PADRONIZAÇÃO EM SERVIÇOS: TRÊS CASOS DE HOTÉIS NO ESTADO DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PADRONIZAÇÃO EM SERVIÇOS: TRÊS CASOS DE HOTÉIS NO ESTADO DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 PADRONIZAÇÃO EM SERVIÇOS: TRÊS CASOS DE HOTÉIS NO ESTADO DE SÃO PAULO Carlos Henrique Pereira Mello, M.Sc. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Prof. Pedro Luiz de Oliveira Costa Neto, Dr. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo; Universidade Paulista; Faculdades Tancredo Neves Prof. João Batista Turrioni, Dr. Universidade Federal de Engenharia de Itajubá (UNIFEI) Abstract: This paper aims to evaluate how organizations of the hotel branch standardize its service operations as part of its quality system. The work intends to research how standardization can be applied to the hotel services, which are its main limitations and how the services processes are standardized through case studies accomplished in there different categories of lodging organizations. Key words: Standardization, quality system, hotel service. 1. Definindo serviço Toda e qualquer organização necessita adquirir insumos e processa-los de forma a obter um resultado a fim de atingir os seus objetivos, com destaque para o lucro e a permanência no mercado. Para tanto, ela irá gerar produtos, serviços ou uma mistura de ambos. De fato, conforme frisa Contador (2001), cada vez mais produtos e serviços se inter-relacionam, sendo que as geradoras de produtos também oferecem serviços e as geradoras de serviços também oferecem produtos. Mas, afinal, o que é um serviço? A partir da idéia de processo acima, Castelli (1994) e Normann (1993) estabelecem que o serviço é o resultado de um conjunto de ações que fazem com que o produto passe às mãos do consumidor. Existem também as definições que sugerem que o serviço seja algo estritamente intangível, como Stanton (1986) e Kotler (1982). Isto já não ocorre na definição de serviço dada por Fitzsimmons e Sullivan (1982) e em Fitzsimmons e Fitzsimmons (2000). Para estes autores, um serviço é um pacote de benefícios implícitos e explícitos executados em uma instalação de suporte e utilizando bens facilitadores. Esta definição é um pouco mais abrangente e, além disso, concebe a existência comum entre os tangíveis e os intangíveis. Uma outra abordagem define o serviço dando ênfase maior ao seu valor para o destinatário, chamado de cliente-usuário. Esta abordagem é conceituada por Zarifian (1999), para quem o serviço é uma organização e uma mobilização, a mais eficiente possível, de recursos para interpretar, compreender e gerar a mudança perseguida nas condições de atividade do destinatário do serviço. Desta forma, analisando criticamente as definições dadas acima, pode-se definir serviço como sendo um conjunto de atividades realizadas de forma a mudar as condições do destinatário do serviço de uma situação A para outra situação B, de forma a atender as ENEGEP 2002 ABEPRO 1

2 necessidades do mesmo e agregar valor ao serviço prestado. 2. Classificação dos serviços Uma classificação dos serviços pode ajudar na organização da discussão sobre a sua administração e quebrar as barreiras da indústria com a troca de conhecimentos (Fitzsimmons e Fitzsimmons, 2000). Normann (1993) analisa o espectro de serviços através da descrição do que ele chama de pacote de serviços, ou seja, um conjunto de itens relacionados oferecidos ao cliente. Dentro deste pacote, ele distingue um serviço-núcleo e outros serviços periféricos ou secundários, da mesma forma como o fez Lovelock (1992b). Silvestro (1999) propôs um modelo de processo de serviço que distinguia três tipos de serviços: serviço profissional, loja de serviço ou serviço de massa. Schmenner (1999) classifica em quatro tipos os processos de serviços. São eles: fábrica de serviços, loja de serviços, serviços de massa e serviços profissionais. Já Lovelock (1992a) desenvolveu um esquema de classificação que propõe uma apreciação de possíveis dimensões estratégicas que transcendem as fronteiras da atividade. 3. Classificação dos serviços de hotelaria A partir das classificações de serviços propostas pelos diversos autores citados, procuramos estabelecer uma classificação para os serviços de hotelaria, conforme apresentado na Tabela 1. Através da análise dessa tabela, é possível avaliar qual a melhor estratégia de serviços a ser aplicada aos hotéis, bem como saber se a segmentação do mercado permite que as operações de serviço sejam padronizadas ou não, em razão do alto nível de personalização dessas operações. Relação quanto a Pacote de serviços Grau de padronização dos serviços Modelo de processo de serviço Matriz dos processos do serviço Natureza do ato do serviço Relacionamento com os clientes Personalização e julgamento na entrega do serviço Natureza da demanda do serviço relativa ao abastecimento Método de entrega do serviço Classificação do hotel Serviço-núcleo: hospedagem Serviços periféricos: restaurante, bar, lavanderia, estacionamento, limpeza dos quartos, telefone, etc. Job shop. Loja de serviços. Loja de serviços. Serviço dirigido ao corpo das pessoas. Os recipientes diretos do serviço são as pessoas e a natureza do ato do serviço é de ações tangíveis. Não há relacionamento societário e as transações não são contínuas. Alto grau de personalização das características do serviço e alto grau de julgamento por parte do pessoal de contato com o cliente. Quadrante 3. Local único e o cliente vai até a organização de serviço. No caso de hotéis de cadeia, passa a ser múltiplos locais. Tabela 1: Classificação dos serviços de hotelaria 4. Sistema de gestão da qualidade em serviço A necessidade e importância da padronização dos processos para produção de produtos e serviços e do próprio trabalho tem sido enfatizada para assegurar a qualidade dos produtos e serviços através da documentação do fluxo de trabalho, publicando os padrões de trabalho e trabalhando de acordo com os padrões (Kondo, 2000). ENEGEP 2002 ABEPRO 2

3 Para Campos (1994) o padrão é o instrumento básico para o gerenciamento da rotina do trabalho diário, indicando a meta (fim) e os procedimentos (meios) para execução dos trabalhos, de tal maneira que cada um tenha condições de assumir a responsabilidade pelos resultados de seu trabalho. Através deste conceito, podemos concluir que, mediante a padronização, as organizações obtêm redução na variabilidade dos seus processos com a definição da melhor prática que possa, sem inibir a criatividade, ser expressa pela melhoria dos padrões, facilitando a delegação de tarefas e o treinamento dos colaboradores Dificuldades encontradas na implementação da padronização O processo de padronização, assim como qualquer outro que envolve mudanças, enfrenta certas resistências durante a sua implementação. Muitas dessas resistências à padronização se devem, segundo Kondo (2000), aos seguintes motivos: a) Não é explicado aos funcionários o objetivo (meta) da sua tarefa. Eles são, simplesmente, forçados a seguir o procedimento documentado de trabalho. b) A falsa impressão de que a padronização inibe e impede a criatividade dos funcionários. Campos (1992) destaca outras dificuldades importantes, tais como: falta de determinação para a ação quando é observado trabalho fora do padrão; e falta de implementação prática (treinamento nos padrões), muito embora os padrões possam estar disponíveis nos locais de trabalho. Para sanar esses e muitos outros problemas que podem surgir durante a implementação da padronização, é necessário estabelecer um plano de implementação consistente, que assegure em cada uma de suas etapas os cuidados necessários para evitar a ocorrência desses percalços, tal como proposto por Campos (1992). Para finalizar esta questão, Suzaki (1987) afirma que, sem padrões, o aperfeiçoamento é muito limitado, pois as ações sempre retornarão a um estado caótico e haverá somente trabalho de apagar incêndios (problemas) a ser feito. Ainda sobre este aspecto, a padronização costuma ter uma má conotação porque restringe a liberdade de todos em fazer seu trabalho da forma como gostariam. Porém, na opinião do mesmo autor, isso faz parte do trabalho da padronização, pois nem todas as variações individuais melhoram os métodos estabelecidos, como propõe Hall (1987). O objetivo da padronização é justamente este, o de definir a melhor forma de realizar uma atividade, em consenso com todos os colaboradores que a executam, de forma a atingir o resultado esperado (previsibilidade), com qualidade e com o menor custo Implementação da padronização em serviços A padronização de processos segue uma metodologia utilizada universalmente para organizações de manufatura e de serviços, apoiada por trabalhos de diversos autores (Lee et al., 1999; Barros Filho e Tubino, 1998; Bergamo Filho, 1999; Lamprecht, 1994; Lamprecht e Ricci, 1997; Turrioni, 1992). Com o surgimento, na década de 80, das normas de sistemas de gestão da qualidade, notadamente a família ISO 9000, a padronização tem sido adotada como a base para o estabelecimento e implementação de tais sistemas. O sistema de gestão da qualidade proposto pelas normas da família ISO 9000 teve como base até sua revisão de 1994, a abordagem da garantia da qualidade. A revisão da norma aprovada em 2000 tem como base a abordagem da gestão da qualidade (Laszlo, 2000). Ou seja, a norma evoluiu de uma abordagem voltada para a qualidade do produto para outra voltada para o negócio e para a satisfação das necessidades dos clientes. Entretanto, a implementação de um sistema de gestão da qualidade e, conseqüentemente, da padronização, é alvo de algumas críticas (Burgess, 1999 e Dick, ENEGEP 2002 ABEPRO 3

4 2000), tais como: promover a criação de uma papelada burocratizante; a ênfase na conformidade requer provar que o sistema funciona tendo por base a documentação e não os resultados que ele proporciona; os padrões criados são estáticos, engessam os processos e não levam a atingir os seus objetivos para produtos e serviços; a padronização requerida para a implementação de um sistema de gestão da qualidade inibe a criatividade. Todas essas críticas, e muitas outras que podem vir a surgir, não são infundadas, mas são fruto da implementação de sistemas de gestão da qualidade que não levaram em consideração a individualidade das organizações pois, segundo Conti (1999), na organização que aprende, os padrões do sistema de gestão da qualidade são um conjunto de regras dinâmicas, sujeitas a revisões contínuas sob a luz dos novos conhecimentos, das novas práticas e do progresso obtido pelas organizações líderes do mercado. Como se verifica através da classificação dos serviços hoteleiros dada pela tabela 1, os hotéis são tratados, pela maioria dos autores, como sendo uma loja de serviços, apresentando como características principais: serviços de curta duração e com baixo volume de clientes processados, valor do serviço tanto na linha de frente quanto na retaguarda e com boas oportunidades para a padronização de operações. Sendo assim, algumas questões devem ser levantadas inicialmente, em relação ao sistema de padronização em serviços: a) A padronização pode ser aplicada a organizações e processos de serviços? b) Quais as suas limitações e quais os benefícios obtidos? c) Como os processos de serviços devem ser padronizados? Na tentativa para buscar respostas a essas questões, realizamos os estudos de casos descritos a seguir. 5. Estudos de casos 5.1 Justificativa da escolha O pré-requisito para a escolha dos hotéis para a realização dos estudos de caso foi: hotéis com sistemas da qualidade certificados ou em fase final de implementação. Os hotéis que atendessem a este primeiro critério nos assegurariam a existência da padronização, uma vez que os sistemas de gestão da qualidade baseados nas normas NBR ISO 9000 inserem a padronização dos processos como uma das principais ferramentas para a modelagem do sistema. 5.2 Roteiro da coleta de dados Para responder às perguntas feitas no item 4.2, foi desenvolvido um questionário com o objetivo de responder a todas essas questões, servindo como um roteiro durante a elaboração do estudo de caso. Esse roteiro foi divido em quatro etapas: planejamento da padronização, implementação da padronização, avaliação da padronização e melhoria na padronização. 5.3 Apresentação dos casos Para melhor visualização, a apresentação é feita utilizando-se a Tabela Análise dos dados A análise dos dados coletados através dos estudos de casos mostrou que, de uma forma geral, a estratégia para implementação de um sistema de gestão da qualidade e, por conseguinte, da padronização em serviços não difere muito daquela empregada em organizações de manufatura. ENEGEP 2002 ABEPRO 4

5 Assunto Caso 1: Grande Hotel Campos do Jordão Caso 2: Hotel Ibis São Paulo Expo Caso 3: Novotel São Paulo Morumbi Rede SENAC/SP. Accor. Accor. Segmento do negócio Hotel de luxo para lazer e eventos Hotel econômico para eventos. Hotel de luxo para atender empresários. Classificação 5 estrelas (não classificado pela Embratur) 3 estrelas (não classificado pela Embratur). 4 estrelas (não classificado pela Embratur). Sistema da ISO 9001:2000 (em fase ISO 9002:1994 desde ISO 9002:1994 desde qualidade final de implementação) Estrutura organizacional Tipos de documentos Tipos de mídia empregados Padronização no palco Padronização nos bastidores Mecanismos à prova de erros Participação dos funcionários Recuperação do serviço Avaliação dos resultados Principais benefícios Principais dificuldades Incorporação de melhorias Gerente geral, coordenador (representante da administração), seis gerentes setoriais, apoiados por consultoria externa. Manual da qualidade (MQ), instruções de trabalho e manual de treinamento. Cópia eletrônica (MQ) e cópia física para demais documentos (papel e foto). Sim, mas com enfoque diferenciado para satisfazer os clientes. Sim, para cumprir rigorosamente o padrão. Diretor, diretor assistente, gerência geral da unidade (representante da administração), assistentes, encarregados e colaboradores, apoiados por consultoria externa. Manual da qualidade e manuais de procedimentos. Cópia física (papel e fotos). Sim. O funcionário deve cumprir rigorosamente o padrão. Sim. O funcionário deve cumprir rigorosamente o padrão. Gerência geral, chefias e colaboradores. A Coordenadora de Eventos é a representante da administração para o sistema de gestão da qualidade. Manual da qualidade, procedimentos e instruções de trabalho. Cópia física (papel e fotos). Sim, mas os padrões definem os requisitos mínimos para satisfação dos clientes. Sim, mas os padrões definem os requisitos mínimos para satisfação dos clientes. Não utilizados no sistema. Não utilizados no sistema. Não utilizados no sistema. Tanto na elaboração quanto na melhoria, através de pesquisa feita pelo Coordenador da Qualidade. Não utilizada no sistema. Através de análise semanal do cronograma de implementação. Existe uma estrutura de nove objetivos da qualidade. Melhoria na integração entre os funcionários A rotatividade dos funcionários era alta antes da implementação do sistema da qualidade. Através de sugestões de funcionários e de questionários de pesquisa de satisfação de clientes. Tanto na elaboração quanto na melhoria, através de sugestões espontâneas e de reuniões programadas. Sim, através do contrato de satisfação de 15 minutos. Através de indicadores da qualidade de custos (consumo de energia) e de satisfação do cliente. Redução nos custos e aumento na satisfação dos clientes. Tropicalização dos padrões do sistema da qualidade que vieram da matriz na Europa. Através de sugestões dos funcionários e do sistema de ações corretivas (inclui reclamação dos clientes) e preventivas. Tabela 2: Resumo dos estudos de casos Participam na melhoria dos padrões através de sugestões feitas a seus chefes. Não utilizada no sistema. Através da apuração de dados do formulário de pesquisa a clientes, denominado contente/ descontente. Diminuição das reclamações de clientes, aumento do número de elogios, redução de custos com energia e pequena redução da mão de obra. Direcionamento, no início, para o antigo sistema de organizações e métodos (O&M), que engessou algumas atividades. Através do formulário de pesquisa a clientes denominado contente/ descontente. ENEGEP 2002 ABEPRO 5

6 A estrutura montada pelas três organizações estudadas para a implementação do sistema de gestão da qualidade é sempre focada na figura de um coordenador, quase sempre responsável pela editoração e controle da documentação e multiplicação do treinamento para outros níveis hierárquicos, apoiado por uma consultoria externa. Os padrões gerados são aqueles já tipicamente conhecidos: manual da qualidade, procedimentos, instruções de trabalho e manuais de treinamento. Apenas o Grande Hotel apresentou uma abordagem diferenciada, deixando os detalhes operacionais dentro do chamado manual de treinamento, um documento que, ao contrário dos demais mencionados, não era distribuído aos envolvidos, sendo apenas usado durante o treinamento dos mesmos e mantido arquivado pelo responsável pela área de treinamento. A seqüência de implementação desses padrões também não apresentou nenhuma novidade, a não ser pelo Hotel Íbis que, por ser um hotel de uma rede que estrategicamente optou pela certificação do sistema da qualidade de todos os seus hotéis, recebeu os padrões prontos, tendo apenas que adapta-los à sua realidade. De fato, em alguns casos, teve que adaptar a sua realidade para atender aos padrões, cuja origem está na França, com realidades contrastantes em relação à brasileira. O tipo de mídia empregada para a emissão desses padrões nesses hotéis foi a cópia física (papel), com algumas fotos ilustrativas para melhorar o entendimento, o que mostra uma certa resistência em se adotar o formato eletrônico para disseminação dos padrões, possivelmente pelo custo significativo dessa iniciativa. Somente no Grande Hotel esta abordagem foi adotada e, mesmo assim, apenas para o manual da qualidade. Nenhum dos hotéis pesquisados aplicou mecanismos à prova de bobagens (foolproof ou poka-yoke) no seu sistema de gestão da qualidade, como uma forma de evitar a ocorrência de falhas. Durante as entrevistas, observou-se que muitos dos entrevistados até mesmo desconheciam essa técnica, muito pouco difundida para aplicação em serviços, como se pôde observar durante a revisão bibliográfica feita para a elaboração deste trabalho. A possível limitação em relação a implementação dos padrões de trabalho nas operações de linha de frente, onde os clientes participam na produção e prestação do serviço, em contraposição com as operações de retaguarda, onde os serviços são produzidos sem a participação do cliente, foi uma das nossas preocupações na realização desta pesquisa. Contudo, a pesquisa nos três hotéis nos mostrou que tanto as atividades da linha de frente quanto as da retaguarda podem ser padronizadas. Porém, algumas limitações devem ser observadas em relação à padronização das atividades dos serviços de linha de frente, dependendo da estratégia do negócio da organização. Por exemplo, o Grande Hotel e o Novotel Morumbi (hotéis centrais e de luxo), estabeleceram padrões mínimos de atendimento para seus funcionários de linha de frente, mas que poderiam ser relevados desde que para atender ou exceder as expectativas ou necessidades de seus hóspedes, mesmo porque essa era uma das diretrizes das suas políticas da qualidade. As melhorias nos padrões são incorporadas basicamente através dos questionários de pesquisa com os clientes e de sugestões proativas ou reativas dos funcionários. As sugestões, por sinal, foram a forma anunciada de como esses colaboradores participam na padronização de seus processos. A recuperação do serviço foi um assunto pouco tratado de maneira formal dentro dos sistemas de gestão da qualidade dos hotéis pesquisados, sendo utilizada apenas por um deles. Finalmente, os estudos de casos mostraram que os indicadores da qualidade são as ferramentas mais utilizadas para a análise dos resultados da padronização dos processos. Estes indicadores mostraram que a padronização dos processos e a implementação de um sistema de gestão da qualidade proporcionaram resultados positivos em relação à melhoria ENEGEP 2002 ABEPRO 6

7 na moral dos colaboradores, redução nos custos, redução de mão de obra e redução do número de reclamações dos hóspedes. 7. Resultados e conclusões A padronização pode ser aplicada aos processos de prestação de serviços, em especial na hotelaria, de forma a assegurar a repetibilidade, a previsibilidade e a qualidade que os hóspedes esperam do serviço que estão adquirindo. A única limitação a ser considerada é na padronização dos processos da linha de frente que, conforme a estratégia do hotel, pode orientar os colaboradores sobre os critérios mínimos da qualidade de atendimento que devem ser seguidos, sendo que, quando o hóspede exigir algo a mais eles deverão valer-se do empowerment (autonomia) para buscar satisfazer ou encantar o cliente (no caso dos hotéis de luxo). No caso do hotel econômico, o padrão mínimo de atendimento foi seguido para não onerar os custos da estratégia adotada por este tipo de hotel. A sistemática para a implementação da padronização (ou de um sistema de gestão da qualidade) em processos de serviços em hotelaria deve começar pela escolha de um coordenador, que terá a responsabilidade de orientar e coordenar as pessoas da organização para as atividades de implementação. Cada setor ou departamento do hotel deve possuir um líder que coordenará o processo de padronização, junto aos seus subordinados, dentro de sua área de atuação. Cada área pode iniciar os trabalhos pelo mapeamento dos seus processos, através do qual serão elaboradas instruções operacionais e procedimentos gerenciais. Finalmente, deve ser elaborado o manual da qualidade, que um guia estratégico (visão macro) de todo o sistema de gestão da qualidade da organização. O auxílio externo de uma consultoria pode ser usado, desde que o coordenador não tenha a experiência necessária para a implementação do sistema de gestão da qualidade sem o seu auxílio. Finalmente, esperamos também que o levantamento bibliográfico feito para a realização do presente trabalho e discutido no texto possa ser de valia para outros pesquisadores interessados na problemática da qualidade de serviços. 8. Agradecimento Gostaríamos de agradecer a CAPES pelas bolsas de iniciação científica que financia, através das quais é promovida a pesquisa científica no Brasil, tendo viabilizado a realização do presente trabalho. 9. Referências bibliográficas BARROS FILHO, José Roberto e TUBINO, Dalvio Ferrari. Gerenciamento de processos: uma base sólida para a reestruturação fabril. Revista Produto & Produção, Vol. 2, No. 3, pp , BERGAMO FILHO, Valentino. ISO 9000 em Serviços: Um Passo para a Qualidade Total. Conceitos, Casos e Explicações. Editora Makron Books, São Paulo, BURGESS, Norman. Standards and TQM at the opening of the twenty-first century. The TQM Magazine, Vol. 11, No. 6, pp , CAMPOS, Vicente Falconi. Qualidade total padronização de empresas. Fundação Chistiano Ottoni, 4 a. Edição, Belo Horizonte, CAMPOS, Vicente Falconi. TQC: gerenciamento da rotina do trabalho do dia a dia. Fundação Christiano Ottoni, Rio de Janeiro, CASTELLI, Geraldo. Excelência em hotelaria: uma abordagem prática. Qualitymark, Rio de Janeiro, CONTADOR, José Celso. Modelo geral das atividades da empresa. Revista Gestão & Produção, Vol. 8, No. 3, p , ENEGEP 2002 ABEPRO 7

8 CONTI, Tito. Quality standards development in a hypercompetitive scenario. The TQM Magazine, Vol. 11, No. 6, pp , DICK, Gavin P. M.. ISO 9000 certification benefits, reality or myth? The TQM Magazine, Vol. 12, No. 6, pp , 2000 DOTCHIN, John A. e OAKLAND, John S.. Total Quality Management in Services. Part 1: Understanding and Classifying Services. International Journal of Quality and Reliability Management, Vol. 11, No. 3, pp. 9-25, FITZSIMMONS, James A.; FITZSIMMONS, Mona J.. Administração de Serviços. Operações, Estratégia e Tecnologia de Informação. 2 a. Edição. Bookman, Porto Alegre, FITZSIMMONS, James A.; SULLIVAN, Robert S.. Service Operations Management. McGraw-Hill Book Company, USA, HALL, Robert. W. Attaining manufacturing excellence: justi in time, total quality and total people involvement. Dow Jones-Irwin, Illinois, KONDO, Yoshio. Innovation versus standardization. The TQM Magazine, Volume 12, No. 1, pp. 6-10, KOTLER, P.. Marketing Management Analysis, Planning and Control. Prentice Hall, Nova Deli, LAMPRECHT, James L.. ISO 9000 e o Setor de Serviços: Uma Interpretação Crítica das Revisões Editora Qualitymark, Rio de Janeiro, LAMPRECHT, James L. e RICCI, Renato. Padronizando o Sistema da Qualidade na Hotelaria Mundial. Editora Qualitymark, Rio de Janeiro, LASZLO, George P.. ISO version: implications for applicants and examiners. The TQM Magazine, Vol. 12, No. 5, pp , LEE, Tat Y.; LEUNG, Hareton K. N. e CHAN, Keith C. C.. Improving quality management on the basis of ISO The TQM Magazine, Vol. 11, No. 2, pp , LOVELOCK, Christopher H.. Classifying services do gain strategic marketing insights. Managing Services Marketing, Operations and Human Resources. Second Edition. Prentice Hall International Editions, New Jersey, 1992a. LOVELOCK, Christopher H.. A basic toolkit for service managers. Managing Services Marketing, Operations and Human Resources. Second Edition. Prentice Hall International Editions, New Jersey, 1992b. NORMANN, Ricard. Administração de Serviços Estratégia e Liderança na Empresa de Serviços. Editora Atlas, São Paulo, SCHMENNER, Roger W.. Administração de Operações de Serviços. Editora Futura, São Paulo, SILVESTRO, Rhian. Positioning services along the volume-variety diagonal. The contingencies of service design, control and improvement. International Journal of Operations e Production Management, Vol. 19, No. 4, pp , STANTON, W.I.. Fundamentals of Marketing. McGraw-Hill, Singapura, SUZAKI, Kiyoshi. The new manufacturing challenge. Techniques for continuous improvement. The Free Press, Nova Iorque, TURRIONI, João Batista. A Implementação da Gerência da Qualidade Total com Base na Série ISO 9000 (NB 9000). Dissertação de Mestrado, USP, São Paulo, ZARIFIAN, Philippe. Valor, organização e competência na produção de serviço (Esboço de um Modelo de Produção de Serviço). Seminário Temático Interdisciplinar Os Estudos do Trabalho: Novas Problemáticas, Novas Metodologias e Novas Áreas de Pesquisa. USP/UNICAMP/CEBRAP, São Paulo, ENEGEP 2002 ABEPRO 8

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. Gerson Luís Russo Moysés, M. Sc. SENAC-SP, Av. Frei Orestes Girardi-3549,

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

Um modelo para Certificação ISO 9001:2000 em PMEs

Um modelo para Certificação ISO 9001:2000 em PMEs Um modelo para Certificação ISO 9001:2000 em PMEs Raimundo S.N. Azevedo Arnaldo D. Belchior Universidade de Fortaleza, Mestrado em Informática Aplicada, Fortaleza-Ceará, Brasil, 60811-341 sales.mia@unifor.br,

Leia mais

MODELO DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADO NA ISO 9000: 2000 : UMA APLICAÇÃO PRÁTICA

MODELO DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADO NA ISO 9000: 2000 : UMA APLICAÇÃO PRÁTICA MODELO DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADO NA ISO 9000: 2000 : UMA APLICAÇÃO PRÁTICA Eduard Prancic Escola Federal de Engenharia de Itajubá EFEI Inst. de Engenharia Mecânica Depto.

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade Roteiro da apresentação Controle de Qualidade 1 2 3 Lupércio França Bessegato UFMG Especialização em Estatística 4 5 Abril/2007 6 7 Conceito de Qualidade Não há uma única definição. Melhoria da Empresa

Leia mais

Mapeamento dos processos em serviços: estudo de caso em duas pequenas empresas da área de saúde

Mapeamento dos processos em serviços: estudo de caso em duas pequenas empresas da área de saúde Mapeamento dos processos em serviços: estudo de caso em duas pequenas empresas da área de saúde Carlos Henrique Pereira Mello, Dr. (Universidade Federal de Itajubá) carlos.mello@unifei.edu.br Eduardo Gomes

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos

A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos IETEC Instituto de Educação Tecnológica A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos Christiane Carraro Poubel Belo Horizonte, fevereiro de 2007. A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Introdução Qualidade é um dos principais objetivos da Engenharia de Software. Muitos métodos, técnicas e ferramentas são desenvolvidas para apoiar a produção com qualidade. Tem-se

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA CERTIFICAÇÃO ISO9001:2000 NO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA CERTIFICAÇÃO ISO9001:2000 NO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA CERTIFICAÇÃO ISO9001:2000 NO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Patricia Agnes Pereira da Silva (UNIFEI) paty_agnes@yahoo.com.br Paulo Henrique Paulista (UNIFEI) paulohpeca@yahoo.com.br

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

AUDITORIA CONTÍNUA. AREA: QUALIDADE 5.2 Key words: Quality auditing, Visual Managemente, Quality System, Internal Auditing

AUDITORIA CONTÍNUA. AREA: QUALIDADE 5.2 Key words: Quality auditing, Visual Managemente, Quality System, Internal Auditing AUDITORIA CONTÍNUA. Carlos Henrique Pereira Mello João Batista Turrioni Luiz Gonzaga Mariano de Souza Escola Federal de Engenharia de Itajubá, Avenida BPS 1303 Departamento de Produção, Cx 50 37.500.000

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Total Quality Management. Prof. André Jun Nishizawa Capítulo 3

Total Quality Management. Prof. André Jun Nishizawa Capítulo 3 Total Quality Management Prof. Capítulo 3 Sumário Gerenciamento por processo Padronização Gerenciamento da rotina Gerenciamento pelas diretrizes Sistemas de gestão normatizados Auditorias da qualidade

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS Código: ADM 452 Pré-requisito: - - - - - - Período Letivo: 2013.2 Professor:

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto I Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição de Projeto, Operação, Programa e Portfólio. Stakeholders. O que é Gerenciamento de

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

NOSSA HISTÓRIA. Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes.

NOSSA HISTÓRIA. Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes. NOSSA HISTÓRIA Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes. Estamos preparados para atuar no desenvolvimento, implementação, aprimoramento, treinamento

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PRODUTO CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM SERVIÇOS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PROCESSOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON NATAN BORGES DE SOUZA

AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON NATAN BORGES DE SOUZA TÍTULO: INSPEÇÃO E RASTREABILIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON

Leia mais

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria PPGE3M/UFRGS DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria Profa. Dra. Rejane Tubino rejane.tubino@ufrgs.br SATC 2013 Fone: 3308-9966 Programa da Disciplina Apresentação da disciplina Conceitos preliminares.

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ISO DA CONFIANÇA CIA. DE SEGUROS

ANÁLISE CRÍTICA DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ISO DA CONFIANÇA CIA. DE SEGUROS ANÁLISE CRÍTICA DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ISO DA CONFIANÇA CIA. DE SEGUROS Alessandra Lübbe 1 Paulo Roberto de Miranda Samarani 2 RESUMO Este artigo refere-se a proposta de trabalho de conclusão do curso

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RODRIGUES, Luiz Antonio Junior Docente do curso de Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG e-mail: Junior_fdi@terra.com.br RESUMO Este artigo visa demonstrar

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos 1 Objetivo Nivelar informações e conceitos sobre mapeamento de processos na UFABC. O que é um processo?? É um conjunto de atividades

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, no exercício das suas atribuições,

O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, no exercício das suas atribuições, Resolução PR nº 03/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 18/03/2013 R E S O L U Ç Ã O Nº 03/2013

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL OLIVEIRA,Ana Paula de¹ OLIVEIRA,Dirce Benedita de¹ NERY,Miriã Barbosa¹ SILVA, Thiago² Ferreira da² RESUMO O texto fala sobre o controle da qualidade total, como ela iniciou

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação Laboratório de Tecnologia de Software LTS Qualidade de Produto Cláudio Martins claudiomartins2000@gmail.com www.ufpa.br/redetic

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004

XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004 Implantação e certificação do sistema de gestão da qualidade do Programa Especial de Treinamento da Engenharia de Produção da UFSC conforme a norma ISO 9001:2000 Victor Monte Mascaro Vietti (PET Produção

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

Gestão da Qualidade. Engenharia da Qualidade. Prof. Dr. José Luiz Moreira de Carvalho. Engenharia da Qualidade

Gestão da Qualidade. Engenharia da Qualidade. Prof. Dr. José Luiz Moreira de Carvalho. Engenharia da Qualidade Gestão da Qualidade Prof. Dr. José Luiz Moreira de Carvalho APRESENTAÇÃO Prof. Dr. José Luiz Moreira de Carvalho * Graduação em Engenharia Química / Universidade Federal da Bahia * Mestrado em Engenharia

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS 9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS Autor(es) GIOVANNI BECCARI GEMENTE Orientador(es) FERNANDO CELSO DE CAMPOS 1. Introdução No

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr.

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr. Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos Nasario de S. F. Duarte Jr. Resumo Embora organizações projetizadas (empresas que trabalham sob projetos) existam

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ENTERPRISE RESOURCE PLANNING APPLIED IN THE MANUFACTURING PLANNING AND CONTROL José Eduardo Freire 1 Ruchele Marchiori Coan

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS O gerenciamento do sistem,a COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS Dandare Manuelle Pereira (1) Historiadora formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalha desde 2012 na SANASA no cargo

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é Identificação de problemas em seu sistema da gestão A melhoria contínua deve ser vista como uma atividade constante que tem como objetivos aumentar o envolvimento de todos da equipe, o aperfeiçoamento

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Aula 4 30/08 Projeto transformação dos requisitos da qualidade, definidos

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais