A GESTÃO DA QUALIDADE COMO UM DIFERENCIAL NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS EMPRESAS DE MÓVEIS EM PETRÓPOLIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO DA QUALIDADE COMO UM DIFERENCIAL NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS EMPRESAS DE MÓVEIS EM PETRÓPOLIS"

Transcrição

1 ISSN A GESTÃO DA QUALIDADE COMO UM DIFERENCIAL NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS EMPRESAS DE MÓVEIS EM PETRÓPOLIS Anelisa Morais de Oliveira (LATEC/UFF) Resumo O presente trabalho busca mostrar como as empresas da indústria moveleira de Petrópolis, utilizam em seus procedimentos internos a qualidade, porém necessitando aprimorá-los, para que possam além de obter produtos com maior qualidade, maximmizar a satisfação de seus clientes e obterem um diferencial competitivo entre seus concorrentes. Concomitantemente, visando demonstrar a importância das ferramentas e programas de qualidade e como o seu uso de maneira correta auxilia no alcance da satisfação de seus clientes, o bom andamento dos procedimentos internos e promovendo uma boa gestão. No decorrer deste estudo, foi desenvolvido como metodologia, um estudo de campo em algumas empresas de móveis de Petrópolis, além de pesquisas em material bibliográfico e documentação fornecida pelas empresas. Palavras-chaves: Qualidade. Ferramentas da qualidade. Diferencial. Gestão da qualidade.

2 1. INTRODUÇÃO Com a evolução dos negócios e a expansão da concorrência, as empresas estão tendo que ter uma preocupação constante com a qualidade de seus produtos e serviços. A gestão da qualidade dentro das organizações tem como intuito melhorar os processos e, consequentemente, com este aperfeiçoamento criar um maior vínculo com os clientes, que terão uma tendência para serem fiéis na aquisição de produtos ou serviços desta empresa. Segundo Deming (1990, p.1): na medida em que a qualidade melhora, há menos desperdícios, minimização de retrabalhos e melhor vantagem competitiva. Foram analisadas, neste trabalho, empresas da indústria moveleira de Petrópolis, que atualmente utilizam um sistema de qualidade, porém, sendo pouco aproveitada em seu processo produtivo. Isso acarreta nos problemas que já foram mencionados e também em algumas devoluções dos produtos adquiridos pelos consumidores. Paladini (2000, p. 69) nos lembra que: no processo produtivo devem conter especificações básicas, como segurança, higiene, precisão e prazos, para que possam atender as necessidades dos clientes e também para que não comprometam a qualidade do produto final. E ressalta que em alguns momentos as empresas se deixam levar com falsas ideias de que o processo produtivo deve ser imutável, obedecendo a especificações fixadas, sendo assim um erro tendencioso a estabilidade do negócio. Portanto, esse é o motivo pelo qual será feito este estudo, para apresentar a gestão pela qualidade como ferramenta ideal para que essas empresas de móveis de Petrópolis possuam um diferencial competitivo em todo o seu processo, bem como no treinamento dos funcionários, para que a partir do proposto, esse possa vir a ser utilizado pelas empresas e traga benefícios no curto e longo prazo. Com o objetivo principal de identificar e expor como as empresas de móveis de Petrópolis podem se tornar competitivas inserindo a qualidade como diferencial. O tema escolhido foi: A gestão da Qualidade como um diferencial nas organizações: um estudo sobre as empresas de móveis em Petrópolis. A Qualidade tem como premissa básica a excelência de produtos ou serviços prestados. Existem dois olhares que agem de forma crítica, que exprimem bem esta análise: a visão do cliente e a do fornecedor. Para que haja consenso entre estes pontos, deve-se levar em consideração, dimensões necessárias que envolvem a empresa e o que ela produz, e também o desejo do cliente. O ambiente analisado foi o da área de produção. A Qualidade tem suma importância para contribuir com a melhoria no processo 2

3 produtivo, e também diversas formas de aplicabilidade que conduzem à melhoria destes processos das organizações, tendo sempre como foco a satisfação do consumidor. 2. METODOLOGIA Qualidade é um julgamento feito pelos clientes ou usuários de um produto ou serviço; é o grau em que os clientes sentem que o produto ou serviço excede suas necessidades e expectativas. Um cliente, por exemplo, que compra um automóvel tem certas expectativas, uma das quais é que o motor do automóvel dê a partida quando ligado. Se o motor não parte, a expectativa do cliente não terá sido atendida, e ele terá uma percepção de má Qualidade. Se um operário de uma linha de montagem recebe de forma consistente peças adequadas, no tempo correto, de um trabalhador a montante na linha, suas necessidades serão satisfeitas e ele terá uma percepção de Qualidade das peças como boa. (GITLOW, 1993, p.7-8) Foi realizada uma pesquisa bibliográfica e documental, em livros, jornais, internet, revistas, material das empresas, ou mesmo informações que pudessem embasar o referencial teórico, bem como, para que se possa apresentar os objetivos propostos nesse trabalho. Também foi feita uma pesquisa documental com material disponibilizado pelas empresas. A pesquisa bibliográfica de acordo com Vergara (2006, p.47), é uma investigação empírica realizada no local onde ocorre ou ocorreu um fenômeno ou que dispõe de elementos para explicá-lo. A pesquisa bibliográfica tem por finalidade conhecer as diferentes formas de contribuição científica que se realizaram sobre determinado assunto ou fenômeno. (OLIVEIRA, 2001, p.119) Na pesquisa documental, foram utilizados documentos da empresa para avaliar dados anteriores e fazer uma comparação com o planejamento proposto. Gil (1999, p.46) lembra que a pesquisa documental tem como vantagem considerar documentos com fonte estável e rica. Foi realizado um estudo de campo nas empresas de móveis de Petrópolis, no setor de produção, onde se verificou junto aos funcionários e responsáveis a metodologia de trabalho realizada, e como eles observam os desperdícios que o mau uso da madeira acarreta. Foi aplicado um questionário, aberto e fechado, para analisar como a gestão da qualidade é necessária para que as empresas de móveis de Petrópolis tenham um diferencial competitivo. A entrevista serviu para a orientação dos assuntos, sendo levada em conta a experiência e as condições da empresa na área de produção. Segundo Lakatos e Marconi (2001, p.186) a pesquisa de campo requer primeiramente uma pesquisa bibliográfica para encontrar o problema, em seguida deve determinar as técnicas que serão 3

4 utilizadas na coleta dos dados e por último para que possa coletá-los deve verificar as técnicas que serão utilizadas em sua análise posterior. Pesquisa de campo é aquela utilizada com o objetivo de conseguir informações e/ou conhecimentos acerca de um problema, para qual se procura resposta, ou de uma hipótese, que se queira comprovar, ou, ainda, descobrir novos fenômenos ou as relações entre eles. (LAKATOS e MARCONI, 2001, p.186) No decorrer deste trabalho foi também utilizado o questionário com perguntas abertas e fechadas que de acordo com Lakatos e Marconi (2001, p.201) sua utilização faz com que atinja maior número pessoas simultaneamente, com maior rapidez, obtendo assim maiores informações. 3. O QUE É QUALIDADE Questionário é um instrumento de coleta de dados, constituído por uma série ordenada de perguntas, que devem ser respondidas por escrito e sem a presença do entrevistador (...) (LAKATOS e MARCONI, 2001, p.201). Inicialmente o conceito para a qualidade era associado à definição de conformidade às especificações. Em seguida o conceito evoluiu para a visão de satisfação do cliente. Concomitantemente, surgiu a visão de que era necessário um posicionamento estratégico perante o mercado. Em pouco tempo foi percebido que somente o planejamento estratégico e a satisfação do cliente não eram suficientes para o sucesso. Com isso, surgiu a Qualidade Total que é voltada não somente para a satisfação do cliente, mas sim para todos os stakeholders e também para a melhoria contínua da excelência organizacional. Define-se qualidade como um julgamento pelos clientes ou usuários de um produto ou serviço. Ela inclui também a melhoria contínua do processo expandido de uma empresa, ou os processos internos de uma organização, considerando-se sua relação com clientes, fornecedores, investidores, empregados e a comunidade (...) (GITLOW 1993, p.48). A Qualidade não possui somente uma definição, sendo vasto o seu significado. Para alguns autores, como Gitlow a qualidade é julgada com uma experiência que determinado consumidor obteve com certo tipo de produto, podendo ter como resultado uma experiência positiva ou negativa, definindo assim como um julgamento feito pelos clientes ou usuários que utilizaram certo tipo de produto ou serviço. Não fugindo a mesma ideia, Deming define qualidade como o atendimento das exigências e das necessidades do 4

5 consumidor. Essas necessidades estão em constante mudança tendo que ser continuamente alteradas. Pode-se aferir a qualidade fazendo uso de instrumentos de controle estatístico de qualidade. Para outros autores, qualidade é a junção de durabilidade, confiabilidade, precisão e facilidade. E ainda há aqueles que presumem que a qualidade deve satisfazer o consumidor com um preço aceitável. A qualidade propriamente dita é junção de todas as características expostas anteriormente, além de ter outra característica muito importante, que é ser variável, tendo sentidos diferentes que variam de pessoa para pessoa. Cada um entende a qualidade da forma que melhor lhe convém e agrada. A qualidade também tem como intuito melhorar continuamente um produto ou serviço de maneira que atinja a maioria dos consumidores, só que não se pode exigir qualidade a um preço que seja muito baixo, pois quando se melhora algum processo em uma empresa, por exemplo, sabe-se que terá alguns custos maiores referentes a esta determinada melhoria. Sabemos também, que uma empresa possui qualidade quando ela consegue ter em seus processos verificações a medida que seu produto ou serviço é feito e quando faz com que os seus funcionários se envolvam na melhoria destes processos. Paladini (2000, p.26) ressalta que No seu sentido primeiro, qualidade é uma relação da organização com o mercado (...) a qualidade é definida como uma relação de consumo. Sendo assim, entende-se que a Qualidade com sua ampla definição, nada mais é do que a junção da eficiência e da eficácia para o alcance da satisfação do cliente e dos stakeholders, com um bom plano estratégico Eras da Qualidade A evolução da qualidade passa por diversas eras que são determinadas como fases passadas pela história da qualidade, desde os primórdios do sistema produtivo até os dias atuais com a implantação do sistema de qualidade. Antes mesmo da Revolução Industrial havia uma preocupação com a qualidade do que era produzido, onde eram separados pelos artesãos os produtos defeituosos daqueles que não possuíam nenhum defeito e tinham como intuito atender as especificações estéticas dos seus chefes e também de impressionar de maneira positiva os clientes. De acordo com Garvin (2002) neste período a qualidade percebida pelos clientes era uma função dos atributos de desempenho, utilidade e durabilidade do produto. Em seguida surgiu a necessidade de um maior controle do que era fabricado, precisando assim atingir a similaridade do que era produzido, o que significava garantir que todos os produtos teriam características similares e não apresentariam defeitos, na medida do 5

6 possível. Após essa etapa houve a necessidade de uma verificação do processo de produção que fosse mais abrangente e voltada para a cadeia de fabricação, desde o projeto até como o produto estaria atingindo ao mercado. Todos os departamentos eram responsáveis pelo controle da qualidade e assim contribuíam para impedir as falhas. Com isso, foram desenvolvidos alguns programas e sistemas de qualidade que tinham o intuito de dar credibilidade aos clientes com determinada certificação de qualidade. E, atualmente as organizações adotam a gestão da qualidade total que engloba todas as eras anteriores, porém estabelecendo metas para que alcancem um melhor posicionamento no mercado, tornando-se diferentes das outras empresas e dando treinamento para seus funcionários, que além de adquirem um maior conhecimento, executam com maior qualidade o seu trabalho. Todos os setores continuam responsáveis pelo controle da qualidade, mas com uma maior liberdade para dar opiniões e sugestões na busca da melhoria contínua dos processos. Já que o futuro começa onde acaba o presente está na hora de tratar dele. Acredita-se que a era da gestão estratégica é a era do futuro para a qualidade das empresas. Qualidade é um objetivo estratégico. (NETO, 1993, p. 26) 3.2. P rincip ais ferra menta s da Quali dade A s ferrame ntas da qualida de são técnica s utilizad Quadro 1: Eras da Qualidade Fonte: Adaptado de Garvin,

7 as para determinar, mensurar, ponderar e para propor soluções para os problemas que intervêm no bom desempenho dos processos laborativos, para poder atender as necessidades dos clientes e também para que possam contribuir positivamente no sentido de reduzir os custos e elaborar produtos de melhor qualidade. Essas ferramentas estão dividas em três grupos, que são eles: Ferramentas básicas, avançadas e gerenciais. As ferramentas básicas são o ponto de partida para a melhoria no ambiente laborativo e para a redução dos custos operacionais e também para auxiliar o profissional para a solução de problemas. Abaixo algumas ferramentas básicas da qualidade: Folha de Coleta de Dados (Folha de Verificação) É a coleta de dados representativos e significativos, com intuito de aperfeiçoar o evento, determinando o tempo que será estudado e estabelecendo informações claras e objetivas. O quadro 2 mostra a coleta de dados dos defeitos dos móveis em seu término. Característica Lote 1 Lote 2 Lote 3 Lote 4 Lote 5 Lote 6 Lote 7 Lote 8 Lote 9 Lote 10 Buracos X X Dobradiças X X Falhas na pintura X X Manchas X Puxadores X Rachaduras X Rugosidade X X Quadro 2: Defeitos nos Móveis Fonte: Elaboração própria. Estratificação Reunir informações obtidas na coleta de dados em categorias ou grupos para analisar e melhorar seu entendimento. A fim de fazer comparações e futuramente aplicá-las em ações corretivas e também para poder examinar oportunidades de melhoria no futuro. Na figura 1, estão reunidas as informações dos produtos acabados e separadamente é demonstrado o que deve ser corrigido. 7

8 Portas Camas Figura 1: Estratificação dos móveis acabados O Diagrama de Causa e Efeito é uma técnica utilizada para a identificação dos efeitos Fonte: Elaboração própria. de um problema e a organização de suas possíveis causas, que pode ser feita através de um Brainstorming que coleta informações por meio das pessoas envolvidas que poderão dizer o que pensam de um determinado produto ou processo. Na figura 2 há um diagrama de causa e efeito que pode ser utilizado para detectar problemas na produção, que, em relação ao produto final, geram a insatisfação de seus clientes. Defeito na porta Manch as Puxadores Bichos errados (cupim) Cadeiras Diagrama de Causa e Efeito (Espinha Dobradiças Defeito zero Cômodas de Peixe ou Diagrama de Ishikawa) e quebradas Brainstorming Material Meio Ambient e Objetivo s Método Mão de Obra Máquina CAUSAS EFEITO S Figura 2: Diagrama de Causa e Efeito Fonte: - Ferramentas da Gestão Fonte: - Ferramentas da Gestão 8

9 Fluxograma e Fluxograma Integrado O fluxograma é o resultado ilustrado da sequência de certas operações de um processo. A figura 3 mostra um fluxograma das etapas de venda, produção e pagamento do móvel 4. PROGRAMAS DE QUALIDADE Os Programas de Qualidade desenvolvem transformações dentro do ambiente de trabalho de acordo com o aumento da produtividade, devem ser conduzidos sob uma gestão capacitada e também devem ter um comprometimento engajado das pessoas envolvidas. Nesta transformação leva-se em conta as características da cultura organizacional, exigindo assim uma mudança em um longo período de tempo, tendo como maior exigência a atenção contínua. Figura 3: Fluxograma Fonte: Esses programas têm como objetivo desenvolver um melhor ambiente laborativo, no qual os colaboradores possam crescer e se desenvolver tendo a liberdade de expor suas necessidades e opiniões. Para a empresa há o benefício na obtenção de uma maior visão estratégica do negócio, onde a utilização do programa assegura a sobrevivência da 9

10 organização. A implementação deste programa, não diferente de qualquer outra, demandam além de tempo, a aceitação das pessoas em relação à mudança. Na maioria das situações os colaboradores não aceitam por medo de algo novo que não seja benéfico, mas com esse comportamento dos funcionários, exige uma postura mais atenta e imaginativa dos gestores, que devem tentar mostrar para seus funcionários a melhoria na utilização destes processos. Para o cruzado, a lição mais difícil de aprender é a que ensina que se leva algum tempo para alcançar o verdadeiro progresso. A urgência da necessidade, a evidência da causa e a clareza da solução pouco têm a ver com o progresso de endireitar as coisas (...). Os programas de melhoria da qualidade apresentam problemas similares. Já que melhoria da qualidade parece excelente ideia e é, em geral, tão necessária, muitas vezes os gerentes acreditam que o simples anúncio de sua cooperação é sinal para se organizar o jantar da vitória (CROSBY, 1999, p.137). 5. O PROGRAMA 5S O 5S é um programa de melhoria da qualidade no ambiente de trabalho, que tem como objetivo gerenciar de modo participativo as condições que mais se adéquem ao clima laboraivo, ajustando-se a todos os colaboradores e seus níveis hierárquicos. O programa 5S é considerado base fundamental para a implementação de outros projetos mais complexos relacionados com a Gestão pela Qualidade Total, tendo em vista que é ele uma oportunidade inigualável para obter o comprometimento dos colaboradores. E, comprometimento, quando se inicia qualquer empreitada nessa área, é fator crítico de sucesso. Em outras palavras, não pode deixar de acontecer. (GOMES,1998, p.23) 10

11 O objetivo deste programa é aprimorar a eficiência através da organização adequada de materiais, inserindo o senso de limpeza, identificando os materiais e seus respectivos espaços para obter assim a manutenção e melhoria do próprio programa. Gomes (1998) nos faz lembrar que o resultado da utilização do programa 5S é obtido em curto prazo e o custo de inserção é baixo. De origem japonesa e conhecido inicialmente como 9S sendo retirado 4S que não tinham muita utilidade. Os 5S restantes já atingiam aos objetivos que deveriam ser alcançados. O 5S no Brasil é utilizado para enfatizar as mudanças do comportamento na empresa que serão úteis para o bom aproveitamento do programa. São eles: SEIRI: Senso de descarte, utilização, seleção; SEITOIN: Senso de ordenação e arrumação SEISOU: Senso de limpeza SEIKETSU: Senso de higiene e padronização SHITSUKE: Senso de autodisciplina e disciplina a. Os benefícios e como implementar o programa 5S Para que as empresas alcancem seus objetivos de melhoria contínua com novos procedimentos, otimizando seus processos e melhorando o ambiente laborativo, uma das formas que podem ser adotadas é à implantação da ferramenta 5S que visa à eficiência da empresa através da organização e autodisciplina dos funcionários para melhorar as etapas do processo produtivo, dentre outros procedimentos, que beneficiam a organização como um todo. Abaixo como cada S pode ser implantado dentro das empresas, em curto prazo. 1. Senso de descarte e utilização e Senso de limpeza: Uma vez por semana devem ocorrer verificações de tudo o que é necessário dentro do processo produtivo. Descartando excessos como ferramentas e papéis que não são mais úteis, deixando somente aquilo que é realmente necessário para a execução do processo produtivo. Juntamente com a organização deve ser tirado um dia para uma limpeza de todo o ambiente da produção, os funcionários devem ser instruídos de que a limpeza deve ser feita diariamente, sendo que cada funcionário fica responsável por cada parte da produção para obter constantemente um ambiente além de limpo e organizado, mais 11

12 eficiente em sua disposição. 2. Senso de ordenação e arrumação: Posteriormente, deve ser conversado com todos os funcionários sobre as melhores formas de disposição e ordenação do maquinário. Tendo equipamentos e ferramentas prontamente a disposição para atender o que for requisitado e consequentemente poderem ser utilizados, de maneira mais rápida e ágil, eliminando os movimentos desnecessários. Ao mesmo tempo, deve haver uma comunicação direta e rápida, através de cartazes como forma de lembrete para que os funcionários mantenham sempre o seu ambiente de trabalho organizado e limpo. 3. Senso de higiene e padronização e Senso de autodisciplina: Deve ser realizado pelos gestores uma verificação de tudo o que foi cumprido nos sensos anteriores, com o intuito de manter a empresa organizada e limpa. Assim, deve haver uma verificação se os funcionários estão utilizando todos os equipamentos de proteção/segurança que são necessários para o processo produtivo, ajudando a evitar assim acidentes, além de fazer com que os funcionários tenham hábitos melhores no ambiente laborativo, obtendo novas práticas de trabalho e auxiliando na manutenção do 5S implantado. 6. A IMPORTÂNCIA DO SETOR DE QUALIDADE NOS PROCEDIMENTOS INTERNOS A inserção de um setor que trabalhe especificamente para a Qualidade dos procedimentos internos é visto na maioria das vezes, como um custo e não como um auxílio para uma maior rentabilidade nas organizações. Contudo, quando se nota a necessidade da qualidade nos procedimentos internos, essas empresas analisam novamente essa visão de custo, transformando-a em benefício. Algumas empresas mostram-se cada vez mais voltadas a entender o cliente, apresentando com isso vários aspectos positivos como: atendimento e valorização dos clientes, maior cuidado na fabricação dos móveis e além é claro, de produtos com uma maior qualidade, tornando-se consequentemente um diferencial para as empresas. Os resultados dessa aplicabilidade mostram-se cada vez mais compensadores, pois quanto mais se trabalha para o aumento da qualidade em seus procedimentos internos, mais voltada para a excelência dos resultados a empresa se tornará. E se essa qualidade dos procedimentos internos estiver com propósito mútuo ao atendimento as necessidades dos clientes, quanto maior será a probabilidade do aumento da rentabilidade da organização. 12

13 (...) A tendência crescente do consumidor é de exigir que o produto tenha recebido insumos advindos de uma saudável relação com o ambiente e com a comunidade, e que após seu tempo de vida útil o produto ou sua embalagem sejam recicláveis ou não venham trazer prejuízo à natureza. Estas são algumas das características de um produto que busca a excelência. Assim, poderíamos considerar um produto excelente quando todas as etapas do fluxo do nascimento de seus insumos até a sua pós-morte apresentam qualidade. (RODRIGUES, 1999). Há necessidade que haja um setor que não seja apenas verificador de defeitos dos produtos acabados, mas sim que possa analisar e melhorar os procedimentos existentes na organização para que a falta da qualidade ou até mesmo de controle, não propicie em um produto final irregular e incompleto. Assim, faz-se necessário que este setor em específico, vise inicialmente e preferencialmente à qualidade de conformação. (...) Qualidade de conformação é a medida de fidelidade com que o produto fabricado atende as especificações do projeto. Essa fidelidade reflete a natureza, a intensidade, a forma a frequência e a gravidade de alterações ocorridas durante a fase de produção. A qualidade de conformação, assim, resulta de desvios que o processo produtivo gera em relação ao projeto original. (...) A qualidade de conformação mais consistente significa produto mais uniforme e não determina, necessariamente, custo de produção mais elevado mas, ao contrário, tende a gerar produtos mais baratos (PALADINI, 2000, p ). Ocorrendo algum tipo de defeito em um produto qualquer, seja de qual for sua natureza, ele consequentemente prejudicará a perfeita utilização do produto, além de afetar o andamento correto dos procedimentos internos, deste modo comprometendo a qualidade. Este setor é de grande utilidade para que a empresa não seja mais uma em meio a tantas, para que seu produto torne-se diferencial pela qualidade existente. Com isso, o setor de Qualidade se for utilizado de maneira correta, fará com que a produção alcance a excelência em seus processos e consecutivamente atenda as necessidades dos clientes. 7. ESTUDO DE CAMPO No decorrer deste trabalho, procurou-se demonstrar o importante papel da qualidade nos procedimentos internos das empresas de móveis em Petrópolis, utilizando-se para isto de ferramentas apropriadas para a apresentação dos dados encontrados. Para conseguir levantar os dados necessários, foram realizadas visitas e reuniões em quatro empresas, que tem sua localidade em pontos diferentes na cidade de Petrópolis e que também atendem a clientes com 13

14 diferenciado poder aquisitivo. Essas empresas são: Marcenaria e Carpintaria Oliveira Rocha Ltda, localizada à Rua Martinho José Santana, 1195, no bairro Corrêas; Moderarte Móveis Artesanais Ltda, localizada à Estrada Cascatinha, 46, no bairro Cascatinha; Recanto Móveis Ltda, localizada à Avenida Getúlio Vargas, 2.155, no bairro Quitandinha e Show Móveis, localizada à Rua Bingen, 1606, no bairro Bingen. No momento destas visitas, foram feitas entrevistas informais, composta por um questionário de perguntas abertas e fechadas, com os gestores das empresas, que por terem um conhecimento geral, expuseram todos os procedimentos, rotinas e atividades da organização. Alguns fatores foram discutidos e considerados relevantes nestas reuniões, tais como: O processo produtivo da empresa, tempo no mercado de móveis, utilização de programas de qualidade, crescimento das empresas ao longo dos anos, participação em feiras, eventos e no mercado, modernização e atualização dos equipamentos e maquinários, estratégias utilizadas e reclamações dos clientes. a. Análise individualizada das empresas em estudo 1. Moderarte Móveis Artesanais A empresa atua no mercado de móveis entre 8 e 10 anos. No momento, não utiliza nenhuma ferramenta/programa de qualidade em seu processo produtivo, não sendo assim, possível mensurar os benefícios trazidos por essa implementação. O treinamento para a utilização de maquinários é feito no decorrer do trabalho, tornando-se passível de erros, bem como, a demora no processo produtivo. Já em relação à rotatividade dos funcionários, o gestor senhor Domingo, diz que é muito baixa. Quando foi perguntado em relação à aquisição de novos maquinários, foi respondido que a compra é feita somente quando há necessidade de que o processo produtivo seja mais rápido, buscando igualar-se ao tempo de produção de seu concorrente. Não há um Show Room de vendas, limitando-se somente a clientes específicos do mercado varejista. Por ter uma participação pequena no mercado, seu crescimento torna-se lento e suas vendas limitadas, não conseguindo atingir o conhecimento de outros tipos de clientes, como por exemplo, o mercado atacadista. A empresa em questão trabalha com um vasto estoque de seus produtos fabricados, demorando somente 10 dias para a entrega desses produtos, tendo como um diferencial a rápida entrega. Alguns de seus produtos ficam em estoque por muito tempo, aumentando o custo por manter esses produtos em estoque e também não tendo o controle do que está sendo produzido, tendo assim, o fenômeno chamado 14

15 Produção Empurrada 1. As reclamações e devoluções existentes têm uma porcentagem menor que 10%, tendo como causa principal o desacordo do tamanho do móvel, com o esperado pelo cliente. Nota-se neste momento, a necessidade de um setor que trabalhe com a qualidade do processo produtivo, para que, antes que o produto seja vendido, todas as especificações do móvel, bem como, as necessidades e expectativas do cliente sejam analisadas e concomitantemente atendidas. Segundo o gestor, a empresa utiliza como estratégia para manter-se no mercado, o desenvolvimento de novos produtos, buscando novas tendências sob análise do mercado. 2. Recanto Móveis A empresa Recanto Móveis está há mais de 10 anos no mercado, mais precisamente há 39 anos no setor moveleiro. Atualmente, não utiliza nenhum programa/ferramenta de qualidade para o aprimoramento de seus processos, assemelhando-se a empresa já analisada Moderarte. O treinamento de seus funcionários é feito ao longo do trabalho, porém, o gestor senhor Clóvis ressalta que todos os funcionários antes de serem contratados, fazem um teste juntamente com o outro gestor senhor Wilson, além de serem contratos somente pessoas com um vasto conhecimento na fabricação de móveis de madeira. Seus funcionários não mudam muito, sendo os mesmos há bastante tempo, ressaltando o gestor que alguns já até se aposentaram pela empresa. A Recanto adquire novos maquinários quando é percebida a necessidade de aprimorar os seus processos, tornando-os mais rápidos. Há na empresa, um pequeno Show Room, onde os clientes o conhecem e compram por ele, porém a maior parte das vendas é no mercado varejista, localizado em Xerém RJ. Nunca participaram de feiras, e também não se preocupam muito com isso. Há um pequeno estoque de produto acabado, sendo aqueles de maior saída, porém seu maior estoque é o de matéria-prima. São necessários 30 dias para a entrega dos móveis. As reclamações e devoluções existentes têm uma porcentagem menor que 10%, tendo como causa principal o defeito da matéria prima (madeira) que por ficar algum tempo no estoque, acaba ficando murcha, por absorver umidade e por fim ocorre o encolhimento deste material. Em relação à participação no mercado, o gestor responde que em Petrópolis a empresa não é muito conhecida, tendo um maior número de clientes em Xerém - RJ. E ainda conclui que seu crescimento no mercado continua o mesmo há aproximadamente 3 (três) anos. Como estratégia para se manter no mercado, a 1 Produção Empurrada: fluxo contínuo de produção. 15

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

O REFLEXO DA QUALIDADE PARA A PRODUTIVIDADE

O REFLEXO DA QUALIDADE PARA A PRODUTIVIDADE O REFLEXO DA QUALIDADE PARA A PRODUTIVIDADE Fernanda Aparecida de SOUZA 1 RGM: 079195 Juliana Regina de ALMEIDA 1 RGM: 079247 Mary Ellen dos Santos MOREIRA 1 RGM: 079248 Renato Francisco Saldanha SILVA

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes 25 de junho Mogi das Cruzes - Gestão Fabril: - Implantação de Melhorias e Sistemas de Gestão; - Estruturação e Desenvolvimento de Equipes; - Mentoring de Gestores para a Produtividade e Qualidade. - Otimização

Leia mais

Sensibilizando para Organização e Limpeza

Sensibilizando para Organização e Limpeza Sensibilizando para Organização e Limpeza Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com. @sebraesp.com.br Ver-03/04 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo O QUE PODEMOS FAZER

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

O R I G E N S JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA. Treinamento

O R I G E N S JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA. Treinamento O R I G E N S 1 9 5 0 JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA O B J E T I V O S Preparar uma empresa, ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente. OBJETIVOS ESPECÍFICOS ü Melhorar

Leia mais

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação Benefícios! Quais são? Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação de condições e atos inseguros

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS MANUAL 5 SENSOS Ref.: MSGQ-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 09 1. INTRODUÇÃO O programa 5S tem como principais objetivos mudar comportamentos,

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE. Palavras-chave: Qualidade. Gestão da Qualidade. Definições da Qualidade.

GESTÃO DA QUALIDADE. Palavras-chave: Qualidade. Gestão da Qualidade. Definições da Qualidade. GESTÃO DA QUALIDADE Luiz Antonio Bertoli de Oliveira Prof. Pablo Rodrigo Bes Oliveira Centro Universitário Leonardo Da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Administração (ADG 0257)- Módulo I 08/11/2012 RESUMO

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS

APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS RESUMO Williana de Souza Costa 1 Bruno de Araújo Santos 2 Carlos Alberto dos Santos Júnior 3 Jean Karlos Gouveia Januário 4 Natália dos Santos Pessoa 5 Osmar

Leia mais

Modelo de Gestão KAIZEN e Sua Aplicação no Setor de Fertilizantes

Modelo de Gestão KAIZEN e Sua Aplicação no Setor de Fertilizantes Modelo de Gestão KAIZEN e Sua Aplicação no Setor de Fertilizantes ASSUNÇÃO, D. S. a ; MOURA, L. B. b ;MAMEDES, T. C. c ; SIMÕES, T. F. d a. Universidade Paulista, São Paulo, daviassuncao_logistic@hotmail.com

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Programa de qualidade 5s 5 Sensos

Programa de qualidade 5s 5 Sensos Programa de qualidade 5s 5 Sensos 5s no Brasil No Brasil foi lançado em1991.o Brasil é o país campeão mundial de desperdícios,estatísticas comprovam que o desperdício está incorporado na cultura nacional.

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 PROBLEMAS PARA CLIENTES SÃO PROVOCADOS POR: PROPRIETÁRIOS GERENTES SUPERVISORES SINTOMAS DE MAU ATENDIMENTO VOCÊ PODE TER CERTEZA

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade. Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade. Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Gestão da Qualidade Total (TQM) Conjunto de ideias e

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão;

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão; Sistema 5 S's Conceito: O Método "5S" foi a base da implantação do Sistema de Qualidade Total nas empresas. Surgiu no Japão, nas décadas de 50 e 60, após a Segunda Guerra Mundial, quando o país vivia a

Leia mais

1 CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC)

1 CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC) 1 CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC)...ciência, em lugar de empirismo; harmonia, em vez de discórdia; cooperação, não individualismo; rendimento máximo em lugar de produção reduzida; desenvolvimento de

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho.

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Programa 5 S A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Com este programa, a qualidade e a segurança será colocada em prática e seu ambiente vai ficar mais alegre

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação 5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação Introdução Década de 50 Japão tenta se reerguer da derrota sofrida na Segunda Grande. Profissionais dos Estados Unidos vão ao Japão a ensinar como

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

A Base para a Qualidade Total

A Base para a Qualidade Total A Base para a Qualidade Total 1 HISTÓRIA Foi concebido por Kaoru Ishikawa em 1950, no Japão pós-guerra; Surgiu com a necessidade de por ordem na grande confusão a que ficou reduzido o país após a derrota

Leia mais

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é Identificação de problemas em seu sistema da gestão A melhoria contínua deve ser vista como uma atividade constante que tem como objetivos aumentar o envolvimento de todos da equipe, o aperfeiçoamento

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009 O que é o Programa 5Ss? O Programa 5Ss é uma filosofia de trabalho que busca promover a disciplina na empresa através de consciência e responsabilidade de todos, de forma a tornar o ambiente de trabalho

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Origem do nome do programa 5S

Origem do nome do programa 5S Os Cinco Sensos PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Origem do nome do programa 5S 5S s vem de cinco palavras japonesas que começam por S : SEIRI senso de utilização, seleção, descarte. SEITON senso de

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Estrutura de um Sistema de Informação Vimos

Leia mais

Implantação do Programa 5S em indústrias alimentícias

Implantação do Programa 5S em indústrias alimentícias Implantação do Programa 5S em indústrias alimentícias Maria Alice NASCIMENTO¹; Maria SILVEIRA COSTA²; Welbert PEREIRA DOS SANTOS¹. ¹ Estudantes do Curso Superior Tecnologia de Alimentos, Bolsistas de Iniciação

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo

PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo Aliny MALAGUTI¹ - RGM 070591 Carolina Stoze NARDY¹ - RGM 070498 Lidiane Aparecida Dias COSTA¹ - RGM 067031 Renato Francisco Saldanha SILVA² Elcio Aloísio

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade Roteiro da apresentação Controle de Qualidade 1 2 3 Lupércio França Bessegato UFMG Especialização em Estatística 4 5 Abril/2007 6 7 Conceito de Qualidade Não há uma única definição. Melhoria da Empresa

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

A influência da certificação ISO 9001 no ambiente, sob a perspectiva dos clientes internos e externos.

A influência da certificação ISO 9001 no ambiente, sob a perspectiva dos clientes internos e externos. A influência da certificação ISO 9001 no ambiente, sob a perspectiva dos clientes internos e externos. Adílio Renê Almeida Miranda (UFLA ) adilioadm@yahoo.com.br Maria Ângela Nascimento Gomes (UFLA) angelag@ufla.br

Leia mais

Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas

Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas 1 Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas RESUMO A empresa vivia um cenário claro de desequilíbrio na gestão empresarial e

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE COMO DIFERENCIAL NO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS

A GESTÃO DA QUALIDADE COMO DIFERENCIAL NO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS A GESTÃO DA QUALIDADE COMO DIFERENCIAL NO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS Laís da Silva Oliveira (G-UEM) Jéssica Moraes Andreossi (G-UEM) José Braz Hercos Junior Resumo O estudo de caso mostra a implantação

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais