MODELO LÓGICO DE DADOS (MLD)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO LÓGICO DE DADOS (MLD)"

Transcrição

1 MODELO LÓGICO DE DADOS (MLD) Olá, Turma! Neste capítulo, daremos prosseguimento ao nosso trabalho de modelar o negócio para o qual estaremos desenvolvendo um sistema. Quando vamos trabalhar com o modelo lógico, já deveremos ter o modelo conceitual finalizado. Estaremos, então, aplicando certas restrições técnicas ao modelo conceitual para que seja possível implementar este modelo em um tipo de SGBD escolhido. No final, veremos o modelo físico e, nessa parte, iremos inserir características de um específico SGBD. Os objetivos deste capítulo são: saber colocar o modelo na terceira forma normal; Muitos autores e profissionais da área, em suas abordagens sobre o tema modelagem de dados, têm direcionado o processo de modelagem diretamente para o nível lógico. Partem, desde o início de seu processo, para a construção de um modelo fortemente dependente do ambiente onde será implementado. Isso tem levado à obtenção de modelos eficientes, mas bastante dependentes da tecnologia que os orientou (relacional, redes, orientado a objetos). Dentro da proposta apresentada nos itens anteriores, vimos que a geração de um modelo lógico deveria ser antecedida pela obtenção de um modelo conceitual. Esse modelo conceitual deveria ser independente da tecnologia disponível, procurando aproximar-se o máximo possível do mapeamento fiel do ambiente observado. No modelo conceitual, você pode e deve representar o negócio sem limitações técnicas. Existem várias notações para o modelo lógico. Em nossa disciplina, vamos utilizar a notação de James Martin (Engenharia de Informações) que foi criada em 1980 e é uma das mais utilizadas no mercado de trabalho.

2 38 EROS MOURA Empregado (0,n) (1,1) Trabalha Departamento EMPREGADO DEPARTAMENTO = muitos = um = a ocorrência do relacionamento é opcional = a ocorrência do relacionamento é obrigatória Os relacionamentos já não são mais nomeados. Só será necessário nomear um relacionamento quando houver mais de um relacionamento entre duas tabelas. Lógicos ou de implementação (nível intermediário) entre o Modelo Conceitual e o Modelo Físico. A grande vantagem dessa proposta é que, a partir do modelo conceitual gerado, poderemos aplicar regras predefinidas em função da tecnologia a ser empregada e, assim, obter os modelos necessários. Isso fará com que, a partir de um mesmo modelo conceitual, possamos gerar modelos lógicos para bancos de dados baseados na abordagem relacional ou até mesmo em novas abordagens, tais como bancos de dados orientados a objetos. Assim, podemos definir que o processo de obtenção de um modelo lógico a partir de um modelo conceitual segue os seguintes passos, segundo Cougo (1997): 4. adaptar o modelo às necessidades.

3 BANCO DE DADOS 39 Perceba que, dentre os passos a serem seguidos, existe, em último lugar, uma atividade extremamente importante para a geração de um modelo lógico aplicável efetivamente à solução de problemas práticos do dia a dia. Estaremos utilizando o programa DBDesigner para criar nossos modelos lógicos. Há uma versão dele que pode ser encontrada aqui: download 2.1. REGRAS DE DERIVAÇÃO Como citamos anteriormente, a obtenção de um modelo lógico deveria ser feita a partir de um modelo conceituai previamente gerado. Para tanto, deveríamos dispor de uma série de regras de derivação que fossem aplicadas sobre o modelo conceitual e que o transformassem em função da topologia (tipo) de BD usada, em um modelo relacional, rede ou até hierárquico. Veremos, a partir deste instante, portanto, essas regras. Como nosso objetivo, neste material, é explorar a derivação de modelos relacionais, estaremos trabalhando com as regras para o modelo relacional segundo Elmasri e Navathe (2011) Etapa 1: Mapeamento de tipos de entidade regular Para cada tipo de entidade regular (forte) E no modelo conceitual, crie uma tabela T que inclua todos os atributos simples de E. Inclua apenas os atributos de componente simples de um atributo composto. Escolha um dos atributos-chave de E como chave primária para T. Se a chave escolhida de E for composta, então o conjunto de atributos simples que a compõem juntos formarão a chave primária de T. Se várias chaves fossem identificadas para E durante o projeto conceitual, a informação que descreve os atributos que formam cada chave adicional é mantida a fim de especificar chaves secundárias (únicas) da tabela T. O conhecimento sobre as chaves também é mantido para fins de indexação e outros tipos de análises. Em nosso exemplo, criamos as tabelas JOGO, EQUIPE, JOGADOR e PAÍS. Os atributos de chave estrangeira e relacionamento se houver,

4 40 EROS MOURA seguintes. Em nosso exemplo, escolhemos data_jogo e nome_estadio chave primária de PAÍS Etapa 2: Mapeamento de tipos de entidade fraca Para cada tipo de entidade fraca F no modelo conceitual: com tipo de entidade proprietária forte E, crie uma tabela T e inclua todos os atributos simples (ou componentes simples dos atributos compostos) de F como atributos de T. Além disso, inclua como atributos chave estrangeira de T os atributos de chave primária da tabela que correspondem aos de entidade proprietária E. Isso consegue mapear o tipo de relacionamento de identificação de F. A chave primária de T é a combinação das chaves primárias do proprietário E e a chave parcial do tipo de entidade fraca F, se houver. Se houver um tipo de entidade fraca E2, cujo proprietário também é um tipo de entidade, então Ej deve ser mapeado antes de E2 para determinar primeiro sua chave primária. Em outras palavras, se houver uma entidade fraca (E2), ligada a outra entidade fraca (E1), E1 deve ser criada antes de E Etapa 3: Mapeamento dos tipos de relacionamento binários 1:1 Para cada tipo de relacionamento binário 1:1 R no modelo conceitual, identifique as tabelas A e B que correspondem aos tipos de entidades participantes em R. Escolha entre as tabelas A e B e inclua a chave estrangeira referenciando a outra. Por exemplo: coloco a chave estrangeira em A referenciando B. Complementando: já criamos duas tabelas ( A e B ), uma para cada conjunto de delas, incluir como chave estrangeira a chave primária da se o relacionamento for total em um dos dois conjuntos de entidades, então é melhor incluir a chave estrangeira no lado total.

5 BANCO DE DADOS Etapa 4: Mapeamento de tipos de relacionam binário 1:N Para cada tipo de relacionamento R binário regular 1:N, identifique a tabela T que representa o tipo de entidade participante no lado N do tipo de relacionamento. Inclua como chave estrangeira em T a chave primária da tabela P que representa o outro tipo de entidade no lado N (tabela T ) está relacionada, no máximo, a uma instância de entidade do lado 1 (tabela P ) do tipo de relacionamento. Inclua quaisquer atributos simples (ou componentes simples dos atributos compostos) do tipo de relacionamento 1:N como atributos de P. Complementando: já temos duas tabelas ( T, P ), uma para cada conjunto de incluir como chave estrangeira, na tabela do lado muitos (o lado N ), a chave primária da tabela do lado um Etapa 5: Mapeamento de tipos de relacionamento binário N:N Para cada tipo de relacionamento R binário N:N, crie uma nova tabela S para representar R. Inclua como atributos de chave estrangeira em S as chaves primárias das tabelas que representam os tipos de entidade também, quaisquer atributos simples do tipo de relacionamento N:N (ou componentes simples dos atributos compostos) como atributos de S. Observe que não podemos representar um tipo de relacionamento N:N por um único atributo de chave estrangeira em uma das tabelas participantes (como fizemos para os tipos de relacionamento 1:1 ou 1:N) devido à razão de cardinalidade, por isso temos de criar uma tabela de relacionamento S separada. Complementando: já temos duas tabelas, uma para cada conjunto de entidades criar uma nova tabela contendo, como chaves estrangeiras, as a combinação dessas chaves estrangeiras forma a chave incluir também, se houver, colunas com os atributos do relacionamento.

6 42 EROS MOURA Etapa 6: Mapeamento de atributos multivalorados Para cada atributo multivalorado A na tabela S, crie uma tabela T. Essa tabela T incluirá um atributo correspondente a A, mais o atributo da chave primária da tabela S. A chave primária de T é a combinação do atributo da chave primária da tabela S (esse atributo também será chave estrangeira) e o atributo A. Se o atributo multivalorado for composto, incluímos seus componentes simples. Complementando: Para cada atributo multivalorado, criar uma tabela contendo: como chave estrangeira, a chave primária da tabela que possuía a nova chave primária também será uma chave estrangeira a chave primária da nova tabela é a combinação da chave se o atributo multivalorado for composto, incluímos seus componentes simples ETAPA 7: MAPEAMENTO DE AUTORRELACIONAMENTO 1:N Para os autorrelacionamentos 1:N, como existe um relacionamento entre a mesma entidade, deve-se criar a chave estrangeira na própria tabela, no atributo que tem o relacionamento. Nesse caso, o atributo que terá a chave estrangeira não terá o mesmo nome da chave primária, pois não é possível repetir o nome do atributo. FUNCIONÁRIO (1,n) (1,1) matrícula nome_funcionário matrícula_gerente é gerenciado por é gerente de GERÊNCIA

7 BANCO DE DADOS 43 Ao final, teremos a tabela assim: FUNCIONARIO (matricula, nome_funcionario, matricula_gerente) sendo que o atributo matricula_gerente terá uma chave estrangeira para FUNCIONÁRIO Etapa 8: Autorrelacionamento N:N Para os autorrelacionamentos N:N, faremos da mesma forma que um relacionamento N:N tradicional, ou seja, criamos uma nova tabela para o relacionamento. Esta nova tabela terá, ao menos, duas colunas as quais serão, ao mesmo tempo, chave primária e chaves estrangeiras. Neste caso, as duas chaves estrangeiras estarão se referenciando à mesma tabela base. DISCIPLINA (0,n) (0,n) cod_disciplina nome_disciplina carga_horária são pré-requisito para DISCIPLINA (cod_disciplina, nome_disciplina, carga_horaria) PRE_REQUISITO (cod_disciplina, cod_disciplina_pre) cod_disciplina terá uma chave estrangeira apontando para DISCIPLINA. cod_disciplina_pre terá uma chave estrangeira apontando para DISCIPLINA Etapa 9: Mapeamento de tipos de relacionamento n-ário (qualquer relacionamento maior que o binário). Para cada tipo de relacionamento n-ário R, onde n > 2, crie uma tabela T para representar R. Inclua como atributos de chave estrangeira em T as chaves primárias das tabelas que representam as entidade participantes.

8 44 EROS MOURA Inclua, também, quaisquer atributos simples do tipo de relacionamento n-ário (ou componentes simples de atributos compostos) como atributos de T. A chave primária de T normalmente é uma combinação de todas as chaves estrangeiras que referenciam as tabelas representando as entidades participantes. Porém, se as restrições de cardinalidade sobre qualquer um dos tipos de entidade E participantes em R for 1, então a chave primária de T não deve incluir o atributo de chave estrangeira que referencia a relação E correspondente a E. Complementando: criar uma nova tabela contendo, como chaves estrangeiras, as chaves primárias das tabelas que representam os conjuntos de entidades normalmente, a combinação dessas chaves estrangeiras forma a chave primária da nova tabela, mas se a cardinalidade máxima de uma das entidades participantes for 1, então a chave estrangeira que referencia essa entidade não fará parte da chave primária da nova tabela. A tabela abaixo resume as correspondências entre as construções e restrições do modelo conceitual para o modelo lógico. MODELO CONCEITUAL Tipo de entidade Tipo de relacionamento 1:1 ou 1:N Tipo de relacionamento N:N Tipo de relacionamento n-ário Atributo simples Atributo composto Atributo multivalorado Conjunto de valores Atributo-chave MODELO LÓGICO Tabela Chave estrangeira (ou tabela) Nova tabelae duaschaves estrangeiras Nova tabela Atributo Conjunto de atributos componentes simples Tabela e chave estrangeira Domínio Chave primária

9 BANCO DE DADOS Etapa 10: Mapeamento da especialização / generalização Tomemos como base este modelo conceitual. CLIENTE código nome PESSOA FÍSICA CPF PESSOA JURÍDICA CNPJ Para os casos em que há generalização / especialização, há três opções de projeto que podem ser adotadas: Opção 1: criar uma tabela para cada entidade (CLIENTE, FÍSICA, JURÍDICA). Nesse caso, a chave primária das tabelas especializadas (FÍSICA e JURÍDICA) é a mesma da entidade generalista (CLIENTE) e também devem ser chaves estrangeiras para a tabela CLIENTE. Ao final, teremos três tabelas, assim: CLIENTE (cod_cliente, nome_cliente) FISICA (cod_cliente, cpf, sexo) JURIDICA(cod_cliente, cnpj, nome_fantasia) OBS: aqui, a chave primária está sublinhada. Lembre-se de que: A coluna cod_cliente na tabela FISICA deverá ter chave estrangeira para CLIENTE. A coluna cod_cliente na tabela JURIDICA deverá ter chave estrangeira para CLIENTE. Opção 2: criar uma tabela para cada entidade da especialização, como FÍSICA e JURIDICA. Nesse caso, os atributos da entidade genérica (em nosso exemplo CLIENTE) devem ser incluídos em ambas as tabelas criadas.

10 46 EROS MOURA Ao final, teremos duas tabelas, assim: FISICA (cod_cliente, nome_cliente, cpf, sexo) JURIDICA (cod_cliente, nome_cliente, CNPJ,nome_fantasia) Opção 3: criar uma única tabela, incluindo os atributos das 3 entidades. Nesse caso, os campos que eram das entidades especializadas deverão ser opcionais, ou seja, deverão aceitar valores nulos. Ao final, teremos a única tabela, assim: CLIENTE (cod_cliente, nome_cliente, cpf, sexo, cnpj, nome_fantasia) Qual opção escolher? Cada uma das opções apresentadas traz vantagens e desvantagens. A terceira opção tem como vantagem a redução do número de junções (veremos isso mais adiante) entre tabelas e como desvantagem possuir atributos que só terão valores preenchidos quando for o caso dos dados especializados. Por exemplo: quando for o caso de cadastrar uma pessoa física, os campos CNPJ e nome fantasia não serão preenchidos. O mesmo atributos CPF e sexo não serão preenchidos. É por esse motivo que os atributos que vieram das entidades especializadas devem aceitar nulo, pois assim passam a ser opcionais. Para a segunda opção, temos como desvantagem a repetição dos atributos que eram da entidade generalista. Agora, estes atributos deverão existir nas duas tabelas. Na primeira opção há uma organização maior, pois são preservadas as estruturas que existiam no modelo conceitual. O problema dessa solução é a quantidade de junções que aumentará em relação às outras duas soluções, o que pode ser traduzido em problemas de performance. Deve-se, então, verificar se esta tabela terá muito acesso, e se o acesso a este dado, um pouco mais lento, poderá trazer problemas para a aplicação NORMALIZAÇÃO Finalizado o esquema relacional, passa-se ao processo de normalização. Este processo baseia-se no conceito de forma normal. Uma forma normal é uma regra que deve ser obedecida por uma tabela para que esta seja considerada bem projetada. Há diversas formas normais, isto é, diversas regras, cada vez mais rígidas, para verificar tabelas relacionais. Em nossa disciplina, vamos considerar três formas normais. As formas normais são denominadas simplesmente primeira, segunda e terceira forma normal, abreviadamente 1FN, 2FN e 3FN.

11 BANCO DE DADOS 47 Embora a normalização seja um ingrediente muito importante do projeto de bancos de dados, não se deve assumir que seu nível mais alto seja sempre o mais desejável. Em geral, quanto mais alta a forma normal, mais operações de junção são necessárias para produzir a saída especificada e mais recursos são exigidos pelo sistema de banco de dados para responder a consultas do usuário final. Um projeto bemsucedido deve considerar a demanda desse usuário por empenho rápido. Portanto, em algumas ocasiões, será preciso desnormalizar certas partes de um projeto do banco de dados, de modo a atender às exigências de desempenho. A desnormalização produz uma forma normal mais entanto, o preço a pagar pela melhora de desempenho decorrente da desnormalização é a maior redundância de dados Primeira Forma Normal (1FN) O primeiro passo da normalização consta da transformação do esquema de tabela não normalizada em um esquema relacional na primeira forma normal (1FN). Segundo Rob e Coronel (2011), uma tabela encontra-se na 1FN quando: não há grupos de repetição na tabela. Em outras palavras, cada intersecção de linha/coluna contém um e somente um valor, não um V todos os atributos são dependentes da chave primária. CÓDIGO NOME GERENTE DEP. LOCALIZAÇÕES DO DEPARTAMENTO 5 Pesquisa 1 Cachoeiro, Castelo, Muqui 4 Adm eja um exemplo de quando uma tabela não está na 1FN: 1 Sede 3 Iconha 2 Marataízes, Guarapari Segunda Forma Normal (2FN) Segundo Rob e Coronel (2011), uma tabela encontra-se na 2FN quando: está em 1NF. e dependente apenas de uma parte da chave primária.

12 48 EROS MOURA Se a 2FN trata das dependências parciais de uma chave primária, se a chave primária for simples (formada apenas por um atributo) ela já estará na 2FN. Observe que ainda é possível uma tabela em 2NF apresentar dependência transitiva, ou seja, um ou mais atributos podem ser funcionalmente dependentes de atributos não relacionados à chave. Veja um exemplo de quando uma tabela não está na 2FN: * A * B C D Ddepende só de A e não da chave inteira (A,B) TERCEIRA FORMA NORMAL (3FN) Segundo (Rob e Coronel, 2011), uma tabela encontra-se na 3FN quando: está em 2NF. e não contém dependências transitivas. *A B C C depende de B que não é chave Coloque as estruturas abaixo na 3FN. a) Contrato( num_contrato, cod_cliente, dta_inicio_contrato, dta_termino_contrato, num_prestacao, val_prestacao, dta_venc_ prestacao ) b) PecaEstocada(cod_peca, cod_armazem, qtd_estocada, tel_armazem)

13 BANCO DE DADOS 49 c) Horario_Voo(sigla_cia, num_voo, hor_voo, sigla_aeroporto, nom_aeroporto, cidade_aeroporto, status_voo). OBS: a chave primária está em negrito e sublinhado EXEMPLO DE MODELO LÓGICO Veja aqui exemplo de um modelo lógico de uma transportadora. TIPO CLIENTE UF sigla_uf: CHAR(2) nome_uf: VARCHAR(25) CIDADE sigla_uf: CHAR(2) nome_cidade: VARCHAR(40) sigla_uf: CHAR(2) (FK) cod_tipo_cliente: INTEGER descricao_tipo_cliente: VARCHAR(20) ITENS_MANIFESTO num_manifesto: CHAR (6) (FK) num_ctrc: CHAR(6) (FK) posicao_ctrc: INTEGER CTRC num_ctrc: CHAR (6) cliente_remetente: INTEGER (FK) cliente_destinatario: INTEGER (FK) bairro_cliente: VARCHAR(40) data_emissão: CHAR (10) peso_ctrc: NUMERIC (8,2) frete_ctrc: NUMERIC (10,2) Remetente Destinatário CLIENTE cod_cliente: INTEGER nome_cliente: VARCHAR(40) rua_cliente: VARCHAR(40) bairro_cliente: VARCHAR(40) cidade_cliente: INTEGER (FK) cep_cliente: VARCHAR(8) documento_cliente: VARCHAR (20) cod_tipo_cliente: INTEGER (FK) MANIFESTO num_manifesto: CHAR (6) filial_origem_manifesto: CHAR(3) (FK) filial_destino_manifesto: CHAR (3) (FK) placa_veiculo_manifesto: CHAR (7) (FK) data_emissao_manifesto: CHAR (10) data_chegada_manifesto: CHAR (10) cod_ajudante: INTEGER (FK) CTRC_NF num_ctrc: CHAR(6) (FK) num_nf: CHAR(6) MANIFESTO_MOTORISTA num_manifesto: CHAR (7) cod_motorista: INTEGER (FK) CLIENTE_TELEFONE cod_cliente: INTEGER (FK) telefone_cliente: CHAR(10) MOTORISTA cod_motorista: INTEGER nome_motorista: VARCHAR(40) sexo_motorista: CHAR(1) Origem Destino VEICULO placa_veiculo: CHAR (7) descricao_veiculo: VARCHAR (FK) UF sigla_uf: CHAR(2) nome_uf: VARCHAR(25) AJUDANTE cod_ajudante: INTEGER (7) nome_ajudante: VARCHAR (35) Baseado no modelo lógico acima, responda às seguintes perguntas. a) um manifesto pode ter, no mínimo, itens de manifesto e, b) um item de manifesto pode ter, no mínimo, manifesto(s) e, no máximo, manifesto(s). c) um manifesto pode ter, no mínimo, ajudante(s) e, no máximo, ajudante(s).

14 50 EROS MOURA d) qual é a chave primária da tabela itens manifesto? e) responda a estas perguntas para todos os relacionamentos e chaves primárias do modelo MODELO FÍSICO DE DADOS (MFD) Define-se como modelo físico de dados (também chamado de modelo interno) aquele em que a representação dos objetos é feita sob o foco do nível físico de implementação das entidades e seus relacionamentos. O conhecimento do modo físico de implementação das estruturas de dados é ponto básico para o domínio desse tipo de modelo. Cada diferente SGBD poderá definir um diferente modo de implementação física das características e recursos necessários para o armazenamento e manipulação das estruturas de dados. Utilizar estas características de modo correto pode significar uma ótima performance, enquanto a não utilização das mesmas pode significar um grande problema. Na prática, para se desenvolver um bom modelo físico é necessário um bom conhecimento do SGBD com que você vai trabalhar (aqui, estou me referindo a um específico SGBD, por exemplo, PostGreSQL). Neste momento, você não tem conhecimento necessário para decidir se no SGBD Oracle é melhor trabalhar com a tabela Cliente particionada em vários discos rígidos diferentes ou não. Ou, se para o campo sexo da tabela Cliente, que receberá consultas, seria melhor criar um índice BTree ou Bitmap. Cougo (1997) diz que, em alguns casos, um mesmo SGBD em diferentes ambientes de sistema operacional poderá ter diferentes métodos de armazenamento e manuseio de suas estruturas de dados. Isso é fácil de ser constatado quando analisamos um SGBD que tenha sua implementação, por exemplo, em ambiente Windows(DOS), Linux(UNIX) e VMS. Em cada um desses ambientes, existirão diferentes estruturas de armazenamento, endereçamento, acesso e alocação física. Isso significa que, em alguns casos, um mesmo modelo lógico poderá estar mapeado de diferentes modos em cada um dos sistemas operacionais.

15 BANCO DE DADOS 51 Baseado no modelo conceitual abaixo, crie o modelo lógico. cod_cidade nome_cidade sigla_uf CIDADE (1,1) (0, n) Está localizada (1,1) sigla_uf UF nome_uf Mora cod_cliente nome_cliente rua numero (1,n) CLIENTE (1,1) bairro cod_cidade cep telefones )(0,n sexo (M,F ) TÉCNICO (1,1) cod_técnico nome_técnico terceitos )(S,N pede faz número_oe data_os hora_os cod_cliente matrícula_atendente descrição_problema descrição_fechamento posição_os (A,F, P) valor_total_os (1,n) Ordem de Serviço (0,n) (1,1) Possui (1,n) (1,n) Serviço Executado (0,n) (0,n) número_os cod_serviço cod_técnico data_inicial_serviço hora_inicial_serviço data_final_serviço hora_final_serviço valor_cobrado_serviço Cadastra data_uso hora_uso usa é feito quantidade_uso (1,1) ATENDENTE (1,1) matrícula_atendente nome_atendente ESTOQUE SERVIÇO quantidade_estoque cod_serviço nome_serviço estimativa_tempo valor_serviço valor_compra desc_estoque cod_estoque

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Modelo Entidade-Relacionamento Banco de Dados I Fases do Projeto jt de BD Enunciado de requisitos entrevista com o usuário do banco de dados para entender e documentar seus requerimentos de dados. Projeto

Leia mais

Fernando Fonseca Ana Carolina

Fernando Fonseca Ana Carolina Banco de Dados Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados Modelagem Conceitual Projeto do Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Implementação do Banco

Leia mais

Profa. Daniela Barreiro Claro

Profa. Daniela Barreiro Claro Profa. Daniela Barreiro Claro Modelar é criar representações do mundo real A modelagem relacional pode ser representada via MER (Modelo de Entidade Relacionamento) O MER define estruturas e restrições

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 08 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade III: Modelagem Lógico de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM Relembrando... Necessidade de Dados Projeto

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PROJETO DE BANCO DE DADOS -PROJETO CONCEITUAL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PROJETO CONCEITUAL Levantamento de requisitos Modelagem Conceitual Modelo ER PROJETO CONCEITUAL Parte integrante do Projeto

Leia mais

CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1

CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1 CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1 Projeto Conceitual de BD Transformação ER/Relacional Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof.

Leia mais

Banco de Dados Transformação Modelo Conceitual para Lógico Relacional. Prof. Juliano Lucas Gonçalves juliano.gonçalves@ifsc.edu.br

Banco de Dados Transformação Modelo Conceitual para Lógico Relacional. Prof. Juliano Lucas Gonçalves juliano.gonçalves@ifsc.edu.br Banco de Dados Transformação Modelo Conceitual para Lógico Relacional Prof. Juliano Lucas Gonçalves juliano.gonçalves@ifsc.edu.br Implementação inicial de entidades Cada entidade é traduzida para uma tabela.

Leia mais

Ciclo de vida de um banco de dados relacional

Ciclo de vida de um banco de dados relacional Ciclo de vida de um banco de dados relacional 1. Formulação e análise de requisitos: a) Relacionamentos naturais entre os dados (independentes de processo). b) Requisitos de uso (dependentes de processo).

Leia mais

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Tabelas

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Tabelas MODELO RELACIONAL Banco de Dados Relacional = consiste em uma coleção de tabelas ou relações, cada uma das quais com um nome único. 2 1 Tabelas Conjunto não ordenado de linhas (tuplas); Cada linha é composta

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Bal. Emerson Meneses Inocente

Banco de Dados I. Prof. Bal. Emerson Meneses Inocente Banco de Dados I Prof. Bal. Emerson Meneses Inocente Continuação aula 1 Arquitetura de SGBD Relacional ocaracterísticas: Independência de dados e programas; Suporte a múltiplas visões de usuários; Uso

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS. Banco de Dados I. O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! Unidade I

MODELAGEM DE DADOS. Banco de Dados I. O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! Unidade I O uso da análise e do projeto Orientados a Objetos atenuou a separação! 1 Etapas do Projeto do BD Análise de Requisitos Coleta de informações sobre os dados e seus relacionamentos na organização Projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Banco de Dados. Modelagem de Dados com MER. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Modelagem de Dados com MER. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Modelagem de Dados com MER Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelagem de Dados Modelagem de Dados tem como objetivo transformar uma

Leia mais

BANCO DE DADOS. Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios

BANCO DE DADOS. Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios BANCO DE DADOS Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios BANCO DE DADOS X SGBD Banco de Dados: Um "banco de dados" pode ser definido como um conjunto de "dados" devidamente

Leia mais

Introdução à Banco de Dados

Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Agenda O que é Banco de Dados Como ele funciona Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelagem de Dados Modelo de dados Entidade-Relacionamento

Leia mais

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento

Modelagem de Dados Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Usando o Modelo Entidade-Relacionamento MER 1 MER Levantamento e Análise de requisitos Entrevista Entender e documentar seus requisitos de dados Requisitos funcionais da aplicação empregadas ao banco de

Leia mais

Dicas de modelagem de dados

Dicas de modelagem de dados Dicas de modelagem de dados Modelagem de dados: projeto conceitual 1. Sempre faça modelagem de dados, isso ajuda no entendimento do problema e no planejamento de uma solução mais aderente aos seus objetivos.

Leia mais

OBJETIVOS. Orientações para Projetos de BD; Dependências Funcionais (DFs): Definição de DF; Regras de inferência para DFs.

OBJETIVOS. Orientações para Projetos de BD; Dependências Funcionais (DFs): Definição de DF; Regras de inferência para DFs. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br OBJETIVOS Orientações

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS TEORIA E PRÁTICA

MODELAGEM DE DADOS TEORIA E PRÁTICA MODELAGEM DE DADOS TEORIA E PRÁTICA ARAÚJO, M. A. P. 1. INTRODUÇÃO Modelagem de sistemas, tanto a nível funcional quanto de dados, é um requisito fundamental para a obtenção de produtos de software de

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 04 SGBD Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Conceitos Básicos DADOS: são fatos em sua forma primária. Ex: nome do funcionário,

Leia mais

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados Banco de Dados I 1. Conceitos de Banco de Dados 1.1. Características de um Banco de Dados. 1.2. Vantagens na utilização de um BD. 1.3. Quando usar e não usar um Banco de Dados. 1.4. Modelos, Esquemas e

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL PROF. MS C. RICARDO ANTONELLO WWW.ANTONELLO.COM.B R PORQUE SER RELACIONAL? Hoje, há um claro predomínio dos SGBD relacionais, principalmente

Leia mais

MSc. Daniele Carvalho Oliveira

MSc. Daniele Carvalho Oliveira MSc. Daniele Carvalho Oliveira AULA 2 Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE BANCO DE DADOS Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 3 Conceitos

Leia mais

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Arquitetura e Terminologia Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelo de Dados e Esquemas O modelo de Banco de Dados é como um detalhamento

Leia mais

Curso Superior em Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Campus Alegrete. Banco de Dados I. Cristhiano Bossardi de Vasconcellos.

Curso Superior em Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Campus Alegrete. Banco de Dados I. Cristhiano Bossardi de Vasconcellos. Curso Superior em Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Campus Alegrete Banco de Dados I Cristhiano Bossardi de Vasconcellos Parte 8 TRANSFORMAÇÃO ENTRE MODELOS A abordagem ER é voltada à

Leia mais

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Etapas para o projeto de um BD Análise de requisitos Analista: Entrevista Necessidade do negócio As etapas não consideram ainda nenhuma característica específica

Leia mais

Disciplina: Unidade II: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade II: Prof.: E-mail: Período: Encontro 03 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade II: Modelagem Conceitual de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 2. Modelagem Conceitual de Dados (Modelo

Leia mais

Capítulo 5 Complemento. 5.1 Laudon, Cap. 5

Capítulo 5 Complemento. 5.1 Laudon, Cap. 5 Capítulo 5 Complemento Fundamentos de Bancos de Dados: Modelo de Entidade e Relacionamento - MER 5.1 Laudon, Cap. 5 Modelo mais utilizado: simplicidade e eficiência. Banco de dados relacional. Base: percepção

Leia mais

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados Capitulo 2 1. MODELO LÓGICO DE BANCO DE DADOS... 2 1.1 Definição... 2 1.2 Mapeando o modelo conceitual para o modelo lógico... 2 1.2 Dicionário de dados... 3 2. MODELO FÍSICO DO BANCO DE DADOS... 4 2.1

Leia mais

Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I. Expressão do Relacionamento. Expressão do Relacionamento

Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I. Expressão do Relacionamento. Expressão do Relacionamento Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I Efetivação Lógica de Normalização Prof. Gilberto Braga de Oliveira Expressão do Relacionamento Necessidade de incluir campos nas tabelas para que os relacionamentos

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Introdução Conceitos do Modelo Relacional Restrições de Integridade Básicas Esquema do BD Relacional Restrições

Leia mais

Banco de Dados 1 2º Semestre

Banco de Dados 1 2º Semestre Banco de Dados 1 2º Semestre Aula 07 Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS o Uma coletânea de conceitos que

Leia mais

PROJETO LÓGICO. Passos para transformação ER Relacional: 1) Tradução inicial de Entidades e seus Atributos;

PROJETO LÓGICO. Passos para transformação ER Relacional: 1) Tradução inicial de Entidades e seus Atributos; BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br PROJETO LÓGICO Passos

Leia mais

INF01145 - Fundamentos de Banco de Dados Exercícios sobre normalização

INF01145 - Fundamentos de Banco de Dados Exercícios sobre normalização INF045 - Fundamentos de Banco de Dados Exercícios sobre normalização Carlos A. Heuser 28 de Junho de 2006 Exercícios do Capítulo 5 do livro Exercício. Considere as seguintes alternativas de implementação

Leia mais

1. Introdução ao Modelo Entidade-Relacionamento (MER)

1. Introdução ao Modelo Entidade-Relacionamento (MER) MODELAGEM CONCEITUAL 1. Introdução ao Modelo Entidade-Relacionamento (MER) Conforme comentado no capítulo anterior, o sistema de banco de dados deve prover uma visão abstrata de dados aos usuários, isolando-os

Leia mais

Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD

Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Robson Nascimento Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados

Leia mais

BANCO DE DADOS. Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados.

BANCO DE DADOS. Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados. Modelagem de Dados Normalização Objetivo: BANCO DE DADOS Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados. Sub-Fases: Identificação das redundâncias e outros

Leia mais

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo BANCO DE DADOS I AULA 3 Willamys Araújo Modelo Conceitual Descreve quais dados serão armazenados no banco de dados as relações que existem entre eles. Independe do SGBD e da abordagem do banco de dados

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Projeto de Banco de Dados Atividade de modelagem de dados em diversos níveis de abstração Modelagem conceitual (projeto conceitual) abstração de mais alto nível objetivo: representação dos requisitos de

Leia mais

Gestão de Tecnologia da Informação

Gestão de Tecnologia da Informação Gestão de Tecnologia da Informação Banco de Dados Prof. Gilberto B. Oliveira Tópicos Projeto de Banco de Dados (Button-Up) Modelagem conceitual Modelagem lógica Exemplo: Implementação do modelo Escola

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Modelagem de Dados Aula 01 Revisão Modelos de Dados Existem modelos para diferentes níveis de abstração de representação de dados modelos conceituais modelos lógicos

Leia mais

CICLO DE VIDA DE UM BD

CICLO DE VIDA DE UM BD BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br CICLO DE VIDA DE UM

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS. Unidade II Arquiteturas do SGBD

MODELAGEM DE DADOS. Unidade II Arquiteturas do SGBD MODELAGEM DE DADOS Unidade II Arquiteturas do SGBD 0 UNIDADE II: TÓPICOS: Tópico 1 - Arquitetura SGBD Tópico 2 - Etapas de um projeto de Banco de Dados Tópico 3 Modelagem Tópico 1 - Arquitetura SGBD A

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Modelo Relacional Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Abordagem Relacional n Abordagem de modelagem de dados utilizada nos sistemas de gerenciamento de bancos

Leia mais

Banco de Dados. Modelagem de Dados. Prof.: Salustiano Rodrigues

Banco de Dados. Modelagem de Dados. Prof.: Salustiano Rodrigues Banco de Dados Modelagem de Dados Prof.: Salustiano Rodrigues OBJETIVOS: Dados x Informação; O que é um Banco de Dados? Estrutura de um projeto de Banco de Dados; O que é um mini mundo? O que é o Modelo

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Introdução Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Ementa do Curso n Banco de Dados n Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) n ORACLE BANCO DE DADOS (BD) n Modelo Entidade

Leia mais

BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR AULA 02. O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER )

BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR AULA 02. O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER ) AULA 02 BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER ) Fases do Projeto de Bases de Dados (EN94)- O Modelo Entidade- Relacionamento Definição : modelo

Leia mais

O Modelo Entidade-Relacionamento MER

O Modelo Entidade-Relacionamento MER O Modelo Entidade-Relacionamento MER Capítulo 2 1 Etapas do Projeto de BD 1. Análise de Requisitos: Processo informal que envolve discussões entre grupos de usuários Entender quais dados serão armazenados

Leia mais

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global)

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global) Processo de Projeto Bottom-Up esquema conceitual do BD engenharia reversa do esquema relacional Passo4 esquema relacional integrado do BD (esquema global) esquema relacional 1 normalização tabela ÑN 1

Leia mais

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global)

Processo de Projeto Bottom-Up. esquema conceitual do BD. engenharia reversa do esquema relacional. esquema relacional integrado do BD (esquema global) Processo de Projeto Bottom-Up esquema conceitual do BD engenharia reversa do esquema relacional Passo4 esquema relacional integrado do BD (esquema global) integração Passo3 esquema relacional 1 normalização

Leia mais

Técnicas e Linguagens para Banco de Dados I

Técnicas e Linguagens para Banco de Dados I Técnicas e Linguagens para Banco de Dados I Prof. Eduardo Ribeiro www.eduardo.trisolution.com.br eduardo@ trisolution.com.br Introdução Banco de Dados Dados x Informações Dados = É um elemento que mantém

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS Unidade 1 - Introdução Dados; Banco de Dados; Base de Dados; Projeto de Banco de Dados.

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Modelo Entidade-Relacionamento. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Modelo Entidade-Relacionamento Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Conteúdo Contexto Histórico A Importância da Modelagem de Dados Projeto de Banco de Dados Modelagem Conceitual Projeto Lógico Projeto

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. 1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. FUNDAMENTOS Dados Representação de fatos, conceitos ou instruções de maneira formalizada; Informação Significado que pessoas associam

Leia mais

DBDesigner 4. NomeFunc 1,N FUNCIONÁRIO. CargaHoraria. MatrFunc

DBDesigner 4. NomeFunc 1,N FUNCIONÁRIO. CargaHoraria. MatrFunc DBDesigner 4 O DBDesigner 4 é uma ferramenta CASE (Computer-Aided Software Engineering) voltada para a modelagem de dados dos sistemas. Para utilizá-lo é necessário, primeiramente, criar o Modelo Conceitual

Leia mais

Modelo Relacional. 2. Modelo Relacional (Lógico)

Modelo Relacional. 2. Modelo Relacional (Lógico) Modelo Relacional 2. Modelo Relacional (Lógico) Derivado do modelo conceitual; Depende do SGBD escolhido; Independe dos dispositivos de armazenamento; Primitivas: tabelas, linhas e colunas; Transformação

Leia mais

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada. Conceitos básicos Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Conceitos introdutórios de Modelagem de dados Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande Pós-Graduanda Formação Pedagógica de Professores (FAQI) Conceito de BD Um banco de dados

Leia mais

Banco de Dados I. Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R. Fabricio Breve Banco de Dados I Projeto de Banco de Dados e o Modelo E-R Fabricio Breve O Modelo E-R Representação do mundo real por meio de Entidades e dos Relacionamentos entre as entidades Desenvolvido originalmente

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza 1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza FUNDAMENTOS Dados Representação de fatos, conceitos ou instruções de maneira formalizada; Informação

Leia mais

Diagrama de Entidade e Relacionamento

Diagrama de Entidade e Relacionamento Diagrama de Entidade e Relacionamento Através deste diagrama poderemos representar, de forma sucinta e bem estruturada, todos os elementos essenciais abstraídos no processo de análise de sistemas. Denominamos

Leia mais

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Modelo Relacional. Banco de Dados. Modelo Relacional. Modelo Relacional

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Modelo Relacional. Banco de Dados. Modelo Relacional. Modelo Relacional Banco de Dados Definido por E F Codd em 1970, teve sua grande aceitação comercial a partir de meados da década de 1980 Razões da grande aceitação Simplicidade dos conceitos básicos Poder dos operadores

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Lista de exercícios 01

Lista de exercícios 01 PARTE I Lista de exercícios 01 1. Defina os seguintes termos: entidade, atributo, valor do atributo, atributo composto, atributo multivalorado, atributo derivado, atributo-chave, domínio. 2. Explique as

Leia mais

Modelo Relacional. Aécio Costa

Modelo Relacional. Aécio Costa Aécio Costa O Modelo de Dados Relacional foi introduzido por Codd (1970). Entre os modelos de dados de implementação, o modelo relacional é o mais simples, com estrutura de dados uniforme, e também o mais

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes

Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes Modelos de banco de dados Modelo de banco de dados é uma descrição dos tipos de informações que estão armazenadas

Leia mais

Banco de Dados Modelo Entidade-Relacionamento. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

Banco de Dados Modelo Entidade-Relacionamento. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados Modelo Entidade- Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Modelo Entidade- Proposto por Peter Chen, em 1976 Baseado na percepção do mundo real Consiste de um conjunto de objetos básicos

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br 04/08/2012. Aula 7. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br 04/08/2012. Aula 7. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 7 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Aprender sobre a modelagem lógica dos dados. Conhecer os

Leia mais

Todas as alterações feitas nos dados durante a transação são temporárias até que a transação seja submetida a commit.

Todas as alterações feitas nos dados durante a transação são temporárias até que a transação seja submetida a commit. A Instrução MERGE: Fornece a habilidade de atualizar ou inserir dados condicionalmente em uma tabela de banco de dados. Ela executa uma operação UPDATE se a linha existir ou uma operação INSERT se for

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento DCC011. Modelo Entidade-Relacionamento. Processo de Projeto de Bancos de Dados

Modelo Entidade-Relacionamento DCC011. Modelo Entidade-Relacionamento. Processo de Projeto de Bancos de Dados DCC011 Introdução a Banco de Dados -06 Modelo Entidade-Relacionamento Mirella M. Moro Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais mirella@dcc.ufmg.br Processo de Projeto

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

Introdução a Banco de Dados. Adão de Melo Neto

Introdução a Banco de Dados. Adão de Melo Neto Introdução a Banco de Dados Adão de Melo Neto 1 Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em uma disciplina da universidade cadastro

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS - NORMALIZAÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

MODELAGEM DE DADOS - NORMALIZAÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. MODELAGEM DE DADOS - NORMALIZAÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. MOTIVAÇÃO Tipos de chave Chave candidata: Todas as opções de identificação única de um registro; Chave primária: Chave escolhida como

Leia mais

Roteiro. Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento. BCC321 - Banco de Dados I. Processo de Projeto de Banco de Dados.

Roteiro. Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento. BCC321 - Banco de Dados I. Processo de Projeto de Banco de Dados. Roteiro Modelagem de Dados: Usando o Modelo Entidade-Relacionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

IFRO - Câmpus Ariquemes Email: hayslan.bucarth@ifro.edu.br Social: hayslan. Banco de Dados. Prof. Hayslan N C Bucarth

IFRO - Câmpus Ariquemes Email: hayslan.bucarth@ifro.edu.br Social: hayslan. Banco de Dados. Prof. Hayslan N C Bucarth Banco de Dados Prof. Hayslan N C Bucarth Objetivos Introdução ao modelo Relacional; Modelo Relacional Tópicos avançados; Normalização; SGDB Escolha o Seu? MySQL, ORACLE, DB2, PostgreSQL Tipo de Dados;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO (UFRPE)

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO (UFRPE) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO (UFRPE) COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD/UFRPE) Banco de Dados Sandra de Albuquerque Siebra Volume 2 Recife, 2010 Universidade Federal Rural de Pernambuco

Leia mais

Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento.

Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento. MODELAGEM DE DADOS USANDO O MODELO ENTIDADE-RELACIONAMENTO Carga horária Quatro horas EAD 3ª semana. Objetivos UNIDADE 2 Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento.

Leia mais

Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07

Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07 Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07 7.1 Definição Consiste em mapear o mundo real do sistema em um modelo gráfico que irá representar o modelo e o relacionamento existente entre os dados.

Leia mais

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 Exercícios Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 1. A linguagem SQL apresenta uma série de comandos que permitem a definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language). Assinale a alternativa

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Banco de Dados Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Processo de Projeto de Banco de Dados Minimundo Projeto Lógico (Mapeamento do Modelo de Dados) 1 4 Esquema Lógico (Modelo do SGBD)

Leia mais

BANCO DE DADOS -PROJETO LÓGICO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -PROJETO LÓGICO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -PROJETO LÓGICO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROJETO DE BANCO DE DADOS Atividade de modelagem de dados em diversos níveis de abstração Modelagem conceitual

Leia mais

Modelos. Comunicação com clientes

Modelos. Comunicação com clientes Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas de Informação Brasília/DF

Leia mais

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados 01) Defina com suas próprias palavras: a) Banco de Dados b) Sistema Gerenciador de Banco de Dados c) Sistema de Banco de

Leia mais

UD 4: Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados

UD 4: Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados UD 4: Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados 1 Assunto 1: Conceitos 1. BASE DE DADOS conjunto de dados armazenados logicamente conteúdo representa o estado atual de uma determinada aplicação modelo

Leia mais

Modelagem de dados e uso do SGBD MySQL

Modelagem de dados e uso do SGBD MySQL CURSO DE VERÃO EM BIOINFORMÁTICA ESTRUTURAL Modelagem de dados e uso do SGBD MySQL Modelagem e projeto de banco de dados Arquitetura de três esquemas [1] USUÁRIOS Nível externo Visão externa Mapeamento

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Lista de Exercícios - AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com. Lista de Exercícios AV1

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Lista de Exercícios - AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com. Lista de Exercícios AV1 MODELAGEM DE DADOS Lista de Exercícios - AV02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Lista de Exercícios AV1 Questão 1 Uma determinada empresa precisa controlar a alocação de empregados por

Leia mais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

05/06/2012. Banco de Dados. Gerenciamento de Arquivos. Gerenciamento de Arquivos Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelos de Dados

05/06/2012. Banco de Dados. Gerenciamento de Arquivos. Gerenciamento de Arquivos Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelos de Dados Banco de Dados Gerenciamento de Arquivos Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelos de Dados Gerenciamento de Arquivos Gerenciamento de Arquivos 1 Gerenciamento de Arquivos Em uma indústria são executadas

Leia mais

O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados.

O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados. Fases do Projeto de um Banco de Dados Modelo ER O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados. É um modelo baseado na percepção

Leia mais

Apresentação. Unimar - Universidade de Marília F.C.T.

Apresentação. Unimar - Universidade de Marília F.C.T. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados;

Descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados; Diagrama Entidade-Relacionamento (DER) Descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados; Profa. Maria Auxiliadora

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais