HOTEL ATLÂNTICO DE JOÃO GILBERTO NOLL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HOTEL ATLÂNTICO DE JOÃO GILBERTO NOLL"

Transcrição

1 1 FRAGMENTOS DO VIVER ITINERANTE EM HOTEL ATLÂNTICO DE JOÃO GILBERTO NOLL Maria Margarete Souza Campos Costa (UESC) * 1 INTRODUÇÃO A literatura enquanto construção intelectual e artística, é expressão do imaginário social de determinado contexto histórico, e no que se refere à contemporaneidade, suscita questionamentos que problematizam a homogeneidade, os modelos sociais hegemônicos e enfatiza a desconstrução, a heterogeneidade, o relativismo e a esquizofrenia, revelados nas diferentes contingências da condição humana. Segundo Rouanet (1987), a literatura pósmoderna é fragmentária, descontínua, polissêmica [...] em contraste com a literatura clássica e moderna, que se basearia na estética do símbolo. Isto é, seria totalizadora, harmônica, contínua e representaria a unidade de uma intenção significante. João Gilberto Noll insurge no cenário literário contemporâneo com uma linguagem cifrada, seca e fotográfica e com personagens, que bem representam o desassossego, a fragmentação, o insólito e a solidão, próprios do homem pós-moderno e da respectiva relação conflituosa com o seu tempo. Noll caracteriza-se como um escritor de descaminhos e de experiências marcadas pela ausência de limites, pelo esvaziamento das relações e pela fragmentação do sujeito que constituem um não-lugar do vivido e da fantasia. O * Mestranda em Letras: Linguagens e Representações pela Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, sob a orientação da Profª Drª. Sandra Maria Pereira do Sacramento; Pós-graduada em Estudos Comparados em Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC (2001); Graduada em Letras pela Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC (1994). Servidora pública estadual Secretaria de Educação do Estado da Bahia.

2 2 reconhecimento da crítica acerca da obra do referido autor vem se traduzindo na conquista de diversos prêmios ao longo das suas publicações, além de inseri-lo entre os mais importantes escritores da contemporaneidade. Desse modo o presente artigo analisa a obra Hotel Atlântico, de João Gilberto Noll, para verificar nesta, a configuração de elementos do contexto histórico, social e político que se inscrevem na pós-modernidade, os quais permitem a inter-relação entre o texto literário e as teorias concernentes a esse tema, além de legitimar a importância desta obra no contexto contemporâneo. A escolha desse objeto foi determinada pelas inquietações provocadas pelo itinerário intrigante do protagonista que entre idas e idas configura as incertezas e o esmaecimento do homem contemporâneo. Esta análise se fundamenta nas teorias que problematizam as concepções relativas à pós-modernidade, contemporaneidade ou modernidade tardia e as conseqüentes transformações culturais ocorridas, principalmente nos dois últimos séculos que culminaram com modificações nos campos do fazer artístico, social, político e filosófico. Tornando imprescindível a recorrência a teóricos como: Lyotard, Benjamim, Hall, Foucault e Jameson entre outros. 2 O SUJEITO EM FRAGMENTOS Hotel Atlântico de João Gilberto Noll constitui uma obra que traz em si o caráter intrigante e desafiador da literatura contemporânea, tendo em vista a possibilidade de se discutir temas urbanos e cotidianos que evidenciam o discurso das margens, como também a desconstrução do sujeito ante ao universo de incertezas do seu tempo. A perda da identidade, a condição provisória, a solidão, a ampliação dos espaços, constituem evocações recorrentes nos textos desse autor. Segundo Benjamin:

