Caracterização de soluções de comércio electrónico B2C

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização de soluções de comércio electrónico B2C"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Caracterização de soluções de comércio electrónico B2C Modelo de funcionalidades DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM INFORMÁTICA ANA CATARINA DA COSTA RODRIGUES Vila Real, 2007

2 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Mestrado em Informática Caracterização de soluções de comércio electrónico B2C Modelo de funcionalidades Dissertação do curso de Mestrado em Informática de Ana Catarina da Costa Rodrigues Dissertação submetida à Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Informática, elaborada sob a orientação do Prof. Doutor João Eduardo Quintela Alves de Sousa Varajão e co-orientação do Prof. Doutor Ramiro Manuel Ramos Moreira Gonçalves. Vila Real, Outubro de 2007

3 Ao meu Pai

4 AGRADECIMENTOS A presente dissertação é o culminar de várias horas de esforço, dedicação e investigação, sustentadas e impelidas pela ânsia de saber mais e pela vontade de dar forma palpável ao que foram estes dois anos de aquisição de conhecimentos, no âmbito do mestrado em informática. Para a elaboração deste trabalho muito contribuiu a ajuda de várias pessoas, quer pelo apoio científico quer pelo apoio moral, assim, passarei a citar todos aqueles que de uma forma mais veemente foram os grandes impulsionadores deste trabalho. O meu primeiro e mais sentido agradecimento vai para o meu orientador, o Professor Doutor João Varajão que de forma sábia me acompanhou ao longo da elaboração desta dissertação, quero agradecer-lhe pelo incentivo e motivação, pelas críticas e sugestões sempre construtivas e pela sua total disponibilidade. Agradeço ainda ao Prof. Doutor Ramiro Gonçalves por ter aceite ser co-orientador desta dissertação, pelos seus bons conselhos e orientações finais. Agradeço à minha família, pela paz de espírito que me proporcionou durante a elaboração deste trabalho, em especial à minha mãe e irmão pela sua presença amiga e apoio incondicional. Às grandes amigas Marlene, Patrícia, Vânia e Ana Isabel que sempre me apoiaram, acreditaram em mim e não deixaram que desistisse. A todos os meus colegas e amigos, em especial ao Nelson, Filipe, David, Ricardo, Joel, Orlando e Guilherme pela amizade e o caminho percorrido em conjunto. A todos os que contribuíram para a concretização deste trabalho, muito obrigada! iv

5 RESUMO A Internet é um fenómeno ainda muito recente, principalmente, no mundo dos negócios. Devido à sua velocidade de crescimento e por trazer novas formas de comunicação, a Internet muda a forma de conceber e de realizar os negócios e as actividades nas organizações, permitindo, para além de interacções entre pessoas e empresas, o delineamento de novos modelos de negócios. A internet tem modificado a forma como as empresas compram, vendem, interagem com parceiros de negócio e clientes, dando origem, assim, ao e-business e e-commerce. O e-commerce ou comércio electrónico engloba as transacções comerciais realizadas à distância, que envolvam quer organizações quer indivíduos, sendo que o processamento e transmissão de dados são feitos por via electrónica. Existe uma grande variedade de tipos de comércio electrónico e muitas formas diferenciadas de os caracterizar. A maior parte das classificações, no entanto, diferencia os tipos de comércio electrónico pela natureza da relação de mercado, entre as quais se distinguem o comércio electrónico entre empresa e o consumidor (business-to-consumer), e entre as empresas (business-to-business). A presente dissertação está concentrada no comércio electrónico (business-to-consumer). Este tipo de comércio electrónico é aquele que é focado nos negócios on-line que têm os consumidores individuais como público-alvo. Este trabalho tem por finalidade, para além da definição e caracterização deste tipo de CE, a criação de um modelo de funcionalidades de soluções de comércio electrónico, procurando contribuir para uma melhor avaliação, selecção e concepção de soluções de comércio electrónico (business-to-consumer) por parte das empresas. v

6 ABSTRACT The Internet is still a recent phenomenon mainly in the business world. Due to its speed of growth and bring new forms of communication, the Internet changes the form of design and conduct of the affairs and activities in organizations, allowing, in addition to interactions between people and companies, the design of new business models. The internet has changed the way businesses buy, sell, interact with business partners and customers, leading thus to the e-business and e-commerce. The e-commerce encompasses commercial transactions conducted at a distance, involving both organizations and individuals, and the processing and transmission of data is done electronically. There is a wide variety of types of electronic commerce and many different ways of characterization. Most of the classifications, however, differentiate types of electronic commerce by the nature of the relationship of the market, among which, the e-commerce between business and the consumer (business-to-consumer), and the e-commerce between businesses (business - to-business). This dissertation is concentrated in electronic commerce (business-to-consumer). This type of electronic commerce is focused on business on-line that have individual consumers as audience. This work aims to, in addition to the definition and characterization of this type of EC, the creation of a model functionality of solutions of electronic commerce, trying to contribute to a better evaluation, selection and design of solutions for e-commerce (business-to-consumer) by enterprises. vi

7 "Se não se puder destacar pelo talento, vença pelo esforço." Dave Weinbaum vii

8 ÍNDICE GERAL Agradecimentos... iv Resumo... v Abstract... vi Índice geral...viii Índice de tabelas... x Índice de figuras...xii Siglas e acrónimos...xiii Siglas e acrónimos...xiii 1 Introdução Caracterização conjuntural Motivações, objectivos e contributos fundamentais Organização da dissertação Enquadramento conceptual Internet O negócio electrónico Negócio electrónico vs. comércio electrónico O comércio electrónico Características do comércio electrónico Tipos de comércio electrónico Comércio electrónico Business-to-Consumer (B2C) Conceito Principais modelos de negócio E-tailers Análise de soluções de comércio electrónico B2C Loja Continente (www.continente.pt) Loja Chip 7 (www.chip7.pt) Loja Minfo (www.minfo.pt) viii

9 4.4 Loja Fnac (www.fnac.pt) Loja Redcoon (www.redcoon.pt) Loja Amazon (www.amazon.com) Modelo de funcionalidades de soluções de CE B2C Lista de funcionalidades identificadas por solução estudada Modelo de funcionalidades Conclusão Síntese da dissertação Discussão dos resultados e principais conclusões Considerações finais Bibliografia ix

10 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 2.1: Características únicas da tecnologia de comércio electrónico e o seu significado para o negócio...15 Tabela 3.1: Modelos de negócio de comércio electrónico B2C...20 Tabela 5.1: Funcionalidades relacionadas com os Utilizadores...55 Tabela 5.2: Funcionalidades relacionadas com a Informação disponível no site...56 Tabela 5.3: Funcionalidades relacionadas com a Informação promocional...57 Tabela 5.4: Funcionalidades relacionadas com o Processo de compra...57 Tabela 5.5: Funcionalidades relacionadas com Serviços...58 Tabela 5.6: Funcionalidades Específicas...58 Tabela 5.7: Funcionalidades relacionadas com a Pesquisa de produtos...59 Tabela 5.8: Funcionalidades relacionadas com o Catálogo de produtos...60 Tabela 5.9: Funcionalidades relacionadas com os Anúncios...60 Tabela 5.10: Funcionalidades relacionadas com os Pagamentos...61 Tabela 5.11: Funcionalidades relacionadas com os Mecanismos de venda...62 Tabela 5.12: Funcionalidades relacionadas com a Publicidade extra empresa...62 Tabela 5.13: Descrição das funcionalidades relacionadas com os utilizadores...68 Tabela 5.14: Descrição das funcionalidades relacionadas com a Informação disponível no site...69 Tabela 5.15: Descrição das funcionalidades relacionadas com a Informação promocional...72 Tabela 5.16: Descrição das funcionalidades relacionadas com o Processo de compra...73 Tabela 5.17: Descrição das funcionalidades relacionadas com os Serviços...73 Tabela 5.18: Descrição das funcionalidades relacionadas com as Funcionalidades específicas...74 Tabela 5.19: Descrição das funcionalidades relacionadas com a Pesquisa de produtos...74 Tabela 5.20: Descrição das funcionalidades relacionadas com o Catálogo de produtos...76 Tabela 5.21: Descrição das funcionalidades relacionadas com os Anúncios...76 x

11 Tabela 5.22: Descrição das funcionalidades relacionadas com os Pagamentos...77 Tabela 5.23: Descrição das funcionalidades relacionadas com os Mecanismos de venda...78 Tabela 5.24: Descrição das funcionalidades relacionadas com a Publicidade extra empresa...79 Tabela 6.1: Síntese de contributos do projecto de investigação...83 xi

12 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 2.1: Categorias de transacções através da Internet...17 Figura 3.1: O crescimento de comércio electrónico B2C...19 Figura 3.2: Exemplo de portal (www.yahoo.com)...21 Figura 3.3: Exemplo de e-tailer (www.amazon.com)...23 Figura 3.4: Exemplo de fornecedor de conteúdos (www.sportsline.com)...25 Figura 3.5: Exemplo de corrector de transacções (www.e-trade.com)...26 Figura 3.6: Exemplo de criador de mercado (www.ebay.com)...29 Figura 3.7: Exemplo de fornecedor de serviços (www.google.com)...30 Figura 3.8: Exemplo de fornecedor de conteúdos de comunidades (www.about.com)...32 Figura 4.1: Website Continente...38 Figura 4.2: Website Chip Figura 4.3: Website Minfo...43 Figura 4.4: Website Fnac...46 Figura 4.5: Website Redcoon...48 Figura 4.6: Website Amazon...51 Figura 5.1: Modelo de funcionalidades...68 xii

13 SIGLAS E ACRÓNIMOS Neste documento são utilizadas abreviaturas de designações comuns apenas apresentadas aquando da sua primeira utilização. As siglas utilizadas são: CE: Comércio Electrónico B2C: Business-to-Consumer TIC: Tecnologias da Informação e Comunicação NE: Negócio Electrónico PME: Pequenas e médias empresas P2P: Pear-to-Pear B2A: Business-to-Administration C2A: Consumer-to-Administration C2C: Consumer-to-Consumer B2B: Business-to-Business xiii

14 1 Introdução Os avanços tecnológicos das últimas décadas, originaram um ambiente no qual as organizações são forçadas a procurar activamente novas opções para a redução de custos enquanto que simultaneamente procuram competir mais eficazmente nos seus mercados. Este ambiente requer organizações focadas, ágeis, mais flexíveis e competitivas, sendo as organizações levadas a efectuar mudanças muitas vezes radicais na forma como conduzem os negócios, empregam pessoas e utilizam tecnologias [Varajão 2001; Gonçalves 2005]. O comércio electrónico (CE) consiste na compra ou venda de bens e/ou serviços através de redes electrónicas de dados como a Internet e tem sido visto como um fenómeno crucial para o sucesso e evolução de algumas organizações dadas as suas características únicas que em simultâneo desafiam e revolucionam o pensamento empresarial tradicional [Santos 2000]. O CE business-to-consumer (B2C) é a negociação que ocorre entre um vendedor e um comprador final. Exemplos disso são os sites de vendas on-line de livros, CDs e outros produtos, em que o consumidor interage com a empresa via Internet e realiza o seu pedido online. O consumidor interage directamente com a negociação sem interferência física ou de intermediários. Não existe nenhuma pessoa presencialmente envolvida no procedimento de compra, nenhuma loja física e também nenhum dinheiro físico. Para o consumidor, este processo torna-se atractivo pela conveniência de escolher produtos ou serviços a partir da sua casa, sem algumas restrições ou interferências que o comércio convencional apresenta, isto para além da comodidade de receber o produto sem sair de casa. Por parte da empresa negociante, o B2C para além de reduzir custos operacionais, permite traçar mais eficientemente o perfil de cada cliente de forma individual e manter o stock a níveis mais reduzidos, quando comparado com as lojas físicas. No CE B2C, o consumidor tem acesso a informações sobre produtos a partir de catálogos 1

15 electrónicos e tipicamente realiza as suas compras por meio de sistemas de pagamentos seguros. Usando a infra-estrutura de comunicação da Internet, os consumidores podem interagir directamente com diversos vendedores em todo o mundo, negociar preços e serviços de suporte, comparar ofertas, além de obter informações sobre produtos e vendedores com outros consumidores. Podem, ainda, ter acesso a produtos personalizados que melhor atendam às suas necessidades. A Dell Computer 1 é um exemplo de como o comércio na Internet pode ser usado para aproximar a procura das ofertas. A Amazon Books 2, utiliza essa mesma tecnologia para promover comunidades de consumidores baseadas em conhecimento sobre suas preferências e opiniões [Santos 2000]. Para Albertin [Albertin 2001], nas transacções B2C, os clientes aprendem sobre produtos por meio de publicação electrónica, compram produtos através de pagamento electrónico e outros sistemas de pagamentos seguros e têm informações sobre as mercadorias entregues através de redes [Assad 2004]. Neste trabalho, para além da definição e caracterização do CE B2C, é apresentado um modelo de características que as soluções de comércio electrónico B2C poderão/deverão ter. 1.1 Caracterização conjuntural No arranque do século XXI, a sociedade contemporânea caracteriza-se por mutações profundas sem precedentes a todos os níveis, fruto de uma evolução radical de valores, saberes e percepções do mundo, em que é particularmente assinalável a influência de um conjunto de efeitos e tendências associadas à aceleração do progresso científico e tecnológico no domínio da informação [Varajão 1997]. Os últimos anos têm sido decisivos para a formação desta conjuntura a nível mundial, sendo particularmente assinalável a influência de um conjunto diversificado de efeitos e

16 tendências associadas à aceleração do progresso científico e tecnológico no domínio da informação. De facto, num contexto global de dinamismo e mutabilidade crescentes, em rapidez e intensidade, a permanente revolução tecnológica, as novas redes de comunicação, o cenário de globalização, são apenas alguns dos condutores fundamentais que marcam a Era da Informação e do Conhecimento e provocam uma permanente revolução de valores, saberes e percepções em praticamente todas as áreas do conhecimento humano [Varajão 2005]. Na Era da Informação e do Conhecimento, como a própria designação indica, a informação é o recurso estruturador da nova sociedade emergente. O conhecimento assume-se como bem de valor instrumental. Tornando-se as pessoas, a informação e o conhecimento os principais activos que diferenciam as organizações, o sucesso é, cada vez mais, resultado da capacidade de gestão do mesmo [Amaral 1994; Gonçalves 2005]. Num mundo complexo constituído por múltiplas e diversificadas organizações, clara manifestação de uma elevada especialização e crescente interdependência, as tecnologias abrem novos caminhos, alargam horizontes, criam novas oportunidades e ameaças e revolucionam e reescrevem os modos tradicionais de criar e conduzir os negócios [Varajão 2002]. O aparecimento das tecnologias de informação e comunicação (TIC) e da Internet como condutores da actividade económica acelerou a inovação tecnológica, aumentou a procura de trabalhadores do conhecimento (knowledge workers), despoletou mais capital de risco para a formação de novos negócios neste sector e acelerou a inovação tecnológica [Amor 2000]. Como consequência, uma taxa crescente de activos das empresas está embebido em várias formas de conhecimento. Esta ordem de mudanças micro e macroeconómicas, tornou-se um factor preponderante do desempenho económico, levando muitos investigadores a criar termos como nova economia, economia da informação, economia do conhecimento e economia de rede, entre outros [UNCTAD 2003]. 3

17 Na esmagadora maioria dos casos, a Internet veio possibilitar que as partes envolvidas nos processos comerciais passassem a poder encontrar-se e negociar de forma mais eficiente, criando novos mercados e oportunidades para a reorganização dos processos económicos. A Internet mudou também a forma como os produtos e serviços passaram a ser encomendados, distribuídos e transaccionados, e como as empresas e consumidores passaram a procurar e adquirir os seus produtos [ANACOM 2004]. Com tais aplicações, a Internet tende a tornar-se, em particular, um expressivo catalisador tanto dos negócios electrónicos (e-business), quanto do CE (e-commerce) [Toledo et al. 2005]. Uma das primeiras organizações a usar o termo e-business foi a IBM em 1997, até então, o termo em voga era o CE. Esta troca de termos significou também uma mudança no paradigma: até esta altura, vender era a única experiência que as pessoas podiam ter na Web em termos de negócios. O negócio electrónico (NE), que a IBM define como uma proposta segura, flexível e integrada para distribuir valores de negócio diferenciados através da combinação de sistemas e processos que dirigem as operações centrais do negócio com a simplicidade e alcance tornados possíveis pela tecnologia da Internet, consiste em usar a conveniência, a disponibilidade e o alcance mundial da Internet para engrandecer negócios/empresas já existentes ou criar novos negócios virtuais [Laudon e Traver 2003]. O CE passa a ser um dos componentes do NE como o ing e o e- marketing, entre outros. Por vezes o CE é compreendido somente como venda através da Web ou como as actividades das empresas em que a sua presença está somente na Web. No entanto, pode ser definido como a partilha de informação de negócio, preservação de relações de negócio, e direcção das transacções de negócio através das redes de comunicação [Zwass 2003]. 1.2 Motivações, objectivos e contributos fundamentais Utilizada actualmente por milhões de pessoas e organizações em todo o mundo, a Internet coloca ao alcance de praticamente qualquer empresa, desde as empresas de maior 4

18 dimensão até às penas e médias empresas (PME) e micro-empresas, a entrada facilitada em novos mercados, a conquista de novos clientes, o estabelecimento de relações com novos fornecedores, a celebração de novas alianças e parcerias, a exploração de novos produtos e serviços, tudo isto sem os limites materiais, geográficos e temporais, que a forma convencional de conduzir os negócios impõe. É inclusivamente possível constatar que, a cada dia que passa, mais negócios são realizados através da Internet, variando as transacções realizadas desde a simples compra e venda dos mais variados produtos e serviços até a operações mais complexas como a emissão de ordens de bolsa [Varajão 2003; Gonçalves 2005]. O CE consiste na compra ou venda de bens e/ou serviços através de redes electrónicas de dados, como a Internet. Pode ser efectuado entre empresas, entre empresas e consumidores finais ou ainda entre o sector público e o sector privado. De notar que, embora a venda seja transaccionada electronicamente, a entrega do produto ou serviço poderá não o ser [Gonçalves 2005]. O CE está a provocar grandes mudanças na organização das empresas e na relação das empresas com os seus clientes, parceiros e fornecedores, inaugurando uma nova era no mundo dos negócios. Por trás da aparentemente simples mudança na forma de fazer negócios, há modificações na economia, na organização da indústria, na legislação, empregos, formas de consumo, de relacionamento e de criação de valor. O CE B2C refere-se ao processo de venda ou prestação de serviços entre a empresa ou loja virtual e o consumidor final [Gonçalves 2005]. Segundo Novaes [Novaes 2001], o comércio electrónico B2C é um tipo de transacção comercial onde o comprador, a partir de um computador pessoal, realiza as suas pesquisas e adquire um produto ou serviço através da Internet. Segundo Bertaglia [Bertaglia 2003], as soluções B2C são voltadas para os consumidores. Assim sendo, o seu foco deve ser mais direccionado à interface com o utilizador, atraindo compradores com publicidade em diferentes sites. Devem ter uma elevada capacidade de resposta às exigências do consumidor, incluindo tempo de entrega, disponibilidade e preço. 5

19 O CE B2C, foca os negócios on-line com os consumidores finais como público-alvo [Gonçalves 2005]. As características de um website ajudam os compradores a encontrar os produtos e a informação referente aos produtos, permitem encomendar produtos, pagar os produtos, receber produtos encomendados, ou garantem aos compradores segurança e protecção das transacções efectuadas no site. A facilidade para efectuar uma encomenda tem um impacto na capacidade dos compradores completarem as transacções num tempo reduzido, e a existência de vários métodos de encomenda, que permite aos compradores escolherem o método que é mais familiar e confortável, é extremamente importante [Weatheres e Makienko 2006]. Tendo em conta a importância dessas características, o presente trabalho tem por finalidade, para além da definição e caracterização do CE B2C, a análise de soluções B2C e a identificação de todo o conjunto de funcionalidades que as soluções B2C podem/devem suportar. A abordagem de investigação seguida, foi do tipo qualitativo e exploratório, uma vez que esta se afirmou adequada aos objectivos a que nos propusemos alcançar. A primeira fase do presente trabalho consistiu na definição da área de estudo e concepção do projecto de investigação. A escolha da área de estudo resultou da importância que o CE B2C pode ter para as empresas. Após a definição da área de estudo, procedeu-se a uma segunda fase, que englobou três objectivos principais: caracterização do estado da arte do CE B2C através da revisão de conceitos fundamentais para a compreensão do CE B2C; identificação e análise de soluções B2C a nível nacional e internacional; e o desenvolvimento de um enquadramento conceptual rigoroso. Na terceira fase, a fase crucial deste trabalho, realizou-se a identificação e caracterização de funcionalidades das soluções de CE B2C.. 6

20 O contributo principal deste trabalho consiste na apresentação de um modelo de funcionalidades que as soluções B2C poderão/deverão suportar, possibilitando assim uma melhor avaliação, selecção e concepção de soluções de CE B2C por parte das empresas. 1.3 Organização da dissertação Esta secção apresenta sucintamente a organização e o conteúdo do presente trabalho. Os capítulos estão organizados de modo a permitir uma compreensão progressiva, seguindo um fio condutor desde um conjunto de reflexões iniciais até uma série de expectativas futuras e considerações finais. De notar que, não obstante esta exposição progressiva, os capítulos são relativamente independentes entre si, podendo ser consultados sem afectar significativamente os seus objectivos de apresentação. Reflectindo sobre esta organização, é possível identificar dois grandes momentos. Num primeiro momento, constituído pelos segundo e terceiro capítulos, são revistos e sistematizados os fundamentos teóricos do CE B2C de forma a permitir a sua compreensão, tendo em conta a realidade complexa das organizações no contexto da sociedade de informação e do conhecimento em que estão inseridas. Após um enquadramento conceptual do CE B2C, um segundo momento, constituído pelo capítulo quarto e quinto, marca o ponto central da dissertação, apresentando a análise de soluções B2C e o modelo de funcionalidades. O primeiro capítulo, introdutório, começa por procurar caracterizar globalmente a realidade da sociedade em que vivemos, salientando a importância do CE B2C no seu desenvolvimento e alertando para a necessidade de uma melhor compreensão das soluções B2C. Os objectivos que nos propusemos atingir, a abordagem seguida e a organização da dissertação, aqui a ser apresentada, encerram este capítulo inicial. Os dois capítulos que se seguem, estabelecem os marcos conceptuais que consubstanciam todo o estudo e terminam o que se poderá considerar o primeiro grande momento da dissertação (de fundamentação). No segundo capítulo, são revistos alguns conceitos fundamentais de modo a propiciar uma base sólida para o estudo e prática do CE B2C e a 7

21 facilitar o entendimento do trabalho apresentado nos capítulos seguintes. A caracterização do CE B2C e a sua importância são desenvolvidos no decorrer do terceiro capítulo. O segundo grande momento (de contribuições), é iniciado pelo quarto capítulo, tendo em conta as soluções B2C. A identificação, avaliação e caracterização de algumas soluções B2C são o objectivo deste capítulo. No quinto capítulo, é apresentado um modelo de funcionalidades das soluções B2C. Para uma melhor compreensão e consulta das funcionalidades, estas foram agrupadas em diferentes categorias que englobam as funcionalidades fundamentais destas soluções. O sexto capítulo fornece uma generalização de tudo o que foi desenvolvido nos capítulos precedentes, através da discussão dos resultados obtidos e dos principais contributos do modelo de funcionalidades das soluções de CE B2C, terminando com algumas reflexões acerca da continuidade desejada do estudo desenvolvido. 8

22 2 Enquadramento conceptual Este é um capítulo eminentemente conceptual, através do qual se procura estabelecer uma terminologia rigorosa e expor, de modo sintético e estruturado, um conjunto consistente de conceitos que se julga serem absolutamente essenciais para a compreensão do CE B2C em toda a sua abrangência, fixando-se assim os princípios globais que alicerçam e facilitam o entendimento do trabalho desenvolvido nos capítulos seguintes. Aqui são revistos e realçados os aspectos mais importantes relacionados com o CE B2C como por exemplo, o papel da Internet enquanto meio da evolução do NE e também do CE e consequentemente, do B2C nas organizações. 2.1 Internet A Internet é um fenómeno ainda muito recente, o que é particularmente evidente no mundo dos negócios. Devido à sua velocidade de crescimento e por trazer novas formas de comunicação, a Internet muda a forma de conceber e de realizar os negócios e as actividades nas organizações, permitindo, além de interacções entre pessoas e empresas, o delineamento de novos modelos de negócios [Afuah e Tucci 2001; Luciano 2002]. Pessoas que trabalham em diferentes áreas utilizam a Internet para trocar informação ou efectuar transacções de negócio por todo o mundo. A Internet está presente no dia-a-dia das pessoas, modifica as formas de negócio das empresas, cria novos serviços e novos empregos, e modifica também a forma como as pessoas trabalham [Niederman 2005]. Esta tem vindo a transformar definitivamente a forma de conduzir os negócios nas mais diversas áreas de actividade e aos mais diferentes níveis, afirmando-se actualmente como um importante canal de comunicação e comercialização de bens e serviços. Utilizada actualmente por milhões de pessoas e organizações em todo o mundo, como veremos nas próximas secções, a Internet coloca ao alcance de praticamente qualquer empresa, desde as empresas de maior dimensão até às PME e micro-empresas, a entrada facilitada em novos mercados, a conquista de novos clientes, o estabelecimento de relações com novos 9

23 fornecedores, a celebração de novas alianças e parcerias, a exploração de novos produtos e serviços, tudo isto sem os limites materiais, geográficos e temporais, que a forma convencional de conduzir os negócios impõe [Varajão 2003]. Na esmagadora maioria dos casos, a Internet veio possibilitar que as partes envolvidas nos processos comerciais passassem a poder encontrar-se e negociar de forma mais eficiente, criando novos mercados e oportunidades para a reorganização dos processos económicos. A Internet mudou também a forma como os produtos e serviços passaram a ser encomendados, distribuídos e transaccionados, e como as empresas e consumidores passaram a procurar e adquirir os seus produtos [ANACOM 2004]. A tecnologia de Internet trouxe uma grande variedade de oportunidades, as quais estão a ser utilizadas internamente pelas empresas para a troca de informações e, externamente, para comunicarem com outras empresas, criando uma plataforma universal para a compra de bens e serviços, ou para dirigir importantes processos de negócios. Com tais aplicações, a Internet tende a tornar-se, em particular, um expressivo catalisador tanto do NE quanto do CE [Toledo et al. 2005]. 2.2 O negócio electrónico O NE, consiste na utilização de meios electrónicos (predominantemente Internet), para rever o modelo de negócio, rearquitectar, reconceber e reposicionar a empresa, de modo a obter vantagens competitivas [Shankar et al. 2002; Gonçalves 2005]. Dependendo do negócio e tipo de empresa, as soluções adequadas poderão variar desde a criação de um site na Internet meramente informativo, até à implementação de sistemas que suportem de forma integrada todas as áreas funcionais da empresa, com ligações electrónicas com a sua envolvente próxima. Uma das principais características do NE é a capacidade de conectar pessoas, grupos e organizações mundialmente [Chen 2001]. Oferece vantagens importantes, porque em primeiro lugar, representa uma forma mais eficiente de controlar o fluxo da informação, o que reduz os custos elevados de comunicação, obtenção da informação ou realização de 10

24 transacções. Em segundo lugar, suporta uma maior colaboração de valor acrescentado/agregado, entre as unidades de uma empresa, e entre uma empresa e os seus parceiros de negócio. A integração da cadeia de valor e o valor completo do sistema implica que cada fase da cadeia de valor pode ter novas oportunidades de criar novos produtos ou serviços [Zhang e Gai 2005]. Não consiste somente na compra e venda de produtos e serviços, mas também na prestação de serviços aos clientes, na colaboração com os parceiros de negócio e na condução das transacções de forma electrónica dentro das organizações [Sargent 2005]. Tem como foco a minimização dos custos de cada transacção, maximizar o potencial das oportunidades de negócio e a gestão do risco [Goldzmidt et al. 2001]. De um modo geral, o NE amplia o poder das empresas, ao permitir que estas dêem a conhecer, ao mesmo tempo e em todo o lado, o que têm para vender e, simultaneamente, procurem em todo o mundo o que necessitam de comprar para desenvolver as suas actividades [Gonçalves 2005]. O ambiente dos negócios electrónicos é caracterizado de forma notável por: a) a natureza impessoal do ambiente on-line; b) o uso extensivo das tecnologias de comunicação opondo-se às transacções cara-a-cara; c) a incerteza implícita de usar uma tecnologia de infra-estrutura aberta para as transacções; e d) a renovação do meio de transacção. Deste modo torna-se importante a confiança inter-organizacional para garantir a fidedignidade dos parceiros de negócio [Pavlou 2002]. Os principais factores de sucesso incluem [Mougayar 1998; Raisch 2001; Turban et al. 2002; Phan 2003]: A tecnologia da Internet completamente integrada na estratégia da empresa; Vantagem competitiva mantida na eficiência operacional e na posição estratégica distinta/diferenciada; A base da competição não desviada da vantagem competitiva tradicional, como os custos, lucros, qualidade, serviço e características; 11

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Caracterização de soluções de comércio electrónico B2B

Caracterização de soluções de comércio electrónico B2B UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Caracterização de soluções de comércio electrónico B2B DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM INFORMÁTICA MARLENE IDALINA MADUREIRA PINTO Vila Real, 2007 Universidade de

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI 2ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI Patrocinador Principal Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

Alexandre Pontes Nº 27340 Wilson Roque Nº 27636

Alexandre Pontes Nº 27340 Wilson Roque Nº 27636 Alexandre Pontes Nº 27340 Wilson Roque Nº 27636 As últimas décadas permitiram ligar o mundo e dinamizar os mercados, intensificando a competitividade existente. A Internet tornou o mundo mais pequeno e

Leia mais

Capítulo. Sistemas de comércio electrónico

Capítulo. Sistemas de comércio electrónico Capítulo 9 Sistemas de comércio electrónico 1 2 Objectivos de aprendizagem Identificar as principais categorias e tendências das aplicações de comércio electrónico (e-commerce). Identificar os processos

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Marketing. Objectivos. Alterações ocorridas no mercado. O Marketing na Nova Economia

Marketing. Objectivos. Alterações ocorridas no mercado. O Marketing na Nova Economia Marketing O Marketing na Nova Economia Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Explorar a forma como a internet mudou a a utilização de bases de dados de clientes. Compreender como os marketers exercem a

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

Trabalho realizado no âmbito da cadeira. Gestão Estratégica de Sistemas de Informação. Mestrado em Engenharia Informática

Trabalho realizado no âmbito da cadeira. Gestão Estratégica de Sistemas de Informação. Mestrado em Engenharia Informática COMÉRCIO ELECTRÓNICO Trabalho realizado no âmbito da cadeira Gestão Estratégica de Sistemas de Informação. Mestrado em Engenharia Informática Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra

Leia mais

Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet

Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet Luis Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt Abril de 2001 Modelos de negócio e internet valor oferecido aos consumidores segmentação dos consumidores

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Aula 13 Sumário A Internet: Modelos de Negócio, Publicidade e Meios

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

Agenda: Tecnologias de Informação. 6 - Comércio Electrónico. ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão/ FMH - Instituto de Motricidade Humana

Agenda: Tecnologias de Informação. 6 - Comércio Electrónico. ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão/ FMH - Instituto de Motricidade Humana ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão/ FMH - Instituto de Motricidade Humana Tecnologias de Informação 6 - Comércio Electrónico CE VI - 1 Agenda: Uma Perspectiva do CE Definições e Âmbito Modelos

Leia mais

EMPRESAS VIRTUAIS. Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes. PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com. Pág.

EMPRESAS VIRTUAIS. Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes. PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com. Pág. EMPRESAS VIRTUAIS Autor: Pedro Miguel da Silva Fernandes Pág. 1 (de 5) PDF processed with CutePDF evaluation edition www.cutepdf.com EMPRESAS VIRTUAIS Actualmente, vivemos numa época de grandes mudanças

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL 21º Congresso Quantificar o Futuro Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL Programa Data Hora Actividade 23/Nov. 11:30 Inauguração Oficial Innovation Lounge Visita efectuada ao Venture Lounge por Sua

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Informática. Aula 9. A Internet e seu Uso nas Organizações

Informática. Aula 9. A Internet e seu Uso nas Organizações Informática Aula 9 A Internet e seu Uso nas Organizações Curso de Comunicação Empresarial 2º Ano O Que é a Internet? A Internet permite a comunicação entre milhões de computadores ligados através do mundo

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Marketing de Serviços

Marketing de Serviços Marketing de Serviços Distribuição de Serviços 1 Objectivos Discutir as formas de distribuição de serviços e os seus desafios Avaliar as implicações da distribuição de serviços através de canais físicos

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados 1 Secção I ƒ Sistemas empresariais cruzados Aplicações empresariais cruzadas 2 ƒ Combinações integradas de subsistemas de informação, que partilham recursos informativos e apoiam processos de negócio de

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 11 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais Um Caminho para a Internacionalização

Leia mais

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento A Internet,os computadores, os telefones móveis, a TV digital estão a transformar profundamente a maneira como as pessoas vivem - como aprendem, trabalham, ocupam os tempos livres e interagem, tanto nas

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento 1 Gestão do conhecimento Inteligência empresarial Aproveitar o saber-fazer organizacional Apoio ao desempenho Interacção com as bases de dados operacionais Construção de redes periciais Criação, partilha

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho Prefácio A Arquitectura dos Sistemas de Informação, enquanto assunto central da área disciplinar das Tecnologias e Sistemas de Informação é, na minha opinião, um dos seus temas mais importantes e, simultaneamente,

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos

Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos OECD OCDE Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO RELATIVA ÀS LINHAS DIRECTRIZES QUE REGEM A PROTECÇÃO DOS CONSUMIDORES NO CONTEXTO DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO As

Leia mais

The Director s Report: The State of ecommerce in Brazil. Por Lariza Carrera, Executive Director, etail Brazil

The Director s Report: The State of ecommerce in Brazil. Por Lariza Carrera, Executive Director, etail Brazil The Director s Report: The State of ecommerce in Brazil Por Lariza Carrera, Executive Director, etail Brazil etailbrazil.com 2014 O mercado está se ajustando a uma realidade multi-canal não excludente,

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Introdução A Chevron, e as demais subsidiárias do grupo, comprometem-se em proteger a sua privacidade. Esta política explica em detalhe as medidas tomadas para proteger os seus

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999

OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999 COMO GERIR A INFORMAÇÃO OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999 RESUMO:"O mundo dos negócios vai mudar mais nos próximos 10 anos do que nos últimos 50 anos. O êxito

Leia mais

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business Artigo original redigido por: Dien D. Phan Extraído do Information & Management, Vol.40, 2003 (pág.581-590) Introdução * E-business O seu

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Comércio Electrónico :: Aumentar as vendas online

Comércio Electrónico :: Aumentar as vendas online Comércio Electrónico :: Aumentar as vendas online e-commerce. now plug & play. Alfragide, 16 de Maio de 2007 Agenda 9h30-9h45: Boas vindas 9h45-10h15 Marketplaces 10h15-10h30 Anúncios online Google Adwords

Leia mais

Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online

Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online Além da poupança na infra-estrutura física dos servidores e do preço das licenças, há reduções de custos

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS Capítulo 4 A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 4.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? O que é comércio eletrônico?

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais Marketing Internacional 1 Objectivos do Capítulo Compreender a Política do Produto e a sua implementação a nível internacional; Descortinar as razões que levam as empresas a escolher entre a estandardização

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Segurança dos Sistemas de Informação Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade da Beira Interior para obtenção do grau de Mestre em Gestão Isabel Maria Lopes Covilhã,

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões:

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões: CONGRESSO DAS COMUNICAÇÕES 08 - TIC E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - 11 NOVEMBRO 09H00 10H30 ABERTURA OFICIAL DO CONGRESSO ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E O FUTURO Segundo o Relatório Stern, caso nada seja feito, os

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 7 Desafios para a Administração Comercio eletrônico e negócios eletrônicos

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Integração Empresarial Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Luís Costa - 8050120 Abril, 2012 1. Introdução Este documento apresenta detalhadamente o processo de negócio de uma

Leia mais

Your Partner for a Safe IT Operation

Your Partner for a Safe IT Operation Your Partner for a Safe IT Operation is Integrated Systems AG Öschlestrasse 77 78315 Radolfzell Germany Tel. +(49) (0) 7732/9978 0 Fax +(49) (0) 7732/9978 20 info@integratedsystems.de www.integratedsystems.de

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

PHC Mensagens SMS CS

PHC Mensagens SMS CS PHC Mensagens SMS CS O potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC O envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo. Uma comunicação com sucesso: ganhos de tempo e de dinheiro

Leia mais

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 *

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * Antonio Wilson Nogueira Filgueiras UEMG Unidade Carangola Henrique Santos Pinheiro UEMG Unidade Carangola Márcio Ferreira dos Passos UEMG Unidade Carangola Rogério de Oliveira

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais