IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO HÍDRICO E DE ALERTA DE SECAS NO SEMI-ÁRIDO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO HÍDRICO E DE ALERTA DE SECAS NO SEMI-ÁRIDO DO ESTADO DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO HÍDRICO E DE ALERTA DE SECAS NO SEMI-ÁRIDO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Rua Espírito Santo, 495 Centro CEP Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Telefone: (31)

2 Este documento apresenta o detalhamento do Projeto Implantação de Sistema de Monitoramento Hídrico e de Alerta de Secas no Semiárido do Estado de Minas Gerais, com o propósito de candidatar-se a financiamento do Fundo de Recuperação, Proteção e Desenvolvimento Sustentável das Bacias Hidrográficas do Estado de Minas Gerais FHIDRO, tendo, portanto, sido preparado em conformidade com as diretrizes previamente definidas, segundo formulários específicos. O Projeto será conduzido sob coordenação da do Instituto Mineiro de Gestão das Águas IGAM. Rua Espírito Santo, 495 Centro CEP Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Telefone: (31)

3 ÍNDICE 01 TÍTULO INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos PÚBLICO ALVO RESULTADOS ESPERADOS METODOLOGIA ÁREA DE ABRANGÊNCIA ENTIDADES ENVOLVIDAS INÍCIO E TÉRMINO DO PROJETO ORÇAMENTO DO PROJETO Detalhamento orçamentário CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE APLICAÇÃO CRONOGRAMA DE DESEMBOLSO...45 Rua Espírito Santo, 495 Centro CEP Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Telefone: (31)

4 01 TÍTULO IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORAMENTO HÍDRICO E DE ALERTA DE SECAS NO SEMI-ÁRIDO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. 02 INTRODUÇÃO Apesar de Minas Gerais ser um Estado exportador de seis milhões e quatrocentos mil litros de água por segundo para outros Estados limítrofes, a falta de água para o desenvolvimento das atividades econômicas, e até mesmo para o abastecimento humano, ocorre sistematicamente no semi-árido mineiro, englobado pelas bacias dos rios Jequitinhonha, Pardo e parte do São Francisco. Nessa região semi-árida, freqüentemente sujeita à secas prolongadas e à escassez hídrica sistemática, a implantação de projetos agropecuários, e o aumento demográfico, principalmente na bacia do rio São Francisco, vem pressionando a demanda hídrica, recrudescendo conflitos no compartilhamento do uso da água. Embora, em termos de totais anuais, a quantidade de chuva seja razoável, nessa região, da ordem de 800 a 1100 mm, sua variabilidade é bastante alta, com coeficiente de variação da precipitação anual atingindo valores da ordem de 35% a 40 %. Essa variabilidade torna a persistência das chuvas de baixa confiabilidade, passíveis a estiagens freqüentes, não conseguindo prover sustentação econômica para a agricultura convencional. (Figuras 1 e 2). Agravando ainda mais esse cenário, o período chuvoso, centrado nos meses mais quentes, com altas taxas de evaporação, envolve, na maior parte dos casos, o tipo de chuvas convectivas, que se caracterizam pela alta intensidade e curto período de duração, ou seja, as chuvas se concentram em pacotes de curto período, escoando superficialmente em sua maior parte, desfavorecendo a recarga da umidade do solo. Esse fato ainda é agravado pela predominância do solo apresentar um escudo cristalino, que dificulta a infiltração. 1

5 Figura 1 Total de Precipitação Normal Anual (mm). O contorno preto envolve o polígono das secas no Estado de Minas Gerais. Fonte: CETEC. Figura 2 Coeficiente de Variação da Precipitação Total Anual (%). O contorno em verde envolve o polígono das secas no Estado de Minas Gerais. Fonte: CETEC. 2

6 Esse projeto refere-se à instrumentalização do (IGAM) com ferramentas modernas e ágeis de monitoramento hídrico e de aferição da severidade das secas, visando subsidiar as ações de enfrentamento de situações de secas severas e escassez hídrica, balizando a profundidade das intervenções de prevenção e mitigação dos efeitos da secas. Trata da criação de um sistema de alerta e monitoramento de secas para o norte e nordeste de Minas Gerais. Para tanto realizará as seguintes ações: - Instalação de uma rede própria do IGAM, complementar às redes de monitoramento já existentes na região; - Criação de um sistema de informações capaz de absorver os dados desta nova rede e das demais já existentes na região, além de outras fontes de dados pertinentes; - Melhoria da infraestrutura do IGAM, de modo a torná-la capaz de incorporar o sistema de informações que será criado; - Definição de uma metodologia de avaliação do grau de severidade de seca que melhor se ajuste às características do semi-árido mineiro através de discussões e análises técnicas com os especialistas em secas; - Implementação da metodologia definida. Com estas ações espera-se prever com o máximo de antecedência possível a ocorrência de um fenômeno de seca, alertando assim as autoridades das regiões que serão atingidas. Além disto, espera-se monitorar continuamente estes eventos para avaliar o grau de severidade das secas. 03 JUSTIFICATIVA O conceito de seca está intimamente relacionado ao ponto de vista do usuário. O hidrólogo a define por um conjunto de variáveis relativas à qualidade e a quantidade da água e ao manejo de bacias. O economista se atém aos seus efeitos nas atividades humanas, incluindo o suprimento de água em centros urbanos, os danos à agricultura, à piscicultura e a redução nas atividades industriais e turísticas. O agrônomo se preocupa, sobretudo com as necessidades de água para os vários cultivos e outras atividades agrícolas. Da mesma forma, o ambientalista se preocupa com os danos à vida silvestre e ao meio ambiente. 3

7 Sob qualquer uma dessas percepções, optar por dar atenção a um evento de seca somente quando sua severidade estiver consolidada, leva a adoção de medidas preventivas emergenciais paliativas e onerosas. Evidentemente, essa não é uma prática eficiente de gestão dos recursos sócio-econômicos e ambientais. O mais adequado é adotar uma prática proativa, antecipando ao inevitável, possibilitando a tomada de providências oportunas e eficientes para minimizar os impactos das secas (Lyons, 1994). Em um Estado altamente vulnerável às intempéries meteorológicas e climáticas, pressionado pela demanda e pela degradação da qualidade hídrica é imprescindível que o órgão gestor de recursos hídricos disponha de mecanismos de tomadas de decisão ágeis e eficazes baseados por informações atualizadas, acuradas e adequadas. Não sem razão que a Lei de Recursos Hídricos estabelece o sistema de informação como um dos instrumentos de gestão. Tanto sob o ponto de vista climático como econômico-social, a região do semi-árido mineiro vem sendo submetida à escassez hídrica, devido à ocorrência de secas, demandando a provisão de planos de contingência para o enfrentamento dos efeitos danosos das secas. A identificação das regiões afetadas por secas potencialmente severas representa o primeiro passo para selecionar as localidades que necessitam receber a assistência prioritária das ações preventivas e de mitigação. Assim, o objeto desse projeto é a implementação do Sistema de Monitoramento Hídrico e de Alerta de Secas (SISMHAS), apoiado em rede de observação meteorológica e hidrológica automática e telemétrica que permita identificar o surgimento de condições hídricas de escassez, na região do semi-árido mineiro, com vistas a agilizar ações de minimização dos impactos causados pela estiagem. 4

8 04 OBJETIVOS Governo do Estado de Minas Gerais 04.1 Objetivo Geral Implantar um Sistema operacional de Monitoramento Hídrico e de Alerta de Secas (SISMHAS) para monitorar a disponibilidade hídrica no norte de Minas Gerais e identificar os períodos e a severidade da seca nesta região, visando subsidiar as decisões governamentais e do setor produtivo em relação às medidas preventivas e mitigadoras dos efeitos gerados pela seca Objetivos Específicos 1. Ampliar a rede automática e telemétrica de monitoramento hidrometeorológico de forma a atender os requisitos mínimos de observação hídrica e pluviométrica, nas regiões com deficiência de amostragem espacial e temporal. Atualmente a região a que se refere o projeto conta com uma rede de estações pertencentes à Agência Nacional das águas - ANA, Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, Instituto Nacional de Meteorologia - INMET e no Sistema de Meteorologia de Minas Gerais SIMGE pertencente ao IGAM, composta por estações pluviométricas e hidrológicas convencionais (medições de chuva e nível de rio são feitas por um observador) e estações meteorológicas automáticas telemétricas. Essa rede é insuficiente para suprir as necessidades de um sistema de monitoramento eficiente. A nova rede proposta, embora independente das já existentes na região e exclusiva do IGAM, irá se integrar às outras ampliando a capacidade de monitoramento na área de abrangência do projeto. A nova rede será composta por 16 estações hidrometeorológicas automáticas telemétricas. Hidrometeorológicas, pois consistem de estações com sensores capazes de medir chuva e nível de rio. Automáticas para que as medições sejam realizadas sem a necessidade de um observador. Telemétricas para que os dados sejam transmitidos via rádio, GSM ou satélite automaticamente. 5

9 Para o pleno alcance deste objetivo, torna-se necessário que as seguintes etapas sejam executadas: - Projeto desta rede, com visitas a campo e avaliação dos locais mais adequados para instalação, levando-se em conta a hidrografia da região; - Especificações dos equipamentos que serão instalados com as devidas adaptações às peculiaridades da forma de transmissão e formato dos dados; - Licitação para aquisição das Estações Hidrometeorológicas Automáticas e Telemétricas; - Aquisição e Instalação das Estações Hidrometeorológicas Automáticas e Telemétricas nos locais determinados; - Testes de campo das Estações Hidrometeorológicas Automáticas e Telemétricas. Maiores detalhes acerca desta rede estarão no tópico Metodologia. 2. Estruturar e implantar um sistema de informação operacional destinado a prover informações específicas ao sistema de monitoramento hídrico e de alerta de seca. Após a elaboração do projeto de instalação da rede do IGAM, será criado um sistema de informações operacional simultaneamente às demais metas do projeto, pois a estruturação deste sistema irá interferir na metodologia que será aplicada na previsão de secas e na infraestrutura operacional, além de sofrer interferência destes. O Sistema de Informação Operacional é composto de quatro módulos: a) Dados de Campo e Externos: São a base do sistema de informações, consistem em todos os dados obtidos pelas estações presentes nas áreas de estudo (incluindo a nova rede pertencente ao SISMHAS), dados de previsões de tempo de médio prazo (15 dias) fornecidos por instituições como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), tendências climáticas disponibilizadas por organismos internacionais como o International Research Institute for Climate and Society (IRI), o Climate Prediction Center (CPC) e European Centre for Medium-Range Weather Forecasts (ECMWF). 6

10 b) Aplicativos Computacionais e Metodologia operacional: Estes representam o cérebro do sistema, sendo compostos pelos programas já estabelecidos na comunidade, junto com as rotinas computacionais que serão criadas especificamente para este projeto. Estes programas compilarão os dados aplicando a metodologia criada para gerar os produtos finais. c) Equipamentos de informática: Representam o suporte físico do Sistema, com um conjunto de computadores que armazenarão os dados e os processarão através dos programas e aplicativos específicos, gerando os produtos do sistema de alerta e monitoramento de secas. d) Endereço da internet: As informações geradas pelo Sistema serão disponibilizadas aos usuários através de endereço específico na internet. 3. Estruturar e implementar a metodologia de avaliação do grau de severidade da seca e da disponibilidade hídrica. Esta fase ocorrerá em paralelo ao desenvolvimento do sistema e instalação de sua infraestrutura. A empresa contratada para executar o projeto será responsável por adequar as várias metodologias existentes de avaliação e previsão de secas às particularidades da região do alerta. Na seção 7.3 encontra-se um resumo das principais características das secas e os principais índices utilizados para seu monitoramento, além de técnicas de previsão que podem ser utilizadas na metodologia do sistema de alerta. Portanto, nesta fase, devem-se avaliar as metodologias existentes e adaptá-las à região do alerta, levando-se em consideração a rede de estações disponível e também a nova rede que será instalada de modo a torná-la viável à realidade orçamentária do projeto. As seguintes etapas serão realizadas pela empresa executora: - Levantamento das metodologias de monitoramento hídrico e previsão de secas existentes; - Levantamento das características da região do SISMHAS que podem influenciar na escolha da metodologia; 7

11 - Levantamento da disponibilidade dos dados existentes na área do projeto referentes à necessidade de cada método, que servirá de base para realizar o projeto da nova rede de monitoramento do IGAM. Além disto, a disponibilidade ou não dos dados contribuirá para escolha da metodologia; - Com base nas etapas anteriores a empresa deverá definir a metodologia que será aplicada ao SISMHAS. Esta metodologia será discutida em reunião técnica com especialistas de notório saber da área para realizar possíveis adaptações. - Elaborar relatório técnico, que deverá ser entregue ao IGAM para avaliação, com todas as informações acerca da escolha da metodologia, envolvendo todos os aspectos dos itens anteriores de modo a justificar a escolha desta metodologia. 4. Projetar e instalar a infra-estrutura operacional necessária para manter o sistema de monitoramento hídrico e de alerta de seca, incluído de mecanismos ágeis de divulgação de informações via Internet. Paralela à definição da metodologia e à criação do sistema de informações será definida a infraestrutura operacional do sistema de alerta que deverá ser instalada nas dependências do IGAM. Este paralelismo é necessário, pois as necessidades do sistema de informações e da metodologia definirão as especificações dos equipamentos. Esta infraestrutura inclui todos os equipamentos necessários para operação do SISMHAS, como computadores, telas de monitoramento, banco de dados, endereço de internet, roteadores, etc. Apenas as estações automáticas não estão incluídas. Portanto, as seguintes etapas deverão ser concluídas pela empresa executora: - Projeto da sala de situação, de modo a incorporar todo o sistema de informações e permitir o funcionamento adequado do SISMHAS; - Elaboração do termo de referência para a aquisição dos equipamentos necessários. 8

12 De posse dos termos de referência, o IGAM elaborará edital para aquisição dos equipamentos por meio de licitação. 5. Elaborar produtos para divulgação do SISMHAS, incluindo material para capacitação do uso das informações disponíveis. Para divulgação do SISMHAS às autoridades e população da região de abrangência do projeto, a empresa executora irá elaborar os seguintes produtos: - Folder de divulgação, para serem distribuídos em reuniões de comitês de bacias da região do SISMHAS, pelo IGAM, contendo informações sobre o funcionamento, abrangência e aplicações; - Apresentação padrão em PowerPoint, contendo todos os aspectos desenvolvidos ao longo do projeto, incluindo o funcionamento do SISMHAS, para serem utilizados por técnicos do IGAM em palestras de divulgação; - Cartilha, com linguagem simples e direta, para divulgação do SISMHAS entre a comunidade, principalmente agropecuaristas; - Manual de utilização do SISMHAS, para ser entregue em meio digital às prefeituras integrantes da área de abrangência do projeto. No final do projeto, quando todos os produtos estiverem concluídos, a empresa deverá organizar dois seminários de apresentação do SISMHAS, em cidades pólos a serem definidas por técnicos do IGAM. 05 PÚBLICO ALVO Todas as atividades humanas são diretamente ou indiretamente afetadas pela ocorrência de secas. Os benefícios obtidos pela operação do sistema de alerta e monitoramento de secas agirão sobre todos os ramos das atividades humanas e econômicas. Sendo o alcance destas informações limitado apenas pelo acesso a elas. Os dados gerados pela nova rede hidrometeorológica irão auxiliar na minimização de danos causados aos recursos materiais e humanos. Segue abaixo uma breve discussão sobre os potenciais usuários deste sistema. 9

13 1) AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA; INDÚSTRIAS EXTRATIVAS: Todas estas atividades econômicas são diretamente afetadas pela disponibilidade hídrica na sua região de atuação ou naquelas das quais provém os insumos para sua produção. A disponibilização dos dados de precipitação obtidos por uma rede hidrometeorológica densa aperfeiçoaria o gerenciamento dos recursos hídricos utilizados e minimizaria os danos causados pela seca. 2) INDÚSTRIAS DE TRANSFORMAÇÃO, ELETRICIDADE, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO, TRANSPORTE e ARMAZENAGEM: Estas atividades são vulneráveis à ocorrência de extremos de precipitação, que podem causar atrasos ou paralisações na construção civil, perdas no comércio e na armazenagem de produtos e interrupção de transporte aquaviário. A falta de água nos reservatórios hidrelétricos pode ameaçar a geração de energia, etc. 3) ATIVIDADES FINANCEIRAS, IMOBILIÁRIAS E DE SEGUROS: A quantidade e extensão de danos causados pela seca têm um efeito direto na economia de uma região e indireto a todas aquelas que dependem, de algum modo, da região afetada. A minimização dos danos traria benefícios para a economia como um todo, pois a redução das despesas com recuperação poderá ser utilizada para investimento em infra-estrutura e geração de empregos. 4) ATIVIDADES CIENTÍFICAS E TÉCNICAS: Os dados gerados pela rede hidrometeorológica a ser implementada podem estimular o desenvolvimento de projetos e estudos que visem o aumento do conhecimento a respeito não só da atmosfera, mas do impacto causado por ela nas atividades humanas e econômicas. São poucos os estudos em meteorologia voltados para Minas Gerais e os impactos das secas. Essa nova rede estimulará a pesquisa nesta área e em outras correlatas no Estado, como a hidrometeorologia e hidrologia. 5) ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DEFESA E SEGURIDADE SOCIAL, SAÚDE HUMANA E SERVIÇOS SOCIAIS, DE ÁGUA E ESGOTO: Estas atividades deverão ser as mais beneficiadas com a operação de um sistema de alerta e monitoramento de secas, pois a perda econômica devido à ocorrência de uma seca causa intensa pressão social, principalmente nas camadas mais pobres da população, gerando desemprego, desnutrição e aumento da criminalidade. 10

14 6) ARTES, TURISMO, CULTURA, ESPORTE, RECREAÇÃO, ALOJAMENTO E ALIMENTAÇÃO: Estas áreas serão sutilmente beneficiadas pela operação de um sistema de alerta e monitoramento de secas, pois embora possuam a maior quantidade e diversificação de usuários, o acesso às informações geradas dependerá de bastante divulgação na sociedade. Pela grande parcela da sociedade que seria atendida, os ganhos provenientes da economia de recursos materiais e humanos poderão superar o de setores inteiros da economia, muito embora seja difícil de mensurar. 06 RESULTADOS ESPERADOS A implantação do Sistema proposto irá propiciar a modernização do sistema de gestão de recursos hídricos com ferramentas ágeis e eficazes, capazes de identificar os períodos e as regiões sobre a ação de estresse hídrico, desde o período inicial, propiciando que sejam acionadas, com a devida antecedência, as medidas de enfrentamento das secas severas. A conclusão de cada meta contribuirá significativamente não só para os fins a que se propõe o projeto, mas também para o desenvolvimento da região. Portanto esperam-se os seguintes resultados ao fim da execução do projeto: 1. Ampliar a rede automática e telemétrica de monitoramento hidrometeorológico de forma a atender os requisitos mínimos de observação hídrica e pluviométrica, nas regiões com deficiência de amostragem espacial e temporal. Ao fim desta etapa a região de estudo contará com uma nova rede de monitoramento hidrometeorológico automática e telemétrica, necessária para alimentar o sistema de informações. Esta nova rede também servirá para aumentar o conhecimento sobre o regime hídrico da região, com uma riqueza maior de detalhes do que a atual rede instalada é capaz de fornecer. Outro resultado esperado desta nova rede é a possibilidade de ampliar o leque de pesquisas meteorológicas para região, de modo a mensurar possíveis impactos causados por mudanças climáticas. Os gestores de recursos hídricos também serão beneficiados com o aumento de dados para concessão ou não de outorga de uso da água. 11

15 2. Estruturar e implantar um sistema de informação operacional destinado a prover informações específicas ao sistema de monitoramento hídrico e de alerta de seca. Com o sistema de informações instalado, as informações geradas pela nova rede de monitoramento, que estarão armazenadas no banco de dados, poderão ser processadas por rotinas automáticas para aplicar a metodologia do SISMHAS. Desta forma serão gerados produtos que reflitam o monitoramento hídrico da região e subsidiem o alerta de secas para os próximos meses. Quando mesclado ao sistema de informações atual do SIMGE/IGAM, este sistema também possibilitará um aumento da capacidade operacional e de desempenho das demais atividades do SIMGE/IGAM. Com isto, o monitoramento climático e a previsão de tempo para todo o Estado de Minas Gerais serão beneficiados. 3. Estruturar e implementar a metodologia de avaliação do grau de severidade da seca e da disponibilidade hídrica. A metodologia de monitoramento hídrico e de alerta de secas será instalada nos computadores sistema de informações e através de rotinas automáticas serão realizados os cálculos necessários. Esta metodologia representará a base teórica que possibilita o funcionamento do SISMHAS. 4. Projetar e instalar a infra-estrutura operacional necessária para manter o sistema de monitoramento hídrico e de alerta de seca, incluído de mecanismos ágeis de divulgação de informações via Internet. A infraestrutura operacional representa a base física do SISMHAS, sem a qual este sistema não funcionaria. Portanto, espera-se que o projeto e instalação desta infraestrutura permitam o pleno funcionamento do SISMHAS. Outra contribuição desta infraestrutura se refere à montagem de banco de dados estruturado e relacional de informações hidrológicas e meteorológicas acoplado a um sistema de informações de múltiplos usos, com capacidade de divulgar dados e informações meteorológicas, climáticas e de recursos hídricos ao público em geral, através de Internet. A mescla 12

16 dos equipamentos atuais do SIMGE/IGAM aos equipamentos que serão adquiridos ampliará a capacidade de processamento das informações meteorológicas de todo o Estado, aumentando assim a velocidade com que os produtos do IGAM vão ser gerados. 5. Elaborar produtos para divulgação do SISMHAS, incluindo material para capacitação do uso das informações disponíveis. Um dos maiores desafios do SISMHAS é disponibilizar suas informações de modo a atingir o maior número de autoridades possíveis. Pois, as principais medidas que serão tomadas para minimizar o problema das secas serão tomadas por prefeitos desta região. Portanto, além da divulgação por meio dos seminários deve-se preparar todo um portfólio de material para divulgação de tal modo que o SIMGE/IGAM estará munido de ferramentas de divulgação. 07 METODOLOGIA Para execução deste projeto, o IGAM trabalhará em conjunto com uma consultoria que deverá ser contratada para executar ações que serão descritas nas próximas seções. O IGAM acompanhará continuamente os trabalhos desta empresa e ficará com a responsabilidade de realizar licitações para aquisição dos equipamentos. A seguir serão apresentadas as 5 metas, nas quais o projeto foi dividido, com suas respectivas etapas e atividades. META 1- Ampliar a rede automática e telemétrica de monitoramento hidrometeorológico de forma a atender os requisitos mínimos de observação hídrica e pluviométrica, nas regiões com deficiência de amostragem espacial e temporal. A (GMOG) pertence à Diretoria de Monitoramento e Fiscalização Ambiental (DMFA) do (IGAM). Dentre outras atribuições, esta gerência é responsável por operar a rede de monitoramento meteorológico, hidrometeorológico e agrometeorológico do Estado, composta por estações automáticas e telemétricas, cuja distribuição encontra-se na figura 3. 13

17 Figura 3 Distribuição espacial da rede de monitoramento meteorológico, hidrometeorológico e agrometeorológico do Estado por Unidades de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos (UPGRHs). Estas estações possuem diferenças de acordo com a finalidade a que se propõem, as hidrometeorológicas possuem sensores de chuva e de nível do rio, enquanto que as meteorológicas possuem apenas sensores de variáveis atmosféricas e as agrometeorológicas possuem também sensores de temperatura e umidade do solo. Um exemplo de estação meteorológica é apresentado na figura 4. O IGAM recebe os dados automaticamente por meio de transmissão via satélite, disponibilizada pelo INPE. Todas as estações do IGAM estão conectadas à rede do INPE, de modo a não existirem gastos com transmissão. Existem outras redes de monitoramento instaladas no Estado, cada uma com os seus respectivos fins. Outra rede pública de monitoramento meteorológico automático e 14

18 telemétrico existente em Minas Gerais é a pertencente ao INMET, cujos dados são de fácil acesso via internet. Na figura 5, encontra-se a distribuição espacial das estações do IGAM e INMET para a região do SISMHAS. Os sensores instalados nas estações do INMET são capazes de medir as seguintes variáveis: temperatura do ar, umidade relativa do ar, pressão atmosférica, direção e velocidade do vento, radiação e precipitação; não possuindo sensores de nível de rio. Figura 4 Esquema de uma estação meteorológica automática e telemétrica. A avaliação da densidade de uma determinada rede, com o intuito de determinar se ela é adequada ou não para uma determinada região deve ser atrelada ao fim a que se propõe a rede e a variável que é medida, ou seja, uma rede meteorológica pode ser densa o suficiente 15

19 para estudos de radiação atmosférica e carente com relação a estudos de regime pluviométrico. Examinando a distribuição das estações existentes na região norte do Estado, operadas pelo INMET e IGAM (Figura 5), pode-se perceber que a rede de observação meteorológica não possui a distribuição espacial adequada aos propósitos deste projeto. Devese atentar para dois pontos referentes a esta inadequação: a) Falta de sensores de nível para obterem-se informações acerca da disponibilidade hídrica; b) Algumas UPGRHs não possuem estações; Figura 5 Redes de observação pluviométricas telemétrica do INMET (18) e IGAM (03). As estrelas vermelhas representam as estações do INMET e aquelas em azul pertencem ao IGAM. 16

20 Figura 6 Rede de monitoramento fluviométrica (nível do rio) existente atualmente na região do SISMHAS. Portanto, será instalada uma nova rede de monitoramento hidrometeorológica automática e telemétrica, complementar a atual existente na área do SISMHAS. As estações possuirão sensores de precipitação e nível de rio que alimentarão o SISMHAS, fornecendo os dados necessários para seu funcionamento. seguir: Essa primeira meta do projeto será alcançada através da execução das 3 etapas a 17

21 Etapa 1.1 Projeto de Ampliação da Rede. A empresa contratada deverá elaborar projeto de ampliação da rede de monitoramento hidrometeorológico na Área de Abrangência, composto por estações hidrometeorológicas automáticas e telemétricas. Deverá ser considerado um número mínimo de 16 (dezesseis) estações com sensores de nível e chuva, prevendo-se pelo menos uma estação para cada uma UPGRH destacadas na Figura 5. Mesmo àquelas UPGRHs que já possuam um número suficiente de pontos de apoio deverão receber uma estação da nova rede, de modo a compor a rede básica do SISMHAS e garantir a operação do sistema sem depender de nenhuma entidade externa. Ao longo desta etapa, serão levantadas informações da área de operação do SISMHAS, para subsidiar a elaboração do projeto de rede em forma de relatórios técnicos. As fontes destas informações serão primordialmente entes públicos. A empresa executora deverá contatar órgãos públicos, tais como ANA, CEMIG, INMET, COPASA e prefeituras sobre possíveis pontos de monitoramento hidrometeorológicos existentes na região do SISMHAS. Além disso, existe a possibilidade de que empresas privadas que operem nesta região, possuam redes próprias passíveis de serem utilizadas no SISMHAS. Portanto, caso a empresa identifique este tipo de estação ela deve contatar o proprietário e verificar a possibilidade de utilizar esta estação. 1.1a Compilação e coleta das informações da rede de monitoramento hidrometeorológica e de qualidade de águas existente na Área de Abrangência. Desta forma, a empresa executora poderá identificar possíveis estações não cadastradas nas redes oficiais, que possam vir a integrar a rede do SISMHAS como fonte de dados adicionais, otimizando o emprego dos recursos e a instalação das novas estações. Atualmente, em Minas Gerais, a qualidade das águas do Estado é monitorada por duas instituições: O IGAM, que realiza o monitoramento de parâmetros ambientais, e a COPASA responsável por monitorar os parâmetros relativos ao abastecimento humano. A empresa executora utilizará a rede de monitoramento de qualidade destas duas instituições como sugestão de rede básica de monitoramento da qualidade da água a ser utilizada no SISMHAS. Na figura 7 encontra-se a distribuição espacial dos pontos de monitoramento de qualidade de água da rede básica do IGAM. 18

22 Figura 7 Rede básica de monitoramento de qualidade das águas do IGAM, instalada atualmente na região do SISMHAS. A rede básica de monitoramento da qualidade das águas do IGAM monitora cerca de 50 parâmetros, que incluem parâmetros sanitários e de metal pesado, além de características da água, como temperatura, ph, turbidez, etc. Detalhes acerca do monitoramento realizado pelo IGAM destes parâmetros pode ser encontrado no endereço 1.1b Compilação e coleta dos dados cadastrais das obras hidráulicas implantadas na Área de Abrangência, constituídas por barragens de regularização de vazões de estiagem, pontos de captação para abastecimento público, áreas de lazer e projetos de irrigação. A presença destas 19

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros Carlos Alexandre Cernach Silveira 2 Gabrielle Rodrigues de Macedo 2 Ludimila Lima da Silva 1 Mauro Silvio Rodrigues 2

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise O forte período de estiagem que assola a região é o tema desta edição especial do

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2000

RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2000 - MA RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2000 5º DISTRITO DE METEOROLOGIA INMET Av Contorno, 8159 Santo Agostinho 30120-010 - Belo Horizonte - MG Telefone/FAX: + (31) 3291-1500 FAX: +(31) 3291-1493 Internet:

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino CEX Seca no Semiárido Nordestino CEMADEN-MCTI Brasília, 28 de Maio de 2015 2 Operação do CEMADEN EM FUNCIONAMENTO

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC FLORIANÓPOLIS OUTUBRO 2011 1 O presente documento é o resultado da viagem solicitada pelo chefe do Ciram Edson Silva

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Introdução O recém divulgado relatório do IPCC AR5 sobre a base científica das mudanças climáticas conclui, com acima de 90% de confiança, que

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: TI - SEPNUM (Pleno) 1. HISTÓRICO No Brasil, o uso da informação meteorológica

Leia mais

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 11 de novembro de 2004 Número 11 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 CARACTERIZADO O INÍCIO DO FENÔMENO

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ Verônica Jussara Costa Santos Engenheira Sanitarista, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (área Recursos

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo DETERMINAÇÃO DA VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DE DEMANDA HÍDRICA E PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM ESCALA REGIONAL POR MEIO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO AGRÍCOLA, ASSOCIADAS À MODELAGEM, GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica MONITORAMENTO DO TEMPO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO E USO DE DADOS METEOROLÓGICOS DA ESTAÇÃO AGROMETEOROLÓGICA DO CAV/UDESC LAGES, SC Célio Orli Cardoso, Centro de Ciências

Leia mais

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. mario.cicareli@potamos.com.br Belo Horizonte, 27 de março de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

SISTEMA DE ALERTA. por. Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista

SISTEMA DE ALERTA. por. Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista SISTEMA DE ALERTA por Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista 1 a Parte. O MONITORAMENTO DOS NIVEIS E DA CHUVA 1.1 - Histórico Após a ocorrência da

Leia mais

Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil

Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil Vicente de Paulo Rodrigues da Silva, Hiran de Melo (Professor DEE/CCT/UFPB), Antônio Heriberto de Castro Teixeira (EMBRAPA

Leia mais

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Mesa redonda: Mudanças Climáticas (ClimateChanges) XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens Rio de Janeiro.

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

Instituto Tecnológico SIMEPAR

Instituto Tecnológico SIMEPAR Evolução e Aspectos Institucionais Missão e Foco de Atuação Modelo Institucional Sistemas de Monitoramento e Previsão Produtos, Serviços e Sistemas Áreas de Pesquisa & Desenvolvimento Ações Estratégicas

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA 1 PERFIL CÓDIGO TI PLENO PRODUTO 01: Capacidade do INMET de aperfeiçoar e

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 14 DE ABRIL DE 2011

DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 14 DE ABRIL DE 2011 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 14 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre mecanismos e valores de cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio Piracicaba-MG. O Comitê da Bacia Hidrográfica

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água João Guimarães Dezembro/2012 60 anos Brasil 1988 32 países 3.500 funcionários

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO ORIVALDO BRUNINI- JOÃO PAULO DE CARVALHO VANESSA BANCHIERI CIARELLI ANDREW PATRICK C,BRUNINI INSTITUTO AGRONÔMICO

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 037/COGUN/SEAE/MF Brasília, 05

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: Especialista em TI para atuar no aprimoramento do

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

MEDIDAS NECESSÁRIAS HOJE PARA PREVISÕES CONFIÁVEIS SOBRE A FUTURA DISPONIBILIDADE E QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS

MEDIDAS NECESSÁRIAS HOJE PARA PREVISÕES CONFIÁVEIS SOBRE A FUTURA DISPONIBILIDADE E QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS MEDIDAS NECESSÁRIAS HOJE PARA PREVISÕES CONFIÁVEIS SOBRE A FUTURA DISPONIBILIDADE E QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS Como prever? MODELOS MATEMÁTICOS TIPO DE USO PARA A ÁGUA Concentração admissível BACIA

Leia mais

COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO

COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO PARAÍBA DO SUL ADENSAMENTO POPULACIONAL DA RMC COMITÊ DE

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.6 Especificações do Sistema de Bilhetagem Eletrônica PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 2 CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA... 2 2.1 Processos

Leia mais

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA.

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. Águas Subterrâneas e a Legislação Mineira de Recursos Hídricos Breno

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE RECURSOS HÍDRICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE RECURSOS HÍDRICOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇAO DE PROJETOS PARA O FUNDO DE RECUPERAÇÃO, PROTEÇÃO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS FHIDRO. SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. Dispõe sobre a emissão de outorga de direito de uso dos recursos hídricos de domínio do Estado da Bahia, assim como a sua renovação, ampliação, alteração,

Leia mais

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2.1. Definições Para utilização de conversores de energia eólica numa empresa, a avaliação exata da vida útil de seus componentes estruturais e de todo

Leia mais

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO 1 Weber Andrade Gonçalves; Magaly de Fatima Correia 2 ; Lincoln

Leia mais

GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas. Instrumentos e Medidas de Adaptação

GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas. Instrumentos e Medidas de Adaptação GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas Instrumentos e Medidas de Adaptação Objetivos desta sessão Ao fim desta sessão, os participantes poderão: Compreender o conceito de adaptação às

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO Diretrizes para Contratação de Consultoria para elaboração do Resumo do Plano e Complementações. 1.INTRODUÇÃO O CEIVAP aprovou recursos

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Potente Trabalho em Equipe

Potente Trabalho em Equipe Potente Trabalho em Equipe SISTEMAS DE MEDIÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS PARA ÁGUA E GERENCIAÇÃO DE ENERGIA Lider no Setor de Suprimento de Água e Energia Sistemas e soluções confiáveis que se adaptam a

Leia mais

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil b) Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os "Editais devem especificar, de

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os Editais devem especificar, de 1)TITULO PRÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSO PARA CONTROLE DE CRONOGRAMA E ETAPA/FASE DE OBRAS DE SANEAMENTO EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO NACINAL DE SAÚDE (FUNASA) - SUPERINTENDENCIA REGIONAL DE MATO GROSSO 2)DESCRIÇÃO

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Consultor por Produto para Projeto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA.

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. EDITAL CONCORRÊNCIA 01/2015 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. Este Anexo apresenta as especificações requeridas para o Sistema de Bilhetagem Eletrônica SBE a ser implantado

Leia mais

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141-1 Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141.1 Introdução O mundo passa por grandes transformações e os recursos hídricos deverão no séeculo XXI ser analisado

Leia mais

Características Climáticas da Primavera

Características Climáticas da Primavera Previsão Climática para a Primavera/2013 Data da Previsão: 16/09/2013 Duração da Primavera: 22/09/2013(17h44min) a 21/12/2013 (14h11min*) *Não acompanha o horário de verão Características Climáticas da

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS Rafael dos Santos Cordeiro 1 ; Felipe de Azevedo Marques 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GESTÃO PARA REMEDIAÇÃO E PROTEÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA SUB-BACIA ATIBAIA COM ENFASE NO RESERVATÓRIO DE SALTO GRANDE AMERICANA SP TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

Recursos Hídricos. Produtos e Equipamentos. Anexo III-d. Prospecção Tecnológica. Síntese de Painel de Especialistas

Recursos Hídricos. Produtos e Equipamentos. Anexo III-d. Prospecção Tecnológica. Síntese de Painel de Especialistas Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Recursos Hídricos Anexo III-d Produtos e Equipamentos Síntese de Painel de Especialistas 1 Contexto A necessidade de equipamentos

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade RELATÓRIO PARCIAL: MONITORAMENTO DOS FOCOS DE CALOR NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) ILHA DO BANANAL/CANTÃO, NO PERÍODO DE 01/01/2014 A 30/09/2014. Responsável pelo Relatório: Fábio Brega Gamba Biólogo

Leia mais

WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Nilzo Renê Fumes 1 ; Carlos Toshio Wada 2 Resumo - O desenvolvimento do visualizador do Sistema de Suporte a Decisões da Sabesp

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA Lisboa, 18 de julho de 2014 Cláudia Brandão APA Missão Propor, desenvolver e acompanhar a gestão

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Caracterização do Rio Grande do Norte - Superfície: 53.306,8 km² 0,62% do território

Leia mais