REGULAMENTO 4 SHOPPING UBERLÂNDIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO 4 SHOPPING UBERLÂNDIA"

Transcrição

1 MANUAL DE REGRAS 2013

2

3 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 REGULAMENTO 2 MARATONAS 2.1 Estudo de Massa, Conceitual & Preliminar 2.2 Anteprojeto & Executivo 2.3 Obras 2.4 Serviço de Atendimento ao Lojista (SAL) 2.5 Pré-operacional 2.6 Operacional 2.7 Planejamento Comercial e Key Account 2.8 Gente e Gestão 2.9 Rotinas do Coordenador de Projetos 2.10 Rotinas dos Coordenador Comercial 2.11 Rotinas dos Executivos de Vendas 2.12 Resultados

4 REGULAMENTO 4 SHOPPING UBERLÂNDIA

5 APRESENTAÇÃO Prezado Colaborador, É com muito entusiasmo que apresentamos o Programa de Excelência em Desenvolvimento da BRMALLS (PED 2013). O PED foi criado pela BRMALLS com o objetivo de servir como um guia para o alcance da excelência em diversos processos e procedimentos do dia a dia das equipes de Greenfield e Expansões. Através da competição saudável, visamos disseminar as melhores práticas e o que consideramos excelência em termos de processos para facilitar o atingimento das nossas metas, da forma mais eficiente e segura possível. Reconhecer os que melhor aderem ao programa faz parte do crescimento da BRMALLS em direção à entrega com qualidade. Como nossa cultura se traduz na superação constante de resultados, sabemos que o PED representará um grande desafio ao longo desses próximos anos. É muito importante que você o utilize como um diferencial competitivo e uma forma de alcançar resultados e reconhecimento. Queremos ver você e sua equipe como vencedores. Atenciosamente, BRMALLS

6 01 6 EXPANSÃO DO SHOPPING PLAZA NITERÓI

7 REGULAMENTO 1. CONCEITO 1.1 Objetivo O programa de excelência em Desenvolvimento (PED) tem como objetivos: Disseminar as melhores práticas para alcance de resultados cada vez melhores; Estimular a melhoria contínua da qualidade dos processos por meio da excelência e disciplina na execução da rotina; Medir o desempenho (meios e resultados) das equipes dos projetos; Reconhecer e premiar os melhores. 1.2 Descrição O PED é composto por 12 maratonas que englobam as várias disciplinas e etapas de um projeto de desenvolvimento, em que os projetos competem entre si. As maratonas são: Estudo de massa, Conceitual e preliminar; Anteprojeto e executivo; Obras; SAL; Pré-operacional; Operacional; Planejamento Comercial e Key Account; Gente e Gestão; Rotinas do Coordenador de Projetos; Rotinas dos executivos de Vendas; Rotina do Coordenador Comercial; Resultados. As maratonas estudo de massa, Conceitual e preliminar; Anteprojeto e executivo; obras; SAL; e pré-operacional são acompanhadas de forma cronológica, de acordo com a fase do projeto. As demais maratonas devem ser acompanhadas desde o início do projeto, apresentando o YTD na auditoria. 1.3 Equipe O público-alvo é representado pelos projetos de desenvolvimento de Greenfields e Expansões. A equipe é formada pelo gerente de projeto, Coordenador/Especialista de projeto, Coordenador Comercial, Coordenador de SAL, Executivo de Vendas, Analistas Comerciais e estagiários. Além disso, temos as equipes de apoio, formadas pelas áreas de Novos Negócios, BackOffice Comercial, área Técnica e Gente e Gestão. 1.4 Competição A equipe passa a competir a partir do início do período de obras. A participação nas maratonas ocorre da seguinte forma: A maratona Estudo de Massa, Conceitual e Preliminar será liderada pela área de novos negócios. Após o handover do projeto para a equipe, esta passará a ser responsável pela pontuação já obtida na maratona; A maratona Planejamento Comercial e Key Account será liderada pela área de Key Accounts. É de responsabilidade da equipe garantir que todos os itens desta maratona estejam sendo cumpridos; As maratonas :1) Estudo de massa, Conceitual e Preliminar; 2) Anteprojeto e Executivo; 3) Obras; 4) SAL (em parte, pois iniciase durante as obras); e 5) Pré-Operacional acontecem de forma cronológica, e deve-se terminar uma para iniciar a próxima; Pontuam na maratona SAL apenas os projetos com menos de seis meses para a inauguração; - Pontuam na maratona Pré-Operacional e Operacional apenas os projetos com inauguração prevista para o ano; demais maratonas são destinadas a todos os projetos; independentemente de sua fase; Os projetos acumulam a pontuação alcançada nas maratonas anteriores, mesmo que tenham acontecido antes de Por exemplo: o São Bernardo, que em janeiro de 2013 está na etapa de obras, irá contabilizar para o PED a pontuação das maratonas estudo de massa, Conceitual e preliminar; Anteprojeto e executivo e obras. o desempenho das equipes será avaliado durante todo o período do projeto, sendo a última medição em processos realizada em novembro, e em resultados em dezembro de Para validar que 7

8 REGULAMENTO as etapas descritas no PED foram cumpridas, em cada item existe uma evidência que será auditada por uma empresa externa. É reservado às áreas de gente e gestão e Diretoria o direito de efetuar, no transcorrer do ano, alterações que se fizerem necessárias para o seu aprimoramento, bem como adequações à legislação vigente no período. 1.5 Avaliação O processo de avaliação será composto por checklists de autoavaliação, feitos pela própria equipe. Serão realizadas duas autoavaliações (semestrais), compostas pela pontuação de cada maratona. Auto-avaliação 1: deverá ser enviada até o dia 1 de julho de 2013 e refletir o desempenho do projeto até junho de Auto-avaliação 2: deverá ser enviada até o dia 2 de dezembro de 2013 e refletir o desempenho do projeto até novembro de ATENÇÃO: Caso a Equipe atrase a entrega das auto-avaliações, serão penalizados em 50 pontos por dia de atraso. As auto-avaliações devem ser completadas no arquivo padrão disponível no pen-drive e enviadas ao conforme as datas informadas acima. 1.6 Solicitação de não aplicabilidade Caso haja algum item do programa que não seja aplicável a determinado projeto, deve-se solicitar a não aplicabilidade ao item. A não aplicabilidade deverá ser solicitada à equipe PED por meio de um registro formal (preenchimento da solicitação de itens não Aplicáveis, no pen-drive) até o dia 19 de abril de O retorno sobre a não aplicabilidade solicitada será enviado pela equipe do PED até o dia 20 de Maio de A não aplicabilidade só é concedida uma vez durante o ano e é válida até o final do mesmo. ATENÇÃO: Os pedidos de não aplicabilidade só serão aceitos no período determinado acima. 1.7 Processo de Envio de Dúvidas Cada equipe deverá enviar todas as suas dúvidas via registro formal (preenchimento da planilha Dúvidas PED 2013, disponível no pendrive), até o dia 07 de cada mês para o , Todas as dúvidas serão compiladas e respondidas até o dia 20 do mês vigente. Dúvidas enviadas fora dessa data não serão respondidas. Obs: apenas uma planilha por Projeto. 1.8 Processo de Evidências Todas as equipes receberão um pen-drive e nele deverão ser inseridas todas as evidências necessárias para a validação da auditoria. O pen-drive é de uso obrigatório para todas as equipes. É de responsabilidade da equipe sua conservação. Em caso de perda, a equipe deverá repor o acessório. 1.9 Processo de Auditoria O processo de auditoria externa poderá ocorrer em qualquer data do ano. Trata-se de uma auditoria presencial, feita por uma empresa especializada ou área Técnica BRMALLS, com o objetivo de validar a última auto-avaliação enviada pela equipe. Essa auditoria será quase surpresa, com aviso prévio de uma semana via da equipe PED para o gerente de projeto e Coordenadores. A auditoria visa validar os itens de cada maratona, informadas no checklist de autoavaliação. O papel da auditoria é verificar apenas os itens em que a equipe diz pontuar na auto-avaliação; já os itens sem pontuação positiva não serão validados Processo de Validação do relatório de Auditoria 2. PONTUAÇÃO 2.1 Pontuação de Processos A pontuação final de processos, obtida no PED 2013, será expressa pela soma das pontuações obtidas em cada uma das onze maratonas. 8

9 Pontuação Total da Maratona Estudo de Massa, Conceitual & Preliminar 300 Anteprojeto & Executivo 200 Obras Dispersão Caso haja dispersão entre a autoavaliação e a avaliação da auditoria externa em relação à soma dos pontos totais de meios. As equipes que apresentarem dispersões no intervalo de 5% (inclusive) a 15% (exclusive) no resultado de meios terão sua pontuação final reduzida de acordo com a tabela a seguir: SAL 400 Pré-Operacional 400 Rotinas do Coordenador do Projeto 600 Operacional 300 Planejamento Comercial & Key Account Pontuação Total (processos + resultados) Exemplos: Rotinas dos Executivos de Vendas 500 % de Atingimento alcançado pela equipe = 80% Rotinas do Coordenador Comercial 600 Dispersão = 7% Gente & Gestão % - 5% = 75% Pontuação total = pontuação de processos da equipe - pontos perdidos pelo atraso na entrega + pontuação de resultados da equipe - pontos perdidos pela dispersão total 2.5 Ranking Ao longo do ano, serão divulgados rankings com os valores enviados no checklist de autoavaliação e auditoria. Como os projetos estarão sempre em etapas diferentes, a pontuação será feita por percentual de atingimento dos itens aplicáveis das maratonas em que as equipes estiverem competindo. Calcularemos da seguinte forma: 30% 1º checklist (rotina do Coordenador de Projetos + rotina dos Executivos de Vendas + rotina do Coordenador Comercial) + 70% 2º checklist (rotina do Coordenador de Projetos + rotina dos Executivos de Vendas + rotina do Coordenador Comercial) + demais maratonas 2º checklist Pontos Possíveis 2.2 Pontuação de Resultados A categoria de fins será determinada pelos indicadores de resultados, descritos na maratona resultados. 3. PREMIAÇÃO Os projetos que obtiverem a 1ª, 2ª e a 3ª colocações gerais receberão troféus. Além disso, todos os participantes da equipe que ficar em 1 lugar ganharão um curso de curta duração em uma instituição de ensino renomada, que deve ser aprovado pelo Diretor de Desenvolvimento e gerente de gente e gestão. 4. REGRAS 4.1 Regras para premiação Todos os colaboradores da equipe que tenham sido admitidos até o dia 30 de agosto de 2013 e que estejam trabalhando na empresa até a data da premiação (computado o período de aviso prévio, seja ele trabalhado ou indenizado); Colaboradores admitidos após o dia 30 de agosto de 2013 não serão elegíveis ao curso (premiação). 9

10 REGULAMENTO Tranferidos: colaboradores transferidos para outro projeto concorrerão no programa pelo projeto que desenvolveram por mais tempo. Caso a transferência seja para qualquer outro cargo que não faça parte do programa, o transferido será premiado se tiver permanecido por mais tempo no projeto. 5. CRONOGRAMA GERAL Lançamento do programa: 15/03/2014 Solicitação de não aplicabilidade: 19/04/2013 Planilha de Dúvidas: até o dia 07 do mês vigente. Autoavaliação 1: 01/07/2013 Ranking parcial: Setembro Autoavaliação 2: 02/12/2013 Ranking final: Fevereiro/Março Premiação: Fevereiro / Março 10

11 11

12 02 12 SHOPPING CONTAGEM

13 MARATONAS 1 - ESTUDO DE MASSA, CONCEITUAL E PRELIMINAR 300 PONTOS FASE: Estudo de Massa e Conceitual Definição do conceito do shopping que será desenvolvido para um determinado projeto. Nesta etapa determinamos o direcionamento que o projeto deve seguir nas próximas etapas de construção do shopping. 1.3) O MOU assinado conjuntamente pela BRMALLS e seus parceiros deve conter os seguintes elementos essenciais: prazos, condições essenciais do negócio, penalidades e responsabilidade por corretagem ou ausência de corretor. Todos esses elementos estão descritos no manual de Desenvolvimento de empreendimento imobiliário. 1.1) A equipe deve garantir que a pesquisa com flash de mercado esteja finalizada até a assinatura do MOU. MOU assinado e Marcador do fornecedor com pesquisa de flash de mercado. 1.2) A equipe deve convidar um arquiteto de risco, de modo a elaborar o estudo de massa até o momento da assinatura do MOU. Para a contratação do arquiteto novo, a equipe deve realizar uma concorrência com pelo menos 2 fornecedores, obtendo o orçamento de todo projeto. Para a contratação de um arquiteto já utilizado, deve utilizar o outro projeto do mesmo como comparativo. Obs: Para os casos em que a equipe já recebe do sócio/vendedor o estudo de massa pronto, a mesma deve entrar em contato com o arquiteto previamente contratado (ou a ser contratado) para que sejam efetuadas as alterações necessárias no projeto. Obs: Para Outlets, a equipe interna irá realizar estudo de massa até a assinatura do MOU assinado Orçamento das empresas de arquitetura (no caso de um novo arquiteto) ou histórico (carta proposta do arquiteto) e para Outlets deve ser apresentado estudo de massa realizado. MOU assinado 1.4) A equipe deve garantir que seja assinado o acordo de confidencialidade contendo os elementos essenciais, conforme descrito no manual de Desenvolvimento de empreendimento imobiliário. O acordo de confidencialidade poderá ser parte integrante do MOU sob forma anexa ou cláusula em seu conteúdo. Acordo de confidencialidade assinado ou MOU assinado. 1.5) A equipe deve realizar o mapeamento dos riscos associados à operação, englobando riscos ambientais, imobiliários, fundiários, fiscais e jurídico-legais até a assinatura final (promessa ou documento definitivo). Relatório Final de diligência. Assinatura final (promessa ou documento definitivo, o primeiro dos dois) 1.6) A equipe deve garantir que, antes da assinatura final (promessa ou documento definitivo), ocorram: Levantamento Topográfico do terreno por meio de empresa terceirizada ou sócio/vendedor; 13

14 MARATONAS A Sondagem do terreno em pontos selecionados; O estudo de viabilidade técnica contendo: A primeira análise técnica do terreno, de modo a avaliar o seu tamanho, gabarito e coeficiente de aproveitamento; A análise preliminar da matrícula que representa o terreno e indicação fiscal correspondente (número de cadastro imobiliário de cada imóvel perante a prefeitura municipal), conforme o manual de Desenvolvimento de empreendimento imobiliário; A análise de zoneamento, conforme o manual de Desenvolvimento de empreendimento imobiliário; Análise do potencial construtivo, conforme o manual de Desenvolvimento de empreendimento imobiliário. Levantamento Topográfico Assinatura final (promessa ou documento definitivo, o primeiro dos dois) Relatório de sondagem Estudo de viabilidade técnica (EVT) Pontos: ) A equipe deve deve possuir, até a assinatura final (promessa ou definitivo), os seguintes itens que compõem o estudo de massa: Planta geral de implantação (indicação dos acessos, indicação dos estacionamentos e vias, localização no terreno); Plantas baixas dos pavimentos, com malha e indicação dos pilares (divisão interna das lojas, malls, corredores de serviço, -, banheiros, elevadores, docas etc.); Corte esquemático; Volumetria da fachada; Itens descritos acima Assinatura final (promessa ou documento definitivo) Pontos: ) A equipe de desenvolvimento deve garantir a elaboração de uma pesquisa de mercado. A pesquisa deve estar concluída até o momento da assinatura final (promessa ou documento definitivo) MOU assinado 1.9) A promessa de Associação (seja compra/venda, permuta ou outras estruturas desejáveis) deve ser assinada até o fim do MOU. Caso a promessa não seja assinada nesse prazo, deve haver um aditivo assinado antes do fim do MOU postergando o prazo do mesmo. Data de assinatura da promessa x Data de expiração do MOU Promessa ou Documento Definitivo assinados MOU assinado 1.10) A equipe deve protocolar o registro da escritura definitiva de compra/venda ou permuta do terreno perante cartório em até 30 dias após a assinatura da escritura Definitiva Documento definitivo protocolado Escritura definitiva Matrícula do imóvel 1.11) Caso o empreendimento tenha sócios, a equipe deve respeitar, no mínimo, as seguintes taxas de prestação de serviço na assinatura final (promessa ou definitiva): Taxas de Administração das Receitas dos Empreendedores Taxas de Administração do Condomínio Edilício Taxas de Administração do Fundo de Promoção CSC e TI 5,0% 5,0% 5,0% De acordo com informação do CSC em função do tamanho do shopping e quantidade de colaboradores. Comercialização 5,0% Data de assinatura da promessa x Data de expiração do MOU Promessa ou Documento Definitivo assinados Desenvolvimento 4,0% 14

15 Obs: Para Outlets, as taxas devem ser de acordo com o contrato já assinado com a Simon. As taxas acima só são aplicáveis quando terceiros estiverem na negociação. Assinatura final (promessa ou definitiva) do CSC com as taxas a serem cobradas Pontos: ) A equipe deve garantir que os gastos pré-operacionais referentes ao projeto sejam imobilizados até o fechamento do ano contábil da aquisição do terreno do controler atestando a imobilização destes gastos. 1.13) A equipe deve realizar o briefing com, no mínimo, 2 gerenciadoras, contendo: premissas técnicas, premissas comerciais, público-alvo, tipologia de shopping, conceitos da pesquisa de mercado. esse briefing deve ser enviado ou apresentado para as gerenciadoras em até 5 dias após a assinatura final (promessa ou documento definitivo). Briefing completo /Agendamento da apresentação para as gerenciadoras com o briefing Assinatura final (promessa ou definitiva) 1.14) A equipe deve realizar uma reunião de kickoff, com o objetivo de discutir o projeto. A reunião deve ter a presença do Coordenador de novos negócios, arquiteto de risco, equipe técnica, gerenciadora de projetos, projetistas (se já contratados), e consultores (se já contratados), em até 45 dias após a assinatura final (promessa ou documento definitivo).na negociação deve ser adquirida, se assim for definido, seguindo o processo definido pelo Compliance da companhia (Anexo 1), através de abertura de chamado Wise it, no prazo de 15 dias após - o MOU. Ata da reunião assinada por todos os participantes Assinatura final (promessa ou definitiva) 1.15) A nova empresa controlada pela BrmAlls a ser envolvida na negociação deve ser adquirida, se assim for definido, seguindo o processo definido pelo Compliance da companhia (Anexo 1), através de abertura de chamado Wise it, no prazo de 15 dias após - o MOU Abertura do Wise it Processo de Compliance MOU 1.16) A equipe deve formalizar a contratação de um arquiteto/ empresa de arquitetura em até 30 dias após a assinatura final (promessa ou documento definitivo Contrato assinado com arquiteto/empresa de arquitetura Assinatura final (promessa ou documento definitivo) 1.17) A equipe deve realizar a contratação da gerenciadora do projeto em até 35 dias após a assinatura final (promessa ou documento definitivo). Para a decisão da contratação, deve-se organizar um quadro comparativo das propostas das diversas gerenciadoras de projetos compatibilizadas e apresentá-lo a BRMALLS, indicando os proponentes mais qualificados para contratação. Obs: para os casos em que o sócio presta esse serviço, o projeto automaticamente pontua. com quadro com as propostas das gerenciadoras 15

16 MARATONAS enviado e validado pela equipe da área técnica, conforme Anexo 2 Assinatura final (promessa ou documento definitivo) 1.18) A equipe deve efetuar consultas às concessionárias sobre abastecimento de energia, gás, água e telefone em até 60 dias após a assinatura final (promessa ou definitivo). Ata de reuniões ou cartas-consulta com as concessionárias Assinatura final (promessa ou documento definitivo) 1.19) A equipe deve elaborar o cronograma e fluxograma com todas as fases de aprovação do projeto em, no máximo, 90 dias após a assinatura final (promessa ou definitivo). Esse cronograma deve ser aprovado pelo Diretor Adjunto de Desenvolvimento. Cronograma e Fluxograma aprovados pelo gerente e Diretor Adjunto de Desenvolvimento (via ou assinado) Assinatura final (promessa ou documento definitivo) Pontos: ) A equipe deve possuir, em até 120 dias da assinatura final (promessa ou definitivo), os seguintes documentos assinados: 100% dos contratos de prestação de serviço com o sócio: Administração das receitas do Cpi, Comercialização, Desenvolvimento, caso aplicável; Documentos anexos à assinatura final (promessa ou definitivo) (Cpi, Consórcio Construtor). Contratos de prestação de serviço e documentos anexos à assinatura final (promessa ou definitivo) Assinatura final (promessa ou documento definitivo) Abaixo de 60 dias Entre 90 e 119 dias Pontos: Entre 60 e 89 dias Acima de 60 dias Protocolo de entrada do projeto legal na prefeitura e/ou outros Orgãos competentes Assinatura final (promessa ou documento definitivo) 1.22) As informações de condomínio devem ser enviadas pelas áreas de operações com validação do gerente de operações corporativo: Condomínio/ m² por segmento Condomínio Comum Esses números devem sempre ser revisados antes das reuniões com a área de Analise de Investimento Tabela de Condomínio validada via ou assinada pela área de operações Ata das reuniões com os participantes 1.23) A equipe de Desenvolvimento deve garantir a realização de um Fórum técnico Conceitual com a presença da área de novos negócios, área técnica, operações e comercial até a aprovação do projeto na diretoria Ata do Forum assinada pelos participantes Pontos: ) A equipe de Desenvolvimento deve garantir a realização de um Fórum técnico Conceitual com a presença da área de novos negócios, área técnica, operações e comercial até a aprovação do projeto na diretoria. Ata do Forum assinada pelos participantes 1.21) A equipe deve dar entrada no projeto legal na prefeitura em, no máximo, 120 dias corridos após a assinatura final (promessa ou definitivo). 16

17 1.25) A equipe de desenvolvimento deve apresentar o projeto conceitual finalizado no Comitê de Capex com a participação da diretoria. Com a aprovação, o projeto passa para a fase preliminar. Ata da reunião do Comitê de investimentos para aprovação da etapa Conceitual 1.27) A equipe deve contratar os projetistas (estrutura, fundação,ar condicionado, elétrica, hidráulica, viário) capacitados para o escopo do projeto, com base nas sugestões da gerenciadora de projetos, em até 75 dias após a aprovação do Conceitual no Comitê -de Capex. Contratos, validados junto ao Jurídico de BRMALLS, assinados com os projetistas Mapa de equalização de projetistas (mínimo 3) FASE: Preliminar Primeira fase de detalhamento do projeto, detalhamento este suficiente para permitir o início do trabalho de projetistas complementares em cima de uma base de arquitetura minuciosamente delineada de estrutura, instalações, controle de incêndio, viário interno e externo. 1.26) A equipe de desenvolvimento deve garantir o envio das seguintes especificações para o responsável de marketing da área de Desenvolvimento em 5 dias após a aprovação do Conceitual no Comitê de investimentos Para perspectivas externas: Plantas gerais (arquiteto); Fachadas (arquiteto); Especificação básica dos materiais da fachada (arquiteto); Foto aérea (BRMALLS); Definição dos ângulos das vistas (BRMALLS /arquiteto). Para perspectivas internas: Definição dos ângulos das vistas (BRMALLS/arquiteto); Plantas gerais (arquiteto); Definição de pé direito do mall e altura das vitrines (arquiteto); Especificação básica dos materiais piso, forro, pilares, escadas rolantes, guarda-corpo (arquiteto); Imagens de referência (arquiteto). para o responsável de Marketing com as especificações. Pontos: Em 75 dias 15 Entre 76 e 90 dias 10 Pontos: Entre 91 e 100 dias 5 Acima de 100 dias 1.28) A equipe de Desenvolvimento deve contratar uma empresa de consultoria para o desenvolvimento dos sistemas de segurança (Corpo de Bombeiros), de modo a ser realizada uma análise prévia com indicações de modificações necessárias no projeto de arquitetura para atender às normas do Corpo de Bombeiros. A análise prévia deve anteceder o Fórum técnico da fase de projeto preliminar. Contrato assinado com consultoria técnica Análise prévia do Corpo de Bombeiros datada Ata da reunião do Comitê de investimentos para a aprovação do projeto preliminar 1.29) A equipe de Desenvolvimento deve garantir a realização de dois Fóruns técnicos (no preliminar), com a presença da área de novos negócios, área técnica, operações, gerenciadora de projetos, arquitetos e consultores, onde deve haver: Estudo Conceitual ou preliminar Orçamento por índices realizado pelo orçamentista da área técnica Orçamento de condomínio mais refinado Projeto de Matriz Energética 0 Em 5 dias Entre 6 e 15 dias Entre 16 e 30 dias Acima de 30 dias Ata dos Fóruns Técnicos com assinatura dos participantes Pontos: 15 17

18 1.30) A equipe deve possuir os seguintes documentos, além do memorial descritivo básico, antes da aprovação do preliminar na Diretoria: Planta geral de implantação; Plantas baixas dos pavimentos, com malha e indicação dos pilares; Plantas baixas de cobertura; Plantas de forro, com corte esquemático com previsão de encaminhamento das instalações e níveis de forro; Cortes longitudinais e transversais cotados; Elevações da fachada; Detalhes de áreas padrão BRMALLS; Memorial Básico de especificação: piso interno e externo, forro, parede, fachada, áreas externas, vidros, elementos decorativos; padrão dos corredores e acessos, sanitários, pilares do mall, guarda-corpo, divisores de lojas, hidrantes, etc; Definição do fator de sombra dos vidros; Posicionamento e dimensões das casas de máquinas; Localização dos postos de cobrança e dimensionamento dos serviços agregados, quando necessário. Itens relacionados acima Ata da reunião pré-comitê de investimentos para a aprovação do projeto preliminar Pontos: 15 Contrato definitivo assinado Ata da reunião do Comitê de Capex para a aprovação da etapa preliminar 1.33) A equipe de desenvolvimento deve apresentar o projeto Preliminar finalizado no Comitê Capex, com a participação da Diretoria. Com a aprovação, o projeto passa para a fase de Anteprojeto. Ata da reunião do Comitê de Capex para a aprovação da etapa preliminar 1.34) A equipe de Novos Negócios deve garantir a elaboração do Book de transição para a área de Desenvolvimento em até 5 dias após a realização da apresentação da etapa preliminar na diretoria. O book de transição deve conter todos os contratos assinados. Book de transição 1.31) O Wise it aberto de acordo com o processo definido pelo Compliance da companhia (Anexo 3), deve ser resolvido até o fim do preliminar. Abertura do Wise it processo de Compliance 1.32) As etapas Conceitual e preliminar, contabilizando da assinatura do contrato definitvo até o Comitê de -Capex da etapa Preliminar, devem ser finalizadas em até 6 meses: 18

19 2 - ANTEPROJETO E EXECUTIVO 200 PONTOS FASE: Anteprojeto Definições de projeto necessárias para a preparação da base de arquitetura para os Projetos Executivos. Projeto com soluções para as interferências entre sistemas e todas as suas interfaces resolvidas, de modo a subsidiar a análise de métodos construtivos e a estimativa de custos e prazos de execução. 2.1) O Gerente de Projeto que será responsável pelo projeto deve ser definido até a data determinada na meta dos Coordenadores de Novos Negócios para o handover do projeto. Data da divulgação da escolha ou contratação do Gerente de Projeto 2.2) O Coordenador de projeto deve ser contratado até a data determinada na meta dos Coordenadores de novos negócios para o handover do projeto. Data da divulgação da escolha ou contratação do Coordenador do projeto na data do handover. 2.3) A equipe de Desenvolvimento deve garantir a realização de um Fórum técnico, com a presença da equipe técnica, Coordenador de projetos, consultores, área de operações (gerente técnico), que aborde, no mínimo, os temas citados na lista de temas do 3º Fórum técnico (Anexo 4). Deve ser elaborada uma ata da reunião realizada com a assinatura de todos os participantes. Ata da reunião assinada por todos os participantes 2.4) A equipe de desenvolvimento deve entregar o memorial Descritivo de especificações atualizado com as últimas decisões de projeto e revisões, até o Fórum técnico final da fase de Anteprojeto, conforme padrão. Memorial Descritivo validado pelo Fórum técnico 2.5) A equipe deve garantir a realização de uma reunião de alinhamento inicial com a equipe de operações até o momento da realização do Fórum técnico do Anteprojeto. Nessa reunião devese: Determinar a presença obrigatória nos Fóruns técnicos para discussão e validação do projeto; Definir marcos para envolvimento/entrada da equipe de operações no projeto; elaborar o Documento para formalização das decisões; ratificar a definição dos pisos interno e externo; planejar a blindagem do shopping (ex: falta de portões nos acessos de sete lagoas); Definir papéis (responsáveis) durante a obra (desenvolvimento/ operações); planejar a liberação dos elevadores; priorizar a execução de itens de obra de acordo com as necessidades do shopping; Alinhar itens do pes; Ata da reunião assinada por todos os participantes 19

20 MARATONAS Orçamento 2.6) A equipe de Desenvolvimento deve garantir que o orçamentista da área técnica envie o orçamento por índices revisado até o fim do Anteprojeto. com o orçamento por índices FASE: Executivo O Projeto Executivo deverá conter todas as informações necessárias à execução da obra, levando em conta todos os Projetos Complementares devidamente compatibilizados e ajustados com a arquitetura. Nesta fase de projeto é essencial prever quaisquer alterações comerciais que tenham sido ou que ainda possam ser realizadas no projeto ao longo da execução da obra, de modo a evitar quaisquer gargalos na entrega. elaborados pelas gerenciadoras de projetos até que se possa definir um quadro final da licitação; 7. Apresentação do quadro final da licitação à BRMALLS, para a tomada de decisão; 8. Envio da minuta padrão para as Construtoras concorrentes; 9. Escolhida a empresa e acertado o valor, participar das discussões de contrato, cuja minuta foi previamente encaminhada à de contrato, cuja minuta foi previamente encaminhada à empresa na licitação. 10. Validar memorial e base de arquitetura com a equipe técnica antes do fechamento do contrato com a construtora Levantamento das empresas com quadros comparativos de propostas das Construtoras para os participantes do projeto com minuta padrão para as concorrentes Contrato com a Construtora assinado 2.7) A equipe de Desenvolvimento deve garantir a realização de um Fórum técnico, com a presença da equipe técnica, Coordenador de projetos, consultores, área de operações (gerente técnico), que aborde, no mínimo, os temas citados na lista de temas do 3º Fórum técnico (Anexo 4). Deve ser elaborada uma ata da reunião realizada com a assinatura de todos os participantes. Ata da reunião assinada por todos os participantes Gerenciadora de Obras 2.9) A equipe deve preparar o quadro comparativo das propostas das diversas gerenciadoras de obras compatibilizadas e apresentálo à BRMALLS, indicando os proponentes mais qualificados para a contratação até o Fórum técnico final da fase de projeto executivo. com o quadro com as propostas das gerenciadoras enviado e validado pela equipe da área técnica 2.8) O processo de escolha da Construtora deve seguir as seguintes etapas: 1. Validação interna da forma de contratação da Construtora com o gerente de projeto e a equipe técnica; 2. Levantamento e indicação das empresas capacitadas para a licitação com o gerente de projeto e a equipe técnica; 3. Preparação e encaminhamento das cartas-convite (edital) às empresas selecionadas, incluindo listas mestras dos projetos. 4. Recebimento de propostas dentro do prazo estabelecido no 5. Envio de propostas para o gerente e a equipe técnica para avaliação do escopo; 6. Equalizadas as propostas, receber quadros comparativos ) Independentemente do tipo de contrato de construção firmado, deverão ser firmados dois contratos: contrato de construção propriamente dito e contrato de gerenciamento da obra, conforme o manual de Desenvolvimento de empreendimento imobiliário. Contrato com a Construtora assinado Contrato com a gerenciadora de obras assinado

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 13 Contratos Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão Integral do PO Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Diretoria de Engenharia

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Sumario. 1. Contrato 1.1 Assinatura 1.2 Recebimento 1.3 Cessão de Direitos Transferência 1.4 Distrato Reincidir

Sumario. 1. Contrato 1.1 Assinatura 1.2 Recebimento 1.3 Cessão de Direitos Transferência 1.4 Distrato Reincidir CARTILHA DO CLIENTE 1. Contrato 1.1 Assinatura 1.2 Recebimento 1.3 Cessão de Direitos Transferência 1.4 Distrato Reincidir Sumario 2. Planta e Acabamento 2.1 Opções de planta 2.2 Opções de Kit de Acabamento

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal ASCOM t ru ir l e g a legal construir cons Quero l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Elaboração: Lilian Márcia Neves Haddad Arquiteta Urbanista, CREA 90.776/D MG - Especialista em Planejamento

Leia mais

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos.

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos. 2006/2009 quem somos Solução completa para espaços corporativos. A Std Office traz toda expertise do Grupo Stadia, com novas tecnologias, aplicada a arquitetura e engenharia otimiza o ambiente de trabalho,

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR

MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR Materiais Indiretos e Prestação de Serviços Março, 2009 2 Índice 1 - Introdução... 3 2 - Objetivos... 3 3 - Interação entre a Sadia e o Fornecedor... 3 4 - Orientações Gerais...

Leia mais

Cartilha Entrega de Chaves

Cartilha Entrega de Chaves Cartilha Entrega de Chaves Plano Associativo Você que optou pelo Plano de Financiamento Associativo irá percorrer o seguinte caminho até receber suas chaves: Aquisição do Imóvel com o Banco Pagamento de

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS INTEGRADOS PARA ASSEGURAR O CONTROLE COMPLETO DO PROCESSO DE VENDAS, COM ACESSO COMPARTILHADO POR TODAS AS PARTES ENVOLVIDAS. NOSSA PLATAFORMA WEB

Leia mais

AGES EMPREENDIMENTOS EDUCACIONAIS LTDA SMALL SHOPPING AGES

AGES EMPREENDIMENTOS EDUCACIONAIS LTDA SMALL SHOPPING AGES AGES EMPREENDIMENTOS EDUCACIONAIS LTDA SMALL SHOPPING AGES CARTA CONVITE: N 001/2012 A AGES EMPREENDIMENTOS EDUCACIONAIS LTDA, situada à Avenida Universitária, n 23, Parque das Palmeiras, Paripiranga (BA),

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida APRESENTAÇÃO 9h00 até 9h30: Abertura 9h30 até 11h15: Critérios gerais de análise técnica 11h15 até 11h30: Coffee-break

Leia mais

Regulamento Especificadores i/d - Programa de Relacionamento do D&D CAMPANHA 2013

Regulamento Especificadores i/d - Programa de Relacionamento do D&D CAMPANHA 2013 Regulamento Especificadores i/d - Programa de Relacionamento do D&D CAMPANHA 2013 1. Definições 1.1. ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA: responsável pela definição de seus critérios, procedimentos de funcionamento

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

Palavras que você precisa conhecer

Palavras que você precisa conhecer Guia do Comprador NOVOLAR, um nome cada vez mais forte no mercado de construção civil. A NOVOLAR vem consolidando uma reputação de alta qualidade, graças aos seus diferenciais nas execuções das obras e

Leia mais

REGULARIZAÇÃO POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS

REGULARIZAÇÃO POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS I- Requerimento (modelo fornecido pela EMURB), assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. II- Número da inscrição cadastral do imóvel

Leia mais

ANEXO VII ORÇAMENTO, FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS E CRONOGRAMA DE ENTREGA

ANEXO VII ORÇAMENTO, FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS E CRONOGRAMA DE ENTREGA ANEXO VII ORÇAMENTO, FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS E CRONOGRAMA DE ENTREGA CONTROLE DE ESTUDOS, MANUAIS, RELATÓRIOS E PLANOS A SEREM ENTREGUES PELA GERENCIADORA PRODUTOS E RELATÓRIOS MACROATIVIDADE

Leia mais

Manual Projeto OBZ. Versão 2

Manual Projeto OBZ. Versão 2 Manual Projeto OBZ Versão 2 Sumário 1. Gestão por Pacotes e Orçamento Base Zero... 2 2. Passo a Passo para preenchimento do Orçamento... 4 2.1. Agenda... 4 2.2. Cadastro da Ficha Técnica... 5 2.3. Inclusão

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PREFEITURA MUNICIPAL CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Cargo de Nível Médio Agente Administrativo Contribuir com o correto fluxo de atividades, informações e materiais

Leia mais

DESTAQUE ADEMI PRÊMIO MASTER IMOBILIÁRIO 2013 - RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO CONCURSO

DESTAQUE ADEMI PRÊMIO MASTER IMOBILIÁRIO 2013 - RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO CONCURSO DESTAQUE ADEMI PRÊMIO MASTER IMOBILIÁRIO 2013 - RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO CONCURSO 1. Objetivo do prêmio 1.1. O DESTAQUE ADEMI PRÊMIO MASTER IMOBILIÁRIO 2013 RIO DE JANEIRO tem como objetivo reconhecer

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Regulamento Especificadores i/d - Programa de Relacionamento do D&D -

Regulamento Especificadores i/d - Programa de Relacionamento do D&D - Regulamento Especificadores i/d - Programa de Relacionamento do D&D - 1. Definições 1.1. ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA: responsável pela definição de seus critérios, procedimentos de funcionamento é o Condomínio

Leia mais

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS Para efeito de seleção das categorias que possuem divisão de 1 o, 2 o,3 o, vigoram os seguintes paramentos abaixo listados: 1 o categoria Contrato social acima de R$ 30.000,00

Leia mais

Apresentação 28/5/2013

Apresentação 28/5/2013 Apresentação 28/5/2013 Pauta Pauta Performance do empreendimento Ações Gerenciais Ações Comerciais Financeiro Operações Marketing Principais Ações Gerenciais implementadas pela gestão atual Ações judiciais

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO MAIO DE 2015 Andamento das obras no período Obras no Ático: Início da instalação de luminárias iniciado; Conclusão das

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente instrumento regulamenta o Trabalho Final

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP)

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP) EDIFÍCIO SEDE TERRACAP DITEC Diretoria Técnica e de Fiscalização

Leia mais

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000 MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA 50 SETOR 8 RUA HELVÉTIA, ALAMEDA DINO BUENO, PRAÇA JÚLIO PRESTES E ALAMEDA CLEVELAND DEMOLIÇÃO DAS EDIFICAÇÕES EXISTENTES CAMPOS ELÍSEOS SÃO PAULO/SP Contratação de empresa especializada

Leia mais

Deliberação da Indicação de Administração Condominial da Mérito Consultoria de Imóveis S.C. Ltda

Deliberação da Indicação de Administração Condominial da Mérito Consultoria de Imóveis S.C. Ltda Apresentação Institucional da Construtora Tarjab e da Incorporadora Meritor; Apresentação Geral do Empreendimento; Informações sobre o status do Processo de Vistoria das Unidades e Área Comum; Deliberação

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR

TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR Objeto da Concorrência

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

REGULAMENTA OS PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DA LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS.

REGULAMENTA OS PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DA LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS. DECRETO Nº 16.785, DATA: 5 de outubro de 2005. REGULAMENTA OS PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DA LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE EVENTOS. O Prefeito Municipal de Foz do Iguaçu,

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho Tel. 98202-0143 (celular) / 3853-0734 (residencial) E-mail: hartog.william@yahoo.com.br Objetivo Síndico Profissional Formação Acadêmica Graduação: Administração

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

Prefeitura Municipal de Dumont

Prefeitura Municipal de Dumont REFORMA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE DUMONT SP CASA SANTOS DUMONT Memorial Descritivo do Projeto Adelino da Silva Carneiro Prefeito Municipal Rosiane Marin Fernandez Dias Vice-Prefeita Municipal Carla Maria

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO Um projeto surge em resposta a um problema concreto. Elaborar um projeto é, antes de tudo,

Leia mais

REPASSE IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

REPASSE IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO Prezado Cliente, Com o objetivo de concretizar o negócio, os bancos oferecem condições especiais de financiamento para pessoas física, quando Imóvel Residencial e Comercial e com regras distintas para

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DAS INST. FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR -DIFES COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - CGPO - SIMEC - SISTEMA

Leia mais

São Paulo, 12 de janeiro de 2015

São Paulo, 12 de janeiro de 2015 Artigo 1º - DO OBJETIVO 1.1) O Prêmio Excelência em Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho tem por objetivo o reconhecimento das empresas que comprovaram adotar, de maneira ampla e continuada, ações,

Leia mais

AGENDAMENTO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS (DA SMCC E DE TERCEIROS)

AGENDAMENTO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS (DA SMCC E DE TERCEIROS) FINALIDADE: Esta norma por finalidade normatizar a realização de eventos, tanto da própria SMCC (Diretoria ou Departamentos e Comitês Científicos da SMCC) quanto eventos de terceiros, realizados nas dependências

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

DESTAQUE ADEMI PRÊMIO MASTER IMOBILIÁRIO 2009 - RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO CONCURSO

DESTAQUE ADEMI PRÊMIO MASTER IMOBILIÁRIO 2009 - RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO CONCURSO DESTAQUE ADEMI PRÊMIO MASTER IMOBILIÁRIO 2009 - RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO CONCURSO 1. Objetivo do prêmio 1.1. O DESTAQUE ADEMI PRÊMIO MASTER IMOBILIÁRIO 2009 RIO DE JANEIRO tem como objetivo reconhecer

Leia mais

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014 INCUBADORA RINETEC Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC Edital 001 2014 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Este edital estabelece formas, condições e critérios para que a Associação

Leia mais

4 Definições, siglas e símbolos SES/MG - Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

4 Definições, siglas e símbolos SES/MG - Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais 1 Objetivo Tipo de documento Codificação Página POP POP 001/2012 s 09 Data de emissão Substitui anterior Previsão de revisão 08/03/2012 Sim 12 meses Data de implantação Assunto 08/03/2012 Rede Farmácia

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 OBJETIVO Estabelecer as regras e procedimentos para concessão de viabilidade técnica, aprovação de projetos e acompanhamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA REALIZAR A AUTOMATIZAÇÃO DA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ. SUMÁRIO Objetivo da contratação...2

Leia mais

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES Objetivo: introdução à gestão de contratos e medições, visão geral do SMO e suas principais funcionalidades. não há. TRILHA I (Básico) TRILHA II (Intermediário) TRILHA III (Avançado) Objetivo: adquirir

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS 01/2015 QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS

TOMADA DE PREÇOS 01/2015 QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS TOMADA DE PREÇOS 01/2015 Contratação de empresa especializada em engenharia ou arquitetura para elaboração de projetos básicos e executivos de arquitetura e complementares, destinados à construção do edifício-sede

Leia mais

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Há 25 anos, a Engepred associa o conhecimento sobre o mercado imobiliário à experiência de promover o melhor funcionamento de shoppings centers, prédios

Leia mais

Modelo de Lista de Verificação de Nova Administração

Modelo de Lista de Verificação de Nova Administração Modelo de Lista de Verificação de Nova Administração Da publicação do IREM : Estratégias de Negócios para Administradoras de Imóveis Richard F. Muhlebach, CPM Alan A. Alexander, CPM A sua empresa acabou

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO. Projeto de Interiores Jayme Bernardo

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO. Projeto de Interiores Jayme Bernardo REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Projeto de Interiores Jayme Bernardo 1 A Promoção Projeto de Interiores Jayme Bernardo, é realizada pelas empresas que compõem o grupo CYRELA*, ao final nominadas, doravante identificadas

Leia mais

Orçamento Projeto de Arquitetura

Orçamento Projeto de Arquitetura São Paulo, 19 de Outubro de 2012 Orçamento Projeto de Arquitetura Cliente Empreendimento De Alphaville Urbanismo S.A. Av. Nações Unidas, 8501, 9º Andar São Paulo, SP Alphaville Bauru Arq. Márton Gyuricza

Leia mais

COMUNICADO 02/13. Senhores, segue Comunicado Oficial do Corpo Diretivo eleito para a Gestão 2013/2015:

COMUNICADO 02/13. Senhores, segue Comunicado Oficial do Corpo Diretivo eleito para a Gestão 2013/2015: COMUNICADO 02/13 Senhores, segue Comunicado Oficial do Corpo Diretivo eleito para a Gestão 2013/2015: AÇÕES EFETUADAS: 1) Gerente Operacional: Seleção e Contratação 1.1) O Sr. Marcelo Fernandes foi contratado

Leia mais

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação.

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. IGS INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO Ciclo 2012 Case: Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. A. A OPORTUNIDADE A.1. Qual foi a oportunidade de

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

SELO TRÂNSITO SEGURO REGULAMENTO E FORMULÁRIO

SELO TRÂNSITO SEGURO REGULAMENTO E FORMULÁRIO 2010 SELO TRÂNSITO SEGURO REGULAMENTO E FORMULÁRIO APRESENTAÇÃO O aumento da mortalidade e da morbidade de acidentes envolvendo motocicletas representa um desafio para a missão de garantir segurança para

Leia mais

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Manual da Construção Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico APRESENTAÇÃO A presente cartilha é uma contribuição da Prefeitura Municipal de Viana, através da Secretaria de Planejamento

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras FASCÍCULO Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para elaboração de Projeto Civil de entradas consumidoras que envolvam a implantação de obras civis subterrâneas

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO

MANUAL DE PREENCHIMENTO MANUAL DE PREENCHIMENTO - ORÇAMENTOS - CRONOGRAMAS - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS - PLS - RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO EMPREENDIMENTO - RAE CRÉDITO IMOBILIÁRIO - FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO PESSOA

Leia mais

Edital de Licitação Pública Nº 16294/2012

Edital de Licitação Pública Nº 16294/2012 Edital de Licitação Pública Nº 16294/2012 Reforma Parcial do Galpão da Cidadania para Implantação de Cozinha Industrial no âmbito do Projeto BRA/11/017 Questionamentos e Respostas 1. A capacidade do monta

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS BRUNO ROBERTO DA SILVA CESAR HENRIQUE MACIEL RIBEIRO GUSTAVO HENRIQUE PINHEIRO RICARDO SALLUM DE SOUZA VITOR

Leia mais

RDC 2013/11190 (9600), RDC 2013/11192 (9600), RDC 2013/11193 (9600) e RDC 2013/11194 (9600). Respostas aos questionamentos 1 a 16

RDC 2013/11190 (9600), RDC 2013/11192 (9600), RDC 2013/11193 (9600) e RDC 2013/11194 (9600). Respostas aos questionamentos 1 a 16 RDC 2013/11190 (9600), RDC 2013/11192 (9600), RDC 2013/11193 (9600) e RDC 2013/11194 (9600). Respostas aos questionamentos 1 a 16 Questionamento 1: Com relação ao edital do RDC 2013/11190 (9600) é de Questionamento

Leia mais

Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers

Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings ALSHOP Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers São Paulo, 26 de julho de 2012 Marcelo Drügg

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS Este roteiro só se aplica aos estabelecimentos não obrigados a aprovação de projeto arquitetônico na Vigilância Sanitária

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO M3

MANUAL DO USUÁRIO DO M3 MANUAL DO USUÁRIO DO M3 1 CADASTROS 1.1 Clientes Abre uma tela de busca na qual o usuário poderá localizar o cadastro dos clientes da empresa. Preencha o campo de busca com o nome, ou parte do nome, e

Leia mais

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO.

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. PESSOA JURÍDICA: a) instrumento de constituição primitivo e respectivas alterações, se houver, admitindo-se a Última alteração quando consolidada,

Leia mais

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas

FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas FAPESP: Apoio à Pesquisa para Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas Diálogo sobre apoio à Inovação na Pequena Empresa São Paulo, 18 de dezembro de 2013 Agenda da reunião Apresentação 1. Palavra da

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS. Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI

COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS. Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS Departamento de Segurança Contra Incêndio DSCI SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

ESCOPO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA

ESCOPO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA Condomínio do Conjunto Residencial Estoril Sagres e Setúbal Estrada do Galeão 2840, 2800 e 2760 Blocos 1 e 2 - CNPJ: 29.384.609/0001-93 TP 1310-003 ESCOPO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais