AS ESTRATÉGIAS DO MARKETING VERDE E AS PRÁTICAS DE GESTÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS DE HIGIENE PESSOAL E COSMÉTICOS LÍDERES NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS ESTRATÉGIAS DO MARKETING VERDE E AS PRÁTICAS DE GESTÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS DE HIGIENE PESSOAL E COSMÉTICOS LÍDERES NO BRASIL"

Transcrição

1 ISSN AS ESTRATÉGIAS DO MARKETING VERDE E AS PRÁTICAS DE GESTÃO AMBIENTAL NAS EMPRESAS DE HIGIENE PESSOAL E COSMÉTICOS LÍDERES NO BRASIL Kelly Cristina Soares de Jesus, Livia da Silva Modesto Rodrigues, Alexandre José Alves da Silva, André Luis Rocha de Souza (IFBA - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnoloogia da Bahia) Resumo: O presente estudo visa analisar as estratégias mercadológicas e as práticas de responsabilidade ambiental do Marketing Verde das empresas do segmento de cosméticos, líderes no mercado brasileiro. O principal objetivo desse estudo é analisar as estratégias mercadológicas das empresas do segmento de cosméticos, higiene pessoal e perfume líderes no mercado brasileiro, relativas ao Marketing Verde e seus reflexos no âmbito das práticas de gestão dos recursos ambientais. Para tal fim, discorreu-se sobre os conceitos de Administração Estratégica e a sua relação com as práticas de Gestão Ambiental, sua correlação às estratégias do Marketing Verde e as práticas de Gestão Ambiental e evidenciação às práticas do Marketing Verde nas empresas de segmento proposto. O campo empírico do estudo permeou duas das mais conceituadas empresas do ramo de cosméticos no Brasil que buscam trabalhar a sua imagem organizacional junto aos conceitos que envolvem questões ligadas à sustentabilidade: a Natura e o Grupo O Boticário. O trabalho foi realizado a partir da pesquisa exploratória de natureza bibliográfica, consultando dados secundários, tais como: livros, artigos científicos, monografias e dissertações, para fundamentar o referencial teórico sobre o assunto e elaborar as conceituações por diversos autores, tendo como método utilizado o bibliográfico e documental. O estudo discorre sobre os conceitos de Administração Estratégica e a sua relação com as práticas de Gestão Ambiental, considerando as contribuições dos diversos autores, teóricos da área, bem como a importância das Estratégias do Marketing Verde e sua correlação com as práticas de Gestão Ambiental e apresenta as práticas do Marketing Verde nas empresas de segmento de cosméticos, higiene pessoal e perfume líderes no mercado brasileiro a partir dos relatórios socioeconômicos divulgados pelas empresas. Palavras-chaves: Marketing Verde. Gestão Ambiental. Cosméticos e Higiene Pessoal

2 1 INTRODUÇÃO A Administração enquanto área de conhecimento tem sua evolução apresentada desde os primórdios da humanidade e o surgimento das especializações tornou-se uma necessidade eminente face ao desenvolvimento da sociedade e da economia. A mercadologia é uma dessas importantes áreas da administração que também vem se desenvolvendo desde a sociedade primitiva. Nesta época, não havia tantos desejos e necessidades por parte das pessoas, pois o que era importante para suas necessidades básicas estava ao alcance de todos. A atividade mercadológica era vista como uma relação de troca, mas foi a partir da Revolução Industrial, no século XVIII que o marketing obteve sua evolução significativa, houve um grande avanço econômico para os países industrializados possibilitando a evolução, desenvolvimento e riqueza para essas nações. O surgimento da produção em massa, a ampliação dos negócios e dos estabelecimentos comerciais proporcionaram o desenvolvimento da população e das relações de consumo e como consequência as práticas mercadológicas também se modificaram acompanhando o processo de mudança do mundo globalizado. Segundo Kotler e Armstrong (2002, p.14), a economia atravessou grandes mudanças nas últimas duas décadas. As distâncias geográficas e culturais se encolheram, esse fator permitiu que as empresas aumentassem sua área de atuação de mercado, compra e fabricação, e o resultado foi um ambiente mercadológico mais complexo. Na atualidade as organizações se deparam com grandes desafios como a grande concorrência do mercado, as constantes mudanças organizacionais e o rápido avanço da tecnologia. Esse cenário exige dessas organizações um diferencial competitivo para conseguir se destacar, manter e atrair clientes. As estratégias de marketing promovidas por essas organizações são consideradas como direcionadores que poderão ajudar na resolução desses novos desafios. Estudar os fatores que levam o consumidor a adquirir um determinado produto e as estratégias que as empresas podem utilizar para maximizar seus resultados, criando um relacionamento com seus consumidores é indispensável para um administrador. Desse modo, o estudo da área mercadológica e especificamente o Marketing nos ensina que há fatores que podem influenciar na compra de um produto. As práticas mais recentes que envolvem o conceito de sustentabilidade surgiram como novas vertentes que tem influenciado o consumidor, contribuindo para aprofundamento dos estudos sobre os conteúdos da Administração Mercadológica, considerando a aplicação da Administração Estratégica, da Gestão Ambiental e do Marketing 2

3 Verde. Nesse contexto, as organizações têm desenvolvido estratégias de produção e comercialização de produtos objetivando atingir as necessidades dos consumidores e ao mesmo tempo diminuir o impacto ambiental. Foi a partir desse crescimento da valorização de produtos e serviços ambientalmente corretos que surge essa nova prática mercadológica o Marketing Verde. Mudanças significativas afetaram o processo de produção das empresas a partir desse novo conceito, sendo o Marketing Verde utilizado como um diferencial entre as empresas que buscam o sucesso na melhoria da qualidade de vida dos seus clientes e da sociedade. As estratégias de Marketing Verde representam nova vertente à exploração do segmento de produtos verdes, proporcionando melhorias na imagem institucional, com o intuito de influenciar na decisão de compra dos seus clientes e sua consciência pelo consumo mais sustentável. 2 ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Com o surgimento das fábricas e a invenção da máquina a vapor e sua utilização na produção, no século XVIII, teve início a Revolução Industrial. Isso impulsionou uma nova forma de produção que modificou os padrões econômicos e sociais da época. Foi a partir dessa época que surgiram ideias de organização racional da sociedade e do trabalho. Segundo Carvalho (2008, p.11) esses acontecimentos propiciaram condições favoráveis à criação de estudos científicos, porque eram necessários ao aperfeiçoamento da produção nas empresas. O surgimento das teorias administrativas, por estudiosos como Taylor, Fayol entre outros, neste período, começou a suprir a ausência de bases científicas para a administração dando visibilidade e credibilidade à nova ciência. A Administração busca estudar as necessidades sociais e técnicas da organização, seu conjunto de diretrizes, cultura, processos, recursos e capital, possibilitando a realização de seu negócio de forma estruturada, integrada e consolidada. Faganelo e Machado (2008, p. 3). Maximiliano apud Carvalho salienta que: Administrar é um trabalho em que as pessoas buscam realizar seus objetivos próprios ou de terceiros (organizações) com a finalidade de alcançar as metas traçadas. Dessas metas fazem parte as decisões que formam a base do ato de administrar e que são as mais necessárias. O planejamento, a organização, a liderança, a execução e o controle são considerados decisões e/ou funções, sem as quais o ato de administrar estaria incompleto. (CARVALHO, 2008, p.11) Após a observação dos primeiros estudos científicos chegou-se à conclusão que Administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos com a finalidade de alcançar os objetivos das organizações. (CARVALHO, 2008, p.11). 3

4 2.1 EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Inicialmente o conceito de estratégia era muito utilizado pelo exército para comandar ou conduzir seus soldados, representava um meio de vencer uma ameaça. Mas foi a partir da primeira metade do XX que as organizações passaram a utilizar a estratégia empresarial como ferramenta de gestão para reduzir os riscos e as incertezas do ambiente. Após Segunda Guerra Mundial surgiram ameaças externas, o comércio internacional foi ampliado e as organizações passaram a competir globalmente. Nesse período as organizações começaram a se preocupar em estabelecer estratégias para atingir seus resultados e medir seu desempenho. Estudos mais profundos sobre a Administração Estratégica tiveram início em 1950 quando a Fundação Ford e a Carnegie Corporation realizaram um estudo com o objetivo de avaliar os currículos das Escolas de Administração norte-americanas. Foi a partir desse estudo que se ouviu falar da Administração Estratégica. As Escolas de Administração verificaram que deveriam incluir em seus currículos a disciplina de política de negócios que mais tarde veio a se transformar na disciplina de Administração Estratégica. Esses estudos possibilitaram outras pesquisas, que colaboraram para a fundamentação dos conceitos, das ferramentas e dos processos da Administração Estratégica. Nesse contexto, se deu a evolução do pensamento estratégico como um processo de gestão empresarial. Segundo Samuel Certo et al (2010, p. 4) a Administração Estratégica é definida como o processo contínuo e circular que visa manter a organização como um conjunto adequadamente integrado ao seu ambiente. Para Faganelo e Machado (2008, p. 3) a Administração Estratégica é um conjunto de orientações, decisões e ações que determinam o desempenho de uma empresa a longo prazo. Esses conceitos afirmam que as empresas necessitam se antecipar e se preparar para as constantes mudanças e, assim, evitar futuros problemas. Isso pode ser alcançado por meio de planejamento e desenvolvimento visando à implementação efetiva da Administração Estratégica. 2.2 ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO AMBIENTAL Ao longo das ultimas décadas os impactos ambientais tem comprometido a qualidade de vida do homem, isso foi consequência de um modelo de crescimento econômico adotado que se 4

5 fundamenta no aumento da produção sem pensar em seus custos para o ambiente e a sociedade, foi a nesse contexto que o homem começou a repensar seu modelo de desenvolvimento. Para Seiffert a preocupação com a conservação e a preservação da qualidade ambiental vem se tornando um tema cada vez mais importante e presente na vida dos cidadãos em vários países do mundo. Isto é resultado da evolução dos desgastes ao ambiente gerados ao longo dos anos, particularmente pela operação dos processos industriais, que geram degradação ambiental tanto em sua operação diária quanto em casos de acidentes ambientais. (2011, p.7) Quando as organizações identificaram que a qualidade de vida homem estava sendo comprometida, devida há má utilização dos recursos naturais, passaram a observar uma necessidade de mudar essa realidade, buscando através da Gestão Ambiental diminuir ou eliminar os desequilíbrios ambientais. Desta forma, essas organizações passaram a reconhecer que o desenvolvimento das suas atividades influenciavam diretamente o meio ambiente. Seiffert (2011, p.50) afirma que a Gestão Ambiental: Caracteriza-se pela forma como a organização se mobiliza, interna e externamente, para a conquista da qualidade ambiental desejada. Ela consiste em um conjunto de medidas que visam ter controle sobre o impacto ambiental de uma atividade. Dessa forma, para que a empresa passe a realmente trabalhar com a Gestão Ambiental, deve, inevitavelmente, passar por uma mudança em sua cultura organizacional e empresarial. Para Dahlstrom (2011, p.33), o planejamento estratégico refere-se ao processo de como a organização se adapta ao meio ambiente e as atividades corporativas. Ao incorporar a sustentabilidade no processo de planejamento estratégico, a empresa aumenta sua capacidade de interagir de forma eficaz com o meio ambiente. Na medida em que a empresa preocupa-se com um modelo de negócio que avalia as consequências e os impactos de suas decisões e ações não apenas com as questões financeiras, ou seja, a organização contempla aspectos sociais e ambientais, ela se compromete com o futuro e, portanto, com a sustentabilidade. A Gestão Ambiental busca o equilíbrio nas relações econômica, ambientais e sociais. Isso contribui para o desenvolvimento sustentável, uma vez que passa a utilizar o conceito de sustentabilidade. (ALIGLERI, 2009, p. 16). Em 1987, a ONU (Organização das Nações Unidas), elaborou um relatório definindo a sustentabilidade como o desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações em satisfazer as suas próprias necessidades. Com a publicação desse relatório as organizações começaram a adotar a noção de sustentabilidade derivada do foco no Tripé Bottom Line ou tripé da sustentabilidade. A figura 1 descreve a busca da sustentabilidade, onde afirma que para a corporação alcançar a sustentabilidade ela deve direcionar suas ações a favor do desenvolvimento social, econômico e ambiental. 5

6 Figura 1: Tripé da Sustentabilidade. Fonte: Adaptado de Dahlstrom, 2011, p.7. Segundo Dahlstrom, a organização sustentável deve gerar níveis aceitáveis de desempenho econômico, estimular o desempenho social em sua interação com clientes, fornecedores, consumidores e outros grupos de interesse. Também é de grande importância para a empresa que busca a sustentabilidade que ela possua a capacidade de atingir níveis aceitáveis de desempenho ambiental ao longo da cadeia de suprimentos, desde a obtenção de matéria-prima até o descarte pós-consumo. (Dahlstrom, 2011, p.7-8) PORQUE SE PREOCUPAR COM A GESTÃO EMBIENTAL? O tema Gestão Ambiental nas organizações vem ganhando força e consequentemente influencia cada vez mais em suas decisões estratégicas. O crescimento das questões ecológicas dentro da organização ocorre quando a empresa percebe a importância das melhorias ambientais gerando assim uma excelente oportunidade para o negócio com a redução nos custos. Para Donaire (2008, p. 89) qualquer melhoria que possa ser conseguida no desempenho ambiental da empresa sempre representará algum ganho de energia ou de matéria contida no processo de produção. Para orientar a organização que deseja atingir padrões elevados de Gestão Ambiental as normas da Organização Internacional de Normalização (ISO) possuem um papel importante para auxiliá-la, pois elas orientam as organizações na direção correta para alcançar a Gestão Ambiental. A ISO utiliza-se de diversos padrões para monitorar e controlar a interação dos setores organizacionais com o meio ambiente. A norma ISO padroniza a Gestão Ambiental e dela derivou a norma mais atual de Gestão Ambiental a ISO 14001:2004 que estabelece uma estrutura para que uma organização possa controlar a influência de suas atividades, produtos e serviços, aumentando continuamente seu desempenho ambiental. Segundo Donaire (2008, p.91) as exigências da legislação ambiental passaram a estabelecer normas de atuação que resultaram em repercussões em nível interno nas organizações 6

7 interessadas em solucionar seus problemas ambientais. Esses instrumentos, e outros aqui não citados, dão diretrizes que, de certa forma, orientam e ajudam a compreender a importância da responsabilidade entre as ações empresariais e o meio ambiente. 3 MARKETING VERDE A Administração de Marketing possui como objeto de estudo as mais diversas áreas das ciências como as humanas e as naturais, pois, tem como objetivo conhecer o comportamento humano e, a partir disso, criar produtos e serviços que atendam as suas necessidades. Cobra (2009, p. 39) confirma que o marketing busca preciosas informações em áreas que se apoiam, de um lado em patamares cientifico como estatística, matemática, antropologia, psicologia, sociologia, e do outro lado, utiliza a arte expressa pelo design de produtos, embalagens, logotipo, propaganda etc. A Associação Americana de Marketing (AMA) define marketing como: o processo de planejamento e execução, desde a concepção, o preço, a promoção e a distribuição de bens e serviços, para criar trocas que satisfaçam os objetivos individuais e organizacionais. Kotler e Armstrong já o apresentam como: o processo social e gerencial através do quais indivíduos e grupos obtêm aquilo que desejam e de que necessitam, criando e trocando produtos e valores uns com outros (...) o marketing consiste em ações com a finalidade de obter uma resposta desejada de um público-alvo sobre algum produto, serviço, idéia ou outro objeto qualquer (...) marketing significa administrar mercados para chegar a trocas, com o propósito de satisfazer as necessidades e desejos do homem. (Kotler e Armstrong, 2003, p.3; 7-8) Para Shimoyama, et at (2002, p.2), o marketing tornou-se uma força difundida e influente em todos os setores da economia. Desta forma passou de uma imagem de algo antiético e desnecessário e passou a ser visto como um instrumento essencial para a formação e manutenção dos negócios empresariais. Seus conceitos passaram a ser aplicados não mais apenas por empresas com fins lucrativos, mas também pelos os mais variados tipos de organizações como times de futebol, igrejas, governos e organizações não governamentais, gerando as diversas especializações como marketing esportivo, institucional entre outros. Portanto, Marketing é quando uma organização busca estrategicamente no mercado, as informações necessárias para o desenvolvimento e distribuição de produtos ou serviços que visem atender as demandas dos consumidores, com isso promove a satisfação dos seus clientes mediante a confiança na marca e o desenvolvimento de produtos e serviços de qualidade. Dahlstrom (2011, p.107), afirma que uma organização de sucesso deve descobrir e identificar dentro do mercado o que seus consumidores procuram. 7

8 3.1 ESTRATÉGIAS DE MARKETING (4 Ps) A organização trabalha em um ambiente dinâmico, onde os valores globais que afetam o marketing como orientações do cliente, mudanças na economia, impactos ambientais, aumento da concorrência global e uma série de outras variáveis, políticos e sociais influenciam significativamente a relação de consumo. Essas influências exigem que os administradores de marketing reformulem as estratégias e seus objetivos, e implementem práticas inovadoras, pois mudanças rápidas podem tornar as estratégias de sucesso de ontem rapidamente desatualizadas. Contudo, esses novos cenários também oferecem oportunidades de marketing. Kotler e Armstrong (2003, p.13) afirmam que hoje examinamos com mais cuidado as principais tendências e forças que estão mudando o marketing e desafiando sua estratégia: o crescimento do marketing sem fins lucrativos, a rápida globalização, a economia mundial em mutação e o apelo para ações de maior responsabilidade social e ambiental. Depois de decidir sua estratégia de a empresa está apta para começar a planejar o mix de marketing ou composto de marketing. Kotler e Armstrong (2003, p.31) definem o mix de marketing como o grupo de variáveis controláveis de marketing que a empresa utiliza para produzir a resposta que deseja no mercado-alvo. Esse composto consiste nas ações da organização com a intenção de influenciar a preferência por seu produto. O composto de marketing se reúnem em quatro variáveis, conhecidas como os quatro Ps : Produto, Preço, Praça e Promoção, configurando os elementos necessários atingir seus objetivos, não apenas ofertando um produto e sim benefícios aos consumidores, criando, assim, valor para a empresa. Portanto, para Kotler e Armstrong (2003, p.32), empresas vencedoras serão aquelas que conseguirem atender mais economicamente e convenientemente as necessidades do consumidor. 3.2 ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA E GESTÃO AMBIENTAL A Administração Mercadológica desempenha um importante papel para a organização, pois auxilia a alcançar suas metas de faturamento e de lucros através da identificação das necessidades dos consumidores. As estratégias de marketing são também influenciadas pela Gestão Ambiental, afetam diretamente os indivíduos e a sociedade, de modo que necessitam ter uma perspectiva do potencial impacto tanto socioambiental quanto competitivo de suas ações (Aligleri, 2009, p.135). Portanto, para esses consumidores os esforços empresariais de desenvolvimento e consumo de produtos ecologicamente corretos podem oferecer a possibilidade de redução dos problemas ambientais e a melhoria na sua qualidade de vida. Assim segundo 8

9 Kotler e Armstrong (2003, p. 479; 481), o sistema de marketing não deve ser o de maximizar o consumo, e sim a qualidade de vida do consumidor. Entende-se por qualidade de vida não só apenas a quantidade e qualidade de bens e serviços de consumo como também a qualidade do meio ambiente. De acordo com essa realidade as empresas respondem a esse movimento com o Marketing Verde, desenvolvendo produtos ecologicamente mais seguros, embalagens recicláveis, maior controle da poluição e operações mais eficientes. Constatamos que na ultima década somou-se ao tradicional marketing para o consumidor o marketing sustentável ou verde que, em princípio, permite que as organizações não sejam apenas lucrativas, mas também, ao mesmo tempo, ambientalmente responsáveis. Para isso é necessário repensar a atividade produtiva e mercadológica, a fim de que se possam encontrar soluções viáveis para o conflito capital e natureza, isso se chama Marketing Verde. (Mazza, 2011, p.190) 3.3 CONCEITO DE MARKETING VERDE As empresas comprometidas com o meio ambiente tentam não apenas desenvolver uma consciência ambiental, mas de fato preservar o ambiente. Mercados ambientalmente corretos são aqueles em que compradores e vendedores são caracterizados pela prática de atividades que demonstram o respeito á natureza e à sua diversidade, incentivam e utilizam recursos renováveis, combatem o desperdício de recursos e praticam um descarte adequado dos resíduos. (Mazza, 2011, p.189). O Marketing Verde segundo OTTMAN (1993, p.43) apud Mazza (2011, p.191) tem por estrutura dois pontos fundamentais: a) O desenvolvimento de produtos que equilibrem necessidades dos consumidores com um impacto mínimo sobre o ambiente e tenham preço viável; e b) Projeção de uma imagem de alta qualidade, incluindo sensibilidade ambiental, quanto aos atributos de um produto. Segundo Dahlstrom (2011, p.5-6) é o desenvolvimento e a comercialização de produtos destinados a minimizar os efeitos negativos sobre o meio ambiente, ou seja, são todos os esforços para consumir, produzir, distribuir, promover, embalar e recuperar o produto de forma que sejam sensíveis as preocupações ecológicas. Essa definição reconhece a necessidade de considerar a produção, a distribuição e a recuperação de produtos como componentes integrados do esforço de planejamento da gestão de marketing. 9

10 O meio ambiente, as economias em desenvolvimento, os consumidores, a estratégia corporativa, o produto, os processos de produção e a cadeia de suprimentos são influenciados e beneficiados com o Marketing Verde, que também tem implicações para o mercado financeiro. Investidores são atraídos para fundos verdes especializados que apresentam carteiras de ações de empresas ecologicamente conscientes. (Dahlstrom, 2011, p.8; 11). Portanto, as iniciativas de Marketing Verde contribuem significativamente para Gestão Ambiental e consequentemente para o meio ambiente por meio da incorporação de estratégias que agregam valor aos produtos e serviços ofertados aos consumidores ESTRATÉGIAS DE MARKETING VERDE (4 Ps) A estratégia de Gestão Ambiental é o processo onde a organização consegue ajustar suas ações ao meio ambiente. Ao incorporar o conceito de sustentabilidade no processo de Administração Estratégica, a empresa aumenta sua capacidade de interagir de forma eficaz com o meio ambiente. Dentro desse processo, as estratégias de Marketing Verde permitem uma melhoria contínua na interação da organização com o meio ambiente. Segundo o estudo das áreas mercadológicas as estratégias de marketing são traçadas a partir de uma combinação de quatro elementos (produto, preço, praça e promoção) denominada de Mix de Marketing, que se correlacionam diretamente ao conceito de Marketing Verde, conforme exposto: Produto: Um produto ambientalmente correto é o que satisfaz as necessidades e as expectativas do consumidor e, ao mesmo tempo, não agride o meio ambiente. Para Mazza (2011, p ), um produto considerado verde deveria contar com todas ou pelo menos algumas das seguintes características: material reciclável, uso reduzido de recursos, redução no consumo de energia, uso eficiente da água, redução de resíduos, longa vida do produto, possibilidade de reuso e que seja degradável. Aligleri, afirma que o desafio dos gestores de marketing é criar produtos que agreguem benefícios de longo prazo, reduzam o estresse do cliente e aliviem a responsabilidade dos consumidores, sem reduzir as suas qualidades. (2009, p.142). Preço: Segundo Calomarde (2000) apud Silva (2009, p.6), o estabelecimento do preço de um produto verde, além de incluir os custos normais de produção, também deve levar em conta os valores ambientais que ele possui. Portanto, o preço de um produto ambientalmente correto não é diferente dos outros produtos, ele também deverá refletir o valor percebido pelo consumidor, 10

11 entretanto, sua competitividade no mercado está relacionada ao nível de informações a respeito dos benefícios ambientais nele agregados. A estratégia de preço deve refletir os valores ambientais agregados ao produto, sua funcionalidade e os custos para sua produção. Contudo, sua fixação acima de um patamar que os consumidores estariam dispostos a pagar poderá funcionar como inibidor ao consumo e, por outro lado, se estiver muito abaixo da média de mercado, poderá ser interpretado como sinônimo de produto de baixa qualidade. (SILVA, 2009, p.6-7). Promoção: representa como a empresa se comunica com o mercado e com seu público interno e externo, com o objetivo de promover a sua marca. Significa que, as estratégias promocionais sustentáveis de uma organização devem começar de dentro para fora. É necessário transmitir a seus stakeholders os valores organizacionais e as ideias ambientalmente positivas, com a intenção de criar uma cultura ambientalmente responsável. Aligleri (2009, p.138), afirma que uma empresa pode ter uma causa socioambiental para fortalecer a sua imagem, mas precisa integrar essa percepção à identidade da empresa. Isto é, inserir a questão ambiental tanto nas estratégias organizacionais como nas diferentes atividades realizadas no cotidiano do negócio. Praça: é para o marketing a forma como os produtos são distribuídos no mercado. A estratégia de distribuição deve relacionar a produção com o consumo, assim tornando possível a disponibilidade do produto para o consumidor. De acordo com Calomarde (2000, p. 129) apud Silva (2009, p.7) a distribuição tem por objetivo levar os produtos do produtor ao consumidor no tempo, lugar e quantidade adequados. Para o Marketing Verde essa definição deve levar em consideração também a coleta dos resíduos de materiais sólidos e líquidos desde o inicio até o fim da vida do produto, trabalhando desta forma com a logística reversa. Para Dias (2007) apud Silva (2009, p.7) é fundamental para um canal de distribuição de produtos verdes que durante seu escoamento o consumo de recursos seja minimizado e a geração de resíduos diminuída. Percebe-se que é fundamental elaborar um sistema eficiente de distribuição e logística reversa para os todos os resíduos gerados dos produtos, a exemplo o gerenciamento da rota dos caminhões para entrega, propiciando a redução de custos, eliminação de desperdício com combustíveis e maximização da capacidade de utilização dos caminhões com reflexos sobre a eficiência da logística e no atendimento ao cliente. Dahlstrom (2011, p.15), afirma que empresas que adotam estratégias sustentáveis ou verdes para a produção e distribuição de produtos alimentares garantem um nível de segurança na qualidade do produto e promovem melhoria da qualidade de vida dos seus consumidores. Portanto, embora os componentes do mix de marketing 11

12 trabalhados sejam apresentados separadamente, essas estratégias mercadológicas devem, a partir dos objetivos da organização, estar sincronizadas para produzir os resultados desejados para a empresa. 4 MERCADO BRASILEIRO DE PRODUTOS PARA HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES A história do uso de cosméticos é antiga, foram encontrados indícios do uso de cosméticos até antes mesmo de Cristo em sociedades Egípcias, Indígenas e Gregas. Essas sociedades usavam cosméticos em rituais tribais, cerimônias religiosas, sepultamentos entre outros, mas foi na Idade Moderna que a venda pública de cosméticos, pomadas, óleos, depilatórios, águas aromáticas, sabonetes e outros artigos de beleza se tornaram intensos. Segundo a ABIHPEC - Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, o Brasil é o terceiro maior mercado consumidor de itens de cosméticos, higiene pessoal e perfumaria do mundo ficando atrás apenas dos Estados Unidos e Japão e é também um dos maiores fabricantes desta indústria, sendo o sétimo produtor mundial de cosméticos, atrás de Estados Unidos, Japão, Alemanha, França, Inglaterra e Itália. Nos últimos 16 anos, o faturamento deste setor passou de R$ 4,9 bilhões para R$ 29,4 bilhões, crescendo em média 10% ao ano e empregando cerca de 5,7 milhões de pessoas. Dados da ABIHPEC revelam que no Brasil existem mais de empresas atuando no mercado, sendo que 20 empresas representam 73 % do faturamento total. Segundo uma pesquisa realizada pela revista EXAME em 2012 no Brasil as cinco maiores empresas de cosméticos eram responsáveis pela metade do mercado de produtos de higiene pessoal, perfume e cosméticos. São elas: a Natura que possui 14,5% do mercado; a Unilever que detém 10,7%; a Avon, que mesmo com uma queda nas vendas de 19% em 2011, possui 8,8% da parcela do mercado; a Procte&Gamble com 8,3%; e o Grupo Boticário que possui 8,2% do mercado brasileiro. Esse desenvolvimento ocorreu devido a diversos fatores como à crescente participação da mulher brasileira no mercado de trabalho, os homens passaram a cuidar melhor da saúde e da aparência, o aumento da expectativa de vida da população, surgimento de novas tecnologias que possibilitaram o aumento da produtividade e o lançamento de novos produtos. Segundo a ABIHPEC, os lançamentos de novos produtos são responsáveis por cerca de 35% do faturamento bianual do setor de cosméticos no Brasil. Isso implica a necessidade das empresas de, a cada quatro anos, reformularem quase completamente seus portfólios, tornando assim o mercado de 12

13 cosméticos, higiene pessoal e perfumaria dinâmico e atrativo para o público que se destina mediante adoção de estratégica de Marketing Verde e de inovações em seus processo produtivos. Nesse sentido, a busca por inovação nas indústrias de produtos para higiene pessoal, cosméticos e perfumes vai desde a formulação de novos produtos ao design das embalagens utilizadas. A ABDI destaca que, neste setor, a tecnologia e o design da embalagem são estratégicos para o produto e fatores de diferenciação, como também são decisivos no marketing, sendo na maioria dos produtos de cosméticos o custo da embalagem maior que o custo do produto O CAMPO EMPÍRICO O objeto de pesquisa deste trabalho possui como referência as empresas Natura e o Grupo O Boticário. A seleção dessas duas organizações para esse estudo ocorreu a partir das imagens organizacionais e atuação no cenário da indústria brasileira de produtos de higiene pessoal, cosmético e perfumaria. Elas estão entre as cinco maiores empresas do setor e correspondem juntas há 22,7% do mercado nacional. O critério de seleção adotado foi estudar as maiores empresas brasileiras líderes no setor A Natura S.A É a maior fabricante brasileira de cosméticos e produtos de higiene e beleza. Líder no setor de venda direta no Brasil, com uma receita anual superior a R$ 6 bilhões. Sediada em Cajamar, São Paulo, a companhia conta com quase 7 mil colaboradores e 1,5 milhão de consultoras e consultores, que atuam no Brasil, Argentina, Chile, México, Peru, Colômbia e França. Segundo a Natura o desenvolvimento sustentável orienta a maneira de a empresa fazer negócios desde sua fundação. Os princípios que norteiam o desenvolvimento de produtos da empresa são: responsabilidade ambiental, embalagens com menor quantidade de materiais, embalagens recicladas e recicláveis, refis para todos os itens e fórmulas biodegradáveis. Em 2004 a Natura abriu seu capital passando a integrar o Novo Mercado da Bovespa. Em 2005, como reconhecimento ao compromisso que a empresa tem com a sustentabilidade, as ações da Natura foram incluídas no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), cuja finalidade é reconhecer as companhias com os melhores desempenhos em todas as dimensões da atuação empresarial, assumindo o compromisso de adotar práticas mais rígidas do que as exigidas pela legislação. Em 2010 implementa o uso do refil ecologicamente correto. 13

14 Segundo informações dos relatórios analisados a Natura adota a inovação como um dos pilares para o alcance deste desenvolvimento sustentável. No ano passado, destinou R$ 146,6 milhões e lançou 164 itens, atingindo um índice de inovação, percentual da receita proveniente de produtos lançados nos últimos 2 anos, de 64,8%. Segundo a revista EXAME na Natura cerca de 3% da receita líquida têm sido investidos em inovação. Como resultado dessa política, em agosto de 2011 a companhia inaugurou em Manaus, o Núcleo de Inovação Natura Amazônia (Nina), que trabalha em parceria com instituições de pesquisa e universidades locais para descobrir novos ingredientes e formulações. O objetivo é o crescimento para os próximos dez anos, de 10% para 30% a quantidade de produtos fabricados com matérias-primas oriundas da Amazônia Grupo O Boticário Em 1977, o farmacêutico, Miguel Krigsner abre uma pequena farmácia de manipulação em Curitiba/PR. Investindo na elaboração de cosméticos naturais, manipulados artesanalmente, os clientes puderam contar com produtos para cabelos, cremes e desodorantes com fórmulas exclusivas. Para homenagear os Boticas antigos farmacêuticos deu nome a farmácia de O Boticário. Dois anos mais tarde foi inaugurada a primeira loja no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais/PR. E este pequeno espaço foi determinante para o futuro da empresa, já que seus clientes eram passageiros e equipes de bordo das companhias que não compravam apenas para uso pessoal como também para presentear e revender em suas cidades de origem. Hoje o Grupo O Boticário conta com o mais de colaboradores, 900 franqueados, além de consultoras, representantes comerciais e fornecedores que compõem uma grande rede. O Grupo O Boticário hoje possui quatro marcas: O Boticário; Eudora; Quem disse Berenice? e The Beauty Box. A marca O Boticário possui um portfólio de mais de produtos entre cosméticos, maquiagem e perfumaria. A empresa é a maior rede de franquias do país e a maior do mundo em perfumaria e cosméticos, atuando com cerca de lojas no Brasil e com presença também em outros nove países. Segundo o Grupo as questões ligadas à sustentabilidade permeiam desde a concepção dos produtos, até o relacionamento com todos os públicos. De acordo com a empresa a sustentabilidade é o ponto de partida para obter resultados positivos em todos os aspectos. O Grupo salienta que ao minimizar os impactos ambientais, promovem a qualidade de vida das pessoas e contribuem para um planeta mais sustentável Estratégias de Marketing Verde da Natura e do Grupo O Boticário 14

15 As estratégias de Marketing Verde apresentadas a seguir são a essência dos princípios de Gestão Ambiental das empresas Natura e do Grupo O Boticário, analisadas a partir do composto mercadológico, considerando os Relatórios de Sustentabilidade do ano de 2012 disponibilizados pelas empresas em seus canais eletrônicos. Utilizamos indicadores separados entre os quatro elementos da Estratégia de Marketing Verde, são eles: Tabela 01: Estudo das Estratégias de Marketing Verde da Natura e do Grupo O Boticário - Produto 4Ps Indicadores Análise Uso Racional da Energia Redução na Emissão de GEEs A Natura utilizar energia de fontes renováveis como as fornecidas por PCHs. E a construção do Ecoparque terá uma maior eficiência no uso da energia elétrica. O Boticário busca através de ações a redução do consumo de energia em todas as instalações e possui no Paraná uma usina para geração de energia elétrica. A Natura conseguiu de 2006 a 2012 reduzir por quilo de produto 28,4% de CO2. O Boticário relata que sua redução foi de 76% na planta de São Jose dos Pinhais. Produto Uso Racional da Água Fornecedor ambientalmente responsáveis Tanto a Natura quanto o Grupo O Boticário adotam medidas que buscam a eficiência dos seus recursos hídricos. Ambas possuem ações semelhantes como: controle do consumo em suas instalações e de seus fornecedores e utilizam água da chuva em alguns processos. As duas organizações possuem critérios para a seleção de fornecedores que, dentre outros aspectos, desempenham ações sustentáveis em seus processos. Desenvolvimento de embalagens eficientes Desenvolvem embalagens eficientes e comercializam embalagens refis. Destacando da Natura os refis ecoeficientes e as embalagens da linha SOU e Natura EKOS. No Grupo O Boticário a Marca Quem disse, Berenice? as embalagens além de usarem menos plásticos seus designes são projetadas para facilitar a saída do produto. Gestão de resíduos Possuem como política a reciclagem dos resíduos gerados em suas produções, contudo, segundo o relatório da Natura seu índice de geração de resíduos subiu de 20,01 gramas por unidade produzida para 25,56 gramas em O Boticário relata que em 2012 foram 97% dos resíduos reciclados. Contudo, o volume de resíduos não reutilizados foram de 254,19t, 65% maior que Fonte: a autora A Natura, além de promover ações de redução no consumo, procura adquirir energia de fontes renováveis e de menor impacto socioambiental, fornecidas por Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs). De acordo com ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica as PCHs é toda usina hidrelétrica de pequeno porte cuja capacidade instalada seja superior a 1 MW e inferior a 30 MW. Além disso, a área do reservatório deve ser inferior a 3 km². Com relação ao consumo 15

16 de energia, a empresa investiu, nos últimos quatro anos, em novas fontes energéticas e em ecoeficiência para cortar parte das emissões de gases que causam o efeito estufa. Esse trabalho resultou em uma redução de 7,4% das emissões absolutas de CO2 da empresa. A Natura estabeleceu o compromisso de reduzir um terço das suas emissões relativas de Gases de Efeito Estufa até o final de De acordo com a empresa a Gestão das emissões de carbono considera impacto da extração de matérias-primas, fornecedores, processos internos e pós-consumo de produtos e serviços. Com isso em 2012, a Natura reduziu 4% das suas emissões relativas (quilo de CO2 por quilo de produto faturado), totalizando 28,4% desde Tabela 02: Estudo das Estratégias de Marketing Verde da Natura e do Grupo O Boticário - Preço 4Ps Indicadores Análise Preço Redução no Preço Ambas as empresas possuem uma política de redução de custos com embalagens que é repassado ao consumidor e representam uma redução média de 22% no preço das embalagens refis. Além disso, a Natura desenvolveu uma linha de produtos, para cabelo e corpo, que possui uma redução média de 50% no preço. Redução de Custos O relatório da Natura evidencia uma redução dos custos por mercadoria vendida de 29,4% valor menor que o ano anterior. No relatório do Boticário não foram encontrados dados relativos à redução de custos na produção além da redução com a produção de embalagens. Fonte: a autora O Custo dos produtos vendidos diminuiu para 29,4% em 2012, comparado a 29,8% em 2011, essa diminuição foi evidenciada na redução de custos no processo de produção e ganhos de escala. As embalagens de refis por utilizar menos matéria-prima possuem em média um preço 20% menor que as embalagens comuns. A linha SOU, por exemplo, consome menos recursos e possui uma redução de 50% no preço. Tabela 03: Estudo das Estratégias de Marketing Verde da Natura e do Grupo O Boticário - Praça 4Ps Indicadores Análise 16

17 Gestão dos impactos na distribuição dos produtos A Natura descentraliza sua distribuição entre 8 centros no país. O Boticário realiza um acompanhamento do consumo de diesel dos veículos que distribuem os produtos. Praça Logística Reversa Construção Ambientalmente Consciente Tanto a Natura quanto o Grupo Boticário possuem programas de coleta das embalagens vazias dos produtos e enviam para a reciclagem. Ambas se preocupam com a construção eficiente de suas instalações. A Natura inaugurará em 2014 o Ecoparque que em sua construção se preocupará com a racionalização dos recursos desde a construção até uso da água da chuva no processo produtivo. O Grupo Boticário adota medidas como: utilização de materiais mais eficientes na construção de suas instalações, reutilização da água, uso de lâmpadas mais econômicas e mobiliário com certificação de Manejo Florestal. A Natura investiu 437 milhões de reais em infraestrutura e logística no ano de A empresa conta com oito centros de distribuição no Brasil e outros seis nos demais países onde opera: Argentina, Chile, Colômbia, México, Peru e França. Segundo a Natura o plano para descentralização da logística e da produção em outros países da América Latina tem aliado ganhos na emissão de carbono e redução de custo dos produtos. A distribuição dos produtos é efetuada por meio de vendas diretas por Consultores (as) Natura. A Natura alcançou a marca recorde de 4,5 milhões de produtos separados e preparados para transporte em um único dia. Em comparação com 2011 a Natura obteve um crescimento de 1,7%, essa variação se deve principalmente pela otimização dos Centros de Distribuição e pela formação de estoques para o atendimento eficiente da demanda. A Natura desenvolve uma experiência na Colômbia desde 2010, na qual as consultoras e consultores coletam material de embalagens para a reciclagem. Em 2012 foram coletadas 322 toneladas de embalagens vazias, volume 37% superior a 2011, quando o total foi de 235 toneladas. Os resíduos recolhidos são enviados pela Natura a empresas parceiras para a reciclagem. No Brasil, uma ação semelhante foi realizada entre 2009 e 2012, na qual o Movimento Natura mobilizava os consultores e consultoras para recolherem as embalagens vazias de seus consumidores. A iniciativa, entretanto, não se mostrou viável na escala necessária para gerar um impacto significativo e está sendo revista. Em 2012 foram arrecadadas 12 toneladas de embalagens vazias no acumulado de 2009 a 2012, o volume total foi de 438 toneladas. A Natura inaugurou em 2012 o Núcleo de Inovação Natura Amazônia (NINA) em Manaus, trata-se de um centro de conhecimento que pretende formar uma rede de pesquisas com o objetivo de transformar a região em referência em biotecnologia. No mesmo ano, dá início a construção do Ecoparque em Benevides, PA com previsão para inaugurar no início de O Ecoparque terá 17

18 uma área de 172 hectares para acomodar outras empresas interessadas em fazer o uso sustentável dos ativos da sociobiodiversidade. O projeto buscará conectar empresas com necessidades complementares, gerando sinergia e maior eficiência no uso dos recursos. Assim essas empresas poderão usar como insumo o que a outras descartou. A construção está sendo projetada com importantes diferenciais para racionalização dos recursos naturais e energéticos desde os materiais de construção e acabamentos a tecnologias como o uso da água da chuva no processo produtivo. Tabela 04: Estudo das Estratégias de Marketing Verde da Natura e do Grupo O Boticário - Promoção 4Ps Indicadores Análise Construção da marca sustentável As duas procuram promover suas diretrizes institucionais através de slogans como na Natura com "Bem Estar Bem" e no Grupo Boticário com "Beleza é o que a gente faz". Promoção Mensagens ambientalmente responsáveis Tanto a Natura quanto o Boticário procuram informar seu público sobre temas relacionados ao meio ambiente. A Natura, possui um programa de televisão. O Grupo Boticário distribui informativos em suas lojas e busca orientar seu público interno por meio do Guia Prático. Educação ambiental para os seus públicos De forma semelhante às duas organizações trabalham para que seus públicos tenham acesso às informações sobre temas ligados a educação ambiental. Suas ações consistem em treinamentos e reuniões com seus públicos internos e ações educativas para seu público em geral. Segundo a Natura sua marca é líder no setor de cosméticos no Brasil, é a preferida de 46,5% dos consumidores. A empresa, afirma que, construiu sua marca comprometida com o desenvolvimento sustentável e a promoção do bem estar bem. Através do Relatório Anual busca divulgar suas ações de sustentabilidade a empresa busca monitorar o índice de lealdade dos diferentes públicos. Para as CNs (Consultoras e Consultores) e CNOs (Consultoras Natura Orientadoras) que em 2012 cresceu significativamente, chegando a 24% e 40%, respectivamente. Entre os colaboradores, o nível de lealdade subiu dois pontos após dois anos de queda e somou 72%. O resultado, entretanto, está abaixo da meta estipulada para o período, de 74%. A figura abaixo mostra os índices de satisfação e lealdade registrados pela natura em A Natura busca divulgar suas ações com o programa Aqui Tem Natura na TV Record e em outros canais de TV por assinatura. Este programa apresenta atrações sobre temas relacionados ao bem-estar, a beleza, a cultura, ao empreendedorismo e as questões socioambientais. Outra forma de comunicar suas ações ambientalmente responsáveis é através do 18

19 Relatório Anual de Sustentabilidade, disponível no site da empresa. Para a Natura a educação pode promover a ampliação da consciência sobre o valor das relações e da sustentabilidade. Segundo a empresa a promoção de ações educativas com os principais públicos com os quais a empresa se relaciona faz parte dos seus objetivos. Um exemplo desse posicionamento aconteceu durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, realizada em junho de Na ocasião, a Natura produziu conteúdos especiais para seus colaboradores veiculados no canal de TV corporativo, intranet e no mural a fim de engajá-los nos temas discutidos. Um ciclo de cinco palestras com especialistas reuniu o público interno, fornecedores, consultoras e consultores para propor reflexões sobre o evento. Ainda faz parte da estratégia, conscientizar e engajar os públicos de relacionamento da empresa sobre a correta destinação dos resíduos e desafiar projetos internos para que considerem resíduos em sua concepção. 5. CONCLUSÃO O principal objetivo dessa pesquisa foi analisar as estratégias mercadológicas das empresas Natura e Grupo O Boticário, empresas do segmento de cosméticos, higiene pessoal e perfume, líderes no mercado brasileiro, cujo estudo refere-se às estratégias de Marketing Verde e seus reflexos nas práticas de gestão dos recursos ambientais. A pesquisa destacou as novas teorias sobre o uso dos conceitos de Marketing Verde apresentando contribuições de teóricos da área sobre o assunto. Ficou evidenciado na pesquisa a crescente preocupação das empresas no desenvolvimento de produtos que aproveitem de forma mais eficiente a matéria-prima, utilizem menos recursos naturais e que não agridam o ambiente. Foram apresentados indicadores relativos à redução do consumo de plásticos e papel, de controle de energia elétrica e água, e mecanismos para a mensuração e redução da emissão de Gases de Efeito Estufa (GEEs), e outros procedimentos importantes como critérios para a seleção de fornecedores ambientalmente responsáveis, que promovam a reciclagem e reutilização dos resíduos gerados. No relatório de sustentabilidade analisado foi constatado que as empresas repassam aos consumidores parte dos benefícios gerados com a redução dos custos com embalagens. Essa redução pode variar entre 20% a 50% no valor do produto final, o que se caracteriza como um efeito positivo do marketing verde, pois o desenvolvimento da estratégia de preço reflete a intenção da organização em oportunizar a compra de produtos ambientalmente responsáveis a 19

20 maior um número de consumidores e fortalecer seus vínculos com uma cadeia produtiva sustentável e de tecnologias limpas. Referente às ações de distribuição analisadas tanto a Natura quanto o Grupo O Boticário foi verificado que essas empresas possuem estratégias semelhantes para minimizar os impactos na distribuição dos produtos e se preocupam com o retorno das embalagens para a reciclagem. Um eficiente sistema de distribuição e logística reversa é fundamental para proporcionar a redução de custos, evitar desperdícios e melhorar o atendimento ao cliente. Ainda referente ao estudo da estratégia de Praça, ambas as empresas se preocupam com a construção eficiente de suas instalações, suas ações consistem, basicamente, no uso eficiente dos recursos naturais como: madeira, água e energia. As estratégias de promoção usada pelas empresas visam não apenas informar seu cliente sobre sua preocupação com o meio ambiente, mas também comunicar e educar seu público sobre ações de responsabilidade ambiental. Esse tipo de comunicação é importante para o processo de introdução dos produtos ambientalmente corretos no mercado e na formação de novos hábitos e comportamentos de compra, podendo até influenciar no reconhecimento da marca. A junção dessas estratégias torna possível às empresas terem um melhor posicionamento frente ao público e permitem a elaboração de planos mais consistentes para atingir as metas da organização. Anualmente, as organizações divulgam em seus sites para toda a comunidade relatórios com resultados dessas ações estratégicas. Esse feito reflete o comprometimento da organização com a melhoria de suas ações. Finalmente, cabe ressaltar que embora o principal objetivo dessa pesquisa tenha sido alcançado, a mesma apresenta uma restrição referente ao fato dos relatórios não possuírem um padrão para a divulgação dos dados, isso impossibilitou uma melhor análise e comparação da eficiência coorporativa, sendo necessários estudos complementares futuros para melhor análise das empresas com ênfase na temática abordada. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. Estudo Prospectivo Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. / Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Brasília: Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial,

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS?

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? Maranhão, R.A. 1 1 PECE/POLI/USP, MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Biológo e Mestre em Geografia, romeroalbuquerque@bol.com.br

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

Estratégia e Desenvolvimento Sustentável. Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial. Aula 6

Estratégia e Desenvolvimento Sustentável. Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial. Aula 6 Estratégia e Desenvolvimento Sustentável Aula 6 Prof. Marcos Rogério Maioli rogeriomaioli@grupouninter.com.br Investimentos com Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial MBA em Planejamento

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

terceiro trimestre de 2005

terceiro trimestre de 2005 apresentação institucional terceiro trimestre de 2005 1 1panorama da empresa 2 panorama da empresa Empresa de cosméticos, fragrâncias e higiene pessoal com receita bruta de R$2,5 bilhões no 2004 (9M05:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Consumo Consciente e Sustentabilidade. Uma estratégia para minimizar os impactos ambientais nas indústrias

Consumo Consciente e Sustentabilidade. Uma estratégia para minimizar os impactos ambientais nas indústrias s5 Consumo Consciente e Sustentabilidade Uma estratégia para minimizar os impactos ambientais nas indústrias Slide 1 s5 Aplicar a dinâmica Recursos Escassos ss08476; 22/09/2010 Objetivo Promover reflexão

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

A Fundação Espaço ECO

A Fundação Espaço ECO www.espacoeco.org Sustentabilidade que se mede A Fundação Espaço ECO (FEE ) é um Centro de Excelência em Educação e Gestão para a sustentabilidade, que mede e avalia a sustentabilidade por meio de metodologias

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

CAVACO S. www.cavacos.com RESPEITANDO A NATUREZA. Combustível de Biomassa

CAVACO S. www.cavacos.com RESPEITANDO A NATUREZA. Combustível de Biomassa CAVACO S Combustível de Biomassa RESPEITANDO A NATUREZA www.cavacos.com EM 2014 OS NOSSOS SONHOS SÃO AINDA MAIORES. APRESENTAMOS AOS NOSSOS CLIENTES E PARCEIROS UMA NOVA CAVACO S, MUITO MAIS MODERNA, COM

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

BRIEFING BRASIL. Parceiro:

BRIEFING BRASIL. Parceiro: BRIEFING BRASIL Parceiro: 1 ÍNDICE 1 Índice... 1 2 Introdução... 2 3 Apresentação... 3 3.1 Tema 1 Consumo consciente... 3 3.2 Tema 2 - Qualidade e Satisfação no Atendimento ao Cliente... 4 4 Desenvolvimento

Leia mais

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social.

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 2 A Sustentabilidade e as Empresas Prof. Esp. Felipe Luiz Conceito Básico de Contextualização Sustentabilidade Exemplificação Responsabilidade Social Cidadania

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental e Sustentabilidade

Responsabilidade Socioambiental e Sustentabilidade Responsabilidade Socioambiental e Sustentabilidade - Uma Estratégia Empreendedora - Roberta Cardoso Abril/2008 Por que o mundo inteiro fala em Sustentabilidade? AQUECIMENTO GLOBAL Evidências: Aumento

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

A revolução da excelência

A revolução da excelência A revolução da excelência ciclo 2005 PNQ Foto: Acervo CPFL CPFL Paulista, Petroquímica União, Serasa e Suzano Petroquímica venceram o Prêmio Nacional da Qualidade 2005. A Albras, do Pará, foi finalista.

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais