo de desenvolvimento de software)

Leia mais

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Renan Leme Nazário, Ricardo Rufino Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil renazariorln@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Obtendo Qualidade com SOA

Obtendo Qualidade com SOA Obtendo Qualidade com SOA Daniel Garcia Gerente de Prática BPM/SOA daniel.garcia@kaizen.com.br 11 de Novembro de 2009 Copyright 2009 Kaizen Consultoria e Serviços. All rights reserved Agenda Sobre a Kaizen

Leia mais

Adotando OpenEdge Architect. Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services

Adotando OpenEdge Architect. Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services Adotando OpenEdge Architect Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services Agenda Antes do OpenEdge Architect Por quê OpenEdge Architect? Adotando o OpenEdge Architect Integrar às Customizações

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

O Processo de Desenvolvimento de Software

O Processo de Desenvolvimento de Software O Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos Contextualizar Análise e Projeto de software dentro de uma metodologia de desenvolvimento (um processo de desenvolvimento de software) Um processo de

Leia mais

Agenda. Intro Migrando de relatório para uma solução de BI Under the Hood Operação e Lições aprendidas

Agenda. Intro Migrando de relatório para uma solução de BI Under the Hood Operação e Lições aprendidas Agenda Intro Migrando de relatório para uma solução de BI Under the Hood Operação e Lições aprendidas FALAR da SAMBA FALAR da SAMBA HACKWEEKS Reporting & Analytics No Início - Report Fornecer informações

Leia mais

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê?

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê? Significado de XP? Extreme Programming (Programação Extrema). Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Pequenas e Médias. Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Serviços de Rede Prof: Jéferson Mendonça de Limas Ementa Configuração de Serviços de Redes; Servidor Web; Servidor de Arquivos; Domínios; Servidor de Banco de Dados; SSH; SFTP;

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Laravel: De Aprendiz a Artesão (Brazilian Portuguese)

Laravel: De Aprendiz a Artesão (Brazilian Portuguese) Laravel: De Aprendiz a Artesão (Brazilian Portuguese) Taylor Otwell and Pedro Borges This book is for sale at http://leanpub.com/laravel-pt-br This version was published on 2013-10-01 This is a Leanpub

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Aplicativo para ITIL - Conectando os processos ITIL com o CMDB. Guilherme Azevedo EMC Ionix. Copyright 2009 EMC Corporation. All rights reserved.

Aplicativo para ITIL - Conectando os processos ITIL com o CMDB. Guilherme Azevedo EMC Ionix. Copyright 2009 EMC Corporation. All rights reserved. Aplicativo para ITIL - Conectando os processos ITIL com o CMDB Guilherme Azevedo EMC Ionix 1 ITIL V3 - Abordagem do ciclo de vida do serviço Estratégia do Serviço Gerenciamento de Serviços como uma ferramenta

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO

GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO 2 GESTÃO DOCUMENTAL VANTAGENS Informação sempre acessível, acesso fácil e rápido Redução do espaço, custos de armazenamento e impressão Redução da duplicação de dados

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

Integração contínua com Hudson - Configuração, Extensão e Diversão! Fabiane Bizinella Nardon fabiane.nardon@zilics.com.br Zilics

Integração contínua com Hudson - Configuração, Extensão e Diversão! Fabiane Bizinella Nardon fabiane.nardon@zilics.com.br Zilics Integração contínua com Hudson - Configuração, Extensão e Diversão! Fabiane Bizinella Nardon fabiane.nardon@zilics.com.br Zilics Objetivo Mostrar como você pode implantar integração contínua usando o Hudson

Leia mais

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Testes em aplicações WEB Uma Visão Geral Programa de Capacitação em Testes de Software Desktop system WEB system Ambiente de aplicativo da Web Rede de

Leia mais

Maximo EAM GESTÃO INTELIGENTE DE ATIVOS

Maximo EAM GESTÃO INTELIGENTE DE ATIVOS Maximo EAM GESTÃO INTELIGENTE DE ATIVOS Herbert De Carvalho MAXIMO EAM Sales IBM Corporation Tivoli Software +55 11 2322.6738 (phone) +55 11 9 8134.3131 (cel) herbert.carvalho@br.ibm.com Agenda Introdução

Leia mais

35% GARTNER. Despesas com tecnologia ocorrem fora da T.I. Fazem uso de tecnologias não aprovadas pela T.I.

35% GARTNER. Despesas com tecnologia ocorrem fora da T.I. Fazem uso de tecnologias não aprovadas pela T.I. DEVOPS E PAAS - ABORDAGENS E FERRAMENTAS PARA ATENDER AS NOVAS DEMANDAS DE MERCADO Rodrigo Ramalho da Silva - Solutions Architect rramalho@redhat.com INOVAR NÃO É UMA ESCOLHA Organizações de T.I. que não

Leia mais

Disaster Recovery para SAP utilizando BusinessShadow

Disaster Recovery para SAP utilizando BusinessShadow Disaster Recovery para SAP utilizando BusinessShadow Agenda Projeto de Disaster Recovery (DR) Principais Arquiteturas de DR para SAP Utilizando BusinessShadow para DR do SAP Credenciais e Contatos Agenda

Leia mais

LASAP. Visão Geral. LASAP Institucional

LASAP. Visão Geral. LASAP Institucional LASAP Visão Geral A LASAP A LASAP é formada por profissionais com ampla experiência no mercado SAP. Sua essência está baseada nos princípios da: Qualidade e Pontualidade na entrega dos projetos Inovação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula Apresentação do curso Introdução Definição de sistemas distribuídos Exemplo Vantagens e desvantagens Convergência digital Desafios Visão

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Estratégias para testes: a metáfora da pirâmide alimentar

Estratégias para testes: a metáfora da pirâmide alimentar Estratégias para testes: a metáfora da pirâmide alimentar Jorge Diz Instrutor Globalcode Kleber Xavier Instrutor Globalcode 1 Agenda > O que são testes? > Tipos de testes > A pirâmide de testes (Huggins)

Leia mais

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1 1-Estratégia Global 1.1-Visão Global de Estratégias Para Teste A estratégia

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1 LEIA ISTO PRIMEIRO IBM Tivoli, Versão 4.2.1 O IBM Tivoli, Versão 4.2.1, é uma solução para controlar a distribuição de software e o inventário de gerenciamento de recursos em um ambiente multiplataformas.

Leia mais

A Camada de Aplicação

A Camada de Aplicação A Camada de Aplicação Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Afinal, o que faz a camada de aplicação?... 2 Paradigma Cliente/Servidor [4]... 2 Endereçamento... 2 Tipo de Serviço... 2

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal Painel: Implantação de métodos ágeis Dê o 1º passo José Roberto Bolognani Organização Apoio 1 de xx A Empresa Fundada em 1996. Capital 100% nacional. Pioneira em mobilidade corporativa;

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PSPICE. Usaremos o PSPICE para simular o circuito mostrado na Figura 1. Figura 1. Exemplo No. 1

INTRODUÇÃO AO PSPICE. Usaremos o PSPICE para simular o circuito mostrado na Figura 1. Figura 1. Exemplo No. 1 INTRODUÇÃO AO PSPICE 1. O QUE É O PSPICE? O programa PSPICE (ORCAD) é um simulador digital de circuitos eletrônicos, que emula os comportamentos de um circuito real. Deste modo ele permite fazer todos

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

Caso Prático: Java como ferramenta de suporte a um ambiente realmente colaborativo no método Scrum de trabalho

Caso Prático: Java como ferramenta de suporte a um ambiente realmente colaborativo no método Scrum de trabalho Caso Prático: Java como ferramenta de suporte a um ambiente realmente colaborativo no método Scrum de trabalho UOL Produtos Rádio UOL Julho 2008 André Piza Certified Scrum Master Agenda Scrum como método

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

Gerenciamento de identidades

<Insert Picture Here> Gerenciamento de identidades Gerenciamento de identidades Alexandre Pereira Agenda Direcionadores de negócio Solução de gerenciamento de identidades Serviços de diretório Controle de acesso Provisionamento Federação

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

C o m p o s i t e A p p l i c a t i o n M a n a g e m e n t

C o m p o s i t e A p p l i c a t i o n M a n a g e m e n t EUGENIOf@br.ibm.com IT Specialist Pre Sales Support (55 11) 2132-7793 C o m p o s i t e A p p l i c a t i o n M a n a g e m e n t 2005 IBM Corporation Tendências da Infra-Estrutura Complexidade Alterações

Leia mais

Facebook. Java com o. Integrando Aplicações. Descubra como é fácil criar uma aplicação para rodar no Facebook. _capa

Facebook. Java com o. Integrando Aplicações. Descubra como é fácil criar uma aplicação para rodar no Facebook. _capa _capa Integrando Aplicações Java com o Facebook Descubra como é fácil criar uma aplicação para rodar no Facebook Desde o lançamento oficial do Facebook, em 2004, o número de usuários vem aumentando a cada

Leia mais

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Dionatan Moura Jamile Alves Porto Alegre, 09 de julho de 2015 Quem somos? Dionatan Moura Jamile Alves Ágil e Software Livre? Métodos Ágeis Manifesto

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

Assessment. Maio 2006

Assessment. Maio 2006 Assessment Beth Gama, Ph.D. Maio 2006 O Valor de Nosso Modelo de Assessment Fundamentado nas pesquisas mais recentes sobre os determinantes de sucesso entre líderes Incorpora as melhores práticas de medidas

Leia mais

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e integração contínua. nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Objetivos Fornecer uma visão geral da área de testes de software, com ênfase em

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 14 Revisão http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 14-07/05/2006 1 Processo de Software Qual é a diferença entre uma atividade de arcabouço e uma atividade guarda chuva?

Leia mais

OpenACS e as Comunidades Virtuais

OpenACS e as Comunidades Virtuais OpenACS e as Comunidades Virtuais Eduardo Santos eduardo.edusantos@gmail.com eduardosantos@previdencia.gov.br www.softwarepublico.gov.br www.eduardosan.com O que é o OpenACS Uma comunidade de desenvolvedores

Leia mais

Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA

Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA 19 November 2007 Objectivos para o BANIF Standardização dos postos de trabalho Focar a equipa de IT em tarefas pro-activas de gestão, minimizando

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Protocolos de Rede FALANDO A MESMA LÍNGUA Um protocolo pode ser comparado a um idioma, onde uma máquina precisa entender o idioma de outra máquina

Leia mais

Software Communication System (SCS) Componentes da Solução

Software Communication System (SCS) Componentes da Solução Software Communication System (SCS) Componentes da Solução Apresentando o SCS Um novo Começo com um novo Sistema de Comunicações O SCS é Aberto, Simples, Comunicações Unificadas Software baseado em soluções

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

SSC2013 SHAREPOINT 2013 ADMINISTRATOR S SURVIVAL CAMP

SSC2013 SHAREPOINT 2013 ADMINISTRATOR S SURVIVAL CAMP Missões Impossíveis em Desenvolvimento de Software. SSC2013 SHAREPOINT 2013 ADMINISTRATOR S SURVIVAL CAMP Este curso intensivo de cinco dias foi concebido para ensinar experientes profissionais de TI,

Leia mais

Verificação e Validação

Verificação e Validação Verificação e Validação Patrícia Macedo Joaquim Filipe João Ascenso 2005/2006 EST, Setúbal Verificação e Validação Verificação Garante que o software cumpre as especificações Consistência interna Estamos

Leia mais

OpenACS e as Comunidades Virtuais

OpenACS e as Comunidades Virtuais OpenACS e as Comunidades Virtuais Eduardo Santos eduardo.edusantos@gmail.com eduardosantos@previdencia.gov.br www.softwarepublico.gov.br eduardosan.wordpress.com O que é o OpenACS Uma comunidade de desenvolvedores

Leia mais

Os Desafios da Segurança no Desenvolvimento com Métodos Ágeis. OWASP Education Project. The OWASP Foundation http://www.owasp.org

Os Desafios da Segurança no Desenvolvimento com Métodos Ágeis. OWASP Education Project. The OWASP Foundation http://www.owasp.org Os Desafios da Segurança no Desenvolvimento com Métodos Ágeis Education Project Rafael Dreher Porto Alegre Chapter - Co-founder Security Consultant @ Dell dreher@owasp.org Copyright 2007 The Foundation

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Mini-Curso Agile Testing

Mini-Curso Agile Testing Mini-Curso Agile Testing Como funciona na prática? contato@qualister.com.br (48) 3285-5615 twitter.com/qualister facebook.com/qualister linkedin.com/company/qualister Instrutor Elias Nogueira

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

BUSINESS PARTNER EMC SERVICES PARTNER PROGRAM ESCOLHA. FLEXIBILIDADE. OPORTUNIDADE.

BUSINESS PARTNER EMC SERVICES PARTNER PROGRAM ESCOLHA. FLEXIBILIDADE. OPORTUNIDADE. BUSINESS PARTNER EMC SERVICES PARTNER PROGRAM ESCOLHA. FLEXIBILIDADE. OPORTUNIDADE. TRANSFORME SEU RELACIONAMENTO COM O CLIENTE E SUA RENTABILIDADE O EMC Services Partner Program fornece aos parceiros

Leia mais

CURSO PRÁTICO. Módulo 2 Pré-requisitos. Application Virtualization 5.0. Nível: Básico / Intermediário

CURSO PRÁTICO. Módulo 2 Pré-requisitos. Application Virtualization 5.0. Nível: Básico / Intermediário CURSO PRÁTICO Application Virtualization 5.0 Nível: Básico / Intermediário Módulo 2 Pré-requisitos Índice Configurações Suportadas... 3 Management Server... 3 Publishing Server... 3 Reporting Server...

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação POP3 IMAP DNS Slide 1 SMTP Rede de Computadores Protocolos de Acesso protocolo utilizado para a comunicação entre os servidores (push protocol); POP3 (Post Office

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 01 Processo de Desenvolvimento de Software Edirlei Soares de Lima Processo de Software O processo de software consiste em um conjunto estruturado

Leia mais

Customer Service e Atendimento ao Cliente

Customer Service e Atendimento ao Cliente Customer Service e Atendimento ao Cliente Pesquisa de Mercado, Treinamento de Vendas, Consultoria em Marketing SMGShare Marketing Group É muito importante manter um sistema de atendimento às reclamações

Leia mais