UNIVERSIDADE EDERAL DA BAHIA Reitor NAOMAR DE ALMEIDA ILHO EDITORA DA U BA. Diretora LÁVIA M. GARCIA ROSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE EDERAL DA BAHIA Reitor NAOMAR DE ALMEIDA ILHO EDITORA DA U BA. Diretora LÁVIA M. GARCIA ROSA"

Transcrição

1 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 1 23/11/04, 17:30

2 UNIVERSIDADE EDERAL DA BAHIA Reitor NAOMAR DE ALMEIDA ILHO EDITORA DA U BA Diretora LÁVIA M. GARCIA ROSA Conselho Editorial Antônio Virgílio Bittencourt Bastos Arivaldo Leão de Amorim Aurino Ribeiro ilho Cid Seixas raga ilho ernando da Rocha Peres Mirella Márcia Longo Vieira Lima Suplentes Cecília Maria Bacelar Sardenberg João Augusto de Lima Rocha Leda Maria Muhana Iannitelli Maria Vidal de Negreiros Camargo Naomar Monteiro de Almeida ilho Nelson ernandes de Oliveira 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 2 23/11/04, 17:30

3 Salvador EDU BA ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 3 23/11/04, 17:30

4 2002 by autores Direitor autorais cedidos à Editora da Universidade ederal da Bahia. eito o depósito legal. Projeto gráfico equipe EDU BA Capa Joenilson Lopes Editoração eletrônica equipe EDU BA Revisão Mirella Márcia Longo Vieira Lima Normalização Marilene Lobo Abreu Barbosa e Nídia M. L. Lubisco Beneficiário de auxílio financeiro da CAPES - Brasil. Este livro resulta de acordo de cooperação acadêmica entre a Universidade ederal da Bahia e a Universidade de Aveiro, sob os auspícios da CAPES (Brasil) e do ICCTI (Portugal). Com o apoio da fapesb Biblioteca Central - U BA I61 Internet e educação a distância / Othon Jambeiro, ernando Ramos, (organizadores). Salvador : EDU BA, p. ISBN Esta publicação resulta de acordo de cooperação acadêmica entre a Universidade ederal da Bahia e Universidade de Aveiro. 1. Ensino a distância. 2. Aprendizado do computador. 3. Internet (Redes de computação). 4. Extensão universitária. I. Jambeiro, Othon. II. Ramos, ernando. III. Universidade ederal da Bahia. IV. Universidade de Aveiro. CDU CDD EDU BA Rua Barão de Geremoabo s/n Campus de Ondina Salvador Bahia Tel/ ax: (71) / ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 4 23/11/04, 17:30

5 Apresentação Este livro é uma invenção coletiva e decorre de um projeto binacional, envolvendo Portugal e Brasil, representados pela Universidade de Aveiro e pela Universidade ederal da Bahia. Três unidades internas destas Universidades o Centro Multimídia e de Ensino a Distância (Cemed), em Aveiro, a aculdade de Comunicação ( acom) e o Instituto de Ciência da Informação (ICI), na U BA executam o projeto. O apoio e o financiamento provêm do Instituto de Cooperação Científica e Técnica Internacional (ICCTI), de Portugal, e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Brasil. A intenção dos pesquisadores que formularam e desenvolvem o projeto é promover a formação e o aperfeiçoamento de professores e investigadores das instituições participantes, realizar pesquisas e trocar informação, resultados científicos e documentação especializada. Tudo isto referente a concepção, discussão, desenvolvimento, realização, avaliação e estratégias destinadas a fomentar a utilização de metodologias e tecnologias de e-learning nas instituições de ensino superior, particularmente nas que participam do projeto. O programa de estudos dá especial atenção aos seguintes aspectos: - Estratégias de sensibilização das instituições e dos órgãos de decisão - Organização e gestão dos recursos de suporte ao e-learning - Estratégias de motivação dos professores - Metodologias, estratégias e tecnologias de desenvolvimento de materiais pedagógicos - Estratégias e metodologias de avaliação de e-alunos 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 5 23/11/04, 17:30

6 - Identificação e avaliação dos fatores críticos de sucesso - Metodologias e técnicas de avaliação de impacto - Acompanhamento e avaliação dos desenvolvimentos na área dos sistemas de gestão de e-learning baseados em Internet - Estratégias de promoção - Estratégias e tecnologias para suporte a comunidades com necessidades especiais - Avaliação de metodologias e tecnologias para e-learning on demand - Desenvolvimento de tecnologias para e-learning - Influência dos aspectos culturais no desenvolvimento do e-learning - Direitos de propriedade intelectual. A justificativa para a adoção binacional de um programa desta natureza está no fato de o desenvolvimento das tecnologias vinculadas à Internet e a sua disseminação generalizada serem fatores que potencializam o desenvolvimento de novas formas de conceber e implementar sistemas educativos. Esta revolução está já em marcha em muitos países e, tanto em Portugal como no Brasil, cresce o interesse, nas comunidades universitárias, pela exploração do potencial destas novas metodologias de suporte ao ensino/aprendizagem. O projeto tem como temática integradora a análise das implicações que as tecnologias de informação possibilitam, em termos de novos modelos e estratégias de aplicação do e-learning no ensino. Daí decorrem como temas, entre outros: estudo de organização e gestão; estratégias de motivação e sensibilização da comunidade acadêmica; estratégias e metodologias de avaliação de alunos; avaliação de metodologias e tecnologias de e-learning; desenvolvimento de tecnologias para e-learning. A estratégia metodológica tem levado à formulação e à execução de projetos nas áreas de: estratégias de organização e gestão; didática; métodos e técnicas de desenvolvimento de material instrucional; tutoria e avaliação de alunos; avaliação de tecnologias para e-learning; desenvolvimento de ferramentas para ambientes de e-learning; usos e padrões de utilização das tecnologias e serviços educacionais em rede. O uso destes procedimentos metodológicos certamente nos fará chegar a resultados teoricamente fundamentados, que sejam um contributo inovador para o conhecimento comparado das realidades educacionais portuguesa e brasileira. 6 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 6 23/11/04, 17:30

7 Ao final, espera-se que os estudos e as atividades realizadas pelos participantes do projeto possam ter interferido para melhorar as condições de realização de formação acadêmica avançada na Universidade de Aveiro e na Universidade ederal da Bahia, nas áreas das Ciências e Tecnologias da Informação e Comunicação, além de metodologias, estratégias de uso e desenvolvimento das tecnologias de e-learning. Espera-se também que sejam criadas sinergias entre os respectivos programas de pós-graduação: Programa de Doutoramento em Ciências e Tecnologias da Comunicação, da Universidade de Aveiro, e Programas de Pós- Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas (Mestrado e Doutorado) e em Ciência da Informação (Mestrado), da U BA. E, finalmente, há esperança de que seja possível, a partir deste projeto, criar um sistema de intercâmbio permanente entre as Universidades de Aveiro e da Bahia, envolvendo docentes e estudantes. Este relacionamento acadêmico abrirá oportunidades de formação e aperfeiçoamento de professores e investigadores e criará condições favoráveis ao intercâmbio de pesquisadores de alto nível nos setores das Ciências e Tecnologias da Comunicação, da Informação e da Educação. O contato entre as duas instituições certamente reforçará os laços de cooperação universitária luso-brasileira, particularmente no que concerne à investigação conjunta, às trocas de informação científica, de documentação especializada e de publicações. Esta coletânea de textos, todos baseados em pesquisas, é, portanto, um produto de estudos sobre metodologias e estratégias de e-learning. Através deles, expõem-se ao debate acadêmico e também público tentativas sistemáticas de identificar e compreender os múltiplos fatores que influenciam e determinam o sucesso dos processos de ensino/aprendizagem, em sistemas educativos em que a Internet é utilizada como instrumento de mediação. Em alguns dos textos estão também indicadas, pelos pesquisadores portugueses e brasileiros, recomendações de boas práticas no que diz respeito ao fomento da utilização de metodologias e tecnologias de e-learning, em instituições de Ensino Superior. Othon Jambeiro ernando Ramos Coordenador U BA Coordenador UA 7 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 7 23/11/04, 17:30

8 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 8 23/11/04, 17:30

9 Sumário PARTE I undamentos Ensino à distância utilizando TICs. Uma perspectiva global Carlos A. S. Pinto Educação a distância. Nunca esteve tão perto Regina Cajazeira Tempo, espaço e sujeitos da educação a distância Cristiane Nova e Lynn Alves Arquitecturas cognitivas e flexibilização do conhecimento António Moreira Ead: Interatividade, tecnologia da informação e gestão do conhecimento Sérgio Hage ialho O papel dos canais de comunicação na educação a distância Andréa erreira Lago e-learning on demand: alguns problemas e soluções Osvaldo A. Santos e ernando M. S. Ramos A política de educação a distância na LDB. Buscando entender o discurso oficial Teresinha róes Burnham 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 9 23/11/04, 17:30

10 PARTE II Tecnologias e metodologias As tecnologias da comunicação no suporte aos sistemas de elearning ernando M. S. Ramos Explorando o potencial de uma aplicação de televisão interactiva e teletrabalho em ensino a distância Jorge erraz de Abreu e Pedro Alexandre Almeida Em busca da qualidade do ensino superior a distância: a experiência avaliativa da universidade virtual pública do Brasil Roberto E. Verhine, Bohumila Araújo, Beatriz Sarmento e Valdinei Souza actores de sucesso e insucesso na utilização das TIC no ensino superior a experiência da Universidade de Aveiro ernando M. S. Ramos, Helder Caixinha e Ieda Santos ormação e apoio contínuo aos professores na transição do ensino presencial para o ensino on-line Ieda Santos e Priscilla Kotyk (Re)pensando a avaliação em EAD Nelson de Lucca Pretto PARTE III Estudos de caso U BANET: tecnologia da informação a serviço de novo caminho para o ensino Othon Jambeiro Práticas de EAD na biblioteca: uma perspectiva de ampliação do acesso à informação Ana Paula de Oliveira Villalobos, Maria das Graças Almeida Teixeira e Marilene Lobo Abreu Barbosa Projeto sala de aula: lições e reflexões de uma experiência pioneira de EAD André Lemos, Claudio Cardoso e Marcos Palácios Utilização de tecnologias da comunicação no apoio não presencial à reabilitação de cidadãos com necessidades especiais o caso da síndroma de Down Ana Margarida P. Almeida e ernando M. S. Ramos 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 10 23/11/04, 17:30

11 Tecnologia de informação como suporte ao ensino de graduação relato de uma experiência João Dias de Queiroz Educação a distância: uma experiência na área de expressão gráfica Christina Araújo Paim Cardoso e Ivoneide de rança Costa Uma experiência de desenvolvimento e uso de um sistema de telemedicina para a área de cardiologia Karina Villela, Mariano Montoni, José Roberto Blaschek, Ana Regina Rocha, Luciana Pacheco, Marlos Prado, Antonio Augusto Ximenes e Alvaro Rabelo Alves Jr. A construção de um meta-ambiente educacional para cardiologia Ana Regina Rocha, Alvaro Rabelo Alves Jr, André Monat, Kathia Oliveira, Neide Santos, Adelair de Jesus, Alessandro Nilo, Ana Claúdia Garcia, Andromeda Menezes, Breno Gusmão, Carla Valle, Catarina Rocha, Crijina lores, Eduardo arias, ernanda Sampaio, rancisco Reis, Girlena Silva, Gislane Cardoso, Glaucia Moreira, Karina Villela, Lisia Rabelo, Luis Carlos Passos, Luiz Claudio Sampaio,Mariano Montoni, Mariella Montoni, Marlos Silva, Maurício Barreto, Moacyr Martinelli, Oziel Marques, Raquel Lima, Ricardo Valença, Thalita Moraes e Viviane Costa. Comunicação matemática em ambientes cooperativos de aprendizagem baseados na web Wilton Moacyr Moniz de Andrade Oliver,e Bruno Cedraz Brandão I-Mat: um ambiente de autoria e aprendizagem cooperativa da matemática Wilton Moacyr Moniz de Andrade Oliver, Anna riedericka Schwarzelmüller, André Gama Rebouças, Bruno Cedraz Brandão, Carlos Ricardo Machado Oliveira, Lucas Almeida Rocha, Romildo Martins da Silva Bezerra e Tiago Bortoletto Vaz 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 11 23/11/04, 17:30

12 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 12 23/11/04, 17:30

13 PARTE I undamentos 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 13 23/11/04, 17:30

14 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 14 23/11/04, 17:30

15 Ensino à distância utilizando TICs. Uma perspectiva global Carlos A. S. Pinto * Introdução De uma forma muito lata poderá dizer-se que ensino à distância é qualquer abordagem para disponibilizar educação que substitua o ambiente presencial (mesmo tempo, mesmo lugar) de uma sala de aula tradicional. Ao longo dos tempos e desde os finais do século XIX, temos assistido à utilização de variadas formas de ensino à distância. Desde os cursos por correspondência (primeiras referências por volta de 1885), até aos actuais cursos na Internet, passando por formas intermédias que foram aparecendo de acordo com a evolução que se foi registando ao nível das tecnologias, muitas foram as soluções adoptadas. O fenómeno e-learning foi assim uma consequência natural dessa evolução. Esta evolução tecnológica levou ao aparecimento de novos conceitos, tais como de campus virtual e sala de aula virtual, uma vez que com a disponibilização de meios telemáticos, e com a explosão do uso da Internet, se tornou fácil construir ambientes de ensino que prescindem do espaço físico e da obrigatoriedade da presença simultânea dos alunos e do professor num mesmo instante temporal correspondente à aula tradicional. * Departamento de Sistemas de Informação, Escola de Engenharia, Universidade do Minho, Portugal. 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 15 23/11/04, 17:30

16 Este documento pretende fornecer uma perspectiva global do ensino à distância suportado por Tecnologia da Informação e da Comunicação (TICs). A segunda secção (Porquê ensino à distância)justifica o aparecimento e a validade desta abordagem de ensino, enquanto que a terceira secção (Vantagens) apresenta um conjunto de vantagens que abonam a favor da sua adopção. Na quarta secção (Problemática da disponibilização de cursos à distância) discute-se a disponibilização dos cursos à distância, realçando aspectos como a ênfase na aprendizagem, a concepção dos materiais de apoio e a preocupação com os mecanismos de avaliação. Na quinta secção (Impacto, dificuldades e problemas observáveis) o leitor será confrontado com aspectos relacionados com o impacto causado pela adopção deste tipo de abordagem, com as dificuldades sentidas e com problemas típicos observáveis. Serão aqui realçados aspectos como o do controle das participações dos utilizadores, o impacto causado pela utilização das tecnologias, o suporte aos alunos e as dificuldades comunicacionais. Na sexta secção (A mudança nescessária) será abordada a questão da mudança necessária, quer em termos de atitude de professores e alunos, quer no que diz respeito à estrutura e conteúdos dos cursos e das próprias ferramentas de suporte ao ensino à distância. inalmente, na sétima, serão apresentadas algumas conclusões achadas importantes e indicadoras do caminho a seguir no futuro. Porquê ensino à distância? O ensino à distância não está apenas relacionado com a abertura de novas possibilidades aos candidatos mas também com o sucesso na quebra de barreiras, quer se tratem de barreiras geográficas, económicas ou mesmo de relacionamento. Por outro lado, constitui uma solução potencial para resolver ou minimizar o problema causado pelo aumento das populações estudantis e pela diminuição de recursos em contexto universitário. As transformações que se têm vindo a verificar ao longo dos tempos têm levado a que o nosso desempenho dependa em grande medida daquilo que podemos aprender e em que quantidade o podemos fazer. Existe também um número crescente de factores, sociais, tecnológicos e económicos, que exercem uma pressão constante sobre as pessoas, levando-as à necessidade de formação contínua. 16 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 16 23/11/04, 17:30

17 Estudos vários demonstram que a formação recebida tende a tornar-se obsoleta em três a cinco anos. Daqui deriva a necessidade de formação ao longo da vida que é ainda reforçada pela grande rotatividade que se verifica nas carreiras. Qualquer pessoa que entre de novo no mercado de trabalho passará em média por seis a sete profissões diferentes até ao fim da sua vida profissional (LOTUS..., 1997). As contingências da actividade profissional de hoje, nomeadamente em áreas mais tecnológicas, levam também a que mesmo os recém licenciados tenham desde logo que equacionar a necessidade de actualização continuada, para se poderem manter competitivos no mercado de trabalho. Ajudando a reforçar a ideia de que a solução não presencial é uma opção a ter em conta, owler (1998) refere o trabalho que a British Telecom tem vindo a desenvolver, baseado no pressuposto de que a opção não presencial é uma realidade incontornável, como consequência do aumento da procura de cursos e da diminuição dos recursos. A confirmar essa inevitabilidade, o mesmo autor refere Mackinnon, Stratham e Hales (1995), cujo trabalho realizado permitiu concluir que no Reino Unido, de 1979 até 1992, o número de alunos com idades entre os 17 e os 18 anos que procuravam um curso superior, tinha subido de 24% para 54%, sem um correspondente crescimento ao nível das estruturas tradicionais de ensino. O conjunto de factores apresentado tem exercido uma grande pressão sobre as instituições de ensino, fazendo com que estas tenham vindo a desenvolver sistemas capazes de: Aumentar a velocidade, a flexibilidade e o alcance da formação e da educação; Reduzir os custos associados com a oferta de formação em sala de aula; Disponibilizar o conhecimento dos professores a um mais vasto número de pessoas; Disponibilizar aprendizagem e colaboração em equipa para melhoria do desempenho. As circunstâncias descritas anteriormente, a par do incremento do mercado da formação contínua, alimentaram o crescimento da opção pelo ensino à distância. Este tipo de soluções reduz os custos de deslocações dos alunos e professores, aumentando potencialmente a produtividade do professor. O acesso à infor- 17 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 17 23/11/04, 17:30

18 mação pode ser conseguido quando e da forma que as pessoas precisam, em vez de apenas quando é calendarizado, como nos sistemas de ensino tradicionais. Passou a estar à disposição um modelo de aprendizagem just in time. Vantagens Apesar de não faltarem motivos, não é ainda hoje muito claro, do ponto de vista dos resultados, qual a abordagem que melhor serve os objectivos do ensino. Se aquela que se baseia em sessões presenciais ou esta outra que se tem vindo a referir, relativa aos modelos de ensino à distância. Provavelmente não existirá uma solução universal e em certos casos aplicar-se-á melhor um modelo, enquanto que noutras situações será mais adequado o outro e uma combinação de ambos será a melhor opção para um conjunto de situações diferentes das anteriores. De resto, existem muitos aspectos em que as duas abordagens se sobrepõem. Por exemplo, no lançamento de ideias, na discussão dentro da aula, nos debates e noutras formas de construção de conhecimento através de interacção e de troca de experiências e conhecimento. O próprio conteúdo e estruturação curricular, bem como o trabalho, individual, em grupo ou abrangendo toda uma turma de alunos, pode ser muito semelhante. Claro está que existem algumas diferenças. Estas, contudo, não introduzem senão vantagens na utilização de modelos de ensino à distância. Por exemplo, o facto de os alunos poderem estar geograficamente dispersos e poderem partilhar o seu conhecimento, as suas ideias e as suas experiências num modelo comunicacional de muitos para muitos e de uma forma assíncrona, isto é, intervindo em tempos diferentes, constitui uma vantagem relativamente aos modelos tradicionais de ensino. O facto de os alunos poderem estar envolvidos em fora de discussão, em modo assíncrono e à distância, apresenta a vantagem de permitir que cada um possa reflectir sobre os assuntos antes de entrar na discussão, utilizando mais ou menos tempo para essa reflexão, de acordo com as suas próprias características ou capacidades. As suas comparticipações no âmbito de grupos de trabalho tornam-se deste modo mais ricas. Eisenberg e Ely são referidos por Harasim, Hiltz, Teles e Turoff (1997) e afirmam que a interacção via redes de comunicações ajuda a quebrar as barreiras comunicacionais e as inibições que ainda hoje se verificam nas trocas de ideias que ocorrem em salas de aula tradicionais. 18 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 18 23/11/04, 17:30

19 uncionalidades que permitam, por exemplo, colocar uma questão para discussão, que deve receber o contributo de cada um dos participantes, e em que cada aluno só pode ver o que os outros disseram após ter ele próprio dado a sua comparticipação, são muito facilmente implementadas em sistemas electrónicos. É praticamente impossível implementar no modelo presencial de aulas, uma situação semelhante. Isto leva a que, à distância, os alunos participem de uma forma mais activa no processo de aprendizagem ou a que inequivocamente se afastem do projecto. Por outro lado, o envolvimento dos professores tenderá a ser também qualitativamente melhor, já que os mesmos terão que ter uma maior preocupação em criar cursos que tornem a participação dos alunos mais activa, eventualmente com a incorporação de componentes que promovam uma atitude colaborativa e cuidando mais os próprios materiais de suporte. Problemática da disponibilização de cursos à distância A ênfase na aprendizagem Segundo Thorpe (1995), aqueles que têm tido a responsabilidade de conceber cursos ao longo dos últimos 20 anos têm utilizado a abordagem cognitiva para encontrar formas de fazer com que os estudantes possam mobilizar os seus conhecimentos e possam criar enquadramentos que integrem conhecimentos anteriores com novo conhecimento, derivando novas formas de compreensão. A mesma autora refere Winn (1990), que concluiu após pesquisa aprofundada, que a forma como as pessoas resolvem os problemas é muito dependente do contexto, e que o raciocínio humano não se limita aos modelos lógicos incluídos na análise matemática ou lógica. Um dos principais objectivos a atingir ao tornar mais fácil o acesso à aprendizagem é permitir o desenvolvimento independente dessa capacidade, baseada no facto de se pensar que os alunos se podem tornar professores de si mesmos (THORPE, 1995 ). Este é sem dúvida um objectivo louvável. Contudo, pode correr-se o risco de se estar apenas a desviar a responsabilidade, de quem ensina para quem aprende. Lisewski (1994) chama a atenção para o facto de no contexto da aprendizagem autónoma poder correr-se o risco de os resultados não serem os melhores 19 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 19 23/11/04, 17:30

20 já que o aluno é, por assim dizer, abandonado à sua sorte, não havendo garantia de que o mesmo possua as características, os pré-requisitos necessários, para poder evoluir sozinho no seu processo de aprendizagem. Laurillard (1993) propõe um modelo de aprendizagem que requer interacção e reflexão por parte do aluno e a existência de feedback de um professor/tutor que se encarregará de redefinir continuamente os conteúdos a ensinar/aprender, de acordo com as matérias e o desempenho do aluno. Em ambientes de aprendizagem deste tipo, os professores devem monitorizar o progresso dos alunos e intervir para a alteração das estratégias de ensino, quando se observam dificuldades inesperadas. Concepção dos materiais de apoio A concepção de materiais de apoio, em ambientes de ensino à distância, é mais complexa do que a mesma tarefa orientada a situações de ensino convencional. No primeiro caso, os materiais disponíveis tendem a ser o principal elemento de suporte às actividades de aprendizagem que requeiram um elevado grau de estudo independente. Dekkers e Kemp (1995) afirmam que tipicamente os alunos que utilizam sistemas de ensino à distância, são adultos com uma actividade profissional, com muitas responsabilidades e sem tempo. Estudando à noite na maior parte das vezes, são pessoas que sabem muito bem o que querem, enriquecendo conhecimentos em áreas em que se sentiram bem no passado ou relacionadas com a sua actividade profissional, que bem conhecem. Os materiais de apoio para alunos com este perfil devem, assim, levar em linha de conta todo este conjunto de especificidades, como forma de aumentar a probabilidade de sucesso no processo de aprendizagem. Por outro lado, Hartley (1995) afirma que a estrutura dos textos deve ser sempre simples, de fácil entendimento e não confundir quem os lê. Em simultâneo, o detalhar dos assuntos ao longo das diferentes páginas, deve seguir uma estrutura constante. Existem diversos guias para a escrita de textos e para a revisão dos mesmos, com o intuito de os tornar mais facilmente compreensíveis (BRITTON; WOODWARD; BRINKLEY, 1993). Estes autores apresentam duas formas de avaliar os níveis de dificuldade de um texto: Métricas de legibilidade que consistem em combinar médias de tamanho 20 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 20 23/11/04, 17:30

21 de frases com médias de tamanho de palavras usadas nessas frases e ainda, o tipo de vocabulário utilizado. Estas métricas permitem concluir, por exemplo, que escalões etários estão aptos a apreender o conteúdo dos textos de uma forma fácil. O julgamento dos leitores é outra das abordagens possíveis para avaliar a dificuldade de leitura dos textos. Assim, os autores, seleccionam um conjunto significativo de leitores que posteriormente se pronunciarão por forma a permitir concluir se os textos estão ou não claros e de fácil leitura. Dekkers e Kemp (1995) afirmam que um dos factores que pode influenciar a forma como os estudantes fazem incidir a sua atenção num determinado texto são as suas limitadas capacidades de memória de trabalho. Por causa destas limitações os alunos organizam a informação em categorias conceptuais hierarquicamente relacionadas, e direccionam a sua atenção para ideias, dedicando mais atenção àquelas que são mais importantes. Este facto só por si aponta evidentemente para a necessidade de os textos serem estruturados de forma a que a hierarquização da informação surja óbvia para os alunos. A este nível, será importante referir, a título de exemplo, a Teoria da lexibilidade Cognitiva desenvolvida por Spiro e Jehng (1990) e regida por um conjunto de princípios segundo os quais a aquisição de conhecimentos de nível avançado é facilitada, sendo promovido o desenvolvimento da flexibilidade cognitiva, imprescindível na transferência de conhecimento para novas situações. A avaliação A avaliação é, no contexto cultural em que nos inserimos e no âmbito do ensino à distância, um dos maiores problemas a resolver. De facto, de acordo com os padrões seguidos no ensino presencial, o processo de avaliação de um aluno pressupõe a existência de mecanismos de controle e verificação, difíceis de implementar em ambientes não presenciais. A utilização dos meios telemáticos hoje disponíveis, veio tornar um pouco mais fácil a tarefa de avaliar à distância, permitindo que a mesma possa ser efectuada, quer em tempo real, quer em diferido. Na Universidade Aberta, em Inglaterra, e na Universidade de Monash, na Austrália, têm estado a ser feitas experiências de submissão electrónica de 21 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 21 23/11/04, 17:30

22 trabalhos (MASON, 1995). Esta temática tem associada uma série de problemas: Como identificar os alunos? Como evitar a utilização de trabalhos alheios? Como anotar os trabalhos e fazer chegar essas anotações aos estudantes? Como garantir uniformidade de critérios de correcção? Outras abordagens têm vindo a ser seguidas como forma de, quer isolada, quer conjugadamente, permitirem mecanismos de avaliação mais próximos do que são as necessidades específicas dos ambientes de ensino à distância. Mason (1995) refere um método de avaliação que consiste na discussão em grupo, usando conferência baseada em computador. Uma das grandes vantagens desta abordagem é que, quer alunos, quer professores, podem ir acrescentando novas ideias à discussão e todos podem ir seguindo a evolução da mesma, independentemente da hora e do local onde se encontrem. O mesmo autor sugere ainda a este respeito que sejam levados em conta aspectos como: Em que medida os alunos utilizaram os materiais fornecidos no curso para suportar o desenvolvimento dos seus argumentos? Até que ponto é que as ideias dos alunos se apoiaram nas contribuições dos outros alunos e em que medida é que criticam as opiniões dos outros? Qual a simplicidade com que os argumentos dos estudantes são transmitidos? Complementarmente, poderá ser pedido aos alunos que façam um pequeno resumo de toda a discussão, identificando os aspectos achados mais importantes e aqueles que em sua opinião, embora sendo importantes, não foram abordados na discussão. Esta prática permite identificar os alunos que tiveram uma participação activa e aqueles que a não tiveram. Desta forma, cria-se também a possibilidade de os repositórios de informação de suporte aos cursos, poderem ser enriquecidos dinamicamente. Os professores podem pedir que os alunos com melhores trabalhos os disponibilizem no sistema, para que os outros possam aprender com isso. Ao mesmo tempo, os próprios professores podem introduzir comentários relacionados com esses trabalhos, de forma a aumentar a base de consulta para os alunos. 22 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 22 23/11/04, 17:30

23 Seja como for, trata-se de uma actividade de difícil implementação à distância, sendo normalmente executada em modo presencial, utilizando ou não TICs. Na Universidade do Minho, em Portugal, nas disciplinas de Introdução à Informática dos cursos de engenharia, tem vindo a ser usada em modo presencial uma ferramenta de realização de testes em computador, apresentando como principal virtude a de permitir de uma forma eficaz, avaliar grandes populações de alunos, com um trabalho mínimo. De facto, este processo é uma replicação exacta dos testes realizados antes com utilização da folha de papel. O principal ganho reside no tempo de correcção que é poupado. Da mesma forma, existem diversos sistemas que implementam esse tipo de avaliação à distância, sendo capazes de configurar automaticamente enunciados de provas com perguntas de resposta múltipla, função das características específicas do aluno. O pedido para que os alunos realizem trabalhos e os submetam aos professores para serem classificados é também uma prática corrente, quer no modelo tradicional de ensino, quer no ensino à distância. No modelo tradicional, o tempo que leva a que um aluno que submete um trabalho, conheça os resultados do mesmo, é muito elevado. Muitas vezes é solicitado novamente para novos trabalhos sem que tenha conhecido os resultados dos anteriores. A este propósito Grabinger (1998) refere Sherry (1995) segundo quem, na passagem da sala de aula tradicional para os ambientes de ensino à distância, os alunos precisam de apoio e de ferramentas que os ajudem a acompanhar e perceber o seu progresso, garantindo a recepção atempada das reacções às suas actividades. Através de um sistema de gestão automática de fluxo de trabalho que suportasse o desencadeamento das actividades representadas no modelo da igura 1, poder-se-ia automatizar as interacções aí representadas, envolvendo alunos, revisores e professores. De acordo com o modelo, um aluno após produzir um determinado trabalho, submetia-o electronicamente a um Revisor. Este, depois de incluir as suas anotações no próprio trabalho, reenviava-o de volta ao aluno, também por meios electrónicos, e esta acção provocaria a notificação automática do professor, indicando que a partir desse momento, o aluno poderia voltar a ser solicitado. 23 1ª parte(b) 1,2,3 e 4.pmd 23 23/11/04, 17:30

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO Eva Karolina Pereira Santos Isabela Almeida Valadares Marina Santos Silva Pedro Henrique Branco de Oliveira

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Ensino à distância Caso prático E-MBA do IESF

Ensino à distância Caso prático E-MBA do IESF Ensino à distância Caso prático E-MBA do IESF Manuel Leite Mestrado em Análise de Dados e Sistemas de Apoio à Decisão Sistemas de Informação para Gestão Faculdade de Economia, 29 de Novembro de 2002 1

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

Novas Tendências do Ensino da Geografia no Ensino Superior a Distância. Manuela Malheiro Ferreira. Universidade Aberta

Novas Tendências do Ensino da Geografia no Ensino Superior a Distância. Manuela Malheiro Ferreira. Universidade Aberta Novas Tendências do Ensino da Geografia no Ensino Superior a Distância Manuela Malheiro Ferreira Universidade Aberta A partir dos anos sessenta começou a desenvolver-se o ensino superior a distância, mediante

Leia mais

O MUNDO MUDOU. #fato

O MUNDO MUDOU. #fato DO GIZ AO BYTE O MUNDO MUDOU #fato Sociedade da Informação Informação como recurso estratégico Uso intensivo das TIC Interação digital Diversas formas de fazer as mesmas, ou novas coisas Qual é a sua?

Leia mais

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Título Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Autora Ana Paula Salvo Paiva (Doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Católica Portuguesa) apaula.sintra.paiva@gmail.com

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

O PROFESSOR ONLINE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

O PROFESSOR ONLINE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS O PROFESSOR ONLINE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Carvalheiro, Gonçalo goncalocarvalheiro@gmail.com MPEL05 Universidade Aberta Resumo O presente artigo tem como base uma entrevista realizada a uma docente, investigadora

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING

EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING Anna Guerman, Humberto Santos, Pedro Dinis Gaspar, António Espírito Santo, Cláudia Santos Universidade da Beira

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC Equipa PTE "A exclusão digital não é ficar sem computador ou telefone celular. É continuarmos incapazes de pensar, de criar e de organizar novas

Leia mais

Formação de recursos humanos em saúde: tecnologias de informação e comunicação como recurso didático no Programa FAIMER Brasil

Formação de recursos humanos em saúde: tecnologias de informação e comunicação como recurso didático no Programa FAIMER Brasil ARTIGO Formação de recursos humanos em saúde: tecnologias de informação e comunicação como recurso didático no Programa FAIMER Brasil AUTORES Vera Lúcia Garcia Dra. em Distúrbios da Comunicação Humana

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros)

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros) CLEA Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas Pedro Reis _ Janeiro 2005 Caracterização Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/

Leia mais

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista:

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: A metodista é credenciada pelo MEC para o oferecimento de cursos a distância? Sim. A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o credenciamento do

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

PLANO DE APRESENTAÇÃO

PLANO DE APRESENTAÇÃO DEGEI Mestrado em Gestão de Informação AVALIAÇÃO DA ADOPÇÃO DA FORMAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DE ESTUDO NA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA PLANO DE APRESENTAÇÃO TEMA CONTETO PROBLEMA HIPÓTESES CONTETO TEÓRICO

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS práticas colaborativas e políticas públicas Bianca Santana Carolina Rossini Nelson De Luca Pretto organizadores São Paulo Salvador 2012 1ª edição 1ª impressão financiamento

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

Uma conversa entre empresas e professores - os desafios da empregabilidade

Uma conversa entre empresas e professores - os desafios da empregabilidade Uma conversa entre empresas e professores - os desafios da empregabilidade No passado dia 15 de Novembro, a Share Associação para a Partilha de Conhecimento e a Faculdade de Ciências da Universidade de

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

Introdução ao e-learning

Introdução ao e-learning Introdução ao e-learning Francisco Restivo FEUP/IDIT fjr@fe.up.pt Guião Ser um e-aprendente competente Trabalho de casa: pensar num curso Ser um desenhador de cursos competente Trabalho de casa: desenhar

Leia mais

Concepção de Roteiros de Formação para a oferta formativa do Programa Aveiro Norte

Concepção de Roteiros de Formação para a oferta formativa do Programa Aveiro Norte Concepção de Roteiros de Formação para a oferta formativa do Programa Aveiro Norte Miguel Oliveira 1, Fátima Pais 1, Pedro Beça 2, Sara Petiz 2, A.Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Superior Aveiro Norte

Leia mais

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados 1 Método : Caminho para se chegar a um determinado lugar alcançar objetivos estabelecidos no planeamento. Os

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Vitor Cleton Viegas de Lima 1 Cristiane Camargo Aita 2 Daniele Pinto Andres 3 Resumo: este artigo tem por objetivo levantar

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Projectos de investigação

Projectos de investigação Teses e Projectos de Investigação 261 Projectos de investigação Software Educativo Multimédia: Estrutura, Interface e Aprendizagem Responsável: Ana Amélia Amorim Carvalho Departamento de Currículo e Tecnologia

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA Mônica Mota Tassigny Professora doutora da Universidade de Fortaleza, UNIFOR, Brasil 1. INTRODUÇÃO Numa sociedade mundial, na qual

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Especialização em Gestão de Projectos Nível 1 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Este curso constitui

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Manuel Antunes

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Manuel Antunes Microfil QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Manuel Antunes Faculdade de Letras da Universidade do Porto 4 de Novembro de 2005 Tema A transferência de suporte e o desenvolvimento de software

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando

Guia de Acesso à Formação Online Formando Guia de Acesso à Formação Online Formando Copyright 2008 CTOC / NOVABASE ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...5 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...6 5. Avaliação...7

Leia mais

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno*

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno* Website disponível em: http://formar.tecminho.uminho.pt/moodle/course/view.php?id=69 Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt Palavra-chave: *aluno* Associação Universidade Empresa para o Desenvolvimento Web

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE ONLINE: AVALIAÇÃO DE CURSO SOBRE DOR MUSCULAR

EDUCAÇÃO EM SAÚDE ONLINE: AVALIAÇÃO DE CURSO SOBRE DOR MUSCULAR 1 EDUCAÇÃO EM SAÚDE ONLINE: AVALIAÇÃO DE CURSO SOBRE DOR MUSCULAR Porto Alegre- RS- Abril 2012 Vera Catarina Castiglia Portella- Universidade Federal do Rio Grande do Sulveraportella@gmail.com Ana Luísa

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender

e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender e-learning: Outro espaço para ensinar e aprender João Torres, Miguel Figueiredo e Rosário Rodrigues Centro de Competência Nónio Séc. XXI da ESE de Setúbal 26 de Abril de 2005 1 2 3 4 5 24 Objectivos Debater

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Enquadramento institucional Programas

Enquadramento institucional Programas O e-learning na Universidade de Aveiro (1998-2005) Evento de ensino virtual e e-learning UFP@Porto 28 Jan 2005 Helder Caixinha caixinha@cemed.ua.pt UOe-L Unidade Operacional de e-learning Universidade

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação

Tecnologias da Informação e Comunicação SUBDOMÍNIO CC8.1. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS SITUAÇÕES DE COMUNICAÇÃO E AS REGRAS DE CONDUTA E DE FUNCIONAMENTO DE

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning Público-Alvo Profissionais que pretendam adquirir competências de base para monitorizar formação na modalidade e-learning ou b-learning que sejam possuidores do

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Blended Learning. Crie, avalie e lecione usando as melhores práticas e tecnologias de ensino-aprendizagem

Blended Learning. Crie, avalie e lecione usando as melhores práticas e tecnologias de ensino-aprendizagem Blended Learning Crie, avalie e lecione usando as melhores práticas e tecnologias de ensino-aprendizagem Curso ministrado de Londres em Português de Portugal Blended Learning À distância, ao vivo R$580,00

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais