PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO MCT MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA 2001

2 Março exemplares editor: Observatório das Ciências e das Tecnologias autor: Ministério da Ciência e da Tecnologia depósito legal: /02 ISBN:

3 A política de desenvolvimento da sociedade da informação em Portugal iniciada em 1995 marca claramente o desenvolvimento do país. A sociedade da informação é consagrada como prioridade nacional, de importância estratégica, tendo-se apostado decisivamente na generalização do acesso de todos os portugueses aos modernos meios de informação e de transmissão do conhecimento: da Internet na Escola à liberalização do mercado de telecomunicações, passando pelo benefício fiscal para aquisição de computadores pelas famílias, pelo desenvolvimento de serviços públicos on-line, pela criação de condições de acessibilidade de todos, incluindo os cidadãos com necessidades especiais, pelo estímulo ao incremento do comércio electrónico o desenvolvimento da sociedade da informação teve, neste período como eixo condutor a massificação da utilização da Internet em Portugal,tendo-se adoptado um conjunto de medidas, metas e objectivos, já concretizados ou a concretizar até 2006, inscritos na Iniciativa Internet. Estes objectivos nacionais articulam-se com os do Plano de Acção eeurope 2002, na elaboração do qual a presidência portuguesa da União Europeia teve um papel determinante. O balanço aqui apresentado revela os enormes progressos registados nos vários sectores de intervenção e aponta o caminho que é necessário prosseguir para tornar Portugal um país em rede, mais moderno, mais inclusivo e mais desenvolvido. José Mariano Gago Ministro da Ciência e da Tecnologia

4

5 págs índice A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO UMA APOSTA PORTUGUESA E EUROPEIA UM NOVO ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL A UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO À INTERNET MENOS INFO-EXCLUSÃO, MELHOR DEMOCRACIA A APOSTA NAS FAMÍLIAS O BENEFÍCIO FISCAL PARA A AQUISIÇÃO DE MATERIAL INFORMÁTICO A APOSTA NAS ESCOLAS O PROGRAMA INTERNET NA ESCOLA O PAPEL DA RCTS O MECENATO PARA A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO A APOSTA NOS ESPAÇOS PÚBLICOS ESPAÇOS INTERNET PROJECTO NETPOST CIDADÃOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS REGISTO DE NOMES DE DOMÍNIOS.PT AQUISIÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS A UNIVERSALIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO DIPLOMA DE COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO FORMAÇÃO EM TIC PARA FINS PROFISSIONAIS ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FORMAÇÃO SUPERIOR E FORMAÇÃO AVANÇADA A LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO DE TELECOMUNICAÇÕES MELHORAR AS CONDIÇÕES ESTRUTURAIS DE ACESSO OFERTA DESAGREGADA DO LACETE LOCAL TARIFAS PLANAS SERVIÇO DE TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE PORTABILIDADE DO NÚMERO ATRIBUIÇÃO DE LICENÇAS PARA OPERADORES UMTS ABAIXAMENTO DOS CUSTOS ECONOMIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO OS NOVOS PADRÕES DO CONSUMO E A INTERNET A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO A PROMOÇÃO DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO AS EMPRESAS,AS TIC E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO A INTERNET E AS NOVAS FORMAS DE PAGAMENTO

6 págs A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO AS TIC E A MODERNIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A PENETRAÇÃO DAS TIC NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A INTERNET E OS SERVIÇOS PÚBLICOS OFERTA E PROCURA DE EMPREGO A INTERNET,A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A INFORMAÇÃO A INFORMAÇÃO RELATIVA AOS CIDADÃOS E ÀS EMPRESAS A INFORMAÇÃO DETIDA PELO SECTOR PÚBLICO A PARTICIPAÇÃO CÍVICA NOS SÍTIOS DOS ORGANISMOS PÚBLICOS A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DIMENSÃO ECOLÓGICA DAS TIC CONTEÚDOS PORTUGUESES NA INTERNET ESTIMULAR A MULTIPLICAÇÃO DE CONTEÚDOS OS CONTEÚDOS EDUCATIVOS,CIENTÍFICOS E CULTURAIS UMA APOSTA CENTRAL OS CONTEÚDOS EDUCATIVOS OS CONTEÚDOS CIENTÍFICOS OS CONTEÚDOS CULTURAIS O CONTRIBUTO DOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL A ESCRITA DE PÁGINAS DA INTERNET POR JOVENS OS CONTEÚDOS, AVALIAÇÃO E BOAS PRÁTICAS NOS SÍTIOS PÚBLICOS 59 ANEXO ESTATÍSTICO

7 A SOCIEDADE DA INFOR MAÇÃO EM D E S E N VO LV I M E N TO UMA APOSTA PORTUGUESA E EUROPEIA Em 1999, o Programa do XIV Governo Constitucional reforçou o carácter prioritário da Sociedade da Informação (SI) e converteu-a na mais importante aposta transversal e o ri e n t a d o ra da acção gove rnativa [h t t p : / / w w w. p c m. gov. p t / p ro g gov / P ro g G ove r n o X I V. p d f]. No mesmo ano, o Quadro Comunitário de Apoio III (QCA III) [http://www.qca.pt] atribuiria à SI um lugar central no modelo de desenvolvimento sustentável prosseguido por Po rt u g a l. Uma centralidade revelada na importância ímpar da SI nos progra m a s operacionais sectoriais e regionais aprovados no âmbito do QCA III e consagrada na aprovação de um programa específico POSI (Programa Operacional para a Sociedade da Informação) [http://www.posi.mct.pt]. Este programa define como eixos prioritários de intervenção a formação e certificação de competências, o desenvolvimento da investigação científica e tecnológica para a Sociedade da Informação (Eixo 1 Desenvolver competências), a promoção de acessibilidades, a multiplicação de conteúdos, a promoção do funcionamento em rede à escala regional ou nacional (Eixo 2 Portugal Digital) e a modernização da Administração Pública (Eixo 3 Estado Aberto)..1 PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO 2001

8 Em 2000,a Presidência Portuguesa da União Europeia ficaria indelevelmente marcada pela adopção do Plano de Acção eeurope 2002 Uma Sociedade da Informação para todos [http://www.si.mct.pt]. Pela primeira vez, os diversos Estados-Membros da Europa Comunitária comprometiam-se a trabalhar em conjunto no sentido de atingirem determinadas metas de forma a colocar a União numa posição de liderança a nível mundial. Pouco depois, e ra aprovada em Po rtugal a Iniciativa Internet [http://www.si.mct.pt], um programa de acção abrangente que visa massificar a utilização da Internet nas escolas,nas famílias, nas empresas e na Administração Pública. O documento aponta para a adopção de um conjunto vasto de medidas e acções concretas no que se refere sobretudo às condições estruturais de acesso e utilização das TIC e à generalização do incremento dos serviços e conteúdos disponibilizados. Para cada uma das áreas de acção são definidas metas e objectivos concretos. Metas da Iniciativa Internet: a) Atingir em 2003 taxas médias de penetração da Internet na população de 50%. b) Pelo menos metade das casas portuguesas com computadores ligados à Internet em 2003 através de: 1) acessos em banda larga e tarifas únicas ("flat rate") disponíveis por três meios concorrenciais: cable-modem (tv por cabo), adsl,internet móvel (umts); 2) acessos a baixa velocidade gratuitos ou a preço simbólico (acesso de cidadania). c) Postos públicos de acesso à Internet em todas as freguesias,em d) Todas as escolas com ligação à Internet no final de e) Todos os professores com acesso a computadores individuais em casa em f) Todos os estudantes do ensino secundário e superior com acesso a computadores individuais em g) Multiplicar pelo menos por 10 vezes ao ano os conteúdos portugueses na Internet nos próximos três anos. h) Multiplicar por 100 o volume do comércio electrónico das empresas portuguesas nos próximos 3 anos. i) Todos os formulários oficiais na Internet em Possibilidade de submissão electrónica generalizada em Todos os serviços públicos estarão on-line na Internet até j) Competências básicas de uso das tecnologias de informação:dois milhões em PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

9 UM NOVO ENQUA D R A M E N TO INSTITUCIONAL No mesmo ano em que foi adoptado o Plano de Acção eeurope 2002 e aprovada a Iniciativa Internet, foi criada a Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação (CISI), [http://www.si.mct.pt]. A CISI, que integra núcleos representantes de todos os ministérios que se reúnem periodicamente, assegura a articulação e o acompanhamento das acções do Governo em matéria de Sociedade da Informação. No âmbito da sua actividade, realizaram-se várias acções, de que se destacam: - o acompanhamento regular do estado de implementação da Iniciativa Internet e do Plano de Acção eeurope 2002; - a articulação entre o Programa Operacional Sociedade da Informação e outros programas, designadamente o Programa Operacional Economia; - a identificação de boas práticas no uso das tecnologias da informação na prestação de serviços públicos pela Administração; - o lançamento do processo de avaliação dos sítios dos organismos da Administração Directa e Indirecta do Estado, cujos resultados foram divulgados no final de Fevereiro de 2002; - a representação no grupo técnico para o acompanhamento das obrigações assumidas pelos operadores UMTS para o desenvolvimento da Sociedade da Informação e do Conhecimento. Ainda neste âmbito, está em funcionamento no Observatório das Ciências e das Tecnologias (OCT) [http://www.oct.mct.pt] uma unidade de produção de indicadores estatísticos e de acompanhamento dos desenvolvimentos da Sociedade da Informação em Portugal. Em colaboração com o Instituto Nacional de Estatística e outras entidades produtoras de informação, têm vindo a ser realizados inquéritos sectoriais à utilização das tecnologias da informação e da comunicação nos diferentes sectores da sociedade portuguesa (empresas, administração pública, famílias e escolas). Nesta unidade foram também elaborados relatórios de acompanhamento e de avaliação do impacto das medidas e acções do eeurope 2002 e da Iniciativa Internet e tem sido assegurada a representação nacional nos grupos de trabalho e de peritos para os vários exercícios de aferição (benchmarking) em curso junto da Comissão Europeia e do Conselho Europeu..3 PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO 2001

10 A UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO À INTERNET MENOS INFO-EXCLUSÃO, MELHOR DEMOCRACIA Os princípios que regem a acção pública no domínio da Sociedade da Informação têm como denominador comum o combate à info-exclusão, condição fundamental para que todos beneficiem das novas formas de comunicação e informação. A concretização destes princípios traduz-se na melhoria da infra-estrutura de suporte, na minimização dos diversos obstáculos de natureza económica e também na disseminação de postos de utilização que se pretendem cada vez mais próximos dos cidadãos. As famílias, as escolas e os espaços públicos são naturalmente os alvos preferenciais na estratégia de universalização. Por outro lado, os cidadãos com necessidades especiais são alvos de medidas específicas que visam tirar partido das TIC na melhoria das condições de integração social e profissional. Começam já a verificar-se profundas alterações no que diz respeito às taxas de utilização da Internet ou à penetração do computador nos mais variados meios.os dados do último inquérito à utilização das tecnologias da informação e comunicação pela população portuguesa revelam o crescimento de todos os indicadores em todas as classes etárias e níveis de escolaridade. PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

11 Entre 2000 e 2001, a taxa de crescimento de utilizadores de computador cifrou-se em 26%; em 2001, um em cada dois portugueses era utilizador de computador. Também em relação à utilização da Internet ocorreram transformações paralelas: entre 2000 e 2001 registou-se uma forte taxa de crescimento na ordem dos 30%. Assim, em 2001, cerca de um quarto da população portuguesa era utilizadora da Internet. Gráfico 1 Utilizadores de Computador e da Internet % Internet Computador A utilização de computadores e de Internet é mais frequente nos escalões etários mais jovens e nas populações com maior nível de habilitações. Todavia,os dados dos inquéritos revelam que é muito significativo o número de indivíduos com mais de 50 anos que são utilizadores de Internet,como é também significativo o número de pessoas com o ensino básico que são utilizadores de computadores e de Internet.Aliás, entre 2000 e 2001,é na população menos escolarizada e com mais idade que é maior a taxa de crescimento do uso destas tecnologias. Estes dados apontam no sentido de se estarem a ultrapassar eventuais bloqueios à info-integração..5 PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO 2001

12 Quadro 1 Utilizadores de Computador e da Internet por nível de escolaridade (%) Computador Internet Nível de escolaridadade º Ciclo do ensino básico 2.º Ciclo do ensino básico 3.º Ciclo e ensino secundário Curso médio/superior Total da População Fonte:Observatório das Ciências e das Tecnologias,Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação pela População Portuguesa,2001 Quadro 2 Utilizadores de Computador e da Internet por escalão etário (%) Computador Internet Idades anos anos anos anos anos >50 anos Total da População Fonte:Observatório das Ciências e das Tecnologias,Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação pela População Portuguesa,2001 PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

13 A APOSTA NAS FAMÍLIAS O BENEFÍCIO FISCAL PARA A AQUISIÇÃO DE MATERIAL INFORMÁTICO Em 1998, foi introduzido um sistema de incentivos para a generalização do uso de computadores através do estabelecimento de um benefício fiscal para a aquisição de material informático. Nos anos fiscais de 1998 e 1999, beneficiaram deste regime cerca de famílias em cada ano. Em 2000, subiu para o número de famílias que beneficiaram do incentivo fiscal. Este regime foi reforçado em 2002.O Orçamento de Estado prevê um benefício fiscal de 25%, tendo o montante máximo da dedução aumentado de 174,58 euros para 179,38 euros. O n ú m e ro de computadores nos agregados familiare s p o rtugueses tem sofrido uma evo l u ç ã o positiva nos últimos anos. De 2000 para 2001, registou-se um fortíssimo crescimento, sendo que, em 2001, cerca de 40% dos agregados possuíam um computador (14% em 1997). Gráfico 2 Posse de Computadores e de Ligação à Internet nos Agregados Familiares % Internet Computador PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO 2001

14 Junto das famílias a evolução registada na ligação à Internet foi também significativa. Em 2001,a taxa de crescimento registada mais do que duplicou (125%).Em 2000, apenas 8% dos agregados familiares possuíam ligação à internet, enquanto que em 2001 esse valor subia para próximo dos 20%. A respeito ainda das famílias,os operadores e empresas de computadores preparam,neste momento, e após conversações com o Governo, ofertas no sentido de estimular a associação entre a aquisição de computadores pelas famílias e o uso efectivo da Internet, através da oferta de "helpdesk",assistência técnica, actualização de software automática e serviços on-line. A APOSTA NAS ESCOLAS O PROGRAMA INTERNET NA ESCOLA Na sequência do compromisso assumido de levar a Internet a todas as escolas,tem vindo a ser desenvolvido o Programa Internet na Escola, concretizado pela uarte (Unidade de Apoio à Rede Telemática Educativa) e pela FCCN (Fundação para a Computação Científica Nacional), e envolvendo um conjunto de actores, designadamente os governos regionais, municípios e associações. Desde 1997, estão ligadas à Internet através da RCTS Rede Ciência, Tecnologia e Sociedade praticamente todas as escolas do 5º ao 12º ano e, desde Dezembro de 2001, todas as escolas do ensino básico e secundário, à excepção das escolas particulares e cooperativas com o 1.º ciclo do Ensino Básico. De referir, porém, que estas escolas beneficiarão também da ligação à Internet através da RCTS,na sequência de um protocolo assinado entre o Ministério da Ciência e da Tecnologia e a Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo em Fevereiro de Com a criação desta infra- -estrutura de informação de alcance verdadeiramente nacional, tem-se vindo a favorecer as populações das regiões menos desenvolvidas e os jovens de classes sociais mais desfavorecidas, criando-se condições para a redução das assimetrias regionais e sociais. Também no que respeita ao número de computadores existentes nas escolas se registou uma evolução assinalável.o número total de computadores nas escolas de todos os níveis de ensino (do Pré-Escolar ao Secundário) ultrapassa os ,sendo que cerca de 53% se encontram ligados à Internet.Entre 2000 e 2001,passou-se de 1 computador por cada 53 alunos para 1 computador por cada 26 alunos. O rácio apurado para o corrente ano aproxima decisivamente Portugal de países como a Alemanha (1 computador por 20 alunos) e a Itália (1 computador por 18 alunos). O projecto PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

15 Quadro 3 Escolas ligadas à Internet Escolas 1.º CEB Escolas 5.º-12.º ano Ano civil Por ano Total acumulado Por ano Total acumulado Fonte:Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN) [http://www.fccn.pt] de apetrechamento das escolas prevê que até 2006 se atinja um rácio de 1 computador por 10 alunos, para o que contribuirá o apetrechamento informático em larga escala dos estabelecimentos de ensino previsto no PRODEP III (Programa Operacional Educação) [http://www.prodep.min-edu.pt]. Até Dezembro de 2001, tinham sido aprovados, no quadro do PRODEP III,projectos que contemplavam a aquisição de computadores. A uarte [http:www.uarte.mct.pt] tem vindo a desenvolver vários programas de acção e de formação junto das escolas ligadas à Internet visando o estímulo à criação, desenvolvimento e melhoria da qualidade das páginas WWW nestas escolas, envolvendo os alunos. Destaque-se, pela sua dimensão e êxito, o trabalho apresentado por centenas de escolas no pavilhão português da exposição de Hannover [h t t p :// w w w. h a n ve n or m c t. p ], t / projecto cuja continuação e ampliação estão em curso. Serão multiplicadas as experiências de disponibilização de espaço na web a título gratuito para a criação de conteúdos portugueses na Internet com formação telemática à distância para a escrita em hipertexto. Com vista a reforçar o acompanhamento da utilização educativa da Internet pelos professores e alunos das escolas públicas do 1.º ciclo do Ensino Básico, foram assinados, em Fevereiro de 2002, protocolos entre o Ministério da Ciência e da Tecnologia e as Escolas Superiores de Educação de Beja, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Algarve, Guarda, Leiria, Lisboa, Portalegre, Porto, Santarém, Setúbal,Viana do Castelo e Viseu e as Universidades de Aveiro, Évora, Minho e Trás-os-Montes e Alto Douro..9 PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO 2001

16 O PAPEL DA RCTS É através da RCTS Rede Ciência Tecnologia e Sociedade que se tem vindo a concretizar a ligação das escolas à Internet, com a instalação de uma infra-estrutura digital de rede (RDIS). Para além das escolas, beneficiam também da RCTS bibliotecas, centros de formação de professores e entidades de natureza associativa,cultural,científica e educativa espalhadas por todo o território nacional. A Rede tem suportado o crescente desenvolvimento das comunicações entre as comunidades científica, tecnológica, social e cultural. Foi assim criada uma oportunidade para que os estudantes e professores de diversas escolas, bem como os utilizadores das bibliotecas municipais, possam hoje ter acesso à Internet. Para além do fornecimento de equipamento e do suporte logístico, foram também fornecidos sub-domínios na Internet,disponibilizando-se desta forma endereços de c o rr e i o electrónico e condições para a criação de redes internas nas escolas, bem como espaço para a publicação de páginas na World Wide Web a todas as instituições ligadas à rede. Actualmente, muitas são as instituições ligadas a uma velocidade de acesso que atinge, em vários casos, os 20 Mbps. Nas ligações internacionais, que tinham uma velocidade de 80 Mbps no final de 2000, entrou em funcionamento uma nova ligação de 622 Mbps em Janeiro de Quadro 4 Largura de Banda das Comunicações Internacionais (RCTS) ,5 Mbps 1 Mbps 10 Mbps 10 Mbps 34 Mbps 80 Mbps 622 Mbps Fonte:Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN) [http://www.fccn.pt] Entretanto, entrou em funcionamento a RCTS 2, uma nova rede de alta velocidade para fins científicos,no quadro do desenvolvimento e especialização da RCTS.Beneficiam desta rede as Universidades,laboratórios de Estado, Institutos Politécnicos e associações sem fins lucrativos (estas últimas por concurso), para além de outras instituições com elevados PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

17 requisitos de comunicações. Trata-se de uma rede informática que utiliza o protocolo IP para garantir uma plataforma de comunicação e colaboração entre as instituições do sistema de ensino, ciência, tecnologia e cultura. Constitui-se como uma infra-estrutura de experimentação para aplicações e serviços avançados de comunicações. É composta por dois nós principais,um em Lisboa e outro no Porto, aos quais se ligam todas as instituições. A Fundação para a Computação Científica Nacional entidade que tem a seu cargo o planeamento e gestão da RCTS integra um consórcio liderado pela empresa DANTE, que implementará o projecto GEANT [http://www.dante.net/geant/], financiado ao abrigo do 5.º Programa Quadro programa IST. O projecto tem como objectivo estender e desenvolver a actual rede de interligação das redes nacionais de investigação: a rede transeuropeia TEN 155, cuja capacidade será de pelo menos 10 Gbps em O MECENATO PARA A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Com a alteração do artigo 3.º do Estatuto do Mecenato, foi introduzido um artigo que consagra o mecenato para a Sociedade da Informação. Este artigo considera como custos ou perdas do exercício, até ao limite de 8/1000 do volume de vendas ou de serviços prestados, em valor correspondente a 130% para efeitos de IRC, os donativos de equipamento informático, programas de computadores, formação e consultoria na área da informática, designadamente a escolas, museus, bibliotecas, instituições de solidariedade social,assim como a autarquias e instituições científicas. No contexto desta iniciativa, a TMN cedeu 900 computadores usados a 200 escolas com software actualizado. A APOSTA NOS ESPAÇOS PÚBLICOS Lançado em 1998, o Programa Cidades Digitais integrou um conjunto articulado de projectos na área da Sociedade da Informação centrado, numa primeira fase, em apenas algumas cidades e hoje aberto a todas as cidades do país. Estes projectos têm como objectivos a melhoria da vida urbana, o combate à exclusão social,o combate à interioridade e a melhoria da competitividade de sectores económicos integrados na economia global..11 PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO 2001

18 Entretanto, foi publicado o edital que abre o concurso para financiamento de projectos integrados que visem os objectivos do eixo 2 do POSI "Portugal Digital" nas medidas 2.3 Das Cidades Digitais ao Portugal Digital e 2.4 Acções integradas de formação. Os projectos aprovados no âmbito do Programa Cidades e Regiões Digitais devem contribuir para: A prossecução dos objectivos da Iniciativa Internet e de outras iniciativas nacionais ou da União Europeia do mesmo âmbito; A melhoria da qualidade e eficácia do sistema de ensino, incluindo a ligação de escolas à Rede Ciência, Tecnologia e Sociedade (RCTS), a ligação e criação de redes entre universidades e institutos politécnicos,a ligação de centros de formação de professores; A criação de conteúdos didácticos suportados em programas educativo s mu l t i d i s c i p l i n a r e s, i n c l u i n d o, p r e fe r e n c i a l m e n t e, actividades de colaboração entre agentes do sistema de ensino; A disponibilização, em formato digital, de conteúdos de interesse público ou cultural; A modernização dos serviços da administração local, em especial pelo uso de meios electrónicos de relação entre os serviços municipais e os munícipes, substituindo os processos baseados em papel pelos totalmente automatizados; O aumento da acessibilidade à sociedade da informação de todos os estratos sociais, designadamente a criação de Espaços Internet com apoio de monitores; A utilização da telemedicina para a melhoria dos meios de diagnóstico e da cobertura geográfica dos serviços de saúde, desde que se integrem nos objectivos nacionais ou regionais da política de saúde; A modernização do tecido económico, c o n t ri buindo para o aumento de competitividade das empresas nacionais e criação de novos postos de trabalho com mais elevados níveis de qualificação; A integração dos cidadãos com necessidades especiais na sociedade da informação. Neste momento, encontram-se já aprovados projectos relativos ao reforço e extensão dos programas Aveiro Digital, Trás-os-Montes e Alto Douro Digital, Tavira Digital e Projecto Com as Minorias (área da Grande Lisboa e Setúbal), e estão em vias de aprovação os projectos Lezíria do Tejo, Gaia Digital,Évora Digital e Braga Digital. PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

19 AVEIRO CIDADE DIGITAL O Programa Aveiro-Cidade Digital impôs-se como iniciativa modelo das melhores práticas de desenvolvimento e introdução das TIC à escala de uma cidade e pela demonstração dos benefícios que elas podem proporcionar. Este programa constituiu-se como motor de um processo de desenvolvolvimento auto- -sustentado, por exigência da sociedade. Uma vez conseguido o efeito de demonstração, Aveiro Digital pode funcionar como pólo difusor das melhores práticas para outras regiões, numa perspectiva de alargamento progressivo da Sociedade da Informação em Portugal. Mais do que disponibilizar infra-estruturas e sistemas,a construção da Cidade Digital passa por uma transformação das rotinas dos cidadãos e das instituições que fazem a cidade. Neste contexto são objectivos gerais do Programa: - Promover o bem-estar dos cidadãos; - Encorajar a participação no exercício da cidadania e da democracia; - Incrementar e melhorar o acesso à informação e aos serviços; - Aumentar a eficácia da administração pública local e central; - Reforçar o crescimento sustentado; - Contribuir para a igualdade de oportunidades; - Promover o emprego, a justiça social e a aprendizagem ao longo da vida; - Favorecer a inclusão das pessoas com necessidades especiais e de grupos socialmente desfavorecidos; - Identificar as melhores práticas de introdução das TIC no desenvolvimento de cidades sustentadas; - Conseguir o efeito de difusão das melhores práticas para outras regiões. Tendo em conta estes objectivos, foram aprovados os seguintes projectos: 1 - Construir a Comunidade Digital 2 - Autarquia e Serviços de âmbito concelhio 3 - Escola e Comunidade Educativa 4 - Universidade e Comunidade Educativa 5 - Serviços de Saúde 6 - Solidariedade Social 7 - Tecido Produtivo 8 - Informação, Cultura e Lazer.13 PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO 2001

20 Este programa levou igualmente à criação da Intranet Aveiro Cidade Digital, que disponibiliza os seguintes serviços IP: - Servidor WWW (páginas institucionais e pessoais) - Serviços de Correio Electrónico (Acesso tradicional SMTP/POP/IMAP ou por WWW) - Serviços de armazenagem e transferência de Ficheiros - Serviços de difusão de vídeo de baixa largura de banda (webcast) - Servidor de Jogos em rede - Serviço de Video-telefonia e Directório de Uilizadores - Serviço de "chat" (irc) e "MS Comic Chat" - Serviço de fórum electrónico de discussão, com possível moderador - Acesso à Internet [http://www.aveiro-digital.pt] ESPAÇOS INTERNET De forma a estimular o uso extensivo das tecnologias da informação e da comunicação como instrumentos de desenvolvimento social, cultural e económico, foi aberto em Fevereiro de 2001 o concurso para criação de Espaços Internet de acesso público em todos os municípios do país. Os Espaços Internet, distribuídos por todo o país, correspondem à criação de uma das mais importantes redes de acessibilidade à Internet em Portugal,já que, na sua concepção, os Espaços Internet são instituições abertas que funcionam em horário alargado e contam com a presença de monitores especializados para apoio e formação básicos. O acesso à Internet é gratuito para o utilizador e os espaços são dotados de condições de acesso para cidadãos com necessidades especiais. Com esta iniciativa, pretende-se estender a todo o país a oferta de espaços públicos de socialização dos cidadãos com as tecnologias de informação, e em particular com a Internet,com o apoio de monitores, à semelhança do que acontece com a Montra Digital de Aveiro ou com o do Pavilhão do Conhecimento em Lisboa. Foram já aprovados cerca de 150 Espaços Internet. No Programa Operacional Sociedade da Informação e na Iniciativa Internet, está previsto, até 2003,a criação de postos públicos de acesso à Internet em todas as Freguesias do País (cerca de 4250). Tendo em vista o cumprimento deste objectivo, foi já assinado, em Fevereiro de 2002, um protocolo que estabelece uma parceria entre o Ministério da Ciência e da Tecnologia e a Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE).Na mesma data, foram ainda assinados os termos de concessão do financiamento do Projecto 2001 Associações, através do qual a Federação Portuguesa das Colectividades de Cultura e Recreio se propõe também criar 51 postos p ú blicos de acesso à Intern e t, e ainda do PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

21 Projecto Ponte Digital, da Associação CAIS Círculo de Apoio à Integração dos Sem Abrigo, através do qual serão criadas 5 Oficinas Internet. Neste momento, existem em Portugal cerca de 800 postos públicos de acesso à Internet, localizados designadamente nos Espaços Internet, bibliotecas públicas, estações dos correios e museus. Gráfico 3 Número de Postos Públicos de Acesso à Internet por habitantes nos países da UE em 2001 nº IRL FIN* S NL DK P I UK A D B F E EL L PROJECTO NETPOST Foram instalados,em 2000, 223 Quiosques Postais Internet Netpost. Este projecto permite a qualquer cidadão aceder, mediante a utilização do cartão Netpost, do cartão PMB ou do cartão Multibanco, a diversos serviços, como a navegação na Internet, a criação de uma caixa de correio electrónico, a utilização do quiosque Netpost como telefone e a impressão de documentos. No quadro de alargamento deste projecto, está prevista a instalação de mais 70 quiosques Netpost..15 PORTUGAL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO 2001

Aprova a Iniciativa Internet e adopta o respectivo plano de acção

Aprova a Iniciativa Internet e adopta o respectivo plano de acção Aprova a Iniciativa Internet e adopta o respectivo plano de acção O Governo tem vindo a desenvolver de forma consistente, desde 1995, uma política de desenvolvimento da sociedade da informação em Portugal

Leia mais

Resolução de Conselho de Ministros N.º 110/2000

Resolução de Conselho de Ministros N.º 110/2000 Resolução de Conselho de Ministros N.º 110/2000 Resolução do Conselho de Ministros relativa à Iniciativa Internet O Governo tem vindo a desenvolver de forma consistente, desde 1995, uma política de desenvolvimento

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação As políticas nacionais para a Sociedade do Conhecimento: literacia/competências digitais e inclusão social Graça Simões Agência para a Sociedade do Conhecimento UMIC Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

Anexo A: Linhas de Acção

Anexo A: Linhas de Acção Anexo A: Linhas de Acção Orientação estratégica 1: Mobilizar a sociedade e estimular redes de colaboração 1.1 Espaços públicos de acesso à Internet 1.1.1 Duplicar a rede de Espaços Internet para acesso

Leia mais

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Há um entendimento razoável das vantagens da prática do comércio electrónico no seio das PME

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação Aveiro, 10 Mar 2006 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento,

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

COMISSÃO. 1. Introdução

COMISSÃO. 1. Introdução COMISSÃO Convite à apresentação de candidaturas para a constituição de uma lista de peritos encarregados de avaliar as propostas recebidas no âmbito do programa eten, projectos de interesse comum no domínio

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos Plano Tecnológico da Educação Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos 23 de Jun de 2008 O Plano Tecnológico da Educação constitui-se como um poderoso meio

Leia mais

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação ANEXO AO CADERNO DE ENCARGOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO DOS WEB SITES DA ADMINISTRAÇÃO DIRECTA E INDIRECTA DO ESTADO Documento disponível em www.si.mct.pt

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1)

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1) 2002R0733 PT 11.12.2008 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Luís Madureira Pires Lisboa, 22 de março de 2013 Enquadramento > O Mecanismo Financeiro EEE (MF/EEE) Desde a assinatura do acordo do Espaço

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO SEMINÁRIO QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas Nuno Rodrigues Observatório da Sociedade

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Plano T ecnológico Tecnológico d a da E ducação Educação

Plano T ecnológico Tecnológico d a da E ducação Educação Plano Tecnológico da Educação 23 de Julho de 2007 ENQUADRAMENTO Estratégia de Lisboa ME Tornar a Europa a economia baseada no conhecimento mais dinâmica e competitiva do mundo Aumentar a qualidade e a

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1.1 PRINCÍPIOS GERAIS. BASE LEGISLATIVA DE REFERÊNCIA A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

Iniciativa Nacional para a Banda Larga

Iniciativa Nacional para a Banda Larga Iniciativa Nacional para a Banda Larga José Fernandes UMIC Aveiro, 27 de Fevereiro 2004 1 A Iniciativa Nacional para a Banda Larga Governo Electrónico Ensino em Linha Negócios Electrónicos Saúde em Linha

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 A Estratégia de Lisboa e o Plano Tecnológico Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 1. Estratégia de Lisboa Estratégia de Lisboa : uma resposta a novos desafios A Globalização e a emergência de novas potências

Leia mais

instituições de comprovada valia social, o qual visa concretizar, especificando, o compromisso a que está vinculada.

instituições de comprovada valia social, o qual visa concretizar, especificando, o compromisso a que está vinculada. DECISÃO relativa ao programa para a atribuição de subsídio à aquisição de equipamentos de recepção das emissões de TDT por parte de cidadãos com necessidades especiais, grupos populacionais mais desfavorecidos

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

MECENATO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X BENEFÍCIOS RELATIVOS AO MECENATO. Artigo 56.º-C Noção de donativo

MECENATO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X BENEFÍCIOS RELATIVOS AO MECENATO. Artigo 56.º-C Noção de donativo MECENATO (O artigo 87.º, n.º 3, alínea f), da Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro (Lei do Orçamento do Estado para 2007), revogou o Estatuto do Mecenato aprovado pelo Decreto-Lei n.º 74/99, de 16 de Março.

Leia mais

POSI. Programa Operacional. Sociedade da Informação 2000-2006. Quadro Comunitário de Apoio III. Aprovado pela Comissão em 28 de Julho de 2000

POSI. Programa Operacional. Sociedade da Informação 2000-2006. Quadro Comunitário de Apoio III. Aprovado pela Comissão em 28 de Julho de 2000 Quadro Comunitário de Apoio III POSI Programa Operacional Sociedade da Informação 2000-2006 Aprovado pela Comissão em 28 de Julho de 2000 União Europeia POSI - PROGRAMA OPERACIONAL SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Homologo. Homologo. Secretária de Estado da Igualdade /alter Lemos Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Norma de Procedimentos

Norma de Procedimentos FEADER A Europa investe nas zonas rurais Governo dos Açores Norma de Procedimentos Acção 3.2.1 Serviços Básicos para a Economia e Populações Rurais 2011 A CONSULTA DESTA NORMA NÃO DISPENSA A CONSULTA DA

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO Hospitais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação 3ª Reunião, Lisboa 20 de Abril de 2001 UMTS: Contributos dos Operadores para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação e do Conhecimento Documento

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Os serviços de apoio prestados pela APAV às vítimas são gratuitos e confidenciais.

APRESENTAÇÃO. Os serviços de apoio prestados pela APAV às vítimas são gratuitos e confidenciais. APRESENTAÇÃO A APAV - Associação Portuguesa de Apoio à Vítima é uma instituição particular de solidariedade social, sem fins lucrativos, e pessoa colectiva de utilidade pública reconhecida que tem como

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Incentivos às empresas Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Os Incentivos na estratégia do IAPMEI para as PME Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias de

Leia mais

Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal

Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal Intervenção do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, José Mariano Gago, no Conselho Nacional de Educação 13 de Fevereiro

Leia mais

Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos

Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos * Total de alunos mais do que triplica o de há 10 anos e atinge 91 mil; peso das escolas secundárias públicas passa de zero

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»?

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? No actual cenário económico-financeiro do Mundo e do País, é obrigação de todas as entidades públicas, à sua escala, promoverem medidas de apoio às empresas e às famílias

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

2010 Unidade: % Total 98,7 94,9 88,1

2010 Unidade: % Total 98,7 94,9 88,1 03 de Novembro 2010 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Hospitais 2010 96% dos Hospitais que utilizam a Internet dispõem de

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) L 113/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril de 2002 relativo à implementação do domínio de topo.eu

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR As modalidades de acção social escolar de que beneficiam os alunos da Região Autónoma dos Açores

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005 Micro Empresas Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2005 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Universo das empresas em Portugal com menos de 10 trabalhadores

Leia mais

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Tópicos da Intervenção do Senhor Ministro da Economia e da Inovação 24 de Novembro de 2005 Plano Tecnológico - Inovação e Crescimento

Leia mais

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal IP/08/1397 Bruxelas, 25 de Setembro de 2008 Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal Como é que a UE vai conseguir que todos os europeus

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO O Programa Nacional de Microcrédito, criado pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 16/2010, pretende ser uma medida de estímulo à criação de emprego e ao empreendedorismo entre

Leia mais

MEDIDA 3.6 Implantação de Redes de Banda Larga de Nova Geração, em Zonas Rurais

MEDIDA 3.6 Implantação de Redes de Banda Larga de Nova Geração, em Zonas Rurais MEDIDA 3.6 Implantação de Redes de Banda Larga de Nova Geração, em Zonas Rurais 1. Eixo (s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento VISEU TERCEIRO Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade 2015 Normas de Acesso e Apoio Enquadramento A atividade de criação e programação exercida por entidades, grupos e pessoas singulares no

Leia mais

Seminário de discussão, Buenos Aires, 3 e 4 de Dezembro de 2009

Seminário de discussão, Buenos Aires, 3 e 4 de Dezembro de 2009 Maria de Lurdes Rodrigues ISCTE Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) Departamento de Sociologia Av. das Forças Armadas, 1600, Lisboa, Portugal mlreisrodrigues@gmail.com Seminário de discussão,

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. Descrição... Erro! Marcador não definido. 2. Entidade Gestora...

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS

NORMA DE PROCEDIMENTOS Emissor: GRATER Entrada em vigor: 12-10-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Assunto: Norma de Procedimentos n.º 5/2008 Âmbito: Estratégia Local de Desenvolvimento Abordagem LEADER NORMA DE PROCEDIMENTOS

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Aumentar 50% o número de novos licenciados por ano em áreas de ciências e engenharia.

Aumentar 50% o número de novos licenciados por ano em áreas de ciências e engenharia. O Programa do Governo aponta o rápido desenvolvimento científico e tecnológico do País como prioridade nacional e define as metas e indicadores desse desenvolvimento para o período da legislatura. Importa

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Acta Constituinte Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal ( Resolução do Conselho de Ministros, 197/97 de 17 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Declaração de Rectificação nº10-0/98

Leia mais