REPLICAÇÃO DE DADOS LINDIOMAR AFONSO DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPLICAÇÃO DE DADOS LINDIOMAR AFONSO DA SILVA"

Transcrição

1 UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS Autorizada pela Portaria no 577/2000 MEC, de 03/05/2000. BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPLICAÇÃO DE DADOS LINDIOMAR AFONSO DA SILVA Uberlândia 2006

2 LINDIOMAR AFONSO DA SILVA REPLICAÇÃO DE DADOS Trabalho de Final de curso submetido à UNIMINAS como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Francisco José Muller Uberlândia 2006

3 LINDIOMAR AFONSO DA SILVA REPLICAÇÃO DE DADOS Trabalho de Final de curso submetido à UNIMINAS como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador Prof. MSc. Francisco José Muller Banca Examinadora: Uberlândia, 20 de dezembro de Prof. MSc. Francisco José Muller Profa. Dra. Kátia Lopes Silva Prof. Márcio dos Reis Caetano Uberlândia 2006

4

5 AGRADECIMENTOS Ao Meu orientador, Prof. Francisco José Muller, pela paciência e pelo auxílio fornecido para a execução deste trabalho. trabalho. À Profa. Kátia, pelas dicas preciosas e pela cuidadosa revisão deste À Profa. Marília, pela sua colaboração, desde o projeto até a fase final deste trabalho. À Susana dos Santos Teobaldo, pelo apoio oferecido. À minha família, pela confiança, motivação e por nunca deixar apagar a chama do meu desejo. À minha mãe e à memória do meu pai, que me ensinaram desde pequeno o bom caminho que eu deveria seguir e até hoje me apóiam com amor e carinho. À minha esposa Flávia e o meu filho Erick, minha razão de viver, pela paciência, amor e compreensão nos momentos de ausência. A todos que, direta ou indiretamente, contribuíram para a elaboração deste trabalho.

6 RESUMO Encontrar soluções acessíveis aos padrões operacionais e comerciais brasileiros tem se tornado uma necessidade para várias organizações. Uma destas soluções é a Replicação de Dados. A Replicação quando utiliza ferramentas próprias dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGDB) proporciona interoperabilidade e agilidade na atualização de dados mesmo quando as informações estão inacessíveis por determinados períodos de tempo. É diante deste cenário que este trabalho faz um estudo da Replicação de Dados e implementa um estudo de caso onde se avalia a replicação numa base de dados operacional. O processo de Replicação de Dados mostrou-se bastante simples e eficaz, pois o conteúdo inicial e todas as atualizações foram replicados e a consistência das informações foi mantida através dos relacionamentos existentes na base e da checagem das chaves de controle utilizadas pela replicação. Os resultados apresentados pela implementação mostram que a Replicação de Dados é eficiente, prática e segura. Trabalhos futuros podem explorar ainda mais o potencial da replicação usando: produtos comerciais, outros SGBD disponíveis no mercado ou os outros tipos de replicação disponíveis no SQL Server, verificando e comparando os resultados obtidos com os resultados contidos neste trabalho. Distribuidor. Assinante. Palavras Chave: Banco de Dados. Replicação de Dados. Editor.

7 ABSTRACT To find accessible solutions to the operational standards and commercial Brazilians has become a necessity for some organizations. One of these solutions is the Replication of Data. The Replication when it uses proper tools of the Database Management Systems (DBMS) provides operability and agility in the update of data when the information is inaccessible for determined periods of time. In this scene that this work makes a study of the Replication of Data and implements a case study where it evaluates the replication in an operational database. The process of Replication of Data revealed sufficiently simple and efficient, therefore the initial content and all the updates had been replied and the consistency of the information was kept through the existing relationships in the base and of the checking in the keys of control used by the replication. The results presented for the implementation show that the Replication of Data is efficient, practical and insurance. Future works can explore the potential of the replication using: commercial products, other available DBMS in the market or the other available types of replication in the SQL Server, verifying and comparing the results gotten with the results contained in this work. Subscriber. Word-keys: Database, Replication of Data, Publisher, Distributor,

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Exemplo simplificado de um Sistema de Banco de Dados Figura 2 Exemplo Simplificado de DER Figura 3 Conteúdo da Tabela Stores Figura 4 Conceito Editor, Distribuidor e Assinante Figura 5 Agentes presentes em cada tipo de Replicação Figura 6 Diagrama Comparativo entre métodos de Replicação Figura 7 Representação Gráfica do DER Figura 8 Esquema de funcionamento da Replicação Figura 9 Assistente de Replicação Figura 10 Definindo o tipo de publicação Figura 11 Criando uma Publicação Figura 12 Associando o Assinante à publicação Figura 13 Tela do Monitor após a Criação da Replicação Figura 14 Agente de Replicação e visão detalhada da Replicação Figura 15 Coluna rowguid Uniqueidentifier inserida na tabela Titles Figura 16 Conteúdo da tabela Titles da Instância MATRIZ Figura 17 Tela do Monitor de Replicação Figura 18 Conteúdo da tabela Titles na instância FILIAL Figura 19 Histórico parcial das replicações Figura 20 Monitoramento da Atualização da Matriz para Filial... 42

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS SGBD Sistema de Gerenciamento Banco de Dados. DER Diagrama de Entidades e Relacionamentos. AT&T American Telephone and Telegraph. BD Banco de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Server Microsoft SQL Server. SQL Server Agent Microsoft SQL Server Agent. SQL DMO SQL Distributed Management Objects. MS DTC Microsoft Distributed Transaction Coordinator. OLE DB Object Linking and Embedding for Databases. ODBC Open Data Base Connectivity. DBMS Database Management Systems

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CENÁRIO ATUAL DA REPLICAÇÃO DE DADOS IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVOS DO TRABALHO Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA PARA A PESQUISA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO FUNDAMENTOS DE BANCO DE DADOS (BD) INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO METADADOS SISTEMA GERENCIADOR BANCO DE DADOS (SGBD) EXEMPLO DE DIAGRAMA DE ENTIDADE E RELACIONAMENTO (DER) EXEMPLO DE TABELA UTILIZADA CONCEITO DE TRANSAÇÕES FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO REPLICAÇÃO DE DADOS INTRODUÇÃO PROBLEMAS QUE REQUEREM REPLICAÇÃO VANTAGENS DA REPLICAÇÃO DESVANTAGENS DA REPLICAÇÃO CONCEITO EDITOR, DISTRIBUIDOR E ASSINANTE AUTONOMIA E LATÊNCIA AGENTES DE REPLICAÇÃO DEFINIÇÃO DO TIPO DE REPLICAÇÃO Replicação Instantânea Replicação Transacional Replicação Mista OUTROS MÉTODOS DE REPLICAÇÃO ESTUDO DE CASO REPLICANDO DADOS EM UMA REDE DE EDITORAS ESPECIFICAÇÃO DO PROBLEMA DEFINIÇÕES DO BD E TABELAS SOLUÇÃO PROPOSTA DEFININDO PARÂMETROS E REGRAS CONFIGURANDO A REPLICAÇÃO Assistente de Configuração do SQL Server Definindo o Tipo da Replicação Definindo a Publicação Definindo o Assinante OS AGENTES DA REPLICAÇÃO INSERINDO, MONITORANDO E ANALISANDO OS DADOS Inserindo dados Monitorando os Dados Analisando a Consistência dos Dados CONCLUSÕES TRABALHOS FUTUROS...44

11 10 1 INTRODUÇÃO 1.1 Cenário atual da Replicação de Dados Atualmente o tamanho dos Bancos de Dados (BD) corporativos tem se tornado cada vez maior, exigindo, assim, mais recursos para armazenamento e acessibilidade. BD de vários gigabytes ou até mesmo terabytes são extremamente comuns nos dias atuais. [...] a empresa telefônica americana AT&T registra mais de 200 milhões de telefonemas em um único dia e a empresa varejista Wal-Mart registra mais de 20 milhões de transações diárias. (LOUZADA-NETO, 2002). Diante disto, qual a maneira mais rápida, segura, confiável, fácil e viável para obter estas informações? Existem inúmeras soluções para esta questão, uma delas é a Replicação de Dados. A Replicação de Dados é uma poderosa e importante tecnologia para manipulação e duplicação de cópias, mantendo e sincronizando-as automaticamente em diferentes locais, de forma que todas as cópias existentes no ambiente trabalhem com as mesmas informações. Essa "redundância" útil melhorará consideravelmente a disponibilidade das informações, pois elas estarão mais próximas dos seus leitores. A replicação é desejável por pelo menos dois motivos: primeiro, pode significar melhor desempenho (aplicações podem operar sobre cópias locais em vez de se comunicarem com sites remotos); segundo, também pode significar melhor disponibilidade (um dado objeto replicado permanece disponível para processamento pelo menos para acesso enquanto houver no mínimo uma cópia disponível). (DATE, 2000, p. 570). De acordo com pesquisa realizada em várias empresas da região (ver Anexo A) a Replicação de Dados não é uma solução utilizada em larga escala, é usada a apenas como ferramenta auxiliar na melhoria do desempenho de algumas aplicações e em outros casos apenas como instrumento de backup.

12 Identificação do problema Qual maneira mais fácil e viável de replicar dados ou banco de dados, independentemente do volume, sem utilizar softwares desenvolvidos especificamente para esta finalidade ou recursos como Backup e Restore? Antes de responder a esta questão, é necessário saber o que é Replicação de Dados e como ela acontece. Existem duas maneiras de se replicarem dados: Síncrona e Assíncrona. Replicação Síncrona é um tipo de replicação em que toda a propagação desencadeada deve ser concluída antes que a transação em questão possa se completar, ou seja, todas as cópias publicadas passarão a ter conteúdos idênticos, dependendo exclusivamente de conexão permanente entre os sistemas. Replicação Assíncrona é realizada em um momento posterior ou em períodos de tempos específicos determinados pelo usuário, não necessariamente dentro do escopo da transação relevante. Esse tipo de replicação pode ser aplicado de três maneiras distintas, a saber: Replicação Total (foto replicação), Replicação Parcial (replicação de transação) e Replicação Mista (ambos os sentidos). Ambos os tipos de Replicação possuem vantagens e desvantagens, devendo a escolha do tipo obedecer a uma avaliação detalhada das necessidades, autonomia, latência, topologia, disponibilidades de recursos e finalidades a que se destinam. Desse modo, este estudo faz uma abordagem sobre a Replicação de dados, implementando e demonstrando a segurança, a facilidade e a confiabilidade deste recurso. 1.3 Objetivos do trabalho Objetivo Geral Este trabalho tem por objetivo implementar um estudo da Replicação de Dados entre duas fontes distintas e separadas fisicamente.

13 Objetivos Específicos Através da Replicação será demonstrada uma nova opção para sincronização do BD, mostrando que a mesma poderá ser uma poderosa aliada para a administração de dados, sua publicação e sua distribuição. O principal desafio deste trabalho é manter a qualidade e a confiabilidade das atualizações entre BD, assegurando a consistência dos dados entre as diversas fontes envolvidas, mesmo estas estando distantes fisicamente. A integridade será verificada com a análise dos dados transferidos comparando as fontes envolvidas e será garantida pelo BD através das chaves primárias e estrangeiras existentes nas tabelas replicadas, uma vez que a Replicação será realizada sem alterações em suas estruturas básicas. Durante o processo será monitorado a transferência dos dados e o desempenho da Replicação, avaliando se a mesma está operando dentro das expectativas previamente sugeridas. Com isso, pretende-se demonstrar aos profissionais das áreas, a configuração, as funcionalidades e a utilização da Replicação de Dados, tornando este trabalho guia de referência para a Replicação de Dados. 1.4 Justificativa para a pesquisa A principal justificativa para a realização deste projeto é difundir a Replicação de Dados, pois a mesma não está seguindo a evolução constante da utilização de BD, seja por desconhecimento dos processos ou pelo fato de a mesma estar em uso apenas em setores específicos do mercado, em que a distribuição dos dados é usada apenas como ferramenta auxiliar na melhoria do desempenho das aplicações ou como instrumento de backup, conforme relatado pelas empresas pesquisadas (ver Anexo A). A Replicação é necessária quando se deseja armazenar dados redundantes, possibilitando assim o acesso aos dados em diversos locais físicos, através de equipamentos diferentes ou em softwares distribuídos em ambientes distintos. A Replicação possibilita, ainda, transferência e atualização dos dados entre diversas fontes.

14 13 Ao implementar a replicação, será possível avaliar sua viabilidade, fazer uma comparação dos resultados obtidos frente às soluções apresentadas, verificando impactos positivos usados para reduzir possíveis fatores negativos. Apesar das várias fontes consultadas, Silberschatz e Korth (1991), Date (2000), Elmasri e Navathe (2005), nenhuma delas apresenta um estudo abrangente sobre o assunto. Diante disto, este trabalho busca aprofundar a utilização da Replicação para armazenamento e alta disponibilidade de dados. Logo, este trabalho contribuirá para aumento de bibliografia sobre o assunto. Desta forma, ao tornar as informações mais concisas, homogêneas e de fácil entendimento, uma contribuição será dada aos profissionais da área e à comunidade acadêmica, justificando-se, assim, a realização deste trabalho. 1.5 Organização do Trabalho Este trabalho está organizado da seguinte maneira: o capítulo 1 apresenta todas as informações necessárias para o correto transcorrer desta pesquisa, ressaltando, de um modo geral, os objetivos e resultados desejados com este trabalho. O capítulo 2 descreve a teoria de Banco de Dados, Sistema Gerenciador de Banco de Dados, Metadados, Transações e todos os componentes necessários para a realização deste trabalho. O capítulo 3 mostra o conceito de Replicação, as vantagens e desvantagens de sua utilização e os Tipos de Replicação disponíveis no SQL Server: Instantânea, Transacional e Mista, que fazem parte deste trabalho. No capítulo 4 é analisada a utilização da Replicação Mista para a solução de um problema proposto que consiste em unificar várias informações de vários locais diferentes numa única base de dados. No capítulo 5 são apresentados os resultados obtidos, a conclusão, e as sugestões para trabalhos futuros sobre o tema.

15 14 2 FUNDAMENTOS DE BANCO DE DADOS (BD) 2.1 Introdução Para crescer no mercado empresarial, uma organização deve preocupar-se especialmente com o modo de organizar e acessar seus dados. A forma mais eficiente de gerenciamento de dados na atualidade é através de um BD estruturado e informatizado. Além de interligar todo trabalho da organização, reduz custos, elimina duplicação, permite uma previsão de crescimento da empresa e ajuda na elaboração de estratégias futuras. Na atualidade, o grande volume de informações contidas num BD informatizado está se tornando um fator altamente crítico para a manutenção dos dados, principalmente quando se trata de informações críticas ou sistemas baseados em tempo real. O acesso a estas informações é complicado, devido a uma série de fatores: excesso de informações armazenadas, chegando a alguns casos a conter Terabytes de dados; múltiplos servidores e múltiplos bancos de dados; diferentes fornecedores de softwares e diferentes arquiteturas de bancos de dados (Relacionais, Orientados a Objetos, Textuais, Geográficos, etc.); servidores separados geograficamente ou ligados através de link remoto e clientes desconectados ou conectados em determinados períodos de tempo. Neste trabalho será utilizado o Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) da Microsoft SQL Server 2000 (SQL Server), pois apresenta uma estrutura simples, interativa e de fácil compreensão. A escolha do banco foi baseada no conjunto de ferramentas gráficas nativas e disponíveis no próprio SGBD, não sendo necessário em momento algum utilizar ferramentas ou recursos externos na elaboração deste trabalho. 2.2 Definição Segundo Elmasri e Navathe (2000, p. 4), Banco de Dados (BD) é uma coleção de dados relacionados entre si. Esta definição é muito genérica. Geralmente, um ponto de vista mais específico ou restrito é utilizado, pois são consideradas as seguintes propriedades implícitas: deve representar aspectos do

16 15 mundo real, em que mudanças neste ambiente são refletidas no BD; devem existir coerência e um significado inerente entre os dados contidos nesta coleção e devem conter dados que atendam a um propósito específico, de acordo com os interesses predefinidos pelo usuário do BD. 2.3 Metadados Metadados podem ser definidos como um catálogo de dados que contém as informações e estruturas de um BD primário. Por exemplo, os Metadados indicam quais tabelas existem num BD, quais atributos compõem uma determinada tabela e quais são as características destes atributos, tais como: formato, tamanho, máscara. Essas informações são atualizadas pelo próprio Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) e auxilia na manipulação dos dados. A necessidade dos Metadados está em manter as documentações eficientes, claras e nítidas dos dados armazenados num BD. Sem isto, as localizações de dados necessários para as aplicações tornar-se-iam mais complicadas. Este catálogo contém definições da estrutura de cada arquivo, o tipo e o formato de armazenamento de cada item de dados e várias restrições ligadas a ele. É usado pelo SGBD e, ocasionalmente, por algum usuário do BD, para diversas necessidades e diferentes propósitos. 2.4 Sistema Gerenciador Banco de Dados (SGBD) De acordo com Elmasri e Navathe (2000, p. 5), Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGDB) é uma coleção de programas que habilitam os usuários a criar e manter um banco de dados. Os SGBD s são softwares de propósito geral, que facilita o processo de definição, construção e manipulação de BD. A principal atribuição de um sistema de gerenciamento de bancos de dados é armazenar as definições e descrições sobre a estrutura que forma o BD, incluindo os Metadados. condições: Um sistema de gerenciamento de BD deve satisfazer as seguintes

17 16 a) Auto Contenção: é uma propriedade que armazena toda a descrição dos dados, relacionamentos e formas de acesso. b) Independência dos Dados: visa manter a separação entre o catálogo de dados (Metadados) e o programa de acesso a dados. Esta propriedade permite a alteração da estrutura dos dados, independentemente de ser necessário ou não a alteração de algum programa. Toda vez que um programa SGDB acessar este catálogo corrigido, a nova estrutura do registro já estará disponível para uso. c) Abstração dos Dados: visa garantir uma visão totalmente abstrata do BD para o usuário, pouco importando a forma usada para guardar seus dados, mas que eles estejam sempre disponíveis. Esta propriedade se divide em três níveis: nível de visão de usuário, nível conceitual e nível físico. d) Visões: propriedade que permite que um mesmo dado seja acessado, de acordo com o interesse do usuário, sendo que as informações não necessárias são ocultas. Visões são apenas descrições de dados. O dado que existe de fato está apenas no nível físico. e) Transações: é uma unidade lógica de trabalho que visa manipular os dados. É coerente que bancos de dados garantam que suas transações contenham atomicidade, consistência, isolamento e durabilidade. f) Acesso Automático: permite que não acorra o travamento de uma informação, ou seja, o SGDB evita que um processo seja travado por outro e este outro processo seja travado pelo primeiro, evitando assim um dead-lock travamento mortal. De acordo com Elmasri e Navathe (2000, p ), os sistemas de gerenciamento de banco de dados apresentam as seguintes características operacionais elementares: a) Controle de Redundâncias: a informação é armazenada em um único local não existindo a duplicação desnecessária dos dados. b) Compartilhamento dos Dados: deve garantir a leitura de dados, gerenciando a concorrência de acessos. c) Controle de Acesso: cada usuário do BD pode ter seu acesso gerenciado independentemente de outro e, em alguns casos, um usuário poderá ter acesso de leitura para determinada informação, sem privilégio para alterá-la.

18 17 d) Interfaceamento: deverá dispor de ferramentas gráficas, em linguagem natural, sendo possível seu acesso via aplicação ou através de um gerenciador de conexão. e) Esquematização: deverá conter ferramentas que auxiliem na identificação dos relacionamentos entre os Metadados e entre os elementos contidos em sua estrutura. f) Controle de Integridade: deverá gerenciar o controle de acessos impedindo que uma aplicação ou uma instrução corrompa os dados que tenham dependências de relacionamento. g) Backup: deverá conter utilitário que seja capaz de criar cópias dos dados, mantendo-as em uma unidade de armazenamento. A cópia backup poderá ser usada para restaurar um BD corrompido ou danificado, exigindo em determinados casos o mínimo possível de intervenção do usuário. A figura 1 representa um exemplo simplificado de um sistema de BD, mostrando as relações entre os dados e Metadados e a forma como são acessadas estas informações, nela podemos ver claramente a separação de dados Metadados (definição dos dados) e os Dados armazenados (dados do usuário) e ainda a atuação do SGDB como gerenciador e facilitador de acesso aos dados pelos usuários e programadores.

19 18 Figura 1 Exemplo simplificado de um Sistema de Banco de Dados 2.5 Exemplo de Diagrama de Entidade e Relacionamento (DER) São representações gráficas do conteúdo e dos relacionamentos existentes entre uma ou mais tabelas contidas em um BD. O DER mostra uma visão mais organizada e estruturada e têm por finalidade facilitar a utilização do BD. Na figura 2 temos um exemplo simplificado de um DER extraído do Banco Pubs contido no SQL Server, o banco Pubs é um banco exemplo contido no SQL Server e é utilizado principalmente para testes da aplicação.

20 19 Figura 2 Exemplo Simplificado de DER 2.6 Exemplo de tabela utilizada A figura 3 mostra a estrutura e o conteúdo da tabela Stores do Banco Pubs do SQL Server, utilizada para demonstrar a Replicação de Dados. Fonte: Books On Line contido no SQL Server Figura 3 Conteúdo da Tabela Stores

21 Conceito de Transações Segundo Silberschatz e Korth (1991), Uma transação é uma ou mais operações de acesso a BD executados como uma unidade lógica e única de trabalho. Uma unidade lógica de trabalho deve exibir as quatro propriedades ACID (Atomicidade, Consistência, Isolamento, e Durabilidade), a saber: a) Atomicidade: Uma transação deve ser uma unidade atômica de trabalho e todas as ações são desempenhadas ou nenhumas delas são. b) Consistência: Quando completada, uma transação deve deixar todos dados em um estado consistente. Em um BD relacional, todas as regras devem ser aplicadas para que as modificações da transação mantenham a integridade de dados. c) Isolamento: Modificações feitas por transações devem ser isoladas das modificações feitas por quaisquer outras transações concorrentes. Uma transação vê os dados no estado em que estava antes que outra transação concorrente modifique o mesmo. d) Durabilidade: Depois de uma transação completada, seus efeitos devem estar permanentemente armazenados no sistema. As modificações devem persistir até mesmo se ocorrer um evento de falha no sistema. No SQL Server, para determinar os limites de uma transação, é necessário estabelecer explicitamente declarações de início e fim. Nesse caso, todas as operações que englobam: inserção, exclusão, alteração ou recuperação executadas entre duas declarações são consideradas parte da mesma transação. Uma transação poderá estar inserida noutra, sendo que para cada uma delas é garantida a atomicidade da mesma. Uma Transação pode também ser implícita quando se executa comandos de inclusão, alteração ou remoção avulsas, fora de uma transação explícita. O SQL Server trata este comando como uma transação, pois a atomicidade também é mantida para cada operação individual. explícita: Comandos do SQL Server usados para controle de transação a) Begin Transaction / Begin Distributed Transaction: marca o início explícito de uma transação local ou distribuída;

22 21 b) Commit Transaction: marca o fim explícito de uma transação e a permanência das modificações no BD, ou seja, valida todas as operações realizadas desde o início da transação; c) Rollback Transaction: marca o fim explícito de uma transação e o conseqüente abandono das modificações no BD, ou seja, todas as operações realizadas desde o início da transação são descartadas permanentemente. 2.8 Ferramenta de desenvolvimento Para demonstrar a replicação será utilizado SQL Server, pois apresenta ferramentas nativas para implementação e gerenciamento, não sendo necessário aquisição ou desenvolvimento de ferramentas específicas para a conclusão deste trabalho. O SQL Server fornece vários métodos para programar e administrar a Replicação de Dados, incluindo a organização gráfica dos objetos da Replicação e vários exemplos e diálogos usados para simplificar sua configuração e administração. O SQL Server utiliza em sua estrutura interfaces de programação Microsoft ActiveX, SQL-DMO, e Scripting de Transact-SQL, Windows Synchronization Manager e Active Directory. Estas ferramentas permitem modificar e monitorar as propriedades e as atividades da Replicação e habilitam a sincronização de dados, controle de publicações, organização e acesso às replicações. Os serviços mais importantes do SQL Server são: a) MSSQLServer: realiza o processamento dos seus dados, executando consultas e transações, sendo responsável por manter a integridade e a consistência dos dados. b) SQL Server Agent: é o serviço que permite trabalhar com agenda de tarefas automáticas, fazer configuração sobre providências a serem tomadas no caso de ocorrência de erros e prover comunicação entre os operadores do sistema via . Além desses serviços, o SQL Server Agent também participa do processo de Replicação dos Dados em um ambiente distribuído. c) Microsoft Distributed Transaction Coordinator (MS-DTC): é o serviço que gerencia a integridade transacional das operações executadas em sistemas

23 22 distribuídos, garantindo, assim, que todas as tarefas efetuadas sejam exatamente iguais para todos os servidores envolvidos no processo, além de manter a integridade e consistência nos dados. Quando o SQL Server é instalado, são configurados os Metadados que compõem as suas estruturas lógicas e de controle, Dentre esses Metadados, as estruturas mais importantes são: Master, Model, Tempdb, Msdb (fazem parte dos Metadados do sistema) e Distribution, que faz parte do BD do usuário. O Distribution será criado no servidor de distribuição somente quando for configurado o processo de Replicação, sendo utilizado para o armazenamento dos históricos das transações a serem replicadas.

24 23 3 REPLICAÇÃO DE DADOS 3.1 Introdução De acordo com Silberchatz e Korth (1991), Replicação é manutenção de diversas réplicas (cópias) de um mesmo dado em diferentes locais, mantendo relação entre as informações destas fontes. Para entender tal afirmação, é necessário conhecer os conceitos: Editor, Distribuidor, Assinante, Autonomia e Latência, essenciais para o sucesso da Replicação. 3.2 Problemas que Requerem Replicação A Replicação pode resolver uma variedade de problemas, a saber: a) Vários locais necessitam acessar a cópia de um mesmo dado. Esta situação é muito comum a usuários remotos e localizações distantes. b) Necessidade de melhorar o desempenho local. Indicado para unir BD que estão fisicamente separados; melhorar o tempo de resposta para busca e agregação de dados; distribuir processamento através servidores múltiplos; escalonar o acesso para leitura e dividir informações baseadas nas necessidades de cada uma das unidades de uma empresa. 3.3 Vantagens da Replicação Segundo Gomes, Santos e Rosário (2003), as vantagens da replicação são: aumento considerável da disponibilidade dos dados, já que os mesmos podem ser acessados em vários locais diferentes; aumento da confiabilidade, uma vez que os dados podem ser acessados mesmo que haja indisponibilidade de determinado local; redução do tráfego de rede em horários de pico, já que a replicação pode ser programada em horário com menor tráfego de dados, por exemplo, à noite; aumento do paralelismo, pois as informações podem ser acessadas no site mais próximo de onde a transação está sendo executada e desta forma minimizar o movimento de dados entre os diversos locais.

25 Desvantagens da Replicação Segundo Gomes, Santos e Rosário (2003), as desvantagens da replicação são: redundância de operação, pois é necessário um tempo adicional para operações de atualização das réplicas; aumento da propagação de atualização de dados, pois para assegurar a consistência das informações, toda atualização deve ser propagada a todos os locais que contém suas réplicas; espaço adicional para armazenamento e, conseqüentemente, um maior espaço em memória, discos e unidades de backup; aumento do custo de operação (apesar deste estudo não detalhar os custos da replicação) uma vez que existe maior complexidade no tratamento da Replicação e, em alguns casos, a aquisição de softwares licenciados será necessária. 3.5 Conceito Editor, Distribuidor e Assinante A Replicação pode ser representada por um modelo simbólico (conforme descrito na figura 4), em que o editor publica, o distribuidor entrega e o assinante lê. O Editor envia a informação, um exemplo hipotético seria a revista. Em termos práticos: mantém a fonte de dados; faz a publicação dos dados a partir das fontes de dados disponíveis; detecta as mudanças realizadas nos dados e envia as mudanças para os assinantes. O Distribuidor entrega a informação, ou seja, distribui a revista, sendo responsável por conter o BD de distribuição; armazenar Metadados, dados históricos e transações; prover suporte para um ou mais assinantes. O Assinante usa a informação, ou seja, lê a revista, recebe as mudanças das publicações e mantém uma cópia do dado.

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 REPLICAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER 2012 Renata Azevedo Santos Carvalho 1 RESUMO Neste artigo serão relatadas as novidades que o SQL Server 2012 vem trazendo nesta sua nova versão no que se

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 2 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Revisão sobre Banco de Dados e SGBDs Aprender as principais

Leia mais

Banco de Dados Distribuídos

Banco de Dados Distribuídos A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos. Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte

Bancos de Dados Distribuídos. Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte Bancos de Dados Distribuídos Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte Conceitos Sistema distribuído. Banco de dados distribuído (BDD). Coleção de multiplos

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

BARBIERI, Carlos. BI Modelagem de Dados. Rio de Janeiro: Infobook, 1994.

BARBIERI, Carlos. BI Modelagem de Dados. Rio de Janeiro: Infobook, 1994. Faculdade Pitágoras Unidade 1 Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan Imagem: BARBIERI, Carlos. Material usado na montagem dos Slides INTRODUÇÃO

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Arquitetura de SGBD Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Agenda Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos

Leia mais

CONTROLE DE CONCORRÊNCIA EM BANCO DE DADOS: Estudo de Caso Microsoft SQL Server 2008

CONTROLE DE CONCORRÊNCIA EM BANCO DE DADOS: Estudo de Caso Microsoft SQL Server 2008 CONTROLE DE CONCORRÊNCIA EM BANCO DE DADOS: Estudo de Caso Microsoft SQL Server 2008 GERALDA SILVIA DE VASCONCELOS JARDIM 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo descreve a importância do mecanismo

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Página 2 Definição BD Def. Banco de Dados é uma coleção de itens de dados

Leia mais

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)?

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)? Roteiro BCC321 - Banco de Dados I Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Conceitos Básicos Banco

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III 4 ADMINISTRAÇÃO DE SGBDs As pessoas que trabalham com um banco de dados podem ser categorizadas como usuários de banco de dados ou administradores de banco de dados. 1 Entre os usuários, existem

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Softwares Aplicativos Banco de Dados

Softwares Aplicativos Banco de Dados Softwares Aplicativos Banco de Dados INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Serviços 3. Usuários 4. Evolução 5. Exemplos 03 Banco

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos.

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. 1. Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. O conceito de base de dados faz hoje parte do nosso

Leia mais

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase. ? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.? Desde de 1994, a Microsoft lança versões do SQL SERVER

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Processamento de Transações Ambiente com SGBD Distribuído Transações

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Banco de Dados I Introdução

Banco de Dados I Introdução Banco de Dados I Introdução Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) IFSul Campus Charqueadas Sumário da aula Avaliações Visão geral da disciplina Introdução Histórico Porque

Leia mais

TRANSAÇÃO. Reconstrução ( recovery ) BANCO DE DADOS 2. Tipos de falhas (1) Tipos de falhas (2) Princípios

TRANSAÇÃO. Reconstrução ( recovery ) BANCO DE DADOS 2. Tipos de falhas (1) Tipos de falhas (2) Princípios BANCO DE DADOS TRANSAÇÃO Reconstrução ( recovery ) Idéia básica Em algum momento no tempo, todo sistema computacional apresentará uma falha. Prof. Edson Thizon O SGBD deve incorporar mecanismos de proteção

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 04 SGBD Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Conceitos Básicos DADOS: são fatos em sua forma primária. Ex: nome do funcionário,

Leia mais

4 Um Exemplo de Implementação

4 Um Exemplo de Implementação 4 Um Exemplo de Implementação Neste capítulo será discutida uma implementação baseada na arquitetura proposta. Para tanto, será explicado como a arquitetura proposta se casa com as necessidades da aplicação

Leia mais

Implementação de BD. Banco de dados relacional. Elementos que compõem o banco de dados CAMPO REGISTRO TABELA. Paulo Damico MDK Informática Ltda.

Implementação de BD. Banco de dados relacional. Elementos que compõem o banco de dados CAMPO REGISTRO TABELA. Paulo Damico MDK Informática Ltda. Implementação de BD Banco de dados relacional Elementos que compõem o banco de dados CAMPO REGISTRO TABELA Implementação de BD CAMPO O elemento campo é a menor unidade de armazenamento de um banco de dados

Leia mais

AUDITORIA EM BANCO DE DADOS COM UTILIZAÇÃO DE REGRAS

AUDITORIA EM BANCO DE DADOS COM UTILIZAÇÃO DE REGRAS REVISTA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA AUDITORIA EM BANCO DE DADOS COM UTILIZAÇÃO DE REGRAS Eder Pazinatto Faculdade Anhanguera de Passo Fundo RESUMO: A busca por mecanismos que implementam segurança

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação ão? Como um sistema de gerenciamento

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos conceitos básicos de gerenciamento de projetos e considerando o PMBOK, julgue os itens a seguir. 51 No gerenciamento de um projeto, deve-se utilizar não apenas as ferramentas

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados. (Aula 1) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados. (Aula 1) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados (Aula 1) Clodis Boscarioli Agenda: Apresentação do Plano de Ensino; Aspectos Históricos; Estrutura Geral de um SGBD; Profissionais

Leia mais

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ Agenda Caché Server Pages Uma Aplicação Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Salgado Mestrado Profissional 2 SGBD de alto desempenho e escalabilidade Servidor de dados multidimensional Arquitetura

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

INF220 - Banco de Dados I

INF220 - Banco de Dados I Banco de Dados - Introdução Bibliografia INF220 - Banco de Dados I Prof. Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática - UFV Notas de Aula (jugurta@dpi.ufv.br) ELMASRI, R; NAVATHE, S. Fundamentals of

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services

Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services Microsoft Corporation Publicação: 14 de março de 2005 Autor: Tim Elhajj Editor: Sean Bentley Resumo Este documento fornece instruções

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais