Marketing e comunicação das artes: o caso da Galeria Zé dos Bois

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marketing e comunicação das artes: o caso da Galeria Zé dos Bois"

Transcrição

1 Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Marketing e comunicação das artes: o caso da Galeria Zé dos Bois Seminário de Investigação Docentes: Professora Doutora Raquel Ribeiro e Professora Doutora Paula Cordeiro Orientadora: Professora Doutora Raquel Ribeiro Discente: Joana Bruno, nº

2 Índice Índice... 2 Índice de gráficos... 3 Agradecimentos... 4 Introdução Enquadramento O Marketing Cultural Cultura A importância do consumo cultural Galeria Zé dos Bois (ZDB) Metodologia Análise e discussão de resultados A estratégia de marketing e comunicação da ZDB O público que pretende atingir Resultados das estratégias de marketing e comunicação O público da ZDB análise comparativa Conclusão Bibliografia Anexos

3 Índice de gráficos Gráfico 1 - Forma de conhecimento dos produtos culturais da ZDB por parte dos inquiridos Gráfico 2- Idade dos consumidores da ZDB Gráfico 3 Habilitações Literárias dos consumidores da ZDB Gráfico 4 - Características apontadas á ZDB por parte dos consumidores Gráfico 5 - Características apontadas á ZDB por parte dos consumidores da mesma Gráfico 6 - Características apontadas á ZDB por parte dos consumidores do Bacalhoeiro Gráfico 7 - Forma de conhecimento dos produtos culturais da ZDB por parte dos inquiridos Gráfico 8 - Forma de conhecimento dos produtos culturais da ZDB por parte dos consumidores da Culturgest Gráfico 9 - Forma de conhecimento dos produtos culturais da ZDB por parte dos consumidores do Bacalhoeiro Gráfico 10 Ofertas preferidas dos consumidores da ZDB Gráfico 11 Ofertas preferidas dos consumidores do Bacalhoeiro Gráfico 12 o que falta na ZDB por parte dos seus consumidores Gráfico 13 Género dos consumidores da ZDB Gráfico 14 Género dos consumidores do Bacalhoeiro Gráfico 15 Idade dos consumidores da ZDB Gráfico 16 Idade dos consumidores do CCB Gráfico 17 Habilitações literárias dos consumidores da ZDB Gráfico 18 Habilitações literárias dos consumidores da Culturgest 3

4 Agradecimentos No desenvolvimento do presente trabalho de investigação existiram algumas dificuldades que só foram possíveis de superar devido á colaboração, disponibilidade e orientação de diversos intervenientes. Desta forma gostaria de agradecer á Professora Doutora Raquel Ribeiro pela orientação e ajuda disponibilizada durante a elaboração deste trabalho. Gostaria também de agradecer a Daniela Ribeiro, responsável pela área de comunicação e produção da Galeria Zé dos Bois pela disponibilidade concedida, assim como aos inquiridos que permitiram a realização dos questionários. 4

5 Introdução No presente trabalho de investigação foi abordada a temática do Marketing das Artes através do estudo de uma associação cultural de Lisboa, a Galeria Zé dos Bois (ZDB). Desta forma, a grande finalidade foi perceber o funcionamento da estratégia de marketing e comunicação desta organização. Para efeito, foram utilizadas as seguintes técnicas: uma entrevista qualitativa, com base num guião, aos responsáveis pela ZDB, para compreender o que determina a escolha cultural realizada por estes, assim como a história da mesma. Do mesmo modo foram realizados 100 inquéritos por questionário junto de alguns consumidores para compreender sobretudo de que forma estes vêem a oferta cultural da ZDB e 75 inquéritos a consumidores de outras associações culturais, nomeadamente o Centro Cultural de Belém (CCB), a Culturgest e o Bacalhoeiro. As motivações que conduziram à realização deste estudo foram, em primeiro lugar, o gosto pela área do marketing, sobretudo do marketing cultural, e, em segundo lugar, o interesse por uma associação que não só tem vindo a ser bem sucedida no mercado em que se insere, como também pelas escolhas culturais que apresenta e que me despertam bastante interesse. A Galeria Zé dos Bois (ZDB) é uma associação cultural portuguesa, fundada em Outubro de 1994, que se encontra em Lisboa, na Rua da Barroca, no Bairro Alto. Com a sua criação, o principal objectivo foi ajudar artistas emergentes a mostrarem o seu trabalho mais recente e a relacionar experiências artísticas, promovendo a criação contemporânea, a produção, pesquisa e laboratório, e a difusão de objectos artísticos em diferentes áreas 1. Actualmente e após 16 anos de existência, é uma galeria de arte, sala de espectáculos, centro de documentação, serviço educativo e residência de criação. Oferece um conceito criativo e divergente de outras associações culturais, a maioria dos artistas convidados não fazem parte do chamado mainstream, no entanto a programação não pretende ser elitista, uma vez que podem encontrar-se ofertas culturais semelhantes às apresentadas por outras organizações do mesmo género, no entanto o público é específico, fiel e participativo. Apresenta um espaço multidisciplinar, que aposta na divulgação de artistas emergentes em diversas áreas e que concentra ofertas como, concertos musicais, peças de teatro, cinema, uma livraria onde é possível encontrar obras especializadas em ciências humanas, arte e literatura de língua portuguesa, assim como outros eventos recorrentes. Diversos autores têm tratado o presente tema; Mendes (1991) defende que em organizações culturais o objectivo do marketing é criar, verificar e satisfazer os gostos e necessidades dos consumidores, assim os seus objectivos passam por atrair novas audiências, por apresentar produtos de qualidade e pela boa gestão dos seus recursos. Da mesma forma, 1 (Galeria Zé dos Bois, consultado a 23 Março de 2011) 5

6 Curvelo (2009) afirma que sendo o público cada vez mais exigente e impaciente nas suas expectativas, gostos e consumos, o marketing torna-se essencial nas estratégias de investimento e comunicação. Para Kotler (1988) o sucesso de uma estratégia de marketing passa pela determinação do preço, da promoção e da distribuição, a fim de servir os mercados, contudo no caso do marketing das artes ou marketing cultural, a própria organização deve criar o seu próprio público para que possa prosseguir os seus objectivos. O consumo cultural representa um hábito e um processo cultural e social de aquisição de produtos, bens ou serviços, sendo objecto de estudo por parte da sociologia (Ribeiro 2010). No presente trabalho, foi adoptada a seguinte pergunta de partida: A estratégia de marketing e comunicação utilizada pela ZDB estimula o consumo cultural dos seus produtos? Deste modo os objectivos desta investigação são: Aferir que estratégias de marketing e comunicação são valorizadas e utilizadas para seleccionar a oferta cultural da ZDB; Perceber se as estratégias de marketing e comunicação utilizadas estimulam o consumo dos produtos culturais da ZDB junto do público; Saber qual o tipo de público que pretendem atingir e porquê. Para o efeito, será necessário identificar os factores de preferência de uma escolha cultural alternativa versus mainstream. No que respeita á estrutura do trabalho numa primeira parte é composto por um enquadramento onde é abordado a temática do marketing cultural, da cultura e da sociologia do consumo e onde são abordados os diversos contributos de diversos autores relativamente ao tema em desenvolvimento. O segundo capítulo diz respeito à metodologia utilizada, onde é apresentado um desenho da pesquisa e uma caracterização da amostra. Posteriormente são apresentados os capítulos de análise de resultados e de discussão de resultados onde é analisado, desenvolvido e discutido os resultados da aplicação das técnicas metodológicas. Por fim a conclusão de resultados obtidos com a aplicação deste projecto. Os principais resultados a que chegámos permitem verificar a existência de diversas estratégias de marketing na divulgação dos produtos culturais da Galeria Zé dos Bois, revelando-se algumas mais vantajosas do que outras. No que respeita ao público da ZDB este compreende diversas gerações, um dos objectivos da Galeria é atrair cada vez mais público e mais jovem, no entanto depende do que estão a desenvolver. Mas a sua principal preocupação é divulgar novos artistas e propostas inovadoras, tornando-se uma mais-valia para o panorama cultural de Lisboa 6

7 1. Enquadramento 1.1. O Marketing Cultural Dado o facto de existirem diversas definições de marketing, não é possível que todos se adeqúem aos fins e objectivos deste estudo, desta forma, torna-se fundamental uma selecção entre eles. Uma das definições a ter em atenção, dado o facto der ser bastante sintética e simplista segundo o próprio autor, afirma que o marketing consiste na gestão de relação que qualquer organização tem com o mercado onde actua, no sentido de atingir os objectivos que persegue e satisfazer as necessidades do mercado ( ) representa para as organizações e para os indivíduos que integram uma organização no sentido de assegurar a sua sobrevivência e o seu sucesso (Pires, 1998: 7-8). A partir desta definição, é possível compreender que qualquer organização precisa de gerir a relação estabelecida com o mercado, relação que deve ser contínua, para que consiga, com este mesmo mercado, uma situação de troca mutuamente vantajosa. A organização deve também dirigir-se a mercados próprios, o marketing significa relações com o mercado alvo, ( ) (não se podem ganhar todos os mercados e não se pode agradar a toda a gente) (Mendes, 1991: 13). Para que esta relação decorra com sucesso, a organização deve seguir coerentemente os seus objectivos e os do mercado a que se dirige, e é através do desenvolvimento de um planeamento estratégico, que esta relação é conseguia. Outras das relações a que a organização deve ter especial atenção, para que consiga alcançar os seus objectivos, é a relação com o seu público, sendo o marketing uma ferramenta que permite compreender, planear e controlar as suas relações de troca (idem, 1991). Desta forma, o marketing surge como o conjunto de acções fundamentais para que uma organização promova o seu produto, a sua marca, para que delimite o seu posicionamento, sempre com a preocupação de agradar ao seu público e fundamentalmente de que este escolha o seu produto em detrimento do produto de organizações concorrentes. A preocupação do marketing é fundamentalmente o seu público-alvo, os seus clientes potenciais, só depois de delimitado qual o seu segmento de mercado, planeia as suas acções e actividades, o conceito de marketing é uma orientação para os públicos, tendo como base o Marketing Integrado, dirigido essencialmente para a satisfação dos públicos como solução para satisfazer os objectivos da organização. (Kotler, 1988:10). Para Kotler, a administração de marketing é a análise, o planeamento, a implementação, e o controlo de programas cuidadosamente formulados e projectados para propiciar trocas de valores com mercados alvo (públicos) com o propósito de atingir os objectivos da organização. Depende inteiramente do projecto de oferta da organização em 7

8 termos das necessidades e desejos dos mercados alvo e no uso eficaz da determinação do preço, da promoção e da distribuição, a fim de informar, motivar e servir os mercados (1988: 12). Com esta afirmação, o autor destaca novamente a ideia de que, actualmente, nenhuma organização com objectivos definidos subsiste sem recorrer ao marketing. Quer sejam organizações com ou em fins lucrativos, quer tenham para oferecer bens ou serviços. Os vários ramos do marketing desenvolveram-se no seio de diferentes organizações nos quais se deu origem aos seus diferentes tipos, é comum depararmo-nos actualmente com os conceitos de marketing ecológico, de serviços, cultural, etc. A finalidade de cada um destes ramos dá origem a modelos de actuação, idênticos na essência dos objectivos, mas distintos na forma de os alcançar. (Pires, 1998). Neste projecto, o ramo do marketing que vamos estudar é o marketing das artes ou marketing cultural. O marketing expandiu-se a organizações de serviços, incluindo serviços culturais e científicos, tentando integrar os seus conceitos no sector cultural. A intenção de uma organização de arte é expor o artista e a sua obra ao maior número de pessoas, assim, aquilo a que podemos denominar de marketing da arte, apresenta-se como uma forma de concentrar todas as actividades em redor do cliente e assume-se como um processo de gestão pois permite analisar a missão bem como o compromisso da organização, com o seu exterior, de forma a alcançar os seus objectivos (Ralha, 2009). O público torna-se fundamental neste ramo, como defende Mendes A arte é um produto de consumo e, portanto, não só exige como pressupõe um público. Nas artes de espectáculo, essa exigência é lavada às últimas consequências: o público intervêm muitas vezes na própria criação dramática, quer através da sua participação ( ) quer através da sua reflexão critica, interrogando-se sobre o que tem em cena lhe é mostrado. Sem a colaboração do público o acontecimento não se realiza (1991:11). Desta forma, o marketing não é entendido como a solução para promover a sobrevivência da organização, mas sim como promotor da missão artística da organização de arte. Conscientes disso, algumas organizações culturais obtêm já um relativo sucesso no mercado de consumo cultural. Estas organizações têm cada vez mais consciência de que a sua sobrevivência dependerá da apresentação de produtos de qualidade, da atracção de novas audiências e da útil gestão de recursos e de outros meios que possam vir a atrair sob a forma de patrocínio e mecenato (idem, 1991). Assim o marketing deve ocupar um lugar de destaque nas estratégias de investimento institucional e de comunicação externa das instituições e organizações que promovem a cultura em Portugal (Curvelo, 2009). É necessário, perceber o que se entende por arte, sendo que este conceito possui uma enorme carga subjectiva entra na categoria de arte todo objectivo ou acto realizado por uma ou mais pessoas, com o intuito de dar prazer a outras, pela emoção estética, ou sentimento de beleza. Daqui se conclui que a obra de arte supõe em primeiro lugar uma emoção ou ideia de 8

9 beleza no espírito do artista; em segundo lugar, a concretização dessa ideia/emoção em forma sensível material, graças ao trabalho do artista; em terceiro lugar, a existência de uma ou mais pessoas os contempladores da obra de arte capazes de receberem desta a emoção ou a ideia de beleza que nasce no espírito do artista, e que ele desejou transmitir por meio da obra (Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira: 406). Desta definição conclui-se que o público é um elemento fundamental para a arte. Segundo Kotler (1988) o sucesso de uma estratégia de marketing passa pela determinação do preço, da promoção e da distribuição, a fim de servir os mercados, contudo no caso do marketing das artes ou marketing cultural, a própria organização deve criar o seu próprio público para que possa prosseguir os seus objectivos. O marketing cultural emergiu da necessidade das organizações culturais de se imporem no mercado e compreende-se que se torne num ramo autónomo de marketing, pois a criação de um mercado consumidor de cultura, ou seja, a participação e interesse dos cidadãos por eventos e manifestações culturais, é indispensável para que se atinja o nível de evolução procurado em qualquer país. Tendo o marketing expandindo-se a associações e serviços culturais, torna-se fundamental perceber o que se entende por cultura, qual a sua definição e igualmente o que se entende por sociologia do consumo Cultura Podemos definir cultura, segundo o dicionário de língua portuguesas, como o conjunto de costumes, padrões, conhecimentos e instituições partilhados por uma sociedade ou grupo social e que se manifesta através de normas, crenças, valores e criações que fazem parte da vida individual e colectiva dessa sociedade ou grupo. Esta definição de cultura difere da definição apresentada por Gans. Gans defende que a sua definição de cultura abrange as práticas, bens e ideias relacionadas com as artes, utilizadas igualmente para iluminação espiritual, educação, entretenimento e diversão (1999:5). Para sociólogos como Herbert Gans a cultura deve ser estratificada em vez de massificada, ou seja, segundo esta perspectiva, todas as culturas devem ser adequadas ao contexto social em que se formam e expressam, existindo uma correspondência entre a estratificação social e a cultura (2010:13). Esta diferença de definições deve-se ao facto de Gans considerar que a cultura se adequa ao contexto dos estratos sociais e que desta forma existe uma relação directa entre cultura e estrato social. 9

10 A importância do consumo cultural Para o desenvolvimento deste projecto é fundamental o perceber o conceito de consumo. Consumo representa o acto de apropriação e utilização (geralmente de carácter aquisitivo, implicando uma troca) de bens materiais ou de serviços, por parte de um ou mais indivíduos, com vista á satisfação de variados tipos de necessidades. (Ribeiro, 2010:17). O consumo acompanha a vida dos indivíduos, representa um hábito e um processo cultural e social de aquisição de produtos, bens ou serviços. Para Ribeiro, o consumo está dependente de condições de ordem económica e cultural, perceptíveis através de manifestações como hierarquização, reprodução social, socialização e construção de identidade. (2010:22). Desta forma a sociologia do consumo procura a compreensão profunda, a sistematização e o debate dos vários aspectos económicos, psicológicos e sociais relativos ao vasto e complexo fenómeno consumo. (ibid.:24). O consumo, sobretudo o consumo cultural, na sua abordagem sociológica, está intimamente relacionado com classes e hierarquização social (Ribeiro, 2010:93). Diversos sociólogos partilham da mesma perspectiva, um deles é Pierre Bourdieu. Para o autor, as classes sociais ostentam diferentes padrões de gosto e consumo cultural que fazem parte do seu estilo de vida e que constituem um hábito dos membros dessas classes (2010:11). Segundo Bourdieu a classe social a que um individuo pertence tem influência na formação de estilos de vida e de padrões de consumo material e cultural, assim a classe economicamente superior, a classe alta, utiliza o seu capital cultural e económico para manter o seu domínio e a sua hierarquia, ao mesmo tempo, tentam demonstrar a sua superioridade consumindo produtos culturais eruditos, afastando-se daquilo que consideram ser produtos culturais inferiores (ibid.:12). Assim existem diversas hierarquias culturais correspondentes a grupos culturais distintos. No entanto outros autores, como Giddens e Beck, contestam as afirmações de Bourdieu, apesar de aceitarem que a classe social influencia a formação de estilos de vida e de consumo cultural, sustentam que a aumento dos padrões de vida e maior mobilidade geográfica e social ajuda os indivíduos a serem livres de restrições de classes e status, afirmam igualmente que o consumo cultural não pode ser visto como um campo no qual a hierarquia social é afirmada e reproduzida (2010:13) Desta forma, ao mesmo tempo que se defende a separação entre hierarquia social e cultural, surge a dissolução do pensamento de que os membros de estratos sociais mais elevados não consomem cultura popular. É aferido que estes indivíduos não só consomem cultura popular como participam regularmente nela até mais do que indivíduos de estratos 10

11 sociais mais baixos. No entanto prevalece uma diferença significativa, pois o consumo cultural de indivíduos mais favorecidos é maior e mais amplo, uma vez que dado o seu poder económico está mais facilmente ao seu alcance. 2. Galeria Zé dos Bois (ZDB) A Galeria Zé dos Bois é um projecto sem fins lucrativos que tem por objectivo divulgar e difundir a criação, produção e pesquisa artística, definindo-se como um pólo cultural de referência na cena lisboeta, nomeadamente na noite do Bairro Alto. A Associação foi fundada em Outubro de 1994 em Lisboa, no Bairro Alto, por jovens artistas. Durante os primeiros anos de existência a ZDB tinha como objectivo ajudar artistas emergentes a mostrarem o trabalho mais recente e a confrontar experiências artísticas, promovendo a criação contemporânea, a produção, pesquisa e laboratório, e a difusão de objectos artísticos em diferentes áreas 2. Transformou-se num lugar de referência no contexto cultural português tendo planeado e realizado inúmeros festivais, contactos e intercâmbios internacionais fomentados e geridos pela ZDB em diversos países. A destacar a ida ao ARCO, em Madrid - Cutting Edge, as várias edições do Festival Atlântico e a revista Flirt. O primeiro local onde esteve sediada a ZDB foi na Rua da Vinha no Bairro Alto. Cerca de dois anos depois mudou-se para dois andares emprestados na Rua de São Paulo no Cais do Sodré, mais tarde. Actualmente, encontra-se na rua da Barroca, no Bairro Alto, num edifício concedido pela Câmara Municipal de Lisboa, no decorrer do seu objectivo de recuperação de edifícios devolutos. Oferece nos seus conteúdos, diversos ramos artísticos: Artes Performativas, Artes Visuais, Música, Residências, Ateliers, Serviço Educativo, contando ainda com a Livraria Letra Livre na mesma morada. Além desta, a ZDB, conta ainda com mais um espaço, desde 2005: o NEGÓCIO, situado na rua do Século, também no Bairro Alto, para as residências e apresentações dos projectos de Artes Performativas. Este espaço possui melhores condições para a realização de peças teatrais e dança, tendo sido um acréscimo fundamental à ZDB para reforçar e relançar o peso das artes performativas. A ZDB é conhecida pela sua forma descontraída, jovem e sofisticada de dar a conhecer os seus projectos e da forma com se apresenta e relaciona com o público e com os artistas. As orientações da Associação são focalizadas nas artes contemporâneas das diferentes áreas artísticas, não sendo apenas um local de passagem, mas uma associação cultural que apoia projectos, participa nas criações e produções que desenvolve, relacionando-se com os artistas informalmente, não sendo apenas uma instituição mediadora de arte, mas que também está na base dela, ao ter iniciativa própria. 2 (Galeria Zé dos Bois, consultado a 23 Março de 2011). 11

12 A Galeria Zé dos Bois, é uma associação independente e sem fins lucrativos, sendo apenas apoiada por um subsídio concedido pela Direcção-geral das Artes, sendo o seu funcionamento e programação completamente autónomos Concorrentes e parceiros Teatro Maria Matos O Teatro Maria Matos, situado na zona de Roma-Areeiro, em Lisboa, foi oficialmente inaugurado a 22 de Outubro de 1963, sob a direcção artística de Francisco Caeiro, radialista, locutor e actor. No entanto em 1982 foi adquirido pela Câmara Municipal de Lisboa convertendo-se um espaço de acolhimento de projectos de artistas independentes e de pequenas companhias na área do teatro, dança e da música. Em 2003 a tutela do Teatro passou para a EGEAC, uma empresa municipal de Lisboa responsável pela gestão de equipamentos e animação cultural. Foram realizadas profundas obras de remodelação o que permitiu criar melhores condições para a apresentação de espectáculos e um maior número de equipamentos profissionais, desta forma, o Maria Matos torna-se uma das principais salas de espectáculos de Lisboa e a sua programação tem por base produções próprias e co-produções de vários festivais de artes performativas e de cinema de Lisboa. Em 2008 Mark Depputer foi convidado a assumir a direcção artística do Maria Matos e sob a sua direcção o Teatro assume novos objectivos apostando em novos criadores nacionais, na produção internacional nas áreas do teatro, da dança e da música, vocacionando-se, deste modo, para a contemporaneidade artística e performativa. Outro dos objectivos passa por apoiar projectos independentes e pequenas companhias. A programação do Teatro Maria Matos, é desta forma composta pela área da dança, da música, do teatro, a área do projecto educativo e ainda dos debates e encontros. Centro Cultural de Belém O Centro Cultural de Belém (CCB) foi inaugurado em Setembro de 1993, na Belém, em Lisboa, tendo por objectivo tornar-se um pólo dinamizador de actividades culturais e de lazer e de acolher, nesse ano a presidência portuguesa da União Europeia. O projecto arquitectónico ficou a cabo de dois arquitectos, Vittorino Gregotti, italiano e o arquitecto português Manuel Salgado. O CCB é composto por três zonas, o Centro de Exposições, o Centro de Espectáculos e o Centro de Reuniões. 12

13 O Centro de Exposições é constituído por quatro galerias que apresentam exposições de arquitectura, artes plásticas, design, fotografia. Desde 2007 o Centro de Exposições acolhe a Fundação de Arte Moderna e Contemporânea Museu Colecção Berardo. O Centro de Espectáculo comporta três salas de espectáculo de diferentes dimensões, o Grande Auditório, o Pequeno Auditório, a Sala Eduardo Prado Coelho e a Sala de Ensaio. Estas três salas permitem acolher diversos tipos de espectáculo desde cinema, teatro, bailado, ópera ou qualquer género musical. O Centro de Reuniões permite a realização de congressos e reuniões de qualquer dimensão e natureza. Bacalhoeiro O Bacalhoeiro é uma associação cultural situado na Baixa de Lisboa e que oferece uma vasta actividade artística e cultural á cidade. Acolhe e organiza peças de teatro, ciclos de cinema, exposições, workshops, espectáculos de dança e concertos. Esta associação caracteriza-se pela sua originalidade, irreverência e por oferecer á capital um conjunto de acções que contribuem para a própria cultura da cidade e do público. Santiago Alquimista O Santiago Alquimista é uma antiga fábrica de ferragens, situado na zona do Castelo em Lisboa, que depois de ser restaurada foi transformado em sala de espectáculos e bar. A principal intenção desta associação cultural é a produção e realização de concertos, no entanto são também levadas a cabo outras iniciativas como peças de teatro, conferências ou exposições. Crew Hassan O Crew Hassan é uma associação cultural, inaugurada em 2004 e que actualmente se situa em Alcântara. Esta associação promove sobretudo iniciativas na área da música, no entanto assume-se como um espaço de convívio e lazer, a sua decoração é única, paredes com grafittis, mobiliário com muitos anos de uso, estantes carregadas de livros e um piano. Um espaço único na cidade de Lisboa que permite a promoção a aprendizagem da cultura quer nacional quer internacional. 13

14 3. Metodologia A investigação em ciências sociais permite a o recurso a diversos métodos de pesquisa num mesmo trabalho, desta forma, o investigador pode utilizar vários caminhos para chegar a uma só conclusão, Assim, a metodologia de qualquer investigação assenta, igualmente, na aplicação de técnicas de recolha de dados a Metodologia de investigação constitui o traço mais característico da ciência: sem uma dificilmente pode existir a outra. (Moreira, 2007: 9). No presente trabalho, foi adoptada a seguinte pergunta de partida: A estratégia de marketing e comunicação utilizada pela ZDB estimula o consumo cultural dos seus produtos? Deste modo os objectivos desta investigação são: Aferir que estratégias de marketing e comunicação são valorizadas e utilizadas para seleccionar a oferta cultural da ZDB; Perceber se as estratégias de marketing e comunicação utilizadas estimulam o consumo dos produtos culturais da ZDB junto do público; Saber qual o tipo de público que pretendem atingir e porquê. Para o efeito, será necessário identificar os factores de preferência de uma escolha cultural alternativa versus mainstream. Para conseguir responder ao grande objectivo deste projecto de pesquisa, foi indispensável o recurso a diversos métodos de investigação. Um dos métodos utilizado, segundo as indicações de Creswell (2003) foi o método qualitativo, sendo que as técnicas de recolha de dados a utilizar foram a entrevista em profundidade. Este tipo de entrevista é composto por perguntas pré definidas, onde o entrevistador tem total liberdade para alterar a sua sequência ou mesmo para introduzir novas questões. Através de um guião o entrevistador tem a liberdade de ordenar e formular perguntas ao longo da entrevista, sendo as respostas abertas. Esta técnica pressupõe uma abordagem mais flexível, na medida em que permite uma espécie de conversa com o entrevistado através de tópicos que vão sendo introduzidos pelo entrevistador ou por ambos, de acordo com decorrer da entrevista, segundo Moreira Na verdade, a conversação, praticada ou presenciada, em situações habituais da vida quotidiana, pressupõe um ponto de referência constante e é, talvez, a melhor prática preparatória de realização de entrevistas, com as quais tem muitas semelhanças e dissemelhanças. (2007: 203). A aplicação desta entrevista permitiu compreender e responder aos objectivos deste projecto, nomeadamente no que respeita às estratégias de marketing utilizadas. A entrevista foi realizada á responsável pela área de comunicação e produção da ZDB, Daniela Ribeiro através de um guião previamente construído e que englobou o conjunto de perguntas que permitiram responder aos objectivos do projecto. 14

15 Outro dos métodos utilizado neste estudo foi o método quantitativo, sendo que a técnica utilizada foi o inquérito por questionário. O inquérito por questionário permite obter dados através do questionário, consistindo em apresentar um conjunto predeterminado de perguntas à população (Vilelas, 2009:288). Com este tipo de questionário é possível recolher informações estruturadas, sobre um determinado conjunto de indivíduos e sobre determinada realidade, comportamentos e escolhas. São utilizadas perguntas fechadas, que permitem concentrar as respostas dos inquiridos nas opções consideradas necessárias pelo investigador, assim como uma melhor comparação das respostas entre os inquiridos. O inquérito foi criado através de uma ferramenta do Google, o Google Docs para permitir a sua aplicação online que decorreu de 3 de Junho a 30 de Junho de Foi publicado na página de Facebook da Galeria Zé dos Bois, uma vez que o objectivo era inquirir somente o público da mesma. O inquérito era composto por oito questões relativas a opinião e comportamento do público da ZDB, no que respeita aos produtos culturais oferecidos, e quatro perguntas de caracterização dos indivíduos género, idade, habilitações literárias e ocupação - tendo sido aplicado a um total de 100 inquiridos. As respostas foram, desta forma, unicamente da responsabilidade dos inquiridos, sendo que não existiu nenhum controle no que respeita às características sócio-demográficas. Foi igualmente aplicado um inquérito aos consumidores de outras associações culturais de Lisboa, particularmente o Centro Cultural de Belém, a Culturgest e o Bacalhoeiro de forma a compreender por um lado se estes consumidores também frequentam a ZDB e por outro qual a sua opinião sobre a mesma. O inquérito foi realizado entre os dias 25 de Julho e 4 de Agosto á porta dessas mesmas associações a um total de 75 consumidores, sendo composto por nove questões relativas á opinião e comportamento do público e quatro questões de caracterização dos indivíduos (género, idade, habilitações literárias e ocupação). Na realização destes inquéritos só foram contabilizadas as respostas dos inquiridos que conheciam a ZDB assim no CCB foram contabilizadas 9 respostas, na Culturgest 8 e no Bacalhoeiro

16 4. Análise e discussão de resultados Este capítulo reúne a análise e discussão de resultados obtidos através da aplicação da entrevista em profundidade e dos inquéritos por questionário. Para facilitar a compreensão da análise o capítulo será dividido em quatro partes: A estratégia de marketing e comunicação da ZDB; O público que pretende atingir; Resultados das estratégias de marketing e comunicação. O público da ZDB análise comparativa 4.1. A estratégia de marketing e comunicação da ZDB Através da aplicação da entrevista qualitativa a Daniela Ribeiro da ZDB foi possível perceber que são utilizadas diversas estratégias de marketing para divulgação dos produtos culturais da Galeria, uma das grandes aposta da mesma é a divulgação através de cartazes e postais tentamos distinguir-nos através de imagens abstractas e minimais feitas por designers e artistas conhecidos da ZDB como refere Daniela Ribeiro. Existe também a utilização de outdoors, mas só na divulgação de algumas exposições, uma vez que apresenta-se como uma técnica dispendiosa. Outras das formas de divulgação é através da Internet, as redes sociais, nomeadamente o Facebook, o site oficial e os blogues são formas bastante eficazes de divulgação, como podemos também verificar nos resultados dos inquéritos aplicados aos consumidores, grande parte destes, costuma ter acesso aos produtos culturais através da Internet. Os meios online representam uma mais-valia para a Galeria, Uma das formas de comunicação são os Blogues que permitem de forma gratuita e rápida divulgar a nossa programação, sobretudo para fora da cidade e também o Facebook que revela ser uma ajuda mais vantajosa em detrimento da imprensa, pois através de links, comentários e gostos permite perceber mais rapidamente a reacção do público afirma Daniela Ribeiro. A Galeria Zé dos Bois recorre também a meios de comunicação social para divulgar a sua programação, como o jornal Diário de Noticias, Público e Jornal i, também na RTP, SIC, Canal Q e Canal 180 e ainda em algumas rádios como rádio Radar. A divulgação através de meios De comunicação social não é a mais utilizada devido ao orçamento disponível e ao facto de não ser a principal estratégia valorizada. Através da aplicação do inquérito aos consumidores da ZDB foi possível perceber que estes também valorizam outros meios para conhecerem a programação da ZDB, assim através da pergunta: Como costuma ter conhecimento dos produtos culturais da ZDB aferiu-se que 36% dos consumidores costuma ter conhecimentos dos produtos culturais através da internet, mas também através de agendas culturais, cerca de 29%, como é possível ver no gráfico 1. 16

17 inquiridos Gráfico 1 - Forma de conhecimento dos produtos culturais da ZDB por parte dos 4.2. O público que pretende atingir No que respeita ao tipo de público que a ZDB pretende atingir, de acordo com a entrevista realizada, o objectivo passa por conseguir um público diversificado, que compreenda diversas gerações. Com o inquérito realizado verificamos que a maioria do público se situa entre os 18 e os 25 anos, mas muitos também entre os 26 e os 40 anos (gráfico 2). Gráfico 2- Idade dos consumidores da ZDB No entanto como afirma Daniela Ribeiro Não temos propriamente um público-alvo, tentamos atrair sempre novos públicos, sobretudo mais jovem, mas depende daquilo que estamos a desenvolver, devido á diversidade de produtos culturais, que passa por concertos, 17

18 exposições, peças de teatro, cinema, lançamentos de livres, o público pertence a diferentes gerações. Segundo Daniela Ribeiro já existe um público fiel á Galeria e é esse público que leva a que continuem a apostar em escolhas culturais que não sejam de massa, como defendia Mendes: A arte é um produto de consumo e, portanto, não só exige como pressupõe um público. Nas artes de espectáculo, essa exigência é lavada às últimas consequências: o público intervêm muitas vezes na própria criação dramática, quer através da sua participação ( ) quer através da sua reflexão critica, interrogando-se sobre o que tem em cena lhe é mostrado. Sem a colaboração do público o acontecimento não se realiza (1991:11). O objectivo fundamental da Galeria passa sobretudo pela oferta de novos artistas, de forma a puder educar o público o que vai ao encontro do seu objectivo de serviço público, " Tentamos cada vez mais conquistar público, mas as nossas escolhas são feitas sobretudo em função da qualidade e validade artística, bem como pela intenção de apresentar novos artistas. É uma mais-valia para a cidade e acompanha o nosso papel de serviço público, revela Daniela Ribeiro. Segundo a responsável pela área de comunicação da ZDB O nosso público é bastante diversificado, abarca várias gerações, de acordo com os inquéritos realizados aos consumidores da Galeria Zé dos Bois, 45% situam-se entre os 18 e os 25 anos, enquanto 34% entre os 26 e os 40 anos 3. No que respeita às habilitações literárias dos consumidores da ZDB, de acordo com a aplicação do inquérito verificamos que a grande maioria dos inquiridos possui formação no ensino superior, assim 67% são ao nível do ensino superior, 25% estão no nível do ensino secundário e apenas 8% possuem cursos profissionais (gráfico 3). O mesmo acontece com os consumidores inquiridos em outras associações culturais 4. Gráfico 3 Habilitações Literárias dos consumidores da ZDB 3 Ver anexo 4 gráfico 5 4 Ver anexos 6/7/8 gráfico 12 18

19 4.3. Resultados das estratégias de marketing e comunicação. Com a aplicação da entrevista em profundidade e dos inquéritos por questionário foi possível compreender quais as estratégias de marketing e comunicação utilizadas pela Galeria Zé dos Bois e como essas estratégias são apreendidas pelo seu público. Desta forma, através de entrevista realizada a Daniela Ribeiro aferiu-se que as técnicas utilizadas pela ZDB para a comunicação dos seus produtos culturais são: a internet, particularmente a rede social Facebook, o site oficial da ZDB e Blogs, os consumidores confirmaram esta técnica, uma vez que afirmaram ter acesso aos produtos culturais da ZDB sobretudo através da Internet 5 ; outra das técnicas é a utilização de cartazes e postais de divulgação pela cidade de Lisboa, no entanto através do inquérito aos consumidores apenas 16% afirma ter conhecimento dos produtos culturais através de cartazes de rua. Foi possível igualmente verificar que os meios de comunicação são também utilizados, no entanto não são tão valorizados quanto outros meios. Segundo o inquérito por questionário aos consumidores estes caracterizam a ZDB como sendo alternativa, cerca de 42%, mas também como inovadora, cerca de 24% (gráfico 4). Daniela Ribeiro afirma que existe um propósito em apresentar produções alternativas O objectivo passa por não só apresentar novos artistas, como manter uma continuidade no processo de lançamento das suas obras. Sabemos que não apresentamos artistas muito comerciais e de massas, porque também o orçamento e o espaço da ZDB não permite, mas também porque queremos sobretudo lançar novos artistas, dai as nossas escolhas. Gráfico 4 - Características apontadas á ZDB por parte dos consumidores Daniela Ribeiro afirma também que A programação da ZDB é individual em Lisboa, representa um espaço de descoberta e de escolha artística. Pouco locais têm uma produção 5 Ver anexo 2 19

20 semelhante em termos de artes visuais 6. Existem diversos concorrentes á ZDB em Lisboa, como o CCB, o Santiago Alquimista, a Culturgest, o Bacalhoeiro e através do inquérito aos consumidores foi possível perceber que estes também conhecem estas associações. Apesar da utilização de diversas estratégias de marketing e comunicação foi possível verificar que os consumidores apontam como uma falta na ZDB a maior divulgação dos seus produtos culturais, na área do consumo cultural o público apresenta-se como uma mais valia, como defende Mendes, A arte é um produto de consumo e, portanto, não só exige como pressupõe um público (1991:11), para prosseguir os seus objectivos, é fundamental á organização ir ao encontro das necessidades do seu público O público da ZDB análise comparativa. Para a realização deste projecto foi realizado aos consumidores de outras associações culturais, nomeadamente o Centro Cultural de Belém, a Culturgest e o Bacalhoeiro, o mesmo inquérito aplicado aos consumidores da ZDB. Desta forma torna-se fundamental efectuar uma análise comparativa relativamente aos inquéritos efectuados. No inquérito realizado nestas associações, nem todos os consumidores conheciam a ZDB, assim dos inquiridos no CCB apenas nove responderam ao inquérito, cerca de 36% 7, na Culturgest oito, ou seja 32% 8 e no Bacalhoeiro 17, cerca de 68% 9. No que respeita a forma de conhecimento da ZDB ambos os públicos (quer da ZDB, quer das restantes associações) referiram ter sido, especialmente através dos amigos e da internet que tiveram conhecimento da mesma, assim no inquérito realizado no CCB 44% referiu os amigos e 26% a internet 10, na Culturgest 63% referir os amigos e 37% a internet como fonte de conhecimento 11 e o mesmo aconteceu nos restantes inquéritos 12. Outro dos pontos que o público da ZDB e das associações culturais inquiridas mostrou estar em concordância corresponde às características apontadas á ZDB, desta forma, as características mais apontadas são: alternativa e inovadora, como é possível verificar nos gráficos 5 e 6. 6 Ver anexo 2 7 Ver anexo 6 gráfico 1 8 Ver anexo 7 gráfico 1 9 Ver anexo 8 gráfico 1 10 Ver anexo 6 gráfico 3 11 Ver anexo 7 gráfico 3 12 Ver anexos 2/8 gráfico 3 20

21 Gráfico 5 - Características apontadas á ZDB por parte dos consumidores da mesma Bacalhoeiro Gráfico 6 - Características apontadas á ZDB por parte dos consumidores do No entanto verifica-se uma diferença entre o público da ZDB e os restantes em análise quando estes procuram ter conhecimento sobre os produtos culturais da ZDB. Os consumidores da ZDB revelam recorrer à internet e às agendas culturais quando pretendem saber que produtos culturais podem encontrar na ZDB, como é possível verificar no gráfico 7. 21

22 inquiridos Gráfico 7 - Forma de conhecimento dos produtos culturais da ZDB por parte dos No entanto o público das associações culturais como o Bacalhoeiro e a Culturgest revelam ser sobretudo através dos amigos que têm informação sobre as ofertas culturais da ZDB (gráfico 8 e gráfico 9) o que nos permite perceber que o público da ZDB procura estar informado sobre o que acontece na mesma, não espera por outros para saber, vai atrás dessa informação. Este facto vai ao encontro de uma das estratégias de marketing e comunicação mais utilizadas pela ZDB para a comunicação das suas produções, a internet, como afirmou Daniela Ribeiro. Gráfico 8 - Forma de conhecimento dos produtos culturais da ZDB por parte dos consumidores da Culturgest 22

23 Gráfico 9 - Forma de conhecimento dos produtos culturais da ZDB por parte dos consumidores do Bacalhoeiro Outra das diferenças entre os diversos públicos está relacionada com as ofertas culturais que preferem na ZDB. Apesar de os consumidores também revelarem especial interesse pela música, existe outras ofertas que agradam ao público como a Livraria Letra Livre, as residências e as artes visuais, como é possível verificar no Gráfico 10, ao contrário dos consumidores das outras associações que revelam uma preferência maior pela música, como é possível verificar pelo gráfico 11 referente ao Bacalhoeiro. Esta conclusão permite verificar que o público da ZDB conhece as diversas áreas desenvolvidas pela mesma e aproveita a multiplicidade de produções oferecidas pela Galeria. Gráfico 10 Ofertas preferidas dos consumidores da ZDB 23

24 Gráfico 11 Ofertas preferidas dos consumidores do Bacalhoeiro Na resposta á questão: Na sua opinião, o que falta na ZDB? apesar de todos os públicos inquiridos afirmar que não sabe ou que não falta nada na Galeria, muitos afirmaram que deveria existir uma maior divulgação dos seus produtos culturais. Cerca de 25% dos consumidores da ZDB considerou esta falta (gráfico 12) o que revela ser um ponto fundamental e que a ZDB deveria contrariar pois uma maior divulgação das suas ofertas culturais iria permitir chegar a mais pessoas e ter mais público. Gráfico 12 o que falta na ZDB por parte dos seus consumidores 24

25 No que respeita ás características sócio-demográficas as diferenças entre os diversos públicos não são muito marcadas, assim no que respeita ao género dos inquiridos a grande maioria eram do género feminino, no inquérito realizado na ZDB 67% dos consumidores eram do sexo feminino, enquanto apenas 38% eram do masculino (gráfico 13). O mesmo se verificou com os inquiridos das outras associações culturais, como o Bacalhoeiro (gráfico 14). Gráfico 13 Género dos consumidores da ZDB Gráfico 14 Género dos consumidores do Bacalhoeiro No que respeita á faixa etária dos inquiridos as semelhanças também são grandes, na ZDB a faixa etária com maior percentagem situa-se entre os 18 e os 25 anos, como é possível verificar no gráfico 15, no entanto existe igualmente uma fatia significativa entre os 26 e os 40 25

26 anos, o que permite confirmar que a ZDB abarca diversas gerações, como defendeu Daniela Ribeiro. Gráfico 15 Idade dos consumidores da ZDB No inquérito realizado aos consumidores do CCB e da Culturgest os indivíduos situamse, igualmente, na sua maioria, na faixa etária entre os 18 e os 25 anos. Assim no inquérito realizado no CCB, 56% situa-se entre essa faixa etária, enquanto 33% se situa entre os 26 e os 40 anos e apenas 11% se situa entre os 41 e os 60 anos (gráfico 16). No entanto no Bacalhoeiro, de entre os consumidores que frequentam a ZDB, 53% situa-se entre os 26 e os 40 anos e 47% entre os 18 e os 25 anos 13. Gráfico 16 Idade dos consumidores do CCB 13 Ver anexo 8 gráfico 11 26

27 Por fim, no que respeita ás habilitações literárias dos diversos público verifica-se um forte predomínio do ensino superior quer no inquérito da ZDB quer das outras associações culturais, como é possível verificar no gráfico 17 e 18. Desta forma concluímos que a ZDB revela ter um público de diversas gerações. Com habilitações literárias bastante elevadas. Gráfico 17 Habilitações literárias dos consumidores da ZDB Gráfico 18 Habilitações literárias dos consumidores da Culturgest 27

28 Nesta segunda fase de inquéritos, ou seja nos inquéritos realizados aos consumidores de outras associações culturais, foi introduzida uma nova pergunta no inquérito por questionário: O que o/a faria ir mais vezes á ZDB. Era uma pergunta de resposta aberta, pelo que não foi tratada graficamente. A grande maioria dos inquiridos referiu que o facto dos produtos culturais serem muito alternativos e pouco comuns, faz com que não vão mais vezes a esta associação, ou seja a oferta de produtos mais comerciais e para as massas faria ir estes consumidores frequentarem mais assiduamente a ZDB. 28

29 Conclusão Para concluir este trabalho de investigação é importante referir algumas considerações sobre a temática do Marketing Cultural. O Marketing Cultural define-se como um ramo do marketing especializado em mercados consumidores de produtos, serviços ou bens culturais. O marketing baseia-se na gestão da relação existentes entre a organização e o mercado, permite á organização garantir a sua continuidade e o seu sucesso. Abrange um conjunto de acções que permite promover o seu produto ou marca e definir o seu posicionamento, sempre com o cuidado de agradar ao seu público. Com a aplicação deste projecto foi possível perceber que existem um conjunto de estratégias de marketing que são utilizadas pelas organizações para divulgação dos seus produtos, neste caso, a Galeria Zé dos Bois, no entanto é o recurso a meios online que melhor permite a divulgação dos produtos assim como da chegada dos mesmos ao público. Foi possível verificar este facto pela aplicação dos inquéritos aos consumidores, pois os mesmos admitem ter conhecimento dos produtos culturais através da internet, nomeadamente em redes sociais, no site oficial, em blogues e sites com os quais a ZDB tem parcerias. Desta forma outras das relações a que a organização deve ter particular atenção, para que consiga alcançar os seus objectivos, é a relação com o seu público, sendo o marketing uma ferramenta que permite planear e desenvolver esta relação. O marketing permite a satisfação do público, tendo a organização de delimitar as suas ofertas culturais de acordo com o público que pretende atingir. Com a análise á Galeria Zé dos Bois, e através da aplicação da entrevista, foi possível perceber que esta possui uma enorme variedade de públicos, no que respeita á idade dos mesmos, o que foi também perceptível na aplicação do inquérito (45% entre os 18 e os 25 anos e 34% entre os 25 e os 40 anos). Por outro lado, foi possível perceber também que a ZDB, apesar de ter como objectivo a busca de novos públicos, preocupa-se, fundamentalmente, em apresentar artistas de elevada qualidade, assim como permitir a continuidade dos mesmos. Com a aplicação dos inquéritos aos consumidores de outras associações culturais foi possível verificar algumas diferenças, especialmente na forma de conhecimento dos produtos culturais, assim como nas ofertas de que mais gostam. Revelam semelhanças ao nível da caracterização da ZDB e das falhas apontadas à mesma. É possível concluir com o desenvolvimento deste projecto de investigação que o público é uma ferramenta fundamental para a arte e para a cultura. A sintonia existente entre o público e a organização é fundamental para o sucesso da mesma. Com a aplicação das técnicas metodológicas verificou-se que o publico caracteriza a ZDB como sendo alternativa e inovador, características apontadas igualmente por Daniela Ribeiro, onde a mesma define a 29

30 ZDB como um local de criação, produção e divulgação artística que constituiu um espaço essencial no panorama cultural de Lisboa. Este projecto permitiu conhecer de forma mais profunda o que é a Galeria Zé dos Bois. Foi possível perceber que se trata de uma organização que apresenta produtos culturais arriscados e arrojados, mas que mesmo assim tem um publico fiel e vai atraindo cada vez mais público. Percebemos que presta um serviço público quando aposta em artista de elevada validade e qualidade artística, assim com representa uma mais-valia para a cidade de Lisboa. O desenvolvimento deste projecto permitiu, igualmente realizar um na área do Marketing Cultural e através da aplicação das abordagens metodológicas conseguimos perceber o funcionamento de uma organização cultural, assim como do comportamento, opinião e atitude do seu público. 30

31 Bibliografia CHANG, Tak Wing, GOLDTHORPE John, Social Status and Cultural Comsumption. Nova Iorque, Cambridge University Press, 2010 CRESWELL, John W., Research design qualitative and quantitative approaches. Londres: Sage, 2º Edição, 2003 CURVELO, Rita, Marketing das artes: em directo. Lisboa: Quimera Editores, 2009 GANS, Herbert, Popular Culture and Hight Culture, An analysis and evaluation of taste. Basic Books, 1999 LUNN, Eugene, Beyond Mass Culture : The Lonely Crowd, the Uses of Literacy, and the Postwar Era. Springer, 1990 KIRCHBERG, Volker, Cultural Consumption Analysis: Beyond Structure and Agency. Londres, Sage, 2007 KOTLER, Philip, Marketing. São Paulo: Editora Atlas, 1988 MENDES, José Vieira, Marketing, Patrocínio e Mecenato. Lisboa: Texto Editora, 1991 MÓNICA, Maria Filomena, O Consumo Cultural e as Classes Sociais. Tese de Doutoramento, Lisboa, ISCTE, 1973 MOREIRA, Carlos Diogo, Teorias e Práticas De Investigação. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, 2007 NUSSBAUMER, Gisele Marchiori, A Cultura do Marketing. Porto Alegre, Revista Famecos, nº10, Junho 1999 PIRES, Aníbal, Marketing: Conceitos, Técnica e Problemas de Gestão. Lisboa: Verbo, 1998 RALHA, Susana Manuela Gomes de Valentim. Tese de Mestrado: Marketing no Mercado da Arte. Universidade do Minho, 2009 RIBEIRO, Raquel, Sociologia do Consumo. Lisboa, ISCSP, 2010 ROBBINS, Derek, Bourdieu and Culture. Londres : Sage,

32 SILVA, Cândido, COSTA, Roselaine, STAPANI, Cláudia. Marketing Cultural: A União do Poder Público com o Capital Privado. Campo Grande, Fundação de Cultura de MS e Governo, 2006 Vilelas, José, Investigação O Processo de Construção do Conhecimento. Lisboa, Edições Sílabo, 2009 Bibliografia Online consultado a 24 de Janeiro de consultado a 19 de Dezembro de consultado a 10 de Novembro de consultado a 28 de Julho de consultado a 28 de Julho de consultado a 28 de Julho de consultado a 28 de Julho de consultado a 28 de Julho de

33 Anexos Anexo 1 Guião de entrevista Guião de Entrevista Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa 3º Ano Ciências da Comunicação Unidade Curricular: Seminário/Estágio Esta entrevista é realizada no âmbito do projecto Marketing das Artes: O caso da Galeria Zé dos Bois da disciplina Seminário/Estágio do 3º ano da Licenciatura de Ciências da Comunicação do Instituto Superior de Ciências Sociais e Politicas da Universidade Técnica de Lisboa. O seu contributo será uma mais-valia para a realização deste projecto. Agradeço a disponibilidade e a atenção concedida Dados pessoais: Nome: Organização: Cargo: 1- Para dar inicio a esta entrevista, gostaria que falasse um pouco sobre a ZDB. Como começou este projecto? O que fazem? Qual é a vossa missão? 2- Falando sobre a oferta cultural praticada pela ZDB, como a define? Porque esta escolha? 3- No que respeita ao público, qual o público-alvo que a ZDB pretende atingir? Se forem diversos tipos de público, quais as estratégias para cada um deles? 33

34 4- Os produtos culturais são escolhidos em função do público que frequenta a ZDB? 5- Actualmente a ZDB trabalha para manter a fidelidade do público ou para alcançar novos públicos? 6- Quais as estratégias de marketing utilizadas para seleccionar a oferta cultural da ZDB? 7- Entre os instrumentos e estratégias de comunicação existentes quais os utilizadas pela ZDB? 8- No que respeita à imagem da ZDB, pode falar um pouco sobre a imagem que pretendem passar para o público? Que instrumentos e estratégias utilizam e consideram mais valiosos para passarem essa mesma imagem? 9- Falando agora sobre a concorrência, quais os concorrentes directos que a ZDB têm? Como é a sua relação com os mesmos? 10- Como caracteriza o panorama cultural de Lisboa? 11- Por fim, para terminar esta entrevista, como vê o futuro da ZDB? 34

35 Anexo nº 2 - Entrevista Completa: a) Apresentação do tratamento da entrevista realizada á Dr. Daniela Ribeiro no dia 20 de Junho de Para dar inicio a esta entrevista, gostaria que falasse um pouco sobre a ZDB. Como começou este projecto? O que fazem? Qual é a vossa missão? A ZDB surgiu em 1994 e ficou desde ai fixada no Bairro alto. A nossa missão passa por dar a conhecer artistas e propostas inovadoras e que rasguem com as formas comuns de arte. Mas passa também pela recuperação e por manter o edifício onde nos encontramos, tendo sido ao longo dos anos recuperado e renovado. 2. Falando sobre a oferta cultural praticada pela ZDB, como a define? Porque esta escolha? A ZDB é composta pela ZDB Music que consiste na produção de concertos com bandas de vários géneros, desde o jazz até ao rock, passando também pela improvisação. O nosso objectivo é dar a conhecer novas propostas musicais. As artes visuais produzidas pela ZDB e que apresentam obras de vários artistas, como Alexandra Estrela e que ao mesmo tempo fazem parte do nosso serviço educativo, onde através de parcerias com algumas escolas e liceus os alunos podem visitar as exposições de forma gratuita. Temos também o Negócio ZDB da qual fazem parte as artes performativas. São co-produções feitas entre a galeria e os artistas e estes ficam em residência durante um determinado tempo. Fazemos também apresentações de peças de teatro, através de acordos com três companhias de teatro: a Materiais Diversos, a Mala Voadora e a Prada. Conferências, lançamento de livros e agora cinema ao ar livre no terraço. O objectivo passa por não só apresentar novos artistas, como manter uma continuidade no processo de lançamento das suas obras. Sabemos que não apresentamos artistas muito comerciais e de massas, porque também o orçamento e o espaço da ZDB não permite, mas também porque queremos sobretudo lançar novos artistas, dai as nossas escolhas. 3. No que respeita ao público, qual o público-alvo que a ZDB pretende atingir? 35

36 Se forem diversos tipos de público, quais as estratégias para cada um deles? O nosso público é bastante diversificado, abarca várias gerações, são normalmente pessoas que frequentam assiduamente e conhecem a galeria e também muitos artistas. Não temos propriamente um público-alvo, tentamos atrair sempre novos públicos, sobretudo mais jovem, mas depende daquilo que estamos a desenvolver. 4. Os produtos culturais são escolhidos em função do público que frequenta a ZDB? Penso que esta pergunta não se aplica, aquilo que fazemos é apresentar artistas que merecem ser lançados e reconhecidos e tentamos com isso agradar ao público que já nos conhece e continuar a atrair novos públicos. O público vem não só pelos artistas, mas porque confia na escolha da ZDB. 5. Actualmente a ZDB trabalha para manter a fidelidade do público ou para alcançar novos públicos? Tentamos cada vez mais conquistar público, mas as nossas escolhas são feitas sobretudo em função da qualidade e validade artística, bem como pela intenção de apresentar novos artistas. É uma mais-valia para a cidade e acompanha o nosso papel de serviço público. 6. Quais as estratégias de marketing utilizadas para seleccionar a oferta cultural da ZDB? A divulgação é feita através de cartazes e postais, onde tentamos distinguir-nos através de imagens abstractas e minimais feitas por designers e artistas conhecidos da ZDB. Para a programação mensal fazemos postais e cartazes sobretudo para concertos de música e para peças de teatro e só para grandes exposições recorremos a outdoors, devido ao orçamento que temos. Existe uma mailing list, com cerca de 10 mil contactos e enviamos também pelo correio a programação, mas só duas a três vezes por ano. Utilizamos igualmente a internet para divulgação, nomeadamente as redes sociais, como o Facebook e também o nosso site. Também recorremos á imprensa, como o Diário de Noticias, Público e Jornal I, na televisão é sobretudo a RTP que costuma fazer divulgação, particularmente a RTP2, 36

37 mas também a Sic Radical, o Canal 180, o Canal Q, Antena 1 e Antena 2. Temos ainda parceria com o Turismo de Lisboa, a Rua de Baixo e a Radar. 7. Entre os instrumentos e estratégias de comunicação existentes quais os utilizadas pela ZDB? Uma das formas de comunicação são os Blogs que permitem de forma gratuita e rápida divulgar a nossa programação, sobretudo para fora da cidade e também o Facebook que revela ser uma ajuda mais vantajosa em detrimento da imprensa, pois através de links, comentários e gostos permite perceber mais rapidamente a reacção do público. Temos parcerias com escolas, instituições, liceus, onde desenvolvemos o nosso objectivo de serviço público. 8. No que respeita à imagem da ZDB, pode falar um pouco sobre a imagem que pretendem passar para o público? Que instrumentos e estratégias utilizam e consideram mais valiosos para passarem essa mesma imagem? O que pretendemos é formar, dar a conhecer e lançar novos artistas que apresentem obras de qualidade. É trazer e propor novos criadores. 9. Falando agora sobre a concorrência, quais os concorrentes directos que a ZDB têm? Como é a sua relação com os mesmos? Não sentimos que os locais que têm uma programação próxima á nossa nos retirem público, são, essencialmente, uma mais-valia para a cidade. Existem vários sítios como o Musicbox, a Filho Único que em termos de musica se aproxima do que fazemos, no entanto o que realizamos são parcerias com instituições como o Teatro Maria Matos e o Jardim Botânico que nos permitem usufruir do espaço que têm e de interagir com outros espaços da cidade. mais do que concorrência há colaboração. A programação da ZDB é individual em Lisboa, representa um espaço de descoberta e de escolha artística. Pouco locais têm uma produção semelhante em termos de artes visuais. 10. Como caracteriza o panorama cultural de Lisboa? Está mais dinâmico, existem mais coisas a acontecer e da nossa parte requer um maior esforço para procurar artistas, mas é uma mais-valia para a cidade. 11. Por fim, para terminar esta entrevista, como vê o futuro da ZDB? Actualmente e apesar da crise económica que o país enfrenta não sentimos uma baixa de público, pelo que o futuro parece favorável. 37

38 Anexo 3 Inquérito aos consumidores da ZDB Inquérito aos consumidores Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa 3º Ano Ciências da Comunicação Unidade Curricular: Seminário/Estágio Este inquérito é realizado no âmbito do projecto Marketing das Artes: O caso da Galeria Zé dos Bois da disciplina Seminário/Estágio do 3º ano da Licenciatura de Ciências da Comunicação do Instituto Superior de Ciências Sociais e Politicas da Universidade Técnica de Lisboa. O seu contributo será uma mais-valia para a realização deste projecto. Agradeço a disponibilidade e a atenção concedida. Joana Bruno Contacto: 1. Conhece ou já ouviu falar da ZDB? [ ] Sim [ ] Não 2. Em que ano foi pela 1ª vez á ZDB? [ ] 2011 [ ] 2010 [ ] 2009 [ ] 2008 [ ] 2007 [ ] Outro, qual? [ ] Não sabe/não se lembra 38

39 3. Como conheceu a ZDB? [ ] Amigos [ ] Família [ ] Passou na rua e viu [ ] Meios de Comunicação: [ ] Rádio [ ] Jornais/Revistas [ ] Internet. [ ] Agendas Culturais [ ] Cartazes de Rua [ ] Outro. Qual/Quais? 4. Como caracteriza a ZDB? [ ] Jovem [ ] Sofisticada [ ] Alternativa [ ] Inovadora [ ] Conservadora [ ] Outra: 5. Como costuma ter conhecimento dos produtos culturais da ZDB? [ ] Rádio [ ] Jornais/Revistas [ ] Internet. [ ] Agendas Culturais [ ] Amigos [ ] Cartazes de Rua [ ] Outro. Qual/Quais? 39

40 6. Quais as ofertas de que mais gosta? [ ] Artes performativas [ ] Artes Visuais [ ] Música [ ] Residências [ ] Ateliers [ ] Livraria Letra Livre 7. Que outras associações culturais conhece? [ ] Bacalhoeiro [ ] CCB [ ] Culturgest [ ] Santiago Alquimista [ ] Outra. Qual/Quais? 8. Na sua opinião, o que falta na ZDB? [ ] Maior diversidade de produtos culturais [ ] Maior divulgação dos produtos culturais [ ] Nada/Não sabe [ ] Outro (s) Caracterização 9. Género : [ ] Feminino [ ] Masculino 10. Idade : [ ] Entre 18 e 25 anos 40

41 [ ] Entre 26 e 40 anos [ ] Entre 41 e 60 anos [ ] Mais de 61 anos 11. Habilitações Literárias [ ] Nenhuma [ ] Ensino Primário [ ] Ensino Básico [ ] Ensino Secundário [ ] Ensino Superior [ ] Curso Profissional 12. Ocupação [ ] Desempregado(a) [ ] Trabalhador(a) [ ] Estudante [ ] Trabalhador-Estudante [ ] Sem actividade profissional (doméstica, outra) [ ] Reformado(a) [ ] Outro 41

42 Anexo 4 - Resultado dos inquéritos Nº de respostas contabilizadas Conhece ou já ouviu falar da ZDB? 2. Em que ano foi pela 1ª vez á ZDB? 42

43 3. Como conheceu a ZDB? 4. Como caracteriza a ZDB? 43

44 5. Como costuma ter conhecimento dos produtos culturais da ZDB? 6. Quais as ofertas de que mais gosta? 44

45 7. Que outras associações culturais conhece? 8. Na sua opinião, o que falta na ZDB? 45

46 Caracterização: 9. Género 10. Idade 46

47 11. Habilitações Literárias 12. Ocupação 47

48 Anexo 5 Inquérito aos consumidores do CCB, Culturgest e Bacalhoeiro Inquérito aos consumidores Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa 3º Ano Ciências da Comunicação Unidade Curricular: Seminário/Estágio Este inquérito é realizado no âmbito do projecto Marketing das Artes: O caso da Galeria Zé dos Bois da disciplina Seminário/Estágio do 3º ano da Licenciatura de Ciências da Comunicação do Instituto Superior de Ciências Sociais e Politicas da Universidade Técnica de Lisboa. O seu contributo será uma mais-valia para a realização deste projecto. Agradeço a disponibilidade e a atenção concedida. Joana Bruno Contacto: 1. Conhece ou já ouviu falar da ZDB? [ ] Sim [ ] Não 2. Em que ano foi pela 1ª vez á ZDB? [ ] 2011 [ ] 2010 [ ] 2009 [ ] 2008 [ ] 2007 [ ] Outro, qual? [ ] Não sabe/não se lembra 48

49 3. Como conheceu a ZDB? [ ] Amigos [ ] Família [ ] Passou na rua e viu [ ] Meios de Comunicação: [ ] Rádio [ ] Jornais/Revistas [ ] Internet. [ ] Agendas Culturais [ ] Cartazes de Rua [ ] Outro. Qual/Quais? 4. Como caracteriza a ZDB? [ ] Jovem [ ] Sofisticada [ ] Alternativa [ ] Inovadora [ ] Conservadora [ ] Outra: 5. Como costuma ter conhecimento dos produtos culturais da ZDB? [ ] Rádio [ ] Jornais/Revistas [ ] Internet. [ ] Agendas Culturais [ ] Amigos [ ] Cartazes de Rua [ ] Outro. Qual/Quais? 49

50 6. Quais as ofertas de que mais gosta? [ ] Artes performativas [ ] Artes Visuais [ ] Música [ ] Residências [ ] Ateliers [ ] Livraria Letra Livre 7. Que outras associações culturais conhece? [ ] Bacalhoeiro [ ] CCB [ ] Culturgest [ ] Santiago Alquimista [ ] Outra. Qual/Quais? 8. Na sua opinião, o que falta na ZDB? [ ] Maior diversidade de produtos culturais [ ] Maior divulgação dos produtos culturais [ ] Nada/Não sabe [ ] Outro (s) 9. O que o/a faria ir mais vezes á ZDB? Caracterização 10. Género : [ ] Feminino [ ] Masculino 50

51 11. Idade : [ ] Entre 18 e 25 anos [ ] Entre 26 e 40 anos [ ] Entre 41 e 60 anos [ ] Mais de 61 anos 12. Habilitações Literárias [ ] Nenhuma [ ] Ensino Primário [ ] Ensino Básico [ ] Ensino Secundário [ ] Ensino Superior [ ] Curso Profissional 13. Ocupação [ ] Desempregado(a) [ ] Trabalhador(a) [ ] Estudante [ ] Trabalhador-Estudante [ ] Sem actividade profissional (doméstica, outra) [ ] Reformado(a) [ ] Outro 51

52 Anexo 6 - Resultado do inquérito realizado no CCB Nº de respostas contabilizadas Conhece ou já ouviu falar da ZDB? 2. Em que ano foi pela 1ª vez á ZDB? 52

53 3. Como conheceu a ZDB? 4. Como caracteriza a ZDB? 53

54 5. Como costuma ter conhecimento dos produtos culturais da ZDB? 6. Quais as ofertas de que mais gosta? 54

55 7. Que outras associações culturais conhece? 8. Na sua opinião, o que falta na ZDB? 55

56 Caracterização: 9. Género 10. Idade 56

57 11. Habilitações Literárias 12. Ocupação 57

58 Anexo 7 - Resultado do inquérito realizado na Culturgest Nº de respostas contabilizadas Conhece ou já ouviu falar da ZDB? 2. Em que ano foi pela 1ª vez á ZDB? 58

59 3. Como conheceu a ZDB? 4. Como caracteriza a ZDB? 59

60 5. Como costuma ter conhecimento dos produtos culturais da ZDB? 6. Quais as ofertas de que mais gosta? 60

61 7. Que outras associações culturais conhece? 8. Na sua opinião, o que falta na ZDB? 61

62 Caracterização: 9. Género 10. Idade 62

63 11. Habilitações Literárias 12. Ocupação 63

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A presente comunicação resulta de um trabalho desenvolvido pelo CEOS Investigações Sociológicas da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Conferência Espaço de Arquitectura 2010

Conferência Espaço de Arquitectura 2010 Nota Introdutória: O tema da reabilitação urbana é um dos tópicos centrais da análise actual sobre Planeamento e Urbanismo e uma janela aberta para encontrar soluções na recuperação dos centros históricos

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Escolas em Grande Plano

Escolas em Grande Plano Escolas em Grande Plano Integração do Vídeo na Educação e na Escola Trabalho realizado por: Elisa Castro e Fátima Chavarria Mestrado em Educação Tecnologia Educativa Tecnologia do Vídeo Docente: Doutor

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M." João Vieira Pinto

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M. João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Pdg. 76 Por M." João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Afirma-se como lhe Marketing School e ambiciona ser a referência do ensino nesta área. Por isso, ejá a partir do próximo ano,

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR

REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR INDÍCE A) Noção... 2 B) Objetivos... 2 C) Destinatários... 2 D) Serviços do Centro de Atividades e Recursos (C.A.R.)... 2 E) Atividades... 3 F) Condições

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Um projeto tem como objetivo transformar idéias e aspirações em ações concretas que possam aproveitar oportunidades, solucionar problemas, atender a necessidades

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO 1º Ano 2º semestre CONTROLO DA QUALIDADE Elaborado por: João Gilberto Ramos Abreu 2089506 Nádia Andrade Abreu 2038907 Sónia Vieira da Silva - 2043407 Funchal Abril de 2008 "Criatividade

Leia mais

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Iade Instituto De Artes Visuais,

Leia mais

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto PolitécnicodeBeja ServiçosdePlaneamentoeDesenvolvimentoEstratégico Maio2010 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 Por forma a melhor esclarecer os membros da OA quanto à posição e actuação da Ordem, nos últimos dois

Leia mais

O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto

O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto Ciências da Comunicação: Jornalismo, Assessoria e Multimédia O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto Metodologia da Investigaça

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

Ficha de Identificação. Nome: Sónia Joaquim Empresa: Universidade de Aveiro Cargo/Função: Produtora Programa: 3810-UA. Questões. 1.

Ficha de Identificação. Nome: Sónia Joaquim Empresa: Universidade de Aveiro Cargo/Função: Produtora Programa: 3810-UA. Questões. 1. Ficha de Identificação Nome: Sónia Joaquim Empresa: Universidade de Aveiro Cargo/Função: Produtora Programa: 3810-UA Questões 1. O Programa Com a reestruturação da televisão pública portuguesa em 2003,

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae In pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Institucional Rosa, Julieta Alves () Faculdade de Economia CIEO 8005 139 Faro Telefone(s) 289 800 900 (ext. 7161) 289 244 406

Leia mais

Projectos de investigação

Projectos de investigação Teses e Projectos de Investigação 261 Projectos de investigação Software Educativo Multimédia: Estrutura, Interface e Aprendizagem Responsável: Ana Amélia Amorim Carvalho Departamento de Currículo e Tecnologia

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL Dezembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

Mudança de Comportamento no âmbito da Eficiência Energética. Estudo de mercado Mudança de Comportamento no âmbito da Eficiência Energética

Mudança de Comportamento no âmbito da Eficiência Energética. Estudo de mercado Mudança de Comportamento no âmbito da Eficiência Energética Mudança de Comportamento no âmbito da Eficiência Energética Estudo de mercado Mudança de Comportamento no âmbito da Eficiência Energética 28 setembro 2011 Agenda Objectivo Metodologia Áreas temáticas Distribuição

Leia mais

Projectos aprovados recebem um apoio de dois milhões de euros

Projectos aprovados recebem um apoio de dois milhões de euros NOTA DE IMPRENSA Projectos aprovados recebem um apoio de dois milhões de euros PROGRAMAÇÃO CULTURAL EM REDE A NORTE RECEBE NOVOS APOIOS DO ON.2 A autoridade de gestão do ON.2 O Novo Norte (Programa Operacional

Leia mais

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012)

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Regulamento Interno www.tone.pt (Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Introdução www.tone.pt A Tone Music Lda encontra-se sediada em Coimbra, circunscrevendo actualmente o seu raio de acção a este

Leia mais

4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação

4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação Maria José Madeira Silva 1, Jorge Simões 2, Gastão Sousa

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento.

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento. Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Memorando Rock no Sado. Conceito

Memorando Rock no Sado. Conceito Memorando Rock no Sado Conceito O festival Rock no Sado teve origem no ano de 2013 e foi pensado com diversos intuitos em mente. Colmatar a falta de eventos do mesmo tipo e/ou dimensão na região fazendo

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho.

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho. Índice 1. Introdução... 3 2. Atividades científicas, de formação e divulgação....3 3. Publicações.. 3 4. Internet... 4 5. Secções Temáticas e Núcleos Regionais 4 6. Outras atividades....4 2 1. Introdução

Leia mais

Avanços e retrocessos na área da saúde mental dos imigrantes em Portugal: a perspectiva do GIS

Avanços e retrocessos na área da saúde mental dos imigrantes em Portugal: a perspectiva do GIS Iolanda Évora Avanços e retrocessos na área da saúde mental dos imigrantes em Portugal: a perspectiva do GIS Apresentado no 9º Encontro de Saúde Mental de Cascais a 14 de Novembro de 2008 O CEsA não confirma

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O plano de Comunicação Interna è a tradução operacional da estratégia. É um instrumento de gestão cujo objectivo é traduzir a política de comunicação interna da empresa num

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Kodak Evolução Histórica do Logotipo

Kodak Evolução Histórica do Logotipo IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design Licenciatura em Design História da Arte e da Técnica 1º Ano 1º Semestre 1907 1935 1960 1971 1987 1996 >2006 - Logotipo Actual

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Évora, 22-24 de Setembro de 2005 A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Zoran Roca e José António Oliveira CEGED Centro de Estudos de Geografia e Desenvolvimento Universidade

Leia mais

Agência de Planeamento Estratégico e de Meios

Agência de Planeamento Estratégico e de Meios Agência de Planeamento Estratégico e de Meios As Empresas e as Indústrias Criativas: Redes & Parcerias_Apoios & Mecenatos Planeamento estratégico de Media 12 de Maio de 2009 Este estudo foi elaborado pela

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Página de Rosto Aluna: Tânia Marlene Silva Ano/ Turma: 12º ano do Curso Profissional Técnico de Secretariado Disciplina: Técnicas de Secretariado Modulo: 20 Organização de Eventos

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE CATEGORIAS

Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE CATEGORIAS Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE Sistemas de categorias 16 Sistemas de categorias 17 ÍNDICE 1. Introdução 2.Dimensão estratégica do conceito imagem interna de marca corporativa 2.1. Significados

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes Algumas considerações estratégicas António Jorge Monteiro Abril de 1992 2 I. A História II. O Mercado III. Os Cursos IV. Os Professores V. Os Alunos

Leia mais

AGA - Associação de Guitarra do Algarve

AGA - Associação de Guitarra do Algarve Página 1 de 10 AGA - Associação de Guitarra do Algarve Plano de atividades e orçamento Página 2 de 10 Prefácio Dando cumprimento à alínea b) do artigo 22º dos nossos estatutos, a Direcção da Associação

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais