EXTREME LDAP POR GABRIEL STEIN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXTREME LDAP POR GABRIEL STEIN"

Transcrição

1 EXTREME LDAP POR GABRIEL STEIN

2 T Ó P I C O S A B O R D A D O S ANATOMIA DE SCHEMAS TRABALHANDO COM BACKEND SQL BOTANDO ORDEM NA CASA: PASSWORD POLICIES OPENLDAP TUNNING

3 Anatomia de Schemas

4 A n a t o m i a d e s c h e m a s Schemas são arquivos texto compostos de vários atributos e objectclasses As objectclasses nos schemas dizem quais os atributos DEVEM e quais os atributos PODEM ter uma entrada Cada atributo e cada objectclass tem um número identificador conhecido como Object Identifier - OID

5 A n a t o m i a d e s c h e m a s - 2 OIDs são fornecidos pela IANA - Schemas definem quais os tipos de comparações serão feitas com atributos(case Sensitive e Case Insensitive)

6 A n a t o m i a d e s c h e m a s MATCHING RULES

7 A n a t o m i a d e s c h e m a s MATCHING RULES São as regras que determinam as comparações dos valores de atributos Comparações podem ser feitas de acordo com a caixa das letras: - Case Sensitive: Sensível a letras maiúsculas e minúsculas(linux é diferente de linux) Exemplo: CaseExactMatch - Case Insensitive: Não sensível a letras maiúsculas e minúsculas(linux é igual a linux) Exemplo: CaseIgnoreMatch

8 A n a t o m i a d e s c h e m a s MATCHING RULES - continuação Comparações podem ser feitas de acordo com o valor do atributo: - Booleanos Exemplo: booleanmatch - Inteiros Exemplo: integermatch

9 A n a t o m i a d e s c h e m a s SINTAXES

10 A n a t o m i a d e s c h e m a s SINTAXES Determinam como os valores dos atributos serão representados; DADO OID DESC. Binary BER/DER data Boolean Booleano Integer Inteiro

11 A n a t o m i a d e s c h e m a s ATRIBUTO

12 A n a t o m i a d e s c h e m a s ATRIBUTO Atributos são componentes responsáveis por armazenar valores numa base; Podem ser herdados de uma objectclass desde que sejam obrigatórios attributetype ( NAME 'serialnumber' DESC 'RFC2256: serial number of the entity' EQUALITY caseignorematch SUBSTR caseignoresubstringsmatch SYNTAX {64} )

13 A n a t o m i a d e s c h e m a s ATRIBUTO Desmembrando parte 1 OID Alias do atributo attributetype ( NAME 'serialnumber' DESC 'RFC2256: serial number of the entity' EQUALITY caseignorematch SUBSTR caseignoresubstringsmatch SYNTAX {64} ) Descrição textual Qualificador do Tipo de Matching Tipo Matching Rule Sintaxe do OID Tamanho / Valor único / Multi-valores

14 A n a t o m i a d e s c h e m a s ATRIBUTO Desmembrando parte 2 No slide anterior, constatamos: O OID da ObjectClass é Esse número identifica unicamente o atributo; O nome do atributo que pode ser utilizado em uma entrada é serialnumber; O parâmetro DESC oferece informações descritivas sobre o atributo, além de referenciar uma RFC, que no caso é a Consultando a RFC, no item 5.6 temos o próprio atributo: 5.6. serialnumber This attribute contains the serial number of a device. ( NAME 'serialnumber' EQUALITY caseignorematch SUBSTR caseignoresubstringsmatch SYNTAX {64} )

15 A n a t o m i a d e s c h e m a s ATRIBUTO Desmembrando parte 3 insistindo... Temos a indicação da utilização de um método de comparação através da diretiva EQUALITY. caseignorematch indica que maiúsculas e minúsculas terão valor igual. Outro método de comparação na busca: SUBSTRing. Também ignora maiúsculas e minúsculas, igualando-as; A diretiva SYNTAX referece ao tipo de dado armazenado. Então, pesquisando a RFC 4517 que descreve isso temos: = PrintableString (O que é isso??) A definição no LDAP de PrintableString: ( DESC 'Printable String' )

16 A n a t o m i a d e s c h e m a s ATRIBUTO Desmembrando parte 4 Continuando, de forma incansável... Continuando a investigar mais sobre o tipo de syntax conhecido como PrintableString na RFC 4517(livre-tradução): O valor da syntax Printable String é uma string de um ou mais caracteres do alfabeto latino, números, pontuação especificados pela regra PrintableCharacter. PrintableCharacter = ALPHA / DIGIT / SQUOTE / LPAREN / RPAREN / PLUS / COMMA / HYPHEN / DOT / EQUALS / E se você ainda está curioso sobre as regras acima... leia a RFC E o valor que está entre chaves na diretiva SYNTAX??

17 A n a t o m i a d e s c h e m a s ATRIBUTO Desmembrando parte 5 E chegando ao final! O último campo da diretiva SYNTAX define qual o tamanho do campo e configurações diversas sobre o valor; Um esqueleto de montagem de atributo: attributetype ( <OID do atributo> [ "NAME" <nome do atrituto> ] [ "DESC" <descrição do atributo> ] [ "OBSOLETE" ] [ "SUP" <OID do atributo ancestral> ] [ "EQUALITY" <regra de comparação> [ "ORDERING" <regra de comparação> [ "SUBSTR" <regra de comparação> ] [ "SYNTAX" <OID da SYNTAX> ] [ "SINGLE-VALUE" ] [ "COLLECTIVE" ] [ "NO-USER-MODIFICATION" whsp ] [ "USAGE" whsp AttributeUsage ] ")"

18 A n a t o m i a d e s c h e m a s OBJECTCLASSES

19 A n a t o m i a d e s c h e m a s OBJECTCLASSES objectclass ( NAME 'inetorgperson' DESC 'RFC2798: Internet Organizational Person' SUP organizationalperson STRUCTURAL MAY (audio $ businesscategory $ carlicense $ departmentnumber $ displayname $ employeenumber $ employeetype $ givenname $ homephone $ homepostaladdress $ initials $ jpegphoto $ labeleduri $ mail $ manager $ mobile $ o $ pager $ photo $ roomnumber $ secretary $ uid $ usercertificate $ x500uniqueidentifier $ preferredlanguage $ usersmimecertificate $ userpkcs12 )

20 A n a t o m i a d e s c h e m a s OBJECTCLASS - InetOrgPerson Possuem um número identificador: OID; Possuem nome; Possuem descrição informativa e referência a RFCs; Existe a herança entre objectclasses, onde uma pode herdar os atributos obrigatórios de outra; São separadas em 3 tipos: STRUCTRAL, AUXILIARY e ABSTRACT; Possuem um conjunto de atributos que uma entrada DEVE ter; Possuem um conjunto de atributos que uma entrada PODE ter;

21 A n a t o m i a d e s c h e m a s OBJECTCLASSES Descrição RFC 2798 Seção 1: Cenário e uso A object class inetorgperson é uma object class de uso geral e que possui atributos sobre pessoas. Os atributos armazenam o que é exigido para acomodar informações típicas na implementação de serviços de internet e intranets;

22 A n a t o m i a d e s c h e m a s OBJECTCLASSES Heranças A diretiva SUP indica que a referida object class herda atributos de outra object class; No exemplo, é indicada a object class organizationalperson seguindo(core.schema): objectclass ( NAME 'organizationalperson' DESC 'RFC2256: an organizational person' SUP person STRUCTURAL Seguindo... objectclass ( NAME 'person' DESC 'RFC2256: a person' SUP top STRUCTURAL MUST ( sn $ cn )

23 A n a t o m i a d e s c h e m a s OBJECTCLASSES Tipos STRUCTURAL: São objectclasses básicas para cada objeto; Exemplo: person AUXILIARY: São objectclasses aditivas, complementam as objectclasses STRUCTURAL; Exemplo: pilotobject ABSTRACT: São utilizadas para definir o modelo básico de dados do LDAP Exemplo: top

24 A n a t o m i a d e s c h e m a s OBJECTCLASSES Relações de Atributos MUST: Atributos que são obrigatórios quando uma object class é referenciada numa entrada na base, ou quando existem heranças em outras objectclass; MUST ( sn $ cn ) MAY: Atributos que são opcionais quando uma object class é referenciada na base; MAY (audio $ businesscategory $ carlicense $ departmentnumber $ displayname $ employeenumber)

25 Trabalhando com Backend SQL

26 B a c k e n d S Q L O backend SQL não é para ser utilizado para criar primeira porção da árvore LDAP, mas sim dados relacionais, utilizando MySQL, PostgreSQL; O overhead feito pelo ODBC e o mapeamento do modelo de dados relacional para o modelo de dados LDAP que deve ser feito pela própria database relacional, o que limita a performance do back-sql;.

27 B a c k e n d S Q L Configuração Compilação Deve ser atribuída a opção enable-sql junto com o script configure do pacote fonte do OpenLDAP; O suporte OpenLDAP SQL requer que as bibliotecas iodbc ou as bibliotecas unixodbc estejam instaladas no sistema;

28 B a c k e n d S Q L Conceitos de mapeamento O back-sql utiliza um conjunto de tabelas na própria database relacional para armazenar informação em qual tabela e campos correspondem a um determinado atributo LDAP e quais chaves correspondem a um determinado objeto LDAP; As chaves na database devem ser inteiros(o que é o padrão) O conceito de mapeamento requer inúmeros joins numa tabela, então indexar campos chave é essencial para uma melhor performance;

29 B a c k e n d S Q L Inserção de dados no banco O pacote fonte do OpenLDAP possui um diretório com o nome de rdbm_depends que contém inúmeros scripts sql para preencher a database relacional; Existem versões desses scripts sql para MySQL, PostgreSQL, Oracle...

30 B a c k e n d S Q L Mapeamento de ObjectClasses tabela: ldap_oc_mappings CREATE SEQUENCE ldap_oc_mappings_id_seq; CREATE TABLE ldap_oc_mappings ( id int4 NOT NULL PRIMARY KEY DEFAULT nextval ('ldap_oc_mappings_id_seq'), name varchar(64) NOT NULL, keytbl varchar(64) NOT NULL, keycol varchar(64) NOT NULL, create_proc varchar(255), delete_proc varchar(255), expect_return int NOT NULL ); objectclass chave(inteiro Stored procedure para remover objetos das tabelas RDBM baseado na chave(valor inteiro)

31 B a c k e n d S Q L Mapeamento de Atributos tabela: ldap_attr_mappings CREATE SEQUENCE ldap_attr_mappings_id_seq; CREATE TABLE ldap_attr_mappings ( id int4 NOT NULL PRIMARY KEY default nextval('ldap_attr_mappings_id_seq'), oc_map_id int4 NOT NULL, name varchar(255) NOT NULL, sel_expr varchar(255) NOT NULL, sel_expr_u varchar(255), from_tbls varchar(255) NOT NULL, join_where varchar(255), Expressão utilizada para joins diversos lista de tabelas envolvidas numa consulta separadas por vírgula id da objectclass correspondente na tabela ldap_oc_mappings atributo expressão para o select(tabela.ca mpo)

32 B a c k e n d S Q L Mapeamento de Atributos tabela: ldap_attr_mappings add_proc varchar(255), delete_proc varchar(255), param_order int NOT NULL, expect_return int NOT NULL, FOREIGN KEY (oc_map_id) REFERENCES ldap_oc_mappings(id) ); Store Procedure para adicionar um valor para esse atributo dando um id de objeto e um id. Store Procedure para apagar o objeto e o seu id.

33 B a c k e n d S Q L Mapeamento de dn tabela: ldap_entries CREATE SEQUENCE ldap_entries_id_seq; CREATE TABLE ldap_entries ( id int4 NOT NULL PRIMARY KEY DEFAULT nextval('ldap_entries_id_seq'), dn varchar(255) NOT NULL UNIQUE, -- dn_ru varchar(255), oc_map_id int4 NOT NULL, parent int NOT NULL, keyval int NOT NULL, UNIQUE (oc_map_id,keyval), dn Virtual id da object class em ldap_oc_mappingsr id de referência do parent para fazer o mapeamento correto do objeto. Raiz da base: 0 Valor inteiro para mapear o objeto a dn atual FOREIGN KEY (oc_map_id) REFERENCES ldap_oc_mappings (id) );

34 B a c k e n d S Q L Mapeamento de ObjectClasses tabela: ldap_entry_objclasses CREATE TABLE ldap_entry_objclasses ( entry_id int4 NOT NULL, oc_name varchar(64), FOREIGN KEY (entry_id) REFERENCES ldap_entries(id) ); id do objeto virtual da tabela ldap_entries nome da object class O campo oc_map_id da tabela ldap_entries permite o mapeamento de apenas 1 object class, mas essa tabela trabalha para que mais objectclasses sejam utilizadas em um objeto.

35 Password Policies

36 P a s s w o r d P o l i c i e s Possibilita fazer um controle de senha dos usuários da base; Permite controlar o vencimento da senha, tamanho mínimo, histórico, qualidade da senha; O OpenLDAP deve ser compilado para que o overlay funcione. Na configuração da compilação(./configure) deve ser habilitado o password policy com o enable-ppolicy; Após a compilação, deve ser referido o schema ppolicy.schema no slapd.conf; Outra configuração slapd.conf: overlay ppolicy ppolicy_default "cn=default,ou=policies,dc=tchelinux,dc=org"

37 P a s s w o r d P o l i c i e s Exemplo de entrada na base: dn: cn=gabriel,ou=usuarios,ou=policies,dc=tchelinux,dc=org objectclass: pwdpolicy objectclass: top objectclass: device cn: gabriel pwdattribute: userpassword pwdmaxage: pwdexpirewarning: pwdinhistory: 6 pwdcheckquality: 1 pwdminlength: 8 pwdmaxfailure: 4 pwdlockout: TRUE pwdlockoutduration: 1920 pwdgraceauthnlimit: 0 pwdfailurecountinterval: 0 pwdmustchange: TRUE pwdallowuserchange: TRUE pwdsafemodify: TRUE

38 Dicas

39 D i c a s Use e abuse de índices; Preste atenção na configuração do banco(db_config); Use replicação sempre! Mantenha sempre o backup atualizado; Um bom planejamento é fundamental; O OpenLDAP possui inúmeras funcionalidades, portanto, existem inúmeras formas da implementação do serviço de diretório; Criptografia de dados!! Log separado ==> (syslog.conf) diretiva local4.* -/var/log/ldap.log Para uma boa performance, use filesystem journalized e mantenha o journal em outra partição;

40 ????? MUITO OBRIGADO!!!?

LDAP. Laboratório de Computação Científica UFMG

LDAP. Laboratório de Computação Científica UFMG LDAP Laboratório de Computação Científica UFMG Sumário Diretórios Introdução ao LDAP Modelos do LDAP Formato LDIF Distribuição Replicação Diretórios Diretórios Visão Geral O que um diretório faz? O que

Leia mais

Entendendo o OpenLDAP. Por GABRIEL STEIN

Entendendo o OpenLDAP. Por GABRIEL STEIN Por GABRIEL STEIN CONCEITOS ABORDADOS Conceito de diretório / Serviço de diretório Organização Hierárquica - Árvore LDAP Histórico Características Atributos ObjectClasses Schemas Entrada DNs Arquivos LDIF

Leia mais

Serviço de Diretórios com OpenLDAP. Marcos Sungaila marcos@savant.com.br

Serviço de Diretórios com OpenLDAP. Marcos Sungaila marcos@savant.com.br Serviço de Diretórios com OpenLDAP Marcos Sungaila marcos@savant.com.br LDAP Por que LDAP Conceitos básicos Instalando e Configurando o OpenLDAP Criando a estrutura do Diretório Trabalhando com senhas

Leia mais

Actualização do Esquema do AD - v4.2 IPBrick iportalmais

Actualização do Esquema do AD - v4.2 IPBrick iportalmais Actualização do Esquema do AD v4.2 IPBrick iportalmais Julho 2007 2 Copyright c iportalmais Todos os direitos reservados. Julho 2007. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

NetIQ edirectory 8.8 SP8

NetIQ edirectory 8.8 SP8 NetIQ edirectory 8.8 SP8 Guia de Ajuste Setembro de 2013 Informações legais ESTE DOCUMENTO E O SOFTWARE DESCRITO NESTE DOCUMENTO SÃO FORNECIDOS MEDIANTE E ESTÃO SUJEITOS AOS TERMOS DE UM CONTRATO DE LICENÇA

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia OpenLDAP básico -, 2009.1 Licença de uso e distribuição

Leia mais

SQL. Definição do Esquema da Base de Dados. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática

SQL. Definição do Esquema da Base de Dados. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL Definição do Esquema da Base de Dados Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL - Esquema da base de dados Definição das tabelas Definição das chaves primárias Definição

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

Lista de Figuras. Acrónimos

Lista de Figuras. Acrónimos Conteúdo Conteúdo Lista de Figuras Acrónimos i iii v 1 LDAP 1 1.1 Enquadramento Histórico.................... 1 1.2 Protocolos X.500 e DAP..................... 3 1.2.1 X.500............................

Leia mais

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados Capitulo 2 1. MODELO LÓGICO DE BANCO DE DADOS... 2 1.1 Definição... 2 1.2 Mapeando o modelo conceitual para o modelo lógico... 2 1.2 Dicionário de dados... 3 2. MODELO FÍSICO DO BANCO DE DADOS... 4 2.1

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

UNIVERSIDADE FUMEC FACULDADE DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS - FACE BRENO DA SILVA AMARAL

UNIVERSIDADE FUMEC FACULDADE DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS - FACE BRENO DA SILVA AMARAL UNIVERSIDADE FUMEC FACULDADE DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS - FACE BRENO DA SILVA AMARAL LDAP: Centralização e disponibilidade de informações BELO HORIZONTE 2010 BRENO DA SILVA AMARAL LDAP: Centralização e disponibilidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127

Descrição Tinyint[(M)] Inteiro pequeno. Varia de 128 até +127 Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

Implantação do Ambiente fone@rnp no PoP-PI

Implantação do Ambiente fone@rnp no PoP-PI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUI UESPI CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICA CCET BACHARELADO EM CIENCIA DA COMPUTAÇÃO Implantação do Ambiente fone@rnp no PoP-PI Gustavo Soares de Melo Teresina Dezembro/2006

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

Regras de Integridade. Profa. Késsia Marchi

Regras de Integridade. Profa. Késsia Marchi Regras de Integridade Restrições de Integridade Integridade refere-se a precisão ou correção de dados em um banco de dados; Restrição refere-se a impor uma condição para qualquer atualização. Antes de

Leia mais

Persistência de Classe e Auto- Relacionamento em Tabelas de Banco de Dados

Persistência de Classe e Auto- Relacionamento em Tabelas de Banco de Dados UTFPR DAELN - Disciplina de Fundamentos de Programação II ( IF62C ). 1 Persistência de Classe e Auto- Relacionamento em Tabelas de Banco de Dados 1) Introdução! Em algumas situações, pode ser necessário

Leia mais

PostgreSQL Exemplo MDI

PostgreSQL Exemplo MDI PostgreSQL Exemplo MDI Nesta aula criaremos uma aplicação uma base de dados simples para cadastro de Clientes e Estados. Trabalharemos com o Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) PostgreSQL. E este

Leia mais

LDAP: Usos e Aplicações

LDAP: Usos e Aplicações LDAP: Usos e Aplicações Daniel Novais Martins CNPTIA/Embrapa VI Seminário de Capacitação Interna dnovais@correionet.com.br LDAP: Usos e Aplicações Relembrando Vantagens/Limitações Elementos de uma solução

Leia mais

Lightweight Directory Access Protocol LDAP

Lightweight Directory Access Protocol LDAP Carlos Fernando Papotti RA : 02131282 José Ricardo M. Bevilacqua RA : 02534626 Julio César Costa Marcondes RA : 02121069 Raul Baldin RA : 02088243 Lightweight Directory Access Protocol LDAP Tópicos em

Leia mais

1. Domínio dos Atributos

1. Domínio dos Atributos Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Domínio dos Atributos Por domínio, ou tipo, pode-se entender como a maneira como determinado atributo (ou campo, se tratando

Leia mais

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados SQL Linguagem de Definição de Dados Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre

Leia mais

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL Linguagem SQL Sub-linguagem DDL A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language para suas

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas O que é PHP? Acrônimo de PHP: Hipertext Language PostProcessor Inicialmente escrita para o desenvolvimento de aplicações Web Facilidade para iniciantes e recursos poderosos para programadores profissionais

Leia mais

Análise e Concepção de Sistemas de Informação

Análise e Concepção de Sistemas de Informação Análise e Concepção de Sistemas de Informação UML Modelação de Dados Alberto Manuel Rodrigues da Silva Prof. DEI/IST/UTL Agenda Enquadramento e Problema Modelação de Dados em UML no Processo de Desenho

Leia mais

(1,n) venda. (1,1) realizacao. cliente. (0,n) (1,1) contem. produto. Laboratório de Banco de Dados Exercicios

(1,n) venda. (1,1) realizacao. cliente. (0,n) (1,1) contem. produto. Laboratório de Banco de Dados Exercicios Laboratório de Banco de Dados Exercicios Modelo conceitual segundo notação de Peter Chen cliente (1,1) realizacao (1,n) venda (0,n) produto (1,1) contem Modelo conceitual gerado pela CASE Dezign for Database

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

SQL. Structured Query Language

SQL. Structured Query Language SQL Structured Query Language Construções básicas Junção de Tabelas Join O uso da operação JOIN numa cláusula FROM especifica como se deseja que as tabelas sejam vinculadas. Use INNER JOIN para associar

Leia mais

SQL - Criação de Tabelas

SQL - Criação de Tabelas SQL - Criação de Tabelas André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) SQL - Criação de Tabelas February 24, 2012 1 / 25 Sumário 1 Introdução 2 Tabelas

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 13/11/2009 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Passos para a instalação do SQL Server O MS SQL Server Conceitos relacionais Bancos de dados

Leia mais

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010 BANCO DE DADOS: SQL UERN - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Departamento de Ciências da Computação. 27 de janeiro de 2010 índice 1 Introdução 2 3 Introdução SQL - Structured Query Language

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Classes de Entidades Persistentes JDB

Classes de Entidades Persistentes JDB Classes de Entidades Persistentes JDB Brasil, Natal-RN, 07 de setembro de 2011 Welbson Siqueira Costa www.jdbframework.com Nota de Retificação: em 11/12/2011 a Listagem 3 desse tutorial sofreu uma pequena

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Nome Número: Série Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Proposta do projeto: Competências: Compreender a orientação a objetos e arquitetura cliente-servidor, aplicando-as

Leia mais

Iniciando o MySQL Query Brower

Iniciando o MySQL Query Brower MySQL Query Brower O MySQL Query Browser é uma ferramenta gráfica fornecida pela MySQL AB para criar, executar e otimizar solicitações SQL em um ambiente gráfico. Assim como o MySQL Administrator foi criado

Leia mais

Projeto de Banco de Dados: Empresa X

Projeto de Banco de Dados: Empresa X Projeto de Banco de Dados: Empresa X Modelo de negócio: Empresa X Competências: Analisar e aplicar o resultado da modelagem de dados; Habilidades: Implementar as estruturas modeladas usando banco de dados;

Leia mais

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents Banco de dados Linguagens de Banco de Dados II 1 Linguagem de Definição de Dados - DDL Comandos utilizados para criação do esquema de dados; Um DDL permite ao utilizador definir tabelas novas e elementos

Leia mais

Disponibilização do Serviço de Diretório (LDAP) para autenticação de usuários da comunidade UNICAMP

Disponibilização do Serviço de Diretório (LDAP) para autenticação de usuários da comunidade UNICAMP Disponibilização do Serviço de Diretório (LDAP) para autenticação de usuários da comunidade UNICAMP O que é Serviço de Diretório? Um serviço de diretório é um software que armazena e organiza informações

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis.

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis. UNISA Universidade de Santo Amaro http://www.unisa.br Material de Estudo Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server http://www.unisa-sis.info Junho/2010 Objetivo do Workshop Compartilhar e apresentar

Leia mais

MYSQL: TIPOS DE DADOS. Gilvan Vieira Moura E-mail: gilvansistema@hotmail.com

MYSQL: TIPOS DE DADOS. Gilvan Vieira Moura E-mail: gilvansistema@hotmail.com MYSQL: TIPOS DE DADOS Gilvan Vieira Moura E-mail: gilvansistema@hotmail.com TIPOS DE DADOS Bancos de dados, como falamos anteriormente, armazenam dados dentro de tabelas, na forma de linhas e colunas.

Leia mais

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre ROTEIRO PARA O 3º TRIMESTRE 1. O MySQL DDL SQL 1. Como funciona o MySQL 2. Como criar um banco de dados no MySQL 3. Como criar tabelas: comandos

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. MySQL 5. Juliano Niederauer Rubens Prates. Novatec Editora

Guia de Consulta Rápida. MySQL 5. Juliano Niederauer Rubens Prates. Novatec Editora Guia de Consulta Rápida MySQL 5 Juliano Niederauer Rubens Prates Novatec Editora Copyright 2006 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Instituto Educacional de Castro Tecnologia em Sistemas para Internet

Instituto Educacional de Castro Tecnologia em Sistemas para Internet Instituto Educacional de Castro Tecnologia em Sistemas para Internet Profº. Luciano R. Rocha INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE BANCO DE DADOS TIPOS DE DADO Nome Aliases Descrição bigint int8 inteiro de oito bytes

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

1 R$ 50,00 R$ 50,00 reusable object-oriented software 2 Utilizando UML e padrões: uma

1 R$ 50,00 R$ 50,00 reusable object-oriented software 2 Utilizando UML e padrões: uma AUTOR: CESAR AUGUSTO TACLA CRIAÇÃO: 20/5/200 8:24 ÚLTIMA ALTERAÇÃO: 2/5/20 5: TRABALHO DE PADRÕES DE PROJETO ESPECIALIZAÇÃO JAVA 20 INSTRUÇÕES. O trabalho será feito aula a aula de acordo com a matéria

Leia mais

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) )

CREATE TABLE AUTOR ( cod_autor int not null primary key, nome_autor varchar (60) ) TADS Exercício Laboratório I Analise o modelo de banco de dados abaixo: MUSICA FAIXA Codigo_Musica: INTEGER Nome_Musica: VARCHAR(60) Duracao: NUMERIC(6,2) Codigo_Musica: INTEGER (FK) Codigo_CD: INTEGER

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Objetivos: Criar restrições para atributos, chaves primárias e estrangeiras; Explorar consultas SQL com uso de

Leia mais

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes Banco de dados 1 Linguagem SQL DDL e DML Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: Introdução à linguagem de dados; DDL; DML; CRUD; Introdução à linguagem SQL. 2 Por que precisamos da linguagem SQL? A algebra

Leia mais

BANCO DE DADOS I. Exercícios

BANCO DE DADOS I. Exercícios BANCO DE DADOS I Exercícios Nos próximos slide estão apresentados um modelo ER parcial de uma fábrica e o seu respectivo modelo Relacional. O esquema da base de dados relacional contém os nomes das tabelas,

Leia mais

Segurança de Dados no PostgreSQL

Segurança de Dados no PostgreSQL Segurança de Dados no PostgreSQL Objetivos Objetivo instruir usuários iniciantes na utilização dos recursos do PostgreSQL que contribuem para a segurança da informação. Os participantes conhecerão também

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

Operação de União JOIN

Operação de União JOIN Operação de União JOIN Professor Victor Sotero SGD 1 JOIN O join é uma operação de multi-tabelas Select: o nome da coluna deve ser precedido pelo nome da tabela, se mais de uma coluna na tabela especificada

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Banco de Dados LDAP Rodrigo Rubira Branco - rodrigo@firewalls.com.br O que é Serviço de Diretorio? Banco de dados especializado em armazenar informações sobre objetos Caracteristicas

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

XPath. Vanessa Braganholo. Curso baseado em mini-cursos apresentados no SBBD. Autores: Carlos Heuser, Carina Dorneles e Vanessa Braganholo

XPath. Vanessa Braganholo. Curso baseado em mini-cursos apresentados no SBBD. Autores: Carlos Heuser, Carina Dorneles e Vanessa Braganholo XPath Vanessa Braganholo Curso baseado em mini-cursos apresentados no SBBD. Autores: Carlos Heuser, Carina Dorneles e Vanessa Braganholo XPath Especificação: http://www.w3.org/tr/xpath Uma expressão XPath

Leia mais

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi Introdução ao PHP Prof. Késsia Marchi PHP Originalmente PHP era um assíncrono para Personal Home Page. De acordo com convenções para atribuições de nomes recursivas do GNU foi alterado para PHP Hypertext

Leia mais

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação.

Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de cada relação. Mecanismo usado para mais fácil e rapidamente aceder à informação existente numa base de dados. Bases de Dados de elevadas dimensões. Consistem num conjunto de apontadores para instâncias especificas de

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL.

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2012 Edição 7 Listando e Gravando Listando itens em ComboBox e gravando os dados no

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Mini-Howto Compilando o Pure ftpd com suporte ao OpenLDAP

Mini-Howto Compilando o Pure ftpd com suporte ao OpenLDAP Mini-Howto Compilando o Pure ftpd com suporte ao OpenLDAP Autor: André Alexandre Gaio aagaio (at) linwork.com.br O que é o pure-ftpd??? Pure-FTPd é um servidor de ftp rápido, estável, concordante com o

Leia mais

Banco de Dados. PostgreSQL

Banco de Dados. PostgreSQL Banco de Dados PostgreSQL 2010 Banco de Dados PostgreSQL Banco de Dados II Equipe: Equipe Postgre Líder: Alexandre Strauss... 01 Aline Cássia Lima dos Santos... 02 Erik Machado... 09 Fernando Gomes Brandão...

Leia mais

Linguagem SQL (Parte II)

Linguagem SQL (Parte II) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte II Introdução

Leia mais

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br INTRODUÇÃO AO SQL Ferramentas brmodelo Ferramenta Case PostgreSQL versão 8 ou superior SGBD Em 1986 o American

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET PROJETO DE BANCO DE DADOS

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET PROJETO DE BANCO DE DADOS Exemplos de Scripts SQL (PostgreSQL) Pizzaria 1 2 Criação de BANCO DE DADOS CREATE DATABASE nome_do_banco; CREATE DATABASE pizzaria; Criação de TABELAS SOMENTE COM CHAVE PRIMÁRIA CREATE TABLE nome_da_tabela

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL)

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva SQL (MySql) ROTEIRO I PARTE - INTRODUÇÃO AO SQL COMANDOS E SUAS PARTES DA LINGUAGEM SQL II PARTE ADMINSTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO MYSQL PRINCIPAIS INSTRUÇÕES

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

Administração de Clientes. Treinamento OTRS Help Desk

Administração de Clientes. Treinamento OTRS Help Desk Administração de Clientes Treinamento OTRS Help Desk Sumário Licenciamento deste Manual/Documento...3 Administração de Clientes e Empresas...4 Adicionando Clientes e Gerenciando Clientes...5 Adicionando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA RESUMO DE AULA CRIAÇÃO E MANIPULAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

Sistemas de Arquivos NTFS

Sistemas de Arquivos NTFS Sistemas de Arquivos NTFS Apresentação Desenvolvido pela Microsoft na década de 80 para o Windows NT Baseado no HPFS da IBM Versões NTFS 1.1(ou 4) NTFS NTFS 5 Sistema de Arquivos NTFS Unidade fundamental

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

Principal: construir uma base de dados para produção de informações sobre internações hospitalares;

Principal: construir uma base de dados para produção de informações sobre internações hospitalares; Principal: construir uma base de dados para produção de informações sobre internações hospitalares; Específicos: - criar um banco de dados para armazenar registros sobre internações hospitalares; - produzir

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS Esclarecimento Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2012 da NRSYSTEM COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA-ME, consiste de uma compilação de diversos materiais entre livros,

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

Bases de Dados 1º semestre

Bases de Dados 1º semestre DepartamentodeEngenhariaInformática 2008/2009 BasesdeDados1ºsemestre Lab1:Introduçãoaoambiente O ficheiro create bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dadosdeexemploilustradanafigura1.

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA DEFINIÇÃO DE OBJETOS DE BANCO DE DADOS E DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO QUE CONSTITUEM O BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA PARA DEFINIÇÃO DE OBJETOS DE BANCO DE DADOS E DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO QUE CONSTITUEM O BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA PARA DEFINIÇÃO DE OBJETOS DE BANCO DE DADOS E DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO QUE CONSTITUEM O BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.04.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.04.01.pdf

Leia mais

ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar

ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar Grupo: Leonardo; Ronaldo; Lucas; Gustavo; Fabio. 2º Informática Tarde 2º Semestre de 2009 Introdução O PostgreSQL é um SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados) objeto-relacional

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

RELACIONAMENTOS ENTRE OS OBJETOS NO FRAMEWORK HIBERNATE Elio Lovisi Filho 1 Ronney Moreira de Castro 2 RESUMO

RELACIONAMENTOS ENTRE OS OBJETOS NO FRAMEWORK HIBERNATE Elio Lovisi Filho 1 Ronney Moreira de Castro 2 RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 10, JAN/JUN 2011 RELACIONAMENTOS ENTRE OS OBJETOS NO FRAMEWORK HIBERNATE

Leia mais

Curso PHP Aula 08. Bruno Falcão brunogfalcao@gmail.com

Curso PHP Aula 08. Bruno Falcão brunogfalcao@gmail.com + Curso PHP Aula 08 Bruno Falcão brunogfalcao@gmail.com + Roteiro Conectividade com BD SQL + SQL Structured Query Language. Padrão para interagir com banco de dados relacionais. + Banco de dados Um banco

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Linguagem SQL: Introdução; Construção/Definição de tabelas. 2 Linguagem SQL SQL - Structured Query Language;

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando nossas aulas sobre

Leia mais

LUMEWare 1.0 MANAUS 2009

LUMEWare 1.0 MANAUS 2009 LUMEWare 1.0 MANAUS 2009 Sumário Manual do Sistema...1 1 Apresentação...2 1.1 Breve Descrição...2 1.2 Características...2 2 Propósito do Documento...3 2.1 Introdução...3 3 Implantação...4 3.1 Banco de

Leia mais

Bases de Dados. O ficheiro create-bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo ilustrada na figura 1.

Bases de Dados. O ficheiro create-bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo ilustrada na figura 1. Departamento de Engenharia Informática 2008/2009 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro create-bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais