O Processo de Manutenção de Software num Contexto de Full-Outsourcing

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Processo de Manutenção de Software num Contexto de Full-Outsourcing"

Transcrição

1 O Processo de Manutenção de Software num Contexto de Full-Outsourcing Maria do Carmo Silva Santos Cardim Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Informática e de Computadores Presidente: Orientador: Júri Prof. Pedro Manuel Moreira Vaz Antunes de Sousa Prof. Miguel Leitão Bignolas Mira da Silva Setembro de 2007

2 Resumo O resultado do desenvolvimento de software é a entrega de um produto que satisfaça os requisitos do utilizador. Posto isto, o produto tem de mudar e evoluir. Uma vez operacional e entregue são descobertas anomalias, e novos requisitos emergem pelo lado dos utilizadores. Começa assim uma nova fase do ciclo de vida do software: a manutenção. É nesta fase que 70% a 80% do esforço total do ciclo de vida do software é empenhado, visto abranger um grande número de recursos humanos que desempenham um trabalho repetitivo e monótono. A exposição deste facto na comunidade científica originou um aumento do número de estudos sobre o tema da Manutenção de Software (MS). Esses estudos dividem-se essencialmente em três grandes grupos. O primeiro prende-se com a definição das áreas da MS: Adaptativa, Correctiva, Evolutiva e Preventiva; e com os estudos levam às suas definições. O segundo é relacionado com o esforço envolvido durante a MS, e a sua consequência para as empresas, apresentando o outsourcing como solução para a diminuição desse mesmo esforço. O outsourcing permite uma redução do tempo dispendido aumentando a produtividade efectiva, mas não garante, só por si, a eficiência e a eficácia do processo associado à manutenção. O terceiro prende-se com o facto de não existir um processo considerado standard pelas organizações. Apenas recentemente começaram a emergir boas práticas relacionadas com este tema, nomeadamente o ITIL (Information Technology Infrastructure Library). O meu estudo centrar-se-á acima de tudo no desenho do processo de MA. A razão desta escolha prende-se com o facto de, após investigação efectuada, o ter considerado, regra geral, ineficaz e ineficiente, necessitando consequentemente de resolução. A solução proposta passa por integrar os conceitos das boas práticas (ITIL) num processo que opere em outsourcing, aproveitando as vantagens de ambas as soluções. As vantagens mais evidentes são: a redução de custos para a Manutenção de Software, consequentes da criação de uma economia de escala para as empresas de outsourcing. O desenho do processo de MS, foi feito com base num caso de estudo. O caso de estudo é o processo de Manutenção Evolutiva (ME), de um Departamento de Sistemas de Informação que opera em full-outsourcing. Foi utilizada uma ferramenta para comparar os seguintes processos: Processo antigo de ME, processo novo de ME e processo de Gestão de Alterações (ITIL). Através da análise dos resultados pode-se concluir que o ITIL pode ser aplicado em empresas que operam em full-outsourcing, e, visto ser o factor variante entre o processo antigo e o novo, tem um impacto notório e positivo sobre o processo afectado. O impacto refere-se ao número de horas que irá ser poupado, tanto a curto como a médio e longo prazo, e num aumento indirecto de produtividade. Palavras-chave: manutenção de software, alteração, custo, esforço, outsourcing, ITIL I

3 Abstract The result of software development is the delivery of a product that satisfies the user requirements. As such, the product has to change and evolve. Once it is operational and delivered, users discover anomalies and new requirements emerge. Thus, a new phase of the software life cycle starts: the maintenance phase. In this phase, 70% to 80% of the total effort of the software is pledged, since it demands a great number of human resources that play a repetitive and monotonous work. The exposition of this reality in the scientific community originated an increase in the number of studies concerning Software Maintenance (SM). These studies are essentially divided into three large groups. The first addresses the definition of the SM areas (Adaptive, Perfective, Corrective, and Preventive) which gain stability by the end of the 90 s. The second is related to the effort evolved during the SM, and its consequence to the corporations, presenting the outsourcing as a solution to the reduction of that same effort. The outsourcing allows a reduction of time dispended, increasing the effective productivity, but it doesn t guarantee, on its own, the efficiency and efficacy of the process associated to the SM. The third deals with the fact that there is no process considered standard by the organizations. Only recently good practices related to the subject began emerging, namely the ITL (Information Technology Infrastructure Library). Of the exposed subjects, my study will deal mainly with SM process illustration. The reason for that is that, after investigation, having considerate it, inefficient and inefficacy, therefore needing a resolution. The proposed solution consists of integrating the concept of good practices (ITIL) into a process that operates outsourcing, taking full advantages of both solutions. The most obvious advantages are: cost reduction for the SM, due to the creation of an economy of scales for the outsourcing companies. The SM process illustration was created based on a case study. The case study is the process of the Perfective Maintenance (PM), of an Information Systems Department which operates in full-outsourcing. A tool was used to compare the following processes: Old PM process, new PM process and the Change Management process (ITIL). The conclusion taken after analyzing the results is that the ITIL can be applied to companies that operate in fulloutsourcing and, since it is the variant factor between the old process and the new process, it has a notorious and positive impact on the affected process. The impact refers to the number of hours that will be saved, in the short, medium, and long run and in an indirect increase of the productivity. Key-words: software maintenance, change, cost, effort, outsourcing, ITIL II

4 Agradecimentos Desejo consignar aqui a minha gratidão a várias pessoas que contribuíram com diversas ajudas para a realização deste trabalho. Ao Professor Miguel Mira da Silva, por despertar a minha curiosidade e inspirar a minha investigação no presente tema, oferecendo-me, o seu conhecimento, material de estudo e disponibilidade e paciência ao longo deste ano. À minha família, aos meus pais, Madalena e Carlos, aos meus irmãos, Maria e Carlos Maria, e à minha cunhada, Inês, que não se pouparam a esforços para que se tornasse realidade, não só este trabalho como também a concretização desta minha etapa pessoal e profissional. Aos meus sobrinhos, João, António e Francisca, pela sua alegria que contagiou, os meus momentos mais difíceis. Aos meus colegas e amigos, Joana Esteves, Diogo Gonçalves e Luís Soares, que sempre me apoiaram, e nunca me deixaram desistir. Obrigada pelas críticas e pela partilha de conhecimento. A todos os meus amigos, especialmente à Catarina Orta, pela sua amizade, compreensão e disponibilidade. Maria do Carmo Cardim III

5 Índice Resumo... I Abstract... II Agradecimentos... III Lista de Figuras... VI Lista de Tabelas... VII Lista de Abreviações... VIII 1. Introdução Motivação Organização da Tese Estado da Arte Manutenção de Software Enquadramento no ciclo de vida do software Definições da manutenção de software Categorias da manutenção de software Motivação Gestão da Manutenção de Software Implementação ITIL Modelo de Maturidade de Manutenção de Software numa perspectiva de serviço Outsourcing dos SI Outsourcing Programadores de Manutenção Técnicas de Manutenção Riscos Benefícios Estimação do Custo Problema Factores que potenciam o problema Rotatividade de pessoas Processo ineficaz e ineficiente Definição Proposta Porquê a aposta no Outsourcing? IV

6 4.2. Porquê a aposta no ITIL? Porquê a aposta na documentação? Caso de estudo Desenho de Processos DSI Tecnologia QPR Processo Manutenção Aplicacional Protótipo Tecnologia OutSystems Implementação do Gestor de Alterações Especificação Funcional Implementação do Gestor de Pedidos Tipificados Especificação Funcional Apresentação e Análise dos Resultados Simulação do processo de negócio Tecnologia Savvion Processos de Negócio Apresentação de resultados Análise de resultados Conclusão Trabalho Futuro Referências Anexos Anexo 1 Documento de Especificação Funcional Anexo 2 Documento de Especificação Técnica Anexo 3 Processos Relacionados com a Manutenção Aplicacional Processo Gestão da Triagem e Programação do Serviço Processo Pedido de Revisão de Prioridades Processo Gestão de Pedidos de Infra-estrutura Processo Gestão de Proposta de Manutenção Preventiva Processo Gestão Documental Anexo 4 Pedidos da Manutenção Aplicacional Resumo Anual de Pedidos de MA Resumo Mensal dos Pedidos Recebidos de MA Resumo Mensal dos Pedidos em Aberto de MA V

7 Lista de Figuras Fig, 1- O Modelo em Cascata Simples... 6 Fig, 2- Modelo em Cascata iterativo... 6 Fig, 3- Modelo de Fases Simples... 8 Fig, 4- Modelo de Fases com versões... 9 Fig, 5- Diagrama de Contexto da Manutenção Software Fig, 6- A estrutura de publicações do ITIL Fig, 7- Diagrama de Contexto da Gestão de Alterações Fig, 8 - Gestão de Níveis de Serviço Fig, 9- Opções de Sourcing Fig, 10 Passos para a elaboração da proposta Fig, 11 Processo antigo MA 1ª parte Fig, 12 - Processo antigo de MA 2ª parte Fig, 13- Processo Novo de MA Fig, 14- Arquitectura em camadas da aplicação desenvolvida no DSI Fig, 15 - Arquitectura em camadas com o módulo Gestor de Alterações Fig, 16 - Interface Criar RFC Fig, 17 Interface Listar RFC Fig, 18 Interface Detalhes RFC Fig, 19 - Interface Actualizar RFC Fig, 20 - Interface Cria Tipo de Pedido Fig, 21 - Interface 1 Criar Novo Pedido Fig, 22 - Interface 2 Criar Novo Pedido Fig, 23 - Interface Pesquisar Pedido Fig, 24 - Interface Visualiza Pedido Fig, 25 - Interface Registar Utilizador Fig, 26 - Interface Gerar EFN Fig, 27 - Processo de Gestão de Alterações Fig, 28 Processo de Manutenção Antigo Fig, 29 Processo de Manutenção Novo VI

8 Lista de Tabelas Tabela 1 -. Esforço dispendido na manutenção de software Tabela 2 Mapeamento Processos DSI - ITIL Tabela 3 - Processo de Gestão de Alterações - ITIL Tabela 4 - Processo de Manutenção Aplicacional - Novo Tabela 5 - Processo de Manutenção Aplicacional - Antigo Tabela 6 Tabela comparativa de processos VII

9 Lista de Abreviações RFC Request For Change DSI Departamento de Sistemas de Informação MA Manutenção Aplicacional MS Manutenção de Software ITIL Information Technology Infrastructure Library CMDB - Configuration Management Database VIII

10 1. Introdução O ciclo de vida do software é composto pelas seguintes fases: requisitos, desenho, construção, testes e manutenção. Neste estudo vamos dar relevância à parte integrante do ciclo de vida, que historicamente tem recebido menos atenção que as outras fases: a manutenção. Durante muito tempo, a fase que esteve em grande plano na maioria das organizações foi a fase de desenvolvimento. Com o início do desenvolvimento dos Sistemas de Informação (SI), todas as empresas criavam os seus próprios produtos de software, e portanto eram responsáveis por todo o ciclo de vida do software. Contudo, à medida que se vai podendo medir os valores investidos em cada parte do ciclo de vida esta realidade começa a alterar-se. As organizações lutam por melhores resultados do seu investimento em desenvolvimento, mantendo o software operacional durante o maior período de tempo possível, aumentando assim a fase da manutenção. Além disso, a disponibilização de ferramentas e linguagens de desenvolvimento opensource atraiu as atenções, visto que é possível manter código desenvolvido por outros, ou vice-versa. Contudo, a manutenção é uma actividade dispendiosa. A manutenção de software inclui correcção de erros, alterações e melhoramentos ao software operacional. Com utilizadores em acção, existe sempre espaço para melhoramentos técnicos e operacionais no sistema existente. Por estas razões, existem oportunidades para pesquisar este tema de modo a encontrar meios para aumentar a produtividade das actividades de manutenção. Uma grande oportunidade está no estudo do ciclo de vida das aplicações, mais propriamente na fase de manutenção das aplicações. Esta tem normalmente o custo de 70% do custo total de uma aplicação desde a sua definição de requisitos, até ao seu fecho. Esse custo é aceitável visto que abrange a maior parte do ciclo de vida da aplicação, mas existe sempre o objectivo de diminuir o mesmo melhorando o processo utilizado para a própria manutenção. A falta de técnicas e experiência em sistemas de informação faz com que as empresas estejam a apostar numa solução em que apenas são responsáveis por controlar e não por implementar: o outsourcing. O outsourcing de TI é uma nova solução para o desenvolvimento e gestão de aplicações de TI, contudo a falta de compreensão dos sistemas de gestão de TI, torna esta solução difícil de vencer e de se tornar numa realidade comum. 1

11 O problema central da pesquisa, realizada no capítulo 2, é a inabilidade de mudar facilmente e rapidamente o software. Este problema limita as empresas e é a causa predominante do descontentamento do utilizador com os sistemas de informação. O problema levanta-se porque o software é orientado ao produto, independentemente de este ser comprado, alugado ou elaborado por terceiros. Além da configuração relativamente simples, o software no ponto de entrega é monolítico, o que traz muitas características indesejáveis tais como funcionalidade, melhoramentos e dificuldade não desejados na resposta à mudança rápida do negócio (Bennett, et al., 2000). Existem várias formas de resolver este problema, e essas passam por elaborar um processo para a realização da manutenção de software. Com o aparecimento das melhores práticas (ITIL), finalmente foi dado o ênfase necessário a fase de manutenção, estendendo-se a várias áreas da mesma. Apesar de existirem procedimentos ideais, a realidade das empresas encontra-se a anos-luz dessas boas práticas. Por isso, temos de delinear um processo/procedimento que se enquadre na realidade da empresa tendo por base as boas práticas. O enquadramento de ambas é necessário visto que as empresas existentes têm neste momento os seus próprios métodos de lidar com a manutenção das aplicações. A fase de manutenção concentra 70% dos custos totais do ciclo de vida do software. Apesar deste facto, praticamente relatado desde os anos 80, a comunidade de investigação não tem demonstrado uma grande preocupação em encontrar um método adequado para a resolução desta questão, com vista à diminuição dos custos desta fase. Posto isto, as empresas recorrem ao outsourcing para a manutenção de software e ainda ao outsourcing de TI procurando os melhores SLAs de acordo com os níveis de serviço que pretendem obter. O problema do método de resolução da manutenção de software continua assim por resolver. Contudo os custos têm tendência a diminuir, devido à competitividade das empresas de Outsourcing de TI. Alguns modelos apresentados são baseados em boas práticas como o ITIL e o CMM de software. Em ambos os casos existe um blueprint do que deve existir na organização, mas não a forma de implementar. Esta área é claramente um dos desafios actuais das empresas, visto existir a necessidade de descrever como os clientes e utilizadores podem ter acesso aos serviços apropriados de suporte as suas actividades e ao negócio, e a forma como esses serviços são suportados Motivação A Manutenção de Software ganhou ênfase no ciclo de vida do Software, devido ao elevado esforço envolvido para a sua realização (Foster, 1993). Este esforço é maior do que o esperado, tendo em conta o investimento pretendido na concepção de um novo software. 2

12 É imperativo expor os problemas que levam a estes valores bem como testar soluções para equilibrar os mesmos com os valores das outras fases. As soluções podem passar por colocar a Manutenção de Software no contexto de outsourcing e destacar esta fase de entre as outras fases do ciclo de vida do software. A necessidade de contextualizar a manutenção de um software, é um desafio que se prende com a diminuição do esforço envolvido nesta fase, tanto pelo lado do negócio (quem pede as alterações) como pelo lado do programador (que deveria receber tarefas claras e objectivas). Acredito que um processo que integre tanto as melhores práticas bem como as normas e conceitos de uma empresa seja condição necessária para diminuir o esforço envolvido nesta actividade, providenciando assim um ponto de partida para o desenvolvimento ideal da tarefa para que foi criada Organização da Tese No capítulo 2 está descrito o estado da arte face ao tema da tese: A manutenção de software num contexto de full-outsourcing. O estado da arte está dividido em 3 capítulos principais, de modo a introduzir as bases para a apresentação do problema e consequente proposta. Estes capítulos são: Manutenção de Software, onde estão descritos os conceitos base através das definições encontradas pela comunidade cientifica; Gestão da Manutenção, onde estão descritas duas abordagens de gestão, uma através da biblioteca de boas práticas na qual se baseou a ISO (ITIL) e a outra análoga ao CMM denominada Modelo de Maturidade de Manutenção de Software; Outsourcing, onde se faz a introdução aos conceitos do outsourcing, seus benefícios e suas dificuldades. A apresentação do problema é realizada no capítulo 3. Neste capítulo é feito um resumo de todos os problemas subjacentes ao tema e ainda é identificado um ponto de partida para uma proposta de solução. No capítulo 4, é apresentada uma proposta de solução o cruzamento das três áreas descritas no capítulo 2, e ainda são enunciadas as vantagens da implementação de cada uma delas para a resolução do problema. O capítulo 5 é a exposição do caso de estudo. Esta exposição passa por apresentar a empresa onde está colocado o processo de manutenção em questão, e enquadrar todo o trabalho desenvolvido ao longo do último ano. As tarefas que se destacam no caso de estudo são: o desenho do processo de manutenção e a implementação do protótipo relativo ao processo anterior. As tecnologias utilizadas foram: QPR, para o desenho do processo; e OutSystems, para a implementação do protótipo. 3

13 No capítulo 6, estão apresentados os resultados comparativos entre o processo de Gestão de Alterações do ITIL e o processo de manutenção aplicacional. Esta comparação foi feita com o auxílio de uma ferramenta denominada Savvion, que além de permitir o desenho de processos através da terminologia UML, permite a geração de fluxos sobre as actividades/processos definidos anteriormente. O capítulo 7 apresenta, por fim, as conclusões deste trabalho e especifica também orientações para um trabalho futuro. 4

14 2. Estado da Arte Este capítulo está subdividido em 3 capítulos: Manutenção de Software, Gestão da Manutenção de Software e Outsourcing. O objectivo de cada um destes capítulos é fazer uma introdução aos conceitos destas 3 áreas, bem como estabelecer o contexto das mesmas no tema desta tese: A Manutenção de Software num contexto de Full-Outsourcing, do ponto de vista da comunidade científica. 2.1 Manutenção de Software Nos últimos 20 anos tem-se vindo a assistir à proliferação de processos de engenharia de software. Esta proliferação permite às organizações lidar com a inevitável variedade de projectos de software, de um modo flexível, mas enfraquece as suas defesas contra algumas fontes comuns de falha de projectos e não permite pontos à volta dos quais seja possível planear e controlar (Car, et al., 2002). Alguns dos modelos de ciclos de vida do processo de engenharia de software são: Codeand-Fix, incremental, prototipagem, orientado a objectos, sendo o mais citado pela comunidade o modelo Cascata proposto por Royce em Com o decorrer dos anos, os referidos modelos sofreram algumas alterações de modo a se adequarem aos tempos que correm, visto no início da indústria de software não existir diferença entre o desenvolvimento e a manutenção (Bennett, et al., 2000). Tradicionalmente a manutenção é vista como a última actividade do ciclo de vida do software (Bennett, et al., 2000) pelo modelo em Cascata, proposto por Royce. Mas em certos casos ainda é vista sob a forma das normas como IEEE standard, que representam a manutenção de software como o penúltimo passo dos processos de desenvolvimento de software (April, et al., 2005). Sendo o último o encerramento da aplicação sugerido pelo modelo de Fases (April, et al., 2005). Vamos abordar ambos os modelos, Cascata e Fases, de modo a enquadrar a fase de manutenção do software no contexto do ciclo de vida do mesmo. Durante a investigação foi muito difícil encontrar metodologias que representassem o processo de manutenção de software, ou as suas actividades. Bennett denota que os primeiros ciclos de vida de manutenção consistiam em 3 simples actividades: compreensão, modificação, validação da alteração no software; estes estados passam agora a ser as linhas mestras para o processo e não as actividades em si. 5

15 Enquadramento no ciclo de vida do software Modelo Cascata Em 1970, Royce propôs o que é agora popularmente designado como modelo em Cascata, figura 1, como um conceito inicial para a formulação do ciclo de vida do software. O seu trabalho então explorou, como o modelo inicial poderia ser desenvolvido em um modelo iterativo, com feedback de cada fase influenciando as próximas fases, de modo similar a muitos métodos utilizados hoje em dia (Fig. 2). Ironicamente, foi somente o modelo inicial que mereceu destaque. O modelo em Cascata não se tornou o que Royce pretendia: num projecto iterativo, mas sim num modelo puramente sequencial e ordenado. No modelo em Cascata a evolução do software respeita uma sequência ordenada de níveis, cujo objectivo era ajudar empresas na gestão de projectos de desenvolvimento de software, bem como na gestão da equipa associada ao projecto. Em ambos os modelos podemos ver que as actividades são executadas sequencialmente, de forma que uma tarefa só tem início quando a tarefa anterior tiver terminado. Fig, 1- O Modelo em Cascata Simples (in Wikipedia) Fig, 2- Modelo em Cascata iterativo (in (Boehm, 1988)) As actividades compreendidas no Modelo de Cascata tradicional são as seguintes: Análise e definição dos requisitos: nesta etapa, estabelecem-se os requisitos do produto que se deseja desenvolver, o que consiste nos serviços que se devem fornecer, limitações e objectivos do software. Sendo isso estabelecido, os requisitos devem ser definidos de uma maneira apropriada para que sejam úteis na etapa seguinte. 6

16 Esta etapa inclui também a documentação e o estudo da facilidade e da viabilidade do projecto com o fim de determinar o processo de início de desenvolvimento do projecto do sistema; pode ser vista como uma concepção de um produto de software e também como o início do seu ciclo de vida. Desenho do sistema: o desenho do sistema é um processo de vários passos que se centraliza em quatro atributos diferentes do sistema: estrutura de dados, arquitectura do software, detalhes procedimentais e caracterização das interfaces. O processo de desenho representa os requisitos de uma forma que permita a codificação do produto. Da mesma maneira que a análise dos requisitos, o desenho é documentado e transforma-se em uma parte do software. Desenvolvimento: esta é a etapa em que são criados os programas. Se o projecto possui um nível de detalhe elevado, a etapa de codificação pode implementar-se automaticamente. A princípio, sugere-se incluir um teste unitário dos módulos nesta etapa; nesse caso, as unidades de código produzidas são testadas individualmente antes de passar a etapa de integração e teste global. Testes do sistema: concluída a codificação, começa a fase de teste do sistema. O processo de teste centraliza-se em dois pontos principais: as lógicas internas do software e as funcionalidades externas. Esta fase decide se foram solucionados erros de comportamento do software e assegura que as entradas definidas produzam resultados reais que coincidam com os requisitos especificados. Manutenção: esta etapa consiste na correcção de erros que não foram previamente detectados e envolve mudanças no software com a finalidade de corrigir defeitos e deficiências encontradas durante o uso do software bem como a adição de novas funcionalidades de modo a melhorar a usabilidade e a aplicabilidade do software. Todas as variações do modelo Cascata possuem o mesmo conceito básico: a ideia de que uma etapa fornece a saída que será usada como entrada para a etapa seguinte. Portanto, o processo de desenvolvimento de um produto de software de acordo com o modelo Cascata é simples de conhecer e controlar. Outras actividades também levadas em consideração em cada uma das etapas do ciclo de vida do software, são as seguintes: a documentação, a verificação e a administração das etapas. A verificação, por sua vez, é necessária para que uma etapa forneça os dados correctos para a etapa seguinte. Já a administração, efectua a gestão e o controle da etapa. A actividade de documentação origina um conjunto de documentos resultantes de cada etapa do ciclo. 7

17 Modelo de Fases Em contraste, com as definições standard oferecidas na secção anterior, onde a manutenção é vista como uma única actividade pós-entrega, um novo modelo é introduzido por Bennett (Fig. 3). Este modelo contém cinco estados diferentes: desenvolvimento inicial, evolução, serviço, encerramento e fecho (Bennett, et al., 2000), 47]. O modelo em fases foi introduzido em 1999 e está resumido na Figura 3. Este modelo representa o ciclo de vida do software como uma sequência de fases, sendo a primeira o desenvolvimento inicial. O seu contributo chave é a separação do nível de manutenção numa fase de evolução, seguida de uma fase de serviço e encerramento. Fig, 3- Modelo de Fases Simples (in (Bennett, et al., 2000)) As fases compreendidas pelo Modelo de Fases Simples são as seguintes: Desenvolvimento inicial: nesta fase é desenvolvida a primeira versão funcional do sistema. Tem como objectivo encontrar meios de desenvolvimento de modo a que o software possa ser alterado de forma fácil e segura nas fases subsequentes. Os parâmetros de saída desta fase são: a arquitectura e o conhecimento da equipa. Evolução: nesta fase são aumentadas as capacidades e funcionalidades do sistema para ir de encontro com as necessidades dos utilizadores, ao nível mais profundo possível. A evolução apenas acontece quando o desenvolvimento inicial é realizado com sucesso. O objectivo é adaptar a aplicação para qualquer alteração de requisitos do utilizador e do ambiente operacional. 8

18 A fase de evolução corrige também as falhas na aplicação e reporta-as ao colaborador e ao utilizador, podendo estes fazer exigências mais exactas baseadas na experiência passada com a aplicação. Serviço: são feitas reparações a pequenos defeitos e alterações funcionais simples. O objectivo é executar e testar mudanças técnicas ao software, empreendendo isto no custo mínimo e dentro das potencialidades da equipa de funcionários disponível. A passagem para a fase de serviço envolve uma grande mudança na gestão de projecto: somente as correcções menores, os realces e o trabalho preventivo devem ser empreendidos; os desenhadores e os arquitectos seniores não necessitam estar disponíveis; a equipa de funcionários não requer o mesmo nível de domínio da engenharia ou da perícia da tecnologia de programação. Encerramento: a empresa decide não continuar a providenciar o serviço, procurando tirar proveito do sistema o maior tempo possível. Fecho: a empresa retira o sistema do mercado e direcciona os utilizadores para um sisrema substituto, caso este exista. Modelo de Fases com versões A existência deste modelo demonstra como podemos fazer as fases do modelo durar mais tempo, dando deste modo mais um nível de estudo e aumentando a esperança média de vida de um programa, como se pode ver na figura 4. Fig, 4- Modelo de Fases com versões (in (Bennett, et al., 2000)) 9

19 Alterações no software A alteração de software é a operação básica quer da fase de evolução, quer da fase de serviço. As duas fases estão separadas pela dificuldade inerente da alteração. Alterações substanciais são permitidas na fase de evolução, enquanto que na fase de serviço as alterações permitidas são limitadas; no entanto, tanto a fase de evolução como de serviço é derivada da necessidade de alterações sucessivas. Os grandes assuntos de evolução de arquitecturas e deterioração de código, ganham com o estudo detalhado das propriedades da alteração individual. Os processos e métodos agora descritos irão beneficiar de pesquisas futuras que levarão a um benefício industrial substancial. Uma alteração é um processo que introduz novos requisitos ao sistema existente, ou modifica o sistema se os requisitos não tiverem sido implementados correctamente, ou move o sistema para um novo ambiente operacional. O mini ciclo da alteração consiste nas seguintes fases: requisito de alteração, fase de planeamento, compreensão do programa, análise de impacto da alteração, implementação da alteração, reestruturar para a alteração, propagação da alteração, verificação e validação e redocumentação. Um pedido de alteração é muitas vezes originado pelos utilizadores do sistema, e pode ter a forma de um reporte de erros ou de um pedido de funcionalidade adicional Definições da manutenção de software A manutenção compreende um leque de conceitos que são essenciais para o entendimento da sua representação e para clarificar as definições utilizadas neste documento que serão as seguintes (Boehm, 1988) (Mamone, 1994): Manutenção: modificação de um produto de software após a entrega para corrigir falhas, melhorar o desempenho ou outros atributos, ou para adaptar o produto a um ambiente da mudança; Evolução: a evolução de software prende-se com a saída de uma nova versão, ou seja uma versão do produto com um conjunto relevante de alterações; Alteração: mudança do código software. Engloba a correcção de erros e a satisfação de novos requisitos propostos pelo utilizador; Melhoramento: mudança no software de modo a melhorar a performance do produto, ou a adaptá-lo a novos ambientes; 10

20 Processo de manutenção: define as actividades do programador, da organização que providencia os serviços de manutenção do software, ou seja os serviços de manutenção para deixar o software actualizado. O objectivo deste processo é modificar um produto de software existente, preservando a sua integridade; Manutenção de software: modificação de um produto de software após a entrega para corrigir falhas, para melhorar o desempenho ou outros atributos ou para adaptar o produto a um ambiente modificado Categorias da manutenção de software Ao longo dos anos, o estudo sobre MS tem vindo a ser cada vez mais completo e as pessoas têm cada vez mais interesse no assunto, por isso a categorização foi sendo aperfeiçoada especialmente nos últimos 20 anos. Lientz e Swanson No final da década de 70, Swanson e Lientz apresentaram 3 categorias de manutenção (Swanson, 1976), (Lientz, et al., 1980): Adaptativa: Resposta a alterações em ambientes de dados ou de processamento; Correctiva: Resposta a falhas de vários tipos; Evolutiva: Executada para eliminar ineficiências de processamento, aumentar o desempenho, ou melhorar a capacidade de manutenção. Bennett Enquanto que a adaptativa e a correctiva têm como função manter o programa operacional, a evolutiva tem de manter o programa operacional ao menor custo ou de modo a servir melhor as necessidades dos seus utilizadores (Bennett, et al., 2000). Num trabalho recentemente publicado em 2000, Bennett faz referência a Lientz e Swanson dizendo que estes últimos categorizam as actividades de manutenção em 4 tipos (Bennett, et al., 2000). A quarta actividade advém da separação da categoria Evolutiva em 2 actividades independentes. Deste modo as 4 actividades são: Adaptativa: mudanças no ambiente de software; Correctiva: reparação de erros; Evolutiva: novos requisitos do utilizador; Preventiva: prevenir problemas futuros. 11

21 Norma ISO/IEC Como era de esperar as normas foram actualizadas e foi admitida mais uma categoria pela ISO/IEC (IEEE, 1998). Deste modo as categorias de manutenção ficaram definidas como: Adaptativa: modificação de um produto de software após a sua entrega de modo a mantê-lo operacional num ambiente mudado ou em mudança; Correctiva: modificação de um produto de software após a sua entrega para corrigir problemas descobertos; Evolutiva: modificação de um produto de software após a sua entrega para melhorar a sua performance ou sua capacidade de manutenção; Preventiva: modificação de um produto de software após a sua entrega para detectar e corrigir faltas latentes, antes que se tornem faltas efectivas Motivação A manutenção consome a maior parte do custo do ciclo de vida do software. Os gastos em manutenção são mencionados na maioria dos surveys. Os valores oscilam entre os 40% e os 80%, como mostra a Tabela 1. Autores Esforço em manutenção Lientz, Swanson >40% Lientz, Swanson ½ Homem/Ano Boehm 60% Pigoski 60% a 80% Swanson, Beath 50% a 70% Tabela 1 -. Esforço dispendido na manutenção de software forma: Os valores acima apresentados são divididos pelas categorias da manutenção da seguinte A manutenção evolutiva e adaptativa detêm 75% do esforço e a manutenção correctiva detém cerca de 21% (Bennett, et al., 2000); A área que de longe ocupa o maior esforço a nível de manutenção é a evolutiva, utilizando 2/3 do esforço dispendido nas 4 áreas da manutenção (Boehm, 1988). Os estudos mostram que a incorporação de novos requisitos (pedidos por parte dos utilizadores) são o núcleo do problema da evolução e manutenção de software, visto que o tempo médio de vida de uma aplicação na fase de manutenção é de 8 a 10 anos o esforço gasto nesta fase tem de ser elevado só por si (Bennett, et al., 2000). 12

22 A manutenção é necessária para assegurar que o sistema continua a satisfazer as necessidades dos utilizadores (IEEE, 1998). Uma visão comum da manutenção é que esta serve para arranjar pequenos defeitos. Contudo, estudos ao longo dos anos mostram que cerca de 80% do esforço de manutenção é aplicado em acções não-correctivas (IEEE, 1998). Esta percepção é concebida a partir do momento em que os utilizadores submetem relatórios com problemas, que na verdade são aumentos de funcionalidade ao sistema, ou seja propostas de evolução. A inclusão destes melhoramentos nos relatórios de problemas leva à confusão de ambos os conceitos no que diz respeito à manutenção. Durante o tempo de vida do software, este é submetido a diversas alterações, as quais podem ser causadas por uma enorme variedade de razões e necessidades. Normalmente, é impossível definir toda a aplicação desde o início, mesmo assim as actividades de desenvolvimento começam. Diversos detalhes do processo podem, e por vezes têm de, ficar por especificar inicialmente, e são expressos de forma mais detalhada quando informação adicional, ou mais precisa, da aplicação tenha sido recolhida e analisada. Por exemplo, os procedimentos de teste só podem ser desenhados quando os requisitos de qualidade da aplicação a ser desenvolvida sejam especificados. Este tipo de alteração é denominada definição incremental, visto adicionar novas partes ao processo. Estas novas alterações não devem interferir com o modelo existente, senão, seria necessário alterar a parte restante. Os processos de software são entidades que estão em ambientes altamente dinâmicos. Uma aplicação pode ter de mudar como resposta a alterações no ambiente no qual opera ou alterações na organização ao nível corporativo. Tais alterações podem ser causadas por desempenho fraco, novas ferramentas adquiridas pela organização para auxiliar os programadores de desenvolvimento de software, alterações na estratégia de marketing, ou alterações do cliente quer a nível de expectativas quer a nível de requisitos. Assim, um processo existente tem de ser modificado ou estendido para reflectir a evolução de ambiente e/ou alterações internas. Tem de ser possível costumizar um processo de modo a permitir um agente seleccionar a solução mais eficaz para um determinado problema. Por exemplo uma actividade de desenho pode ser conduzida segundo uma de duas abordagens, ascendente ou descendente, dependendo das características do sistema que irá ser desenhado e do juízo do agente. 13

23 Existem diversas políticas que podem ser adoptadas para a aplicação de alterações numa determinada aplicação. Num extremo temos as alterações que são aplicadas a especificações do processo, que não afectam a definição das actividades. Os efeitos são modificações estáticas que se tornam visíveis apenas quando é lançado um processo que seguiu o modelo modificado. No outro extremo, temos uma política altamente dinâmica e alterações as especificações do processo são imediatamente propagadas às actividades afectadas. Características chave na natureza e tratamento de pequenos pedidos de manutenção, tem vindo a sobressair (April, et al., 2005), devido aos seguintes factos: Os pedidos da modificação são reportados mais ou menos aleatoriamente e não podem ser esclarecidos individualmente no processo de plano anual de orçamento; Os pedidos de modificação são revistos e as prioridades atribuídas; frequentemente no nível operacional a maioria destes pedidos não requerem a participação da gestão sénior; O trabalho de manutenção não é controlado usando técnicas de gestão de projecto, mas sim através de técnicas de gestão de filas; O tamanho e a complexidade de cada pedido da manutenção são de tal forma pequenos que podem geralmente ser assegurados por um ou dois recursos; As prioridades podem ser alteradas em qualquer altura, e um pedido de modificação ou de correcção de aplicação pode passar a ter prioridade sobre o outro trabalho em andamento Gestão da Manutenção de Software É referido por diversos autores que muitas organizações de software não têm processos definidos para as suas actividades de manutenção. Van Bon confirma a falta de processos de gestão na área de manutenção de software e que esta é muito negligenciada (April, et al., 2005) É importante perceber a janela das actividades de manutenção e o contexto no qual o programador de software opera no seu dia-a-dia. A figura 5 resume as interfaces existentes na manutenção de software num contexto organizacional típico. 14

24 Fig, 5- Diagrama de Contexto da Manutenção Software (in (April, et al., 2005)) As interfaces existentes com a Manutenção de Software são as seguintes: Interface 1: clientes e utilizadores de manutenção de software; Interface 2: departamento de infra-estruturas e operações; Interface 3: programadores; Interface 4: fornecedores; Interface 5: manutenção de primeira linha e help-desk. Tendo em conta estas interfaces que requerem serviços diários, a gestão da manutenção tem de manter as aplicações: a correrem suavemente, a reagir rapidamente de modo a restaurar o serviço, a corresponder ou exceder o nível de serviço acordado e ainda manter a comunidade de utilizadores confiante que existe uma equipa competente e dedicada à sua disposição que actua dentro do orçamento acordado. Cada interface designada tem um objectivo: A primeira interface lida com os clientes e utilizadores e é muito importante, visto que consiste na negociação e discussão acerca de: pedidos individuais de prioritização, acordos de níveis de serviço (SLAs), planear, orçamentação, serviço ao cliente e actividades relacionadas com a satisfação dos utilizadores. Os utilizadores operam no software e serão frequentemente envolvidos em comunicações diárias que requerem: Resposta operacional rápida a relatórios de problemas; Habilidade de resposta a questões referentes a regras de negócio, ecrãs ou relatórios específicos do negócio; Relatórios de progresso num grande numero de pedidos de modificação. 15

25 A segunda interface lida com a comunicação da empresa quer a nível operacional quer a nível de infra-estruturas (ITSMF-NL, 2005). Estas são responsáveis pela infraestrutura de suporte às aplicações. Elas lidam com todo o suporte e manutenção associadas com postos de trabalho, com redes e plataformas, bem como conduzem actividades como a criação de cópias de segurança, recobro, e administração de sistema. O utilizador raramente está a par, ou envolvido, na troca interna de informação entre os programadores de software e as operações. Esta interface também inclui actividades menos frequentes como coordenação e recuperação de serviço após falhas ou desastres, com vista a restaurar o acesso a serviços acordados nos termos e condições dos SLA. A terceira interface está localizada entre o desenvolvimento e a manutenção, e é tipicamente iniciada durante o desenvolvimento de novo software. A causa inicial de vários problemas de manutenção pode ser monitorizada até ao desenvolvimento, e está reconhecido que os programadores necessitam de estar envolvidos e exercer alguma forma de controlo durante a pré-entrega e a transição (April, et al., 2005). Também nesta interface de desenvolvimento-manutenção as contribuições feitas pelos programadores que de modo concorrente dão suporte, e por vezes estão envolvidos, também em grande número de projectos em desenvolvimento. O conhecimento do programador de software e portfolio de dados é de grande valor para os programadores de manutenção que precisam de interface com software obsoleto. A quarta interface mostra a relação com um número crescente de fornecedores, fornecedores de outsourcing, e vendedores de Enterprise Resource Planning (ERP) (April, et al., 2005), (April, et al., 2001). Os programadores têm diferentes tipos de relações com os fornecedores. Para assegurar um serviço de qualidade aos utilizadores, os programadores têm de desenvolver alguma compreensão dos variados tipos de contrato e geri-los de forma eficiente de modo a assegurar a performance do fornecedor, que normalmente tem impacto nos resultados dos SLA (Service Level Agreements). A última interface pode ser representada de diversas formas, de acordo com as diferentes estruturas organizacionais. O help-desk é fundado, por vezes, como parte da organização de manutenção, ou parte das operações da organização e pode ser localizado num produto independente do suporte à organização. 16

26 Foi observado que alguns utilizadores passam a primeira linha de suporte e acedem directamente ao pessoal da manutenção. Para ser eficaz, é usado um processo mecânico de resolução de problemas que assegura a comunicação para uma rápida resolução de falhas. Um pedido específico de um utilizador, pode ser chamado de ticket, e tipicamente circula entre o help-desk, a manutenção e o nível operacional que pode a isolar o problema (April, et al., 2001) Implementação Nos próximos sub-capítulos estão descritas duas filosofias sobre a Manutenção de Software, numa perspectiva de serviço. A primeira é o ITIL (Information Technology Infrastructure Library), uma estrutura com um conjunto de directrizes que visa ajustar pessoas, processos e tecnologia. No ITIL esta descrita uma configuração para a realização da manutenção de software de uma forma orientada ao serviço. A segunda é o Modelo de Maturidade de Capacidade de Serviço de TI, que é um modelo a partir do qual de pode avaliar o nível de maturidade dos processos de TI, nomeadamente o processo de manutenção, numa empresa. Este modelo é análogo ao Modelo de Maturidade de Capacidade de Software, originado pelo CMM. Ao nível individual dos processos, ambos os modelos (MMCSTI e CMMS) têm muito em comum ITIL A definição do ITIL (ITSMF-NL, 2005) (Office of Government Commerce, 2002) quer dizer Biblioteca de Infra-estruturas de Tecnologias de Informação. Esta secção vai tentar mostrar a parte desta biblioteca que se dedica a gestão das alterações, bem como mostrar o seu enquadramento. O ITIL é considerado como as melhores práticas de tecnologia de informação a nível europeu, cujo objectivo principal é estabelecer melhores práticas e um standard de qualidade de serviços TI, que os clientes têm de exigir e que os prestadores de serviço devem tentar fornecer CCTA (1993). O ITIL foi desenvolvido originalmente pelo governo britânico através da CCTA (Central Computer & Telecommunications Agency). Hoje em dia, o ITIL é mantido pelo EXIN (Netherlands IT Examinations Institute). 17

27 Enquadramento O ITIL materializa-se num conjunto de manuais que documentam as actividades no fornecimento de serviços de TI, como se pode ver na figura 6. A área de que mais relevância apresenta para este estudo é a Gestão de Serviços, que enquadra duas grandes áreas: Suporte aos Serviços e Disponibilização de Serviços. Fig, 6- A estrutura de publicações do ITIL (in (ITSMF-NL, 2005)) Tanto o Suporte como a Disponibilização dos Serviços são compostos por um conjunto de actividades, e ambos lidam com o tema da manutenção, mas em perspectivas diferentes. No lado do Suporte temos como actividade principal a Gestão de Alterações e no lado da Disponibilização temos a Gestão de Níveis de Serviço. Gestão de Alterações A gestão de alterações tem como objectivo assegurar que os métodos e procedimentos normalizados são utilizados para o tratamento rápido e eficaz de todas as alterações para minimizar o impacto de eventuais incidentes. As alterações nas infra-estruturas das TI podem surgir, de modo reactivo, em resposta a problemas ou requisitos impostos externamente, como, por exemplo, alterações legislativas; ou então em modo pró-activo, da busca de maior eficiência e eficácia ou para permitir, ou reflectir, iniciativas de negócio. A Gestão de Alterações é responsável pelo controlo das alterações de todos os CIs (elementos de configuração que residem na CMDB) no ambiente de produção (AP). Não é responsável pelas alterações em projectos em curso, uma vez que, estas são controladas pelo processo de alterações de projectos. No entanto, espera-se estreita ligação entre os gestores do projecto de desenvolvimento e o Gestor de Alterações. 18

28 O que é alterado? Hardware Software Documentação Infraestruturas Formação Planos... Configuration CMDB Management RFC Change Management Release Management Quais as razões? Corrigir Problema Requisitos de negócio Tecnologia muda CSIP Legislação Competição... CAB Service Management Especialistas Técnicos Clientes e Utilizadores Outras partes envolvidas Fig, 7- Diagrama de Contexto da Gestão de Alterações (in (ITSMF-NL, 2005)) Como mostra a figura 7, a informação de entrada da Gestão das Alterações é um Pedido de Alteração (RFC). Os RFC podem ter 3 origens: Standard: alteração comum, com condições para autorização e aprovação de custo preestabelecidas; Normal: Alteração não standard e não urgente, que precisa ser processada e avaliada pela Gestão de Alterações. Urgente: Alteração demasiado urgente para seguir os processos normais da Gestão de Alterações. Existem dois processos para realizar uma alteração: normal e urgente. O procedimento de Alteração urgente não deve ser encarado como um percurso opcional, para uma implementação mais rápida, uma vez que comporta riscos consideráveis em relação ao procedimento de alteração normal. Uma alteração normal é uma solução aceite para um conjunto de requisitos identificável e relativamente comum, em que é efectivamente dada autoridade antes da implementação, como por exemplo, a configuração de perfis de acesso para um novo colaborador. A Gestão de Alterações deve ser integrada na gestão de grandes projectos ou programas empresariais, mediante planeamento, construção, teste e implementação. A actividade de Gestão de Alterações é claramente base de aplicação dos conceitos mencionados no capítulo 2. 19

29 Gestão de Níveis de Serviço O objectivo da Gestão de Níveis de Serviço é tornar claro acordos com o cliente, destinatário do serviço, acerca do tipo e da qualidade dos serviços de TI a serem fornecidos e implementar esses mesmos acordos. Garantir a melhoria progressiva da qualidade dos serviços de TI, bem como o seu alinhamento com o negócio, através de um processo contínuo de negociação, monitorização, elaboração de relatórios e revisão dos serviços de TI fornecidos, instigando acções para eliminar níveis de serviço inaceitáveis. A Gestão de Níveis de Serviço (SLM) garante que os objectivos dos serviço são acordados e documentados em Acordos de Nível de Serviço (SLAs), além de controlar e rever os níveis de serviço existentes face aos objectivos dos SLAs. A SLM deverá igualmente tentar melhorar, proactivamente, todos os níveis de serviço no âmbito das restrições de custos impostas. Unidades de Negócio SLRs Requisitos Nível Serviço SLAs Acordos de Nível de serviço Catálogo de Serviços Serviços de Tecnologias de Informação SLM Gestão de Nível de Serviço OLAs Acordos de Nível de Operação CSIP Departamentos Internos UCs Contratos de Serviço Fornecedores externos Fig, 8 - Gestão de Níveis de Serviço (in (ITSMF-NL, 2005)) A figura 8 é explicativa de todo o processo, e claramente o apoio para todo o processo já descrito em 3.1. Este processo é o de mais relevância na Disponibilização de Serviços, visto ser base para o que na comunidade de investigação se fala do processo de manutenção com um fornecedor que pode ser um departamento interno de serviços, ou uma empresa externa subcontratada ou ainda um fornecedor de terceiros, visto no capítulo

30 Modelo de Maturidade de Manutenção de Software numa perspectiva de serviço O Modelo de Maturidade de Software de Serviços de TI (SMmm) de Niessink, e van Vliet, é um modelo de crescimento de maturidade análogo ao Modelo de Maturidade de Software (CMM). Este modelo retém a referência aos níveis de maturidade do processo pai (April, et al., 2005). A estrutura do modelo é similar ao CMM, mas o seu domínio de aplicação é diferente. Enquanto que o CMM engloba o processo de desenvolvimento de software, o SMmmI abrange os processos chave para produzir serviços de TI de alta qualidade. É importante notar que o CMM diz-se adequado para ambos, desenvolvimento e manutenção, no entanto foram encontradas dificuldades em implementar este modelo numa organização que apenas lide com a manutenção. Este modelo mede a maturidade das organizações numa escala de 5 níveis, muito semelhante à escala proposta pelo CMM. Os níveis de maturidade correspondem à capacidade da empresa em realizar projectos grandes e complexos e estão classificados da seguinte forma (April, et al., 2005): Nível 1. Inicial a empresa possui processos ad-hoc e caóticos. Poucos processos estão definidos, e o sucesso depende do esforço individual; Nível 2. Repetitivos Os processos da gestão do serviço básico são estabelecidos para seguir o custo, a programação e o desempenho das TIs na entrega do serviço. Estes processos são caracterizados por projectos, e muitas vezes ainda trabalham de forma reactiva; Nível 3. Definido a empresa possui processos standard definidos, documentados para a organização. Normalmente a empresa trabalha de forma activa; Nível 4. Gestão a empresa mede e controla os seus processos, devido à recolha de medidas detalhadas da prestação de serviços de manutenção ao processo da entrega e a qualidade do serviço. Nível 5. Optimização a empresa tem em foco descobrir a causa dos seus problemas e melhorar continuamente os seus processos. O SMmm avalia a maturidade de unidades organizacionais específicas de uma empresa e se esta estiver num nível de maturidade, significa que implementa todas as áreas de processo do respectivo nível. 21

31 2.3. Outsourcing dos SI Este capítulo aparece neste estudo devido a várias referências durante todo o trabalho. São vários os surveys que referenciam a possibilidade de recorrer ao outsourcing para realizar a manutenção, mas nenhum opta por aprofundar esse tema. Ou seja, a forma como o outsourcing encaixa no capítulo da manutenção. Na realidade, existem várias opções de parceria entre as empresas de Sistemas de Informação, das quais vamos dar mais ênfase ao outsourcing. Fig, 9- Opções de Sourcing (in (Gartner, 2002)) Várias empresas de vanguarda optaram por esquemas de outsourcing total, preocupandose apenas com a gestão dos seus sistemas, como por exemplo a EDP. No entanto existem vários esquemas de parcerias disponíveis consoante a estratégia das organizações Outsourcing O Outsourcing é a prática de usar empresas exteriores para assegurar trabalho que se executa normalmente dentro de uma empresa. Existem empresas que fazem outsourcing de contabilidade, distribuição, manutenção e muitas outras funções importantes frequentemente porque não têm nenhuma outra escolha. Muitas empresas escolheram colocar determinados processos em outsourcing, e como resposta indústrias inteiras evoluíram no sentido de servir essa mesma necessidade. Como se pode ver na figura 9, a existência de outsourcing implica a compra/venda de um produto, o qual pode ser um serviço, uma tecnologia, entre outros. Ou seja, outsourcing designa a acção que existe por parte de uma organização em obter mão-de-obra de fora da empresa, de modo a realizar a subcontratação de serviços. 22

32 Em 2004, o mercado de outsourcing de TI cresceu 37%, mas foi caracterizado por um elevado número de pequenos negócios e uma grande concorrência por parte dos vendedores (Pankaj, et al., 2006). O crescimento deste mercado deve-se ao facto das empresas estarem finalmente a aperceber-se das seguintes realidades: Apenas 25 a 33% do esforço total gasto durante o ciclo de vida do software vai realmente para a construção do sistema e que o resto é consumido pelo esforço gasto com manutenção operacional do sistema (Pankaj, et al., 2006); Os sistemas de software estão a tornar-se cada vez mais complexos, quer a nível funcional quer a nível técnico. Deste modo essa complexidade acrescida complica a estimação do esforço, a qualidade e maturidade do software sob a responsabilidade da manutenção, também tem um grande peso na estimação dos esforços de manutenção. Tipos de Outsourcing (Gartner, 2002) O outsourcing divide-se em 2 actividades: Outsourcing total - que concentra a operação num único fornecedor, por oferecer ganho de escala e propostas mais económicas. Outsourcing selectivo ou múltiplo o melhor fornecedor para cada uma das actividades realizadas em outsourcing. Outsourcing de TI O processo de outsourcing de TI envolve gestão e operacionalidade eficazes de recursos da tecnologia de informação de corporações de uma posição remota. Para explicar este conceito, podemos considerar o exemplo da gestão de uma rede de computadores de uma grande corporação que inclua a monitorização de falhas, a monitorização de alarmes, a monitorização remota de centros de dados, entre outros. A natureza destas operações é complexa e requer um suporte em tempo real sempre que precisa. Posto isto, este tipo de processo não pode ser facilmente efectuado em regime de outsourcing em locais onde há uma grande diferença horária. Tais tarefas são atribuídas às empresas com o mesmo fuso horário. 23

33 Programadores de Manutenção A actividade de manutenção é frequentemente desempenhada por equipas que não estiveram envolvidas no desenho e desenvolvimento do software. Isto é evidente, visto que é facto que uma parte significante do trabalho de outsourcing de TI é relativo a manutenção de sistemas de software existentes. Os programadores de manutenção recebem dos clientes o software e a sua documentação, quando existente. Sempre que um programador é substituído, quer seja por doença ou despedimento, o seu substituto terá de perder tempo a compreender o código. Estes casos não estão previstos no contrato entre o cliente e o outsourcer, tendo este último de colmatar essas falhas de modo a cumprir todos os níveis de serviço acordados Técnicas de Manutenção É facto que os programadores gastam tempo a ler e a compreender os programas de modo a poderem implementar alterações nos mesmos. Browsers de código são ferramentas chave na compreensão de programas, porque ajudam à navegação dentro do código e ainda permitem relacionar as suas partes de uma forma muito mais rápida do que manualmente. A re-documentação do software é também um passo importante. O objectivo desta actividade é actualizar a documentação, por exemplo quando são efectuadas alterações no software, e torná-la mais clara e explicativa, de modo a diminuir o tempo gasto na compreensão dos programas Riscos Os riscos de recorrer ao Outsourcing, por parte dos clientes são, sumariamente, os seguintes: Resultado nem sempre correspondente ao esperado, interferindo na qualidade planeada para os clientes; Custos por vezes ficam além do previsto; Existência de custos e complexidade na gestão da relação com o outsourcer. Dependência de parceiros, ou existência de parceiros pouco fiáveis. 24

34 Benefícios Os benefícios para o cliente quando recorre ao outsourcing são, os seguintes: Controlo e visibilidade dos custos, pode não ser a única razão mas é certamente um factor principal. O outsourcing converte custos fixos em custos variáveis e permite evitar grandes despesas nos estados mais avançados de um negócio. Acessos a novos recursos humanos e tecnologia. Permite obter equipas dedicadas em pouco espaço de tempo e de curta duração, assim como pode alojar os recursos onde mais convier para o negócio. Transparência no estabelecimento de prioridades e Objectividade na negociação; Transferência do risco de parte da actividade para terceiros Estimação do Custo O outsourcing de manutenção de software é uma actividade que tem estado a crescer, e com ela cresce também o nível de competitividade. Antes, os clientes procuravam companhias de serviços de TI numa base de tempo-material necessários (onde os serviços eram pagos pelo número de engenheiros envolvidos nas actividades de manutenção). Agora vemos uma mudança definitiva nesta tendência, vendo os clientes exigir SLAs baseados em preços fixos para a manutenção de software durante um certo período de tempo. Muitas vezes o cobrador pelo serviço não possui conhecimentos do estado em que se encontra o software do lado do cliente ou mesmo qual o tipo de software. Posto isto, é importante ter uma estimativa base competitiva baseada em factores que tenham certo peso na actividade de manutenção de software. 25

35 3. Problema Do grande tema atrás exposto (Manutenção de Software) o meu estudo centrar-se-á acima de tudo no desenho do processo. A razão desta escolha prende-se com o facto de, após investigação, o ter considerado ineficaz e ineficiente por isso necessitado de resolução. De seguida é descrito o problema e os factores que o potenciam, ambos identificados ao longo dos capítulos de apresentação do tema do estudo Factores que potenciam o problema Rotatividade de pessoas O estudo realizado nos primeiros capítulos, permitiu a identificação de um factor/motivo base que potencia a maioria dos problemas descritos no que diz respeito à Manutenção de Software: esse factor é a rotatividade de pessoas. Na maioria dos projectos de software, cada fase do ciclo de vida é desempenhada por equipas diferentes. Logo a passagem de informação entre as várias fases tem de ser perfeita, para quando chegar a fase da manutenção a informação passada ser completa, coerente e fácil de compreender (problema identificado: a falta de consciencialização da importância da documentação associada ao software) (Chapin, et al., 2001). A fase de manutenção tem maior duração que as outras fases, e normalmente atinge a proporção de anos. Desta forma também é constatada rotação de pessoas durante esta fase. A rotação nesta fase é compreensiva visto que o programador tem um trabalho repetitivo e monótono, e na maioria das vezes com pouco valor acrescentado. A passagem da fase de desenvolvimento para a fase de manutenção é um dos pontos cruciais: quem desenvolve, não é quem mantém; com a agravante que quem desenvolve não faz documentação suficiente para a ser realizada a manutenção. Um dos problemas identificados na área de MS, na comunidade científica, é o esforço desenvolvido pelos novos programadores para a compreensão do código herdado Processo ineficaz e ineficiente Tendo encontrado o motivo base para os problemas descritos na comunidade científica, não podemos deixar de ir a um nível superior: ao nível do processo. Na maioria das empresas não existe um processo de passagem entre as actividades, nem um processo standard para realizar manutenção. Assim o processo de manutenção é caracterizado como ineficaz e ineficiente. 26

36 Quando um processo é ineficiente, significa que apesar do processo estar a funcionar, não está a produzir os resultados óptimos. Isto é o que acontece na empresa onde estive colocada durante 10 meses, onde raramente são cumpridos os objectivos pretendidos pelo negócio. Como se pode através do gráfico dos pedidos de Manutenção Aplicacional (Anexo 4), existe um número elevado de pedidos que não são entregues no prazo estabelecido. Contudo, são sempre entregues ao utilizador final, seguindo um processo específico, desde a definição de requisitos aos testes realizados pelos utilizadores finais. Está também relatado no capítulo 2 onde se descreve que apesar de existir um processo, os resultados da sua execução ficam aquém das expectativas. Quando um processo é ineficaz, significa que não produz efeito. Ou seja, o processo de manutenção de software é inexistente, ou a forma como está institucionalizado não resolve o procedimento que está em falta. Em várias empresas, não existe um processo para realizar a manutenção do software no geral. Isto verifica-se pois as empresas preferem desenvolver à medida que vão precisando (não existindo um inteiramento das versões produzidas ao longo do tempo) ou porque não têm consciência que a longo prazo, ou evoluem ou os seus programas ficam inadequados, não podendo responder aos desafios do mercado (em constante mudança). Não vêem a necessidade de possuir a habilidade de alterar o software que hoje responde às necessidades do negócio, mas amanha pode já não responder. A maioria do software é criado para objectivos concretos/específicos e, normalmente, não são tidos em atenção, ou seja não é dada importância, aos assuntos e questões genéricas, tais como a manutenção do produto, a durabilidade ou mesmo a preparação para a retirada do produto Definição De um modo geral, considerei que os problemas podem ser pensados em conjuntos distintos dependendo da forma como têm impacto sobre o processo de manutenção de software. Desta forma, existem três níveis em que podemos encarar os problemas. O primeiro é ao nível da Empresa, em que o problema afecta toda a organização, causando impacto nos seus processos de negócio, orçamentos, e na gestão da própria empresa. Estes problemas são enunciados de uma forma ao mais alto nível e precisam de uma estratégia de negócio para ser modificados. O segundo é ao nível do processo da manutenção de software, e engloba os problemas relacionados com os intervenientes sobre os quais o processo de MS tem impacto: utilizadores finais, analistas/programadores. 27

37 O terceiro é ao nível de requisitos de sistema, quer de hardware quer de software. De um modo geral, os problemas que se fazem sentir na realidade empresarial são os seguintes: Inabilidade de mudar fácil e rapidamente o software; Não responder às necessidades do negócio/utilizadores; Não existe um processo considerado standard pelas organizações; Fraca qualidade da documentação; Não são antecipadas mudanças na fase de desenvolvimento; Grande número de recursos humanos desempenha um trabalho repetitivo e monótono. Ao nível do âmbito da manutenção de software, o processo é operado por 2 intervenientes: os utilizadores, responsáveis pelo desencadeamento do procedimento; os programadores, responsáveis pela execução dos pedidos dos utilizadores. Nestes moldes, podemos também especificar factores que levam o procedimento de manutenção a falhar. De seguida, estão identificados os factores que potenciam essas mesmas falhas: Competências/Conhecimento do utilizador. Este conhecimento é o essencial do programa sobre o qual opera; Falta de compreensão do utilizador; Treino inadequado; Eficiência/eficácia do programador, se quem efectua a manutenção tem produtividade, motivação e skills; Falta de garantia que o Programador terá: as especificações de desenho adequadas; qualidade na programação; qualidade na documentação e disponibilidade; Quanto ao nível de requisitos do sistema, os problemas encontrados são: Qualidade do produto, não existem modo (métricas) com que se possa avaliar a qualidade do software que sofreu alterações. Requisitos de Hardware, o hardware tem de permitir que determinadas alterações sejam possíveis de ser executadas tendo em conta o hardware que está a ser utilizado efectivamente. Fiabilidade/disponibilidade do sistema, garantir os níveis de serviços acordados entre as partes, após entrada em produção da versão passou pelo processo de manutenção. Requisitos de armazenamento e tempo de processamento, de fiabilidade do sistema de hardware e software, integridade dos dados. 28

38 Dos factores enunciados, o conhecimento do utilizador ocupa 60% do total de problemas existentes, dando assim prova da importância à relação com o utilizador para a determinação do sucesso ou fracasso de um sistema. Os problemas de eficiência do programador e qualidade de produto forma maiores para sistemas antigo ou de grande dimensão e onde foi mais empenhado esforço para a manutenção correctiva. Ambiente de processamento de dados de grande escala estavam significativamente associados a grandes problemas (problemas maiores) ou eficácia do programador, relatavam qualquer um dos outros factores enunciados. A qualidade do produto foi visto como o menor dos problemas, quando determinadas técnicas de produtividade eram utilizadas durante o desenvolvimento do sistema Em resumo, no âmbito dos factores acima descritos, a questão que colocamos é: Como optimizar o processo de Manutenção de Software? A questão prende-se com o facto de que já existem documentos que afirmam que a manutenção não é um problema, mas sim uma solução (Glass, et al., 2006). Desta forma existe um interesse crescente para optimizar a forma como a manutenção está a ser encarada quer pelas empresas quer pela comunidade científica. 29

39 4. Proposta O caso de estudo desta tese é o departamento de Sistemas de Informação (DSI) de uma empresa que opera em full-outsourcing. A proposta é implementar um dos processos do ITIL, num dos processos do DSI. O processo de manutenção aplicacional é o processo que será alvo de estudo, sendo o seu correspondente no ITIL o processo de Gestão de Alterações. A solução proposta provém do estudo realizado nos primeiros capítulos desta tese. Tendo em conta o problema central da tese as três soluções apresentadas serão adequadas. O ideal seria conseguir conciliar as três soluções, podendo desta forma tirar proveito das vantagens que cada uma delas oferece. Desta forma a proposta para a optimização do processo de MS baseia-se em: Aproveitar o facto do processo estar a ser executado em outsourcing, visto ser uma das principais razões que leva à optimização da manutenção; Redefinir um processo para a manutenção aplicacional tendo como base um processo da framework ITIL; Definir um processo de documentação (para a fase de desenvolvimento e para a fase de manutenção). Inicialmente, para optimizar o processo de manutenção de software, é necessário compreender a situação actual da empresa. Para tal é necessário: efectuar um levantamento de requisitos; desenhar um novo processo adequado à empresa tendo por base o processo de Gestão de Alterações do ITIL; e por fim implementar esse novo processo e verificar a sua eficácia face ao processo anterior. Através dessa verificação ficará provado que é possível implementar o ITIL numa empresa de full-outsourcing. Levantamento de Requisitos Definição do Processo Implementação Documentação e Testes Fig, 10 Passos para a elaboração da proposta. Uma vez enunciadas as soluções propostas apresento de seguida o motivo, nomeadamente as vantagens que cada uma das soluções por si poderá trazer à Manutenção de Software. 30

40 4.1. Porquê a aposta no Outsourcing? O processo de MS que irei abordar no caso de estudo, encontra-se me outsourcing. De seguida passo a enumerar as razões que levam as empresas a optar por esta solução. A aposta no outsourcing prende-se especialmente com 3 razões: Mão-de-obra especializada. Recorrendo ao outsourcing é possível assegurar determinados serviços com mão-de-obra dedicada, que lida eficazmente com os nossos sistemas e utilizando todas as suas potencialidades, mantendo sempre o nível de serviço acordado. Tecnologias de ponta. Uma vez que estamos a trabalhar em outsourcing podemos estar sempre a par das últimas tecnologias/inovações que entram no mercado e, sendo o caso, trocar de parceiro para determinado serviço. Redução de custos. A redução de custos acaba por ser automática, visto que a passagem de um serviço para outsourcing implica a redução de recursos humanos na empresa. A criação de economias de escala, apesar de não ser directamente uma vantagem para a MS, vai permitir um leque maior de escola para as empresas, e a consequente rivalidade entre si ira ter repercussões a nível dos custos imputados nos seus serviços. Transmitindo-se desta forma, numa pequena redução de custos e aumento de eficiência para as empresas que irão recorrer ao outsourcing Porquê a aposta no ITIL? A aposta no ITIL tem duas razões: a primeira prende-se com o facto das suas directrizes preverem a abordagem de processos integrados para a entrega de serviços, planeamento e implementação da gestão de serviços, controle de processos, entre outros; a segunda razão é relacionada com o tópico da qualidade. Consolidada no fim do ano 2005, a norma ISO carrega o status de primeiro padrão global para gestão de serviços de TI e é baseada nas melhores práticas da biblioteca do ITIL. 31

41 4.3. Porquê a aposta na documentação? Existem inúmeras razões para apostar numa boa documentação, nomeadamente porque: Permite poupar tempo de conhecimento; Melhora a compreensão das escolhas feitas pelo programador; Um vez existindo leis, como o SOX, que obrigam à existência de documentação, é normal que exista uma tendência para a existência de uma norma semelhante, ao nível interno das empresas, para o desenvolvimento e manutenção de software. 32

42 5. Caso de estudo Durante o último ano estive envolvida no Departamento de Sistemas de Informação (DSI) de uma grande empresa portuguesa que opera em outsourcing total. Este envolvimento teve a duração de 10 meses, durante os quais pude conhecer a realidade da mesma, angariando conhecimento e experiência através da realização de três projectos. O primeiro consistia no desenho de processos e é abaixo indicado como Desenho de Processos DSI, o segundo era a optimização de um dos processos desenhados anteriormente e está abaixo indicado como Processo Manutenção Aplicacional (MA), e por último a apresentação do processo em causa através de um protótipo, abaixo explicado como Protótipo Desenho de Processos DSI Criada no final dos anos 70, a empresa em estudo é um operador ibérico de soluções energéticas que desenvolve as suas actividades nas áreas de Produção, Comercialização e Distribuição de Electricidade e Comercialização e Distribuição de Gás. Esta empresa teve um grande crescimento nos últimos anos apoiando-se numa estratégia de crescimento das áreas de Gestão, Finanças, Engenharia e Marketing. Uma das preocupações desta empresa é a sua cotação na bolsa de Nova Iorque. Motivada por escândalos financeiros corporativos (Enron, Tyco International, Peregrine Systems e WorldCom) foi criada uma lei, a lei Sarbanes-Oxley, que deve ser seguida por todos os interessados em manter a sua posição na bolsa de Nova Iorque. Lei Sarbanes-Oxley Esta lei foi assinada em 30 de Julho de 2002, pelos senadores Paul Sarbanes (Democrata de Maryland) e Michael Oxley (Republicano de Ohio). Motivada por escândalos financeiros corporativos, entre eles o caso da Enron, que acabou por afectar drasticamente a empresa de auditoria Arthur Andersen, esta lei foi redigida com o objectivo de evitar o esvaziamento dos investimentos financeiros, e a fuga dos investidores, causada pela aparente insegurança quanto à governação adequada das empresas. Esta lei, denominada lei Sarbanes-Oxley, foi apelidada de Sarbox ou ainda de SOX. No seu conjunto procura garantir a criação de mecanismos de auditoria e segurança fiáveis nas empresas, incluindo ainda regras para a criação de comités encarregados de supervisionar as suas actividades e operações, de modo a diminuir os riscos dos negócios, evitar a ocorrência de fraudes, ou dispor de meios para identificar quando elas ocorram, garantindo a transparência na gestão das empresas. 33

43 Alguns requisitos desta lei passam por tópicos como: 1. Controlar a criação, edição e controlo de versões dos documentos num ambiente de acordo com os padrões ISO; 2. Registar os riscos associados aos processos de negócio e armazenar os desenhos de processo; 3. Utilizar ferramentas como Word e Excel para criação e alteração de documentos; 4. Digitalizar e armazenar todos os documentos existentes em papel. Posto isto, o início da minha participação na DSI foi através do desenho dos seus processos de negócio. Para a realização desta actividade foi necessário compreender a cultura da empresa, a sua estratégia e, mais importante, as suas unidades e áreas de negócio. Sendo reduzida a documentação para este efeito, para além da sua leitura, foi necessário estar com as pessoas de cada uma das unidades de negócio, de modo a compreender claramente o objectivo dos passos de cada processo a ser desenhado. A DSI é composta por várias áreas, e essas por sub-áreas. Por exemplo, no caso da MA (Manutenção Aplicacional), existem 3 vertentes: Correctiva, Preventiva e Evolutiva. De forma a ter um conjunto de processos coerentes, quer os que são dentro da mesma área quer os que atravessam duas ou mais áreas, é necessário realizar este desenho de uma forma interactiva e incremental. Da mesma forma, deve haver um consenso entre todos os chefes de área, sendo também necessária a aprovação do owner do processo (normalmente um dos chefes de área). O resultado deste projecto foi um conjunto de processos de negócio modelados em conformidade com as políticas da empresa e de acordo com a medida SOX. O número total de processos desenhados é de 47, encontrando-se em anexo (Anexo 3) os que se relacionam com o tema do estudo. Cada processo está associado a um conjunto de documentação que descreve e caracteriza as suas actividades. Nas figuras 11 e 12 está descrito o processo mais relevante para este trabalho, sob a notação utilizada pela empresa QPR. Esta notação encontra-se descrita em mais detalhe na secção Tecnologia QPR, no final do capítulo. 34

44 Fig, 11 Processo antigo MA 1ª parte 35

45 Fig, 12 - Processo antigo de MA 2ª parte 36

46 Tecnologia QPR (QPR, 1991) A ferramenta utilizada para a modelação dos processos em questão é denominada QPR. O QPR é uma ferramenta interactiva para planeamento, implementação, comunicação e aperfeiçoamento de processos de negócio. Esta permite às organizações modelar, monitorizar, gerir e analisar os seus processos de negócio, atingindo assim diversos benefícios na gestão de processos, tal como a obtenção de informação em tempo real. Sendo uma ferramenta multi-utilizador, a tarefa de modelação dos processos teve dois tipos de interactividade. A primeira é a publicação, para todos os intervenientes do processo poderem aceder ao mesmo. O segundo é o envio de mensagens através de um highlight na actividade em questão. Estas características permitem ao QPR ser uma ferramenta colaborativa, disponível a todos os elementos da organização através de uma intranet Processo Manutenção Aplicacional Como se pode observar nas figuras 11 e 12, todo o processo de Manutenção Aplicacional assenta sobre uma política de outsourcing, e a gestão do serviço contratado é da responsabilidade da área em questão. A gestão é feita da seguinte forma: existe um contrato, em que são acordados os níveis de serviço (SLAs). Neste caso, o DSI pode usufruir de uma quantidade determinada de horas de serviço do outsourcer por mês. Cada pedido efectuado ao outsourcer, pela DSI, necessita de um acordo quanto ao número de horas necessárias para o desempenho desse mesmo pedido, funcionando como orçamento. O DSI trabalha em regime de full-outsourcing e tem contratos com duração de vários anos, tornando possível pré acordar o orçamento para os pedidos executados periodicamente. Esta situação leva à criação de um processo que agilize este tipo de pedidos, denominados Pedidos Tipificados. Uma vez estudado o processo anterior, está representado o levantamento de requisitos para a concretização do segundo projecto: a optimização do processo de manutenção. Para a realização desta fase foram seguidos passos: Identificação os processos relacionados com a manutenção de software e simultaneamente com a Gestão de Alterações (ITIL). Para tal, foi elaborado um mapeamento entre os processos existentes no DSI e os processos existentes no ITIL (Tabela 2). 37

47 Tabela 2 Mapeamento Processos DSI - ITIL Eliminar passos similares; Inserir pontos de documentação; o A inserção de pontos de documentação é a explicação detalhada de cada actividade do diagrama do processo. Para cada actividade podem existir templates, standards, ou outro tipo de documentos que têm de ser consultados para uma execução mais rápida e melhor de determinada actividade. Fundir os princípios do processo de Gestão de Alterações, sugerido no ITIL, no processo existente no DSI. Foi então sugerido o processo representado na fig. 13: 38

48 Fig, 13- Processo Novo de MA Uma vez desenhado o processo, optou-se por dar como exemplo um pedido de menor complexidade da Gestão de Alterações do ITIL. No contexto do DSI, este processo é denominado Processo de Tipificados. Estes pedidos menores apresentam uma complexidade baixa e são realizados num curto espaço de tempo. Desta forma, quanto mais pedidos se puderem categorizar como menores, menos pedidos terão de ser tratados pelo processo normal. O meu trabalho passou por enumerar os pedidos mais efectuados em cada área do DSI, criando assim um catálogo de pedidos. 39

49 5.3. Protótipo Durante o decorrer dos meus projectos, estava a ser desenvolvido, no DSI, um software de acordo com as boas práticas do ITIL. O ITIL está dividido em 13 processos, os quais assentam sobre o conceito de uma base de dados global: a CMDB. Todos os processos acedem à informação da CMDB, enquanto que apenas alguns processos têm autonomia para inserir e alterar os seus dados. No DSI estava a ser desenvolvida uma CMDB, o backoffice da CMDB e ainda um Gestor de Configurações. Como se pode ver na figura, a CMDB é o núcleo de informação e pode ser sempre acrescentado um novo processo (representado como uma camada em cima do núcleo). processos suportados interface gestão B.O. disponível CMDB utilizador em curso aplicações processos Fig, 14- Arquitectura em camadas da aplicação desenvolvida no DSI - O trabalho realizado no DSI representa a vertente da Gestão de Alterações (Change Management, nomenclatura ITIL). O protótipo criado é inserido no software existente da seguinte forma: 40

50 Fig, 15 - Arquitectura em camadas com o módulo Gestor de Alterações. O sistema apresentado é composto por camadas independentes entre si, tornando-o de fácil alteração e manutenção Tecnologia OutSystems A tecnologia utilizada para realizar o protótipo foi o OutSystems. Esta escolha foi determinada pelo facto de querer integrar o protótipo com o núcleo aplicacional já existente. Manter a mesma tecnologia era a escolha apropriada. De qualquer forma, esta linguagem apresenta-se como uma boa escolha, visto ter as seguintes características: Rápido desenvolvimento; Primitivas gráficas; Gerador de documentação. Uma vez desenvolvido o processo, foi necessário fazer uma implementação num protótipo de modo a demonstrar a sua utilidade e a sua eficácia aos vários membros do DSI, de modo a que a mudança de um processo para o outro fosse feita com a segurança de ter os utilizadores satisfeitos. 41

51 A implementação do protótipo está associada a dois documentos: Especificação Funcional onde estão descritas em detalhe as funcionalidades do protótipo (Anexo 1); Especificação Técnica onde está descrito o modelo de dados (estruturas e entidades), as funções e os seus parâmetros e ainda o diagrama de contexto do protótipo face às aplicações existentes (Anexo 2). Os documentos acima descritos encontram-se anexados na sua totalidade Implementação do Gestor de Alterações Especificação Funcional O Gestor de Alterações disponibiliza ao utilizador o seguinte conjunto de funcionalidades: Criar Pedido de Alteração (denominado RFC); Esta funcionalidade permite ao utilizador criar o RFC baseando-se em dados existentes na CMDB. Fig, 16 - Interface Criar RFC 42

52 Listar RFCs; Esta funcionalidade é apresentada no ecrã inicial do sistema. Lista todos os RFCs criados, independentemente do seu estado. Fig, 17 Interface Listar RFC Detalhes RFC; Esta funcionalidade permite ver os detalhes associados ao RFC, escolhido pelo utilizador. Esta funcionalidade pode ser acedida através do ecrã que contém a listagem dos RFCs, ou seja, do ecrã principal. Fig, 18 Interface Detalhes RFC 43

53 Actualizar RFC. Esta funcionalidade permite ao utilizador editar as propriedades do RFC, definidas quando o mesmo foi criado. A nova informação é guardada e fica logo disponível para consulta. Esta funcionalidade está disponível a partir do ecrã Detalhes RFC. O campo Estado é o campo de maior relevo da edição do RFC, por desencadear outras funcionalidades no futuro, tais como adicionar novos documentos ao RFC (EFN e Orçamento). Fig, 19 - Interface Actualizar RFC Implementação do Gestor de Pedidos Tipificados Especificação Funcional Após a implementação do Gestor de Alterações, foi implementado o sub-processo referente aos pedidos de baixa complexidade, já referidos no início do capítulo - os pedidos tipificados. A implementação deste protótipo tinha como objectivo funcionar como processo piloto para o Gestor de Alterações. 44

54 O Gestor de Pedidos Tipificados disponibiliza ao utilizador o seguinte conjunto de funcionalidades: Criar Tipo de Pedido: Esta funcionalidade permite ao utilizador criar um novo tipo de pedido tipificado. Após a sua criação, o tipo vai passar a estar disponível para utilização pelos DP/KY, através do Catálogo de Pedidos; Fig, 20 - Interface Cria Tipo de Pedido 45

55 Criar Novo Pedido; Esta funcionalidade permite ao utilizador criar um novo pedido tipificado. Existe um Catálogo de Pedidos, onde o utilizador pode escolher qual o pedido que pretende instanciar. Fig, 21 - Interface 1 Criar Novo Pedido Após premir o botão Criar, o utilizador deve preencher os campos do pedido apresentados no ecrã e premir o botão Submeter Pedido. Fig, 22 - Interface 2 Criar Novo Pedido 46

56 Pesquisar Pedido; Pesquisar Pedido Esta funcionalidade permite ao utilizador pesquisar um pedido através de vários critérios de pesquisa. Esses critérios estão associados a todos os pedidos, como por exemplo o NumITG. Fig, 23 - Interface Pesquisar Pedido Visualizar Pedido Esta funcionalidade permite ao utilizador visualizar os detalhes de um pedido específico. A selecção do pedido a visualizar implica que foi efectuada em primeiro lugar a pesquisa do pedido. Fig, 24 - Interface Visualiza Pedido 47

57 Registar Utilizador; Esta funcionalidade permite ao utilizador, com o perfil de administrador do sistema, registar utilizadores básicos no sistema, de modo a que a estes seja permitida o acesso à aplicação e às suas restantes funcionalidades. Fig, 25 - Interface Registar Utilizador Gerar Documento do Pedido (EFN). Esta funcionalidade permite ao utilizador gerar a Especificação Funcional de Alto Nível de um determinado pedido. O utilizador pode optar por visualizar ou guardar o documento gerado pelo sistema. Fig, 26 - Interface Gerar EFN 48

58 6. Apresentação e Análise dos Resultados A análise deste estudo é feita do ponto de vista dos processos, visto ser este o ponto de partida para a optimização da Manutenção de Software. Foram desenvolvidos dois protótipos com o objectivo de implementar um processo de manutenção que superasse o seu predecessor. Uma das formas de verificar se uma aplicação cumpre os requisitos para os quais foi criada é desenvolver um determinado conjunto de testes num ambiente semelhante à realidade. Uma vez que a realidade é difícil de replicar, optámos por comparar processos em vez de comparar aplicações. A comparação de processos consiste no desenho dos mesmos e a utilização de uma ferramenta, denominada Savvion, que gera fluxos sobre os processos e mostra qual a aplicação mais ágil segundo determinados critérios. Esses critérios, bem como todo o processo de comparação, estão explicados em detalhe no capítulo 6.1. O novo processo de manutenção está agora sob influência do ITIL e é executado em fulloutsourcing. Face ao processo antigo, o novo processo é: Ordenado temos uma sequência de passos com sentido; Claro todos os intervenientes sabem o que fazer em cada actividade; Ágil foram suprimidos passos por não trazer valor acrescido Simulação do processo de negócio Este capítulo está dividido em três sub-capítulos: explicação da tecnologia utilizada para fazer a comparação, denominada Savvion; apresentação dos processos desenhados; e ainda, a apresentação dos resultados Tecnologia Savvion (Savvion, Inc, 1999) A ferramenta utilizada para simular os processos de negócio denomina-se Savvion. Savvion é uma ferramenta de modelação, com primitivas semelhantes às primitivas do UML. Uma vez modelado um processo, a ferramenta permite a sua simulação. A simulação é feita recorrendo à alteração de parâmetros como o tempo de cada actividade, o número de instâncias que irá percorrer o processo, o intervalo de inserção entre instâncias, entre outros. 49

59 Savvion, ao finalizar uma simulação, produz um relatório com diversos indicadores, que permitem uma análise sobre o processo. Esta análise pode ser em termos de tempo ou custo. Os relatórios produzidos na ferramenta, bem como os processos desenhados podem ser exportados para outros programas, como o MS Excel, ou guardados noutro formato, como imagem jpeg Processos de Negócio Os processos de negócio anteriormente desenhados tiveram de ser inseridos na nova ferramenta. A notação da ferramenta utilizada é semelhante à que foi usada para definir os processos na sua forma inicial. De qualquer forma, o mapeamento não é directo. Uma vez inserida a informação dos processos, foi necessário realizar a parametrização de cada actividade. No final, foram desenhados em Savvion três processos: a Gestão de Alterações do ITIL (Fig. 27), o antigo e o novo processo da Manutenção Aplicacional (Fig. 28 e Fig. 29 respectivamente). Fig, 27 - Processo de Gestão de Alterações Fig, 28 Processo de Manutenção Antigo Fig, 29 Processo de Manutenção Novo 50

60 6.2. Apresentação de resultados Este capítulo apresenta os resultados pertencentes a cada um dos processos desenhados, num cenário com as seguintes características: Inserção de 10 instâncias no processo; Os intervalos de inserção, entre cada instância, são de 10 minutos; Todas as actividades definidas têm a duração média de 2 horas. Processo de Gestão de Alterações ITIL Simulation Results for itil - (default) Duration 282:00:00 Time Process Time And Cost - Process Scenario Instance Total Cost ($) Waiting Time (Time) Total Time (Time) itil 1384:30: :30:00 (default) 10 NaN NaN 1384:30: :30:00 Grand Total itil Scenario (default) Instances 10 - Activity Performer Occurs Waiting Time (Time) Time to Complete (Time) Total Time (Time) Alteracao1 Gestor de Alterações 34:00:00 8:00:00 42:00:00 Aprova ou Rejeita Any member of 4 Aprova ou Rejeita Alteracao2 Any member of Gestor de Alterações 5 58:00:00 10:00:00 68:00:00 Atribui prioridades iniciais Any member of Gestor de Alterações :00:00 56:00:00 332:00:00 Circula RFCs entre CAB Any member of Gestor de Alterações 4 42:00:00 8:00:00 50:00:00 Circula RFCs entre a Direccao Any member of Gestor de Alterações 5 54:00:00 10:00:00 64:00:00 Convoca uma reuniao CAB e CAB CE Any member of Gestor de Alterações :00:00 28:00:00 182:00:00 Coordena implementacao de alter Any member of Gestor de Alterações 7 56:00:00 14:00:00 70:00:00 Coordena implementacao de altera Any member of Gestor de Alterações 7 66:00:00 14:00:00 80:00:00 Cria alteracao e elabora planos All member(s) of Criador de Alteracoes 14 4:00:00 28:00:00 32:00:00 Decide a categoria Any member of Gestor de Alterações :00:00 28:00:00 174:00:00 Efectua Pedido Utilizador 28 82:30:00 56:00:00 138:30:00 Fechado Any member of Gestor de Alterações 1 10:00:00 2:00:00 12:00:00 Fechar Any member of Gestor de Alterações 1 8:00:00 2:00:00 10:00:00 Filtra os pedidos Any member of Gestor de Alterações :00:00 56:00:00 288:00:00 Garante actualizacao do registo Any member of Gestor de Alterações 3 20:00:00 6:00:00 26:00:00 Informa CAB accao da alteracao Any member of Gestor de Alterações 5 52:00:00 10:00:00 62:00:00 Plano de reposicao implementado Any member of Gestor de Alterações 4 36:00:00 8:00:00 44:00:00 Planos de retorno implementados All member(s) of Criador de Alteracoes 4 0:00:00 8:00:00 8:00:00 Prepara alteracoes com urgencia All member(s) of Criador de Alteracoes 9 2:00:00 18:00:00 20:00:00 Reve alteracoes Any member of Gestor de Alterações 3 24:00:00 6:00:00 30:00:00 Revisao de alteracoes Any member of Gestor de Alterações 3 24:00:00 6:00:00 30:00:00 Testa alteracoes All member(s) of Criador de Alteracoes 14 2:00:00 28:00:00 30:00:00 Teste urgente All member(s) of Criador de Alteracoes 4 2:00:00 8:00:00 10:00:00 - Resource Unit Threshold ($) Cost/Unit Usage Cost Gestor de Alterações Any member of Hour :00:00 0 All member(s) of Criador de Alteracoes Hour :00:00 0 Utilizador Hour :00:00 0 Performers queue length and utilization - Avg Min Max Utilized(%) Idle(%) Any member of Gestor de Alterações 4, ,45 3,55 Any member of Gestor de Configurações Value of 'Creator' All member(s) of Criador de Alteracoes 0, ,91 68,09 Generic Utilizador 0, ,86 80,14 Bottlenecks - Process Length Activity Performer Avg Queue Length Min Queue Length Max Queue Alteracao1 Gestor de Alterações 0,12 itil Aprova ou Rejeita Any member of 0 1 itil Aprova ou Rejeita Alteracao2 Any member of Gestor de Alterações 0, itil Atribui prioridades iniciais Any member of Gestor de Alterações 0, itil Circula RFCs entre CAB Any member of Gestor de Alterações 0, itil Circula RFCs entre a Direccao Any member of Gestor de Alterações 0, itil Convoca uma reuniao CAB e CAB CE Any member of Gestor de Alterações 0, itil Coordena implementacao de alter Any member of Gestor de Alterações 0,2 0 1 itil Coordena implementacao de altera Any member of Gestor de Alterações 0, itil Cria alteracao e elabora planos All member(s) of Criador de Alteracoes 0, itil Decide a categoria Any member of Gestor de Alterações 0, itil Efectua Pedido Utilizador 0, itil Fechado Any member of Gestor de Alterações 0, itil Fechar Any member of Gestor de Alterações 0, itil Filtra os pedidos Any member of Gestor de Alterações 0, itil Garante actualizacao do registo Any member of Gestor de Alterações 0, itil Informa CAB accao da alteracao Any member of Gestor de Alterações 0, itil Plano de reposicao implementado Any member of Gestor de Alterações 0, itil Prepara alteracoes com urgencia All member(s) of Criador de Alteracoes 0, itil Reve alteracoes Any member of Gestor de Alterações 0, itil Revisao de alteracoes Any member of Gestor de Alterações 0, itil Testa alteracoes All member(s) of Criador de Alteracoes 0, itil Teste urgente All member(s) of Criador de Alteracoes 0, Tabela 3 - Processo de Gestão de Alterações - ITIL 51

61 Processo de Manutenção Aplicacional Novo Simulation Results for Gestao_da_Manutencao_Novo - (default) Duration 232:00:00 Time Process Time And Cost - Process Scenario Instance Total Cost ($) Waiting Time (Time) Total Time (Time) Gestao_da_Manutencao_Novo (default) 10 NaN 1588:30: :30:00 Grand Total NaN 1588:30: :30:00 Gestao_da_Manutencao_Novo Scenario (default) Instances 10 - Activity Performer Occurs Waiting Time (Time) Time to Complete (Time) Total Time (Time) Acompanhamento do pedido Outsourcer 2 8:00:00 4:00:00 12:00:00 Adjudicacao do pedido MA 2 16:00:00 4:00:00 20:00:00 Agendamento diario Outsourcer 2 0:00:00 4:00:00 4:00:00 Agendamento semanal Outsourcer 2 4:00:00 4:00:00 8:00:00 Analise e validacao do orcamento MA 7 92:00:00 14:00:00 106:00:00 Aprova orcamento MA 3 32:00:00 6:00:00 38:00:00 Aprovacao do orcamento Dono do Processo 10 0:00:00 20:00:00 20:00:00 Cancela pedido Dono do Processo 2 2:00:00 4:00:00 6:00:00 Caracteriza pedido de servico Outsourcer 10 0:00:00 20:00:00 20:00:00 Carrega o ficheiro L&P 7 0:00:00 14:00:00 14:00:00 Certificacao de documentos MA 3 14:00:00 4:00:00 18:00:00 Comunicao do sucesso de pass 0 0:00:00 0:00:00 0:00:00 Desenvolvimento e Testes Outsourcer 5 16:00:00 10:00:00 26:00:00 Elabora orcamento Outsourcer 3 0:00:00 6:00:00 6:00:00 Elaboracao da EFDT Outsourcer 5 16:00:00 10:00:00 26:00:00 Elaboracao e envio do orcamento Outsourcer 7 6:00:00 14:00:00 20:00:00 Entrega para testes de aceitacao Outsourcer 5 10:00:00 10:00:00 20:00:00 Envia docs para certificacao MA 5 22:00:00 6:00:00 28:00:00 Envia informacao adicional Value of 'Creator' 9 0:00:00 18:00:00 18:00:00 Envia pedido para execucao MA 3 36:00:00 6:00:00 42:00:00 Envia report de erros MA 1 8:00:00 0:00:00 8:00:00 Especificacao da EFN MA :00:00 38:00:00 332:00:00 Estima orcamento MA 5 76:00:00 10:00:00 86:00:00 Execucao dos testes de aceitacao Value of 'Creator' 3 0:00:00 6:00:00 6:00:00 Formaliza pedido cabimento orcam MA 3 20:00:00 6:00:00 26:00:00 Gera pedido para aprovacao MA :00:00 20:00:00 140:00:00 Gera report de erros Value of 'Creator' 1 0:00:00 2:00:00 2:00:00 Informacao do orc urgente aprov Dono do Processo 3 0:00:00 6:00:00 6:00:00 Passagem a producao 0 0:00:00 0:00:00 0:00:00 Pedido de orcamentacao MA 7 110:00:00 14:00:00 124:00:00 Pedido de passagem a producao Outsourcer 1 2:00:00 0:00:00 2:00:00 Realizar a EFN MA :30:00 40:00:00 278:30:00 Revisao e Negociacao MA 6 68:00:00 12:00:00 80:00:00 Validacao da EFDT MA 5 32:00:00 8:00:00 40:00:00 Validacao da Triagem MA :00:00 40:00:00 386:00:00 - Resource Unit Cost/Unit Threshold Usage Cost ($) Outsourcer Hour :00:00 0 Dono do Processo Hour :00:00 0 Value of 'Creator' Hour :00:00 0 L&P Hour :00:00 0 MA Hour :00:00 0 Performers queue length and utilization - Avg Min Max Utilized(%) Idle(%) Outsourcer 0, ,34 64,66 Dono do Processo 0, ,93 87,07 Value of 'Creator' ,21 88,79 L&P ,03 93,97 Generic CT MA 6, ,28 1,72 Bottlenecks - Process Activity Performer Avg Queue Length Min Queue Length Max Queue Length Gestao_da_Manutencao_Novo Acompanhamento do pedido Outsourcer 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Adjudicacao do pedido MA 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Agendamento semanal Outsourcer 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Analise e validacao do orcamento MA 0,4 0 2 Gestao_da_Manutencao_Novo Aprova orcamento MA 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Cancela pedido Dono do Processo 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Certificacao de documentos MA 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Desenvolvimento e Testes Outsourcer 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Elaboracao da EFDT Outsourcer 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Elaboracao e envio do orcamento Outsourcer 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Entrega para testes de aceitacao Outsourcer 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Envia docs para certificacao MA 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Envia pedido para execucao MA 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Envia report de erros MA 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Especificacao da EFN MA 1, Gestao_da_Manutencao_Novo Estima orcamento MA 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Formaliza pedido cabimento orcam MA 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Gera pedido para aprovacao MA 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Pedido de orcamentacao MA 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Pedido de passagem a producao Outsourcer 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Realizar a EFN MA 1, Gestao_da_Manutencao_Novo Revisao e Negociacao MA 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Validacao da EFDT MA 0, Gestao_da_Manutencao_Novo Validacao da Triagem MA 1, Tabela 4 - Processo de Manutenção Aplicacional - Novo 52

62 Processo de Manutenção Aplicacional Antigo Simulation Results for Manutencao_Antigo - (default) Duration 252:00:00 Time Process Time And Cost - Process Scenario Instance Total Cost ($) Waiting Time (Time) Total Time (Time) Manutencao_Antigo (default) 10 NaN 1598:30: :30:00 Grand Total NaN 1598:30: :30:00 Manutencao_Antigo Scenario (default) Instances 10 - Activity Performer Occurs Waiting Time (Time) Time to Complete (Time) Total Time (Time) Adjudicacao do pedido Any member of MA 5 46:00:00 10:00:00 56:00:00 Agendamento diario Any member of Outsourcer 5 6:00:00 10:00:00 16:00:00 Agendamento semanal Any member of Outsourcer 3 0:00:00 6:00:00 6:00:00 Analise e validacao do orcamento Any member of MA 7 70:00:00 14:00:00 84:00:00 Aprova orcamento Any member of MA 3 22:00:00 6:00:00 28:00:00 Aprova pedido Dono do Processo 10 0:00:00 20:00:00 20:00:00 Aprovacao do orcamento Dono do Processo 10 0:00:00 20:00:00 20:00:00 Cancela pedido Dono do Processo 2 0:00:00 4:00:00 4:00:00 Caracteriza o tipo de servico Any member of L&P :00:00 50:00:00 228:00:00 Carrega ficheiro no ITG Any member of L&P 7 16:00:00 14:00:00 30:00:00 Certificacao da documentacao Any member of MA 5 40:00:00 10:00:00 50:00:00 Comunicacao do sucesso de passag Any member of Outsourcer 2 0:00:00 4:00:00 4:00:00 Desenvolvimento e Testes Any member of Outsourcer 5 4:00:00 10:00:00 14:00:00 Elabora e envia orcamento Any member of Outsourcer 3 0:00:00 6:00:00 6:00:00 Elaboracao da EFDT Any member of Outsourcer 5 10:00:00 10:00:00 20:00:00 Elaboracao e envio de orcamento Any member of Outsourcer 7 0:00:00 14:00:00 14:00:00 Entrega para testes Any member of Outsourcer 5 6:00:00 10:00:00 16:00:00 Envia e carrega docs para certif Any member of MA 5 32:00:00 10:00:00 42:00:00 Envia informacao adicional Any member of (Value of 'Creator') 10 0:00:00 20:00:00 20:00:00 Envia pedido para execucao Any member of MA 3 28:00:00 6:00:00 34:00:00 Envia report de erros Any member of MA 3 20:00:00 0:00:00 20:00:00 Especificacao da EFN Any member of MA :00:00 42:00:00 292:00:00 Estima orcamento Any member of MA 5 64:00:00 10:00:00 74:00:00 Execucao dos testes de aceitacao Any member of (Value of 'Creator') 5 0:00:00 10:00:00 10:00:00 Gera pedido para aprovacao Any member of MA :00:00 20:00:00 128:00:00 Gera report de erros Any member of (Value of 'Creator') 3 0:00:00 6:00:00 6:00:00 Identifica o tipo de servico Any member of L&P 10 72:00:00 20:00:00 92:00:00 Informacao do orc urgente aprov Dono do Processo 3 0:00:00 6:00:00 6:00:00 Passagem a producao Any member of Outsourcer 2 2:00:00 4:00:00 6:00:00 Pedido de orcamentacao Any member of MA 8 92:00:00 14:00:00 106:00:00 Pedido de passagem a producao Any member of Outsourcer 2 2:00:00 4:00:00 6:00:00 Programacao do servico Any member of L&P 20 90:00:00 38:00:00 128:00:00 Recebe agendamento e prioridades Any member of L&P 8 6:00:00 16:00:00 22:00:00 Regista pedido no ITG Any member of (Value of 'Creator') 10 82:30:00 20:00:00 102:30:00 Revisao e Negociacao Any member of MA 7 68:00:00 14:00:00 82:00:00 Validacao da EFDT Any member of MA 5 40:00:00 4:00:00 44:00:00 Validacao da triagem Any member of MA :00:00 58:00:00 302:00:00 - Resource Unit Cost/Unit Threshold Usage Cost ($) Dono do Processo Hour :00:00 0 Any member of L&P Hour :00:00 0 Any member of MA Hour :00:00 0 Any member of (Value of 'Creator') Hour :00:00 0 Any member of Outsourcer Hour :00:00 0 Performers queue length and utilization - Avg Min Max Utilized(%) Idle(%) Generic Dono do Processo ,84 80,16 Any member of L&P 1, ,76 45,24 Any member of MA 4, ,51 13,49 Any member of (Value of 'Creator') 0, ,22 77,78 Any member of Outsourcer 0, ,95 69,05 Bottlenecks - Process Activity Performer Avg Queue Length Min Queue Length Max Queue Length Manutencao_Antigo Adjudicacao do pedido Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Agendamento diario Any member of Outsourcer 0, Manutencao_Antigo Analise e validacao do orcamento Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Aprova orcamento Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Caracteriza o tipo de servico Any member of L&P 0, Manutencao_Antigo Carrega ficheiro no ITG Any member of L&P 0, Manutencao_Antigo Certificacao da documentacao Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Desenvolvimento e Testes Any member of Outsourcer 0, Manutencao_Antigo Elaboracao da EFDT Any member of Outsourcer 0, Manutencao_Antigo Entrega para testes Any member of Outsourcer 0, Manutencao_Antigo Envia e carrega docs para certif Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Envia pedido para execucao Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Envia report de erros Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Especificacao da EFN Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Estima orcamento Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Gera pedido para aprovacao Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Identifica o tipo de servico Any member of L&P 0, Manutencao_Antigo Passagem a producao Any member of Outsourcer 0, Manutencao_Antigo Pedido de orcamentacao Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Pedido de passagem a producao Any member of Outsourcer 0, Manutencao_Antigo Programacao do servico Any member of L&P 0, Manutencao_Antigo Recebe agendamento e prioridades Any member of L&P 0, Manutencao_Antigo Regista pedido no ITG Any member of (Value of 'Creator') 0, Manutencao_Antigo Revisao e Negociacao Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Validacao da EFDT Any member of MA 0, Manutencao_Antigo Validacao da triagem Any member of MA 0, Tabela 5 - Processo de Manutenção Aplicacional - Antigo 53

63 6.3. Análise de resultados A tabela seguinte compara os processos que foram desenhados através de quatro parâmetros relevantes para a análise: Gestão de Alterações MA Novo MA - Antigo Número de Actividades Bottlenecks Duração 12 dias 9 dias e 16 horas 10 dias e 12 horas Total de Horas (10 pedidos) 1802:30: :30: :30:00 Tabela 6 Tabela comparativa de processos A partir da tabela 5 podemos analisar o seguinte: A passagem da nomenclatura QPR para a aplicação Savvion provocou o aumento do número de actividade do processo MA-Novo inicialmente apresentava 26 actividades. Em comparação, o processo MA-Antigo não sofreu aumentos na nova nomenclatura, visto que possuía 34 actividades; Os processos MA-Novo e MA-Antigo apresentam, respectivamente, 29 e 30 bottlenecks. Como seria de esperar, o processo que teve melhor desempenho foi o MA-Novo. O tempo total do processo foi melhorado em cerca de 30 minutos, no caso de 10 instâncias; O DSI tem cerca de 3000 pedidos mensais, o que significa uma redução de 144 horas por mês (cerca de 6 dias) com o MA-Novo; Se executássemos os pedidos individualmente, precisaríamos de 76 dias para o processo MA-Novo e 78 dias para o processo MA-Antigo; No processo de Gestão de Alterações: o Se os pedidos fossem executados individualmente, demorariam menos tempo que ambos os processos MA; o A duração é superior em ambos, devido ao tempo de espera considerado em actividades mortas (por exemplo informa Conselho Consultivo de Alterações CAB); 54

64 7. Conclusão Considerando o estado da arte da manutenção de software e o caso de estudo realizado, é possível relacionar a teoria com a prática e avaliar o sucesso da proposta. A proposta para a optimização do processo de manutenção de software consistiu no desenho de um processo baseado em boas práticas, com a particularidade e vantagem de ser implementado em outsourcing. Após a análise comparativa entre os processos de manutenção, antigo e novo, podemos concluir que o facto de os processos estarem em outsourcing não afecta o desempenho dos mesmos. O ITIL pode ser aplicado em empresas que operam em full-outsourcing e, visto ser o factor variante entre o processo antigo e o novo, tem um impacto notório sobre o processo afectado. O impacto refere-se ao número de horas que irá ser poupado, tanto a curto, como a médio e longo prazo. É necessário chamar a atenção das empresas para as ineficiências nos processos que resultam da rotatividade de pessoas nesta área. É preocupante o esforço desempenhado nesta fase caso não seja produzida documentação com qualidade. As empresas têm o dever de incutir a qualidade tanto nos documentos produzidos, como na forma como desenvolvem a sua actividade. Devem começar por enraizar as boas práticas nos seus processos, podendo beneficiar com esta opção, como foi demonstrado neste estudo Trabalho Futuro A área de Manutenção de Software tem vindo a ganhar ênfase. Durante o tempo de realização deste estudo, realizei diversas pesquisas e o número de estudos sobre este tema tem vindo aumentar. Com o terceiro capítulo deste estudo tentei enunciar a maioria dos problemas existentes nesta área. Chegando ao fim deste estudo, encontrei alguns documentos sobre a manutenção de software que se referem ao tema, como uma solução. A manutenção, como solução para problemas encontrados na fase pós-desenvolvimento, é certamente um tema a explorar. Com este estudo, conclui-se que o tema da manutenção de software pode, e deve, ser alvo de mais estudos. 55

65 Referências ISO/IEC ISO/IEC , Information Technology April A. [et al.] Software Maintenance in a Service Level Agreement : Controlling the Customer Expectations [Conferência] // Fourth European Software Conference, FESMA. - Heidleberg, Germany : [s.n.], pp April Alain [et al.] Software Maintenance Maturity Model (SMmm): the software maintenance process model [Jornal] // Journal of Software Maintenance and Evolution: Research and Practice. - May de : Vol pp Bandinelli S. C., Fuggetta A. e Ghezzi C. Software Process Model Evolution in the SPADE Environment [Jornal]. - [s.l.] : IEEE Transactions on Software Engineering, : Vol pp Banker R.D. [et al.] Software Complexity and Maintenance Costs [Jornal]. - [s.l.] : Comm. ACM, Nov de Vol pp Bengtsson P.O. e Bosch J. Architecture Level Prediction of Software Maintenance [Conferência] // Third European Conf. Software Maintenance and Reeng pp Bennet P. Lientz e Swanson E. Burton Problems in application software maintenance [Jornal] // Communications of the ACM. - [s.l.] : ACM, : Vol pp Bennett Keith H e Rajlich Václav T Software maintenance and evolution: a roadmap [Conferência] // Conference on The Future of Software Engineering. - Limerick, Ireland : [s.n.], pp Boehm B.W. A Spiral Model of Software Development and Enhancement [Conferência] // Computer pp Boehm B.W. Software Risk Management: Principles and Practices [Jornal]. - [s.l.] : IEEE Software, : Vol pp Car Z. e Mikac B. A method for modeling and evaluating software maintenance process performances [Conferência] // Sixth European Conference on Software Maintenance and Reengineering pp Carr Mahil e Wagner Christian A Study of Reasoning Processes in Software Maintenance Management [Jornal] // Information Technology Management pp Chapin Ned [et al.] Types of software evolution and software maintenance [Jornal] // Journal of Software Maintenance and Evolution: Research and Practice. - [s.l.] : John Wiley & Sons, Ltd, : Vol pp

66 Davis Alan M. e Bersoff Edward H. Impacts of life cycle models on software configuration management [Artigo] // Communications of the ACM. - [s.l.] : ACM, : Vol pp Foster JR Cost Factors in Software Maintenance [Livro]. - [s.l.] : University of Durham, Fuggetta Alfonso Software process: a roadmap [Conferência] // Conference on The Future of Software Engineering. - Limerick, Ireland : [s.n.], pp Gartner Gartner Symposium ITxpo 2000 [Conferência]. - Cannes, France : [s.n.], Gartner Gartner Symposium ITxpo 2002 [Conferência]. - Tokyo, Japan : [s.n.], Glass Rorbert L e Hunt Andrew Software Conflict 2.0: The Art And Science of Software Engineering [Secção do Livro]. - [s.l.] : Developer.* Books, IEEE IEEE STD 1219: Standard for Software Maintenance [Jornal] ITSMF-NL Foundations of IT Service Management [Livro]. - [s.l.] : Van Haren Publishing, Lientz B. P., Swanson E. B. e Tompkins G. E. Characteristics of application software maintenance [Jornal] // Communications of the ACM : Vol pp Lientz Bennett P. e Swanson E. Burton Software Maintenance Management [Jornal]. - Boston, MA : Addison-Wesley Longman Publishing, Mamone S. The IEEE Standard for Software Maintenance [Jornal] // Software : Vol pp Martin RJ e Osborne WM Guidance On Software Maintenance [Livro]. - [s.l.] : Government Printing Office, Office of Government Commerce Applications Management: Itil (It Infrastructure Library Series) [Livro]. - [s.l.] : Stationery Office, OutSystems [Online]. - OutSystems de Setembro de Pankaj Bhatt [et al.] Influencing factors in outsourced software maintenance [Jornal] // ACM SIGSOFT Software Engineering Notes : Vol pp Pigoski Tom [et al.] How Much Has Software Maintenance Changed Since 1983? [Jornal] // 12th International Conference on Software Maintenance (ICSM'96), p. 34. QPR Software Plc [Online]. - QPR Software Plc, de Setembro de Savvion, Inc [Online]. - Savvion, Inc [Online] de Setembro de

67 Swanson E. Burton The dimensions of maintenance [Conferência] // 2nd International Conference on Software Engineering. - San Francisco, California, United States : [s.n.], pp

68 Anexos Anexo 1 Documento de Especificação Funcional 1. GESTOR DE ALTERAÇÕES O Gestor de Alterações tem como ecrã inicial a Listagem do RFCs disponíveis no sistema. Através deste ecrã inicial é possível chegar a todas as restantes funcionalidades. O caminho percorrido para chegar às funcionalidades finais está assinalado na zona superior do ecrã. LISTAR RFCS Esta funcionalidade é apresentada no ecrã inicial do sistema. Lista todos os RFCs criados, indepentemente do seu estado. - Requisitos de dados O diagrama seguinte é parte do Diagrama Lógico da BD, presente no Documento de Especificação Técnica da GA (Secção 4.1.2). A entidade RFC e atributos, necessários à execução desta funcionalidade está representada na figura seguinte: - Interface com o Utilizador A listagem dos RFCs é apresentada em forma de tabela. Esta tabela é composta pelo Tipo (Meta-CI RFC), pelo Nome e Descrição associadas ao RFC e também o Estado actual em que o RFC se encontra. 59

69 Através deste ecrã é possível aceder a duas funcionalidades: Criação do RFC, premindo o link Criar RFC que se encontra no canto superior esquerdo do ecrã; Visualização dos detalhes do RFC, premindo o ícone Lupa ( ), apresentado na última coluna do lado direito, ou premindo o nome do RFC que se encontra sob a forma de link. CRIAR RFC Esta funcionalidade permite ao utilizador criar o RFC tendo como base, dados existentes na CMDB. - Requisitos de dados O diagrama seguinte é parte do Diagrama Lógico da BD presente no Documento de Especificação Técnica da GA (Secção 4.1.2). A entidade RFC e atributos, necessários à execução desta funcionalidade está representada na figura seguinte: - Interface com o Utilizador A criação de um RFC passa por preencher as seguintes secções: 1) Identificação do Pedido, secção onde são inseridos dados vindos do ITG (número ITG, nome e descrição do Pedido, solicitador, prioridade e categoria) e dados vindos da CMDB (Entidade e Instância); 60

70 2) Descrição do Pedido, secção que corresponde à descrição do pedido propriamente dita, como a Razão da Alteração, Benefícios para o Negócio e Estimação de Recursos. 3) Pressupostos do Pedido, esta secção corresponde a uma visualização gráfica com maior nível de detalhe da Instância (CI) especificada na secção 1). Nesta secção, é apresentada a Instância, e caso existam, as suas relações, e sub-relações, de inclusão. Para concluir, o utilizador deve premir o botão Criar RFC. Caso o utilizador deseje sair deste ecrã, tem disponível o botão Cancelar, que o leva para o ecrã de Listagem dos RFCs. Particularmente interessante é a aplicação deste sistema à alteração de Aplicações. A imagem seguinte representa, a título de exemplo, uma alteração a uma instância da entidade Aplicação. Uma vez seleccionadas a Entidade Aplicação e a Instância AGC-Online, associadas ao RFC, podemos visualizar os seguintes conjuntos de informação: Nível grau de inclusão. Lê-se da seguinte forma: A aplicação é composta por módulos; o módulo é composto por funcionalidades; Entidade nome do Meta-CI; Nome nome do CI; 61

71 Opções de Alteração do CI: o o o - permite alterar o CI em questão; - permite apagar o CI em questão; - permite criar uma relação de inclusão com um novo CI do nível imediatamente inferior; Observações - o utilizador pode optar por descrever a necessidade, ou especificar detalhadamente a opção que aplica ao CI em questão. A criação do RFC, vai ser reflectida na CMDB, estando logo disponível na Listagem dos RFCs. DETALHES RFC Esta funcionalidade permite ver os detalhes associados ao RFC, escolhido pelo utilizador. Esta funcionalidade pode ser acedida através do ecrã que contem a listagem dos RFCs, ou seja do ecrã principal. - Requisitos de dados O diagrama seguinte é parte do Diagrama Lógico da BD presente no Documento de Especificação Técnica da GA (Secção 4.1.2). A entidade RFC e atributos, necessários à execução desta funcionalidade está representada na figura seguinte: 62

72 - Interface com o Utilizador Esta funcionalidade permite ao utilizador: Visualizar todos os detalhes do RFC enunciados na criação do mesmo, incluindo os pressupostos de alteração (lado direito do ecrã); Visualizar os campos não inicializados pelo utilizador, como: a Data em que o RFC foi criado, o Estado actual do RFC, etc. Através deste ecrã é possível aceder a duas funcionalidades, Editar RFC (4.2.4) e Gerar RFC (4.2.5), premindo os botões respectivos, situados no canto inferior esquerdo do ecrã. Para voltar ao menu anterior, o utilizador deve premir RFCs no canto superior esquerdo. EDDITAR RFC Esta funcionalidade permite ao utilizador editar as propriedades do RFC, definidas quando o mesmo RFC foi criado. A nova informação é guardada e fica logo disponível para consulta. Esta funcionalidade está disponível a partir do ecrã Detalhes RFC (4.2.3). O campo Estado é o campo de maior relevo da edição do RFC, visto que vai desencadear outras funcionalidades, no futuro, tais como adicionar novos documentos ao RFC (EFN e Orçamento). 63

73 - Requisitos de dados O diagrama seguinte é parte do Diagrama Lógico da BD presente no Documento de Especificação Técnica da GA (Secção 4.1.2). A entidade RFC, necessária à execução desta funcionalidade está representada na figura seguinte: - Interface com o Utilizador Esta funcionalidade permite visualizar todos os campos associados ao RFC. Os atributos que não podem ser alterados, tais como a Data e o NumITG, encontram-se bloqueados ao utilizador. Os restantes campos podem ser alterados ao critério do utilizador. Para concluir, o utilizador deve premir o botão OK, situado no canto inferior esquerdo do ecrã. Caso o utilizador deseje sair deste ecrã tem disponível o botão Cancelar, que o leva para o ecrã anterior (Detalhes RFC). O utilizador também pode aceder ao ecrã inicial. Para tal, deve premir RFCs no canto superior esquerdo do ecrã. GERAR RFC Para invocar esta funcionalidade é necessário ter associado um RFC. Posto isto, esta funcionalidade está disponível através do ecrã Detalhes RFC associado a um RFC. A opção de Gerar um RFC permite gerar um documento que inclui toda a informação disponível, associada ao RFC em questão. O documento gerado pode ser guardado ou apenas visualizado, pelo utilizador. 64

74 - Requisito de Dados O diagrama seguinte é parte do Diagrama Lógico da BD presente no Documento de Especificação Técnica da GA (Secção 4.1.2). A entidade RFC e atributos, necessários à execução desta funcionalidade está representada na figura seguinte: - Interface com o Utilizador Ao premir o botão Gerar RFC, no canto inferior esquerdo, é disponibilizado um ecrã do Windows onde o utilizador pode escolher Open ou Save, conforme desejar Abrir ou Salvar o documento. Caso o utilizador pretenda cancelar a geração do RFC deverá premir a opção Cancel. 65

75 O documento gerado contém a informação associada ao RFC. O documento tem a seguinte apresentação: O utilizador também pode aceder ao ecrã inicial. Para tal, deve premir RFCs no canto superior esquerdo do ecrã. 66

76 Anexo 2 Documento de Especificação Técnica 1. Especificação de Interface INTERFACES EXTERNOS GESTOR DE ALTERAÇÕES Os interfaces externos é o acesso de uma aplicação externa ao núcleo CMDB, ou à camada aplicacional, funcionando também no sentido oposto. Os interfaces criados estão definidos na Especificação de Requisitos Funcionais. Esses interfaces são o acesso pelo qual utilizadores, ou outras aplicações, acedem ao módulo GA. Para uma melhor integração entre duas aplicações, deveria existir uma uniformização das mensagens trocadas entre os sistemas, caso se trate de duas tecnologias diferentes. As acções subjacentes aos interfaces implicam a integração entre os módulos. Isto pode ser conseguido através da uniformização das mensagens trocadas entre os sistemas. Os interfaces que existem são: Listar RFCs Criar RFC Detalhes RFC Editar RFC Os interfaces externos que poderiam existir, são: Permitir a visualização de informação relativa de um pedido, disponível em ITG, através do número ITG desse mesmo pedido. Esta funcionalidade poderia estar disponível nas interfaces em que é disponibilizado o número ITG de um pedido (Detalhes, Editar, Listar). GESTOR DE TIPIFICADOS Os interfaces externos são o acesso de uma aplicação externa ao núcleo CMDB, ou à camada aplicacional, funcionando também no sentido oposto. Os interfaces criados estão definidos na Especificação de Requisitos Funcionais, secção X.XX. Esses interfaces são o acesso pelo qual utilizadores, ou outras aplicações, acedem ao módulo ProcITG. Para uma melhor integração entre duas aplicações, deveria existir uma uniformização das mensagens trocadas entre os sistemas, caso se trate de duas tecnologias diferentes. 67

77 As acções subjacentes aos interfaces implicam a integração entre os módulos. Isto pode ser conseguido através da uniformização das mensagens trocadas entre os sistemas. Os interfaces que existem são: Criar Tipo de Pedido Tipificado (Backoffice) Criar Pedido Tipificado Detalhes Pedido Tipificado Pesquisar Pedidos Tipificados Editar Pedido Tipificado Os interfaces externos que poderiam existir, são: Permitir a visualização de informação relativa de um pedido, disponível em ITG, através do número ITG desse mesmo pedido. Esta funcionalidade poderia estar disponível nas interfaces em que é disponibilizado o numero ITG de um pedido (Detalhes, Editar, Listar) INTERFACES INTERNOS GESTOR DE ALTERAÇÕES A comunicação entre a GA e a CMDB, implica a transferência de dados. Posto isto, quando as funcionalidades das CMDB são utilizadas, os dados de retorno tem de ser lidos, convertidos e interpretados para poderem ser entendidos pela GA. O método utilizado para a integração dos dois módulos é: fazer uma estrutura de dados idêntica à estrutura da CMDB, permitindo assim que os dados obtidos, a através de invocação a chamadas externas, possam ter um mapeando mecânico. Os dados que passam entre as duas aplicações são os outputs das funções externas invocadas pela GA durante a sua execução. Estão listadas as funções, cujos outputs são utilizados para a execução da GA, e a sua correspondência na GA. Os detalhes estão no dicionário de dados. Essas funções são as seguintes: Quadro: Função CMDB out = dados GA C_Relacao sem correspondência L_CIs -> devolve uma lista de Instancia L_MetaCIs devolve uma lista de CI R_CI devolve uma estrutura do tipo instanciadetails_t U_Value sem correspondência UC_CI - sem correspondência 68

78 GESTOR DE TIPIFICADOS A comunicação entre a ProcITG e a CMDB, implica transferência de dados. Posto isto, quando as funcionalidades das CMDB são utilizadas, os dados de retorno tem de ser lidos, convertidos e interpretados para poderem ser entendidos pela ProcITG. O método utilizado para a integração dos dois módulos é: fazer uma estrutura de dados idêntica à estrutura da CMDB, permitindo assim que os dados obtidos, a através de invocação a chamadas externas, possam ter um mapeando mecânico. Os dados que passam entre as duas aplicações são os outputs das funções externas invocadas pela ProcITG durante a sua execução As funções externas que são invocadas pela ProcITG estão detalhadas na secção 6.XX. Estão listadas as funções, cujos outputs são utilizados para a execução da ProcITG, e a sua correspondência na ProcITG. Os detalhes estão no dicionário de dados. Essas funções são as seguintes: Quadro: Função CMDB out = dados ProcITG C_Relacao sem correspondência L_CIs devolve uma lista de Instancia L_MetaCIs devolve uma lista de CI L_RelacoesTipo devolve uma lista de estruturas do tipo CI_Destino_t R_CI devolve uma estrutura do tipo instanciadetails_t R_MetaCI devolve uma estrutura do tipo MetaCI R_Value devolve um valor (texto) U_Value sem correspondência U_AtribsCI actualiza o valor de todos os atributos do CI em causa 69

79 ESPECIFICAÇÃO DA BASE DE DADOS DIAGRAMA LÓGICO DO GESTOR DE ALTERAÇÕES Através da entidades existentes na CMDB é possível criar as entidades do desenho lógico. Os RFC são criados por um determinado Utilizador. Este escolhe uma determinada Configuração, que é composta por um ou mais CI_ s. Sobre um determinado CI, o Utilizador pode realizar um conjunto predefinido de operações CRUD, desde que tenha as permissões associadas ao seu papel. Quando um RFC é criado, pode-se gerar a EFN. À medida que o RFC vai sofrendo alterações é possível gerar a EFN correspondente à nova versão do RFC. DIAGRAMA LÓGICO DO GESTOR DE TIPIFICADOS Através da entidades existentes na CMDB é possível criar as entidades do desenho lógico. Os Pedidos Tipificados são criados por um determinado Utilizador. Este escolhe uma determinada Configuração, que é composta por um CI e por uma entrada na tabela de Valores Por Defeito. Sobre um determinado Pedido Tipificado, o Utilizador pode realizar um conjunto predefinido de operações de alteração de estado (Aprovado, Execucao, Fechado) e solicitação de documentos (orçamentos e 70

80 EFN guardados na tabela Ficheiros_InstanciaCI), desde que tenha as permissões associadas ao seu papel. 71

81 ESPECIFICAÇÃO DO MÓDULO GESTÃO DE ALTERAÇÕES INTRODUÇÃO A implementação deste sistema assenta em dois tipos de Web Flows: Internos, criados pelo programador para o sistema em questão; Externos, podem ser bibliotecas externas ou mesmo funções disponibilizadas por outros programas. CONTEXTO Diagrama de Contexto do Módulo O diagrama deve identificar todos os fluxos de informação entre o subsistema, os subsistemas adjacentes e as interfaces externos. Ficheiros que sejam acedidos devem ser identificados. Interfaces As funções externas utilizadas, pertencem ao motor da CMDB, e são as seguintes: Nome Output C_Relacao L_CIs L_MetaCIs R_CI lista de Instancia lista de CI estrutura do tipo instanciadetails_t U_Value UC_CI Tabela 7- Funções CMDB utilizadas 72

82 PROCESSAMENTO DO SUBSISTEMA O programa é composto por web screens. O ponto de entrada da aplicação é um web screen denominado WebScreen1. Este tem associados um conjunto de Parâmetros e de Screen Actions, apresentados nas tabelas seguintes. PARÂMETROS Nome id_ci id_insta ncia Descrição Identificação do CI; O seu preenchimento permite fazer a triagem dos dados a apresentar na página que vai ser carregada, juntamente com o parâmetro de entrada id_instancia. dentificação da instância; O seu preenchimento permite fazer a triagem dos dados a apresentar na página que vai ser carregada, juntamente com o parâmetro de entrada id_ci. Obrigat ório No No a Param etro Entrad Entrad InFrame Default No Entrad a action O seu preenchimento permite fazer a selecção da página que vai ser carregada. No a a Entrad Tipo MetaCI CI Bool ean Text SCREEN ACTIONS Nome Preparati on Accao_L ocal N/A Descrição Esta função é chamada pelo botão "Ok" do campo "Escolher Instância". Permite criar a variável de sessão "arvore"; permite disponibilizar os componentes afectados. Criar_RFC Cria um RFC através dos dados inseridos pelo utilizador. Utiliza funções externas (dinamico) EditarRFC GetEFN Função despoletadas pelo botão "Ok" presente no ecrã Editar. Guarda na CMDB os dados que o utilizador alterou. Gerar a Especificação de Funcional de Alto Nível em html, a partir dos dados do RFC vindos da CMDB. As Screen Actions estão descritas com maior detalhe na secção 6.7. ACÇÕES LOCAIS E EXTERNAS O sistema também utiliza um conjunto de acções que podem ser de origem local ou externa: Acções Locais Acções criadas pelo programador; Acções Locais Acções disponibilizadas por outras Bibliotecas. Acções Locais Get_arvore Esta função é recursiva. Através de um identificador cria a arvore de dependentes, adicionando-os a uma lista denomida árvore. N ome Descrição Sent ido Tipo Obrigat ório 73

83 1 In Identificador do CI a partir do qual é criada a arvore descente. Entr ada CI Yes ni vel Nível actual da árvore Entr ada Integer Yes a list Lista de CI que vão ser adicionados à variável de sessão "arvore". Entr ada : RecordList No ItemArvore O ut1 Lista correspondente à variável de sessão "arvore". Saí da : RecordList ItemArvore Acções Externas As acções externas utilizadas são da biblioteca WidgetLibrary40, e do motor CMDB (dinamico). Nomeadamente: WidgetLibrary40: Feedback_SetMessage, GetPhysicalPageName, ListNavigation_GetStartIndex, ListNavigation_ResetStartIndex; dinamico: D_MetaCI, D_MetaRelacao, L_CIs, L_MetaCIs, L_MetaRelacoes, L_Relacoes, L_RelacoesTipo, L_RelacoesTri, R_CI, R_MetaCI, R_MetaRelacao, R_Value, U_AtribsCI, U_Value, UC_CI, UC_MetaRelacao, UC_Relacao. UTILIZAÇÃO DE DADOS Os dados utilizados pelo sistema estão divididos em três grupos: entidades, estruturas, variáveis de sessão. Estruturas ItemArvore Elemento da árvore de dependências Atributo Descrição Tipo Obrigatório nivel alteracao Id_CI nomeconc eito Id_instCI Hierarquia da árvore. O primeiro elemento tem nível zero. Operação que vai ser realizada sobre o item. Pode ser CRUD. Identificador do CI Integer Integer MetaCI Nome do conceito associado ao item Text (100) No Identificador da instancia de CI nome Nome do item Text (100) No descricao Descrição do item Text (400) No CI No No No No 74

84 CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS Esta aplicação é directamente dependente da CMDB. Posto isto, quer a nível de performance, quer a nível de recuperação, a aplicação está dependente das mesmas características da CMDB. ESPECIFICAÇÃO DE PROCEDIMENTOS As especificações de procedimentos são as Screen Actions já referidas no início do capítulo. Os sub capítulos seguintes destinam-se à especificação das mesmas: PREPARATION É procedimento principal. Através do parâmetro de entrada action é desencadeado uma sequência de acções que leva a diferentes ecrãs destino, especificados no WebScreen1. Os parâmetros de entrada são os mesmos do WebSreen1, referenciados no sub-capítulo ACCAO_LOCAL Esta função é chamada pelo botão "Ok" do campo "Escolher Instância". Permite criar a variável de sessão "arvore"; permite disponibilizar os componentes afectados. Esta função tem dois parâmetros de entrada: CRIAR_RFC id_instancia2: Identificador da Instancia sobre a qual vai ser criado um RFC; Opcao: Este parâmetro distingue se é realizada 1 ou as 2 finalidades da função. Esta função cria um RFC através dos dados inseridos pelo utilizador, e utiliza funções do motor da CMDB (dinamico). EDITAR_RFC Esta função é despoletada pelo botão "Ok" presente no ecrã Editar, e faz o update dos dados que o utilizador alterou, directamente na CMDB, através de funções externas (UC_CI e U_Value) pertencentes ao dinamico. Esta função recebe como parâmetro de entrada, todos os dados do RFC. 75

85 ESPECIFICAÇÃO DO MÓDULO DE GESTÃO DE PEDIDOS TIPIFICADOS INTRODUÇÃO Este módulo permite criar Pedidos Tipificados na CMDB através de uma interface mais simples e direccionada para o efeito. É possível manipular o estado de cada pedido e efectuar pesquisas através dos vários atributos de cada um. Adicionalmente, a aplicação permite gerar documentos úteis ao processo dos pedidos tipificados, como p. ex. Orçamentos e EFN. CONTEXTO Diagrama de Contexto do Módulo Criar Pedido Tipificado: From ProcITG CMDB: MetaCI + Lista de MetaAtributos Instanciar Pedido Tipificado: From ProcITG CMDB: CI + Lista de Atributos Pesquisar Pedidos: From ProcITG CMDB: Ccritérios de Pesquisa From CMDB ProcITG: Lista de CIs Alterar Estado do Pedido: From ProcITG CMDB: Identificador CI + Novo Valor de Estado Interfaces As funções externas utilizadas, pertencem ao motor da CMDB, e são as seguintes: Nome Output C_Relacao L_CIs lista de Instancia L_MetaCIs lista de CI 76

86 L_RelacoesTipo lista de estruturas do tipo CI_Destino_t R_CI estrutura do tipo instanciadetails_t R_MetaCI estrutura do tipo MetaCI R_Value valor (texto) U_Value U_AtribsCI Tabela 8- Funções CMDB utilizadas PROCESSAMENTO DO SUBSISTEMA Screenshots e descrição das funcionalidades por ecrã. UTILIZAÇÃO DE DADOS Para além dos já referidos dados, tabelas e estruturas provinientes da CMDB, esta aplicação apnas utiliza/manipula as seguintes entidades informacionais: Entidades: ValoresPorDefeito: Sempre que é criado um novo Pedido Tipificado, para além de dar entrada um registo na Tabela MetaCI na CMDB, em simultâneo é criado um novo registo nesta tabela com os seguintes campos, a maioria preenchidos pelo utilizador: Ficheiros_Instancia: Tabela onde são guardados os documentos de requisitos que o utilizador tem a possibilidade de guardar. Como Tabela auxiliar a esta, surge a Tabela Conteudo_Ficheiro criada por uma questão de boa metodologia de programação e que, na realidade, armazena o conteúdo binário dos ficheiros. UserExtensao: Tabela intermédia que liga a, inalterável, Tabela User com a Tabela MetaCI da CMDB. Estruturas: Orcamento: Estrutura Auxiliar que permite ler a estrutura (Ficheiro Excel) de um ficheiro de orçamento: 77

87 AtributosComValor: Estrutura Auxiliar que permite guardar um MetaAtributo (tipo) proviniente da CMDB e o seu futuro Valor. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS ProcITG: Esta aplicação é directamente dependente da CMDB. Posto isto, quer a nível de performance, quer a nível de recuperação, a aplicação está dependente das mesmas características da CMDB. 78

88 Anexo 3 Processos Relacionados com a Manutenção Aplicacional Processo Gestão da Triagem e Programação do Serviço 79

89 Processo Pedido de Revisão de Prioridades 80

90 Processo Gestão de Pedidos de Infra-estrutura 81

91 Processo Gestão de Proposta de Manutenção Preventiva 82

92 Processo Gestão Documental 83

93 Anexo 4 Pedidos da Manutenção Aplicacional Resumo Anual de Pedidos de MA Resumo Mensal dos Pedidos Recebidos de MA 84

94 Resumo Mensal dos Pedidos em Aberto de MA 85

O Processo de Manutenção de Software num Contexto de Full-Outsourcing

O Processo de Manutenção de Software num Contexto de Full-Outsourcing O Processo de Manutenção de Software num Contexto de Full-Outsourcing Maria do Carmo Silva Santos Cardim Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Informática e de Computadores Presidente:

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK A Norma ISO/IEC 20000:2011 Information technology Service management Part 1: Service management system requirements é uma Norma de Qualidade que

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

ITIL. por. David Luís de Almeida Custódio Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal dlac@student.dei.uc.

ITIL. por. David Luís de Almeida Custódio Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal dlac@student.dei.uc. ITIL por David Luís de Almeida Custódio Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal dlac@student.dei.uc.pt Resumo: Apresenta-se a Information Technology Infrastructure

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Gestão de Serviços Suporte (Concentra-se na execução do dia-a-dia e no suporte a serviços de TI)

Gestão de Serviços Suporte (Concentra-se na execução do dia-a-dia e no suporte a serviços de TI) Introdução ao ITIL ITIL de Serviços Suporte (Concentra-se na execução do dia-a-dia e no suporte a serviços de TI) Service-Desk de Configurações de Incidentes de Problemas de Alterações de Versões de Serviços

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INCIDENTES COM AS PRÁTICAS ITIL

GERENCIAMENTO DE INCIDENTES COM AS PRÁTICAS ITIL FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Felipe Tanji Caldas GERENCIAMENTO DE INCIDENTES COM AS PRÁTICAS ITIL São Paulo 2011 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Felipe Tanji Caldas GERENCIAMENTO DE INCIDENTES

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

ITIL - Information Technology Infraestructure Library

ITIL - Information Technology Infraestructure Library ITIL Biblioteca de infra estrutura de TI (do Inglês, Information Technology Infraestructure Library) e ISO/IEC 20.000 ITIL - Information Technology Infraestructure Library Foi criado no fim dos anos 80

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library

ITIL. Information Technology Infrastructure Library Information Technology Infrastructure Library 34929 - Daniel Aquere de Oliveira 34771 - Daniel Tornieri 34490 - Edson Gonçalves Rodrigues 34831 - Fernando Túlio 34908 - Luiz Gustavo de Mendonça Janjacomo

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos Básicos e Implementação Pref. Mun. Vitória 2007 Analista de Suporte 120 A ITIL (information technology infrastructure library) visa documentar as melhores práticas na gerência, no suporte e na

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Índice Introdução... 2 A solução... 2 Plataforma Integrada (principais características)... 4 Eliminar limitações à execução de testes

Leia mais

Sistemas de Informação no sector da Construção. João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1

Sistemas de Informação no sector da Construção. João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1 Sistemas de Informação no sector da Construção João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1 Sistemas de Informação no sector da Construção 1. SI na Construção. Introdução 2. ERP 3. BIM 4. Outras aplicações

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas: Gestão de Mudança e Adopção de ITIL. por

Pequenas e Médias Empresas: Gestão de Mudança e Adopção de ITIL. por Pequenas e Médias Empresas: Gestão de Mudança e Adopção de ITIL por Carla M. P. Farinha Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal Sumário. Apresenta-se, de forma

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo. HR BPO Desafios nos próximos anos. 14 de Março 2012 Centro Congressos do Estoril

Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo. HR BPO Desafios nos próximos anos. 14 de Março 2012 Centro Congressos do Estoril Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo HR BPO Desafios nos próximos anos Agenda Enquadramento Serviços HR BPO Selecção de parceiros Implementação e operação do HR BPO Exemplo prático Meta4 Agenda Enquadramento

Leia mais

WHITE PAPER SOBRE MELHORES PRÁCTICAS. ISO 20000: O que deve uma organização fazer?

WHITE PAPER SOBRE MELHORES PRÁCTICAS. ISO 20000: O que deve uma organização fazer? WHITE PAPER SOBRE MELHORES PRÁCTICAS ISO 20000: O que deve uma organização fazer? Índice RESUMO...1 O PASSO SEGUINTE MAIS NATURAL... 2. ITIL...3. COBIT...3. BS 15000...3 UMA VISÃO MAIS DETALHADA DA ISO

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001 Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Agenda Introdução Desafio 1º passo Problemática ISO 27001 ISO 20000 Conclusões 2 Agenda Introdução

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho Prefácio A Arquitectura dos Sistemas de Informação, enquanto assunto central da área disciplinar das Tecnologias e Sistemas de Informação é, na minha opinião, um dos seus temas mais importantes e, simultaneamente,

Leia mais

Information Technology Infrastructure Library (ITIL)

Information Technology Infrastructure Library (ITIL) Information Technology Infrastructure Library (ITIL) Metodologias de Sistemas 1 Profa. Rosângela Penteado Grupo Guilherme Leme Janito V. Ferreira Filho João Victor Martins Patrícia Inoue Nakagawa Rafael

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

ivirtua Solutions 4 ITIL

ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions ITIL WHITEPAPER ITIL INTRODUÇÃO O ITIL é o modelo de referência para endereçar estruturas de processos e procedimentos à gestão de TI, organizado em disciplinas

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI ITIL Overview Gestão de Serviços de TI Sobre a ILUMNA Atuando na área Gerenciamento de Serviços em TI (ITSM) desde 1997, a ILUMNA presta serviços de Consultoria, Educação e Tecnologia, com o objetivo de

Leia mais

Gestão da qualidade do software

Gestão da qualidade do software Gestão da qualidade do software Empenhada em assegurar que o nível de qualidade requerido de um produto de software é atingido Envolve a definição de normas e procedimentos de qualidade apropriados, e

Leia mais

Ficha de Caracterização de Trabalho

Ficha de Caracterização de Trabalho Gestão de Sistemas de Informação ARTIGO Nº2 Ficha de Caracterização de Trabalho Título: IT Infraestructure Library Resumo: Apresenta-se de uma forma geral o conceito da ITIL (IT Infraestructure Library)

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2009 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO INDICE INDICE...2 ÂMBITO...4 1. GESVEN - GESTÃO DE PESSOAL E VENCIMENTOS CGV02 Gestão Base de Cadastro...5 CGV03 Report Writer (Base)...5 CGV04 Processamento

Leia mais

System Quality Assurance

System Quality Assurance System Quality Assurance Visão Reduzir os custos inerentes à existência de defeitos em produção, em sistemas de alta complexidade funcional e de elevada heterogeneidade tecnológica, através de um conjunto

Leia mais

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório Primeiro Relatório 62473 Pedro Vasconcelos 63563 Francisco Ferreira 73440 Filipe Correia 74211 Carolina Ferreirinha 82665 Nkusu Quivuna Sumário Este documento é o primeiro relatório de um projeto de análise

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

Service Support & Delivery based on ITIL's Best Practices. Telbit. Aveiro. 12 de Julho de 2007. Carlos Vieira

Service Support & Delivery based on ITIL's Best Practices. Telbit. Aveiro. 12 de Julho de 2007. Carlos Vieira Service Support & Delivery based on ITIL's Best Practices Telbit Aveiro 12 de Julho de 2007 Carlos Vieira Breve Introdução ao SM :: Objectivos Assegurar que as necessidades de negócio de uma organização

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Gerenciamento de Serviços de TIC ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Agenda O que é serviço de TIC? O que é Qualidade de Serviços de TIC? O que é Gerenciamento de Serviços de TIC? ISO IEC/20.000-2005 ITIL versão

Leia mais

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Workshop Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal Inquérito Nacional 2011 Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Agenda Apresentação dos resultados do estudo de maturidade do ITSM & ITGovervance

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Universidade de Coimbra Diagnóstico da Gestão de Serviços de Tecnologias de Informação no grupo Grefusa e Proposta de Implementação de ITIL

Universidade de Coimbra Diagnóstico da Gestão de Serviços de Tecnologias de Informação no grupo Grefusa e Proposta de Implementação de ITIL Faculdade de Economia Universidade de Coimbra Diagnóstico da Gestão de Serviços de Tecnologias de Informação no grupo Grefusa e Proposta de Implementação de ITIL António Miguel Lopes de Figueiredo Coelho

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao 1 Tópicos Especiais Novembro - 2008 2 Referências

Leia mais

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%?

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? Uma solução eficaz de Gestão Energética para o Retalho Eficiência Energética no Retalho Será que está a gastar mais em energia do que necessita?

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3.

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - Tecnologia da Informação, bem como

Leia mais

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII Capítulo VII 7 Conclusões Este capítulo tem como propósito apresentar, por um lado, uma retrospectiva do trabalho desenvolvido e, por outro, perspectivar o trabalho futuro com vista a implementar um conjunto

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

O ITIL e o Plano de Contingência. Lúcia Cerqueira & António Correia informatica@chts.min-saude.pt

O ITIL e o Plano de Contingência. Lúcia Cerqueira & António Correia informatica@chts.min-saude.pt Lúcia Cerqueira & António Correia informatica@chts.min-saude.pt A Equipa de IT do CHTS,E.P.E. Equipa composta por 12 Elementos Framework ITIL using RT ( linha Servicedesk (1ª e 2ª Reorganização da Equipa

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente;

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL Mas o que gerenciar? Gerenciamento de Serviço de TI. Infra-estrutura

Leia mais

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL Cenário de TI nas organizações Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot. Curso ITIL Foundation Introdução a ITIL ITIL Introduction Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com Agenda Definição / Histórico Escopo Objetivos Benefícios e Problemas

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda CATÁLOGO DE SERVIÇOS Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda ÍNDICE ÍNDICE 2 HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES 2 1 INTRODUÇÃO 3 2 A CASO 4 2.1 Apresentação 4 2.2 Visão, Missão e Valores 4 3 SERVIÇOS

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 21 Engenharia de Software 22.1 Enquadramento O software é conhecimento incorporado e, como esse conhecimento está inicialmente disperso, tácito, latente e, em larga medida, incompleto,

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE VI: Como desenvolver Sistemas de Informação e Gerenciar Projetos. Novos sistemas de informação são construídos como soluções para os problemas

Leia mais

Engenharia de Requisitos, Manutenção Corretiva e Acordo de Nível de Serviço.

Engenharia de Requisitos, Manutenção Corretiva e Acordo de Nível de Serviço. Engenharia de Requisitos, Manutenção Corretiva e Acordo de Nível de Serviço. Nilton Ferreira Caetano, Francinaldo de Paula Santos, Thiago Lopes de Godoi Barbosa Centro Universitário de Brasília (UNICEUB)

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI)

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI) 5 NORMALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS 5.1 Introdução Embora tradicionalmente o esforço de normalização pertença à International Standards Organization (ISO), no caso da gestão de projetos a iniciativa tem

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Tópicos Especiais Junho - 2008 Referências Acessos

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Por: Patrícia Isabel Correia* A ausência de um Sistema de Gestão de Manutenção provocou, ao longo de muitos anos, a deterioração

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Gaia Inventário: um Modelo para Gestão da Configuração, Inventário e Ativos de Serviços de Tecnologia da Informação

Gaia Inventário: um Modelo para Gestão da Configuração, Inventário e Ativos de Serviços de Tecnologia da Informação Gaia Inventário: um Modelo para Gestão da Configuração, Inventário e Ativos de Serviços de Tecnologia da Informação Natali Silva Honda 1, Bruno Bogaz Zarpelão 1 1 Departamento de Computação Universidade

Leia mais

Proposta de uma métrica para avaliação da gestão de serviços médicos baseada no modelo ITIL

Proposta de uma métrica para avaliação da gestão de serviços médicos baseada no modelo ITIL Proposta de uma métrica para avaliação da gestão de serviços médicos baseada no modelo ITIL Vidal Olavo Plessmann Gonçalves Márcia Ito Núcleo de Pesquisa em Ciências de Serviços (CiSe) - Centro Estadual

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais