Análise das Estratégias e Ações de Marketing e Comunicação em Instituições Particulares de Solidariedade Social:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise das Estratégias e Ações de Marketing e Comunicação em Instituições Particulares de Solidariedade Social:"

Transcrição

1 NUNO ROMEU CARDOSO SEQUEIRA Análise das Estratégias e Ações de Marketing e Comunicação em Instituições Particulares de Solidariedade Social: O caso da Associação Pela Infância e Terceira Idade de Lamego DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM GESTÃO Orientador: Prof. Doutora Ana Paula Rodrigues Coorientador: Prof. Doutor Mário Sérgio Teixeira UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VILA REAL, 2012

2 DEDICATÓRIA Aos meus pais ii

3 AGRADECIMENTOS Agradeço de uma forma muito especial todo o apoio e amor recebido por parte dos meus pais, que sempre me acompanharam nesta fase tão importante da minha vida académica. À Professora Doutora Ana Paula Rodrigues e ao Professor Doutor Mário Sérgio Teixeira, orientadores desta dissertação, pelo fantástico acompanhamento e ajuda em todas as fases que compreenderam o desenvolvimento da elaboração desta investigação. Ao Doutor Emanuel Seixas, Diretor Técnico da APITIL, pela sua entrevista e pelo auxílio na recolha de dados. A todos aqueles que sempre me apoiaram e acreditaram em mim, o meu sincero agradecimento. iii

4 RESUMO As Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) têm uma forte presença no âmbito da prestação de serviços de solidariedade social no nosso país, apesar de passarem por um momento desfavorável a nível económico, reflexo da diminuição dos apoios governamentais. Apesar de ser determinante para as IPSS encontrarem respostas que visem uma maior sustentabilidade, os estudos em Portugal são praticamente escassos nesse sentido, sendo assim importante a avaliação e a definição de métodos que tenham como objetivo assegurar a sobrevivência destas instituições sem fins lucrativos. Existem diversas áreas e vertentes que podem ajudar na consolidação das IPSS e até, na sua própria expansão, como é o caso da implementação dos conceitos de marketing e comunicação na sua estruturação, seja com o intuito de melhorar as suas respostas sociais e serviços internos, ou seja com o propósito de melhorar a sua promoção externa. A revisão da literatura apresentada mostra-nos as teorias e conceitos que, a nível do marketing e comunicação, podem ser aplicados nas IPSS embora, na maioria dos casos, sejam elementos que apenas têm base comprovada em organizações genéricas, mas que podem servir de base para a implementação nas IPSS em particular. Os dados recolhidos no estudo de caso abordado ajudam-nos a ter uma perceção do modo de aplicação e funcionamento que os mesmos conceitos apresentam no seio da IPSS estudada, permitindo-nos obter algumas respostas em relação à sua eficácia, e que podem ser observados como um importante contributo de interligação teórico-prática de estratégias e ações de marketing e comunicação direcionadas para as IPSS, facultando aos gestores e responsáveis de IPSS instrumentos e ferramentas que os poderão ajudar a obter um melhor desempenho da sua organização, bem como tentar garantir a sua própria sustentabilidade. Palavras-Chave: IPSS; Marketing; Comunicação; Estratégias; Ações. iv

5 ABSTRACT The Private Institutions of Social Solidarity (IPSS) have a significant role in providing social solidarity services in our country, despite going through a harsh economic period, due to the reduction in government support. Although it is important for the IPSS to find solutions for a greater sustainability, studies in Portugal are almost scarce in this area. Therefore it is important to evaluate and define methods that aim to ensure the survival of these nonprofit institutions. There are several areas and aspects that can help in the consolidation of IPSS and even in its own development, as the implementation of marketing and communication concepts in their structure, either to improve their social responses and internal services or their external promotion. The literature review presented shows us the marketing and communications theories and concepts which can be applied in the IPSS. Although, in most cases, these elements have only been successfully applied on standard organizations, they may also serve as a basis in the IPSS in particular. The collected data in the chosen case study helps us to have a perception of the way that those concepts were implemented and applied within the studied IPSS, allowing us to get some answers regarding their effectiveness. This can be considered as an important contribution to the theoretical and practical interconnection strategies and initiatives of marketing and communications events directed to the IPSS. Providing managers and administrators of IPSS, instruments and tools that may help them achieve a better performance of their organization and try to ensure its sustainability. Keywords: IPSS; Marketing; Communication; Strategies; Events. v

6 ÍNDICE INTRODUÇÃO Enquadramento do tema e sua relevância Objetivos e questões de pesquisa Metodologia Estrutura da investigação... 4 PARTE Análise das Estratégias e Ações de Marketing e Comunicação em IPSS Portuguesas: Uma abordagem teórica... 7 Resumo... 7 Abstract Introdução Caraterização do setor em estudo Teorias e conceitos de marketing e comunicação Marketing e comunicação nas organizações sem fins lucrativos e, em particular, nas IPSS Conclusões Referências PARTE As estratégias e ações de marketing e comunicação na Associação Pela Infância e Terceira Idade de Lamego Resumo Abstract Introdução Metodologia Caraterização do objeto de estudo vi

7 4. Estratégias e ações de marketing e comunicação presentes na APITIL A prática de causas humanitárias e solidárias Angariação de Fundos Parcerias Comerciais Parcerias Institucionais Voluntariado Relação com os clientes Serviços Inovadores Ações de promoção externa Meios de Comunicação Inovação Tecnológica Conclusão Referências CONCLUSÕES FINAIS vii

8 ÍNDICE DE FIGURAS INTRODUÇÃO Figura 1 Estrutura da Dissertação... 5 PARTE 1 Figura 1 Um modelo simplificado do processo de marketing Figura 2 Guia de planeamento estratégico de comunicações Figura 3 Barreiras da comunicação Figura 4 Os passos do planeamento estratégico PARTE 2 Figura 1 As respostas sociais da APITIL Figura 2 Estratégias e ações de marketing e comunicação na APITIL viii

9 INTRODUÇÃO Esta investigação analisa as estratégias e ações de marketing em Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS). Neste capítulo introdutório, apresentamos o enquadramento do tema, explicando a sua relevância, expomos os objetivos e questões de pesquisa e efetuamos uma breve explicação sobre a metodologia seguida. Por último, fazemos um esboço da organização da dissertação. 1. ENQUADRAMENTO DO TEMA E SUA RELEVÂNCIA A sociedade portuguesa tem assistido nos últimos anos a diversas alterações no comportamento das pessoas, fruto da modernização global e, também, do fácil acesso à informação. Foi nesse contexto que foram aparecendo múltiplas teorias e conceitos que permitem uma maior exploração de certas caraterísticas e pormenores empresariais ou organizacionais com o propósito de informarem, e de promoverem a sua imagem, junto do seu público-alvo. Já há muitos anos que o sistema empresarial implementou esta forma de atuação, embora, nos dias de hoje, e como consequência da evolução da nossa sociedade, tenha também já a sua existência nas organizações sem fins lucrativos, e nas IPSS em particular. Apesar de privadas, as IPSS são organizações sem fins lucrativos, dependendo essencialmente dos apoios governamentais e dos valores dos seus clientes. Neste momento, as IPSS atravessam uma fase bastante sensível e difícil, resultante da situação económica desfavorável que assola o nosso país e, que as leva a procurarem implementar teorias e técnicas que lhes permitam uma maior consolidação no seio da sua comunidade, e uma maior diferenciação em relação à sua concorrência. Torna-se assim fundamental para as IPSS implementarem um conjunto definido de estratégias e ações que permitam a prática exemplar na prestação dos seus serviços, com o objetivo de garantir a satisfação dos seus clientes, e a fidelização dos mesmos, bem como a própria captação de novos clientes. Deste modo, a adequação e atualização das respostas sociais e outros serviços à evolução da sociedade e, consequentemente, às novas tecnologias, apresenta-se como um importante aspeto a ter em conta, sendo assim 1

10 necessária uma análise contínua da estruturação interna, bem como a sua própria transmissão para o exterior. Assim, e dadas as dificuldades económicas, é fulcral para as IPSS assegurarem outros métodos de angariação de fundos, de forma a ultrapassar com sucesso as suas dificuldades e, satisfazendo deste modo as necessidades da própria instituição, bem como a melhoria contínua dos seus serviços e instalações e, de alcançar, inclusivamente, o seu principal objetivo, que consiste em garantir uma maior sustentabilidade. O marketing e a comunicação são dois conceitos teóricos que refletem isso mesmo e que podem assim influenciar de modo positivo o sucesso de atuação de uma IPSS. É neste enquadramento que surge o tema desta dissertação, que consiste em analisar as estratégias e ações de marketing e comunicação presentes em IPSS portuguesas, de forma a ser possível descrever e interpretar o que por elas é utilizado neste âmbito e, consequentemente, de analisar o seu grau de eficácia no seio do seu público-alvo. Atualmente, a implementação dos conceitos de marketing e comunicação em IPSS ainda é um pouco desconhecida, o que nos leva em alguns casos a referir determinadas teorias, que são direcionadas para organizações sem fins lucrativos, ou até mesmo para outro género de organizações ou empresas, mas que se assemelham nestes casos às IPSS, deixando-se assim para trás a ideia de que estas duas áreas apenas se enquadram nas grandes empresas ou organizações com fins lucrativos. Deste modo, com este estudo, procuramos evidenciar que o marketing e a comunicação são conceitos que detêm um grande potencial de exploração neste tipo de instituições, embora se possa obter bons exemplos da sua implementação nos casos anteriores. Assim, pretendemos mostrar que existem diversas estratégias e ações de marketing e comunicação que podem melhorar as atividades e serviços internos de uma IPSS, bem como a sua própria promoção para o exterior, de forma a atingirem os seus objetivos e a garantirem um melhor bem-estar aos seus clientes, no qual a inovação dos seus serviços e atividades e, por conseguinte, a adequação às novas tecnologias, têm importantes papéis. 2

11 2. OBJETIVOS E QUESTÕES DE PESQUISA O objetivo central deste estudo consiste, essencialmente, na análise das diversas estratégias e ações no âmbito do marketing e da comunicação que se encontram presentes nas organizações sem fins lucrativos e, em particular, nas IPSS portuguesas, de forma a possibilitar uma avaliação fiável sobre a eficácia da implementação desses dois conceitos. Um outro objetivo deste estudo será a análise de outras potencialidades que poderão ser implementadas nas IPSS, sempre a nível de marketing e comunicação, bem como de outras áreas que as poderão complementar, como são os exemplos das tecnologias de multimédia e informática, em que poderá existir uma adequação das novas tecnologias a alguns serviços que ainda não foram explorados ou que, simplesmente, poderão apresentar novas soluções nesse sentido. A análise de iniciativas e atividades de áreas associadas ao marketing e à comunicação, ou vistas como suas vertentes, é outro dos principais objetivos do estudo, em que a publicidade pode ser considerada como um desses exemplos mais relevantes. Assim, o objetivo geral deste estudo consiste em analisar as estratégias e ações de Marketing e Comunicação adotadas nas IPSS, ou de outras que possam ser ajustadas ou mesmo inovadas, de forma a ser possível determinar o seu grau de eficácia, bem como definir orientações para os variados tipos de IPSS existentes no nosso país, tendo em conta os diversos fatores que as distinguem, como é o exemplo da sua dimensão ou até mesmo da comunidade em que se insere. O estudo procura encontrar respostas para um conjunto de três questões de investigação principais, a saber: Primeira Questão: Quais são as estratégias e ações de marketing e comunicação utilizadas pelas IPSS? Segunda Questão: Qual é a eficácia dessas estratégias e ações? Terceira Questão: Como podem as IPSS inovar na definição de estratégias e ações de marketing e comunicação, que permitam melhorar a eficiência dos seus objetivos? 3

12 3. METODOLOGIA De forma a ser possível identificar e descrever com fiabilidade e detalhe as estratégias, assim como obter todos os dados relevantes para a realização deste estudo, optamos por efetuar um estudo de caso de uma IPSS em particular. Como objeto de estudo foi escolhida uma IPSS de grande dimensão, em atividade há cerca de trinta anos, e, conhecida pela sua dinâmica inovadora, denominada de Associação Pela Infância e Terceira Idade de Lamego (APITIL), localizada no interior norte, mais concretamente no concelho de Lamego. O facto de o autor ser colaborador ativo nesta IPSS, foi também determinante para a escolha desta metodologia, dado que assim é possível conhecer em detalhe as informações mais pertinentes para este estudo, bem como é mais eficaz a recolha de dados, igualmente importante para o desenvolvimento desta investigação. A entrevista com o Diretor Técnico da Instituição é outro importante alicerce no que toca à recolha de dados, apresentando-se inclusivamente como um elemento preponderante na avaliação da presença de marketing e comunicação na IPSS em causa. Neste contexto, pretendemos com este estudo conhecer as possibilidades teóricas que adequam o marketing e a comunicação à operacionalidade das IPSS, bem como as suas estratégias e ações presentes na IPSS estudada, de modo a servir como um exemplo geral da realidade do nosso país, ou para se apresentar como uma base para um modelo de atuação, sendo para isso determinante avaliar a eficácia que essas estratégias e ações detêm. 4. ESTRUTURA DA INVESTIGAÇÃO Esta dissertação é constituída por duas partes principais e apresenta-se com um tipo de organização diferente do comum, sendo em formato de artigo. Deste modo, a dissertação é constituída por um capítulo de livro e por um estudo de caso. O primeiro consiste numa revisão da literatura, apresentando um leque diversificado de definições e exposições sobre os conceitos de marketing e comunicação, bem como a sua adequação e utilização por parte das organizações sem fins lucrativos e, em particular, pelas IPSS. No segundo é apresentado o referido estudo de caso, sendo assim possível verificar a 4

13 análise efetuada das estratégias e ações de marketing e comunicação existentes na Instituição estudada. Para alcançar os objetivos subjacentes a esta investigação, divide-se este trabalho em duas partes fundamentais, limitadas por um capítulo introdutório (Introdução) e por um capítulo conclusivo (Conclusões Finais), como pode ser visualizado na figura 1. Dissertação INTRODUÇÃO Enquadramento do tema; objetivos; metodologia; estrutura da dissertação PARTE 1 Artigo para capítulo de livro PARTE 2 Estudo de Caso - APITIL CONCLUSÕES Conclusões finais da investigação Figura 1 Estrutura da Dissertação Fonte: Elaboração própria 5

14 PARTE 1 6

15 Análise das Estratégias e Ações de Marketing e Comunicação em IPSS Portuguesas: Uma abordagem teórica RESUMO As organizações sem fins lucrativos têm uma importância crucial e o seu crescimento tem sido considerável no nosso país. Cada vez mais estas organizações são objeto de investigações que analisam práticas de gestão que são incorporadas às diversas atividades inerentes a áreas de ação social. Uma crescente consciência da importância do marketing neste tipo de organizações tem vindo a contribuir para a adoção de estratégias e ações de marketing e comunicação nas Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS). Este trabalho analisa alguns dos principais contributos teóricos sobre esta temática, que complementa a atuação de marketing ao papel fulcral da comunicação. Além da importância destes dois conceitos, existem outras áreas que se encontram interligadas e que podem complementar o seu desempenho. As novas tecnologias são o reflexo disso mesmo, no qual o papel da inovação aparece conjugada com as técnicas e ferramentas que são implementadas no campo de ação do marketing e também da comunicação. A fidelização e angariação de clientes, assim como o estabelecimento de parcerias e a obtenção de fundos, fruto do desenvolvimento de estratégias e ações de marketing e comunicação são abordadas e avaliadas neste estudo, com o objetivo de se encontrarem teorias que o exemplifiquem e demonstrem a sua viabilidade de implementação. Palavras-Chave: Marketing; Comunicação; IPSS. 7

16 ABSTRACT The nonprofit organizations have a crucial importance and its growth has been considerable in our country. These organizations have increasingly been subject of investigation that analyzes management practices that are incorporated into the various activities related to areas of social action. A growing awareness of the importance of marketing in such organizations has been contributing to the adoption of strategies and actions of marketing and communication in Private Institutions of Social Solidarity (IPSS). This paper examines some of the main theoretical contributions on this theme, which complements the action of marketing to a central role of communication. Besides the importance of these two concepts, there are other areas which are interconnected and can complement its performance. New technologies are a reflection of this, in which the role of innovation comes together with techniques and tools that are implemented in the field of marketing action as well as communication. The loyalty and customer acquisition as well as partnerships and fund raising, which resulted from the development of marketing and communication strategies and initiatives are discussed and evaluated in this study, with the aim of finding theories that exemplify and demonstrate their implementation practicability. Keywords: Marketing; Communication; IPSS. 1. INTRODUÇÃO As Instituições Particulares de Solidariedade Social são organizações particulares e sem fins lucrativos que prestam serviços à sociedade no âmbito da solidariedade social, sendo financiadas principalmente pelo Instituto da Segurança Social, através do estabelecimento de acordos entre ambas, que vão de encontro às necessidades e repostas sociais presentes neste tipo de instituições. As IPSS contam com os pagamentos efetuados pelos seus clientes e, em alguns casos, pelos seus sócios, para poderem dar continuidade à sua sobrevivência. Ainda assim, por vezes, esses encaixes financeiros 8

17 referidos não são suficientes para resolverem os problemas económicos existentes, recorrendo-se a outras formas de angariação de fundos, como é o caso da filantropia. De forma a garantir a sustentabilidade das próprias IPSS, torna-se necessário criar métodos que lhes permitam uma maior estabilidade financeira ou, então, uma troca de serviços, que pode ser realizada com parcerias entre empresas, que pretendam também demonstrar o seu lado solidário, ou até parcerias entre as próprias IPSS. Apesar da concorrência ser uma realidade bastante presente nos dias de hoje, esta é inerente principalmente às empresas privadas que desempenham os mesmos serviços que as IPSS. É com vista a garantir uma maior sustentabilidade das IPSS, que se procurou analisar as estratégias e ações de marketing e comunicação nas IPSS portuguesas. Este trabalho é constituído por uma revisão da literatura que tem como finalidade principal mostrar a importância que o marketing e a comunicação contêm para o sucesso de desempenho das IPSS. Em termos de estrutura, este trabalho encontra-se dividido em três partes principais. Na primeira parte, realizamos uma abordagem às IPSS, indicando as principais caraterísticas que as descrevem. Na segunda parte, mencionamos algumas teorias e conceitos que, de uma forma sucinta, demonstram as principais especificações do marketing e da comunicação em geral. Na terceira e última parte, efetuamos uma análise da presença do marketing e da comunicação nas organizações sem fins lucrativos e, em particular, nas IPSS. 2. CARATERIZAÇÃO DO SETOR EM ESTUDO As IPSS pertencem ao terceiro setor e consistem em instituições sem finalidade lucrativa, por iniciativa de particulares, com o propósito de dar expressão organizada ao dever moral de solidariedade e de justiça entre os indivíduos. Além disso, existem também as denominadas Casas do Povo e Cooperativas de Solidariedade Social que ostentam o reconhecimento de equiparação a IPSS, sendo isto possível desde que estas 9

18 prossigam os objetivos definidos no artigo 1.º do Estatutos das IPSS (Decreto-lei 119/83, de 25 de fevereiro), não podendo ser administradas pelo Estado ou por um corpo autárquico, para prosseguir determinados objetivos, mediante a concessão de bens e a prestação de serviços com as seguintes finalidades, ou que apresentem a mesma compatibilidade: a) Apoio a crianças e jovens; b) Apoio à família; c) Apoio à integração social e comunitária; d) Proteção dos cidadãos na velhice e invalidez e em todas as situações de falha ou diminuição de meios de subsistência ou de capacidade para o trabalho; e) Promoção e proteção de saúde, nomeadamente através da prestação de cuidados de medicina preventiva, curativa e de reabilitação; f) Educação e formação profissional dos cidadãos; e g) Resolução dos problemas habitacionais das populações; Para as organizações poderem ser consideradas como sem fins lucrativos, devem ser constituídas por cinco caraterísticas principais, a saber (Wolf, 1999, p. 21): - Elas devem ter uma missão de serviço público ; - Elas devem ser organizadas como corporações sem fins lucrativos ou de caridade ; - As suas estruturas de governação devem impedir o interesse próprio e o lucro financeiro privado ; - Elas devem ser isentas de pagamento de impostos federais ; - Elas devem possuir um estatuto jurídico especial que estipule que as doações feitas às mesmas são dedutíveis. 10

19 Nos últimos anos, tem-se registado em Portugal um aumento da procura dos diversos serviços prestados pelas IPSS, fruto da melhoria de vida dos nossos cidadãos, que se deve essencialmente ao aumento do valor das reformas a que se tem assistido nos últimos tempos, embora ainda estejam muito longe do esperado, como serve de exemplo se compararmos a sua evolução com os restantes países da União Europeia. Espera-se que a tendência dessa procura aumente ainda mais nos próximos anos, em cerca de 5% anuais, para o qual contribui o aumento demográfico dos idosos, que se situa nos 16.4% da atual população e, bem como a menor capacidade de resposta por parte dos familiares (Jacob, 2004). Devido a esse aumento, e ao facto da maioria das IPSS estarem lotadas no nosso país, verificou-se, nos últimos anos, um aumento significativo de IPSS; por exemplo, só no ano de 2009 foram criadas 30 IPSS, existindo, neste momento, cerca de quatro mil instituições em grande atividade (S.a, 2009). Além disso, a importância do papel das IPSS na sociedade ampliou de forma bastante significativa nos últimos anos, para o qual tenha contribuído o aumento da esperança média de vida das pessoas, que tem como atual consequência uma população envelhecida. A crise financeira que se vive nos dias de hoje também constitui uma forte razão para que as pessoas recorram cada vez mais às IPSS, dado que os valores pagos por um ou mais serviços são muito diminutos em relação ao setor privado deste âmbito de serviço social. As IPSS recebem apoios do Estado, que são estabelecidos por acordos realizados com o Instituto da Segurança Social para poderem prosseguir os seus objetivos estabelecidos, diminuindo assim o valor que o cliente terá que comparticipar na utilização de um ou mais serviços, mediante a concessão de bens e a prestação de serviços acordados e, respetivamente, efetuados. Além dos valores provenientes dos seus clientes e dos apoios governamentais, algumas IPSS contam também com valores resultantes das cotas dos seus associados, bem como da realização de determinados serviços excecionais para os mesmos. As IPSS encontram-se inseridas num mercado cada vez mais competitivo, devendo-se principalmente a um maior número de empresas com fins lucrativos registadas nos últimos tempos, e ao próprio crescimento de algumas já existentes, que praticam os 11

20 mesmos serviços das IPSS. Para Brace-Govan (2006), existem muitas diferenças relevantes entre as organizações sem fins lucrativos e as organizações com fins lucrativos. Estas diferenças podem ser fatores relevantes de diferenciação, podendo ser fundamentais para a escolha dos clientes. A competitividade entre IPSS não é tão acentuada, embora existam locais do país onde isso acontece, o que leva a que alguns fatores marquem a diferença e distingam uma determinada IPSS das restantes. Apesar disso, as parcerias entre IPSS são uma realidade existente e imprescindível, já que existem determinadas IPSS que se complementam na prestação de serviços e que têm, inclusive, protocolos estabelecidos, com o objetivo de garantirem aos seus clientes os serviços que não podem prestar, mas que serão assegurados pelas suas entidades parceiras. Segundo Herzlinger (1996 como citado em Carvalho, s.d., p. 10) Porque as organizações sem fins lucrativos são muitas vezes subsidiadas e os seus serviços são frequentemente gratuitos, os clientes estão mais inclinados para perdoar a falta de qualidade e ignorar a ineficiência. Embora, seja fundamental a forma de como uma IPSS se apresenta à sociedade, tornando-se importante mostrar o seu sucesso de operacionalidade e de execução dos seus servidos prestados. É nesse âmbito que as IPSS tentam, cada vez mais, apostar na diferenciação e alargamento do seu leque de respostas sociais e de serviços especializados, no qual a inovação dos serviços que podem ser associados às novas tecnologias alcançou um importante lugar quando se pretende analisar a qualidade dos serviços prestados. Bowen, Siehl e Schneider (1989) e Levitt (1990) defendem isso mesmo, ou seja, para a conquista da diferenciação não é suficiente oferecer ao cliente o tipo de serviços que ele espera, mas sim apresentar algo novo. O principal objetivo das IPSS consiste na satisfação dos seus clientes, através da utilização dos seus serviços, com o objetivo de os fidelizar satisfazendo, deste modo, as necessidades da própria instituição e permitindo a melhoria contínua dos seus serviços e instalações. A captação de novos clientes e de novos fundos são metas importantes para muitas das IPSS do nosso país, não só para o seu crescimento como também para a sua 12

21 própria sustentabilidade e, consequentemente, para a sua existência. Para Kotler e Armstrong (2003) a angariação de novos clientes pode levar a um maior esforço financeiro, ao invés do que acontece com os clientes já existentes. Existem algumas formas de as organizações sem fins lucrativos obterem financiamentos, como é o caso de diversas ações de filantropia realizadas por parte de certas empresas portuguesas. Algumas das quais não esperam obter qualquer tipo de benefícios comerciais com este género de ações de solidariedade social. Nos últimos anos tem-se assistido a um aumento dos valores morais por parte das pessoas, existindo uma maior preocupação e interesse sobre a organização deste género de ações de caráter social. Deste modo, as pessoas ficam mais sensíveis ao saberem da participação das empresas nestes atos de beneficência, tornando-se assim numa importante ferramenta que as próprias empresas podem usar para atrair clientes e, consequentemente, para aumentar o seu volume de negócios. Os patrocínios, por exemplo, são muito comuns entre a sociedade empresarial, embora muitas das vezes sejam efetuados com o propósito de obter algo em troca, o que realça o seguimento da ideologia anteriormente referida, ou seja, as empresas fazem-no com o propósito de alcançarem algo que seja benéfico e positivo. O patrocínio pode ser visto como uma compra, seja ela realizada em dinheiro ou em bens, no qual a sua associação a uma determinada causa permite a sua própria promoção comercial (Meenaghan, 1991). A angariação de fundos é muito importante para as IPSS embora, atualmente, e devido essencialmente à crise económica que se encontra implementada na sociedade portuguesa, não seja tão fácil alcançar as metas pretendidas. Este cenário leva a que as IPSS repensem e alterem a sua tipologia de procura de fundos, indo ao encontro da troca de serviços com as empresas que pretendem continuar a praticar ações filantrópicas. As trocas não têm de assentar exclusivamente em relações financeiras podendo, também, ser de caráter social ou económico (Mcleish, 1995). As trocas de serviços entre IPSS e as empresas devem ser muito bem exploradas, no qual o marketing tem a função de dinamizar a procura e o consequente estabelecimento 13

22 de parcerias que vão ao encontro desta teoria de trocas, e que abrange, também, o relacionamento de trocas entre as próprias IPSS. Além disso, as empresas aproveitam muitas vezes a sua participação em diversas causas sociais, e que são em alguns casos inerentes a algumas ações efetuadas pelas próprias IPSS, podendo estas ser em prol de uma só pessoa, ou em prol de um grupo de pessoas. Segundo Varadarajan e Menon (1988), uma determinada empresa pode promover ou colaborar numa ação de beneficência sem fins lucrativos através da oferta de uma parte dos seus lucros, ou de uma parte das suas vendas provenientes da divulgação e da publicidade efetuada relativamente a essa causa específica. De uma forma geral, além da utilização de métodos tradicionais para a angariação de fundos, existem outras formas de as IPSS assegurarem a sua sustentabilidade económica dependendo, cada vez menos, dos apoios governamentais. Assim, as IPSS contam com a operacionalidade do marketing para definir um leque de estratégias e ações com o objetivo de encontrar caminhos e soluções que permitam uma maior viabilidade económica interna, sendo deste modo possível a prestação de uma melhor qualidade de serviços aos seus clientes. É nesta implementação de marketing que a comunicação tem o papel importante de promover essas referidas estratégias e ações com o intuito de sensibilizar a sociedade para as causas sociais que caraterizam o seio das IPSS. O voluntariado é, também, uma vertente cada vez mais importante nas IPSS, e que pode ajudar a colmatar determinadas carências afetivas nos seus clientes, dado que as pessoas se preocupam, cada vez mais, em oferecer o seu trabalho e a sua ajuda de forma voluntária e sem quaisquer custos, apenas com o objetivo de praticarem um conjunto de boas ações em prol de uma sociedade de ajuda aos mais necessitados, como é o caso de uma grande parte dos clientes que constituem as IPSS nacionais. O voluntariado pode ser realizado de uma forma singular, embora hajam também alguns casos de voluntariado efetuado de forma organizada, ou seja, por algumas empresas, que pode ser encarado com um ato verdadeiro de filantropia, para dinamizar as IPSS. 14

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL 1 POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL Senhora Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores Membros

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

World Café: Interligar para vencer

World Café: Interligar para vencer World Café: Interligar para vencer Principais Reflexões Tais reflexões resultam de uma sessão intitulada World Café: Interligar para vencer que ocorreu na Cruz Vermelha Portuguesa Centro Humanitário de

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

Marketing Turístico e Hoteleiro

Marketing Turístico e Hoteleiro 1 CAPÍTULO I Introdução ao Marketing Introdução ao Estudo do Marketing Capítulo I 1) INTRODUÇÃO AO MARKETING Sumário Conceito e Importância do marketing A evolução do conceito de marketing Ética e Responsabilidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2016. Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental

PROGRAMA DE AÇÃO 2016. Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental PROGRAMA DE AÇÃO 2016 Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II EIXOS/OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 3 III AÇÕES E ATIVIDADES... 4 IV AVALIAÇÃO... 4 V

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

É precisamente nestas alturas que temos de equacionar todos os meios possíveis para tornar viáveis, nomeadamente, os museus.

É precisamente nestas alturas que temos de equacionar todos os meios possíveis para tornar viáveis, nomeadamente, os museus. Museus Novos produtos para novos públicos António Ponte Paço dos Duques de Bragança PORTO, 2011-11-07 Ao iniciar esta apresentação quero agradecer o convite que nos foi endereçado para apresentar a situação

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

i9social Social Innovation Management Sobre

i9social Social Innovation Management Sobre i9social Social Innovation Management A inovação social é uma solução inovadora para um problema social, que é mais eficaz, eficiente e sustentável do que as soluções existentes, e a qual incrementa a

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

5ª Edição do Prémio SIC Esperança Escola Solar Regulamento

5ª Edição do Prémio SIC Esperança Escola Solar Regulamento A SIC Esperança promove anualmente a entrega de um prémio a um projeto inovador ainda não implementado, que tenha como objetivo a melhoria da qualidade de vida, em particular de pessoas socialmente desfavorecidas.

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL PREÂMBULO REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DO CONCELHO DE VALENÇA Com a emergência de novos processos de exclusão social e a persistência de fortes desigualdades sociais, subjacentes à problemática da pobreza

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva A visão Social da Previdência Complementar Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva Protecção Social Obrigatória vs Protecção Social Complementar As alterações efectuadas nos últimos anos ao Regime da Segurança

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos O código de ética DBA representa a necessidade de reforço aos valores e à cultura da empresa através da ética. Assim, é fundado nos valores essenciais da corporação e pode ser definido pelas normas padrões

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Ilustração de Antónia Tinturé Associação Zoófila Portuguesa, março de 2014 1 Índice Enquadramento... 2 Qualidade dos Serviços e gestão internaerro! Marcador não definido. Abrangência e divulgação... 7

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar Crianças

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 1. Princípios de Ação.4 2. Recursos Organizacionais.4 3. Recursos Humanos 5 4. Recursos Físicos

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA. Departamento de Comunicação e Arte !!!!!!!!!

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA. Departamento de Comunicação e Arte !!!!!!!!! Universidade de Aveiro 2012 Departamento de Comunicação e Arte RENATO MIGUEL SILVA COSTA ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA Universidade de

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria Farmacêutica no Brasil.

Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria Farmacêutica no Brasil. Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria O fortalecimento do pagador institucional de medicamentos, seja ele público ou privado, estabelece uma nova dinâmica nos negócios da indústria,

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

Estudos de Imagem e Notoriedade

Estudos de Imagem e Notoriedade Estudos de Imagem e Notoriedade 1- Enquadramento O Serviço: Relatórios Avaliação da Imagem e Notoriedade das organizações, bem como da força de marca e posicionamento face à concorrência. Para que Serve:

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade

Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Jorge Neves, 19/12/2011, Amadora colocar foto da era ENQUADRAMENTO

Leia mais

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02)

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 16.10.2012 2012/2039(INI) ALTERAÇÕES 1-58 Regina Bastos (PE483.860v02) sobre o estatuto da mutualidade europeia (2012/2039(INI))

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL 3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL João de Sá Nogueira Administrador / Director Executivo Fundação Infantil Ronald McDonald joao.sanogueira@pt.mcd.com

Leia mais

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes)

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes) Processo nº1-project Manager Construction Company Engenheiro Civil para ser Gerente de Projetos - Experiência de 5 anos em empresas relevantes (construção); Alto nível de habilidades organizacionais e

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Economia e do Emprego

EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Economia e do Emprego DATA: Segunda-feira, 31 de dezembro de 2012 NÚMERO: 252 SÉRIE I EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Economia e do Emprego DIPLOMA: Portaria n.º 427/2012 SUMÁRIO: Regulamenta a

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas 13 de maio de 2015 PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas Virpi Stucki Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 MENSAGEM INICIAL Assimilar um saber, um conteúdo, uma praxis em Terapia da Fala é uma condição sine quo non para que haja uma base científica. Contudo, esta base de

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS CAUÊ SAMUEL SCHIMIDT 1 FERNANDO GRANADIER 1 Resumo O mercado atual está cada vez mais competitivo e para sobreviver nesse meio, é necessário

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL 1 Sendo uma IPSS, que: Não tem fins lucrativos; Fornece serviços para melhorar a qualidade de vida dos clientes; Os lucros, se houverem,

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO

INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO SETEMBRO 2014 2 INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO BRANDSTORY, LDA SETEMBRO 2014 FICHA TÉCNICA Brandstory, Unipessoal Lda Coordenadora

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais