Renato Rodrigues Martins. Universidade Estadual de Londrina. Universidade de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Renato Rodrigues Martins. Universidade Estadual de Londrina. Universidade de São Paulo"

Transcrição

1 A GESTÃO ESTRATÉGICA DA COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA NO CROSS-CULTURAL MARKETING: CONSIDERAÇÕES ACERCA DE UMA LINGUAGEM INTERNACIONAL. Resumo: Renato Rodrigues Martins Universidade Estadual de Londrina Universidade de São Paulo Novos mercados necessitam de abordagens mais contextualizadas para transpor barreiras culturais que podem determinar a gestão da comunicação mercadológica. A comunicação deve considerar as diferenças culturais e o Marketing precisa levar em conta esses fatores para traçar suas estratégias. As organizações brasileiras que atuam no mercado externo enfrentam a competição de corporações internacionais que focam suas ações em atividades de alto valor agregado e que produzem em uma economia de escala. O artigo apresenta o projeto de pós doutoramento que investiga a Terceira Linguagem no enfoque da Comunicação Transcultural, como estratégia competitiva no discurso das organizações brasileiras internacionais. Palavras-chave: Marketing; gestão estratégica; cultura; globalização; comunicação. Abstract: New markets need contextualized approaches to transpose cultural barriers that can determine the management of the marketing communication. The communication must consider the cultural differences and marketing has to take these factors to trace its strategies. The Brazilian organizations that act in the external market face the competition of international corporations that focus its action in activities of high aggregate value and that they produce in scale. This article presents the project of post doctor degree that investigates the Third Language in the approach of the Transcultural Communication, as competitive strategy in the speech of international Brazilian organizations. Key words: Marketing; strategical management; culture; globalization; communication.

2 A gestão estratégica da Comunicação Mercadológica no Cross-Cultural Marketing: considerações acerca de uma linguagem internacional. 1. Introdução: As empresas brasileiras estão se expandindo e se internacionalizando e essa realidade se constitui em um grande desafio surgido nesse processo. Operações em outros países não dependem apenas de competência administrativa, mas também da habilidade de lidar com questões de Gestão de Marketing, de Gestão Ambiental entre outras. O estudo dessas corporações, chamadas de latemovers ou empresas entrantes tardias no mercado internacional, do ponto de vista da Gestão da Comunicação Mercadológica é tão importante quanto novo. Segundo o The Wall Street Journal Americas (15/08/2005), no período de 1999 a 2005, o Brasil foi um dos países que mais investiu no exterior. Conforme relatório do Boston Consulting Group (2006), no final de 2005 cerca de 30 empresas brasileiras tinha mais de 120 fábricas espalhadas pelo mundo. Para não vislumbrar perda de competitividade e insucessos, essas organizações devem se adaptar nas posturas e nas abordagens. Os mercados globais levam as organizações a ambientes culturais díspares dos quais dominam, conduzindo essas organizações a novas estratégias empresariais, adaptando seus produtos, mas acima de tudo sua comunicação. As mudanças tecnológicas, o grande volume de informações e a conjuntura econômica mundial ditam os hábitos e as relações de consumo, e a influência cultural direciona as estratégias de marketing a adotar, que por sua vez determinam como se comunicar em outros ambientes. Milton Santos ( ), em seu livro Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. (2009), faz severas críticas a globalização e apresenta a ideia de que como ela foi formada e implantada é perversa e alienadora, baseada apenas na tirania de informações e do dinheiro, acarretando a inclusão de poucos e a exclusão da maioria. Conforme as observações de Santos, o encurtamento das distancias e das diferenças, o conceito de aldeia global proposto por Marshall McLuhan ( ), faz crer que a difusão de notícias realmente informa, mas que isso é um mito, pois são poucas as pessoas que podem viajar. Um mundo interligado, conectado simultaneamente a um computador, participando das mesmas relações sociais, integradas política, econômica e socialmente em um mesmo mercado. Esse mercado global, apresentado como capaz de homogeneizar o planeta, na verdade faz as diferenças locais serem mais aprofundadas. O entendimento da maneira como ocorrem a internacionalização e as questões de interações culturais nas grandes corporações internacionais deve ser primordial para as questões da Gestão da Comunicação Mercadológica, em ambientes globalizados. A comunicação é o fator que permeia todas as relações sociais e, neste processo, se torna um agente de mudanças. Uma ferramenta ou forma de comunicação que funciona adequadamente em um ambiente, que apresenta resultados satisfatórios em um mercado, necessariamente terá o mesmo resultado em outro internacional? A cultura e a experiência adquirida em uma organização local poderão apresentar o mesmo desempenho em ambientes adversos internacionais? Não são raras as empresas que buscam novos mercados e colocam em prática as mesmas estratégias e as mesmas campanhas de comunicação usadas nos países da matriz. Não se leva em conta, muitas vezes, as realidades regionais no que se refere a fatores sociais, econômicos, religiosos e principalmente os culturais. É necessária uma adaptação das estratégias e das ferramentas na gestão transcultural daquele novo mercado. Além das estratégias, é necessário ainda conhecer e

3 adaptar as mensagens e as mídias, linguagens e ações promocionais à cultura daquele povo ou região. O pensar globalmente e agir localmente nunca foi tão importante como nas questões da interação cultural. As pessoas pensam e se comportam de diferentes maneiras em diferentes lugares. Seus valores e crenças (e suas ações consumidoras) diferem de lugar para lugar. Conforme os códigos, consumidores têm padrões culturais distintos e respondem à Comunicação mercadológica de forma diferente, quando submetidas a mesmos estímulos. O Marketing deve levar em conta esses fatores para traçar suas estratégias em uma conjuntura econômica estandardizada que dita os hábitos e as relações de consumo. No nível que se encontra a globalização, com a abertura dos principais mercados, fusões e aquisições, as organizações internacionais buscam conceitos locais com aplicações globalizadas e que possam atender suas demandas estratégicas de gestão. A comunicação, como ferramenta estratégica da empresa competitiva que procura se desenvolver em diferentes mercados deve servir como fator difusor de valores e de cultura organizacional, servindo de balizamento para outros ambientes comerciais. Com a expansão dos mercados, com as novas atitudes culturais sem fronteiras, uma grande questão sobre o tema é se as culturas estão convergindo ou divergindo do ponto de vista da Comunicação Mercadológica. 2. Objeto da Pesquisa: A partir dessa abordagem, surge a necessidade de se pesquisar a aplicação conceitual da Terceira Linguagem, uma forma de comunicação mercadológica criada pelo autor do projeto, em ambientes internacionais. Com o objetivo de desenvolver a Comunicação Mercadológica em nível internacional, com um arcabouço teórico aplicável, a Terceira Linguagem será pesquisada em outras realidades e culturas. A linguagem pode ser aplicada, com os mesmos valores e amplitude em organizações com mercados e culturas tão dispares com o brasileiro? O autor desenvolveu esse conceito de construção de fortes relacionamentos entre a instituição e seus públicos, angariando a aceitação para a construção de imagem favorável da organização em seus estudos. Nas atividades profissionais, teve acesso a outras formas de linguagem, percebendo as estratégias do Marketing e da Comunicação publicitária. O Marketing busca a satisfação das partes envolvidas no processo de troca muitas vezes a qualquer custo a Comunicação desenvolve campanhas promocionais para levar as pessoas a aceitar um produto, uma idéia ou um sentimento, conquistando a mente do consumidor. Todas essas questões devem ser investigadas num contexto onde a diversidade cultural e a interculturalidade a conexão entre culturas marcam um novo mundo, e a diferença não é mais o que distancia, mas a ligação entre pessoas de nacionalidades e costumes diferentes. A Terceira Linguagem é uma forma comunicacional que pode auxiliar gerir a diversidade e as diferenças nas organizações, tornando-as mais competitivas? Comunicação em diferentes culturas, aquisições, fusões organizacionais, religiões, ideologias, discriminação, gestão transcultural, a cultura do outro, empregabilidade, aprendizado, linguagem persuasiva, acolhimento e outras questões que envolvem os valores de um povo ou nação são questões que a Terceira Linguagem deve abordar. Assim, propõe analisar a aplicação da Terceira Linguagem na Gestão Estratégica da Comunicação Mercadológica em diferentes países (Crosscultural Marketing), em organizações brasileiras que desenvolvem suas atividades mercadológicas

4 em ambientes globalizados e competitivos. O projeto de pesquisa parte da tese do autor, que já investigou, comprovou e disseminou a aplicação desta linguagem em organizações e empresas nacionais que atuam no mercado interno. As organizações têm buscado uma forma mais eficiente e duradoura para se comunicar, tanto no nível interno das organizações, quanto externo para com seus públicos consumidores. Essa relação é mais vinculada a uma visão institucional, em que o assunto de relacionamento de uma empresa com seu público é um estudo essencial. No caso apresentado da Terceira Linguagem, há uma multiplicidade de elementos: o contraste entre o relacionamento puramente comercial, o persuasivo e o institucional em um contexto cultural. A Comunicação mercadológica das organizações aparece em sua versão mais característica de persuadir o público por meio dos mais variados recursos de sedução, sobretudo a criação de efeitos de sentido, sugestões e promessas de uma vida melhor. Por entender ser possível a convergência entre esses dois tipos de discurso, pois eles não se excluem, a Terceira Linguagem aborda a aplicação do confronto entre dois universos discursivos opostos, para descobrir uma linha intermediária em que se possa efetuar uma enunciação capaz de colocá-los, neste projeto, em sintonia nas questões de gestão da comunicação transcultural. Ou seja, alinhar duas linguagens a comercial, mais persuasiva e a institucional aparentemente intercambiáveis para compreender suas limitações e barreiras e equilibrá-las para atuar no seu interior em diferentes contextos culturais. Assim, a Terceira Linguagem propõe, sob os preceitos da ética, que somos responsáveis por tudo e por todos e temos o poder de decidir os destinos coletivos. Apresenta valores com a finalidade de instrumentalizar uma reflexão para uso na Gestão da Comunicação Mercadológica transcultural em seu papel de inclusão, voltada para a melhoria das relações comerciais na sociedade. A contribuição deste projeto de pesquisa será no sentido de desenvolver a idéia de que a Terceira Linguagem poderá auxiliar na gestão da Comunicação das organizações transculturais, especificamente no que se refere à Comunicação Mercadológica no chamado Cross-cultural Marketing. Será uma oportunidade de disseminar o conceito da Terceira Linguagem para as organizações nacionais que atuam no concorrido mercado internacional. O Projeto de Pesquisa procura desenvolver uma referência até então desconhecida na interposição do Marketing e da Comunicação em organizações com atuação internacional, pois não foram encontradas referências científicas do estudo do discurso mercadológico dessas organizações. Espera-se apresentar relevantes contribuições para a área da Comunicação e de Marketing no que tange a estratégia comunicacional mercadológica de organizações brasileiras que enfrentam desafios e barreiras culturais no exterior. As grandes corporações nacionais como Cosan, Embraer, Gerdau, Natura, Petrobrás, Vale, Votorantin e WEG, por exemplo, enfrentam desafios e barreiras no seu processo de internacionalização. Defrontam com dificuldades de operações, nas relações trabalhistas e ambientais, nas questões mercadológicas e comunicacionais tanto na produção quanto na veiculação de mensagens em outros mercados senão os de origem, principalmente por razões culturais, o que acabam por dificultar suas operações e crescimento. É nesse contexto que se pretende pesquisar a aplicação internacional da Terceira linguagem: orientar uma forma criativa, crível, didática e ética de discurso publicitário para criar negócios, mas também relacionamentos, reputação e cultura de consumo responsável para as organizações e seus mercados, tornando-as mais competitivas.

5 3. Quadro teórico de referência: Tanto os objetivos mercadológicos quanto os de relacionamento da organização com seus públicos de interesse, devem ser valorizados e almejados na busca de competitividade e de resultados positivos e aceitáveis pela sociedade moderna. Fortes reforça essa idéia da seguinte forma: Isso significa que a necessidade de relacionamento público da organização precede e vai mais à frente das preocupações com os produtos e serviços oferecidos aos consumidores e usuários. Modernamente, cabe às Relações Públicas, baseadas no exame da realidade, instaurar oportunidades para a participação dos públicos nas decisões que os afetam. (Fortes, 2005, p.12). Os meios de comunicação de massa privilegiam o discurso mercadológico, ou seja, com as constantes e profundas modificações que o cenário internacional apresenta, o Marketing é a principal ferramenta e age como poderosa arma de conquista de espaço, tanto na mente do consumidor quanto na participação de mercado. A Comunicação no Marketing ainda é sustentada principalmente pela comunicação publicitária, um conjunto simbólico de mensagens persuasivas aplicadas aos meios de comunicação de massa, onde as imagens aparecem como iscas para a atração do consumidor. O target da comunicação publicitária o consumidor recebe as mensagens, sendo estimulado constantemente a aceitar uma ideologia proposta no anúncio. Em relação à ideologia do consumo, pela qual os produtos substituem as angústias e frustrações, o consumidor toma atitude aquisitiva frente aos objetos. Assim, como proposta, a Terceira Linguagem gera credibilidade, pois estabelece um debate acerca da organização que trata seus clientes não como simples consumidores, mas na investidura de um cidadão consciente, capaz de tomar decisões sobre o que se passa a sua volta, principalmente nas questões de consumo. Constrói reputação, harmoniza as necessidades humanas e os recursos empregados de forma racional e sustentável, equilibrando oferta e procura dos bens de consumo e deslocando a visão única das outras duas linguagens para implantar um discurso com noção cultural e ética, de responsabilidade. Há um confronto na promoção mercadológica, que requer mediação. O corpo teórico funciona como elemento dessa mediação. As diferentes formas de discurso entre interlocutores inseridos no ambiente de uma organização o consumidor aí incluído de modo preponderante são compreendidas de modo incompleto ou distorcidas se não se raciocina de forma triádica, com um campo de linguagem em que seja possível relativizar e determinar as características das linguagens que se contrapõem. Questões de responsabilidade nos relacionamentos institucionais que gerem credibilidade têm recebido grande destaque e atenção e fazem parte da pauta da diretoria das organizações. Não se observa, no entanto, entre os atores voltados a objetos constituídos no ambiente institucional movimento em favor da ética, que valorizam a vida nos negócios, que representam diferença no mundo empresarial. O valor de uma marca é a resultante dessa nova percepção que o cliente desenvolve a respeito do comportamento social, definida por uma empresa como postura estratégica nos negócios.

6 Profissionais de Marketing devem interpretar as questões culturais, sociais e ambientais e acrescentar aos consumidores uma preocupação responsável. Necessário se faz estabelecer novos conteúdos comunicacionais e formas operacionais de produção e de difusão, com segmentos específicos para obter definições claras e coerentes sobre o equilíbrio entre a oferta e o consumo. Um discurso organizacional mais racional deve influir no processo de troca e na comunicação com os públicos. Ao transitar por questões de conquista de novos mercados, os administradores necessitam obrigatoriamente, adotar uma nova postura, uma visão de responsabilidade para com a sociedade, o que deve possibilitar um maior diálogo entre formas de linguagem que até então se excluíam mutuamente. As instituições devem respeitar a multiplicidade cultural e de interesses que as cercam, e avançam para um posicionamento além das questões do Marketing, quando reconhecem que os indivíduos e os grupos sofrem influências do ambiente. O discurso persuasivo dos meios de comunicação mercadológicos apresenta a Publicidade como arma de conquista de espaço na mente do consumidor, representando maior participação no share de mercado. Barbosa define com clareza o conjunto de questões envolvidas nessa discussão: Não se trata de designar a articulação publicitária como fonte de todos os males das sociedades capitalistas... Para tanto são utilizados numerosos recursos simbólicos que assumem, pelo implícito dos discursos, os aspectos lúdicos (positivos e/ou negativos), pois não se trata apenas uma ação de representar, mas que se inscreve num conjunto social e bem-definido. É um aparelho ideológico que difunde um poder específico. (BARBOSA, 1997, p.179). O ponto de debate dessa linguagem é centrado na idéia de que a Comunicação, por si só, já deve conter uma visão consequencialista, cultural, ética e responsável. A Terceira Linguagem medeia às outras linguagens, pois é integrada pelas formas tradicionais de linguagem de Marketing, a qual busca aumento de participação no mercado, e a comunicação institucional, que apresenta e divulga a instituição a fim de conquistar um conceito forte e favorável para a organização sem se preocupar diretamente com as questões comerciais. Como ilustração, pode-se citar que o consumidor atual médio não leva em conta, dentre outros aspectos, o custo ambiental ou mesmo cultural da satisfação do seu desejo. E as instituições, por sua vez, têm compromissos financeiros a cumprir e, muitas vezes, por esse motivo, negligenciam seus comprometimentos sociais. Portanto, a proposta de novos meios e mensagens, contendo formas discursivas mais éticas e com base na cultura local, equilibrando essência e aparência elevaria o cliente à categoria superior de indivíduo, não de um mero consumidor. Psicólogo social, Pichon-Rivière ( ) em sua obra Psicologia da Vida Cotidiana (1998), analisa o consumidor do ponto de vista da vida diária, seu comportamento rotineiro, lembrando que os meios publicitários invadem sua mente com marcas, slogans e imagens, buscando sempre a sua sedução e levando-o ao consumo. Cada objeto da comunicação publicitária se converte numa isca para uma possível tentação. O autor chama de conduta consumidora a forma de comportamento de caráter psicológico e acima de tudo social que pode ser moldada pelo grupo a que o sujeito pertence, ou deseja pertencer.

7 Um consumidor, ao adquirir um produto, está constantemente tomando uma decisão, assumindo uma posição que pode acima de tudo merecer uma classificação ética visto que adota ou não, o discurso de certos produtos e marcas. Existe uma identificação entre o produto e o seu detentor, e o inter-relacionamento do eu e do meu torna-se inevitável. É neste momento que o sentimento de posse, que o consumidor tanto deseja e busca, será satisfeito ou não. Comprar, então, significa estabelecer um vínculo entre o objeto comprado e o seu detentor, escapar da solidão, aderir a um grupo, adquirir um lugar no mundo e ter o sentimento de pertinência. As mercadorias são compradas pelas imagens que possam produzir e veicular na vista e na vida do consumidor, e não por seus benefícios reais ou valor de uso. Não é o carro que o consumidor deseja adquirir para substituir, por ser melhor, daquele que já possui no momento; é a mensagem que a mente transmite de que aquela substituição é indispensável. Trata-se da satisfação de voltar a adquirir, consumir. Se esse tipo de disposição acontece sempre a intervalos curtos, maior o sucesso comercial da empresa produtora. O cliente não enxerga esse comprometimento mente-enviandopara-a-boca e não se considera refém desse mecanismo. Segundo Pichon-Rivière, o consumidor tem uma atitude aquisitiva que é o ponto de conexão entre ele e seu meio, é uma posição que adota mediante um produto ou uma situação concreta; é uma tomada de posição frente aos objetos de consumo. Há ainda o autodirigido, aquele consumidor mais consciente e que tem filtros, em outras palavras, tem a capacidade de não ser submisso aos incessantes estímulos da comunicação persuasiva. Esse consumidor autodirigido merece maior estudo, aproveitando o fato de que este está consciente dos prejuízos que seus atos podem causar se não forem observadas regras para uma conduta mais responsável. Correntes semelhantes formadas por consumidores autodirigidos já se desenvolvem com os consumeristas, que se organizam e se espalham mundo afora, fazendo o sentido inverso dos consumistas. Para o filósofo alemão Hans Jonas ( ), existe uma nova ética, uma forma de pensar no futuro que exige responsabilidade nos atos do ser humano. Seria uma ética que, em primeiro lugar, valorize a vida, não somente a vida humana, mas todas elas, onde o bem é a razão de todo o mundo, pois os preceitos éticos da visão antropocêntrica não mais são suficientes ao ser humano. A compulsão desenfreada ao consumo, indiferente às consequências, representa uma grande ausência de responsabilidade, traduzida na falta de cuidado com o ambiente em que se vive. Não se pode pensar a cultura contemporânea, sem pensar os princípios éticos de uma ideologia ecológica responsável, segundo Jonas. Os avanços tecnológicos, se mal administrados, podem criar consequências que afetam a vida humana e todo o planeta, apesar de permitirem as grandes conquistas deste século. A liberdade que a ciência adquiriu ocupa posição única na humanidade, não limitando os outros direitos (JONAS, 1995, p.137). Assim, Jonas entende que deve haver responsabilidade na ação e que a liberdade exagerada não impõe a necessária responsabilidade no agir, levando o ser humano às desconsiderações sociais. O grande paradoxo é o fato de que o homem controla a natureza por meio de uma técnica que ele não controla mais. Para ele, a liberdade da ciência é um direito supremo e deve estar livre de toda e qualquer barreira, mas que não deve comprometer a existência do ser. A responsabilidade seria então uma preocupação com o futuro que poderia representar a garantia da existência humana, de tudo que está ao seu alcance. Se existe o poder sobre a natureza, também se devem adotar responsabilidades sobre ela. Um novo agir representaria uma mudança de comportamentos e atitudes; seria buscar o próprio bem, mas acima de tudo o bem coletivo. Por sua vez, outro filósofo alemão, Haug, levantando a questão do estudo do consumidor considera:

8 a tecnocracia dos sentidos é um fator de consumo, já que impera na produção do ilusório, do imaginário. A estética da mercadoria atua como sensualidade, as mercadorias expostas na vitrine mostram-se para seus possíveis compradores com olhares sensuais, provocativos, sugerindo ao comprador que as leve. (apud MARCONDES FILHO, 1988, p.35). As instituições têm compromissos a cumprir e muitas vezes desconsideram seus comprometimentos e responsabilidades sociais. A adoção de posturas mais éticas e responsáveis, com novas mídias e mensagens, bem como a criação de vínculos mais fortes com o consumidor, permitiria o exercício da verdadeira função da Terceira Linguagem. Portanto, o que se chama de Terceira Linguagem estabelece um campo de mediação em que se expande o debate acerca da Comunicação publicitária que trata seus clientes não somente como simples consumidores de seus produtos ou serviços, mas também na investidura de um cidadão pensante e consciente o público capaz de tomar decisões sobre tudo que se passa a sua volta, inclusive, e principalmente, se as questões de consumo responsável forem atingidas. Como principais características dessa linguagem, podem-se citar algumas: respeitar e se adaptar a cultura local; apresentar ousadia e modernidade; tratar a Comunicação como uma ferramenta estratégica, dosando as características persuasivas com a institucional; procurar tratar o consumidor como um ser mais conscientizado dos aspectos sociais, culturais, éticos e ambientais; oferecer aos consumidores argumentos racionais do produto, com informações técnicas e científicas se for o caso; abrir novos meios que permitam ao cliente sua efetiva participação nas decisões da empresa, fundamentando a ética da responsabilidade. Em síntese, esta é uma nova e necessária forma de comportamento, e de discurso profissional, que resulta em um mais racional equilíbrio entre a oferta e o consumo responsável. Isto é realizado por intermédio de uma Comunicação publicitária efetiva com os consumidores, promovendo uma melhoria dos relacionamentos nos negócios e das sociedades em que se inserem. 4. Objetivos do Projeto: A proposta do Projeto de Pesquisa é investigar a aplicação da Terceira Linguagem como base na Gestão Estratégica da Comunicação, no Cross-cultural Marketing. Pretende ainda possibilitar maior competitividade e crescimento das empresas brasileiras nos mercados externos, através da melhoria dos discursos para com seus públicos, oferecendo às organizações brasileiras com atuação internacional uma forma de comunicação mais ética e crível para com seus mercados. A pesquisa irá ainda levantar as questões culturais da comunicação publicitária e analisar o discurso das organizações, a fim de consolidar os fundamentos da Terceira Linguagem como ferramenta de gestão transcultural nas organizações. 5. Procedimentos metodológicos:

9 Como se trata de uma nova forma de comunicação para com o mercado proposta pelo autor desse projeto, acredita-se que as empresas desconhecem tal linguagem, o que permite, inicialmente, apenas uma observação metodológica através de levantamento bibliográfico sobre o tema. A pesquisa, para atender os objetivos propostos, será predominantemente bibliográfica. Tal metodologia tem por finalidade conhecer a contribuição científica realizada sobre o assunto até o momento, pois se pretende ler, fichar, arquivar e resumir os assuntos relacionados com a pesquisa, como sugere Oliveira (1985). O aspecto metodológico, por meio de levantamento bibliográfico, permitirá uma maior compreensão das necessidades comunicacionais das organizações, mais especificamente dos conceitos de Marketing, de Cross-cultural Marketing, de Comunicação Social para com o mercado, de Comunicação Organizacional, de Publicidade e Propaganda, de cultura organizacional e dos pressupostos éticos pertinentes a uma instituição empresarial ou organizacional. Será feita uma revisão bibliográfica com o intuito de pesquisar as referências disponíveis e se existem inovações sobre o tema. A metodologia levantará a literatura sobre o assunto, e irá auxiliar na compreensão das informações necessárias que definirão os aspectos evidenciados. A pesquisa bibliográfica exploratória é metodologia exeqüível e de baixo custo, permitindo aprofundar nos temas pertinentes à pesquisa e uma ampla disseminação dos conhecimentos adquiridos. Irá possibilitar o contato direto com o que já foi escrito sobre o assunto. Gil (1996) observa que a vantagem da pesquisa bibliográfica reside no fato de que o investigador tem a sua disposição a interpretação dos fenômenos de uma maneira mais abrangente, do que aquela que ele pode pesquisar diretamente. Para Yin (2001), a escolha da estratégia utilizada na pesquisa exploratória é importante, pois se deve considerar o tipo de questão da pesquisa proposta; a extensão de controle que o pesquisador tem sobre os aspectos comportamentais efetivos; e ainda o grau do enfoque em acontecimentos históricos em oposição a acontecimentos contemporâneos. 6. Considerações finais: Organizações brasileiras com operações no exterior enfrentam condições distintas das vividas no seu mercado de origem, o que cria uma grande competição entre os participantes. As multinacionais com origem em países mais desenvolvidos, por sua vez, estão focando suas atividades em produtos e serviços com alto valor agregado e desenvolvem comandos globais de produção em uma economia internacionalizada em estágio institucional, o que sobra pouco espaço para os players denominados late-movers. Não se pode pensar a gestão da comunicação mercadológica sem levar em consideração as influências culturais de cada mercado. A cultura afeta os ambientes e as arenas de negócios, interferindo nas preferências, nos gostos e nas escolhas dos consumidores. A cultura influências internas e externas do indivíduo é um fator preponderante no comportamento do consumidor. A classe social de uma pessoa, assim como sua família e seu grupo, são fatores preponderantes no seu comportamento. Em ambientes internacionais, antes das estratégias, é necessário conhecer a cultura, sua influência e seus fatores condicionantes. As pessoas pensam e se comportam de diferentes maneiras, variando os padrões culturais pré-estabelecidos, e o marketing e a comunicação devem levar esses fatores em conta no momento de definir suas estratégias.

10 A globalização, da forma que se apresenta atualmente, produziu, a partir de 1980, um caldeirão cultural, nivelando e homogeneizando os sistemas culturais nas formas de expressão e de comunicação. Isto ocorreu principalmente na propaganda o que trouxe consigo o marketing transcultural, com marcas globalizadas e comportamento universal. Esses fatores ultrapassam fronteiras e provocam um nivelamento cultural entre os países. As fontes de informação a que se tem acesso estandardizam, igualam os seres humanos, devido à facilidade de alcance dos meios de comunicação eletrônicos mundiais. As empresas brasileiras com atuação em mercados externos estão cada vez mais competitivas e necessitam de estratégias criativas do ponto de vista do discurso. Assim, o ineditismo da Terceira Linguagem e desta investigação, irá desenvolver referências na interposição da Comunicação de Marketing em organização com atuação internacional. Com a pesquisa, a proposta é obter resultados de forma científica para sustentar a aplicação da Terceira Linguagem no discurso das organizações brasileiras em ambientes culturais diversos, tornando-as mais competitivas. Pretende-se ainda disseminar tal conhecimento em mercados internacionais, carentes de formas comunicacionais mais éticas, que gozam de credibilidade. Dessa forma, esta pesquisa poderá colaborar para o desenvolvimento das áreas e de profissionais de Marketing e de Comunicação Social, pois incorpora novas perspectivas para a Comunicação Organizacional. 8. Referência Bibliográfica BARBOSA, I. S. Contribuições para uma semântica contexto-situacional na área publicitária. São Paulo: ECA/USP, 1977 (Dissertação de Mestrado). BARBOSA, Lívia. Cultura e empresas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.; BEHRENS, Alfredo. Cultura e administração nas Américas. São Paulo: Saraiva, BOONE, Louis E.; KURTZ, David L. Marketing Contemporâneo. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC, Boston Consulting Group. Relatório Anual (2006) BUENO, Wilson da Costa. Comunicação Empresarial: teoria e pesquisa. São Paulo: Manole, COHEN, David. Os dilemas da ética. São Paulo: Atlas, CONTRERA, Malena S. (org.) Publicidade e Cia. São Paulo: Pioneira Thomson, DAFT, Richard L. The New Era of Management. Ohio, USA: Thomson, DICKEN, P. Global shift: transforming the world economy. 3. ed. London: Paul Chapman, FORTES, Waldyr Gutierrez. Transmarketing: estratégias avançadas de Relações Públicas no campo do marketing. São Paulo: Summus, FREITAS, Maria Ester de. Cultura Organizacional: evolução e crítica. São Paulo: Thomson Learning, Cultura Organizacional: identidade, sedução e carisma? 5. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1996.

11 GRANDE, Ildefonso. Marketing cross-cultural. São Paulo: Thomson Learning, IANNI, Octavio: Teorias da Globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, KLEIN, Naomi. Sem Logo: a tirania das marcas em um planeta vendido. Ed Record. 3ed. Rio de Janeiro KOTLER, Philip. Administração de marketing: a edição do novo milênio. 10ed. São Paulo: Ed. Prentice Hall, Princípios de marketing. 7. ed. Rio de Janeiro: Ed. LTC, LEVITT, Theodore. A Imaginação de Marketing. São Paulo: Atlas LIMA, Luis Costa (org.): Teoria da cultura de massa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 3ª ed MORETTI Cristina. Rev. Comunicação Empresarial ABEJE, nº 50 ano 14 OLIVEIRA, Jayr Figueiredo [et al.] Administração no contexto internacional: cenários e desafios. São Paulo: Saraiva, OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Teoria, Técnica e Prática de Pesquisa. 3 ed. São Paulo, I.M.S PICHON-RIVIÈRE, Enrique. ANA P. Quiroga. Psicologia da vida cotidiana. São Paulo: Martins Fontes, PINHO, J. B. Comunicação em marketing: princípios da comunicação mercadológica. 6 ed. Campinas: Papirus, RANDAZZO, Sal. A Criação de Mitos na Publicidade: como os publicitários usam o poder do meio e do simbolismo para criar marcas de sucesso. Rio de Janeiro: Editora Rocco, SANT ANNA, Armando. Propaganda: teoria, técnica e prática. 7.ed. rev. São Paulo: Pioneira, SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 18ª Ed. Rio de Janeiro: Record, SCHNEIDER, Susan C. Managing across cultures. 2nd ed. Harlow, England: Pearson Education SIQUEIRA, José Eduardo. Ética e tecnociência: uma abordagem segundo o princípio de responsabilidade de Hans Jonas. Londrina: Ed. UEL, STOHL, Cynthia. Globalizing Organizational Communication, in F.M. Jablin & L.L. Putnam (eds), The new handbook of Organizational Communication, Advances in Theory, Research and Methods, Thousand Oaks: Sage Publications TANURE, Betânia. Gestão a Brasileira - Uma Comparação entre America Latina, Estados Unidos e Ásia. 2ed São Paulo: Atlas, TANURE, Betânia e DUARTE, Roberto Gonzalez. Gestão Internacional. São Paulo: SARAIVA, The Wall Street Journal Americas (15/08/2005) VASCONCELLOS, Eduardo. Internacionalização, Estratégia e Estrutura - O Que Podemos aprender com o sucesso da Alpargatas. São Paulo: ATLAS, 2008

12 . Internacionalização Competitiva. São Paulo: ATLAS, 2008 YIN, Robert. Estudo de Caso-planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, ZANCANARO, Lourenço (Tese). O conceito de Responsabilidade em Hans Jonas. Campinas, SP: [s.n.], 1998.

A Terceira Linguagem: a criação de Relacionamentos de uma organização com seus públicos.

A Terceira Linguagem: a criação de Relacionamentos de uma organização com seus públicos. A Terceira Linguagem: a criação de Relacionamentos de uma organização com seus públicos. GT ABRAPCORP 4 - Linguagem, retórica e análise dos discursos institucionais. A Terceira Linguagem: a criação de

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010.

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. O Global e o Contextualtual no Aprendizado Gerencial de Multinacionais Uma Perspectiva Brasileira Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. OBJETIVO

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda professor Rafael Ho mann Setores envolvidos Anunciante também conhecido como cliente, é a empresa, pessoa ou

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Estratégias de Comunicação

Estratégias de Comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi A propaganda é parte do marketing e uma das ferramentas da comunicação. Uma boa estratégia de marketing não garante que a campanha de propaganda será boa, mas é condição essencial

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING (PROPAGANDA E PUBLICIDADE) EM PERÍODOS DE CRISE:

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING (PROPAGANDA E PUBLICIDADE) EM PERÍODOS DE CRISE: A IMPORTÂNCIA DO MARKETING (PROPAGANDA E PUBLICIDADE) EM PERÍODOS DE CRISE: um caso de sucesso na empresa Jota Print Comunicação Visual na cidade de Muritiba Bahia Jamylle Carvalho Cardoso Correia 1 Jorge

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Onde o comunicador não é considerado protagonista da história da organização, não pode haver comunicação eficaz. Paulo Nassar No mundo da comunicação

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: RELAÇÕES INTERNACIONAIS Missão A principal missão do Curso de Relações Internacionais é formar, a partir de pesquisa e desenvolvimento pedagógico próprios, mediante

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Tainah Schuindt Ferrari Veras Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru/SP e-mail: tainah.veras@gmail.com

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

Globalização: fábula, perversidade e perspectivas

Globalização: fábula, perversidade e perspectivas Globalização: fábula, perversidade e perspectivas Breve análise do livro Por uma outra Globalização de Milton Santos e o impacto na compreensão da disciplina O globo e a globalização Internet Area Geografica

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

Dados do Ensino Médio

Dados do Ensino Médio Dados do Ensino Médio População de 15 a 17 anos (2010): 10.357.874 (Fonte: IBGE) Matrículas no ensino médio (2011): 8.400.689 (Fonte: MEC/INEP) Dados do Ensino Médio Dos 10,5 milhões de jovens na faixa

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS - SP Área de conhecimento: GESTÃO E NEGÓCIOS Componente Curricular: MARKETING INSTITUCIONAL Série:

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Disciplina: Comunicação Pública Professores: Ellis e Asdrubal Aluno: João Paulo Apolinário Passos Universidade de Brasília Assessoria de Imprensa em Comunicação Pública e Governamental Prefeitura de Curitiba

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Copyright 2011 Edvaldo de Farias Prof. Edvaldo de Farias, MSc. material disponível em www.edvaldodefarias.com Minha expectativa

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais