MARKETING APLICADO ÀS BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARKETING APLICADO ÀS BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA CURSO DE BIBLIOTECONOMIA Midinai Gomes Bezerra MARKETING APLICADO ÀS BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ORIENTADORA: Profª. Msc. Monica Marques Carvalho NATAL - RN 2012

2 MIDINAI GOMES BEZERRA MARKETING APLICADO ÀS BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Monografia apresentada ao Curso de Biblioteconomia sob a orientação da professora Msc. Monica Marques Carvalho como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Biblioteconomia, do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Orientadora: Profª. Msc. Monica Marques Carvalho NATAL RN 2012

3 B574m Bezerra, Midinai Gomes. Marketing aplicado às Bibliotecas Universitárias: uma revisão bibliográfica / Midinai Gomes Bezerra. Natal, RN, f.; il. Orientadora: Msc. Monica Marques Carvalho. Monografia (Bacharelado) Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Departamento de Biblioteconomia, Natal, Marketing Bibliotecário 2. Bibliotecas Universitárias 3. Bibliotecas Universitárias Gestão I. Carvalho, Monica Marques. II. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. III. Título. RN/UF/DEBIB CDU 027.7:658.8

4 MIDINAI GOMES BEZERRA MARKETING APLICADO ÀS BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Monografia apresentada ao Curso de Biblioteconomia sob a orientação da professora Msc. Monica Marques Carvalho como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Biblioteconomia, do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. MONOGRAFIA APROVADA EM / / PROFª. MSC. MONICA MARQUES CARVALHO ORIENTADORA PROFª. MSC. JACQUELINE APARECIDA DE SOUZA MEMBRO PROFª MSC. MARIA DO SOCORRO DE AZEVEDO BORBA MEMBRO

5 Dedico a Deus, expressão maior em minha vida, pois sem Ele, as vitórias não seriam possíveis de serem alcançadas.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço em primeiro lugar a Deus, pelas grandes e infinitas bênçãos dispensadas a mim, mesmo sem merecer não tem me deixado faltar nada e nos meus momentos de indecisão tem me mostrado o caminho certo a seguir. Aos meus pais Belo Gomes e Maria Bezerra, por terem me ensinado o Caminho a ser seguido e me apoiado em todas as decisões. Aos meus irmãos, que são muitos, quase inumeráveis, que fizeram parte de minha vida, me dando exemplos a ser seguidos e compartilhados. Dentre eles, especialmente a Benilson e a Bergnaldo, que me acolheram em seus lares me proporcionando bem-estar. Minhas cunhadas, Gliciane e Samanda que me receberam como irmã e me adotaram como filha. Aos meus amigos que são muitos. Aos de longe, pela força e motivação que me confortavam mesmo com a distância nos momentos mais difíceis. Aos de perto, pelos momentos agradáveis, descontraídos, de lutas, mais que no final podemos contar vitória. A todo o corpo de docente do Curso de Biblioteconomia, Chefe do Departamento, Maria do Socorro de Azevedo Borba, pela ajuda em momento oportuno; minha Coordenadora de Curso Antônia de Freitas Neta, no momento que mais precisei, se apresentou a mim com toda sua presteza e atenção. Especialmente a minha orientadora de monografia, professora Monica Marques Carvalho, que abraçou essa causa comigo, te agradeço de coração. Todos meus professores de Curso

7 que contribuíram nesse grande passo na minha vida, sem vocês, minha vitória não teria sido possível. Ao clube das Super poderosas, Bruna Laís, Carla Beatriz, Malkene Wytiza e Patrícia Barbosa, meninas, vocês nem imaginam como foram especiais para mim em todos os momentos da vida acadêmica, nas aulas, nos estudos, nas viagens, nas resenhas, agradeço de coração por terem me recebido no clube. A todos os alunos do Curso de Biblioteconomia que se tornaram grandes amigos no decorrer desses períodos. Não posso deixar de agradecer a minha maior incentivadora pra ingressar no Curso de Biblioteconomia, Elvira Fernandes, cada vitória alcançada lhe agradeço de coração por ter me aberto os olhos para encontrar essa tão bela profissão. A todos os bibliotecários que foram meus chefes, nas bolsas, nos estágios, cada um de vocês me ensinou grandes lições. Enfim, a todos que de uma forma direta ou indiretamente, contribuíram para que eu alcançasse meus objetivos que tracei desde o início do Curso... OBRIGADA!!!!!!!!

8 Confia ao SENHOR as tuas obras, e teus pensamentos serão estabelecidos. Provérbios 16:3

9 RESUMO Aborda a questão do marketing aplicado às bibliotecas universitárias. Discorre que no contexto atual, Século XXI, o marketing é uma a ferramenta que gera vantagens para qualquer organização, pois sendo este uma filosofia de gestão, cria e agrega valor aos procedimentos adotados nas mesmas. Nesse sentido, a pesquisa em questão visa realizar uma análise do marketing aplicado as bibliotecas universitárias e especificamente objetiva conceituar o marketing fazendo um resgate histórico até os dias atuais; definir bibliotecas universitárias no presente contexto; e verificar o valor do marketing através do uso das práticas do mesmo aplicado as bibliotecas universitárias demonstrando como o mesmo pode ser aplicado. A metodologia utilizada foi a de pesquisa bibliográfica em fontes de informação eletrônicas e convencionais tais como livros, artigos científicos entre outros com a finalidade de obter embasamento teórico-metodológico. Constatou-se que a adoção de técnicas de marketing contribui na gestão de unidades de informação sendo considerada como uma proposta inovadora que facilita o acesso e alcance do público-alvo e aos objetivos propostos pela unidade. Conclui que as bibliotecas universitárias devem aplicar o marketing de forma estratégica para que possam otimizar seus serviços, alcançar os objetivos propostos bem como melhorar o relacionamento cliente-organização entre outras vantagens. Palavras-chave: Marketing Bibliotecário. Bibliotecas Universitárias. Bibliotecas Universitárias - Gestão..

10 ABSTRACT This work deals with marketing in academic libraries. Thus, it deals with the current context of the twenty first century marketing is a tool that enables advantages for the any organization and it is a management philosophy that generates value to the procedures adopted by the library. The research aims to realize an analysis on marketing applies to academic libraries and specifically aims to conceptualize marketing. A historical review was realized as well as a study that considered academic libraries, the value of marketing, and marketing practices present in this context. The methodology used was of bibliographical research in electronical and conventional information fonts such as books, articles and other aiming a proper theoretical background. It is pointed out that marketing techniques contribute to the management of academic libraries and that it is considered an innovative proposal that facilities access to the main audience and their objectives. It is possible to conclude that academic libraries should apply marketing as a strategic tool in order to optimize their on services and achieve the proposed goals as a way to enhance the relationship between client and organization. Key-Words: Library Marketing. Academic Libraries. Library Management.

11 LISTA DE ILUSTRAÇÕES IMAGEM 1: Biblioteca Parque Manguinhos IMAGEM 2: Organograma de Plano de Marketing IMAGEM 3: Organograma os 4 Ps na Biblioteca Universitária IMAGEM 4: Organograma das Funções das páginas da BU na WEB... 37

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AMA: Associação Americana de Marketing BU: Biblioteca Universitária IES: Instituição de Ensino Superior ONGs: Organizações Não Governamentais SI: Sociedade da Informação WEB: World Wide Web

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO O MARKETING O CONCEITO DE MARKETING ORIGEM E EVOLUÇÃO DO MARKETING MARKETING NAS ORGANIZAÇÕES NÃO LUCRATIVAS BIBLIOTECA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA MARKETING APLICADO ÀS BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS PLANO DE MARKETING APLICADO ÀS BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS O COMPOSTO DO MARKETING (4PS) APLICADO ÀS BIBLIOBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Produto Preço Promoção Praça CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 41

14 12 1 INTRODUÇÃO A sociedade de início do Século XXI, denominada sociedade da informação (SI), encontra-se respaldada na circulação maciça de informação com possibilidade de transformação em conhecimento, que, quando adequadamente assimilado e aplicado, gera desenvolvimento nessa mesma sociedade. Este fato concorre para que a referida sociedade seja transformada e nos remete a um novo paradigma. As mudanças que ocorrem são de ordem econômica, políticas e sociais. A sociedade de modifica como um todo. Nesta fase de livre acesso e do conhecimento, há um proporcional conjunto de transformações trazido pelos avanços tecnológicos como também pelas novas formas de organização de comercialização e da produção. Nesta sociedade, pode-se dizer que esta se denomina sociedade da informação ou sociedade do conhecimento, onde as tecnologias de informação e comunicação são seus delimitadores e sua economia é fundamentada no conhecimento. A SI tem como consequência a explosão informacional devido ao acelerado processo de produção e disseminação informacional, tendo como característica principal o alto valor de atividades produzidas e principalmente o uso intensivo das tecnologias da informação e comunicação. É preciso acentuar que muitos benefícios foram proporcionados pela grande produção de informação como, o avanço da produção científica, comunicação, processamento de dados e principalmente a grande procura informacional, mais em contrapartida trouxe ao ser humano a questão da saciedade informacional. Nessa perspectiva, devido ao aumento acelerado do fluxo informacional, e o interesse em transformar informação em produto, surge à preocupação dos profissionais que lidam em receber, tratar e disseminar todo essa massa informacional existente, na busca de melhor utilização da mesma, o profissional da informação é visto como o mediador entre os provedores de informação, os usuários e as tecnologias informacionais. No que se refere às práticas de melhor satisfazer o usuário final, o marketing desponta como uma ferramenta de auxílio ao profissional da informação. O

15 13 marketing emerge da grande circulação de bens de consumo, onde a alta concorrência e a grande competitividade são fatores para que novas estratégias sejam pensadas e adotadas na busca de clientes reais e potencias e fidelização de consumo. Sendo primeiramente aplicadas as organizações lucrativas, na intenção apenas de lucro financeiro, o marketing chegou como uma alternativa de sucesso também para organizações não lucrativas. Um exemplo é o uso das estratégias de marketing nas Bibliotecas Universitárias, trazendo a essas vantagens de sua aplicação aproximando o usuário da organização, facilitando assim a identificação das necessidades dos usuários e a busca por possíveis soluções que venham tornar esses usuários em fidedignos com a organização através do bom uso dos produtos e serviços disponibilizados pela mesma. A justificativa para o desenvolvimento do presente tema gira em torno da questão de que na sociedade moderna torna-se necessário se debruçar e entender melhor como ocorre o uso de estratégias como o marketing em bibliotecas universitárias que se caracterizam como instituições sem fins de lucro. Apesar de haver preocupação consolidada em termos de produção acadêmica ainda se torna necessário refletir melhor sobre a questão uma vez que a sociedade é mutante e imprime novas necessidades na área organizacional. O avanço crescente das modernas práticas de divulgação de produtos surge devido a necessidade de adequação por parte das Bibliotecas no sentido de melhor se utilizar das vantagens propiciadas por estas práticas. Cabe ao profissional bibliotecário selecionar dentre as muitas alternativas mercadológicas e administrativas aquela que melhor disponibilize os serviços informacionais em sua Unidade. Como motivação para escolha desse tema, houve o desejo de se aprofundar no assunto após alguns anos de experiência na área de bibliotecas, como anseio de melhor desenvolver os serviços bibliotecários à comunidade de usuários Pretende-se de forma sucinta mostrar as vantagens do uso do marketing nas Bibliotecas Universitárias para que através desse serviço aplicado ao ambiente informacional, possa haver uma melhor divulgação dos produtos e serviços destas Unidades.

16 14 Através da revisão de literatura bibliográfica e eletrônica, se pretende mostrar que é de suma importância à utilização das ferramentas do marketing nas Bibliotecas Universitárias observando as novas tendências que são praticadas na área. Como objetivo geral da apreciação do tema, pretende-se fazer uma análise do marketing aplicado às Bibliotecas Universitárias e como objetivos específicos, conceituar o marketing fazendo um resgate histórico até os dias atuais; definir Bibliotecas Universitárias no contexto atual; e verificar o valor do marketing através do uso das práticas do mesmo aplicado as Bibliotecas Universitárias. A metodologia utilizada nessa pesquisa consiste em pesquisa bibliográfica e eletrônica, através de revisão de literatura que será utilizada como procedimento metodológico com a finalidade de obter embasamento teórico-metodológico para o desenvolvimento concreto da pesquisa e a formalização do trabalho monográfico. Nesse contexto, a pesquisa encontra-se dividida em partes. No segundo capítulo, inicialmente será abordado o tema do marketing de forma geral, discorrendo sobre o conceito de marketing, sua origem e evolução, fechando sobre a questão da aplicação do marketing nas organizações não lucrativas. No terceiro capítulo, terá enfoque à biblioteca como uma organização que não possui fim lucrativo, onde uma abordagem sobre a história e a importância da biblioteca será narrada, dando um aporte principal na Biblioteca Universitária. No quarto capítulo, será apresentada a questão do marketing aplicado às Bibliotecas Universitárias ressaltando o plano de marketing e o composto de marketing aplicado as Bibliotecas, descrevendo também os 4Ps do composto de marketing, descrevendo estes em, produto, preço, promoção e praça. Por fim são traçadas as considerações finais.

17 15 2 O MARKETING Com o advento de novas formas de práticas informacionais e as mudanças trazidas pelas grandes transformações ocorridas logo após a Revolução Industrial, com o uso das tecnologias de informação que despontam a cada dia, pode-se afirmar que todos os setores são e estão envolvidos por esse turbilhão de mudanças. Em se tratando da área econômica, as organizações vêm se preocupando com a melhoria dos serviços prestados e na satisfação de seus clientes. Nesse presente Século percebe-se que as empresas devem estar atentas tanto aos consumidores como também aos seus concorrentes, sejam estes grandes ou pequenos, ou seja, a concorrência é quem incentiva as organizações. Por isso, os profissionais que lidam com a divulgação e propaganda estão fazendo uso de ferramentas de estudo de mercado, de consumidores e na criação de produtos e serviços que atendam as necessidades de seus clientes. Nesse contexto, o marketing é atualmente a ferramenta que gera muito sucesso para qualquer organização ou empresa em todo mundo, seja ela de qualquer ramo, pois sendo este uma arte que cria e dá valor simples para os clientes ajudando-o para que estes se tornem ainda melhores. No seu sentido restrito, o marketing pode ser entendido como desenvolver ações de mercado, onde o cliente é o agente principal dessa ação, pois todas as metas do marketing bem aplicadas trazem a fidelidade de clientes, buscando perceber suas necessidades atuais e futuras para a partir daí, desenvolverem seus produtos e serviços. Partindo do pensamento de Kotler (1998, p. 29) que assegura que o marketing aparece quando as pessoas resolvem satisfazer suas necessidades e desejos através da troca.

18 CONCEITOS DE MARKETING Os conceitos e definições do que venha a ser o marketing, tem sido apresentado por vários autores de acordo com a época em que foram formulados, mais a ideia principal permanece em todos eles. Segundo Kotler (1994, p. 20): O marketing é a analise, o planejamento, a implementação e o controle de programas cuidadosamente formulados e projetados para propiciar trocas voluntárias de valores com mercado-alvo, no propósito de atingir os objetivos organizacionais [...]. Na percepção de Kotler, para que os objetivos das organizações sejam alcançados é necessário que primeiramente seja feita a análise das atividades da empresa para que depois se faça o planejamento e só assim se ocorram à implementação e o controle das ações que visam o propósito maior das empresas, seu lucro e a satisfação dos seus clientes. Conforme a AMA - Associação Americana de Marketing (2004 apud LAS CASAS, 2009, p. 7) redefiniu marketing como: O marketing é uma função organizacional e um conjunto de processos que envolvem a criação, a comunicação e a entrega de valor para o cliente, bem como a administração do relacionamento com eles, de modo que beneficie a organização e seu público interessado. Devido às mudanças atuais na aplicação do marketing onde a troca e o relacionamento têm valor para as organizações, Las Casas (2009, p. 15) propôs uma atualização na sua definição de marketing:

19 17 Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de trocas orientadas para a criação de valor dos consumidores, visando alcançar determinados objetivos de empresas ou indivíduos através de relacionamentos estáveis e considerando sempre o ambiente de atuação e o impacto que essas relações causam no bem-estar da sociedade. Diante dessa definição, pode-se notar que o marketing visa à troca de valores entre organização e clientes, onde as organizações criam valor e qualidade para a satisfação dos clientes proporcionando-lhe bem-estar nessa troca de valores. Já segundo Kotler e Armstrong (2000, p. 3) o conceito de marketing se baseia nos termos que são mais importantes: necessidades, desejos e demandas, produtos, valor satisfação e qualidade, troca, transação e relacionamentos e mercados. Para eles Marketing é o processo social e gerencial através do qual indivíduos e grupos obtêm aquilo de que necessitam e desejam, criando e trocando produtos e valores com outros. A compreensão que marketing deve ser encarado como uma filosofia é para Cobra (2011, p. 20) importante, pois, esta estabelece uma norma de conduta para a empresa em que as necessidades dos consumidores devem definir as características dos produtos ou serviços a serem elaborados com as respectivas quantidades a serem oferecidas. Diante da percepção do assunto baseado nos vários autores, o marketing pode ser entendido como o interesse das organizações se manterem atuantes no mercado em que estão inseridas, visando seus interesses de troca de produtos e acima de tudo, a satisfação de seus clientes. Os estudiosos de marketing têm em comum em suas definições é que este busca prioritariamente a troca de produtos ou serviços que tragam interesse aos seus consumidores e estes divergem na medida de que tempos foram formulados seus conceitos ou a área de atuação em que o conceito de marketing pretende ser aplicado. Se não for bem definido, o marketing pode ser entendido apenas como propaganda, publicidade ou vendas, sendo até percebido por alguns como uma ferramenta de enganar as pessoas, disfarçando as

20 18 reais qualidades de um produto induzindo o comprador no consumo de uma mercadoria. A seguir, será enfocado sobre a origem e evolução do marketing, visando esclarecer melhor o conhecimento de como surgiu e evoluiu até chegar à aplicação aos dias atuais. 2.2 ORIGEM E EVOLUÇÃO DO MARKETING O marketing enquanto área do conhecimento enreda um conjunto de atividades que inclui planos, concepções e concretizações, que apontam para a necessidade de clientes, identificando as necessidades e criando oportunidades de produtos ou serviços prestados pelas organizações. Conforme Madruga (2006, p.18) os primórdios da administração foi no início do Século XX, com a mudança da forma de ver o setor da produção com a reforma protestante com a mudança da ética, a visão e a competitividade dos negociantes. As práticas administrativas tradicionais foram alteradas tendo em vista o aumento do retorno do lucro, com a inovação científica, a diminuição dos riscos para obtenção de lucros através de atividades empresariais. A evolução da administração se procedeu então, após a Revolução Industrial, com as transformações na racionalização das atividades de produção que como Madruga (2006, p.19) discorre, surgiu à escola clássica, que trata da teoria da administração científica e a teoria da gerência administrativa. A forma de planejar as atividades organizando e coordenando as atribuições dos trabalhadores foram as alterações ocorridas na administração. Até chegar aos dias atuais, muitas tendências têm sido desenvolvidas visando novas formas de administração. Num mundo que muda constantemente é quase improvável que os especialistas em administração cheguem a um consenso na maneira de administrar um mercado, dependerá sempre das realidades mercadológicas de cada um. Então o marketing segue os conceitos da

21 19 administração onde o foco principal é a produção, as vendas e o cliente como foco das estratégias traçadas, sendo este último o fator que determina o fracasso ou sucesso da organização. De acordo com Las Casas (2009, p.8), a evolução no conceito de marketing se baseia na mudança da comercialização que passou por três fases: Era da produção: [...] a demanda era maior que a oferta. Os consumidores estavam ávidos por produtos e serviços. A produção era quase artesanal. Com a Revolução Industrial apareceram as primeiras indústrias organizadas aplicando a administração científica de Taylor. A produtividade aumentou. Assim mesmo a ideia dos empresários e a disponibilidade de recursos eram fatores determinantes na comercialização. Era de vendas (1930): [...] começaram a surgir os primeiros sinais de excesso de oferta. Os fabricantes desenvolveram-se e produziram em série. Portanto, a oferta passou a superar a demanda e os produtos acumulavam-se em estoques. Algumas empresas começaram a utilizar técnicas de vendas bem mais agressivas e a ênfase na comercialização das empresas dessa época era totalmente dirigida às vendas. Era do marketing (1950): [...] os empresários passaram a perceber que vendas a qualquer custo não era uma forma de comercialização muito correta. As vendas não eram constantes. O mais importante era a conquista e a manutenção de negócios a longo prazo, mantendo relações permanentes com a clientela. Por isso, nessa época passou a existir uma valorização maior do consumidor. Todos os produtos deveriam ser vendidos a partir da constatação dos seus desejos e necessidades. Fazendo uma análise dos três períodos, se pode perceber que na Era da produção existia poucos produtos e muitos consumidores interessados em produtos e serviços que pouco existia. Na Era de vendas que ocorreu após a Revolução Industrial, o excesso de produtos começou a ficar nos estoques sem consumidores fazendo com que os produtores investissem em técnicas de vendas através de

22 20 grandes ofertas. E por último, na era do marketing os produtores começaram a se interessar por agradar os clientes, fazendo destes, seu foco de vendas e ofertas. Em decorrência dos avanços da aplicação do marketing nas empresas, muitas organizações se viram com a necessidade de adotarem as práticas mercadológicas no seu ambiente organizacional. Nesse contexto, surge à necessidade das organizações que não visam o lucro de seguir essas práticas, como será visto no tópico a seguir. 2.3 MARKETING NAS ORGANIZAÇÕES NÃO LUCRATIVAS A administração das organizações que não estão voltadas para a questão lucrativa, estão cada dia mais cientes e inteiradas da importância do marketing no ambiente de divulgação de seus produtos e serviços. A partir da necessidade dessas organizações em se tornarem conhecidas e bem vistas pelos clientes consumidores de seus produtos e serviços há o interesse de utilização de técnicas que proporcionem alcançar seus interesses. maneira: Nessa perspectiva, Kotler (1998, p. 24) discorre sobre o tema da seguinte A razão básica de uma organização que não visa a lucro interessarse pelos princípios formais de marketing é que eles permitem que a organização se torne mais eficaz na obtenção de seus objetivos. As organizações numa sociedade livre dependem das trocas voluntárias para que possam realizar seus objetivos. Os recursos devem ser atraídos, os empregados devem ser estimulados, os clientes devem ser encontrados. O planejamento de incentivos apropriados é um passo importante no estímulo dessas trocas. O marketing é a ciência que mais se preocupa com o controle eficaz e eficiente das trocas.

23 21 Dessa forma, se pode perceber que o principal enfoque das organizações não lucrativas é o valor da troca para obtenção de seus objetivos, através de recursos que chamem a atenção dos seus clientes para que estes se tornem consumidores reais e potenciais. Essas organizações visam principalmente à satisfação de seus clientes, sendo estes, seu público-alvo, como também a atração de recursos para convencer outros públicos. Ainda segundo Kotler e Andreasen (1996 apud SHIRAISHI; CAMPOMAR) 1 afirmam que existem algumas características em organizações sem fins lucrativos que adotam uma moderna orientação para o marketing: são voltadas para os clientes; confiam em pesquisas de forma severa; têm uma tendência para segmentação; definem sua concorrência amplamente; possuem estratégias usando todos os elementos do mix de marketing, não apenas a comunicação. Todas essas orientações voltadas para o marketing de organizações sem fins lucrativos ajudam na promoção para o público que busca os produtos e serviços dessas organizações, proporcionando satisfação e eficiência do objetivo da atividade de mercado. Ou seja, mesmo que os recursos financeiros não sejam a mola mestra do processo de desenvolvimento de atividades, essas organizações não são dependentes desse processo, mais primam para que sua missão seja cumprida no âmbito organizacional, fazendo com que o recurso financeiro se constitua um meio e não um fim. Um dos elementos de fundamental importância para o marketing se desenvolver nas organizações que não visam o lucro é a imagem que esta poderá ter diante do seu público e a partir dessa percepção desenvolver táticas de seu público-alvo lhe dar preferências nos produtos e serviços prestados. De acordo com o estudo de Baptista (2004, p. 50), o marketing pode servir como ferramenta para mudança de imagem ou para fazer uma avaliação da organização. 1 Documento on line não datado e não paginado.

24 22 Então, quem seriam essas organizações sem fins lucrativos que se importam em promover seus serviços? Pode-se exemplificar que as igrejas, fundações, escolas, hospitais, grupos sociais, bibliotecas, Organizações Não Governamentais (ONGs) atendem a esse requisito. O momento crescente do uso de marketing no setor público e sem fins lucrativos tem sido um uma oportunidade para aqueles que gerenciam organizações. Com referência a biblioteca, esta por se constituir numa organização que dispõe de produtos e serviços informacionais e que utiliza as ferramentas de prestação de serviços visando melhor servir aos seus usuários, o marketing é colocado como enfoque para avaliar, planejar e implementar esses produtos informacionais, com vistas a examinar se a missão da biblioteca está sendo alcançada. Face ao exposto, no próximo tópico irá se tratar do tema sobre biblioteca e como esta contribui nesse contexto estudado.

25 23 3 BIBLIOTECA O homem desde o limiar de sua existência se preocupou com o registro de sua história através de informações gravadas em vários tipos de suporte com a intenção ou não de que sua descendência fosse sabedora dos fatos que lhe ocorreram. No decorrer da história humana, as bibliotecas são como uma ponte que leva toda essa história caracterizando o indivíduo diante da rápida multiplicação da informação como também o acesso a esse grande acervo informacional. Desde sua gênese a biblioteca impõe o seu valor informacional como discorre Milanesi (2002, p. 21), que [...] a idéia primitiva de biblioteca: o resultado do desejo e da necessidade quase instintiva de poder utilizar várias vezes uma informação que pudesse ser significativa. E para isso, seria necessário que o conhecimento fosse registrado de maneira que posteriormente pudesse ser recuperado e usado na busca de satisfazer a necessidade de quem a consultasse. Como afirma Sousa (2008. p. 28) acerca da biblioteca: A unidade de informação que dispõe de uma coleção sistematicamente organizada, tendo em vista seu efetivo uso; serve de fonte para a leitura, estudo e pesquisa, seu propósito é contribuir para o desenvolvimento cultural e intelectual do homem, seja de caráter individual ou coletivo. Assim sendo, é considerada um meio universal e permanente de auto-educação. Em suma, pode-se inferir que a biblioteca possui o caráter de provedora de condições de acesso a informação a vários públicos com características diversas, mais que possuem em comum o desejo pela busca de adquirir novos conhecimentos através da leitura, da reflexão, do estudo, trazendo pra si o desenvolvimento intelectual e pessoal. Face ao exposto, para que o indivíduo tenha o conhecimento este precisa da informação sendo que esta é um conjunto de dados que produz algum significado

26 24 para alguém sendo expresso através de vários dados inter-relacionados, que quando bem assimilada, produz conhecimento ao indivíduo que recebe essa informação. De acordo com Barreto (2004): A informação sintoniza o mundo. Como onda ou partícula, participa na evolução e da revolução do homem em direção à sua história. Como elemento organizador, a informação referencia o homem ao seu destino; mesmo antes de seu nascimento, através de sua identidade genética, e durante sua existência pela sua competência em elaborar a informação para estabelecer a sua odisséia individual no espaço e no tempo. Com relação à definição anterior, cabe frisar que a informação desde a criação do homem faz parte do processo de desenvolvimento e existência humana como um instrumento que transforma e modifica a consciência trazendo benefícios à sociedade em que este está inserido. Sendo a biblioteca um espaço onde práticas informacionais acontecem no desenvolvimento de suas ações diárias, tem-se que sem a informação, a biblioteca não teria razão de existir. Conforme Araújo (1999, p.155), as práticas informacionais são ações de recepção, geração e transferência de informação que acontecem em redes de informações que acontecem nas formações sociais. Sendo assim, a recepção ocorre no momento da ação de seleção das informações, a geração, quando se agrega valor a informação e transferência, no processo de socializar a informação. A biblioteca é um lugar onde se armazenam e se preservam documentos informacionais em diversos formatos e de várias épocas, com a finalidade de recuperação e disseminação da informação existente em seu ambiente. De acordo com Lemos (1998, p. 348) o conceito de biblioteca seria:

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

MARKETING EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO: um processo de inovação da gestão do bibliotecário

MARKETING EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO: um processo de inovação da gestão do bibliotecário MARKETING EM UNIDADES DE INFORMAÇÃO: um processo de inovação da gestão do bibliotecário GT 2 Mercado de Trabalho, Empreendedorismo e Ações do Profissional da Informação Contemporâneo Modalidade: Comunicação

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Marketing: an essential tool for the information professional

Marketing: an essential tool for the information professional MARKETING: E O PROFISSIONAL DA INFORMAÇÃO 83 COMUNICAÇÃO Marketing: uma ferramenta fundamental para o profissional da informação Marketing: an essential tool for the information professional Cibele Roberta

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO A Biblioteca da FAPPES é uma Biblioteca especializada, mantida pela Sociedade

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA DE MARKETING DOS PRODUTOS E SERVIÇOS DA BIBLIOTECA PROF. ACHILLE BASSI

PROPOSTA DE MELHORIA DE MARKETING DOS PRODUTOS E SERVIÇOS DA BIBLIOTECA PROF. ACHILLE BASSI PROPOSTA DE MELHORIA DE MARKETING DOS PRODUTOS E SERVIÇOS DA BIBLIOTECA PROF. ACHILLE BASSI Regina Célia Vidal Medeiros 1, Gláucia Maria Saia Cristianini 1 1 Bibliotecária, Instituto de Ciências Matemáticas

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Marketing Turístico e Hoteleiro

Marketing Turístico e Hoteleiro 1 CAPÍTULO I Introdução ao Marketing Introdução ao Estudo do Marketing Capítulo I 1) INTRODUÇÃO AO MARKETING Sumário Conceito e Importância do marketing A evolução do conceito de marketing Ética e Responsabilidade

Leia mais

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 118 MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Diogo Xavier

Leia mais

GERÊNCIA DA PROMOÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

GERÊNCIA DA PROMOÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA GERÊNCIA DA PROMOÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Sueli Angelica do Amaral, CRB 1-1044 * Tatiara Paranhos Guimarães ** Maira Murrieta Costa *** RESUMO: A promoção em unidades de informação

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

VENDAS DIRETAS COMO UMA FORMA DE EMPREENDER RESUMO

VENDAS DIRETAS COMO UMA FORMA DE EMPREENDER RESUMO 146 VENDAS DIRETAS COMO UMA FORMA DE EMPREENDER Carolina Guimarães de Souza Eliane Vargas de Campos RESUMO O presente artigo tem como objetivo conhecer o processo de Vendas Diretas, suas principais características

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 RESUMO O marketing é uma função da administração que

Leia mais

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado PÔSTER IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Uso estratégico das tecnologias em informação documentária AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO:

Leia mais

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO MRKETING DESENVOLVIMENTO HUMNO MRKETING rte de conquistar e manter clientes. DESENVOLVIMENTO HUMNO É a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos entre eles.

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

REVISITANDO UMA MARCA DE MODA: um estudo de caso. BRAGA, Andréa Praciano 1 VIEIRA, Rafaela Frota 2

REVISITANDO UMA MARCA DE MODA: um estudo de caso. BRAGA, Andréa Praciano 1 VIEIRA, Rafaela Frota 2 REVISITANDO UMA MARCA DE MODA: um estudo de caso. BRAGA, Andréa Praciano 1 VIEIRA, Rafaela Frota 2 RESUMO O objetivo deste trabalho envolve o estudo de uma marca de surfwear na cidade de Fortaleza. A pesquisa

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL Prof. Dr. José Alberto Carvalho dos Santos Claro Mestrado em Gestão de Negócios Universidade

Leia mais

PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS

PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS CARDOSO, Débora Regina 1 debora.cardoso@click21.com.br VALENTIM, Marta Lígia Pomim 2 valentim@marilia.unesp.br

Leia mais

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO Eliany Alvarenga de Araújo' 1 1 - INTRODUÇÃO Inicialmente eu gostaria de agradecer a Comissão Organizadora do 15 Painel Biblioteconomia em Santa Catarina,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

O Uso das Redes Socais no Âmbito das Bibliotecas Universitárias Federais Brasileiras

O Uso das Redes Socais no Âmbito das Bibliotecas Universitárias Federais Brasileiras Temática 1: Informação, Conteúdos e Conhecimento na Sociedade da Informação O Uso das Redes Socais no Âmbito das Bibliotecas Universitárias Federais Brasileiras Euzébia Maria Pontes euzebia@bczm.ufrn.br

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Biblioteca digital x Biblioteca virtual: aspectos norteadores para proposta de implantação em uma IES. Zaira Regina Zafalon

Biblioteca digital x Biblioteca virtual: aspectos norteadores para proposta de implantação em uma IES. Zaira Regina Zafalon ZAFALON, Z. R. Biblioteca digital X Biblioteca virtual: aspectos norteadores para proposta de implantação em uma IES. In: Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias, 13., 2004, Natal. Arquivo em

Leia mais

Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP

Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP 27 Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP Andréia Gonçalves Silva Bibliotecária do escritório Lazzareschi Advogados Docente da Faculdade de Biblioteconomia e Ciência

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO www.unp.br PLANO DE CAPACITAÇÃO do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Plano de Capacitação do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Natal/RN 2015 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR PRESIDENTE Prof. Marcus

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social Por Daiane Fontes 1 A preocupação da sociedade com relação aos temas ética, cidadania, direitos humanos, desenvolvimento econômico, Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

Desenvolvimento em Questão ISSN: 1678-4855 davidbasso@unijui.edu.br. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Desenvolvimento em Questão ISSN: 1678-4855 davidbasso@unijui.edu.br. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Desenvolvimento em Questão ISSN: 1678-4855 davidbasso@unijui.edu.br Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul Brasil Formentini, Marcia Responsabilidade social e marketing social

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

AULA 20. Atendimento

AULA 20. Atendimento AULA 20 Atendimento Marketing em Serviços Marketing em serviços pode ser definido com o conjunto de atividades que objetivam a análise, o planejamento, a implementação e o controle de programas destinados

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

BAIXA PATRIMONIAL DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS: uma ação desenvolvida por processos

BAIXA PATRIMONIAL DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS: uma ação desenvolvida por processos TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Qualidade dos serviços e foco no usuário BAIXA PATRIMONIAL DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS: uma ação desenvolvida por processos D ASTUTO, F. L.

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Portal de Periódicos da CAPES: evolução do acesso pela UEPG 2005 a 2013 : experiência da capacitação de usuários com cursos de extensão

Portal de Periódicos da CAPES: evolução do acesso pela UEPG 2005 a 2013 : experiência da capacitação de usuários com cursos de extensão 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2 A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DO TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2. O presente artigo apresenta os conhecimentos teóricos acerca da importância

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

Os cursos oferecidos, em sua estrutura, apresentam objetivos e público-alvo especificados abaixo:

Os cursos oferecidos, em sua estrutura, apresentam objetivos e público-alvo especificados abaixo: Janela do Cliente-Aluno nos Cursos de Pós-Graduação Susana Taulé Piñol * Resumo Entender para atender o consumidor é a base para qualquer estratégia de marketing. Este artigo utiliza a ferramenta Janela

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

Gestão e Organização de Bibliotecas Públicas

Gestão e Organização de Bibliotecas Públicas Gestão e Organização de Bibliotecas Públicas Sandra Soller Dias da Silva SSOLLER Informações Empresariais Junho de 2012 Introdução A biblioteca hoje é um centro de acesso à informação e ao conhecimento.

Leia mais

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Armando Paulo da Silva (CEFET-PR/CP) armando@cp.cefetpr.br Eurico Pedroso de Almeida Júnior (CEFET-PR/CP) eurico@cp.cefetpr.br

Leia mais

Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas

Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas 1 Título do Case: Programa ELOS - Cliente e Colaborador como uma só corrente. Categoria: Projetos Internos Tema: Pessoas RESUMO A empresa vivia um cenário claro de desequilíbrio na gestão empresarial e

Leia mais

A Importância do Marketing de Relacionamento na Gestão das Instituições de Ensino Superior Privadas

A Importância do Marketing de Relacionamento na Gestão das Instituições de Ensino Superior Privadas Cadernos UniFOA - Ano II - nº 04 - agosto / 2007 35 A Importância do Marketing de Relacionamento na Gestão das Instituições de Ensino Superior Privadas The Importance of the Relationship s Marketing in

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

O&M Organizações e Métodos I

O&M Organizações e Métodos I UFF Universidade Federal Fluminense O&M Organizações e Métodos I UNIDADE I INTERODUÇÃO À O&M Fabio Siqueira 1. Apresentação do professor 2. Teste de sondagem (reconhecimento da turma) 3. Apresentação dos

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais