Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 Hospitalidade: uma característica para se pensar a pesquisa da imagem do Hotel Escola da Universidade do Oeste Paulista Astrogilda Rosa Beneli 1 Aline Franco Cano 2 RESUMO Este artigo trata de um cenário que faz pensar o estudo da imagem sob três vertentes: a imagem física, a imagem criada pela hospitalidade e a imagem resultante das duas primeiras, referentes ao Hotel Escola Santa Ana da Universidade do Oeste Paulista que serve como meio de aprendizagem aos alunos da FATUR ABSTRACT Hospitality: a characteristic to think the image research of the Hotel School of the University of the West of São Paulo This article deals with a scene that makes to think the image study under three sources: the physical image, the image created by the hospitality and the image resultant of those two first referring to the Santa Ana School Hotel of the University of the West of São Paulo that serves as a way of learning to the FATUR students. PALAVRAS-CHAVE: Hotel-escola, hospitalidade, imagem, pesquisa, semiótica KEY WORDS: school hotel, hospitality, image, research, semiotic É de domínio do senso comum a expressão uma imagem vale mais do que mil palavras. Este enunciado trata da imagem visual. Este tipo de imagem, embora interessante e necessário a esta pesquisa, não é suficiente para o estudo que se pretende fazer sobre o Hotel Escola Santa Ana da Universidade do Oeste Paulista, localizada na cidade de Presidente Prudente a uma distância de 576 quilômetros da capital paulista. Por isso não é apenas este tipo de imagem que será estudado neste artigo. De acordo com as teorias de Peirce e Greimas, como este estudo parte do campo da comunicação, a imagem formada, é fruto de estudos brotados da perspectiva semiótica que se efetiva hegemonicamente na análise da imagem do hotel em suas três dimensões. A imagem visual que é muito importante na cultura ocidental, neste trabalho, corresponde ao nível discursivo, ou primeiro e fornece elementos para análise iconográfica. Estas fazem pensar sobre um estudo crítico da imagem global, vista em três níveis diferentes. Como os conhecimentos sobre a relação dos chamados receptores com o hotel são precárias em relação à profusão de imagens sugeridas, este artigo mostra que a produção da imagem final é efetuada sob a imposição de condições mínimas 1 Doutora em Letras. Lingüista, filóloga e semioticista. Vice presidente do COMTUR de Presidente Prudente. 2 Jornalista. Aluna do 4º termo do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Hoteleira da UNOESTE 1

2 para a sua produção. Se a interpretação depende daquilo que está sendo construído ou solidificado, a teoria semiótica francesa auxilia na busca do percurso gerativo do sentido da imagem do hotel escola, que não pode ser definida, partindo apenas do nível discursivo, do eixo da manifestação ou das aparências. Para que se possa ter uma opinião formada a respeito da imagem do hotel escola há necessidade de que o analista penetre na sintaxe e na semântica de sua estrutura semio-narrativa que abriga o nível profundo e o narrativo deste objeto semiótico. Partindo da análise do nível discursivo, ou melhor das aparências, o enquadramento, a perspectiva, o foco, as cores, a forma, o formato, a mobília, a decoração, o paisagismo, a recepção, a sala de café da manhã, os dois auditórios, a cozinha e as suítes nada representam numa leitura primária. Num segundo momento, relacionando tudo isto a um hotel escola é possível perceber que há uma perfeita harmonia e que esta permite a interpretação da imagem visual condicionada também pelo suporte e pela linguagem que o nível narrativo constrói. Desta forma este estudo fornece um panorama da recepção da imagem deste hotel, destacando não só a sua imagem visual, mas também buscando outros elementos que remetem ao estudo de sua imagem como um dos componentes da percepção dos receptores em sua relação com ele. Desta forma esta pesquisa está tratando da relação dos professores com este espaço, no qual a presença da imagem visual aparece como fator preponderante. Esta não podendo ser negligenciada como elemento constitutivo de sua imagem, cuja estrutura profunda está fundamentada no par de oposição semântica lucratividade versus hospitalidade de onde se retira o sentido da existência do hotel escola, corpus de análise deste artigo. Inicialmente, afirma-se a lucratividade. Há ausência de profissionais qualificados para aproveitamento de funcionários antigos, emprego vitalício, ausência de alunos estagiários, resistência a qualquer tipo de mudança ou padronização dos serviços para se evitar gastos. Depois nega-se a lucratividade: a placa, o local de construção, (Câmpus II da UNOESTE, onde funciona também o Curso de Turismo), os funcionários, o café da manhã, a manutenção das estruturas físicas e dos serviços geram gastos para a instituição. Não há como manter o hotel em perfeito funcionamento sem que haja verba destinada a ele. Finalmente, negada a lucratividade, afirma-se a hospitalidade. O objetivo primeiro da mantenedora é proporcionar um bom acolhimento aos professores e demais profissionais que prestam serviços na área da educação. Para tanto há necessidade de se fazer um planejamento para se aproveitar melhor este espaço. Talvez por questões metodológicas não há como encontrar estratégias, ferramentas e procedimentos concebidos conceitualmente ou desenvolvidos empiricamente para definir a imagem do hotel de maneira consistente e conseqüente. Portanto, para delinear os seus traços, aplica-se a teoria semiótica, através da qual se analisa a performance, ou seja a produção de uma imagem que se vai tecendo, graças à sua recepção. Assim, esta pesquisa é uma tentativa de compreender a leitura dos professores que se hospedam no hotel escola e são clientes fixos. Esta permite analisar a relação particular que eles têm com as duas imagens do hotel; aquela com fortes apelos visuais e aquela que se forma a partir de relações inter-pessoais para se concluir qual é o sentido deste hotel. 2

3 Aplicando a noção proposta por Roland Barthes a respeito de punctum pode-se definir a imagem do hotel escola como um objeto ainda parcial, não acabado, um lugar pungente, carregado de sentido, que oferece indícios para a fixação de sua imagem segundo um referencial. Esta imagem é constituída historicamente na proporção da passagem da lucratividade para a hospitalidade. Tal mudança é observada pelos professores que resgatam aquilo que na sua imagem visual é puro signo e passam isto para o olhar do pesquisador que estabelece relações e faz interpretações de acordo com o legado peirceano e a teoria proposta por Greimas. Por tratar-se de um conjunto de investigações que revelam uma aproximação ao embrião do que se poderá chamar de pesquisa sobre recepção de uma imagem que parte de duas vertentes para se chegar a uma terceira, é possível dizer que se partir de estudos culturais, a imagem deste hotel jamais será tecida com apenas mil palavras. Portanto, acredita-se que outras pesquisas com enfoques diferentes poderão também ser realizadas. De modo bastante lento, a imagem do hotel escola será solidificada até à incorporação de um referencial, cujo foco seja o espaço cultural do receptor, fazendo mediações na configuração da relação entre sujeito receptor primeiro; sujeito receptor segundo, e sujeito receptor terceiro. Aqui é importante dizer que sujeito não deve ser confundido com pessoa, uma vez que a mesma pessoa pode ocupar as três posições de sujeito, dependendo de seu envolvimento com o objeto semiótico em análise. Assim, tem-se: sujeito receptor primeiro que apenas vê, contempla o visual: um prédio verde; sujeito receptor segundo que estabelece relações entre o que vê com o que aquilo lhe representa: um hotel, localizado no Câmpus II da UNOESTE, e sujeito receptor terceiro que interpreta usando os conhecimentos obtidos do primeiro, do segundo e acrescentando os seus concretiza a imagem definitivamente como se fosse uma lei: um hotel escola que acolhe professores. É necessário tratar a imagem do hotel com estudos que englobam a questão da hospitalidade, que até o momento da presente pesquisa não foi tematizada ou problematizada. A vertente hospitalidade será tomada como elemento importante na constituição da imagem que se tece através de pontos de vista diferentes, envolvendo três tipos de mediações que estabelecem a relação dos hóspedes com o hotel: a) a cotidianidade familiar: Os professores são hóspedes cotidianos e fixos do hotel. Isto é muito positivo para esta pesquisa uma vez que uma imagem não pode ser formada tão rapidamente através de passagens não durativas. b) A competência cultural: É através desta que se pode abordar a apropriação e a interpretação das imagens construídas pelos professores, uma vez que esta categoria é uma espécie de matriz interpretativa configurada pela memória cultural, pela educação e pelo imaginário destes hóspedes. c) A temporalidade social: Esta permite a formação de imagens de acordo com a faixa etária dos ocupantes. Estes são jovens e adultos, portanto há uma divergência de opiniões, uma vez que a maneira de ver é diferente em cada idade. Para cada uma delas há temas que atendem às inclinações 3

4 do momento. O que é interessante aos adultos pode não interessar aos jovens, por exemplo o silêncio. A pesquisa foi aplicada aos professores, já que o tempo de permanência no hotel faz deles hóspedes familiares, com competência cultural capaz de dar sentido à impressão que absorvem do hotel, pois ao ser ativada por eles deflagram um processo de interpretação e apropriação que, corresponde às lógicas do uso do hotel, enquanto beneficiários da instituição onde trabalham e das práticas ali desenvolvidas. Tudo isso somado é que vai constituir a imagem que esta pesquisa pretende definir. Segundo Orozco 3 é possível tematizar a relação com a imagem através da categoria mediação individual. Esta também pode ser explorada em consonância com a da competência cultural. Conjugada com as mediações situacional e institucional, a mediação individual trata da subjetividade na recepção da imagem do hotel analisado. Nela estão sendo consideradas as configurações de classe social, geração, etnia e espiritualidade que dão forma e sentido às práticas e interpretações deflagradas na relação professores x hotel. Obviamente foi necessário explorar também a mediação institucional, uma vez que esta faz parte da construção imagética e imaginária, além de proporcionar a experiência e a formação dos receptores diante de um sensorium especial. Trata-se de uma Universidade que constrói e decora um hotel escola para proporcionar conforto aos professores que procedem de outras localidades. Percebe-se que este trabalho é uma tentativa de explicitar a imagem do hotel que nasce da relação dos receptores com ela. Discute o problema de forma a mostrar sua importância devido ao entrelaçamento, cada vez mais denso, dos modos de simbolização e ritualização do laço social criado entre UNOESTE x professores com o modo de operar do fluxo imagético. Considerando a formação desta imagem única e diferenciada em Presidente Prudente, mas que se insere no mundo de imagens criadas neste lugar estratégico, pode-se dizer que esta representa-se como uma fonte de batalha pela cultura, permitindo afirmar que o hotel escola coloca o Oeste Paulista, ou mais precisamente a cidade de Presidente Prudente e nela a UNOESTE como modelo para o funcionamento de Cursos de Turismo e Hotelaria no interior do Estado de São Paulo. Imagem e hospitalidade. Entre os anos de 2004 e 2005 foi realizada uma pesquisa no Hotel Escola Santa Ana para análise de sua imagem, partindo da estrutura física e da hospitalidade. Mas antes de se 3 Orozco, Guilhermo (coord). La comunicación desde las practicas sociales. Cuadernos de comunicacíon y práticas sociales 1. PROUCOM. México 4

5 falar detalhadamente nos resultados da pesquisa, é necessário ter alguns conceitos que são fundamentais para a compreensão da mesma. Primeiramente, parte-se do conceito de imagem. Todos os povos possuem acesso à imagem, que é de uma leitura dinâmica e imediata. Sendo simbólica é melhor entendida que a palavra. Esta tem um vocabulário extenso. Explica Menezes que a imagem atinge de forma mais direta os sentidos humanos. Compreendem-se as imagens mais rapidamente que os conceitos. (MENEZES) 4 Assim, uma palavra pode ter vários significados. Estes estão no dicionário, já uma imagem é enigmática, cada pessoa vê de sua maneira. Um texto não reflete tudo que uma pessoa imagina, através de uma imagem isto talvez seja possível. Menezes ainda diz que uma imagem é econômica porque encurta as demonstrações e abrevia as explicações, na maioria das vezes um bom esboço é preferível a um longo discurso. A imagem mobiliza com facilidade e é ao mesmo tempo, um perigo a um instrumento de expansão.(menezes) 5 Uma imagem é de fácil compreensão pelo homem por ser mais memorizável do que palavras, não possui a barreira das línguas, independente de sua nacionalidade, um quadro, foto, ou uma imagem é entendida por todos. A imagem possui um grande poder, ela produz efeitos diferentes em cada pessoa, pode até modificar condutas. Assim como as palavras podem ferir, machucar, aliviar e trazer entusiasmo, as imagens podem também fazer estremecer, salivar, causar náuseas; há imagens que excitam, que levam as pessoas a tomarem certas atitudes, comprar determinados produtos. Para que a imagem do hotel seja entendida é necessário usar os olhos da mente como se fossem tocar gradativamente a imagem até sua totalidade, como se estivessem dessa forma tocando sua tridimensionalidade, ou seja: os três níveis que correspondem à leitura de suas estruturas profundas, narrativas e discursivas. Para que isto aconteça há uma necessidade emergente de se desconstruir hábitos para se construir imagens. Perceber e interpretar uma imagem causa confusão; reconhecer uma imagem não significa que esteja compreendendo a sua mensagem. Pois uma imagem pode ter uma significação particular, vinculado ao íntimo de cada pessoa, as expectativas e conhecimentos do receptor. Desta maneira, interpretar e reconhecer as imagens são processos mentais complementares, mesmo que se pense que são simultâneos, e assim deve-se ter cuidado para não ocorrer a confusão daquilo que se percebe com o que deve ser percebido. A leitura de uma imagem, sobretudo desta imagem que é tratada por este texto, também pode ser científica, desde que seja feita a partir de teorias. Assim esta imagem após a sua construção mental, poderá ser transformada numa imagem visual que represente o seu sentido. Este pode estar no logo, no uniforme dos funcionários, na placa de identificação, na recepção, em cada suíte, em outdoors, enfim em muitos outros lugares para que ela fique inculcada como imagem símbolo da hospitalidade. Então, o que se nota é que cada pessoa percebe e interpreta a imagem de acordo com sua vivência ou cultura. Neste sentido, a pesquisa mostra que cada cliente faz uma imagem diferenciada do hotel de acordo com as experiências que teve na vida. 4 MENEZES, Aline de. O Poder da Imagem: um olhar sobre a percepção e produção imagística humana e suas possibilidades comunicacionais. 5 Idem 1 5

6 Devido a estes fatos, pode-se afirmar que é a partir da reunião das imagens individuais captadas, que brota o sentido do hotel escola da UNOESTE. Os clientes entrevistados delineiam uma imagem simbólica e outra funcional do hotel escola. A imagem funcional é delineada, tendo como ponto de partida, os serviços específicos do mesmo, que possibilitam uma atmosfera de relaxamento e descanso, boas acomodações, com serviço de copa e cozinha, de governança e de recepção. Já a imagem simbólica surge ligada à personalidade do hotel, a imagem que ele passa aos clientes, incluindo a questão da hospitalidade. A pesquisa realizada analisa estes dois aspectos; a imagem funcional através do questionamento sobre os serviços de recepção, café-da-manhã, acomodação e limpeza. E a imagem simbólica através da avaliação sobre o atendimento e a estrutura física do hotel. A imagem do hotel está associada também à hospitalidade que é percebida pelo cliente. É através da hospitalidade que o cliente constrói a imagem do hotel. Então, é bom definir o que é hospitalidade. Conforme menciona Kye-Sung a hospitalidade é uma indústria que engloba negócios dedicados à prestação de serviços a hóspedes que estão longe de suas casas. Segundo ele, a hospitalidade pode ser definida por sua abrangência, missão e fornecedores. Se, hospitalidade é o ato de acolher e prestar serviços a alguém que esteja fora de seu domicílio, o hotel escola cumpre o seu papel. Se hospitalidade é uma relação entre dois protagonistas, aquele que recebe e aquele que é recebido, ela é uma marca deste hotel. Se ela implica a relação entre um ou mais hóspedes e uma organização, colocando a questão de recepção nesta organização, inserindo-a no modo de funcionamento existente, o hotel escola como qualquer outro também está inserido nesta mesma indústria. Mas, ampliando a noção de hospitalidade ao englobar a relação que se estabelece entre o espaço físico do hotel e seus clientes, percebe-se que a hospitalidade abrange não somente a acomodação, mas também a alimentação, o conforto e o acolhimento, proporcionando aos professores a sensação de bem-estar. Neste aspecto é que os dados da pesquisa foram interessantes. Se a hospitalidade é um serviço intangível que não se pode tocar e nem ver, mas sentir, então, o respeito pelos hóspedes, o ato de pôr a mesa por aqueles funcionários tão simples, o sorriso, a amabilidade são sinais de hospitalidade detectados pelos clientes do hotel. A hospitalidade, referindo-se ao acolhimento dado, faz com que os professores sintam-se em casa em um local que lhes é estrangeiro, levando-os a se sentirem seguros, tendo conforto e bem-estar simultaneamente. Além de tudo isso, os professores recebem algo que não foi pago com o seu dinheiro. É a cortesia da UNOESTE para os professores que vêm de fora. A tradição de quem recebe, a boa vontade, o desapego para tratar bem são motivações para que os professores se mantenham na Instituição. A noção de hospitalidade pode ser traduzida como o ato de acolher e hospedar. É ainda a qualidade do hospitaleiro, a boa acolhida, a recepção. Também pode-se referir ao tratamento afável, cortês, à amabilidade à gentileza. Já a palavra hóspede pode ser aplicada tanto ao forasteiro, estrangeiro, como àquele que recebe ou ao que é acolhido com hospitalidade. O indivíduo que se acomoda ou se acolhe provisoriamente em casa alheia, hotel ou outro meio de hospedagem, o estranho também é um hóspede. Mediante os resultados da pesquisa, pode-se dizer que a UNOESTE tem profissionais da hospitalidade que procuram atender todas as expectativas de seus 6

7 professores e isto significa atender completamente suas necessidades e anseios. O trabalho desses profissionais se realiza de forma hospitaleira porque observou-se que a maioria dos clientes estão satisfeitos. A palavra hóspede inclui a noção de hospitalidade tanto para quem recebe como para quem é recebido. Portanto, há necessidade de transformar os clientes do hotel em clientes hospitaleiros. De acordo com a pesquisa, a hospitalidade é uma experiência sentida pelos professores, essa experiência provém de fatores sociais, do contato deles com outras pessoas. Os fatores estéticos e funcionais também são notáveis neste hotel: os ruídos das camareiras, o cheiro bom do café da manhã, a limpeza, a intra-estrutura. Ao entrar em contato com os clientes verificou-se a verdade. Nem tudo é perfeito. Problemas foram detectados, tais como: número precário de funcionários e de estagiários. Estes ocasionam muitos outros, tais como a falta de serviços noturnos na área de alimentos e bebidas. A Pesquisa Através de duas pesquisas realizadas no Hotel Escola Santa Ana da UNOESTE, analisou-se a percepção que os clientes possuem em relação à hospitalidade que é ponto muito importante na formação da imagem do hotel. As pesquisas mostraram os seguintes resultados: - no período de 08 a 20 de março de 2004 a pesquisa avaliou os serviços de recepção, café-da-manhã, acomodação e limpeza dos apartamentos. Os critérios usados variavam entre ótimo, bom e regular, 43 pessoas responderam a pesquisa que forneceu os seguintes dados: Atendimento da recepção: Ótimo: 24 pessoas 55,9% Bom: 18 pessoas 41,8% 30 Regular: 01 pessoa 2,3% Café-da-manhã: Ótimo: 21 pessoas 48,8% Bom: 17 pessoas 39,6% Regular: 05 pessoas 11,6% Acomodaçoes: Ótimo: 26 pessoas 60,4% Bom: 17 pessoas 39,6% Regular: Limpeza: Ótimo: 21 pessoas 48,8% 0 Bom: 16 pessoas 37,2% Regular: 06 pessoas 13,9% Recepção Café Acom. Limpeza Ótimo Bom Regular Ao analisar as perguntas fechadas, nota-se que o hotel está atendendo as expectativas dos clientes, deixando uma pequena clientela insatisfeita com a limpeza e café-da-manhã. A pesquisa ainda deixou um espaço para que os clientes deixassem críticas, sugestões e observações. 7

8 Os problemas levantados pelos hóspedes (limpeza, camareiras, rouparia, recepção e copa) permitiram percepções de valor porque mostraram que os serviços não podem ser medidos na graduação contínua de bom para ruim. A existência de tal escala é impossível, porque as variáveis envolvidas na determinação dos serviços prestados e classificados como bom ou ruim as expectativas dos hóspedes e a imagem da empresa não foram fixas, uma vez que variaram de cliente para cliente. Até mesmo o conceito de valor ou de quanto vale a pena os serviços prestados aos professores pela empresa, baseou-se na percepção dos clientes. Esta percepção, conforme mostra a pesquisa, é adversa. Porém é importante ressaltar que apesar de os hóspedes serem professores da instituição, todos querem serviços de qualidade e que eles percebem um serviço de qualidade conforme suas próprias expectativas com relação aos profissionais que lá atuam. Este ano (2005), alguns clientes do hotel escola responderam a outro questionário com perguntas abertas que pretendiam avaliar a sua percepção sobre a imagem física do hotel e o atendimento. No que diz respeito à imagem física, os entrevistados responderam que é aconchegante, simples mas funcional, proporciona um agradável repouso, uma decoração esmerada e o verde-água da pintura se destaca na paisagem. Mas possui alguns problemas. Citaram como exemplo a manutenção e a falta de elevador. Já na questão do atendimento, os hóspedes mostram-se mais satisfeitos quando os alunos do Curso de Turismo e Gestão Hoteleira, estão presentes, embora teçam também elogios ao atendimento realizado pelos funcionários. Os entrevistados dizem que estes são atenciosos e tratam os clientes com educação e respeito. A imagem do hotel escola numa visão semiótica As estruturas profundas deste objeto semiótico (hotel escola) conforme já foi visto anteriormente está fundamentado no par de oposição semântica hospitalidade x lucratividade. Analisando a modalização do seu ser, tem-se dois ângulos a serem examinados: a) da modalização veridictória que determina a relação do sujeito (professores) com o objeto (hotel escola), b) da modalização pelo querer, dever, poder e saber, que define os valores investidos no objeto. As modalidades veridictórias articulam-se como categoria modal em ser x parecer. Quando no eixo da imanência e da manifestação se trabalha com o positivo ser e parecer, tem-se a verdade revelada a respeito do hotel. Ele é um ambiente onde reina a hospitalidade e parece hospitaleiro porque segundo a teoria explicada por Chon (2003:11), nele se encontram os cinco elementos principais que compõem a escala pela qual os serviços são julgados: 1) tangibilidade, 2) credibilidade, 3) responsabilidade, 4) garantia e 5) empatia que contribuem muito para a percepção da qualidade dos serviços prestados. A estrutura aconchegante e a belíssima entrada, o tratamento cordial na recepção parecem com hospitalidade já na primeira impressão. Quando no eixo da imanência e da manifestação se trabalha com juízos negativos não ser x não parecer tem- se a falsidade. Se não é hospitaleiro e não parece ter como finalidade o lucro, levando em consideração o par de oposição que fundamenta sua estrutura profunda, este julgamento é falso. 8

9 Uma mentira revelada sobre este hotel estaria alicerçada no seguinte juízo de valor: um pensamento positivo sobre a sua aparência e um negativo sobre sua imanência. Assim: o hotel parece hospitaleiro mas não é. Então, um enunciado deste tipo, segundo a teoria semiótica greimasiana é uma mentira que se tece sobre a imagem do hotel. Partindo da observação de certos clientes é possível analisar o hotel da seguinte forma: há aqueles que emitem juízos negativos quanto à aparência e positivos quanto à imanência, dizendo que o hotel não parece hospitaleiro, mas é. Foi construído para que os alunos possam ser treinados nele para atenderem aos professores, portanto em perfeito funcionamento ou não, ele não deixa de ser um hotel escola e que a característica essencial da hotelaria, ou seja a da hospitalidade é confirmada. Eis aí o segredo que a pesquisa revela, em consonância com as descobertas de Algirdas Julien Greimas, semioticista francês. A determinação pelas modalidades do dever e poder da relação do hotel com os valores implícitos também se referem `a modalização do mesmo. Este tipo de modalização transforma a existência modal do hotel que passa de um estado inicial de conjunção da lucratividade para disjunção desta. Assim é possível afirmar que o hotel está em conjunção da hospitalidade, objeto valor almejado, porque ele deve e pode fazer isto, por meio dos objetos modais recursos humanos e infra-estrutura. Desta forma, a hospitalidade é uma conseqüência do bom acolhimento, objeto de valor procurado. Após a aplicação da teoria greimasiana no estudo do hotel escola, fica claro que sua imagem está delineada e que o hotel pode ser enquadrado entre as empresas do ramo com o diferencial da hospitalidade, devido aos serviços prestados aos professores que trabalham na UNOESTE. Conclusão Percebe-se que os resultados da pesquisa, apesar de muito positivos, apontam também um ponto que merece ser destacado. Um número maior de estagiários dos Cursos de Turismo e Gestão Hoteleira trabalhando no hotel, muito contribuirão para melhorar cada vez mais a sua imagem. Para tanto é necessário a inclusão de funcionários com formação acadêmica da área de Hotelaria, qualificados e aptos para assumirem cargos de chefia, impondo um padrão rígido de serviço e cumprindo normas de qualidade técnica para não comprometer a aprendizagem dos alunos. Além disso é bom que estes mesmos estagiários tenham outras oportunidades de estágio em outros locais, abrindo para eles novas perspectivas. A pesquisa permitiu concluir que a ausência de mão de obra qualificada afeta diretamente a hospitalidade. Após a realização desta pesquisa, os alunos do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Hoteleira da UNOESTE fizeram um projeto orientado pelo professor Francisco Barbosa do Nascimento Filho que apresenta um esquema de funcionamento ideal para o hotel. Estes mesmos alunos encerraram o semestre letivo com a realização de um evento denominado Hotel Cultural, organizado pela professora Milene Cristina Toreli. A proposta é que o projeto dos alunos seja implantado a partir de 2006 e que o próximo artigo possa falar sobre as mudanças pretendidas. Espera-se que este hotel, inaugurado há pouco tempo (agosto de 2003) continue melhorando a sua imagem de hotel escola a cada dia e que a hospitalidade seja verdadeiramente o seu diferencial. 9

10 É possível afirmar que muita coisa está sendo feita, mas é necessário pensar outras, sobretudo na possibilidade de melhorar cada vez mais a sua imagem através de recursos humanos competentes para que ele se constitua verdadeiramente um hotel escola. O envolvimento da direção, coordenação e professores é de fundamental importância. Com isto os alunos serão beneficiados e terão o perfil de egresso desejado, expresso no projeto pedagógico do curso. Bibliografia BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria Semiótica do Texto. 3ª ed. São Paulo: Àtica, CHON, Kye-Sung K. e SPARROWE, Raymond T. Hospitalidade: conceitos e aplicações. Tradução Ana Beatriz de Miranda e Silva Ferreira; revisão técnica Gleice Regina Guerra. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, MENEZES, Aline de. O Poder da Imagem: um olhar sobre a percepção e produção imagística humana e suas possibilidades comunicacionais. (17/07/2005) VVAA. Hospitalidade: Reflexões e Perspectivas. 1ª ed. São Paulo: Manole, COOPER, Chris & SHEPHERD, Rebecca et WESTLAKE, John. Educando os Educadores em Turismo: manual de educação em turismo e hospitalidade. São Paulo: Roca,

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

O Projeto de Pesquisa

O Projeto de Pesquisa O Projeto de Pesquisa CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é ensinar ao aluno sobre a definição e elaboração de um Projeto de Pesquisa. Ao final desta aula o aluno deverá apresentar seu projeto de

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa Câmpus Restinga Junho, 2013 Desenvolvimento Institucional APRESENTAÇÃO O presente relatório deve ser considerado como um Anexo ao Diagnóstico das Prioridades

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS *

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * Joserlene Lima Pinheiro Universidade Estadual do Ceará Marcilia Chagas

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

APRESENTANDO TRABALHOS NA JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA Unifebe. Profª Heloisa Helena

APRESENTANDO TRABALHOS NA JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA Unifebe. Profª Heloisa Helena APRESENTANDO TRABALHOS NA JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA Unifebe Profª Heloisa Helena SOBRE A JORNADA A Jornada de Iniciação Científica é um evento permanente da Unifebe e se constitui em uma ação

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

PROPOSTA E ROTEIRO DO VÍDEO INSTITUCIONAL DA UNEB/COITÉ

PROPOSTA E ROTEIRO DO VÍDEO INSTITUCIONAL DA UNEB/COITÉ PROPOSTA E ROTEIRO DO VÍDEO INSTITUCIONAL DA UNEB/COITÉ 1. PROPOSTA DO VIDEO: Mostrar como se organiza o campus XIV/UNEB em seus diversos setores, e além de enfatizar a importância da Universidade para

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Exposição nas redes sociais: uma análise à luz da Semiótica

Exposição nas redes sociais: uma análise à luz da Semiótica Exposição nas redes sociais: uma análise à luz da Semiótica Aline Akar Daniela Paula Cardoso Sandra Rocha Ribeiro Neste artigo, abordaremos uma realidade que tem ocorrido com frequência nas redes sociais:

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

Liderança e Gestão- Intervenção do diretor

Liderança e Gestão- Intervenção do diretor Liderança e Gestão- Intervenção do diretor A escola é, por definição, um espaço de ensino e de aprendizagem. Um palco onde os atores principais, alunos e professores, protagonizam a aventura do saber.

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

A BUSCA DA QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

A BUSCA DA QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE A BUSCA DA QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE Heliton E. M. Damasceno 1, Aline R. Gomes Damasceno 2, Antônio Pascoal Del arco Júnior 3, Francisco Cristovão de Melo 4 1 Graduação,Rua Visconde do Rio Branco,210,Centro,122000-000,Taubaté,SP,helitondamasceno@ig.com.br

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA 1 TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Quando nos deparamos com um aluno que apresenta dificuldade de aprendizagem, as perguntas

Leia mais

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2 Estudo da reta em geometria analítica: uma proposta de atividades para o Ensino Médio a partir de conversões de registros de representação semiótica com o uso do software GeoGebra Raquel Santos Silva 1

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO 190 RELATÓRIO FINAL BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO Uma das características mais marcantes da chamada sociedade da informação é o extraordinário desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

ESTÁGIO PROBATÓRIO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL NÚCLEO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO FUNCIONAL ESTÁGIO PROBATÓRIO DE SERVIDORES

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Seminário Telecentros Brasil

Seminário Telecentros Brasil Seminário Telecentros Brasil Inclusão Digital e Sustentabilidade A Capacitação dos Operadores de Telecentros Brasília, 14 de maio de 2009 TELECENTROS DE INFORMAÇÃO E NEGÓCIOS COMO VEÍCULO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO o Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO O intuito deste estudo é analisar os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Utopias e educação libertadora: possíveis fazeres na prática escolar participativa

Utopias e educação libertadora: possíveis fazeres na prática escolar participativa P á g i n a 19 Utopias e educação libertadora: possíveis fazeres na prática escolar participativa Marcos Antonio da Silva * Resumo: O presente trabalho analisa, crítico-dialeticamente, as práticas quotidianas

Leia mais

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA RESUMO: É difícil pensar em se memorizar um texto ou até mesmo uma história, sem o recurso da escrita. Mais difícil ainda, é imaginar como

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1

MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1 MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1 Um dos fatores que mais influenciam a permanência do educando em uma iniciativa EAD é a qualidade dos materiais que lhe são postos à disposição: não podem apresentar

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais