Avaliando o Desempenho do SGBD PostgreSQL considerando os diferentes sistemas de arquivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliando o Desempenho do SGBD PostgreSQL considerando os diferentes sistemas de arquivos"

Transcrição

1 Avaliando o Desempenho do SGBD PostgreSQL considerando os diferentes sistemas de arquivos Tácio Castanhede, Sérgio Luís Dill, Edson Luiz Padoin, Paulo Sausen, Robinson Camargo Departamento de Tecnologia Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ) Ijuí, RS - Brasil Resumo. A análise de um sistema computacional é realizada através de resultados gerados por aplicações de testes dos benchmarks. Estes seguindo alguns padrões de configuração geram medidas quantitativas de desempenho, capazes de serem comparadas com outros sistemas. Os benchmarks em ambientes computacionais são utilizados para determinar o desempenho de sistemas operacionais, banco de dados, e outros em utilização. O objetivo deste trabalho é realizar os cálculos de desempenho das funcionalidades de um banco de dados. A proposta do trabalho é apresentar um estudo comparativo de desempenho do bancos de dados PostgreSQL em plataformas GNU/Linux, utilizando o TPC-H. Palavras-Chave: Desempenho, PostgreSQL, Sistema GNU/Linux. Abstract. The analysis of a computer system is conducted through the results generated by applications of the benchmark tests. These standards following some configuration generate quantitative measures of performance, capable of being compared to other systems. The benchmarks in computing environments are used to determine the performance of operating systems, database, and others in use. The objective of this study is to perform the calculations of the performance of the functions of a database. The proposed work is to present a comparative study of performance of databases PostgreSQL platforms on Linux, using the TPC-H. Keyboards: Performance, PostgreSQL, System GNU/Linux. 1. Introdução Dentro de um ambiente de trabalho como administrador de banco de dados existe uma necessidade de realizar avaliações entre sistemas, sendo muitas vezes necessária a utilização de algum benchmark. Isto junto a um conjunto de técnicas existentes torna-se possível obter um melhor desempenho do sistema frente a uma determinada carga de trabalho. Para efetuar o ajuste, o DBA utiliza de princípios e conhecimento empírico no que tange ao contexto da aplicação a que se destinam os dados e do próprio funcionamento do SGBD. A proposta deste trabalho é apresentar um estudo comparativo de desempenho do SGBD PostgreSQL, em plataforma GNU/Linux, utilizando o benchmark TPC-H. Assim, pretende-se identificar qual o sistema de arquivo que oferece melhor desempenho em duas diferentes configurações, padrão e personalizada.

2 Trabalhos Correlatos A maioria dos resultados comparando desempenho de SGBD de código livre foi produzida através de uma ampla variedade de benchmarks e estes resultados são muitas vezes contraditórios e tendenciosos. Isto devido que, os SGBD muitas vezes são testados utilizando seus próprios benchmarks, onde assim, os resultados tendem a apresentar o melhor desempenho sob seus próprios benchmarks. Os estudos apresentados em GreatBridge e MySQL comparam o desempenho dos SGBD PostgreSQL e MySQL, exibindo resultados contrários. Em [GreatBridge 2000] o PostgreSQL mostra-se superior, porém, por estar ligado a uma fornecedora de soluções deste SGDB, o resultado é contestado [Wideneus 2000]. O comportamento repete-se em favor do MySQL no trabalho [MySQL 2005]. 2. Sistemas Gerenciadores de Banco de dados Um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados é uma coleção de programas que permitem ao usuário definir, construir e manipular Bases de Dados para as mais diversas finalidades. Um conceito que deverá ficar bastante claro inicialmente é o que envolve a separação clara entre os Gerenciadores de Base de Dados dos Gerenciadores de Arquivo. 3.1 SGBD PostgreSQL É um SGBD objeto-relacional de código aberto derivado do projeto POSTGRES, da Universidade de Berkeley. Atualmente é desenvolvido por um grupo que envolve empresas e pessoas de várias partes do mundo, estando disponível sob a flexível licença BSD. Devido à sua licença liberal, pode ser utilizado, modificado e distribuído por qualquer pessoa para qualquer finalidade, seja privada, comercial ou acadêmica, livre de encargos. Foi o pioneiro em muitos conceitos objeto-relacional que agora estão se tornando disponíveis em alguns bancos de dados comerciais. Os Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Relacionais (SGBDR) tradicionais suportam um modelo de dados que consiste em uma coleção de relações com nome, contendo atributos de um tipo específico. Nos sistemas comerciais em uso, os tipos possíveis incluem número de ponto flutuante, inteiro, cadeia de caracteres, monetário e data. De acordo com Aires (2006), o modelo relacional substituiu com sucesso os modelos anteriores em parte devido à sua simplicidade. Ele é considerado objetorelacional por aplicar, além das características de um SGBD relacional, algumas características de orientação a objetos, como herança e tipos personalizados. O PostgreSQL é um descendente de código fonte aberto, que suporta grande parte do padrão SQL:2003, além de serem oferecidas muitas funcionalidades modernas, como: comandos complexos, chaves estrangeiras, gatilhos, visões, integridade transacional. 3. Sintonia em Banco de Dados O DBA antes de realizar alterações nas configurações do SGBD, deve considerar fatores externos ao SGBD tais como o hardware e o software disponíveis ao SGBD.

3 Toda otimização, pretende aumentar a capacidade do computador de processar os dados (throughput) do sistema, diminuindo a contenção, e fazendo com que se tenha à capacidade de executar uma carga de trabalho maior imposta ao SGBD (workload), no mesmo intervalo de tempo. Primeiramente deve-se avaliar se o hardware é adequado ao workload e se o sistema operacional é capaz de gerenciar de forma satisfatória o escalonamento gerado pelos threads, onde um processo é dividido em duas ou mais tarefas onde sejam executadas simultaneamente, considerando a memória disponível e principalmente a concorrência gerada por outros processos. Melhorar o hardware é a opção que trará um retorno benéfico visivelmente mais rápido. Entretanto, antes de realizar um investimento financeiro, deve-se verificar uma possível melhora no desempenho através dos recursos disponíveis, principalmente na realocação de memória para o SGBD. 4. Sistemas de arquivos Por meio dos sistemas de arquivos, ocorre a gravação e a recuperação dos dados em um dispositivo de armazenamento em um computador. O sistema de arquivos é independente do hardware e da BIOS, sendo especificado pelo software do sistema operacional no momento da instalação do sistema ou na configuração de dispositivos de armazenamento adicionais posteriormente à instalação ReiserFS O ReiserFS é um dos sistemas de arquivos com suporte a journaling mais rápidos. Suas principais características são: a) possuir tamanho de blocos variáveis; b) Suporte a arquivos maiores que 2 Gigabytes e; c) O acesso mhash a árvore de diretórios é um pouco mais rápida que o ext3 [Alecrim 2007]. Usa árvores balanceadas para tornar o processo de busca mais eficiente. Para arquivos muito pequenos, seus dados podem ser armazenados próximos aos metadados, então, ambos podem ser recuperados em uma única operação de leitura. Essa propriedade melhora o desempenho caso uma aplicação necessite abrir muitos arquivos pequenos rapidamente. Outra grande vantagem do ReiserFS é a alocação dinâmica de i- nodes (identidade de um arquivo ou diretório, é uma identificação única), já que esse sistema de arquivos não os aloca em espaços fixos ou blocos e sim, aloca o tamanho exato que o arquivo precisa Ext3 O sistema de arquivos ext3 é basicamente o sistema de arquivos ext2 com recursos de journaling. O journaling usa uma camada chamada "Journaling Block Device" (JBD), funcionando como uma entidade independente, permitindo que não só o ext3 a use, mas também outros sistemas de arquivos [Alecrim 2007]. O Ext3 diferencia do ReiserFS na maneira como guarda os registros no LOG. Enquanto o ReiserFS guarda apenas informações dos metadados, o Ext3 guarda não só as informações como também os dados do arquivo. O padrão do Ext3 é o modo ordered, sendo que, graças a este modo de trabalho, uma perda de dados do arquivo é reduzida.

4 4.3. JFS Além de possuir journal, permite que as partições do sistema sejam redimensionadas sem a necessidade de desligar o computador. O sistema é extremamente rápido, permitindo que seja trabalhado com uma grande quantia de dados, sendo superior aos demais sistemas de arquivos. Também usa a estrutura i-node para armazenar a localização dos blocos de cada arquivo nas estruturas físicas do disco. Estes blocos podem variar de 512 a 4096 bytes, e sua alocação é dinâmica XFS É um sistema de arquivos muito rápido na gravação. Considerado um dos melhores sistemas de arquivos para banco de dados. Possui um sistema de arquivos com journaling de metadados que vem com um robusto conjunto de funções para otimização por escalabilidade. Entretanto é recomendado usar este sistema de arquivos em sistemas rodando Linux com equipamento SCSI de ponta e/ou armazenamento em canais de fibra e fonte de energia sem interrupção. Pelo fato de o XFS criar caches agressivamente de dados em uso na memória RAM, programas mal desenhados (que não tomam precauções na hora de escrever os arquivos em disco) podem perder uma grande quantidade de dados se o sistema for desligado sem aviso. 4. O Método TPC-H O método transaction processing council foi criado para estabelecer padrões de benchmarks através de rigorosos critérios e normas, a fim de obter informações a respeito do desempenho de processamento de transações e de bancos de dados suportado por um determinado hardware. Os membros do TPC são funcionários de várias empresas associadas ao TPC. Dentre os vários métodos que este conselho mantém, destaca-se o método TPC-H, o qual tem por finalidade simular e avaliar o desempenho de um ambiente de Data Warehouse [TPC 2008]. Os testes do método TPC-H são realizados sob uma estrutura padrão compostos por oito tabelas, sendo seis tabelas dimensionais e duas de fatos. Para a geração da população destas tabelas o TPC-H disponibiliza dois utilitários, DBGen e QGen. Um para gerar a carga de dados, que através de um dicionário de dados pré-definidos é capaz de criar bases de dados que variam de 1GB até 1 TB, e outro para gerar as consultas para a execução dos testes. 5. Estudo de caso O estudo de caso foi realizado sob os SGBD PostgreSQL na versão 8.3.3, mostrando como é possível melhorar o desempenho através das as alterações das variáveis contidas no arquivo de configuração do mesmo. Também serão abordados testes sob diferentes sistemas de arquivos para que seja verificado qual deles apresenta melhor desempenho para uma determinada carga de trabalho.

5 5.1 Ambiente Através do método TPC-H, pode-se verificar as configurações até então pré-definidas. A partir destas, é possível melhorá-las e também identificar se os sistemas de arquivos estão exercendo uma degradação no desempenho do SGBD. Para o estudo, foi utilizado o mesmo hardware em todos os testes e também os mesmos processos em execução. A etapa inicial consiste na instalação do sistema operacional GNU/Linux OpenSuse 10.3 com swap de 512Mb, versão do kernel Os sistemas de arquivos em uso foram: ReiserFS, XFS, JFS e o EXT3. A base de dados gerada pelo DBGEN foi com o fator de escala de 1 GB, e adotou-se as consultas 2,10 e 19. As consultas escolhidas da lista gerada pelo utilitário QGEN (fornecido pelo TPCH) serão apresentas nos testes por C1, C2 e C3. Além das consultas, foram modificadas as variáveis de configuração do SGBD, sendo apresentadas através da Tabela 1. PostgreSQL Variáveis Padrão Personalizada Shared_buffers Work_memory Sort_mem Checkpoint_segments 3 5 Checkpoint_warning 30 0 Effective_cache_size 0 240M Tabela 1. Variáveis alteradas no SGBD A partir das configurações propostas na Tabela 1, é efetuado um comparativo expressos em porcentagem do tempo de melhora, relacionados à carga de dados e nas consultas em execução. No Gráfico 1, pode-se verificar a porcentagem de melhora do SGBD nos quatro sistemas de arquivos. Carga de base de dados 5,00% 4,00% 3,00% 2,00% 1,00% 2,95% 2,76% 3,74% 4,06% Gráfico 1. Comparativo entre ambientes sobre os sistemas de arquivos Através do Gráfico 1, observa-se que o sistema de arquivo XFS obteve o melhor resultado relacionado aos outros sistemas de arquivos. A configuração personalizada reduziu seu tempo em 4,06% relacionado à configuração padrão.

6 Após a carga de dados, é possível realizar os testes com as consultas prédefinidas. No Gráfico 2, compara-se as consultas realizadas. Consulta C ,82% 13,11% 43,23% 64,85% Gráfico 2. Média do tempo de retorno da consulta C1 De acordo com o Gráfico 2, o sistema de arquivo XFS obteve uma melhora de 64,85% com a configuração personalizada. Este tempo foi o melhor comparado aos outros sistemas de arquivos, porém em todos houve um ganho de tempo, bem como ocorrido na carga de dados. Consulta C ,39% -59,87% -40,39% -13,19% Gráfico 3. Média do tempo de retorno da consulta C2 Através do Gráfico 3, os tempos obtidos com a consulta C2 foram sem sucesso, deixando a desejar. Somente o sistema de arquivo obteve uma melhora de tempo de somente 3,39%. Os outros sistemas obtiveram um tempo inferior com a configuração personalizada, sendo o EXT3 o melhor considerando a configuração padrão, chegando a quase 60% a diferença. Os valores referentes ao Gráfico 3, além das configurações do SGBD, também tem relações ao modo e o tamanho dos dados que são alocados em cada sistema de arquivo, fator determinante nos resultados obtidos. Através da consulta C3 e juntos as outras já apresentadas, poderá ser realizada um resumo geral dos resultados, mostrando desta forma, os pontos onde mais afetaram resultados negativos e também os que conseguiram fazer com que o desempenho dos SGBD obtivesse melhora. No Gráfico 4, apresenta-se a consulta C3 comparada a todos sistemas de arquivos testados.

7 Consulta C ,53% 36,18% 14,73% -0,66% Gráfico 4. Comparativo entre os SGBD e sistemas de arquivos A partir do Gráfico 4, o sistema de arquivo XFS retornou resultado 0,66% melhor com a configuração padrão. Tendo o JFS o melhor resultado com a configuração personalizado, obtendo 80,53% melhor que a padrão. Nesta consulta, ao contrário da C2, os tempos foram satisfatórios com a configuração personalizada. Comparativo consultas ,39% -32,03% 83,37% 51,00% Gráfico 5. Comparativo geral das consultas Avaliando o resultado da carga de dados e das consultas executadas, pode-se considerar que, no quesito carga de dados, o XFS obteve melhor resultado, e no quesito consulta, o Gráfico 4 demonstra que com 83,37% o sistema de arquivo JFS obteve melhor tempo, tendo com o pior tempo o EXT3. 6. Conclusões Conforme apresentado neste artigo, o Sistema de Arquivos e o Sistema Operacional exercem uma influência significativa para o desempenho do SGBD. Pois, os resultados não uniformes obtidos, deixam claro que dependendo do tipo de tarefa e até mesmo a configuração adotada modifica significativamente o resultado final no que se refere ao tempo desprendido para finalizar uma requisição ao SGBD. O método TPC-H vem diretamente a auxiliar na tarefa de sintonia de um SGBD, visto que este permite através de testes de simulação, identificar se a configuração adotada ou em fase de teste está permitindo um melhor rendimento do SGBD em suas tarefas. O SGBD configurado de forma incorreta ou incompatível com o hardware em uso irá acarretar em uma perda significativa de desempenho. Assim, tendo que adaptá-lo através de configurações, conforme ao hardware e principalmente ao tipo e forma da aplicação ao qual se destina.

8 7. Referências ANAIS 19 Simpósio Brasileiro de Banco de Dados (2004). Brasília, Outubro. TPC. Transaction Processing Performance Council (2008), Abril. Ikematu, Ricardo S. (2008), Realizando Tuning na Base de Aplicações, Maio. Ronconi, Vinicius (2008), O Otimizador do Oracle para desenvolvedores I, Maio. MySQL. (2005). Performance Comparison by MySQL Group. SQL MAGAZINE. DevMedia Group. Rio de Janeiro, RJ. Nº 11, Lima, Adilson da Silva. MYSQL SERVER: VERSÕES OPEN SOURCE 4.X. Ed. Érica. São Paulo, SP SQL MAGAZINE. DevMedia Group. Rio de Janeiro, RJ. Nº 17, MySQL (2008) Otimização do MySQL, Junho. Ramalho, José A. ORACLE 9i. Berkeley Brasil, São Paulo, SP Alecrim, Emerson (2007), Sistema de Arquivo ReiserFS, Maio. Alecrim, Emerson (2007), Sistema de Arquivo EXT3, Maio. Camargo, Thadeu (2007), Sistemas de Arquivos, Maio. Watson, G.H Benchmarking estratégico. Makron Books: São Paulo. GreatBridge Performance Comparison. (2000). Abril. Moran, B. (2003). The Devil s in the DeWitt clause. Novembro. Momjian, B. (2006). PostgreSQL Hardware Performance Tuning. Setembro. Aires, K. (2006). PostgreSQL x MySQL. Setembro.

Sistema de Arquivos EXT3

Sistema de Arquivos EXT3 Sistema de Arquivos EXT3 Introdução Ext3 é uma nova versão do Ext2. Possui as mesmas estruturas do ext2, além de adicionar as propriedades do Journal. O uso do Ext3 melhora na recuperação do sistema(dados),

Leia mais

Comparativo de Desempenho entre Bancos de Dados de Código Aberto

Comparativo de Desempenho entre Bancos de Dados de Código Aberto Comparativo de Desempenho entre Bancos de Dados de Código Aberto Carlos E. S. Pires, Rilson O. Nascimento, Ana C. Salgado Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Caixa Postal 7851

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO SEMINÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO SEMINÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO SEMINÁRIO JOURNALING FILESYSTEMS Seminário com o tema Journaling FileSystems

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

Qual é o melhor? Há um ano, todas as principais

Qual é o melhor? Há um ano, todas as principais Comparativo dos sistemas de arquivos para Linux CAPA Qual é o melhor? Será que os novatos Btrfs e Ext4 superam os sistemas de arquivo tradicionais do Linux? por Marcel Hilzinger Há um ano, todas as principais

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.2 1 2 Material usado na montagem dos Slides Bibliografia

Leia mais

Sistemas de Arquivos NTFS, FAT16, FAT32, EXT2 e EXT3

Sistemas de Arquivos NTFS, FAT16, FAT32, EXT2 e EXT3 Sistemas de Arquivos NTFS, FAT16, FAT32, EXT2 e EXT3 Os sistemas de arquivos é a parte do SO responsável pelo gerenciamento dos arquivos (estrutura, identificação, acesso, utilização, proteção e implementação).

Leia mais

Sistemas. Arquivos. www.4linux.com.br

Sistemas. Arquivos. www.4linux.com.br Sistemas de Arquivos - 2 Sumário Capítulo 1 Sistemas de Arquivos... 3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 5 2.1. Objetivos... 5... 5 2.2. Troubleshooting... 6 2.2.1. Cfdisk...7

Leia mais

TUNING - Técnicas de Otimização de Banco de Dados Um Estudo Comparativo: Mysql e Postgresql

TUNING - Técnicas de Otimização de Banco de Dados Um Estudo Comparativo: Mysql e Postgresql TUNING - Técnicas de Otimização de Banco de Dados Um Estudo Comparativo: Mysql e Postgresql Alessandro Pinto Carneiro, Julinao Lucas Moreira, André Luis Castro de Freitas1 1 Centro de Ciências Computacionais

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente:

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente: ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS Unidade IV DEFINIR A MELHOR SOLUÇÃO DE BANCO DE DADOS PARA AS NECESSIDADES DA EMPRESA.1 O uso das tecnologias.1.1 O software livre 1 A tecnologia de banco de dados, assim

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 OBJETIVO

1 INTRODUÇÃO 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 OBJETIVO 1 INTRODUÇÃO Este trabalho visa apresentar um estudo detalhado sobre o Sistema de Arquivos (File System) ReiserFS que foi desenvolvido inicialmente por Hans Reiser e que atualmente está sendo patrocinado

Leia mais

OTIMIZAÇÃO E PERFORMANCE DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO SQL TUNING

OTIMIZAÇÃO E PERFORMANCE DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO SQL TUNING OTIMIZAÇÃO E PERFORMANCE DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO SQL TUNING Jéssica Correa dos Santos¹, Alexandre Paulino Sierra da Silva¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai-PR-Brasil jessica_07correa@hotmail.com,

Leia mais

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições >>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard === Sistemas de arquivos e Partições >>> FHS - Filesystem Hierarchy Standard >Padrão de organização de pastas e arquivos em Sistemas Unix-Like >organizar

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

PostgreSQL. Aula 01. Aula 01

PostgreSQL. Aula 01. Aula 01 PostgreSQL Uma visão rápida r e dinâmica deste poderoso banco de dados O que é? O PostgreSQL é um sofisticado sistema de gerenciamento de banco de dados. È conhecido com Objeto-Relacional, pois além m

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação ESTUDO SOBRE OTIMIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS

Curso de Engenharia de Computação ESTUDO SOBRE OTIMIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS Curso de Engenharia de Computação ESTUDO SOBRE OTIMIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS Gustavo Buso Pontes Campinas São Paulo Brasil Dezembro de 2009 Curso de Engenharia de Computação ESTUDO SOBRE OTIMIZAÇÃO DE BANCO

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Sistemas de Arquivos FAT FAT32 NTFS EXT3. Formatação do disco

Sistemas de Arquivos FAT FAT32 NTFS EXT3. Formatação do disco Formatação do disco Para que o sistema operacional seja capaz de gravar e ler dados no disco rígido, é preciso que antes sejam criadas estruturas que permitam gravar os dados de maneira organizada, para

Leia mais

Introdução a Banco de Dados. Adão de Melo Neto

Introdução a Banco de Dados. Adão de Melo Neto Introdução a Banco de Dados Adão de Melo Neto 1 Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em uma disciplina da universidade cadastro

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Treinamento PostgreSQL - Aula 01

Treinamento PostgreSQL - Aula 01 Treinamento PostgreSQL - Aula 01 Eduardo Ferreira dos Santos SparkGroup Treinamento e Capacitação em Tecnologia eduardo.edusantos@gmail.com eduardosan.com 27 de Maio de 2013 Eduardo Ferreira dos Santos

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

VITOR, LUCÉLIA WIKBOLDT, NATANIEL AFONSO RELATÓRIO FINAL DE PROJETO FERRAMENTAS DE DIAGNÓSTICOS HIREN S CD

VITOR, LUCÉLIA WIKBOLDT, NATANIEL AFONSO RELATÓRIO FINAL DE PROJETO FERRAMENTAS DE DIAGNÓSTICOS HIREN S CD Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática JOÃO VITOR, LUCÉLIA WIKBOLDT, NATANIEL

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Tudo o que já vimos antes... Introdução

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Técnico em Informática SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Professor Airton Ribeiro de Sousa Sistemas operacionais Sistema de Arquivos pode ser definido como uma estrutura que indica como os dados

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS SANTA MARIA. PostgreSQL ou MySQL. Quando utilizar um desses SGBDs.

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS SANTA MARIA. PostgreSQL ou MySQL. Quando utilizar um desses SGBDs. UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS SANTA MARIA PostgreSQL ou MySQL Quando utilizar um desses SGBDs por Anderson Davi da Cunha Naidon, Daniel Flores Bastos, Gleizer Bierhalz

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II

Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Objetivos Descrever os métodos de alocação de recursos ublizados pelos sistemas operacionais. Descrever

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

Q-flow 2.2. Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2. Sizing

Q-flow 2.2. Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2. Sizing Q-flow 2.2 Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2 Sizing Qf22007POR v3.1 Q-flow Sizing Urudata Software Rua Canelones 1370 Segundo Andar CP11200

Leia mais

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Perola André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Prevayler é a implementação em Java do conceito de Prevalência. É um framework que prega uma JVM invulnerável

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Curso PostgreSQL - Treinamento PostgreSQL - Fundamental

Curso PostgreSQL - Treinamento PostgreSQL - Fundamental Curso PostgreSQL - Treinamento PostgreSQL - Fundamental Sobre PostgreSQL PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados objeto relacional (SGBDOR), desenvolvido como projeto de código aberto.hoje,

Leia mais

Estudo de Caso 2: Windows Vista

Estudo de Caso 2: Windows Vista Faculdades Integradas de Mineiros Curso de Sistemas de Informação Sistemas Operacionais II Estudo de Caso 2: Windows Vista Grupo 4 Helder / Wagner / Frantyeis Junho/2010 O Windows usa uma estratégia Just-In-Time

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS

GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS 2 SISTEMAS OPERACIONAIS: GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS E ARQUIVOS Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando nossas aulas sobre

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende:

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende: ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário USUÁRIO A performance do sistema depende: da eficiência das estruturas de dados utilizadas; como o sistema opera

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar

ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar Grupo: Leonardo; Ronaldo; Lucas; Gustavo; Fabio. 2º Informática Tarde 2º Semestre de 2009 Introdução O PostgreSQL é um SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados) objeto-relacional

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

4 Implementação e Resultados Experimentais

4 Implementação e Resultados Experimentais 4 Implementação e Resultados Experimentais Com o objetivo de fazer a criação automática de visões materializadas, ou seja, prover uma solução on-the-fly para o problema de seleção de visões materializadas,

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação SISTEMAS DE ARQUIVO: ANÁLISE DE DESEMPENHO

Curso de Engenharia de Computação SISTEMAS DE ARQUIVO: ANÁLISE DE DESEMPENHO Curso de Engenharia de Computação SISTEMAS DE ARQUIVO: ANÁLISE DE DESEMPENHO THÉO RODRIGUES DE ALMEIDA Itatiba São Paulo Brasil Dezembro de 2009 Curso de Engenharia da Computação SISTEMAS DE ARQUIVO: ANÁLISE

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Sistemas de arquivos no Linux. Carlos Eduardo Maiolino Software Engineer Red Hat

Sistemas de arquivos no Linux. Carlos Eduardo Maiolino Software Engineer Red Hat Sistemas de arquivos no Linux Carlos Eduardo Maiolino Software Engineer Red Hat Agenda Parte I Introdução a sistemas de arquivos Parte II Estrutura e funcionamento básico Parte III Sistemas de arquivos

Leia mais

Modelos. Comunicação com clientes

Modelos. Comunicação com clientes Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas de Informação Brasília/DF

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Alta concorrência com PostgreSQL

Alta concorrência com PostgreSQL Alta concorrência com PostgreSQL ou Fazendo uma manada de elefantes passar debaixo da porta Fábio Telles Rodriguez Timbira - A empresa brasileira de PostgreSQL 09 de novembro de 2012 Agenda Sobre o que

Leia mais

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB Raul Victtor Barbosa Claudino¹, Ricardo Ribeiro Rufino¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil victtor.claudino@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo: Este

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO Jader dos Santos Teles Cordeiro Orientador Prof. Paulo Guilhermeti PERSISTÊNCIA EM OBJETOS JAVA: UMA ANÁLISE

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Introdução a microinformática William S. Rodrigues HARDWARE BÁSICO O hardware é a parte física do computador. Em complemento ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja,

Leia mais

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 1 Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 Gerenciador de E/S Objetivo é fornecer uma estrutura de modo eficiente para lidar com a grande variedade de dispositivos Bastante relacionado

Leia mais

Uma comparação de algoritmos e estruturas de dados para armazenamento de dados em sistemas operacionais Palm OS *

Uma comparação de algoritmos e estruturas de dados para armazenamento de dados em sistemas operacionais Palm OS * Uma comparação de algoritmos e estruturas de dados para armazenamento de dados em sistemas operacionais Palm OS * Rogério Celestino dos Santos 1, Rodrigo Otavio Rodrigues Antunes 1* ¹Instituto de Informática

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE

SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE ANDRÉ LUCHESI CESAR HENRIQUE KÁLLAS SISTEMAS OPERACIONAIS II ESPECIFICAÇÃO CAMADA INDEPENDENTE Pontifícia Universidade Católica de Campinas Faculdade de Engenharia de Computação Turma III Grupo 9 Agosto

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux

Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux Curso de extensão da Faculdade Ruy Barbosa Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux Dedicasse especial a Rogério Bastos e ao GRACO (Gestores da Rede Acadêmica de Computação) do DCC UFBA Paul Regnier

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA

SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 1 SUMÁRIO 1. Histórico do sistema operacional 2. Licença de softwares 3. Aspectos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA

INTRODUÇÃO AO SISTEMA MANUAL DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Nome do Software: Guarux Versão do Software: Guarux Educacional 4.0 INTRODUÇÃO AO SISTEMA O Guarux Educacional 4.0 é uma distribuição idealizada pela

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Gerência de Memória RAM em Computadores com Mais de 4GB O sistema Windows x86 (32bits) não tem capacidade de reconhecer, fisicamente, mais que 3,X GB de RAM, a não ser que seja ativado, manualmente, o

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS COTAS DE DISCO. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS COTAS DE DISCO. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS Trabalhando com cotas Usando o Gerenciador de Recursos de Servidor de Arquivos para criar uma cota em um volume ou uma pasta, você pode limitar o espaço em disco

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais