TESTANDO ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TESTANDO ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS"

Transcrição

1 TESTANDO ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS Renan 1

2 Recife, Belo Horizonte, São Paulo e Porto Alegre 2

3 3

4 AGENDA 4

5 FALAREMOS SOBRE 1. O que são micro-serviços? 2. Vantagens e Desvantagens das arquiteturas de micro-serviços 3. Testando arquiteturas de micro-serviços 5

6 DEFINIÇÃO Micro-serviços são pequenos, autônomos serviços que trabalham em conjunto" 6

7 PEQUENOS Focados em fazer apenas uma coisa bem feita! 7

8 AUTÔNOMOS Podem ser modificados independente um dos outros. E podem ser implantados sem demandar mudanças em seus consumidores. 8

9 ESTOU FAZENDO CORRETAMENTE? É possível mudar um serviço e implantá-lo sem efeitos colaterais em outros serviços? 9

10 VANTAGENS DAS ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS 10

11 HETEROGENEIDADE TECNOLÓGICA A tecnologia correta para cada problema POSTS <<ruby>> FRIENDS <<golang>> PICTURES <<java>> <<Document Store>> <<graph DB>> <<Blob Store>> 11

12 RESILIÊNCIA Podemos construir sistemas capazes de lidar com falhas totais de serviços e apenas degradar apropriadamente as funcionalidades afetadas 12

13 ESCALAR PICTURES POSTS FRIENDS

14 FACILIDADE DE IMPLANTAÇÃO Implantações são mais rápidas e independentes. Os problemas podem ser isolados mais facilmente.

15 ALINHAMENTO ORGANIZACIONAL Conway's Law Times e repositórios de código menores! INVOICING SERVICE INVENTORY SERVICE

16 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE

17 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM

18 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM PROFILE MODULE

19 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM PROFILE MODULE

20 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM HTTPS PROFILE MODULE

21 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM New Point of Sale HTTPS PROFILE MODULE

22 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM New Point of Sale HTTPS HTTP PROFILE MODULE

23 COMPONIBILIDADE E SUBSTITUIBILIDADE MONOLITHIC ECOM SYSTEM New Point of Sale HTTPS HTTP PROFILE MODULE HTTPS Affiliate Store

24 NO 17

25 MICRO-SERVIÇOS NÃO SÃO PARA QUALQUER UM

26 MONOLÍTICOS PRIMEIRO 19

27 TESTES 20

28 TEST AUTOMATION CLOSER TO THE USER USER JOURNEY $$$ SLOWER / FEWER Connection of UI tests to a persona like flow through the system UI Testing on the level of the users - incl. browser, network, databases, external systems, INTEGRATION Tests of multiple integrated method UNIT CLOSER TO THE DEVELOPER Tests of single methods without dependencies $ FASTER / MORE 21

29 CÓDIGO Unit, Integration, end to end tests, smoke tests, etc.. PRODUÇÃO Consumidores 22

30 COMO ISSO SE APLICA AS ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS? 23

31 ANATOMIA DE UM MICRO-SERVIÇO 24

32 TESTES UNITÁRIOS EM MICRO-SERVIÇOS Domain - Devemos focar em testar o comportamento, observando mudanças de estado. Gateways, Resources and Persistence - Devemos focar em testar as interações e colaborações (Mocks, test doubles) 25

33 TESTES DE INTEGRAÇÃO - PERSISTENCE E GATEWAYS 26

34 TESTES DE COMPONENTE - IN PROCESS 27

35 TESTES DE COMPONENTE - OUT OF PROCESS 28

36 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? mountebank - over the wire test doubles 29

37 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? 30

38 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? teste 30

39 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? teste Configura os impostores 30

40 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? teste Configura os impostores 30

41 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? teste Configura os impostores 30

42 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? teste Configura os impostores HTTP SMTP TCP IMPOSTOR 30

43 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? SUA APLICAÇÃO teste Configura os impostores HTTP SMTP TCP IMPOSTOR 30

44 TESTES DE COMPONENTE - COMO SIMULAR SERVIÇOS EXTERNOS? SUA APLICAÇÃO teste Configura os impostores HTTP SMTP TCP IMPOSTOR 30

45 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS 31

46 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR 31

47 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

48 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

49 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE TORNA INVÁLIDO!! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

50 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE TORNA INVÁLIDO!! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

51 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE BECOMES TORNA INVÁLIDO!! INVALID! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

52 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE BECOMES TORNA INVÁLIDO!! INVALID! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

53 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE BECOMES TORNA INVÁLIDO!! INVALID! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

54 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE BECOMES TORNA INVÁLIDO!! INVALID! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

55 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE BECOMES TORNA INVÁLIDO!! INVALID! SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

56 TESTES DE COMPONENTE - PROBLEMAS COM STUBS Test SUA APLICAÇÃO IMPOSTOR SE BECOMES TORNA INVÁLIDO!! INVALID! SUPOSIÇÕES - Quão frequentemente você altera seus testes e stubs? SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 31

57 TESTES DE CONTRATO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 32

58 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) 33

59 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA 33

60 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA CI PIPELINE DO SERVIÇO 33

61 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA CI PIPELINE DO SERVIÇO 33

62 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT 33

63 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33

64 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT

65 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

66 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

67 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

68 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

69 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

70 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

71 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

72 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT

73 CONTRATOS GUIADOS POR CONSUMIDORES (CONSUMER DRIVEN CONTRACTS) CI PIPELINE DO SERVIÇO SERVIÇO REAL EM CONSTANTE MUDANÇA UNIT INTEGRATION 33 COMPONENT CONTRACT IMPLANTAÇÃO!

74 CONSUMER DRIVEN CONTRACTS - IMPLEMENTAÇÕES https://github.com/realestate-com-au/pact 34

75 TESTES PONTA A PONTA - CAIXA PRETA 35

76 TESTES PONTA A PONTA - CAIXA PRETA 35

77 TESTES PONTA A PONTA - CAIXA PRETA

78 TESTES PONTA A PONTA - CAIXA PRETA

79 TESTES PONTA A PONTA - CAIXA PRETA

80 TESTES PONTA A PONTA - CAIXA PRETA BOA SORTE!

81 TESTES DE PONTA A PONTA EM ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS Escreva o menor número de testes ponta a ponta possível! 36

82 TESTES DE PONTA A PONTA EM ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS Teste jornadas do usuário e não estórias 37

83 TESTES DE PONTA A PONTA EM ARQUITETURAS DE MICRO-SERVIÇOS Certifique-se que seus testes ponta a ponta são independente de dados existentes 38

84 CI PIPELINE - FEEDBACK RÁPIDO VS CUSTO UNIT INTEGRATION COMPONENT CONTRACT JOURNEYS 39

85 FALAMOS SOBRE TODA A PIRÂMIDE - ACABAMOS? 40

86 FALAMOS SOBRE TODA A PIRÂMIDE - ACABAMOS? Não. 40

87 FALAMOS SOBRE TODA A PIRÂMIDE - ACABAMOS? Não. Testes após a implantação em produção! 40

88 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT 41

89 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT 41

90 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT SERVICE V1 41

91 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT SERVICE V1 41

92 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT SERVICE V1 SERVICE V2 41

93 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT SERVICE V1 SERVICE V2 41

94 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT SERVICE V1 SERVICE V2 41

95 TESTANDO EM PRODUÇÃO Diferenciar Implantação de Release BLUE GREEN DEPLOYMENT SERVICE V1 SERVICE V2 41

96 CANARY RELEASE 42

97 CANARY RELEASE 42

98 CANARY RELEASE 42

99 CANARY RELEASE SERVICE V1 42

100 CANARY RELEASE SERVICE V1 42

101 CANARY RELEASE SERVICE V1 SERVICE V2 42

102 CANARY RELEASE SERVICE V1 SERVICE V2 42

103 CANARY RELEASE SERVICE V1 SERVICE V2 42

104 CANARY RELEASE SERVICE V1 SERVICE V2 42

105 CANARY RELEASE 85% SERVICE V1 15% SERVICE V2 42

106 TEMPO MÉDIO PARA SE RECUPERAR Não há dúvidas que os testes reduzem a quantidade de defeitos, mas é importante reconhecer que eles não os eliminam por completo! 43

107 TECH RADAR RECOMENDA ESSAS PRÁTICAS! 44

108 FALAMOS SOBRE microservices meantimetorecover canaryrelease bluegreendeploy CIPipelines testautomation testjourneys consumerdrivencontracts contracttests componenttests mountebank pact nosilverbullet technologyheterogeneity resilience scaling easeofdeployment organizationalalignment 45

109 MUITO OBRIGADO!

Requisitos Executáveis: O modelo FIT / FitNesse

Requisitos Executáveis: O modelo FIT / FitNesse Requisitos Executáveis: O modelo FIT / FitNesse Jorge Diz Globalcode 57 Encontro do SPIN-SP Slide 1 Instrutor Jorge Alberto Diz ( 95 Mestre em Eng. Elétrica (UNICAMP ( 89 Bach. em Ciência da Computação

Leia mais

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas

Leia mais

Migrando seu site para o Azure utilizando

Migrando seu site para o Azure utilizando Migrando seu site para o Azure utilizando Plataforma como serviço. DEV210 Migrando seu site para o Azure utilizando Plataforma como serviço. Quem é o palestrante? Vinícius Souza Evangelista Técnico @vbs_br

Leia mais

ARQUITETANDO E EVOLUINDO. um erp para a nuvem

ARQUITETANDO E EVOLUINDO. um erp para a nuvem ARQUITETANDO E EVOLUINDO um erp para a nuvem @andremidea @mvlbarcelos @andremidea André Midea Dev focado em Ops na Bluesoft. www.andremidea.com @mvlbarcelos Marcus Barcelos Arquiteto de soluções. Objetivo

Leia mais

www.mpl.com.br C o n t a b i l i d a d e C o n t a s a P a g a r C o n t a s a R e c e b e r O r ç a m e n t o

www.mpl.com.br C o n t a b i l i d a d e C o n t a s a P a g a r C o n t a s a R e c e b e r O r ç a m e n t o A MPL Corporate Software, em parceria com a Oracle e a Amazon WebServices(AWS),lançouasolução ERPOracleInTheCloud,uma implantação SaaS (Software as a Service) do JD Edwards EnterpriseOne. A solução compreende

Leia mais

www.mpl.com.br ERPOracleInTheCloud.

www.mpl.com.br ERPOracleInTheCloud. A MPL Corporate Software, em parceria com a Oracle e a Amazon WebServices(AWS),lançouasolução ERPOracleInTheCloud,uma implantação SaaS (Software as a Service) do JD Edwards EnterpriseOne. A solução compreende

Leia mais

Seu manual do usuário TRENDNET TK-IP101 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3182191

Seu manual do usuário TRENDNET TK-IP101 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3182191 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para TRENDNET TK- IP101. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual

Leia mais

Vivenciando experiências de DevOps além de automação de infraestrutura

Vivenciando experiências de DevOps além de automação de infraestrutura Vivenciando experiências de DevOps além de automação de infraestrutura Diego Pacheco @diego_pacheco Principal Software Architect Cesar Mesquita @cmesquita00 Infrastructure Architect ilegra.com Sobre

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Capítulo 4. Programação em ASP

Capítulo 4. Programação em ASP Índice: CAPÍTULO 4. PROGRAMAÇÃO EM ASP...2 4.1 REGISTRAR...2 4.1.1 Códigos para configuração do objeto...2 4.1.2 Formulário para transferir dados da impressão digital...3 4.1.3 Código Javascript para registro

Leia mais

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 -

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - Glossário BiSL Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - 1. Glossário de Terminologia Terminologia em Inglês Terminologia em Português BiSL processes Processos de BiSL Business data management

Leia mais

ASSINATURAS LABORATÓRIOS AUGUST 2012

ASSINATURAS LABORATÓRIOS AUGUST 2012 ASSINATURAS LABORATÓRIOS AUGUST 2012 HTTP! Lorem server Ipsum server Dolor server HTTP! TCP/IP! HTTP! TCP/IP! YOUR DBMS TCP/IP! Auth server HTTP! Amet HTTP! Clients FOOTER SOFTWARE ENGINEERING DIAGRAMS

Leia mais

Gerenciamento de identidades

<Insert Picture Here> Gerenciamento de identidades Gerenciamento de identidades Alexandre Pereira Agenda Direcionadores de negócio Solução de gerenciamento de identidades Serviços de diretório Controle de acesso Provisionamento Federação

Leia mais

Estratégias para testes: a metáfora da pirâmide alimentar

Estratégias para testes: a metáfora da pirâmide alimentar Estratégias para testes: a metáfora da pirâmide alimentar Jorge Diz Instrutor Globalcode Kleber Xavier Instrutor Globalcode 1 Agenda > O que são testes? > Tipos de testes > A pirâmide de testes (Huggins)

Leia mais

Alcançando o BAM em Tempo Real com OpenEdge, Sonic e Apama. Fábio Bissolotti Solution Engineer

Alcançando o BAM em Tempo Real com OpenEdge, Sonic e Apama. Fábio Bissolotti Solution Engineer Alcançando o BAM em Tempo Real com OpenEdge, Sonic e Apama Fábio Bissolotti Solution Engineer A Estória do Limpador de Pára-brisas 2 DEV-42: Achieving Real-time BAM with OpenEdge, Sonic and Apama Agenda

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Guia de conceitos básicos API Version 2010-01-01

Guia de conceitos básicos API Version 2010-01-01 : Guia de conceitos básicos Copyright 2011 Amazon Web Services LLC ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados. Conceitos básicos do Amazon RDS... 1 Cadastre-se no Amazon RDS... 2 Inicie uma instância

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Visão Geral A Logica Adviser SAP A Logica Adviser SAP é formada por profissionais com ampla experiência no mercado SAP. Sua essência está baseada nos princípios da: Qualidade

Leia mais

Diego Pacheco @diego_pacheco Software Architect Agile Coach. Cesar Mesquita @cmesquita00 Middleware Architect

Diego Pacheco @diego_pacheco Software Architect Agile Coach. Cesar Mesquita @cmesquita00 Middleware Architect Diego Pacheco @diego_pacheco Software Architect Agile Coach Cesar Mesquita @cmesquita00 Middleware Architect www.ilegra.com Sobre as nossas experiencias Projeto X: Mais de 120k horas de projeto ~35/40

Leia mais

Adotando OpenEdge Architect. Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services

Adotando OpenEdge Architect. Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services Adotando OpenEdge Architect Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services Agenda Antes do OpenEdge Architect Por quê OpenEdge Architect? Adotando o OpenEdge Architect Integrar às Customizações

Leia mais

Microserviços: flexibilidade e agilidade a que preço?

Microserviços: flexibilidade e agilidade a que preço? Microserviços: flexibilidade e agilidade a que preço? Summa Technologies www.summa.com.br Einar Saukas Fabio Velloso @fabiovelloso 2005, Summa Technologies, Inc. 1 Einar Saukas Principal Consultant - Summa

Leia mais

LASAP. Visão Geral. LASAP Institucional

LASAP. Visão Geral. LASAP Institucional LASAP Visão Geral A LASAP A LASAP é formada por profissionais com ampla experiência no mercado SAP. Sua essência está baseada nos princípios da: Qualidade e Pontualidade na entrega dos projetos Inovação

Leia mais

PRO201 - Integrando o Visual Studio 2005 Team Edition for Database Professional no Ciclo de Desenvolvimento de Software. Regis Gimenis - Microsoft

PRO201 - Integrando o Visual Studio 2005 Team Edition for Database Professional no Ciclo de Desenvolvimento de Software. Regis Gimenis - Microsoft PRO201 - Integrando o Visual Studio 2005 Team Edition for Database Professional no Ciclo de Desenvolvimento de Software Regis Gimenis - Microsoft 01. 02. 03. 04. 05. Introdução Visual Studio Team System

Leia mais

C o m p o s i t e A p p l i c a t i o n M a n a g e m e n t

C o m p o s i t e A p p l i c a t i o n M a n a g e m e n t EUGENIOf@br.ibm.com IT Specialist Pre Sales Support (55 11) 2132-7793 C o m p o s i t e A p p l i c a t i o n M a n a g e m e n t 2005 IBM Corporation Tendências da Infra-Estrutura Complexidade Alterações

Leia mais

O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome

O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome DNS Sistema de Nomes de Domínio O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome Camada de Aplicação DNS Telnet e SSH SNMP SMTP, POP e IMAP WWW FTP O espaço de nomes DNS Parte

Leia mais

Disaster Recovery para SAP utilizando BusinessShadow

Disaster Recovery para SAP utilizando BusinessShadow Disaster Recovery para SAP utilizando BusinessShadow Agenda Projeto de Disaster Recovery (DR) Principais Arquiteturas de DR para SAP Utilizando BusinessShadow para DR do SAP Credenciais e Contatos Agenda

Leia mais

s o l u t i o n s Gestão de Projetos como uma perspectiva de alavancar negócios SPIN São Paulo 11 de Agosto, 2003

s o l u t i o n s Gestão de Projetos como uma perspectiva de alavancar negócios SPIN São Paulo 11 de Agosto, 2003 Gestão de Projetos como uma perspectiva de alavancar negócios s o l u t i o n s SPIN São Paulo 11 de Agosto, 2003 Julian J. Nakasone julianjn@nec.com.br Agenda 1. Introdução - Uma abordagem conceitual

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

Redes de Telecomunicações (11382)

Redes de Telecomunicações (11382) Redes de Telecomunicações (11382) Ano Lectivo 2014/2015 * 1º Semestre Pós Graduação em Information and Communication Technologies for Cloud and Datacenter Aula 5 18/11/2014 1 Agenda Comunicação na camada

Leia mais

Juliano Sulzbach. Consultor de Vendas Oracle Regional Sul

Juliano Sulzbach. Consultor de Vendas Oracle Regional Sul Juliano Sulzbach Consultor de Vendas Oracle Regional Sul GUO-RS Oracle BPEL Process Manager Agenda Introdução Oracle BPEL Process Manager Rápida revisão Demonstrações Agenda Introdução Oracle BPEL Process

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula Apresentação do curso Introdução Definição de sistemas distribuídos Exemplo Vantagens e desvantagens Convergência digital Desafios Visão

Leia mais

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur 1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur TCP/IP O protocolo TCP/IP atualmente é o protocolo mais usado no mundo. Isso se deve a popularização da Internet, a rede mundial de computadores, já que esse

Leia mais

Maximo EAM GESTÃO INTELIGENTE DE ATIVOS

Maximo EAM GESTÃO INTELIGENTE DE ATIVOS Maximo EAM GESTÃO INTELIGENTE DE ATIVOS Herbert De Carvalho MAXIMO EAM Sales IBM Corporation Tivoli Software +55 11 2322.6738 (phone) +55 11 9 8134.3131 (cel) herbert.carvalho@br.ibm.com Agenda Introdução

Leia mais

Módulo de Ampliação de Expressividade para a Ferramenta jbpm. Aluno: Diorbert Corrêa Pereira Orientador: João Paulo A. Almeida

Módulo de Ampliação de Expressividade para a Ferramenta jbpm. Aluno: Diorbert Corrêa Pereira Orientador: João Paulo A. Almeida Módulo de Ampliação de Expressividade para a Ferramenta jbpm Aluno: Diorbert Corrêa Pereira Orientador: João Paulo A. Almeida o o o o o o Processos de Negócio Visão geral: Workflow Resource Patterns A

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Pipeline -- Execções -- Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Exceções Exceções (ou interrupções ou falta) Desvio para um endereço que não faz

Leia mais

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Agenda 1. Introdução à Integração Contínua 2. Ferramentas 3. Solução de Integração Contínua em Furnas 4. Demonstração O que é a Integração

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP. Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³

DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP. Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³ DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³ 1 Aluna do Curso de Ciência da Computação, integrante do PET-Computação, Depto.

Leia mais

Implantação Oracle e-business Suite utilizando OBA-Oracle Business Accelerator

Implantação Oracle e-business Suite utilizando OBA-Oracle Business Accelerator Implantação Oracle e-business Suite utilizando OBA-Oracle Business Accelerator Roger Rocha Rinco Gerente de Projetos E-mail: roger.rinco@bertini.com.br Agenda Overview e-business Suite (EBS) Ferramenta

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Sistemas Baseados em Regras. Profa. Patrícia Dockhorn Costa pdcosta@inf.ufes.br www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino

Sistemas Baseados em Regras. Profa. Patrícia Dockhorn Costa pdcosta@inf.ufes.br www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino Sistemas Baseados em Regras Aula3: Drools Profa. Patrícia Dockhorn Costa pdcosta@inf.ufes.br www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino Drools Business Logic integration Platform Plataforma integrada para gerenciamento

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

T22 Virtualização, Computação em nuvem e Mobilidade. Quais os benefícios destas tecnologias para a Manufatura?

T22 Virtualização, Computação em nuvem e Mobilidade. Quais os benefícios destas tecnologias para a Manufatura? T22 Virtualização, Computação em nuvem e Mobilidade. Quais os benefícios destas tecnologias para a Manufatura? Rev 5058-CO900D 1 E hoje a Internet das coisas 2 Gordon E. Moore Moore's law is the observation

Leia mais

Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar

Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar André Cristóvão Martins ALFRAPARK Edifício C Piso 2 Estrada do Seminário, 4 - Alfragide 2610-171 AMADORA (Portugal) Telemóvel: +351933223703 e-mail: acristovao@indracompany.com

Leia mais

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos Teste de defeitos Teste de Software Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema Ian Sommerville 2000 Software Engineering, 6th edition. Chapter 20 Slide 1 Ian Sommerville 2000

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Protocolos de Rede FALANDO A MESMA LÍNGUA Um protocolo pode ser comparado a um idioma, onde uma máquina precisa entender o idioma de outra máquina

Leia mais

Faça-Fácil: Passos Terminal Server

Faça-Fácil: Passos Terminal Server Faça-Fácil: 1. Objetivo Este documento mostra como configurar uma estação com Terminal Server da Microsoft (Windows 2003), para ser usado com o ifix (3.5 ou superior). 2. Introdução O ifix é capaz de trabalhar

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PSPICE. Usaremos o PSPICE para simular o circuito mostrado na Figura 1. Figura 1. Exemplo No. 1

INTRODUÇÃO AO PSPICE. Usaremos o PSPICE para simular o circuito mostrado na Figura 1. Figura 1. Exemplo No. 1 INTRODUÇÃO AO PSPICE 1. O QUE É O PSPICE? O programa PSPICE (ORCAD) é um simulador digital de circuitos eletrônicos, que emula os comportamentos de um circuito real. Deste modo ele permite fazer todos

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Serviços de Rede Prof: Jéferson Mendonça de Limas Ementa Configuração de Serviços de Redes; Servidor Web; Servidor de Arquivos; Domínios; Servidor de Banco de Dados; SSH; SFTP;

Leia mais

Programação Web Aula 10 - Testes, Javascript, Ajax

Programação Web Aula 10 - Testes, Javascript, Ajax Programação Web Aula 10 - Testes, Javascript, Ajax Bruno Müller Junior Departamento de Informática UFPR 28 de Abril de 2014 1 Ambientes de Execução 2 Testes Um exemplo Acrescentando Validação Validação

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Aplicativo para ITIL - Conectando os processos ITIL com o CMDB. Guilherme Azevedo EMC Ionix. Copyright 2009 EMC Corporation. All rights reserved.

Aplicativo para ITIL - Conectando os processos ITIL com o CMDB. Guilherme Azevedo EMC Ionix. Copyright 2009 EMC Corporation. All rights reserved. Aplicativo para ITIL - Conectando os processos ITIL com o CMDB Guilherme Azevedo EMC Ionix 1 ITIL V3 - Abordagem do ciclo de vida do serviço Estratégia do Serviço Gerenciamento de Serviços como uma ferramenta

Leia mais

Verificação e Validação

Verificação e Validação Verificação e Validação Patrícia Macedo Joaquim Filipe João Ascenso 2005/2006 EST, Setúbal Verificação e Validação Verificação Garante que o software cumpre as especificações Consistência interna Estamos

Leia mais

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Renan Leme Nazário, Ricardo Rufino Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil renazariorln@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

MOTOROLA NO BRASIL. www.motorola.com.br DESENVOLVIMENTO. ƒjose Mario Lima ƒluiz Bernardes. Celulares, rádios e infraestrutura celular

MOTOROLA NO BRASIL. www.motorola.com.br DESENVOLVIMENTO. ƒjose Mario Lima ƒluiz Bernardes. Celulares, rádios e infraestrutura celular ƒjose Mario Lima ƒluiz Bernardes Motorola General Business Information MOTOROLA NO BRASIL ƒfábrica Celulares, rádios e infraestrutura celular ƒpesquisa & DESENVOLVIMENTO Telefones Celulares Semicondutores

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO III - GLOSSÁRIO

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO III - GLOSSÁRIO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO III - GLOSSÁRIO Termo Descrição Ambiente de Desenvolvimento Ambiente onde propriamente são desenvolvidas e validadas pelo desenvolvedor as linhas de código implementadas.

Leia mais

Assessment. Maio 2006

Assessment. Maio 2006 Assessment Beth Gama, Ph.D. Maio 2006 O Valor de Nosso Modelo de Assessment Fundamentado nas pesquisas mais recentes sobre os determinantes de sucesso entre líderes Incorpora as melhores práticas de medidas

Leia mais

Mudanças em software. Gerir os processos de sistema em mudança de software. Objetivos

Mudanças em software. Gerir os processos de sistema em mudança de software. Objetivos UNIP Universidade Paulista Campus Tatuapé SP Ciência da Computação Engenharia de Software Mudanças de Software Prof. Marcelo Nogueira Ian Sommerville 2000 Software Engineering, 6th edition. Chapter 27

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES CAMADA DE APLICAÇÃO Teresa Vazão 2 INTRODUÇÃO Internet para todos.. 1979 Tim Burners Lee (invesngador do CERN): Inventor do conceito de navegação por hyper- texto 25

Leia mais

Gestão de Sistemas e Redes

Gestão de Sistemas e Redes Gestão de Sistemas e Redes Firewalls Paulo Coelho 2005 Versão 1.0 1 Acessos do exterior A ligação da rede de uma empresa a um sistema aberto como a Internet merece muitíssimo cuidado Três preocupações

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

Laravel: De Aprendiz a Artesão (Brazilian Portuguese)

Laravel: De Aprendiz a Artesão (Brazilian Portuguese) Laravel: De Aprendiz a Artesão (Brazilian Portuguese) Taylor Otwell and Pedro Borges This book is for sale at http://leanpub.com/laravel-pt-br This version was published on 2013-10-01 This is a Leanpub

Leia mais

Introdução ao TDD. Dionatan Moura. #guma10anos Abril de 2014. about.me/dionatanmoura

Introdução ao TDD. Dionatan Moura. #guma10anos Abril de 2014. about.me/dionatanmoura Introdução ao TDD #guma10anos Abril de 2014 Dionatan Moura about.me/dionatanmoura Introdução ao TDD Extreme Programming TDD Refatoração xunit Baby Steps Clean Code Patterns para TDD Red Bar Test Green

Leia mais

Programa de I&D ProjectIT

Programa de I&D ProjectIT Programa de I&D ProjectIT Abril de 2004 ProjectIT-MDD (XIS) ProjectIT- Requirements ProjectIT-Tests ProjectIT-Time ProjectIT-Workbenc Alberto Silva alberto.silva@acm.org Agenda Contexto Visão Geral sobre

Leia mais

Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão 3URFHVVRV(QJ GH5HTXLVLWRV. Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville

Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão 3URFHVVRV(QJ GH5HTXLVLWRV. Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão 3URFHVVRV(QJ GH5HTXLVLWRV Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville 1 Objectivos Introduzir a noção de processos e de modelos de processos

Leia mais

IBM InfoSphere Master Data Management Edições Standard e Advanced Versão 11 Release 0. Guia de Instalação G517-1464-00

IBM InfoSphere Master Data Management Edições Standard e Advanced Versão 11 Release 0. Guia de Instalação G517-1464-00 IBM InfoSphere Master Data Management Edições Standard e Advanced Versão 11 Release 0 Guia de Instalação G517-1464-00 IBM InfoSphere Master Data Management Edições Standard e Advanced Versão 11 Release

Leia mais

CURSO PRÁTICO. Módulo 2 Pré-requisitos. Application Virtualization 5.0. Nível: Básico / Intermediário

CURSO PRÁTICO. Módulo 2 Pré-requisitos. Application Virtualization 5.0. Nível: Básico / Intermediário CURSO PRÁTICO Application Virtualization 5.0 Nível: Básico / Intermediário Módulo 2 Pré-requisitos Índice Configurações Suportadas... 3 Management Server... 3 Publishing Server... 3 Reporting Server...

Leia mais

Transferência de arquivos (FTP)

Transferência de arquivos (FTP) Transferência de arquivos (FTP) Protocolo de transferência de arquivos (File Transfer Protocol) Descrito na RFC 959 Usa o TCP, a porta 21 (conexão de controle) e a porta 20 (conexão de dados) Em uma mesma

Leia mais

Novas Ferramentas de Teste na plataforma Java Jorge Diz Workshop de testes para aplicativos web Slide 1

Novas Ferramentas de Teste na plataforma Java Jorge Diz Workshop de testes para aplicativos web Slide 1 Just Java 2009 Novas Ferramentas de Teste na plataforma Java Jorge Diz Workshop de testes para aplicativos web Slide 1 Quem sou eu? Jorge Alberto Diz ( 95 Mestre em Eng. Elétrica (UNICAMP ( 89 Bach. em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Enplicaw Documentation

Enplicaw Documentation Enplicaw Documentation Release 0.1.0 Carlo Oliveira June 18, 2015 Contents 1 Enplicaw - Introdução 3 2 Enplicaw - Modulos 5 3 Notas de Lançamento V. 0.1.0 7 3.1 Milestone.................................................

Leia mais

Arquitetura de Redes. Prof. Dr. S. Motoyama

Arquitetura de Redes. Prof. Dr. S. Motoyama Arquitetura de Redes Prof. Dr. S. Motoyama 1 Arquitetura em camadas Arquitetura de RC Estruturar em camadas é decompor o problema de construção de uma rede em componentes gerenciáveis. A estruturação em

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Teste de Software Engenharia de Software 2o. Semestre de 2005 Slide

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Análise de Ponto de Teste. Uma proposta de adaptação

Análise de Ponto de Teste. Uma proposta de adaptação Análise de Ponto de Teste Uma proposta de adaptação Agenda Histórico O que é Análise de Ponto de Teste (APT)? A Técnica APT Dificuldades no uso da APT Proposta de adaptação Análise de Ponto de Teste Adaptada

Leia mais

Redes de Computadores Camada de Aplicação. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Camada de Aplicação. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Camada de Aplicação Prof. MSc. Hugo Souza É a camada que dispõe a programação para as aplicações de rede através dos protocolos de aplicação; Provém a implantação da arquitetura de

Leia mais

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education [Agile] Scrum + XP Agilidade extrema Wagner Roberto dos Santos Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com 1 Apresentação Arquiteto Java EE / Scrum Master Lead Editor da Queue Arquitetura

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para a Bienal de 2008

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para a Bienal de 2008 Cigré/Brasil CE B5 Proteção e Automação Seminário Interno de Preparação para a Bienal de 2008 Rio de Janeiro, 26-27 de junho de 2008 B5-201 Dados do Artigo Exploiting the IEC61850 Potential for New Testing

Leia mais

SSC2013 SHAREPOINT 2013 ADMINISTRATOR S SURVIVAL CAMP

SSC2013 SHAREPOINT 2013 ADMINISTRATOR S SURVIVAL CAMP Missões Impossíveis em Desenvolvimento de Software. SSC2013 SHAREPOINT 2013 ADMINISTRATOR S SURVIVAL CAMP Este curso intensivo de cinco dias foi concebido para ensinar experientes profissionais de TI,

Leia mais

Redes Híbridas: Soluções e Perspectivas

Redes Híbridas: Soluções e Perspectivas Redes Híbridas: Soluções e Perspectivas Workshop Futuro da Internet Ciclo de Eventos 2009 CPqD José Ferreira de Rezende rezende@gta.ufrj.br Por que as redes devem evoluir? algumas aplicações científicas

Leia mais

Formador: Paulo Ramos IGRI13: Rui Bárcia Nº15. Windows 2008 Server. Módulo 16. Instalação e configuração

Formador: Paulo Ramos IGRI13: Rui Bárcia Nº15. Windows 2008 Server. Módulo 16. Instalação e configuração Formador: Paulo Ramos IGRI13: Rui Bárcia Nº15 Módulo 16 Windows 2008 Server Instalação e configuração Roles DNS Nº 001 Começamos por selecionar o Server Manager. Roles DNS Nº 002 Visualização da janela

Leia mais

Agenda. Intro Migrando de relatório para uma solução de BI Under the Hood Operação e Lições aprendidas

Agenda. Intro Migrando de relatório para uma solução de BI Under the Hood Operação e Lições aprendidas Agenda Intro Migrando de relatório para uma solução de BI Under the Hood Operação e Lições aprendidas FALAR da SAMBA FALAR da SAMBA HACKWEEKS Reporting & Analytics No Início - Report Fornecer informações

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3

Redes de Computadores Aula 3 Redes de Computadores Aula 3 Aula passada Comutação: circuito x pacotes Retardos e perdas Aula de hoje Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Web Estruturando a Rede Como organizar os serviços de uma

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

Desenvolvendo aplicações

Desenvolvendo aplicações Desenvolvendo aplicações Sobre Adriano Bertucci Email: adriano@bertucci.com.br Twitter: @adrianobertucci Técnico: www.bertucci.com.br Consultoria e Serviços: www.fcamara.com.br Agenda Software + Serviços

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais

Aceleradores HTTP ACELERADORES HTTP PRODASEN SSITE/SSA

Aceleradores HTTP ACELERADORES HTTP PRODASEN SSITE/SSA ACELERADORES HTTP PRODASEN SSITE/SSA Roberto Geraldo Pimenta Ribeiro Júnior Raoni Timo De Castro Igor de Andrade Viana Marco Cícero (Chefe) -Objetivo - Conceito - Cenário Padrão Acelerador HTTP Backend

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

1. Clique no botão ou, na barra de menu principal, selecione File > New > New Method Content. O assistente New Method Content será aberto.

1. Clique no botão ou, na barra de menu principal, selecione File > New > New Method Content. O assistente New Method Content será aberto. Guia rápido de utilização Modden Este guia visa instruir o usuário a executar as principais funcionalidades da ferramenta. Modden Process Editor Criando um novo Method Content: 1. Clique no botão ou, na

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação POP3 IMAP DNS Slide 1 SMTP Rede de Computadores Protocolos de Acesso protocolo utilizado para a comunicação entre os servidores (push protocol); POP3 (Post Office

Leia mais

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e integração contínua. nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Objetivos Fornecer uma visão geral da área de testes de software, com ênfase em

Leia mais

OSGi Um Sistema Dinâmico de Módulos para Java

OSGi Um Sistema Dinâmico de Módulos para Java OSGi Um Sistema Dinâmico de Módulos para Java Raoni Kulesza raoni@larc.usp.br MAC-5863 Sistemas de Middleware Avançados 2006/2 Prof. Dr. Francisco Reverbel IME-USP, 28/11/2006 Agenda Introdução Arquitetura

Leia mais

luis.calado@microsoft.com

luis.calado@microsoft.com luis.calado@microsoft.com Software O melhor dos dois mundos Controlo sobre o utilizador Opções de implementação para as TI + Serviços Alargar a plataforma e as ferramentas para a nuvem Experiência em

Leia mais