3 3 A origem do romance é o indivíduo isolado, que não pode mais falar exemplarmente sobre suas preocupações mais importantes e que não recebe conselhos nem sabe dá-los. Escrever um romance significa, na descrição de uma vida humana, levar o incomensurável a seus últimos limites. Na riqueza dessa vida e na descrição dessa riqueza, o romance anuncia a profunda perplexidade de quem a vive (BENJAMIN, 1994, p. 201). No referido livro, o narrador-protagonista é um sujeito que habita um não-lugar e vive em trânsito, solitário, não permite que o leitor penetre em sua intimidade subjetiva, vive à deriva em busca ou fugindo de algo que não se sabe ao certo, não tem origem ou destino. Desvinculado de laços afetivos, ele, não dá ao leitor pistas capazes de revelar a sua identidade. Para Hall: Esse processo produz o sujeito pós-moderno, conceitualizado como não tendo uma identidade fixa, essencial ou permanente. A identidade torna-se uma celebração móvel : formada e transformada continuamente em relação às formas pelas quais somos representados ou interpelados nos sistemas culturais que nos rodeiam. [...] O sujeito assume identidades diferentes em diferentes momentos, identidades que não são unificadas ao redor de um eu coerente. Dentro de nós há identidades contraditórias, empurrando em diferentes direções, de tal modo que nossas identificações estão sendo continuamente deslocadas. [...] na medida em que os sistemas de significação e representação cultural se multiplicam, somos confrontados por uma multiplicidade desconcertante e cambiante de identidades possíveis, com cada uma das quais poderíamos nos identificar ao menos temporariamente (HALL, 2004, p ). Sujeito anônimo na multidão de qualquer grande metrópole do mundo, o narradorprotagonista incorpora a massa de transeuntes nas ruas velozes, um andarilho. Eterno viajante que caminha, ora em automóveis por entre avenidas, viadutos, painéis eletrônicos e intermináveis textos, cores e sons que amontoam informações audiovisuais. Nem todas possíveis de compreensão devido ao ritmo da vida pós-moderna. Lyotard observa que: Desta decomposição dos grandes Relatos, que analisaremos mais adiante, segue-se o que alguns analisam como a dissolução do vínculo social e a passagem das coletividades sociais ao estado de uma massa composta de átomos individuais lançados num absurdo movimento browniano. Isto não é relevante, é um caminho

4 4 que nos parece obscurecido pela representação paradisíaca de uma sociedade orgânica perdida (LYOTARD, 2000, p. 28). Em Hotel Atlântico, a metrópole é o Rio de Janeiro, num dia qualquer, em um pequeno hotel inominado no bairro de Copacabana. Desde então, o narrador-protagonista terá por companhia o insólito, que se fará presente durante toda a narrativa até o seu último itinerário, com a ocorrência de três mortes ao longo da sua viagem. A primeira morte ocorre nesse hotel em Copacabana, um corpo é encontrado em um dos quartos e não se sabe ao certo a causa da morte, nem a identidade do morto que é levado por policiais: Lá dentro havia um corpo coberto por um lençol estampado (NOLL, p. 9). Depois ocorre a morte de uma americana que viaja ao lado do narrador-protagonista, num ônibus que os leva a Florianópolis, da qual se tem pouquíssimas informações, o nome é Susan, perdeu uma filha e suicidou-se supostamente com um coquetel de drogas durante a viagem: Não havia dúvida: Susan tinha morrido. Lembrei que era o segundo cadáver que eu encontrava em menos de 48 horas. O outro, o do hotel em Copacabana (NOLL, p. 31). E por último, a morte de uma anciã cujo nome era Diva, tudo leva a crer que morreu de velhice, a quem o protagonista usando uma batina, imbui-se da autoridade de um sacerdote da Igreja e dá-lhe a extrema unção: Encostei o polegar direito na minha língua, senti ele úmido, e com ele fiz uma cruz na testa, na boca e no peito da agonizante (NOLL, p. 67). Diante dessas mortes a personagem comporta-se com indiferença, sem nenhum envolvimento emocional, dando a esses acontecimentos a importância relativa ao que poderia ser chamado de corriqueiro ante o seu desejo de seguir viagem, cujo itinerário é decidido na última hora, sem planejamento algum ou motivo aparente, não havendo espaço nem tempo para se refletir sobre as mortes ou aprender qualquer ensinamento a partir desta experiência.

5 5 Nas palavras de Arendt: [...] os homens no plural, isto é, os homens que vivem e se movem e agem neste mundo, só podem experimentar o significado das coisas por poderem falar e ser inteligíveis entre si e consigo mesmos (ARENDT, 2007, p. 12). O narrador-protagonista parece incorporar novos personagens em cada lugar por onde passa, de hotel em hotel, de cidade em cidade, as circunstâncias vão traçando a sua improvisada trajetória. Essa figura anônima de vida seccionada move-se no espaço-tempo, num universo constituído por descontinuidades, como se quisesse ironizar a realidade na qual está inserido. Talvez o que mostre, sejam apenas simulacros do que realmente é: máscaras, dissimulações de si mesmo. Ademais, em determinado momento da narrativa é revelado que ele é um ator em decadência, que perambula por espaços fragmentados e destituídos de memória, perseguindo a personagem de Noll, na tentativa irrefreável de atribuir-lhe uma identidade e encontrar sentido na sua busca. Como afirma Baudrillard: Já não é possível partir do real e fabricar o irreal, o imaginário a partir dos dados do real e l. O processo será antes o inverso: será o de criar situações descentradas, modelos de simulação e de arranjar maneiras de lhes dar as cores do real, do banal, do vivido, de reinventar o real como ficção. Porque ele desapareceu da nossa vida (BAUDRILLARD, 199, p.154). Durante a viagem, a degradação física e sensorial anuncia-lhe o declínio da própria vida e o remete ao infortúnio da sua condição humana, condição esta, da qual não se pode fugir, por mais que longe vá, está atrelado a um corpo físico que o iguala a todos os imortais. Daí talvez a sua única saída seja viver o instante, o agora de forma itinerante mesmo que, a partir de insólitas e vazias experiências. Atrelado ao presente, o narrador-protagonista despreza o passado e não se projeta para o futuro, há uma total ausência de perspectivas ou objetivos, suas conquistas estão reduzidas ao agora. Sua aventura errante segue por vias marginais, permeadas por turbulências e

6 6 acontecimentos acidentais que o aproxima de situações inusitadas, as quais assemelham-se a uma colagem de cenas sobrepostas e dão um ritmo acelerado aos acontecimentos. Através de resquícios de lembranças da infância, sua vaga memória alude ao que seria sua identidade. É a memória de um tempo que não se sabe ao certo. Agora eu via apenas o chão sujo do piso superior da rodoviária. Olhando aquele chão sujo eu não tinha nada a pensar. Talvez uma vaga saudade da intimidade infantil com o chão (NOLL, p. 21). Ao chegar a Arraiol, uma cidadezinha do Sul do país, sofre um acidente no qual tem uma de suas pernas amputadas por um cirurgião, Dr. Carlos, candidato a prefeito do lugar, cuja pretensão é ganhar prestígio político, ao saber que o sujeito operado por ele é um ator. Porém, ao descobrir que se trata de um ex-ator em decadência e que o mesmo não trará repercussão a sua campanha, abandona-o no hospital à própria sorte. É ali que o ex-ator conhece o enfermeiro Sebastião, a única pessoa que o ajuda nesses dias difíceis, além do assédio de Diana, a filha do Dr. Carlos, que nutre pelo amputado um desejo voraz. Entretanto, com a amputação, o narrador protagonista torna-se totalmente dependente para se movimentar, em conseqüência disso, não consegue realizar o desejo da moça e como conseqüência, também é abandonado por ela. Já não pode também, empreender novos roteiros e irromper novas distâncias. Está inválido. Revela-se então, o seu fracasso enquanto sujeito de si, itinerante das experiências fugazes. Agora está completamente dependente de Sebastião, e a ele recorre para iniciar a sua última viagem e completar o percurso. Esta é a única relação de amizade mantida pelo narrador-protagonista durante toda a narrativa. Pra Foucault: O corpo também está diretamente mergulhado num campo político; as relações de poder têm alcance imediato sobre ele; elas o investem, o marcam, o dirigem, o supliciam, sujeitam-no a trabalhos, obrigam-no a cerimônias, exigem-lhe sinais. Este investimento político do corpo está ligado, segundo relações complexas e

7 7 recíprocas, à sua utilização econômica; é numa boa proporção, como força de produção que o corpo é investido por relações de poder e dominação (FOUCAULT, 2004, p.25). O enfermeiro ajuda-o a fugir do hospital e com o pretexto de que irá visitar a avó, leva-o até Porto Alegre. Chegando lá, Sebastião fica sabendo que sua avó morrera há dois anos e que no terreno da antiga casa dela havia sido construído um novo prédio. Os dois seguem então à praia do Pinhal, pois Sebastião não conhece o mar e este é o seu grande desejo. Como num lapso de memória, o narrador-protagonista, revela que costumava ir a essa praia na infância. Lá, os dois hospedam-se no Hotel Atlântico. As ruas e o hotel estão vazios, dando a ele uma espécie de prazer e realização, uma sensação de ter chegado em casa: Tirei o casaco, não que me sentisse acalorado, mas só pelo prazer de jogar o casaco sobre a cama onde eu ia dormir, como se estivesse em casa. E eu realmente me considerava em casa pela primeira vez, depois de tanto tempo (NOLL, p.106). É nesse não-lugar, que o narrador-protagonista finda sua viagem, aos poucos vai perdendo os sentidos. É levado à praia por Sebastião e morre diante do mar. A morte do protagonista de Hotel Atlântico anula a possibilidade de se conhecer a sua identidade. O sujeito perdido em meio a vivências fragmentadas e descontínuas que o dissolve, desencadeando uma situação paranóica, sem começo nem fim, que o leva ao esquecimento de si mesmo e o imerge numa busca interminável pelo incerto, talvez a identidade perdida ou o resgate da própria vida. 3 A VIDA EM TRÂNSITO A história inicia-se com o narrador-protagonista no Rio de Janeiro, em um pequeno hotel em Nossa Senhora de Copacabana, quase esquina da Miguel Lemos (NOLL, p. 48). O hotel é um lugar de trânsito, de relações provisórias e anônimas, as informações apresentadas

8 8 pelos hóspedes não garantem veracidade, a exemplo do narrador-protagonista, que ao preencher a ficha do hotel dá uma informação falsa: Preenchi a ficha do hotel, estado civil casado, eu menti e imaginei uma mulher me esperando num ponto qualquer do Brasil (NOLL, p.10). Sendo o hotel ao mesmo tempo, espaço de chegada e partida, constitui-se como um não-lugar: Uma contagem regressiva estava em curso, eu precisava ir (NOLL, p.13), alheio a qualquer forma de compromisso com o mundo que o circunda, o sujeito realiza-se vivendo numa pseudo- liberdade sem lugar para retornar, sem nenhuma referência à memória: história da infância. Halbwachs defende que: É difícil conceber como despertaria em uma consciência isolada o sentimento da identidade, talvez porque nos parece que um homem inteiramente só não poderia se lembrar de modo algum. Contudo, se admitimos que no mínimo não muda o ambiente exterior, no qual estaria um ser assim, se ele não estiver sempre mudando de lugar, nada impediria que se habituasse pouco a pouco aos objetos materiais que o circundam e que se apresentam freqüentemente a seus olhos. Revendo os mesmos lugares, ele talvez recordará que já os viu e este poderia ser seu ponto de partida de um sentimento do eu (HALBWACHS, 2006, p.110). Outra forma que o narrador-protagonista utiliza para fortalecer a sua condição de não pertencimento é o fato de não possuir bagagens, transita de um lugar a outro apenas com a roupa do corpo: Ela olhou para as minhas mãos e perguntou:/ - E a bagagem?/ - A bagagem eu deixei guardada no Galeão foi a explicação que me saiu (NOLL, p.10). O sujeito é movido por uma necessidade que o impulsiona a estar sempre em trânsito: Mas eu precisava ir: desci o degrau e me encostei na parede do prédio (NOLL, p. 18). Embora o leitor não tenha a clareza do que o motiva de modo tão intenso e instintivo a tantas idas e idas, envereda com ele em sua interminável jornada: Naquelas vias por onde se subia ou descia pareciam todos muito imersos naquilo que estavam fazendo. Ter percebido assim

9 9 me relaxou. Eu também conseguiria: viajar, tomar um ônibus, chegar em algum lugar (NOLL, p.20). O protagonista inominado é movido pela efemeridade do presente, a sua condição de desterritorializado não lhe permite evocar um passado. Salvo algumas poucas e fragmentadas reminiscências de um passado recente que o remetia a lugares por onde passou: Comprei um postal da ponte de Florianópolis. Eu costumava guardar postais de recordação. Naqueles dias eu levava no bolso de trás da calça dois postais. Já estavam bem amarfanhados. Um deles mostrava a praia de Copacabana à noite. O outro a barca para Niterói (NOLL, p.36). Entretanto, os postais são abandonados no bolso, e a sua fixação no presente é reafirmada: Eu não guardo nada comigo (NOLL, p. 48), o tempo presente o reconduz a novos espaços e ao movimento da sua vida alienada e vazia. Rouanet ressalta que: A cultura pós-moderna só tem a dimensão do presente um presente monstruoso, avassalador, responsável pela estrutura esquiza da pós-modernidade. Segundo Lacan, a esquizofrenia resulta da ruptura da cadeia de significantes, na qual reside o sentido e de onde emerge a noção de tempo. Exposto a significantes desmembrados, sem nenhuma relação orgânica entre si, o artista pós-moderno está privado do sentido e da história (ROUANET, 1987, p. 250). O narrador-protagonista lança-se rumo a horizontes esvaziados por um abandono proposital de si mesmo e do mundo, horizonte este, formado por fragmentos de vida e cenas recortadas que nunca se completam. Essas rupturas possibilitam-lhe não perder a intensidade e a euforia com que vive o fugaz presente e as suas vagas e irresolutas experiências e, tanto quanto, pela necessidade imediata de cruzar outros espaços, sem perspectivas ou motivos aparentes, que justifiquem essa perseguição pelo movimento de estar sempre indo a algum lugar, sem preocupação com o depois.

10 10 4 RELAÇÕES ESVAZIADAS As pessoas com as quais o protagonista cruza em sua trajetória,são apresentadas apenas com o primeiro nome, a função que exerce ou a profissão, a narrativa não apresenta muitas informações sobre quem elas são, as pistas são dadas a partir de fragmentos de acontecimentos que na maioria das vezes não apresentam um desfecho, este fica a cargo do leitor e da sua imaginação. São muitos os pontos de interrogação e as lacunas a serem completadas: a recepcionista do hotel, o garoto que o levou até o quarto do hotel, o motorista de táxi, Eva, a loura com quem se envolvera. Susan, a americana que conheceu no ônibus durante a viagem a Florianópolis, os dois rapazes com os quais seguiu viagem até Porto Alegre: Nelson e Leo; Marisa, Antonio, Dr. Carlos, a filha de Dr. Carlos: Diana... Com todas essas pessoas, mantém relações esvaziadas, anônimas e desprovidas de qualquer sentimento afetivo, o que fica evidenciado principalmente, na relação sexual entre o aventureiro e a recepcionista do hotel no Rio de Janeiro: Vendo se despida ela imediatamente se pôs de quatro sobre o imundo carpete verde. Eu me ajoelhei por trás. A minha missão: cobri-la fora do alcance dos seus olhos. Nenhum toque acima da cintura, nada que não fossem ancas anônimas se procurando patéticas (NOLL, p.12). A relação do personagem anônimo com as mulheres que cruzam o seu caminho, resume-se em encontros fortuitos e casuais, que ocorrem em situações movidas apenas pelo desejo carnal e totalmente vazias de afeto ou sentimento, simulando um ato puramente animal. Jameson argumenta: No que diz respeito a expressão e sentimentos ou emoções, a liberação, na sociedade contemporânea, da antiga anomie do sujeito centrado pode também implicar não apenas a liberação da ansiedade, mas também a liberação de qualquer outro tipo de sentimento, uma vez que não há mais a presença de um ego para encarregar-se de sentir. Isso não é a mesma coisa que dizer que os produtos culturais da era pós-moderna são completamente destituídos de sentimentos, mas sim que tais sentimentos a que pode ser melhor e mais correto chamar, seguindo Lyotard, de intensidade são agora auto-sustentados e impessoais e costumam ser dominados por um tipo peculiar de euforia (JAMESON, 2007, p. 43).

11 11 Quiçá, em função dessa escassez dos sentimentos, o protagonista se esmera em descrever as circunstâncias vividas com um detalhismo centrado nas aparências das coisas e dos seres, que chega a ser neo barroco e assemelha-se a uma fotografia, como se quisesse preencher espaços propositalmente vazios: A moça tinha os cabelos pretos, uma franja espessa, os cabelos vinham logo abaixo das orelhas (NOLL, p. 11). Conforme podemos observar no fragmento abaixo: Apoiado num parapeito um garoto olhava o breve vôo de uma pomba. A pomba pousou num vão para ar-condicionado. Reparei que ali havia um ninho com um pombinho. A pomba que tinha acabado de pousar, que deveria ser a mãe, ficou espetando o bico no filhote (NOLL, p.13). A personagem protagonista de Hotel Atlântico, a partir do apagamento das relações sociais, desfruta de uma sensação de liberdade, pelo motivo de não se prender a experiências subjetivas, apesar de estar num mundo, onde distâncias foram subvertidas e o seu transitar, embora, seja mais um pretexto para não aceitar a condição da vida em sociedade. Ele não escapa ao encontro com que mesmo sem profundidade, como cenas de videoclips, são inevitáveis. Rouanet aponta que o cotidiano pós-moderno caracteriza-se pela predominância da informação, a substituição do livro pelo vídeo uma estrutura psíquica caracterizada por um violento narcisismo e por um total esvaziamento da subjetividade (ROUANET,1987). A diluição das relações afetivas, faz com que esse sujeito pós-moderno agarre-se ao imediato, a tal ponto, que este por vezes, não se dá conta da sua condição humana, análoga a uma máquina que articula-se num movimento fora de si mesmo, aludindo apenas ao suprimento de algumas pouquíssimas necessidades, numa vivência escassa de significados.

12 12 5 A DETERIORAÇÃO DO CORPO Esse homem desenraizado em meio a essas viagens acaba sendo traído em suas convicções, e a deterioração do corpo é um dos elementos que o distancia da sua falsa liberdade. O corpo com o seu perecimento constitui as amarras, que o aprisiona e o impede de continuar a sua jornada. O seu corpo é a superfície de inscrição dos acontecimentos. O corpo é o ponto de articulação com a história (FOUCAULT, 2002, p. 22). Embora durante toda a narrativa, o narrador protagonista esforce-se em negligenciar a deterioração do seu corpo, por vezes é obrigado a lapsos de consciência que o lembra da sua decadência física. O espelho é um elemento recorrente na narrativa, objeto este, que sempre estará em algum quarto de hotel, para fazê-lo recuperar a imagem de si mesmo e a decadência das forças, do seu corpo, o depositário da sua identidade não revelada: Na frente do espelho olhei as minhas olheiras fundas, a pele toda escamada, os lábios ressequidos, enfiei a língua pela cárie inflamada de um dente, pensei que não adiantava nada eu permanecer, contabilizando sinais de que o meu corpo estava se deteriorando (NOLL, p.16). Dores no corpo, vertigem, falta de ar, são os recados do corpo, anunciando ao narrador-protagonista a viagem final que o identificaria com todas as outras pessoas, a morte. Para Benjamin: É no momento da morte que o saber e a sabedoria do homem e, sobretudo, sua existência vivida é dessa substância que são feitas as histórias assumem pela primeira vez uma forma transmissível. Assim como no interior do agonizante desfilam inúmeras imagens visões de si mesmo, nas quais ele se havia encontrado sem se dar conta (BENJAMIN, 1994, p. 207). O corpo que fazia eclodir todos os seus instintos, e o colocava em comunhão, ainda que carnal, com o outro. Avancei e lhe beijei o pescoço [...] Eu abria os botões da sua blusa e lhe beijava os seios. Levantei a sai molhada e lhe apertei as coxas ela não usava calcinha. Marisa abriu alguns botões da batina e gozamos juntos, de pé (NOLL, p. 68).

13 13 Apesar do seu esforço em ignorar o tempo e alcançar distâncias, o corpo determina o curso da sua história, ou melhor, anuncia o fim do interminável percurso, contudo. O perecimento do corpo que também é configurado nas três mortes que ocorrem durante a narrativa, em nada abala o narrador-protagonista, que, sempre se distante desses acontecimentos uma atenção mais demorada, ou demonstrar algum tipo de emoção, seguia em frente, no seu já conhecido distanciamento das fraquezas humanas, em algumas, ajudava até a sua consumação: E falei baixinho: - Vai, Diva, vai sem medo, vai... A velha então suspirou e morreu (NOLL, p.67). Os sintomas da sua decadência iam sendo evidenciados em cada lugar por onde passava, no trajeto da sua viagem até chegar a Arraiol, onde teve uma das pernas amputadas, e, ficou impotente após um acidente em circunstâncias não muito claras. Impedido de se movimentar e de realizar os seus desejos sexuais com Diana, a filha do médico e candidato a prefeito que o operou. Fica impedido assim, de configurar também a sua identidade masculina. É em Arraiol que ele conhece o enfermeiro Sebastião, aquele que o acompanha até a sua última viagem. Apesar da narrativa não esclarecer muito bem a relação entre o narradorprotagonista e Sebastião, infere-se a existência de uma amizade, não obstante o seu esquivar ante os afetos, os sentimentos, a memória. Mas, eis que lhe surge o desejo irrefreável de retornar a uma praia onde freqüentara na infância, a praia de Pinhal, seria um retorno à origem? Sob o pretexto de visitar a avó e conhecer o mar, Sebastião aceita o convite para realizar aquele que seria o último desejo do viajante. Chegando lá, hospedam-se no Hotel Atlântico, este será o seu último lugar de passagem, ali perderá os sentidos.chegar à beira do mar é se deparar com o desconhecido, diante dele sucumbiu como toda criatura humana:

14 14 Aí Sebastião olhou o mar. Eu também, o mar escuro do Sul. Depois ele virou a cabeça para o lado e olhou para mim. Pelo movimento dos seus lábios eu só consegui ler a palavra mar. Depois eu fiquei cego, não via mais o mar nem Sebastião. Só me restava respirar, o mais profundamente. E me vi pronto para trazer, aos poucos, todo o ar para os pulmões. Nesses segundos em que enchia o pulmão de ar, senti a mão de Sebastião apertar a minha. Sebastião tem força, pensei, e eu fui soltando o ar, devagar, devagarinho, até o fim. (NOLL, p.110) E assim, a vida agora o desafiava a vislumbrar outros espaços, aquela sim seria a sua última e interminável viagem. O andarilho sem origem, sem nome, marca a sua existência com a negação da identidade, representa diferentes papéis em sua trajetória, e assume identidades momentâneas, vestindo e despindo máscaras. Talvez ele mesmo não se reconhecesse mais, e o leitor no intuito de decifrá-lo, persegue-o em suas andanças. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS A literatura de João Gilberto Noll arremessa o leitor por trilhas desconexas, numa narrativa caracterizada principalmente, pela sobreposição de múltiplas histórias, sem início nem fim, atribuindo a estas um caráter provisório, cujo significado vai sendo construído à medida que se penetra em sua linguagem cifrada e fragmentada, impulsionando o leitor a adentrar o universo desse viajante, movido por um inusitado e desconhecido desejo. Hotel Atlântico, constitui uma obra que permite refletir sobre a problemática dos diversos contextos que produzem a cultura e os comportamentos do homem pós-moderno. O ritmo acelerado com o qual as pessoas movimentam-se de um lugar a outro, sem se darem conta de si mesmas e do que deixam para trás. A ausência de referência e planos para o futuro denuncia uma existência que vai sendo costurada no último momento vivido. Inicialmente de forma grotesca, a ponto de provocar o choque, essa obra, nos desafia a penetrar por desvios e rotas, nos confrontando com o empreendimento da

15 15 contemporaneidade. Essa realidade é marcada pelo ritmo frenético e acelerado da sociedade globalizada, como também, pela indiferença e esmaecimento das sensibilidades, que surpreendentemente nos condicionam a todas as circunstâncias e conseqüências desse viver desenfreado sem tempo para ser e sentir. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIAS ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio D água, BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, Microfísica do poder. Trad. De Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2008.

16 16 HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, HALL, Stuart. A identidade cultural da pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, JAMESON, Frederic. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio.são Paulo: Ática, LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio, NOLL João Gilberto. Hotel Atlântico. São Paulo: Francis, ROUANET, Sérgio Paulo. As razões do iluminismo. São Paulo: Companhia das Letras, VILLAÇA, Nizia. Paradoxos do pós-moderno: sujeito e ficção. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1996.

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Minha mãe leu para mim um livro sobre salas de operações, Assim fiquei sabendo que meus médicos e enfermeiras usariam roupas estranhas e máscaras coloridas. Também fiquei sabendo que não me dariam nada

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

A Compaixão de Jesus*

A Compaixão de Jesus* A Compaixão de Jesus* Estudos bíblicos sobre a prática da compaixão no ministério de Jesus. Autor: Lissânder Dias Revista Mãos Dadas Caixa Postal 88 36.570-000 Viçosa MG cartas@maosdadas.net *Baseado no

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL

DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL "Antes eu desenhava como Rafael, mas precisei de toda uma existência para aprender a desenhar como as crianças. (Picasso) Os primeiros estudos

Leia mais

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014. Max Lânio Martins Pina, da Universidade Estadual de Goiás

Leia mais

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Elemar Kleber Favreto RESUMO Este artigo tem por objetivo esclarecer alguns aspectos mais gerais da crítica que Deleuze faz à

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

2014 Agosto Ed. 15 1

2014 Agosto Ed. 15 1 2014 Agosto Ed. 15 1 2 2014 Agosto Ed. 15 Editorial Caros assinantes, Como sinalizamos na edição de julho, esta edição fala sobre Felicidade. Começar a construir uma edição abordando um tema tão profundo

Leia mais

IDENTIDADES, HISTÓRIAS E MEMÓRIA

IDENTIDADES, HISTÓRIAS E MEMÓRIA 1 Julinete Vieira Castelo Branco (UFPI) GT 11 História, Memória e Educação IDENTIDADES, HISTÓRIAS E MEMÓRIA Este estudo pretende despertar algumas reflexões, acerca da discussão atual sobre as formas de

Leia mais

Passagens, móveis e projeções

Passagens, móveis e projeções Passagens, móveis e projeções A fotografia, que tem tantos usos narcisistas, é também um poderoso instrumento para despersonalizar nossa relação com o mundo; e os dois são complementares Susan Sontag Olho

Leia mais

COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL

COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL por: Danelectro Olá, amigos! Como vocês já devem ter percebido, o mundo moderno está repleto de coisas iguais. Carros, computadores, móveis, comida: tudo é fabricado

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

CrônicaCrônica. Atividade de Geografia 9ºano / 2012 1 trimestre

CrônicaCrônica. Atividade de Geografia 9ºano / 2012 1 trimestre CrônicaCrônica Atividade de Geografia 9ºano / 2012 1 trimestre Quase sempre um texto curto, com poucas personagens, e que se desenvolve a partir de um fato ou de reflexão sobre um fato principal. Por essa

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

capítulo 3 Estatuto do Idoso, direitos e violações

capítulo 3 Estatuto do Idoso, direitos e violações capítulo Estatuto do Idoso, direitos e violações _IDOSOS NO BRASIL > vivências, desafios e expectativas na ª idade. Estatuto do Idoso, direitos e violações A maioria da população brasileira na ª idade

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5 1 Lc 5 AGUAS PROFUNDAS 1 Certo dia Jesus estava perto do lago de Genesaré, e uma multidão o comprimia de todos os lados para ouvir a palavra de Deus. 2 Viu à beira do lago dois barcos, deixados ali pelos

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Letrinhas Mágicas. 2. EPISÓDIO TRABALHADO Uma viagem de balão. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO O Senhor Borracha fica sabendo de uma competição

Leia mais

Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino

Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino Tobias através de Geoffrey Hoppe www.crimsoncircle.com Inspirando Consciências OS DOZE SIGNOS DO SEU DESPERTAR DIVINO Tobias através de Geoffrey Hoppe Por favor,

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE CINEMA E PÓS-MODERNIDADE Clarissa Souza Palomequé Urbano 2010 www.lusosofia.net Covilhã, 2009 FICHA TÉCNICA Título: Cinema e Pós-modernidade: Brilho eterno de uma mente sem lembranças e os relacionamentos

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS BAPAK FALA AOS CANDIDATOS PRÓLOGO Subud é um contacto com o poder de Deus Todo Poderoso. Para as pessoas que consideram difícil aceitar tal afirmação, Subud pode ser descrito como a realidade mais além

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Brincar e aprender: o jogo como ferramenta pedagógica no ensino de Física (guia para o professor)

Brincar e aprender: o jogo como ferramenta pedagógica no ensino de Física (guia para o professor) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física Brincar e aprender: o jogo como ferramenta pedagógica

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES 197 POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES DUSILEK, Alessandra 1 INTRODUÇÃO: Este relato de experiência é fruto de participação de um projeto de oferta de atendimento

Leia mais

13. Desatenção e cansaço

13. Desatenção e cansaço 13. Desatenção e cansaço Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do manual de Direção Defensiva do DENATRAN O ato de dirigir um veículo requer atenção permanente.

Leia mais

DIANTE DA LEI O ROTEIRO Baseado em conto homônimo de Franz Kafka - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM.

DIANTE DA LEI O ROTEIRO Baseado em conto homônimo de Franz Kafka - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM. 1 - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM.BR SEQ.01 A RECEPÇÃO DA LEI 2 (CENA 01 - INT. PORTARIA DA LEI.INDIFERENTE) O camponês toca uma campainha que está sobre um balcão.

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

Controvérsias sobre o PAS

Controvérsias sobre o PAS Controvérsias sobre o PAS Jair Pinheiro* Resumo: Este artigo visa apresentar um breve exame das causas do descompasso entre crítica e aprovação popular do PAS Plano de Atendimento à Saúde. Muito se tem

Leia mais

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves O desenvolvimento do desenho na criança de acordo com Jean Piaget Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III, ministrada

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

Palavras-chaves: Cidade. Memória. Identidade. Hotel Atlântico. Pós-modernidade.

Palavras-chaves: Cidade. Memória. Identidade. Hotel Atlântico. Pós-modernidade. I Congresso Nacional de Linguagens e Representações: Linguagens e Leituras III Encontro Nacional da Cátedra UNESCO de Leitura VII Encontro Local do PROLER UESC - ILHÉUS - BA/ 14 A 17 DE OUTUBRO 2009 A

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book)

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) 251 Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) Autor da resenha Thiago Costa Matos Carneiro da Cunha Psicanalista. Graduado em Psicologia

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

A planificação de atividades para a leitura e educação literária:

A planificação de atividades para a leitura e educação literária: A planificação de atividades para a leitura e educação literária: Apresentação do professor-leitor ao leitor em formação Um percurso de leitura Maria Vitória de Sousa Do professor ao aluno 1. Ler o texto

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

LETRADOS PARA O CONSUMO: IMAGENS QUE TRADUZEM INTENCIONALIDADES

LETRADOS PARA O CONSUMO: IMAGENS QUE TRADUZEM INTENCIONALIDADES 700 LETRADOS PARA O CONSUMO: IMAGENS QUE TRADUZEM INTENCIONALIDADES Fabiana Raphaelli Dias Michels 1 RESUMO: Este artigo descreve uma cena recorrente no centro de Porto Alegre. Trata-se de um evento de

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais