A Rede em Rede uma estratégia de implementação da política de Educação Continuada da Secretaria de Estado da Educação de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Rede em Rede uma estratégia de implementação da política de Educação Continuada da Secretaria de Estado da Educação de São Paulo"

Transcrição

1 1 Tema: Educação à Distância nos Sistemas Educacionais Trilha: EAD nos Sistemas de Ensino A Rede em Rede uma estratégia de implementação da política de Educação Continuada da Secretaria de Estado da Educação de São Paulo Beatriz Scavazza Fundação Carlos Alberto Vanzolini Paulo Barbosa FDE Fundação para o Desenvolvimento da Educação Sonia Maria Silva CENP Coordenadoria de Normas Pedagógicas Resumo Para efetivar sua política educacional, a Secretaria de Estado da Educação de São Paulo, SEE/SP, está implementando um Programa de Formação Continuada com o uso extensivo de novas Tecnologias de Informação e Comunicação: o Programa Teia do Saber. Para apoiar esse Programa a SEE conta com a maior rede de alta velocidade para Internet e Vídeo-conferência do país na área pública, com mais de 100 pontos de videoconferência e computadores espalhados em cerca de 90 cidades do Estado é a Rede do Saber. A experiência que deu origem a esta rede de mídias interativas começou com a informatização dos setores administrativos das escolas e chegou ao seu auge nos últimos dois anos com a instalação das mais modernas tecnologias para a construção do ambicioso PEC-Formação

2 2 Universitária, um programa que atingiu com sucesso professores da rede estadual, que concluíram programa em nível superior (graduação) em parceria com a USP, UNESP e PUC/SP. O parque tecnológico da Rede do Saber criada para o PEC-Formação Universitária está disponível para toda a rede estadual e agora se generaliza para outras ações do Programa Teia do Saber, capaz de atender demandas que exijam uma atuação simultânea, em rede e em larga escala. 1. Secretaria de Estado da Educação de São Paulo: uma organização que aprende Para efetivar sua política educacional, a Secretaria de Estado da Educação do Estado de São Paulo, SEE/SP, define-se como uma Organização de Aprendizagem e está implementando um Programa de Formação Continuada com o uso extensivo de novas Tecnologias de Informação e Comunicação. Uma Organização de Aprendizagem caracteriza-se, sobretudo, pela disposição orgânica permanente de avaliação crítica e transformação criativa de suas práticas e conceitos; busca alinhar as ações de seus diversos agentes a partir do desenvolvimento de formas de pensamento sistêmico e da construção de diferentes concepções e de objetivos comuns. Para tanto, é necessária a incorporação cotidiana desses processos como aprendizagem de formas comuns do planejamento, execução, acompanhamento, avaliação e apropriação dos resultados, tanto dos aspectos da gestão educacional quanto dos didático-pedagógicos. Além disso, deve haver o reconhecimento de que tais aspectos condicionam-se mutuamente e, por isso, também precisam ser tratados não apenas como campos específicos e isolados, mas de modo articulado interna e externamente em todas as ações da SEE, como é o caso dos processos de aprendizagem da organização. Todo esse processo, cujo núcleo é a aprendizagem, precisa e deve ser desenvolvido e implementado de modo coletivo, preferencialmente em situações de formação em serviço, no enfrentamento das reais condições de operação, além de manter-se firmemente focado no aprimoramento dos

3 3 resultados. Processos pouco participativos não garantem que haja uma transformação orgânica, mas apenas em nichos específicos da organização que tendem a se distanciar e mesmo se antagonizar com os demais; situações de aprendizagem diferentes das situações reais de operação, ainda que simuladas, implicam um grau extra de abstração e um sobre-esforço na transposição do aprendido. Por fim, todo o processo de evolução da organização busca a melhoria dos seus resultados e esse compromisso precisa ser acompanhado sistematicamente para retroalimentar a aprendizagem e as ações dela decorrentes. Uma Organização de Aprendizagem se desenvolve na ação e, portanto, não há um tempo ou local específico para aprender, pois essa preocupação é uma constante em todos os planejamentos e ações. No entanto, essas aprendizagens realizadas a todo instante, em toda a organização, precisam ser sistematizadas, consolidadas, formalizadas e socializadas para que haja vantagens sistêmicas. Também é necessário considerar que o conhecimento pode ser construído baseado em teorias e outras experiências relevantes não diretamente relacionadas à operação, o que uma vez mais reforça a necessidade de se assegurar ações formais de ensino e de aprendizagem. No caso da SEE/SP, quer pelo seu tamanho em número de integrantes, pela sua extensão geográfica ou mesmo pela variedade e quantidade de processos e necessidades, é indispensável um Programa que dê organicidade a essas ações, além de prover as condições de logística e, em muitos casos, de infraestrutura. O Programa Teia do Saber configura-se como a estratégia da SEE para articular-se enquanto uma Organização de Aprendizagem. Para apoiar fortemente esta estratégia surge a Rede do Saber. A Rede do Saber configura-se como a maior rede de alta velocidade para Internet e Vídeo-conferência do país na área pública, com mais de 100 pontos de videoconferência e computadores espalhados em cerca de 90 pontos do Estado. O objetivo principal é garantir a unidade na diversidade das ações locais provendo meios para que a rede pública de ensino atue estrategicamente em rede, na articulação e gestão do conhecimento que produz.

4 4 Até recentemente o único modo de promover a educação continuada na rede era por meio de cursos e capacitações que exigiam a presença de todos nos locais de formação. Esse modelo exigia grandes esforços logísticos, desperdiçava parte da energia das pessoas em longos deslocamentos e tinha custos financeiros freqüentemente mais altos com deslocamentos, estadias e pagamentos de substituições, do que com o evento em si. É claro que esse modelo dificultava a abrangência das formações, pois exige a ausência do serviço, o que no caso dos professores repercute de modo indesejado na escola. Pelas mesmas razões, evitavam-se formações com programas extensos, geralmente limitando-se a uns poucos dias. Essas formações acabavam atendendo a um pequeno número de pessoas simultaneamente o que acarretava longos prazos para fazê-las disseminar por parte significativa da rede. Por fim, uma vez terminados os eventos de formação, os atores retornavam para seus postos de trabalho e raramente recebiam qualquer acompanhamento ou apoio no sentido de facilitar a implementação dos conhecimentos desenvolvidos. A mudança dessa situação, que começou com a informatização dos setores administrativos das escolas, chegou ao seu auge nos últimos dois anos, com a instalação das mais modernas tecnologias para a construção do ambicioso PEC-Formação Universitária, um programa que atingiu com sucesso quase professores da rede, que concluíram programa em nível de superior (graduação, licenciatura plena) em parceria com a USP, UNESP e PUC/SP. 2. Inovação e Ineditismo O parque tecnológico da Rede do Saber, criada para o Programa PEC- Formação Universitária, está disponível e agora se generaliza para outras ações do programa, capaz de atender demandas que exijam uma atuação simultânea, em rede e em larga escala.

5 5 Trata-se da maior rede interna de alta velocidade do país, parte da IntraGov do Estado de São Paulo. Ao todo são mais de 100 salas de videoconferência, cada uma com capacidade para 40 pessoas, além de cerca de computadores em mais de 100 laboratórios em 89 localidades espalhadas estrategicamente pelo Estado, totalmente integrados em uma rede interativa. Essa infra-estrutura ainda conta com mais de 100 salas para dinâmicas comportando 40 pessoas cada. Para garantir a conexão e a utilização articulada desses pontos da rede, os ambientes estão conectados à Central de Operações da Secretaria da Educação, que controla o fluxo de dados, imagens e voz dos 9 estúdios de geração de videoconferência, alocados na Praça da República (3), Largo do Arouche (4), Centro de Referência em Educação Mário Covas (1), e na própria Central de Operação da Rede do Saber(1). A Rede do Saber foi implementada ao longo dos dois últimos anos com o suporte de uma instituição ligada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini. O trabalho de implantação tecnológica consistiu em garantir as melhores soluções de infra-estrutura de hardware, software e conexão para as necessidades da SEE/SP, e do desenvolvimento de processos de produção nesse novo ambiente, além da capacitação dos envolvidos. Com a criação da Rede do Saber, o conceito de educação continuada como uma necessidade para o desenvolvimento permanente da organização permite que as atividades de capacitação em serviço de todos os quadros da SEE sejam ampliadas e aceleradas, garantindo-se o monitoramento de sua efetividade e com um custo significativamente menor. 3. Público-alvo das ações.

6 6 A rede pública estadual de educação abrange cerca de 6 mil escolas, 200 mil professores e quase de 6 milhões de alunos, e suas demandas, tanto as de cada função, quanto às de cada instância e mesmo aquelas de contextos específicos devem ser atendidas simultaneamente e na maior brevidade. É este o público-alvo da Rede do Saber. que deverá dar suporte às ações de formação em serviço dos profissionais de ensino da rede pública estadual em seus processos de aperfeiçoamento permanente que potencialmente possam resultar no aprimoramento das práticas escolares. Objetiva não apenas garantir a contínua melhoria da qualidade dos processos educativos e conseqüentemente da aprendizagem como, também, que essa aprendizagem promova a inserção social participativa e democrática. Por meio dessa aprendizagem constante, a SEE pretende implementar um modelo didático-pedagógico e de gestão educacional capaz de adaptar-se simultaneamente às transformações da sociedade e mesmo influenciá-las. Por essas razões, na medida em que passa a ser um programa de estruturação macro-política da SEE, a Teia do Saber ganha a mais alta relevância entre as ações desta Secretaria. O mais importante, no entanto, é que toda essa infra-estrutura de aprendizagem está amplamente articulada em uma rede que é, hoje, a maior intranet de alta-velocidade do país e uma das maiores do mundo aplicadas à educação, a Rede do Saber. Essa articulação em rede é o diferencial capaz de permitir que as ações de educação continuada possam, a um só tempo, serem implementadas em larga escala, em profundidade e simultaneamente, sem com isso obstruir ou deixar de incentivar as ações locais que atendam apenas núcleos muito específicos de necessidades. Uma rede desse porte permite o constante mapeamento, monitoramento, registro e socialização sistemática dos saberes locais e pessoais, por meio da criação de comunidades de prática virtuais, além de disseminar generalizadamente ou para núcleos específicos as ações centrais da SEE/SP. 4. Efetividade

7 7 O PEC- Formação Universitária foi o programa que permitiu a implantação e validação de parte dos processos produtivos. De fato, o êxito pôde ser comprovado pelo resultado do programa, com quase professores efetivos da rede estadual de ensino fundamental sendo graduados (licenciatura plena) em pouco menos de dois anos, uma tarefa bastante ambiciosa em se tratando de uma primeira experiência. Mas o fato é que essa experiência, justamente por suas condições complexas de execução, abriu perspectivas inusitadas e poderosas para as ações de educação continuada da SEE, nos convidando a rever os modelos de capacitação até aqui adotados. Está claro, por exemplo, que as ações presenciais e a distância irão, daqui para frente, se alternar, se imiscuir e se complementar enquanto modalidades de capacitação. Desde meados de 2002, a Rede do Saber vem expandindo sua infra-estrutura e generalizando seus processos de produção que inicialmente buscavam atender apenas às necessidades do PEC Formação Universitária. Esse processo está apenas começando com os novos programas em implantação, como é o caso do PEC Construindo Sempre, do PEC Magistério Indígena, da capacitação do Sistema GDAE Gestão Dinâmica de Administração Escolar e do PEC Formação Universitária Municípios. Já há um conjunto de competências estabelecidas, como a gestão de contratos com fornecedores incomuns em situações de ensino convencionais; a produção, de modo integrado, de materiais de capacitação em todas as mídias como CD-ROM, impresso, VHS, Internet, além da roteirização de teleconferências, videoconferências ou, então, o suporte e a capacitação de professores e parceiros (universidades etc) na melhor utilização dos meios tecnológicos disponíveis e, ainda, o monitoramento ininterrupto da infraestrutura de rede espalhada por todo o Estado. Esses processos estão dando suporte à depuração de uma matriz metodológica e um modelo de gestão compartilhada organizados para

8 8 sustentar as atividades da Rede do Saber como suporte às ações globais da TEIA DO SABER da SEE/SP. A Gestão da Operação dessa rede é extremamente complexa e tem exigido a conjugação de competências capazes de, a um só tempo, abranger os aspectos de infra-estrutura tecnológica, informática, comunicação, logística, engenharia e especialmente educação, campo com o qual todos os demais se articulam. Essa gestão tem trabalhado com a inovação tecnológica, a gestão de conhecimento e a necessidade constante de induzir desenvolvimento em todas as instâncias da SEE/SP, das competências necessárias para a gestão de um trabalho que não se dá mais de modo isolado, mas efetivamente em rede. 5. Facilidade de Reprodução Com a infra-estrutura da Rede do Saber, soma-se às possibilidades de ação local e descentralizada já existentes, os veículos necessários para que a SEE possa difundir em rede simultânea e em larga escala suas ações de formação continuada. Também se viabiliza o trabalho de acompanhamento e monitoramento das ações descentralizadas, agregando as qualidades orgânicas a essas ações; significa dizer que as ações descentralizadas não serão mais isoladas, pois agora podem passar a integrar um sistema compartilhável pelo conjunto da rede pública de educação. A instalação e disseminação do uso de tecnologias de informação e comunicação em rede criam, portanto, as condições para que se possa inaugurar um processo de gestão de conhecimento do sistema educacional do Estado. A gestão de conhecimento é um processo que busca garantir que a organização incorpore todos aqueles conhecimentos necessários para seu pleno desenvolvimento, inclusive e especialmente aqueles que tipicamente não estão formalizados e se encontram nas práticas dos seus diversos atores. Isso só é possível quando o sistema organiza-se e instrumentaliza-se de modo a induzir a organização e socialização dos seus saberes. A atuação em rede é um passo fundamental nessa direção, ao que se segue o monitoramento das iniciativas sua análise e orientação.

9 9 6. Conclusão Dada a complexidade da experiência, que aspectos podemos apontar como essenciais para a implantação e gestão de tal rede de formação continuada para agentes educacionais? Um olhar retrospectivo sobre nossa experiência mostra que, possivelmente, o pressuposto maior que orientou boa parte das nossas ações foi o de buscar constantemente o ponto exato da articulação adequada entre aspectos relativos a infraestrutura tecnológica que uma Rede como esta requer em função de suas finalidades educacionais. Esta busca determinou decisões relativas a diferentes aspectos que consideramos fundamentais para o sucesso da experiência: o Interdisciplinaridade na composição e no trabalho das equipes Seja no que diz respeito à composição de um Comitê Gestor, no qual as grandes decisões eram tomadas, seja na constituição de Grupos de Trabalhos, permanentes ou provisórios, seja ainda na constituição das diferentes equipes internas de operações, a experiência nos mostrou que a eficácia das ações e a possibilidade de acumular saberes a respeito delas nasce do exame e da consideração de maior número possível de aspectos envolvidos nas questões, por mais triviais que elas pareçam ser. Daí a necessidade de submetê-las sempre a olhares de profissionais de diferentes áreas, formações ou origens, de tal forma que, sobre as necessidades de natureza prática/técnica possa ser feita uma teorização e, igualmente, que as demandas de natureza teórica/educacional possam encontrar uma forma de se tornarem viáveis, tecnicamente falando. o Uso de ferramentas de gestão do trabalho O registro do fluxo do trabalho e do histórico dos projetos foi fundamental para possibilitar a organização e a circulação de informações, assim como a comunicação entre os membros da equipe. Daí a necessidade de criar,

10 10 disponibilizar e aperfeiçoar constantemente ambientes de gestão do trabalho cooperativo. o Mediação do processo de produção de saberes, de ações pedagógicas e de materiais didáticos Na medida em que a Rede do Saber divulga saberes, propões ações pedagógicas, realiza e distribui materiais didáticos propostos por parceiros, instituições ou órgãos externos (tais como as Universidades, por exemplo), foi essencial manter uma equipe capacitada a estabelecer uma interlocução qualificada com as instituições para realizar uma mediação no processo de transformar aquilo que era a proposta, a demanda ou o desejo original das instituições em saberes, ações e materiais adequados às mídias em que seriam divulgados, acessíveis ao público alvo, didaticamente tratados, internamente coerentes, esteticamente coesos, enfim, ajustados para garantir uma boa recepção. Outra função essencial de tal equipe foi a de realizar um acompanhamento sistemático das ações dos formadores junto ao público alvo. o Estabelecimento de critérios e conteúdos para ações de formação/capacitação dos diversos agentes A necessidade de garantir o pressuposto geral enunciado anteriormente também determinou que as ações de formação/capacitação fossem não só continuadas, mas freqüentemente repensadas e redimensionadas, no que diz respeito tanto aos agentes internos à equipe de gestão da Rede, quanto aos agentes externos, ou seja, aqueles que atuam mais diretamente com o público alvo. É assim que para aqueles agentes que inicialmente considerávamos ser necessário garantir uma capacitação meramente técnica, (na manipulação de ferramentas, por exemplo), percebeu-se ser imprescindível conjugar a ela a sua dimensão pedagógica para que as ações ganhassem significado e eficácia.

11 11 7. Bibliografia Ehrman, M. (1990) Psychological factors and distance education. American Journal of Distance Education 5 (1), Eisenberg, E e T. Dowsett (1990) Student dropout from a distance education project course. A new method analysis. Distance Education 11 (2), Garrison (1993) Quality and access in distance education: theoretical considerations. In Keegan, D. (ed) Theoretical principles of distance education pp London and New York: Routledge. Garrison, D. R. (1995). Constructivism and the role of self-instructional course materials, Distance Education, 16(1): Harasim, L (1989). On-line education: a new domain. In Mason e Kaye (Eds.) Mindweave: Communication, Computers and Distance Education.Oxford: Pergamon. On-line: Harasim, L., Calvert, T. & Groeneboer, C. (1997) A web-based system for support collaborative learning. In Khan (ed.) Web-Based Instruction, Englewood Cliffs, NJ. Educational Technology Publications Harasim, L.; Hiltz, S.; Teles, L. & Turoff, M. (1996). Learning networks. MIT Press. Moore, M. G. (1993) Theory of transactional distance. In Keegan, D. (ed) Theoretical principles of distance education London and New York: Routledge Parker, Angie (1999) A study of variables that predict dropout from distance education. International Journal of Educational Technology, December 1999, v1 n2.

12 12

O USO DA VIDEOCONFERÊNCIA COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO NOS PROJETOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

O USO DA VIDEOCONFERÊNCIA COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO NOS PROJETOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA O USO DA VIDEOCONFERÊNCIA COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO NOS PROJETOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA São Paulo SP Abril 2012 Categoria Métodos e Tecnologias Setor Educacional Educação Continuada em geral Classificação

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA Mônica Mota Tassigny Professora doutora da Universidade de Fortaleza, UNIFOR, Brasil 1. INTRODUÇÃO Numa sociedade mundial, na qual

Leia mais

Dias, Paulo (2004). Comunidades de aprendizagem e formação on-line. Nov@ Formação, Ano 3, nº3, pp.14-17

Dias, Paulo (2004). Comunidades de aprendizagem e formação on-line. Nov@ Formação, Ano 3, nº3, pp.14-17 Comunidades de aprendizagem e formação on-line Paulo Dias Universidade do Minho pdias@iep.uminho.pt Introdução Comunicar e aprender em rede constituem dois aspectos de uma das mais profundas mudanças em

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

Rede do Saber - De projeto a sistema produtivo: um caso de engenharia e gestão do conhecimento

Rede do Saber - De projeto a sistema produtivo: um caso de engenharia e gestão do conhecimento Rede do Saber - De projeto a sistema produtivo: um caso de engenharia e gestão do conhecimento Angela Sprenger (FCAV) angelasp@uol.com.br Beatriz Leonel Scavazza (FCAV) bscavazza@vanzolini-ead.org.br Gulherme

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA Maria Inês Franco Motti Sonia Maria José Bombardi Fundacentro Fundação Jorge Duprat de Segurança e Medicina do Trabalho O mundo

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

Formação continuada de professores de música através da modalidade de educação a distância via internet 1

Formação continuada de professores de música através da modalidade de educação a distância via internet 1 Formação continuada de professores de música através da modalidade de educação a distância via internet 1 José Ruy Henderson Filho Universidade do Estado do Pará Uepa/ Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

DESIGN INSTRUCIONAL VERSÁTIL PARA MATERIAIS IMPRESSOS CONTEMPLANDO DIVERSOS PERFIS DE APRENDIZ E DE APRENDIZAGEM

DESIGN INSTRUCIONAL VERSÁTIL PARA MATERIAIS IMPRESSOS CONTEMPLANDO DIVERSOS PERFIS DE APRENDIZ E DE APRENDIZAGEM DESIGN INSTRUCIONAL VERSÁTIL PARA MATERIAIS IMPRESSOS CONTEMPLANDO DIVERSOS PERFIS DE APRENDIZ E DE APRENDIZAGEM Ana Paula Abreu-Fialho (afialho@cederj.rj.gov.br) Bióloga, Doutora em Educação de Biociências

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

Painel Setorial Inmetro Desafios Atuais da Educação a Distância Módulo VI Educação a Distância: com parcerias se faz mais

Painel Setorial Inmetro Desafios Atuais da Educação a Distância Módulo VI Educação a Distância: com parcerias se faz mais Painel Setorial Inmetro Desafios Atuais da Educação a Distância Módulo VI Educação a Distância: com parcerias se faz mais Centro Operacional do Inmetro Xerém/RJ, 31 de julho de 2009 SENAI Grandes Números

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES Ulisses Dias ulissesdias@limc.ufrj.br Rodrigo de Alencar Hausen hausen@limc.ufrj.br Rodrigo G. Devolder rodrigodevolder@limc.ufrj.br Luiz Carlos

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

A Implementação do Ambiente Moodle na Educação de Jovens e Adultos a Distância

A Implementação do Ambiente Moodle na Educação de Jovens e Adultos a Distância A Implementação do Ambiente Moodle na Educação de Jovens e Adultos a Distância Maria Vandete de Almeida Especialista em Desenvolvimento de Sistemas para Web Aluna não-regular Programa de Pós-graduação

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE CURSOS A DISTÂNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA ESAF

O DESENVOLVIMENTO DE CURSOS A DISTÂNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA ESAF 1 O DESENVOLVIMENTO DE CURSOS A DISTÂNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA ESAF Brasília DF Maio 2012 Kelly Ramos de Souza Bitencourt Escola de Administração

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX Aprova o Projeto Acadêmico CECANE/UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, em sua xxxx reunião ordinária, realizada em xxx de xxx de 2011, no uso de

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

O PROCESSO DE GESTÃO DE PROJETOS EM EAD: TECENDO ALGUMAS CONSIDERAÇÕES A PARTIR DO PROJETO GESTÃO ESCOLAR E TECNOLOGIAS

O PROCESSO DE GESTÃO DE PROJETOS EM EAD: TECENDO ALGUMAS CONSIDERAÇÕES A PARTIR DO PROJETO GESTÃO ESCOLAR E TECNOLOGIAS O PROCESSO DE GESTÃO DE PROJETOS EM EAD: TECENDO ALGUMAS CONSIDERAÇÕES A PARTIR DO PROJETO GESTÃO ESCOLAR E TECNOLOGIAS Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida e-mail: bethalmeida@pucsp.br Adriana Ap. de

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

AÇÕES DO PROGRAMA ARTE E MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA

AÇÕES DO PROGRAMA ARTE E MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA ISSN 2316-7785 AÇÕES DO PROGRAMA ARTE E MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA Resumo Tiago Dziekaniak Figueiredo Universidade Federal do Rio Grande FURG tiago@furg.br José Alexandre

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

SOFTWARE PARA PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE MATERIAIS DIDÁTICOS PARA EAD

SOFTWARE PARA PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE MATERIAIS DIDÁTICOS PARA EAD 1 SOFTWARE PARA PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE MATERIAIS DIDÁTICOS PARA EAD Pelotas, maio/2010 Luis Otoni Meireles Ribeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense IFSul luis.otoni@gmail.com

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESCOLAS PRIORITÁRIAS - 2014

PLANO DE AÇÃO ESCOLAS PRIORITÁRIAS - 2014 DOCUMENTO ORIENTADOR CGEB Nº 02 DE 2014 COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PLANO DE AÇÃO ESCOLAS PRIORITÁRIAS - 2014 SÃO PAULO MARÇO DE 2014 Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador Guilherme

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY Daiyane Akemi Morimoto- Graduanda em Pedagogia- Unisalesiano de Linsday_akemi@hotmail,com

Leia mais

ORIGENS E DESAFIOS DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O PAPEL DO GESTOR DENTRO DE UM NOVO AMBIENTE EDUCACIONAL

ORIGENS E DESAFIOS DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O PAPEL DO GESTOR DENTRO DE UM NOVO AMBIENTE EDUCACIONAL 169 ORIGENS E DESAFIOS DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O PAPEL DO GESTOR DENTRO DE UM NOVO AMBIENTE EDUCACIONAL Danilo Arosti Aluno do Curso de Pós-Graduação em EAD - Polo de Ribeirão Preto/SP Soraia

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO ENSINO A DISTÂNCIA

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO ENSINO A DISTÂNCIA PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO ENSINO A DISTÂNCIA 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO CÂMPUS: SANTO AUGUSTO DIREÇÃO GERAL: VERLAINE DENIZE BRASIL GERLACH DIREÇÃO DE ENSINO: CLARINÊS

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

Comitês para Prevenção e Controle da Mortalidade Materna, Fetal e Infantil e Núcleos Hospitalares de Epidemiologia.

Comitês para Prevenção e Controle da Mortalidade Materna, Fetal e Infantil e Núcleos Hospitalares de Epidemiologia. Projeto do Curso de Educação à Distância para Qualificação da Investigação do Óbito Materno, Fetal e Infantil: Comitês para Prevenção e Controle da Mortalidade Materna, Fetal e Infantil e Núcleos Hospitalares

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA Maio de 2008 Marina Caprio Faculdade Interativa COC marinacaprio@coc.com.br Karen Bortoloti Faculdade Interativa COC bortoloti@coc.com.br Categoria

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL: estudos preliminares e proposta de uma metodologia de implantação no CEFET-Bambuí Christiane dos Santos

Leia mais

A importância da Informática na Educação

A importância da Informática na Educação A importância da Informática na Educação AGUIAR, Juliana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais FAEG - Rua das Flores, 740 Bairro Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

ANÁLISE DOS ÍNDICES DE EVASÃO NOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA DO BRASIL

ANÁLISE DOS ÍNDICES DE EVASÃO NOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA DO BRASIL ANÁLISE DOS ÍNDICES DE EVASÃO NOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA DO BRASIL ABRIL/2004 Marta de Campos Maia Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas FGV-EAESP mmaia@fgvsp.br

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

SOFTWARES LIVRES POTENCIAIS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

SOFTWARES LIVRES POTENCIAIS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA SOFTWARES LIVRES POTENCIAIS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA André Dosciati 1 Claudia Piva 2 Lecir Dalabrida Dorneles 3 A. Patricia Spilimbergo 4 Resumo. O avanço da informática na sociedade, e consequentemente

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projeto de Extensão. Blog. Participação do público alvo.

PALAVRAS-CHAVE Projeto de Extensão. Blog. Participação do público alvo. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

GESTÃO E USO DAS MÍDIAS EM PROJETOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

GESTÃO E USO DAS MÍDIAS EM PROJETOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA GESTÃO E USO DAS MÍDIAS EM PROJETOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 10 de maio de 2005 115-TC-E5 Categoria E - Gerenciamento e Logística Setor Educacional 5 - Educação Continuada em Geral Natureza do Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

PROJETO INOVAÇÃO NAS ESCOLAS EDITAL PARA SELEÇÃO DE REDES PARCEIRAS EM 2016

PROJETO INOVAÇÃO NAS ESCOLAS EDITAL PARA SELEÇÃO DE REDES PARCEIRAS EM 2016 PROJETO INOVAÇÃO NAS ESCOLAS EDITAL PARA SELEÇÃO DE REDES PARCEIRAS EM 2016 Agosto de 2015 Sobre o projeto Inovação nas Escolas O projeto Inovação nas Escolas é uma iniciativa que visa à implementação,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

A Educação a Distância no Instituto Federal do Espírito Santo

A Educação a Distância no Instituto Federal do Espírito Santo A Educação a Distância no Instituto Federal do Espírito Santo História - EAD Primeira notícia: aulas por correspondência ministradas por Caleb Fhilips em março de 1728 na Gazette de Boston, EUA. Enviava

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO Ser reconhecido como o melhor tribunal para se trabalhar e de melhores resultados. Visão de Futuro do TRT da 8ª Região. INTRODUÇÃO Prática adotada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região que consiste

Leia mais

A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas.

A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas. 1364 X Salão de Iniciação Científica PUCRS A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas. FONTOURA, Maria Eugênia 1, PEREIRA, Débora Couto 1, LEBEDEFF, Tatiana 1, BASTOS, Amélia

Leia mais

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

a) As características sob a forma de Ensino à Distância:

a) As características sob a forma de Ensino à Distância: Guia do curso EaD O parecer do Conselho Nacional de Educação, homologado pelo Ministro da Educação por meio de Portaria publicada no Diário Oficial, pode ser encontrado nos termos da Lei 9.394/96 (LDB),

Leia mais

UNIVERSIDADE, EAD E SOFTWARE LIVRE

UNIVERSIDADE, EAD E SOFTWARE LIVRE Universidade Federal de Minas Gerais Elisa Castro Pedro Henrique Ferreira Simas Ricardo Freitas de Paula UNIVERSIDADE, EAD E SOFTWARE LIVRE Belo Horizonte 2011 O Ensino a Distância da Estatística Básica

Leia mais

RESOLUÇÃO N 262, de 03 de outubro de 2001.

RESOLUÇÃO N 262, de 03 de outubro de 2001. RESOLUÇÃO N 262, de 03 de outubro de 2001. Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de Educação a Distância no Sistema Estadual de Ensino do Estado do Rio Grande do Sul. O Conselho

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após vermos um breve conceito de T.I. e T.I.Cs abordarmos a partir de

Leia mais

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela.

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela. Esta é uma apresentação navegável. Uma maneira prática de conhecer a Academia da Estratégia. Para navegar siga as instruções abaixo. Esperamos que a sua viagem seja UAU! Quando quiser sair da apresentação,

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO Monique da Silva de Araujo UNESA monique_msa@yahoo.com.br Daniela Punaro Baratta de Faria UNESA daniela.punaro@gmail.com

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento e Desenvolvimento de Projetos Especiais. Coordenação Geral de Planejamento de Educação a Distância. PROGRAMA TV ESCOLA

Leia mais