O Comercio Electrónico Hoje

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Comercio Electrónico Hoje"

Transcrição

1 O Comercio Electrónico Hoje A Cauda Longa na Era da Wikinomia Se surge uma forma de comunicação nova, as relações interpessoais modificam-se. A Web também alterou a dinâmica comercial. Será que vender usando a rede é complexo, porque comunicar nunca foi fácil? Abílio Pacheco 2009 Dezembro

2 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Conteúdo O Consumidor Todo-Poderoso... 3 Notícias frescas... 5 Estatísticas para digerir... 5 Ontem na FEUP... 6 A minha experiência... 7 Um jogo engraçado... 7 Voltemos ao princípio... 8 Quais os diferentes géneros de comércio electrónico? Quais os principais mecanismos de suporte ao comércio electrónico? Porque era tão difícil vender na web? A cauda longa Wikinomia Os melhores negócios fazem-se entre pessoas inteligentes Bibliografia Ilustrações utilizadas Abílio Pacheco Página 2

3 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha O Consumidor Todo-Poderoso O poder que a chamada Web 2.0 promete dar ao consumidor já está a produzir efeito no quotidiano de cada um de nós. Os efeitos desse poder amplificado obrigará as empresas a novas formas de colocar os seus produtos no mercado. A introdução da IPTV e do vídeo on demand abre a possibilidade de cada consumidor definir o que pretende ver. O Consumidor 2.0 foge dos espaços publicitários indiferenciados e está disponível para procurar os conteúdos que deseja em outros meios além da TV, nomeadamente na Internet ou no telemóvel. Ilustração 1: Measuring the Information Society The ICT Development Index, pag. 15 O You Tube é um excelente exemplo da capacidade de levar a todo o planeta conteúdos que podem nunca chegar aos canais tradicionais. Qual o impacto do poder dado ao consumidor pela tecnologia? No ano passado, no 18º Congresso da APDC, Paul Lee da consultora Deloitte trouxe números que revelam o desinteresse dos consumidores num tipo de programação em que tivessem de assistir aos conteúdos produzidos por outros utilizadores da mesma plataforma, mostrando que a geração individual de conteúdos cresce a par com a vontade de continuar a seleccionar o que se quer ver. Como resolver este aparente paradoxo? Os indícios que hoje ainda estão restritos a nichos abaixo dos 25 anos, claramente indicam uma mudança de atitude no trabalho e em casa, evidenciando um relacionamento quase natural com a tecnologia a caminho de se tornar invisível 1 mas omnipresente. Que costumes novos despontam no horizonte? Ilustração 2: digital.life - ITU Internet Report 2006, pag MNS, Monografia 1: «O que é aquilo com que muitos já não se maravilham?», Abílio Pacheco Abílio Pacheco Página 3

4 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Ilustração 3: Going Anywhere - They Want Their Anywhere, Yankee Group, 2008 A Anywere Revolution está em marcha. Ela traduz-se no dom da ubiquidade proporcionado por uma Internet All IP. As empresas devem ceder à tentação do controlo total dos empregados sempre ligados e adequar os seus modelos tradicionais a esta nova realidade. Para que os cidadãos tirem todo o partido desta evolução e a aceitem quem resolverá as novas questões sobre a privacidade e a identidade digital que se levantam? Ilustração 4: digital.life - ITU Internet Report 2006, pag. 113 Abílio Pacheco Página 4

5 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Partindo destas questões, nas próximas páginas vamos explorar o contexto e as diferentes dimensões que o comércio electrónico assume hoje, em sentido lato. Notícias frescas Ao virar da página de um jornal e quando menos esperamos Uma em cada dez pessoas utiliza Internet para encomendar bens ou serviços 2. Saltando de estação de rádio em estação de rádio Portugueses usam cada vez mais a Net para fazer compras 3. Navegando na internet tropeçamos casualmente na Sociedade da Informação: 10% das famílias faz compras na Net 4 ou ainda 20% das empresas com compras electrónicas 5 Estatísticas para digerir Este ano a ACEP 6 alterou a sua designação para ACEPI 7 trocando Portugal por Publicidade Interactiva. Sinal dos tempos? Resultado da desmaterialização das nações, das fronteiras que a Internet quase desconhece? Talvez. Mas sem duvida reflectindo um maior ajustamento a realidade da sua missão renovada. Na tradicional Portugal Internet Week deste ano, a nona edição, lançou como tem sido habito um caderno 8 com uma espécie de ponto de situação, de onde destacamos as próximas estatísticas: 1 em cada 3 europeus já experimentou fazer compras pela Internet; 1 em cada 5 empresas portuguesas fazem compras 9 através da Internet; 4 em cada 5 hotéis portugueses permitem fazer reservas online; 96% dos hotéis portugueses têm sites próprios 10 ; 75% das declarações de IRS em 2009 foram entregues 11 através da Internet; 40% dos internautas portugueses 12 já realizaram compras online; 19% das empresas vendem online; ACEP - Associação do Comercio Electrónico em Portugal 7 ACEPI - Associação do Comercio Electrónico e Publicidade Interactiva 8 Fonte: Vantagens da Internet, estudo publicado pela ACEPI em Novembro de % das empresas fazem compras através da Internet. 10 Em 85% dos casos é possível fazer reservas online. 11 Mais de 3,6 milhões de declarações de imposto de agregados familiares que beneficiaram de reembolsos mais rápidos. 12 Com 15 ou mais anos e a residir no Continente. Abílio Pacheco Página 5

6 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha 14,9% é o peso esperado da publicidade online 13 ; 9,1% dos internautas portugueses fizeram compras nos últimos 30 dias; 2,5 mil milhões de euros é o valor previsto para as transacções de comercio electrónico entre empresas em Ontem na FEUP Motivados por estes indicadores, resolvemos conduzimos um micro-estudo 14 sobre a atitude e hábitos face ao comércio electrónico no universo dos estudantes da FEUP. A caracterização do universo da nossa faculdade está de acordo com o esperado, 52% dos inquiridos têm uma idade compreendida entre os 20 e os 25 anos e são predominantemente do sexo masculino, 64%. Universo FEUP Últimos 15 dados Publicados pela ACEPI Sexo Masculino: 64% 52,9% Compras online? 80% dos estudantes já compraram online 40% Preferência por Sites de c.e. Portugueses: Meios de pagamento mais usados nas compras online: 42% faz compras em sites portuguesas 31,5% Visa/Mastercard/AmEx (43%) MbNet (42%) Pay Pal (37%) Contra entrega Cartão de crédito Multibanco Apesar da atitude de compra ser fortíssima (33%), a balança ainda pende para a utilização mais informativa dos sites de comércio electrónico (46%) onde cada vez mais se enformam as decisões de compra pelos meios tradicionais. A confiança na segurança dos meios de pagamento, total e forte, ultrapassa os 50% e apenas 3% dos inquiridos afirmam que nunca arriscariam pagar algo por meio electrónico na internet. E é magnifico constatar que 80% dos estudantes da Feup já fez compras online, o dobro da população em geral avaliada pela ACEPI. E a opção por comprar em sites portuguesas (42%) também é mais forte que a mesma população em geral (31,5%). Os meios de pagamento que mais utilizados são o Visa/Mastercard/AmEx (43%), logo seguidos pelo MbNet (42%) e pelo Pay Pal (37%) e só o cheque é menos usado que o pagamento contra entrega, o que destoa claramente do universo geral que coloca este último, em primeiro lugar. 13 No total das receitas de publicidade global, em Na última semana de Novembro de 2009: informação detalhada no Anexo, Micro-Estudo FEUP, páginas 4 a Consultar o Anexo, 2007, tão longe, páginas 8 e 9. Abílio Pacheco Página 6

7 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Nos produtos mais e menos comprados online há uma clara divergência como pode ser apreciado na próxima tabela: Produtos Mais Comprados Produtos Menos Comprados FEUP ACEPI FEUP ACEPI Viagens (53%) Livros Acesso a bases de dados, 3% Telemóveis Livros (46%) Hardware Produtos Alimentares, 9% Bilhetes Espectáculo/Jogos Bilhetes Cinema/Concertos (42%) Roupa/Sapatos Filmes, 11% Software Gadgets (38%) Viagens Acesso a sites pagos, 13% Material de Fotografia Finalmente, 33% afirma que o seu volume de compras no último ano se situou entre 120 e 600 euros, ou seja 10 a 50 euros/mês, em média. A minha experiência Partindo de dados fiáveis e com um pouco de reflexão, consegui extrapolar 16 a minha experiencia de compras na net. Desde a aquisição do primeiro domínio e as compras mensais no Shopping Direct, descobri que já comprei produtos e serviços num valor superior a 20 mil euros desde 1997, mesmo não considerando os pagamentos que faço na banca on-line desde há dez anos. Analisei o meu tipo de compras e os meus métodos de pagamentos preferidos e constatei que estou no grupo (3%) do universo FEUP que gasta entre 100 e 150 euros mensalmente em compras on-line mas na categoria predominante do universo geral. Um jogo engraçado A ACEPI também colocou on-line um jogo muito engraçado que motivou a descoberta dos sites da Promais.com (onze de Novembro), Zon.pt (dia doze), Exit.pt (dia treze), Telbeiras.pt (dia dezassete) e LaRedoute.pt (dia dezanove) de uma forma lúdica. Terminou no dia 30 de Novembro e até essa data os mesmos sites foram alternando entre si. Gostei de participar e entretanto a lista dos premiados será divulgada no dia 12 de Dezembro. 16 Consultar detalhes no Anexo, Em primeira mão, páginas 2 e 3. Abílio Pacheco Página 7

8 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Voltemos ao princípio A mente que se abre a uma nova ideia, jamais voltará ao seu tamanho original. Albert Einstein O e-business, acrónimo do inglês Electronic Business (negócio electrónico), é um termo utilizado para identificar genericamente os negócios efectuados com recursos a meios electrónicos, na Internet mas não exclusivamente. Muitas vezes é confundido de forma grosseira com comércio electrónico, quando na verdade é um conceito mais geral. Ilustração 5: EXEMPLO DE REDE, Manuel Moniz da Cunha Itinerário 3, s91 O e-business pode ser definido como negócios feitos através da Internet no sentido mais amplo da palavra negócio, já que inclui desde o contacto directo com os consumidores, Ilustração 6: Presença na Internet, segundo a CISCO - Manuel Moniz da Cunha - Caderno de Viagem, s40 fornecedores e parceiros como também análises de mercado, análises de investimentos, busca de informações sobre o macro ambiente, pesquisa de mercados, entre outros. No Abílio Pacheco Página 8

9 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha fundo, designa o conjunto de sistemas de uma empresa que se interligam e interagem com os sistemas de diversas outras empresas sendo parte da infra-estrutura que suporta o comércio electrónico. e-business: Quais as vantagens? Funcionamento permanente, multinacional, global Fácil acesso externo Personalização Produtos digitais, multimédia Interactividade, relacionamento quase pessoal Maior competitividade Melhor recolha e análise de dados do negócio Baixos custos de estabelecimento e operação de rede Internet/Intranet Grande redução dos custos de suporte aos clientes, melhor serviço, satisfação e retenção de clientes Integração dos SI internos com os clientes, fornecedores, e parceiros elimina erros e atrasos Ilustração 7: Elaboração própria a partir de Manuel Moniz da Cunha Itinerário 3, s108 O objectivo do e-business é a criação de sistemas capazes de prover comunicação entre empresas, agilizando os processo de compra e venda entre as mesmas, incluindo sistemas que fazem pedido automáticos entre empresas e de acordo com as conveniências logísticas, stock zero por exemplo, facilitando todo o processo de fabrico e comercialização, equilibrando a disponibilidade de produtos de acordo com a procura. De Business a e-business: Infraestrutura, Webização, Web-enabling Internamente (Intranet) Criação de uma rede de dados fiável e flexível Integração harmoniosa de rede, servidores, armazenamento, software, sistemas legacy Criação dos sistemas de suporte (serviços Intranet) adequados para o fluxo interno de informação , colaboração multimédia integrada, workflow, gestão documental, gestão do conhecimento suportada por Data Warehouse com acesso Web Flexibilidade geral da rede e serviços, de modo a poder evoluir rapidamente para novos modelos de negócio Externamente (Extranet) Criação de mecanismos seguros e flexíveis de: Interligação com os sistemas dos Parceiros Interligação com os sistemas dos Clientes e Fornecedores Ilustração 8: Elaboração própria a partir de Manuel Moniz da Cunha Itinerário 3, s122 Globalmente (Internet) Criação de presença adequada na Internet, rápida, segura, redundante, tolerante a falhas e picos de carga As possíveis iniciativas de uma estratégia de e-business que uma organização pode implementar ou adoptar são muito díspares e variam de acordo com o contexto mas podem incluir, dependendo do grau de evolução digital (ver ilustração 6): 1. E-Knowledge Management, a gestão do conhecimento no interior da organização; 2. E-Colaboration; 3. E-Community, portal dos colaboradores, clientes, fornecedores, parceiros e outros membros da ecoesfera da organização; Abílio Pacheco Página 9

10 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha 4. E-Sales, a organização da força de vendas; 5. Supply Chain Management, controlo do fluxo ao longo da cadeia de valor da organização; 6. E-Service, o fornecimento aos clientes de suporte técnico e comercial; 7. Customer Relationship Management (CRM); 8. Electric Data Interchange i (EDI), transferência de dados entre empresas através de redes públicas e privadas; 9. E-Commerce. Antes de nos concentrarmos novamente no comércio electrónico 17, vale a pena planar sobre o próximo quadro que resume as etapas que convulsionaram o e-business. e-business Podemos defini-lo como a criação, transformação e melhoramento dos Processos Chave dos Negócios utilizando os SI e as Tecnologias Internet A Primeira Geração O que ficou da Primeira Geração? O que esperar da Segunda Geração? Modelos mais comuns de e-negócios Associada à vaga designada por New Economy e ao fenómeno dot.com Geralmente confundida com simples comércio electrónico directo fornecedor-consumidor via web, ou B2C e- Commerce Criou-se a ideia geral de que as novas Empresas dot.com eram totalmente diferentes das outras e seriam extremamente lucrativas a curto prazo pelo simples facto de realizarem os seus negócios via web, sem os custos operacionais associados aos negócios tradicionais Na verdade, o objectivo era o IPO e o lucro rápido Os negócios da Nova Economia são tão negócios como os outros : a estratégia por trás do negócio e a sua execução continua a ser determinante As novas e-empresas devem ter LUCRO a curto/médio prazo, escrito no seu plano de negócios A transformação das Empresas tradicionais em e-business é complexa e demorada, implicando mudanças profundas: Culturais, Processuais, Estruturais e Tecnológicas É muito difícil estabelecer empresas totalmente e, nomeadamente quando se transaccionam bens físicos O e-commerce é apenas uma faceta do e-business, associada à venda, compra, distribuição e pagamento de bens, e continua bem de saúde e com grande futuro (m-commerce) Com a segunda geração surge uma abordagem mais tradicional ao e-business, com a entrada das Empresas há já muito estabelecidas nos mercados Fala-se agora mais de modificar e melhorar os processos de negócio tradicionais, integrando profundamente os SI e as Tecnologias Internet, com o objectivo final de servir/reter melhor os clientes existentes e entrar em novos mercados Aceita-se geralmente a necessidade de estabelecer as redes de parcerias tecnológicas adequadas para se conseguir implementações com prazos razoáveis e-shop e-mall e-auction e-community e-procurement e-marketplace e-colaboration e-brokerage e-learning e-banking Outras peças do puzzle: Integração de Cadeias de Valor Certificação CRM, ERP, SCM, Business Intelligence Ilustração 9: Elaboração própria a partir de Manuel Moniz da Cunha Itinerário 3, s De 1 a 6, já abordados na monografia 2, A Organização Conectada e em parte também na anterior (ver nota 1). Abílio Pacheco Página 10

11 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Quais os diferentes géneros de comércio electrónico? Há essencialmente quatro géneros bem diferentes de comércio electrónico: B2B (business-to-business), transacções entre sistemas de diferentes organizações e transacções de comércio electrónico entre organizações (ex: entre uma empresa e os seu fornecedores, entre uma empresa e os seus clientes corporativos, a indústria automóvel, ); B2C (business-to-consumer 18 ), transacções entre uma empresa e os seus clientes não corporativos, consumidores individuais (ex: Amazon.com); C2C (consumer-to-consumer), transacções entre consumidores (ex: ebay.com); e-government, que inclui as transacções entre o governo e as organizações (G2B e B2G) e entre este e os concidadãos (G2C). (ex: Ilustração 10: E-trading & e-commerce APDC The Economic and Social Impact of Next Generation High Speed Broadband, pag 8 19 Também se encontra referência muitas vezes ao: C2B (consumer-to-business), consumidores que vendem produtos ou serviços às organizações; Nonbusiness EC, o comércio electrónico realizado por instituições sem fins lucrativos com o objectivo de reduzir custos e melhorar o serviço prestado; Intrabusiness EC, actividades internas à organização, normalmente efectuadas numa intranet e envolvendo troca de mercadorias, serviços ou informação; o que pode incluir o B2E embora geralmente este não envolva comercio electrónico, senão residual (ex: uma empresa que vende os seus produtos com um desconto especial aos seus colaboradores); 18 Por vezes distingue-se o m-commerce (Mobile Commerce), o comércio electrónico realizado em ambiente wireless. (ex: utilizar um telemóvel para efectuar uma compra através da Internet). 19 Source: International Labour Organization; Datamonitor Industry Profiles; EIU Market indicators Abílio Pacheco Página 11

12 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Mas compreender os quatro primeiros, na realidade cinco, é essencial dado que são completamente diferentes entre si, na sua natureza e no seu objectivo. Quais os principais mecanismos de suporte ao comércio electrónico? O Leilão (auction) é um processo competitivo no qual os vendedores solicitam ofertas por parte dos compradores ou os compradores solicitam ofertas por parte dos vendedores. Pode ser C2C como o caso do ebay mas também pode ser uma central de compras B2B ou ainda (menos expressivo) um B2C num site isolado (ex: os antigos leilões no site da TAP). Electronic Storefront, designa um website na Internet representando uma única loja. Geralmente é nisto que se pensa imediatamente quando se fala de comércio electrónico, mas é muito limitado pois apenas representa um dos aspectos do CE. Uma electronic storefront pode ser algo tão elaborado como a Amazon (B2B) ou o site de parceiros da Hp (B2B) como pode ser e geralmente é, algo muito primário, basicamente uma lista de preços que permite encomendar e pagar por meios electrónicos, mas sem quase nenhuma interacção. Ilustração 11: Three basic revenue models for Web 2.0 sites/services, APDC, The Economic and Social Impact of Next Generation High Speed Broadband, pag 92 Electronic Mall (cybermercado, shopping virtual) é um conjunto de lojas com o mesmo endereço na Internet. Vale a pena referir por se ter tratado de um erro grosseiro de transposição directa do conceito de centro comercial para a Web. Na realidade a própria Web é ela própria um enorme centro comercial. O argumento da partilha de recursos também deixou de valer, na medida em que os custos de uma presença na internet baixaram de tal forma que isso deixou de constituir uma barreira. e-marketplace (electronic marketplace) é um espaço virtual onde se faz comércio electrónico no sentido mais lato. Pode ser destinado a transacções B2B (ex: econstroi), Abílio Pacheco Página 12

13 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha B2C (ex: site de venda ao publico da HP), C2C (ex: site do ebay), G2C (ex: pagamento via Internet do IRS), G2B (ex: central de compras do estado na Internet). Por outro lado um e-marketplace pode ser genérico e abarcar todos os sectores de actividade ou temático (vertical) destinado a apenas um sector de actividade. Pode ter vários níveis de interactividade; desde consulta de catálogos, encomendas online, transacções online até à integração de processos de negócio. Porque era tão difícil vender na web? E já não é? Claro que continua a ser difícil vender na internet, mas já não por ser na internet, mas por se tratar de vender pois se vender é difícil é porque comunicar nunca foi fácil. E é disso que se trata, comunicar, principalmente quando falamos desse mundo imaterial e sem inércias que é a internet. Um autentico big bang 20 em expansão acelerada, a semelhança do nosso próprio universo. Mas houve um tempo, em que a complexidade se multiplicava ao acrescentar a palavra internet à palavra vender. Uma época em que se tinha de explicar às empresas, aos seus gestores, o que era a internet. Um tempo de pregadores 21, por vezes no deserto. O que é extraordinário não é isso, mas antes o facto desse tempo longínquo (aqui simbolizado pela estrela na ilustração acima) afinal ter sido há apenas uns parcos seis, dez anos atrás. A cauda longa Há duas formas de obter sucesso e atenção, isto é, visitantes na Internet. A primeira é através do preço, isto é, conseguir ser o mais barato num determinado serviço ou produto. É uma forma muito difícil de conseguir sucesso, principalmente na internet em que tudo está a um click de tudo. A segunda consiste em explorar muito bem um nicho de mercado. Por exemplo, sapatos com tamanho acima de 45. Uma loja desse género, até numa pequena cidade como o 20 Consultar o Anexo, Web Trend Maps, páginas 10 a Para um instantâneo vivo dessa época, consultar o Anexo, Porque é tão difícil vender na Internet?, página 49. Abílio Pacheco Página 13

14 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Porto teria dificuldade em sobreviver, mas com a internet, até pode estar fisicamente situada em Freixo de Espada a Cinta, uma pequena cidade com arredores deslumbrantes como por exemplo Penedo Durão. A cauda longa significa que a velha máxima de que 80% dos resultados decorrem de 20% das vendas deixou de ser verdadeira. Com a internet esta corrente funciona nos dois sentidos, não só é possível a especialização de uma organização em algo que é muito pouco procurado, mas que em termos mundiais existem consumidores suficientes para tornar a operação sustentável, como também qualquer consumidor por muito especializado que seja o seu desejo, em alguma parte da internet, encontrará alguém a comercializar o que procura. Ilustração 12: Manuel Moniz da Cunha Itinerário 4, s21 Por outro lado, a cauda longa é um aviso a navegação, as antigas regras de concentração do inventário já não são válidas, é necessário ter tudo, mesmo o que se vende muito raramente, já que os custos de armazenamento são nulos. Ainda assim fica um problema por resolver: inventariar. Na verdade adicionar camadas válidas de informação custa dinheiro Vender uma unidade num ano, com uma margem de bruta de 2 euros não cobre os custos de classificação, descrição do produto ou serviço e inserção no inventário. Como ultrapassar este problema? Abílio Pacheco Página 14

15 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Wikinomia A resposta talvez esteja neste conceito que cresce e se desenvolve a nossa volta, a wikinomia. De facto, criando uma comunidade a volta de um site, conseguir também a custo nulo o crescimento indefinido do inventário. Um bom exemplo em Portugal é o do site olhares.com e afinal também foi por ai que passou o sucesso da própria Amazon quando desde logo permitiu aos utilizadores escreverem criticas dos livros e classificar a qualidade das críticas uns dos outros, num sistema auto-regulado extremamente eficaz. O trabalho colaborativo desenvolvido por puro prazer por uma comunidade de apaixonados pelo mesmo bem, serviço ou hobby 22 é um pilar fundamental numa estratégia de exploração da segunda forma atrás apontada, a estratégia do nicho. A terceira dimensão proposta pelo modelo de Peter Keen traduz precisamente aquilo que uma presença na internet tem de permitir para que surja tal comunidade: interacção num contexto de relacionamento. Ilustração 13: MODELO DE PETER KEEN - Manuel Moniz da Cunha Itinerário 3, s94 22 No caso do é o interesse pela fotografia que une os utilizadores que constantemente alimentam o site com novas fotografias e o enriquecem classificando a qualidade e comentando as fotografias uns dos outros. Abílio Pacheco Página 15

16 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Os melhores negócios fazem-se entre pessoas inteligentes Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe para onde ir Séneca Num mercado competitivo ganha quem tiver capacidade de oferecer o menor custo com maior nível de satisfação. Os processos devem ser absolutamente transparentes. E se é crucial tirar partido da interactividade, com usabilidade e sem ignorar o design, também é necessário começar por fornecer ampla informação 23 de acordo com a pirâmide na próxima ilustração. Ilustração 14: PRESENÇA NA INTERNET - Manuel Moniz da Cunha Itinerário 3, s98 Quando se fala da internet como um meio global devemos lembrar que isso não significa afirmar que todos os utilizadores são potenciais clientes. Como já vimos, talvez ainda mais importante é valorizar os nichos de mercado. A proposição de Wittgenstein Os limites da minha linguagem são os limites do meu mundo desemboca nesta problemática: se a organização não tem linguagem, se não domina os conceitos, tem o seu mundo limitado e está constrangida por fronteiras que ela própria desconhece; E fundamentalmente, a estratégia para a sua presença na internet tem de ser planeada e bem estruturada. 23 Mostrar várias fotos do produto e em tamanhos diferentes e/ou explicar o serviço sem qualquer ambiguidade. Abílio Pacheco Página 16

17 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha São cada vez mais os negócios que nunca poderiam existir sem internet, os nossos dias são suavemente alterados com o passar dos meses (que na internet representam anos) e quase sem darmos por isso, voltamos as questões iniciais: Qual o impacto do poder dado ao consumidor pela tecnologia? Que costumes novos despontam no horizonte? Como resolver o aparente paradoxo levantado pelo desinteresse dos consumidores num tipo de programação baseada em conteúdos produzidos por outros utilizadores da mesma plataforma? A quem cabe resolver as novas questões que se levantam sobre a privacidade e a identidade digital? Mas há perguntas que valem mais que qualquer resposta. Pelo menos por agora. Aprendemos que acima de tudo é essencial o respeito pelo outro, pela sua inteligência, seja ele cliente, visitante do site, ou alguém que se exprime num blog ou numa rede social. Vivemos numa época em que os melhores negócios, no sentido amplo da palavra, se fazem em benefício mútuo, entre pessoas inteligentes. Abílio Pacheco Página 17

18 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Bibliografia Multimédia e Novos Serviços (MNS) Aulas e materiais disponibilizados pelo docente da cadeira, Manuel Moniz da Cunha ACEP, Comprar na Internet 2008, Guia Prático para Consumidores ACEPI, Vantagens da Internet APDC, 18º Congresso - Consumidor, o super-poderoso 24 A. Pacheco, P. Cruz (2002) Usabilidade e Comunicação na Internet Chris Anderson A Cauda Longa 25 Porque é que o futuro dos negócios é vender menos de mais produtos, Actual Editora, 2007 Don Tapscott Wikinomics 26 A Nova Economia das Multidões Inteligentes, Quidnovi, 2007 Manuel Moniz da Cunha Caderno de Viagem 27 Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Itinerário 3, O Conhecimento Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Itinerário 4, A Inovação Multimédia e Novos Serviços Monteiro, Pacheco, Cruz (2003) Porque é tão difícil vender na Internet? Será a Cauda Longa um mito? 24 Disponibilizado pelo docente de MNS, Manuel Moniz da Cunha. 25 A tese do autor é que os nichos de mercado são cada vez mais importantes, e que os retalhistas vão passar a vender menos quantidades de um número cada vez maior de produtos. 26 Graças à Internet, massas de pessoas anónimas, à margem das hierarquias tradicionais, podem inovar na produção de conteúdos, bens e serviços. Durante os últimos anos, a colaboração tradicional foi ultrapassada pela colaboração em massa. Hoje, enciclopédias, aviões a jacto, sistemas operativos, fundos mútuos e muitas outras coisas estão a criados por equipas constituídas por milhares, ou mesmo milhões, de pessoas. As empresas inteligentes podem captar a capacidade e o génio colectivos para impulsionar a sua inovação, crescimento e sucesso. 27 Itinerário 1 e 2: A Identidade, A Memória. Abílio Pacheco Página 18

19 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Ilustrações utilizadas Ilustração na Capa: Ilustração da página 5: Ilustração da página 6: Ilustração da página 7: Ilustração da página 14 (topo direito): Manuel Moniz da Cunha Itinerário 4, s19 Ilustração 15: A compressão do tempo, Multimédia e Novos Serviços Quadro disponibilizado pelo docente da cadeira, Manuel Moniz da Cunha i O significado de comércio electrónico foi mudando nos últimos trinta anos. Originalmente, CE significava a facilitação de transacções comerciais de forma electrónica, usando o EDI e Eletronic Funds Transfer (EFT). Foram ambos introduzidos no fim dos anos 70 e em Portugal em 1985 com a criação da Telepac, permitindo que as empresas trocassem documentos comercias tais como ordens de compras e resumos contabilísticos electronicamente e de forma segura. A generalização dos cartões de créditos, das caixas multibanco e serviços de atendimento ao cliente no fim dos anos 80 também foram formas de CE. Embora a internet se tenha popularizado mundialmente em 1994, só cinco anos depois apareceram os protocolos de segurança e a tecnologia DSL foi introduzida, permitindo uma conexão contínua com a Internet. No final de 2000, várias empresas americanas e europeias começaram a oferecer os seus serviços através da Web. Desde então, as pessoas começaram a associar à expressão comércio electrónico com a capacidade de comprar através da Internet, usando protocolos de segurança e serviços de pagamento electrónicos. Abílio Pacheco Página 19

20 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Anexos Em primeira mão, 2 Micro-Estudo FEUP, 4 Caracterização do universo alvo, 4 Atitude face aos sites de comércio electrónico, 5 Hábitos de compras electrónicas, , tão longe 8 Retrato de compradores bem Informados, 8 Compradores Informados, 9 Web Trend Maps, 10 Mind Map, 15 Três Papers, 16 * Usabilidade e Comunicação na Internet, 17 Porque é tão difícil vender na Internet? Mitos sobre a Internet, 73 * Estes papers foram publicados pela Seara.com entre 2002 e 2005, e estão disponíveis para download livre desde então. O primeiro destacou-se particularmente por ter sido leitura recomendada em algumas cadeiras de interação pessoa computador. Esta empresa procura fazer sites cuja estética não coloque em causa a sua usabilidade. Abílio Pacheco Página 1

21 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Em primeira mão Usei a internet pela primeira vez em Galway, na Irlanda, em Junho de Movido inicialmente pela paixão pelo conhecimento, comecei a ter acesso a internet em minha casa em Janeiro de , uma ligação a 24Kbps. Em Junho desse ano fiz o primeiro site e a segunda tentativa mais séria, ocorreu em Setembro desse ano. Não me lembro da primeira compra que fiz na internet mas sei que foi anterior a 11 de Dezembro de 1997, data em que comprei o meu primeiro domínio, AZUL.net, que ainda hoje mantenho. Logo que se iniciou a actividade do Shopping Direct em 1998, tornei-me cliente assíduo, deixando simplesmente de ir ao super-mercado. E assim que o BCP abriu a sua actividade ao espaço electrónico, imediatamente me tornei cliente fiel, ao ponto de se passarem cerca de nove anos sem me deslocar a agência física. Tentei calcular o valor das minhas compras ao longo destes anos. Com o meu histórico de compras no Pay Pal pode verificar que as transacções efectuadas nos últimos três anos ascenderam a 1600 euros. Este é o meu meio favorito de pagamento favorito, mas como nem sempre está disponível, estimo que estas representam 25 a 35% das minhas compras totais, utilizando o Visa nas restantes. Assim sendo, por extrapolação, calculo que faço compras em média e por mês, no valor de 140 euros 2. Ou seja, concluo que as mesmas ascendem ao valor de 1700 euros por ano e que nos últimos 12 anos comprei mais de 20 mil euros recorrendo ao comércio electrónico. Tive nestes anos, por duas vezes problemas com as compras on-line, num caso por descuido e noutro por desleixo. Esses 150 euros perdidos não foram motivo para abrandar o ritmo da utilização que faço dos meios de pagamento electrónicos. 1 Existiam 10 mil internautas em Portugal. 2 Fazia uma compra no Shopping Direct num valor que oscilava entre 110 e 160 euros, pelo menos uma vez por mês. Abílio Pacheco Página 2

22 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Saliento no entanto que praticamente não compro nada que não escolha primeiro na Net e nesse sentido o volume de compras é bem maior. Retrato instantâneo do cibernauta Abílio Pacheco O que compra? Compras Médias Livros, Revistas Musica (cd s e digital 3 ) Software Gadgets Domínios Produtos Alimentares Produtos Financeiros Relações com o estado e universidade Acesso a base de dados Comunicações (Skype, PoivY) 1700 euros/ano 140 euros/mês > 20 mil euros desde 1997 (principalmente em sites internacionais) Profissionalmente, no âmbito da Seara.com 4, participei directamente no projecto do que foi até 2003 o maior site de comércio electrónico em Portugal, com uma facturação mensal média de 50 mil euros: Nesse ano foi o primeiro dos 10 sites escolhidos para lançar o MBNet a disponibiliza-lo como método de pagamento e logo depois um dos primeiros a obter a certificação da ACEP. Nessa época, cerca de 10% do volume de compras electrónicas realizadas em Portugal, ocorria em sites construídos pela Seara.com. Não é por isso de surpreender que quando surgiu o Visa Fx em 2005, a empresa tenha sido durante alguns meses, a única capaz de o instalar, até que através de um protocolo celebrado com a UNICRE, fez a formação dos técnicos que em seguida formaram as empresas concorrentes. 3 Comprei até hoje mais de 600 discos em formato digital e mais de 100 físicos. 4 Empresa que fundei em 2000 com Miguel Monteiro. Abílio Pacheco Página 3

23 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Inquérito FEUP sobre Compras na Net Este inquérito realizado na FEUP e dirigido potencialmente a 7598 pessoas, decorreu entre os dias 25 e 30 de Novembro de Obtivemos 509 respostas (6,7% dos inquiridos) e os resultados foram os seguintes: Caracterização do universo alvo Qual a sua idade? menos de 20 anos % entre 20 e % 25 a 35 anos 86 17% mais de 35 anos 34 7% Qual o seu sexo? Feminino % Masculino % Qual o seu grau de escolaridade? Doutoramento 5 1% Mestrado % Licenciatura % Secundário ou menor % Abílio Pacheco Página 4

24 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Atitude face aos sites de comércio electrónico Usa os sites de e-comércio para comprar ou mais para se informar? 1 - Informação % % % % 5 - Compra 83 16% Informação Compra Sente-se seguro com as compras on-line? 0 - Nem pensar! 17 3% % % % Nem pensar! Tão confiante como em qualquer outra compra. 4 - Tão confiante como em qualquer 76 15% outra compra. Já fez compras on-line? Sim % Não % Abílio Pacheco Página 5

25 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Hábitos de compras electrónicas O que é que já comprou na Net? Viagens % Produtos financeiros 48 13% Bilhetes de cinema ou concertos % Acesso a Sites Pagos 46 13% Acesso a Bases de Dados 12 3% Jogos On-line 78 22% Software 94 26% Livros % Musica 80 22% Filmes 41 11% Gadgets % Produtos Alimentares 31 9% Outros 77 22% É possível seleccionar mais do que uma caixa de verificação, pelo que as percentagens podem somar mais de 100%. Onde faz geralmente as suas compras? Em Sites Portugueses % Em Sites Internacionais % Abílio Pacheco Página 6

26 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Qual o volume de compras no ultimo ano? Não Respondem 40 10% < 120 euros (menos de 10/mês, em média) % 120 a 600 euros (entre 10 a 50/mês, em média) % 600 a 1200 euros (de 50 a 100/mês, em média) 30 7% 1200 a 1800 euros (de 100 a 150/mês) 11 3% 1800 a 2400 euros ( 150 a 200/mês, em média) 3 1% > euros (mais de 200/mês, em média) 4 1% Quais os meios de pagamento que mais utiliza? Visa/Mastercard/AmEx % Pay Pal % MbNet % Transferência Bancária % Contra Entrega 77 19% Cheque 3 1% É possível seleccionar mais do que uma caixa de verificação, pelo que as percentagens podem somar mais de 100%. Usamos as cores, azul e vermelho, para destacar os valores mais elevados e menos representativos, respectivamente. Abílio Pacheco Página 7

27 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Retrato de compradores bem Informados 5 Quem compra online? 5 Dados publicados pela ACEPI em Vantagens da Internet suplemento do Jornal Publico e comercioelectronico.pt. Abílio Pacheco Página 8

28 MESG Multimédia e Novos Serviços Manuel Moniz da Cunha Compradores Informados 6 6 Dados publicados pela ACEP em Comprar na Internet publicado na semana do comércio electrónico em Abílio Pacheco Página 9

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Aula 13 Sumário A Internet: Modelos de Negócio, Publicidade e Meios

Leia mais

We Do. You Sell. A sua loja online (A You Sell Iniciative) Solução de Parceria Lojas Online

We Do. You Sell. A sua loja online (A You Sell Iniciative) Solução de Parceria Lojas Online Largo da Codiceira 74, 1º Tr. We Do. You Sell. A sua loja online (A You Sell Iniciative) Solução de Parceria Lojas Online // VALORVISUAL_SOLUÇÕES GLOBAIS DE COMUNICAÇÃO WE DO, YOU SELL. A SUA LOJA ONLINE

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Termos Básicos Pesquisa Registo Fazendo Propostas A Minha Conta Pedindo Cotações Ajuda: Geral Bem-vindo! No texto que se segue iremos transmitir noções básicas sobre os termos e modos

Leia mais

REGRAS DE ESCRITA PARA A WEB

REGRAS DE ESCRITA PARA A WEB REGRAS DE ESCRITA PARA A WEB ESTRUTURA BÁSICA... 2 ESCRITA PARA A WEB 1... 2 Layout para a web... 3 Classificação... 5 Navegação... 5 Design e layout do site... 7 1 Adaptado de: in MCGOVERN, Gerry, NORTON,

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE LINKEDIN FACEBOOK TWITTER GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE PAY PAL SEO UNICRE 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE ACTUALIZE O SEU SITE VENDAS ONLINE MARKETING ONLINE A PLATAFORMA GCM

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Produzido para. Criação, edição e maquetização de. Com o patrocínio de

Produzido para. Criação, edição e maquetização de. Com o patrocínio de Produzido para Criação, edição e maquetização de Com o patrocínio de Pensar Digital A pergunta que qualquer empreendedor ou gestor se coloca ao olhar para a Internet já não é se vale a pena começar um

Leia mais

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PRÓXIMA AULA: APRESENTAÇÃO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO E O FILME DO YOUTUBE? AULA 12 A. EMAIL MARKETING - Objectivos e problemas - Ideias - Vantagens

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Comércio Electrónico :: Aumentar as vendas online

Comércio Electrónico :: Aumentar as vendas online Comércio Electrónico :: Aumentar as vendas online e-commerce. now plug & play. Alfragide, 16 de Maio de 2007 Agenda 9h30-9h45: Boas vindas 9h45-10h15 Marketplaces 10h15-10h30 Anúncios online Google Adwords

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Ferramentas como, por exemplo, linhas de conexão, formas automáticas, sombras pendentes, WordArt, etc.

Ferramentas como, por exemplo, linhas de conexão, formas automáticas, sombras pendentes, WordArt, etc. Ambiente de trabalho Ambiente de trabalho Porquê criar páginas web? A World Wide Web é a melhor forma das pessoas comunicarem umas com as outras. Nos dias de hoje, é importante poder comunicar com outras

Leia mais

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença. Porquê NEXT Vision Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.... Poder de adaptação Porque cabe a si decidir como pretende

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 Google Sites A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 1. Google Sites A Google veio anunciar que, para melhorar as funcionalidades centrais do Grupos Google, como listas de discussão

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Trabalho realizado no âmbito da cadeira. Gestão Estratégica de Sistemas de Informação. Mestrado em Engenharia Informática

Trabalho realizado no âmbito da cadeira. Gestão Estratégica de Sistemas de Informação. Mestrado em Engenharia Informática COMÉRCIO ELECTRÓNICO Trabalho realizado no âmbito da cadeira Gestão Estratégica de Sistemas de Informação. Mestrado em Engenharia Informática Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

P3 Tratamos tudo por tu. Duarte Pereira e Ivan Mendes

P3 Tratamos tudo por tu. Duarte Pereira e Ivan Mendes P3 Tratamos tudo por tu Duarte Pereira e Ivan Mendes Conteúdo 1.Introdução... 2 2. O caso p3... 3 2.1 Estatística... 3 3. Público-alvo... 4 4. Objetivos de Comunicação... 5 5. Vantagens desvantagens...

Leia mais

usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet

usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet WEB Usabilidade WEB usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet no design de produtos e de software tradicionais, usuários pagam antes e experimentam a usabilidade depois na WEB experimentam

Leia mais

Desenvolvimento Web Usabilidade na Web aula I introdução e o design geral do site. Prof.: Bruno E. G. Gomes IFRN

Desenvolvimento Web Usabilidade na Web aula I introdução e o design geral do site. Prof.: Bruno E. G. Gomes IFRN Desenvolvimento Web Usabilidade na Web aula I introdução e o design geral do site Prof.: Bruno E. G. Gomes IFRN 1 Introdução A Web oferece uma enorme liberdade de escolha e movimentação Qualquer coisa

Leia mais

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online.

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online. Os segredos dos negócios online A Internet comercial está no Brasil há menos de 14 anos. É muito pouco tempo. Nesses poucos anos ela já mudou nossas vidas de muitas maneiras. Do programa de televisão que

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 03 de Dezembro de 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Manual do usuário Desenvolvendo páginas em Drupal Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Conteúdo Primeiro Passo... 3 1.1 Login... 3 1.2 Recuperando a Senha...

Leia mais

Portal Web de Apoio às Filiadas

Portal Web de Apoio às Filiadas Portal Web de Apoio às Filiadas Manual de Utilizador Externo Titularidade: FCMP Data: 2014-02-03 Versão: 1 1 1. Introdução 3 2. Descrição das Funcionalidades 4 2.1. Entrada no sistema e credenciação de

Leia mais

Manual PowerPoint 2000

Manual PowerPoint 2000 Manual PowerPoint 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO 1 2. DIRECTRIZES PARA APRESENTAÇÕES DE DIAPOSITIVOS 1 3. ECRÃ INICIAL 2 4. TIPOS DE ESQUEMA 2 5. ÁREA DE TRABALHO 3 5.1. ALTERAR O ESQUEMA AUTOMÁTICO 4 6. MODOS

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

1 2 3 W O R K S H O P 4 5 6 W O R K S H O P 7 W O R K S H O P 8 9 10 Instruções gerais para a realização das Propostas de Actividades Para conhecer em pormenor o INTERFACE DO FRONTPAGE clique aqui 11 CONSTRUÇÃO

Leia mais

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL 21º Congresso Quantificar o Futuro Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL Programa Data Hora Actividade 23/Nov. 11:30 Inauguração Oficial Innovation Lounge Visita efectuada ao Venture Lounge por Sua

Leia mais

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML.

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Descritivo completo PHC dportal A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Benefícios Actualização e manutenção simples

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

Engenharia de Software. Ficha T. Prática nº 2

Engenharia de Software. Ficha T. Prática nº 2 Engenharia de Software Ficha T. Prática nº 2 Objectivo: Análise do software como produto e como processo Caso de Estudo - Sistema de Controlo Orçamental O problema e as suas peculiaridades O principal

Leia mais

Guia de criação de layout de Loja Virtual

Guia de criação de layout de Loja Virtual Guia de criação de layout de Loja Virtual Julho / 2013 (51) 3079-4040 contato@ezcommerce.com.br http://www.ezcommerce.com.br Este guia tem o intuito de orientar a criação de layout para a plataforma de

Leia mais

UFCD 0152 Estrutura de um sítio para Internet

UFCD 0152 Estrutura de um sítio para Internet INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, IP DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE VIANA DO CASTELO-SERVIÇO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL UFCD 0152 Estrutura de um sítio

Leia mais

ZS Rest. Manual de Iniciação. FrontOffice (ponto de venda)

ZS Rest. Manual de Iniciação. FrontOffice (ponto de venda) Manual de Iniciação FrontOffice (ponto de venda) 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Início de Operador... 5 b) Fazer login de Empregado:... 5 c) Botões de Acção:...

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

USABILIDADE E COMUNICAÇÃO NA INTERNET

USABILIDADE E COMUNICAÇÃO NA INTERNET USABILIDADE E COMUNICAÇÃO NA INTERNET 1 Não é o que considera sobre o seu site que conta, mas sim o que os utilizadores pensam dele. Jakob Nielsen A regra menos (ruído) é mais (informação) deveria ser

Leia mais

Serviços de Ecommerce

Serviços de Ecommerce Amen ecommerce 1 Serviços de Ecommerce Ideal para iniciar o seu negócio on-line; ou Complementar as vendas da sua loja física; Os Serviços Ecommerce são soluções poderosas fáceis e acessíveis para criar

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt

Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt &RPpUFLRHOHFWUyQLFRSULQFLSDLVTXHVW}HVHVXDGLYXOJDomRHP 3RUWXJDO SRU 5RGULJR$OEHUWR$OPHLGD%DSWLVWD Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt

Leia mais

CONFIANÇA NA ECONOMIA DIGITAL

CONFIANÇA NA ECONOMIA DIGITAL CONFIANÇA NA ECONOMIA DIGITAL AMADEU PAIVA 12 Outubro 2010 Forum para a Sociedade de Informação ECONOMIA DIGITAL AGENDA Desconfiança Cross border Portugal Unicre Segurança AGENDA Desconfiança Cross border

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias BANDA LARGA

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias BANDA LARGA 03 DE DEZZEMBRO 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 07 Entidades Inquiridas

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

Apresentação. Sistema de E-Commerce

Apresentação. Sistema de E-Commerce Apresentação de Sistema de E-Commerce vtec Shopping Engine v2.0 Novembro 2009-1 - Apresentação da vtec Com mais de 12 anos de experiência de desenvolvimento de tecnologias para websites, softwares de gestão,

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK APRENDA AS ÚLTIMAS DICAS E TRUQUES SOBRE COMO DAR UM TAPA 3.0 NA SUA LOJA VIRTUAL. www.rakutencommerce.com.br E-BOOK propósito desse ebook é muito simples: ajudar o varejista on-line a dar um tapa 3.0

Leia mais

Outlook 2003. Nivel 1. Rui Camacho

Outlook 2003. Nivel 1. Rui Camacho Outlook 2003 Nivel 1 Objectivos gerais Enviar e Responder a mensagens de correio electrónico, e gestão de contactos, marcação de compromissos e trabalhar com notas. Objectivos específicos Começar a trabalhar

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003 MANTENHA-SE INFORMADO Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para ser informado sempre que existirem actualizações a esta colecção ou outras notícias importantes sobre o Internet Explorer. *

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

Solução de digital signage / corporate tv / instore tv

Solução de digital signage / corporate tv / instore tv Solução de digital signage / corporate tv / instore tv RAVI é um inovador sistema de software multimédia que possibilita a gestão e operação de emissões de TV Corporativa, através da Internet ou Intranet,

Leia mais

Excel - Ficha de Trabalho

Excel - Ficha de Trabalho Excel - Ficha de Trabalho Facturação Avançada O trabalho que se segue consistirá numa folha de cálculo com alguma complexidade, em que existirão diferentes folhas no mesmo livro. Neste serão criadas Bases

Leia mais

Projecto Website. www.treelance.pt

Projecto Website. www.treelance.pt Projecto Website www.treelance.pt 1 Índice Conceito... 3 Finalidade... 3 Utilizadores... 4 Design... 6 SEO... 15 2 Conceito O projecto consiste na criação de uma plataforma de freelance que reúna e ponha

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

ATÓRIO OBSERV. mcf*(penso) julho/agosto 2013

ATÓRIO OBSERV. mcf*(penso) julho/agosto 2013 OBSERV ATÓRIO Outro dia, por mais uma vez, decidi que freqüentaria a uma academia. Como acabei de me mudar de casa, busquei no Google maps do meu celular por Academia e de imediato diversos pontinhos vermelhos

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

Como Começar? Criação Páginas. Etapas. Apresentação INTERNET

Como Começar? Criação Páginas. Etapas. Apresentação INTERNET Como Começar? Criação Páginas Apresentação Etapas Como começar Para que um site tenha sucesso é necessário um correcto planeamento do mesmo. Todos os aspectos de desenho de um site devem ser pensados de

Leia mais

A gestão comercial e financeira através da Internet

A gestão comercial e financeira através da Internet PHC dgestão A gestão comercial e financeira através da Internet A solução de mobilidade que permite introduzir e consultar clientes, fornecedores, artigos, documentos de facturação, encomendas, compras,

Leia mais

Administração da disciplina

Administração da disciplina Administração da disciplina Agrupamento Vertical de Escolas de Tarouca Documento disponível em: http://avetar.no-ip.org 1.Acesso e utilização da plataforma:. Seleccione a opção Entrar, que se encontra

Leia mais

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento A Internet,os computadores, os telefones móveis, a TV digital estão a transformar profundamente a maneira como as pessoas vivem - como aprendem, trabalham, ocupam os tempos livres e interagem, tanto nas

Leia mais

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Guia de Apresentação do Curso de Qualificação de Agentes, Corretores de Seguros ou Mediadores de Resseguros Guia de Apresentação do Curso Versão 1.0

Leia mais

Construção de um WebSite. Luís Ceia

Construção de um WebSite. Luís Ceia Construção de um WebSite Para a construção de um WebSite convém ter-se uma planificação cuidada. Para tal podemos considerar seis etapas fundamentais: 1. Planeamento 2. Desenvolvimento de Conteúdos 3.

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

PHC Mensagens SMS CS

PHC Mensagens SMS CS PHC Mensagens SMS CS O potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC O envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo. Uma comunicação com sucesso: ganhos de tempo e de dinheiro

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

PHC Doc. Electrónicos CS

PHC Doc. Electrónicos CS PHC Doc. Electrónicos CS A diminuição dos custos da empresa A solução que permite substituir a típica correspondência em papel, agilizando os processos documentais e reduzindo os custos das empresas. BUSINESS

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. Reservados todos

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais