APPCC: ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE EM ABATE DE AVES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APPCC: ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE EM ABATE DE AVES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇAO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL APPCC: ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE EM ABATE DE AVES Karen Michelline de Oliveira Dias Nogueira São Paulo, outubro de 2010.

2 Karen Michelline de Oliveira Dias Nogueira Aluna do Curso de Especialização Lato sensu em Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal APPCC: ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE EM ABATE DE AVES Trabalho de Conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato sensu em Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal apresentado à Universidade Castelo Branco, como requisito parcial para a obtenção de Título de Especialista em Higiene e Inspeção de produtos de Origem Animal, sob a orientação da Professora Marta Maria B. Baptista S. Xavier. São Paulo, outubro de 2010

3 Em especial ao meu esposo, pelo apoio e compreensão, a minha família que sempre esteve ao meu lado.

4 AGRADECIMENTOS Aos meus pais... Ao meu querido marido... À Deus... À Professora Marta Maria B. Baptista S. Xavier pela atenção que teve comigo em ser minha orientadora. É com enorme satisfação que reconheço todos aqueles que tiveram um papel determinante para que eu cumprisse mais uma etapa em minha vida.

5 NOGUEIRA, Karen Michelline de Oliveira Dias. APPCC: Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle em abate de aves. RESUMO O programa de qualidade de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) é um plano sistemático para identificação e controle de perigos nas diferentes fases do processo industrial que tem como pré-requisitos as Boas Práticas de Fabricação (BPF) e os Procedimentos Padrões de Higiene Operacional (PPHO). Esses pré-requisitos identificam os perigos potenciais à segurança do alimento desde a obtenção das matérias-primas até o consumo, estabelecendo em determinadas etapas, os Pontos Críticos de Controle (PCC), medidas de controle e monitorização que garantem, ao final do processo, a obtenção de um alimento seguro e com qualidade. Neste trabalho serão abordados conceitos referentes à qualidade voltados para indústria alimentícia, em especial a indústria avícola. O foco principal será a aplicação dos planos de autocontrole baseados nos princípios do APPCC nos matadouros de aves, através da descrição do fluxograma dos processos empregados na indústria. Palavras chave: APPCC; Aves; Risco; Perigos; Saúde Coletiva.

6 ABSTRACT The program quality the Hazard Analysis and Critical Control Points (HACCP) is a systematic plan to identify and control hazards in different stages of the industryal process that has as pre requisites the Good Manufacturing Practices (GMP) and Sanitation Standard Operating Procedures (SSOP). These pre requisites identify potential hazards to food safety, from obtaining raw materials to consumption, establishing certain steps in the Critical Control Points (CCP), control measures and monitoring to ensure, at the end of the process, achieving a safe and quality food. In this study, concepts relating to quality-oriented food industry, particularly the poultry industry. The main focus will be implementing the plans of self-control based on the principles of HACCP in poultry slaughterhouses in the description of the flowchart of the processes used in industry. Key-words: HACCP, poultry, Risk, Hazard, Public Health.

7 LISTA DE ABREVIATURAS ANVISA BPF CMS DIPOA GMP HACCP IF MAPA PC PCC PPHO PSO SIF SSOP FFO Agência Nacional de Vigilância Sanitária Boas Práticas de Fabricação Carne Mecanicamente Separada Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal Good Manufacturing Practices Hazard Analysis and Critical Control Point Inspeção Federal Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento Ponto de Controle Ponto Critico de Controle Procedimento Padrão de Higiene Pré e Operacional Procedimento Sanitário Operacional Serviço de Inspeção Federal Sanitation Standard Operating Procedures Fábrica de Farinha e Óleo

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Representação esquemática dos sete pontos de Analise de Pontos Críticos de Controle (APPCC) Figura 2: Fluxograma da planta de funcionamento do matadouro de aves Figura 3: Fluxograma dos setores de produção da indústria Figura 4: Colaborador descarregando as gaiolas...34 Figura 5: Pendura de frangos...35 Figura 6: Insensibilização...37 Figura 7: Escaldagem...38 Figura 8: Depenagem...39 Figura 9: Profissionais do serviço de inspeção federal...42 Figura 10: Pré-Chiller...45 Figura 11: Chiller...46 Figura 12: Expedição...55

9 SUMÁRIO RESUMO... 8 ABSTRACT... 9 LISTA DE ABREVIATURA INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA HISTÓRICO HACCP HACCP NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL CLASSES DE PERIGOS PRÉ-REQUISITOS E MEDIDAS PREVENTIVAS IMPLANTAÇÃO HACCP SETE PONTOS DO HACCP PRINCIPIO PRINCIPIO PRINCIPIO Principio Principio Principio Principio EQUIPE DO HACCP... 24

10 5.1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO FLUXOGRAMA DO ABATEDOURO FLUXOGRAMA DOS SETORES DEFINIR AÇÕES PREVENTIVAS SELEÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS DEFINIR MEDIDAS CORRETIVAS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ANEXOS...33

11 1 INTRODUÇÃO Segundo Paladini (1996) o termo qualidade há muito tempo já faz parte do vocabulário de muitas pessoas, portanto a qualidade envolve muitos aspectos simultaneamente e sofre alterações conceituais ao longo do tempo Alguns conceitos de qualidade foram estruturados tendo a satisfação do consumidor como o elemento principal. Juran; Gryna (1993) definiram a qualidade como a adequação ao uso. A Organização Européia de Controle de Qualidade define que qualidade é a condição necessária de aptidão para o fim a que se destina. Para Jenkins (1991) a qualidade é o grau de ajuste de um produto à demanda que pretende satisfazer. É interessante ressaltar que esses conceitos correlacionam os interesses da empresa com o atendimento às necessidades do cliente. Logo, para que se tenha uma contínua evolução da qualidade, deve-se saber o quanto os consumidores estão satisfeitos com os produtos que adquiridos. A qualidade hoje é uma vantagem competitiva que diferencia uma empresa de outra, pois os consumidores estão cada vez mais exigentes em relação à sua expectativa no momento de adquirir um determinado produto. Logo, as empresas que não estiverem preocupadas com esta busca pela qualidade poderão ficar à margem do mercado consumidor. Quando se fala em qualidade para a indústria de alimentos, o aspecto segurança do produto é sempre um fator determinante, pois qualquer problema pode

12 12 comprometer a saúde do consumidor. Espera-se que empresas diferenciadas atuantes nesse ramo de atividade tenham algum sistema eficaz para exercer esse controle. No Brasil há empresas líderes do ramo de alimentos que estão implementando sistemas de gerenciamento através de programas de qualidade, porém ainda existe um grande número de outras empresas que não aplicam ferramentas para garantir este atributo aos produtos. Este trabalho tem por objetivo descrever a relevância da implementação deste programa de qualidade no abate de frangos, como ferramenta para avaliar de forma contínua e sistemática a qualidade do produto durante as diferentes fases do processamento industrial.

13 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 HISTÓRICO O termo alimento seguro é um conceito que está crescendo na conjuntura global, não somente pela sua importância para a saúde pública, mas também pelo seu importante papel no comércio internacional (BARENDSZ, 1998). Este sistema foi utilizado pela primeira vez, nos anos 60, pela Pillsburg Company, junto com a NASA ( National Aeronautics and Space Administration ) e o US Army Laboratories em Natick, com o objetivo de desenvolver um programa de qualidade que, utilizando algumas técnicas, desenvolvesse o fornecimento de alimentos para os astronautas da NASA (BENNET; STEED, 1999), sendo apresentado ao público pela primeira vez em 1971, durante a conferência nacional para proteção de alimentos, realizada nos Estados Unidos (ATHAYDE, 1999). Segundo Jouve (1998) a legislação em segurança do alimento é geralmente entendida como um conjunto de procedimentos, diretrizes e regulamentos elaborados pelas autoridades, direcionados para a proteção da saúde pública. O programa de Análises de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) ou Hazard Analysis and Critical Control Points (HACCP) foi uma ferramenta desenvolvida originalmente pelo setor privado para garantir a segurança do produto e atualmente

14 14 introduzida na legislação de vários países. A partir de 14 de dezembro de 1995, todas as empresas de alimentos daunião Européia deveriam ter um sistema de HACCP implementado. Este foi o resultado de diretrizes da EEC / 93-43, aprovada pelo Conselho da Europa em 14 de junho de 1993 (GRIJSPAARDT-VINK, 1994). No Brasil, apesar de existirem alimentos com padrões de excelência comparáveis aos produzidos nos países do Primeiro Mundo, ainda existem problemas que comprometem a qualidade e apresentam riscos à saúde humana (BRANDIMARTI, 1999). Nas pequenas indústrias, podem ser apontadas como questões ainda não resolvidas a falta de aplicação das BPF (Boas Práticas de Fabricação) (BRANDIMARTI, 1999). Apesar dos programas de BPF e do APPCC estarem estabelecidos na legislação por meio de portarias, Portarias n (BRASIL, 1993), Portaria n. 326 (BRASIL, 1997), do Ministério da Saúde e as Portarias n. 40 (BRASIL, 1998), Portaria n. 46 (BRASIL, 1998), do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA). suas aplicações é quase inexistente (BRANDIMARTI, 1999). Inicialmente, o sistema HACCP desenvolvido pela The Pillsbury Company consistia de três princípios: Análise de perigo e avaliação do risco; Determinação dos pontos críticos de controle; Monitoramento dos pontos críticos de controle (JOUVE, 1998): 2.2 ANÁLISE DOS PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (APPCC) A University of Nebraska citou que o APPCC é um sistema preventivo para garantir a produção segura de alimentos. A aplicação do programa é baseada em princípios técnicos e científicos que assegurem o alimento seguro. Os princípios descritos no APPCC podem ser aplicados no abate, e processamento industrial, transporte e distribuição, em toda cadeia alimentar (FIGUEREDO, 2001). O aspecto mais importante do sistema APPCC é que deve ser um sistema de inspeção de controle e prevenção de riscos. Não devendo ser realizada somente na

15 15 inspeção do produto final. Atualmente, um sistema de APPCC pode ser certificado pela ISO (ibid.). O sistema APPCC é recomendado por organismos internacionais como a Organização Mundial do Comércio (OMC), Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo MERCOSUL, e exigido pela Comunidade Européia e pelos Estados Unidos (CAMARGO; PIEDADE, 2010). 2.3 APPCC NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL A legislação nacional referente ao APPCC teve início em 1993 estabelecida pelo SEPES/MAARA, normas e procedimentos para pescados, e, no mesmo ano, a Portaria n.1428 (BRASIL, 1993) recomendou normas para obrigatoriedade em todas as indústrias de alimentos. A Portaria n. 40 (BRASIL, 1998), estabeleceu um manual de procedimentos baseado no sistema APPCC para bebidas e vinagres e, logo em seguida, a Portaria n. 46 (BRASIL,1998), obrigou a implantação gradativa em todas as indústrias de produtos de origem animal do programa de garantia de qualidade APPCC, cujo prérequisito essencial são as BPF (CNC/CNI/SEBRAE/ANVISA, 2001). 2.4 PERIGOS DESCRITOS PELO PLANO APPCC Segundo o Programa de autocontrole da Empresa Rigor Alimentos em 2008, as classes de perigos cobertos pelo plano HACCP se dividem em três classes: Perigos Biológicos: Salmonella spp., Escherichia coli, Staphylococcus aureus, Coliformes à 45 C e Aeróbios Mesófilos Viáveis, Enterobactereaceas, Campylobacter spp., Yersínia enterolítica, Listeria monocytógenes, Listeria spp., Clostridium perfringens e Clostridium spp.;

16 16 Perigos Físicos: Penas, Materiais estranhos, Corpos metálicos, Osso e Cartilagens; Perigos Químicos: Cloro, Bile, Medicamentos, Aflatoxinas, Pesticidas e Metais pesados.

17 3 PROGRAMAS DE PRÉ-REQUISITOS E MEDIDAS PREVENTIVAS O APPCC não é um programa isolado, mas é parte de um sistema de Garantia da Qualidade. Para assegurar a eficácia do sistema de APPCC necessita dos seguintes programas de pré-requisitos e suas respectivas medidas preventivas: 3.1 BPF As Boas Práticas de Fabricação são procedimentos a serem seguidos para prevenir eventual contaminação biológica, química ou física do produto final. O objetivo do programa é assegurar que os requisitos gerais de higiene e de Boas Práticas de Fabricação sejam cumpridos para que o produto esteja a salvo de contaminantes, ou seja, preparado, manipulado e embalado sob condições sanitárias adequadas. As regras sobre BPF relacionam as práticas envolvidas no processamento, embalagem e armazenamento dos alimentos destinados ao consumo humano. Esses guias gerais incluem normas básicas de higiene pessoal, PPHO, manutenção preventiva de equipamentos e calibração, controle de pragas, treinamentos periódicos, Programa de Rastreabilidade e Programa 5S (PROGRAMA DE AUTOCONTROLE RIGOR ALIMENTOS, 2008). Desempenham um importante papel nas operações de uma planta processadora de alimentos. Neste programa estão incluídos os controles da prevenção e contaminação por lixo e sujidades, a qualidade

18 18 da água, o controle de pragas, a remoção de matérias-primas impróprias, a proteção quanto à contaminação da matéria-prima e os danos à saúde coletiva, controles de armazenamento e o transporte, práticas sanitárias dos manipuladores, adequacidade das instalações e equipamentos e tratamento de efluentes (BRASIL, 1997). 3.2 PPHO Os Procedimentos Operacionais Padrão de Higiene tem como objetivo estabelecer procedimentos de limpeza e sanitização dos equipamentos, utensílios e instalações, visando eliminar as sujidades e corrigir problemas que possam levar à contaminação por substâncias químicas estranhas, físicas, microorganismos, pragas e pessoal (PROGRAMA DE AUTOCONTROLE RIGOR ALIMENTOS, 2008). Delazari (2002) fez alusão ao PPHO, como sistema capaz de garantir que todas as superfícies dos equipamentos, utensílios e instrumentos de trabalho que entrem em contato com os alimentos, ou não, mas que de alguma forma implica no processo sejam limpos visando evitar condições que possam causar alteração dos produtos (PROGRAMA DE AUTOCONTROLE RIGOR ALIMENTOS, 2008). Apenas as plantas que possuam programas básicos sólidos de BPF e PPHO estão aptas a implantarem o sistema HACCP (DELAZARI, 2002). 3.3 IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE ANÁLISE DE PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE O sucesso da implantação do sistema APPCC é dependente do comprometimento da direção, pois requer a locação de recursos, de fundos e de mão-de-obra especializada. Esse comprometimento deve ser alcançado mediante o fornecimento de informações sobre os conceitos e benefícios da implantação do sistema. A motivação pelo envolvimento dos funcionários é um dos principais fatores

19 19 para o atendimento das exigências legais e sucesso do programa. (Foodsafety, 2005) Toda essa discussão está embasada no fato de uma alteração na integridade física ou qualidade química e microbiológica da matéria prima pode vir a constituir risco à saúde do consumidor e, por isso, deve ser evitada (Foodsafety, 2005) O plano APPCC é documento formal que reúne as informações-chave elaboradas por equipe capacitada contendo todos os detalhes do que é crítico para a produção de alimentos seguros, e consiste em catorze etapas, sendo citados sete os princípios do sistema (Foodsafety, 2005) 1 Etapa: Definição dos objetivos. 2 Etapa: Identificação e organograma da empresa. 3 Etapa: Avaliação de pré-requisitos*. 4 Etapa: Programa de capacitação técnica*. 5 Etapa: Descrição de produto e uso esperado. 6 Etapa: Elaboração do fluxograma de processo. 7 Etapa: Validação do fluxograma de processo. *Avaliação de pré-requisitos e programa de capacitação técnica citados nas etapas acima são exigências para o MAPA. Na condução dessas etapas existem variações, dependendo do órgão competente que as preconiza, quando pelo Ministério da Saúde, as etapas são resumidas em doze. Na Portaria 46 (BRASIL, 1998) consta que o plano APPCC também é utilizado para controlar aspectos de qualidade e de fraude econômica. A primeira etapa inicia-se com a definição dos objetivos, seguida pela identificação e organograma da empresa (2 etapa) com nomes e atribuições, avaliação de pré-requisitos (3 etapa), programa de capacitação técnica (4 etapa) e, depois, a partir da 5º etapa, a seqüencia seria igual para ambos (MS e MAPA). Observa-se que as exigências do Ministério da Saúde diferenciam-se, iniciando-se na 1ª. etapa, conseguinte a 2ª. etapa, a 5ª. etapa, nessa, descreve-se o produto e o uso esperado, todas as informações devem constar, ingredientes, ph, instruções de rotulagem e etc. Um fluxograma de processo deve ser elaborado na

20 20 6ª. etapa, para proporcionar descrição fiel das etapas que envolvem o produto e, o mesmo, deve ser validado no local, na 7ª. etapa. Inicia-se então a aplicação dos sete princípios do APPCC (ou seja, as sete etapas restantes), adotado pelo Codex Alimentarius (Figura 1). Figura 1: Representação esquemática dos sete pontos de Analise de Pontos Críticos de Controle (APPCC). Fonte: CANÔA, 2008.

21 4 OS SETE PONTOS DE ANALISE DE PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE 4.1 PRINCÍPIO 1: ANÁLISE DE PERIGOS E MEDIDAS PREVENTIVAS A equipe do APPCC deve conduzir uma análise de perigos potenciais e identificar as etapas do processo em que os perigos significativos possam ocorrer (PARDI, 2001). O critério para inclusão do perigo na lista dos pontos críticos de controle deve ser desenvolvido com base nas especificações para produção de alimentos inócuos. Dessa maneira a equipe do APPCC poderá determinar as medidas corretivas aplicáveis a cada um dos perigos, decidir quais perigos são significativos e quais devem ser incluídos no plano (SILVA, 2004) PRINCÍPIO 2: IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE Um Ponto Crítico de Controle pode ser definido como um ponto na fase de produção, ou procedimento, em que se podem aplicar medidas corretivas para manter o perigo em níveis aceitáveis, ou seja, abaixo do limite de segurança ( SILVA, 2004). Um PCC pode se localizar em qualquer ponto onde os perigos possam existir, por isto, deve ser descrito e documentado detalhadamente. (ibid.).

22 PRINCÍPIO 3: ESTABELECIMENTO DOS LIMITES CRÍTICOS Toda medida preventiva tem seu limite crítico. O mesmo pode ser definido como sendo o limite que assegura a prevenção, eliminação ou redução dos perigos que podem interferir na inocuidade de um produto, como temperatura, tempo, umidade, ph (PARDI, 2001) PRINCÍPIO: ESTABELECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE MONITORAMENTO Com a utilização dos resultados do monitoramento, deve-se ajustar e fazer a manutenção do processo. Os requisitos de controle devem ser uma seqüencia de observações e medidas que têm como objetivo avaliar se o PCC está sob controle,baseados em três propósitos: Garantir a inocuidade do alimento, à medida que acompanha todas as etapas das operações, implementando-se se necessário, medias corretivas imediatas; Detectar perdas de controle e desvios dos limites críticos, onde medidas corretivas devem ser implantadas; Proporcionar documentação escrita a ser utilizada na verificação do plano APPCC; Como característica final deste princípio, o intervalo entre as observações deve ser suficientemente confiável para que se possa assegurar que o perigo está sob controle (PARDI, 2001) PRINCÍPIO 5: ESTABELECIMENTO DAS AÇÕES CORRETIVAS A ocorrência de desvios dos limites críticos é passível de acontecer no plano APPCC. Deve ser estabelecido para cada PCC um plano de ações corretivas quando houver ocorrência destes desvios (SILVA, 2004).

23 23 Em relação aos registros, tanto a identificação do lote em não conformidade, quanto às ações corretivas realizadas, deverão constar no registro do plano APPCC, desta maneira, o PCC estará sempre sob efetivo controle (ibid.) PRINCÍPIO 6: ESTABELECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE VERIFICAÇÃO É um princípio fundamental visando-se a operação adequada, constantemente avaliada, corrigida de um sistema APPCC (PARDI, 2001). Os procedimentos de verificação demonstram a adequação dos limites críticos para os Pontos Críticos de Controle, garantem que o plano HACCP está funcionando de maneira efetiva, e comprovam a confiabilidade do sistema, mediante validações periódicas PRINCIPIO 7: ESTABELECIMENTOS DOS PROCEDIMENTOS DE REGISTRO Segundo Silva 2004, o sistema de registro do plano APPCC,quando bem desenvolvido,confere credibilidade e dinamismo às operações de controle, devem ser incluídos os seguintes registros: - Relação dos integrantes da equipe HACCP com suas respectivas funções; - Descrição do produto e seu uso; - Fluxograma das operações de produção, com indicação dos respectivos PCC; - Perigos relacionados em todos os PCC e suas medidas corretivas; - Limites críticos em todos os PCC; - Sistemas de monitoramento utilizados para todos os PCC; - Ações corretivas quando do desvio dos limites críticos; - Procedimento de verificação e registro do plano.

24 5 A EQUIPE DO APPCC Toda equipe do APPCC deve ser composta por profissionais que detenham conhecimento técnico-científico sobre a produção de alimentos. Basicamente, deve ser formada por um coordenador geral do programa, a quem será delegada a responsabilidade e a autonomia das decisões do projeto e, por uma Equipe Multidisciplinar, de no mínimo três e no máximo sete integrantes que devem estar diretamente envolvidos operacionalmente no processo. É importante assegurar-se de que todos eles possuam qualificações que lhes permitam entender o treinamento que irão receber, para conduzir adequadamente sua parte do trabalho (DELAZARI, 2002). Os membros da equipe devem ser capazes de reconhecer e identificar os perigos, definir o nível de severidade e os riscos associados, recomendar os sistemas de monitoramento a serem efetuados, os critérios a serem adotados e as medidas corretivas a serem tomadas no caso da ocorrência de desvios, o monitoramento e a forma de registro. (US NATIONAL ADVISORY COMMITTEE ON MICROBIOLOGICAL CRITERIA FOR FOODS, 1991). 5.1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO Uma vez selecionado o produto, a equipe do APPCC inicia o trabalho com a descrição do mesmo. A descrição inclui informações sobre ingredientes, formulação,

25 25 especificações, detalhes de composição (ph, atividade da água), informações sobre embalagem, condições de processa meto e instruções de rotulagem (SMITH, 1990). O histórico do produto deve ser descrito com base nas informações obtidas por manifestações dos clientes e consumidores, por análises de laboratório e estudos de vida de prateleira. Os procedimentos na rede de distribuição podem ser descritos juntamente com as informações do modo de conservação do produto. O uso pretendido para o produto deve ser baseado nas práticas normais dos consumidores, a menos que sejam transmitidas aos usuários, instruções que alertem sobre cuidados específicos de manuseio e preparo. 5.2 FLUXOGRAMA DO MATADOURO Toda equipe do APPCC deve elaborar um fluxograma do processo em estudo (Figura 2). Este deve ter caráter ilustrativo para facilitar uma análise mais detalhada da racionalidade e segurança do fluxo de processo. Esta fase é de extrema importância pois evidencia as linhas de produção (DELAZARI, 2002). É exatamente neste ponto que os membros da equipe se conscientizam das diferenças entre o grau de percepção e conhecimento das operações que compõem o processo como um todo.

26 26 PCC1-Quimico - presença de resíduos nos produtos acima do LMR Recepção de aves PCC1-Q Insensibilização e sangria F.F.O Escaldagem / Depenagem Pré resfriamento miudos Saquinhos de miudos Evisceração Pré resfriamento Por imersão PCC2-B PCC2-Biológico presença de contaminação gastro intestinal e biliar Re pendura Pré-resfriamento Ar chiller Frango Inteiro Frango em Cortes Adição de miúdos Corte Asa Corte Coxa Corte Peito Embalagem primária Recorte de Asa Desossa de Coxa Recorte de Filé Padronizar Dorso Embalagem Secundária Moer Túnel de congelamento PCC3-B PCC3-Biológico 4 graus Celsius em 4 horas 1 Congelamento em placas Contrátil Embalagem Primária Paletizar Armazenar/Estocar Expedir Figura 2: Fluxograma da planta de funcionamento do matadouro de aves. Fonte: Programa de auto controle Rigor alimentos, 2008.

27 FLUXOGRAMA DOS SETORES Plataforma de desembarque Frango Vivo Frango Morto Sangria Graxaria Sangue Frango batido Depenagem Penas Frango com Vísceras PÉS Eviscerado Frango abatido sem miúdos, cabeça e pescoço Cortes SIF Frango condenado Parcial/total Gotejamento/ Embalagem Frango com Miúdos embalados embalados Coração, Moela e Fígados embalados Frango com defeito Desossa Produto Mercado Interno Exportação Padronização Túnel de congelamento estático Detector de Metais Colocação de contrátil Câmara de estocagem Expedição Figura 3: Fluxograma dos setores de produção da indústria. 4.3 Fonte: IDENTIFICAÇÃO Programa de auto controle E ANÁLISE Rigor alimentos, DOS PERIGOS

28 28 Esta análise tem como objetivo identificar os perigos reais e potenciais associados a processos, modo pelo qual o alimento é exposto a venda e o seu uso/preparo para o consumo. Nesta fase requer competência técnica para identificação correta dos perigos, prática para estabelecer a severidade dos mesmos e os possíveis riscos conseqüentes (US NATIONAL ADVISORY COMMITTEE ON MICROBIOLOGICAL CRITERIA FOR FOODS, 1991). Ainda a equipe do APPCC deve considerar quais são os consumidores- alvo, pois o alimento pode destinar-se a apenas uma faixa restrita da população. É muito importante que a equipe considere que um alimento exposto no ponto de venda possa ser adquirido por pessoas pertencentes ao grupo de risco, susceptíveis a toxinfecções, como crianças, mulheres grávidas e idosos. Assim, a equipe de minunciar o processo de produção com obstáculos fortes o bastante para inibir, destruir ou controlar todos os perigos. 5.4 DEFINIR AÇÕES PREVENTIVAS Cada PCC terá uma ou mais medidas preventivas.a equipe do APPCC deve estabelecer medidas preventivas que possam ser aplicáveis a cada PCC.Delazari (2002) relatou que é possível existir situações onde sejam necessárias mais de uma medida preventiva para controlar um perigo bem como situações onde mais de um perigo seja prevenido com o uso de uma só medida preventiva.

29 6 SELEÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS A seleção dos PCCs deve ser conduzida através de respostas ordenadas a uma série de perguntas pré-estabelecidas conhecidas como Árvore Decisória de PCC, que além da identificação fornece informações sobre qual o tipo do PCC. Os principais PCC dizem respeito à: - Formulação de um alimento; - Processos térmicos empregados durante a produção; - Refrigeração; - Congelamento; - E quaisquer outros processos e/ou etapas que possam interferir na qualidade final do produto.

30 7 DEFINIR MEDIDAS OU AÇÕES CORRETIVAS Ações corretivas devem ser estabelecidas para o caso de desvios dos limites de segurança ou limites críticos. Para contaminações inaceitáveis ou falhas no processo, medidas corretivas imediatas devem ser tomadas a fim de restabelecer as condições de normalidade de todo o processo produtivo. Essas medidas corretivas podem variar de acordo com tipo de operação das medidas de controle, porém, devem englobar todos os PCC, em todas as etapas de produção.

31 8 CONCLUSÃO O sistema APPCC é um programa de qualidade utilizado na indústria de alimento que visa identificar os perigos podem ocorrer em uma linha de produção, estabelecendo os processos de controle, possibilitando a reversibilidade de correção nas falhas durante as etapas de processamento, desde o campo a mesa do consumidor, garantindo a inocuidade do produto, e a preocupação com a saúde coletiva. Neste trabalho foram descritos os requisitos do sistema de gestão implantados por empresas, com a finalidade de demonstrar a capacidade em se produzir produtos que atendam aos requisitos do cliente, legislações, regulamentos, acrescentando a satisfação por meio da efetiva aplicação do sistema, incluindo processos para melhoria contínua do mesmo e a garantia da conformidade do produto final. Os padrões, diretrizes e outras recomendações do Codex tornaram-se a base identificada para a produção de alimentos seguros e proteção do consumidor no comércio internacional de alimentos. Sendo assim, as diretrizes para a aplicação do APPCC através Codex Alimentarius tornou-se o ponto de referência para as exigências internacionais de inocuidade de alimentos. A equipe do sistema APPCC de qualquer empresa deve estar ciente que a responsabilidade pela produção do alimento seguro, torna-se um comprometimento em fornecer um produto com características sensoriais preservadas, e qualquer falha no processo, os transtornos passíveis de ocorrerem, as penalidades previstas

32 32 recaírem não somente sobre a indústria produtora, mas comprometendo seus fornecedores e os profissionais envolvidos na linha de produção. Concluiu-se que por ser um sistema baseado em emprego de técnicas que apontem os Pontos Críticos de Controle, suas falhas e correções, seus registros, certificando a origem da matéria prima, seu beneficiamento durante as etapas tecnológicas as quais obter-se-á um produto final com qualidade, seguro, sem comprometimentos e riscos à saúde coletiva.

33 9 ANEXOS 9.1 DESCRIÇÃO DAS ETAPAS DO PROCESSO Galpão de espera Neste estabelecimento existem galpões de espera com capacidade para 10 caminhões, equipados com ventiladores de nebulização. das aves enquanto ela aguardam o momento do início do abate. 9.2 PLATAFORMA Recepção de aves - PCC1Q O funcionário do controle de qualidade capacitado pelo APPCC para atuar no PCC1Q, PCC2B e PCC3B, analisa o Boletim Sanitário e a Ficha Técnica do aviário para confrontar as informações referentes ao cumprimento das exigências das vacinações realizadas e do período de carência da utilização de drogas veterinárias. Caso o período de carência não tenha sido respeitado, o lote é interditado para o abate, devendo retornar para a granja.

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos FUNDAMENTOS TEÓRICOS SOBRE GMP/BPF/BPM PRÉ-REQUISITOS (POP, PPHO, PPR E PPRO) HACCP/APPCC AGRADECIMENTOS AO COMITÊ AOS PATROCINADORES AOS PRESENTES

Leia mais

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP -

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - VII Simpósio Associação Brasileira de Proteção dos Alimentos ABRAPA - Melhorando a inocuidade da carne de aves

Leia mais

C/ cópias para: SIF, UTRA, SIPAG, SFA e CGPE/DIPOA DICS/CGI/DIPOA/aft

C/ cópias para: SIF, UTRA, SIPAG, SFA e CGPE/DIPOA DICS/CGI/DIPOA/aft REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL DIPOA COORDENAÇÃO

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

Ana Lúcia de Freitas Saccol. Santa Maria, julho de 2007

Ana Lúcia de Freitas Saccol. Santa Maria, julho de 2007 Ana Lúcia de Freitas Saccol Santa Maria, julho de 2007 Ingestão de alimentos ou água contaminados Estão independente de toda a tecnologia OMS + de 60% das DTA são provocadas por agentes microbiológicos

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO

7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO 7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO Autor(es) SIMONE RODRIGUES DOS SANTOS Orientador(es) ANGELA DE FÁTIMA K. CORREIA 1. Introdução O

Leia mais

CIRCULAR Nº 369/2003/DCI/DIPOA

CIRCULAR Nº 369/2003/DCI/DIPOA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO MAPA DIVISÃO DE CONTROLE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL - DCI DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL DIPOA

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos.

RESPOSTA TÉCNICA. Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos. RESPOSTA TÉCNICA Título Higiene e segurança de alimentos Resumo Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos. Palavras-chave

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação

Boas Práticas de Fabricação Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Boas Práticas de Fabricação Fernando Teixeira Silva Embrapa Agroindústria de Alimentos I- Introdução As Boas Práticas de

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

PLANOS DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA. Funchal, 4 Junho

PLANOS DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA. Funchal, 4 Junho PLANOS DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA O que é o HACCP? H A C C P Hazard Analysis Critical Control Point Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controlo Análise sistemática para a identificação,

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas

Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas Agosto de 2010 Curso Teórico-Prático de Análises Microbiológicas de Àgua e Bebidas não Alcoólicas Palestrante Juliane Dias Gonçalves Eng de Alimentos,

Leia mais

(ANEXO I CIRCULAR Nº463/2004/DCI/DIPOA)

(ANEXO I CIRCULAR Nº463/2004/DCI/DIPOA) (ANEXO I CIRCULAR Nº463/2004/DCI/DIPOA) TRADUÇÃO NÃO OFICIAL FOOD SAFETY AND INSPECTION SERVICE - FSIS DIRETIVA Nº 6420.2-31/03/04 WASHINGTON, DC VERIFICAÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA O CONTROLE DE MATERIAL

Leia mais

Segurança de Alimentos: visão e legislação

Segurança de Alimentos: visão e legislação S & S Consultoria Implementação em Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos Segurança de Alimentos: visão e legislação Nut. Dra. Sabrina Bartz Introdução O mundo tem 7 bilhões de pessoas e a garantia

Leia mais

Qualidade dos produtos da pesca e aquicultura

Qualidade dos produtos da pesca e aquicultura Qualidade dos produtos da pesca e aquicultura HACCP aplicado ao pescado História e Definições Princípios Implementação Considerações acerca da aplicação do HACCP ao pescado Fontes: Huss (1992) Development

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

Programa de Prevenção e Controle de Adição de Água aos Produtos (PPCAAP) Guarapuava/PR Abril-2010

Programa de Prevenção e Controle de Adição de Água aos Produtos (PPCAAP) Guarapuava/PR Abril-2010 Programa de Prevenção e Controle de Adição de Água aos Produtos (PPCAAP) Guarapuava/PR Abril-2010 Objetivo do PPCAAP Coibir a prática de fraude no processo de absorção de água durante o pré-resfriamento

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000

CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000 CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000 ISO SEGURANÇA DOS ALIMENTOS A norma especifica requisitos para o sistema de gestão da segurança dos alimentos, onde uma organização na cadeia produtiva precisa

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA HACCP DE SEGURANÇA ALIMENTAR. Departamento de Gestão e Economia Disciplina de Controlo da Qualidade Prof.

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA HACCP DE SEGURANÇA ALIMENTAR. Departamento de Gestão e Economia Disciplina de Controlo da Qualidade Prof. Departamento de Gestão e Economia Disciplina de Controlo da Qualidade Prof. Carlos Marques HACCP IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA ALIMENTAR Ana Rodrigues 2019306 Jhonny Viveiros 2035006 Curso de Gestão

Leia mais

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas DIPOA Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal José Luis Ravagnani Vargas SIF (Competências) Fiscalização de estabelecimentos produtores de produtos de origem animal Exemplo: Matadouros frigoríficos,

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO E EXECUÇÃO DO SISTEMA DE ANÁLISE DE

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO E EXECUÇÃO DO SISTEMA DE ANÁLISE DE UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA E HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

PROCESSAMENTO DA CARNE DE FRANGO

PROCESSAMENTO DA CARNE DE FRANGO PROCESSAMENTO DA CARNE DE FRANGO Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com.) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com.) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com)

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009 2 Lista de Verificação Geral Selo Alimento Seguro Lista de Verificação Geral com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA ABATEDOURO DE AVES E COELHOS.

NORMA TÉCNICA PARA ABATEDOURO DE AVES E COELHOS. NORMA TÉCNICA PARA ABATEDOURO DE AVES E COELHOS. I - Todos os estabelecimentos de abate devem estar: 1) localizados na zona rural, distantes de criações (estábulos, pocilgas, apriscos, capris, aviários

Leia mais

Mitigação de Impactos Ambientais Através de Oportunidades de Produção Mais Limpa na Indústria de Abate Avícula em Natal-RN

Mitigação de Impactos Ambientais Através de Oportunidades de Produção Mais Limpa na Indústria de Abate Avícula em Natal-RN Mitigação de Impactos Ambientais Através de Oportunidades de Produção Mais Limpa na Indústria de Abate Avícula em Natal-RN Handson Cláudio Dias Pimenta (UFRN) handsonpimenta@hotmail.com Reidson Pereira

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE

CONTROLE DE QUALIDADE CONTROLE DE QUALIDADE ` CONTROLE DE QUALIDADE Controle de Qualidade: conjunto de medidas realizadas durante a produção, processamento, armazenamento e comercialização do produto, visando a manutenção da

Leia mais

AULA II CONTROLE E QUALIDADE. Prof.: Alessandra Miranda

AULA II CONTROLE E QUALIDADE. Prof.: Alessandra Miranda AULA II CONTROLE E QUALIDADE Prof.: Alessandra Miranda Conceitos: Controlar: estando a organização devidamente planejada, organizada e liderada, é preciso que haja um acompanhamento das atividades, a fim

Leia mais

O que a sua empresa precisa implantar para a obtenção do Selo ABIS da Qualidade.

O que a sua empresa precisa implantar para a obtenção do Selo ABIS da Qualidade. O que a sua empresa precisa implantar para a obtenção do Selo ABIS da Qualidade. ISO 22000 HACCP/APPCC Implantação do SELO ABIS RDC Nº. 267 (BPF / POP`s) Boas Práticas de Fabricação - BPF Programa 5S Programa

Leia mais

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios REVISTA SAÚDE SETEMBRO DE 2010 POR ONDE COMEÇAR? TRABALHAR COM ALIMENTOS É TRABALHAR COM A SAÚDE DAS PESSOAS 1 Para garantirmos a produção de alimentos seguros, precisamos traduzir a legislação e as normas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE. Curso de Tecnologia em Alimentos. Trabalho de Conclusão de Estágio

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE. Curso de Tecnologia em Alimentos. Trabalho de Conclusão de Estágio UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Curso de Tecnologia em Alimentos Trabalho de Conclusão de Estágio AVALIAÇÃO DE UM MÉTODO ALTERNATIVO PARA O CONTROLE DA CONTAMINAÇÃO GASTRINTESTINAL EM CARCAÇAS

Leia mais

APPCC Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle na Empresa de Açúcar

APPCC Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle na Empresa de Açúcar APPCC Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle na Empresa de Açúcar Rogério Augusto Profeta (FASC) rogerio.profeta@uniso.br Simone Fermino da Silva (FASC) fafil.oapec@argon.com.br Resumo A expressão

Leia mais

GRAZIELY FACHOLI BOMFIM PROGRAMA DE ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (APPCC) APLICÁVEL EM ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL GOIÂNIA

GRAZIELY FACHOLI BOMFIM PROGRAMA DE ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (APPCC) APLICÁVEL EM ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL GOIÂNIA GRAZIELY FACHOLI BOMFIM PROGRAMA DE ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (APPCC) APLICÁVEL EM ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL GOIÂNIA 2010 GRAZIELY FACHOLI BOMFIM PROGRAMA DE ANÁLISE DE PERIGOS

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1 INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - O formulário deve ser preenchido em 2 vias. - Preencher a máquina ou por computador. FOLHA 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Sistemas de gestão da segurança de alimentos Requisitos para qualquer organização na cadeia produtiva de alimentos ABNT NBR ISO 22000:2006

Sistemas de gestão da segurança de alimentos Requisitos para qualquer organização na cadeia produtiva de alimentos ABNT NBR ISO 22000:2006 Sistemas de gestão da segurança de alimentos Requisitos para qualquer organização na cadeia produtiva de alimentos ABNT NBR ISO 22000:2006 Prefácio Nacional A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS GUILHERME SILVEIRA RODRIGUES DE FREITAS AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE ANÁLISE

Leia mais

HACCP. Hazard Analysis and Critical Control Points. Escola Superior Agrária de Coimbra / Departamento de Ciência e Tecnologia Alimentares

HACCP. Hazard Analysis and Critical Control Points. Escola Superior Agrária de Coimbra / Departamento de Ciência e Tecnologia Alimentares 1 HACCP Hazard Analysis and Critical Control Points Análise de Perigos Controlo de Pontos Críticos Uma definição... O sistema HACCP consiste numa abordagem sistemática e estruturada de identificação de

Leia mais

A Microbiologia em Sorvete - Aspectos básicos - Luana Tashima

A Microbiologia em Sorvete - Aspectos básicos - Luana Tashima A Microbiologia em Sorvete - Aspectos básicos - Luana Tashima Fispal - Sorvetes Junho/2014 2014 Centro de Tecnologia SENAI-RJ Alimentos e Bebidas Educação Profissional Curso Técnico de Alimentos Curso

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000

COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000 COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000 PARTICIPAÇÃO NA CEET DA ABNT NBR 14900 e NBR 14991 COORDENAÇÃO DO GT INDÚSTRIA COORDENAÇÃO DO GT AUDITORIA

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE. Welliton Donizeti Popolim

CONTROLE DE QUALIDADE. Welliton Donizeti Popolim CONTROLE DE QUALIDADE Welliton Donizeti Popolim UM CENÁRIO MAIS COMPLEXO... Requisitos do consumidor mundial Qualidade ambiental Segurança Satisfação Produtos e serviços qualificados e certificados

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

BIOLÓGICA CONTAMINAÇÃO. O risco invisível na era do Alimento Seguro CAPA. Por Francine Pupin e Juliana Haddad Tognon

BIOLÓGICA CONTAMINAÇÃO. O risco invisível na era do Alimento Seguro CAPA. Por Francine Pupin e Juliana Haddad Tognon CONTAMINAÇÃO BIOLÓGICA O risco invisível na era do Alimento Seguro Por Francine Pupin e Juliana Haddad Tognon O consumidor, ao olhar aquela fruta linda no supermercado, não nota os perigos escondidos nela.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (GMP) E ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (HCCPP) EM UNIDADES DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS E PRODUTOS PROCESSADOS Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS SEGURANÇA ALIMENTAR PORQUÊ UMA NORMA ISO DE GESTÃO DA SEGURNAÇA ALIMENTAR? 1,5 Bilhões de casos de toxi- infecções alimentares por ano; Uma das causas mais comuns de mortalidade em Países em desenvolvimento;

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) no RS o Mais de 3200 surtos notificados de 1987 a 2006 (DVS/RS). o Principais

Leia mais

PROCESSAMENTO DA CARNE SUÍNA

PROCESSAMENTO DA CARNE SUÍNA PROCESSAMENTO DA CARNE SUÍNA Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com.) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com.) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA MATADOUROS DE AVES E PEQUENOS ANIMAIS:

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA MATADOUROS DE AVES E PEQUENOS ANIMAIS: ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - C I S P O A - NORMAS TÉCNICAS DE

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

SINDIRAÇÕES - Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal Página 2 de 31

SINDIRAÇÕES - Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal Página 2 de 31 INDICE Check List...03 Check List APPCC...23 SINDIRAÇÕES - Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal Página 2 de 31 do A Requisitos Regulamentares A.1 3 A.2 3 O fabricante tem número de registro

Leia mais

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Aula 1 Seleção De Fornecedores, Compra E Recebimento Das Matérias- Primas, Ingredientes E Embalagens As matérias- primas, os ingredientes e as embalagens

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Contêineres rígidos para esterilização

Contêineres rígidos para esterilização Por Silvia Baffi 1. Introdução Contêineres rígidos para esterilização Contêineres são recipientes rígidos e reutilizáveis para a esterilização. São compostos por diferentes dispositivos que podem ser denominados

Leia mais

http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download...

http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download... Page 1 of 5 Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural Portaria SAR nº 17/2010, de 28/10/2010 O Secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, no

Leia mais

Portaria IAGRO Nº 2796 DE 22/05/2013 (Estadual - Mato Grosso do Sul)

Portaria IAGRO Nº 2796 DE 22/05/2013 (Estadual - Mato Grosso do Sul) Data D.O.: 24/05/2013 Portaria IAGRO Nº 2796 DE 22/05/2013 (Estadual - Mato Grosso do Sul) Torna obrigatória a implantação de Programa de Qualidade e seus requisitos em estabelecimentos de produtos de

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA APPCC NA PRODUÇÃO DE AO LEITE COM RECHEIO DE LICOR

7º Simpósio de Ensino de Graduação DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA APPCC NA PRODUÇÃO DE AO LEITE COM RECHEIO DE LICOR 7º Simpósio de Ensino de Graduação DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA APPCC NA PRODUÇÃO DE AO LEITE COM RECHEIO DE LICOR BOMBOM DE CHOCOLATE Autor(es) LETICIA RODRIGUES AZENHA Co-Autor(es) KARINA KAMINOBO TAKAEZU

Leia mais

23/04/2014. PADRÕES DE QUALIDADE DE FARINHAS E GORDURAS (não comestíveis) NA VISÃO DO MAPA DIPOA. Secretaria de Defesa Agropecuária

23/04/2014. PADRÕES DE QUALIDADE DE FARINHAS E GORDURAS (não comestíveis) NA VISÃO DO MAPA DIPOA. Secretaria de Defesa Agropecuária ORGANOGRAMA DA SDA/MAPA PADRÕES DE QUALIDADE DE FARINHAS E GORDURAS (não comestíveis) NA VISÃO DO MAPA DIPOA/MAPA XIII Congresso Brasil Rendering 2014 Campinas DFIA Secretaria de Defesa Agropecuária DSV

Leia mais

SIMPÓSIO DE TECNOLOGIA DE LATICÍNIOS & SORVETES. de Laticínios e Sorvetes. PAS Programa Alimentos Seguros

SIMPÓSIO DE TECNOLOGIA DE LATICÍNIOS & SORVETES. de Laticínios e Sorvetes. PAS Programa Alimentos Seguros SIMPÓSIO DE TECNOLOGIA DE LATICÍNIOS & SORVETES - 25/abril/2007 Rastreabilidade aplicada à Industrialização de Laticínios e Sorvetes PAS Programa Alimentos Seguros Nedio Jair Wurlitzer - Eng. Alimentos

Leia mais

Menu Dzetta. Alimento seguro é sempre um bom negócio! para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade!

Menu Dzetta. Alimento seguro é sempre um bom negócio! para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade! Menu Dzetta para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade! Alimento seguro é sempre um bom negócio! Rua Miguel de Frias, 206/403 Icaraí Niterói RJ Cep: 24.220-004 Tel: 55 (21) 2620-7474

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. Em relação as atividades que envolvem a evisceração dos animais, analise as afirmações a seguir: I. Abertura da caixa torácica, através de corte do osso do peito para retirada

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF)

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto. de Eng. Química e de Eng. de Alimentos EQA 5221 - Turma 945 Higiene e Legislação de Alimentos INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) As BPF têm

Leia mais

TECNOLOGIA PÓS- COLHEITA

TECNOLOGIA PÓS- COLHEITA TECNOLOGIA PÓS- COLHEITA PRODUÇÃO INTEGRADA DE MAÇÃ - PIM CURSO PARA TREINAMENTO DE TÉCNICOS FERNANDO FLORES CANTILLANO Embrapa Clima Temperado Pelotas, RS CONTEÚDO: NOÇÕES DE APPCC RASTREABILIDADE REGISTROS

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Sistema APPCC e a Garantia da Qualidade de Alimentos

Sistema APPCC e a Garantia da Qualidade de Alimentos Sistema APPCC e a Garantia da Qualidade de Alimentos Sistema APPCC APPCC Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle HACCP Hazard Analysis and Critical Control Points Ferramenta de controle de qualidade

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

ANÁLISE DOS PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE APPCC FARIMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE SUBPRODUTOS ANIMAIS LTDA. APPCC / FARIMA

ANÁLISE DOS PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE APPCC FARIMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE SUBPRODUTOS ANIMAIS LTDA. APPCC / FARIMA ANÁLISE DOS PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE APC FARIMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE SUBPRODUTOS ANIMAIS LTDA. APC / FARIMA SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 4 CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 MATERIAIS...

Leia mais

Experiência do Estágio na Schreiber Foods do Brasil. Médica Veterinária Jéssica Silvério Miranda jsmiranda23@gmail.com

Experiência do Estágio na Schreiber Foods do Brasil. Médica Veterinária Jéssica Silvério Miranda jsmiranda23@gmail.com Experiência do Estágio na Schreiber Foods do Brasil Médica Veterinária Jéssica Silvério Miranda jsmiranda23@gmail.com A paixão pelo leite surgiu aos poucos desde o terceiro ano da faculdade de veterinária.

Leia mais

Boas práticas na manipulação do pescado

Boas práticas na manipulação do pescado Boas práticas na manipulação do pescado O Brasil tem uma grande variedade de pescados e todas as condições para a produção deste alimento saudável e saboroso. Para que o pescado continue essa fonte rica

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Circular Nº 004/2009/DICAO/CGI/DIPOA Brasília, 01 de outubro de 2009

Circular Nº 004/2009/DICAO/CGI/DIPOA Brasília, 01 de outubro de 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL -DIPOA COORDENAÇÃO GERAL DE INSPEÇÃO CGI DIVISÃO DE

Leia mais

DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA

DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA Boas Práticas Para um bom resultado na manipulação de alimentos deve-se trabalhar aplicando

Leia mais

UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - CENTRO TECNOLÓGICO EQA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS

UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - CENTRO TECNOLÓGICO EQA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - CENTRO TECNOLÓGICO EQA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS RODRIGO MIZUKAWA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO OTIMIZE

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

AUTOMAÇÃO DOS PROGRAMAS DE AUTOCONTROLE CONTROLES SOB CONTROLE PINHAIS, 27 DE MARÇO DE 2014

AUTOMAÇÃO DOS PROGRAMAS DE AUTOCONTROLE CONTROLES SOB CONTROLE PINHAIS, 27 DE MARÇO DE 2014 AUTOMAÇÃO DOS PROGRAMAS DE AUTOCONTROLE PINHAIS, 27 DE MARÇO DE 2014 REFERÊNCIAS Ofício Circular CGPE/DIPOA/MAPA 175 de 16/05/2005 Ofício Circular CGPE/DIPOA/MAPA 176 de 16/05/2005 Acordo de Cooperação

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais