RELATÓRIO Nº 03/2014 DIFIS/CONEP/CONT/STC RELATÓRIO SOBRE O CONTROLE DO DEFERIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO Nº 03/2014 DIFIS/CONEP/CONT/STC RELATÓRIO SOBRE O CONTROLE DO DEFERIMENTO"

Transcrição

1 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado de Transparência e Controle Controladoria-Geral RELATÓRIO SOBRE O CONTROLE DO DEFERIMENTO DE VANTAGENS E A FORMA DE CALCULAR QUALQUER PARCELA INTEGRANTE DA REMUNERAÇÃO, VENCIMENTO OU SALÁRIO DOS MEMBROS OU DO PODER EXECUTIVO DO DISTRITO FEDERAL ARTIGO 80, III DA LODF E ARTIGO 138, XIII DO REGIMENTO INTERNO DO TCDF EXERCÍCIO 2013 BRASÍLIA MARÇO DE 2014 CONTROLADORIA-GERAL

2 ii SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE DO DISTRITO FEDERAL CONTROLADORIA-GERAL CONTROLADORIA-ADJUNTA DE AUDITORIAS ESPECIALIZADAS DIRETORA DE FISCALIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE AÇÃO GOVERNAMENTAL

3 iii ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 4 II ABRANGÊNCIA, ESCOPO E METODOLOGIA... 4 III RESULTADO DOS EXAMES... 5 III.1 INFORMAÇÕES SOBRE AS AUDITORIAS DE PESSOAL... 6 III.1.1 AUDITORIAS E INSPEÇÕES DE PESSOAL REALIZADAS EM 2013 EM APURAÇÃO... 7 III.1.2 AUDITORIA REALIZADA NA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E TRANSFERÊNCIA DE RENDA DO DISTRITO FEDERAL... 8 III.1.3 AUDITORIA REALIZADA NA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE CEILÂNDIA III.2 CONSIDERAÇÕES ADICIONAIS III.2.1 AUDITORIA ESPECIAL SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE III.2.2 AUDITORIA ESPECIAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO III.2.3 INFORMAÇÕES SOBRE AS RECOMENDAÇÕES FEITAS POR MEIO DOS RELATÓRIOS QUE COMPUSERAM A PCA GOV III.2.4 FORÇA DE TRABALHO DO GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL IV CONCLUSÃO V ANEXOS ANEXO I FORÇA DE TRABALHO DO GDF ANEXO II RELAÇÃO DE ÓRGÃOS E SIGLAS DAS UNIDADES DO GDF... 28

4 4 de 30 I INTRODUÇÃO O presente Relatório trata da consolidação das informações relativas aos exames procedidos nos deferimentos de vantagens e na forma de calcular as parcelas integrantes da remuneração dos servidores do Distrito Federal, em cumprimento ao inciso III do art. 80 da Lei Orgânica do Distrito Federal: Art. 80. Os Poderes Legislativo e Executivo manterão, de forma integrada, sistema de controle interno com a finalidade de: [...] III - exercer o controle sobre o deferimento de vantagens e a forma de calcular qualquer parcela integrante da remuneração, vencimento ou salário de seus membros ou servidores; [...] 4º A prestação de contas anual do Governador e as tomadas ou prestações de contas anuais dos administradores dos órgãos e entidades do Distrito Federal deverão ser acompanhadas de relatório circunstanciado do órgão de controle interno sobre o resultado das atividades indicadas neste artigo. (grifou-se). Este Relatório também tem por objetivo atender ao disposto no art. 138, inc. VIII da Resolução TCDF n o 38/1990, que assim dispõe: Art As contas a serem apresentadas pelo Governador, conforme estabelece o art. 100, inc. XVII, da Lei Orgânica do Distrito Federal, nelas incluídas as do Poder Legislativo, deverão conter os seguintes elementos: [...] XIII relatório sobre os controles e avaliações previstos nos incisos I a V e no 4º do art. 80 da Lei Orgânica do Distrito Federal; II ABRANGÊNCIA, ESCOPO E METODOLOGIA As informações apresentadas na presente consolidação referem-se, em especial, aos exames procedidos durante o exercício de 2013, em atendimento à programação estabelecida para as auditorias de gestão de pessoal, realizadas pela Controladoria-Adjunta de Pessoal CONAP. A CONAP é dividida em duas diretorias. A Diretoria de Auditoria de Pessoal Ativo DIRPA realiza as auditorias e inspeções na área de pessoal ativo e nos atos de admissão e contratação de pessoal dos órgãos e entidades da Administração Direta e Indireta do GDF. E a Diretoria de Auditoria de Pessoal Inativo DIRPI tem por atribuições as

5 5 de 30 auditorias sobre as concessões de aposentadorias, reformas e pensões civis e militares da Administração Direta, Autárquica e Fundacional. A consolidação sobre os trabalhos realizados na área de pessoal estão apresentadas consoante os seguintes subtópicos: III.1 INFORMAÇÕES SOBRE AS AUDITORIAS DE PESSOAL; III.2 CONSIDERAÇÕES ADICIONAIS. Tendo em vista o disposto na Portaria STC nº 89, de 21/05/2013, que disciplina a realização das ações de controle pela Controladoria-Geral da Secretaria de Estado de Transparência e Controle do Distrito Federal nos órgãos e entidades da Administração Pública do Distrito Federal, destaca-se que as classificações das constatações foram feitas consoante os incisos XI a XIV do seu art. 16: XI Constatação: Registro sobre fatos ou situações indesejáveis identificados. Em geral apontam a existência de dificuldades, equívocos, condições adversas autônomas e/ou exteriores à unidade examinada e/ou situações que carecem de ajustes quando de seu confronto com critérios técnicos, administrativos e legais e, como tal, requerem a elaboração de recomendações do Controle Interno. Os registros do tipo constatação serão classificados pela equipe como falhas formais, ou falhas médias ou falhas graves. XII Falha Formal: Erros pontuais que, pela baixa relevância, não têm desdobramentos que impactam a gestão da unidade examinada ou do programa/ação governamental. Em geral, tem origem no descumprimento de normativos em consequência de atos involuntários ou omissões, mas que não comprometem o desempenho do programa ou da unidade examinada. XIII Falha Média: Situações indesejáveis que, apesar de comprometerem o desempenho do programa ou da unidade examinada, não se enquadram nas ocorrências de falha grave. São decorrentes de atos ou de omissões em desacordo com os parâmetros de legalidade, eficiência, economicidade, efetividade ou qualidade, resultantes de fragilidades operacionais ou nos normativos internos, ou de insuficiência de informações gerenciais que respaldem a tomada de decisão. XIV Falha Grave: Situações indesejáveis que comprometem significativamente o desempenho do programa ou da unidade examinada, nas quais há a caracterização de uma das seguintes ocorrências: III RESULTADO DOS EXAMES Apresentam-se as sínteses dos exames realizados quanto à regularidade dos pagamentos e dos lançamentos efetuados por meio do Sistema Único de Gestão de Recursos Humanos SIGRH, bem como de outros cadastros, sistemas e módulos, nas auditorias realizadas nos órgãos e entidades do Complexo Administrativo do Governo do Distrito

6 6 de 30 Federal integrantes da amostra, que tenham sido finalizadas nos termos do art. 16 da Portaria nº 89/2013, com o objetivo geral de apresentar informações quanto ao cumprimento das legislações afetas ao tema deste Relatório. Também foram consignadas informações gerais sobre outros trabalhos complementares ou conjuntos afetos ao controle do deferimento de vantagens, informações sobre as recomendações feitas por meio de relatórios da prestação de contas anual do exercício anterior e informações em sínteses sobre a força de trabalho do Governo do Distrito Federal. III.1 INFORMAÇÕES SOBRE AS AUDITORIAS DE PESSOAL Para a consolidação do presente Relatório sobre o Controle do Deferimento de Vantagens e Cálculo das Parcelas Remuneratórias dos Servidores Integrantes das Carreiras da Administração Direta do Governo do Distrito Federal destaca-se que a Diretoria de Auditoria de Pessoal Ativo DIRPA realizou inspeções e auditorias de pessoal em Unidades Gestoras, cujos resultados estão sintetizados nos subtópicos a seguir. Destaca-se que não foram apresentadas na presente consolidação as sínteses das informações e constatações dos relatórios preliminares de auditoria e de inspeções, considerando o disposto no art. 16 da mencionada Portaria, em especial os inc. V a IX, conforme transcrição a seguir: Art. 16. A fase de apuração inicia-se com a entrega do ofício de apresentação da equipe de trabalho e finaliza-se com a emissão do relatório final, contemplando os seguintes momentos: [...] V Apresentação das constatações aos dirigentes; VI Reunião de encerramento; VII Encaminhamento do relatório preliminar ao dirigente máximo; VIII Análise da manifestação apresentada pelo dirigente máximo; IX Emissão do Relatório Final. (grifou-se) Em razão do exposto, foram relacionadas no subtópico III.1.1, a seguir, as auditorias e inspeções que ainda se encontram em uma das fases mencionadas, cujos relatórios finais ainda não tenham sido emitidos até a data de fechamento deste Relatório.

7 7 de 30 Nos subtópicos III.1.2 e III.1.3 foram consignadas informações gerais sobre as auditorias de pessoal realizadas na SEDEST e na Administração Regional da Ceilândia, concluídas no exercício de 2013, com as sínteses das respectivas constatações. III.1.1 AUDITORIAS E INSPEÇÕES DE PESSOAL REALIZADAS EM 2013 EM APURAÇÃO Conforme já destacado anteriormente, as inspeções e auditorias de pessoal determinadas por meio de Ordens de Serviço expedidas em 2013, mas não finalizadas nos termos do inc. IX, art. 16, da Portaria nº 89/2013, estão relacionadas na Tabela 1, com as respectivas informações e situação atual, conforme posição verificada até a data de encerramento deste Relatório. TABELA 1 AUDITORIAS E INSPEÇÕES DE PESSOAL REALIZADAS EM 2013 EM FASE DE APURAÇÃO NO EXERCÍCIO SEQ UNIDADE AUDITADA * PROCESSO (STC) TIPO DE AUDITORIA RELATÓRIO DATA 1 CAESB /2013 INSPEÇÃO RPI Nº 1/ /08/ SES /2013 INSPEÇÃO RPI Nº 2/ /09/ PMDF /2013 AUDITORIA DE PESSOAL RPA Nº 2/ /08/ DETRAN /2013 AUDITORIA DE PESSOAL RPA Nº 3/ /08/ SECRI /2013 AUDITORIA DE PESSOAL RPA Nº 4/ CODEPLAN /2013 AUDITORIA DE PESSOAL RPA Nº 5/ /10/ SEJUS /2013 AUDITORIA DE PESSOAL RPA Nº 6/ /10/ ADM. REG. TAGUATINGA /2013 AUDITORIA DE PESSOAL RPA Nº 8/ /10/ PCDF /2011 AUDITORIA DE PESSOAL DER /2013 AUDITORIA DE PESSOAL SEDHAB /2013 AUDITORIA DE PESSOAL EMATER /2013 AUDITORIA DE PESSOAL NOVACAP /2013 AUDITORIA DE PESSOAL - - NOTAS: RPI RELATÓRIO PRELIMINAR DE INSPEÇÃO RPA RELATÓRIO PRELIMINAR DE AUDITORIA * Os nomes por extenso dos órgãos (unidades auditadas) estão relacionados no Anexo II. SITUAÇÃO ATUAL (PORTARIA STC 89/2013) INC. VII, ART. 16 AGUARDANDO MANIFESTAÇÃO DO ÓRGÃO INC. VII, ART. 16 AGUARDANDO MANIFESTAÇÃO DO ÓRGÃO INC. IX, ART. 16 EMISSÃO DE RELATÓRIO FINAL INC. IX, ART. 16 EMISSÃO DE RELATÓRIO FINAL INC. VII, ART. 16 AGUARDANDO MANIFESTAÇÃO DO ÓRGÃO INC. VII, ART. 16 AGUARDANDO MANIFESTAÇÃO DO ÓRGÃO INC. IX, ART. 16 EMISSÃO DE RELATÓRIO FINAL INC. IX, ART. 16 EMISSÃO DE RELATÓRIO FINAL INC. V, ART. 16 EMISSÃO DE RPA CONSTATAÇÕES AO DIRIGENTE INC. V, ART. 16 EMISSÃO DE RPA CONSTATAÇÕES AO DIRIGENTE INC. V, ART. 16 EMISSÃO DE RPA CONSTATAÇÕES AO DIRIGENTE INC. V, ART. 16 EMISSÃO DE RPA CONSTATAÇÕES AO DIRIGENTE INC. V, ART. 16 EMISSÃO DE RPA CONSTATAÇÕES AO DIRIGENTE

8 8 de 30 III.1.2 AUDITORIA REALIZADA NA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E TRANSFERÊNCIA DE RENDA DO DISTRITO FEDERAL Foi realizada Auditoria de Pessoal na Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda do Distrito Federal SEDEST/DF, referente ao exercício de 2013, consoante Ordem de Serviço nº 28/2013 CONT/STC, de 31/01/2013, prorrogada pela Ordem de Serviço nº 42/2013 CONT/STC. A auditoria foi conduzida por meio do Processo nº /2013. As constatações foram apresentadas no Relatório Preliminar de Auditoria nº 01/2013 DIRPA/CONAP/CONT/STC, de 14/06/2013. Após a conclusão de toda a fase de apuração, na forma do art. 16 da Portaria STC nº 89/2013, os trabalhos foram finalizados por meio do Relatório de Auditoria nº 01/2013, de 10/12/2013, cujas falhas formais e falhas médias apontadas estão sintetizadas na Tabela 2. O Processo foi encaminhado para o TCDF em 23/12/2013, conforme consulta ao Sistema de Controle de Processo SICOP. TABELA 2 CONSTATAÇÕES DE PESSOAL DO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 01/2013 DIRPA/CONAP UG: SEDEST ITEM DO RELATÓRIO DESCRIÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE EXAMINADOS FALHAS NA CONCESSÃO DE ABONO DE PERMANÊNCIA SEM A DOCUMENTAÇÃO COMPROBATÓRIA PARA PERCEBER A AMPLIAÇÃO DE CARGA HORÁRIA NÃO UTILIZAÇÃO DO VENCIMENTO CORRESPONDENTE A 40 HORAS SEMANAIS IRREGULARIDADE NO PAGAMENTO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE SÍNTESE DAS PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES CONSTATOU-SE EM TODOS OS PROCESSOS ANALISADOS FALHAS FORMAIS COMO: FALTA DE ASSINATURA EM DOCUMENTOS E FALTA DE REFERÊNCIA DA ORIGEM DO CÁLCULO DAS SIMULAÇÕES PARA O ABONO DE PERMANÊNCIA COMO DETERMINA A DECISÃO Nº 2264/2010 DO TCDF, BEM COMO A OCORRÊNCIA DE INFORMAÇÕES DE PERÍODOS SIMULADOS SEM DOCUMENTO QUE ATESTE A AVERBAÇÃO. CONSTATOU-SE QUE FOI CONCEDIDA AMPLIAÇÃO DE CARGA HORÁRIA À SERVIDORA DE MATRÍCULA , APÓS A SUA CESSÃO PARA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO E TERRITÓRIO. OBSERVOU-SE QUE OS DA CARREIRA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, BEM COMO DA CARREIRA POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL, OPTANTES PELA JORNADA DE TRABALHO DE 40 HORAS SEMANAIS, NÃO PERCEBEM SEUS VENCIMENTOS CONSIDERANDO A TABELA DE 40 HORAS CONSTANTE NAS LEIS Nº S 4.450/2009 E 4.470/2010 E SIM PARCELA DENOMINADA RUBRICA 1710 OPÇÃO 40 HORAS. CONSTATOU-SE QUE OS PROCEDIMENTOS DE CONCESSÃO E CONTROLE DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE NECESSITAM SER REAVALIADOS, POIS, ALÉM DOS RISCOS IMPLÍCITOS ÀS ATIVIDADES DESEMPENHADAS PELOS DA SECRETARIA, EXISTEM OUTROS DECORRENTES DA MÁ CONSERVAÇÃO E DA INADEQUAÇÃO DOS EDIFÍCIOS. FORAM IDENTIFICADOS PAGAMENTOS INDEVIDOS A 2, QUE ENSEJARAM VALORES A SEREM DEVOLVIDOS AO ERÁRIO. CLASSIFICAÇÃO DA CONSTATAÇÃO PELA EQUIPE DE AUDITORIA: FALHA MÉDIA

9 9 de 30 TABELA 2 CONSTATAÇÕES DE PESSOAL DO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 01/2013 DIRPA/CONAP UG: SEDEST ITEM DO RELATÓRIO DESCRIÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE EXAMINADOS CONSTATAÇÃO DE PAGAMENTO DE AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO SEM ABATIMENTO DE DIAS REFERENTES ÀS EXCEÇÕES PREVISTAS NO ART. 112, INCISO V, DA LEI COMPLEMENTAR Nº 840/2011. COM SALDOS INJUSTIFICADOS NA CONCILIAÇÃO DE ADIANTAMENTOS DE FÉRIAS FALTA DE TEMPESTIVIDADE NO ATENDIMENTO DAS DILIGÊNCIAS ENCAMINHADAS VIA SIRAC SERVIDOR ACUMULANDO MAIS DE 2 (DOIS) CARGOS PÚBLICOS SERVIDOR EXERCENDO DOIS CARGOS PÚBLICOS INACUMULÁVEIS COM INCOMPATIBILIDADE DE HORÁRIOS CESSÃO DE COM AUSÊNCIA DE REQUISITOS EXIGIDOS PELA LEGISLAÇÃO SÍNTESE DAS PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES CONSTATOU-SE O DESCUMPRIMENTO DO DECRETO Nº /2012, ART. 4º, INCISO III, HAJA VISTA A IDENTIFICAÇÃO DE PAGAMENTO DE AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO DE AFASTADOS POR LICENÇA POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA, O QUE PROVOCA PREJUÍZO AO ERÁRIO. FORAM ADOTADAS PROVIDÊNCIAS QUANTO AO RESSARCIMENTO PELAS MATRÍCULAS EVIDENCIADAS NO RELATÓRIO ENTRE AS COMPETÊNCIAS AGO E SET/2013. CLASSIFICAÇÃO DA CONSTATAÇÃO PELA EQUIPE DE AUDITORIA: FALHA MÉDIA CONSTATOU-SE NA SEDEST A NECESSIDADE DE CONTROLE REFERENTE AOS RESSARCIMENTOS DE ADIANTAMENTO DE FÉRIAS, A FIM DE NÃO PROVOCAR PREJUÍZO, OS QUAIS PODERIAM SER EVITADOS COM UM MELHOR APRIMORAMENTO NO PRÓPRIO SISTEMA SIGRH. AS INCONSISTÊNCIAS VERIFICADAS NOS SALDOS REFEREM-SE A LANÇAMENTO EM RUBRICA INDEVIDA, DEVOLUÇÕES EFETUADAS EM ÓRGÃOS DIFERENTES AO ADIANTAMENTO E A FALTA DO DESCONTO QUANDO HÁ EXONERAÇÃO DO SERVIDOR. FORAM ADOTADAS PROVIDÊNCIAS QUANTO A RESSARCIMENTO REF. ADIANT. DE FÉRIAS DO SERVIDOR DE MATRÍCULA CONSTATOU-SE FALTA DE TEMPESTIVIDADE DO ATENDIMENTO DAS DILIGÊNCIAS DO CONTROLE INTERNO ENCAMINHADAS A SEDEST VIA SIRAC, CONTRARIANDO A RESOLUÇÃO Nº 168/2004 TCDF E ART. 18 DA LC 840/2011. CONSTATOU-SE A EXISTÊNCIA DE DA SEDEST QUE ACUMULAM ILICITAMENTE CARGOS PÚBLICOS, TENDO EM VISTA POSSUIR TRÊS VÍNCULOS PÚBLICOS. CLASSIFICAÇÃO DA CONSTATAÇÃO PELA EQUIPE DE AUDITORIA: FALHA MÉDIA CONSTATOU-SE QUE 6 DA SECRETARIA POSSUÍAM UM SEGUNDO VÍNCULO COM A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL, CONTUDO OS DOIS VÍNCULOS NÃO SÃO DE CARGOS PRIVATIVOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE, E FOI CONSTATADO AINDA QUE 2 POSSUEM UM SEGUNDO VÍNCULO COM OUTRO ENTE DA FEDERAÇÃO E EM CARGOS QUE NÃO SÃO ACUMULÁVEIS PERANTE A CONSTITUIÇÃO FEDERAL. CLASSIFICAÇÃO DA CONSTATAÇÃO PELA EQUIPE DE AUDITORIA: FALHA MÉDIA OBSERVOU-SE A EXISTÊNCIA DE QUE ACUMULAM CARGOS PÚBLICOS, SEM COMPROVAÇÃO DE COMPATIBILIDADE DE HORÁRIOS. FOI RECOMENDADA A INSTAURAÇÃO DE PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR, DE ACORDO COM O 3O DO ART. 48, EM VIRTUDE DA NÃO OPÇÃO POR UM DOS CARGOS ACUMULADOS DO SERVIDOR DE MATRÍCULA CONSTATOU-SE NAS ANÁLISES DAS CESSÕES QUE OS PROCESSOS ENCONTRAVAM-SE SEM A PUBLICAÇÃO DO ATO INICIAL, FALTA DE AUTORIZAÇÃO PARA A PRORROGAÇÃO DA CESSÃO, CESSÃO DE SERVIDOR SEM PROCESSO, E 18 CASOS DE ÔNUS DA CESSÃO PARA O CEDENTE; HOUVE DESCUMPRIMENTOS DO ART. 152 E CAPUT DO ART. 154 DA LEI COMPLEMENTAR Nº 840/2011. OUTRO PONTO RECORRENTE OBSERVADO NOS PROCESSOS DE CESSÃO FOI O ALERTA SOBRE O DÉFICIT DE PESSOAL E O CONSEQUENTE COMPROMETIMENTO AO ALCANCE DAS METAS E OBJETIVOS DA SEDEST

10 10 de 30 TABELA 2 CONSTATAÇÕES DE PESSOAL DO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 01/2013 DIRPA/CONAP UG: SEDEST ITEM DO RELATÓRIO DESCRIÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE EXAMINADOS NOMEADOS SEM CUMPRIMENTO DO DECRETO Nº /2012. SÍNTESE DAS PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES FORAM ANALISADAS AS PASTAS FUNCIONAIS DE INVESTIDOS EM CARGOS COMISSIONADOS, APÓS A ENTRADA EM VIGOR DO DECRETO Nº /2012. O RESULTADO DAS ANÁLISES DEMONSTROU AUSÊNCIAS DE DOCUMENTOS E CERTIDÕES DIVERSAS EXIGIDAS PELO ART. 3º DO MENCIONADO DECRETO EM ALGUMAS PASTAS FUNCIONAIS. CLASSIFICAÇÃO DA CONSTATAÇÃO PELA EQUIPE DE AUDITORIA: FALHA MÉDIA FALTA DE TEMPESTIVIDADE NO CONTROLE DE FREQUÊNCIA FALHAS NA GESTÃO DE DOCUMENTOS CONSTATOU-SE A INEFICIÊNCIA E INTEMPESTIVIDADE DOS CONTROLES DE FREQUÊNCIA UTILIZADOS PELA SECRETARIA, HAJA VISTA A DEMORA NO ENCAMINHAMENTO DAS FOLHAS DE FREQUÊNCIA A TODAS AS UNIDADES DA SEDEST. CONSTATOU-SE QUE A GESTÃO DE DOCUMENTOS FUNCIONAIS APRESENTA FALHAS FORMAIS, COMO EXEMPLO: A PRESENÇA DE DOCUMENTOS RASURADOS, INFORMAÇÕES PREENCHIDAS MANUALMENTE DE FORMA ILEGÍVEL, FICHA CADASTRAL SEM FOTO, DOCUMENTOS SEM ASSINATURAS OU AUTENTICAÇÕES NECESSÁRIAS. FONTE: RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 01/2013 DIRPA/CONAP/CONT/STC, DE 10/12/2013. III.1.3 AUDITORIA REALIZADA NA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE CEILÂNDIA Foi realizada Auditoria de Pessoal na Administração Regional de Ceilândia RA IX, referente ao exercício de 2013, conforme Ordem de Serviço nº 46/2013 CONT/STC, de 08/04/2013, alterada/prorrogada pela OS nº 97/2013 CONT/STC, de 09/07/2013. A auditoria foi conduzida por meio do Processo nº /2013. As constatações foram apresentadas no Relatório Preliminar de Auditoria nº 07/2013 DIRPA/CONAP/CONT/STC, de 30/10/2013. Após a conclusão de toda a fase de apuração, na forma do art. 16 da Portaria STC nº 89/2013, os trabalhos foram finalizados por meio do Relatório de Auditoria nº 01/2014 DIRPA/CONAP/CONT/STC, de 13/03/2014, cujas falhas formais e falhas médias apontadas estão sintetizadas na Tabela 3. O Processo foi encaminhado ao GAB/STC em 14/03/2014, com vistas ao TCDF, conforme consultas ao SICOP. TABELA 3 CONSTATAÇÕES DE PESSOAL DO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 01/2014 DIRPA/CONAP UG: RA CEILÂNDIA ITEM DO RELATÓRIO DESCRIÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE EXAMINADOS FALHAS NA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE CONCESSÃO DE ABONO DE PERMANÊNCIA SÍNTESE DAS PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES CONSTATOU-SE FALHAS NA INSTRUÇÃO DO PROCESSO QUANTO AOS SEGUINTES DOCUMENTOS: FALTA DE CERTIDÕES; FALTA DO MAPA DE TEMPO DE SERVIÇO; FALTA DA CÓPIA DA PUBLICAÇÃO NO DODF, FALTA DO DEMONSTRATIVO DE LICENÇA-PRÊMIO.

11 11 de 30 TABELA 3 CONSTATAÇÕES DE PESSOAL DO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 01/2014 DIRPA/CONAP UG: RA CEILÂNDIA ITEM DO RELATÓRIO DESCRIÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE EXAMINADOS FALTA TRANSMISSÃO DO ARQUIVO DA SEFIP NÃO UTILIZAÇÃO DE TABELA DE 40 HORAS SEMANAIS NOS PAGAMENTOS EFETUADOS NO SIGRH AVERBAÇÃO IRREGULAR ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO RECEBIMENTO DE AUXÍLIO- CRECHE DE FORMA INDEVIDA FALTA DO COMPROVANTE ANUAL DE COMPATIBILIDADE DE HORÁRIO DIVERGÊNCIA ENTRE A PASTA FUNCIONAL E O SIGRH CONTROLE DE FREQUÊNCIA INEFICIENTE FALTA DA ATUALIZAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE BENS ANUAIS DOS FALHAS NA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS SÍNTESE DAS PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES CONSTATOU-SE QUE AS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS NÃO SÃO TOTALMENTE CUMPRIDAS TEMPESTIVAMENTE, POIS FOI VERIFICADA A FALTA DE TRANSMISSÃO DAS INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS POR MEIO DO SISTEMA SEFIP DAS COMPETÊNCIAS 13, JAN, FEV, MAR/2013, ALÉM DA DIVERGÊNCIA VERIFICADA NA COMPETÊNCIA DEZ/2012 ENTRE O VALOR INFORMADO NA SEFIP R$ ,75 E O EFETIVAMENTE RECOLHIDO R$ ,03. CLASSIFICAÇÃO DA CONSTATAÇÃO PELA EQUIPE DE AUDITORIA: FALHA MÉDIA OBSERVOU-SE QUE OS DA CARREIRA DE POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL, OPTANTES PELA JORNADA DE TRABALHO DE 40 HORAS SEMANAIS, NÃO PERCEBEM SEUS VENCIMENTOS CONSIDERANDO A TABELA DE 40 HORAS CONSTANTE NOS ANEXOS DAS LEIS Nº S 4.426/2009, À ÉPOCA, E 5.190/2013 E, SIM, PARCELA DENOMINADA RUBRICA 1710 OPÇÃO 40 HORAS. VERIFICOU-SE FALHA AO AVERBAR TEMPO DE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PARA ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO, EM ADMISSÃO POSTERIOR À VIGÊNCIA DA LEI Nº 8.112/1990 NECESSIDADE DE RECOMPOSIÇÃO AO ERÁRIO. CLASSIFICAÇÃO DA CONSTATAÇÃO PELA EQUIPE DE AUDITORIA: FALHA MÉDIA OBSERVOU-SE QUE A CONCESSÃO DO BENEFÍCIO DO AUXÍLIO-CRECHE, PARA PARTE DOS LOTADOS NA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE CEILÂNDIA, ESTAVA EM DESCONFORMIDADE COM O NORMATIVO EM VIGÊNCIA, PROVOCANDO PREJUÍZO À ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. CLASSIFICAÇÃO DA CONSTATAÇÃO PELA EQUIPE DE AUDITORIA: FALHA MÉDIA VERIFICOU-SE AUSÊNCIA DO COMPROVANTE ANUAL REFERENTE À COMPATIBILIDADE DE HORÁRIO, CONSEQUENTEMENTE, O DESCUMPRIMENTO DO 3º DO ART. 46 DA LEI COMPLEMENTAR Nº 840/2011. OBSERVOU-SE QUE OS DADOS DO DEPENDENTE DO SERVIDOR DE MATRÍCULA ENCONTRAVAM-SE DIVERGENTES NO SIGRH; OU SEJA, INCOMPATÍVEIS COM OS DADOS INFORMADOS NA PASTA FUNCIONAL. O CONTROLE DE FREQUÊNCIA DEMONSTRA-SE INEFICIENTE E INTEMPESTIVO, HAJA VISTA APRESENTAREM FOLHA DE PONTO PARCIALMENTE PREENCHIDA OU EM BRANCO, NO DIA DA VISITA. A ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE CEILÂNDIA NÃO VEM REALIZANDO A ATUALIZAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE BENS ANUAL DOS, CONSEQUENTEMENTE, ESTÁ DESCUMPRINDO O QUE REGULAMENTA A LEI Nº 8.429/1992 E A ORIENTAÇÃO DA DECISÃO ORDINÁRIA Nº 3965 DE 2012 DO TCDF. FORAM DETECTADAS FALHAS NA INSTRUÇÃO PROCESSUAL DE CONCESSÃO DE VPNI LEI Nº 4584/2011 DÉCIMOS LEI Nº 1.004/1996 E VPNI LEI Nº 4584/2011 DÉCIMOS LEI Nº 1141/1996. OBSERVOU-SE NOS PROCESSOS EXAMINADOS O NÃO CADASTRAMENTO DAS INCORPORAÇÕES NO CADINC DO SIGRH. A FALTA DE IMPLEMENTAÇÃO DE ROTINA PARA CÁLCULO AUTOMÁTICO DAS PARCELAS QUINTOS/DÉCIMOS ORIGINA ERROS, LANÇAMENTOS INDEVIDOS E POSSÍVEIS FRAUDES, CAUSANDO PREJUÍZO AO ERÁRIO.

12 12 de 30 TABELA 3 CONSTATAÇÕES DE PESSOAL DO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 01/2014 DIRPA/CONAP UG: RA CEILÂNDIA ITEM DO RELATÓRIO DESCRIÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE EXAMINADOS SÍNTESE DAS PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES FALHAS NOS PROCEDIMENTOS DE VERIFICAÇÃO DOS REQUISITOS DE ELEGIBILIDADE-FICHA LIMPA FORAM ANALISADAS AS PASTAS FUNCIONAIS DOS INVESTIDOS EM CARGOS COMISSIONADOS APÓS A ENTRADA EM VIGOR DO DECRETO Nº /2012. O RESULTADO DESSA ANÁLISE MOSTRA A NECESSIDADE DA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE CEILÂNDIA ATENTAR PARA O CUMPRIMENTO DO CITADO DECRETO, HAJA VISTA AS CONSTATAÇÕES DE CERTIDÕES COM DATA POSTERIOR À DATA DA POSSE E EXISTÊNCIA DE AUTORIZAÇÕES, ASSINADAS PELO ADMINISTRADOR REGIONAL, PARA POSSE DE SERVIDOR SEM A CERTIDÃO DE AÇÕES CÍVEIS. FONTE: RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 01/2014 DIRPA/CONAP/CONT/STC, DE 13/03/2014. III.2 CONSIDERAÇÕES ADICIONAIS Além dos trabalhos relacionados nos subtópicos anteriores, foram realizadas auditorias especiais, que envolveram diversas diretorias da Controladoria-Geral do DF, inclusive a de pessoal, uma concluída em 2013 e outra ainda em fase de apuração, as quais foram destacadas nos subtópicos III.2.1 e III.2.2 com as respectivas informações consignadas. Foram realizados, ainda, o acompanhamento das recomendações sobre os relatórios de deferimento de vantagens que compuseram a PCA GOV 2012, conforme as informações apresentadas no subtópico III.2.3. E, considerando o conteúdo do presente Relatório de consolidação, destacamse algumas informações sobre a força de trabalho do Governo do Distrito Federal, conforme o subtópico III.2.4. III.2.1 AUDITORIA ESPECIAL SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE Foi realizada auditoria especial na Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal SES, que envolveu inclusive a auditoria de pessoal, consoante determinação contida na Ordem de Serviço nº 231/2012 CONT/STC, de 16/08/2012, prorrogada/alterada pelas OS n os 341/2012, 348/2012 e 30/2013. A auditoria foi conduzida por meio do Processo n o /2013, e os trabalhos de campo foram realizados no período de 17/08/2012 a 01/03/2013, com o objetivo de verificar os aspectos de regularidade, eficácia, eficiência e efetividade, identificando as

13 13 de 30 causas das anormalidades e examinando a capacidade de gestão das áreas internas da Secretaria. Os registros das constatações foram apresentados no Relatório Preliminar de Auditoria Especial nº 01/2013 DISED/CONAS/CONT/STC, de 06/06/2013, cujas falhas apontadas ainda estão pendentes de manifestações por parte da SES. Assim, a mencionada auditoria especial ainda encontra-se em fase de apuração, conforme estabelecido no art. 16, inc. VII da Portaria STC nº 89/2013. III.2.2 AUDITORIA ESPECIAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Adicionalmente, ressalta-se que foi realizada auditoria especial na Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal SEE, relativa ao exercício de 2012, mas finalizada em 2013, que também envolveu a auditoria de pessoal, consoante determinação contida na Ordem de Serviço nº 139/2012 CONT/STC, de 10/05/2012, prorrogada/alterada pelas OS n os 160/2012, 227/2012, 239/2012 e 268/2012. A auditoria foi conduzida por meio do Processo nº /2013, e os trabalhos de campo foram realizados no período de 11/05/2012 a 25/09/2012, com o objetivo de verificar os aspectos de regularidade, eficácia, eficiência e efetividade, identificando as causas das anormalidades e examinando a capacidade de gestão das áreas internas da Secretaria. As constatações foram apresentadas no Relatório de Auditoria Especial nº 01/2013 DISED/CONAS/CONT/STC, emitido em 21/03/2013, cujas falhas da área de pessoal foram apontadas em 18 pontos de ressalvas e em pontos 18 irregularidades. O mencionado Processo foi encaminhado ao TCDF em 11/07/2013, conforme consulta ao sistema SICOP. III.2.3 INFORMAÇÕES SOBRE AS RECOMENDAÇÕES FEITAS POR MEIO DOS RELATÓRIOS QUE COMPUSERAM A PCA GOV 2012 No exercício de 2013 foram elaborados relatórios sobre o controle do deferimento de vantagens, relativos a servidores inativos e servidores ativos, para compor a Prestação de Contas Anual do Governador, do exercício de 2012.

14 14 de 30 Destaca-se, para fins de complemento deste Relatório, que as informações relativas às recomendações feitas por meio dos mencionados relatórios estão consignadas nos tópicos a seguir. A. CONTROLE DO INATIVOS O Relatório nº 01/2013 DIRPI/CONAP tratou do controle do deferimento de vantagens e na forma de calcular as parcelas integrantes da remuneração dos servidores do Poder Executivo do Distrito Federal, referente aos servidores inativos, e foi encaminhado à todos os Órgãos do Governo do Distrito Federal que utilizam o sistema SIGRH, contendo recomendações gerais, de atuação preventiva, com o objetivo de evitar o cometimento recorrente de erros que ocasionam a baixa em diligências e o aumento nos gastos processuais. As recomendações expedidas estão reproduzidas na Tabela 4 a seguir. TABELA 4 RECOMENDAÇÕES FEITAS À SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEAP RECOMENDAÇÕES ENCAMINHADAS INFORMAÇÕES RECEBIDAS À SEAP (OFÍCIO 1858/2013 GAB/SEAP, DE 13/08/2013) A.1) PROMOVER A ADEQUAÇÃO DO SISTEMA SIGRH, A FIM DE VINCULAR A CONCESSÃO DO ABONO DE PERMANÊNCIA AOS REQUISITOS PREVISTOS NOS ARTS. 2º E 3º, DA EC Nº 41/2003 E NO ART. 40, DA CF DA REDAÇÃO DA EC Nº 41/2003; A.2) IMPLEMENTAR AÇÕES NO SISTEMA SIGRH DE FORMA A IMPEDIR A CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS E VANTAGENS EM DESACORDO COM AS NORMAS LEGAIS PERTINENTES À MATÉRIA, COMO DEMONSTRADO NO ITEM III; A.3) ADEQUAR O SIGRH PARA A EMISSÃO DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE APOSENTADORIAS E PENSÕES, TAIS COMO DEMONSTRATIVO DE INCORPORAÇÃO DE GRATIFICAÇÕES, LICENÇA PRÊMIO, LICENÇAS MÉDICAS E OUTROS AFASTAMENTOS, DE TEMPO CONTRIBUIÇÃO, CERTIDÃO DE TEMPO INSALUBRE, ABONO PROVISÓRIO, TÍTULO DE PENSÃO, INFORMAÇÕES CADASTRAIS, VPNI DÉCIMOS INCORPORADOS, ENTRE OUTROS, QUE COMPROVAM DIREITOS DO SERVIDOR, COM O OBJETIVO DE EVITAR AS DIVERGÊNCIAS DE INFORMAÇÕES ENTRE PROCESSOS E O SISTEMA. [...] ESTA PASTA VEM ESTUDANDO A CORRETA CONSECUÇÃO DE AÇÕES QUE PRIMAM PELO DEVIDO CUMPRIMENTO LEGAL NO QUE TANGE A ÁREA DE GESTÃO DE PESSOAS E ESPECIALMENTE A PRODUÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. [...] TÃO LOGO SEJA INICIADO O CONTRATO, EM PARCERIA COM A EQUIPE CONTRATADA, SERÃO REALIZADOS ESTUDOS PARA ADEQUAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES QUE HOJE APRESENTAM INCORREÇÕES, BEM COMO PARA CRIAÇÃO DE OUTRAS QUE VENHAM ATENDER AS DEMANDAS ORIUNDAS DOS ÓRGÃOS DE CONTROLE. A UNIDADE NÃO APRESENTOU RESPOSTA ESPECÍFICA PARA ESSA RECOMENDAÇÃO. IDEM RESPOSTA À RECOMENDAÇÃO A.1 A.4) PROMOVER TREINAMENTO DOS QUE UTILIZAM O SISTEMA SIGRH A FIM DE PADRONIZAR OS PROCEDIMENTOS REALIZADOS NO REFERIDO SISTEMA. [...] POR MEIO DA COORDENAÇÃO DE ACOMPANHAMENTO DO CADASTRO E FOLHA DE PAGAMENTO COPAG, TEM-SE ATENDIDO E ORIENTADO OS SETORIAIS DE GESTÃO DE PESSOAS QUE DIARIAMENTE PROCURAM ESTA PASTA PARA ESCLARECIMENTOS DE QUESTÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA SOMADOS À LEGISLAÇÃO DE PESSOAS VIGENTE, BEM COMO PARA REALIZAR AGENDAMENTOS PONTUAIS A FIM DE EVITAR PREJUÍZO AO ERÁRIO. TAMBÉM, NUM FUTURO PRÓXIMO, QUANDO, COM AUXÍLIO DOS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO, FOREM INSERIDAS AS DEVIDAS TRAVAS E REALIZADAS AS ADEQUAÇÕES NECESSÁRIAS AO CORRETO FUNCIONAMENTO DO SIGRH, PODERÁ OCORRER A CAPACITAÇÃO DOS [...].

15 15 de 30 TABELA 4 RECOMENDAÇÕES FEITAS À SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEAP RECOMENDAÇÕES ENCAMINHADAS A TODOS OS ÓRGÃOS INFORMAÇÕES RECEBIDAS DIVERSOS ÓRGÃOS B.1) PROCEDER À SISTEMÁTICA CONFERÊNCIA DOS DOCUMENTOS EMITIDOS PELOS DIVERSOS SETORES E ESTABELECER ROTINAS DE VERIFICAÇÃO DA CORREÇÃO DOS DADOS LANÇADOS NOS PROCESSOS E NO SIGRH, ASSIM COMO SUA CONSOLIDAÇÃO, ANTES DE REMETÊ-LOS PARA ANÁLISE DA CONTROLADORIA-GERAL, COM O OBJETIVO DE EVITAR O COMETIMENTO RECORRENTE DE ERROS QUE OCASIONAM A BAIXA EM DILIGÊNCIAS E O AUMENTO NOS GASTOS PROCESSUAIS, COMO OS MENCIONADOS NO ITEM III.3 FRAGILIDADE NO SISTEMA ÚNICO DE GESTÃO RECURSOS HUMANOS SIGRH; E B.2) PROCEDER À SISTEMÁTICA CONFERÊNCIA DAS REMUNERAÇÕES CONSIDERADAS NA APURAÇÃO DA MÉDIA E ATENTAR PARA O CORRETO VALOR QUE SERVIRÁ DE BASE PARA A FIXAÇÃO DO PROVENTO INICIAL, OU SEJA, A MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES DAS MAIORES REMUNERAÇÕES, CORRESPONDENTES A 80% DE TODO O PERÍODO CONTRIBUTIVO, A FIM DE EVITAR FALHAS COMO AS DEMONSTRADAS NO ITEM III.1 FALHAS NA FIXAÇÃO DOS PROVENTOS CALCULADOS PELA MÉDIA. FONTE: RELATÓRIO Nº 01/2013 DIRPI/CONAP/CONT/STC, DE 16/03/2013. FORAM RECEBIDAS INFORMAÇÕES DE ALGUMAS UNIDADES, ENTRETANTO DEIXA-SE DE REPRODUZI-LAS TENDO EM VISTA QUE AS RECOMENDAÇÕES FORAM GENÉRICAS E AMPLAS, COM O OBJETIVO DE ORIENTAÇÃO E DE PREVENÇÃO DE ERROS RECORRENTES. IDEM À OBSERVAÇÃO FEITA PARA A RECOMENDAÇÃO B.1 B. CONTROLE DO ATIVOS O Relatório nº 03/2013 DIFIS/CONEP/CONT/STC tratou do controle do deferimento de vantagens e na forma de calcular as parcelas integrantes da remuneração dos servidores ativos do Poder Executivo do Distrito Federal, relativo ao exercício de 2012, e foi encaminhado com recomendações às Unidades identificadas na Tabela 5. TABELA 5 RECOMENDAÇÕES FEITAS À UNIDADES DIVERSAS REF. RELATÓRIO Nº 03/2013 DIFIS/CONEP RECOMENDAÇÕES ENCAMINHADAS INFORMAÇÕES RECEBIDAS À SEAP (OFÍCIO 1858/2013 GAB/SEAP, DE 13/08/2013) A.1) EXERCER O CONTROLE GERAL DOS VALORES E DOS QUANTITATIVOS DOS CARGOS DE NATUREZA ESPECIAL, DE CARGOS EM COMISSÃO, DE FUNÇÕES GRATIFICADAS E DO QUADRO EFETIVO DO PODER EXECUTIVO DO DISTRITO FEDERAL, A FIM DE PROPORCIONAR O FIEL CUMPRIMENTO DO DISPOSTO NO PARÁGRAFO ÚNICO DO ART. 3º DA LEI Nº 2.299/1999 (SUBITENS III.1 A III.3); A.2) ADOTAR PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS CÉLERES, EM CONJUNTO COM A SUTIC/SEPLAN, PARA A AQUISIÇÃO DA LICENÇA DO SOFTWARE XGEN PARA MANUTENÇÃO DO SIGRH, OU SOLUÇÃO SIMILAR COMPATÍVEL, SE FOR O CASO, EM FACE DO ALTO RISCO A QUE O ESCLARECEU QUE AS INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS ATRAVÉS DA FUNCIONALIDADE CADGER36, REFERENTE À FORÇA DE TRABALHO, NÃO SÃO GERADAS AUTOMATICAMENTE E DEPENDEM DA INTERFERÊNCIA DE USUÁRIO PARA SEREM ATUALIZADAS À MEDIDA QUE OS SETORIAIS DE GESTÃO DE PESSOAS PROCEDEM A INSERÇÃO DAS INFORMAÇÕES NO REFERIDO SISTEMA. E AINDA: [...] A FUNCIONALIDADE EM COMENTO NECESSITA PASSAR POR UMA REESTRUTURAÇÃO, NO INTUITO DE ESTABELECER ROTINA SISTÊMICA AUTOMATIZADA [...]. TORNA-SE PREMENTE QUE, CONSIDERANDO A NOSSA INTENÇÃO DE CAPACITAR OS SETORIAIS DE GESTÃO DE PESSOAS, HAJA O DEVIDO ZELO NA INSERÇÃO E RESPECTIVA ATUALIZAÇÃO DO CADASTRO FUNCIONAL, PARA QUE SEJA POSSÍVEL A GERAÇÃO/DISPONIBILIZAÇÃO DE RELATÓRIOS GERENCIAIS FIDEDIGNOS. [...] A CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO SEM QUE SE TENHA ADQUIRIDO O XGEN NÃO TRARÁ RESULTADOS TÃO EFICAZES, PRINCIPALMENTE PORQUE SEM TAL FERRAMENTA MUITAS FUNCIONALIDADES PODERÃO PERMANECER INDISPONÍVEIS E NÃO SERIA POSSÍVEL A CRIAÇÃO DE NOVOS MÓDULOS NO SISTEMA.

16 16 de 30 TABELA 5 RECOMENDAÇÕES FEITAS À UNIDADES DIVERSAS REF. RELATÓRIO Nº 03/2013 DIFIS/CONEP RECOMENDAÇÕES ENCAMINHADAS MESMO ESTÁ EXPOSTO HÁ VÁRIOS ANOS, ATÉ A CONCLUSÃO DOS ESTUDOS ACERCA DA VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA MANUTENÇÃO OU NÃO DESSE SISTEMA (SUBITEM III.4); E A.3) CRIAR MÓDULO/FUNCIONALIDADE NO SIGRH, VISANDO ACOMPANHAMENTO E CONTROLE DOS VALORES A SEREM RESSARCIDOS A TÍTULO DE REMUNERAÇÃO OU DE SALÁRIO DOS E DOS EMPREGADOS CEDIDOS A OUTROS ENTES DA FEDERAÇÃO E DOS REQUISITADOS PARA O GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL (SUBITEM III.5.8). À SEGOV * B.1) EMITIR OPINATIVO PRÉVIO ACERCA DA REQUISIÇÃO DE DE OUTROS ENTES FEDERATIVOS, A FIM DE PROCEDER AO COTEJO DOS CRITÉRIOS ESTABELECIDOS EM CADA ENTE QUANTO AO RESSARCIMENTO, PARA VERIFICAR SE HÁ COMPATIBILIDADE ENTRE AS CONDICIONANTES QUE VIABILIZE A EFETIVAÇÃO DA CESSÃO (SUBITEM III.5.8). INFORMAÇÕES RECEBIDAS [...] JÁ OFICIOU A EMPRESA PROPRIETÁRIA DO SOFTWARE, IDEA INTEGRATION CORP. [...], E AGUARDA RETORNO PARA QUE SEJAM TOMADAS AS DEVIDAS MEDIDAS LEGAIS NO INTUÍDO DE PROCEDER A AQUISIÇÃO. [...] TAL AQUISIÇÃO, SOMADA À CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DO SIGRH, NÃO REPRESENTA SOLUÇÃO DEFINITIVA, POIS SERVIRÁ APENAS PARA DAR SOBREVIDA AO SISTEMA ENQUANTO PROCEDE-SE A AQUISIÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO NOVO SOFTWARE DE GESTÃO DE PESSOAS, HAJA VISTA O SIGRH ENCONTRAR-SE DEMASIADAMENTE DEFASADO TECNOLOGICAMENTE. [...] NÃO FOI POSSÍVEL A DISPONIBILIZAÇÃO DE DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA PARA A MUDANÇA DO ATUAL SISTEMA, MAS ESTA SECRETARIA NÃO SE FURTARÁ DE SOLICITAR TAL INCLUSÃO NO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL PARA O EXERCÍCIO VINDOURO. [...] TÃO LOGO SEJA INICIADO O CONTRATO, EM PARCERIA COM A EQUIPE CONTRATADA, SERÃO REALIZADOS ESTUDOS PARA ADEQUAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES QUE HOJE APRESENTAM INCORREÇÕES, BEM COMO PARA CRIAÇÃO DE OUTRAS QUE VENHAM ATENDER AS DEMANDAS ORIUNDAS DOS ÓRGÃOS DE CONTROLE. [...] O DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONALIDADE QUE VISE O ACOMPANHAMENTO E CONTROLE DE VALORES A SEREM RESSARCIDOS [...] DEVERÁ SER OBJETO DE MINUCIOSA ANÁLISE, PRINCIPALMENTE SE CONSIDERARMOS QUE O SIGRH ATÉM-SE AO CÁLCULO DAS DESPESAS DE PESSOAL, NÃO COMPUTANDO AQUELAS QUE REFEREM- SE AO CUSTEIO DA MÁQUINA PÚBLICA. A UNIDADE NÃO APRESENTOU RESPOSTA. RECOMENDAÇÃO SOBRESTADA, AGUARDANDO PRONUNCIAMENTO POR PARTE DA PGDF. À SEE * (OFÍCIO Nº 1593/2013 GAB/SE, DE 12/09/2013) C.1) APURAR A RESPONSABILIDADE PELA CONCESSÃO DE AUMENTOS ÀS CARREIRAS RELACIONADAS NOS SUBITENS III.5.2 E III.5.3, COM AUSÊNCIA DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES EXIGIDOS PELOS NORMATIVOS LEGAIS, TAIS COMO: 1- MANIFESTAÇÃO PRÉVIA DOS ÓRGÃOS CENTRAIS, ANÁLISE QUANTO À CONVENIÊNCIA, OPORTUNIDADE OU MÉRITO DAS DEMANDAS PELO ÓRGÃO COMPETENTE, VALIDAÇÃO DA ESTIMATIVA DE IMPACTO E DEMAIS INFORMAÇÕES EXIGIDAS (ARTS. 4º E 8º A 11 DO DECRETO Nº /2011); 2- PRÉVIA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA SUFICIENTE PARA ATENDER ÀS PROJEÇÕES DE DESPESA DE PESSOAL E AOS ACRÉSCIMOS DELA DECORRENTES REQUERIDOS (ART. 169, 1º, INCISO I DA CF); 3- DECLARAÇÃO DO ORDENADOR DA DESPESA DE QUE O AUMENTO TEM ADEQUAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA COM A LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL E COMPATIBILIDADE COM O PLANO PLURIANUAL E COM A LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS (ART. 16, INC. II, LRF); 4- COMPROVAÇÃO DE QUE A DESPESA CRIADA OU AUMENTADA NÃO AFETARÁ AS METAS DE RESULTADOS FISCAIS PREVISTAS NO ANEXO REFERIDO NO 1O DO ART. 4º DA LRF (ART. 17, 2º, LRF), CONSIDERANDO O DISPOSTO NO ART. 15 DA LRF: SERÃO CONSIDERADAS NÃO AUTORIZADAS, IRREGULARES E LESIVAS AO PATRIMÔNIO PÚBLICO A GERAÇÃO DE DESPESA OU ASSUNÇÃO DE OBRIGAÇÃO QUE NÃO ATENDAM O DISPOSTO NOS ARTS. 16 E 17. [...] O PROCEDIMENTO ATINENTE AO ESCOPO DO RELATÓRIO EM QUESTÃO SE DEU NOS AUTOS DO PROCESSO Nº /2012, ORIGINÁRIO NA SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. [...] O ASSUNTO EM TELA ESTÁ SENDO TRATADO PELO TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL NO PROCESSO TCDF Nº /2012. ESTA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO JÁ SE MANIFESTOU SOBRE O ASSUNTO QUANDO ATENDEU À DECISÃO Nº 1289/2013 POR INTERMÉDIO DO OFÍCIO Nº 1154/2013 GAB/SE. [...] APÓS OS ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES, RESTA INDUBITÁVEL A IMPOSSIBILIDADE DE ATENDER AO RECOMENDADO, HAJA VISTA OS ATOS TEREM SIDO PRATICADOS EM OUTRO ENTE ESTATAL, ESTANDO PREJUDICADA A AÇÃO DESTA PASTA EDUCACIONAL NO PROCEDIMENTO APURATÓRIO EM REFERÊNCIA. O ASSUNTO JÁ ESTÁ SENDO TRATADO NO PROCESSO TCDF Nº /2013 EEXPEDIDAS AS DECISÕES 1289/2013 E 6336/2013.

17 17 de 30 TABELA 5 RECOMENDAÇÕES FEITAS À UNIDADES DIVERSAS REF. RELATÓRIO Nº 03/2013 DIFIS/CONEP RECOMENDAÇÕES ENCAMINHADAS À SES * D.1) APURAR A RESPONSABILIDADE PELA CONCESSÃO DE AUMENTOS ÀS CARREIRAS RELACIONADAS NO SUBITEM III.5.4, COM DESCUMPRIMENTO DE NORMATIVOS LEGAIS, TAIS COMO: 1- AUSÊNCIA DE INFORMAÇÕES EXIGIDAS NO ART. 4º DO DECRETO Nº /2011; 2- AUSÊNCIA DE INFORMAÇÃO QUANTO À PRÉVIA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA SUFICIENTE PARA ATENDER ÀS PROJEÇÕES DE DESPESA DE PESSOAL E AOS ACRÉSCIMOS DELA DECORRENTES REQUERIDOS (ART. 169, 1O, INCISO I DA CF); E 3- AUSÊNCIA DA DECLARAÇÃO DO ORDENADOR DA DESPESA DE QUE O AUMENTO TEM ADEQUAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA COM A LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL E COMPATIBILIDADE COM O PLANO PLURIANUAL E COM A LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS (ART. 16, INC. II, LRF); CONSIDERANDO O DISPOSTO NO ART. 15 DA LRF: SERÃO CONSIDERADAS NÃO AUTORIZADAS, IRREGULARES E LESIVAS AO PATRIMÔNIO PÚBLICO A GERAÇÃO DE DESPESA OU ASSUNÇÃO DE OBRIGAÇÃO QUE NÃO ATENDAM O DISPOSTO NOS ARTS. 16 E 17. INFORMAÇÕES RECEBIDAS (OFÍCIO 3140/2013 GAB/SES, DE 22/11/2013 (ACOMP. DE NOTA DE AUDITORIA Nº 108/2013 CONT/COR/SES) POR MEIO DA NOTA TÉCNICA DE AUDITORIA Nº 108/2013 CONT/COR/SES, INFORMA QUE A DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PROFISSIONAIS E ACOMPANHAMENTO DO CADASTRO E DA FOLHA DE PAGAMENTO DIAP/SUGETES /SES, ESCLARECEU QUE OS REAJUSTES SALARIAIS SÃO ACORDADOS ENTRE A [...] SEAP E A SECRETARIA DE SAÚDE, EM CONJUNTO COM OS REPRESENTANTES DAS CATEGORIAS PROFISSIONAIS, SEGUIDA DE APROVAÇÃO DO PROJETO DE LEI PELA CÂMARA LEGISLATIVA E SANÇÃO DO GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL. AO DETRAN * (OFÍCIO 1847/2013 GAB/DETRAN, DE 05/07/2013) E.1) APURAR A RESPONSABILIDADE PELA CONCESSÃO DE AUMENTOS ÀS CARREIRAS MENCIONADAS NO SUBITEM III.5.5, COM AUSÊNCIA DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES EXIGIDOS PELOS NORMATIVOS LEGAIS, TAIS COMO: 1- FALTA DE ENCAMINHAMENTO ÀS SECRETARIAS DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO SEPLAN/DF E DE FAZENDA SEF/DF, (INCISOS I A IV E RESPECTIVOS PARÁGRAFOS DO ART. 3º DA PORTARIA CONJUNTA SGA/SEF/SEPLAN Nº 17/2004); 2- ESTIMATIVA DO IMPACTO ORÇAMENTÁRIO-FINANCEIRO NO EXERCÍCIO EM QUE DEVA ENTRAR EM VIGOR E NOS DOIS SUBSEQUENTES (ART. 16, INC. I, LRF); E 3- DECLARAÇÃO DO ORDENADOR DA DESPESA DE QUE O AUMENTO TEM ADEQUAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA COM A LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL E COMPATIBILIDADE COM O PLANO PLURIANUAL E COM A LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS (ART. 16, INC. II, LRF), CONSIDERANDO O DISPOSTO NO ART. 15 DA LRF: SERÃO CONSIDERADAS NÃO AUTORIZADAS, IRREGULARES E LESIVAS AO PATRIMÔNIO PÚBLICO A GERAÇÃO DE DESPESA OU ASSUNÇÃO DE OBRIGAÇÃO QUE NÃO ATENDAM O DISPOSTO NOS ARTS. 16 E 17. A UNIDADE NÃO APRESENTOU RESPOSTA PARA ESTA RECOMENDAÇÃO. O OFÍCIO ACIMA MENCIONADO APENAS APRESENTA RESPOSTAS AO RELATÓRIO Nº 07/2013 DIFIP/CONEP/CONT/STC À SEF * (OFÍCIO 485/2013 GAB/SEF, DE 05/07/2013) F.1) APRESENTAR JUSTIFICATIVAS ACERCA DA DIFERENÇA DE R$ ,77, REFERENTE A GASTO COM TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA, CONSIGNADA NO SUBITEM III.5.7 DESTE RELATÓRIO (TABELA 10); E MEMO. 94/2013 SUCON/SEF, DE 25/06/2013, INFORMA: [...] QUE O RELATÓRIO Nº 03/2013 DIFIS/CONEP/CONT/STC DEIXOU DE COMPUTAR AS DESPESAS DAS CONTAS CONTÁBEIS , E , REF. EXCLUSÃO DO SLU. F.2) FAZER CORREÇÕES E/OU RETIFICAÇÕES NO RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL DO PERÍODO DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 2012, CONFORME INCONSISTÊNCIA RELATADA NO SUBITEM III.5.7 DESTE RELATÓRIO, A FIM DE EVITAR INFORMAÇÕES INCORRETAS NOS RELATÓRIOS POSTERIORES. MEMO. 94/2013 SUCON/SEF, DE 25/06/2013, INFORMA: [...] QUE NÃO EXISTE NENHUMA INCONSISTÊNCIA, PORTANTO NÃO HÁ NECESSIDADE DE CORREÇÕES E/OU RETIFICAÇÕES.

18 18 de 30 TABELA 5 RECOMENDAÇÕES FEITAS À UNIDADES DIVERSAS REF. RELATÓRIO Nº 03/2013 DIFIS/CONEP RECOMENDAÇÕES ENCAMINHADAS INFORMAÇÕES RECEBIDAS RECOMENDAÇÕES À CODHAB * (OFÍCIO /2013 PRESI/CODHAB, DE 05/07/2013) G.1) REVISAR OS VALORES REEMBOLSADOS A TÍTULO DE REMUNERAÇÃO DOS RELACIONADOS NO SUBITEM III.5.8 DESTA PEÇA TÉCNICA, REALIZANDO AS DEVIDAS COMPENSAÇÕES E GLOSAS DOS VALORES RESSARCIDOS INDEVIDAMENTE; E G.2) APURAR A RESPONSABILIDADE PELA NÃO EFETIVAÇÃO DAS GLOSAS DAS DESPESAS QUE NÃO TÊM CARÁTER PERMANENTE E DOS ENCARGOS SOCIAIS CONFIGURADOS COMO DESPESAS PROVISIONADAS, RESSALVADAS AS RELATIVAS A FÉRIAS E GRATIFICAÇÃO NATALINA (13º SALÁRIO), CONFORME RELATADO NO SUBITEM III.5.8 DESTE RELATÓRIO. OF /2013 PRESI/CODHAB, DE 05/07/2013: INFORMA [...] PELOS FUNDAMENTOS ACIMA APRESENTADOS E HAJA VISTA A ESPECIFICIDADE DO TEMA EM QUESTÃO, ENCAREÇO A VOSSA EXCELÊNCIA O NECESSÁRIO REEXAME DA MATÉRIA E A CONSEQUENTE REFORMULAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES CONSTANTES NO ITEM VI, G, G.1 E G.2. IDEM RESPOSTA AO ITEM ANTERIOR. RECOMENDAÇÕES SOBRESTADAS, AGUARDANDO PRONUNCIAMENTO POR PARTE DA PGDF. FONTE: RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 03/2013 DIFIS/CONEP/CONT/STC, DE 22/03/2013. * Os nomes por extenso dos órgãos (unidades que receberam as recomendações) estão relacionados no Anexo II. Convém destacar que o assunto tratado nas recomendações de letras g.1 e g.2 do Relatório supra dizem respeito à cessão de empregados públicos do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, para a CODHAB, com ônus para o cessionário, tendo sido constatado o reembolso aos cedentes de parcelas julgadas incompatíveis. Diante das alegações apresentadas pela CODHAB foi expedida a Nota Técnica nº 02/2013 DIFIS/CONEP/CONT/STC, de 16/09/2013, contendo proposta de encaminhamento à PGDF para pronunciamento quanto à admissibilidade de ressarcimento de algumas parcelas remuneratórias (Licença prêmio, APIP Ausência Permitida para Tratar de Interesse Particular, Planos de Saúde (exemplo Saúde Caixa), Pagamento nos Lucros, Contribuição previdenciária Patronal, aplicação do teto remuneratório, provisões trabalhistas e outras parcelas não mencionadas, mas que suscitem frequentes questionamentos). E em razão do exposto, tanto as recomendações feitas à CODHAB (letras g.1 e g.2 ), quanto à recomendação feita à SEGOV (letra b.1 ) ficaram sobrestadas, aguardando pronunciamento por parte da PGDF. III.2.4 FORÇA DE TRABALHO DO GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL 2013 Em atendimento à Decisão TCDF nº 3.521/2009, a Secretaria de Estado de Administração Pública procedeu à publicação da Portaria nº 25, de 24/02/2014, cujo teor está reproduzido a seguir: PORTARIA Nº 25, DE 24 DE FEVEREIRO DE O SECRETÁRIO DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO DISTRITO FEDERAL, no uso de suas atribuições regimentais e em consonância

19 19 de 30 com os termos da Decisão nº 3.521/2009 do egrégio Tribunal de Contas do Distrito Federal, RESOLVE: Art. 1º Publicar, na forma constante do anexo a esta Portaria, a consolidação das informações relativas à força de trabalho do Governo do Distrito Federal. Art. 2º Declarar que os dados constantes do demonstrativo foram extraídos do Sistema Único de Gestão de Recursos Humanos SIGRH e Sistema Integrado de Administração de Pessoas SIAPE, relativamente ao mês de Dezembro de Art. 3º Reiterar aos setoriais de gestão de pessoas sobre a relevância da correta inserção de dados no SIGRH, com intuito de se evitar equívocos quando da elaboração de relatórios gerenciais, bem como corroborar para a correta transparência e exatidão das informações governamentais junto a sociedade e aos órgãos de controle externo. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Desta forma, foram feitas conferências entre os quantitativos da força de trabalho publicada no anexo à mencionada Portaria e os quantitativos extraídos por meio do sistema SIGRH, os quais não mantêm correlação e apresentam muitas divergências de informações, tanto nos totais quanto nos dados individuais da amostra analisada. A distorção de informações já motivou recomendação expedida à Secretaria de Estado de Administração Pública, por meio do Relatório nº 03/2013 DIFIS/CONEP/CONT/STC, demonstrado na Tabela 5 deste Relatório, para a qual foi informada a dependência de que a funcionalidade CADGER 36 do sistema SIGRH passe por reestruturação, a fim de que seja estabelecida rotina sistêmica automatizada, e não dependa de informações manuais, que acarretam os erros. Quanto aos dados apresentados na força de trabalho publicada conforme a mencionada Portaria, destacam-se os seguintes, em síntese, para breves interpretações: TABELA 6 UNIDADES S IGUAL OU SIMILAR À FORÇA DE TRABALHO ÓRGÃO * SEM CARGO SERVIDOR DO QUADRO COM CARGO REQUISITADO (GDF) SEM CARGO COM CARGO SEM VÍNCULO COM CARGO TOTAL TOTAL DE OCUPANTES DE CARGO % DE CARGOS OCUPADOS POR % DE EM RELAÇÃO AO TOTAL (A) (B) (D) (E) (H1) (K) (L) (M) (N) AR. FERCAL ,49% 91,49% AR. ITAPOÃ ,30% 90,00% AR. SCIA ,47% 89,47% AR. VARJÃO ,83 95,83% AR. VICENTE PIRES ,00% 88,73% CEBGÁS % 100%

20 20 de 30 TABELA 6 UNIDADES S IGUAL OU SIMILAR À FORÇA DE TRABALHO ÓRGÃO * SEM CARGO SERVIDOR DO QUADRO COM CARGO REQUISITADO (GDF) SEM CARGO COM CARGO SEM VÍNCULO COM CARGO TOTAL TOTAL DE OCUPANTES DE CARGO % DE CARGOS OCUPADOS POR % DE EM RELAÇÃO AO TOTAL (A) (B) (D) (E) (H1) (K) (L) (M) (N) FUNAP ,79% 85,19% INAS ,00% 50,00% IPREV ,71% 85,71% SEMPES ,44% 92,39% SEAE ,12% 92,75% SCS ,15% 91,89% SDRM ,74% 95,74% SEOPS ,91% 64,16% SERC ,57% 84,57% SECOPA ,75% 86,75% SEPIR ,57% 88,57% SEI % 96,83% H = Requisitados fora do GDF com cargo em comissão (somados à coluna H1) AR. Varjão: H = 1; FUNAP: H = 46 * Os nomes por extenso dos órgãos estão relacionados no anexo II. De acordo com as informações apresentadas na Tabela 6, constata-se que nas Unidades Gestoras Administração Regional da Fercal, Administração Regional do SCIA, Companhia Brasiliense de Gás CEBGás, Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores do DF INAS, Instituto de Previdência dos Servidores do DF IPREV, Secretarias de Estado de Desenvolvimento da Região Metropolitana, de Regularização de Condomínios, Extraordinária da Copa e da Promoção e Igualdade Racial, todos os servidores estão investidos em cargo em comissão. Nas demais 9 Unidades listadas, verifica-se que a quase totalidade também está investida em cargo em comissão. Além do exposto, observa-se o elevado percentual de ocupação de cargos em comissão por servidores sem vínculo nessas Unidades, à exceção do INAS, que só possui 4 servidores em seu quadro, ainda assim sendo 2 requisitados com cargo em comissão e 2 sem vínculo, com cargo em comissão. Destaca-se na Tabela 7, a título exemplificativo, outras Unidades que apresentam elevado número de pessoal sem vínculo com a Administração, o que pode comprometer sobremaneira a continuidade da gestão.

Anexo XI. Demonstrativo dos Recursos Destinados a Investimentos por Órgão. Fiscal 5.176.791.354 154.831.221 1.942.922.708 7.274.545.

Anexo XI. Demonstrativo dos Recursos Destinados a Investimentos por Órgão. Fiscal 5.176.791.354 154.831.221 1.942.922.708 7.274.545. Anexo XI GOVERNO DO DISTRITO 1 01 - CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO 01101 - CAMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO 02 - TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO 02101 - TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO 09 - CASA CIVIL DO DISTRITO

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos complementares relativos à jornada de trabalho e ao controle de assiduidade e pontualidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

4.4 PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA

4.4 PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA 4.4 PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA A programação financeira pública compreende atividades com o objetivo de adequar o ritmo de execução do orçamento ao fluxo provável de recursos financeiros. Constitui-se, portanto,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei;

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei; PROJETO DE LEI Nº 004/2013 Ementa: Dispõe sobre o cargo de controlador interno e auditor público interno do Município de Governador Lindenberg ES e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Governador

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIMOSO DO SUL GABINETE DA PREFEITA

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIMOSO DO SUL GABINETE DA PREFEITA PROJETO DE LEI Nº /2013 DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MIMOSO DO SUL, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Título I Das Disposições Preliminares Art. 1º A organização

Leia mais

8 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

8 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 8 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO A palavra controle tem origem na Língua Francesa; sua etimologia vem de contre-rôle : rôle significa rol, lista de nomes, e contre, outro registro efetuado em confronto com

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25004.005767/2007-09 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO AUDITORIA INTERNA

EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO AUDITORIA INTERNA SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 06/2014 PÁGINA 1 de 6 EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO AUDITORIA INTERNA SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 06/2014 UNIDADE: Gerência Executiva de Pessoas/DIAFI

Leia mais

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL EXECUÇÃO DA DESPESA, ATIVIDADE 8505 - PUBLICIDADE E PROPAGANDA, POR UNIDADE ORÇAMENTÁRIA - 2011

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL EXECUÇÃO DA DESPESA, ATIVIDADE 8505 - PUBLICIDADE E PROPAGANDA, POR UNIDADE ORÇAMENTÁRIA - 2011 3.4.5 PUBLICIDADE E PROPAGANDA As despesas com publicidade e propaganda em 2011 somaram R$ 192,9 milhões, representando aumento real de 23,5% em relação ao ano anterior. Sua composição foi de R$ 31,4 milhões

Leia mais

CONSULTA N. 809.491 EMENTA:

CONSULTA N. 809.491 EMENTA: Utilização do saldo positivo da reserva do regime próprio de previdência social para abertura de créditos adicionais suplementares. Arquivamento de notas de empenho pela administração pública CONSULTA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações:

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações: Frequência Conceito O comparecimento do servidor na unidade organizacional (local de trabalho) onde tem exercício, para o desempenho das atribuições do seu cargo caracteriza a frequência. A ausência do

Leia mais

a d i c i o n a l d e q u a l i f i c a ç ã o p ó s - g r a d u a ç ã o

a d i c i o n a l d e q u a l i f i c a ç ã o p ó s - g r a d u a ç ã o 4 APOSTILA 1.693/2014, de 31-03-2014, Folha suplementar I à Portaria nº 8.572, de 04-11-2013, publicada no DEJT de 08-11-2013, que reposicionou os servidores nela relacionados: A PRESIDETE DO TRIBUAL REGIOAL

Leia mais

0003/09-TJAP. LEI Nº. 1.377, DE 07 DE OUTUBRO DE

0003/09-TJAP. LEI Nº. 1.377, DE 07 DE OUTUBRO DE Referente ao Projeto de Lei nº 0003/09-TJAP. LEI Nº. 1.377, DE 07 DE OUTUBRO DE 2009. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4597, de 07/10/2009. Autor: Tribunal de Justiça do Estado do Amapá Altera

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

ANTEPROJETO DE LEI COMPLEMENTAR. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

ANTEPROJETO DE LEI COMPLEMENTAR. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: ANTEPROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre normas gerais pertinentes à Administração Tributária, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e regula sua integração e as carreiras

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 71000.010766/2007-25

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL Coordenadoria de Acompanhamento e Orientação da Gestão Seção de Acompanhamento da Gestão Seção de Controle de Pessoal PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2015 14 de outubro de 2014 1. Introdução Tendo em vista a

Leia mais

COGESP/SEPOG/PMF III REUNIÃO

COGESP/SEPOG/PMF III REUNIÃO COGESP/SEPOG/PMF III REUNIÃO Agenda Horário Assunto Palestrante 8:00h às 8:30h Abertura da Reunião pelo Secretário da SEPOG Philipe Nottingham 8:30h às 9:30h Apresentação do Processo de Aposentadoria nova

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a concessão de bolsa de estudo para curso de língua estrangeira no âmbito do Tribunal Superior

Leia mais

Administração Central

Administração Central INSTRUÇÃO Nº 003/2014 URH Dispõe quanto aos procedimentos a serem adotados para a operacionalização da Bonificação por Resultados BR relativa ao ano de 2014, e dá outras providências. O Coordenador Técnico

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2013 PROCESSO : 09144.000037/2014-14 RELATÓRIO : 06/2014 UNIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 025/2014 DE 09 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre as atribuições e designações dos procedimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Unidade Central de Controle Interno

Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno NOTIFICAÇÃO UCCI N 014/04 ÓRGÃO: Gabinete do Prefeito C/c Secretaria

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

AFASTAMENTO PARA SERVIR EM OUTRO ÓRGÃO - CESSÃO DE SERVIDOR

AFASTAMENTO PARA SERVIR EM OUTRO ÓRGÃO - CESSÃO DE SERVIDOR AFASTAMENTO PARA SERVIR EM OUTRO ÓRGÃO - CESSÃO DE SERVIDOR DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Cessão ou requisição

Leia mais

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 Dispõe sobre o registro e controle da freqüência dos servidores do Poder Judiciário. PUBLICADO NO DIÁRIO DO PODER JUDICIÁRIO NO DIA 24 DE AGOSTO DE 2009. A PRESIDENTE DO

Leia mais

37º FONAI Maceió-AL. Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão.

37º FONAI Maceió-AL. Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão. 37º FONAI Maceió-AL Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão. 26 a 30/11/2012 Oficina Técnica Regras de Aposentadoria no Setor Público Pessoal Civil Cleison Faé Aposentadoria no Setor Público

Leia mais

Gestão de Pessoas - Windows

Gestão de Pessoas - Windows P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - Windows Módulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: 13º Salário Senior Sistemas S.A Rua São Paulo, 825 - Bairro Victor Konder - CEP 89012.001 - Blumenau/SC Fone:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Conselho e da Justiça Federal de primeiro

Leia mais

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal.

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal. PORTARIA Nº O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, de 2 de dezembro de 2005, do Ministério da Fazenda, e Considerando o disposto no 2º do art. 50 da

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Análise do Projeto de Lei que dispõe sobre os planos de custeio e de benefícios do regime próprio de previdência social do Estado da Paraíba No dia 20

Leia mais

Plano Anual de Auditoria Interna Exercício 2011

Plano Anual de Auditoria Interna Exercício 2011 Plano Anual de Auditoria Interna Exercício 2011 Introdução Em cumprimento ao disposto no XVI, da Resolução nº. 504/2009 c.c. a., deste Egrégio Tribunal de Justiça, apresentar-se-á o Plano Anual de Auditoria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 00209000031/2007-17 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 Ver também IN 7/13 Disciplina a organização e a apresentação das contas anuais dos administradores e demais responsáveis por unidades jurisdicionadas das administrações direta

Leia mais

Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade

Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade É sabido que empenho é o comprometimento de verba orçamentária para fazer face a uma despesa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 04972.000579/2007-59 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

SIRAC. Sistema de Registro de Admissões e Concessões. Módulo - Concessões

SIRAC. Sistema de Registro de Admissões e Concessões. Módulo - Concessões Sistema de Registro de Admissões e Concessões Módulo - Concessões Objetivos Permitir, mediante aplicativo on line baseado na internet, a inclusão e a manutenção de informações referentes aos atos de aposentadoria,

Leia mais

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF META 4 Universalizar o atendimento educacional aos estudantes com deficiência, transtorno global do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, independente da idade, garantindo a inclusão na

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE BENS PATRIMONIAIS

ROTEIRO DE AUDITORIA DE BENS PATRIMONIAIS ROTEIRO DE AUDITORIA DE BENS PATRIMONIAIS 1 - OBJETIVO A Auditoria de Bens Patrimoniais tem por objetivo examinar os controles administrativos e contábeis, a situação e condições, bem como a verificação

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO CFT. EMENDA MODIFICATIVA N.º ao PROJETO DE LEI N.º 6.697 DE 2009

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO CFT. EMENDA MODIFICATIVA N.º ao PROJETO DE LEI N.º 6.697 DE 2009 OMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO FT EMENDA MODIFIATIVA N.º ao PROJETO DE LEI N.º 6.697 DE 2009 Altera dispositivos da Lei nº 11.415, de 15 de dezembro de 2006, Plano das arreiras dos Servidores do Ministério

Leia mais

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO N.º 05/2013 Regulamenta o sistema de registro eletrônico

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

Suprimentos de fundos (adiantamentos) Manual de Suprimento de fundos Concessão, aplicação e prestação de contas

Suprimentos de fundos (adiantamentos) Manual de Suprimento de fundos Concessão, aplicação e prestação de contas Suprimentos de fundos (adiantamentos) Manual de Suprimento de fundos Concessão, aplicação e prestação de contas 1 Este manual foi desenvolvido com o objetivo de orientar e informar de forma direta sobre

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Altera dispositivos da Lei Complementar Estadual n.º 308, de 25 de outubro de 2005, e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU SISTEMA JURÍDICO N.º 001/2011 Versão: 001/2011 Aprovação em: 28/11/2011 Ato de aprovação: Decreto nº. 2995/2011. Unidade Responsável: Sistema Jurídico I - FINALIDADE: Representar

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA Nº 1, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2012

PORTARIA CONJUNTA Nº 1, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2012 PORTARIA CONJUNTA Nº 1, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2012 A SECRETÁRIA DE GESTÃO PÚBLICA E A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO E A CONSULTOR-GERAL DA UNIÃO DA ADVOCACIA-GERAL

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 03/2014 Revoga a Resolução nº 05/2013 e dá nova redação

Leia mais

DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011.

DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011. DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011. Regulamenta o art. 54 da Lei Complementar nº 392, de 17/12/2008, Dispõe sobre o Regime Jurídico dos Servidores Públicos do Município de Uberaba e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002,

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002, RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) 1014 Ementa: Estabelece manual de normas e procedimentos orçamentários, contábeis e financeiros, e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

Controle Interno do Tribunal de Contas da União

Controle Interno do Tribunal de Contas da União Controle Interno do Tribunal de Contas da União Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno no Tribunal de Contas da União, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO N 46, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO N 46, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008 CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO N 46, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008 Dispõe sobre a designação de Juízes Federais para acompanhar as correições realizadas pela Corregedoria- Geral. O Corregedor-Geral da Justiça

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Brastra.gif (4376 bytes) Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.961, DE 20 DE JANEIRO DE 2004. Regulamenta o art. 45 da Lei n o 8.112, de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

II - original ou cópia autenticada da autorização legislativa específica para a realização da operação;

II - original ou cópia autenticada da autorização legislativa específica para a realização da operação; Portaria n o 4, de 18 de janeiro de 2002. Dispõe sobre os procedimentos de formalização de pedidos de contratação de operações de crédito externo e interno dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios,

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Perfil de Pessoal das Estatais - Folha

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Perfil de Pessoal das Estatais - Folha 19/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Prazos de Entrega... 6 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares...

Leia mais

25/07/13 www.legislacao.pr.gov.br/legislacao/pesquisarato.do?action=exibir&codato=97415&indice=1&totalregistros=1

25/07/13 www.legislacao.pr.gov.br/legislacao/pesquisarato.do?action=exibir&codato=97415&indice=1&totalregistros=1 Pesquisa Rápida voltar Exibir Ato Decreto 8466-01 de Julho de 2013 Alterado Compilado Original Página para impressão Publicado no Diário Oficial nº. 8989 de 5 de Julho de 2013 Súmula: Regulamenta a disposição

Leia mais

Conselheiro PEDRO FIGUEIREDO

Conselheiro PEDRO FIGUEIREDO 205 Processo nº 8401-02.00/12-7 Natureza: Contas de Gestão Origem: Fundação Hospitalar e Educacional São Francisco de Assis - FHOESFA - Machadinho Gestor (es): Osvaldo Luiz Vecchi Exercício: 2012 Data

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.386, DE 29 DE FEVEREIRO DE 2008. Regulamenta o art. 45 da Lei n o 8.112, de 11 de dezembro de 1990, e dispõe sobre o processamento

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Preliminares

Capítulo I Das Disposições Preliminares RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 10, DE 1º DE MARÇO DE 2004 Estabelece normas complementares relativas ao registro, controle e apuração da frequência dos servidores públicos da administração direta, autárquica e fundacional

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23036.000146/2007-28 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 04/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 04/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 04/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e CONSIDERANDO o disposto no 3º do art.

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PL nº 1992, DE 2007 FUNPRESP PERGUNTAS & RESPOSTAS 1. ORÇAMENTO: PL sem dotação orçamentária? O governo enviou, no dia 06 de fevereiro, de 2012 um projeto de lei (PLN nº 1, de 2012; MSG nº 24/2012) que

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 INSTITUI O PLANO DE CARREIRA DOS SERVIDORES DA ÁREA DE ATIVIDADES DE TRIBUTAÇÃO, ESTABELECE A RESPECTIVA TABELA DE VENCIMENTO E DISPÕE SOBRE O QUADRO ESPECIAL DA SECRETARIA

Leia mais

DECRETO ESTADUAL Nº 28.730, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2012.

DECRETO ESTADUAL Nº 28.730, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2012. DECRETO ESTADUAL Nº 28.730, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2012. Regulamenta e consolida normas sobre a concessão, aplicação e comprovação de adiantamento a servidor por meio de Cartão Corporativo de Débito, e dá

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

Decreto nº 31.452, de 22 de março de 2010

Decreto nº 31.452, de 22 de março de 2010 Decreto nº 31.452, de 22 de março de 2010 Diário Oficial do Distrito Federal ANO XLIII Nº 56 BRASÍLIA DF, 23 DE MARÇO DE 2010 Aprovar normas para concessão da Gratificação de Titulação - GTIT e do Adicional

Leia mais