TAMPÕES DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TAMPÕES DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL"

Transcrição

1 Rev. 0 1 DIRTEC Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul. 1 de 6 ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS EMISSÃO INICIAL REVISÃO GERAL DATA: 24/06/05 30/05/12 EXECUÇÃO: Hebert Michael VERIFICAÇÃO: Juares Sérgio APROVAÇÃO: Juares L.Felipe Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8

2 Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul. 2 de 6 Sumário 1. Objetivo Normas Aplicáveis Requisitos Gerais Quanto a Classificação Requisitos específicos Material Disposições construtivas Tratamento de superfície Ensaios Inspeção de recebimento Marcação Demais recomendações... 6

3 Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul. 3 de 6 1. Objetivo O documento tem por objetivo padronizar os tampões de ferro fundido para as caixas de válvulas das obras da rede de gás natural. 2. Normas Aplicáveis ABNT NBR 6916:1981 Ferro fundido nodular ou ferro fundido com grafita esferoidal. ABNT NBR 10160:2005 Tampões e grelhas de ferro fundido dúctil requisitos e métodos de ensaio BS EN 124:1994 Gully tops and manhole tops for vehicular and pedestrian areas Design requirements, type testing, marking, quality control. 3. Definições 3.1 apoio elástico: Material fixado a tampa ou telar, que permite assentamento estável. 3.2 área livre: Vão livre do telar, entre os apoios. 3.3 aro ou telar: Peça fixa dotada de batente e destinada a receber a tampa. 3.4 articulação: Dispositivo que permite o pivotamento entre a tampa. 3.5 cota de passagem (CP): Diâmetro do maior circulo inscrito na área livre do telar. 3.6 tampa: Peça móvel, composta de um ou mais elementos, que, apoiada no aro (telar), obtura o acesso ao poço de inspeção ou similar. 3.7 tampão: Conjunto construído por tampa e aro (telar), destinado ao fechamento não estanque de poço de inspeção ou similar. 4. Requisitos Gerais Todos os tampões deverão ser fornecidos com o telar e ser construído em conformidade com a norma brasileira ABNT NBR 10160: Quanto a Classificação Tampão 60x40cm articulado Grupo 2 Classe mínima B 125 Abrange dispositivos recomendados para uso em passeios (calçadas) ou locais para circulação de pedestres e áreas de estacionamento de carros de passeio. Usado em caixas de passagem do sistema supervisório e demais linhas de fibra ótica (Tipo R1) Representado no anexo A - Retangular 60x40.

4 Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul. 4 de Tampão 25x25cm articulado Grupo 4 Classe mínima D 400 Abrange dispositivos recomendados para uso em vias de circulação de veículos (ruas), acostamentos e estacionamentos para todo tipo de veículo. Usado em pontos de teste de proteção catódica de piso e caixas de Interligação de aterramento (Tipo T19). Representado no anexo B - Quadrada 25x Tampão de Boca de Visita Grupo 4 Classe mínima D 400 Abrange dispositivos recomendados para uso em vias de circulação de veículos (ruas), acostamentos e estacionamentos para todo tipo de veículo. A fixação mecânica da tampa ao telar deve ser feita através de conjunto parafuso e arruela. O parafuso deve ser padrão DIN 912 com sextavado interno com rosca M20. A arruela está desenhada e detalhada em anexo. Usado como tampa de boca de visita em caixas de válvulas, de junta de isolação elétrica, de ERS e de outros acessórios de distribuição de gás natural. Representado no anexo C - D Requisitos específicos 5.1 Material Os tampões e seus respectivos telares e arruelas devem ser fabricados com ferro fundido nodular de classe FE42012 ou FE50007, conforme a norma brasileira ABNT NBR 6916: Disposições construtivas Assentamento de tampas ou grelhas O acabamento das superfícies de contato deve ser feito de modo a assegurar, durante sua utilização, uma distribuição regular de cargas e a ausência de ruídos. Para os tampões do item Caixas de válvulas, junta de isolação elétrica e ERS, devem ser usados apoio elástico para isso o tampão deve ser fornecido com um anel, com secção redonda, em elastômero com 10,0 mm de diâmetro, que proporcionará a vedação do conjunto Segurança (ou estabilidade) da tampa ou da grelha em relação ao telar A tampa ou a grelha deve manter-se dentro do telar correspondente, sem deslocamentos, nas condições de trafego existentes no local de instalação. Para o tampão do item Caixas de válvulas, junta de isolação elétrica e ERS deve ser usado o sistema de travamento, conforme descrito no desenho DE-SUL Perfil da face superior de tampas e telares A face superior de tampas, e telares de classe D 400 deve ser plana, podendo apresentar-se côncava, com uma variação de ate 1% da cota de passagem, limitada a no máximo 6,0 mm.

5 Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul. 5 de 6 Na face superior deverá conter o logotipo da Sulgás (ver desenhos anexos) no centro da mesma, também a deverá estar impresso na tampa o nome do fabricante e a classe de resistência da tampa conforme ABNT NBR 6916:1981 Ferro fundido nodular ou ferro fundido com grafita esferoidal. As superfícies metálicas das faces superiores de tampas devem ser antiderrapantes e apresentar uma configuração em relevo com as seguintes características: a) altura do relevo: - para classes B 125: 2,0 mm a 6,0 mm; - para classes D 400: 3,0 mm a 8,0 mm; b) área do relevo: - superior a 10% e inferior a 70% da área total da face superior Ângulo de abertura de tampas articuladas O ângulo de abertura de tampas articuladas deve ser de no mínimo 100 em relação ao plano horizontal Encaixe da fixação por parafusos As arruelas de fixação devem prender a tampa ao telar nos três pontos onde estão instaladas. 5.3 Tratamento de superfície Fosfatização Tricatiônica (Zn, Mn e Ni) com espessura mínima de 15,0 g/m² nos telares, mesmo que confeccionados em Ferro Fundido. O parafuso de fixação da tampa deve ter o mesmo tratamento de superfície que o telar. 6 Ensaios Devem ser feitos todos os ensaios necessários descritos na norma brasileira ABNT NBR 10160:2005 Tampões e grelhas de ferro fundido dúctil requisitos e métodos de ensaio. Sendo registrados os resultados através de relatório: exames visuais, exames dimensionais, ensaio de desempenho e ensaio tipo. 7 Inspeção de recebimento A Sulgás designará pelo menos um funcionário para fazer a inspeção de recebimento descrita na norma brasileira ABNT NBR 10160:2005 Tampões e grelhas de ferro fundido dúctil requisitos e métodos de ensaio.

6 Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul. 6 de 6 8 Marcação Tampas e telares devem apresentar no mínimo as seguintes marcações: a) A descrição ABNT NBR ; b) O material empregado na fabricação (FE ou ou símbolo de identificação); c) Classe B 125 ou D 400; d) Nome e/ou marca de identificação do fabricante e local de fabricação, quando for o caso, que pode ser em código; e) Código de rastreabilidade com no mínimo o ano fabricação ou indicação do nº da semana e ano de fabricação; f) Logotipo da Sulgás no centro da face superior; g) Identificação, a critério do fabricante, tais como: nome, código e/ou referência de fabricação. 9 Demais recomendações O fabricante deve fornecer um documento com recomendações para transporte, manuseio, armazenamento e instalação das tampas. Os desenhos anexos foram feitos através do programa SolidWorks com a extensão.slddrw, que também pode ser visualizado através do programa SolidWorks edrawings 2010 ou superior que pode ser baixado gratuitamente na página da Dassault Systèmes SolidWorks Corp. no endereço

CAIXA DE VISITA TRONCO CÓNICA Ø 200

CAIXA DE VISITA TRONCO CÓNICA Ø 200 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 307 22 de junho de 2012 Página 2 de 8 ÍNDICE Registo das revisões... 3 Preâmbulo... 4 1. Objetivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências externas... 4 4. Condições gerais de fabrico...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD -.056 1/25 BAIXA TENSÃO 1. OBJETIVO Esta Norma tem por objetivo estabelecer as condições mínimas exigíveis para o fornecimento dos materiais em referência, a serem utilizados nas Redes Subterrâneas,

Leia mais

uso externo Nº 2117 1

uso externo Nº 2117 1 Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 12 DESENHO 2 - CORPO DA CAIXA DISPOSITIVO PARA LACRE DE SEGURANÇA A B ROSCA M6 x 1 TORRE DE FIXAÇÃO ROSCA M10 x 1,5 C TORRE DE FIXAÇÃO ROSCA M10 x

Leia mais

NPT 034 HIDRANTE URBANO

NPT 034 HIDRANTE URBANO Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 034 Hidrante Urbano CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 9páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas e Bibliográficas

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VÁLVULAS DE BLOQUEIO - REDE DE AÇO CARBONO VÁLVULA ESFERA E TOP-ENTRY NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-200-TME-005 ET-65-200-CPG-005 1 / 6 CONTROLE

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TUBOS DE COBRE RÍGIDOS E FLEXÍVEIS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ET-65-200-CPG-039 1 / 7 ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL CÓDIGO PISO ELEVADO PARA ÁREAS TEMPORÁRIAS PTEN 01_02_03 PISO ELEVADO PARA ÁREAS TEMPORÁRIAS PTEN 01_02_03 Descrição

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNCIA FOLHA 1 de 5 ÍNDICE DE REVISÕES

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto N.º 009 ETP009 Lacres para unidade de medição.

Especificação Técnica de Projeto N.º 009 ETP009 Lacres para unidade de medição. SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 009 Especificação Técnica de Projeto N.º 009 ETP009 Lacres para unidade de medição. 1. Objetivo. Esta ETP 009, especificação Técnica de Projeto nº 009

Leia mais

NORMA TÉCNICA 34/2014

NORMA TÉCNICA 34/2014 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 34/2014 Hidrante Urbano SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5

Leia mais

PROPOSTA DE TEXTO-BASE MARMITA DE ALUMÍNIO

PROPOSTA DE TEXTO-BASE MARMITA DE ALUMÍNIO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE SUPRIMENTO Seção de Suprimento Classe II 84/04 PROPOSTA DE TEXTO-BASE SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS...

Leia mais

Canaletas PVC DLP & Acessórios

Canaletas PVC DLP & Acessórios Centro de Suporte Técnico T 0800-11 11-8008 servmercado@piallegrand.com.br Canaletas PVC DLP & Acessórios CONTEÚDOS PÁGINAS 1.Linha 1 a 2 2.Acessórios de acabamento 3 a 5 3.Acessórios complementares 6

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor. Especificação Sucinta de Caixa Modelo F3 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.4 4ª Folha 1

Leia mais

MÓVEIS ESCOLARES CADEIRA E MESA PARA CONJUNTO ALUNO INDIVIDUAL. Portaria Inmetro 105/2012 e 184/2015 Códigos: 3795 Cadeira e 3796 - Mesa

MÓVEIS ESCOLARES CADEIRA E MESA PARA CONJUNTO ALUNO INDIVIDUAL. Portaria Inmetro 105/2012 e 184/2015 Códigos: 3795 Cadeira e 3796 - Mesa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES T Í T U L O ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES CÓDIGO ESP-I-GPC-01/13 VERSÃO APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R0 20/05/2013 CONTROLE DE REVISÃO

Leia mais

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1 OBJETIVO O objetivo do Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações,

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor. Especificação Sucinta de Caixa Modelo F4 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.5 6ª Folha 1

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 15/02/2007 Retirado o tubulete da caixa de muflas do medidor. Especificação Sucinta de Caixa Modelo F4 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.5 5ª Folha 1

Leia mais

- Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

- Companhia Hidro Elétrica do São Francisco - Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DO - DIRETORIA DE OPERAÇÃO GRP GERÊNCIA REGIONAL DE OPERAÇÃO DE PAULO AFONSO DRMP Divisão Regional de Manutenção Elétrica e Mecânica das Usinas e Instalações

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2015 Instrução Técnica nº 34/2011 - Hidrante urbano 719 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2015 Hidrante

Leia mais

Conjuntos mecânicos II

Conjuntos mecânicos II A UU L AL A Conjuntos mecânicos II Nesta aula trataremos de outro assunto também relacionado a conjuntos mecânicos: o desenho de conjunto. Introdução Desenho de conjunto Desenho de conjunto é o desenho

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB DITEC Reforma das instalações Código do Projeto: 1564-12 Pág. 2 Índice Sumário 1. Memorial Descritivo

Leia mais

CÓDIGO: DC 1.2/14 REVISÃO: 01 PÁGINA: 1 de 5

CÓDIGO: DC 1.2/14 REVISÃO: 01 PÁGINA: 1 de 5 CÓDIGO: DC 1.2/14 REVISÃO: 01 PÁGINA: 1 de 5 NBR 13966:1997 - Móveis para escritório - Mesas - Classificação e características físicas e dimensionais O Objetivo desta Norma é especificar as características

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE CINTO DE SEGURANÇA TIPO PARA-QUEDISTA TORRES EÓLICAS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE CINTO DE SEGURANÇA TIPO PARA-QUEDISTA TORRES EÓLICAS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE CINTO DE SEGURANÇA TIPO PARA-QUEDISTA TORRES EÓLICAS ET-DAST 007/13 Data 14/10/2013 I- APLICAÇÃO Este cinto deve ser utilizado para trabalhos em altura superior a 02 (dois) metros,

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180400 CERCA / MURO FOLHA: SUMÁRIO 1. CERCA COM TELA DE ARAME GALVANIZADO E ESTACAS DE CONCRETO...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...2 1.4 EXECUÇÃO...2 1.5 CONTROLE...2

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 03. Procedimento para GCR (Guarda Corpo e Rodapé)

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 03. Procedimento para GCR (Guarda Corpo e Rodapé) Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. Objetivo Este procedimento tem como objetivo, assegurar que todas as obras efetuem o sistema de Guarda Corpo e Rodapé, o qual destina-se a promover a proteção contra riscos

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO - CONTENTORES INTERMEDIÁRIOS PARA GRANÉIS (IBC) Portaria Inmetro 250/2006 e 280/2008 Código 3368

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO - CONTENTORES INTERMEDIÁRIOS PARA GRANÉIS (IBC) Portaria Inmetro 250/2006 e 280/2008 Código 3368 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0067 TAMPÃO PARA REDES SUBTERRÂNEAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS 04 1/5 Obs: 1. Medidas em milímetros. 2. Variações nas partes não cotadas são admissíveis, desde que mantidas as características eletromecânicas especificadas nesta EMD. 3. No interior da rosca, espaço

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste de Concreto Duplo T

Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste de Concreto Duplo T ITA 012 Rev. 1 Janeiro / 2007 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS CATÁLOGO DO MOBILIÁRIO Aplicado às Unidades Administrativas e Jurisdicionais de 1º e 2º Graus 1ª Edição PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE Outubro 2012 RESOLUÇÃO Nº 37/2012 Publicada

Leia mais

PEDIDO DE ESCLARECIMENTO PREGÃO Nº 33/12. Foco Soluções Corporativas Ltda., CNPJ 13.039.855/0001-78, solicita os seguintes esclarecimentos:

PEDIDO DE ESCLARECIMENTO PREGÃO Nº 33/12. Foco Soluções Corporativas Ltda., CNPJ 13.039.855/0001-78, solicita os seguintes esclarecimentos: PEDIDO DE ESCLARECIMENTO PREGÃO Nº 33/12 Foco Soluções Corporativas [focorepresentacao@globo.com] Para pregao.eletronico@trt1.jus.br Enviado ter 22/05/2012 21:17 Sr. Pregoeiro Foco Soluções Corporativas

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 0001/2012 COMPRASNET. Termo de Referência Mobiliário

COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 0001/2012 COMPRASNET. Termo de Referência Mobiliário COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 0001/2012 COMPRASNET Termo de Referência Mobiliário Objeto O presente Termo de Referência tem por objetivo a aquisição de mobiliários para atender as demandas decorrentes das novas

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-22/07/2014 05/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DE CONFORMIDADE TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS

REGULAMENTO DE CONFORMIDADE TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS REGULAMENTO DE CONFORMIDADE TÉCNICA DE (versão 03) JULHO / 2012 Página 1 DIRETORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL DGE GERÊNCIA DE LOGÍSTICA GELOG SUPERVISÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE DE MATERIAIS SCQ Página 2 SUMÁRIO

Leia mais

Especificação Disjuntores Baixa Tensão

Especificação Disjuntores Baixa Tensão Especificação Disjuntores Baixa Tensão Descrição: DISJUNTOR MICROPROCESSADO Local de Aplicação: QGBT Modelo: Fabricante: Fabricante Alternativo: Normas NBR-5361 / 8176, IEC-947-2 Aplicáveis Critério de

Leia mais

Requalificação de Recipientes Transportáveis para Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Requalificação de Recipientes Transportáveis para Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Martins Doc: 701-CRC-004 Revisão: 7 Página: 1/10 Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os

Leia mais

Sextante Ltda. Rua da Assembléia, 10 sala 1817 Rio de Janeiro RJ (21)2509 1577 qualidade@sextanteconsultoria.com.br. Programa Setorial da Qualidade

Sextante Ltda. Rua da Assembléia, 10 sala 1817 Rio de Janeiro RJ (21)2509 1577 qualidade@sextanteconsultoria.com.br. Programa Setorial da Qualidade Av. Marechal Câmara, 160 grupo 632 - Centro - Rio de Janeiro, RJ CEP: 20020-080 Tel.: (21) 2262-3882 Fax: (21) 2533-1872 E-mail: abitam@abitam.com.br www.abitam.com.br Sextante Ltda Rua da Assembléia,

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 240-8249/532-2143

Leia mais

NORMA DE TRANSMISSÃO UNIFICADA NTU-013 INSPEÇÃO E AVALIAÇÃO TÉCNICA DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS

NORMA DE TRANSMISSÃO UNIFICADA NTU-013 INSPEÇÃO E AVALIAÇÃO TÉCNICA DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS NORMA DE TRANSMISSÃO UNIFICADA NTU-013 INSPEÇÃO E AVALIAÇÃO TÉCNICA DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS APROVAÇÃO Júlio Cesar Ragone Lopes Diretor Corporativo de Engenharia e Construção Grupo Energisa

Leia mais

Revisado em 18/11/2008

Revisado em 18/11/2008 PROCEDIMENTOS PARA VERIFICAÇÃO INICIAL E SUBSEQUENTE DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO E RESFRIAMENTO DE LEITE A GRANEL NORMA N o NIE-DIMEL- APROVADA EM N o Revisado em 18/11/2008 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo

Leia mais

02.01.01.02.001 02.01.02.02.001

02.01.01.02.001 02.01.02.02.001 INFRAERO RJ.06/432.92/2073/00 33/58 02.01.01.02 02.01.02.02 FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE TUBULAÇÕES E ACESSÓRIOS DA CASA DE BOMBAS Descrição: O fornecimento e instalação de tubulações e acessórios da casa

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS Ignitores para lâmpadas de descarga Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do Ca de 2012-10-10 Edição: 3ª. Anula e substitui

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME I MATERIAIS DE FERRO FUNDIDO TOMO I TUBO DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL MARÇO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO. Data: 02/10/14 Nº: 038/14

RELATÓRIO DE ENSAIO. Data: 02/10/14 Nº: 038/14 Av. Rhodes, 01- Bairro: Santa Edwiges Cambuí MG CEP: 37600-000 CNPJ: 60.657.624/0001-08 I.E.: 106.743.864.0040 Email: laboratorio@rhodes.ind.br Telefone: (35) 3431-9243 Laboratório pertencente à Rede Brasileira

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL n.º 023, de 13 de fevereiro de 2003.

Leia mais

1/8 EF-30. Esquadria de ferro para duto de capela (L=90cm) Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 27/03/15

1/8 EF-30. Esquadria de ferro para duto de capela (L=90cm) Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 27/03/15 /8 2/8 3/8 4/8 5/8 6/8 7/8 8/8 DESCRIÇÃO Constituintes Contra-marcos e perfis conforme bitolas especificadas nos desenhos. --Obs.: Em regiões litorâneas ou outros locais sujeitos à atmosfera corrosiva

Leia mais

FUSÍVEIS TIPO ROLHA E TIPO CARTUCHO

FUSÍVEIS TIPO ROLHA E TIPO CARTUCHO Página: 1/5 Elaborado por: Ramiro Sanches Verificado por: Glaucia Nahun Aprovado por: Marcos Zevzikovas Data Aprovação: 03/12/2013 1 OBJETIVO TÜV Rheinland do Brasil Este documento apresenta os critérios

Leia mais

Conjuntos mecânicos I

Conjuntos mecânicos I A UU L AL A Conjuntos mecânicos I O pessoal de uma pequena empresa tem todo o conhecimento necessário sobre elementos de máquinas no que se refere à transmissão, apoio e elementos elásticos. Entretanto,

Leia mais

Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA.

Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA. Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA. Relatório de Ensaio (RAE) N.º 10811015 Pág.: 1 / 6 Data de emissão: 23/10/2015 1 Solicitante: Ultra Safe Comercio, Importação e Exportação Eireli Endereço:

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 13SR.21.--.--. Medição por unidade pronta, assente, acabada e a funcionar (un).

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 13SR.21.--.--. Medição por unidade pronta, assente, acabada e a funcionar (un). 13SR.21.-- TÍTULO13SR SERRALHARIAS DE FERRO CAPÍTULO.2-. COMPONENTES EM CHAPA E PERFILADO SUB.CAPº.21. VÃOS I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por unidade pronta, assente, acabada e a funcionar (un).

Leia mais

OBJETIVO: APLICAÇÃO:

OBJETIVO: APLICAÇÃO: OBJETIVO: Este manual tem por objetivo sugerir os procedimentos, do ponto de vista técnico, para execução da infra-estrutura interna das unidades usuárias dos serviços em fibra óptica da Copel Telecomunicações.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 12 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do poste de aço, com seção transversal quadrada, para utilização em padrões de entrada

Leia mais

Modelo MASTERPLAC ESPAÇO DURABILIDADE BELEZA ECONOMIA SOLUÇÕES QUE MULTIPLICAM OS ESPAÇOS

Modelo MASTERPLAC ESPAÇO DURABILIDADE BELEZA ECONOMIA SOLUÇÕES QUE MULTIPLICAM OS ESPAÇOS Modelo MASTERPLAC ESPAÇO DURABILIDADE BELEZA ECONOMIA SOLUÇÕES QUE MULTIPLICAM OS ESPAÇOS FERRAGENS DO SISTEMA FERRAGENS EXCLUSIVAS Pivot corrediço da porta Puxador interno de latão Dobradiça entre-folhas

Leia mais

05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA

05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA 05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA 5.1 COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA AGÊNCIAS Agências sem recuo em relação à calçada 1 2 3 4 Elementos de comunicação visual As fachadas das agências dos Correios, sem recuo em

Leia mais

3 Dados Técnicos Página 1 de 5 Filtro de auto escurecimento 9002D

3 Dados Técnicos Página 1 de 5 Filtro de auto escurecimento 9002D 3 Dados Técnicos Página 1 de 5 Filtro de auto escurecimento 9002D Para uso com máscaras Speedglas Descrição: O Filtro de Auto Escurecimento para Soldagem de 3M Speedglas 9002D foi projetado para o uso

Leia mais

Comércio de Grades e Ferragens Ltda. Catálogos de Produtos

Comércio de Grades e Ferragens Ltda. Catálogos de Produtos Comércio de Grades e Ferragens Ltda. Catálogos de Produtos S DE PISO As grades COM são utilizadas largamente em plataformas industriais, passarelas, canaletas, circulares, plataformas circulares, degraus,

Leia mais

Painel com disjuntor Ex d / Ex tb

Painel com disjuntor Ex d / Ex tb Painel com disjuntor Ex d / Ex tb A prova de explosão, tempo e jatos potentes d água Características Construtivas Painel de distribuição, alimentação, proteção, etc. montado em invólucros fabricados em

Leia mais

Painéis de Concreto Armado

Painéis de Concreto Armado CONCEITO É constituído por painéis estruturais pré-moldados maciços de concreto armado e pelas ligações entre eles. Destina-se à construção de paredes de edifícios habitacionais de até 5 pavimentos. A

Leia mais

Análise dos requisitos da parte 4 da NBR 15.575 para vedações internas de drywall ABNT INSTITUTO DE ENGENHARIA DIVISÕES TÉCNICAS

Análise dos requisitos da parte 4 da NBR 15.575 para vedações internas de drywall ABNT INSTITUTO DE ENGENHARIA DIVISÕES TÉCNICAS Análise dos requisitos da parte 4 da NBR 15.575 para vedações internas de drywall ABNT INSTITUTO DE ENGENHARIA DIVISÕES TÉCNICAS Análise dos requisitos da parte 4 da NBR 15.575 para vedações internas de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ABRIGO MODELO. O novo abrigo de ligação facilitará a vida de todos.

MANUAL DE INSTALAÇÃO ABRIGO MODELO. O novo abrigo de ligação facilitará a vida de todos. MANUAL DE INSTALAÇÃO ABRIGO MODELO O novo abrigo de ligação facilitará a vida de todos. ÍNDICE O QUE É ABRIGO MODELO? VANTAGENS DO NOVO ABRIGO COMO INSTALAR POSIÇÕES POSSÍVEIS PARA INSTALAÇÃO MATERIAIS

Leia mais

ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS CLIENTE: ÁREA: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - ELETROTÉCNICA FOLHA: SEP: RLAM: ÍNDICE DE REVISÕES 1 de 18 Emissão original. DESCRIÇÃO

Leia mais

PROTENSÃO AULA 2 PONTES DE CONCRETO ARMADO

PROTENSÃO AULA 2 PONTES DE CONCRETO ARMADO PROTENSÃO AULA 2 PONTES DE CONCRETO ARMADO PONTE - DEFINIÇÃO Construção destinada a estabelecer a continuidade de uma via de qualquer natureza. Nos casos mais comuns, e que serão tratados neste texto,

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de corrente de baixa tensão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2013-12-26 Edição: 3ª. Anula e substitui a edição

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS Instalações elétricas e de instrumentação em áreas classificadas Patrícia Lins de Paula 05/04/2012 86 Sumário Classificação de Áreas Definições e conceitos Critérios

Leia mais

QLM e QLD Válvulas de controle de 3 vias

QLM e QLD Válvulas de controle de 3 vias Página 1 de 8 R Rev 00 QLM e QLD Válvulas de controle de 3 vias Descrição QLM e QLD são válvulas de controle de 3 vias de característica linear e que podem convergir ou divergir fluxos. Estas válvulas

Leia mais

Memorial Técnico Descritivo do Alarme de Incêndio

Memorial Técnico Descritivo do Alarme de Incêndio Memorial Técnico Descritivo do Alarme de Incêndio 1. IDENTIFICAÇÃO Prefeitura Municipal De Veranópolis Posto de Saúde Central. Av. Pinheiro Machado, 581 Centro Veranópolis RS CEP: 95330-000 CNPJ: 98671597/0001-09

Leia mais

L A U D O T É C N I C O. Segurança estrutural contra incêndio

L A U D O T É C N I C O. Segurança estrutural contra incêndio L A U D O T É C N I C O Segurança estrutural contra incêndio GINASIO POLIESPORTIVO TAPEJARA RS MAIO DE 2015 OBJETIVO: Este laudo tem por objetivo estabelecer as condições mínimas que os materiais existentes

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 03 SÍMBOLOS GRÁFICOS 2015

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 03 SÍMBOLOS GRÁFICOS 2015 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 03 SÍMBOLOS GRÁFICOS 2015 SUMÁRIO

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de moto 250

Manual de instruções. Rampa de moto 250 Manual de instruções Rampa de moto 250 Apresentação Somos uma empresa voltada no ramo de equipamentos para auto centers e borracharias em geral, contamos com uma linha de funcionários altamente qualificada

Leia mais

SANDIVEDA. Rede Simples Torção Plastificada e Zincada. Rede Ondulada. Arame Farpado Plastificado e Zincado. Arames Plastificados e Zincados

SANDIVEDA. Rede Simples Torção Plastificada e Zincada. Rede Ondulada. Arame Farpado Plastificado e Zincado. Arames Plastificados e Zincados SANDIVEDA Rede Simples Torção Plastificada e Zincada Rede Ondulada Arame Farpado Plastificado e Zincado. Arames Plastificados e Zincados Vedações Rígidas Postes com secção quadrada Postes com secção rectangular

Leia mais

Calhasxxxxxx. emxxxxxcor U23X cinzento RAL 7035. Cumprir o RTIEBT. Catálogo Geral 2015-2016. Indicado para intempérie

Calhasxxxxxx. emxxxxxcor U23X cinzento RAL 7035. Cumprir o RTIEBT. Catálogo Geral 2015-2016. Indicado para intempérie 73 Calhasxxxxxx UV Indicado para intempérie emxxxxxcor U23X cinzento RAL 7035 Cumprir o RTIEBT Catálogo Geral 2015-2016 47 CALHAS 73 EM U23X COR CINZENTO RAL 7035 Calhas 73 em U23X cor cinzento RAL 7035

Leia mais

Selo de Segurança para Medição de Cliente

Selo de Segurança para Medição de Cliente ETA 003 Rev. 0 Maio / 2001 Selo de Segurança para Medição de Cliente Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia

Leia mais

BIOMBO ESTAÇÃO DE TRABALHO 31.07.11 I.ID

BIOMBO ESTAÇÃO DE TRABALHO 31.07.11 I.ID I.ID ID PD/PD1- PAINEL/ BIOMBO PDB- PAINEL/BIOMBO COM BALCÃO PDJ/PDJ1- PAINEL/BIOMBO COM VIDRO I.ID BIOMBOS ESPECIFICAÇÕES GERAIS 1. TIPOS PD (PAINEL/BIOMBO CEGO COM 02 CALHAS ELETRIFICÁVEIS); PD1(PAINEL/BIOMBO

Leia mais

3 Barreiras de Fogo - Sistema C-AJ-5030

3 Barreiras de Fogo - Sistema C-AJ-5030 3 Barreiras de Fogo - Sistema C-AJ-5030 Dados Técnicos Junho/02 Substitui: Janeiro/01 Tubos Metálicos Isolados F 1 and 2 horas (veja o item 1) T 0 horas L Temperatura Ambiente 0,30 m³/m² ( 2 CFM/sq ft)

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR 028 / MNNE / 2012

TERMO DE REFERÊNCIA TR 028 / MNNE / 2012 TERMO DE REFERÊNCIA TR 028 / MNNE / 2012 AQUISIÇÃO DE MANCAIS E CORREIAS EM V PARA OS AEROPORTOS DE FORTALEZA (SBFZ), PETROLINA (SBPL) E RECIFE / GUARARAPES (SBRF). Recife, Agosto de 2012. TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Exemplos de lajes mistas

Exemplos de lajes mistas Lajes Mistas Exemplos de lajes mistas Exemplos de utilização de lajes mistas Estruturas novas Reabilitação de estruturas Edifícios comerciais Edifícios industriais Edifícios de escritórios Armazéns logísticos

Leia mais

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO & MANUTENÇÃO PARA O RANGE DE CAIXAS ABTECH BPG SIRA99ATEX3173

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO & MANUTENÇÃO PARA O RANGE DE CAIXAS ABTECH BPG SIRA99ATEX3173 ABTQ-34 rev 05 Última Revisão 22nd March 2010: INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO & MANUTENÇÃO PARA O RANGE DE CAIXAS ABTECH BPG SIRA99ATEX3173 A marcação mostrada é para uma caixa de terminação certificada.

Leia mais

GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO GVS

GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS INTRODUÇÃO Os gabinetes de ventilação da linha são equipados com ventiladores de pás curvadas para frente (tipo "sirocco"), de dupla aspiração

Leia mais

SUPORTE FIXO DE PAREDE SIMPLE LED

SUPORTE FIXO DE PAREDE SIMPLE LED SUPORTE FIXO DE PAREDE SIMPLE LED MANUAL DE UTILIZAÇÃO 1 CARACTERÍSTICAS: - Fixação na parede. - Para TV's e monitores LED compatíveis com qualquer padrão de fixação a partir de 100 (H) x 100 (V) mm. -

Leia mais

PLP BRASIL. Seção 8 OPGW

PLP BRASIL. Seção 8 OPGW Transmissão: Seção 8 PLP BRASIL Seção 8 OPGW Índice Página Grampo de Suspensão Fiberlign 4300 8-2 Grampo de Ancoragem Fiberlign GAF 8-3 Reparo Preformado Fiberlign AWLS 8-4 Caixa de Emenda para Cabos de

Leia mais

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR NORMA BRASILEIRA REGISTRADA NO INMETRO A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é reconhecida como único Foro Nacional de Normalização, responsável

Leia mais

Mini-Colunas 50 Catálogo Geral 2015-2016 155

Mini-Colunas 50 Catálogo Geral 2015-2016 155 Mini-Colunas 50 Catálogo Geral 2015-2016 155 MINI-COLUNAS 50 Mini-Colunas 50 Para a alimentação de postos de trabalho desde o chão, em salas amplas Sistema flexível para a alimentação de postos de trabalho

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 INSTALAÇÃO PERMANENTE

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 INSTALAÇÃO PERMANENTE ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO EBL Soluções em Serviços Ltda/Laboratório de Ensaios

Leia mais

Dados técnicos. Polaridade de saída Intervalo seguro de comutação s a 0... 1,62 mm Factor de redução r Cu 0,2

Dados técnicos. Polaridade de saída Intervalo seguro de comutação s a 0... 1,62 mm Factor de redução r Cu 0,2 0102 Designação para encomenda Características 2 mm nivelado Pode ser aplicado até SIL 2 conforme IEC 61508 Dados técnicos Dados gerais Função do elemento de comutação Contacto de ruptura NAMUR Intervalo

Leia mais

Banheiro. 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha. 7.3.4.1 Área de transferência

Banheiro. 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha. 7.3.4.1 Área de transferência Banheiro 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha 7.3.4.1 Área de transferência Para boxes de chuveiros deve ser prevista área de transferência externa ao boxe, de forma a permitir a aproximação paralela, devendo

Leia mais

Fachada Plasma, um novo tipo de fachada ventilada, cujo revestimento exterior é constituído por telhas cerâmicas Plasma.

Fachada Plasma, um novo tipo de fachada ventilada, cujo revestimento exterior é constituído por telhas cerâmicas Plasma. WWW.CS-TELHAS.PT Fachada Plasma, um novo tipo de fachada ventilada, cujo revestimento exterior é constituído por telhas cerâmicas Plasma. Plasma TX1, cor Antracite e Plasma TX2, cor Cinza Aço. As fachadas

Leia mais

Guia Linear. Tamanho. Curso 07 20. Patins. Características Técnicas Material das guias DIN 58 CrMoV4 Material dos patins DIN 16 MnCr5

Guia Linear. Tamanho. Curso 07 20. Patins. Características Técnicas Material das guias DIN 58 CrMoV4 Material dos patins DIN 16 MnCr5 Guias Lineares - Série GH G H Guia Linear - Guia Linear Tamanho Curso 07 20 Máx. 4000mm 09 25 12 35 Exemplo: GH20-200 15 45 GH35-100 Patins G H P - Guia Linear Tamanho 07 20 09 25 12 35 15 45 Patins ---

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL n 101, de 07 de Julho de 2000. O Diretor

Leia mais

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO TÍTULO: IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO Instrução para calibração de Simulador e Medidor de Sinais IT N.º : 040 1 OBJETIVO Sinais. Esta instrução tem por finalidade estabelecer um critério para a calibração de

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:03 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

Inspeção preventiva de redes elétricas de distribuição subterrânea em condomínios - diretrizes e critérios

Inspeção preventiva de redes elétricas de distribuição subterrânea em condomínios - diretrizes e critérios 50 Capítulo III Inspeção preventiva de redes elétricas de distribuição subterrânea em condomínios - diretrizes e critérios Por Ronaldo Antonio Roncolatto* O planejamento e a execução de um programa de

Leia mais

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v DESENHO 1: padrão ligação monofásica - instalação na parede com ramal de entrada aéreo, edificação do mesmo lado da rede e na divisa com o passeio público.

Leia mais

GOIÂNIA. Eng. Roberto Barella Filho

GOIÂNIA. Eng. Roberto Barella Filho PROGRAMA OBRAS MONITORADAS ALVENARIA ESTRUTURAL GOIÂNIA Eng. Roberto Barella Filho GOIÂNIA METODOLOGIA DE COLETA DE INDICADORES Eng. Roberto Barella Filho OBJETIVOS PROGRAMA OBRAS MONITORADAS ALVENARIA

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA FORNOS E FOGÕES A GÁS. Portaria Inmetro 18/2008 - (CÓDIGOS: 3285 E 3286)

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA FORNOS E FOGÕES A GÁS. Portaria Inmetro 18/2008 - (CÓDIGOS: 3285 E 3286) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LABORATÓRIO DE MADEIRA E PRODUTOS DERIVADOS / CENTRO DE TECNOLOGIA DE RECURSOS FLORESTAIS / IPT

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO LABORATÓRIO DE MADEIRA E PRODUTOS DERIVADOS / CENTRO DE TECNOLOGIA DE RECURSOS FLORESTAIS / IPT ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 10 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIO DE MADEIRA E S DERIVADOS / CENTRO DE TECNOLOGIA

Leia mais

LEI N 1.873/2008 Dispõe sobre as instalações de cercas energizadas destinadas à proteção de perímetro no município de Viçosa e dá outras providências

LEI N 1.873/2008 Dispõe sobre as instalações de cercas energizadas destinadas à proteção de perímetro no município de Viçosa e dá outras providências LEI N 1.873/2008 Dispõe sobre as instalações de cercas energizadas destinadas à proteção de perímetro no município de Viçosa e dá outras providências O Povo do Município de Viçosa, por seus representantes

Leia mais

E-QP-EIF-076 REV. B 14/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO PINTURA INDUSTRIAL - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO - GERAL -

E-QP-EIF-076 REV. B 14/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO PINTURA INDUSTRIAL - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO - GERAL - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO PINTURA INDUSTRIAL - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO - GERAL - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando

Leia mais

SÉRIE AB 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE

SÉRIE AB 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE SÉRIE AB 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE SÉRIE AB 102 103 104 105 Fotografias gerais e pormenores 4 1 FOLHA / 2 FOLHAS BATENTE Caracterização Modelo Tipologia AB1 1 folha AB2 2 folhas Certificações Resistência

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE CABOS E CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE CABOS E CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO MERCOSUL/GMC/RES. Nº 04/09 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE CABOS E CONDUTORES ELÉTRICOS DE BAIXA TENSÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções N 38/98, 56/02

Leia mais