Software para controle do plantio e colheita de café:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Software para controle do plantio e colheita de café:"

Transcrição

1 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. 1 Software para controle do plantio e colheita de café: Amanda Luiz de Oliveira, Arimatéia Batista Vicente, Tânia Maria Rodrigues Ribeiro. Centro Universitário do Sul de Minas - UNIS Gestão da Educação Tecnológica - GETEC Rodovia Varginha-Elói Mendes, Km 232, , Varginha, MG, Brasil s: Resumo O presente artigo relata um experimento com uso de ferramentas DOT.NET e banco de dados relacional para o desenvolvimento de um sistema de controle do plantio e colheita de café. O sistema em questão foi desenvolvido para a plataforma Windows e roda em ambiente desktop. Os resultados obtidos são promissores e indicam a relevância do uso de novas tecnologias nas fazendas de café para a sustentabilidade do agronegócio. Palavras-chave: DOT.NET, banco de dados relacional, agronegócio. Abstract - This article reports an experiment with the use of DOT.NET tools and relational database to develop a control system of planting and harvesting of coffee. The system has been developed for the Windows platform and runs on desktop environment. The results are promising and indicate the relevance of the use of new technologies in the farms of coffee for the sustainability of agribusiness. Keywords: DOT.NET, relational database, agribusiness. O 1. INTRODUÇÃO Café, bebida popular no Brasil (Figura 1), descoberto no século IX, é hoje um gigante mundial da industria ficando em segundo lugar após o petróleo em termos de dólares negociados mundialmente. O ramo da cafeicultura emprega mais de 20 milhões de pessoas e trouxe ao Brasil a liderança absoluta em pesquisas cafeeiras assegurando competitividade ao mercado e sustentabilidade ao agronegócio. Cabe dizer, que o café brasileiro é produzido em sua quase totalidade em mais de 5 estados da federação, sendo que Minas Gerais é o maior e melhor produtor nacional (Tabela 1). Apesar de toda a produção de café, o Brasil ainda reclama atrativos para a industrialização e a informatização no campo, já que, muitos softwares são voltados apenas para o financeiro, deixando de lado à parte de manutenção e produção do mesmo. O presente artigo relata um experimento com o uso de ferramentas DOT.NET e banco de dados relacional para o desenvolvimento de um software de controle do plantio e colheita do café levando em conta análises de solos e atividades efetuadas no mesmo durante o período de produção. O sistema em questão foi desenvolvido para a plataforma Windows e roda em ambiente desktop, sendo que sua interface simples e intuitiva tem como objetivo a compreensão do sistema por pessoas leigas em informática. O software foi testado em uma fazenda de café e poderá trazer uma redução de retrabalho e conseqüentemente uma baixa nos custos das atividades. Figura 1: Consumo de bebidas no Brasil. Fonte: Abic [1] Tabela 1: Produção do café nos estados do Brasil. UF / Região Produção (mil sacas beneficiadas) Arábica Conilon Total MINAS GERAIS Sul e centro-oeste Cerrado Zona da Mata ESPÍRITO SANTO SÃO PAULO PARANÁ BAHIA RONDÔNIA MATO GROSSO PARÁ RIO DE JANEIRO OUTROS Fonte: CONAB [2]

2 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Definição 2. CAFÉ Segundo a Wikipedia [13], O café é uma bebida preparada e fabricada a partir de sementes torradas, chamada de café em grão. Devido ao seu teor de cafeína, o café tem um efeito estimulante em seres humanos. Hoje, o café é uma bebida muito popular no Brasil (Figura 2). Figura 2: Evolução do consumo de café no Brasil. Fonte: Abic [1] Quando maduros, os cafés são colhidos, processados, secos e depois torrados em diferentes graus, dependendo do sabor desejado, passando por várias alterações físicas e químicas. 2.2 Surgimento Segundo a Wikipedia [13], O café foi descoberto em terras altas da Etiópia sendo consumido pela primeira vez no século IX e se espalhando para vários países como: Egito, Iêmen, Azerbaijão, Turquia, norte da África, Itália, Pérsia, Turquia, norte da África, Itália, seguindo para o resto da Europa, Indonésia e Américas. Há uma lenda que diz que um árabe chamado Khalid goatherder reparou que as suas cabras tornaram-se mais animadas depois da ingestão dos frutos do cafeeiro, Intrigado, ele cozinhou os frutos produzindo a primeira bebida. O café se tornou uma cultura para muitos países do Terceiro Mundo, trazendo a cem milhões de pessoas o café como sua principal fonte de renda. 2.3 Café no Brasil Segundo a ABIC [2], em 1727, foi conseguida a primeira muda de café, que já tinha grande valor comercial, trazida clandestinamente da Guiana Francesa para o Brasil. As primeiras plantações foram feitas em Belém e as mudas foram usadas para plantios no Maranhão e na Bahia. As condições climáticas não eram as melhores nessa primeira escolha e, entre 1800 e 1850, tentou-se o cultivo na região do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, locais onde o sucesso foi total, desenvolvendo-se de tal forma que se tornou a mais importante fonte de receitas do Brasil durante muitas décadas. Vale ressaltar que o sucesso da lavoura do café em São Paulo durante a primeira parte do século XX, levou a que o Estado se tornasse uns dos mais ricos do país, fazendo com que vários fazendeiros indicassem ou se tornassem eles próprios presidentes do Brasil (política do café com leite). Atualmente o café é um dos mais importantes produtos agrícolas brasileiros comercializados nos mercados nacional e internacional. O Brasil produz duas espécies de café: O arábica (Coffea arabica L.) e o robusta (Coffea canephora L.). O País detém a liderança absoluta na produção mundial (Tabela 2) e em pesquisas cafeeiras, assegurando competitividade no mercado e sustentabilidade do agronegócio. Tabela 2: Ranking mundial do café Produção Mundial Países Prod. % Prod % Prod % Brasil , , ,23 Vietinã , , ,39 Colômbia , , ,58 Indonésia , , ,21 Etiópia , , ,66 Índia , , ,25 México , , ,30 Guatemala , , ,41 Peru , , ,47 Costa do Marfim , , ,54 El Salvador , , ,38 Nicarágua , , ,46 Outros , , ,14 TOTAL , , ,00 Fonte: Mapa/SPAE/CONAB; O.I.C. [3] 2.4 Café em Minas Gerais De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento CONAB [3], Minas Gerais é principal produtor de café do país, respondendo por 50,4% da produção nacional, o que corresponde a mil sacas de café. Segundo Melo [9], Minas Gerais é o Estado que mais colhe café no Brasil, mas fica bem longe de uma liderança quando o assunto é industrialização e informatização. Os empresários há anos reclamam atrativos para instalação de indústrias cafeeiras no estado, mas ainda não foram atendidos. 2.5 Talhões e Glebas Segundo a ORMOND [12], A Gleba é uma parte da terra com propriedades agrícolas dividida para a cultura e o talhão é um grupo de plantas delimitado pelo produtor, com características próprias quanto à idade, variedade, manejo e etc.

3 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas FERRAMENTAS E MÉTODOS UTILIZADOS 3.1 Microsoft Visual Studio 2008 Express Edition SP1 O Microsoft Visual Studio 2008 Express Edition SP1 é um pacote de programas da Microsoft, para desenvolvimento de Software, especialmente dedicado ao framework.net e às linguagens Visual Basic (VB), C, C++ (C Plus Plus), C# (C Sharp) e J# (Jey Sharp). Segundo a Microsoft [10], o Microsoft Visual Studio 2008 Express Edition SP1 é um conjunto gratuito de ferramentas simples, divertidas e fáceis de usar. 3.2 Banco de dados Relacional: Banco de dados relacional é o modelo de banco cujas informações são armazenadas no formato de tabelas interrelacionáveis por campo-chave. Dicweb [5]. Segundo Kaufeld [8], o modelo de banco de dados relacional possui a capacidade de lidar com grandes volumes de informações, eliminando dados redundantes. No modelo relacional existe a possibilidade de elaboração de um relacionamento lógico entre as informações evitando-se a necessidade da repetição de informações e agilizando as consultas feitas às fontes de dados. Com base em Dalcin [4], na prática, o modelo relacional oferece os seguintes benefícios: Simplicidade e uniformidade (o modelo relacional é compacto); Independência dos dados físicos; Interfaces de alto nível para usuários finais; Visões múltiplas dos dados; Melhoria na segurança dos dados; Redução significativa do tempo gasto na manutenção da base de dados; Possibilidade de expansão devido à flexibilidade do sistema. aplicativos incorporados, aplicativos web simples e armazenamentos de dados locais. 3.4 WBS (working breakdown structure) Segundo Fonseca [7] apud Fialho [6], o WBS é Modelo que formula um diagrama hierárquico cuja a fidelidade é explicitar as etapas de trabalho que são necessárias para alcançar o objetivo do projeto. Assim, o WBS é uma forma de apresentação do projeto que o explicita em suas partes físicas, em softwares, serviços e outros tipos de trabalho, a qual organiza, define e graficamente mostra tanto o produto a ser feito como o trabalho a ser realizado para obtê-lo. 3.5 Redes de procedência Após definida as tarefas / atividades do projeto e as suas respectivas durações, pode-se estimar uma duração total para o mesmo. Segundo Fonseca [7], este método consiste em identificar as interdependências das tarefas definidas que deve obedecer restrições de precedência, conflito de recursos, fluxo de recursos e janelas de oportunidades. 3.6 Project evoluation and review Technique PERT Segundo Fonseca [7] apud Fialho [6], o project evoluation and review technique é a representação gráfica que consiste em uma rede onde as atividades e eventos do projeto são apresentados na forma de um grafo direcional ponderado onde os vértices são os eventos e as arestas as atividades cujos pesos representam suas durações. 3.7 C/SCSC (Cost / Schedule Control Systems Criteria) Segundo Fonseca [7], C/SCSC É uma metodologia que exerce o controle integrado de custos, prazos e do trabalho efetivamente realizado no decorrer de um projeto. 3.8 Gráfico de Gantt Após a etapa de sequenciamento de tarefas, é desenvolvido um cronograma, onde as tarefas do projeto, respeitando-se as restrições de interdependência e de alocação de recursos, são dispostas em função do tempo, a longo de um calendário. Segundo Fonseca [7], o gráfico de Gantt é a ferramenta mais comum para apresentar esse cronograma que é feito na forma de um gráfico de barras horizontais representando tarefas e tempos (Figura 3). 3.3 SQL Server 2005 O SQL Server é um SGBD (Sistema gerenciador de Banco de dados relacional). Segundo a Microsoft [11], o SQL Server Express é um produto de gerenciamento de dados poderoso e confiável que fornece recursos robustos, proteção de dados e desempenho para clientes de

4 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. 4 Concluída esta etapa passou-se a implementação do sistema. 6. SISTEMA IMPLEMENTADO Os recursos listados no item 3 permitiram o desenvolvimento de um sistema para controle do plantio e colheita de café com uma interface simples e amigável, trazendo muito mais controle ao plantio e colheita do café. Antes, os dados que eram armazenados de uma forma insegura e desorganizada, agora podem ser manipulados de uma forma segura e profissional. Figura 3: Exemplo de Gráfico de Gantt 4. VISÃO GERAL DO SOFTWARE O projeto de software tem como objetivo principal auxiliar os produtores cafeeiros no controle do plantio e colheita de café, possibilitando o cadastramento, alteração e consulta de seus armazéns, produtos, equipamentos e trabalhadores para posterior armazenamento de plantios, colheitas e atividades realizadas de acordo com uma análise do local, registrando em seu estoque os produtos colhidos, armazenados e vendidos, possibilitando a impressão de relatórios periódicos para uma posterior análise de dados sobre todos os cadastros e movimentos. 6.1 Telas do sistema desenvolvido Após o usuário, previamente cadastrado, acessar o sistema, a tela inicial apresenta um menu com todos os links para os módulos (Cadastro, Produção, Relatórios, Utilitários e Sair), conforme a Figura CASO EM ESTUDO A empresa abordada foi a fazenda Pontal que está no ramo da cafeicultura à 10 anos na área de plantio de café e tem como dono o senhor José Roberto Domingueti Bueno. Após uma entrevista com aproximadamente 50 perguntas e vários questionários, foi feita uma análise sobre os dados anotados em papéis, onde se concluiu uma falta de organização dos dados, já que, muitos produtores não usam de tecnologia para o mesmo, tornando suas informações inconsistentes. Para o desenvolvimento do software foi elaborada uma documentação baseada em análise de requisitos, ferramentas gerenciais e também composta de dicionário de dados (Figura 4), diagramas, Folhas de atividades (Figura 5) e controles formais com atas de reuniões. Nome da tabela Coluna Descrição DataType Nulabilidade Figura 4: Dicionário de dados realizado Projeto: Atividade nº Título: Responsável: Duração: Início: Descrição: Esta atividade constará de: FL: Figura 6: Interface inicial do sistema. Este cadastro é possível através do login de administrador onde o mesmo poderá inserir um usuário ou fazer alterações em seu perfil. O primeiro módulo (cadastro) será acessado para cadastrar informações que serão utilizadas no módulo Produção. A primeira informação que deverá ser preenchida pelo usuário são os seus armazéns de café, conforme a Figura 7. Figura 5: Folha de atividades do projeto.

5 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. 5 Figura 7: Tela de cadastro de armazéns. O cadastro de armazéns será utilizado posteriormente pela tela de colheita para verificar onde os grãos serão estocados. Após o cadastro de armazéns, a segunda informação a ser preenchida são as atividades que poderão ser exercidas no solo, tais como: Adubagem, irrigação, fertilização do solo e outros, conforme a Figura 8. Figura 10: Tela de cadastro de produtos. Os produtos de utilização são aqueles usados para atividades no solo (Adubos, sementes, outros.) e os de produção são os produzidos pela fazenda (Café arábico, outros.) Depois de efetuar o cadastro de produtos, é necessário cadastrar as máquinas que trabalharão na fazenda, conforme a Figura 11. Figura 8: Tela de cadastro de Atividades. Para cada atividade deverá ser informado qual é a sua abreviação para posterior utilização na tela de atividades exercidas no talhão. A terceira informação a ser preenchida pelo usuário são os talhões e glebas, conforme a Figura 9. Figura 11: Tela de cadastro de Máquinas. A máquina poderá trabalhar por empreita ou hora, o usuário preencherá os respectivos ganhos. Após efetuar o cadastro das máquinas, o usuário terá que cadastrar os trabalhadores envolvidos nas variadas atividades da fazenda, conforme a Figura 12. Figura 9: Cadastro de Talhões / Glebas Estas informações indicarão o lugar de plantio e de colheita em módulos posteriores e deve ser preenchida cuidadosamente por se tratar de um dos módulos mais importantes, pois envolve todas as áreas do sistema. A quarta informação a ser preenchida são os produtos de utilização ou de produção, conforme a Figura 10.

6 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. 6 Figura 12: Tela de cadastro de Trabalhadores. Os trabalhadores poderão ser assalariados ou temporários e cada um terá sua área de trabalho especificada com o seu respectivo ganho. Após cadastrar os funcionários, o módulo cadastro estará pronto e o sistema apto a armazenar plantios (Figura 13), colheitas (Figura 14) e atividades nos talhões (Figura 15). Figura 14: Tela de cadastro da colheita. Figura 15: Tela de Cadastro das atividades nos Talhões / Glebas Figura 13: Tela de cadastro do plantio O sistema permite que o usuário cadastre suas análises de solo referente a cada talhão de uma forma fácil, já que os componentes que podem comparecer nesta análise estão previamente cadastrados no sistema no campo Elemento, conforme Figura 16.

7 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas TESTES E RESULTADOS OBTIDOS O objetivo do teste realizado era verificar a eficácia do sistema de controle do plantio e colheita de café. Para isso o sistema foi implantado na fazenda Pontal durante o período de plantio e colheita do café do ano de No teste foram analisados produtividade, retrabalho e custos da fazenda após a implantação comparando-os com os dados obtidos no mesmo período do ano de 2008 pelas anotações da fazenda Pontal conforme Tabela 3. Figura 16: Tela de cadastro das Análises realizadas. Cada componente é cadastrado com seu teor encontrado na data da análise. No módulo Produção também há uma tela de estoque, onde os produtos estocados podem ser acertados, baixados do estoque ou vendidos, dando ao produtor uma total visibilidade dos produtos produzidos, conforme Figura 17 Tabela 3: Dados da fazenda pontal em 2008 Pontos de Controle 2008 Prejuízo Retrabalho 35% Prejuízo Altos custos 55% Produtividade em litros L Os dados geraram gráficos que comprovam uma queda nos prejuízos com retrabalho e altos custos da fazenda Pontal (Figura 18), fazendo a produtividade da fazenda crescer conforme a Figura 19. Antes da implantação 10% 35% Retrabalho Custos Outros 55% Depois da implantação 3% 2% Retrabalho Custos Outros Figura 17: Tela de Estoque O módulo Relatório do sistema permite imprimir relatórios periódicos a qualquer momento, tais como: De produtos, armazéns, plantios, colheitas e outros. O ultimo módulo é o Utilitários que possibilita ao usuário utilizar calculadora, cotação on-line do dólar e também executar backup para a segurança do sistema. 95% Figura 18: Gráficos comparativos. Antes (2008) e depois (2009) da implantação

8 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Antes da implantação Depois da implantação Figura 19: Gráfico da Produtividade em litros colhidos Após a realização do teste, foi efetuado também um questionário de feedback ao Sr. José Roberto e os resultados foram satisfatórios, como mostra a Tabela 4. Tabela 4: Resultado do questionário de feedback Questão Resposta Usabilidade Interface Eficiência Eficácia Fidelidade da informação Em relação aos testes executados, pode-se dizer que a resposta obtida foi melhor que a esperada, implicando, portanto, em êxito no funcionamento do software proposto. 8. CONCLUSÃO O objetivo de desenvolver um sistema de controle do plantio e colheita de café foi atingido plenamente, trazendo resultados relevantes e atingindo os principais problemas levantados pela análise. O mercado de café tende a crescer cada vez mais e com ele novas soluções para facilitar a vida do produtor cafeeiro. O constante desenvolvimento e aprimoramento das ferramentas utilizadas mostra a potencialidade e adequação de seu uso para o desenvolvimento de softwares cada vez mais eficazes. REFERÊNCIAS [1] ABIC, 15 de junho de Arquivo de Tendências de consumo de café mo_nov08.pdf [2] ABIC, 15 de junho de A história do café Origem e trajetória [3] CONAB, 9 de junho de Companhia Nacional de Abastecimento [4] DALCIN, 18 de junho de Banco de dados relacional para cadastro, avaliação e manejo da arborização pública [5] DICWEB, 15 de junho de Dicionário de termos de Informática [6] FIALHO, Lúcio Leão. Tasker: Sistema de coordenação de equipes Dissertação (Mestrado em Ciências) Engenharia de Sistemas e Computação UFRJ. Rio de Janeiro. 128p. [7] FONSECA, Letícia Rodrigues Apostila de gestão de projetos [8] KAUFELD, J. Access 95 para Windows para leigos: Um manual para novos usuários. São Paulo: Berkeley Brasil, p. [9] MELO, Bianca, 15 de junho de Produtividade do café em MG &produtividade-do-cafe-em-minas-gerais-cresce-mais-que-odobro.html [10] MICROSOFT, 9 de junho Detalhes do download Microsoft Visual Studio 2008 Express Edition SP1. 7 e9-d1bf-4326-a683-5ebddb62e07e&displaylang=pt-br [11] MICROSOFT, 9 de junho Detalhes do download microsoft SQL Server b5-0b dcc397514b41&displaylang=pt-br [12] ORMOND, 15 de junho de Termos técnicos para café orgânico fe Organico_2ed/glossario.htm [13] WIKIPEDIA, 9 de junho de O café AGRADECIMENTOS Os autores gostariam de agradecer ao Centro Universitário do Sul de Minas e ao professor orientador Renato Bernardes de Mello por toda a assistência e dedicação.

ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados

ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados Artigo apresentado ao UNIS, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados André Luis dos Reis Revair,

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS SAFRA 2008/2009 67% Exportação 89% Café verde 18% Alemanha 18% EUA 10% Japão 9% Itália CAFÉ 49,2 milhões de sacas de

Leia mais

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O presente boletim tem o objetivo de apresentar a situação atual do mercado, por meio dos dados disponibilizados pelo USDA, CONAB e MAPA. Apresenta-se, posteriormente, a

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA Imperial Estação Agronômica de Campinas 27/06/1887 Centro de Café Alcides Carvalho INTRODUÇÃO O Agronegócio

Leia mais

ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em

ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em cafeicultura, J.B. Matiello Eng Agr Fundação Procafé e

Leia mais

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Entre janeiro/13 e novembro/13 o Coffea arabica (Arábica) apresentou

Leia mais

PJ 4/11. 10 janeiro 2011 Original: inglês. Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido

PJ 4/11. 10 janeiro 2011 Original: inglês. Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido PJ 4/11 10 janeiro 2011 Original: inglês P Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido Estudo da sustentabilidade da cadeia da oferta de café versus adaptação às mudanças climáticas

Leia mais

Safra 2013. Segunda Estimativa Maio/2013. Safra 2010/2011 Terceiro Levantamento Janeiro/2011

Safra 2013. Segunda Estimativa Maio/2013. Safra 2010/2011 Terceiro Levantamento Janeiro/2011 Safra 2013 Segunda Estimativa Maio/2013 Safra 2010/2011 Terceiro Levantamento Janeiro/2011 Avaliação da Safra Agrícola Cafeeira 2013 Segunda Estimativa Maio/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e

Leia mais

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros.

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros. GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Unidade II 2 FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE PROJETOS A gestão de projeto como já visto no capítulo anterior é uma tarefa trabalhosa que requer muito controle. Assim, para ajudar

Leia mais

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Companhia Nacional de Abastecimento Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Data de referência: 31/03/2007 Relatório final Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Celia Corigliano Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento do Café DCAF Companhia Nacional de Abastecimento CONAB

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE Luciana Maria de Castro Mira¹, Bianca Antunes de S. R. Alves 2, Ana Paula Tavares 3, Luíz Henrique

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO:

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: O Estado do Espírito Santo encontra-se como o segundo maior produtor nacional de café, destacando-se o plantio das espécies Arábica e Conilon, sendo

Leia mais

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS Curso: Sistemas de Informação (Subseqüente) Disciplina: Administração de Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br História

Leia mais

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 White Paper Maio de 2008 Para obter as últimas informações, visite o site www.microsoft.com/teamsystem As informações contidas

Leia mais

Atividade decorrente da nova Lei de Armazenagem

Atividade decorrente da nova Lei de Armazenagem Atividade decorrente da nova Lei de Armazenagem Levantamento de Estoques Privados de Café Relatório da Primeira Estimativa Mar/2005 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA ROBERTO RODRIGUES

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Desenvolvimento de um software de baixo custo para o gerenciamento de bovinocultura de leite Miler Grudtner BOELL¹; Marcos Roberto RIBEIRO² 1 Aluno do Curso de Tecnologia de Sistemas para Internet e bolsista

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas

SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas Geandré Meller Zacher 1 Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar o projeto SISGAP, que

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr.

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr. Bureau de Inteligência Competitiva do Café Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013 www.icafebr.com PARA TER ACESSO AOS DEMAIS RELATÓRIOS DO BUREAU, NOTÍCIAS E COTAÇÕES, ACESSE:

Leia mais

A INFORMÁTICA NO AGRONEGÓCIO

A INFORMÁTICA NO AGRONEGÓCIO CESA - CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS ADMINISTRAÇÃO EDELGIR RUB PESCE JUNIOR IGOR DE ALENCAR ARARIPE FAÇANHA LEONARDO HENRIQUE MARCOVIQ BORGES RODRIGO KLOCKER DE CAMARGO A INFORMÁTICA NO AGRONEGÓCIO

Leia mais

Além disto, haverá uma nova forma de financiamento do Adiantamento sobre Contrato de Câmbio (ACC) para exportações indiretas. O chamado ACC Indireto

Além disto, haverá uma nova forma de financiamento do Adiantamento sobre Contrato de Câmbio (ACC) para exportações indiretas. O chamado ACC Indireto Informativo PSI APEX, 03/04/2012 Na continuidade do Plano Brasil Maior, uma das principais medidas para aumentar a competitividade do setor exportador brasileiro anunciadas hoje é a redução do percentual

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO:

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: ATENÇÃO ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: www.poscolheita.com.br juarez@ufv.br CAFEICULTURA DE MONTANHA & CAFÉ COM QUALIDADE Tecnologias

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura JEAN STEPHANO GOULART PREÇOS DO CAFÉ Muzambinho 2009 JEAN STEPHANO

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas

Leia mais

Melhoramento de Café Robusta/Conilon

Melhoramento de Café Robusta/Conilon Melhoramento de Café Robusta/Conilon Maria Amélia Gava Ferrão Pesquisadora Embrapa Café/Incaper APRESENTAÇÃO Introdução Histórico Estratégias Melhoramento Brasil Principais Resultados Espécies Café Identificadas

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA)

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) Ricardo Dalla Costa 1 RESUMO O presente artigo vem analisar o nível de preço e produtividade, tecnologia, comercialização

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DAS SECRETARIAS DE OBRAS E AGRICULTURA PROJETO DE TRABALHO

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DAS SECRETARIAS DE OBRAS E AGRICULTURA PROJETO DE TRABALHO SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DAS SECRETARIAS DE OBRAS E AGRICULTURA PROJETO DE TRABALHO INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia trouxe inúmeros benefícios à população. Quando usada de maneira saudável e inteligente,

Leia mais

PROTOTIPAÇÃO DE APLICAÇÃO PORTÁTIL PARA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE DEGUSTAÇÃO DE CAFÉS ESPECIAIS

PROTOTIPAÇÃO DE APLICAÇÃO PORTÁTIL PARA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE DEGUSTAÇÃO DE CAFÉS ESPECIAIS PROTOTIPAÇÃO DE APLICAÇÃO PORTÁTIL PARA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE DEGUSTAÇÃO DE CAFÉS ESPECIAIS JOÃO PAULO MENDES DOS SANTOS 1, DIMAS SAMID LEME 2, BRUNO HENRIQUE GROENNER BARBOSA 3, ROSEMARY GUALBERTO

Leia mais

Desenvolvimento de sistema para o projeto de gerenciamento rural (Proger) Módulo gado de leite

Desenvolvimento de sistema para o projeto de gerenciamento rural (Proger) Módulo gado de leite Desenvolvimento de sistema para o projeto de gerenciamento rural (Proger) Módulo gado de leite 1 Cleziel Franzoni da Costa1, Pablo Batista Cardoso 2, Jocimar Fernandes 2, Ubiratan Roberte dos Passos 1,

Leia mais

Preocupações com oferta diminuem e preços caem para seus níveis mais baixos de 18 meses

Preocupações com oferta diminuem e preços caem para seus níveis mais baixos de 18 meses Preocupações com oferta diminuem e preços caem para seus níveis mais baixos de 18 meses Em julho o mercado de café registrou novas baixas, com os preços reagindo à depreciação do real brasileiro, que caiu

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT

A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT Adriana Regina Redivo 1 Arlete Redivo 2 Cácio D. Três 3 Geraldo Alves Ferreira

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

Data: 24/11/2012 Assunto:

Data: 24/11/2012 Assunto: Veículo: Rede Lajeado Data: 24/11/2012 Assunto: Pesquisa e indústria incrementam consumo do café pelos brasileiros http://www.redelajeado.com.br/2012/11/24/pesquisa-e-industria-de-cafe-incrementam-consumo-doproduto-pelos-brasileiros/

Leia mais

Elaboração de um Dicionário Eletrônico de MySQL

Elaboração de um Dicionário Eletrônico de MySQL Elaboração de um Dicionário Eletrônico de MySQL Elaine Baltazoni Prof. Cristóvam Emílio Herculiani Tecnologia em Informática para a Gestão de Negócios Faculdade de Tecnologia de Garça (Fatec) Caixa Postal

Leia mais

O formato das listas está ilustrado como exemplo na figura a seguir ( Cadastro de Talhão ):

O formato das listas está ilustrado como exemplo na figura a seguir ( Cadastro de Talhão ): GUIA GERAL DE UTILIZAÇÃO DA PLANILHA DE IMPORTAÇÃO A tela inicial da planilha de importação é: As informações de cabeçalho são sobre quais dados a planilha de importação se refere: Nome da Fazenda, Nome

Leia mais

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES Página 1 de 6 Este sistema automatiza todos os contatos com os clientes, ajuda as companhias a criar e manter um bom relacionamento com seus clientes armazenando e inter-relacionando atendimentos com informações

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

COMPETITIVIDADE DOS CAFÉS BRASILEIROS

COMPETITIVIDADE DOS CAFÉS BRASILEIROS COMPETITIVIDADE DOS CAFÉS BRASILEIROS Carlos H. J. Brando P&A Marketing Internacional Setembro 2015 51029012 SOBRE A P&A Atuação global em diversos setores do agronegócio Há 20 anos no mercado Áreas de

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

APRESENTAÇÃO. ADM Agrícola

APRESENTAÇÃO. ADM Agrícola APRESENTAÇÃO ADM Agrícola Tela Inicial do ADM Agrícola Principais Recursos CONTROLE OPERACIONAL PLANEJAMENTO / CONTROLES FINANCEIRO Registro de todas as atividades agrícolas Custo de toda a fazenda Custo

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização 1.1 Café Diagnóstico Desde meados da década de 90, a produção mundial de café tem apresentado aumentos significativos, mas que não estão

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

ANEXO II EDITAL 002/2015 - PROEX/IFMS DAS ATRIBUIÇÕES DO ESTAGIÁRIO

ANEXO II EDITAL 002/2015 - PROEX/IFMS DAS ATRIBUIÇÕES DO ESTAGIÁRIO ANEXO II EDITAL 002/2015 - PROEX/IFMS DAS ATRIBUIÇÕES DO ESTAGIÁRIO CÂMPUS AQUIDAUANA CURSO Informática Edificações ATRIBUIÇÕES - Prestar serviço de suporte na área de tecnologia da informação; - Prestar

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Ano cafeeiro de 2014/15 fecha com a maior baixa de 20 meses

Ano cafeeiro de 2014/15 fecha com a maior baixa de 20 meses Ano cafeeiro de 2014/15 fecha com a maior baixa de 20 meses Depois de uma pequena recuperação em agosto, os preços do café continuaram em declínio em setembro. Num cenário caracterizado pela tendência

Leia mais

EMISSÃO DE GASES DO EFEITO ESTUFA NA CAFEICULTURA. Carlos Clemente Cerri

EMISSÃO DE GASES DO EFEITO ESTUFA NA CAFEICULTURA. Carlos Clemente Cerri EMISSÃO DE GASES DO EFEITO ESTUFA NA CAFEICULTURA Carlos Clemente Cerri Conteúdo Conceitos e Definições Aquecimento Global Potencial de aquecimento global Feedback Inventário dos GEE (Gases do Efeito Estufa)

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento.

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. AO IMPLANTAR FERRAMENTA UNIFICADA DE COMUNICAÇÃO CORPORATIVA, FRIMESA DEFINE POLÍTICAS DE SEGURANÇA MÓVEIS E RECURSOS DE GERENCIAMENTO EM CONTAS DE

Leia mais

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática.

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. 1 Introdução 1.1 Propósito O propósito deste documento de especificação de requisitos é definir os requisitos

Leia mais

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período: Encontro 02 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade I: Introdução aos Sistemas de Banco de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 1. Introdução aos Sistemas

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. CDSOFT Tecnologia

CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. CDSOFT Tecnologia CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. O GerConstrução é um software de Gestão Empresarial (ERP) especializado em soluções para processos e negócios da Indústria da Construção Civil.

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

inciência Iniciação Científica Embrapa Anais da X Jornada de Iniciação Científica da Embrapa Amazônia Ocidental

inciência Iniciação Científica Embrapa Anais da X Jornada de Iniciação Científica da Embrapa Amazônia Ocidental inciência Iniciação Científica Embrapa Anais da X Jornada de Iniciação Científica da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Anais da X Jornada de

Leia mais

2. O Comitê adotou o projeto de ordem do dia que figura no documento PC-58/09 Rev. 1.

2. O Comitê adotou o projeto de ordem do dia que figura no documento PC-58/09 Rev. 1. PC 60/10 24 março 2010 Original: inglês P Decisões e Resoluções adotadas pelo Comitê de Promoção em sua 17 a reunião 1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Sr. Mick Wheeler, de Papua-Nova Guiné, reuniu-se

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon

Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon Universidade Federal do Espírito Santo Mestrado em Produção Vegetal Influência dos diferentes processos de pós-colheita na agregação de valor do café conilon Orientado: Marcos Moulin Teixeira Orientador:

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Projeto. SysTrack. Grupo 01 - SysTrack. Maio 2011 Página 1

Projeto. SysTrack. Grupo 01 - SysTrack. Maio 2011 Página 1 Projeto SysTrack Grupo 01 - SysTrack Maio 2011 Página 1 Sumário 1. Título do Projeto... 3 2. Apresentação... 3 3. Equipe de Elaboração do Projeto... 3 3.1 Organograma de empresa Tech House... 4 4. Justificativa...

Leia mais

Resultado em tecnologias marcam 12 anos da Embrapa Café em 2011

Resultado em tecnologias marcam 12 anos da Embrapa Café em 2011 Veículo: Assunto: Agro notícias Data: 16/01/2012 Resultado em tecnologias marcam 12 anos da Embrapa Café em 2011 http://www.sonoticias.com.br/agronoticias/mostra.php?id=49198 Pesquisa Projetos com a participação

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

1998-2013 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2013 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.0A-01 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita)

AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita) WWW.CETCAF.COM.BR AGREGAÇÃO DE VALOR PRODUZINDO CAFÉ DE QUALIDADE SUPERIOR (Colheita e Pós-colheita) Autores: Frederico de Almeida Daher Marcos Moulin Teixeira ÍNDICE Pág. Prefácio... 03 Ações a Serem

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 4

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 4 REFLEXÃO 4 Módulos 0776, 0780, 0781, 0786 e 0787 1/10 8-04-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0776 - Sistema de informação da empresa, 0780 - Aplicações

Leia mais

Softwares Aplicativos Banco de Dados

Softwares Aplicativos Banco de Dados Softwares Aplicativos Banco de Dados INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Serviços 3. Usuários 4. Evolução 5. Exemplos 03 Banco

Leia mais

AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS

AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS Evento reúne toda a cadeia de produção do café em Três Pontas, no Sul de Minas, até o dia 3 de julho Três Pontas, julho de 2015 Com presenças

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

Responsáveis técnicos SÍLVIO ISOPO PORTO AIRTON CAMARGO PACHECO DA SILVA EDNA MATSUNAGA DE MENEZES. Gerência de Informações Técnicas SUINF/GEINT

Responsáveis técnicos SÍLVIO ISOPO PORTO AIRTON CAMARGO PACHECO DA SILVA EDNA MATSUNAGA DE MENEZES. Gerência de Informações Técnicas SUINF/GEINT Posição em 31/MARÇO/2011 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento CONAB Diretoria de Política Agrícola e Informações - DIPAI Superintendência de Informações

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE

Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE Garantindo que o código certo está no produto certo Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE 2 As soluções CLARiSUITE ajudam a garantir que o código certo esteja no produto

Leia mais

História!do!café! O!café!começou!a!ser!consumido!em!meados!do!século!IX!na!Etiópia!e,!esse! é!um!hábito!que!ainda!hoje!se!mantém!atual.!

História!do!café! O!café!começou!a!ser!consumido!em!meados!do!século!IX!na!Etiópia!e,!esse! é!um!hábito!que!ainda!hoje!se!mantém!atual.! Índice Históriadocafé...3 Espéciesbotânicasdecafé...5 OProcessodeTorrefaçãoeMisturadocafé...7 MoagemdoCafé...9 MáquinasdeCafé...10 QueCaféComprar?...11 Qualamelhorformadeguardarocafé?...13 Caféinstantâneo...14

Leia mais

Introdução a Banco de Dados. Adão de Melo Neto

Introdução a Banco de Dados. Adão de Melo Neto Introdução a Banco de Dados Adão de Melo Neto 1 Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em uma disciplina da universidade cadastro

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais