Renato Rodrigues Martins. Universidade Estadual de Londrina. Universidade de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Renato Rodrigues Martins. Universidade Estadual de Londrina. Universidade de São Paulo"

Transcrição

1 A GESTÃO ESTRATÉGICA DA COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA NO CROSS-CULTURAL MARKETING: CONSIDERAÇÕES ACERCA DE UMA LINGUAGEM INTERNACIONAL. Resumo: Renato Rodrigues Martins Universidade Estadual de Londrina Universidade de São Paulo Novos mercados necessitam de abordagens mais contextualizadas para transpor barreiras culturais que podem determinar a gestão da comunicação mercadológica. A comunicação deve considerar as diferenças culturais e o Marketing precisa levar em conta esses fatores para traçar suas estratégias. As organizações brasileiras que atuam no mercado externo enfrentam a competição de corporações internacionais que focam suas ações em atividades de alto valor agregado e que produzem em uma economia de escala. O artigo apresenta o projeto de pós doutoramento que investiga a Terceira Linguagem no enfoque da Comunicação Transcultural, como estratégia competitiva no discurso das organizações brasileiras internacionais. Palavras-chave: Marketing; gestão estratégica; cultura; globalização; comunicação. Abstract: New markets need contextualized approaches to transpose cultural barriers that can determine the management of the marketing communication. The communication must consider the cultural differences and marketing has to take these factors to trace its strategies. The Brazilian organizations that act in the external market face the competition of international corporations that focus its action in activities of high aggregate value and that they produce in scale. This article presents the project of post doctor degree that investigates the Third Language in the approach of the Transcultural Communication, as competitive strategy in the speech of international Brazilian organizations. Key words: Marketing; strategical management; culture; globalization; communication.

2 A gestão estratégica da Comunicação Mercadológica no Cross-Cultural Marketing: considerações acerca de uma linguagem internacional. 1. Introdução: As empresas brasileiras estão se expandindo e se internacionalizando e essa realidade se constitui em um grande desafio surgido nesse processo. Operações em outros países não dependem apenas de competência administrativa, mas também da habilidade de lidar com questões de Gestão de Marketing, de Gestão Ambiental entre outras. O estudo dessas corporações, chamadas de latemovers ou empresas entrantes tardias no mercado internacional, do ponto de vista da Gestão da Comunicação Mercadológica é tão importante quanto novo. Segundo o The Wall Street Journal Americas (15/08/2005), no período de 1999 a 2005, o Brasil foi um dos países que mais investiu no exterior. Conforme relatório do Boston Consulting Group (2006), no final de 2005 cerca de 30 empresas brasileiras tinha mais de 120 fábricas espalhadas pelo mundo. Para não vislumbrar perda de competitividade e insucessos, essas organizações devem se adaptar nas posturas e nas abordagens. Os mercados globais levam as organizações a ambientes culturais díspares dos quais dominam, conduzindo essas organizações a novas estratégias empresariais, adaptando seus produtos, mas acima de tudo sua comunicação. As mudanças tecnológicas, o grande volume de informações e a conjuntura econômica mundial ditam os hábitos e as relações de consumo, e a influência cultural direciona as estratégias de marketing a adotar, que por sua vez determinam como se comunicar em outros ambientes. Milton Santos ( ), em seu livro Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. (2009), faz severas críticas a globalização e apresenta a ideia de que como ela foi formada e implantada é perversa e alienadora, baseada apenas na tirania de informações e do dinheiro, acarretando a inclusão de poucos e a exclusão da maioria. Conforme as observações de Santos, o encurtamento das distancias e das diferenças, o conceito de aldeia global proposto por Marshall McLuhan ( ), faz crer que a difusão de notícias realmente informa, mas que isso é um mito, pois são poucas as pessoas que podem viajar. Um mundo interligado, conectado simultaneamente a um computador, participando das mesmas relações sociais, integradas política, econômica e socialmente em um mesmo mercado. Esse mercado global, apresentado como capaz de homogeneizar o planeta, na verdade faz as diferenças locais serem mais aprofundadas. O entendimento da maneira como ocorrem a internacionalização e as questões de interações culturais nas grandes corporações internacionais deve ser primordial para as questões da Gestão da Comunicação Mercadológica, em ambientes globalizados. A comunicação é o fator que permeia todas as relações sociais e, neste processo, se torna um agente de mudanças. Uma ferramenta ou forma de comunicação que funciona adequadamente em um ambiente, que apresenta resultados satisfatórios em um mercado, necessariamente terá o mesmo resultado em outro internacional? A cultura e a experiência adquirida em uma organização local poderão apresentar o mesmo desempenho em ambientes adversos internacionais? Não são raras as empresas que buscam novos mercados e colocam em prática as mesmas estratégias e as mesmas campanhas de comunicação usadas nos países da matriz. Não se leva em conta, muitas vezes, as realidades regionais no que se refere a fatores sociais, econômicos, religiosos e principalmente os culturais. É necessária uma adaptação das estratégias e das ferramentas na gestão transcultural daquele novo mercado. Além das estratégias, é necessário ainda conhecer e

3 adaptar as mensagens e as mídias, linguagens e ações promocionais à cultura daquele povo ou região. O pensar globalmente e agir localmente nunca foi tão importante como nas questões da interação cultural. As pessoas pensam e se comportam de diferentes maneiras em diferentes lugares. Seus valores e crenças (e suas ações consumidoras) diferem de lugar para lugar. Conforme os códigos, consumidores têm padrões culturais distintos e respondem à Comunicação mercadológica de forma diferente, quando submetidas a mesmos estímulos. O Marketing deve levar em conta esses fatores para traçar suas estratégias em uma conjuntura econômica estandardizada que dita os hábitos e as relações de consumo. No nível que se encontra a globalização, com a abertura dos principais mercados, fusões e aquisições, as organizações internacionais buscam conceitos locais com aplicações globalizadas e que possam atender suas demandas estratégicas de gestão. A comunicação, como ferramenta estratégica da empresa competitiva que procura se desenvolver em diferentes mercados deve servir como fator difusor de valores e de cultura organizacional, servindo de balizamento para outros ambientes comerciais. Com a expansão dos mercados, com as novas atitudes culturais sem fronteiras, uma grande questão sobre o tema é se as culturas estão convergindo ou divergindo do ponto de vista da Comunicação Mercadológica. 2. Objeto da Pesquisa: A partir dessa abordagem, surge a necessidade de se pesquisar a aplicação conceitual da Terceira Linguagem, uma forma de comunicação mercadológica criada pelo autor do projeto, em ambientes internacionais. Com o objetivo de desenvolver a Comunicação Mercadológica em nível internacional, com um arcabouço teórico aplicável, a Terceira Linguagem será pesquisada em outras realidades e culturas. A linguagem pode ser aplicada, com os mesmos valores e amplitude em organizações com mercados e culturas tão dispares com o brasileiro? O autor desenvolveu esse conceito de construção de fortes relacionamentos entre a instituição e seus públicos, angariando a aceitação para a construção de imagem favorável da organização em seus estudos. Nas atividades profissionais, teve acesso a outras formas de linguagem, percebendo as estratégias do Marketing e da Comunicação publicitária. O Marketing busca a satisfação das partes envolvidas no processo de troca muitas vezes a qualquer custo a Comunicação desenvolve campanhas promocionais para levar as pessoas a aceitar um produto, uma idéia ou um sentimento, conquistando a mente do consumidor. Todas essas questões devem ser investigadas num contexto onde a diversidade cultural e a interculturalidade a conexão entre culturas marcam um novo mundo, e a diferença não é mais o que distancia, mas a ligação entre pessoas de nacionalidades e costumes diferentes. A Terceira Linguagem é uma forma comunicacional que pode auxiliar gerir a diversidade e as diferenças nas organizações, tornando-as mais competitivas? Comunicação em diferentes culturas, aquisições, fusões organizacionais, religiões, ideologias, discriminação, gestão transcultural, a cultura do outro, empregabilidade, aprendizado, linguagem persuasiva, acolhimento e outras questões que envolvem os valores de um povo ou nação são questões que a Terceira Linguagem deve abordar. Assim, propõe analisar a aplicação da Terceira Linguagem na Gestão Estratégica da Comunicação Mercadológica em diferentes países (Crosscultural Marketing), em organizações brasileiras que desenvolvem suas atividades mercadológicas

4 em ambientes globalizados e competitivos. O projeto de pesquisa parte da tese do autor, que já investigou, comprovou e disseminou a aplicação desta linguagem em organizações e empresas nacionais que atuam no mercado interno. As organizações têm buscado uma forma mais eficiente e duradoura para se comunicar, tanto no nível interno das organizações, quanto externo para com seus públicos consumidores. Essa relação é mais vinculada a uma visão institucional, em que o assunto de relacionamento de uma empresa com seu público é um estudo essencial. No caso apresentado da Terceira Linguagem, há uma multiplicidade de elementos: o contraste entre o relacionamento puramente comercial, o persuasivo e o institucional em um contexto cultural. A Comunicação mercadológica das organizações aparece em sua versão mais característica de persuadir o público por meio dos mais variados recursos de sedução, sobretudo a criação de efeitos de sentido, sugestões e promessas de uma vida melhor. Por entender ser possível a convergência entre esses dois tipos de discurso, pois eles não se excluem, a Terceira Linguagem aborda a aplicação do confronto entre dois universos discursivos opostos, para descobrir uma linha intermediária em que se possa efetuar uma enunciação capaz de colocá-los, neste projeto, em sintonia nas questões de gestão da comunicação transcultural. Ou seja, alinhar duas linguagens a comercial, mais persuasiva e a institucional aparentemente intercambiáveis para compreender suas limitações e barreiras e equilibrá-las para atuar no seu interior em diferentes contextos culturais. Assim, a Terceira Linguagem propõe, sob os preceitos da ética, que somos responsáveis por tudo e por todos e temos o poder de decidir os destinos coletivos. Apresenta valores com a finalidade de instrumentalizar uma reflexão para uso na Gestão da Comunicação Mercadológica transcultural em seu papel de inclusão, voltada para a melhoria das relações comerciais na sociedade. A contribuição deste projeto de pesquisa será no sentido de desenvolver a idéia de que a Terceira Linguagem poderá auxiliar na gestão da Comunicação das organizações transculturais, especificamente no que se refere à Comunicação Mercadológica no chamado Cross-cultural Marketing. Será uma oportunidade de disseminar o conceito da Terceira Linguagem para as organizações nacionais que atuam no concorrido mercado internacional. O Projeto de Pesquisa procura desenvolver uma referência até então desconhecida na interposição do Marketing e da Comunicação em organizações com atuação internacional, pois não foram encontradas referências científicas do estudo do discurso mercadológico dessas organizações. Espera-se apresentar relevantes contribuições para a área da Comunicação e de Marketing no que tange a estratégia comunicacional mercadológica de organizações brasileiras que enfrentam desafios e barreiras culturais no exterior. As grandes corporações nacionais como Cosan, Embraer, Gerdau, Natura, Petrobrás, Vale, Votorantin e WEG, por exemplo, enfrentam desafios e barreiras no seu processo de internacionalização. Defrontam com dificuldades de operações, nas relações trabalhistas e ambientais, nas questões mercadológicas e comunicacionais tanto na produção quanto na veiculação de mensagens em outros mercados senão os de origem, principalmente por razões culturais, o que acabam por dificultar suas operações e crescimento. É nesse contexto que se pretende pesquisar a aplicação internacional da Terceira linguagem: orientar uma forma criativa, crível, didática e ética de discurso publicitário para criar negócios, mas também relacionamentos, reputação e cultura de consumo responsável para as organizações e seus mercados, tornando-as mais competitivas.

5 3. Quadro teórico de referência: Tanto os objetivos mercadológicos quanto os de relacionamento da organização com seus públicos de interesse, devem ser valorizados e almejados na busca de competitividade e de resultados positivos e aceitáveis pela sociedade moderna. Fortes reforça essa idéia da seguinte forma: Isso significa que a necessidade de relacionamento público da organização precede e vai mais à frente das preocupações com os produtos e serviços oferecidos aos consumidores e usuários. Modernamente, cabe às Relações Públicas, baseadas no exame da realidade, instaurar oportunidades para a participação dos públicos nas decisões que os afetam. (Fortes, 2005, p.12). Os meios de comunicação de massa privilegiam o discurso mercadológico, ou seja, com as constantes e profundas modificações que o cenário internacional apresenta, o Marketing é a principal ferramenta e age como poderosa arma de conquista de espaço, tanto na mente do consumidor quanto na participação de mercado. A Comunicação no Marketing ainda é sustentada principalmente pela comunicação publicitária, um conjunto simbólico de mensagens persuasivas aplicadas aos meios de comunicação de massa, onde as imagens aparecem como iscas para a atração do consumidor. O target da comunicação publicitária o consumidor recebe as mensagens, sendo estimulado constantemente a aceitar uma ideologia proposta no anúncio. Em relação à ideologia do consumo, pela qual os produtos substituem as angústias e frustrações, o consumidor toma atitude aquisitiva frente aos objetos. Assim, como proposta, a Terceira Linguagem gera credibilidade, pois estabelece um debate acerca da organização que trata seus clientes não como simples consumidores, mas na investidura de um cidadão consciente, capaz de tomar decisões sobre o que se passa a sua volta, principalmente nas questões de consumo. Constrói reputação, harmoniza as necessidades humanas e os recursos empregados de forma racional e sustentável, equilibrando oferta e procura dos bens de consumo e deslocando a visão única das outras duas linguagens para implantar um discurso com noção cultural e ética, de responsabilidade. Há um confronto na promoção mercadológica, que requer mediação. O corpo teórico funciona como elemento dessa mediação. As diferentes formas de discurso entre interlocutores inseridos no ambiente de uma organização o consumidor aí incluído de modo preponderante são compreendidas de modo incompleto ou distorcidas se não se raciocina de forma triádica, com um campo de linguagem em que seja possível relativizar e determinar as características das linguagens que se contrapõem. Questões de responsabilidade nos relacionamentos institucionais que gerem credibilidade têm recebido grande destaque e atenção e fazem parte da pauta da diretoria das organizações. Não se observa, no entanto, entre os atores voltados a objetos constituídos no ambiente institucional movimento em favor da ética, que valorizam a vida nos negócios, que representam diferença no mundo empresarial. O valor de uma marca é a resultante dessa nova percepção que o cliente desenvolve a respeito do comportamento social, definida por uma empresa como postura estratégica nos negócios.

6 Profissionais de Marketing devem interpretar as questões culturais, sociais e ambientais e acrescentar aos consumidores uma preocupação responsável. Necessário se faz estabelecer novos conteúdos comunicacionais e formas operacionais de produção e de difusão, com segmentos específicos para obter definições claras e coerentes sobre o equilíbrio entre a oferta e o consumo. Um discurso organizacional mais racional deve influir no processo de troca e na comunicação com os públicos. Ao transitar por questões de conquista de novos mercados, os administradores necessitam obrigatoriamente, adotar uma nova postura, uma visão de responsabilidade para com a sociedade, o que deve possibilitar um maior diálogo entre formas de linguagem que até então se excluíam mutuamente. As instituições devem respeitar a multiplicidade cultural e de interesses que as cercam, e avançam para um posicionamento além das questões do Marketing, quando reconhecem que os indivíduos e os grupos sofrem influências do ambiente. O discurso persuasivo dos meios de comunicação mercadológicos apresenta a Publicidade como arma de conquista de espaço na mente do consumidor, representando maior participação no share de mercado. Barbosa define com clareza o conjunto de questões envolvidas nessa discussão: Não se trata de designar a articulação publicitária como fonte de todos os males das sociedades capitalistas... Para tanto são utilizados numerosos recursos simbólicos que assumem, pelo implícito dos discursos, os aspectos lúdicos (positivos e/ou negativos), pois não se trata apenas uma ação de representar, mas que se inscreve num conjunto social e bem-definido. É um aparelho ideológico que difunde um poder específico. (BARBOSA, 1997, p.179). O ponto de debate dessa linguagem é centrado na idéia de que a Comunicação, por si só, já deve conter uma visão consequencialista, cultural, ética e responsável. A Terceira Linguagem medeia às outras linguagens, pois é integrada pelas formas tradicionais de linguagem de Marketing, a qual busca aumento de participação no mercado, e a comunicação institucional, que apresenta e divulga a instituição a fim de conquistar um conceito forte e favorável para a organização sem se preocupar diretamente com as questões comerciais. Como ilustração, pode-se citar que o consumidor atual médio não leva em conta, dentre outros aspectos, o custo ambiental ou mesmo cultural da satisfação do seu desejo. E as instituições, por sua vez, têm compromissos financeiros a cumprir e, muitas vezes, por esse motivo, negligenciam seus comprometimentos sociais. Portanto, a proposta de novos meios e mensagens, contendo formas discursivas mais éticas e com base na cultura local, equilibrando essência e aparência elevaria o cliente à categoria superior de indivíduo, não de um mero consumidor. Psicólogo social, Pichon-Rivière ( ) em sua obra Psicologia da Vida Cotidiana (1998), analisa o consumidor do ponto de vista da vida diária, seu comportamento rotineiro, lembrando que os meios publicitários invadem sua mente com marcas, slogans e imagens, buscando sempre a sua sedução e levando-o ao consumo. Cada objeto da comunicação publicitária se converte numa isca para uma possível tentação. O autor chama de conduta consumidora a forma de comportamento de caráter psicológico e acima de tudo social que pode ser moldada pelo grupo a que o sujeito pertence, ou deseja pertencer.

7 Um consumidor, ao adquirir um produto, está constantemente tomando uma decisão, assumindo uma posição que pode acima de tudo merecer uma classificação ética visto que adota ou não, o discurso de certos produtos e marcas. Existe uma identificação entre o produto e o seu detentor, e o inter-relacionamento do eu e do meu torna-se inevitável. É neste momento que o sentimento de posse, que o consumidor tanto deseja e busca, será satisfeito ou não. Comprar, então, significa estabelecer um vínculo entre o objeto comprado e o seu detentor, escapar da solidão, aderir a um grupo, adquirir um lugar no mundo e ter o sentimento de pertinência. As mercadorias são compradas pelas imagens que possam produzir e veicular na vista e na vida do consumidor, e não por seus benefícios reais ou valor de uso. Não é o carro que o consumidor deseja adquirir para substituir, por ser melhor, daquele que já possui no momento; é a mensagem que a mente transmite de que aquela substituição é indispensável. Trata-se da satisfação de voltar a adquirir, consumir. Se esse tipo de disposição acontece sempre a intervalos curtos, maior o sucesso comercial da empresa produtora. O cliente não enxerga esse comprometimento mente-enviandopara-a-boca e não se considera refém desse mecanismo. Segundo Pichon-Rivière, o consumidor tem uma atitude aquisitiva que é o ponto de conexão entre ele e seu meio, é uma posição que adota mediante um produto ou uma situação concreta; é uma tomada de posição frente aos objetos de consumo. Há ainda o autodirigido, aquele consumidor mais consciente e que tem filtros, em outras palavras, tem a capacidade de não ser submisso aos incessantes estímulos da comunicação persuasiva. Esse consumidor autodirigido merece maior estudo, aproveitando o fato de que este está consciente dos prejuízos que seus atos podem causar se não forem observadas regras para uma conduta mais responsável. Correntes semelhantes formadas por consumidores autodirigidos já se desenvolvem com os consumeristas, que se organizam e se espalham mundo afora, fazendo o sentido inverso dos consumistas. Para o filósofo alemão Hans Jonas ( ), existe uma nova ética, uma forma de pensar no futuro que exige responsabilidade nos atos do ser humano. Seria uma ética que, em primeiro lugar, valorize a vida, não somente a vida humana, mas todas elas, onde o bem é a razão de todo o mundo, pois os preceitos éticos da visão antropocêntrica não mais são suficientes ao ser humano. A compulsão desenfreada ao consumo, indiferente às consequências, representa uma grande ausência de responsabilidade, traduzida na falta de cuidado com o ambiente em que se vive. Não se pode pensar a cultura contemporânea, sem pensar os princípios éticos de uma ideologia ecológica responsável, segundo Jonas. Os avanços tecnológicos, se mal administrados, podem criar consequências que afetam a vida humana e todo o planeta, apesar de permitirem as grandes conquistas deste século. A liberdade que a ciência adquiriu ocupa posição única na humanidade, não limitando os outros direitos (JONAS, 1995, p.137). Assim, Jonas entende que deve haver responsabilidade na ação e que a liberdade exagerada não impõe a necessária responsabilidade no agir, levando o ser humano às desconsiderações sociais. O grande paradoxo é o fato de que o homem controla a natureza por meio de uma técnica que ele não controla mais. Para ele, a liberdade da ciência é um direito supremo e deve estar livre de toda e qualquer barreira, mas que não deve comprometer a existência do ser. A responsabilidade seria então uma preocupação com o futuro que poderia representar a garantia da existência humana, de tudo que está ao seu alcance. Se existe o poder sobre a natureza, também se devem adotar responsabilidades sobre ela. Um novo agir representaria uma mudança de comportamentos e atitudes; seria buscar o próprio bem, mas acima de tudo o bem coletivo. Por sua vez, outro filósofo alemão, Haug, levantando a questão do estudo do consumidor considera:

8 a tecnocracia dos sentidos é um fator de consumo, já que impera na produção do ilusório, do imaginário. A estética da mercadoria atua como sensualidade, as mercadorias expostas na vitrine mostram-se para seus possíveis compradores com olhares sensuais, provocativos, sugerindo ao comprador que as leve. (apud MARCONDES FILHO, 1988, p.35). As instituições têm compromissos a cumprir e muitas vezes desconsideram seus comprometimentos e responsabilidades sociais. A adoção de posturas mais éticas e responsáveis, com novas mídias e mensagens, bem como a criação de vínculos mais fortes com o consumidor, permitiria o exercício da verdadeira função da Terceira Linguagem. Portanto, o que se chama de Terceira Linguagem estabelece um campo de mediação em que se expande o debate acerca da Comunicação publicitária que trata seus clientes não somente como simples consumidores de seus produtos ou serviços, mas também na investidura de um cidadão pensante e consciente o público capaz de tomar decisões sobre tudo que se passa a sua volta, inclusive, e principalmente, se as questões de consumo responsável forem atingidas. Como principais características dessa linguagem, podem-se citar algumas: respeitar e se adaptar a cultura local; apresentar ousadia e modernidade; tratar a Comunicação como uma ferramenta estratégica, dosando as características persuasivas com a institucional; procurar tratar o consumidor como um ser mais conscientizado dos aspectos sociais, culturais, éticos e ambientais; oferecer aos consumidores argumentos racionais do produto, com informações técnicas e científicas se for o caso; abrir novos meios que permitam ao cliente sua efetiva participação nas decisões da empresa, fundamentando a ética da responsabilidade. Em síntese, esta é uma nova e necessária forma de comportamento, e de discurso profissional, que resulta em um mais racional equilíbrio entre a oferta e o consumo responsável. Isto é realizado por intermédio de uma Comunicação publicitária efetiva com os consumidores, promovendo uma melhoria dos relacionamentos nos negócios e das sociedades em que se inserem. 4. Objetivos do Projeto: A proposta do Projeto de Pesquisa é investigar a aplicação da Terceira Linguagem como base na Gestão Estratégica da Comunicação, no Cross-cultural Marketing. Pretende ainda possibilitar maior competitividade e crescimento das empresas brasileiras nos mercados externos, através da melhoria dos discursos para com seus públicos, oferecendo às organizações brasileiras com atuação internacional uma forma de comunicação mais ética e crível para com seus mercados. A pesquisa irá ainda levantar as questões culturais da comunicação publicitária e analisar o discurso das organizações, a fim de consolidar os fundamentos da Terceira Linguagem como ferramenta de gestão transcultural nas organizações. 5. Procedimentos metodológicos:

9 Como se trata de uma nova forma de comunicação para com o mercado proposta pelo autor desse projeto, acredita-se que as empresas desconhecem tal linguagem, o que permite, inicialmente, apenas uma observação metodológica através de levantamento bibliográfico sobre o tema. A pesquisa, para atender os objetivos propostos, será predominantemente bibliográfica. Tal metodologia tem por finalidade conhecer a contribuição científica realizada sobre o assunto até o momento, pois se pretende ler, fichar, arquivar e resumir os assuntos relacionados com a pesquisa, como sugere Oliveira (1985). O aspecto metodológico, por meio de levantamento bibliográfico, permitirá uma maior compreensão das necessidades comunicacionais das organizações, mais especificamente dos conceitos de Marketing, de Cross-cultural Marketing, de Comunicação Social para com o mercado, de Comunicação Organizacional, de Publicidade e Propaganda, de cultura organizacional e dos pressupostos éticos pertinentes a uma instituição empresarial ou organizacional. Será feita uma revisão bibliográfica com o intuito de pesquisar as referências disponíveis e se existem inovações sobre o tema. A metodologia levantará a literatura sobre o assunto, e irá auxiliar na compreensão das informações necessárias que definirão os aspectos evidenciados. A pesquisa bibliográfica exploratória é metodologia exeqüível e de baixo custo, permitindo aprofundar nos temas pertinentes à pesquisa e uma ampla disseminação dos conhecimentos adquiridos. Irá possibilitar o contato direto com o que já foi escrito sobre o assunto. Gil (1996) observa que a vantagem da pesquisa bibliográfica reside no fato de que o investigador tem a sua disposição a interpretação dos fenômenos de uma maneira mais abrangente, do que aquela que ele pode pesquisar diretamente. Para Yin (2001), a escolha da estratégia utilizada na pesquisa exploratória é importante, pois se deve considerar o tipo de questão da pesquisa proposta; a extensão de controle que o pesquisador tem sobre os aspectos comportamentais efetivos; e ainda o grau do enfoque em acontecimentos históricos em oposição a acontecimentos contemporâneos. 6. Considerações finais: Organizações brasileiras com operações no exterior enfrentam condições distintas das vividas no seu mercado de origem, o que cria uma grande competição entre os participantes. As multinacionais com origem em países mais desenvolvidos, por sua vez, estão focando suas atividades em produtos e serviços com alto valor agregado e desenvolvem comandos globais de produção em uma economia internacionalizada em estágio institucional, o que sobra pouco espaço para os players denominados late-movers. Não se pode pensar a gestão da comunicação mercadológica sem levar em consideração as influências culturais de cada mercado. A cultura afeta os ambientes e as arenas de negócios, interferindo nas preferências, nos gostos e nas escolhas dos consumidores. A cultura influências internas e externas do indivíduo é um fator preponderante no comportamento do consumidor. A classe social de uma pessoa, assim como sua família e seu grupo, são fatores preponderantes no seu comportamento. Em ambientes internacionais, antes das estratégias, é necessário conhecer a cultura, sua influência e seus fatores condicionantes. As pessoas pensam e se comportam de diferentes maneiras, variando os padrões culturais pré-estabelecidos, e o marketing e a comunicação devem levar esses fatores em conta no momento de definir suas estratégias.

10 A globalização, da forma que se apresenta atualmente, produziu, a partir de 1980, um caldeirão cultural, nivelando e homogeneizando os sistemas culturais nas formas de expressão e de comunicação. Isto ocorreu principalmente na propaganda o que trouxe consigo o marketing transcultural, com marcas globalizadas e comportamento universal. Esses fatores ultrapassam fronteiras e provocam um nivelamento cultural entre os países. As fontes de informação a que se tem acesso estandardizam, igualam os seres humanos, devido à facilidade de alcance dos meios de comunicação eletrônicos mundiais. As empresas brasileiras com atuação em mercados externos estão cada vez mais competitivas e necessitam de estratégias criativas do ponto de vista do discurso. Assim, o ineditismo da Terceira Linguagem e desta investigação, irá desenvolver referências na interposição da Comunicação de Marketing em organização com atuação internacional. Com a pesquisa, a proposta é obter resultados de forma científica para sustentar a aplicação da Terceira Linguagem no discurso das organizações brasileiras em ambientes culturais diversos, tornando-as mais competitivas. Pretende-se ainda disseminar tal conhecimento em mercados internacionais, carentes de formas comunicacionais mais éticas, que gozam de credibilidade. Dessa forma, esta pesquisa poderá colaborar para o desenvolvimento das áreas e de profissionais de Marketing e de Comunicação Social, pois incorpora novas perspectivas para a Comunicação Organizacional. 8. Referência Bibliográfica BARBOSA, I. S. Contribuições para uma semântica contexto-situacional na área publicitária. São Paulo: ECA/USP, 1977 (Dissertação de Mestrado). BARBOSA, Lívia. Cultura e empresas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.; BEHRENS, Alfredo. Cultura e administração nas Américas. São Paulo: Saraiva, BOONE, Louis E.; KURTZ, David L. Marketing Contemporâneo. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC, Boston Consulting Group. Relatório Anual (2006) BUENO, Wilson da Costa. Comunicação Empresarial: teoria e pesquisa. São Paulo: Manole, COHEN, David. Os dilemas da ética. São Paulo: Atlas, CONTRERA, Malena S. (org.) Publicidade e Cia. São Paulo: Pioneira Thomson, DAFT, Richard L. The New Era of Management. Ohio, USA: Thomson, DICKEN, P. Global shift: transforming the world economy. 3. ed. London: Paul Chapman, FORTES, Waldyr Gutierrez. Transmarketing: estratégias avançadas de Relações Públicas no campo do marketing. São Paulo: Summus, FREITAS, Maria Ester de. Cultura Organizacional: evolução e crítica. São Paulo: Thomson Learning, Cultura Organizacional: identidade, sedução e carisma? 5. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1996.

11 GRANDE, Ildefonso. Marketing cross-cultural. São Paulo: Thomson Learning, IANNI, Octavio: Teorias da Globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, KLEIN, Naomi. Sem Logo: a tirania das marcas em um planeta vendido. Ed Record. 3ed. Rio de Janeiro KOTLER, Philip. Administração de marketing: a edição do novo milênio. 10ed. São Paulo: Ed. Prentice Hall, Princípios de marketing. 7. ed. Rio de Janeiro: Ed. LTC, LEVITT, Theodore. A Imaginação de Marketing. São Paulo: Atlas LIMA, Luis Costa (org.): Teoria da cultura de massa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 3ª ed MORETTI Cristina. Rev. Comunicação Empresarial ABEJE, nº 50 ano 14 OLIVEIRA, Jayr Figueiredo [et al.] Administração no contexto internacional: cenários e desafios. São Paulo: Saraiva, OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Teoria, Técnica e Prática de Pesquisa. 3 ed. São Paulo, I.M.S PICHON-RIVIÈRE, Enrique. ANA P. Quiroga. Psicologia da vida cotidiana. São Paulo: Martins Fontes, PINHO, J. B. Comunicação em marketing: princípios da comunicação mercadológica. 6 ed. Campinas: Papirus, RANDAZZO, Sal. A Criação de Mitos na Publicidade: como os publicitários usam o poder do meio e do simbolismo para criar marcas de sucesso. Rio de Janeiro: Editora Rocco, SANT ANNA, Armando. Propaganda: teoria, técnica e prática. 7.ed. rev. São Paulo: Pioneira, SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 18ª Ed. Rio de Janeiro: Record, SCHNEIDER, Susan C. Managing across cultures. 2nd ed. Harlow, England: Pearson Education SIQUEIRA, José Eduardo. Ética e tecnociência: uma abordagem segundo o princípio de responsabilidade de Hans Jonas. Londrina: Ed. UEL, STOHL, Cynthia. Globalizing Organizational Communication, in F.M. Jablin & L.L. Putnam (eds), The new handbook of Organizational Communication, Advances in Theory, Research and Methods, Thousand Oaks: Sage Publications TANURE, Betânia. Gestão a Brasileira - Uma Comparação entre America Latina, Estados Unidos e Ásia. 2ed São Paulo: Atlas, TANURE, Betânia e DUARTE, Roberto Gonzalez. Gestão Internacional. São Paulo: SARAIVA, The Wall Street Journal Americas (15/08/2005) VASCONCELLOS, Eduardo. Internacionalização, Estratégia e Estrutura - O Que Podemos aprender com o sucesso da Alpargatas. São Paulo: ATLAS, 2008

12 . Internacionalização Competitiva. São Paulo: ATLAS, 2008 YIN, Robert. Estudo de Caso-planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, ZANCANARO, Lourenço (Tese). O conceito de Responsabilidade em Hans Jonas. Campinas, SP: [s.n.], 1998.

A Terceira Linguagem: a criação de Relacionamentos de uma organização com seus públicos.

A Terceira Linguagem: a criação de Relacionamentos de uma organização com seus públicos. A Terceira Linguagem: a criação de Relacionamentos de uma organização com seus públicos. GT ABRAPCORP 4 - Linguagem, retórica e análise dos discursos institucionais. A Terceira Linguagem: a criação de

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Luciano Mattana (UNIFRA) lucianomattana@unifra.br Greice de Bem Noro (UNIFRA) greice@unifra.br Milena Marinho Mottini (UNIFRA) milleninhamm@hotmail.com

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e MBA Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Março e Abril de 2014 Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Planejamento Estratégico

Leia mais

O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2

O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2 O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2 1 Graduada em Comunicação Social - UFV, Gerente de Marketing da Lifesys Informática Ltda.

Leia mais

Na história da humanidade é a primeira vez que um conjunto de técnicas envolve o planeta como um todo e faz sentir, instantaneamente, sua presença.

Na história da humanidade é a primeira vez que um conjunto de técnicas envolve o planeta como um todo e faz sentir, instantaneamente, sua presença. GESTÃO DE PESSOAS I 3º Roteiro de Estudo - Globalização, capital humano e gestão de pessoas Vários paradigmas relacionados ao sucesso das empresas envolvem pessoas EMPRESAS DAS LEARNING ORGANIZATIONS CENÁRIO

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda professor Rafael Ho mann Setores envolvidos Anunciante também conhecido como cliente, é a empresa, pessoa ou

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda TOMITA, Iris Y. mestre Unicentro - PR RESUMO A expansão dos cursos de Publicidade e Propaganda nos anos 1990 reflete um contexto histórico

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

A ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA COMUNICAÇÃO INTERNA. Palavras-chave: Comunicação Interna; Público Interno; Relações Públicas.

A ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA COMUNICAÇÃO INTERNA. Palavras-chave: Comunicação Interna; Público Interno; Relações Públicas. A ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA COMUNICAÇÃO INTERNA Thais P. P. Jerônimo Duarte A comunicação permeia todas as atividades de uma organização, uma vez que é por meio dela que todos os públicos

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1

RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1 RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1 Jeaine Cardoso Soares 2 Resumo Parafraseando a célebre indagação Shakespeariana: Ser ou não ser, eis a questão e aproveitando

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

CGBA Certificate in Global Business Administration

CGBA Certificate in Global Business Administration CGBA Certificate in Global Business Administration Desafios Internacionais, Líderes Globais O CERTIFICATE IN GLOBAL BUSINESS ADMINISTRATION O Certificate in Global Business Administration (CGBA), criado

Leia mais

Desenvolvimento em Questão ISSN: 1678-4855 davidbasso@unijui.edu.br. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Desenvolvimento em Questão ISSN: 1678-4855 davidbasso@unijui.edu.br. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Desenvolvimento em Questão ISSN: 1678-4855 davidbasso@unijui.edu.br Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul Brasil Formentini, Marcia Responsabilidade social e marketing social

Leia mais

O papel das Relações Públicas na comunicação integrada: estudo de caso da marca Alemanha na copa do Brasil

O papel das Relações Públicas na comunicação integrada: estudo de caso da marca Alemanha na copa do Brasil O papel das Relações Públicas na comunicação integrada: estudo de caso da marca Alemanha na copa do Brasil Cândice da S. Quincoses Universidade Metodista - UMESP Resumo As diversas mudanças tecnológicas

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES Valéria Pastura 1, Antônio Carlos de A. Mól 1,2,3, Ana Paula Legey 1,2,3, e Celso Marcelo F. Lapa 1,2,3 Instituto

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Governança corporativa e Relações Públicas: pontos de contato

Governança corporativa e Relações Públicas: pontos de contato Governança corporativa e Relações Públicas: pontos de contato Corporate governance and Public Relations: points of contact Gobernabilidad corporativa y Relaciones Públicas: puntos de contacto Waldyr Gutierrez

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

A Terceira Linguagem em Relações Públicas. A catalisadora de conceitos de uma Organização Por Renato Rodrigues Martins

A Terceira Linguagem em Relações Públicas. A catalisadora de conceitos de uma Organização Por Renato Rodrigues Martins A Terceira Linguagem em Relações Públicas. A catalisadora de conceitos de uma Organização Por Renato Rodrigues Martins Nas organizações, a comunicação social divide-se em duas grandes áreas, que são a

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1

Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1 1 Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1 Danielle Rocha Gonzales 2 Resumo: A comunicação de uma organização, para ser eficiente depende de diversos setores e de como os diversos

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1

Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1 Sejam bem vindos!! Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1 Dinâmica de apresentação dos Alunos. Informações relevantes. Apresentação dos Objetivos da Disciplina e Metodologia. Mini Currículo Luciana

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 118 MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Diogo Xavier

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Marcas e Relações Públicas: uma revisão teórica 1

Marcas e Relações Públicas: uma revisão teórica 1 Marcas e Relações Públicas: uma revisão teórica 1 Letícia de Brum Passini 2 Luciana Perazzolo Cristofari 3 Elisângela Carlosso Machado Mortari 4 Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Santa Maria,

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 1 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Administração

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO 122 A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO Edilene Mayumi Murashita Takenaka, Sérgio Luís Destro, João Vitor Minca Campioni, Dayane Magalhães Fernandes, Giovana Maria

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS - SP Área de conhecimento: GESTÃO E NEGÓCIOS Componente Curricular: MARKETING INSTITUCIONAL Série:

Leia mais

1 Introdução 2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing

1 Introdução  2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing Diferenciação Informada: um Estudo sobre os Efeitos da Informação sobre a Disposição a Pagar João Roberto Lo Turco Martinez joaoadm01@yahoo.com.br UFG Lorena Estrela Peixoto lorenapeixoto18@yahoo.com.br

Leia mais

Brasif Máquinas e Brasif Rental: de mãos dadas para o futuro 1

Brasif Máquinas e Brasif Rental: de mãos dadas para o futuro 1 Brasif Máquinas e Brasif Rental: de mãos dadas para o futuro 1 Ana Carmela Sabetta Vecchione3 Giulia Agria Moraes 3 Mariana Bueno Posso 3 Rafaela Jorge Colella 3 Renata Torres Tersiote 2 Sthefanie Sparvoli

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO INTRODUÇÃO: As empresas corporativas atualmente desenvolvem visões e políticas que se enquadrem no conceito de desenvolvimento sustentável, responsabilidade

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Disciplina: Comunicação Pública Professores: Ellis e Asdrubal Aluno: João Paulo Apolinário Passos Universidade de Brasília Assessoria de Imprensa em Comunicação Pública e Governamental Prefeitura de Curitiba

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

APLICAÇÃO DA LINGUAGEM FINANCEIRA NA ANÁLISE DE RETORNO DE INVESTIMENTOS EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

APLICAÇÃO DA LINGUAGEM FINANCEIRA NA ANÁLISE DE RETORNO DE INVESTIMENTOS EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA APLICAÇÃO DA LINGUAGEM FINANCEIRA NA ANÁLISE DE RETORNO DE INVESTIMENTOS EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA PROF.DR. MITSURU HIGUCHI YANAZE Professor do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo

Leia mais

Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços

Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços Artigo em publicação na Revista DOM Fundação Dom Cabral edição de Julho/2009 Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços POR Lia Krucken Quais são as melhores estratégias

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS: MITOS E REALIDADES

PROJETOS CULTURAIS: MITOS E REALIDADES SEMINÁRIO PROJETOS CULTURAIS: MITOS E REALIDADES NOSSA PROGRAMAÇÃO 1ª Parte Alguns mitos e realidades sobre a Cultura e o Marketing Cultural 2ª Parte Projetos Culturais: Planejamento e modelos I - PORQUE

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Globalização: fábula, perversidade e perspectivas

Globalização: fábula, perversidade e perspectivas Globalização: fábula, perversidade e perspectivas Breve análise do livro Por uma outra Globalização de Milton Santos e o impacto na compreensão da disciplina O globo e a globalização Internet Area Geografica

Leia mais

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES André B. Pasti AGB-Campinas pasti@cotuca.unicamp.br INTRODUÇÃO No atual período da globalização

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em MARKETING

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em MARKETING PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em MARKETING SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais