FUNCHAL ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES CAE REV_3: ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNCHAL ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES CAE REV_3: 96091 ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES"

Transcrição

1 O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES CAE REV_3: ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES ÂMBITO Estabelece o regime a que está sujeita a instalação e modificação dos estabelecimentos onde se prestam serviços cujo funcionamento pode envolver riscos para a saúde e segurança das pessoas, nomeadamente, as atividades de tatuagem e similares. DEFINIÇÕES Instalação a ação desenvolvida tendo em vista a abertura de um estabelecimento ou armazém com o objectivo de nele ser exercida uma atividade ou ramo de comércio; Modificação a alteração do tipo de atividade ou do ramo de comércio, incluindo a sua ampliação ou redução, bem como a alteração da entidade titular da exploração. REQUISITOS Deverão ser cumpridos os requisitos previstos no Regulamento Geral de Higiene e Segurança do Trabalho nos Estabelecimentos Comerciais, de Escritórios e Serviços, aprovado pelo Decreto-lei n.º 243/86, de 20 de Agosto, nomeadamente, aos seguintes níveis: Conservação e higienização Limpeza diária e periódica Operações de limpeza e desinfecção Desperdícios PROCESSO DE LICENCIAMENTO A instalação e modificação dos estabelecimentos onde se prestam serviços de atividades de tatuagens e similares estão sujeitas ao regime de declaração prévia, não sendo dispensáveis os procedimentos previstos no âmbito do RJUE Regime Jurídico da Edificação e Urbanização. Sempre que se realizem obras ou se altere a utilização do espaço afecto ao estabelecimento nos termos daquele regime, a Licença de Utilização ou a sua Alteração, só são deferidas após a apresentação da Declaração Prévia, não podendo, nestes casos, a

2 abertura ou modificação do estabelecimento ocorrer antes do deferimento daquela licença. 1. Licença de Utilização Para o requerimento são necessários os seguintes elementos: Identificação do titular da licença ou autorização; Identificação do edifício ou fracção autónoma; O uso a que se destina o edifício ou fracção autónoma. No caso de substituição do titular de alvará de licença ou autorização, o substituto deve disso fazer prova junto do presidente da câmara para que este proceda ao respectivo averbamento no prazo de 15 dias a contar da data da substituição. Elementos instrutórios necessários: O pedido de licenciamento ou autorização de alteração da utilização de edifícios ou suas fracções é instruído com os seguintes elementos: Documentos comprovativos da qualidade de titular de qualquer direito que confira a faculdade de realização da operação; Certidão da descrição e de todas as inscrições em vigor emitida pela conservatória do registo predial referente ao prédio ou prédios abrangidos; Termo de responsabilidade subscrito pelo técnico responsável pela direção técnica da obra, quando aplicável, e termo de responsabilidade subscrito conforme o disposto no n.º 2 do artigo 63.º do Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro; Telas finais, quando aplicável; Livro de obra, quando tenham sido realizadas obras; Ficha com os elementos estatísticos devidamente preenchida com os dados referentes à operação urbanística a realizar. 2. Declaração Prévia O titular da exploração do estabelecimento deve até 20 dias úteis antes da sua abertura ou modificação, apresentar uma declaração na respectiva câmara municipal e cópia na Direcção-Geral das Atividades Económicas (DGAE), na qual se responsabiliza que o estabelecimento cumpre todos requisitos adequados ao exercício da atividade. Da declaração atrás referida, cujo modelo foi aprovado pela Portaria n.º 790/2007, de 23 de Julho, devem constar os seguintes elementos: Identificação do titular da exploração Identificação do estabelecimento objecto de declaração Caracterização da atividade económica a exercer no estabelecimento E em anexo:

3 Fotocópia do cartão de pessoa colectiva, ou no caso de empresário em nome individual, do bilhete de identidade Código de acesso à certidão permanente atualizada, ou declaração de início de atividade no caso de empresário em nome individual Planta do estabelecimento com indicação da localização dos equipamentos e dos espaços destinados a secções. A referenciada declaração permite igualmente, que o empresário, se responsabilize pelo cumprimento da legislação, nomeadamente em matéria de instalações e equipamentos, higiene e segurança no trabalho e de ambiente. As câmaras municipais e a DGE devem emitir um comprovativo da apresentação da declaração, sendo que, na posse dos comprovativos o titular da exploração do estabelecimento pode proceder à sua abertura ou modificação a partir da data prevista na respectiva declaração. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: N.º Diploma Legal Assunto 1 Decreto Legislativo Regional n.º 7/2008/M de 4 de Março de 2008 Adapta à Região Autónoma da Madeira o Decreto-Lei n.º 259/2007, de 17 de Julho, que estabelece o regime jurídico a que fica sujeita a instalação e modificação dos alimentar e de certos não alimentar e de prestação de serviços 2 3 Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, alterado pela Declaração n.º 5-B/2000, de 29/02, pelo Decreto-Lei n.º 177/2001, de 4/06, pela Declaração n.º 13- T/2001, de 30/06, pelas Leis n.º 15/2002, de 22/02 e nº 4-A/2003, de 19/02, pelo Decreto-Lei nº n.º 157/2006, de 08/08, pela Lei n.º 60/2007, de 04/09, pelos Decretos- Lei n.º 18/2008, de 29/01, n.º 116/2008, de 04/07 e n.º 26/2010, de 30/03 e pela Lei n.º 28/2010, de 02/09 Decreto-Lei n.º 156/2005, de 15 de Setembro, alterado pelos Decretos- Estabelece o regime jurídico da urbanização e edificação Estabelece a obrigatoriedade de disponibilização do livro de

4 4 5 6 Lei nº 371/2007, de 06 de Novembro, 118/2009, de 19 de Maio e 317/2009, de 30 de Outubro. Decreto Lei 259/2007, de 17 de Julho alterado pelo Decreto-Lei nº 209/2008 de 29 de Outubro no seu art.º 2º) Portaria n.º 789/2007, de 23 de Julho Portaria n.º 790/2007, de 23 de Julho 7 Portaria 791/2007 de 23 de Junho Decreto Lei 243/86 de 20 de Agosto Portaria nº 232/2008 de 11 de Março Decreto-Lei nº 220/2008 de 12 de Novembro 2008 reclamações a todos os fornecedores de bens ou prestadores de serviços que tenham contacto com o público em geral Aprova o regime de declaração prévia a que estão sujeitos os de produtos alimentares e alguns não alimentar e de prestação de serviços que podem envolver riscos para a saúde e segurança das pessoas. Fixa os requisitos específicos a que deve obedecer a instalação e funcionamento dos estabelecimentos abrangidos pelo Decreto-Lei n.º 259/2007 de 17 de Julho Define o modelo da declaração instituída pelo Decreto-Lei n.º 259/2007 de 17 de Julho. Identifica os tipos de estabelecimentos abrangidos pelo regime de declaração instituído pelo DL 259/2007 de 17 de Julho. Regulamento Geral de Higiene e Segurança do Trabalho nos Estabelecimentos Comerciais e de Escritórios. Atualiza os elementos que devem instruir os pedidos de informação prévia, de licenciamento e de autorização referentes a todos os tipos de operações urbanísticas que constavam da Portaria 1110/2001 de 19 de Setembro Estabelece o regime jurídico da segurança contra incêndios em edifícios ENTIDADES

5 Contactos: Inspeção Regional das Atividades Económicas Rua Direita, 27 3º andar Funchal Telf: Entidades competentes Câmara Municipal territorialmente competente Direcção-Geral das Atividades Económicas (cópia dos documentos entregues na câmara municipal) Entidades Fiscalizadoras ASAE Autoridade de Segurança Alimentar e Económica Câmara Municipal territorialmente competente Autoridades de saúde OBSERVAÇÕES: 1. Motivos de Recusa: Não cumprimento do legalmente estipulado e da apresentação do requerimento e dos elementos instrutórios 2. Meios litigiosos: a) Para a resolução de conflitos existem dois meios litigiosos: b) Recurso hierárquico nos termos do Código do Procedimento Administrativo (artigos 166.º e seguintes); c) Recurso contencioso nos termos Código de Processo dos Tribunais Administrativos (artigos 50.º e seguintes); d) Para a resolução dos litigiosos no âmbito do artigo 8.º - Dispensa de Requisitos é necessário a constituição de uma comissão arbitral que é constituída por um representante da Câmara Municipal, da DGAE, do interessado, da Associação de empregadores representativa do sector e um técnico especialista na matéria sobre a qual incide o litígio e que preside. Na falta de acordo o técnico é nomeado pelo presidente do tribunal central administrativo na circunscrição administrativa do Município. À Constituição e funcionamento desta comissão aplica-se o disposto na lei da arbitragem voluntária.

REQUERIMENTO PARA PEDIDO DE: REPRODUÇÃO SIMPLES REPRODUÇÃO AUTENTICADA. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra.

REQUERIMENTO PARA PEDIDO DE: REPRODUÇÃO SIMPLES REPRODUÇÃO AUTENTICADA. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra. 1/6 REQUERIMENTO PARA PEDIDO DE: Despacho: Espaço reservado aos serviços REPRODUÇÃO SIMPLES REPRODUÇÃO AUTENTICADA Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL UNIDADE ORGÂNICA DE OPERAÇÕES E SEGURANÇA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA REQUERIMENTO

Leia mais

FUNCHAL COMÉRCIO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CAE REV_3: 46750 COMÉRCIO POR GROSSO DE PRODUTOS QUÍMICOS

FUNCHAL COMÉRCIO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CAE REV_3: 46750 COMÉRCIO POR GROSSO DE PRODUTOS QUÍMICOS O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL COMÉRCIO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CAE REV_3:

Leia mais

(nome do requerente ou denominação social), contribuinte (pessoa singular ou coletiva) n.º, com morada ou sede social em (Rua,

(nome do requerente ou denominação social), contribuinte (pessoa singular ou coletiva) n.º, com morada ou sede social em (Rua, REQUERIMENTO DE PEDIDO DE CERTIDÃO DE DELIBERAÇÃO FUNDAMENTADA DE RECONHECIMENTO DO INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL NA REGULARIZAÇÃO DA ATIVIDADE PECUÁRIA (DL n.º 165/2014, de 5 de novembro) Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALBUFEIRA. Licenciamento industrial

CÂMARA MUNICIPAL DE ALBUFEIRA. Licenciamento industrial CÂMARA MUNICIPAL DE ALBUFEIRA Licenciamento industrial Sistema da Indústria Responsável - SIR (Decreto-Lei n.º 73/2015, de 11/5, com entrada em vigor em 1/06/2015) Eng.ª Jaquelina Ventura Albufeira, 12

Leia mais

Escolas de Condução - CAE 85530

Escolas de Condução - CAE 85530 O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL Escolas de Condução CAE 85530 ÂMBITO Ensino da

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÂO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

2º Passo Declaração de Início de Actividade e Inscrição no Ficheiro Central de Pessoas Colectivas 3º Passo Registo Comercial

2º Passo Declaração de Início de Actividade e Inscrição no Ficheiro Central de Pessoas Colectivas 3º Passo Registo Comercial O certificado de admissibilidade de firma é válido por cento e oitenta dias a contar da data da sua emissão. A Portaria nº 271/99, de 13 de Abril, veio considerar o empresário em nome individual como pessoa

Leia mais

PEDIDO DE RECEÇÃO PROVISÓRIA DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO E REDUÇÃO DA CAUÇÃO

PEDIDO DE RECEÇÃO PROVISÓRIA DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO E REDUÇÃO DA CAUÇÃO Registo n.º Data / / O Funcionário PEDIDO DE RECEÇÃO PROVISÓRIA DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO E REDUÇÃO DA CAUÇÃO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA NOTA INFORMATIVA. Alojamento Local

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA NOTA INFORMATIVA. Alojamento Local NOTA INFORMATIVA Alojamento Local (Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, alterado pelo Decreto-Lei n.º 63/2015, de 23 de Abril) Consideram-se estabelecimentos de Alojamento Local as moradias, apartamentos

Leia mais

TAXAS MUNICIPAIS ATIVIDADE URBANÍSTICA E OPERAÇÕES CONEXAS - 2014

TAXAS MUNICIPAIS ATIVIDADE URBANÍSTICA E OPERAÇÕES CONEXAS - 2014 CAPÍTULO II - SECÇÃO II - QUADRO I 1 Taxa a cobrar pela análise do requerimento inicial de informação prévia sobre as operações urbanísticas previstas no n.º 1, e n.º 2, para 1 unidade de ocupação, exceção

Leia mais

A Problemática do Ruído Ambiente na Perspectiva Municipal

A Problemática do Ruído Ambiente na Perspectiva Municipal A Problemática do Ruído Ambiente na Perspectiva Municipal Sónia Serra sonia.serra@cimlt.eu Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo Comemorações dos 30 anos da SPA A Comunidade Intermunicipal da Lezíria

Leia mais

Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador. Outro (especificar)

Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador. Outro (especificar) 1/6 REQUERIMENTO PARA PEDIDO DE INFORMAÇÃO PRÉVIA SOBRE: OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO OBRAS DE URBANIZAÇÃO OBRAS DE EDIFICAÇÃO OBRAS DE DEMOLIÇÃO ALTERAÇÃO DA UTILIZAÇÃO OUTRAS OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Despacho:

Leia mais

EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO REQUERENTE

EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO REQUERENTE EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO REQUERENTE Nome Morada Freguesia Código Postal N.º Ident. Fiscal N.º B.I./C.C. Válido até Telefone Telemóvel

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE REALIZAÇÃO DE ACAMPAMENTOS OCASIONAIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE REALIZAÇÃO DE ACAMPAMENTOS OCASIONAIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE REALIZAÇÃO DE ACAMPAMENTOS OCASIONAIS (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária de Assembleia

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização ALOJAMENTO LOCAL

Ficha Técnica de Fiscalização ALOJAMENTO LOCAL FTF: PPC/01//16 Versão: 01/ IDENTIFICAÇÃO Representante legal/proprietário/explorador Nº de registo /AL ASSINALAR A MODALIDADE DE Moradia Modalidade Apartamento Estabelecimento de Hospedagem (unidades

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo inteiramente. Remeta-se a presente Informação ao Sr. Director do DMGUF, Arq.º Aníbal Caldas. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 2010.03.23 N.º Inf: ( ) Ref.ª:

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão 1.0 Dezembro 2015

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão 1.0 Dezembro 2015 PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO Versão 1.0 Dezembro 2015 Índice 1. Objetivo... 2 2. Campo de aplicação... 2 3. Documentos de referência... 2 4. Qualificação de verificadores

Leia mais

ACT Afixações, Comunicações e Autorizações Obrigatórias

ACT Afixações, Comunicações e Autorizações Obrigatórias ACT Afixações, Comunicações e Autorizações Obrigatórias A recente alteração ao Trabalho que obriga as empresas (empregadores) a afixar a informação relativa aos direitos e deveres do trabalhador em matéria

Leia mais

CERTIDÃO MUNICÍPIO DE: CÓDIGO POSTAL: -

CERTIDÃO MUNICÍPIO DE: CÓDIGO POSTAL: - Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Coruche REGISTO DE ENTRADA Gestor do Procedimento: Contacto: Dia e hora de atendimento: N.º, de / /, Proc. N.º / Guia N.º /, O Funcionário CERTIDÃO IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

1. OBJETIVOS VISADOS E TIPOLOGIA DAS OPERAÇÕES OU INVESTIMENTOS A APOIAR

1. OBJETIVOS VISADOS E TIPOLOGIA DAS OPERAÇÕES OU INVESTIMENTOS A APOIAR FUNDO FLORESTAL PERMANENTE - DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS APOIO AO FUNCIONAMENTO DAS EQUIPAS DE SAPADORES FLORESTAIS 2016 a 2018 (Portaria n.º 77/2015, de 16 de março, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

4. Cópia da apólice do seguro de responsabilidade civil, que cubra os riscos do exercício da respetiva atividade

4. Cópia da apólice do seguro de responsabilidade civil, que cubra os riscos do exercício da respetiva atividade Câmara Municipal de Lisboa Junta de Freguesia OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA DO ESPAÇO PÚBLICO - LICENCIAMENTO Documentos a entregar 1. Requerimento 2. Cópia do documento de identificação do requerente (em função

Leia mais

Despacho Conjunto dos Ministérios do Ambiente e Saúde nº761/99 de 31 de Agosto Aprova o Plano Estratégico Sectorial dos Resíduos Hospitalares (PERH)

Despacho Conjunto dos Ministérios do Ambiente e Saúde nº761/99 de 31 de Agosto Aprova o Plano Estratégico Sectorial dos Resíduos Hospitalares (PERH) LEGISLAÇÃO NO ÂMBITO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES Resíduos Hospitalares Despacho Conjunto dos Ministérios do Ambiente e Saúde nº761/99 de 31 de Agosto Aprova o Plano Estratégico Sectorial dos Resíduos Hospitalares

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE O INÍCIO DOS TRABALHOS DE OBRAS COM

INFORMAÇÃO SOBRE O INÍCIO DOS TRABALHOS DE OBRAS COM Registo n.º Data / / O Funcionário INFORMAÇÃO SOBRE O INÍCIO DOS TRABALHOS DE OBRAS COM ISENÇÃO DE CONTROLO PRÉVIO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais IDENTIFICAÇÃO DO PROPRIETÁRIO (Preencher

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente. Orientação

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Secretaria Regional da Agricultura e Ambiente. Orientação Orientação Publicitação dos Projetos Financiados Pelo Programa de da Região Autónoma dos Açores A consulta desta norma não dispensa a leitura da legislação aplicável 2016 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3 2.

Leia mais

REGIÕES AUTÓNOMAS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO REGIÕES AUTÓNOMAS REPARTIÇÃO DO VOLUME ANUAL DE NEGÓCIOS

REGIÕES AUTÓNOMAS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO REGIÕES AUTÓNOMAS REPARTIÇÃO DO VOLUME ANUAL DE NEGÓCIOS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2015 03 R P MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS Volume global de negócios não isento REGIÕES AUTÓNOMAS 01 Nº DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ REGULAMENTO DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA A Câmara Municipal da Figueira da Foz, de acordo com o disposto no n.º 2 do artigo 67 do Código da Estrada, aprovado

Leia mais

MUNICÍPIO DE COIMBRA CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE COIMBRA CÂMARA MUNICIPAL CONCURSO PÚBLICO PARA A CEDÊNCIA DE UTILIZAÇÃO PRIVATIVA, CONSTRUÇÃO E EXPLORAÇÃO DE UM POSTO DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS, ESTAÇÃO DE SERVIÇO E DE UM ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS, A CONSTITUIR

Leia mais

AC. EM CÂMARA. (16) REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE CIRCUITOS TURÍSTICOS NO MUNICÍPIO DE VIANA DO CASTELO:- Pelo Vereador Luís Nobre foi apresentada a

AC. EM CÂMARA. (16) REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE CIRCUITOS TURÍSTICOS NO MUNICÍPIO DE VIANA DO CASTELO:- Pelo Vereador Luís Nobre foi apresentada a 1 AC. EM CÂMARA (16) REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE CIRCUITOS TURÍSTICOS NO MUNICÍPIO DE VIANA DO CASTELO:- Pelo Vereador Luís Nobre foi apresentada a proposta que seguidamente se transcreve:- REGULAMENTO

Leia mais

COMISSÃO DE GESTÃO DO EDIFÍCIO SADO

COMISSÃO DE GESTÃO DO EDIFÍCIO SADO DO EDIFÍCIO 1.º Objecto do presente regulamento O presente regulamento tem por objecto a fixação das competências da Comissão de Gestão do Edifício Sado (de ora em diante, CGES), a fixação das normas de

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes A minha empresa necessita de Licenciamento? O universo da Economia de Defesa inclui todas as organizações que no exercício da sua atividade desenvolvem ou têm potencial para desenvolver

Leia mais

1ª Alteração NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJECTOS / ELEMENTOS EM FORMATO DIGITAL

1ª Alteração NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJECTOS / ELEMENTOS EM FORMATO DIGITAL PROJECTOS / ELEMENTOS EM DIGITAL 1ª Alteração NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJECTOS / ELEMENTOS EM DIGITAL 1. Todos os elementos instrutórios de um processo/requerimento devem ser entregues em

Leia mais

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho e Despacho 10738/2011 de 30 de Agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho e Despacho 10738/2011 de 30 de Agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho e Despacho 10738/2011 de 30 de Agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Que entidades devem efetuar o registo na ANPC (Autoridade Nacional

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00011/2013 (S01364-201302)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00011/2013 (S01364-201302) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00011/2013 (S01364-201302) Nos termos do Artigo 27º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de setembro, com a redação conferida

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA, FORA DO CONTINGENTE, PARA O CONCELHO DE OVAR

CONCURSO PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA, FORA DO CONTINGENTE, PARA O CONCELHO DE OVAR CONCURSO PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA, FORA DO CONTINGENTE, PARA O CONCELHO DE OVAR Programa de Concurso Câmara Municipal de Ovar Novembro

Leia mais

B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS

B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS ASSOCIADOS AOS IMPOSTOS MUNICIPAIS E APOIOS E INCENTIVOS FINANCEIROS À REABILITAÇÃO 38 39 B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS ASSOCIADOS AOS IMPOSTOS MUNICIPAIS E APOIOS E

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. PROJECTO DE ARQUITECTURA Equipamento com função de apoio de praia

MEMÓRIA DESCRITIVA. PROJECTO DE ARQUITECTURA Equipamento com função de apoio de praia REMODELAÇÃO E ALTERAÇÃO DO EDIFÍCIO A ONDA Praia da Nazaré - Nazaré. MEMÓRIA DESCRITIVA PROJECTO DE ARQUITECTURA Equipamento com função de apoio de praia 1. DESCRIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO DA PROPOSTA Refere-se

Leia mais

ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União

ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO Nº 1, DE 13 DE JANEIRO DE 2010 Dispõe sobre os critérios

Leia mais

[NOVO] REGIME JURÍDICO DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO

[NOVO] REGIME JURÍDICO DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO [NOVO] REGIME JURÍDICO DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO 1. ENTRADA EM VIGOR: 1.1 Quando é que a reforma do RJUE operada pela Lei nº 60/2007, de 4 de Setembro entra em vigor? O artigo 7º, da Lei nº 60/2007,

Leia mais

Regulamento específico das zonas de estacionamento controlado da Praia da Rocha

Regulamento específico das zonas de estacionamento controlado da Praia da Rocha Regulamento específico das zonas de estacionamento controlado da Praia da Rocha Artigo 1.º Lei Habilitante O presente regulamento é elaborado e aprovado ao abrigo da competência prevista no artigo 241

Leia mais

ANÚNCIO 1. ENTIDADE ADJUDICANTE

ANÚNCIO 1. ENTIDADE ADJUDICANTE Anúncio Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio para celebração de contrato de cedência de utilização de diversos espaços, em edifícios municipais, para instalação e exploração

Leia mais

PARECER TÉCNICO N.º 014/SCM/2013 Processo ANP Nº 48610.000959/2012-35

PARECER TÉCNICO N.º 014/SCM/2013 Processo ANP Nº 48610.000959/2012-35 - 1 - PARECER TÉCNICO N.º 014/SCM/2013 Processo ANP Nº 48610.000959/2012-35 1. ASSUNTO Autorização para o Exercício da Atividade de Comercialização de Gás Natural e obtenção de Registro de Agente Vendedor

Leia mais

FICHA - NEGÓCIOS. Prestação de Serviços de Restauração ou Bebidas em unidades móveis ou amovíveis. Outubro 2015 GDEE OUTUBRO 0

FICHA - NEGÓCIOS. Prestação de Serviços de Restauração ou Bebidas em unidades móveis ou amovíveis. Outubro 2015 GDEE OUTUBRO 0 Prestação de Serviços de Restauração ou Bebidas em unidades móveis ou amovíveis Outubro 2015 0 Índice 1.Enquadramento da Atividade... 2 2. Licenciamento de Ocupação de Espaço Público... 3 3. Licenciamento

Leia mais

Formulário de Candidatura à Incubadora de Oficinas e Indústria no Loteamento Industrial de Figueira de Castelo Rodrigo

Formulário de Candidatura à Incubadora de Oficinas e Indústria no Loteamento Industrial de Figueira de Castelo Rodrigo Formulário de Candidatura à Incubadora de Oficinas e Indústria no Loteamento Industrial de Figueira de Castelo Rodrigo 1 IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE / REPRESENTANTE LEGAL Nome Morada: Código Postal: -

Leia mais

Movimento Associativo Socioeducativo do Município de Gondomar

Movimento Associativo Socioeducativo do Município de Gondomar Movimento Associativo Socioeducativo do Município de Gondomar Passos para a Constituição e a Legalização de uma Associação de Pais 1) Criação de uma Comissão Instaladora; 2) Elaboração dos Estatutos; 3)

Leia mais

CONTRATO DE PARCERIA

CONTRATO DE PARCERIA CONTRATO DE PARCERIA Entre:, legalmente representada por na qualidade de., legalmente representada por na qualidade de., legalmente representada por na qualidade de., legalmente representada por na qualidade

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08

NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 AM/01 FEVEREIRO/2009 TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DE PROPOSTA DE DEFINIÇÃO DE ÂMBITO DO EIA ÍNDICE: 1. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO DE ENQUADRAMENTO 3. TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS

Leia mais

Períodos de candidatura

Períodos de candidatura EDITAL Alberto Amaro Guedes Machado, António José Gonçalves Fonseca, Ernesto Fortunato Neves Santos, Carla Sofia da Silva Soares Maia e José Manuel da Fonseca Carvalho, Presidentes, respetivamente, da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI GUAÇU/SP Secretaria da Fazenda - Divisão de Arrecadação Setor de Cadastro Mobiliário CHECKLIST

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI GUAÇU/SP Secretaria da Fazenda - Divisão de Arrecadação Setor de Cadastro Mobiliário CHECKLIST PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI GUAÇU/SP Secretaria da Fazenda - Divisão de Arrecadação Setor de Cadastro Mobiliário CHECKLIST OBSERVAÇÃO: POR PROPOSTA DESTE SETOR SUGERIMOS ANTES DE EFETUAR OS PROCEDIMENTOS

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) AQUICULTURA (CARCINICULTURA E PISCICULTURA) CÓDIGO GRUPO/ATIVIDADES AQÜICULTURA (02.00) PPD AGRUPAMENTO NORMATIVO 02.01 Carcinicultura M 02.02 Carcinicultura Laboratórios

Leia mais

BOLONHA: GRANDES NÚMEROS ESTUDO 1

BOLONHA: GRANDES NÚMEROS ESTUDO 1 BOLONHA: GRANDES NÚMEROS ESTUDO 1 A concretização do Processo de Bolonha em Portugal teve início com a publicação dos Decretos- Lei n. os 42/2005, de 22 de Fevereiro, e 74/2006, de 24 de Março. Para além

Leia mais

1. Em todos os locais acima enumerados é admitido fumar nas áreas ao ar livre.

1. Em todos os locais acima enumerados é admitido fumar nas áreas ao ar livre. LEI ANTI-TABACO Lei n.º 37/2007, de 14 de Agosto I Locais onde será proibido fumar 1. Nos locais de trabalho (ou seja, todo o lugar onde o trabalhador se encontra e em que esteja, directa ou indirectamente,

Leia mais

Assunto: Procedimento do concurso público para a atribuição de licença de exploração de circuito turístico em autocarro, na cidade de Guimarães

Assunto: Procedimento do concurso público para a atribuição de licença de exploração de circuito turístico em autocarro, na cidade de Guimarães Assunto: Procedimento do concurso público para a atribuição de licença de exploração de circuito turístico em autocarro, na cidade de Guimarães CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objetivo

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO

GUIA PRÁTICO SUPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO GUIA PRÁTICO SUPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Suplemento Especial de Pensão (7017-A v4.13) PROPRIEDADE

Leia mais

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA DE PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES 1º EMPREGO E DESEMPREGADO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Dispensa de Pagamento de Contribuições 1º

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS HABITAÇÕES MUNICIPAIS DE RENDA CONDICIONADA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS HABITAÇÕES MUNICIPAIS DE RENDA CONDICIONADA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS HABITAÇÕES MUNICIPAIS DE RENDA CONDICIONADA Nota Justificativa O combate às condições degradantes de habitação é, entre outros, um passo essencial na luta contra a pobreza

Leia mais

Constituição de Empresas e Fiscalidade em Cabo Verde. João Afonso Fialho

Constituição de Empresas e Fiscalidade em Cabo Verde. João Afonso Fialho Constituição de Empresas e Fiscalidade em Cabo Verde João Afonso Fialho Sociedades Comerciais O potencial investidor externo pode constituir uma sociedade optando por qualquer tipo de sociedade previsto

Leia mais

Construção Sustentável

Construção Sustentável Construção Sustentável O Sistema de Certificação Energética e o seu Impacto Jornadas Certiel 2010, 16 Abril Sistema de Certificação Energética e de QAI Regulamentação dos edifícios Certificados Energéticos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA Diário da República, 1.ª série N.º 78 22 de abril de 2015 2013 Artigo 9.º [...] 1 Quem por si ou, mediante o seu consentimento ou ratificação, por interposta pessoa der ou prometer a pessoa prevista no

Leia mais

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL CXGOLBD_20160701 Caixa Gold CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS,

Leia mais

EDITAL. Arrendamento rural agrícola e/ou Arrendamento rural florestal de parcelas integrantes de Prédio Rústico pertencente ao Património Municipal

EDITAL. Arrendamento rural agrícola e/ou Arrendamento rural florestal de parcelas integrantes de Prédio Rústico pertencente ao Património Municipal EDITAL Arrendamento rural agrícola e/ou Arrendamento rural florestal de parcelas integrantes de Prédio Rústico pertencente ao Património Municipal Ricardo João Barata Pereira Alves, Eng.º, Presidente da

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA. 2014Jul29. Documento. Data. Conselho Pedagógico. Científico.

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA. 2014Jul29. Documento. Data. Conselho Pedagógico. Científico. Documento Data Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA 2014Jul29 Conselho Pedagógico Conselho Científico Conselho Direção Técnico- de REVISÃO DO DOCUMENTO Versão Alteração Por Data

Leia mais

UNIÃO DE ASSOCIAÇÕES DO COMÉRCIO E SERVIÇOS

UNIÃO DE ASSOCIAÇÕES DO COMÉRCIO E SERVIÇOS UNIÃO DE ASSOCIAÇÕES DO COMÉRCIO E SERVIÇOS UNIÃO DE ASSOCIAÇÕES DO COMÉRCIO E SERVIÇOS 1 Qual o diploma legal que regula a venda com redução de preços sob a forma de Promoções, Saldos e Liquidação? -

Leia mais

CARTA DE CAÇADOR CARTA DE CAÇADOR

CARTA DE CAÇADOR CARTA DE CAÇADOR CARTA DE CAÇADOR CARTA DE CAÇADOR INDÍCE Requisitos para obter carta de caçador Especificações Validade Concessão, renovação, 2.ºs vias e alteração de dados Quando requerer Renovação de cartas de caçador

Leia mais

LEGALIZAÇÃO DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO SUJEITAS A COMUNICAÇÃO PRÉVIA

LEGALIZAÇÃO DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO SUJEITAS A COMUNICAÇÃO PRÉVIA OBJETIVO Definir o modo de instrução do pedido de legalização de obras de edificação sujeitas a comunicação prévia (obras de construção, reconstrução, alteração ou ampliação), nos termos das alíneas a),

Leia mais

3/2014 Lei n.º 3/2014 Regime do Cartão de Segurança Ocupacional na Construção Civil

3/2014 Lei n.º 3/2014 Regime do Cartão de Segurança Ocupacional na Construção Civil 3/2014 Lei n.º 3/2014 Regime do Cartão de Segurança Ocupacional na Construção Civil Assembleia Legislativa da Região Administrativa Especial de Macau REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Lei n.º 3/2014

Leia mais

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4)

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4) INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10118 VÁLIDO ATÉ 2013/12/31 Contactos para resposta

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA Nº 246

CIRCULAR INFORMATIVA Nº 246 CIRCULAR INFORMATIVA Nº 246 LEGISLAÇÃO NACIONAL 23-12-2015 CERTIFICADOS ELECTRÓNICOS PARA GRANDES UTILIZADORES (CDI) Exmos. Senhores Associados, Visando atender às necessidades das empresas suas associadas

Leia mais

NET ZERO ENERGY BUILDING Adeilton Hilário Júnior

NET ZERO ENERGY BUILDING Adeilton Hilário Júnior NET ZERO ENERGY BUILDING Adeilton Hilário Júnior 1 - PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL MUNDIAL O aquecimento global é um dos mais graves problemas com que se depara o Planeta Terra. Aumento da concentração de gases

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO AOS PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS

O DIREITO DE ACESSO AOS PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS I. Enquadramento Geral Entende-se por procedimento administrativo a sucessão ordenada de atos e formalidades tendentes à formação e manifestação da vontade da Administração Pública ou à sua execução. Sendo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SAREC Nº 01, de 02 de janeiro de 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA SAREC Nº 01, de 02 de janeiro de 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA SAREC Nº 01, de 02 de janeiro de 2014 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados nos processos administrativos relativos à baixa de inscrição. O SECRETÁRIO MUNICIPAL ADJUNTO DA

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 27/2012 - (BO N.º 9, 17.09.2012)

INSTRUÇÃO N.º 27/2012 - (BO N.º 9, 17.09.2012) INSTRUÇÃO N.º 27/2012 - (BO N.º 9, 17.09.2012) Temas ESTATÍSTICAS Estatísticas das Operações com o Exterior ASSUNTO: Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior No uso das competências atribuídas

Leia mais

Embarcações e Equipamentos Autorizados a Consumir Gasóleo Colorido e Marcado na Atividade Aquícola Marinha INSTRUÇÕES

Embarcações e Equipamentos Autorizados a Consumir Gasóleo Colorido e Marcado na Atividade Aquícola Marinha INSTRUÇÕES Embarcações e Equipamentos Autorizados a Consumir Gasóleo Colorido e Marcado na Atividade Aquícola Marinha INSTRUÇÕES INDICE 1. Enquadramento legal... 2 2. Candidaturas... 2 a) Quem se pode candidatar

Leia mais

Regulamento de Utilização do Teatro Municipal Baltazar Dias

Regulamento de Utilização do Teatro Municipal Baltazar Dias Regulamento de Utilização do Teatro Municipal Baltazar Dias Nota justificativa Considerando que o Teatro Municipal Baltazar Dias é um espaço nobre da cidade do Funchal, cuja finalidade é a apresentação

Leia mais

TABELA DE TAXAS 2014

TABELA DE TAXAS 2014 TABELA DE TAXAS 2014 PORTARIA Nº314/2010 de 14/06 Anexo ponto I.1 1. Trabalhos de caracterização de acústica ambiental e de acústica de edifícios - Período normal Nº de caracterizações acústicas de níveis

Leia mais

Como registrar uma empresa. Administração farmacêutica Leandro Verçoza, Luiz Batista, Suhelen Comarú

Como registrar uma empresa. Administração farmacêutica Leandro Verçoza, Luiz Batista, Suhelen Comarú Como registrar uma empresa Administração farmacêutica Leandro Verçoza, Luiz Batista, Suhelen Comarú Código civil Departamento Nacional de Registro do Comércio DNRC, determinou que a partir de 11/01/2003,

Leia mais

DIVISÃO DE URBANISMO. Hasta Pública de Terrenos. Do dia 15 de Abril de 2008, pelas 10.00 horas. Condições Gerais

DIVISÃO DE URBANISMO. Hasta Pública de Terrenos. Do dia 15 de Abril de 2008, pelas 10.00 horas. Condições Gerais DIVISÃO DE URBANISMO Hasta Pública de Terrenos Do dia 1 de Abril de 2008, pelas 10.00 horas Condições Gerais 01. De acordo com a deliberação tomada em reunião de 2 de Janeiro de 2008, a Câmara Municipal

Leia mais

CASA PRONTA. Perguntas & Respostas

CASA PRONTA. Perguntas & Respostas CASA PRONTA Perguntas & Respostas 1. O que é o balcão Casa Pronta? O Casa Pronta é um balcão único onde é possível realizar todas as operações relativas à compra e venda de casa (prédios urbanos). Neste

Leia mais

ASSUNTO: Fundo de Garantia de Depósitos (FGD). Reporte de saldos de depósitos para cálculo das contribuições anuais relativas ao exercício de 1997

ASSUNTO: Fundo de Garantia de Depósitos (FGD). Reporte de saldos de depósitos para cálculo das contribuições anuais relativas ao exercício de 1997 Banco de Portugal Carta-Circular nº 14/97/DSB, de17-02-1997 ASSUNTO: Fundo de Garantia de Depósitos (FGD). Reporte de saldos de depósitos para cálculo das contribuições anuais relativas ao exercício de

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016

Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 SEGURANÇA SOCIAL Pedido de Licenciamento Atualizado em: 06-04-2016 Esta informação destina-se a Estabelecimentos e Apoio Social que queiram exercer atividade. O que é Os estabelecimentos de apoio social

Leia mais

Regulamento Interno. Campo de Férias Não Residencial

Regulamento Interno. Campo de Férias Não Residencial Regulamento Interno Campo de Férias Não Residencial O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial da Quinta Pedagógica do Pomarinho visa definir com objectividade todos os Direitos

Leia mais

M U N I C Í P I O D E O L I V E I R A D O H O S P I T A L C Â M A R A MUNICIPAL

M U N I C Í P I O D E O L I V E I R A D O H O S P I T A L C Â M A R A MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E ARRENDAMENTO DO PAVILHÃO INDUSTRIAL DA CORDINHA Preâmbulo A criação e disponibilização de infraestruturas para instalação de unidades industriais constitui um importante instrumento

Leia mais

Obrigações Legais dos Estabelecimentos Prestadores de Serviços de apoio social

Obrigações Legais dos Estabelecimentos Prestadores de Serviços de apoio social SEMINÁRIO GUARDA 17 de Junho de 2016 Obrigações Legais dos Estabelecimentos Prestadores de Serviços de apoio social Filomena Duros Inspetora da Delegação da ASAE de Castelo Branco D.L nº 33/2014 de 4 de

Leia mais

28 de abril - Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho Jorge Maia Alves Subdiretor

28 de abril - Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho Jorge Maia Alves Subdiretor 28 de abril - Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho Jorge Maia Alves Subdiretor 1 Ações em curso no âmbito da segurança e saúde do Trabalho em Ciências ext. 24126 sht@ciencias.ulisboa.pt 4

Leia mais

FORMULÁRIO CANDIDATURA PORTA 65 - JOVEM. Dados gerais. 15 Anexos Apresentados Nº. 1 do Art. 13º do DL 43/2010, de 30/Abril

FORMULÁRIO CANDIDATURA PORTA 65 - JOVEM. Dados gerais. 15 Anexos Apresentados Nº. 1 do Art. 13º do DL 43/2010, de 30/Abril FORMULÁRIO Dados gerais 1 Candidatura Nº. 2 Período 3 Tipo de agregado Isolado Jovem Casal Jovens em Coabitação 4 Matriz da habitação arrendada Distrito 5 Tipologia da habitação arrendada Concelho Freguesia

Leia mais

INSTITUTO DA MOBILIDADE E DOS TRANSPORTES TERRESTRES

INSTITUTO DA MOBILIDADE E DOS TRANSPORTES TERRESTRES INSTITUTO DA MOBILIDADE E DOS TRANSPORTES TERRESTRES REGULAMENTO PARA AUTORIZAÇÃO DE ORGANISMOS NOTIFICADOS Diversos normativos no ordenamento nacional em matéria ferroviária atribuem um conjunto de tarefas

Leia mais

Dossier Promocional. Edifício em Portimão Rua 5 de Outubro nº 6

Dossier Promocional. Edifício em Portimão Rua 5 de Outubro nº 6 Dossier Promocional Edifício em Portimão Rua 5 de Outubro nº 6 1 Índice 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Edifício 4. Descrição Detalhada 5. Condições de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP) ministrados

Leia mais

Análise ao quadro de competências das Juntas de Freguesia

Análise ao quadro de competências das Juntas de Freguesia Análise ao quadro de competências das Juntas de Freguesia Lei n.º75/2013, de 12 de setembro 1. Introdução Este documento pretende enquadrar as principais alterações introduzidas pela Lei n.º75/2013, de

Leia mais

Código de Boas Práticas para a correta Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RC&D) Serviço de Ambiente

Código de Boas Práticas para a correta Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RC&D) Serviço de Ambiente Código de Boas Práticas para a correta Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RC&D) Serviço de Ambiente Breves Notas O desenvolvimento económico e social lança-nos novos desafios que se traduzem

Leia mais

COMO FORMALIZAR UMA CANDIDATURA A PROCEDIMENTO CONCURSAL

COMO FORMALIZAR UMA CANDIDATURA A PROCEDIMENTO CONCURSAL COMO FORMALIZAR UMA CANDIDATURA A PROCEDIMENTO CONCURSAL 1 Índice: Preenchimento do Formulário de Candidatura ao Procedimento Concursal Código de Identificação do Processo e Caracterização do Posto de

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA O PARQUE DE ESTACIONAMENTO JUNTO AO TRIBUNAL DE CAMINHA

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA O PARQUE DE ESTACIONAMENTO JUNTO AO TRIBUNAL DE CAMINHA REGULAMENTO MUNICIPAL PARA O PARQUE DE ESTACIONAMENTO JUNTO AO TRIBUNAL DE CAMINHA Regulamento Municipal do Parque de Estacionamento Junto ao Tribunal de Caminha Considerando a necessidade da Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO MUNICIPAL DE BRAGANÇA Tendo em conta o aumento da utilização do Aeródromo Municipal de

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO MUNICIPAL DE BRAGANÇA Tendo em conta o aumento da utilização do Aeródromo Municipal de REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO MUNICIPAL DE BRAGANÇA Tendo em conta o aumento da utilização do Aeródromo Municipal de Bragança nos últimos anos, torna-se necessário estabelecer

Leia mais

REGULAMENTO DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE ESPINHO

REGULAMENTO DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE ESPINHO Proposta de Projeto de FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE ESPINHO Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 10/2015, de 16 de janeiro, que veio aprovar e instituir o Regime Jurídico de Acesso

Leia mais

Propinas para licenciaturas Valor anual da propina: 999,00 Modalidades de pagamento: (Ver tabela) ato matrícula 999,00 MOD.1

Propinas para licenciaturas Valor anual da propina: 999,00 Modalidades de pagamento: (Ver tabela) ato matrícula 999,00 MOD.1 BEM-VINDO! Processo de Matrículas 2016/2017 LICENCIATURAS As matrículas para o ano letivo 2016/2017 dos alunos colocados (na primeira fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior, Reingresso,

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1 / 5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:179698-2016:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: BEI - Serviços de comunicação da rede de área alargada e da rede da

Leia mais

Vale Inovação. Dezembro de 2011. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME)

Vale Inovação. Dezembro de 2011. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) 1 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) Projecto Simplificado de Inovação Dezembro de 2011 2 Enquadramento: Apoiar de forma simplificada a aquisição de

Leia mais

Relatório Anual sobre a Prestação do Serviço de Interruptibilidade

Relatório Anual sobre a Prestação do Serviço de Interruptibilidade sobre a Prestação do Serviço de Interruptibilidade Janeiro de 212 ÍNDICE 1 Sumário Executivo... 3 2 Enquadramento Legislativo... 4 3 Caracterização da Prestação do Serviço de Interruptibilidade... 6 4

Leia mais

Campanha de Segurança e Saúde no Trabalho da Condução Automóvel Profissional

Campanha de Segurança e Saúde no Trabalho da Condução Automóvel Profissional Campanha de Segurança e Saúde no Trabalho da Condução Automóvel Profissional A formação dos condutores profissionais 5 de maio de 2016 1 Campanha de Segurança e Saúde no Trabalho da Condução Automóvel

Leia mais