Um serviço de captura e acesso para espaços ativos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um serviço de captura e acesso para espaços ativos"

Transcrição

1 Felipe Albuquerque Portella Um serviço de captura e acesso para espaços ativos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa de Pós- Graduação em Informática da PUC-Rio. Orientador: Renato Cerqueira Rio de Janeiro, abril de 2008

2 Felipe Albuquerque Portella Um serviço de captura e acesso para espaços ativos Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa de Pós- Graduação em Informática da PUC-Rio. Aprovada pela Comissão Examinadora abaixo assinada. Renato Cerqueira Orientador Departamento de Informática PUC-Rio Prof. Luiz Fernando Gomes Soares Departamento de Informática PUC-Rio Prof. Markus Endler Departamento de Informática PUC-Rio Prof. José Eugenio Leal Coordenador Setorial do Centro Técnico Científico PUC-Rio Rio de Janeiro, 11 de abril de 2008

3 Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do trabalho sem autorização da universidade, do autor e do orientador. Felipe Albuquerque Portella Graduou-se como Bacharel em Informática na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro em Atuou como analista de sistemas no Tecgraf, laboratório de computação gráfica da PUC-Rio, onde desenvolveu diversos projetos para o CENPES, Centro de Pesquisas da Petrobras. Atualmente pesquisa e desenvolve soluções para a área Exploração e Produção (E&P) da Petrobras, da qual é funcionário. Possui interesse nas áreas de Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos e Computação Ubíqua. Portella, Felipe Ficha Catalográfica Um serviço de captura e acesso para espaços ativos. / Felipe Albuquerque Portella; orientador: Renato Cerqueira f. : il. ; 30 cm Dissertação (Mestrado em Informática) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Incluí referências bibliográficas. 1. Informática - Dissertações. 2. Sistemas Distribuídos. 3. Computação Ubíqua. 4. Captura & Acesso. I. Cerqueira, Renato. II. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Departamento de Informática. III. Título.

4 Aos meus pais Ledir e Francisco

5 Agradecimentos Aos meus pais pelo constante amor, carinho e apoio em todos os momentos importantes da minha vida. Ao meu orientador Renato Cerqueira pela sua confiança, orientação e amizade, ajudando a tornar este trabalho interessante e divertido. Aos professores Luiz Fernando Gomes Soares e Markus Endler por participarem da Banca Examinadora. À minha namorada Rapha por todo seu amor, incentivo, compreensão e paciência, além das inúmeras revisões de textos. Por fim, gostaria de agradecer à Microsoft Research pelos recursos para o desenvolvimento deste trabalho. À PUC-Rio e ao TecGraf pelo apoio financeiro ao longo de todo o mestrado. Bem como à Petrobras por seu investimento de tempo para a minha formação. Auxílios importantes, sem os quais este trabalho não poderia ter sido realizado.

6 Resumo Portella, Felipe. Um serviço de captura e acesso para espaços ativos. Rio de Janeiro, p. Dissertação de Mestrado - Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Uma das áreas de grande destaque dentro da Computação Ubíqua é a de aplicações multimídia para Captura & Acesso (C&A). Essas aplicações permitem a captura de uma experiência ao vivo, normalmente em ambientes instrumentados, para seu acesso no futuro. Dessa forma transfere-se para os computadores a responsabilidade de gravar o evento, permitindo que as pessoas tenham seu foco de atenção na compreensão e interpretação da experiência em si, sem se preocupar com a tarefa de registrar a informação. A literatura apresenta muitas ferramentas que permitem a geração automática de documentos multimídia como resultado da captura de um evento, e esses mesmos documentos são usados como base para navegação e busca sobre o conteúdo armazenado. Tipicamente, essas ferramentas de C&A geram documentos que oferecem uma navegação com base apenas na linha de tempo (timeline) do evento registrado. Esta dissertação propõe uma infraestrutura genérica de C&A, baseada em serviços reutilizáveis e intercambiáveis, que explora os recursos oferecidos pela linguagem NCL para investigar novos paradigmas na engenharia de documentos produzidos por aplicações de C&A, através da estruturação dos documentos em modelos conceitual, navegacional e de apresentação. Utilizamos a linguagem NCL tanto para registrar o sincronismo entre as diferentes mídias gravadas, quanto para gerar diferentes formas de navegação e apresentação do conteúdo gravado. Os modelos de navegação e apresentação são gerados com base em metadados fornecidos pelo usuário ou extraídos automaticamente do conteúdo gravado. Palavras-chave Aplicações de Captura e Acesso; Documentos Multimídia; Computação Ubíqua; Espaços Ativos; Aplicações Multimídia; NCL.

7 Abstract Portella, Felipe. A capture and access service for active spaces. Rio de Janeiro, p. Master Thesis - Department of Informatics, Pontifical Catholic University of Rio de Janeiro. One of the areas of most evidence in Ubiquitous Computing is multimedia applications of Capture & Access (C&A). This kind of application allows the capture of a live experience, usually in smart rooms, for future access. In this way, the responsibility for recording the event is transferred to the computing infrastructure, allowing users to focus their attention in the comprehension and interpretation of the experience itself, without worrying about registering the information. The literature presents many software systems allowing the automatic generation of hypermedia documents as the result of an event capture, using the same documents as the basis for navigation and search of the archived content. Typically these C&A applications generate documents that offer only a timeline navigation of the captured event. This dissertation proposes a general C&A infrastructure, based on reusable and interchangeable services, which explores the features offered by the NCL language (standard language of the Brazilian Digital TV) to investigate new paradigms in C&A documents engineering. This is accomplished by structuring the generated documents in conceptual, navigation and presentation models. The NCL language is used to represent the synchronism between the different recorded media as well as to generate different ways to navigate and present the recorded content. These models of navigation and presentations are based on metadata provided by the user or automatically extracted from the recorded content. Keywords Capture & Access Applications; Hypermedia Documents; Ubiquitous Computing; Active Spaces; Multimedia Applications; NCL.

8 Sumário 1 Introdução Posicionamento e Motivação Objetivos e Contribuições Estrutura da Dissertação 17 2 Computação Ubíqua Interfaces Naturais Computação Ciente de Contexto Captura & Acesso Espaço de Projeto Fases de Captura e Acesso Desafios em Captura e Acesso Ambientes de Captura & Acesso 29 3 Trabalhos Relacionados eclass/classroom InCA-SERVE xinca emeet iclass ConferenceXP Classroom Presenter ConferenceXP Archive Service ConferenceXP Web Viewer ConferenceXP Archive Transcoder ConferenceXP to Windows Media Gateway Considerações sobre os Sistemas 42 4 Abordagem Proposta SpeedCar 47

9 4.2. CASIn CASWeb SpeedCar Launcher Service Post-Production Service Transformadores Transformador de Detecção de Contextos Simples Transformador de Detecção de Contextos Baseado em Padrões Transformador de Detecção de Contextos em Slides Não Adjacentes Transformador de Remoção de Transições Curtas Limitações da Arquitetura Proposta 57 5 Aspectos de Implementação Modelo de Comunicação Componentes Desenvolvidos SpeedCar SpeedCar Áudio SpeedCar D-Link Video SpeedCar PowerPoint CASIn CASWeb SpeedCar Launcher Service Post-Production Service CAS Filters Acesso 76 6 Experimentos Encontro de Python Científico na Petrobras Configurações e Problemas de Infra-Estrutura Primeira Palestra Segunda palestra Terceira Palestra Quarta Palestra 83

10 Quinta Palestra Aulas de Seminários de Sistemas Distribuídos Configurações e Problemas de Infra-Estrutura Primeiro Seminário Segundo Seminário Avaliação Geral dos Experiementos Realizados 89 7 Considerações Finais Trabalhos Futuros Novas Funcionalidades Temas de Pesquisa 94 Referências Bibliográficas 97 Apêndice A CAS XML Schema 105 Apêndice B Primeiro Evento do Seminário de Sistemas Distribuídos 108 B.1 SpeedCar Audio XML 108 B.2 SpeedCar D-Link XML (Câmera 1) 109 B.3 SpeedCar D-Link XML (Câmera 2) 109 B.4 SpeedCar PPT XML 110 B.5 PresentationInfo XML 112 B.6 NCL Gerada para o Evento 116

11 Lista de figuras Figura 2.1: Alguns dispositivos ubíquos atuais (HP Tablet PC, Apple iphone, Logitech IO Pen, Microsoft Surface). 20 Figura 2.2: Taxonomia dos problemas de pesquisa em Computação Ubíqua [Saty01]. 20 Figura 2.3: Reconhecimento de gestos para a interação em um jogo [Truy05]. 21 Figura 2.4: Modelo de contexto 3D [SATT99]. 23 Figura 3.1: Arquitetura do sistema emeet/serve [Eleu02]. 34 Figura 3.2: Visualização de uma sessão pelo emeet/server a partir dos dados capturados pelo emeet/inca [Eleu02]. 34 Figura 3.3: Apresentação SMIL da sessão capturada com o iclass no Real Player [CARP03]. 35 Figura 3.4: Arquitetura do ConferenceXP [BCHM04]. 37 Figura 3.5: Visão do professor em uma aula com o Classroom Presenter [Clas08]. 38 Figura 3.6: ConferenceXP Web Viewer. 39 Figura 4.1: Visão geral da arquitetura do CAS com seus principais elementos. 46 Figura 4.2: Workflow interno do Post-Production Service com as entradas e saídas de cada componente. 50 Figura 4.3: Nós e elos num documento hipermídia comum [NSRB07]. 52 Figura 4.4: Nós, elos e nós de composição (contextos) [NSRB07]. 53 Figura 5.1: Estrutura de um serviço WCF [Chap07]. 61 Figura 5.2: Arquitetura detalhada do CASIn. 67 Figura 5.3: Página inicial do CASWeb. 68 Figura 5.4: Tela de gravação de um evento no CASWeb. 69 Figura 5.5: Tela de entrada de contexto manual no CASWeb. 70 Figura 5.6: Menu de seleção para navegação por contexto da terceira palestra do evento de Python (detalhado na subseção 6.1.4) no Ginga NCL Emulator. 77 Figura 5.7: Reprodução da terceira palestra do evento de Python (detalhado na subseção 6.1.4) no Ginga NCL Emulator com três vídeos em sincronia com os slides. 78

12 Figura 6.1: Sumário da apresentação com oito tópicos segundo a concepção do autor. 87

13 A simplicidade é a derradeira sofisticação. Leonardo da Vinci

14 1 Introdução Os evidentes avanços computacionais têm proporcionado mudanças de paradigma na interação humano-computador. No passado, na chamada era mainframe, um computador era compartilhado por vários usuários. Há bem pouco tempo reinava a era do PC, com um computador por pessoa. Atualmente vivemos a transição para uma nova era de diversos computadores para uma única pessoa, a era da Computação Ubíqua, vislumbrada por Mark Weiser na década de 90 [Weis91]. Essa transição pode ser percebida no dia-a-dia de cada um, pois cada vez mais as pessoas têm à sua disposição inúmeros dispositivos computacionais, utilizados de forma simultânea e não necessariamente de forma consciente, para a realização de suas atividades cotidianas. Dentro da Computação Ubíqua, uma área que tem ganhado destaque é a Captura & Acesso (C&A), que permite a gravação de alguma experiência ao vivo para ser revisada em algum ponto no futuro. Normalmente realizada em ambientes altamente instrumentados, transfere para os computadores a responsabilidade de gravar o evento, permitindo que as pessoas tenham seu foco de atenção na compreensão e interpretação da experiência em si, sem se preocupar com a tarefa de registrar a informação [AABE98]. As aplicações de C&A vão além da captura automática de informações e abordam aspectos de armazenamento, recuperação, visualização e até extensão com o reúso das informações capturadas. Em virtude da sua natureza distribuída, da heterogeneidade dos dispositivos computacionais envolvidos, da diversidade nas funcionalidades providas e sua natureza multidisciplinar, essas aplicações são difíceis de construir e requerem infra-estruturas e serviços de software que auxiliem o desenvolvedor nesta tarefa [CBP03].

15 15 Nesse contexto, o projeto Capture & Access Service (CAS) foi proposto para oferecer suporte ao desenvolvimento de aplicações de Captura & Acesso por meio de uma infra-estrutura de software. O CAS, por si só, já é um sistema de C&A para ambientes de salas de aula e salas de reunião, suportando um número restrito, mas extensível, de dispositivos. Com sua infra-estrutura pode-se tirar proveito efetivo dos diversos recursos computacionais e de interação disponíveis nesses novos ambientes de trabalho, além de explorar novos paradigmas na geração automática de documentos hipermídia que registram a experiência capturada Posicionamento e Motivação A literatura apresenta muitas ferramentas que permitem a geração automática de documentos hipermídia como resultado da captura de um evento ao vivo, mas tipicamente, essas ferramentas de C&A geram documentos que oferecem uma navegação com base apenas na linha de tempo (timeline) do evento registrado. A maioria dos sistemas de C&A apenas separa a camada de apresentação do conteúdo, aplicando uma transformação para gerar o documento que é visualizado pelo usuário. Apesar desse documento hipermídia ter diferentes navegações e apresentações, elas são estáticas do ponto de vista do usuário, pois são definidas a priori. Faltam experimentos de C&A que façam a separação do documento em modelos conceitual, navegacional e de apresentação para investigar o potencial de diferentes formas de consulta, navegação e apresentação desses documentos. O foco desse trabalho é investigar documentos mais interativos, que permitam ao usuário decidir por alternativas de navegação e até apresentação no momento da visualização. Outro grande interesse é na quebra do paradigma de timeline normalmente seguido pela maioria das aplicações, em que apenas se reproduz fielmente tudo o que foi capturado seguindo a mesma ordem. Apesar do tema C&A ser largamente estudado na literatura, são poucos os sistemas disponibilizados para uso pela comunidade e que ainda ofereçam uma

16 16 arquitetura extensível que permita explorar nosso objetivo de gerar documentos mais flexíveis. Dessa carência surgiu nossa motivação de projetar e implementar uma infra-estrutura extensível de C&A, onde todas estas experimentações pudessem ser realizadas Objetivos e Contribuições O objetivo principal desse trabalho é explorar o uso de documentos hipermídia dinâmicos em aplicações de Captura & Acesso. Nesses documentos dinâmicos, existe um modelo de dados isolado da forma de apresentação definida a priori. Essa camada de apresentação pode inclusive não existir, sendo nesse caso aplicado um modelo padrão do usuário ou do visualizador. Além disso, esse trabalho propõe a construção de uma aplicação de Captura & Acesso composta de uma infra-estrutura central extensível e um conjunto de componentes de captura que explorem os tipos essenciais de mídias (texto, áudio, vídeo e apresentação de slide). A primeira contribuição desse trabalho consiste na definição de uma arquitetura para Captura & Acesso em ambientes de computação ubíqua, com suporte à: captura de mídias de vídeo, áudio e apresentação de slide; controle de acesso; e recuperação e visualização simplificadas. Essa arquitetura facilita a implementação de atividades mais elaboradas, como a captura de anotações de aulas, através da sua natureza componentizada, que permite a rápida inclusão ou substituição de qualquer módulo. A maior contribuição desse trabalho é a importação de vários conceitos da área de engenharia de documentos para aplicações de captura e acesso. A utilização de uma linguagem baseada em um modelo conceitual hipermídia permite, dentre outras coisas, a estruturação lógica do documento pelo uso de composições aninhadas seguindo a exata concepção utilizada na organização de apresentações. Com o uso das composições e a criação de transformadores que modificam esse documento, viabilizam-se novas formas de navegação como por contextos e a quebra do paradigma timeline mesmo quando as apresentações são

17 17 visualizadas seguindo sua cronologia original. Isto se deve à capacidade introduzida no CAS de remover o conteúdo que é irrelevante na perspectiva do público que está realizando o acesso. Como contribuição adicional, esse trabalho pretende implementar a arquitetura desenvolvida em dois contextos: em uma sala de aula, a Active Classroom do Departamento de Informática da PUC-Rio; e num espaço de trabalho colaborativo, parte de um projeto da Petrobras. No espaço ativo da PUC- Rio, o trabalho permitirá não só trabalhos futuros na fronteira do estado da arte da computação ubíqua pelo fornecimento de uma arquitetura de base, como também pretende ajudar na formação dos alunos dos cursos beneficiados pela utilização desta sala. No espaço ativo da Petrobras o sistema contribuirá para as reuniões de projetos dos engenheiros da empresa e para a fomentação do conhecimento de engenharia básica e reservatório por meio do arquivamento e fácil recuperação de sessões técnicas. Como última contribuição, essa dissertação pretende oferecer meios que possibilitem um trabalho futuro de geração de conteúdo para a TV Digital Interativa brasileira. A televisão é hoje um eletrodoméstico presente em mais de 95% dos domicílios brasileiros, enquanto o computador está presente em menos de 20% [Soar06]. Desta forma, as possibilidades de disseminação de conhecimento ao utilizarmos a TV como meio de recuperação das informações capturadas nestes ambientes inteligentes são enormes Estrutura da Dissertação Esse trabalho está organizado da seguinte forma. O Capítulo 2 apresenta uma introdução à Computação Ubíqua e às suas subáreas, que inclui a Captura & Acesso, foco desta dissertação. O Capítulo 3 apresenta alguns trabalhos relacionados. O Capítulo 4 traz a visão geral da abordagem proposta. O Capítulo 5 apresenta os aspectos técnicos da implementação, detalhando todos os componentes desenvolvidos. O Capítulo 6 apresenta os estudos de caso realizados com uma análise dos resultados observados. Finalmente o Capítulo 7 fecha a

18 18 dissertação com as conclusões e considerações finais, juntamente com uma enumeração de alguns trabalhos futuros.

19 19 2 Computação Ubíqua As tecnologias mais profundas são aquelas que desaparecem. Elas se entrelaçam com o cotidiano até que se tornem indistinguíveis dele [Weis91]. Desta forma começa o artigo de Mark Weiser no qual o autor descreve sua visão de Computação Ubíqua. A essência desta visão é a criação de ambientes saturados de recursos computacionais e de capacidade de comunicação integrados de modo transparente ao ser humano. Weiser observou ainda, que a Computação Ubíqua pode ser apresentada como o oposto da Realidade Virtual [Weis91]. Segundo ele, a Realidade Virtual tenta colocar o mundo real dentro do computador, simulando-o parcialmente e envolvendo o usuário neste mundo virtualizado, enquanto na Computação Ubíqua os equipamentos computacionais é que permeiam o mundo real do usuário, enriquecendo-o. Além de prever uma nova transição da tecnologia, ele previu que o paradigma teclado-mouse-display também seria quebrado com o surgimento de dispositivos computacionais de diferentes tamanhos (pequenos, médios e grandes) e finalidades (para uso pessoal e coletivo). Na prática, sua visão estava muito além do seu tempo a tecnologia de hardware necessária para alcançá-la simplesmente não existia [Saty01]. Depois de mais de uma década de progresso de hardware, muitos elementos críticos da Computação Ubíqua, que eram exóticos em 1991, são produtos comerciais disponíveis, como redes sem fio, redes de sensores, tablets PCs e smartphones. Segundo Weiser, é importante que esses novos dispositivos sejam explorados de forma transparente, para não sobrecarregar a interface homemmáquina.

20 20 Figura 2.1: Alguns dispositivos ubíquos atuais (HP Tablet PC, Apple iphone, Logitech IO Pen, Microsoft Surface). A Computação Ubíqua emerge como um tema atual na pesquisa e desenvolvimento da Ciência da Computação, englobando várias outras áreas já conhecidas, como Sistemas Distribuídos, Interação Humano-Computador e Computação Móvel, proporcionando um novo paradigma na utilização da computação. A Figura 2.2 mostra como os problemas na Computação Ubíqua se relacionam com os de Sistemas Distribuídos e Computação Móvel. Novos problemas são encontrados conforme se observa da esquerda para a direita na figura. Como a simbologia sugere, a complexidade é multiplicativa em vez de aditiva, e o relacionamento é apenas lógico e não temporal. [Saty01] Figura 2.2: Taxonomia dos problemas de pesquisa em Computação Ubíqua [Saty01]. Um dos objetivos da Computação Ubíqua é tornar os recursos computacionais onipresentes e integrados ao cotidiano da vida contemporânea.

21 21 Para prover essa transparência, a literatura [AM00] remete para as três áreas complementares da Computação Ubíqua: interfaces naturais, computação ciente de contexto e captura e acesso de experiências ao vivo. As subseções seguintes descrevem os temas citados Interfaces Naturais A Computação Ubíqua originou um novo paradigma de interação, mais natural e que substitui a metáfora do desktop do computador pessoal. A inovação é tornar a interação do homem com a tecnologia (homem-computador), a mais próxima possível da sua interação com o mundo real no dia-a-dia (homemmundo). Esta ocorre, principalmente, por meio de gestos, expressões, movimentos e descoberta do mundo pela observação e manipulação de objetos físicos. As interfaces tradicionais atuais para computação se baseiam no paradigma convencional (teclado/mouse/display). Isto não representa a idéia de transparência e interação implícita definida pela computação ubíqua. As interfaces naturais são as interfaces das aplicações em dispositivos ubíquos baseadas nesse novo paradigma. Figura 2.3: Reconhecimento de gestos para a interação em um jogo [Truy05]. Anos de pesquisas na área de Interação Humano-Computador propiciaram o desenvolvimento de interfaces que dão suporte a paradigmas de interação baseados em escrita manual [SGP98], por voz [Haup95], manipulação de artefatos

22 22 eletrônicos, criando o conceito de interfaces tangíveis [IU97] e utilização de sensores em dispositivos computacionais, para manipulação física dos mesmos [HFGM98] [CARP03]. Até mesmo pesquisas em áreas de Computação Gráfica, como visão computacional, ajudaram no desenvolvimento de interfaces naturais como o reconhecimento de gestos [Truy05], ilustrado na Figura 2.3. Esses novos tipos de interação trazem novas necessidades e desafios. Novos tipos primitivos de dados (áudio, vídeo, ink etc.) passam a ser necessários para o desenvolvimento eficaz de interfaces naturais. Além disso, são necessários mecanismos para o tratamento e reconhecimento de erros associados às novas interfaces [AM00] Computação Ciente de Contexto A Computação Ciente de Contexto se refere à idéia de os computadores poderem tanto perceber quanto reagir ao ambiente em que estão inseridos para facilitar as atividades humanas. Os dispositivos teriam informações sobre as circunstâncias em que se encontram e, baseados em regras ou estímulos inteligentes, eles reagiriam de acordo [SAW94]. Dispositivos cientes de contexto podem tentar realizar suposições sobre a situação atual do usuário. [Dey01] define contexto como qualquer informação relevante sobre as entidades que participam da interação, inclusive os próprios usuários e o computador. A ciência de contexto é considerado um paradigma que possibilita a construção de sistemas de computação ubíqua quando utilizada no desenho de interfaces inovadoras com o usuário. Em [SATT99] temos um exemplo que ilustra estas possibilidades: um telefone celular ciente de contexto pode concluir que o usuário está ocupado, ao perceber que o usuário esta sentado numa sala de reunião, e rejeitar automaticamente as ligações recebidas de baixa prioridade. Trabalhos iniciais na área de informações de contexto consideravam apenas a localização espacial. Logo o termo contexto foi expandido descrevendo três dimensões como ilustrado na Figura 2.4, fomentando o aparecimento de uma

23 23 diversificada gama de aplicações sensíveis ao contexto. Estas coletam como contexto desde informações sobre o próprio dispositivo ubíquo, como o estado da bateria, até informações do ambiente, como outros dispositivos presentes, além de informações sobre as atividades que o usuário está desempenhando, como saber se ele está sentado, andando ou correndo. Figura 2.4: Modelo de contexto 3D [SATT99]. Atualmente, os aspectos relacionados à obtenção das informações contextuais são descritos com base em cinco dimensões conforme definido por [AM00], e também conhecido como cinco Ws : Who (quem), Where (onde), What (o que), When (quando) e Why (por que). Em [TAB01], observa-se que devido à dificuldade na obtenção de informações relativas à dimensão Why, geralmente associa-se a dimensão What com uma sexta dimensão How (como) para inferir informações sobre Why. Para aplicações específicas, como captura e acesso, a dimensão How é importante e pode definir como os dados foram capturados e como eles podem ser acessados Um desafio óbvio da computação ciente de contexto é fazê-la realmente ubíqua. Informações como localização podem ser obtidas automaticamente pelo uso de GPS, por exemplo, mas o GPS não tem boa captação em todos os lugares. O usuário poderia fornecer todas as informações de contexto necessárias, mas isso iria contra o objetivo de facilitar a interação com o computador, tornando a computação o menos intrusiva possível. Em geral as aplicações cientes de contexto são desenvolvidas para obter inúmeras e até redundantes informações de

24 24 contexto de maneira automatizada, disponibilizando-as em um ambiente computacional em tempo de execução, e permitir aos desenvolvedores das aplicações decidirem quais informações são relevantes e como lidar com elas [DA00]. No exemplo da localização, poderíamos obter tanto a posição com o GPS quanto com a triangulação do sinal wifi e utilizar o mais apropriado no momento. Existem vários sinônimos para aplicação ciente de contexto como: adaptativa, reativa, dirigida a respostas, situada, sensível ao contexto e dirigida ao ambiente [Viei04]. Segundo [DA00], a definição de aplicações ciente de contexto divide-se em duas categorias: as que usam informações de contexto e as que se adaptam a informações de contexto. Além disso, [ST94] definiram aplicações cientes de contexto como softwares que se adaptam de acordo com a sua localização de uso, grupo de pessoas ou objetos próximos e as mudanças ocorridas com esses objetos com o passar do tempo Captura & Acesso Algumas atividades são candidatas naturais para serem realizadas em ambientes que exploram o conceito de computação ubíqua, como ocorre com as atividades colaborativas. Reuniões ou aulas sobrecarregam seus participantes com grande quantidade de informações que, em sua maioria, as pessoas não conseguem assimilar pelos mais diversos fatores, como interrupções, necessidade de anotação ou sobrecarga cognitiva. Num ambiente automatizado de captura, a responsabilidade de gravar o evento é transferida para os computadores, permitindo que as pessoas tenham seu foco de atenção no que realmente interessa, por exemplo para sumarizar, compreender e interpretar [AABE98]. Dentro da área de computação ubíqua, a tarefa de preservar a gravação de alguma experiência ao vivo para ser revisada em algum ponto no futuro [SCGM04] é conhecida como Captura & Acesso (C&A). O domínio de aplicação pode se estender desde reuniões informais, sem planejamento prévio, como por exemplo encontros casuais [BTA99], até experiências mais formais, como aulas [AABE98] e operações médicas [RB05].

25 25 As próximas subseções aprofundam aspectos relevantes da Captura & Acesso. São eles: as cinco dimensões do espaço de projeto, as quatro fases de C&A, os principais desafios e os três ambientes mais comuns para sua aplicação Espaço de Projeto Um aspecto importante na construção de aplicações de C&A refere-se ao espaço de projeto. [TAB01] definem cinco dimensões para o projeto de C&A que apresentam relação direta com o tema de ciência de contexto: Quem (Who) são os usuários? Assim como em qualquer outro desenvolvimento de aplicação, saber quem e quantos são os usuários é de suma importância para no desenho da escalabilidade do sistema e dos papéis que ele precisará tratar. É importante ressaltar que aplicações de C&A envolvem duas atividades distintas com possibilidade de usuários distintos: a captura e o acesso. Segundo [TAB01], esta dimensão deve considerar: o número de usuários na captura; o número de usuários no acesso; a sobreposição entre estes dois grupos; a perspectiva de captura (pública, privada, compartilhada etc.). O que (What) é capturado e acessado? Nesta dimensão o foco é no que capturar e tornar disponível para acesso. Deve-se, segundo [TAB01], considerar: os artefatos manipulados na experiência ao vivo; quais fluxos de informação gerados serão capturados; quais artefatos devem ser acessados; e a fidelidade do acesso em relação à experiência ao vivo original. Quando (When) a captura e o acesso ocorrem? Para [TAB01], deve-se identificar: com que freqüência a captura e o acesso ocorrem; se há algum padrão de periodicidade; e, a escala de tempo entre a captura e o acesso. Tais informações indicarão se o sistema deve estar pronto para uma captura a qualquer momento, no caso de eventos imprevisíveis, ou

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 31 3 Trabalhos Relacionados Neste capítulo são apresentados os trabalhos relacionados ao CAS que, de algum modo serviram como inspiração e fonte de informações para o desenvolvimento desta pesquisa. Apesar

Leia mais

Nesta seção apresentamos protótipos que desenvolvemos com o objetivo de levantar os requesitos necessários para um sistema para apresentações

Nesta seção apresentamos protótipos que desenvolvemos com o objetivo de levantar os requesitos necessários para um sistema para apresentações 3 Protótipos Nesta seção apresentamos protótipos que desenvolvemos com o objetivo de levantar os requesitos necessários para um sistema para apresentações multimídia distribuídas. Os protótipos auxiliaram

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 1 Introdução A adoção do Ginga-NCL como middleware declarativo do SBTVD (Sistema Brasileiro de Televisão Digital) estabeleceu um marco no desenvolvimento de aplicações interativas para TV Digital terrestre

Leia mais

Ginga-NCL com objetos de mídia SSML embutidos Relatório Técnico: Requisitos

Ginga-NCL com objetos de mídia SSML embutidos Relatório Técnico: Requisitos PUC-Rio - Departamento de Informática Ginga-NCL com objetos de mídia SSML embutidos Relatório Técnico: Requisitos Rafael Diniz Matrícula: 1312398 5 de agosto de 2014 Sumário 1 Introdução 2 1.1 Propósito...........................................

Leia mais

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Hugo Roenick Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós graduação em Informática do Departamento de Informática

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes

Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes Caracterização das Aplicações e Requisitos PUC -Rio Departamento de Informática Luiz Fernando Gomes Soares lfgs@inf.puc-rio.br Tópicos Aplicações de Banda

Leia mais

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição 2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição Alguns dos aspectos mais importantes na arquitetura proposta nesta dissertação são: a geração dinâmica de conteúdo e a utilização de templates de

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Antônio Carlos Theóphilo Costa Júnior. Soluções para a Travessia de Firewalls/NAT usando CORBA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Antônio Carlos Theóphilo Costa Júnior. Soluções para a Travessia de Firewalls/NAT usando CORBA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Antônio Carlos Theóphilo Costa Júnior Soluções para a Travessia de Firewalls/NAT usando CORBA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Pós graduação em Informática Rio de Janeiro

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP André Pimenta Freire Renata Pontin de M. Fortes N 0 213 RELATÓRIOS TÉCNICOS

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 FRAMEWORK PARA TREINAMENTOS NA WEB BASEADO EM VÍDEO SOBRE DEMANDA Ícaro Carlos Andrade Costa 1 Igor Antônio Andrade Costa 2 Ricardo Ariel Correa Rabelo 3 Renata Azevedo Santos Carvalho 4 RESUMO A educação

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após verificarmos toda a integração histórica da informática para a educação, veremos

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Novas Mídias e Relações Sociais.

Novas Mídias e Relações Sociais. Novas Mídias e Relações Sociais. Eduardo Foster 1 1 Caiena Soluções em Gestão do Conhecimento, Av. 34-578, CEP 13504-110 Rio Claro, Brasil foster@caiena.net Resumo. A comunicação é uma disciplina que acompanha

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas 1 Introdução Uma aplicação de TV Digital (TVD) comumente é composta por um vídeo principal associado a outros objetos (aplicações, imagens, vídeos, textos etc.), que são transmitidos em conjunto possibilitando

Leia mais

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres. Módulo I - Introdução Aula 2 Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.com Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010 Graduado em Ciência da Computação pela UFC, Brasil

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Principais diferenciais do Office 365

Principais diferenciais do Office 365 Guia de compras O que é? é um pacote de soluções composto por software e serviços, conectados à nuvem, que fornece total mobilidade e flexibilidade para o negócio. Acessível de qualquer dispositivo e qualquer

Leia mais

APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS

APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS RESUMO Alessandro Lumertz Garcia 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo apresenta tipos de aplicações que podem existir nas casas inteligentes,

Leia mais

Segundo Pré-teste. Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local.

Segundo Pré-teste. Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local. Segundo Pré-teste Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local. Duas salas de aula da Pós-graduação do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da EESC/USP. Duração: 4 horas. Dos objetivos. Envolveu

Leia mais

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA 2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA Neste capítulo faremos uma breve descrição de algumas plataformas para ensino a distância e as vantagens e desvantagens de cada uma. No final do capítulo apresentamos

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Uma arquitetura baseada em agentes de software para a automação de processos de gerênciadefalhasemredesde telecomunicações

Uma arquitetura baseada em agentes de software para a automação de processos de gerênciadefalhasemredesde telecomunicações Adolfo Guilherme Silva Correia Uma arquitetura baseada em agentes de software para a automação de processos de gerênciadefalhasemredesde telecomunicações Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 12 de agosto de 2010 Um sistema no qual componentes localizados em redes, se comunicam e coordenam suas ações somente por passagem de mensagens. Características:

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

O Que é Videoconferência e Como Funciona

O Que é Videoconferência e Como Funciona O Que é Videoconferência e Como Funciona Renato M.E. Sabbatini, PhD O objetivo da videoconferência é colocar em contato, através de um sistema de vídeo e áudio, duas ou mais pessoas separadas geograficamente.

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Um estudo sobre a geração e narração automática de estórias. Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Um estudo sobre a geração e narração automática de estórias. Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção Fabio Wanderley Guerra Engenharia de Estórias Um estudo sobre a geração e narração automática de estórias Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS Formulário para submissão de projeto Dados do Projeto e do (a) Orientador (a) do Projeto Título do Projeto: Um aplicativo

Leia mais

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox 701P28680 Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnósticos de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais PRERELEASE 03/07/2011 Avisos legais Avisos legais Para consultar avisos legais, acesse o site http://help.adobe.com/pt_br/legalnotices/index.html.

Leia mais

Rafael Jessen Werneck de Almeida Martins. Recomendação de pessoas em redes sociais com base em conexões entre usuários

Rafael Jessen Werneck de Almeida Martins. Recomendação de pessoas em redes sociais com base em conexões entre usuários Rafael Jessen Werneck de Almeida Martins Recomendação de pessoas em redes sociais com base em conexões entre usuários Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção

Leia mais

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno:

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Giovanni Pietro Vallone Cocco Portais Corporativos

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Bruno Sanchez Lombardero Faculdade Impacta de Tecnologia São Paulo Brasil bruno.lombardero@gmail.com Resumo: Computação em nuvem é um assunto que vem surgindo

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

web2way Comunicações e Vídeos LTDA

web2way Comunicações e Vídeos LTDA web2way Comunicações e Vídeos LTDA Soluções em Comunicação da web2way que podem ser úteis para sua empresa Preparada por: Adriana Grasso sócia/administradora Data: 21/05/2012 Sobre a web2way A web2way

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft PowerPoint 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que você precisa Clique

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Introdução à Computação A disciplina apresenta a área da Computação como um todo, desde a história e a evolução dos computadores

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Geral O que é Mediasite Live? O que é uma mídia de apresentação? Como se compara Mediasite Live a outras soluções de apresentação?

Geral O que é Mediasite Live? O que é uma mídia de apresentação? Como se compara Mediasite Live a outras soluções de apresentação? Geral O que é Mediasite Live? Mediasite Live é um poderoso sistema de comunicação via web que permitem os usuários a capturar rapidamente, publicar e assistir uma apresentação e transformando-o automaticamente

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro Tania Regina Tronco Data: 15/04/2009 Motivadores A evolução da Internet causará um forte impacto

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Prototipação de Software

Prototipação de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Prototipação de Software Engenharia de Software 2o. Semestre de 2005

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais