Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Gestão Licenciatura em Marketing e Publicidade Cadeira de Marketing II Ano Lectivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Gestão Licenciatura em Marketing e Publicidade Cadeira de Marketing II Ano Lectivo 2007-2008"

Transcrição

1 Licenciatura em Marketing e Publicidade Cadeira de Ano Lectivo Plano de Marketing do Chocolate Nestlé Sem Adição de Açúcar Docente: 1º Ano / 2º Semestre Discente: Doutor Fernando Gaspar Ana Abreu, nº 9035

2 Índice Introdução...3 Fase 1 Diagnóstico da situação 5 Análise de mercado. 5 Análise da concorrência... 5 Análise do meio envolvente.7 Fase 2 - Análise Swot 10 Fase 3 Estabeleça os objectivos de Marketing.12 Fase 4 Elaboração de uma estratégica de Marketing 13 Clientes Alvo...13 Fontes de Mercado...14 Posicionamento 14 Fase 5 - Marketing Mix 15 Fase 6 - Orçamentos 16 Fase 7 - Estrutura de Método de Controlo..17 Fase 8 Actualização do Plano 18 Conclusão 19 Bibliografia..21 2

3 Introdução O presente trabalho insere-se no âmbito da disciplina de. A temática proposta foi a elaboração de um Plano de Marketing, de uma marca ou de um produto. O tema apresentado será a Marca Chocolates Nestlé Sem Adição de Açúcar da Empresa Nestlé. Ao longo dos anos a Nestlé lançou vários Chocolates, consoante as necessidades do mercado e dos seus consumidores. Chocolates Nestlé Sem Adição de Açúcar são uma marca estratégica para a Nestlé. O Chocolate de Leite Nestlé Sem Adição de Açúcar e o Chocolate Preto Nestlé sem Açúcar contém apenas os açúcares presentes naturalmente no leite e no cacau. O seu agradável sabor resulta da adição de edulcorantes que conferem o mesmo poder adoçante, mas com metade das calorias e não favorecem a formação de cáries. Para Elabora este Plano de Marketing, segui 8 Fases: Fase 1 - Diagnóstico Fase 2 - Análise Swot Fase 3 - Objectivos Fase 4 - Estratégica Fase 5 - Marketing-Mix Fase 6 - Orçamentos Fase 7 - Controlo Fase 8- Actualização 3

4 4

5 Fase 1 - Diagnóstico da Situação Análise de Mercado Caracterização do mercado Chocolates Nestlé Sem Adição de Açúcar está inserida num novo segmento de mercado dos Chocolates Nestlé. Dentro deste mercado o segmento sem açúcar representa 1% sendo o segmento com açúcar, o responsável pelos restantes 99%. Este é um mercado que se encontra estável, onde a Empresa Nestlé é líder incontestável de mercado. Com este novo segmento a Nestlé quer aumentar a sua quota de mercado e equilibrar os dois segmentos, através de novas estratégicas de marketing e publicidade. A Nestlé com a Marca de Chocolates Sem Adição de Açúcar segmentou o mercado para um público-alvo com um poder de compra mais baixo, uma vez que pratica preços mais baixos que a concorrência como por exemplo os Produtos Chocolates da Canderel Sem Adição de Açúcar. Oferecem ao cliente uma grande fiabilidade e um bom alimento com baixo teor calórico, e não prejudicial á saúde. Análise da Concorrência Os seus concorrentes mais directos são, os chocolates Canderel sem Adição de açúcar, no entanto no último ano assistimos a um forte crescimento das marcas de distribuição. Os chocolates Canderel sem Adição de açúcar têm como alvos os mesmos segmentos de mercado, dos chocolates sem Adição de açúcar da Nestlé. Relativamente aos concorrentes indirectos dos Chocolates Sem Adição de Açúcar da Nestlé estes centram-se, fundamentalmente, nos diferenciados chocolates existentes no mercado, como os chocolates amargos de várias marcas, quer estrangeiras, internacionais: Neuhaus e Godiva, Callebaut e Cacao Barry, na Bélgica; Fauchon, La Maison du Chocolat e Menier, na França; Kohler e Lindt, Nestlé e Suchard, na Suíça; 5

6 Van Houten s, nos Países Baixos; Cadbury e Rowntree, na Inglaterra; Milton Hershey, nos Estados Unidos, quer as Portuguesas. A notoriedade das marcas concorrentes, através de um estudo de mercado, verifica-se que a concorrente Canderel é muito reconhecida no mercado, pelos consumidores. Através do posicionamento estratégico dos Chocolates sem Adição de Açúcar da Nestlé e da concorrência em geral, a Marca de Chocolates sem Adição de Açúcar da Nestlé opta por quatro tipos de posicionamento que dependem da dimensão das necessidades satisfeitas dos consumidores e da análise da dimensão da empresa. Penetração: Conquistar quota de mercado à concorrência Diversificação: Alargar os negócios com esta nova marca de chocolates da Nestlé e conquistar novos clientes. Especialização: Centrar no produto e tentar melhorar os seus canais de distribuição e as formas. Expansão: A Marca de Chocolates sem Adição de Açúcar da Nestlé, prevê que o mercado que actua terá fortes probabilidades de um crescimento no futuro. No que diz respeito á politica de Marketing-mix, consiste em identificar as politicas praticadas pelos concorrentes em relação aos designados 4 P s do Marketing: produto, comunicação, distribuição e o preço. Analisando a concorrência os produtos Canderel tem um preço mais elevado, do que os chocolates sem Adição de Açucar da Nestlé. 6

7 Análise do Meio Envolvente Envolvente Transaccional Consumidores /Clientes Para um melhor serviço aos clientes Nestlé criou estratégias, como estratégia de penetração, o crescimento pela capacidade de colocar uma quantidade acrescida de produtos tradicionais em clientes actuais tem existido, principalmente, no ramo dos chocolates sem açúcar, criando um novo segmento e com a criação deste novo produto os Chocolates Nestlé Sem Adição de Açúcar criam a maneira divertida de transformar uma obrigação diária numa aventura irresistível de leite e cacau. Fornecedores É através da Marca Nestlé criando parcerias que garantem a qualidade do produto e das entregas aos clientes de forma a satisfazer a empresa e os fornecedores. 7

8 Concorrentes Através da estratégia de desenvolvimento de produto ultrapassa a concorrência com o crescimento em função da colocação de novos produtos em clientes actuais. A estratégia da criação de um novo segmento no ramo dos Chocolates. Comunidade São os que definem a estabilidade, o rendimento da empresa e o futuro. São elementos específicos da localidade ou país onde a indústria está inserida. A comunidade é que é responsável pela aceitação do novo produto. Envolvente Contextual Conjunto de factores externos que influenciam a organização: Tecnológicos; Políticos; Económicos; Legais; Sociais; Demográficos; Ecológicos. Contexto Político-Legais A Marca Nestlé tem várias políticas próprias, nomeadamente, de qualidade e saúde e higiene. Na área do ambiente encaram o envolvimento e participação de todos os colaboradores na gestão aos seus mais variados níveis, e os reflexos das suas actividades no meio ambiente, levando isso a uma identificação dos aspectos e avaliação e controlo dos impactes ambientais. 8

9 Contexto Económico Num período em que o país atravessa uma crise económica, Nestlé continua no caminho de crescimento. Prova deste crescimento foi o resultado alcançado em 2007 e em 2008 como eleição do produto do Ano com Chocolates Nestlé Sem Adição de Açúcar, não só neste produto como em vários produtos. Contexto Sócio-Cultural A Nestlé assumiu, desde sempre um compromisso autêntico com produtos e marcas de qualidade tende desenvolvida uma cultura própria com as seguintes características principais: - Abordagem pragmática e realista dos negócios; - Compromisso com uma sólida ética de trabalho, integridade, honestidade e qualidade; - Relações baseadas na confiança e na integridade mútua; - Tratamento directo e personalizado; - Colaboradores conscientes dos seus méritos e da imagem positiva da empresa; - Colaboradores possuindo atitude aberta e orientada para as tendências dinâmicas e futuras da tecnologia, para as mudanças nos hábitos dos consumidores e para as ideias e oportunidades comerciais, mantendo inalterável o respeito pelos valores, atitudes e comportamentos humanos básicos. Contexto Tecnológico A Marca Nestlé para fomentar a cooperação empresas/ensino e promover o empreendedorismo, pôs ao dispor das instituições de ensino superior vários projectos. A Nestlé trabalha em estreita ligação com as universidades. Oferece a oportunidade da realização de um estágio na Companhia estabelecendo uma importante ligação entre a vida académica, a vida profissional e o futuro dos seus colaboradores. As pessoas fazem a diferença. São recrutadores exigentes e atentos e acompanham, formam e desenvolvem os seus colaboradores. Fomentam o desenvolvimento das suas competências e capacidades conduzindo a uma melhoria contínua. Garantem assim o sucesso da empresa e do colaborador. 9

10 Fase 2 - Análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais das palavras Strenghts (Pontos Fortes), Weaknesses (Pontos Fracos), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças). Análise Interna: Corresponde aos principais aspectos que diferenciam a empresa ou o (s) produto (s) dos seus concorrentes. São provenientes do produto e da empresa decisões e níveis de performance que podemos gerir. Pontos Fortes: Vantagens internas da empresa ou produto (s) em relação aos seus principais concorrentes: Chocolate com o mesmo sabor; Com menos calorias; Não favorecem a cárie dentária; Aconselhados pelos nutricionistas e dentistas Pontos Fracos: Vantagens internas da empresa ou produto (s) em relação aos seus principais concorrentes: Produto Novo no mercado; Desconhecido e que pode não ser aceite pelos os consumidores; A Marca Canderel, líder neste sector 10

11 Análise Externa: Corresponde às principais perspectivas de evolução do mercado em que a empresa actua. São factores provenientes do Mercado e do Meio Envolvente decisões e circunstâncias fora do controlo directo da empresa, das quais se deve tirar partido ou proteger, construindo barreiras defensivas. Oportunidades: Aspecto positivo da envolvente, com impacto significativo no negócio da empresa, com este novo segmento de Chocolates sem adição de açúcar: Crescimento do volume de negócios da Empresa. Inovação e criação de novos produtos. Novos Clientes Ameaças: Aspectos negativos da envolvente, com impacto significativo no negócio da empresa, o Produto não ter o impacto desejado pela empresa, devidas as suas novas características. Aceitação do produto pelo mercado Concorrência Canderel Mentalidades do publico em geral 11

12 Fase 3 Objectivos de Marketing O estabelecimento de objectivos nesta fase é de primordial importância, na medida em que inicia se o processo de definição da estratégica e determina a sua direcção. É nesta Fase que os objectivos são definidos de forma correcta: Objectivos são implementar uma definição correcta acerca dos chocolates sem Adição de Açúcar da Nestlé, para que o público em geral e os seus clientes irão contribuir para o seu cumprimento e que o compreendem. Os objectivos deverão ser claros, reais e realistas para poderem ser comparados no futuro com os resultados alcançados. Aumentar a sua quota de mercado, estabelecer objectivos quanto ao volume de vendas a alcançar, quanto ao índice de satisfação dos clientes, nota-se que apesar de ser um produto novo no mercado os clientes estão satisfeitos e a tendência é que volume de vendas aumente cada vez mais. É com ambição mas com a realidade bem presente que a Marca Nestlé de Chocolates sem Adição de Açúcar, quer cumprir estes objectivos, mas com a satisfação dos seus colaboradores para que as metas sejam alcançadas. 12

13 Fase 4 Estratégica de Marketing Para elaborar uma estratégica eficaz, devemos definir três pontos: Clientes Alvo Fontes de Mercado Posicionamento Clientes Alvo Uma maior divulgação por parte da Impressa, através de noticiários, artigos de jornal e claro a publicidade por parte da Empresa que os chocolates não são prejudiciais e que ao contrário que publico pensa é um produto que faz bem a saúde, principalmente quem tem problemas cardíacos (Coração). Combate os enfartes. E que uma tablete de chocolate depois de um exercício físico, é bom consumir uma tablete de Chocolate sem Adição de Açúcar, para repor energia e sentir-se bem consigo próprio. Para um melhor serviço aos clientes Nestlé criou estratégias, como estratégia de penetração, do novo produto para o crescimento pela capacidade de colocar uma quantidade acrescida principalmente no ramo dos chocolates sem açúcar, criando um novo segmento e com a criação desta nova marca os Chocolates Nestlé Sem Adição de Açúcar criam a maneira divertida de transformar uma obrigação diária numa aventura irresistível de leite e cacau. A Empresa Nestlé tem várias políticas próprias, nomeadamente, de qualidade e saúde e higiene. Num período em que o país atravessa uma crise económica, Nestlé continua no caminho de crescimento. Prova deste crescimento foi o resultado alcançado em 2007 e em 2008 como eleição do produto do Ano com Chocolates Nestlé Sem Adição de Açúcar, não só neste produto como em vários produtos. 13

14 Fontes de Mercado Partindo do princípio que o consumidor tem de renunciar a outros produtos para adquirir a marca Chocolates Sem Adição de Açúcar da Nestlé, é importante mostrar o tipo de chocolate que é, o seu agradável sabor que conferem o mesmo poder adoçante mas com metade das calorias e não favorecem a formação de cáries. Para conquistar novos clientes existem três hipóteses: Produtos vendidos pela própria Empresa; Produtos vendidos pelas empresas concorrentes e Produtos de outras categorias No passado ano de 2007, a marca Chocolates sem Adição de Açúcar teve a seguinte estratégia de comunicação: - Lançamento do novo produto com divulgação em todos os canais de televisão e actividade trade; -Uma maior interacção com os sócios do Clube Nestlé, com oferta de vantagens exclusivas baseadas em parcerias relevantes e com impacto. Posicionamento O Posicionamento de marca de Chocolates sem Adição de Açúcar da Nestlé é a junção da sua identidade e a sua diferenciação. O Posicionamento indica o que a marca representa e a forma como se distingue da concorrência, pela qualidade, e pelo preço neste caso. Posicionamento Competitivo dos Chocolates sem Adição de Açúcar terá de criar uma maneira divertida de transformar uma obrigação diária numa aventura irresistível de consumir os chocolates, para todo o publico em geral. É importante que este posicionamento se mantenha coerente, uma vez que representa a imagem que a marca deseja que o consumidor tenha da sua marca. 14

15 Fase 5 - Marketing Mix Nesta fase, o objectivo é transformar os princípios básicos da estratégica em acções concretas a empreender ao nível do produto, do preço, da distribuição e da comunicação. Todas as acções da empresa e não só da publicidade comunicam com o cliente. O Marketing-mix é constituído por quatro elementos, também designados os quatro P s do Marketing: Produto: Tabletes de Chocolates sem Adição de açúcar da Nestlé. Distribuição: A distribuição deste produto é feita através de intermediários, como armazenistas, retalhistas, e Hipermercados, supermercados, mercados, minimercados, lojas de conveniência. Comunicação: A política de comunicação é uma das variáveis mais importantes do Marketing-Mix. Inclui as estratégicas de publicidade, relações públicas, promoções, entre outras que visam aumentar a notoriedade das Tabletes de Chocolates sem Adição de Açúcar, como referimos já atrás. Preço: A Política de preços ajuda a posicionar os produtos. É aqui que as tabletes de Chocolates sem Adição de Açúcar define a sua margem de lucro, usando um preço mais baixo que a concorrência. 15

16 Fase 6 Orçamentos Esta fase é fundamental para uma utilização eficaz do Plano de Marketing. Quantificar todas as acções planeadas permite não só obter uma ideia bastante definida e quais os gastos de marketing, como também um controlo eficaz da execução do plano no dia-a-dia. Como a Nestlé é uma grande Empresa e implementada no mercado, os gastos para o lançamento desta marca de Tabletes de Chocolates Sem Adição sem Açúcar, são planeadas e com um controlo eficaz nos orçamentos de marketing. Todo o pormenor do lançamento desta marca dentro desta Empresa foi bastante controlada e estudada ao cêntimo. 16

17 Fase 7 - Estrutura de Método de Controlo O controlo das actividades de marketing é imperativo para impedir que estas se tornem ineficazes. Foi neste sentido que venho a falar de vários instrumentos de controlo ao longo destas fases. A Marca de Chocolates sem Adição de Açúcar da Nestlé, exerce esse controlo de forma única de forma a verificar que a estratégica elaborada seja implementada correctamente e de perceber quais os aspectos a melhor. Se o produto é bem aceite pelo mercado e o consumo vêm aumentando ao longo do ano de Os consumidores só provem mais uma vez mais porquê esta marca foi eleita produto do ano e com distinção. No que respeita a esta Marca o controlo e os resultados são os melhores possíveis, pelo análise de mercado, posse verificar que só vem aumentando a sua quota de mercado, em relação à concorrência e aos produtos de Chocolates com Açúcar. 17

18 Fase 8 Actualização do Plano Um Plano de Marketing não é um documento inalterável, que quando concluído deve ficar inalterado. Com a velocidade que o mercado muda actualmente, é importante introduzir ajustamentos frequentes, de forma que o plano continue a ser útil. O Plano de Marketing é um instrumento de trabalho. Se a Empresa chegar à conclusão que terá de introduzir alterações, deverá regressar à fase 5 de formulação do Marketing-Mix. 18

19 Conclusão Com objectivo de comunicar às mães e claro a todo o publico em geral as qualidades do Chocolate e da componente nutricional do Chocolate, a Nestlé preparou uma campanha de divulgação para o produto que conta com anúncios, na imprensa, como na Tv, na rádio, nas revistas, etc. A partir desta implementação, a previsão é que as Tabletes de chocolates Nestlé Sem Adição de Açúcar feche o ano de 2008 com crescimento de 30% em relação a 2007, visto que a empresa lançou esta marca e como já vimos anteriormente, os chocolates com açúcar conquistavam o mercado em maior percentagem. Mas com esta inovação e criação da Nestlé a Empresa está pronta a conquistar os mesmos clientes e consumidores, mostrando eles próprios que o sabor não mudou, houve uma redução nas calorias e não favorece cárie dentária, sendo importante para a saúde. Todos nós possíveis consumidores vamos preferir este novo segmento proposto pela a Nestlé, devido ás suas características inovadoras e não prejudiciais á saúde. Como já foi referido este produto foi eleito produto do Ano 2008, a Nestlé apostou forte neste produto que originou a Marca de Chocolates sem Adição de Açúcar Nestlé a entrar e conquistar um novo segmento de mercado inovador e único. A Nestlé acredita que este reconhecimento por parte dos consumidores portugueses possa ter um efeito positivo na percepção do público em geral em relação aos chocolates sem açúcar, vai contribuir para reforçar o crescimento do segmento no âmbito da categoria de chocolates e a preferência pela a nossa marca. A Nestlé é uma companhia orientada para o consumidor e adapta para os seus produtos globais aos gostos e aos desejos locais dos países onde se encontra. Estão comprometidos a ouvir os seus consumidores e a proporcionar os melhores serviços. NESTLÉ Portugal começou o ano de 2008 com uma grande inovação. Agora toda a gama de Chocolates NESTLÉ contém Chocolates sem Adição de Açúcar Esta iniciativa da NESTLÉ vem proporcionar aos consumidores uma opção de alimentação mais saudável e reforçar a importância de um bom chocolate para repor energias. De todos os tipos de chocolate Branco, Preto, a NESTLÉ proporciona às famílias uma forma fácil de garantir que estão a ingerir os nutrientes necessários. Os 19

20 chocolates da NESTLÉ, com o bom sabor de sempre trazem agora todos os benefícios que os chocolates sem Adição de Açúcar proporcionam. O novo logótipo de Chocolates sem Adição de Açúcar da NESTLÉ aparece em todas as embalagens permitindo a fácil identificação dos chocolates, das suas calorias e das suas características inovadoras. Consumir tabletes de Chocolates Sem Adição de Açúcar, é contribuir para a nossa felicidade e bem-estar na vida. 20

21 Bibliografia Marketeer nº 140 de Março 2008 Marketeer nº 141 de Abril 2008 Ideias & Negócios nº 30 de Dezembro de

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Análise SWOT Pedro Vaz Paulo 1. PROJECTO CRIAR EMPRESA 1. Projecto Definição 1. Âmbito do negócio 2. Inovação 3. Concorrência 4. Análise SWOT 5. ( ) 2. ANÁLISE SWOT Definição A Análise

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Gestão de Santarém. Plano de Marketing

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Gestão de Santarém. Plano de Marketing Plano de Marketing Curso: Marketing e Publicidade Cadeira: Marketing II Docente: Dr. Fernando Gaspar Discente: Alexandra Marujo_9006 Ano lectivo: 2007/2008 1 Índice Introdução.pg 3 Macro ambiente..pg 3

Leia mais

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes;

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes; Gerir - Guias práticos de suporte à gestão A análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais

Leia mais

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores 0366 PLANO DE MARKETING Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4/2010 17 Valores Índice Introdução Diagnóstico Análise do Mercado Análise da Concorrência Análise da Empresa Análise SWOT Objectivos

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4.1- TIPOS DE ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.2- PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O MARKETING 4.3- ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.4- MODELOS COMO INSTRUMENTOS

Leia mais

Prof. Jorge Romero Monteiro 1

Prof. Jorge Romero Monteiro 1 Marketing 1 CONCEITOS DE MARKETING 2 Conceitos de Marketing O MARKETING é tão importante que não pode ser considerado como uma função separada. É o próprio negócio do ponto de vista do seu resultado final,

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Caso Compal. Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição

Caso Compal. Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição Fonte: Google imagens Caso Compal Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição Discentes: Ivo Vieira nº 080127020 Nuno Carreira nº 080127009 João Franco nº 080127034 Edgar Carvalho

Leia mais

Lic. Marketing e Publicidade. Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral

Lic. Marketing e Publicidade. Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral Lic. Marketing e Publicidade Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral Trabalho realizado por: Maria Marques, 7005 Docente: Dr. Fernando Gaspar SANTARÉM Licenciatura em Marketing & Publicidade 1 de 10 2007/2008

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

4. Análise de Mercado

4. Análise de Mercado 4. Análise de Mercado Ações de Maturação e Aceleração 01.04.2014 Carla Machado Análise de Mercado Índice 1. Evolução Previsional do Setor Enquadre o negócio no setor de atividade, referindo oportunidades

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS. Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano

INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS. Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano Disciplina Jogos de Marketing RELATÓRIO FINAL DA INFORNET Página 1 Conteúdo 1-Análise

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL 1 Sendo uma IPSS, que: Não tem fins lucrativos; Fornece serviços para melhorar a qualidade de vida dos clientes; Os lucros, se houverem,

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

TRABALHO FINAL EMPRESA:

TRABALHO FINAL EMPRESA: TRABALHO FINAL EMPRESA: CURSO: MARKETING E PUBLICIDADE P/L 2º SEMESTRE DISCIPLINA: Marketing II DOCENTE: Prof. Dr. Fernando Gaspar DISCENTE: Ana Inês Charrua de Oliveira Nº 9072 Introdução Dando seguimento

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Promover Competências no Sector Alimentar

Promover Competências no Sector Alimentar Promover Competências no Sector Alimentar José António Rousseau Congresso da Nutrição e Alimentação Porto, 28 e 29 de Maio 2009 Promover Competências no Sector Alimentar Distribuição APED Alguns factos

Leia mais

_APRESENTAÇÃO. Elevus People & Business Results

_APRESENTAÇÃO. Elevus People & Business Results _APRESENTAÇÃO Elevus People & Business Results _A Elevus apresenta-se ao mercado numa lógica de Outsourcing na área da consultoria de Recursos Humanos, apresentando soluções profissionais adequadas aos

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Aula 13. Roteiro do Plano de Marketing. Profa. Daniela Cartoni

Aula 13. Roteiro do Plano de Marketing. Profa. Daniela Cartoni Aula 13 Roteiro do Plano de Marketing Profa. Daniela Cartoni Plano de Marketing: Estrutura Capa ou folha de rosto 1. Sumário Executivo 2. Situação atual de marketing 3. Análise de oportunidades 4. Objetivos

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO 1º Ano 2º semestre CONTROLO DA QUALIDADE Elaborado por: João Gilberto Ramos Abreu 2089506 Nádia Andrade Abreu 2038907 Sónia Vieira da Silva - 2043407 Funchal Abril de 2008 "Criatividade

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 1 INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 3. PRIORIDADES ESTRATÉGICAS 3.1 Concretizar o Potencial da Biedronka 3.2 Assegurar o Crescimento de Longo Prazo 1. THE GROUP TODAY 4. EXPLORAR TODO O POTENCIAL

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

Isabel Beja. Gestão Estratégica

Isabel Beja. Gestão Estratégica Isabel Beja Gestão Estratégica Financiamento: Entidade Coordenadora Local Entidade Promotora Objectivos Objectivo Geral A importância de uma correta definição de missão, visão e dos valores da instituição;

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Caso Armazéns Global

Caso Armazéns Global Fonte: Google imagens Caso Armazéns Global Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição Discentes: Ivo Vieira nº 080127020 Nuno Carreira nº 080127009 João Franco nº 080127034 Edgar

Leia mais

A VIEIRA DE CASTRO E A INTERNACIONALIZAÇÃO DA SUA MARCA

A VIEIRA DE CASTRO E A INTERNACIONALIZAÇÃO DA SUA MARCA A VIEIRA DE CASTRO E A INTERNACIONALIZAÇÃO DA SUA MARCA MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO: procura de novos mercados; aumento das economias de escala da estrutura produtiva; busca de conhecimentos/aprendizagem;

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

Breve Apresentação do Negócio

Breve Apresentação do Negócio CELEIRO-DIETA Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Celeiro Dieta N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos 25 Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010 Facturação

Leia mais

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras Termo Agente Análise SWOT Auditoria de marketing Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização Cash-and-carry Central de compras Ciclo de vida do produto/serviço Contexto de marketing

Leia mais

BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS 4º TRIMESTRE 2013 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS 4º TRIMESTRE 2013 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 14 DE ABRIL 2014 BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS PRINCIPAIS RESULTADOS 1.1 - EVOLUÇÃO DO VOLUME DE NEGÓCIOS Volume de Negócios no 4º Trimestre de 2013 (t.v.h.) Aumentou em 42,5%

Leia mais

-Resumo- Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes. Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989. Comunicação Empresarial, 2º ano

-Resumo- Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes. Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989. Comunicação Empresarial, 2º ano Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989 Comunicação Empresarial, 2º ano -Resumo- As estratégias de marketing são uma aposta importante tanto para

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém

Escola Superior de Gestão de Santarém Escola Superior de Gestão de Santarém Marketing & Publicidade Marketing II Docente: Fernando Gaspar Discente: Tiago Louro nº 7014 Santarém, 20 de Maio 2008 1 Índice História da Vodafone pag. 3 Missão Vodafone

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Conceito, Análise de Concorrência 1. INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO INDÚSTRIA CONSTRUÇÃO Custos Prazo de execução /Esforço Qualidade EXTRAS Ambiente Socio-Políticos Imposições legais Segurança

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS 1 INTRODUÇÃO 1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS Ao abordarmos o conceito de projecto de investimento começaremos por citar algumas definições propostas por alguns autores e instituições de reconhecido

Leia mais

PROJECTO DE COMUNICAÇÃO

PROJECTO DE COMUNICAÇÃO PROJECTO DE COMUNICAÇÃO VITÓRIA SPORT CLUBE Visão O objectivo e desafio do Departamento de Comunicação visa ajudar a congregar os actos comunicativos de todos aqueles que fazem parte do Clube e transmitir

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Docente: Discente: Disciplina: Data: Ano Lectivo. Fernando Gaspar. Andreia Oliveira nº 7016. Marketing II. 20 de Maio de 2008

Docente: Discente: Disciplina: Data: Ano Lectivo. Fernando Gaspar. Andreia Oliveira nº 7016. Marketing II. 20 de Maio de 2008 Docente: Fernando Gaspar Discente: Andreia Oliveira nº 7016 Disciplina: Marketing II Data: 20 de Maio de 2008 Ano Lectivo 2007/2008 Índice 1. Diagnóstico... 3 1.1. Caracterização do Mercado / Análise da

Leia mais

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Federação Nacional de Karate - Portugal Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Índice Fórum de Formadores 2013 Introdução Diferentes influências e realidades Pessoal qualificado e Especializado em Serviços

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Plano Estratégico. 1º Caracterização da MKT Soluções, Lda. 2º Argumentação do Outsourcing. 3º Analise SWOT. 4º Objectivos. 5ºTargets.

Plano Estratégico. 1º Caracterização da MKT Soluções, Lda. 2º Argumentação do Outsourcing. 3º Analise SWOT. 4º Objectivos. 5ºTargets. Plano Estratégico 1º Caracterização da MKT Soluções, Lda 2º Argumentação do Outsourcing 3º Analise SWOT 4º Objectivos 5ºTargets. 6º Área Geográfica 7º Estudo Sobre as Empresas 8º Concorrência. 9º Serviços

Leia mais

Como organizar um processo de planejamento estratégico

Como organizar um processo de planejamento estratégico Como organizar um processo de planejamento estratégico Introdução Planejamento estratégico é o processo que fixa as grandes orientações que permitem às empresas modificar, melhorar ou fortalecer a sua

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

A ZAHARA IMOBILIÁRIA É ESPECIALISTA NA PROMOÇÃO E GESTÃO DE ACTIVOS IMOBILIÁRIOS, COM ESPECIAL ENFOQUE EM CENTROS COMERCIAIS.

A ZAHARA IMOBILIÁRIA É ESPECIALISTA NA PROMOÇÃO E GESTÃO DE ACTIVOS IMOBILIÁRIOS, COM ESPECIAL ENFOQUE EM CENTROS COMERCIAIS. A ZAHARA IMOBILIÁRIA É ESPECIALISTA NA PROMOÇÃO E GESTÃO DE ACTIVOS IMOBILIÁRIOS, COM ESPECIAL ENFOQUE EM CENTROS COMERCIAIS. FAZ PARTE DO GRUPO EMPRESARIAL ZAHARA, EMPRESA DETENTORA DOS HIPERMERCADOS

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Abordagens comuns do empreendedorismo:

Abordagens comuns do empreendedorismo: Abordagens comuns do empreendedorismo: principalmente do ponto de vista económico, administrativo, organizacional, sociológico, observando as partes da realidade, em detrimento do ponto de vista psicológico,

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Índice. 2 Plano de Marketing [Escreva o nome da empresa]

Índice. 2 Plano de Marketing [Escreva o nome da empresa] Índice Introdução... 3 1. Análise e contexto... 4 1.1. Análise de Mercado... 4 1.1.1. Indústria... 4 1.1.2. Público-alvo... 5 1.2. Análise da Concorrência... 7 1.3. Análise da Empresa... 8 1.4. Contexto...

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho

Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho A ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA ESTRATÉGICA MISSÃO Impacto: 1. Organizacional 2. Ação de Mudança Nenhum Positivo Negativo OBJETIVOS

Leia mais

OS VALORES E OS PRINCÍPIOS DA SIKA

OS VALORES E OS PRINCÍPIOS DA SIKA OS VALORES E OS PRINCÍPIOS DA SIKA SIKA UM LÍDER GLOBAL COM PRINCÍPIOS E TRADIÇÃO Fundada na Suíça pelo inventor visionário Kaspar Winkler há mais de 100 anos, a Sika tornou-se numa empresa global de sucesso

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição. Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal?

José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição. Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal? José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal? A realidade comercial que podemos designar por Distribuição Moderna começou

Leia mais

Análise SWOT. A Análise SWOT (FOFA) SWOT e FOFA FUNÇÃO DA SWOT

Análise SWOT. A Análise SWOT (FOFA) SWOT e FOFA FUNÇÃO DA SWOT Análise SWOT A Análise SWOT (FOFA) Prof. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com Diagnóstico estratégico que permite estabelecer relação entre os pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças no ambiente organizacional

Leia mais

Uma parceria forte e segura. Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã

Uma parceria forte e segura. Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã Uma parceria forte e segura Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã Experiência consolidada - no reforço das relações bilaterais! Maior e mais dinâmica Câmara estrangeira em Portugal com mais de 1.000

Leia mais

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O plano de Comunicação Interna è a tradução operacional da estratégia. É um instrumento de gestão cujo objectivo é traduzir a política de comunicação interna da empresa num

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

AULA 1 Marketing de Serviços

AULA 1 Marketing de Serviços AULA 1 Marketing de Serviços Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração

Leia mais

Princípios Gerais de Negócio da Shell

Princípios Gerais de Negócio da Shell Princípios Gerais de Negócio da Shell Royal Dutch Shell plc Introdução Os Princípios Gerais de Negócio da Shell regem a forma como cada uma das empresas que constituem o Grupo Shell* deve conduzir as suas

Leia mais