NOS DOMÍNIOS DE DONA JOAQUINA DO POMPÉU: NEGÓCIOS, FAMÍLIA E ELITES LOCAIS ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOS DOMÍNIOS DE DONA JOAQUINA DO POMPÉU: NEGÓCIOS, FAMÍLIA E ELITES LOCAIS (1764-1824)"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UFOP INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS ICHS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DEHIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA PPGHIS LAIZELINE ARAGÃO DE OLIVEIRA NOS DOMÍNIOS DE DONA JOAQUINA DO POMPÉU: NEGÓCIOS, FAMÍLIA E ELITES LOCAIS ( ) Mariana, 2012

2 LAIZELINE ARAGÃO DE OLIVEIRA NOS DOMÍNIOS DE DONA JOAQUINA DO POMPÉU: NEGÓCIOS, FAMÍLIA E ELITES LOCAIS ( ) Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em História do Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Ouro Preto, como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em História. Área de Concentração: Poder e Linguagens Linha de pesquisa: Poder, Espaço e Sociedade Orientadora: Profª. Dr.ª Cláudia Maria das Graças Chaves. Mariana, 2012

3 O482n Oliveira, Laizeline Aragão de. Nos domínios de Dona Joaquina do Pompéu [manuscrito] : negócios, famílias e elites locais ( ) / Laizeline Aragão de Oliveira f.: il. color.; grafs.; mapas. Orientadora: Profª Drª Cláudia Maria das Graças Chaves. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Ouro Preto. Instituto de Ciências Humanas e Sociais. Departamento de História. Programa de Pósgraduação em História. Área de concentração: Poder e Linguagens. 1. Comércio - Teses. 2. Branco, Joaquina Bernarda de Abreu e Silva Castello, Teses. 3. Família - Teses. 4. Elites - Teses. 5. Pitangui (MG) - Teses. I. Universidade Federal de Ouro Preto. II. Título. Catalogação: CDU: 94(81).03: (815.1)

4 Laizeline Aragão de Oliveira Nos domínios de Dona Joaquina do Pompéu: negócios, família e elites locais ( ) Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto-UFOP, como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em História. Aprovada pela Comissão Examinadora abaixo assinada. Banca Examinadora Profª. Drª. Cláudia Maria das Graças Chaves Orientadora Departamento de História/UFOP Prof. Dr. Antônio Carlos Jucá Sampaio Departamento de História/UFRJ Prof. Dr. Renato Pinto Venâncio Departamento de História/UFMG/UFOP Mariana, 26 de Setembro de 2012

5 Para Marcosss, meu amor.

6 AGRADECIMENTOS Amo a história. Se não a amasse não seria historiador. (L. Febvre) É impossível construir um trabalho acadêmico sozinha. Por mais que o ato de redigir o texto seja solitário, outros momentos da pesquisa exigem a participação e contribuição de mentes solidárias. Produzir este trabalho me fez mergulhar no século XVIII e ficar, muitas vezes, ausente da minha própria vida. Mas a compensação vem agora ao vê-lo pronto. Foram dois longos anos de idas e vindas, de Belo Horizonte para Mariana, de Mariana para Belo Horizonte. De Belo Horizonte para Pitangui, de Pitangui para Belo Horizonte e depois de volta para Mariana. Por vezes achei que nunca terminaria, que o texto estava horrível, que o melhor seria jogar tudo para o alto. Mas depois vinha aquela vontade incontrolável de historiadora de voltar no arquivo, ler mais documentos, achar mais informações, descobrir mais sobre minha personagem Dona Joaquina do Pompéu. Oh mulher que meu deu trabalho! Mas no fim tudo entrou nos eixos, algumas respostas obtidas, algumas lacunas preenchidas e eis que o texto surge. E surge pronto para ser questionado, para ser contestado (o que farão com certeza) ou para ser simplesmente reconhecido como um texto relevante para a história de Minas Gerais (o que eu espero que aconteça). Mas é bom lembrar que o texto está pronto e ao mesmo tempo não está. A partir de agora ele pode ser alterado e renovado, vai saber o que ainda não vou descobrir sobre a Senhora Dona Joaquina? Vai saber o que outros historiadores não descobrirão? Ao longo do árduo processo de construção deste trabalho algumas pessoas foram essenciais e a elas ofereço o meu mais sincero agradecimento. Agradeço em primeiro lugar, e antes de mais nada, a professa Cláudia Maria das Graças Chaves por ter aceitado ser minha orientadora mesmo sem me conhecer. Você foi uma orientadora excepcionalmente incrível! Sua generosidade, compreensão, paciência e conhecimento foram essenciais para o meu trabalho. Foi uma honra ter sido sua orientanda. Agradeço aos professores do mestrado Valdei Lopes de Araújo, Ronaldo Pereira de Jesus, Francisco Eduardo Andrade e Maria do Carmo Pires pela competência com a qual me mostraram caminhos possíveis para a escrita da história. Agradeço a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal de Ouro Preto (PROPP/UFOP), pela bolsa de pesquisa que me foi concedida, possibilitando a realização deste trabalho.

7 Agradeço ao Marcos, meu amor, pelos sorrisos, abraços, beijos e cafunés. Obrigada por ter acreditado, confiado e esperado o mestrado terminar pro casamento começar. Obrigada por ter sido meu oásis nos momentos mais difíceis da pesquisa. Agradeço à amiga Alexandra Nascimento por dividir comigo sua experiência de já ter passado pelo mestrado (quantos conselhos, hein?), pelos livros emprestados (ih, será que já devolvi todos?), pelo conhecimento compartilhado. À amiga Camila Costa agradeço pelos momentos de diversão que aliviaram as tensões da minha mente dominada pela escrita da dissertação. Obrigada as duas, queridonas do meu coração, pelas saídas estratégicas, pelas risadas, pelas festas particulares, almoços feitos pela chef de cozinha e por não me deixarem sozinha na mesa mesmo depois de duas horas me ouvindo falar sobre Dona Joaquina! Agradeço à amiga Raquel que me socorreu nos 45 minutos do segundo tempo. TKS! Agradeço ao professor Euclides Couto por todas as oportunidades que me concedeu durante a graduação, pelas aulas magníficas e pela amizade. Saudações! Ao professor Rodrigo Almeida Ferreira, meus sinceros agradecimentos por ter me incentivado a continuar na luta com a Dona Joaquina e encarar o mestrado. Seu conhecimento, conselhos e sugestões foram muito importantes para minha formação. Agradeço às companheiras do mestrado Iara, Karine, Lídia, Melina, Pérola e Suziely pela companhia em Mariana e nos congressos Brasil a fora. Por fim, mas não menos importante, agradeço às minhas Três Mosqueteiras mãe, Jaque e Nata que aguentaram os relatos intermináveis das histórias de Dona Joaquina do Pompéu nos últimos anos.

8 O documento não é inócuo. É, antes de mais nada, o resultado de uma montagem, consciente ou inconsciente, da história, da época, da sociedade que o produziu, mas também das épocas sucessivas durante as quais continuou a viver, talvez esquecido, durante as quais continuou a ser manipulado, ainda que pelo silêncio. O documento é uma coisa que fica, que dura; o testemunho, o ensinamento que ele traz devem ser em primeiro lugar analisados desmistificando-lhe o seu significado aparente. O documento é monumento. Resulta do esforço das sociedades históricas para impor ao futuro voluntária ou involuntariamente determinada imagem de si próprias. No limite, não existe documento-verdade. Todo o documento é mentira. Jacques Le Goff

9 RESUMO Oliveira, Laizeline Aragão de. Nos domínios de Dona Joaquina do Pompéu: negócios, família e elites locais ( )/ Laizeline Aragão de Oliveira Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Ouro Preto. Instituto de Ciências Humanas e Sociais. Departamento de História. Programa de Pós-Graduação em História Este trabalho tem como objetivo discutir a organização do núcleo familiar liderado por Dona Joaquina do Pompéu e como esta se sobressaiu à frente do comando de seus negócios e de sua família. Por ter se destacado em uma sociedade onde as mulheres ficavam, na maioria das vezes, relegadas as atividades domésticas, buscamos apresentar a vida dessa distinta senhora tentando identificar elementos que pudessem nos dar indícios de como se deu sua atuação. A documentação analisada formada correspondências pessoais, recibos de compra e venda, testamentos, inventários, entre outros, permitiu vislumbrar aspectos das relações comerciais da matriarca. Com isso conseguimos perceber que em torno de Dona Joaquina foram se articulando uma série de alianças, comerciais e parentais, que refletiam o seu poder na região da Vila de Pitangui. Procuramos ainda problematizar a questão da formação das elites coloniais no interior da América portuguesa descrevendo como a família da matriarca aqui se estabeleceu. As balizas cronológicas definidas foram o ano de 1764, quando Dona Joaquina se casou, e 1824, ano do seu falecimento. Palavras-chaves: Abastecimento e comércio. Dona Joaquina do Pompéu. Elites. Família. Pitangui. Pompéu.

10 ABSTRACT This project discusses the organization of the family nucleus being led by Dona Joaquina do Pompéu and how she protruded being at the helm of her family business. For having stood out in a society where women should be, most of the time, at home doing the household chores, we attempted to present the life of this distinct lady trying to identify elements that could give us indications of her performance. The documentation analyzed composed by personal letters, bills of sales, wills and final instructions, inventories, among others, enable us to discern indistinctly the aspects of the matriarch s commercial relation. In this manner we could realize that a number of alliances were built around Dona Joaquina such as commercials and parental, and they reflected her power in the region of Vila de Pitangui. Moreover, we sought to discuss the issue of the formation of colonial elites inside the portuguese America, describing how the matriarch's family establish here. The chronological beacons defined were the years of 1764, when Dona Joaquina got married, and 1824, the year of her death. Key-words: Supply and trade. Dona Joaquina do Pompéu. Elites. Family. Pitangui. Pompéu.

11 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 01 Localização da Vila de Pitangui... Figura 02 Mapa da Capitania de Minas Gerais com a divisa das comarcas... Figura 03 Caminhos para a Vila de Pitangui... Figura 04 Limites da propriedade Fazenda do Pompéu... Figura 05 Árvore Genealógica Família Rodrigues Velho + Campos Bicudo + Oliveira... Figura 06 Árvore Genealógica Família Castelo Branco + Silva Sobral... Figura 07 Árvore Genealógica Família Inácio de Oliveira Campos e Dona Joaquina do Pompéu... Figura 08 Árvore Genealógica Família Inácio de Oliveira Campos e Dona Joaquina do Pompéu Parte I... Figura 09 Árvore Genealógica Família Inácio de Oliveira Campos e Dona Joaquina do Pompéu Parte II... Figura 10 - Representação de um fragmento da rede comercial/familiar de Dona Joaquina do Pompéu

12 LISTA DE ABREVIATURAS AHP Arquivo Histórico de Pitangui. APM Arquivo Público Mineiro. CMPI Câmara Municipal de Pitangui, APM. FCMP Fundo da Câmara Municipal de Pitangui, AHP. FJBP Família Joaquina Bernarda do Pompéu, APM. IHGB Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. IJBP Inventário de Joaquina Bernarda da Silva de Abreu Castelo Branco, AHP. RAPM Revista do Arquivo Público Mineiro. RIHGB Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. SC Seção Colonial, APM. SG Secretaria de Governo, APM.

13 SUMÁRIO Introdução O matriarcado no sertão mineiro: Senhora Dona Joaquina Do Pompéu 1.1. O avesso do matrimônio: nasce a matriarca do Pompéu Patriarcal ou matriarcal? Como caracterizar o núcleo familiar do Pompéu? Mulheres e negócio: Dona Joaquina é quem manda! 2.1. Abastecimento e comércio na formação da economia colonial mineira A fazendeira e comerciante Dona Joaquina do Pompéu Família, elite e poder: a trajetória do núcleo familiar de Dona Joaquina do Pompéu 3.1. A família de Dona Joaquina do Pompéu A formação de uma elite colonial na Vila de Pitangui e suas redes de poder... Considerações Finais... Fontes e Bibliografia

14 12 INTRODUÇÃO Os caminhos da história da mulher não se contam de modo claro e definido. São percursos sinuosos, intricados, ao longo dos quais o historiador precisa dispersar cargas de muito preconceito presente nas fontes, desconfiar de suas lacunas, duvidar de suas verdades. Luciano Figueiredo O interesse pelo estudo sobre Dona Joaquina do Pompéu, surgiu ainda na graduação, quando percebi que havia poucos estudos que discutissem o trabalho das mulheres brancas da elite colonial. A matriarca do Pompéu mostrou ser a personagem ideal para as questões que eu vinha levantando. Inicialmente o foco do trabalho seria discutir exclusivamente sobre a condição feminina no século XVIII, mas na medida em que a pesquisa se desenvolveu aspectos novos surgiram e abriram um leque de possibilidades de análises. Os primeiros documentos analisados mostraram que, muito mais do que apenas auxiliar o marido, houve uma efetiva participação de Dona Joaquina na administração das fazendas e das casas comerciais. A continuidade da pesquisa foi revelando a presença recorrente de certos nomes e sobrenomes nas correspondências, e, diante disso ficou claro que havia um grupo de indivíduos com os quais a matriarca se relacionava com maior proximidade. Ao pesquisar sobre esses sujeitos descobri que muitos deles tinham laços de parentesco com Dona Joaquina e seu marido, Capitão Inácio. Essa constatação me instigou a pensar sobre a possibilidade de considerar esses sujeitos como membros de um determinado grupo que se destacava na Vila de Pitangui. Mas que grupo seria esse? Como ele se formou? Quem seriam seus membros? Como nomeá-lo e caracterizá-lo? Essas foram algumas das questões que contribuíram para dar forma ao presente trabalho. A partir dessas questões tracei três hipóteses principais sobre as quais o trabalho foi construído e pensado. Primeiro: Há uma relação direta entre a formação e consolidação do patrimônio material de Dona Joaquina do Pompéu e o fortalecimento e solidificação do poder, prestígio e influência de sua família na região da Vila de Pitangui. Segundo: os arranjos matrimoniais que ligaram a família de Dona Joaquina do Pompéu a outras famílias da elite mineira colonial são reflexos das relações de poder consolidadas por estes grupos durante o século XVIII. E terceiro: a organização do núcleo familiar de Dona Joaquina do Pompéu apresenta elementos característicos do que chamamos de princípio senhorial das mulheres no

15 13 sertão 1, ou seja, a existência de grandes e poderosas famílias chefiadas por mulheres que adquirem prestígio e influência na região onde estão localizados. As discussões ocorridas no âmbito acadêmico trouxeram novos elementos que auxiliarão na estruturação das minhas discussões. A partir da temática da linha de pesquisa Poder, Espaço e Sociedade, cujo foco é a compreensão das relações culturais e políticas em diferentes contextos históricos. O eixo temático, Poder e Linguagens, direciona o olhar para as múltiplas e descontínuas redes sociais por meio das quais os sujeitos definem estratégias de atuação e se posicionam diante da sociedade. Nesse sentido, o intuito desta pesquisa é, entre outros, contribuir para os avanços da historiografia nacional que discutem principalmente as questões ligadas ao universo feminino do trabalho, formação das elites coloniais, e estratégias utilizadas para a manutenção do poder dessas elites. As análises direcionadas para Dona Joaquina do Pompéu e sua família, para a Vila de Pitangui e para a Fazenda do Pompéu permitirão lançar luz sobre elementos do cotidiano desses sujeitos e assim responder as questões que tanto me inquietam. Neste trabalho a escala da pesquisa foi reduzida diante da possibilidade de examinar as particularidades das alianças protagonizadas por Dona Joaquina e seus pares, e que talvez não possam ser apreciadas em análises amplas. Haverá então uma busca por estruturas sobre as quais, o que nos é conhecido das relações comerciais e de poder no entorno da matriarca, se articulam. E nesta perspectiva, a escolha do individual não é contraditória com a do social, mas torna possível uma abordagem diferente deste último. Sobretudo, permite destacar, ao longo de um destino específico, a complexa rede de relações, a multiplicidade dos espaços e dos tempos nos quais se inscreve (REVEL, 2000, p.17). Alguns procedimentos metodológicos da micro-história foram mais adequados para a elaboração deste projeto, já que o que se pretende aqui não é realizar uma obra biográfica, mas sim compreender aspectos deste personagem histórico que só poderão ser percebidos por meio de um exame micro 2. Também não pretendo afirmar que a partir da análise das relações comerciais e de poder de Dona Joaquina será possível entender tudo sobre relações de poder, abastecimento e comércio no período colonial. Muito pelo contrário, a intenção é de descobrir 1 Adotamos o uso da expressão princípio senhorial das mulheres no sertão, porque nos permite pensar na existência de diversos núcleos familiares liderados por mulheres em todo o interior da América portuguesa. Essas mulheres assumem o comando das famílias e dos negócios atuando de forma efetiva e muitas vezes ampliando consideravelmente suas fortunas. 2 Baseados nos apontamentos de Revel, identificamos elementos que nos auxiliarão na construção da pesquisa, a saber: privilégio a redução de escala, interesse por destinos específicos, desejo de estudar o social não como um objeto dotado de propriedades, mas sim como um conjunto de inter-relações móveis dentro de configurações em constante adaptação (REVEL, 2000, p.7-37).

16 14 elementos particulares que componham, aí sim, as mais variadas práticas comerciais, sociais e políticas deste período. As análises vão dizer sobre um indivíduo e seus pares, e não sobre toda uma sociedade. No entanto, não posso deixar de considerar que mesmo se tratando de uma análise individualizada, esses sujeitos não se encontram isolados, eles fazem parte de um meio muito maior, e também o representam. Não proponho o estabelecimento de regras e modelos, quero apenas observar o comportamento de um sujeito histórico num determinado contexto com a intenção de responder algumas questões e de contribuir, em alguma medida, para o enriquecimento da história de Minas Gerais. Os objetivos definidos a partir das hipóteses levantadas, centram-se em discutir a organização do núcleo familiar liderado pela matriarca a partir da ideia de princípio senhorial das mulheres do sertão; investigar a configuração e articulação de alianças em torno da figura de Dona Joaquina do Pompéu e sua família; analisar o processo de produção e abastecimento de gêneros na capitania de Minas Gerais, e a partir desse universo compreender a atuação de Dona Joaquina como produtora e comerciante. Mas, afinal de contas, quem foi Dona Joaquina Pompéu? Joaquina Bernarda da Silva de Abreu Castelo Branco era filha do doutor Jorge de Abreu Castelo Branco e dona Jacinta Teresa da Silva, ambos portugueses. Nasceu em 20 de agosto de 1752 na cidade de Mariana, e faleceu em dezembro de 1824, aos 72 anos, na Fazenda do Pompéu. Mudou-se com o pai e os irmãos para a Vila de Pitangui após o falecimento da mãe. Casou-se com o Capitão Inácio de Oliveira Campos, em 1764, fixando residência na fazenda Lavapés nas proximidades da vila. O fato de Inácio ser Capitão-Mor 3, o obrigava a passar longos períodos longe da fazenda e com isso Dona Joaquina acabou assumindo, além do cuidado da família, a administração dos negócios. Inicialmente sob o comando do Capitão Inácio e com a ajuda de Dona Joaquina, e posteriormente sob o comando da matriarca, a fazenda do Lavapés, onde o casal morava, cresceu significativamente. A expansão das atividades tornou necessária a aquisição de uma propriedade maior. Ao buscarem novas terras para comprar, receberam proposta do fazendeiro Manoel Gomes da Cruz que ofereceu as terras da Fazenda do Pompéu. O negócio se concretizou em 1784, quando a família passou a residir nas ditas terras. Foi a partir da transferência para a fazenda que Joaquina passou a ser chamada de Dona Joaquina do Pompéu. 3 Subordinado ao governador da Capitania, o cargo de capitão-mor era o mais importante, pois apesar de não ser remunerado pelo governo, era quem governava as vilas e povoados durante o período de três anos ou mais. A escolha do capitão-mor era realizada pela câmara e pelo capitão-general da seguinte forma: a câmara indicava três nomes e o capitão-general ficava incumbido de definir o escolhido. ALMEIDA, 1981, p.135.

17 15 De acordo com Cláudia Chaves (1999), nos livros do registro da Vila de Pitangui, referentes aos anos de 1765 a 1767, logo após o casamento de Dona Joaquina, já consta a passagem da produção da fazenda Lavapés. Os registros estão em nome de seu marido, e demonstram um considerável volume de mercadorias saindo da região de Pitangui destinado ao abastecimento de outras partes da capitania. No período compreendido entre os anos de , Capitão Inácio aparece como segundo maior produtor da região. Em 1804, havia na fazenda um centro de criação e engorda de gado, e o engenho fabricava açúcar e cachaça. Demonstrando a sua perspicácia administrativa, Dona Joaquina mandou fazer plantações de algodão e mantinha um imenso rebanho de ovelhas, utilizados para a produção de roupas para a escravaria. Percebe-se que suas fazendas eram, em grande medida, auto-suficientes, e também um importante núcleo fornecedor de produtos para o abastecimento da Vila de Pitangui e circunvizinhança, bem como de outras regiões da capitania. Toda essa atividade favorecia cada vez mais sua visibilidade social e a ampliação de sua rede de influência. A presença dessas relações de poder, por ela alcançado, chamam a atenção por se tratar de uma sociedade colonial patriarcal, onde, na maior parte dos casos eram os indivíduos do sexo masculino quem estavam a frente dos negócios. Qual era a condição da mulher da elite neste período? De que forma ela se relacionava com os outros comerciantes? Como eram constituídas as redes formais e informais de poder no entorno dela? Como ela construía suas estratégias de produção, negociação e comercialização de gêneros alimentícios? O que dizer dos núcleos familiares estruturados sob a figura feminina? Como incluir Dona Joaquina do Pompéu nas relações patriarcais do século XVIII? Estas são apenas algumas das questões que foram tomadas como indicadoras do caminho a ser seguindo na pesquisa. Como a pesquisa tem uma mulher como sujeito histórico, serão apresentadas algumas referências sobre a história das mulheres. Em pesquisas já realizadas sobre o gênero feminino no Brasil, percebe-se o estabelecimento de imagens estigmatizadas e generalizantes, isto ocorre principalmente nas discussões sobre a mulher nos séculos XVI, XVII e XVIII. Pensar sobre o papel social feminino no período colonial, em especial na região de Minas Gerais, remete-nos a uma imagem de que estavam vinculadas ao trabalho essencialmente doméstico, não desempenhando nenhuma outra atividade. A construção desta imagem é, em grande parte,

18 16 influência da obra Casa-Grande e Senzala, de Gilberto Freyre (2006) 4, que realiza as primeiras análises sobre a estrutura familiar brasileira. No entanto, é importante ressaltar, que o autor analisava um contexto específico, onde a organização da sociedade patriarcal determinava a condição da mulher naquele modelo, tão cuidadosamente descrito por ele. Contudo, historiadores fizeram uso dos conceitos discutidos por Freyre, empregando-os de maneira ligeiramente distintas e com designações diferenciadas, para legitimarem e reforçarem suas impressões sobre o papel feminino na sociedade brasileira na América Portuguesa. Assim, não se deve atribuir exclusivamente a Freyre a criação, na historiografia brasileira, de uma imagem feminina frágil e preguiçosa, ou sensual e despudorada. A partir da década de 1980, importantes publicações referentes ao período colonial, como as obras de Miriam Leite (1984), Mary Del Priore (1995) e Luciano Figueiredo (1999), começam a romper com essa não-verdade. As análises propostas por estes autores demonstram uma nova perspectiva para se estudar a história das mulheres no Brasil, destacando uma ativa participação delas na sociedade colonial, seja no comércio local das cidades ou na administração de fazendas. Estes historiadores discutem a história das mulheres trazendo elementos que vão além de uma análise exclusiva do núcleo doméstico. Temas como economia, trabalho, maternidade, sexualidade, entre outros, são convergidos para as mulheres, afirmando sua existência como sujeito histórico. E elas passam a ser vistas como agentes capazes de desempenhar os mais variados papéis na sociedade, independente de sua condição. Um desses papéis é o de dona, proprietária. De acordo com José Capela (1995) dona tornou-se um título adquirido pelas mulheres e foi enraizado na consciência coletiva. Outros trabalhos trazem um mesmo entendimento para o uso da palavra Dona antes do nome de distintas e importantes senhoras, representando o prestígio de determinadas mulheres na sociedade colonial 5. Neste sentido, buscarei compreender a representatividade e a força adquirida pelo vocábulo Dona ao ser usado antes do nome de Joaquina. Parece que o vocábulo representa além da distinção social, um símbolo de reforço do poder familiar na região da Vila de Pitangui. Dona da Fazenda do Pompéu, dona de fazendas em Paracatu do Príncipe, dona de gados, de engenhos, de plantações, de escravos, de casas 4 Lançado em 1933, o livro Casa Grande e Senzala, de Gilberto Freire, pode ser compreendido como um imenso painel da formação da sociedade brasileira. O autor discute os espaços sociais no início da colonização, os modos de existência familiar, o sistema econômico, político e cultural. 5 Ver, entre outros, GOLDSCHMIDT, Eliana Rea. Famílias Paulistanas e os casamentos consangüíneos de donas, no período colonial. Anais da 17º Reunião da S.B.P.H. São Paulo, 1997; SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Donas e plebéias na sociedade colonial. Lisboa: Editorial Estampa, 2002; ZANATTA, Aline Antunes. Justiça e representações femininas: o divórcio entre a elite paulista ( ). Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas-SP, 2005.

19 17 comerciais. E a representatividade desse título é tão significativa que ela passa a ser conhecida como Dona Joaquina do Pompéu, aquela que é proprietária de um imenso patrimônio representando pela sede da fazenda (Pompéu), que foi morada também dos primeiros habitantes da região. Há aqui uma simbologia no próprio espaço da fazenda, no edifício. E o título de DONA, não é concedido no espaço oficial, mas num outro lugar, num lugar para além do oficial, e que no caso da matriarca trouxe uma significação bastante sólida. É neste ponto que identificamos o poder simbólico que emana de Dona Joaquina, uma mulher em uma sociedade masculina, que se destaca como fazendeira e comerciante. Que organiza e administra arranjos familiares que se elevam a uma categoria de arranjos políticos, sociais e econômicos. Neste caso o título não recai sobre uma descendente de casa nobre portuguesa, mas sobre uma mulher que conquista distinção, status social e poder devido à atuação da família em terras coloniais, numa esfera local. É inegável a importância sócio-econômica da exploração aurífera no século XVIII, contudo, é imprescindível demonstrar a existência de importantes redes de comércio e/ou produção que se desenvolveram como atividades subjacentes em Minas Gerais e foram, assim como a mineração, essenciais para o desenvolvimento da sociedade colonial. Para tanto, foram analisados, além da atuação da matriarca, aspectos da economia mineira nos setecentos com o intuito de possibilitar um amplo entendimento do funcionamento do comércio e abastecimento colonial, e assim, introduzir nesse cenário a discussão sobre as relações econômicas, políticas e sociais protagonizadas por Dona Joaquina. A agricultura, pecuária e comércio ganharam fôlego e reconhecimento na medida em que se mostraram essenciais para a sobrevivência das vilas e dos arraiais mineradores. Podese pensar também que, com o desenvolvimento da mineração e a dificuldade de se conseguir novas datas 6, algumas pessoas perceberam no mercado do abastecimento a possibilidade de riqueza sem os riscos da atividade mineradora. E, mesmo com as divergências historiográficas sobre a existência ou não de um mercado voltado para o abastecimento interno, e a possibilidade ou não de acumulação de capital por parte dos produtores e comerciantes, percebe-se que a atividade agropecuária e comercial movimentou em Minas quantia 6 Designação da área de terra concedida pela Coroa Portuguesa a indivíduos dispostos a praticar a mineração. Segundo as Ordenações Filipinas, após a descoberta do veio, notificada ao provedor das minas, proceder-se-ia à demarcação (...). Segundo o Regimento dos Superintendentes Guardas-Mores e Oficias Deputados para as Minas de Ouro, inicialmente cabia ao superintendente distribuir as datas. Mais tarde, esse poder foi atribuído aos guardas-mores, cabendo aos ouvidores dirimir conflitos quanto à posse da terra (ROMEIRO, 2003, p.95-96).

20 18 significativa de riqueza, permitindo a acumulação de bens 7. Tendo em vista a própria trajetória de Dona Joaquina. Diante desse acúmulo de bens e enriquecimento, o surgimento de uma elite, e ao seu redor alianças, é evidente. Neste trabalho, o núcleo familiar chefiado por Dona Joaquina do Pompéu, é entendido como um grupo de sujeitos pertencentes à elite colonial. E, o termo elite está sendo utilizado partindo da ideia de que Dona Joaquina e aqueles indivíduos que estabeleceram alianças com ela ocupam importantes posições sociais dispondo de poderes, influência e privilégios exclusivos. Ou seja, eles são um grupo que detêm diferentes tipos de poder na Vila de Pitangui, como poder político, econômico, militar e etc. O tema do poder será outra importante questão que permeará todo o debate realizado nesta pesquisa. Ao discutir sobre esse tema será imprescindível conceituá-lo demonstrando de que forma ele aparece nas relações sociais protagonizadas por Dona Joaquina. Entende-se que o poder e a influência atribuídos à matriarca estão ligados a uma herança familiar de prestígio, tanto de sua família quanto do seu esposo. Há nesse emaranhado de questões sobre poder, influência, favores, elementos mais subjetivos, impossíveis de serem captados em análises puramente econômicas ou políticas. Por esse motivo serão utilizadas obras como O poder simbólico de Pierre Bourdie (1989), A Herança Imaterial de Giovanni Levi (2000) e O enigma do dom de Maurice Godelier (2001), para auxiliarem na compreensão de elementos que assumem o valor máximo de uma sociedade exatamente pelo fato de não circularem, por não se materializarem em notas promissórias ou cartas de dívidas. Colocar a figura de Dona Joaquina do Pompéu em discussão possibilita uma análise interessante do contexto social e econômico do período colonial em Minas Gerais. As relações de poder e a representatividade desse poder sob a figura da matriarca e sua família, podem contribuir para a construção de um complexo mosaico sobre as elites nas diferentes regiões da colônia. Indicando assim, como essas elites se estruturaram no seio do Antigo Regime português dentro da lógica colonial estabelecida na América. As questões a serem levantadas não pretendem ser elucidadas com uma única afirmativa, e tampouco definitiva. Pretende-se apresentar perspectivas de análise e possíveis olhares sobre o objeto em um determinado momento. Compreender, por meio da análise documental, esses arranjos 7 De acordo com Deusdedit Campos (2003), baseado no inventário de Dona Joaquina, suas propriedades atingiram cerca de alqueires, cabeças de gado vacum, equinos; juntas de bois carreiros, cerca de escravos. Havia uma grande quantidade de imóveis, prataria, ouro em barra, móveis, veículos de transporte, títulos de dívidas de fazendeiros vizinhos e outros bens. Segundo o historiador Gilberto Cezar Noronha, o valor total de sua fortuna na época do seu falecimento, podia chegar, nos dias atuais, a um valor aproximado de 2 bilhões de reais (NORONHA, 2007a, p.56).

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Histórias da capitania de São Paulo SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Denise A Soares de Moura * São Paulo de 1532 a 1822. 290 anos

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Vila Verde recebe brasileiros de Bom Despacho

Vila Verde recebe brasileiros de Bom Despacho Vila Verde recebe brasileiros de Bom Despacho *JACINTO GUERRA, de Brasília para o Portal de Aboim da Nóbrega Em 1967, quando o Dr.Laércio Rodrigues lançou seu livro História de Bom Despacho origens e formação,

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

UMA CONVERSA AO REDOR DO FOGÃO SOBRE CAPTAÇÃO DE RECURSOS 1

UMA CONVERSA AO REDOR DO FOGÃO SOBRE CAPTAÇÃO DE RECURSOS 1 UMA CONVERSA AO REDOR DO FOGÃO SOBRE CAPTAÇÃO DE RECURSOS 1 Dois problemas se misturam A verdade do Universo e a prestação que vai vencer Raul Seixas Rodrigo Alvarez O Mosteiro pode acabar * O mosteiro

Leia mais

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa V CONGRESSO DE ENSINO E PESQUISA DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM MINAS GERAIS 1 AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa Luiz Miguel Galvão Queiroz 1 Paulo Sérgio

Leia mais

Os Contratos dos Caminhos de Ouro

Os Contratos dos Caminhos de Ouro Os Contratos dos Caminhos de Ouro Sofia Lorena Vargas Mestranda - UFMG A prática da arrematação dos contratos a terceiros está presente desde os primórdios do Estado Absolutista. São caracterizadas por

Leia mais

MEDRADO, JOANA. TERRA DE VAQUEIROS: RELAÇÕES DE TRABALHO E CULTURA POLÍTICA NO SERTÃO DA BAHIA, 1880-1900. CAMPINAS: EDITORA DA UNICAMP, 2012.

MEDRADO, JOANA. TERRA DE VAQUEIROS: RELAÇÕES DE TRABALHO E CULTURA POLÍTICA NO SERTÃO DA BAHIA, 1880-1900. CAMPINAS: EDITORA DA UNICAMP, 2012. MEDRADO, JOANA. TERRA DE VAQUEIROS: RELAÇÕES DE TRABALHO E CULTURA POLÍTICA NO SERTÃO DA BAHIA, 1880-1900. CAMPINAS: EDITORA DA UNICAMP, 2012. * Universidade de São Paulo As pesquisas feitas na área de

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG.

A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG. A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG. ELIANA GARCIA VILAS BOAS* LEANDRA DOMINGUES SILVÉRIO** Ao participar dos debates propostos pela Linha de Pesquisa:

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Genealogia das Famílias Açorianas - De onde viemos e quem somos.

Genealogia das Famílias Açorianas - De onde viemos e quem somos. Genealogia das Famílias Açorianas - De onde viemos e quem somos. Marcos Henrique Oliveira Pinheiro Descendente de Açorianos Formação Educação Física Pesquisador de Genealogia Participante da 2 Semana de

Leia mais

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios do Novo Mundo não formavam um grupo homogêneo, com características lingüísticas e culturais semelhantes. Ao contrário do que se imagina, existiram vários

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line do livro: ASSUNÇÃO, P. Negócios Jesuíticos: O cotidiano da administração dos bens divinos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004. 512 p. por Flávio Massami Martins Ruckstadter Mestrando

Leia mais

SUBSÍDIO LITERÁRIO: UM IMPOSTO PARA EDUCAR NO "PERÍODO DAS LUZES" A proposta desta comunicação é apresentar uma análise do Subsídio Literário

SUBSÍDIO LITERÁRIO: UM IMPOSTO PARA EDUCAR NO PERÍODO DAS LUZES A proposta desta comunicação é apresentar uma análise do Subsídio Literário SUBSÍDIO LITERÁRIO: UM IMPOSTO PARA EDUCAR NO "PERÍODO DAS LUZES" Diana de Cássia Silva UFMG/FAE/GEPHE A proposta desta comunicação é apresentar uma análise do Subsídio Literário enquanto um objeto de

Leia mais

HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: A ESCOLA RURAL CORONEL FIRMINO VIEIRA DE MATOS DA VILA MACAÚBA, DO MUNICÍPIO DE DOURADOS (1974-1997)

HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: A ESCOLA RURAL CORONEL FIRMINO VIEIRA DE MATOS DA VILA MACAÚBA, DO MUNICÍPIO DE DOURADOS (1974-1997) HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: A ESCOLA RURAL CORONEL FIRMINO VIEIRA DE MATOS DA VILA MACAÚBA, DO MUNICÍPIO DE DOURADOS (1974-1997) Aline do Nascimento Cavalcante 1 RESUMO: Este trabalho tem como

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de 1 1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de Museologia da Universidade Federal de Sergipe; Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Memória

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL IRENILDO COSTA DA SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL IRENILDO COSTA DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL IRENILDO COSTA DA SILVA SUSTENTABILIDADE DOS SISTEMAS DE USO DA TERRA NO ASSENTAMENTO

Leia mais

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo:

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: A família patriarcal no Brasil e seus desdobramentos. 2 Habilidade: Reconhecer que a ideologia patriarcal influenciou a configuração

Leia mais

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO (1958-1971) Inês Velter Marques Mestranda em Educação /Linha História, Memória e Sociedade/Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)/Programa

Leia mais

II Encontros Coloniais Natal, de 29 a 30 de maio de 2014

II Encontros Coloniais Natal, de 29 a 30 de maio de 2014 Padre Simão Rodrigues de Sá, um patriarca de batina José Rodrigues da Silva Filho Graduado em História, UFRN Orientadora: Carmen Margarida Oliveira Alveal rodrigues.omagno@gmail.com Quando se trata de

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Termo até então desconhecido, Comunicação Pública agora é nome de curso de pós-graduação, título de livros, de artigos e pesquisas. Nós, na Secretaria

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE O início da mineração no Brasil; Mudanças sociais e econômicas; Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; Revoltas ocorridas pela exploração aurífera;

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Título da sessão: Reflexões sobre a Construção Urbano-territorial do Brasil no Século XVIII

Título da sessão: Reflexões sobre a Construção Urbano-territorial do Brasil no Século XVIII SESSÃO DE INTERLOCUÇÃO Título da sessão: Reflexões sobre a Construção Urbano-territorial do Brasil no Século XVIII Proponente: Profa. Dra. Maria Berthilde Moura Filha Títulos das comunicações e autores/expositores:

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e Michelle Cartolano de Castro Ribeiro. Catolicismo e Espiritismo: potenciais de pesquisa a partir do Fundo José Pedro Miranda (Centro Universitário Barão de Mauá pós-graduando) O espaço de estudo usado

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Mendel, o pai da genética - Parte I. Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Mendel, o pai da genética - Parte I. Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel Mendel, o pai da genética - Parte I Conteúdos: Tempo: Objetivos: Descrição: Produções Relacionadas: Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel 5 minutos para cada áudio. Avaliar se o

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014

Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014 Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014 Festa do Divino Espírito Santo e seu registro fotográfico. Jairton Ortiz

Leia mais

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PROPOSTA DE AÇÃO Sensibilizar os professores sobre a importância de incentivar seus alunos a participarem do Concurso

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação A defesa militar da Amazônia Celso Castro e Adriana Barreto de Souza Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação independente? A pergunta, contraditória em seus próprios termos,

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA ÁGUA E CRIANÇAS: MUITAS DESCOBERTAS E APRENDIZAGENS

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA ÁGUA E CRIANÇAS: MUITAS DESCOBERTAS E APRENDIZAGENS RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA ÁGUA E CRIANÇAS: MUITAS DESCOBERTAS E APRENDIZAGENS FONSECA, Karla Madrid 1 ;UEIIA/UFSM SILVEIRA, Lidiane Gripa 2 ;UEIIA/UFSM MOMBELLI,

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados

Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados 1 Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados Renata Aliaga 1 Lilian Lopes Martin da Silva (Grupo ALLE- Alfabetização, Leitura e Escrita Programa de Pós Graduação

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

A Influência da Igreja Católica nas Políticas Urbanas nas Minas Gerais

A Influência da Igreja Católica nas Políticas Urbanas nas Minas Gerais A Influência da Igreja Católica nas Políticas Urbanas nas Minas Gerais Ronaldo Henrique Giovanini Rocha rhgiovannini@ig.com.br Mestrando/Ciências da Religião PUC-MG GP Igreja Católica no Brasil O tema

Leia mais

OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.)

OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.) OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.) Paula Montes Leal e Carlos Jorge Barreira Arquivo Histórico da A. A. Ferreira No seguimento da comunicação apresentada ao

Leia mais

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx Instituto de Investigaciones Dr. José María Luis Mora México Guimaraes, Carlos Gabriel Angelo Alves Carrara

Leia mais

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem Tudo bem. Eu vou para casa! Foi o que uma moça disse a seu namorado, na República Central-Africana. Tudo começou porque ele ia fazer uma viagem

Leia mais

Os homens ricos das Minas nas malhas do Império Português

Os homens ricos das Minas nas malhas do Império Português Os homens ricos das Minas nas malhas do Império Português 1 Os homens ricos das Minas nas malhas do Império Português Carla Maria Carvalho de Almeida 1, Ana Paula dos Santos Rangel 2, Juliano Custódio

Leia mais

Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro

Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Alan de Carvalho Souza 1 ppunk_alan@hotmail.com A proposta desse texto é analisar

Leia mais

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO Charles Nascimento de SÁ charles.as@superig.com.br FTC/FACSA A escravidão no Brasil tem nos maus tratos e na violência do sistema sua principal afirmação. Ao longo das

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos

TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos Priscila de Moura Souza 1 Teresinha de Jesus Mesquita Queiroz 2 Introdução O presente texto busca analisar os primeiros processos de ensino aprendizagem,

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

COMISSÃO LUSO-BRASILEIRA DE SALVAGUARDA E DIVULGAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL

COMISSÃO LUSO-BRASILEIRA DE SALVAGUARDA E DIVULGAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL COMISSÃO LUSO-BRASILEIRA DE SALVAGUARDA E DIVULGAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL Aos 10 dias do mês de setembro de 1996, na cidade de Lisboa, Portugal, na sala de reuniões da Presidência do Instituto dos

Leia mais

Igrejas paulistas: barroco e rococó

Igrejas paulistas: barroco e rococó Igrejas paulistas: barroco e rococó Vanessa Proença Título da obra: Igrejas paulistas: barroco e rococó. Autor: Percival Tirapeli 1 Um grande catálogo: é essa a impressão que o livro nos passa. A proposta

Leia mais

CINE TEXTOS DUAS MULHERES

CINE TEXTOS DUAS MULHERES 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos MANUSCRITOS AFRODESCENDENTES AUTÓGRAFOS DA CHAPADA DIAMANTINA Elias de Souza Santos (UNEB) elias40_d@hotmail.com Pascásia Coelho da Costa Reis (UFBA/UNEB)

Leia mais

Vol. II. Condomínios Residenciais. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br

Vol. II. Condomínios Residenciais. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Vol. II Condomínios Residenciais Manual de Segurança Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br F Apresentação inal de um dia de trabalho. O provável morador acaba de chegar em frente ao seu prédio, esperando

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Humberto Gonçalves de Carvalho. Manual do. Empreendedor. Guia prático. Conceitos, ideias e dicas

Humberto Gonçalves de Carvalho. Manual do. Empreendedor. Guia prático. Conceitos, ideias e dicas Humberto Gonçalves de Carvalho Manual do Empreendedor Guia prático Conceitos, ideias e dicas Rio de Janeiro 2011 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2011 1. ed. 2011 Capa Theo Guedes Diagramação Theo Guedes

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO

DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA ANPUH-BRASIL O PERFIL PROFISSIONAL DOS HISTORIADORES ATUANTES EM ARQUIVOS DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO São Paulo, dezembro de 2012. APRESENTAÇÃO Este documento, produzido

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 11 1. DA INFÂNCIA EM DESTERRO À VOLTA PELO BRASIL 17. João da Cruz e Sousa 17 O Brasil aos olhos do viajante Cruz e Sousa 22

Sumário INTRODUÇÃO 11 1. DA INFÂNCIA EM DESTERRO À VOLTA PELO BRASIL 17. João da Cruz e Sousa 17 O Brasil aos olhos do viajante Cruz e Sousa 22 Sumário INTRODUÇÃO 11 1. DA INFÂNCIA EM DESTERRO À VOLTA PELO BRASIL 17 João da Cruz e Sousa 17 O Brasil aos olhos do viajante Cruz e Sousa 22 2. UM POETA NO JORNALISMO 25 O (quase) pai de família 35 3.

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

Junta de Paróquia do Cabo da Praia

Junta de Paróquia do Cabo da Praia Governo dos Açores Presidência do Governo ireção Regional da Cultura Junta de Paróquia do Cabo da Praia (Ilha Terceira, Açores, Portugal) Por Catarina Costa aluna do curso de Ciência de Informação Arquivística

Leia mais

elementos para refletirmos a respeito da liberdade do corpo da prostituta na prática da

elementos para refletirmos a respeito da liberdade do corpo da prostituta na prática da PROSTITUIÇÃO E A LIBERDADE DO CORPO 1 Primeiramente quero agradecer o convite e falar que estou encantada de falar deste tema para uma platéia tão especial. Bom, na minha comunicação pretendo levantar

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro INTRODUÇÃO A interação do homem com a natureza sempre teve um viés científico/analítico, e suas consequências, bastante visíveis nos dias atuais,

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto.

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto. Agradecimentos: Cumpre-me inicialmente agradecer a toda Diretoria Executiva, especialmente ao Teruo, por confiarem no meu trabalho e me darem toda a autonomia necessária para fazer o melhor que fui capaz

Leia mais

TRADUÇÃO Angelino Junior do Carmo

TRADUÇÃO Angelino Junior do Carmo TRADUÇÃO Angelino Junior do Carmo Sumário Obtendo o máximo de Tiago... 5 1. Confiança ou dúvida Tiago 1.1-18... 9 2. Palavras, palavras, palavras Tiago 1.19-27... 12 3. Não discrimine as pessoas Tiago

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente INTRODUÇÃO Basta ficar atento ao noticiário para ver que o assunto mais citado nos últimos tempos varia entre os temas de estresse, equilíbrio e falta de tempo. A Qualidade de Vida está em moda no mundo

Leia mais

HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA. Resumo

HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA. Resumo HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA Angela Ribeiro Ferreira UEPG Luis Fernando Cerri UEPG Resumo O problema central de discussão da pesquisa diz respeito a dois pontos:

Leia mais